Saúde do trabalhador: o alcoolismo como sintoma do sofrimento dos. Policiais Militares de Alagoas 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saúde do trabalhador: o alcoolismo como sintoma do sofrimento dos. Policiais Militares de Alagoas 1"

Transcrição

1 Saúde do trabalhador: o alcoolismo como sintoma do sofrimento dos Policiais Militares de Alagoas 1 Resumo Larissa Paes de Omena 2 Carlos Frederico de Oliveira Alves 3 Este artigo discute a relação entre o alcoolismo e o sofrimento do trabalhador, especificamente o Policial Militar, através de uma ótica social, que focaliza não apenas o sujeito que sofre, mas os determinantes sociais e institucionais a que ele está submetido cotidianamente. Para contextualizar a discussão sobre o tema realizou-se um breve resgate sobre o papel do trabalho na vida do ser humano, enfocando o estresse enquanto um continum que envolve as dimensões pessoal, social, concreta e institucional, aparecendo enquanto conseqüência do sofrimento no trabalho. O estresse no âmbito da Policia Militar é apresentado, focalizando os fatores que contribuem para a demanda excessiva de agentes estressores no trabalho do policial militar, tais como urgência de tempo, responsabilidade e expectativas excessivas, falta de apoio, privação de sono, perspectivas pessimistas, perigo constante de morte, relação hierarquizada rígida e ergonomia. O alcoolismo, então, é trazido na perspectiva da saúde pública e focalizado dentro da instituição policial militar enquanto um dos maiores problemas enfrentados pela instituição, caracterizando-se enquanto sintoma do sofrimento no trabalho. O que se busca é um redimensionamento do olhar acerca do alcoolismo e do sofrimento do trabalhador dentro da Policia Militar a partir da mudança do paradigma clínico para o social, de forma que a instituição se torne um lugar de saúde e crescimento pessoal. Palavras-Chaves: Saúde do Trabalhador; Alcoolismo; Policia Militar 1 Artigo apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas para obtenção do título de Especialista em Saúde Mental. 2 Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas, Psicóloga da Policia Militar de Alagoas. 3 Psicólogo, professor da Faculdade Integrada Tiradentes (FITs). Sanitarista. Mestre em Psicologia Clínica; orientador.

2 2 Abstract This article argues the relation between alcoholism and the suffering of the worker, specifically the Military Policeman, through a social optics, that the citizen focuses not only that suffers, but determinative social and institucional the the one that it is submitted daily. To contextualizar the quarrel on the subject a briefing was become fullfilled has rescued on the paper of the work in the life of the human being, focusing it one estresse while continum that it involves the dimensions personal, social, concrete and institucional, appearing while consequence of the suffering in the work. It estresse it in the scope of Military Policia is presented, focusing the factors that contribute for the extreme demand of agent estressores in the work of the military policeman, such as time urgency, extreme responsibility and expectations, lack of support, pessimistic privation of sleep, perspectives, constant danger of death, rigid hierarquizada relation and ergonomics. Alcoholism, then, is brought in the perspective of the health public and focused inside of the police institution to militate while one of the biggest problems faced for the institution, characterizing itself while symptom of the suffering in the work. What if it searchs is a redimensionamento of the look concerning alcoholism and the suffering of the worker inside of Military Policia from the change of the clinical paradigm for the social one, of form that the institution if becomes a place of health and personal growth. Key Words: Health of the Worker; Alcoholism; It polices To militate

3 3 1. Saúde e sofrimento do trabalhador: a questão do Estresse O trabalho nem sempre ocupou o lugar que tem hoje na vida do ser humano. Na Grécia antiga, o trabalho era ofício dos escravos, sendo resguardado aos cidadãos o desenvolvimento intelectual. Na Idade Média, com o feudalismo, os servos trabalhavam nas terras dos reis e senhores feudais, existindo uma parcela da população homens livres- que detinham seus próprios meios de produção, se destacando como artesãos e comerciantes. Com o desenvolvimento do capitalismo, as bases fundamentais das relações de trabalho se modificaram, criando o antagonismo entre duas classes distintas: a burguesia e proletariado. Marx & Engels discorrem sobre o espectro do trabalho, aplicando o termo alienação para designar o sofrimento do homem diante de sua relação com os meios de produção: O desenvolvimento da maquinaria e a divisão do trabalho levam o trabalho dos proletários a perder todo caráter independente e com isso qualquer atrativo para o operário. Esse se torna um simples acessório da máquina, do qual só se requer a operação mais simples, mais monótona, mais fácil de aprender. (MARX& ENGELS, 2002, p.52)) Na atualidade, o trabalho ocupa papel central na teia das relações sociais do ser humano, já que é no trabalho que o homem moderno passa a maior parte de seu tempo. Por esse motivo, nos últimos anos, tem se falado muito em qualidade de vida no trabalho, principalmente na perspectiva de identificar os fatores que estariam relacionados ao bom desempenho do indivíduo. Essa preocupação deve-se, em grande parte, ao interesse dos empregadores em diminuir o afastamento de seus empregados e garantir melhor produtividade.

