FBPN/FMC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DISCIPLINA: CONFECÇÃO DE TRABALHO MONOGRÁFICO ARTIGO CIENTÍFICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FBPN/FMC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DISCIPLINA: CONFECÇÃO DE TRABALHO MONOGRÁFICO ARTIGO CIENTÍFICO"

Transcrição

1 1 FBPN/FMC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DISCIPLINA: CONFECÇÃO DE TRABALHO MONOGRÁFICO ARTIGO CIENTÍFICO TITULO: ATUAÇÃO DA EQUIPE NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA FRENTE AO ALCOÓLATRA AUTORA: JORGINA AZEVEDO JULIO DE ALMEIDA 1 1- ENFERMEIRA FORMADA PELA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ RESUMO Esta pesquisa traz como objeto de estudo a atuação da equipe frente ao paciente alcoólatra no PSF. Para isto, foi traçado como objetivo avaliar se a Equipe da ESF está preparada para dar assistência. O alcoolismo é considerado um dos grandes problemas de saúde pública a serem resolvidos. Para o Ministério da Saúde (2007), sendo atualmente, a substancia mais consumida com finalidade de induzir alterações da percepção da emoção e do comportamento. Segundo Cruz e Ferreira (2001), o alcoolismo por ser tratar de um fenômeno marcado pela complexidade, tem exigindo dos profissionais grandes esforços, já que as maiorias dos profissionais atuantes no programa da saúde da família (PSF), são pouco preparadas para atuar junto à clientela do alcoólatra. Para alcançar os objetivos, o instrumento usado foi um questionário, constituído por uma série de perguntas préelaboradas, sistemáticas e, seqüencialmente, dispostas em itens que constituem o tema da pesquisa, com identificação: idade e, nome, alcoolismo, origens, tratamento, atendimento, conhecimento, capacitação do Profissional, que se caracterizam assim, por fornecerem possibilidades dispostas ao entrevistados. Após a coleta de dados, os mesmos analisados através da análise estatística descritiva no programa Excel, e serão apresentadas em forma de tabelas em gráfico com freqüência estatística. (Apêndice A) no período de Janeiro e Fevereiro de Este estudo descritivo e exploratório foi desenvolvido em um Pólo da Saúde da Família: situado na Rua, Júlia Armand, 121 em Custodópolis - Campos dos Goytacazes RJ. O trabalho desenvolvido possibilitou constatar que os profissionais avaliados não se encontravam capacitados para o atendimento ao alcoólatra mostrando a necessidade de rever o modelo de atendimento ao alcoólatra no programa Saúde da Família (PSF). Palavras-chave: Alcoolismo. Assistência. Equipe Multiprofissional

2 2 INTRODUÇÃO: O alcoolismo é considerado um dos maiores problemas de saúde pública. A dependência do álcool compromete cerca de 10% da população mundial, sendo, atualmente a substância mais consumida com finalidade de induzir alterações da percepção da emoção e do comportamento (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2007). O número de problemas com o consumo de substâncias como o álcool aumentou progressivamente e com isso passou-se a exigir ações dos profissionais da saúde nesta área. Por ser tratar de um fenômeno marcado pela complexidade, tem exigido dos profissionais grandes esforços, já que a maioria dos profissionais atuantes no âmbito da saúde coletiva é pouco preparada para atuar junto aos pacientes alcoólatras. Grandes progressos, porém, têm sido feitos através da pesquisa e de ensino (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2007). O alcoolismo é um conjunto de problemas relacionado ao consumo excessivo e prolongado do álcool. É entendido como o vício de ingestão regular de bebidas alcoólicas e todas as conseqüências decorrentes, sendo, portanto, um conjunto de diagnósticos. Dentro do alcoolismo existe a dependência, a abstinência e o abuso (uso excessivo, porém, não continuado) além do estado demencial, alucinatório, delirante, alterações de humor, distúrbios (de ansiedade, sexuais, do sono e inespecíficos). Por fim, o delírium tremens que pode ser fatal (MARTINS, 2001). Já em suas publicações iniciais, Genevieve Knupfer (1999), uma das pioneiras desse novo enfoque, propunha a seguinte gama de problemas associados ao consumo de álcool: Problemas familiares; problemas legais; problemas no trabalho; problemas da saúde (incluindo hospitalizações); problemas econômicos. Os dados existentes sobre alcoolismo no Brasil são suficientes para que se possa considerar essa condição prioritária em termos de saúde pública, merecendo, portanto, maior atenção governamental. No Brasil, as bebidas alcoólicas fazem parte da rotina da população (ARAÚJO, 1999). Podemos entender o alcoolismo como sendo uma intoxicação aguda ou crônica provocada pelo consumo abusivo de bebidas alcoólicas e constitui-se um problema médico quando altera ou põe em risco a saúde física ou mental do indivíduo. Conforme Almeida e Coutinho (1999), o consumo de bebidas alcoólicas é freqüentemente associado a comemorar o sucesso de uma promoção na empresa, para

3 3 relaxar a tensão do cotidiano, planejar um programa de interação entre um grupo de trabalho, ou, até mesmo, eventos esportivos e símbolos de saúde e sucesso. A relevância do trabalho para melhoria da assistência do usuário deve ser tratada e encaminhada na reabilitação, manutenção da abstinência, prevenção de recaída, seja qual for seu enquadramento: experimentador ocasional, habitual ou dependente. Para a realização desse estudo, enfocaremos neste contexto a atuação de uma equipe Multiprofissional frente ao paciente alcoólatra. É de suma importância o cuidado Multiprofissional com o alcoólatra, com uma atuação de assistência de qualidade no setor, visto que, este se apresenta extremamente fragilizado, num processo de busca de soluções interpessoais que envolvem diversos fatores, sejam sociais, físicos ou emocionais. O cuidado multiprofissional a ser considerado será o do realizado pela equipe da ESF (Estratégia Saúde da Família). O Programa Saúde da Família é entendido como uma estratégia do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes multiprofissionais em unidades básicas de saúde. Estas equipes são responsáveis pelo acompanhamento de um número definido de famílias localizadas numa área geográfica delimitada. As equipes atuam com ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação, reabilitação de doenças e agravos mais freqüentes, e na manutenção da saúde desta comunidade. A responsabilidade pelo acompanhamento das famílias coloca para as equipes a necessidade de ultrapassar os limites classicamente definidos para a atenção básica do Brasil, especialmente no contexto do SUS (MINISTÉRIO, 2008). Cada equipe se responsabiliza pelo acompanhamento de cerca de 3 mil a 4 mil e 500 pessoas ou de mil famílias de uma determinada área, e estas passam a ter coresponsabilidade no cuidado à saúde. A atuação das equipes ocorre principalmente nas unidades básicas de saúde, nas residências e na mobilização da comunidade. É uma estratégia que deveria se caracterizar por ser uma porta de entrada de um sistema hierarquizado e regionalizado de saúde; por ter território definido, com uma população delimitada e sob a sua responsabilidade; por intervir sobre os fatores de risco aos quais a comunidade está exposta; por prestar assistências integrais, permanentes e de qualidade; por realizar atividades de educação e promoção da saúde. E, ainda: por estabelecer vínculos de compromisso e de co-responsabilidade com a população; por estimular a organização

4 4 das comunidades para exercer o controle social das ações e serviços de saúde; por utilizar sistemas de informação para o monitoramento e a tomada de decisões; por atuar de forma intersetorial, por meio de parcerias estabelecidas com diferentes segmentos sociais e institucionais, de forma a intervir em situações que transcendam a especificidade do setor saúde e que têm efeitos determinantes sobre as condições de vida e saúde dos indivíduos famílias-comunidade (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008). Em relação ao tratamento dos diversos transtornos, o papel da atuação da equipe Estratégia Saúde da Família é tentar sensibilizar a família e o indivíduo à adesão ao mesmo. Afinal, a percepção da condição de necessidade de saúde e a adesão ao tratamento aos diversos transtornos não acontecem imediatamente. É um processo longo e que por motivos vários, não fora percebido ou então fora negado pela família. Em relação ao alcoolismo, essa adesão e percepção dessa condição se torna ainda mais problemática. Sendo a família considerada desde o início dos tempos como a base da sociedade, é óbvio que a assistência ao dependente terá maior adesão se a mesma estiver presente, equilibrada e estruturada. Acontece que não é isso que muitos dependentes vivenciam e, neste caso, deve haver um trabalho de informação e conscientização de todos os envolvidos no processo de esclarecimento quanto à importância do apoio dos familiares em um momento único. Mediante esses fatos, pretende-se avaliar se a Equipe da ESF está preparada para dar esse tipo de assistência. O papel da assistência de saúde numa equipe de tratamento é tentar sensibilizar o indivíduo da importância do seu tratamento. Esta equipe deve oferecer estratégias, dar endereços para tratamento em grupo de apoio (paciente e família) e encaminhar para outros profissionais, caso seja necessário. Parte da função assistencial é representada pelo oferecimento de conforto e apoio ao paciente e sua família. Dessa forma, a equipe deverá se preocupar não apenas com o conforto físico do paciente, como também em ajudá-lo a enfrentar seus problemas de saúde, estresse e ansiedade que acompanham os desvios, mesmos ligeiros, de saúde. A execução das atividades da equipe com delicadeza, empatia, compreensão e respeito pelo paciente como um indivíduo de valor e dignidade, significa a preocupação em relação ao paciente (EDWARDS, 1998).

5 5 MATERIAL E MÉTODOS Este estudo descritivo e exploratório foi desenvolvido em um Pólo da Saúde da Família: situado na Rua, Júlia Armand, 121 em Custodópolis - Campos dos Goytacazes RJ. A amostra foi constituída pela equipe multiprofissional, composta por 11 profissionais de saúde, que atuam no Pólo e foi realizada em janeiro de 2008: 1 médico, 1 dentista, 1 enfermeiro, 1 técnica de enfermagem, 1 auxiliar de farmácia, 1 auxiliar de enfermagem, 4 (ACS) agente comunitário de saúde, 1 auxiliar de serviços gerais. Foram utilizados questionários como instrumento para avaliar se a equipe multiprofissional esta preparada para dar assistência ao paciente alcoólatra no PSF. A coleta de dados iniciou-se após a aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Fundação Benedito Pereira Nunes e do Hospital Álvaro Alvim (protocolo nº ) obedecendo aos aspectos éticos concernentes à pesquisa com seres humanos,. A equipe aceitou participar da pesquisa e todos assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os dados foram coletados por meio de um questionário estruturado, composto com perguntas fechadas e abertas com relação, ao atendimento, conhecimento profissional, grupo de trabalho específico, tratamento e capacitação da equipe multiprofissional. Para alcançar os objetivos, o instrumento questionário foi constituído por uma série de perguntas pré-elaboradas, sistemáticas e, seqüencialmente, dispostas em itens que constituem o tema da pesquisa, com identificação: idade, nome, alcoolismo, origens, tratamento, atendimento, conhecimento, capacitação do Profissional, que se caracterizam assim, por fornecerem possibilidades dispostas ao entrevistados. Após a coleta de dados, os mesmos foram analisados através da análise estatística descritiva no programa Excel, e serão apresentadas em forma de tabelas em gráfico com freqüência estatística.

6 6 RESULTADOS E DISCUSSÃO Participaram do estudo, 11 profissionais de saúde, dos quais oito (72,72%) com segundo grau de escolaridade e três (27,27%), com terceiro grau. Todos os profissionais obedeceram aos critérios de inclusão previamente estabelecidos. A idade dos profissionais varia entre 27 e 52 anos, tendo uma média geral de 35 anos de idade. Todos os profissionais são do sexo feminino, sendo a equipe composta por 1 médica, 1 dentista, 1 enfermeira, 4 agentes comunitários de saúde (ACS), 1 técnica de farmácia, 1 auxiliar de enfermagem, 1 técnica de enfermagem e 1 auxiliar de serviços gerais. Tabela 1 visão da equipe Multiprofissinal sobre o alcoolismo OPNIÕES Nº PROFISSIONAIS PORCENTAGEM FRAQUEZA FALTA DE VONTADE 1 9,09% IMATURIDADE DOENÇA 9 81,81% OUTROS 1 9,09% TOTAL ,% Quadro 1- Entendimento da Equipe multiprofissional sobre as causas do alcoolismo Dos 11 profissionais entrevistados, 9 pessoas (81,82%) consideram o alcoolismo como doença, 1 pessoa (9,09%) falta de vontade e 1 pessoa (9,09%) outros. Foi apresentado como resultado, que o alcoolismo é visto pelos profissionais do pólo em

7 7 questão, como doença (Tabela 1, Quadro 1). No entanto, segundo os estudos em Porto Alegre-RS (MOREIRA, 1999), a conceituação de alcoolismo como doença traz, em si, tendência a situá-lo no campo médico e, em conseqüência, a identificá-lo, exclusiva ou predominantemente, em termos de sua sintomatologia física ou psíquica. Entretanto, existem evidências de que determinados fatores sócio-econômicos e culturais desempenham um papel na determinação do alcoolismo. Não só a curiosidade pode levar o indivíduo a experimentar e, posteriormente, passar ao uso abusivo, mas também problemas sociais, de saúde, profissional, de relacionamento, influência de amigos, adesão a um grupo marginal, atração pelo desconhecido e a facilidade de consumo. A velocidade de assimilação do álcool e a constância com que é ingerido são as principais causas desta doença, responsáveis por sérios problemas sociais no mundo inteiro. O homem descobriu que as bebidas alcoólicas, por seu efeito tônico e euforizante, permitiam um alívio da angústia e a liberação de repressões. Esses fatores, entretanto, não são suficientes para explicar a dependência alcoólica. Assim, devem ser considerados os motivos mórbidos que levam as pessoas a beberem em demasia, bem como a tolerância e personalidade de cada indivíduo (CRUZ, 2001). O consumo repetitivo do álcool pode induzir à tolerância, o que indica que a quantidade necessária para produzir o efeito desejado tem que ser progressivamente aumentada. Esse aumento repetido da quantidade de álcool soma alguns efeitos crônicos aos agudos, como por exemplo: dependência física, lesão dos órgãos (principalmente estômago, fígado e cérebro) e elevação da pressão sangüínea (LONGENECKER, 2002). Tabela 2- Entendimento da equipe multiprofissional em relação ao que alcoólatra precisa para obter melhora OPNIÕES Nº PROFISSIONAIS PORCENTAGEM SER INTERNADO 6 54,54% FICAR LONGE DA FAMÍLIA 0 - CONVIVER COM A FAMÍLIA 5 45,45% MORAR COM OUTROS ALCOÓLATRAS 0 - TOTAL , %

8 8 Quadro 2 Entendimento d equipe mltiprofissional em relação ao que alcoólatra precisa para obter melhora Já, com relação à necessidade do alcoólatra para obter melhora, dos 11 profissionais entrevistados, 6 pessoas (54,55%) acharam que o alcoólatra deve ser internado e 5 pessoas (45,45%) optaram por conviver com a família (Tabela 2, Quadro 2). É fato notório, entretanto, que se situem as unidades de tratamento do alcoólatra em hospitais gerais psiquiátricos. O grande avanço nos últimos anos é o paciente ser tratado num hospital geral e não hospital psiquiátrico. Outro avanço é ver o paciente como único, para o qual se recomenda um programa terapêutico próprio e não mais um a ser tratado da mesma maneira que todos os outros alcoólatras (EDWARDS, 1998). Tabela 3 - A equipe multiprofissional em relação às origens OPNIÕES Nº PROFISSIONAIS PORCENTAGEM CONVIVÊNCIA C/ OUTROS ALCOÓLATRAS 7 63,63% TEM BASE GENÉTICA 4 36,36% PODE PASSAR PARA OUTRA PESSOA - - É CAUSADA POR UM VÍRUS - - TOTAL ,%

9 9 Quadro 3 - A equipe multiprofissional em relação às origens Com relação ao alcoolismo e sua origem, dos 11 entrevistados 7 pessoas (63,64%) relataram estar associada à convivência com outros alcoólatras, enquanto que 4 pessoas (36,36%) acreditam que tem base genética (tabela 3, Quadro 3). No estudo realizado por Edwards (1998), a passagem do beber sem problemas ao alcoolismo não se faz de dia para a noite, sendo um processo que admite uma longa interface entre beber normal e o alcoolismo, e, em geral, leva vários anos. Nessa interface, começam a aparecer os problemas relacionados ao uso inadequado do álcool. O beber passa a ser priorizado em relação a outras atividades, adquirindo cada vez mais importância na vida da pessoa. É, usando uma imagem, quando amigos, família, vida profissional ou preocupação com o próprio corpo começam a ser a parte desbotada de uma fotografia antiga, em banco e preto, onde o detalhe que se destaca cada vez com mais clareza é o álcool. OUTROS RESULTADOS Quando questionado se o pólo apresenta atendimento específico para o alcoolismo todos os 11 profissionais da equipe multiprofissional relataram que não, correspondendo 100%. Todos os profissionais quando questionado se o conhecimento profissional ajudaria no atendimento, os 11 profissionais relataram que sim correspondendo 100%. Em relação às informações adquiridas sobre curso de capacitação, os 11 profissionais entrevistados optaram que não correspondendo 100%.

10 10 CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho desenvolvido possibilitou constatar que os profissionais avaliados não se encontravam capacitados para o atendimento ao alcoólatra, mostrando a necessidade de rever o modelo de atendimento ao alcoólatra no programa Saúde da Família (PSF). Acreditamos ser necessário divulgar os objetivos do atendimento ao alcoólatra, bem como torná-los conhecido por todos os profissionais do Programa Saúde da Família (PSF). Também, paralelamente a este fato, pensamos ser importante a capacitação dos profissionais em atendimento ao alcoólatra, pois os profissionais de saúde poderiam se sentir muito mais seguros em prestar assistência ao alcoólatra se tivessem curso especifico dentro da área.

11 11 ABSTRACT This research brings a subject of study the performance of the team in front of the patient alcoholic FHP. For this, was established to evaluate whether the Team of the ESF is prepared to give assistance. Alcoholism is considered a major public health problems to be solved. To the Ministry of Health (2007) and is currently the most consumed substance with purpose to induce changes in perception of emotion and behaviour. According Cruz and Ferreira (2007), alcoholism to be dealing with a phenomenon marked by complexity, is demanding great efforts of professionals, since the majority of professionals working in the programme of family health (PSF) are hardly prepared to act together to customers of the alcoholic. To achieve the goals, the instrument used was a questionnaire, consisting of a series of questions pre-prepared, systematic and, sequentially, arranged in items that are the subject of research, with identification: age, name, alcoholism, origins, treatment, Care, knowledge, training of Training, which are characterized thus provide opportunities provided by the interviewees. After collecting data, they analyzed by descriptive statistical analysis in the program Excel, and will be presented in the form of tables in often graphic statistics. (Appendix A) during January and February This descriptive and exploratory study was carried out in a pole of the Family Health: located at Rua, Julia Armand, 121 in Custodópolis - Campos dos Goytacazes-RJ. The work enabled noted that professionals evaluated were not able to meet the alcoholic showing the need to review the model of attention to the alcoholic in the Family Health (PSF) Keywords: Alcoholism. Assistance. Team Multiprofissional

12 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. 1- BRASIL MINISTERIO DA SAÚDE, php=saudedafamília. Acesso em: 6 Jan MARTINS, I. Intoxicação aguda. Departamento de Farmacologia Básica e Clínica, Universidade Federal do Rio, Jan., KNUPFER, G. The epidemiology of problem drinking. American Journal of Public Health,57,p , ARAÚJO. V. A. Para compreender o alcoolismo: teoria e prática. São Paulo: Ed. Edicon, ALMEIDA, L. M; COUTINHO, E.S.F. Prevalência de consumo de bebidas alcoólicas e de alcoolismo em uma região metropolitana do Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 27, p , BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE Mobilidade hospitar do SUS por local de residência. São Paulo. Disponível em: Cnv/mrsp.def. Acesso em: 18 out EDWARDS, GRIFFITH. A política do álcool e o bem comum. 1ª edição, Porto Alegre: Ed. Artes Médica, MOREIRA, L.B. et. al. Alcoholic beverage consumption and associated factors in Porto Alegra, a southern Brazilian city: a population- based survey. Journal of studies on alcohol, 1999 (no prelo). 9- CRUZ, M.S. FERREIRA, S.M.B. Usos dependências e tratamentos-álcool e drogas. Rio de Janeiro, Ed. IBUP LONGENECKER, G.L. Drogas-ações e reações. São Paulo, Ed. Market Books, 2002.

13 APÊNDICES 7.1 APÊNDICE A FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM SAÚDE DA FAMÍLIA TURMA F Questionário direcionado a Atuação da Equipe da Estratégia Saúde da Família frente o Alcoólatra. 1 -Idade Sexo: M ( ) F ( ) Escolaridade: Primeiro grau ( ) Segundo grau ( ) Terceiro grau ( ) 2 Alcoolismo; ( ) e outros ( ) a- fraqueza ( ) b- falta de vontade ( ) c imaturidade ( ) d doença 3 O alcoólatra precisa: a ser internado ( ) b ficar longe da família ( ) c conviver com a família ( ) d morar com outros alcoólatras ( ) 4 O alcoólatra e a origens: a- está relacionado a convivência com outros alcoólatra Sim ( ) Não ( ) b- tem base genética Sim ( ) Não ( ) c pode passar para outra pessoa Sim ( ) Não ( ) d é causado por um vírus Sim ( ) Não ( ) 5 Que tipo de tratamento / atendimento deve receber o alcoólatra? a clínico SIM ( ) Não ( ) b psiquiátrico / psicológico Sim ( ) Não ( ) c serviço social Sim ( ) Não ( )

14 14 d outros Sim ( ) Não ( ) 5 N o caso de alcoolismo no Pólo, o que deve fazer? a eles devem ser acompanhados isoladamente Sim ( ) Não ( ) b- deve ser criado grupo de apoio Sim ( ) Não( ) c deve ser oferecido atividades recreativas Sim ( ) Não ( ) 6 O pólo tem um atendimento específico para o alcoolismo? Sim ( ) Não ( ) 7 O conhecimento profissional ajudaria mais ao atendimento ao alcoolismo? Sim ( ) Não ( ) 8 - Existe algum curso de capacitação para a equipe multiprofissional do Programa Saúde da Família ao alcoolismo? Sim ( ) Não ( ) Campos, de 2008.

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Elazi Gomes de Oliveira Chacar Lima 1 1 Cirurgiã-Dentista aluna do Curso de Pós-Graduação em Saúde da Família da Faculdade de Medicina de Campos RESUMO

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Amigos da mãe: Identificação da gestante em risco psíquico

Amigos da mãe: Identificação da gestante em risco psíquico Amigos da mãe: Identificação da gestante em risco psíquico Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Consorcio

Leia mais

Mais informações: www.saude.gov.br/academiadasaude http://www.atencaobasica.org.br/comunidades/academia-da-saude

Mais informações: www.saude.gov.br/academiadasaude http://www.atencaobasica.org.br/comunidades/academia-da-saude Ministério da Saúde Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde Brasília - DF 2014 CARTILHA INFORMATIVA Quais são as políticas que subsidiam o Programa Academia da Saúde? Política Nacional de Atenção Básica

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF)

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) 2013 Larissa de Oliveira Pena Graduanda no curso de Psicologia na União de Ensino Superior (UNIVIÇOSA)/ Faculdade de Ciências Biológicas e

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO PAI-PAD PAD Programa de Ações Integradas para Prevenção e Atenção ao Uso de Álcool e Drogas na Comunidade Núcleo de Pesquisa em Psiquiatria Clínica e Psicopatologia ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Esclarecimentos sobre artigos da RDC Anvisa nº 29/2011 e sua aplicabilidade nas instituições conhecidas como Comunidades

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

ESTÉTICA FACIAL: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES DE ALCOOLISTAS EM TRATAMENTO E DA EQUIPE INTERDISCIPLINAR

ESTÉTICA FACIAL: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES DE ALCOOLISTAS EM TRATAMENTO E DA EQUIPE INTERDISCIPLINAR ESTÉTICA FACIAL: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES DE ALCOOLISTAS EM TRATAMENTO E DA EQUIPE INTERDISCIPLINAR BEAUTY FACIAL: EXPECTATIONS AND PERCEPTIONS IN alcoholics TREATMENT AND TEAM INTERDISCIPLINARY Alessandra

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

VI Seminário Internacional de Atenção Primária. Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS

VI Seminário Internacional de Atenção Primária. Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS VI Seminário Internacional de Atenção Primária Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS Erno Harzheim Professor Medicina de Família e Comunidade Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Faculdade

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO CANINA E FELINA NOS ANOS 2010 E 2013 E PERCEPÇÃO DAS PESSOAS QUANTO A GUARDA RESPONSÁVEL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS - BAIRRO GUATUPÊ LUCAS GALDIOLI 1, RAFAELA FURIOSO

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA a

ARTIGO ORIGINAL. SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA a Revista Baiana de Saúde Pública ARTIGO ORIGINAL SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA a Teresa Neuma Modesto b Darci Neves Santos c Resumo A escassez de informações no contexto brasileiro sobre ações de Saúde

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FACULDADE REDENTOR DEPARTAMENTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Autores: Denis Pimentel França Prof.ª Orientadora:

Leia mais

AMBULATÓRIO PÓS-ALTA DE QUEIMADURAS: ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E PSICOLOGIA BUSCANDO PROCESSO DE REABILITAÇÃO HUMANIZADO

AMBULATÓRIO PÓS-ALTA DE QUEIMADURAS: ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E PSICOLOGIA BUSCANDO PROCESSO DE REABILITAÇÃO HUMANIZADO HOSPITAL ESTADUAL BAURU Dr. Arnaldo Prado Curvello AMBULATÓRIO PÓS-ALTA DE QUEIMADURAS: ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E PSICOLOGIA BUSCANDO PROCESSO DE REABILITAÇÃO HUMANIZADO Maria Alice Ferraz Troijo Psicóloga

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS JUSTIFICATIVA O uso de álcool e outras drogas é, atualmente, uma fonte te de preocupação mundial em todos os seguimentos da

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul CARTA DE PORTO ALEGRE A crise nas Emergências agrava-se a cada ano e hoje constitui um dos grandes problemas de saúde no Estado. Os enfermos que acorrem às Emergências aumentam progressivamente; em contrapartida,

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Arnaldo Risman Risman@risman.psc.br Gabriela Medeiros Vieira gabrielam_vieira@yahoo.com.br Franciane Cesar Motta

Leia mais