Vieira entre o Poder Temporale e a Igreja Ad Aeternum : O V Império Josué Rodrigues Nogueira Junior RESUMO Palavras-Chave: ABSTRACT Keywords:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vieira entre o Poder Temporale e a Igreja Ad Aeternum : O V Império Josué Rodrigues Nogueira Junior RESUMO Palavras-Chave: ABSTRACT Keywords:"

Transcrição

1 Vieira entre o Poder Temporale e a Igreja Ad Aeternum: O V Império Josué Rodrigues Nogueira Junior (Cnpq PIBIC-UGF) Orientação: Professor Doutor Arno Wehling RESUMO O V Império é grande fonte de indagações históricas. O Padre Antônio Vieira, ao utilizar-se do imaginário social português em discursos político-religiosos, idealizou um locus de legitimação do poder monárquico Bragantino através da construção do conceito de V Império, e através dessa idealização, Antônio Vieira alimentava o sonho daqueles que rejeitavam um novo jugo de Castela. Palavras-Chave: Padre Antônio Vieira; V Império; Imaginário. ABSTRACT The Fifth Empire is a great source for historical indagations. Father Antônio Vieira, through the utilization of the Portuguese social imaginary in his religious/political speeches, idealized a locus of legitimization of the Bragantino monarchic power through the creation of the concept of the Fifth Empire. Through that idealization Antônio Vieira was able to stimulate the hearts of those who couldn t bear to be subdued by Castela. Keywords: Father Antônio Vieira; The Fifth Empire; Imaginary. Os jesuítas como sujeitos do seu tempo posicionaram-se acerca dos acontecimentos que presenciavam. No século XVII, durante o domínio de Castela não mantiveram o grito sufocado, manifestaram-se em sermões e obras de forma incitativa. De certa forma, esperava-se que algo miraculoso acontecesse, mas não apenas aguardavam providencias dos céus, demonstravam a insatisfação por meio da palavra. Os Jesuítas faziam críticas aos Filipes. A Companhia de Jesus estabilizou-se como organismo cosmopolita, e em cada membro deveria impor uma regra de respeito à nacionalidade 1, porém, entre os jesuítas, o furor patriótico era claro e manifesto. Azevedo 2, afirma que, dentro da Companhia de Jesus o antagonismo das procedências, tem de coalhar em um sentimento comum de solidariedade. Os jesuítas como órgão cosmopolita, estavam sujeitos a regras. A utilização de uma língua não vernácula 1

2 deveria afastar os jesuítas de contendas e dos estados em que esteve missão. Essa atitude objetivava e, deveria afirmar que as constituições determinam que em nenhum caso os da ordem participem das contendas dos príncipes. 3 Mas em Portugal, o que percebemos, é um fato simples: nunca o preceito se teve em conta. Os jesuítas, manifestando-se contrários aos Filipes, faziam mais que intervir em contendas de príncipes; levantavam-se contra o mesmo poder estabelecido. 4 O poder dos sermões, era utilizado de forma incitativa contra Castela. Os jesuítas assumiram posicionamento político, rejeitando a nova dinastia. Desde o primeiro dia repudiaram abertamente o domínio de Castela. Do púlpito faziam campanha contra esse domínio, com inquietação do governo, que procedeu contra alguns, impondo-lhes desterros. 5 Durante todo o período do domínio Espanhol, sermões contra os Filipes foram proferidos pelos jesuítas, sendo a Companhia de Jesus atuante nessa questão. Mas como seria a ascensão do Primeiro Bragança ao Trono Português? O discurso Vieiriano é ideológico e de cunho nacionalista, visa à obtenção de resultados. Castela era a personificação da não realização problemática do planejamento Divino. Bragança era a Esperança. Vieira trabalha temas ligados à mentalidade da época em uma construção Político-religiosa ativa. Constrói trabalhando o conceito de Imaginário Social como bom orador e pregador que demonstra ser através de seus textos. Um verdadeiro Império Universal Cristão surgiria. Portugal era a nação fadada ao Sucesso. Política e Administrativamente Vieira sugeria um Imperador atuando em nome de Cristo, e esse homem era D. João IV. Antônio Vieira para o que discursa e nomeia como V Império, constrói um embasamento estruturado nas indagações, e nas respostas existentes em Portugal e na própria Igreja, evoca a mística da restauração, fundindo-a a novos elementos, medievais e modernos, que não se chocam, mas se completam. O jesuíta, que fez parte da corte bragantina de D. João IV transforma o Sebastianismo vigente, em Joanismo. Vieira incitava em sermões e escritos a restauração de um lócus ideal, um Império cujo todo o sentido, fosse verdadeiramente ligado ao catoliqué. Portugal tornase ambiciosamente na construção do seu discurso uma Nova-Roma, regida de forma temporal e atemporal. A Cidade de Deus de Santo Agostinho, surgiria, derrubando os simulacros da Cidade dos Homens. E eis que surgiria o V Império, que seria unido a Deus e concomitantemente, a Igreja ad aeternum, enquanto a ordem temporal seria 2