4 4 Um dos temas que tem recebido destaque nas discussões referentes à saúde do trabalhador está relacionado ao conceito de estresse e suas repercussões no homem em seus diversos aspectos: físico, psíquico e social. O termo estresse foi usado originalmente no sentido de denominar um conjunto de reações que um organismo desenvolve ao ser submetido a uma situação que exige esforço para a adaptação (SEYLE apud RODRIGUES & GASPARINI, 1992). Ou seja, quando o equilíbrio do organismo está ameaçado, ele responde de modo uniforme e inespecífico, através do que Seyle denominou de Síndrome da Adaptação Geral. De acordo com as postulações de Seyle, o processo de estresse é constituído de três fases: Alerta, Resistência e Exaustão. A reação de alerta, primeira das fases, consiste nas primeiras respostas do organismo frente a um novo elemento estressor: à medida que ocorre a quebra do equilíbrio interno o organismo reage, preparando-se para a luta ou fuga (CANNON apud LIPP, 2001). Tal reação é reconhecidamente um elemento de grande valia no processo de preservação da vida e manutenção das espécies. Na fase de resistência, o organismo investe energia no seu reequilíbrio interno. Neste sentido, Lipp (2001) destaca: Se essa reserva é suficiente, a pessoa recupera-se e sai do processo do stress. Se, por outro lado, o estressor exige mais esforços de adaptação do que é possível para aquele indivíduo, então o organismo se enfraquece e torna-se mais vulnerável a doenças. (p.23) Sendo incapaz de restabelecer o equilíbrio, o organismo vivencia a última fase: exaustão ou esgotamento, onde as reações presentes na primeira fase reaparecem e o organismo se encontra em colapso, tendo como consequencia o adoecimento.

5 5 Ampliando a perspectiva de Seyle, diversos autores (BALLONE, 2002; SAMPAIO, 2004; FRENEDA, 2004) têm apontado o estresse como uma das principais conseqüências do sofrimento no trabalho. Cotidianamente, o homem é colocado diante de situações que exigem adaptação. Segundo Ballone (2002), há uma ampla área da vida moderna onde se misturam os estressores do trabalho e da vida cotidiana. A pessoa, além das habituais responsabilidades ocupacionais, da alta competitividade exigida pelas empresas, das necessidades de aprendizado constante, tem que lidar com os estressores normais da vida em sociedade, tais como a segurança social, a manutenção da família, as exigências culturais etc. O desgaste emocional a que pessoas são submetidas nas relações com o trabalho é fator muito significativo na determinação de transtornos relacionados ao estresse, como é o caso das depressões, ansiedade patológica, pânico, fobias, doenças psicossomáticas, alcoolismo etc. Em suma, submetido a exposição constante a agentes estressores relacionados ao seu fazer profissional, o sujeito apresenta maior vulnerabilidade, de modo a comprometer sua resposta à demanda do trabalho, podendo vir a desenvolver respostas patológicas, geralmente identificadas como irritabilidade, nervosismo, humor deprimido, dentre outros. 4 Segundo Grandjean (1998), estresse ocupacional pode ser definido como sendo o estado emocional causado por uma discrepância entre o grau de exigência do trabalho 4 Segundo a literatura (LIPP, 2001; COVOLAN, 2001; MELLO FILHO, 1992; HIRIGOYEN (2002); RODRIGUES & GASPARINI, 1992), o estresse pode contribuir para a etiologia e ontogênese de diversas doenças psicofisiológicas, como fator contribuinte ou desencadeador. Entre elas, ressaltam-se: úlceras digestivas, crises hemorroidárias, alterações da pressão arterial, alterações nas paredes dos vasos sangüíneos, diversas afecções dermatológicas, manifestações alérgicas, artrites reumáticas e reumatóides, perturbações sexuais, comprometimento do sistema imunológico, além de alterações no humor, apatia, irritabilidade, quadros depressivos, ansiosos e psicóticos diversos. (ALVES,2005)

6 6 e os recursos disponíveis para gerenciá-lo. O autor enfatiza o componente subjetivo do estresse, relacionado à compreensão individual da incapacidade de gerenciar as exigências do trabalho por parte do trabalhador. Entretanto, é importante destacar que o estresse apresenta uma importante dimensão concreta e institucional, que não deve ser negligenciada nas discussões acerca do sofrimento no trabalho, para que não se caia no erro de culpabilizar o sujeito que sofre enquanto único responsável por sua situação de sofrimento. Geralmente, o estresse do trabalho pode surgir de uma carga excessiva de cobrança do empregador ou do próprio empregado, pela ausência de políticas de relaxamento e prevenção, bem como por jornadas excessivas e pela necessidade de cumprimento de metas exíguas e rígidas, inexistência de clareza ou até mesmo a inexistência de políticas de estímulos e evolução de cargos e salários na instituição (FRENEDA, 2004). De acordo com Iida (2002), as causas do estresse são muito variadas e possuem efeito cumulativo. As exigências físicas e mentais exageradas provocam estresse, mas este pode incidir mais fortemente naqueles trabalhadores já afetados por outros fatores, como conflitos com a chefia ou até mesmo problemas de ordem particular, como questões familiares, por exemplo. A sobrecarga de agentes estressores, enquanto um estado no qual as exigências do ambiente excedem nossa capacidade de adaptação, também pode ser considerada um fator importante para eclosão do estresse patológico no trabalho. Ballone (2002) aponta ainda uma importante questão relativa ao estresse ocupacional, diz respeito ao o tipo de tarefa desempenhada pelo trabalhador nas instituições. Segundo o autor, as atividades destituídas de significação, repetitivas ou desinteressantes podem produzir estresse, uma vez que não exigem do indivíduo

7 7 criatividade, superação e autonomia, corroborando as discussões trazidas por Dejours (1992). Um dos agravantes do estresse ocupacional é a limitação que a sociedade submete as pessoas quanto às manifestações de suas angústias, frustrações e emoções. Por causa das normas e regras sociais as pessoas podem sentir-se obrigadas a aparentar um comportamento emocional incongruente com seus reais sentimentos, amplificando sua situação de conflito e sofrimento. 2. O Estresse no âmbito da Policia Militar A problemática referente ao estresse ocupacional deve ser amplamente considerada no âmbito da Policia Militar, uma vez que esses profissionais por ocuparem um papel de agentes de segurança pública, se vêem constantemente expostos a diferentes agentes estressores em seus mais variados níveis. Segundo Sampaio (2004), um recente estudo realizado pela ISMA (International Stress Management Association) aponta os profissionais de segurança pública - onde se enquadram os policiais militares - como o grupo mais afetado pelo estresse ocupacional. Além disso, comprovou que 70% dos brasileiros sofrem de estresse no trabalho. O mais grave é que 30% dos pesquisados mostraram sintomas da síndrome de Burnout 5 que significa um estado de exaustão total, à beira de uma depressão. 5 O termo burnout, aplicado neste sentido, passou a ter destaque a partir da década de 70, ao ser utilizado pelo psicanalista Freudenberger para descrever um indivíduo como estando frustrado ou com fadiga desencadeada pelo investimento em determinada causa, modo de vida ou relacionamento que não correspondeu às suas expectativas. Traduzido do inglês, burnout significa algo como queimar para fora, perder o fogo ou ainda perder energia. A literatura descreve a Síndrome de Burnout, referindo-se a uma condição de mal-estar psicológico e indisposição que decorre de uma situação de trabalho, vivenciada como estressante e permanente. (ALVES, 2005 )

8 8 Dejours apud Benedicto el all (2007) discute a existência de quatro fatores que contribuem para a demanda excessiva de agentes estressores no trabalho, a saber: urgência de tempo; responsabilidade excessiva; falta de apoio; expectativas excessivas de nós mesmos e daqueles que nos cercam. No caso dos policiais militares, a urgência de tempo é prerrogativa da ação profissional, posto que a situação de crise e intervenção da policia ostensiva 6 exige uma ação rápida. O tempo é determinante do sucesso das ações e da capacidade de prever, impedir e resolver situações de crise. No que se refere à responsabilidade excessiva, vale considerar o objetivo da Policial Militar, qual seja o de garantir a ordem pública através de atos de prevenção e repressão. Assim, os agentes de segurança carregam a responsabilidade de garantir uma situação de convivência pacifica e harmoniosa da população, fundada nos princípios éticos vigentes na sociedade (ALAGOAS, 1992), mesmo quando diversos fatores colaboram em sentido contrário. O profissional de segurança pública, mais especificamente, o policial militar, carrega implícito em seu papel a responsabilidade de promover o bem-estar da população, mantendo a calma, controle e coerência em suas ações. Tais fatos levam-no a defrontar-se o tempo todo com a polaridade: expectativas versus limitação, além de favorecer um intenso gasto de energia, na busca pela manutenção de estereótipos e representações, reforçando a imagem de força e imunidade. Tais representações em muito contradizem suas experiências corriqueiras de impotência, não-saber e fragilidade. 6 Policia Ostensiva: é o ramo da policia administrativa que tem atribuição à prática de atos de prevenção e repressão destinadas à preservação da ordem pública.

9 9 A falta de apoio é uma outra realidade vivenciada pelos policiais. Dentre tantas outras coisas, pode-se claramente destacar a dualidade vivenciada pelos policiais frente àquilo que lhes seria mais básico e primordial, a saber a manutenção de sua própria segurança. Em muitos Estados, como em Alagoas, o Centro de Assistência Social (CAS) e o Centro Hospitalar da Policia Militar (CHPM) são tentativas de garantir apoio aos policiais por meio do acesso a serviços de saúde e sociais. Entretanto, dentro dos batalhões e unidades policiais o apoio nem sempre se efetiva, e as relações hierárquicas, muitas vezes, contribuem para isso. Além desses fatores, a dinâmica de trabalho do Policial Militar possui características bastante peculiares, relacionadas às questões como: privação de sono, perspectivas pessimistas, perigo constante de morte, relação hierarquizada rígida, ergonomia, dentre outros. Os indivíduos que trabalham em regime de escala/plantão ou têm trabalho noturno, como é o caso dos policiais, geralmente possuem um sono de má qualidade em decorrência do conflito entre ações matinais e noturnas, excesso de ruído diurno, além da própria alteração do ritmo circadiano. Essa má qualidade do sono acaba provocando aumento da sonolência no período de trabalho, muitas vezes responsável por acidentes, desinteresse, ansiedade, irritabilidade, perda da eficiência e aumento do estresse. As alterações do sono também podem vir associadas a sintomas depressivos que indicam uma alteração do humor, muitas vezes decorrentes da própria atividade laboral. A esperança, perspectiva ou expectativa otimista é uma das motivações que mais aliviam as tensões do cotidiano. Dentro no trabalho, a perspectiva de ascensão e promoção profissionais é responsável por parte da motivação do indivíduo. Por outro lado, na presença de perspectivas pessimistas a pessoa poderá ficar a mercê dos efeitos ansiosos do cotidiano, sem esperanças de recompensas agradáveis. Há ambientes de

10 10 trabalho onde o futuro se mostra continuamente sombrio, sem perspectivas de crescimento ou melhoria. Dentro da Policial Militar, a ascensão na carreira é feita através das promoções. De acordo com o Estatuto da Policia Militar de Alagoas em seu Art. 76º: o acesso na hierarquia policial militar é seletivo, gradual, sucessivo e será feito mediante promoção, de conformidade com o disposto na legislação e Regulamento de Promoções de Oficiais e Praças, de modo a obter-se um fluxo regular e equilibrado. (ALAGOAS,2002) Assim, os policiais ascendem gradualmente, galgando posto a posto, após cumprirem o tempo necessário no posto ou graduação em que se encontra no momento. Entretanto, no círculo hierárquico de praças 7 a ascensão é lenta, e a maioria dos policiais que entram na corporação como soldado nunca chegará ao círculo dos oficiais 8. A hierarquia 9 é uma das bases institucionais da policial militar e é definida como ordenação da autoridade nos diferentes níveis, dentro da estrutura policial militar (ALAGOAS, 1992). É um mecanismo legal que ordena as diferentes funções e relação entre os postos e graduações. Segundo o mesmo documento, a subordinação não afeta a dignidade pessoal e o decoro do policial, devendo o superior tratar seu subordinado com dignidade e urbanidade. Na prática, uma relação hierarquizada rígida, muitas vezes, se estabelece, distanciando os elementos da corporação e produzindo uma relação autoritária e perversa, geradora de grande sofrimento psíquico. 7 Compreende: soldado, cabo, sargento e subtenente. 8 Compreende: aspirante a oficial, tenente, Capitão, Major, Tenente Coronel e Coronel. 9 A hierarquia e a disciplina são as bases organizacionais da Policia Militar. Hierarquia é a ordenação da autoridade nos diferentes níveis, dentro da estrutura policial militar. Disciplina é a rigorosa observância e acatamento integral das leis, regulamentos, normas e dispositivos que fundamentam a Organização policial militar. (ALAGOAS,1992)

11 11 Com relação à ergonomia, o conforto humano em seu trabalho deve ser sempre considerado. Atividades que exigem posições anti-fisiológicas, repetição de exercícios danosos, e permanência exagerada em atitudes cansativas fazem parte das exigências posturais a que são submetidas as pessoas durante o trabalho. Dentro da Policia Militar, posturas determinadas pelo Manual de Ordem Unida, como a posição de descansar (pés posicionados na altura do ombro, a mão esquerda segura o braço direito pelo pulso, a mão direita fechada colocada às costas, pouco abaixo da cintura, indivíduo imóvel) e a marcha ordinária, são exemplos de posturas anti-fisiológicas que causam dores e lesões nos braços, ombros, pernas, pés e joelhos. Em pesquisa realizada durante o Estágio de Adaptação de Oficiais (ALAGOAS, 2007), a queixa de dores nos ombros, braços, mãos, pernas, pés e joelhos foi constante, principalmente nos praças. Outra característica peculiar da atividade policial militar é o constante risco de morte. Este profissional está exposto às situações de risco iminente, despertando sentimentos de ansiedade e medo. De acordo com Kovacs (1992) o medo é a resposta psicológica mais comum diante da morte e desempenha papel vital na auto-preservação, entretanto, pode suscitar reações ansiosas e favorecer um estado geral de ansiedade patológica. Diante de todas estas questões abordadas, percebe-se a necessidade, por parte do sujeito, em buscar alternativas para se conviver com situações cotidianas que, muitas vezes, vão de encontro às suas reais possibilidades de enfrentamento. Muitas dessas alternativas terminam por apresentar um caráter patológico, devido, não apenas, ao modo como se desenvolvem, mas, sobretudo, relacionadas aos efeitos negativos que desencadeiam no processo vital do trabalhador.

12 12 Dentre as diversas situações que se apresentam no cotidiano dos policiais militares, pretende-se destacar o alcoolismo, enquanto sintoma e sinalização de sofrimento, posto que se tornou uma realidade preocupante no âmbito da instituição policial, principalmente pelo risco a que se encontram expostos o policial, seus pares, subordinados e a própria população. 3. Alcoolismo: uma questão de saúde do trabalhador O interesse dos seres humanos pelas substâncias psicoativas parece ser tão antigo quanto á própria existência do planeta. O álcool talvez seja a droga mais antiga utilizada pela espécie humana, havendo vestígios de sua existência desde períodos paleolíticos (WESTERMEYER, 1991 apud BALTIERI, 2004). Foi somente a partir do século XVIII que o conceito de beber excessivamente teve descrição clínica na literatura, começando a relacionar o consumo excessivo do álcool com o conceito de doença. (BALTIERI, 2004) Assim, a questão do uso, abuso e/ou dependência de álcool e outras drogas passou a ser abordada por uma ótica predominantemente psiquiátrica ou médica. Entretanto, as implicações sociais, psicológicas, econômicas e políticas são evidentes, e devem ser consideradas numa compreensão global e completa do problema. (BRASIL, 2004) Em todo o mundo, são evidentes os agravos decorrentes do uso indevido de substâncias psicoativas: acidentes de trabalho, de trânsito, destruição e violência na família, abusos físico e sexual, ineficiência e perdas nos negócios, dentro outros. O estigma, a exclusão, o preconceito, a discriminação e a desabilitação são ao mesmo tempo agravantes e conseqüências do uso indevido de álcool e drogas, colaborando morbidamente para a situação de comprometimento global que acomete tais pessoas. (BRASIL, 2004)

13 13 Compreendendo a drogadicção como questão de saúde pública, o Ministério da Saúde definiu uma polícia nacional para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas tendo em vista a estruturação e fortalecimento de uma rede de assistência centrada na atenção comunitária associada à rede de serviços de saúde e sociais, com ênfase na reabilitação e reinserção social dos seus usuários. Dentro da Policia Militar, a problemática do uso abusivo do álcool não é recente, e tem sido estudada por profissionais em diversos Estados, no intuito de propor alternativas de tratamento e prevenção dentro de corporação. Na Policia Militar de Alagoas (PMAL), o uso abusivo do álcool é comprovado empiricamente através do absenteísmo e interferência direta na realização da atividade profissional. Além disso, uma pesquisa realizada nas diversas unidades da Policial Militar de Alagoas indica que 75% dos oficiais da PMAL fazem uso de bebida alcoólica, ficando esta porcentagem em torno de 57% nos praças (ALAGOAS, 2002). 10 Por sua relevância, o tratamento do alcoolismo está previsto no Plano Estadual de Segurança Publica de Alagoas (ALAGOS, 2003) que define como um dos seus objetivos específicos a prevenção de comportamentos inadequados provenientes do stress característico dos profissionais da área de segurança pública: prevenir o alcoolismo e tratá-lo como doença. Outra iniciativa dentro da corporação, voltada para a prevenção do uso do álcool e outras drogas, é o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência PROERD - mantido pela Polícia Militar no Brasil, com representatividade em vários Estados. Apesar de importantes, essas iniciativas têm se mostrado insuficientes para resolver a problemática do uso abusivo do álcool dentro da Policia Militar. Fazendo-se 10 Apesar da pesquisa não especificar a modalidade de uso (uso normal, uso abusivo ou dependência), é um importante indicador do potencial da problemática, se considerarmos que o alcoolismo geralmente se desenvolve de maneira gradual e contínua.

14 14 necessária a ampliação da discussão acerca dos diversos fatores envolvidos em sua determinação, dentre os quais encontram-se as características institucionais que estão gerando o sofrimento psíquico encoberto atrás do uso do álcool. Abordar o alcoolismo como um sintoma de sofrimento psíquico no trabalho, buscando alternativas na área de as saúde do trabalhador é uma nova perspectiva que se impõe àqueles que se propõe a tratar e/ou prevenir o alcoolismo dentro da instituição policial. 4. Alcoolismo como sintoma: um redimensionamento do olhar psicológico Considerar o alcoolismo como sintoma exige a mudança de um discurso centrado no sujeito para focalizar a instituição da qual ele faz parte. É, portanto, uma mudança do paradigma clínico, para o paradigma institucional. Nas palavras de Bleger(1984): a) o psicólogo como profissional deve passar da atividade psicoterápica (doente e cura) à da psico-higiene (população sadia e promoção de saúde); b) para isso, impõe-se uma passagem dos enfoques individuais aos sociais. (p.31) Bleger (1984) discorreu com propriedade acerca da importância da inserção da psicologia dentro das instituições, a partir de um novo paradigma. Para o autor, o objetivo do psicólogo no campo institucional é conseguir a melhor organização e as condições que tendem a promover saúde e bem-estar dos integrantes da instituição (p.43). Ao falar em melhor organização e condições, Bleger situa no âmbito institucional a possibilidade de promover a saúde do trabalhador, neste momento, desloca a atenção do sujeito para a instituição, enquanto promotora do binômio saúde/doença. Segundo ele:

15 15 Toda instituição é o meio pelo qual os seres humanos podem se enriquecer ou se empobrecer e se esvaziar como seres humanos; o que comumente se chama de adaptação é submissão à alienação e a submissão à estereotipia institucional. (BLEGER,1984, p.57) À medida que os trabalhadores se alienam e se empobrecem dentro da instituição, alternativas defensivas são utilizadas para minimizar esse sofrimento. Quando possuidores de estrutura emocional consistente, os trabalhadores podem recorrer a estratégias criativas, e encontrar fora do trabalho prazer e satisfação que anulem as conseqüências negativas da vivencia institucional. Do contrário, comportamentos patológicos, adoecimento e sofrimento psíquico será a resposta do organismo ao sofrimento imposto. Ao estudar uma instituição e o padrão de adoecimento de seus trabalhadores podemos identificar que respostas adaptativas estão sendo utilizadas por aquele determinado grupo social e relacionar aos fatores institucionais desencadeantes. Dentro da Policia Militar de Alagoas, nos meses de maio a julho de 2007, 28,40% dos atendimentos registrados no Centro de Assistência Social (CAS) foram devido a problema com alcoolismo 11. Se considerarmos que, segundo estimativas oriundas de depoimentos dos diversos envolvidos na atenção a essa problemática na PMAL, para cada policial em tratamento existe uma demanda reprimida que ainda não procurou ajuda espontaneamente ou não foi encaminhada por seus comandantes, então, chegaremos um número muito maior. Outros estudos realizados dentro da Policia Militar (ALAGOAS, 2002; ALAGOAS, 2007) indicam que o alcoolismo precisa ser considerado como um problema institucional. 11 Informação obtida através dos prontuários do serviço em 06 de agosto de 2007.

16 16 Atualmente, as estratégias utilizadas para o tratamento do alcoolismo no âmbito da corporação mantêm o enfoque individual, oferecendo serviços para tratar o sintoma e garantir a volta do policial ao trabalho o mais breve possível. Apesar de importantes, as intervenções no campo da saúde destinadas aos policiais alcoolistas devem ser associadas a ações institucionais que visem promover a saúde dos trabalhadores, a partir da revisão de padrões e paradigmas, com forte ênfase na prevenção e desenvolvimento de estratégias saudáveis de enfretamento de crises. Considerações Finais Diante da gama de questões apontadas, até então, se estabelecem alguns desafios. O primeiro, é considerar a multifatorialidade da problemática do alcoolismo enquanto sintoma do sofrimento do trabalhador, intervindo nos agentes estressores e determinantes do adoecimento. Outro desafio, é a implementação de ações preventivas, através de um processo de planejamento e implantação de estratégias institucionais voltadas para a redução dos fatores de vulnerabilidade e risco específicos, e fortalecimento dos fatores de proteção 12, numa perspectiva de promoção de qualidade de vida. O mais importante, entretanto, é transformar a instituição em um lugar de crescimento, segundo a perspectiva de Bleger. Para isso, a instituição deve estar disposta a repensar sua forma de funcionamento, as relações de poder, suas regras, normas, tradições e as relações interpessoais estabelecidas. O desafio está em mudarmos os paradigmas, sem transformar hierarquia e disciplina em sofrimento. 12 Os fatores de risco para o uso de álcool e outras drogas são as características ou atributos de um indivíduo, grupo ou ambiente de convívio social, que contribuem para aumentar a probabilidade de ocorrência deste uso. Os fatores de proteção são os que diminuem as chances de uso. (BRASIL, 2004)

17 17 Referências bibliográficas ALAGOAS. Estatuto da Policia Militar do Estado de Alagoas. Lei nº 5346 de 26 de maio de Poder Legislativo, ALAGOAS. Pesquisa nas unidades da Policial Militar de Alagoas. Maceió-AL. Policia Militar de Alagoas. 3ªsecção Centro de pesquisa e desenvolvimento (mimeo) ALAGOAS. Plano Estadual de Segurança Publica de Alagoas. Secretaria Coordenadora de Justiça e Segurança Pública, (mimeo) ALAGOAS. Avaliação do índice de capacidade para o trabalho em policiais militares da Academia da Policia Militar Senador Arnon de Melo (APMSAM)- Maceió-AL. Policia Militar de Alagoas. Estágio de Adaptação de Oficiais. Maceió, (mimeo) ALVES, C.F.O. Entre o cuidar e o sofrer: o cuidado do cuidador via experiência de cuidadores/profissionais de saúde mental. Dissertação (Mestrado). Universidade Católica de Pernambuco,2005. BRASIL. A política do ministério da saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Ministério da Saúde, BALLONE GJ. Síndrome de Bournout. In: Psiqweb psiquiatria geral Disponível em: <http://wwwpsiqweb.med.br/cursos/stress3.html>. Acesso em 22 jun BALTIERI, Danilo Antonio. Tratamento Farmacológico do alcoolismo.são Paulo: Lemos editora, BLEGER, José. Psico-higiene e psicologia institucional.porto Alegre: Artes Médicas, 1984 BENEDICTO et all. Estresse e psicopatologias no ambiente de trabalho: conceitos, contextos, manifestações e conseqüências.disponível em <www.ead.fea.usp.br/semead/9semead/resultado/trabalhospdf/5.pdf>.acesso em 22 jun COVOLAN, Maria Aparecida. Stress ocupacional do psicólogo clinico: seus sintomas, suas fontes e as estratégias utilizadas para controla-lo. In: LIPP, Marilda Emmanuel

18 18 Novaes (org) Pesquisa sobre stress no Brasil: saúde, ocupações e grupos de risco. 2ª Ed. Campinas: Papirus,2001. DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5ª ed. Ampliada. São Paulo: Cortez-Óbore, FRENEDA Eduardo Gomes. Estresse no trabalho. Jornal Nippo Brasil. Caderno saúde e beleza Disponível em: <http://www.nippobrasil.com.br/2.semanal.beleza/257.html>. Acesso em: 13 ago GRANDJEAN E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Trad. João Pedro Stein. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman; HIRIGOYEN, Marie-France. Assédio Moral: a violência perversa no cotidiano. 4ª ed.rio de Janeiro: Bertrad Brasil,2002. IIDA I. Ergonomia: projeto e produção. 8ª reimpressão. São Paulo: Edgard Blücher; p KOVACS, Maria Julia. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo,1992. LIPP, Marilda Emmanuel Novaes (org) Pesquisa sobre stress no Brasil: saúde, ocupações e grupos de risco. 2ª Ed. Campinas: Papirus,2001. MARX & ENGELS. Manifesto do partido comunista. Coleção a obra prima de cada autor. São Paulo: Martin Claret, MELLO FILHO, Julio e col. Psicossomática Hoje. Porto Alegre:Artes Médicas,1992. RODRIGUES Avelino Luis & GASPARINI Ana Cristina. Uma perspectiva psicossocial em psicossomática: via estresse e trabalho. In: Mello Filho J e colaboradores. Psicossomática hoje. Porto Alegre: ArtMed; SAMPAIO C. Estresse no trabalho. Redação saúde em movimento Disponível: <http://www.saudeemmovimento.com.br/reportagem/noticia_print.asp?cod_noticia=15 84>. Acesso em 02 de jul

19 19 LARISSA PAES DE OMENA SAÚDE DO TRABALHADOR: O ALCOOLISMO COMO SINTOMA DO SOFRIMENTO DOS POLICIAIS MILITARES MACEIO 2007

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

Do stress profissional ao burnout

Do stress profissional ao burnout Do stress profissional ao burnout Análise das causas e dos efeitos do stress profissional: do burnout ao coping e à resiliência Instituto Bissaya-Barreto. Seminário Prof. Doutor. Pierre Tap Tradução :

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Vanessa Parizotto Ramos¹; Dayanne Cristina Ribeiro¹; Tamires Aparecida Camarini¹; Carina Bortolato Garcia². Resumo: A

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 CO/42 O MAL-ESTAR QUE VEM DA CULTURA ORGANIZACIONAL, Pinheiro, Adriana de Alencar Gomes, Socióloga e Psicóloga,

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Antecedentes individuais do comportamento organizacional

Antecedentes individuais do comportamento organizacional Antecedentes individuais do comportamento organizacional Capacidades - Intelectuais - Físicas Personalidade Valores Percepções Atribuições Atitudes Motivação Stress Comportamento Desempenho Satisfação

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5 Palestrante: Selma Lancman Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 5 REABILITAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 29 de Novembro de 2008 Terapeuta Ocupacional.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem CURITIBA, 2010 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CURITIBA, 2010 1 INTRODUÇÃO A partir do artigo de Freudenberger em 1974, denominado

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Síndrome de Burnout e Resiliência na vida do Educador. João Eudes de Sousa Encontro de Educadores Centro Cultural Poveda 9 de Abril de 2011 1

Síndrome de Burnout e Resiliência na vida do Educador. João Eudes de Sousa Encontro de Educadores Centro Cultural Poveda 9 de Abril de 2011 1 Síndrome de Burnout e Resiliência na vida do Educador João Eudes de Sousa Encontro de Educadores Centro Cultural Poveda 9 de Abril de 2011 1 É freqüentemente referida por processos que explicam a superação

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano 17 Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano Lilian de Fatima Zanoni Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Sorocaba Especialista em Gestão de Qualidade de Vida na Empresa pela

Leia mais

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO SBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro nternacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Encontro nte ABSENTEÍSMO DE AUXLARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPTAL GERAL PÚBLCO Erica Macário

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout Marcos Ricardo Datti Micheletto 1 Níveis de Prevenção 22.361 Job Burnout: 11.544 18.829 Job Burnout: 9.618 SIPAT - REITORIA UNESP Burnout Burnout

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT CASTRO, Wagner Aparecido Oliveira Discente do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA APRESENTAÇÃO E-mail para contato: ctifor@tjce.jus.br Nome do trabalho: Projeto Qualidade de Vida: celebrando o equilíbrio mente/corpo no ambiente

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Transtornos do Comportamento da Criança

Transtornos do Comportamento da Criança Transtornos do Comportamento da Criança 01 ... Para aquele que não sabe como controlar seu íntimo, inventar-se-á controle Goethe 02 Definição Comportamento é o conjunto de atitudes e reações do indivíduo

Leia mais

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR SUMÁRIO 1. identificação da atividade 02 2. Caracterização da atividade 02 3. Resumo das ações 04 4. Justificativa 04 5. Objetivos 05 6. Metodologia 05

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE.

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. Glaucilene A. Martinez Toledo¹, Maria Luiza G. Ferreira², Valquíria A. Saraiva de Moraes³, Cidália Gomes 1 UNIVAP/FCSA Av.

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Síndrome de Burnout Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Zelia Simone Sobrosa Psicóloga com pós-graduação em Neuropsicopedagogia 2013 Conceito Burnout é

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE?

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE? EDITORIAL EDITORIAL INTRODUÇÃO COMBATA O ESTRESSE Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba O estresse é uma das grandes pragas do mundo moderno. Este problema sintetiza

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Saúde Mental no Trabalho

Saúde Mental no Trabalho Saúde Mental no Trabalho Disciplina de Medicina Social e do Trabalho Acadêmicos: Arthur Danila, Barbara Novaes, Caio Casella, Bruna Piloto, Bruno Zanon, Bruno Ricci Orientadora: Prof a. Dra. Débora Glina

Leia mais

O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL

O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL COUTINHO, Daniele Aparecida Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail:

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Isabel Lopes 1 É um Distúrbio Psíquico de carácter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido

Leia mais

MEDIDAS PREVENTIVAS. a importância do investimento em medidas preventivas

MEDIDAS PREVENTIVAS. a importância do investimento em medidas preventivas MEDIDAS PREVENTIVAS a importância do investimento em medidas preventivas GESTÃO PÚBLICA A excelência em gestão pública será um valor adquirido e preservado pelas instituições públicas e um valor requerido

Leia mais

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT)

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) BIBLIOGRAFIA Oliveira, Aristeu de. Manual de Salários e Benefícios. 1. ed. São Paulo : Atlas, 2006. Cap. 20 pág. 71 a 73. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

Saúde do Trabalhador. 15ª Conferência Interestadual dos Bancários da Bahia e Sergipe

Saúde do Trabalhador. 15ª Conferência Interestadual dos Bancários da Bahia e Sergipe 15ª Conferência Interestadual dos Bancários da Bahia e Sergipe Saúde: Ausência de Sintomas. Saúde (X ou =) Doenças. Saúde: Bem-estar Bio-psico-social. Causas mais frequentes do adoecimento: Estruturação

Leia mais

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL CEZAR, Pâmela Kurtz; MELLO, Lauren Machado. Revisão Bibliográfica Curso de Pós Graduação: Especialização

Leia mais

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE 2º SEMINÁRIO NACIONAL HUMANIZA SUS Em Resposta, envio os dados sobre nosso trabalho: 1- Diretriz Valorização do trabalho e do trabalhador da saúde. 2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

Stress. Saúde Mental. ão.

Stress. Saúde Mental. ão. Saúde Mental Stress Se dura o tempo necessário para proteger o organismo de uma situação de risco, é saudável. Quando passa dias e dias sem controle, vira doença. O Stress, além de ser ele próprio e a

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien.

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien. A LUDICIDADE COMO CAMINHO PARA A RESILIÊNCIA EM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM SITUAÇÃO DE ESTRESSE OCUPACIONAL PEREIRA, Fernanda Almeida UFBA GT-04: Didática Resumo Atualmente, no Brasil, estudos

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental

Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental (UNIFESP/ EEUSP), MBA em Economia da Saúde) (CPES/ UNIFESP)

Leia mais