ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE"

Transcrição

1 ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE CIRROSE HEPÁTICA EM DECORRÊNCIA DO ALCOOLISMO EM PACIENTES DO SEXO MASCULINO Ana Maria Silvano Mendes Emilena Aparecida dos Santos Juliana Aparecida da Silva Ferreira Juliana de Oliveira Ruiz Paris Lucilene de Souza Damaceno Marlene Pereira Roratto Palmital 2012

2 ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE CIRROSE HEPÁTICA EM DECORRÊNCIA DO ALCOOLISMO EM PACIENTES DO SEXO MASCULINO Ana Maria Silvano Mendes Emilena Aparecida dos Santos Juliana Aparecida da Silva Ferreira Juliana de Oliveira Ruiz Paris Lucilene de Souza Damaceno Marlene Pereira Roratto Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Etec Prof. Mário Antônio Verza, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Técnico em Agente Comunitário de Saúde. Profa Orientadora: Fernanda Delantonia Palmital 2012

3 Dedicamos nosso TCC a todas as pessoas que nos incentivaram até o término desse curso. Nosso muito obrigada.

4 O álcool não faz as pessoas fazerem melhor as coisas, ele faz com que elas fiquem menos envergonhadas de fazêlas mal. (William Osler)

5 AGRADECIMENTOS Primeiro a Deus por ter nos dado força para vencermos mais essa etapa em nossas vidas. Aos nossos familiares pela compreensão e cooperação, aos profissionais que compõem nosso ambiente de trabalho diário, que nos proporcionaram momentos de estudo. Aos amigos do grupo, professores do corpo docente, funcionários e todos os colaboradores da ETEC Prof. Mário Antônio Verza.

6 RESUMO Esta pesquisa é uma revisão bibliográfica, que teve como objetivo apresentar a cirrose hepática em consequência do uso abusivo de álcool em pacientes do sexo masculino. Relata o papel do Agente Comunitário de Saúde na doença e na prevenção do uso de bebidas alcoólicas; relata também sobre a Política Nacional de Saúde do Homem, sobre a doença hepática e suas causas, sintomas, tratamentos existentes e também sobre a reabilitação do etilista. Tal estudo ofereceu conhecimento para reconhecer que para diminuir os altos índices de morte por doença hepática alcoólica é necessário que todos os âmbitos da sociedade estejam empenhados na prevenção da doença, principalmente em diminuir o abuso do álcool.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METODOLOGIA O ÁLCOOL E O AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE A SAÚDE DO HOMEM A CIRROSE OU DOENÇA HEPÁTICA ALCOÓLICA CAUSAS SINTOMAS TRATAMENTO Tratamento Clínico Não Específico Tratamento Específico Transplante Hepático REABILITAÇÃO DO ALCOÓLATRA O PAPEL DO ACS CONSIDERAÇÕES FINAIS GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS... 21

8 8 INTRODUÇÃO A doença hepática alcoólica, sob a abreviatura de DHA, ou seja, a hepatopatia induzida pela ingestão de álcool e/ou seus metabólitos representa protótipo de doença em que convergem fatores biológicos, clínicos, epidemiológicos e psicológicos. A DHA é o tipo de doença humana causada pelo próprio homem e modulada por diversos fatores. Diferentemente de muitas outras doenças, a DHA pode ser evitada, desde que a ingestão etílica seja pequena não ultrapassando determinados limites, e permanecer estacionada ou mesmo regredir após parar o consumo de bebidas alcoólicas. A DHA apresenta incidência alta em quase todos os países, inclusive no Brasil, afetando homens e mulheres, adultos, crianças e o próprio feto, sendo uma das manifestações do alcoolismo fetal. (MINCIS, 2009, p. 847) A pergunta principal é se o álcool é tão prejudicial, por que se bebe? Provavelmente porque o álcool é uma droga que pode atenuar a ansiedade, a depressão e as tensões da vida moderna pela fácil disponibilidade e aceitação social e por ser muito divulgado por diversos meios de comunicação, que apregoam suas qualidades (melhor adaptação social, relacionamento entre as pessoas e, ultimamente, muito mencionado, capaz de reduzir os índices de mortalidade por coronariopatias), sem salientar seus enormes riscos quando consumido de modo excessivo. (MINCIS, 2008, p. 883) O abuso do álcool é a principal causa da cirrose, que é uma doença crônica do fígado, como este é responsável pela metabolização dessa substância, ele sofre danos em seus tecidos vitais que comprometem seu funcionamento. A política nacional de saúde do homem lançada dia 27 de agosto de 2009, tem por objetivo facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. Visto a importância desta política e associado às funções do ACS na prática de orientação, aconselhamento, consequências, cuidados e prevenção junto a essa doença evidencia-se a necessidade de maiores investimentos na formação e capacitação de profissionais específicos para atender nessa área.

9 9 JUSTIFICATIVA Apresentar que os homens são mais vulneráveis às doenças relacionadas ao consumo de álcool e que a cada três mortes de pessoas adultas, duas são homens. Por esse motivo o sexo masculino foi escolhido para ser pesquisado. Como a doença hepática alcoólica está entre as causas de morte mais frequentes nos homens, ficou definido o tema da pesquisa, que inclui no decorrer do trabalho o papel do Agente Comunitário de Saúde na prevenção e na recuperação da saúde da população em geral. OBJETIVO GERAL O objetivo geral deste estudo é apresentar a cirrose hepática em decorrência do alcoolismo em pacientes do sexo masculino, seu desenvolvimento e tipos de tratamento. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Relatar os tipos de tratamentos existentes para essa doença; Apresentar os sintomas, as alterações físicas que a DHA ocasiona; O papel do ACS.

10 10 METODOLOGIA Este trabalho é uma revisão bibliográfica de ensaios clínicos e revisões sistemáticas publicadas em revistas científicas e pesquisa bibliográfica de livros da biblioteca da unidade escolar. Foram incluídos para o desenvolvimento da pesquisa, artigos sobre a cirrose hepática em decorrência do alcoolismo em pacientes do sexo masculino. Os revisores selecionaram, de maneira independente, os estudos que foram considerados na revisão sistemática. Foram considerados então estudos que constam de pacientes do sexo masculino, com DHA. A busca nas seguintes bases de dados foi feita por meio de estratégia otimizada: Base de Dados de Ensaios Clínicos da Cochrane, Embase, Lilacs, SciSearch, Bireme, MedLine, PubMed, OVID e Thomson-Gale. As palavras-chaves utilizadas para encontrar os artigos foram: doença hepática alcoólica, cirrose, consumo de álcool, doenças do fígado.

11 11 1. O ÁLCOOL E O AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE O uso de bebidas alcoólicas é uma prática bastante frequente, aceita e reforçada pela sociedade, tendo seu início, muitas vezes, na adolescência. Mesmo sabendo que o alcoolismo leva alguns anos para se instalar no organismo, acreditase que o uso precoce de bebidas etílicas pode vir a contribuir para o estabelecimento da dependência alcoólica mais cedo, ou seja, ainda numa fase produtiva da vida, em que o sujeito teria uma boa condição de saúde para trabalhar ou estudar, o que acaba deixando de lado devido à sua dependência. (Bertolote,1997) A prevalência de dependentes de álcool é maior para o sexo masculino : 19,5 % dos homens são dependentes de álcool, enquanto 6,9 % das mulheres apresentam dependência. Segundo estes dados, para cada seis pessoas do sexo masculino que faz uso de álcool, uma fica dependente. Entre as mulheres, esta proporção é 10:1.(CEBRID,2005) Existe uma preocupação acerca dos danos que o uso abusivo do álcool pode ocasionar nos diversos segmentos da sociedade, de modo que é importante a inserção do objeto biopsicossocial nas pautas de pesquisas e intervenções científicas. Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS s) são atores que podem contribuir na diminuição do quadro do uso de drogas, com a intervenção na educação preventiva em saúde. Com relação às ações de prevenção ao uso indevido de drogas proposto atualmente pelo Ministério da Saúde, pode-se citar o Programa de Saúde da Família (PSF), que vem executando ações nesse sentido. O PSF pode funcionar como um catalisador de ações de prevenção, promoção e recuperação da saúde das pessoas com problemas relacionados ao álcool, assim como as outras drogas, de forma integral e contínua. O PSF é formado basicamente, por uma equipe multiprofissional composta por médico, enfermeiro, auxiliar de enfermagem e ACS s, tendo em vista que os mesmos possuem um papel fundamental na prevenção/tratamento das drogas junto a comunidade, sendo uma de suas funções determinadas pelo Ministério da Saúde, e por serem um elo essencial na construção do vínculo entre a equipe e as famílias

12 12 e no processo de vigilância à saúde, a fim de acompanhar e intervir nos grupos vulneráveis ao adoecimento e às condições socioambientais desfavoráveis. Os ACS s devem trabalhar com famílias de base geográfica definida. Eles são responsáveis pelo acompanhamento de, no máximo, 150 famílias ou 750 pessoas, e precisa morar, há pelo menos dois anos, na área onde desempenha suas atividades. Tem como papel desenvolver atividades de prevenção das doenças e promoção da saúde, através de visitas domiciliares e de ações educativas individuais e coletivas nos domicílios e na comunidade. (Ministério da Saúde, 2000; Silva & Dalmaso, 2002) Dentro dessa perspectiva, os ACS s tem como uma de suas funções orientar e aconselhar as famílias sobre a verdadeira dimensão do abuso do álcool e das suas consequências, ensinando as pessoas a cuidarem e preservarem a sua saúde e, em casos de necessidade, aconselhar os indivíduos a procurarem atendimento mais especializado da rede pública de saúde. Sempre respeitando os princípios dos valores humanos e culturais de cada cidadão, entre eles o uso da linguagem correta e acessível, no oferecimento de uma informação objetiva, clara e honesta, em resumo, educada e eficaz. O Agente Comunitário de Saúde, por morar na comunidade, representa uma riqueza de possibilidades, pois conhece as pessoas a quem atende, tem a mesma linguagem, passa por situações parecidas, divide crenças semelhantes. Uma orientação levada por este cidadão oferece credibilidade que dificilmente as palavras de um técnico da saúde atingiriam. 2. A SAÚDE DO HOMEM Pesquisas revelam que a cada três mortes de pessoas adultas, duas são de homens. Quando comparado com as mulheres, o tempo de vida deles é 7,6 anos menor. As doenças isquêmicas do coração, como o infarto do miocardio, seguida das moléstias cardiovasculares ( como o Acidente Vascular Encefálico, o AVE), outras doenças cardíacas, pneumonia, cirrose e diabetes estão entre as principais causas de morte do sexo masculino. Estudos comprovam que os homens são mais vulneráveis às doenças, especialmente as enfermidades graves e crônicas. Essa ocorrência está ligada ao

13 13 fato de que eles recorrem menos do que as mulheres aos serviços de atenção primária e procuram o sistema de saúde quando os quadros já se agravaram. Para ampliar o acesso deles aos serviços de saúde, o Ministério da Saúde criou a Política Nacional de Saúde do Homem, em A iniciativa foca os homens de 20 a 59 anos de idade, que correspondem a 41,3 % da população masculina ou 20 % do total da população, totalizando 2,5 milhões de brasileiros. Além de criar mecanismos para melhorar a assistência a essa população, a meta do governo federal é incentivar que eles procurem o serviço de saúde ao menos uma vez por ano. As ações de saúde direcionadas ao homem vão contribuir para a melhoria da qualidade de vida e redução dos altos índices de doenças e mortes na população masculina; o diagnóntico precoce é mais fácil de tratar e evitar o agravo da doença, só assim pode-se diminuir os índices de morbimortalidade masculina em nosso país. A iniciativa do Ministério da Saúde ajuda os homens, pois eles têm preconceito em procurar um médico,assim como as mulheres fazem e fazer os exames preventivos,principalmente o de próstata. Eles acham que os homens nasceram para trabalhar e sustentar a família, e por isso não podem adoecer. Esse programa é um incentivo para que os homens possam procurar os serviços básicos de saúde sem receio. As ações da Atenção Básica devem incluir : atividades educativas para promoção à saúde e prevenção de doenças; aconselhamento para os testes diagnósticos e para adesão à terapia instituída e ás recomendações da assistência; diagnóstico precoce das DST, infecção pelo HIV, hepatites e HTLV; tratamento adequado da grande maioria das DST; encaminhamento dos casos que não competem a esse nível de atenção, realizando acompanhamento conjunto; prevenção da sífilis congênita e da transmissão do HIV; manejo adequado dos indivíduos em uso de drogas; entre outras ações.

14 14 3. A CIRROSE OU DOENÇA HEPÁTICA ALCOÓLICA (DHA) A cirrose que é uma doença crônica do fígado (este é a maior glândula e o maior órgão do corpo humano, e é ainda um dos mais importantes) que se caracteriza por fibrose e formação de nódulos que bloqueiam a circulação sanguinea. Pode ser causada por infecções ou inflamação crônica dessa glândula. A cirrose faz com que o fígado produza tecido de cicatrização no lugar das células saudáveis que morrem. Com isso ele deixa de desempenhar suas funções normais como produzir bile ( um agente emulsificador de gorduras), auxiliar na manutenção dos níveis normais de açúcar no sangue, produzir proteínas, metabolizar o colesterol, o álcool e alguns medicamentos, entre outras. A cirrose é mais comum em homens, mas pode acometer também as mulheres. O uso abusivo do álcool fez crescer o número de portadores da doença nos últimos anos. 4. CAUSAS O abuso do álcool é a principal causa da cirrose. Como o fígado é responsável pela metabolização dessa substância, quando exposto a doses excessivas de álcool, sofre danos em seus tecidos vitais que comprometem seu funcionamento. Também são causas de cirrose as hepatites crônicas provocadas pelos vírus B e C, pelo uso de determinados medicamentos e pela hepatite auto-imune. 5. SINTOMAS Os principais sintomas da cirrose são : náuseas, vômitos, perda de peso, dor abdominal, constipação, fadiga, fígado aumentado, olhos e pele amarelados (icterícia), urina escura, perda de cabelo, inchaço (principalmente nas pernas), ascite (presença de líquido na cavidade abdominal), entre outros. Em casos mais avançados pode ocorrer a encefalopatia hepática que é a síndrome que provoca alterações cerebrais decorrentes do mau funcionamento do

15 15 fígado que se manifesta por desorientação têmporoespacial, confusão, sonolência, letargia, entre outros. No entanto, durante muito tempo a doença pode evoluir sem causar sintomas. 6. TRATAMENTO A DHA deve ser considerada, em princípio, doença grave que pode conduzir o paciente ao coma e a morte. Os índices de mortalidade são maiores quando há encefalopatia, ascite, hiperbilirrubinemia e coagulopatia. O tratamento da DHA pode ser dividido em: clínico e cirúrgico. O tratamento clínico pode ser subdividido em: não específico e específico Tratamento Clínico Não Específico Abstenção total de bebidas alcoólicas Pode atenuar consideralvelmente a insuficiência hepática e reduzir os níveis de hipertensão portal ( devido, provavelmente, à mobilização da gordura hepática e diminuição da inflamação). A redução dessa gordura e da inflamação diminuirá o volume intra-hepático e o grau de compressão de vênulas hepáticas, sinusoides e comunicações intersinusoidais. A diminuiçao da hipertenção portal, por sua vez, ocasionará redução do volume da ascite, bem como diminuição da frequência de sangramento de varizes e de insuficiência funcional hepatorrenal. A abstenção etílica em alcoólatras com esteatose (acúmulo de gordura no fígado) geralmente proporciona rápida melhora clínica ( com diminuição da hepatomegalia) e de testes laboratoriais. Dependendo de sua intensidade, a esteatose pode desaparecer após uma a seis semanas de abstinência alcoólica e dieta normal. Em alguns pacientes a deposição excessiva de gorduras no fígado desaparece, apesar da continuação da ingestão etílica. Embora se deva recomendar abstenção total do etanol, em alguns alcoólatras a diminuição acentuada de seu consumo é suficiente para reduzir significantemente a intensidade da esteatose.(mincis, 2009)

16 Tratamento Clínico Específico O tratamento específico diz respeito aos medicamentos que, em estudos controlados, foram eficazes no tratamento da DHA. Exemplo: Corticosteroides Os corticosteroides têm, entre outros, os seguintes efeitos benéficos: aumentam o apetite, que está geralmente diminuído em etilistas, atuam como antiinflamatório, podem proteger membranas plasmáticas e de organelas contra efeitos tóxicos do etanol e de seus metabólitos Transplante Hepático (TH) Todos os pacientes com DHA podem, em princípio, ser incluídos como candidatos ao transplante se estiverem em fase avançada, o critério de seleção deve basear-se em dados clínicos, os mesmos utilizados para hepatopatias não alcoólicas excluindo-se naturalmente os que apesentam comprometimento significativo extra-hepático, especialmente disfunção cerebral, pancreatite crônica, cardiomiopatia e alterações músculo-esqueléticas e avaliando os aspectos psicossociais; período de abstenção alcoólica de, pelo menos, seis meses antes do transplante; abandono do fumo, especialmente após o transplante. Atualmente a cirrose alcoólica é a segunda indicação mais frequente de TH no Brasil e no mundo. A sobrevida após um ano de transplante é semelhanta a que acorre em outras hepatopatias crônicas, entre 60 e 100 %. A sobrevida após cinco anos de transplante também apresenta altos índices. 7. REABILITAÇÃO DO ALCOÓLATRA Durante algum tempo, os profissionais estudaram a procura de tratamento em alcoolistas, como um processo individual, onde a motivação era vista como fundamental e expressada através do comportamento de querer ou não modificar o hábito de beber. No entanto, sem o entendimento dos antecedentes do processo de

17 17 motivação, antes da procura formal do tratamento, o conceito de motivação pode ser usado de forma errônea e inadequada. Aspectos sociais, pessoais, traços culturais e determinados tipos de tratamento podem influenciar nessa procura, bem como doenças físicas e consequências sociais, sendo as últimas com maior influência na procura de tratamento. A motivação necessita ser redefinida como um conceito útil, não apenas para levar a pessoa ao tratamento, mas como um modelo, que necessita saber aonde o cliente está e quais são os motivos tanto para a procura, quanto para a não procura de tratamento. Na vida do alcoólatra, não apenas ele enfrenta as consequências do álcool, mas a família também sente as dores. Dentre as alternativas oferecidas atualmente para o tratamento e superação desta problemática está, entre outras, o tratamento ambulatorial, a internação em clínicas especializadas e os grupos de auto ajuda. Os serviços ambulatoriais de reabilitação de álcool são projetados especialmente para as pessoas que não têm dependência grave do álcool, pois eles não ficam confinados neste local. O tratamento pode ser intenso, o que requer 4-5 horas por dia de um alcoólatra para cada dia da semana e alguns tratamentos ambulatoriais têm sessões semanais de terapia. Existem diversas clínicas públicas e privadas de recuperação de alcoólatras e o Código de Ética Médica afirma que o paciente ou seu representante legal tem o direito de escolher o local onde será tratado e os profissionais que o assistirão. O paciente pode decidir livremente sobre a sua pessoa ou seu bem-estar. Os Conselhos de Medicina enfatizam que obrigar o paciente a se submeter, contra a sua vontade, a um regime de confinamento institucional é sinônimo de ilícito penal (cárcere privado). Entre os gupos de auto ajuda destaca-se a Irmandade dos Alcoólatras Anônimos (AA). O AA considera o alcoolismo como uma doença física, mental e espiritual não apenas porque o etilismo afeta o espírito como porque para recuperarse é necessário recuperar igualmente o espírito. Sua filosofia basea-se nas quatro virtudes cardeais definidas por Santo Tomás : Prudência, Justiça, Fortaleza e Temperança.

18 18 O alcoolismo é uma doença progressiva; a partir de um determinado ponto, o sofrimento moral constitui ao mesmo tempo uma das maiores dores do alcoólatra e um dos maiores obstáculos à sua recuperação.(barros,2007) 8. O PAPEL DO ACS O papel do ACS, deve englobar ações de prevenção do alcoolismo e recuperação da saúde de pessoas com cirrose ou que estão encaminhando para têla. Nas ações de prevenção, além de orientações nas residências, o ACS pode organizar palestras com temas educativos e informativos sobre o alcoolismo e suas consequências, promovendo também reuniões com os homens entre outras estratégias, que estimulem o mesmo a se cuidar e a buscar uma vida mais saudável, principalmente sobre o alcoolismo, o tabagismo, a hipertensão e a obesidade. Também pode desenvolver suas atividades nas visitas domiciliares quando a pessoa já está doente, no qual o seu papel é verificar se o cliente já está em tratamento, se não, estar apoiando e incentivando para iniciá-lo. O ACS deve estar dando o apoio e o suporte necessário, realizando visitas domiciliares com maior frequência e monitorar se o cliente está seguindo o tratamento corretamente, se não está faltando às consultas e está tomando as medicações nos horários corretos. Além das visitas domiciliares sozinhos, o ACS deve visitar os clientes acompanhado da enfermeira, da auxiliar de enfermagem e do médico, sempre que preciso e necessário.deve apoiar também o tratamento psicossocial quando há necessidade.

19 19 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS O álcool é responsável, além de diversas doenças, por grande parte dos atos de violência e dos acidentes dos mais variados, desde trânsito até de trabalho. Apesar das suas conseqüências desastrosas, o ato de beber é considerado parte fundamental do convívio social, dificultando as campanhas de conscientização. A magnitude do problema do uso abusivo do álcool ganhou proporções tão alarmantes que, na atualidade, é um desafio da saúde pública no país e os ACS`s como multiplicadores de informações preventivas devem, além de orientar a prevenção primária com o intuito de diminuir as consequências advindas do uso do álcool, ajudar na reabilitação e reinserção dos mesmos na sociedade. Como consequência do uso do álcool foi apresentada a DHA como uma das principais causas de morte entre os homens e conclui-se que a prevenção é a melhor alternativa, pois depois da doença instalada no organismo as chances de cura são poucas. O Ministério da Saúde analisando esses dados criou a Política Nacional de Saúde do Homem que deve nortear as ações de atenção integral, visando estimular o auto-cuidado e, sobretudo, o reconhecimento de que a saúde é um direito social básico e de cidadania de todos os Homens Brasileiros.

20 GLOSSÁRIO DHA Doença Hepática alcoólica ACS Agente Comunitário de Saúde PSF Programa de Saúde da Família AVE Acidente vascular encefálico Etanol Álcool Etílicas Derivadas do etanol DST Doenças sexualmente transmissíveis HIV Sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana causador da AIDS HTLV infecção causada pelo vírus T-linfotrópico humano que infecta as células de defesa do organismo Nódulos - pequenos nós Hipertensão portal Hipertensão na veia porta e filiais TH Transplante hepático AA Alcoólatras anônimos

21 REFERÊNCIAS MINCIS, M. Doença Hepática Alcoólica. In: Mincis M. Editor. Gastroenterologia & Hepatologia 4ª Ed. São Paulo, Casa Lemos Editorial, p MINCIS, M. Doença Hepática induzida por drogas. In: Mincis M, Editor. Gastroenterologia & Hepatologia. 4ª Ed. São Paulo, Casa Lemos Editorial, 2008 p BERTOLOTE, J. M. (1997). Conceitos em alcoolismo. Em S. P. Ramos & J. J. Bertolote (Orgs.). Alcoolismo Hoje (pp ). Porto Alegre: Artes Médicas. MINISTÉRIO DA SAÚDE (2000). Programa ACS s. Brasília: Ministério da Saúde. SILVA, J. A. & DALMASO, A. S. W. (2002). Agente Comunitário de Saúde: o ser, o saber, o fazer. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. MINISTÉRIO DA SAÚDE(2008). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília: Ministério da Saúde. BARROS, Luiz Ferri de (2007). Prudência, Memória e Docilidade na Recuperação do Alcoolismo. FIGLE, Neliana Buzi(1999). Motivação em Alcoolistas.

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O fígado e a deficiência de alfa-1 antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é deficiência de alfa-1 antitripsina? Alfa-1 é uma condição que pode resultar em graves doenças pulmonares em adultos

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho.

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho. O que é Alcoolismo? Alcoolismo é a dependência do indivíduo ao álcool, considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O uso constante, descontrolado e progressivo de bebidas alcoólicas pode comprometer

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Leia sem moderação. Alcoolismo

Leia sem moderação. Alcoolismo Leia sem moderação. Alcoolismo ALCOOLISMO O alcoolismo é uma doença grave causada pela ingestão contínua de bebidas alcoólicas. A pessoa torna-se prisioneira do ato de beber, sofrendo conseqüências sociais,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU Senado Federal, 16 de maio de 2013 PNAISH - Primórdios. 1988 Criação do SUS Constituição Federal - Art.

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.761, DE 2004

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.761, DE 2004 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.761, DE 2004 Cria o Fundo Nacional de Prevenção e de Combate ao Alcoolismo, e dá outras providências. Autor: Deputado Wilson Santos Relator:

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Atualmente, o consumo de substâncias ilícitas e álcool é indiscriminado entre mulheres e homens adultos

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SAÚDE, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SAÚDE, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM SEMINÁRIO INTERNACIONAL SAÚDE, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE PROMOVENDO A EQUIDADE E CONSTRUINDO HABILIDADES PARA A VIDA BRASÍLIA, 18 DE OUTUBRO DE 2013

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

50% dos acidentes automobilísticos. 25% dos suicídios

50% dos acidentes automobilísticos. 25% dos suicídios A mensagem que induz a beber com moderação abre o caminho para todos os problemas que o alcoolismo traz. Crescem as pressões sobre o uso abusivo de álcool. Esse hábito remonta a épocas imemoriais e os

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu Assunto: Orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as Ações Preventivas na Área de Saúde Pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Èrica Silva Data: 12-11-2013 Duração: 14h30min

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

A publicidade de bebidas alcoólicas 3

A publicidade de bebidas alcoólicas 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(8). Edição 44 Gerlane Lopes e Silva 1 Gessica de Andrade Fonseca 1 Hanna Kamylla Antonia Soares dos Santos 1 Márcia Andrea

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010 ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO Relatório de Atividades 2010 2 MISSÃO Busca da melhoria da qualidade de vida tendo por bases o investimento na saúde, educação, na garantia da cidadania,

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015

Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015 Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015 Jornal Acrítica Cidades Pág. C4 16 de Julho de 2015. Jornal Acrítica Política Pág. A7 16 de Julho de 2015. Av. Mário Ypiranga, 1695 Adrianópolis Jornal

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde!

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! O Serviço Social da Construção Alimentação Saudável Quanto mais colorida for a sua alimentação, maior a presença de nutrientes no seu corpo e melhor será a sua saúde. 50%

Leia mais

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Jamil Luminato 1981 Jamil Luminato 1981 2013 Visão Geral Medicina de Grupo de Curitiba 117.187

Leia mais