3 levada através de D.João IV. Duas ordens opostas viveriam, e a legitimação desse Império dava-se com profecias bíblicas e profecias messiânicas do Imaginário português. A construção do V Império Português, está inserida em um pensamento de caráter duplo, onde a idéia de dois corpos é a base do projeto, dessa forma, o futuro traria a culminância escatológica prometida, unindo Deus e Portugal. O Tempo Linear para Antônio Vieira do Gênesis ao Apocalipse é maior que o Tempo Cíclico, a História tem caráter sacro com tipologias Barrocas, com culto exagerado da forma, o que implica em suas metáforas, antíteses e hipérboles, existe um conflito estrutural entre Deus e humanidade que apenas pode ser resolvido com a legitimação do Poder Português. A História inicia-se com o pecado original, porém sempre existindo o ideário da soberania Portuguesa. O tempo de Antônio Vieira é bem outro. Em todos os níveis (teológico, ético ou político), o tempo barroco não é, como tendência a imaginar, fechado em si mesmo, quase atemporal, ancorado na confiança de Deus. Na realidade, esse tempo de aparencia tão una éum tempo intimamente dividido, inquieto, que é preciso saber reconduzir à sua fonte. Mas seu segredos erá bem guardado. A Fé, a nova Fé repousa sobre a vontade. Evidentemente, a Igreja Católica guarda em si todos os seus tempos. Mas a de Antônio Vieira, a igreja da Companhia de Jesus,, apresentou-se desde o seu início, uma igreja militante. Num sentido só ligeiramente metafórico, ela é como a muralha de uma Igreja amputada em luta consigo própria, e de uma Europa em parte perdida para ela. Graças a essa milícia por excelência, somente a providencia tinha o poder de remediar essas reveses, essa ferida que não dependia simplesmente do impotente espírito do mal, mas do próprio Deus, mestre do mundo e da História. 6 (LOURENÇO, 2001: 92) O Discurso de Vieira visa o sublime, visa um período de paz, com Portugal reinando soberana com alma dominante. É bom lembrar a realidade pela qual Portugal passara anteriormente. Vieira percebia o passado sob o que considerava um jugo Espanhol, e ansiava por um novo tempo, dessa forma, sair das amarras de Castela, e perceber-se como nação eleita, como povo escolhido é discurso legitimatório de sucesso, e para o sucesso. Nas palavras do próprio Vieira: Estilo foi este que sempre Deus usou com Portugal, receoso porventura de que uma nação tão amiga da honra e da glória lhe quisesse roubar a sua. 3

4 Quem considerar o Reino de Portugal no tempo passado, no presente e no futuro, no passado o verá vencido, no presente ressuscitado e no futuro glorioso; e em todas estas três diferenças de tempos e estilos lhe revelou e mandou primeiro interpretar o. favores e as mercês tão notáveis com que o determinava enobrecer: na primeira, fazendo-o, na segunda restituindo-o, na terceira, sublimando-o. 7 (VIEIRA, História do Futuro) A resposta de Daniel a Nabucodonosor 8 era a prova de uma nação soberana que viria a posteriori. Vieira interpreta o sonho, a luz Portuguesa. Politicamente dá aos Lusitanos um discurso motivador. Impulsiona o direito de Sonhar. E sonhar alto. O Historiador Holandês Besselaar o posiciona como realista e visionário em uma relação dialógica. A Antônio Vieira não se pode negar uma boa dose de realismo. Com seu bom senso era capaz de diagnosticar com perspicácia os males que seus país enfrentava. Tinha também coragem suficiente para receitar remédios que lhe pareciam apropriados, mas que, por contrariarem os interesses de grupos poderosos, quase nunca eram bem recebidos. No mesmo homem habitava também um sonhador que, propenso a se colocar acima das realidades terrestres, deleitava-se em meditar e interpretar as profecias relativas ao Quinto Império, cujo advento não cessava de anunciar aos compatriotas. O ambiente em que vivia sentia-se chocado tanto pelo realista como pelo visionário. O realista dizia verdades inoportunas, o visionário sustentava teses extravagantes. 9 (BESSELAAR, 2002: 92) No Sermão dos Anos Bons 10, Vieira fala acerca de D.Sebastião, podemos perceber que ele utiliza-se de um argumento entranhado no povo, o Mito de Ourique torna-se um equívoco, porém, um belo equívoco. Em sua construção textual, Vieira compara Portugal a Madalena buscando o seu morto santificado, faz analogias, e a partir desse momento, com utilização de técnicas sofísticas apropria-se de elementos Sebastianistas tranformando-os em uma Esperança, logo após fala de tempo, do tempo correto, da prudência e coerência de Deus. O que é esse tempo correto? Não seria o tempo de D.João IV? Com esse discurso constrói uma realidade favorável politicamente ao Monarca da Dinastia Bragança. Existe a data mais correta pra tudo, e Portugal fora antecipada julgando D.Sebastião o escolhido. 4

5 Jesus é utilizado como exemplo, afinal houve uma data prescrita e correta para sua circuncisão, logo existe um dia correto para a chegada daquele que seria o escolhido. Que não era D.Sebastião como se cria, mas o Restaurador, o verdadeiro Redentor era corretamente D.João IV! A intenção de Vieira, através do V Império era através do Imaginário Português, utilizando-se de elementos como a Bíblia, o que é coerente a um jesuíta, e de elementos como o Mito de Ourique mitificar D.João IV. Torná-lo um herói, um mito político. Mas o que seria um mito político? Para Raoul Girardet: Mito político é fabulação, deformação ou interpretação objetivamente recusável do real. Mas, narrativa legendária, é verdade que ele exerce também uma função explicativa, fornecendo certo número de chaves para a compreensão do presente, constituindo uma criptografia através da qual pode parecer ordenar-se o caos desconcertante dos fatos e dos acontecimentos. 11 (GIRARDET, 1987: 13) Para Pierre Rosanvallon 12, o político é o lugar onde se articulam o social e suas representações, sendo, a matriz simbólica na qual a experiência coletiva tem suas raízes e ao mesmo tempo reflete sobre si mesma. Dentro dessa circunscrição, delineia-se o conceito de Imaginário Político. O conceito de Imaginário ou Imaginação Social passou a ser objeto de estudo fundamental para a compreensão não somente das representações mentais estabelecidas por grupos sociais, mas também o equacionamento da lógica das práticas e dos comportamentos coletivos. O Imaginário enquanto construção de representações que raramente coincidem com o real, não é pura e simplesmente uma mistificação, atua habilidosamente como questionamento para as perguntas que Vieira deseja responder com seu V Império Português. Para isso constrói o Mito, o Mito é fator primordial político, é ele o forjador da identidade, o Mito traz coesão quando simbolizado na figura do Líder,é o fator unificador. Infunde Esperança, ambiciona resultados, alcança metas, tendo como papel principal o Futuro. O Mito restaura o Futuro, constrói um mundo melhor. Faz sonhar. Quando se retorna ao passado, recorrese a memória. O poder tem seus rituais com seus ritos, símbolos e mitos. O Imaginário não faz sentidos em as representações das práticas culturais. Dessa forma: A imaginação social, além de fator regulador e estabilizador, também é a faculdade que permite que os modos de sociabilidade existentes não sejam 5

6 considerados definitivos e como os únicos possíveis, e que possam ser concebidos outros modelos e outras fórmulas. 13 (BACKZO, 1985: 403) Nessa contextualização insere-se o imaginário social como a representação ou o conjunto de representações imagéticas de determinados aspectos ou fenômenos da vida social como anseios, temores, utopias, valores, crenças. Fatores utilizados politicamente a favor de D.João IV por Antônio Vieira, o Monarca Bragantino nessa construção surge como resposta prontamente ativa e solucionadora as questões problemáticas portuguesas. Na acepção usada aqui, cultura política só pode ser existir na duração como fenômeno estruturado e reproduzido ao longo do tempo. 14 (PATTO, 2009: 22) Cultura Política é, portanto, um processo de longa duração, perde-se a força do conceito se ligarmos o mesmo a algo efêmero, pois o mesmo apresenta-se em elementos arraigados na cultura de um grupo. Uma definição adequada para cultura política (...) poderia ser: conjunto de valores, tradições, práticas e representações políticas partilhado por determinado grupo humano, que expressa uma identidade coletiva e fornece leituras comuns do passado assim como fornece inspiração para projetos políticos direcionados Para o futuro. 15 (BACKZO, 1985: 403) A legitimação Bragantina fora construída pela obra de Vieiriana, tanto nas questões jurídicas, como simbólicas e religiosas. Definitivamente Política. A ação do político na sociedade engendra política nessa sociedade, e essa ação, fala de uma sociedade, a sociedade fala dessa ação. Qual o papel social, em uma ação? Interesses Políticos manifestam-se e apresentam-se no âmbito social. Não se separa o individuo do político, ele é figura geradora do social, da articulação e de sua representação. Funcionamos através de conceitos, sociedades produzem seus valores e crenças, e esses valores nos movem e nos impulsionam. O que percebe-se com o Padre Vieira é uma óbvia construção, Vieira utiliza-se de elementos sócio-culturais construindo uma realidade futura, o que ele faz é fazer política, utilizar-se de elementos da igreja é inerente ao homem de seu século, principalmente se atentarmos ao fato de ser parte da Companhia de Jesus, amarrar elementos construindo um futuro é fazer Política, é mexer com a o Imaginário. É fazer Política, nos diz Adriano Cerqueira que: 6

7 Provavelmente nesse campo de abordagens a discusão sobre cultura política adquire grande relevância temática. Já que, invariavelmente haverá a preocupação em se conhecer como a dinâmica interativa entre os agentes sociais de uma determinadas realidade promove a cristalização de valores, imagens e símbolos suficientemente significativos para a mobilização política. Nesse sentido, a utilização do tema cultura política adquire um papel de destaque na analise teórica, e será nesse contexto analítico que se promovera a discussão. 16 (CERQUEIRA, 1996: 76-82) Vieira desfaz o mito de Ourique, aplica a sua ideologia D.João IV, apropria-se de elementos Sebastianistas mutando-os, antes de Antônio Vieira não falava-se em Quinto Império, apenas no Retorno de Sebastião, o Jesuíta acrescenta a isso fortes elementos Bíblicos, na tentativa de viabilizar a imagem do Monarca D.João IV enquanto Restaurador e restituidor da Glória Portuguesa, Glória prevista por Deus. O V Império, pode ser considerado uma total construção conceitual do Padre Antônio Vieira. Argumentando politicamente aspectos religiosos, somando-os a Monarquia Bragantina, discursa baseado no caráter místico, fundindo-o ao filosófico, um novo tempo idealizado. Trata-se de um movimento de caráter profético, que com muitas formas atravessou séculos, antes do V Império de Vieira, esperava-se em Portugal o Desejado D. Sebastião. Vieira altera o discurso do Retorno. A questão da legitimidade da monarquia lusitana pode ser entendida como fator de unidade da obra Vieirense. Afirma incessantemente o Poder Monárquico vigente. A utilização de Vieira do caráter político funde-se ao caráter religioso. Através dos escritos de Aline Coutrot 17, percebemos que, tal apropriação e possibilidade tende a ser natural, e sempre fez parte da sistemática dos sermões da Igreja. A união poder e religião é fator agregatório, pode-se utilizar-se dela como fator legitimatório, e nesse caso, construir o outro como o desarticulador do bom em função do sucesso esperado. Assim a Espanha era desagregadora, o coerente risco eminente de acordo com Vieira, e seu discurso, ao V Império Português e ao plano de Deus. Enquanto se prega uma Esperança Portuguesa, prega-se a união, com dogmas a serem seguidos e prescritos legitimados pelas escrituras bíblicas e profecias historicamente conhecidas. O coletivo de Vieira é Português, Divino, Garantia de Sucesso. Salve D.João IV! Ele traria todos benefícios sonhados, e que após tantas 7

8 agruras por causa do Reino de Castela, Portugal afirmava merecidamente o crédito, e haviam planos de Deus para com Portugal. D.João IV era o escolhido por Deus, as profecias, a árvore genealógica do monarca comprovava! Assim cria Vieira. A religiosidade era operante na mentalidade do povo, atuava na cooperação de Símbolos, Mitos e Ritos. Construídos e Necessários. Hernani Cidade nos falando sobre Vieira e seu tempo diz que: Na sua época, a fé não precisava ser defendida nem fortificada, pois era muito para além das fronteiras, em países com que evitávamos todo o comércio intelectual, onde a heresia campeava ou ia se insinuando (...) Vieira, esse, além de apóstolo cristão, e freqüentemente, muito mais do que isso é orientador político íntimo conselheiro do Rei. 18 ( CIDADE, 1940 : 40.) Entendemos assim, o grande caráter Político dos Escritos de Antônio Vieira. Tudo que poderia acrescentar benefício ao trono oscilante era válido e acrescentado, assim percebemos na exegese de Antonio Vieira, uma transposição do sentido cultural e religioso que vivia sublinhando o religioso em uma afirmação sempre atuante do poder monárquico. A legitimidade da Dinastia lusitana é o fio condutor dos escritos de Antonio Vieira, no período que esteve mais ligado a corte isso torna-se mais visível, no período que esteve intimamente ligado a ela, de 1641 a Enquanto foi embaixador a serviço de El Rei na Europa e Pregador Régio. Joseph Von Den Besselaar nos lembra a coragem de Vieira para receitar os remédios que lhe pareciam apropriados. 19 (BESSELAAR, 2002: 34) Era necessário para o sucesso de Portugal, legimitar o escolhido encarnado na Casa de Bragança. Antônio Vieira sai do singular para o plural, quando torna Portugal a solução para o sucesso do mundo, aquele que traria não apenas o sucesso das Armas de Portugal 20, mas o V Império Bíblico. 1 AZEVEDO, João Lúcio de. História de Antonio Vieira, Tomo I- São Paulo;Alamaeda, O termo é de Azevedo, Biógrafo de Vieira. 2 João Lúcio de Azevedo ( ) é considerado o maior biógrafo de Vieira. 3 Idem 4 Idem 5 Idem 8

9 6 LOURENÇO, Eduardo. Vieira ou o Tempo do Barroco. Brasil e Portugal 500 Anos de Enlaces e Desenlaces- volume 2. Revista Convergência Lusíada, 18. Real Gabinete Português de Leitura, Pág. 92. (Tradução do Francês por Teresa Cristina Cerdeira, revista pelo autor.) 7 VIEIRA, Antônio. História do Futuro. Disponível On Line. 8 O livro bíblico do Profeta Daniel, capítulo 2, versículos 44 e 45 diz: Mas nos dias destes reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos estes reinos, e será estabelecido para sempre. Esse Reino é entendido por Vieira como sendo o Reino de Portugal. ALMEIDA, João Ferreira de. Bíblia Sagrada. Imprensa Bíblica Brasileira. 71 ª Impressão BESSELAAR, José van den. Antônio Vieira Profecia e Polêmica. EdUERJ, Pág VIEIRA, Antônio. Sermão dos Anos Bons. Disponível On Line. 11 GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Cia. Das Letras, Pág ROSANVALLON, Pierre. Por uma história conceitual do político. In: História propostas e práticas. Revista Brasileira de letras, São Paulo, ANPUH/ Contexto, vol. 15, nº 30, BACZKO, Bronislaw. Imaginação Social. In: Enciclopédia Einaldi, s. 1. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, Editora Portuguesa, 1985.Pág PATTO, Rodrigo. Culturas Políticas na história: NovosEstudos/ organização Rodrigo Patto Sá Motta- Belo horizonte, MG: Argvmentvm, 2009.Pág Ibdem. Pág CERQUEIRA, Adriano Sérgio Lopes da Gama. A Validade do Conceito de Cultura Política. In: LPH- Revista de História, Pág. 76 a Coutrot faz parte da nova Historiografia Política Francesa. 18 CIDADE, Hernani. Padre Antonio Vieira. Estudo Biográfico e Crítico.Volume I. Agencia Geral das Colônias- Lisboa. MCMXL.Pág BESSELAAR, José van den. Antônio Vieira Profecia e Polêmica. EdUERJ, Pág VIEIRA, Antônio. Sermão para o Bom Sucesso das Armas de Portugal. Disponível On Line 9

O QUINTO IMPÉRIO VIEIRENSE: ENTRE A UTOPIA, O CETICISMO E A INQUISIÇÃO PORTUGUESA Josué Rodrigues Nogueira Junior 1

O QUINTO IMPÉRIO VIEIRENSE: ENTRE A UTOPIA, O CETICISMO E A INQUISIÇÃO PORTUGUESA Josué Rodrigues Nogueira Junior 1 O QUINTO IMPÉRIO VIEIRENSE: ENTRE A UTOPIA, O CETICISMO E A INQUISIÇÃO PORTUGUESA Josué Rodrigues Nogueira Junior 1 É conclusão certa e de fé que este Quinto Império de que falamos, anunciado e prometido

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

SEMINÁRIO TEOLÓGICO ESBOÇO ESTRUTURAL DO CURSO

SEMINÁRIO TEOLÓGICO ESBOÇO ESTRUTURAL DO CURSO SEMINÁRIO TEOLÓGICO Prof. Herbert A. Pereira ESBOÇO ESTRUTURAL DO CURSO LOCAL Igreja Evangélica Deus Todo Poderoso Rua Schoroeder, 410 Jardim Santa Maria Guarulhos - SP. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PROLEGÔMENOS

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização OBJETIVOS DA AULA Oferecer aos estudantes a construção de um conhecimento consistente e crítico sobre Evangelização,

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Outras Editoras. Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis

Outras Editoras. Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis Outras Editoras Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis As 3 Vias e as Três Conversões O grande teólogo dominicano, falecido em 1964, nos expõe as diversas fases da vida

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar.

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. #101r Na aula passada, iniciamos o estudo do cap13 de Apocalipse, onde, como falamos de certa forma descreve o personagem mais importante da

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

A matriz portuguesa encontra-se no povo lusitano para quem, tal como hoje, a liberdade era um bem maior, uma das suas grandes bandeiras.

A matriz portuguesa encontra-se no povo lusitano para quem, tal como hoje, a liberdade era um bem maior, uma das suas grandes bandeiras. Na formação de Portugal existe um propósito divino. Desde os primórdios da nacionalidade que o povo português se intitulou um povo eleito para realizar grandes feitos. A matriz portuguesa encontra-se no

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p.

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. História (São Paulo) VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. Amilcar Torrão FILHO * O professor Laurent

Leia mais

Introdução à 26/05/2011 A doutrina de Cristo segundo as escrituras Divindade de Cristo O que a história da igreja fala sobre o assunto? A Igreja Primitiva No início do século II, o cristianismo era uma

Leia mais

Interpenetração de dois cumprimentos

Interpenetração de dois cumprimentos Abordagem Bíblica e Teológica Interpenetração de dois cumprimentos Por Defensores do Evangelho Que a graça e a paz do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo seja convosco! Introdução Este tema é extremamente

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Roteiro 4 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo I Aprendendo com as Profecias Objetivos Interpretar, à luz da Doutrina

Leia mais

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5. Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.1-2 E na minha nação excedia em judaísmo a muitos da minha

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

Aproximação por afastamento :

Aproximação por afastamento : Aproximação por afastamento : releituras de Colonização e catequese, de José Maria de Paiva Guilherme Amaral Luz Doutor em História Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professor do

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

Texto do dia. "Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora" (Rm 8.22).

Texto do dia. Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora (Rm 8.22). Lição 11 14/06/2015 Texto do dia "Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora" (Rm 8.22). Síntese A responsabilidade ambiental dos servos de Jesus decorre do princípio

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Almeida Santos, Antonio Cesar Absolutismo,

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. Aprova a continuidade do Projeto de Extensão Escola de Teologia para leigos Nossa Senhora das Graças, na modalidade de Curso de Extensão, na categoria

Leia mais

As três revelações divinas: Moisés, Jesus e Kardec

As três revelações divinas: Moisés, Jesus e Kardec FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo I Metodologia para o estudo do Evangelho à luz da Doutrina Espírita As três revelações

Leia mais

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO JEJUM DO AVIVAMENTO 1 Dia do Jejum do Avivamento Leitura: Romanos 13:10 à 14 Introdução: Avivamento ou avivar é tornar mais vivo, mais desperto e renovado. O avivamento está ligado a disposição de reformar,

Leia mais

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Conhecendo a Bíblia A BÍBLIA Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Divisão em capítulos: Stephen Langton, em 1227 e Cardeal Hugo de Sancto Caro, por volta de 1260. Divisão por versículos:

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus Sociedade das Ciências Antigas O que é um Iniciado? por Papus Publicação feita na revista L'Initiation nº 4, de 1973. Uma das causas mais reiteradas da obscuridade aparente dos estudos das Ciências Ocultas

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo

INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo Denominação do conjunto de princípios, doutrinas e práticas religiosas que surgiram na Índia, a partir de 2000 a.c. O termo é ocidental e é conhecido pelos seguidores

Leia mais

Capítulo 1 A perspectiva escatológica do Antigo Testamento

Capítulo 1 A perspectiva escatológica do Antigo Testamento Capítulo 1 A perspectiva escatológica do Antigo Testamento PARA ENTENDER CORRETAMENTE A ESCATOLOGIA BÍBLICA, é preciso vê-la como um dos aspectos integrantes de toda a revelação bíblica. A escatologia

Leia mais

N.º de aulas (tempos letivos) 13 10 9. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. Desenvolvimento Programático

N.º de aulas (tempos letivos) 13 10 9. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. Desenvolvimento Programático Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código 403192 720-902 - Sines Ano letivo: 2014/201 Departamento: Ciências Humanas e Sociais Grupo disciplinar: 290 Disciplina: Educação Moral Religiosa Católica

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Introdução a mitologia Africana para sala de aula

Introdução a mitologia Africana para sala de aula Introdução a mitologia Africana para sala de aula Curso de extensão Universidade Castelo Branco Prof. Dr. Arthur Vianna (PUCSP) Escola de formação de Professores Curso de História Objetivo Proporcionar

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

EDUCAÇÃO CRISTÃ: ASPECTOS HISTÓRICOS E CONCEITUAIS

EDUCAÇÃO CRISTÃ: ASPECTOS HISTÓRICOS E CONCEITUAIS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 EDUCAÇÃO CRISTÃ: ASPECTOS HISTÓRICOS E CONCEITUAIS BASSIO JUNIOR, Édio 1 ; BIONDO, Viviane Mancin. 2 ; BUBNA, Marcio Ronaldo.

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar?

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? O livre arbítrio tem sido definido como a capacidade que o homem tem de escolher entre o bem e o mal, entre o certo e o errado, e é óbvio, a de

Leia mais

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus - Oi, dona Jurema, como vai? - Tudo bem, e o senhor? - Dona Jurema, a senhora que lê a Bíblia, do que mais gosta? - Ah! Gosto do Apocalipse. O meu entendimento é fraco, mas, esse livro me traz conforto

Leia mais

Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção

Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção I. INTRODUÇÃO GERAL Em 1950, o papa Pio XII proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora ao céu. Um dogma é um marco referencial

Leia mais

Os 7 Reis e a Renúncia Papal Pr. Samuel Ramos

Os 7 Reis e a Renúncia Papal Pr. Samuel Ramos Os 7 Reis e a Renúncia Papal Pr. Samuel Ramos Diversas Interpretações As sete cabeças e os sete montes de Apocalipse 17:9 tem despertado, no meio religioso, muitas e diferentes interpretações. Embora não

Leia mais

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 Definição de Dispensação: período de tempo durante o qual a humanidade é moralmente responsável diante de Deus em

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

OCS: Observador Online

OCS: Observador Online Observador Online ID: 58199358 04-03-2015 Visitas diárias: 95730 OCS: Observador Online Obra Completa do padre António Vieira é hoje oferecida ao papa Francisco http://observador.pt/2015/03/04/obra-completa-do-padre-antonio-vieira-e-hojeoferecida-ao-papa-francisco/

Leia mais

Sonhar o destino: projetos e impasses sobre a grandeza de Portugal

Sonhar o destino: projetos e impasses sobre a grandeza de Portugal * LIMA, Luís Filipe Silvério. O império dos sonhos. Narrativas proféticas, sebastianismo & messianismo brigantino. São Paulo: Alameda, 2010. Século dos sonhos, título da última parte do livro de Luís Filipe

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade CONCÍLIO VATICANO II Relevância e Atualidade Dogma concepção Imaculada de Maria Syllabus Convocação Concilio PIO IX (1846 1878) Vaticano I Renovação Interna da Igreja Decretos Papais Divulgados em Boletins

Leia mais

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do O pauta suas ações partindo de um princípio interconfessional preparando ministros para a pregação do evangelho. ESTRUTURA DO CURSO O curso conta

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

13 Palavras Especiais ao Povo de Deus

13 Palavras Especiais ao Povo de Deus PALAVRAS ESPECIAIS AO POVO DE DEUS 145 13 Palavras Especiais ao Povo de Deus Você já tentou imaginar como é o céu baseado na descrição da Bíblia? Provavelmente será bem diferente do que esperamos. Nosso

Leia mais

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS.

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. 1 PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. Autora: SANDRA BOTELHO CHAVES Núcleo : História e Filosofia da Educação - Mestranda: Orientador: Profº Drº José Maria de Paiva A presente

Leia mais

PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO

PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO 1 MANUSCRITOLOGIA BÍBLICA 2 Quem escreveu a Bíblia? O 2 Pedro 1:20-21 sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque

Leia mais

PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL

PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL 1 PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL Zc 1 18 Tive outra visão e vi quatro chifres de boi. 19 Perguntei ao anjo que falava comigo: Que querem dizer estes chifres? Ele respondeu: Eles representam as nações

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

Fé, Verdade, Tolerância. O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo

Fé, Verdade, Tolerância. O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo Fé, Verdade, Tolerância O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo Joseph Ratzinger Bento XVI Fé, Verdade, Tolerância O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo SÃO PAULO 2007 Joseph Ratzinger

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Respostas aos Protestantes sobre o Batismo de Crianças

Respostas aos Protestantes sobre o Batismo de Crianças Respostas aos Protestantes sobre o Batismo de Crianças Por Jaime Francisco de Moura A Igreja Católica o faz, lembrando que as crianças dos Judeus eram consagradas a Deus, sobretudo os primogênitos, pela

Leia mais

RALLY BR 116 A NOVA ESTAÇÃO DE RESTAURAÇÃO E LIBERAÇÃO DOS CAMINHOS DE RETIDÃO DO BRASIL. CHAMANDO OS FILHOS DO REINO PARA A CASA DO PAI.

RALLY BR 116 A NOVA ESTAÇÃO DE RESTAURAÇÃO E LIBERAÇÃO DOS CAMINHOS DE RETIDÃO DO BRASIL. CHAMANDO OS FILHOS DO REINO PARA A CASA DO PAI. RALLY BR 116 A NOVA ESTAÇÃO DE RESTAURAÇÃO E LIBERAÇÃO DOS CAMINHOS DE RETIDÃO DO BRASIL. CHAMANDO OS FILHOS DO REINO PARA A CASA DO PAI. ARREPENDIMENTO E CONFISSÃO DOS PECADOS Mt 26:28 - "Porque isto

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã.

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. ROSÁRIO ANGLICANO contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. O Círculo do Rosário Anglicano simboliza a roda do tempo; na tradição cristã o número 4 representa os quatro braços da cruz: quando

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais