INSTITUIÇÕES DO CONCELHO DE BRAGA QUE TRABALHAM NA ÁREA DAS TOXICODEPENDÊNCIAS E ALCOOLISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUIÇÕES DO CONCELHO DE BRAGA QUE TRABALHAM NA ÁREA DAS TOXICODEPENDÊNCIAS E ALCOOLISMO"

Transcrição

1 INSTITUIÇÕES DO CONCELHO DE BRAGA QUE TRABALHAM NA ÁREA DAS TOXICODEPENDÊNCIAS E ALCOOLISMO Janeiro/2006

2 ÍNDICE CONSTITUIÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO INTRODUÇÃO I - ONDE E QUEM PROCURAR I - ONDE E QUEM PROCURAR ATENDIMENTO, TRIAGEM, ENCAMINHAMENTO E ACOMPANHAMENTO DE CRIANÇAS E JOVENS ATENDIMENTO, ENCAMINHAMENTO E ACOMPANHAMENTO A PAIS E OUTROS FAMILIARES DE CRIANÇAS E JOVENS ATENDIMENTO E TRATAMENTO DE JOVENS E ADULTOS COM PROBLEMAS NO USO E ABUSO DE ÁLCOOL ATENDIMENTO, TRIAGEM, ENCAMINHAMENTO E TRATAMENTO DE JOVENS E ADULTOS COM PROBLEMAS DE TOXICODEPENDÊNCIA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO A FAMILIARES DE TOXICODEPENDENTES GRUPOS DE AUTO-AJUDA II - RECURSOS EXISTENTES NO CONCELHO DE BRAGA GABINETES DE ATENDIMENTO A CRIANÇAS, JOVENS E FAMÍLIAS INSTITUTO DA DROGA E DA TOXICODEPENDÊNCIA - CAT DE BRAGA HOSPITAL DE SÃO MARCOS Vias de Referenciação para o Hospital de São Marcos Toxicodependência Alcoologia Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental CENTRO DE SAÚDE DE BRAGA Serviços Actividades de Saúde Marcação das consultas no Centro de Saúde de Braga CENTRO DISTRITAL DE SEGURANÇA SOCIAL DE BRAGA Prestações de Direito Atendimento/acompanhamento social Cooperação PROJECTO HOMEM - CENTRO DE SOLIDARIEDADE DE BRAGA Estruturas E Direcção Clínica Quem Somos Critérios A Observar CRUZ VERMELHA PORTUGUESA - CVP / DELEGAÇÃO DE BRAGA Aproximar - Equipa de Rua Centro de Alojamento Temporário Dr. Francisco Alvim Equipa de Intervenção Social Directa IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS CASA DE SAÚDE DO BOM JESUS Unidade de tratamento de toxicodependentes (S. Luís) Unidade de Desintoxicação Alcoólica DOMUS FRATERNITAS FUNDAÇÃO DE SOCIDARIEDADE SOCIAL Objectivos do programa terapêutico Fases do programa ALCOÓLICOS ANÓNIMOS AA O que são os Alcoólicos Anónimos A Importância do anonimato NARCÓTICOS ANÓNIMOS NA O que é o programa de narcóticos anónimos? Reuniões FAMÍLIAS ANÓNIMAS FA - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMÍLIAS ANÓNIMAS O que são Famílias Anónimas Problemas trazidos às reuniões pelos familiares e amigos Objectivos das Famílias Anónimas 2.13 VIVER MAIS TERAPIA DO ALCOOLISMO E DA TOXICODEPENDÊNCIA LDA Actividade Metodologia Programa 2.14 CENTRO DE RESPOSTAS INTEGRADAS DE APOIO À SIDA CRIAS Objectivos Condições de admissão SEMPRE A CRESCER, CRL COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Serviços Prestados Apoio a famílias Acções de Prevenção Primária na área da Toxicodependência III - PROGRAMA VIDA EMPREGO III - PROGRAMA VIDA EMPREGO DESTINATÁRIOS OBJECTIVOS BENEFÍCIOS IV - LEGISLAÇÃO 4.1- ÁLCOOL DROGA Estratégia Nacional de Luta Contra a Droga Plano de Acção Nacional de Luta Contra a Droga e a Toxicodependência Horizonte Prevenção e Tratamento da Toxicodependência REDUÇÃO DE RISCOS / DANOS TABACO V - LINHAS DE APOIO VI ESTRUTURAS LOCAIS DE PARCERIA FICHA TÉCNICA:

3 CONSTITUIÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO Coordenação Cooperativa de Solidariedade Social Sempre a Crescer, entidade coordenadora do Grupo de Trabalho - Paula Leal Assessoria à coordenação do Grupo de Trabalho - Sofia Álvares Participação Câmara Municipal de Braga /Gabinete de Acção Social - Paula Caramelo e Amélia Pereira Casa de Saúde do Bom Jesus / IHSCJ - Antónia Garcia Centro Distrital de Segurança Social de Braga - Manuela Baptista e Helena Reis Centro de Saúde / Unidade Operativa de Saúde Pública - Mário Freitas Centro de Solidariedade de Braga / Projecto Homem - Abel Pereira Centro de Respostas Integradas de Apoio à Sida Rita Fernandes Cruz Vermelha Portuguesa / Delegação de Braga - Mafalda Lopes e Alexandra Santos Hospital de São Marcos - Helena Santiago Instituto da Droga e da Toxicodependência Centro de Atendimento a Toxicodependentes / CAT - Rosa Parente Unidade de Prevenção de Braga/ UP Luís Miguel Viana

4 INTRODUÇÃO O Programa Rede Social criado pela Resolução de Conselho de Ministros 197/97, de 18 de Novembro e regulamentado pelo Despacho Normativo nº 8/2002, de 12 de Fevereiro, é um programa estruturante que desenvolve parcerias efectivas e dinâmicas entre actores sociais de diferentes naturezas e áreas de intervenção, nomeadamente entidades públicas e privadas sem fins lucrativos. Estas parcerias assentes no consenso de objectivos e em complementaridades e articulações, consolidam uma consciência colectiva dos problemas sociais, com vista a uma maior eficácia na erradicação da pobreza e exclusão social e na planificação estratégica da intervenção social local. A contribuição do trabalho desenvolvido pelo grupo Toxicodependências e Alcoolismo tem constituído um importante instrumento para a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social. Esse contributo dos parceiros implicados tem facilitado a definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção das respostas às necessidades individuais e colectivas. Entre alguns dos seus objectivos e, resultante da necessidade manifestada pelos parceiros das Comissões Sociais de Freguesia e Inter-freguesias, surge este documento. O Manual Informativo destina-se a permitir o fácil acesso à informação sobre recursos locais de intervenção e legislação aplicável às áreas temáticas do álcool, prevenção e tratamento da toxicodependência, redução de riscos/danos, tabaco e outros dispositivos legislativos, passando a definir modos de articulação e encaminhamento neste domínio. Enquanto instrumento de trabalho, este Manual destina-se a dirigentes, técnicos, Comissões Sociais, população em geral e a todos aqueles cuja missão é ouvir, acompanhar, encaminhar e orientar cidadãos que vivem situações de risco ou de consumos, no seu percurso de vida, que conduzam a desfavorecimentos ou exclusão social.

5 I - ONDE E QUEM PROCURAR ATENDIMENTO, TRIAGEM, ENCAMINHAMENTO E ACOMPANHAMENTO DE CRIANÇAS E JOVENS (com problemas de comportamento, com dificuldades de relacionamento interpessoal, com problemas de aprendizagem, com problemas ou suspeitas de consumo de drogas): a) Centro de Atendimento a Toxicodependentes de Braga - CAT de Braga b) Serviço de Pedopsiquiatria no Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de São Marcos c) Cooperativa Sempre a Crescer (consultas externas) d) Instituto Português da Juventude (IPJ) e) Centro Distrital de Segurança Social de Braga (CDSSB) f) Centro de Saúde g) Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Braga (CPCJ) ATENDIMENTO, ENCAMINHAMENTO E ACOMPANHAMENTO A PAIS E OUTROS FAMILIARES DE CRIANÇAS E JOVENS (com problemas de comportamento, com dificuldades de relacionamento interpessoal, com problemas de aprendizagem, com problemas ou suspeitas de consumo de drogas): a) Centro Atendimento a Toxicodependentes de Braga - CAT de Braga b) Serviço de Pedopsiquiatria no Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de São Marcos c) Cooperativa Sempre a Crescer (consultas externas) d) Projecto Homem e) Centro Distrital de Segurança Social de Braga (CDSSB) f) Centro de Saúde ATENDIMENTO E TRATAMENTO DE JOVENS E ADULTOS COM PROBLEMAS NO USO E ABUSO DE ÁLCOOL a) Se tem problemas com álcool (ou alguém que lhe é próximo), dirija-se ao seu médico de família, que fará o encaminhamento adequado à sua situação (desabituação, internamento, acompanhamento terapêutico,...). b) Caso recorra a uma outra instituição, depois de ser atendido, a instituição deve enviar o registo de referência médica, anexando informações de outros técnicos, se necessário pelo correio para o Hospital de São Marcos Repartição de Doentes admissão de Credenciais (Apartado 2242), para posterior encaminhamento e tratamento da situação. c) Instituições onde pode fazer a desabituação: Internamento (Hospital de São Marcos Unidade de Tratamento e Recuperação de Alcoólicos e Unidade de Doentes Agudos do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental); Internamento (Casa de Saúde do Bom Jesus); d) Instituições onde pode fazer a reabilitação: Ambulatório (Hospital de São Marcos Consulta Externa do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental e Cooperativa Sempre a Crescer); Internamento (Comunidade Terapêutica da Cooperativa Sempre a Crescer).

6 1.4 - ATENDIMENTO, TRIAGEM, ENCAMINHAMENTO E TRATAMENTO DE JOVENS E ADULTOS COM PROBLEMAS DE TOXICODEPENDÊNCIA a) Centro de Apoio a Toxicodependentes de Braga -CAT de Braga b) Hospital de São Marcos Consulta de Risco (mulheres e filhos) c) Hospital de São Marcos Doenças Infecto contagiosas (consultas e acompanhamento de doentes) d) Cooperativa Sempre a Crescer (internamento e consultas externas) e) Projecto Homem f) Cruz Vermelha Portuguesa Delegação de Braga (CVP) g) Casa de Saúde do Bom Jesus h) Instituto Português da Juventude (IPJ) i) Centro Distrital de Segurança Social de Braga (CDSSB) j) Centro de Respostas Integradas de Apoio à SIDA (C.R.I.A.S) k) Domus Fraternitas Fundação de Solidariedade Social l) Viver Mais Terapia do Alcoolismo e da Toxicodependência, Lda ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO A FAMILIARES DE TOXICODEPENDENTES a) Centro de Apoio a Toxicodependentes de Braga - CAT de Braga b) Hospital de São Marcos c) Cooperativa Sempre a Crescer d) Cruz Vermelha Portuguesa Delegação de Braga (CVP) e) Projecto Homem f) Centro Distrital de Segurança Social de Braga (CDSSB) g) Centro de Respostas Integradas de Apoio à Sida (C.R.I.A.S) h) Viver Mais Terapia do Alcoolismo e da Toxicodependência, Lda GRUPOS DE AUTO-AJUDA a) Famílias Anónimas (FA) b) Alcoólicos Anónimos (AA) c) Narcóticos Anónimos (NA)

7 II - RECURSOS EXISTENTES NO CONCELHO DE BRAGA GABINETES DE ATENDIMENTO A CRIANÇAS, JOVENS E FAMÍLIAS São espaços onde se pretende apoiar e trabalhar questões da vida, em jovens e famílias, sentidas como problemáticas, a nível pessoal e relacional, através da promoção e reforçando competências pessoais e sociais capazes de constituírem factores protectores e amortecerem a presença de factores de risco. São espaços com uma função preventiva e de precocidade, relativamente ao consumo de drogas, não sendo consequentemente locais de tratamento de toxicodependência. Considerando o consumo de drogas como uma das possíveis manifestações comportamentais, de uma constelação abrangente de repercussões na vida dos jovens, significa isto dizer que questões não directamente relacionáveis com a problemática do consumo, para além de serem totalmente pertinentes, são acima de tudo desejáveis, numa lógica de intervenção a montante da instauração de problemas, tanto quanto possível. Nos casos de constatação ou suspeita da existência de consumos, este facto carece de avaliação técnica e, mesmo que confirmado, não é linearmente sinónimo de se estar na presença de uma situação de toxicodependência. Em função da avaliação técnica é decidido o acompanhamento ou encaminhamento do caso, no local mais ajustado face à situação. Contactos: - Cooperativa de Solidariedade Social Sempre a Crescer CRL Morada: Lugar da Presa Adaúfe Braga Telefone: Fax: INSTITUTO DA DROGA E DA TOXICODEPENDÊNCIA - CAT DE BRAGA Morada: Rua Conselheiro Januário nº Braga Telefone: Fax: Esta Unidade Especializada do IDT é constituída por uma equipa multidisciplinar vocacionada para o atendimento dos utentes toxicodependentes e suas famílias. - Área Geográfica: Distrito de Braga: concelhos de Braga, Vila Verde, Barcelos, Esposende, Vila Nova de Famalicão, Póvoa do Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Amares. - Horário de Atendimento: 2ª e 4ª feira: 9h 20h 3ª, 5ª e 6ª feira: 9h 17.30h - Serviços: Consulta de Psicologia/Psiquiatria Consultas de Crianças e Jovens Consulta de Planeamento Familiar Atendimento a Famílias Enfermagem Serviço Social Programa Vida - Emprego

8 - Técnicos de referência: Técnicas Superiores de Serviço Social - Acesso: Inscrição para a 1ª consulta (pelo próprio), sujeita a lista de espera. Menores, grávidas e outras situações devidamente analisadas não sujeitas a lista de espera (serviço de triagem) HOSPITAL DE SÃO MARCOS Morada: Largo Carlos Amarante Apartado Braga Departamento de Psiquiatria: Lugar de Vilar S. Vítor Braga Telefone Fax: ; (Departamento de Psiquiatria) VIAS DE REFERENCIAÇÃO PARA O HOSPITAL DE SÃO MARCOS Podem referenciar-se doentes do exterior para o Hospital de São Marcos através de duas vias: A - Consulta Externa Na Consulta Externa os doentes podem ser referenciados através: a) Centros de Saúde b) Instituições c) Médicos Privados d) Estabelecimentos Prisionais e) Hospitais f) Tribunais B - Serviço de Urgência No respeitante aos Centros de Saúde, no Concelho de Braga todos integram a Unidade Coordenadora Funcional de Braga, pelo que fazem o agendamento directo da consulta/ registo da referência no sistema informático, conforme protocolo de articulação SINUS/SONHO. Os outros serviços referenciadores devem enviar registo de referência médica pelo correio para o Hospital de São Marcos - Repartição de Doentes - Admissão de Credenciais (Apartado 2242), que enviará à respectiva especialidade médica onde será feita a triagem das prioridades. a) Podem referenciar para o Serviço de Urgência quaisquer dos Serviços e Instituições acima descritos TOXICODEPENDÊNCIA Tendo a problemática da toxicodependência implicações de Saúde Pública pelas complicações médicas associadas, particularmente no âmbito das doenças infecto-contagiosas, o Hospital de São Marcos constitui-se parte integrante na intervenção multidisciplinar e inter - institucional de apoio à mesma. Existe para o efeito um protocolo de colaboração entre este Hospital, a Administração Regional de Saúde do Norte/ Sub Região de Saúde de Braga e o Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT)

9 de Braga, o qual estabelece níveis de actuação onde serão de realçar as seguintes obrigações do Hospital de São Marcos (HSM) nesta parceria, descritas no art. 5º do referido protocolo: a) Assegurar a prestação de serviços na área da Obstetrícia/Ginecologia e do Serviço Social, às grávidas e mulheres toxicodependentes. b) Assegurar que todas as grávidas toxicodependentes, sejam abrangidas pelo protocolo existente entre o HSM e o IDT/CAT de Braga (Centro de Atendimento de Toxicodependentes), no programa de substituição da Metadona. c) Divulgar e promover, através dos seus meios próprios, o Gabinete de Planeamento Familiar do CAT de Braga ALCOOLOGIA DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA E SAÚDE MENTAL O Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de São Marcos dispõe de duas áreas de acompanhamento de doentes alcoólicos: a feminina e a masculina. Todas as consultas (masculina e feminina), se efectuam neste Departamento de Psiquiatria. Para internamento de doentes alcoólicos do sexo masculino - Unidade de Tratamento e Recuperação de Alcoólicos (U.T.R.A.), unidade de doentes agudos e quando não há vagas na Casa de Saúde de São João de Deus em Barcelos. Para o internamento de doentes do sexo feminino - Unidade de Doentes Agudos deste Departamento de Psiquiatria, e quando não há vagas, são internados na Casa de Saúde do Bom Jesus em Nogueiró. Os internamentos em Instituições exteriores ao Departamento de Psiquiatria são efectuados através de protocolo celebrado entre o Hospital de São Marcos e aquelas Instituições. Os doentes com situações clínicas urgentes são encaminhados pelos Centros de Saúde, outros Serviços ou Instituições no próprio dia, para o Serviço de Urgência deste Departamento de Psiquiatria, que funciona das 8 Horas até às 20 Horas. A partir das 20 Horas, fins-de-semana e feriados, as situações urgentes são consultadas por um psiquiatra no Serviço de Urgência do Hospital de São Marcos. Caracterização da Unidade de Tratamento e Recuperação de Alcoólicos - U.T.R.A. a) Tratamento em regime de ambulatório ou de internamento b) Capacidade - 20 camas c) Duração média do internamento - cerca de 17 dias d) Área de influência - Distrito de Braga, com excepção do seguimento dos doentes cuja cobertura é efectuada pelo Hospital Sr.ª da Oliveira, em Guimarães 1 e) Apoio Social aos doentes e famílias. f) Dispõe de uma Terapeuta Ocupacional g) Programa terapêutico para os doentes que mantenham abstinência total através de consultas programadas - 5 anos h) Apoio do Grupo de Alcoólicos Anónimos, que reúne quinzenalmente nesta Unidade com os doentes internados 1 O Hospital Sr ª da Oliveira, em Guimarães dispõe de Departamento de Psiquiatria, onde segue os doentes em ambulatório

10 i) Critério de expulsão do internamento - saídas não autorizadas da Unidade, mas sujeito a avaliação clínica, a qual determinará o cumprimento deste critério j) Proveniência/encaminhamento - médico de família da sua área de residência k) Faixa etária - maiores de 18 anos l) Os tratamentos em ambulatório e as consultas pós - alta desta Unidade, efectuam-se através de consulta marcada pelo respectivo médico dos doentes m) Encargos - gratuitidade do internamento, com pagamento da taxa moderadora no acto da consulta, de acordo com o Dec. - Lei 54/92 de 11 de Abril. n) O Técnico de Referência é distribuído após a 1ª consulta e é um dos elementos técnicos da Unidade. o) Coordenação a Unidade dispõe de um coordenador, sendo um dos médicos psiquiatras que integram a equipa, o qual é eleito anualmente em reunião de serviço p) Telefone (Hospital de São Marcos), extensões:? Serviços Administrativos 1509, Gabinete Enfermagem 1536,? Gabinete Assistente Social 1529 Dias de Consulta - Horário - Segunda-feira consulta de alcoolismo feminino Horário: 14 Horas às 17,30 Horas - Terça a Quinta feira consulta de alcoolismo masculino Horário: 9 Horas às 12,30 Horas Metodologia de Intervenção Os doentes devem vir acompanhados por um familiar próximo, de preferência pais, irmãos, conjugues, ou no caso de não possuir retaguarda familiar, por alguém que esteja a apoiar o doente. Após a primeira consulta, caso resulte da avaliação necessidade de intervenção do Serviço Social, é encaminhada a situação conforme procedimento interno. Nestas situações, é efectuado seguimento social ao doente bem como abordagens familiares individuais e conjuntas. Nas situações de alcoolismo feminino, após a alta as doentes são seguidas na consulta externa deste Departamento de Psiquiatria. O programa terapêutico inclui as consultas individuais, e consultas de grupo. Dispõe de apoio de Serviço Social, quando solicitado. Observação: A equipa Técnica poderá ainda e temporariamente integrar nas suas actividades outras pessoas em período de formação, tais como Médicos na fase de internato, estágios de Enfermagem, de Serviço Social, de Sociologia, entre outros. Formação e Investigação Participação em congressos e reuniões científicas ligadas à Alcoologia e elaboração de trabalhos de investigação nesta área Centro DE SAÚDE DE BRAGA Morada: Largo dos Galos Mercado Carandá Braga Telefone: Fax:

11 UNIDADE OPERATIVA DE SAÚDE PÚBLICA Morada: Largo 12 de Dezembro n.º Braga Telefone Fax: Existência de Guia de Informação ao Utente O que é o Centro de Saúde? O Centro de Saúde é uma unidade integrada polivalente e dinâmica, prestadora de Cuidados de Saúde Primários de forma personalizada e continuada, que visa a promoção e vigilância da Saúde, prevenção, diagnóstico e o tratamento da doença dirigindo-se globalmente ao indivíduo, família e comunidade SERVIÇOS Administrativo e Apoio Geral Clínica Geral Enfermagem: - Ambulatório - Saúde Pública - Domiciliário Saúde Pública Serviço Social SAP / SACU ACTIVIDADES DE SAÚDE Clínica Geral Enfermagem Curativa e Preventiva Grupos de Risco Diabetes, Hipertensos, PAF (Paramiloidose) Grupos Vulneráveis: Saúde Materna, Saúde Infantil, Saúde do Idoso, Planeamento Familiar (em idade fértil e na menopausa), Adolescentes (Instituto Português da Juventude) Vacinação Atendimento domiciliário de enfermagem e médico Preventiva / Curativa Saúde Pública Actividades relacionadas com estudos: epidemiológicos, qualidade da água para consumo humano e recreio, higiene e segurança no trabalho, estabelecimentos comerciais do ramo alimentar, meio escolar Consultas de Referência: Obstetrícia, Ginecologia, Planeamento Familiar, Nutrição, Psicologia Clínica CDP (Centro Diagnóstico Pneumológico) Tuberculose e doenças respiratórias S.A.C.U. (Serviço de Atendimento de Consultas Urgentes) S. A. P. (Serviço de Atendimento Permanente) No Centro de Saúde existe: Caixa de sugestões; Livro de reclamações; Avaliação da qualidade de cuidados prestados

12 Horário de funcionamento: Das 8h às 20h de Segunda Feira a Sexta Feira para todos os serviços. S A P da Unidade de Saúde do Carandá:? Segunda Feira a Sexta Feira das 20h às 24h.? Sábados, Domingos e Feriados das 9h às 24h MARCAÇÃO DAS CONSULTAS NO CENTRO DE SAÚDE DE BRAGA Unidade de Saúde do Carandá A marcação das consultas médicas e de enfermagem podem ser feitas presencialmente ou através dos seguintes telefones: Geral: (S. Lázaro, S. João de Souto, S. Victor, Lamaçães, Nogueiró, Fraião, Nogueira) Loja do Cidadão (em presença) a) Extensão de Saúde de Esporões S. Paio Arcos, Esporões, Trandeiras, Morreira b) Extensão de Saúde Gualtar (a 314) Gualtar, S. Pedro D Este, S. Mamede D Este, Tenões c) Extensão de Saúde de Pedralva Pedralva, Sobreposta, Espinho Unidade de Saúde de Maximinos Sé, Cividade, Maximinos, Lomar, Ferreiros, Gondizalves, Semelhe a) Extensão de Saúde de Sequeira Sequeira b) Extensão de Saúde Cabreiros Cabreiros, S. Julião de Passos c) Extensão de Saúde de Tadim Tadim, Cunha, Arentim, Ruilhe, Vilaça, Fradelos d) Extensão de Saúde de Tebosa Tebosa, Priscos, Oliveira, Guizande e) Extensão de Saúde de Celeirós Aveleda, Celeirós, Santana de Vimieiro f) Extensão de Saúde de Penso S. Vicente Figueiredo, Lamas, S. Vicente de Penso, S. Estevão de Penso, Escudeiros Unidade de Saúde de Infias S. Vicente, Real, Dume, Frossos, Palmeira a) Extensão de Saúde de Adaúfe Adaúfe, Navarra, Santa Lucrécia, Pousada, Crespos b) Extensão de Saúde de Ruães (Mira de Tibães) Padim da Graça, Merelim S. Pedro, Merelim S. Paio, Panóias, Mire de Tibães, Parada de Tibães CENTRO DISTRITAL DE SEGURANÇA SOCIAL DE BRAGA Morada: Praça da Justiça Braga Telefone: Fax:

13 PRESTAÇÕES DE DIREITO Pensão Social; Subsídio de Doença; Subsídio de Maternidade / Paternidade; Licença por nascimento de filho (5 dias); Licença Parental (15 dias); Subsídio de Desemprego / Subsídio Social de Desemprego; Pensão de Invalidez; Abono de Família; Subsídio mensal vitalício; Assistência a 3ª Pessoa ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL Serviço de atendimento à população efectuado por Técnicas Superiores de Serviço Social com vista à definição de um diagnóstico social e articulação com as Entidades e Serviços (Públicos e Privados) em ordem à definição de um programa de inserção (a nível individual e/ou familiar). Área Geográfica: Concelho de Braga, dividido por 8 zonas geográficas, a cada zona está afecto um Técnico Superior de Serviço Social. O horário de Atendimento processa-se de 2ª a 6 feira das 9h às 12:00 e das 14h às 16:30, o acesso poderá ser efectuado através de telefónica ou presencialmente nos primeiros dias úteis de cada mês. Apoio Psicossocial Sensibilização dos indivíduos e suas famílias na procura de tratamento de desintoxicação e reinserção social do consumidor de drogas; Apoio social e institucional às famílias vítimas de maus-tratos e/ou de negligência. Apoio Financeiro Indivíduos em situação de risco (consumidores de drogas) e suas famílias de acordo com critérios e tipologias previamente definidas, abrangendo necessidades, no âmbito da Saúde, Alojamento, Habitação, Transportes, Gastos Pessoais... Outros Apoios Financeiros: Rendimento Social de Inserção / Rendimento Mínimo Garantido (R.S.I. / R.M.G.); Fundo de Garantia de Alimentos devidos a menores (Dec. - Lei nº 164/99 de 13 de Maio) COOPERAÇÃO Celebração de Acordos de Cooperação com IPSS s que actuam na área da Reinserção social (Apartamentos de Reinserção Social e outras respostas inovadoras). Parcerias Articulação com todas as Entidades com responsabilidade na Prevenção das Toxicodependências (IDT, Autarquias, Estabelecimentos de Ensino e outros) e no Tratamento / Reinserção Social de consumidores de drogas (CAT s, CDT, IRS, IPSS s e outras) Apoio Judiciário Lei N.º 30 E / 2000 de Dezembro - Acesso ao Tribunais PROJECTO HOMEM - CENTRO DE SOLIDARIEDADE DE BRAGA Morada: R. D. Afonso Henriques, Braga Telefone: Fax:

14 ESTRUTURAS E DIRECÇÃO CLÍNICA ESTRUTURAS Centro de Dia: Monte do Picoto - Braga - Telefone: Comunidade Terapêutica: Estrada da Falperra, Nogueira, 4710 Braga - Telefone: Reinserção Social: Rua D. Afonso Henriques, 64, 4700 Braga - Tel Apartamentos Residenciais DIRECÇÃO CLÍNICA A equipa é constituída por Psicólogos, Sociólogos, Técnicos de Serviço Social, Pedagogos, Juristas e Monitores QUEM SOMOS O Projecto Homem de Braga é um Programa Terapêutico oficialmente reconhecido e que tem Protocolos celebrados com o IDT, para 60 camas convencionadas. O Projecto Homem é uma instituição sem fins lucrativos, de carácter privado, aconfessional e que não se situa no âmbito de nenhum partido político. Não é um programa de índole sanitária: e ainda que tenha em conta os problemas médicos que conduzem à toxicodependência, afronta porém o problema na sua globalidade, implicando o sujeito na primeira pessoa, a sua família e o meio envolvente mais próximo. Tem como modelo terapêutico o Modelo do Projecto Homem (Programa Educativo-Terapêutico, Bio-Psico- Social, de cariz humanista, estruturado na Logoterapia e na Análise Transacional). A filosofia do Projecto Homem situa o problema da droga na pessoa que está por detrás da substância, pelo que se define como um Programa Livre de Drogas. Não é um programa anti - drogas, ainda que o tentar a abstinência total seja um valor irrenunciável. O não consumo de nenhuma substância é uma condição indispensável para que o indivíduo possa desenvolver todas as suas potencialidades, e possa realizar um trabalho de reestruturação a nível pessoal, familiar e social. O objectivo do Programa Terapêutico é que qualquer pessoa que o realiza possa chegar a adquirir um alto grau de autonomia pessoal e uma capacidade de decisão, que esteja baseada na liberdade e não na dependência, assim como um alto nível de responsabilidade. Tem como fundadores a Diocese de Braga, Caritas Diocesana e Vigararia da Acção Sócio Caritativa. Assume estatuto jurídico de I.P.S.S.. FASES DO PROGRAMA 1ª Fase: Centro de Dia Objectivos Tomar consciência do consumo de drogas e da sua dependência; Integração num meio favorável à mudança de atitudes e comportamentos; Adquirir um conhecimento suficiente dos seus problemas e dificuldades pessoais, desenvolvendo as capacidades e habilidades necessárias para realizar um processo pessoal dirigido a alcançar um estilo de vida satisfatório.

15 2ª Fase: Comunidade Terapêutica Objectivos O principal objectivo da Comunidade Terapêutica é fomentar o conhecimento pessoal. Este processo alcança-se mediante a mudança de um estilo de vida individual e comunitário entre as pessoas que, com um interesse comum, trabalham unidas para se ajudarem a si mesmas e às outras. Este processo desenvolve-se a diferentes níveis: a) Comportamental: a esse nível procura-se ajudar a pessoa a passar de um comportamento auto - destrutivo a outro socialmente adaptado. b) Emocional: há uma descoberta de Quem sou eu, como me relaciono e como me sinto comigo e com os outros; produz-se um conhecimento das suas emoções e sentimentos e como estes influenciam os seus comportamentos e atitudes. c) Cognitivo: dá-se um processo de mudança no modo de processar a informação de um modo mais funcional e cognitivo. d) Existencial: na Comunidade Terapêutica experimentará, à medida que vai realizando uma mudança nos outros níveis, que a sua vida está apoiada num estilo de vida orientado por valores que deverá assumir como seus e que são ampla e so cialmente condivididos. Para o Projecto Homem o problema não é a substância consumida, mas a pessoa que está por detrás. A experiência demonstra-nos que dentro da dependência das drogas, existe um profundo fastio pela vida e um profundo desencanto de si mesmo; por isso, é importante conseguir que o indivíduo seja protagonista e sujeito activo da sua recuperação. O Projecto Homem confia nas capacidades do Indivíduo para resolver os seus problemas e facilita-lhes os instrumentos para que, a pouco e pouco, s e encontre consigo mesmo, tomando as rédeas do seu próprio processo. 3ª Fase: Reinserção Social: Objectivos a) Ser uma pessoa autónoma b) Conseguir um equilíbrio entre o pessoal, o familiar e o social c) Potenciar um processo de maturação d) Atingir o equilíbrio entre os desejos, os sentimentos e o seu pensamento e a c apacidade de eleger e de tomar decisões CRITÉRIOS A OBSERVAR Critérios de admissão: Não à Droga; Não ao Álcool; Não à violência física ou verbal; Não às relações sexuais entre utentes do Programa; Envolvimento do agregado familiar no Programa; Frequência no Centro de Dia antes da Entrada na Comunidade Terapêutica Sexo: Ambos os sexos Casais: No Centro de Dia - Sim Na Comunidade Terapêutica - separados Filhos: Não são admitidos juntamente com os pais. Grávidas: Sim

16 Critérios de suspensão: Violação das Regras do Regulamento Interno Critérios de expulsão: Violência Física Custos do tratamento: Tratamento gratuito: Instituição convencionada (se existir Termo de Responsabilidade). A família (ou outra entidade) responsabiliza-se pela garantia de um Fundo de Maneio do Residente de 25. Se o utente tiver necessidade de ficar a residir num dos nossos apartamentos residenciais, durante a Fase e Cento de Dia as famílias deverão pagar 150 mensais CRUZ VERMELHA PORTUGUESA - CVP / DELEGAÇÃO DE BRAGA Morada: Avenida 31 de Janeiro n.º Braga Telefone Fax: APROXIMAR - EQUIPA DE RUA Telefone: / Telemóvel: População Alvo: Toxicodependentes de Rua Âmbito Geográfico: Distrito de Braga Equipa: 2 psicólogos; 2 animadores Objectivos: Promoção da política de redução de riscos e minimização de danos Promoção da motivação e envolvimento no processo de mudança Integração do toxicodependente em processos de recuperação e tratamento. Acções: Troca de seringas ; Fornecimento de roupa e cobertores; Informação e sensibilização; Rastreio de doenças infecto contagiosas; Encaminhamento para Centro de Alojamento (apoio esporádico); Motivação para tratamento; Apoio social para os documentos de identificação; Apoio ao nível da Saúde; Triagem e encaminhamento para os serviços de Saúde ; Cuidados de enfermagem; Administração de metadona de baixo limiar; Intervenção em situação de crise; Apoio psicossocial CENTRO DE ALOJAMENTO TEMPORÁRIO DR. FRANCISCO ALVIM Morada: Lugar da Agrinha Nogueira Telefone: Fax: Telemóvel : População Alvo: População Sem - Abrigo Âmbito Geográfico: Concelho de Braga Objectivos: Satisfazer as necessidades básicas Promover competências pessoais, relacionais e de trabalho

17 Reintegrar a nível sócio - familiar e profissional os indivíduos que, após sucessivas rupturas sociais e afectivas, se encontrem em situações extremas de margi nalização e exclusão social. Acções: Alojamento/ alimentação/ higiene Apoio psico - social Apoio ocupacional I.R./ Atelier Tipos de Alojamento: Alojamento temporário (33 camas) destinados a indivíduos após desabituação ou em tratamento de substituição. Alojamento de Emergência (14 camas) destinadas a indivíduos consumidores. Horário de atendimento: 9:30 às 13:00 e das 15:00 às 18: EQUIPA DE INTERVENÇÃO SOCIAL DIRECTA Morada: Lugar da Agrinha Nogueira Telefone: Telemóvel: População Alvo: População Sem - Abrigo Âmbito Geográfico: Distrito de Braga Objectivos: Satisfazer as necessidades básicas Motivar e acompanhar no seu processo de mudança Reinserir o indivíduo na comunidade Acções: Encaminhamento para o apoio esporádico. Sensibilização do utente para o seu processo de mudança Acompanhamento individual e em grupo (dinâmicas) Encaminhamento/ acompanhamento para os Serviços de Saúde e Sociais Apoio psicossocial Promoção do contacto com a família Ajudar o utente a reconhecer os seus direitos e deveres de cidadania Avaliação e orientação profissional Contacto com possíveis entidades empregadoras Sensibilização à comunidade destas problemáticas. Equipa: 1 Psicóloga; 1 Assistente Social; Animadores IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS CASA DE SAÚDE DO BOM JESUS Morada Rua Dr. António Palha Braga Telefone Fax:

18 UNIDADE DE TRATAMENTO DE TOXICODEPENDENTES (S. LUÍS) É um espaço integrado na Casa de Saúde do Bom Jesus, surgiu em Outubro de 1992 para o atendimento de toxicodependentes de ambos os sexos de todo o país. Tipo de internamento: desintoxicação física e tratamento de toxicodependentes com comorbilidade psiquiátrica. Proveniência: CAT S de todo o país ou particulares Regulamento de internamentos particulares: Critérios de admissão - PARTE CLÍNICA a) INFORMAÇÃO CLÍNICA que consista na observação do utente e no consequente acompanhamento após a alta para consolidação do processo terapêutico. b) EXAMES Sugere-se: Análises clínicas (Hemograma; VDRL; Ureia; Creatinina; Glicose; Urina tipo 2; Função Hepática; Marcadores víricos; HIV 1 +HIV 2 Micro ou RX pulmonar com relatório. Consideram-se válidos exames com menos de 2 meses. DURAÇÃO DO INTERNAMENTO 7 dias O internamento só será prolongado se a situação clínica o exigir. Critérios de admissão - PARTE ADMINISTRATIVA a) DIÁRIA 75 Euros, É necessário depositar uma caução de 600 Euros b) EXCLUSÕES DA DIÁRIA - Despesas de bar e tabaco Não são permitidos internamentos com intervalo inferior a 6 meses. c) DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Bilhete de Identidade; Número de Beneficiário; Número de Contribuinte; Boletim de Vacinas; Cartão do Sistema Nacional de Saúde ou outro. Regulamento interno pelos CAT O utente terá que estar inscrito no CAT da sua área e a proposta de internamento depende dos critérios terapêuticos do terapeuta. Tempo médio de internamento: 8 dias Equipe técnica: Psiquiatras, Enfermeiros 24h/dia, Técnica Superior Serviço Social, Psicóloga, Técnica Superior Reab ilitação, Animadora Social, Professor de Ginástica. Regulamento interno da unidade de internamento: Regras de funcionamento a) Permanecer internado até que seja concedida alta médica, o que acontecerá ao fim de um mínimo de oito dias. b) Aceitar ser completamente revistado, o mesmo acontecendo à bagagem, à entrada, à saída e sempre que considerado necessário; c) Colaborar nas actividades de vida diária. d) Não fazer ou receber directamente telefonemas durante todo o internamento. e) Não receber visitas. f) Não participar em qualquer tipo de jogo a dinheiro (ou outros bens) nem dar, vender ou trocar qualquer tipo de objectos.

19 g) Não fumar nos quartos, entrar nos quartos de outros utentes, ou dormir nas salas. h) Tomar a medicação prescrita na presença do enfermeiro e no momento em que esta lhe for entregue. i) Não consumir ou ter em sua posse, qualquer tipo de droga ou medicamentos não prescritos pelos médicos da unidade. j) Não se envolver em comportamentos agressivos ou de índole sexual nem ter condutas inadequadas, como atitudes indeco rosas para com utentes ou funcionários, cometer furto, causar estragos nas instalações, etc Serviços disponíveis no internamento: Acolhimento ao utente e família (entrevista com o utente e família) Actividades terapêuticas Actividades Sócio-recreativas (jornal diário, ginástica, música, cinema, passeios ao jardim). Serviço de bar Serviço religioso Unidade de desintoxicação alcoólica É um espaço integrado numa Unidade de agudos da Casa de Saúde do Bom Jesus, para doentes do sexo feminino. Proveniência: Departamento de Saúde Mental do Hospital de São Marcos Lotação Máxima: 10 camas Tempo Médio de Internamento: 21 dias Tipo de Internamento: desabituação alcoólica Equipe Técnica: Psiquiatras, Enfermeiros, Técnica Superior de Serviço Social, Psicólogas, Técnica de Psicomotricidade, Terapeuta Ocupacional, Monitora, Professor de Ginástica, Educadora Social. Serviços disponíveis no internamento: Consultas psiquiátricas; Serviço de Enfermagem; Actividades terapêuticas (terapia de grupo); Acompanhamento individual de Psicologia e Serviço Social; Relaxamento; Serviço de Cafetaria; Actividades Lúdico-recreativas (ginástica, ioga, psicomotricidade, música, cinema, jornal diário); Actividades Sócioocupacionais (ateliers ocupacionais, cozinha pedagógica) UNIDADE DE DESINTOXICAÇÃO ALCOÓLICA É um espaço integrado numa Unidade de Agudos da Casa de Saúde do Bom Jesus, para doentes do sexo feminino. Proveniência: Departamento de Saúde Mental do Hospital de S. Marcos Lotação Máxima: 10 camas Tempo Médio de Internamento: 21 dias Tipo de Internamento: desabituação alcoólica Equipe Técnica: Psiquiatras, Enfermeiros, Técnica de Serviço Social, Psicólogas, Técnica de Psicomotricidade, Terapeuta Ocupacional, Monitora, Professor de Ginástica, Educadora Social

20 Serviços disponíveis no internamento: Consultas psiquiátricas; Serviço de Enfermagem; Actividades Terapêuticas (terapia de grupo); Acompanhamento Individual de Psicologia e Serviço Social; Relaxamento Serviço de Cafetaria; Actividades lúdico recreativas (ginástica, ioga, psicomotricidade, música, cinema, jornal diário); Actividades Sócio Ocupacionais (ateliers ocupacionais, cozinha pedagógica) DOMUS FRATERNITAS FUNDAÇÃO DE SOCIDARIEDADE SOCIAL Morada Rua de Monte Talegre, lote 4 Celeirós Braga Telefone Telemóvel A Comunidade Terapêutica de S. Francisco de Assis é um equipamento pertencente à Domus Fraternitas Fundação de Solidariedade Social. Está licenciada pelo Instituto da Droga e da Toxicodependência, tendo lotação de 25 camas, das quais 9 estão convencionadas Quadro de pessoal: 1 director técnico, sociólogo; 1 relações públicas ; 1 médico psiquiatra; 1 médico de clínica geral; 1 psicólogo; 3 auxiliares de terapia; 2 coordenadores de actividades, voluntários; 1 cozinheira OBJECTIVOS DO PROGRAMA TERAPÊUTICO Levar o utente a compreender e aceitar que a toxicodependência é uma doença do comportamento e de alterações neuroquímicas do cérebro e abster -se totalmente de todas as drogas psicoactivas; O utente deve considerar-se o responsável pela sua recuperação, com o apoio da comunidade; Ter presente que ligado ao problema da droga está a falta de sentido são e positivo da vida; Combinar diversas modalidades de terapia (terapia emotivo-racional, terapia da realidade realatie therapy -, psicoterapias individuais Terapia da operosidade Palestras debate sobre a visão humanista e cristã da vida, o fenómeno das drogas e doenças associadas, prevenção de recaídas, as problemáticas masculinas e femininas, etc. A organização dos utentes em três comunidades responsáveis pelas actividades domésticas FASES DO PROGRAMA O programa terapêutico é ministrado em três fases de seis meses cada. A primeira fase é de internamento rigoroso, podendo os utentes sa ir apenas acompanhados. Na Segunda fase já se deve trabalhar fora, havendo no entanto duas terapias por semana. A terceira fase é apenas de acompanhamento do utente, que já vive fora, independente da comunidade ALCOÓLICOS ANÓNIMOS AA Morada: Av. da Liberdade, 490 R/c Braga Reuniões: Grupo Passo Certo - 2ª e 6ª feiras às 19h Telefone

CCONTACTOS AGRUPAMENTOS DEESCOLAS CONTACTOS DOS AGRUPAMENTOS DE ESCOLAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO ESCOLAS DO AGRUPAMENTO

CCONTACTOS AGRUPAMENTOS DEESCOLAS CONTACTOS DOS AGRUPAMENTOS DE ESCOLAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO ESCOLAS DO AGRUPAMENTO CCONTACTOS S DEESCOLAS CONTACTOS DOS S DE ESCOLAS DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO ESCOLA BÁSICA DE MOSTEIRO E CÁVADO 253300620 253623600 Rua da Veiguinha Panoias 4700 760 PANOIAS directormosteiroecavado.net

Leia mais

Metodologia. - Núcleo Executivo do CLAS:

Metodologia. - Núcleo Executivo do CLAS: Metodologia O planeamento estratégico participativo é uma ferramenta fundamental na construção colectiva dos objectivos para o desenvolvimento social concelhio. Tendo por referência este pressuposto e

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Toxicodependência: Modelo integrado e integrador

Toxicodependência: Modelo integrado e integrador A Caritas Diocesana de Coimbra iniciou a sua intervenção na área da toxicodependência na década de 80, no âmbito da prevenção primária e educação para a saúde, principalmente ao nível dos Centros de ATL

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA

PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA Grupo Coordenador: Dr. Mário Freitas (Médico de Saúde Pública; UOSP/ Centro de Saúde de Braga) Dra. Joana Marques (Médica Int. Comp. Saúde Pública) Dra. Paula

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4.

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4. Caracterização da Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10 1. Objectivo Caracterizar o serviço e procedimentos da do Hospital do Fundão. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de ESPAÇO SOLIDÁRIO Normas de Funcionamento Preâmbulo A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de protecção social, tem vindo a implementar um conjunto de medidas de apoio às

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Sócios (Processo de Admissão e Requisitos, Direitos e Deveres, Suspensão, Exclusão e Cancelamento da Inscrição.) 1. São sócios - cooperadores todos os admitidos pela Direcção

Leia mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais No seguimento do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social (regulado pela portaria n.º396/2007 de 2 de abril e com alterações

Leia mais

TÉCNICA DE SWOT DA ÁREA DA SAÚDE

TÉCNICA DE SWOT DA ÁREA DA SAÚDE TÉCNICA DE SWOT DA ÁREA DA SAÚDE POTENCIALIDADES FRAGILIDADES Bons equipamentos e instituições na área da Saúde; Boa rede de acesso aos hospitais circundantes. No âmbito da Alcoologia existe a Consulta

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica,

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

União das Freguesias de Carregado e Cadafais. Loja Social do Carregado. Regulamento Interno. Preâmbulo

União das Freguesias de Carregado e Cadafais. Loja Social do Carregado. Regulamento Interno. Preâmbulo Preâmbulo A, no enquadramento legal do artigo 241º, da Constituição da República Portuguesa, e da Lei 75/2013, de 18 de Setembro, é um espaço dinamizado por um corpo de voluntários, com o apoio e promoção

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL CAPITULO I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social designada por Fundação

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Constituição

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

B O L E T I M D E O U T O N O 2 0 1 4

B O L E T I M D E O U T O N O 2 0 1 4 C R I D E C O I M B R A B O L E T I M D E O U T O N O 2 0 1 4 Editorial Neste Boletim Paula Carriço Médica Psiquiatra Coordenadora Técnica do CRI de Coimbra C de criatividade e confiança. R de respeito

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL Prólogo O CLDS SERPE EnReDe, consiste numa estratégia de desenvolvimento social integrado visando a criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis que atendem às

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 78/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde 10

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 70 8 de Abril de 2011 2085

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 70 8 de Abril de 2011 2085 Diário da República, 1.ª série N.º 70 8 de Abril de 2011 2085 f)....................................... g)....................................... 2..................................... 3 Sem prejuízo do

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Assistência Médica e Saúde

Assistência Médica e Saúde Assistência Médica e Saúde O Governo da RAEM define e prossegue as linhas de acção governativa de Tratamento seguro e adequado com prioridade para a prevenção em correspondência à directriz de elevar a

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projecto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1942 Diário da República, 1.ª série N.º 64 2 de abril de 2013 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental A

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL

REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL (alteração aprovada na Assembleia-geral de 10 de Fevereiro de 2009) PREÂMBULO A Casa do Educador do Concelho do Seixal nasceu em 2002 e

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro e implementada ao abrigo do Programa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais