ESTUDO DE CASO QUE RETRATA A RELAÇÃO DO ALCOÓLATRA COM A SAÚDE DA FAMÍLIA RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE CASO QUE RETRATA A RELAÇÃO DO ALCOÓLATRA COM A SAÚDE DA FAMÍLIA RESUMO"

Transcrição

1 ESTUDO DE CASO QUE RETRATA A RELAÇÃO DO ALCOÓLATRA COM A SAÚDE DA FAMÍLIA Gustavo Marcos Costa Margarida 1 José Quirino Tavares Neto 2 RESUMO Introdução: Atualmente o aumento do consumo das drogas lícitas como o álcool expõe as famílias e comunidades a uma pressão e uma tensão que era desconhecida anos trás. Sabendo disso esse artigo se trata de problemas que o álcool causa no relacionamento familiar, mostrando que há uma necessidade de criar programas relacionados à saúde da família, reconhecendo o alcoolismo como um problema de abrangência coletiva e não apenas de caráter exclusivo de quem consome a bebida. Objetivo: Visar curar, melhorar a qualidade de vida e o bem estar social de uma alcoólatra e de sua família. Metodologia: Trata-se de um estudo de casos, realizado em Paracatu-MG no bairro Nossa Senhora de Fátima em que foram feitas visitas domiciliares em um período que vai de março a novembro de 2007, por acadêmicos de medicina com a ajuda de tutores e agentes comunitários de saúde, na intenção de colher dados, aplicando-os no Arco de Marguerez, depois de identificado o problema do alcoolismo em relação à família, aplicamos medidas para amenizar a o atrito que essa família vivia. Resultados: Abstinência da alcoólatra por dois meses, e uma suavização do relacionamento durante 1 Aluno de Medicina da Faculdade Atenas em Paracatu, Minas Gerais, end: Rua Rio Grande Do Sul n 924, CEP: ; 2 Professor do curso de Medicina da Faculdade Atenas-Paracatu-MG.

2 esse período. Conclusão: Dentro dos limites desta investigação, este foi o retrato de uma família de alcoolista, extraído de um estudo em particular. Evidentemente, o conhecimento encontrado nesta busca é ainda incompleto, fragmentado, mas precisa ser ampliado, pois o alcoolismo afeta muitas famílias principalmente aquelas que não possuem informações. Palavras-Chave: Alcoolismo; Família; Convívio familiar; Qualidade de vida; Saúde da família. 1. INTRODUÇÃO a. ESTADO DA ARTE O alcoolismo é o conjunto de problemas relacionados ao consumo excessivo e prolongado do álcool; é entendido como o vício de ingestão excessiva e regular de bebidas alcoólicas, e todas as conseqüências decorrentes. O alcoolismo é, portanto, um conjunto de diagnósticos. Dentro do alcoolismo existe a dependência, a abstinência, o abuso (uso excessivo, porém não continuado), intoxicação por álcool (embriaguez), síndromes amnéstica (perdas restritas de memória), demencial, alucinatória, delirante, de humor, distúrbios de ansiedade, sexuais, do sono e distúrbios inespecíficos. Por fim o

3 delirium tremens, que pode ser fatal. Assim o alcoolismo é um termo genérico que indica algum problema, mas medicamente para maior precisão, é necessário apontar qual ou quais distúrbios estão presentes, pois geralmente há mais de um (Da Silva, 2006). O consumo do álcool é um dos hábitos sociais mais antigos e difundidos entre as populações, já que está correlacionado a ritos religiosos, valores sociais e culturais, além de lhe ser conferido efeitos como calmante, afrodisíaco, estimulante de apetite, desinibidor dentre outros. Além do mais, a cultura pode influenciar o padrão e o contexto, assim como a quantidade do consumo de álcool e o padrão desse consumo pode, por sua vez, ser um determinante importante dos problemas com bebida (Edwards G, 1999). A dependência química constitui hoje problema de saúde experienciado por um contingente significativo da população. Considerando esse contexto, os municípios precisam organizar-se para atender pessoas acometidas por essa patologia, indo ao encontro dos pressupostos da Reforma Psiquiátrica Brasileira (Edwards, 1999). Cerca de 15% das pessoas que consomem álcool progridem para o alcoolismo. Esse é um dado realmente preocupante, já que tal patologia pode prejudicar tanto a qualidade de vida dos sujeitos alcoolistas, como do seu meio familiar e social. Ainda, o Ministério da Saúde salienta que 6% da população apresenta transtornos psiquiátricos graves decorrentes do uso de álcool e outras drogas (Masur, 1984). A relação do homem com o álcool é tão antiga quanto o mundo. Até certo ponto, poderia ser considerada normal ou funcional desde que a satisfação decorrente do uso desta substância superasse os prejuízos que ela pode provocar nos usuários e não lhes subtraísse a liberdade de decidir quando e como beber4. Entretanto, quando o conjunto de danos provocados pela sua ingestão descontrolada começa a afetar, de forma

4 negativa, as pessoas e a coletividade, esta relação passa a ser chamada de alcoolismo e, a partir daí, transforma-se num dos maiores flagelos do mundo moderno (Masur, 1984). A dependência ao álcool é um fenômeno que pode ser compreendido de diversas maneiras. Para algumas pessoas é sinal de fraqueza de personalidade, ou mesmo uma predestinação da qual é praticamente impossível fugir e, para outras, é uma doença considerada crônica e potencialmente fatal. Independente, porém, de qual seja a teoria particular para explicar o alcoolismo é inegável que seus efeitos atingem não apenas a pessoa que bebe, mas também a família como um todo e, por essa razão, é coerente pensar que não existe apenas um ser que precisa ser cuidado, mas uma família que necessita de cuidados. Cuidar, portanto, da pessoa alcoolista, tomando-a apenas na perspectiva restrita de seu espaço corporal e individual, representa, no mínimo, uma subutilização das ações empreendidas, uma vez que esta doença, quando acontece, atinge as outras pessoas que compartilham o mesmo contexto (Da Silva, 2006). Embora na área da saúde o alcoolismo seja reconhecido como uma doença, a saúde da família que com ele convive é, em geral, ignorada na medida em que, geralmente, são tratadas apenas como coadjuvante para o tratamento da pessoa que bebe. A tendência, porém, para reconhecê-lo como um problema de abrangência coletiva e não apenas de caráter exclusivo de quem consome a bebida é apontada na própria definição adotada pela organização Mundial da Saúde (OMS), a qual considera como alcoolista aquela pessoa que bebe em excesso e cuja dependência tenha alcançado um grau tal que determine o aparecimento de perturbações visíveis, tanto interpessoais ou intrapessoais, como físicas, comprometendo seu adequado funcionamento social e econômico. Sob esta concepção, a pessoa dependente do álcool passa a ser apenas parte de um problema cujas conseqüências atingem, diretamente, sua família, avançando, simultaneamente,

5 nas dimensões social, econômica, cultural, intelectual, emocional e biológica, que constituem o seu contexto de vida (Paidos, 1992). As repercussões desta doença, no âmbito familiar, podem ser avaliadas através de dados apontando que os filhos de pais alcoolistas são muito mais passíveis de se tornarem também alcoolistas. Alguns autores chegam a estimar que para os filhos de alcoolistas o risco para desenvolver dependência ao álcool, na idade adulta, é três vezes maior do que para aqueles cujos pais não são alcoolistas (Glitow, 1991). b. CONTEXTUALIZAÇÃO L. é o foco desse projeto, uma mulher de 43 anos, viúva, mora com os filhas (N. 17 anos, R. 17 anos, RN. 16 anos, S. 15 anos) e sua neta (SN. 10 meses), em uma casa simples no bairro Nossa Senhora de Fátima, Paracatu-MG. A residência da família é feita sem reboco, telha de amianto, e o chão é de cimento batido, no local possui água encanada, rede de esgoto e um bom estado de higiene. L. é alcoólatra e necessita de atenção e apoio para tentar curar essa doença que tem um forte estigma social e que acarreta um decréscimo na qualidade de vida do doente, família e comunidade. Sem vaidade alguma L. não se preocupa com a vida, alem de não ter um bom relacionamento como as filhas devido ao costume da bebida. O alto consumo do álcool leva os filhos a se distanciarem da mãe. As filhas moram com a mãe, mas apenas uma das quatro que moram com ela trabalha, já as outras passam o tempo ocioso e não se

6 preocupam com o futuro, com a família, e nem com os estudos, seguindo o exemplo da mãe, que está sempre causando atrito. Dentre os problemas da família se encontra a baixa renda familiar, o difícil convívio entre os membros da família, a falta de ocupação, e o alcoolismo de L. No entanto L. enfrenta o problema do alcoolismo, tentando superá-lo, pois tentou parar de beber por não estar se dando bem com a família, mas não obteve bons resultados. A seguir o genograma da família de L. GENOGRAMA LEGENDA Pessoas que moram juntas; Relacionamento conflituoso; Gêmeos; ALC- Alcoolismo;

7 Separação;?- Idade desconhecida; Falecimento; Pessoa chave. c. JUSTIFICATIVA Atualmente grandes partes das famílias brasileiras sofrem com esse tipo de mazela, mostrando assim o difícil convívio familiar, problemas profissionais, abuso de menores, e violência, devido ao álcool ser uma droga de fácil acesso, assim sendo, temos que abordar a relação clara que o álcool possui com o meio, além de observar, freqüentemente, no âmbito da prática profissional, certo distanciamento entre os profissionais da área da saúde e as famílias de alcoolistas que, mesmo sendo reconhecidas como espaços onde o estresse e o sofrimento convivem, não têm reconhecida sua necessidade de ajuda. Assim observei após as visitas feitas na família que essa situação de afastamento da área de saúde em relação à família, e o difícil convívio com o doente, gera um grande desconforto dos membros desse grupo. Me colocando na situação de um integrante dessa família, me sentiria muito satisfeito em receber ajuda específica, sanando o problema que o álcool criou, levando um convívio com harmonioso com minha família.

8 d. OBJETIVOS i. OBJETIVO GERAL Visar à melhor qualidade de vida e o bem estar social da família de L. e de todas as outras famílias que sofrem com o mesmo problema, tentando compreender melhor a situação destas famílias e, conseqüentemente, respaldar as ações que implementam junto a essas pessoas, dedicando ao doente e a família. ii. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conscientizar e explicar para a família que o alcoolismo é uma doença e tem que ser tratada, para que assim o convívio da L. com seus familiares, através de conversas com suas filhas, e pessoas envolvidas, seja melhorado, cada vez mais, criando o papel de cada um dentro daquele ambiente, interagindo com secretarias de serviço social,

9 psicólogos e equipes do PSF e criar parcerias comunitárias para arranjar uma ocupação, ou mesmo lazer, com a finalidade de ocupar o tempo ocioso de L. 2. METODOLOGIA a. TIPOS DE ESTUDO Estudo descritivo em estudo de caso b. ÁREAS DE ESTUDO Este estudo foi realizando em Paracatu-MG, em uma casa do bairro Nossa Senhora de Fátima, com participação do PSF do bairro.

10 c. COLETAS DE DADOS A coleta foi feita em um período que vai de março a novembro de 2007, em intervalos de aproximadamente 15 dias (01/03/2007; 31/03/07; 12/04/2007; 14/06/2007; 23/08/2007; 13/09/2007; 27/09/2007 e 25/10/2007) nessas visitas coletamos os dados, com ajuda das agentes comunitárias de saúde do bairro e os tutores escolhidos pela faculdade para acompanhar o desenvolvimento do aluno junto às famílias, aplicando assim um genograma, e o estudo do Arco de Marguerez que iniciou-se, seguindo com a identificação do problema principal, teorização, hipóteses de solução, e aplicação a realidade do mesmo. Cada visita que realizávamos era feito uma entrevista com um informante chave (entrevistado), em que ele nos respondia varias perguntas e nos passavam informações mais objetivas sobre o momento atual que era vivido pela família. A seguir criamos um cronograma para facilitar o entendimento de como agimos nessas visitas, e o que pretendíamos com elas. d. CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO SUJEITO O estudo foi direcionado por uma matéria da grade do curso de medicina, Interação Comunitária, em que foi escolhida a família com a ajuda das agentes comunitárias de

11 saúde, a enfermeira do PSF Nossa Senhora de Fátima e a tutora da matéria Interação Comunitária, para um acompanhamento da família mais carente, que se encontrava com alguma dificuldade, para que assim fosse visitada e orientada. e. INSTRUMENTOS OU TÉCNICAS UTILIZADAS Foram usados como instrumentos, um questionário para a coleta dos dados (identificação, aspectos socioeconômicos, antecedentes sociais e familiares relacionados à doença, hábitos de vida, historia sanitária da família, doenças que tiveram na infância, como é a higiene pessoal e do lar, medicina preventiva e perguntas sobre o medico local),o diário de bordo, que funcionava como um caderno (diário) de anotações de tudo o que foi visto durante cada visita, para nos auxiliar no projeto de intervenção, que incluía o Arco de Marguerez, (identificação do problema principal, teorização, hipóteses de solução, e aplicação a realidade) da família da L. alem de fichas de consultas medicas realizadas,e instrumentos de trabalho como estetoscópio e um esfigmomanômetro.

12 f. ANÁLISES DOS DADOS, TRATAMENTOS ESTATÍSTICOS A análise dos dados está de acordo com o que buscamos na coleta dos dados, o que aplicamos e os possíveis resultados esperados. Já nesse artigo o tratamento estatístico não foi trabalhado. CRONOGRAMA DE L. Intervenção Resultados Esperados Discussão 1º- 01/03/07 Conhecer a família Ter um bom relacionamento com a família, para que assim facilite o trabalho a ser realizado. 2º - 31/03/07. Aceitação da O alcoolismo é doença. uma doença estigmatizada e os doentes tendem a negar

13 sua condição. É necessária aceitação continuidade a para da intervenção. 3º- 12/04/07. Explicar sobre a O alcoolismo doença e acarreta vários complicações. outros problemas como doenças do fígado cardiovasculares, câncer de mama, osteoporose, distúrbios psiquiátricos (depressão, anorexia, bulimia). 4º- 14/06/07 Elevar a auto- L. deve ser estima para estimulada ao convencer L. a se tratamento para tratar. uma possível cura. Ela deve estar animada entusiasmada,

14 5º- 23/08/07 Procurar tratamento especializado (parcerias). com vontade de se tratar. É necessário um tratamento psicológico, grupos de apoio como AA, ajuda do posto de saúde, para que ela tenha um impacto favorável. 6º- 13/09/2007 Explicar para a família sobre a doença 7º- 27/09/2007 Tratar toda a As repercussões desta doença, no âmbito familiar, Reconhecer o família como parte alcoolismo como da doença um problema de 8º- 25/10/2007 Verificação do quadro do doente e da família. abrangência coletiva e não apenas de caráter exclusivo de quem consome a bebida. Devido ao fato de saber que o alcoolismo é uma

15 doença que mesmo após a abstinência pode haver recaídas, o acompanhamento é necessário para que isso seja mais difícil de ocorrer.

16 3. RESULTADOS a. DESCRIÇÃO Depois dessas oito visitas realizadas, já bem à vontade com a família, principalmente com a L. tivemos alguns resultados positivos, que nos incentivou a uma busca intermitente e cotidiana na associação de fatores e alternativas na melhor qualidade de vida destas pessoas, com ações de prevenção, promoção, recuperação e reabilitação. Dentre parcerias adotadas para a melhora do quadro do doente exploramos ajudas como a da equipe do PSF Nossa Senhora de Fátima, apoio da família, instituições como secretaria de ação social e clínica de tratamento, alem da ajuda de um psicólogo. Conversamos bastante sobre a doença com L., ela não nega que é alcoólatra, já tentou parar de beber por conta própria, mas sempre volta. Perguntamos se L. queria um tratamento mais específico, ou ate mesmo participar dos Alcoólicos Anônimos, mas ela não aceitou. Diante de alguns relatos L. afirma ter diminuido bastante na bebida, e que agora não esta tomando mais pinga ou outras bebidas destiladas, afirmando tomar apenas cerveja. Assim consideramos a evolução e os resultados do doente que obtivemos foram satisfatórios, pois L. mostra certo interesse pelo tratamento, conseguindo ficar sem beber dois meses.

17 Durante esse tempo as filhas deixaram de ser impulsivas, suscetíveis a ofensas, e resistentes à autoridade, começando a se identificar mais com a mãe, aceitado as dificuldades com a bebida e se mostrando mais afetivas, criando um vinculo familiar mais forte, enrijecido a discussões, e mais toleráveis ao estresse, orientamos assim as filhas para continuarem agindo dessa maneira, pois aquele momento era indispensável para que a mãe parasse de beber definitivamente. Mas não foi o suficiente, L. voltou a beber. Visto que houve melhora da qualidade de vida durante aquele período, as filhas se mostraram animadas em continuar contribuindo para o bem estar de todos, deixando a mãe mais segura para que ela assumisse verdadeiramente o seu papel de mãe. b. TABELAS, QUADRO Diante do cronograma apresentado podemos dizer que em relação aos resultados esperados, tivemos os resultados obtidos, que serão descritos a seguir. Assim concluímos que em relação à 1º visita (conhecer a família), 2º visita (aceitação da doença), 3º visita (explicar sobre a doença e complicações), 4º visita (elevar a autoestima para convencer L. a se tratar), 6º visita (explicar para a família sobre a doença), e 7º visita (tratar toda a família como parte da doença) obtivemos resultados positivos, já em relação a 5º vista (procurar tratamento especializado, parcerias), e a 8º (verificação do quadro do doente e da família) não tivemos resultados significativos, em que L. não aceitou tratamento especializado, a não ser o apoio da família, e em relação a

18 verificação ela foi feita, mas L. não conseguiu parar totalmente com a bebida, ela teve uma abstinência de dois meses mas voltou a beber. 4. DISCUSSÃO a. INTERPRETAÇÕES DOS RESULTADOS Em relação ao que foi visto podemos dizer que o alcoolismo é uma doença estigmatizada e os doentes tendem negar sua condição, mas no caso de L. podemos afirmar que ela já conseguiu superar essa fase, tendo em vista que precisa melhorar e voltar a ter uma vida saudável, aceitando assim que déssemos continuidade na intervenção de seu problema. Depois da nossa explicação, que o alcoolismo acarreta vários outros problemas como doenças do fígado, cardiovasculares, câncer de mama, osteoporose, e distúrbios psiquiátricos (depressão, anorexia, bulimia), ajudou L. a entender o mal que ela está fazendo a si mesmo, e a toda sua família, deixando claro em sua mente de que ela realmente precisava de cuidados, e de um acompanhamento para superar tal desafio, a fim de vencer esse vício.

19 L. depois de estimulada ao tratamento para uma possível cura percebemos um possível animo, entusiasmo, e uma vontade dela em se tratar por conta própria. Podemos confirmar tal fato com o tempo de abstinência vivido pela doente, em que ficou sem beber em um período de dois meses, tentando assim se afastar do álcool e se aproximar mais das filhas. Já em relação a um tratamento psicológico, grupos de apoio como AA, e ajuda do posto de saúde, L. não se interessou, pois dizia que iria conseguir sozinha, assim não obtivemos sucesso nessa tarefa, que tinha em vista um maior retorno favorável, e um maior suporte básico que mantivesse sua força de vontade, e realizasse um tratamento rigorosamente acompanhado e específico. Nesse estudo a família tinha grande relação com o quadro da doente, principalmente com o seu bem estar físico e mental, em que cada membro tinha um papel a desempenhar. Para vencer a fragilidade pela convivência constante com o estresse, a inconsistência, e a instabilidade das relações afetivas que provocavam distanciamento emocional entre os membros, orientamos a família sobre a importância de cada individuo nessa situação, e tentamos trabalhar com a família como um todo, reconhecendo o alcoolismo como um problema de abrangência coletiva e não apenas de caráter exclusivo de quem consome a bebida para que assim esse difícil convívio fosse amenizado. Durante o período de abstinência de L. que durou dois meses esse convívio melhorou bastante, onde cada um assumiu o seu papel dentro da casa, assim o respeito, a paciência e a afinidade dos membros melhoraram bastante, iniciando um quadro em que a família e o doente estavam se entendendo e criando um vínculo mais afetivo.

20 Devido ao fato de saber que o alcoolismo é uma doença que mesmo após a abstinência pode haver recaídas, o acompanhamento é necessário para que essas atinência permaneça. L. não conseguiu e logo voltou a beber, mas mesmo assim com a melhora da situação suas filhas não desanimaram de enfrentar tal recaída, deixando claro que a mãe precisava mais do que nunca delas para se reabilitar tanto socialmente quanto fisicamente.

21 b. COMPARAÇÕES COM OUTROS ESTUDOS É importante destacar que embora o tema alcoolismo tenha sido ricamente explorado por diferentes autores sob os mais variados aspectos, em sua grande maioria, os trabalhos que tratam do assunto não contemplam, com a merecida profundidade, estudos sobre a família como unidade a ser cuidada, gerando um vazio na literatura. Creio que para termos um melhor resultado nesse tipo de doença, temos que ter um acompanhamento mais amplo e direcionado a família, ao contexto que esse doente está inserido, para que assim ele tenha uma maior base, um maior suporte e apoio para voltar a se tornar uma pessoa sociável, e que tenha um bom relacionamento com as pessoas que estão ao seu redor. Diante do estudo apresentado o alcoólatra dentro de casa pode gerar vários problemas que vai desde dimensões social, econômica, cultural, intelectual, emocional e psicológica do doente e da família. No entanto essas são apenas algumas causa que o álcool interfere na vida das pessoas. Comparando com outros estudos que possui em uma maior base cientifica podemos dizer que o álcool também está relacionado com outros fatores, dentre eles o biológico juntamente com o familiar, que não foi que não foi aflorado nesse artigo. Diante desse fato temos: As repercussões desta doença, no âmbito familiar, podem ser avaliadas através de dados apontando que os filhos de pais alcoolistas são muito mais passíveis de se tornarem também alcoolistas. Alguns autores chegam a estimar que para os filhos de alcoolistas o

22 risco para desenvolver dependência ao álcool, na idade adulta, é três vezes maior do que para aqueles cujos pais não são alcoolistas. Além disso, embora possa ser difícil determinar com precisão um número percentual específico, sabe-se que é alarmante a freqüência com que o alcoolismo tende a recorrer nas famílias e que as crianças que crescem nesses ambientes, têm maior probabilidade de desenvolver outros problemas de ordem emocional, legal, de conduta e de aprendizagem (Da Silva, 2006). O impacto que esta doença pode provocar nos membros da família é, portanto, amplamente reconhecido na bibliografia e, genericamente, podemos afirmar que se manifesta principalmente através da ruptura e da desorganização das relações interpessoais com conseqüente prejuízo para o desenvolvimento das pessoas e para a qualidade de vida e saúde daqueles que convivem com o problema (Da Silva, 2006). Podemos dizer que o alcoolismo é um tema amplamente rico, e necessita de muita exploração, pois é um flagelo do mundo moderno e atinge grande parte da população brasileira, que é muito carente, e não informações básicas de saúde. c. DIFICULDADES E LIMITAÇÕES Algumas dificuldades foram encontradas para realizar esse trabalho, pois a mudança no estilo de vida de uma família necessita de muita insistência para realizar tal tarefa, alem do alcoolismo ser uma doença que necessita de muita força de vontade do alcoólatra e suporte do seu meio.

23 Outra dificuldade encontrada foi durante as visitas, pois duas das visitas feitas, a família não estava em casa, assim não havia como ter um informante chave para saber como andava a situação do doente, tendo assim que dedicar horários fora do que foi planejado para completar tal estudo.

24 5. CONCLUSÃO a. SÍNTESES DOS PRINCIPAIS RESULTADOS O alcoolismo é uma doença grave e na mulher seu agravo é ainda maior. L. como qualquer doente precisa entender que ela deve realizar um tratamento específico como os alcoólicos anônimos que é uma irmandade de homens e mulheres que compartilham suas experiências, forças e esperanças, a fim de resolver seu problema comum e ajudar os outros a se recuperarem do alcoolismo, mas também não podemos esquecer que a base desse problema também precisa ser tratada, e podemos dizer que essa base é a família. Dentro dos limites desta investigação, este foi o retrato de uma família de alcoolista, extraído de um estudo em particular. Evidentemente, o conhecimento encontrado nesta busca é ainda incompleto, fragmentado e até mesmo questionável se considerarmos o numero de visitas feitas, alem, do curto período de tempo coberto por nos alunos, tutores e agentes de saúde. Entretanto, pode ser, também, de grande valor na medida em que considerarmos que este retrato pode ser o ponto de partida para aproximar os profissionais da saúde das necessidades destas famílias e conscientizá-los de seus direitos de também serem cuidadas.

25 Da mesma forma que o alcoolismo pode ser compreendido de diferentes maneiras, também a família que com ele convive pode ser vista sob muitos ângulos. Nesse sentido, é importante destacar que, apesar de ter sua unicidade, as famílias de alcoolistas que encontramos tanto na literatura quanto no quotidiano da prática profissional, não são apenas espaços de desagregação, discórdia, infelicidade. Se fossem apenas isso, restaria pouco a ser feito em termos de promoção e prevenção da saúde de seus membros. Como tantas outras, essas famílias criam seu jeito próprio de viver e de enfrentar seus problemas e ao longo de sua trajetória vital, muitas são capazes de propiciar o suporte necessário para que seus membros se construam como sujeitos capazes de responder de forma positivas as demandas da vida adulta apesar de todas as experiências que enfrentaram na infância e na adolescência. b. SUGESTÕES DE NOVAS PESQUISAS A assistência de saúde, fundamentada na hipótese de que abordar o alcoolismo a partir do alcoolista é um bom caminho, resulta de uma visão dicotomizada e até mesmo irresponsável sobre o problema. É somente dentro de uma concepção menos fragmentada e menos parcial da que predomina nos tempos de hoje que os profissionais da saúde poderão reconhecer a família como uma dimensão do alcoolismo, onde o adoecer acontece de forma indiscriminada, atingindo a todos os seus membros. Da mesma forma, a opção de manter a investigação científica restrita à doença em si ou na pessoa alcoolista contribui para a persistência de um modelo assistencial

26 reconhecidamente ineficaz. Por esta razão, investir no estudo das questões que envolvem a família e mesmo a comunidade é condição fundamental para que ocorra qualquer tipo de transformação em termos de assistência de saúde a estas pessoas. c. PROPOSIÇÕES E RECOMENDAÇÕES DE INTERVENÇÕES (APLICAÇÕES) É importante estar atento para uma dimensão de positividade que também existe no interior destas famílias e a qual lhes possibilita estabelecer as interações positivas que alimentam o processo de desenvolvimento de seus membros, cabendo aos profissionais de saúde reorganizar esta estrutura familiar, interagindo todos os membro desse ambiente deixando claro o papel de cada um dentro daquele rede familiar. Não se trata de negar os problemas e as dificuldades que certamente vivenciam, apenas não pensar que essas famílias sejam apenas um ambiente caótico, como muitas vezes é referido na literatura. A construção de uma concepção mais ampla sobre o alcoolismo é, com certeza, uma necessidade imperiosa para que se possa desenvolver uma maior aproximação com a magnitude deste problema. Uma concepção que possa ser mais social e menos biologicista sem, contudo, desprezar o valor dos recursos clínicos, mas que possibilite o entendimento do alcoolismo como algo constituído a partir das próprias dimensões onde ele transita, isto é, a dimensão social, cultural, biológica, econômica, emocional e intelectual nas quais família é parte constituinte.

27 AGRADECIMENTOS Agradeço aos tutores da disciplina Interação Comunitária, em especial, Roberta Rabelo, aos agentes comunitários do posto de saúde Nossa Senhora de Fátima, e minha parceira de visitas, Amanda Prado, que me acompanharam durante as visitas e ajudaram a completar o estudo. O professor Helvécio Bueno em me orientar no meu primeiro artigo cientifica. E agradeço também aos meus pais que sempre me incentivaram e me deram força. ABSTRACT Introduction: Currently the increase of the consumption of the allowed drugs as the alcohol displays the families and communities to a pressure and a tension that was unknown years backwards. Knowing of this article if it deals with problems that the alcohol cause in the familiar relationship, showing that it has a necessity to create related programs the health of the family, recognizing alcoholism as a problem of collective abrangência and not only of exclusive character of who consumes the drink. Objective: To aim at to cure, to improve the quality of life and the welfare state of an alcoholic and of its family. Methodology: One is about a study of cases, carried through in Paracatu-MG in the quarter Ours Mrs. of Fátima where visits domiciliary in a period that goes of March the November of 2007, for academics of medicine with the

28 aid of tutors and communitarian agents of health had been made, in the given intention of spoon, applying them in the Arc of Marguerez, identifying the problem of alcoholism in relation the family, applying measured so that to brighten up to the attrition that this family lived. Results: Abstinence of the alcoholic for two months, and a suavização of the relationship during this period. Conclusion: Inside of the limits of this inquiry, this was the picture of a family of alcoolista, extracted of a study in particular. Evidently, the knowledge found in this search is still incomplete, broken up, but it needs to be extended, therefore alcoholism affects many families mainly those that do not possess information. Keywords: Alcoholism; Family; Familiar conviviality; Quality of life; Health of the family.

29 REFERÊNCIAS DA SILVA, M May 19. FAMÍLIA DE ALCOOLISTA: O RETRATO QUE EMERGE DA LITERATURA. Família, Saúde e Desenvolvimento [Online] 5:1. Disponível: - Acesso às 12h50min no dia 17/04/2007. EDWARDS G, Marshall EJ; Cook CCH. O tratamento do alcoolismo: um guia para profissionais da saúde. 3. ed. Porto Alegre: Artmed; Disponível em: Acesso às 12h23min no dia 17/04/2007. GLITOW, S.; Peyser, H. Alcoolismo. Porto Alegre: Artes Médicas; l991. MASUR, J. A questão do alcoolismo. São Paulo: Brasiliense; PAIDOS, M. Beber o no beber: esa es la cuestion? Buenos Aires: Paidos; 1992.

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Atualmente, o consumo de substâncias ilícitas e álcool é indiscriminado entre mulheres e homens adultos

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP JAROSKEVICZ, L.; MARIN, T. Resumo: A fase da adolescência e adulta é o momento de maior impacto na vida do indivíduo

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Resultados 62 Resultados 63 Resultados 64 Resultados 65 Resultados 66 Discussão 67 4. DISCUSSÂO Até a década de 70, os estudos e os modelos de tratamento eram estruturados e embasados nas características

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO Micaele Rodrigues Feitosa 3, Agna Ligia Pinheiro Máximo 1. Correspondência para: micaele-melo@hotmail.com Palavras-chave:

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS O álcool é a «droga recreativa» mais utilizada em contexto universitário. Estudos recentes revelam que mais de metade dos estudantes universitários tiveram,

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

Ana Tereza dos Santos Albuquerque Costa

Ana Tereza dos Santos Albuquerque Costa CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental e o Perfil Psicossocial do Servidor da Secretaria de Saúde do Estado de Alagoas Ana Tereza dos Santos

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD

1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD 1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD Políticas sobre Drogas e a Realidade Brasileira Painel:Princípios aplicados, Resultados obtidos? 1 Intervenção Breve no Brasil: avanços Prof. Dr. Erikson F.

Leia mais

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho College of Nursing at Ribeirão Preto University of São Paulo Sobre o campo de

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça I- A Comissão de Abrigo da Comarca de São Paulo A comissão de abrigo é constituída de assistentes sociais e psicólogos da capital que se reúnem desde 2005 sob a coordenação do Núcleo de Apoio Profissional

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde 5 Carmen Luiza Correa Fernandes e Lêda Chaves Dias Curra Médicas de Família e Comunidade / Terapeutas de Família e Casais

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA)

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Introdução: O álcool é um depressor do sistema neuronal, e o seu uso pode acarretar alterações cognitivas,

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica

Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: "Atuação

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO.

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. ANTONIO WILKER BEZERRA LIMA O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. 1ª Edição Arneiroz Edição do Autor 2013 [ 2 ] Ficha catalográfica. Lima,

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

Laura Prestes Médica pediatra atuando no Programa Saúde da Família da Prefeitura de Bagé.

Laura Prestes Médica pediatra atuando no Programa Saúde da Família da Prefeitura de Bagé. PROJETO ARTESÃOS DA SAÚDE: UMA REALIDADE COMUNITÁRIA NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA DO POSTO FLORESTA DE BAGÉ HEALTH ARTISANS PROJECT: A COMMUNITARIAN REALITY IN THE FAMILY HEALTH CARE PROGRAM FROM POSTO

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

COMUNICADO. Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente. disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo.

COMUNICADO. Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente. disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo. COMUNICADO Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo. Vitória/ES, 16 de dezembro de 2015. GILSON GIUBERTI FILHO Coordenador Estadual sobre

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 Sumário Prefácio... 9 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 As faces do transtorno bipolar... 20 Depressão... 22 Sintomas da depressão...

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais