ALCOOLISMO: A VIVÊNCIA DAQUELES QUE LUTAM CONTRA A DOENÇA ALCOHOLISMO: THE EXPERIENCE OF THOSE WHO FIGHT AGAINST THE DISEASE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALCOOLISMO: A VIVÊNCIA DAQUELES QUE LUTAM CONTRA A DOENÇA ALCOHOLISMO: THE EXPERIENCE OF THOSE WHO FIGHT AGAINST THE DISEASE"

Transcrição

1 987 ALCOOLISMO: A VIVÊNCIA DAQUELES QUE LUTAM CONTRA A DOENÇA ALCOHOLISMO: THE EXPERIENCE OF THOSE WHO FIGHT AGAINST THE DISEASE Lorena Fortunato Rodrigues de Oliveira Enfermeira. Graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste. Ricardo Alexandre da Silva Cobucci Enfermeiro. Especialista em Docência do Ensino Superior. RESUMO O alcoolismo é uma doença grave caracterizado pelo consumo excessivo e prolongado do álcool, resultando em várias complicações orgânicas, psicológicas, familiares e sociais. Dentro das possibilidades de tratamento e recuperação da referida doença, destacam-se os Alcoólicos Anônimos que é uma estratégia de recuperação onde os membros compartilham suas experiências ajudando uns aos outros. O estudo objetivou analisar a percepção do alcoólatra associado ao Grupo Reencontro de Alcoólicos Anônimos no enfrentamento da doença. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo. O estudo foi realizado com 14 membros de um grupo de AA da cidade de Coronel Fabriciano - MG. Como instrumento para a coleta de dados foi elaborado um roteiro de entrevista. Os resultados obtidos revelaram que na opinião dos participantes o alcoolismo é uma doença que afeta os doentes e todos que com eles convivem, trazendo diversas interferências na vida social, familiar e profissional e que a busca de tratamento pelos Alcoólicos Anônimos foi a ultima solução encontrada por eles. PALAVRAS CHAVE: Alcoolismo. Alcoólicos Anônimos. Dependência. ABSTRACT The alcoholism is a serious disease characterized by excessive and prolonged consumption of alcohol, which results in multiple organic, psychological, familial and social complications. Within the possibilities of treatment and recovery of this disease the outstanding one is the Alcoholics Anonymous which is a strategy of recovery where the members share their experiences helping one another. The study aimed to analyze the perception of the alcohol addict associated to the group Reencontro de Alcoólicos Anônimos in fighting the disease. It is a qualitative research with descriptive approach. The study was conducted with 14 members of an AA group in the city of Coronel Fabriciano MG. An interview script was elaborated to be the data collection instrument. The results revealed that in the participants opinion the alcoholism is a disease that affects the patient and everyone who live with them bringing many interference in social life and family and that seeking for treatment at the Alcoholic Anonymous was the last solution they found. KEY WORDS: Alcoholism. Alcoholic Anonymous. Addiction INTRODUÇÃO O álcool é uma substância que acompanha a humanidade desde sua origem, como elemento de rituais religiosos, comemorações e confraternizações, tem tido também várias funções, atuando em medicamentos, perfumes e principalmente componentes de bebidas que acompanham a sociedade (GIGLIOTTI; BESSA,

2 ). A realidade do mundo ocidental é de que pelo menos 90% da população adulta consome algum tipo de bebida alcoólica, também é real que 10% destes poderão desenvolver alguma patologia proveniente do álcool e que outros 10% se tornarão dependente da bebida (ALIANE; LOURENÇO; RONZANI, 2006). O alcoolismo é considerado um sério problema de saúde pública. Estima-se que 12,3% da população brasileira é dependente de álcool e a prevalência da dependência está na faixa etária de 18 a 24 anos, totalizando 19,2% destes (CEBRID, 2005). O consumo prejudicial de bebidas alcóolicas pode resultar em uma série de complicações como: surgimento de doenças, maior risco para os traumatismos e ferimentos, distúrbios psicológicos, conflitos familiares, problemas no ambiente de trabalho e conflitos com a lei (SCHIMIDT et al., 2010). No cenário de tratamento e recuperação dos alcoólatras destacam-se os Alcoólicos Anônimos (AA). A irmandade dos Alcoólicos Anônimos nasceu em 1935, em Akron, Estado de Ohio, nos Estados Unidos. Os AA desempenham um papel fundamental e uma estratégia muito importante na terapêutica contra o alcoolismo, sendo um recurso muito utilizado para aqueles que enfrentam a doença (CAMPOS, 2004). Trata-se de um programa de recuperação baseado em 12 passos e em 12 tradições, cujo objetivo é evitar o primeiro gole, mantendo assim sua sobriedade (CAMPOS, 2004). Fornaizer e Siqueira (2006) dizem que no Brasil a assistência ao usuário de álcool foi efetivada através do Programa Nacional de Controle dos Problemas Relacionados com o Consumo do Álcool (PRONAL), onde a atenção à saúde é dirigida especificamente para essa problemática, bem como a participação de diversos profissionais de saúde na assistência ao alcoolista e aos seus familiares. Neste cenário é que se encontra o enfermeiro como um profissional importante na prevenção de doenças e na proteção e promoção da saúde, integrando as equipes multiprofissionais, devendo atender os pacientes alcoólatras de forma integral com foco nas estratégias de redução de dados, em ações de redução do consumo e conseqüências. A assistência a estes pacientes deve ser caracterizada pela prevenção, tratamento e reinserção social dos dependentes (SOUZA; SIQUEIRA, 2005). O alcoolismo é uma condição de dependência, caracterizada por uma compulsão ao consumo do álcool de forma incontrolável e em grande volume culminado em danos orgânicos que podem trazer como conseqüência doenças graves, o que torna necessária uma preocupação efetiva de seu conhecimento, tratamento e prevenção, bem como problemas relativos ao enfrentamento da dependência, motivo pelo qual foi despertado o interesse em realizar esta pesquisa. Estudos sobre o alcoolismo são relevantes para os profissionais de saúde, inclusive o enfermeiro, assim como para a sociedade em geral, pois se fazem importantes novos elementos para a compreensão deste fenômeno, já que se trata de um problema de saúde pública. Os estudos sobre o alcoolismo ainda são pouco numerosos e explorados cientificamente diante da magnitude dos problemas acarretados pelo mesmo. A sociedade tem dificuldades em reconhecer o alcoolismo como uma doença grave. O estudo objetivou analisar a percepção do alcoólatra associado ao Grupo

3 989 Reencontro de Alcoólicos Anônimos no enfrentamento da doença. METODOLOGIA Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo. O estudo foi realizado com membros de um grupo de AA da cidade de Coronel Fabriciano - MG. A população da pesquisa foram os membros do Grupo Reencontro de Alcoólicos Anônimos, totalizando 450 cadastrados na instituição. A entrevista foi realizada com 14 membros do grupo que compareceram as reuniões nos dias de coleta de dados, sendo que aconteceram no mês de maio e junho de O método empregado para seleção da amostra foi de amostragem por conveniência. Os critérios de inclusão dos sujeitos de pesquisa foram: ser membro do grupo supracitado, ter idade igual ou superior a 18 anos e concordar em assinar o termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Como instrumento de coleta de dados foi utilizado um Roteiro de entrevista elaborado pela pesquisadora de acordo com os objetivos da pesquisa. Os relatos foram gravados em um dispositivo eletrônico para posterior transcrição. A entrevista foi aplicada aos participantes no mesmo local onde ocorrem as reuniões do grupo, observando e respeitando sempre a privacidade dos mesmos bem como a sua disponibilidade para participar. Foi solicitada à instituição pesquisada uma carta de autorização para realização da pesquisa. A entrevista somente teve início a partir da autorização prévia do coordenador do Comitê Trabalhando com Outros (CTO) e do membro da instituição que houvesse concordado e assinado o TCLE. Os dados foram gravados e transcritos na íntegra por intermédio do Programa de áudio Windows Media Player. A discussão ocorreu por meio da interpretação dos dados. A interpretação dos dados ocorreu através da análise das entrevistas e foi exposta por meio de textos descritivos, na seqüência foram analisados e comentados de acordo com a literatura referente ao tema da pesquisa. Conforme a Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996 do Conselho Nacional de Saúde que regulamenta a pesquisa com seres humanos foi fornecido aos participantes o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido que foi assinado em duas vias de igual teor (BRASIL, 1996). Durante o estudo não foram divulgados quaisquer dados que identificasse o participante, seus nomes foram substituídos pela letra P e um número correspondente ao número da entrevista. RESULTADOS E DISCUSSÃO O primeiro passo para o dependente alcoólico buscar ajuda para se tratar é, na maioria das vezes, compreender o alcoolismo. A compreensão de determinadas situações está diretamente ligada às experiências de vida de cada um. Desta forma foi importante perguntar aos participantes da pesquisa como é ser um alcoólatra. Algumas das respostas obtidas foram: Ser um alcoólatra é ser uma pessoa que se entregou ao vício da bebida. Ele adquire o hábito de beber e através desse hábito de beber constantemente ele vai passando por um processo de adaptação no seu organismo e o organismo vai acostumando com a bebida e vai adaptando a esse processo

4 990 de beber todo dia até que ele chega na dependência. (P4) Ser alcoólatra é ser doente, é ter o hábito de fazer o uso da bebida, eu não nasci assim, mas pelo hábito de beber na juventude eu criei um vínculo com o álcool e fiquei dependente, eu sou um dependente químico do álcool. (P5) Ser alcoólatra é simplesmente ser uma pessoa doente. É uma doença que não tem cura. A cura dela é feita simplesmente através de recuperação dentro de uma sala de AA ou então em uma clínica de recuperação. (P6) O alcoólatra é uma pessoa doente né? É uma doença que geralmente a gente tem a consciência de ter, geralmente ela é hereditária, mas às vezes pode não ser, mas ser um alcoólatra é a pessoa que bebe exageradamente, compulsivamente, todos os dias como eu fazia [...] (P11) Nas repostas observa-se três núcleos que nortearam as narrativas dos participantes sendo eles a doença, o hábito e a dependência. Segundo Schmidt et al. (2010) o alcoolismo é uma doença crônica desencadeada pela intoxicação causada pelo consumo de bebidas alcoólicas. A doença é desenvolvida em cada pessoa em ritmos diferentes, isso depende das condições físicas, mentais e psicológicas, grau de tolerância ao álcool e tipo de bebida ingerida. O hábito consiste no ato rotineiro de consumir bebidas alcoólicas, em que a partir desse uso contínuo a pessoa pode se tornar dependente desta substância. Segundo Jolivet (2011), o hábito é determinado por dinamismo e automatismo, em que se desenvolve o mecanismo do ato habitual entendido assim como impulso automático para continuar até o fim um ato ou um conjunto de atos a partir do sinal que os desencadeou. Ainda, de acordo com a classificação dada, o hábito do alcoolismo se enquadra no hábito moral, sendo aquele que interfere na vontade de continuar a consumir o álcool. Aliane, Lourenço e Ronzani (2006) dizem que a dependência é o resultado de uma interação dos efeitos fisiológicos das substâncias psicoativas no cérebro e como o usuário interpreta a situação. Se uma pessoa consome uma substância e sente um efeito satisfatório, provavelmente tal ação se repetirá. A dependência alcoólica resulta em prejuízo não somente para o usuário, no que tange a saúde física e psíquica, sendo as relações familiares também prejudicadas, havendo da mesma forma envolvimento direto no cotidiano, interferindo nas atividades sociais e no trabalho. Quando indagados sobre a interação do alcoolismo em seu cotidiano, foram observadas as seguintes respostas: Foi um desastre, um verdadeiro desastre porque eu cheguei a querer separar, pedi a morte tudo isso. Eu cheguei a um ponto que eu não tinha mais vontade trabalhar, eu não participava de nada da sociedade, não participava de movimentos e depois que eu vim pro Alcoólicos Anônimos é eu fui enxergar isso [...] (P4) Ele interagiu sim em todos os aspectos, social, familiar, no trabalho, já trabalhei de ressaca. O trabalho não rendia porque eu tava de ressaca [...] eu não participei da educação dos meus filhos, eu dirigia embriagado, eu levava a vida no acaso, levava uma vida irresponsável. No social a mesma coisa, eu só ia a lugar que me interessava, se tivesse bebida eu ia se não tivesse eu não ia. (P5) Interferiu muito porque eu bebia durante o dia, no horário de trabalho, na

5 991 hora de estar cuidando das minhas obrigações eu estava bebendo [...] (P11) De acordo com os relatos acima se observa que a influência do álcool é muito grande sobre a vida dos usuários, constatando-se prejuízos importantes nas relações de trabalho havendo comprometimentos nas atividades laborais e com relevante repercussão nas relações familiares. O alcoolismo gera um transtorno comportamental nos dependentes, ocasionando uma inversão de prioridades dos mesmos, onde o consumo do álcool adquire maior significância do que as relações sociais, familiares e de trabalho, sendo observadas nas falas supracitadas. Para Sena et al. (2011) o alcoolismo é representado como uma doença grave, que afeta não apenas o doente, mas todos que convivem direta ou indiretamente com ele, trazendo vários prejuízos para o desenvolvimento das pessoas e para qualidade de vida e de saúde daqueles que convivem com o problema. Filizola et al. (2006) ressaltam ainda que os efeitos do alcoolismo atuam negativamente sobre todas as relações familiares e que os prejuízos sobre os filhos acarretam sérias repercussões. As estratégias de tratamento perpassam por diversos modelos, sendo o compartilhamento de experiências a que os dependentes buscam no apoio de seus pares e coragem para suportar as dificuldades do processo. Neste contexto o AA é uma estratégia onde homens e mulheres compartilham suas experiências com o álcool afim de ajudar a si mesmos e aos outros na recuperação do alcoolismo. Diante disto os participantes foram interrogados sobre os motivos de terem buscado a ajuda do AA em sua recuperação. Obteve-se as seguintes respostas: Porque eu realmente estava no fundo do poço precisando de uma ajuda e o médico me disse que eu ainda tinha chance e que meu fígado ainda não estava todo comido e o remédio que ia passar pra mim, o meu corpo físico ia melhorar, mas que o remédio para o alcoolismo não tem cura. (P6) Porque a situação ficou difícil demais, quando eu não tinha mais lugar pra por o pé em lugar nenhum no mundo eu arrisquei vim nos Alcoólicos Anônimos pra ver se dava certo [...] (P8) Porque eu não tive outra saída, não era a minha vontade. A minha vontade era de beber e não ter problema, como eu não encontrei jeito de beber sem ter problema eu cheguei a uma fase crônica da doença. Vim parar aqui não por acaso, mas vim parar aqui pra fazer minha descoberta a respeito do que nós chamamos de doença do alcoolismo e esta descoberta fez com que eu possa entender que eu era impotente perante a qualquer dose de qualquer bebida que contém o álcool e que minha estrutura é diferente daqueles que podem ou acham que podem beber controladamente [...] (P9) Nota-se através dos depoimentos apresentados que a busca dos participantes pelo AA aconteceu quando a situação ficou difícil de ser controlada por seus próprios meios. Para eles o AA foi o último recurso para se obter sucesso na recuperação da doença. Para Campos (2004) a expressão fundo do poço significa um estado de decadência física e moral em que se encontra o indivíduo, permitindo a ele uma síntese de seu estado de dependência e impotência perante o álcool, notadamente representada pela narrativa de P6.

6 992 Noutro momento, é possível observar que não há por parte do alcoólatra a intenção clara de abandonar o vício, uma vez que este vislumbrava uma tentativa de permanecer usando o álcool sem que o mesmo pudesse acarretar em prejuízos para sua vida, relatado na fala de P9. De acordo com Fontanella e Turato (2002) existem várias barreiras que dificultam ou impedem os dependentes de substâncias psicoativas em procurar o tratamento, sendo algumas delas considerar que o problema não é tão grave, considerar que o tratamento não seja efetivo o suficiente para que possa haver uma mudança em sua vida e não desejar abandonar o prazer de consumir a substância. As dificuldades encontradas pelos dependentes no processo de recuperação do alcoolismo são diversas, fato que, em grande número de casos é preponderante para a desistência do tratamento por parte dos dependentes. Assim, os participantes foram interrogados sobre as dificuldades encontradas no tratamento, onde foram obtidas as seguintes respostas: Então, as dificuldades foram só a abstinência nos primeiros tempos, mas isso agente voltando a pensar nos prejuízos que agente vai ter, agente consegue ter mais facilidade pra prosseguir nesse caminho. (P5) A dificuldade no começo era a abstinência, era ficar sem beber, eu achava que por ser um alcoólatra eu não iria conseguir parar de beber, mas realmente as primeiras fases, os primeiros três meses são os meses mais difíceis isso foi uma das dificuldades que eu tive [...] (P6) Através dos relatos acima nota-se que a abstinência de bebidas alcoólicas é uma etapa que dificulta o processo de recuperação do alcoolista, pois as alterações em seu organismo, referente à interrupção do uso da substância, leva-o a pensamentos negativos e a atitudes que estão fora de seu controle. Segundo Maciel e Corrêa (2004) a Síndrome de Abstinência Alcoólica (SAA) é um conjunto de sinais e sintomas que se manifestam nas pessoas que bebem de forma excessiva quando diminuem ou se abstêm totalmente da substância. É possível observar que o período de maior dificuldade, encontrada pelos participantes, são os primeiros dias de abstenção da substância. Para Luis, Lunetta e Ferreira (2008) os sintomas de abstinência se iniciam, comumente, entre 24 e 36 horas após a redução ou abandono da bebida, podendo variar esse período entre seis e 72 horas, sendo os principais deles tremores, ansiedade, insônia, náuseas e inquietação, durando em média seis a dez dias. Na recuperação de qualquer doença existe os fatores que ajudam o paciente recuperar-se delas. No alcoolismo não é diferente, vários fatores podem contribuir com o dependente alcoólico a enfrentá-lo. Percebe-se através dos seguintes depoimentos: A freqüência de reunião isso contribui né? e também levar a mensagem né? para aquela pessoa que bebe exageradamente, essas são as coisas que me ajudam. (P1) A freqüência nas reuniões. Cada vez que eu venho aqui eu me sinto bem melhor. (P3) O que mais contribui pra recuperação é mesmo a participação com o grupo e tem também um fator muito importante que é o apoio da família, o apoio

7 993 da família é importantíssimo. (P4) É a admissão que eu sou impotente perante o álcool [...] (P5) As narrativas apresentadas mostram que na opinião dos entrevistados a freqüência nas reuniões de AA é um fator muito importante para o enfrentamento do alcoolismo, já que permite a troca de experiências fortalecendo a sensação de bem estar. Ainda se vê a relevância do apoio familiar e do auto-reconhecimento do alcoolismo como fatores preponderantes. Ferreira (2011) diz que o efeito terapêutico do AA está nas narrativas dos exbebedores, uns para os outros, sobre suas experiências com o álcool, pois elas permitem a recuperação e reordenação da vida social de seus membros. Schenker e Minayo (2004) afirmam que no tratamento de abuso de álcool e outras drogas a abordagem familiar é, de uma forma geral, mais eficaz do que as outras. Rodrigues e Almeida (2002) revelam que a base para todo processo de recuperação é o primeiro passo proposto pelo AA, sendo ele a admissão de ser impotente perante o álcool, sem ele o processo de recuperação seria incerto. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo proporcionou observar os problemas enfrentados pelos alcoolistas relacionados ao enfrentamento da doença, já que enfrentar o alcoolismo é uma tarefa complexa tanto para o doente quanto para os indivíduos presentes e seu meio. O alcoolismo é uma doença que prejudica todas as áreas que fazem parte da vida do alcoólatra, desorientando a vida da pessoa, prejudicando as relações familiares, o trabalho e a vida social em geral. Desta forma, esta pesquisa indica a necessidade de novos estudos visando o conhecimento do cotidiano dos alcoolistas para que novas formas de intervenção para o tratamento e recuperação destes sejam propostas a fim de reduzir o problema. REFERÊNCIAS ALIANE, P. P.; LOURENÇO, L. M.; ROZANI, T. M. Estudo comparativo das habilidades sociais de dependentes e não dependentes de álcool. Rev. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n.1, p , jan./abr Disponível em:< 0010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 26 out BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 196 de 10 de outubro de Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário oficial da união. Brasília, 16 out CAMPOS, E. A. As representações sobre o alcoolismo em uma associação de exbebedores: os Alcoólicos Anônimos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p , out Disponível em <http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 02 dez

8 994 CEBRID. Centro Brasileiro de informações sobre Drogas psicotrópicas. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país, São Paulo: CEBRID. Disponível em: Acesso em: 03 nov FERREIRA, L. O. Nosso remédio é a palavra: Uma etnografia sobre o modelo terapêutico de Alcoólicos Anônimos. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n.1, p , jan Disponível em:< Acesso em: 26 set FILIZOLA, C. L. A. et al. Compreendendo o alcoolismo na família. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p , dez Disponível em: < > Acesso em: 10 out FONTANELLA, B. J. B.; TURATO, E. R. Barreiras na relação clínico-paciente em dependentes de substâncias psicoativas procurando tratamento. Rev. Saúde pública, São Paulo, v. 36, n. 4, p , ago Disponível em: < > Acesso em: 16 out FORNAIZER, M.L.; SIQUEIRA, M.M. Consulta de enfermagem a pacientes alcoolistas em um programa de assistência ao alcoolismo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 55, n. 4, p , out Disponível em: < Acesso em: 27 out GIGLIOTTI, A.; BESSA, M. A. Síndrome de Dependência do Álcool: Critérios Diagnósticos. Rev. Bras. Psiquiatria, São Paulo, v. 26, n. 13, p , maio Disponível em: < Acesso em: 26 out JOLIVET. R. O Hábito. Curso de Filosofia de Jolivet. Disponível em: < >. Acesso em: 29 out LUIS, M. A. V.; LUNETTA, A. C. F.; FERREIRA, P. S. Protocolo para avaliação da síndrome de abstinência alcoólica por profissionais de enfermagem nos serviços de urgência: teste piloto. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 21, n. 1, p , jan./mar Disponível em: < =sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em: 01 nov MACIEL, C.; CORRÊA, F. K. Complicações psiquiátricas do uso crônico do álcool: síndrome de abstinência e outras doenças psiquiátricas. Rev. Brasileira de Psiquiatria. São Paulo, v. 26, n. 1, p , maio Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbp/v26s1/a12v26s1.pdf>. Acesso em: 28 out

9 995 RODRIGUES, J. T.; ALMEIDA, L. P. Liberdade compulsão: uma análise da programação dos doze passos dos Alcoólicos Anônimos. Rev. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 7, n. 1, p , jan./jun Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v7n1/v7n1a12.pdf>. Acesso em: 26 set SCHENKER, M.; MINAYO, M. C. S. A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão da literatura. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p , maio/jun Disponível em: < > Acesso em: 10 out SENA, E. L. S. et al. Alcoolismo no contexto familiar: um olhar fenomenológico. Rev. Texto Contexto. Florianópolis, v. 20, n. 2, p , abr./jun Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n2/a13v20n2.pdf>. Acesso em: 28 set SCHIMIDT, P. M. S. et al. Avaliação do Equilíbrio em Alcoólicos. Braz.j. otorhinolaryngol. São Paulo, v.76, n.2, p , mar./abr Disponível em: < &lang=pt&tlng=pt >. Acesso em: 9 set SOUZA, R. S.; SIQUEIRA, M. M. O processo de enfermagem na assistência a pacientes com dependência de álcool. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 54, n. 3, p , jul./set Disponível em: < &src=google&base=lilacs&lang=p&nextaction=lnk&exprsearch=438315&indexse arch=id> Acesso em: 9 set VARGAS, D. A construção de uma escala de atitudes frente ao álcool, ao alcoolismo e ao alcoolista: um estudo psicométrico f. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho.

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho. O que é Alcoolismo? Alcoolismo é a dependência do indivíduo ao álcool, considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O uso constante, descontrolado e progressivo de bebidas alcoólicas pode comprometer

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS O álcool é a «droga recreativa» mais utilizada em contexto universitário. Estudos recentes revelam que mais de metade dos estudantes universitários tiveram,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO AUTOR(ES): ANDRESSA

Leia mais

Abordagem do Dependente Químico: papel do consultor Alessandra Mendes Calixto Enfermeira Papel do consultor em dependência química Como surge o papel do consultor 1912: Courtney Baylor foi treinado por

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

Comunidade Terapêutica

Comunidade Terapêutica Comunidade Terapêutica Alessandro Alves Estou aqui porque, finalmente não há mais como refugiar-me de mim mesmo. Na segunda década do século XX, foi fundada uma organização religiosa, grupo de Oxford (por

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Coisas simples que todo médico

Coisas simples que todo médico Coisas simples que todo médico pode fazer para tratar o alcoolismo. Você já faz? Prof. Dr. Erikson F. Furtado Chefe do Serviço Ambulatorial de Clínica Psiquiátrica e coordenador do PAI-PAD (Programa de

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

ALCOOLISMO, DOENÇA DA NEGAÇÃO - TRATAMENTO

ALCOOLISMO, DOENÇA DA NEGAÇÃO - TRATAMENTO ALCOOLISMO, DOENÇA DA NEGAÇÃO - TRATAMENTO COMO TRATAR uma doença que, durante séculos, foi alvo de preconceitos, teve etiologia errada e conseqüentemente tratamento desastroso? Ao longo de séculos o alcoólatra

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE Tiago de Sousa Barros 20, Tatiane Gomes Guedes 21, Jéssika Nayara Sousa Barros 2, Francisca Elba Pereira

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO PAI-PAD PAD Programa de Ações Integradas para Prevenção e Atenção ao Uso de Álcool e Drogas na Comunidade Núcleo de Pesquisa em Psiquiatria Clínica e Psicopatologia ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DAS CRENÇAS E COMPORTAMENTOS RELACIONADOS AO USO DO ÁLCOOL RESUMO

INVESTIGAÇÃO ACERCA DAS CRENÇAS E COMPORTAMENTOS RELACIONADOS AO USO DO ÁLCOOL RESUMO INVESTIGAÇÃO ACERCA DAS CRENÇAS E COMPORTAMENTOS RELACIONADOS AO USO DO ÁLCOOL Heloísa Karmelina Carvalho de Sousa Curso de Psicologia - UFRN Nathália Lucena Diniz 1 Curso de Psicologia - UFRN José Adriano

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES Iuanda Silva Santos, Faculdades Integradas de Patos, yuanda_@hotmail.com; Rúbia Karine Diniz Dutra, Faculdades Integradas

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES): RENATA DE OLIVEIRA PIMENTA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES): RENATA DE OLIVEIRA PIMENTA TÍTULO: PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA E SUA RELAÇÃO COM A ESPIRITUALIDADE/RELIGIOSIDADE EM UM GRUPO DE PACIENTES SOB TRATAMENTO DE DIÁLISE PERITONEAL. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

PARTICIPAÇÃO FAMILIAR: UM ESTUDO REALIZADO NO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL ÁLCOOL E DROGAS (CAPS ad) EM CAMPINA GRANDE/PB

PARTICIPAÇÃO FAMILIAR: UM ESTUDO REALIZADO NO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL ÁLCOOL E DROGAS (CAPS ad) EM CAMPINA GRANDE/PB PARTICIPAÇÃO FAMILIAR: UM ESTUDO REALIZADO NO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL ÁLCOOL E DROGAS (CAPS ad) EM CAMPINA GRANDE/PB Viviane Guedes Gonçalves de Moura 1, Elizângela Samara da Silva 2, Maria do Socorro

Leia mais

P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO EMPREGADO

P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO EMPREGADO P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO 1990 1989 HISTÓRICO EAP (Alcoa) Foco em Dependência Química (Alumar) Visita na Johnson Criação de Grupo Multidisciplinar de Coordenação Estágio na Clínica Vila

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS JUSTIFICATIVA O uso de álcool e outras drogas é, atualmente, uma fonte te de preocupação mundial em todos os seguimentos da

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear NTRR 79/2014 Solicitante: Juiz Dr Eduardo Soares de Araújo Comarca de Andradas Número do processo: 0019642-3.2014.8.13.0026 Réu: Estado de Minas Data: 03/05/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

Uma luta que se vence diariamente

Uma luta que se vence diariamente ALCOOLISMO Uma luta que se vence diariamente Milhões de pessoas tentam vencer a dependência do álcool, tão perigosa quanto o vício da maconha ou cocaína. Reconhecer o problema e aceitar o apoio da família

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Iluska Pinto da Costa Universidade Federal de Campina Grande; email: lucosta.ufcg@gmail.com Janaíne Chiara

Leia mais

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Guia do Al-Anon G-27 PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Muitos Grupos realizam reuniões abertas de Informação ao Público para comemorar o aniversário do Grupo. Outros realizam reuniões abertas

Leia mais

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA 1 REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA Cláudia Cristina Augusto Currículo: Pedagogia pela - Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1996-1999); Pós-Graduação em Pedagogia

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

GRUPO DE APOIO DO AA: EXISTE MUDANÇA POSITIVA DO COMPORTAMENTO DO USUÁRIO?

GRUPO DE APOIO DO AA: EXISTE MUDANÇA POSITIVA DO COMPORTAMENTO DO USUÁRIO? GRUPO DE APOIO DO AA: EXISTE MUDANÇA POSITIVA DO COMPORTAMENTO DO USUÁRIO? Projeto de Pesquisa apresentado à professora Gleicimara Araújo Queiroz, como requisito de crédito para a disciplina Pesquisa em

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica Autores: Glenda Garrafa Mori glendagmori@yahoo.com.br Irene Abramovich iabramo@uol.com.br Paulo Monteiro

Leia mais

A FUNÇÃO DO OUTRO NA ESPIRITUALIDADE DOS ALCOÓLICOS ANÔNIMOS: UM ESTUDO PSICANALÍTICO

A FUNÇÃO DO OUTRO NA ESPIRITUALIDADE DOS ALCOÓLICOS ANÔNIMOS: UM ESTUDO PSICANALÍTICO A FUNÇÃO DO OUTRO NA ESPIRITUALIDADE DOS ALCOÓLICOS ANÔNIMOS: UM ESTUDO PSICANALÍTICO Autor: CIMARA BANDEIRA DE SOUSA CALDAS Orientador: Raul Max Lucas da Costa Modalidade: oral Área: Psicologia INTRODUÇÃO

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR Welton Alves Ribeiro Júnior 1 ; Robécia Graciano de Souza 2 ; Lúcia Maria de Almeida 3; Silvia Beatriz Fonseca de Melo 4. Centro Universitário

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM AUTORES: Roberta Meneses Oliveira, Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Marina Castro Sobral, Sarah de Sá Leite, Ariane Alves Barros,

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

Jovens ADICTOS, para. Jovens ADICTOS

Jovens ADICTOS, para. Jovens ADICTOS [ De ADICTOS, para Jovens Jovens ADICTOS ] [viver] Este folheto foi escrito por jovens membros de Narcóticos Anônimos que ficaram limpos e descobriram uma nova maneira de viver. Jovens adictos em todo

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4.

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4. Caracterização da Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10 1. Objectivo Caracterizar o serviço e procedimentos da do Hospital do Fundão. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL Larissa Camila Dianin 3 Paolla Furlan Roveri 2 Darci

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁLCOOL

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁLCOOL AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁLCOOL 1 Você faz uso de bebida alcoólica e bebe mais de uma vez por mês? 2 Alguma vez você sentiu que deveria diminuir a quantidade de bebida ou parar de beber? 3 As pessoas o

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais