Breve Panorama da Análise do Discurso como Disciplina Científica Walter Barbosa Lacerda Filho 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Breve Panorama da Análise do Discurso como Disciplina Científica Walter Barbosa Lacerda Filho 1"

Transcrição

1 Breve Panorama da Análise do Discurso como Disciplina Científica Walter Barbosa Lacerda Filho 1 Abstract The article however in development was constructed, therefore, with the objective to reconstitute to the main lines of force of the historical evolution, theoretician and methodological of the Analysis of the Speech, while it disciplines scientific, more particularly, represented for the clipping of the French School of Analysis of the Speech, becoming itself, with effect, in important boarding theoretician and methodological, in the bulge of Human Sciences, when it has in aiming the socio cultural phenomena and contemporaries intersemiotics studies. Resumo O trabalho ora em desenvolvimento construiu-se, pois, com o objetivo de reconstituir as principais linhas de força da evolução histórica e teórico-metodológica da Análise do Discurso, enquanto disciplina científica, mais particularmente, representada pelo recorte da Escola Francesa de Análise do Discurso, erigindo-se esta, com efeito, em importante abordagem teórico-metodológica, no bojo das Ciências Humanas, quando se tem em mira os fenômenos socioculturais e intersemióticos contemporâneos. Palavras-chave: análise do discurso, enunciado, enunciação, linguagem, representação, práxis. 1. Mestrado em Letras, Universidade Federal do Ceará UCF. Graduação em Letras Universidade Federal do Ceará UFC.

2 2 SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Aspectos de Filosofia da Linguagem e Linguística segundo Guido Antonio de Almeida; 3. A Ordem do Discurso segundo Foucault; 4. Novas Tendências em Análise do Discurso segundo Maingueneau; 5. Heterogeneidade(s) Enunciativa(s) segundo Authier-Revuz; 6. As Quatro Etapas da Análise do Discurso segundo Nelson Barros da Costa; 7. Considerações Finais; 8. Referências. 1.Introdução O presente artigo dedica-se à exposição dos marcos históricos e teóricometodológicos da Análise do Discurso (AD), mais especialmente, a partir do recorte da escola francesa de AD, reconhecendo nesta um importante núcleo teórico-metodológico de afirmação da AD enquanto disciplina no conjunto das ciências humanas. O interesse em debater a AD, entre outros motivos, resulta da disputa pela hegemonia teórica e metodológica que trava com a Semiótica enquanto procedimento analítico a instruir os estudos culturais contemporâneos. Ambas as disciplinas científicas, com efeito, são importantes sintomas da centralidade da linguagem na definição do paradigma gnosiológico da contemporaneidade. Para a construção deste breve panorama da AD, elegeu-se um percurso histórico que destaca uma série de autores Wittgenstein, Pêcheux, Maldidier, Foucault, Althusser, Authier-Revuz, Maingueneau, Costa em função de suas contribuições à formulação de um aparato teórico-metodológico de Análise do Discurso, considerando, ainda, as convergências ou as divergências que a AD mantém com a filosofia da linguagem, marxismo, linguística e psicanálise, já que tal espectro de saberes encerra os principais fundamentos teóricos que dão sustentação às práticas de AD. Assim, o texto subdivide-se em cinco tópicos: 1) Aspectos de Filosofia da Linguagem e Linguística segundo Guido Antonio de Almeida; 2) A Ordem do Discurso segundo Foucault; 3) Novas Tendências em Análise do Discurso segundo Maingueneau; 4) Heterogeneidade(s) Enunciativa(s) segundo Authier-Revuz; 5) As Quatro Etapas da Análise do Discurso segundo Nelson Barros da Costa.

3 3 Tais matérias, portanto, refletem a disposição do artigo: oferecer um quadro sintético da evolução histórica e teórica da AD àqueles que estão implicados com a interface de estudos socioculturais e intersemióticos contemporâneos. 2. Aspectos de Filosofia da Linguagem e Linguística segundo Guido Antonio de Almeida. Quando se problematiza a linguagem como objeto de estudo, exige-se, de imediato, uma primeira distinção entre Filosofia e Ciência da Linguagem: de um lado, a filosofia, a ocupar-se da linguagem, viria a ser a meditação ou a especulação sobre a natureza ou essência da linguagem; por outro, a ciência da linguagem consistiria no estudo empírico e metódico dos fenômenos linguístico. Com efeito, a convenção corrente, a separar a filosofia da ciência, toma a primeira como uma meditação especulativa, e a segunda, como estudo empírico sob o lastro de um método definido. A partir da revisão da literatura sobre a linguagem, realizada por Guido de Almeida, reconhece-se que a filosofia da linguagem é coisa que não existe propriamente. E isto se deve à impossibilidade de falar sobre O Todo da Linguagem, como se nos fosse a priori uma totalidade auto-evidente e supostamente homogeneizável desde sua definição à sua fenomenologia. Por conseguinte, está delimitado o confronto crítico entre os campos acima referidos pelos posicionamentos teóricos da linguística e da filosofia da linguagem (esta representada por um recorte do pensamento anglo-saxão). O horizonte de sentido da presente discussão faz-se melhor precisar pelos três seguintes pontos eleitos pelo autor: 1) a crítica de Wittgenstein à concepção filosófica tradicional de linguagem, e seu conceito de jogo de linguagem ; 2) o desenvolvimento da concepção wittgensteiniana com a teoria, elaborada por Austin, dos proferimentos performativos e atos ilocucionários ; 3) a explicação de Searle dos atos de fala em função de um sistema de regras constitutivas, plasmado no contexto de uma instituição social. Entre as ideias de Wittgenstein, Austin e Searle, formula-se um conjunto teórico coerente. Logo, o debate fica posto entre este recorte da filosofia da linguagem e a

4 4 linguística concebida por Chomsky, um dos arranjos da linguística moderna. É propósito de Almeida também repercutir a crítica de Chomsky sobre as ideias de Wittgenstein, a fim de estabelecer o contraponto necessário às posições da Filosofia da Linguagem. A linguística gerativa e transformacional, a definir a posição chomskyana, afirma-se em oposição às ideias de uma filosofia da linguagem e sob a demanda de compor com uma sociolinguística, não mais pensada como um simples anexo da linguística. A concepção wittgensteiniana da linguagem apresenta como primeira determinação a sua orientação manifestamente não-aristotélica. Daí porque Wittgenstein viu-se obrigado a desenvolver uma crítica à concepção tradicional da linguagem, herdeira das proposições aristotélicas, como passo fundamental à construção de uma posição alternativa às aporias da tradição filosófica na compreensão da matéria. Contudo, a motivação de Wittgenstein foi, a rigor, estritamente filosófica. Assim, o filósofo do Tractatus Logico-Philosophicus e das Investigações Filosóficas não pode ser instado a dar corpo e, consequentemente, vida a uma ciência da língua, como modernamente se compreende a linguística. Apoiando-se na exposição de Guido de Almeida, sobressaem-se duas primeiras razões para o interesse de Wittgenstein pela linguagem: 1) o pensamento filosófico, em geral, equivoca-se quanto à linguagem praticada em nosso contexto normal; 2) o contexto do uso normal da linguagem declina-se como meio privilegiado para desvelar a estrutura conceitual que as noções filosóficas então recobrem. O próprio interesse da filosofia pela linguagem tem por destacado motivo o reconhecimento da existência de diferentes linguagens. O que sempre deu ensejo, quando do uso linguístico de diferentes expressões, a buscar distinguir entre o sentido e o nãosentido, discurso sensato e o discurso meramente especulativo, por exemplo. No Tractatus, Wittgenstein adota como objetivo de um método filosófico mostrar como o filósofo deixa de significar satisfatoriamente certas expressões características de seus enunciados. Wittgenstein, em suas Investigações Filosóficas, explica tal fenômeno devido ao fato de o metafísico usar a palavra cujo significado quer analisar fora do jogo de linguagem que é o seu contexto normal e não-problemático. (ALMEIDA, 1986, p.8). No entanto, seria um primeiro mal-entendido caso se compreendesse o interesse filosófico pela linguagem apenas definido pela consideração dos contextos particulares de certos usos linguísticos.

5 5 Pode-se figurar a concepção tradicional da linguagem por uma primeira tese, cuja proposição tipifica essa mesma concepção como representacionista. Dessa maneira, a linguagem seria pensada como uma via de representação de uma realidade dada de antemão e independente da própria linguagem. Esta compreensão da linguagem cristalizou-se, na filosofia, desde Aristóteles, pela ideia de que as palavras expressam por convenção os pensamentos, ou as afecções da alma, que por sua vez representam por semelhança natural as coisas de que são a imagem. (ALMEIDA, 1986, p.9). Ademais, encoraja-se o entendimento da linguagem como um meio secundário de expressão dos pensamentos. Desde então se postula que o pensamento poderia até se formar sem o concurso da linguagem. Quando Wittgenstein amplia a analogia do jogo à linguagem como um todo (enquanto sistema), e não só aos sistemas axiomáticos, como primeiro postulou, dá-se ocasião à intervenção da expressão jogo de linguagem. Em suas primeiras articulações, a expressão era usada, sem maiores distinções, como um equivalente de cálculo. O propósito maior de Wittgenstein era então pôr em evidência as várias semelhanças entre linguagem e jogos, o que já estava em pauta desde a contribuição dos formalistas aos estudos literários nas primeiras décadas do século XX, ressignificando, pois, o potencial explicativo da analogia antes construída em torno das semelhanças verificadas entre o cálculo e a linguagem, representada esta pelos sistemas formais da lógica e matemática. Ambas as analogias, em suas origens, derivam da comparação dos usos de linguagem ora enquanto sistemas axiomáticos, ora enquanto a linguagem como um todo com o jogo de xadrez, determinando-se por este que a linguagem é, por consequência, uma atividade guiada e orientada por regras. Nesse sentido, como em qualquer jogo, a linguagem põe-se em causa pelas próprias regras que definem a sua constituição, a saber, as regras da gramática. Mas, distintamente do jogo, subordinado a um viés de estratégia, essas regras gramaticais não nos prescrevem, de antemão, qual jogada (ou ação verbal, na analogia assumida por Wittgenstein) terá sucesso, ou será consequente com os fins do próprio jogo (ou, pois, de todo diálogo verbal), e, sim, o que é correto ou não e o que faz ou não sentido, contextualizando assim a linguagem como jogo.

6 6 A consequência de tudo isso é que o significado de uma palavra não se determina a priori ou exclusivamente pelo objeto a que se refere, erige-se, todavia, pelas regras que orientam o seu uso e aplicação em diversos contextos. Para melhor explicitar a similitude firmada entre a linguagem e o jogo, pode-se recorrer à aprendizagem do significado das palavras: esta aprendizagem se consuma no exato momento em que se aprende a usar as palavras, tal qual se aprende o xadrez ao jogálo. Com efeito, não se aprende o xadrez pela associação de peças a objetos, como conceberam alguns para a aprendizagem das palavras, a partir da associação da palavra (ou do seu significado) com o seu objeto, mas pelo regramento dos movimentos possíveis das peças constituintes do jogo, em suma, pois, com o próprio uso. Uma proposição, portanto, corresponde a um lance no jogo de linguagem. Esta perderia o seu significado quando tomada fora desse contexto de jogo em que atua como um lance entre jogadores. Logo, o sentido de uma proposição é o papel que desempenha na interação linguística em curso, isto é, sob a pragmática de jogo de linguagem. (Cf. WITTGENSTEIN, 2000, 23, 199, 421). Assim, as proposições ou os atos verbais, não só os realizados como também os possíveis, dependem da situação, do contexto em que encontram lugar ao serem proferidos ou expressos; e, para cada ato verbal, nesse horizonte de interação linguística, aciona-se o circuito do sentido que, por sua vez, definirá os lances aguardados no jogo como inteligíveis ou não. 3. A Ordem do Discurso segundo Foucault A ordem do discurso não pode prescindir de sua circunscrição institucional, sob pena de não mais existir o discurso que se materializa e se conhece por seus efeitos de sentido. A instituição surge como coordenada fundamental do discurso, já que por ela se impõe, antes de tudo, formas ritualizadas a disciplinar toda a produção verbal. Logo, o discurso encontra seu estatuto próprio em referência à lei. Instituição que apresenta como seu avesso a ordem do desejo, que, como assevera Lacan, anima todo e qualquer discurso. O desejo, porém, está sempre fadado à frustração quando aspira que o próprio discurso se faça transparente a si mesmo. Ordem esta atravessada por lutas, dominações, servidões... Que o uso contínuo e permanente da palavra nos fez, todavia, cegar.

7 7 Foucault diz-se em busca senão do lugar, ao menos, do teatro do trabalho que gostaria de se ocupar. Para tanto, adota como hipótese inicial a seguinte compreensão: em toda sociedade a produção do discurso é ao mesmo tempo controlada, selecionada, organizada e redistribuída por certo número de procedimentos. (FOUCAULT, 1996, pp.8-9). E que função toma corpo por tal disposição? Ora, a função não seria outra que conjurar seus poderes e perigos, dominar seu acontecimento aleatório, esquivar sua pesada e temível materialidade. (FOUCAULT, 1996, p.9). Esta ordem de condicionamento, sob o signo da exclusão, próprios de nossa sociedade, apresenta três procedimentos privilegiados, a saber: i) interdição; ii) separação ou rejeição; iii) o verdadeiro e o falso. A interdição aparece então como o modo mais familiar dentre tal regime de exclusão. Por ela, opera-se o tabu do objeto e, consequentemente, o ritual da circunstância. O que ratifica, por sua vez, o direito privilegiado ou exclusivo do sujeito que fala. (Ibid.). O conjunto destes três procedimentos de exclusão perfaz uma malha que não permanece a mesma ao longo da história de uma sociedade. Diagnostica Foucault que as regiões da sexualidade e da política marcam-se com o maior número de buracos negros, como se o discurso, longe de ser esse elemento transparente ou neutro no qual a sexualidade se desarma e a política se pacifica, fosse um dos lugares onde elas exercem, de modo privilegiado, alguns de seus mais temíveis poderes. (FOUCAULT, 1996, pp.9-10). O que significa que toda interdição a incidir sobre o discurso revela-se duplamente comprometida com as instâncias do poder e do desejo. Em outras palavras, poder e desejo são termos que rompem a simetria especular do sujeito com o seu próprio dizer, então regido do exterior que é a própria fala. Têm-se, assim, lugares e agentes, dispostos uns em relação aos outros, assimetricamente. Não é mais novidade entender o discurso, conforme a psicanálise, desde Freud a Lacan, como aquilo que manifesta ou oculta o desejo. A partir daí, o mais importante é reter, segundo Foucault, que o discurso pode vir a ser mesmo o objeto do desejo. O discurso, com efeito, não mais admite ser reduzido a um meio de tradução das lutas ou dos sistemas de dominação que por ele se efetua e efetiva, realçando a face representativa de todo fenômeno discursivo, e negligenciando, portanto, a face pragmático-

8 8 discursiva que faz o discurso ser o que é; mas, ainda, exige ser tomado como aquilo por que, pelo que se luta, o poder do qual nos queremos apoderar. (FOUCAULT, 1996, p.10). No que importa à separação e rejeição, procedimentos sabidos de exclusão, erige-se por objeto privilegiado, em nosso contexto de civilização, a disjunção operada entre razão e loucura. Pode ser dito que o louco é aquele cujo discurso, ao menos, desde a alta idade média, não pode circular como o dos outros. (Ibid.). Caracterizada está a separação e/ou a rejeição atuando como vetor de exclusão. Com relação à loucura, ainda que se verifique, na maioria dos casos, a anulação do direito, por parte do louco, para sua própria afirmação, existiram regimes outros que garantiram plenos poderes à fala do louco. Designa-se, daí, um espectro de sentido, no qual se determina a palavra ou o mutismo do louco, nos termos de Foucault, excluída ou secretamente investida pela razão, porém, no sentido estrito, ela não existia. (FOUCAULT, 1996, p.11). Interessa a nossa perspectiva de análise saber que, em última instância, é no ato de fala que se dá a reconhecer a loucura do louco. O mais irônico de tudo isso é constatar que esta separação se realiza na e pela palavra, lugar onde a verdade fala ou é calada. Muito embora o último século tenha ensaiado uma retomada da palavra do louco, não se deve logo presumir que todo o esforço de separação entre razão e loucura se mostre superado, ou mesmo, a anular-se. O próprio Foucault defende que se questione a escuta do médico e, até, do psicanalista como vivo procedimento de separação do par razão-loucura. Seguindo a exposição de Foucault, deve-se fazer intervir agora o terceiro procedimento de exclusão, a saber: o par dicotômico verdadeiro-falso. Contrastando com os dois procedimentos anteriores, a interdição e a separação razão-loucura, a oposição verdadeiro/falso digna-se, em primeira aparência ou imediatamente, muito menos arbitrária quanto modificável. Mas à medida que se muda de perspectiva, por exemplo, quando se perscruta a vontade de verdade que se formulou historicamente por nossa sociedade nos últimos séculos, observar-se-á mais nitidamente o tipo de separação que rege nossa vontade de saber, então é talvez algo como um sistema de exclusão (sistema histórico, institucionalmente constrangedor) que vemos desenhar-se. (FOUCAULT, 1996, p.14). Foucault instiga-nos a perceber uma vontade de verdade a animar a nossa própria vontade de saber. Uma verdade, pois, a autenticar o saber que nos é próprio.

9 9 O discurso verdadeiro, no mundo antigo, se propunha em função de quem por direito o pronunciava, observando, ainda, o ritual próprio requerido para tanto. Por isso, é que se denuncia que tal ordem de verdade se resolve antes na dimensão performativa de seu próprio dizer. O dizer com status de fazer. Mas cedo tal disposição da verdade e do verdadeiro deslizou de sua enunciação para o seu enunciado. Com efeito, abandonou-se a perspectiva do que era ou fazia o discurso em favor, agora, do que ele dizia. O que deixa entrever que o discurso desligou-se, numa certa medida, do exercício do poder. Foucault entende a vontade de verdade sob um suporte institucional a conferir-lhe um poder de coerção para além das instâncias anteriores, a da palavra proibida e da segregação da loucura, que atua como se lei para um discurso de verdade. Enquanto o interdito da palavra e a segregação da loucura parecem insofismavelmente a arrefecer-se, quando mais e mais atravessados pela vontade de verdade de nosso tempo, esta, por sua vez, tanto mais insidiosa sua própria presença, reforça-se sobremaneira, reordenando ambos à sua própria órbita. Razão pela qual Foucault dedica tempo maior a discutir a vontade de verdade que é definidora de nossa sociedade. Apesar disso, é desta que, ainda, menos se fala. O que leva Foucault a propor que a vontade de verdade que se consubstancia em nosso dizer, essa que se impõe a nós há bastante tempo, é tal que a verdade que ela quer não pode deixar de mascará-la. (FOUCAULT, 1996, p.20). Tudo se comporta como se tivéssemos olhos apenas para uma verdade de sentido e valor insidiosamente universal, olvidando, com toda sorte de implicações que lhe é então de direito, a vontade de verdade, a determinar-se como prodigiosa maquinaria destinada a excluir todos aqueles que, ponto por ponto, em nossa história, procuraram contornar essa vontade de verdade, lá justamente onde a verdade assume a tarefa de justificar a interdição e definir a loucura. (Ibid.). Os procedimentos de exclusão até agora expostos de controle do discurso se deixaram propor a partir de um funcionamento do exterior. Aspecto que não será devidamente compreendido senão os considerar, também, como parte do discurso que põe em jogo o poder e o desejo. (FOUCAULT, 1996, p.21). Mas, em contraste com estes, merecem agora a nossa atenção um grupo de procedimentos, caracterizados como internos ao discurso, responsáveis por seu próprio controle. Tais procedimentos apelam, por sua vez, a princípios de classificação, de

10 10 ordenação, de distribuição, fazendo crer, de ora em diante, que se trata, pois, de submeter outra dimensão do discurso: a do acontecimento e do acaso. (Ibid.). O comentário representará a primeira categoria destes procedimentos internos ao discurso. Aciona-se, por esta categoria, a oposição texto criador vs. texto de glosa. O que se desdobra em texto primeiro e texto segundo, instituindo ainda a complementaridade de seus papéis. Cumpre-se com o comentário uma forma de se conjurar o acaso do discurso, contanto que se lhe permita dizer algo além do texto mesmo, mas com a condição de que o texto mesmo seja dito e de certo modo realizado. (FOUCAULT, 1996, pp.25-26). O comentário funciona como importante recurso para limitar o acaso do discurso pelo jogo de uma identidade que teria a forma da repetição e do mesmo. (FOUCAULT, 1996, p.29). O que demonstra ser norma bastante eficaz no que respeita à rarefação dos discursos, onde a identidade põe-se em função da repetição e do mesmo, que, num tal contexto, não deixariam de ser menos efetivo do que propriamente são. Reconhece Foucault outro princípio de rarefação do discurso, podendo, em certa medida, ser pensado como complementar ao comentário, nomeado pela rubrica do autor. Autor, aqui, se distingue do indivíduo falante, assumindo, agora, o sentido de princípio de agrupamento do discurso. Logo, admite ser referido como unidade e origem de suas significações, como foco de sua coerência. (FOUCAULT, 1996, p.26). Sobre a pertinência do princípio do autor, nunca é demais lembrar que existem, ao nosso redor, muitos discursos que circulam, sem receber seu sentido ou sua eficácia de um autor ao qual seriam atribuídos. (Ibid.). Divisa-se, assim, uma ordem que prescinde da atribuição de um autor, como é o caso das receitas técnicas transmitidas no anonimato, dos contratos que necessitam de signatários ao invés de autor e das conversas cotidianas que logo se deixam apagar. Estado de coisas que é de pronto contraditado quando se pensa, sobretudo, os domínios da literatura, filosofia ou ciência, onde se confere muito peso à atribuição do autor. A função do autor, antes de ser referida necessariamente a um dado indivíduo, merece ser disposta como uma maneira de limitar esse mesmo acaso pelo jogo de uma identidade que tem a forma da individualidade e do eu. (FOUCAULT, 1996, p.29). Opondo-se tanto ao comentário quanto ao autor, as disciplinas surgem como terceiro princípio interno de limitação do discurso. O que se descreve com as palavras de Foucault:

11 11 Ao do autor, visto que uma disciplina se define por um domínio de objetos, um conjunto de métodos, um corpus de proposições consideradas verdadeiras, um jogo de regras e de definições, de técnicas e de instrumentos: tudo isto constitui uma espécie de sistema anônimo à disposição de quem quer ou pode servir-se dele, sem que seu sentido ou sua validade estejam ligados a quem sucedeu ser seu inventor. (FOUCAULT, 1996, p.30). Quanto ao do comentário, observa-se que a oposição dá-se enquanto em uma disciplina, diferentemente do comentário, o que é suposto no ponto de partida, não é um sentido que precisa ser redescoberto, nem uma identidade que deve ser repetida; é aquilo que é requerido para a construção de novos enunciados. (Ibid.). Desse modo, fica entendido que as disciplinas contrastam com as categorias do comentário e do autor, sabidas, em essência, de caráter limitante do discurso, por sua exigência permanentemente posta: a possibilidade de formular indefinidamente proposições novas. Contudo, as disciplinas não se fecham, nem mesmo pelo conjunto de todo o verdadeiro aceito em seu próprio campo. 4. Novas Tendências em Análise do Discurso segundo Maingueneau Uma primeira indicação, para a emergência da escola francesa de Análise do Discurso, encontra-se no reconhecimento de certa tradição, a consagrar-se na prática escolar francesa, apoiada por uma conjuntura intelectual que privilegia uma reflexão sobre os textos e a história. Sobre a configuração intelectual da época, flagra-se a presença hegemônica do estruturalismo, articulado a uma reflexão sobre a escritura, conjugando a linguística, o marxismo e a psicanálise. A nova disciplina, desde os anos 1960, fez-se praticar por linguistas, historiadores e, ainda, psicólogos. E, nesse início, ocupou-se com questões, sobretudo, de natureza política, proporcionando uma base concreta, fenomenicamente transdisciplinar, a demandar a convergência dos saberes então implicados, para a (...) construção de uma abordagem discursiva dos processos ideológicos. (PÊCHEUX apud MAINGUENEAU, 1997, p.10).

12 12 Os primeiros trabalhos da AD foram recebidos como contribuição às hermenêuticas contemporâneas. Muito embora Maingueneau, endossando a compreensão de Pêcheux, entenda que a AD está longe de se instituir como saber ou técnica da interpretação, quando, antes, refere-se à construção de procedimentos a expor o olhar-leitor a níveis opacos à ação estratégica de um sujeito (...). (Ibid.). Decorre daí a razão porque a AD apóia-se nas ciências sociais, além de ter o aparelho analítico que lhe é próprio assujeitado à dialética da evolução científica que domina este campo. (MAINGUENEAU, 1997, p.11). O domínio da AD cedo se confrontou com a multiplicação dos usos da expressão análise do discurso. Isto se deve, segundo Maingueneau, à própria conformação do campo da linguística, onde existiria um núcleo pensado como rígido oposto a uma periferia de contornos instáveis a interagir com disciplinas como sociologia, psicologia, filosofia, etc.. Este esquema prescreveria duas ordens fundamentais de estudos: de um lado, a região dedicada ao estudo da língua, conforme os termos saussurianos; por outro, a região que se reporta à linguagem apenas à medida que esta faz sentido para sujeitos inscritos em estratégias de interlocução, em posições sociais ou em conjunturas históricas. (Ibid.). Esta segunda perspectiva prefigura o entendimento próprio à AD. A abordagem da AD frente a seu objeto assume, de imediato, a dualidade radical da linguagem: a um só tempo, integralmente formal e integralmente atravessada pelos embates subjetivos e sociais. (MAINGUENEAU, 1997, p.12). Nesse contexto inaugural da AD, apresentaram-se vias antagônicas de formulação de sua própria especificidade: ora aceita a partilha do campo com outras especialidades, ora aguarda o surgimento de uma linguística do discurso, termos ainda distantes de resguardar um espaço coerente com o tripé teórico-metodológico que sustenta a AD. Firma-se, pois, uma primeira diretriz para a AD: acionar a língua conjugada com seus enunciadores e com a ordem social, necessariamente constitutiva. Esboçam-se, com isso, as injunções a combinatória de um cálculo formal, os marcadores subjetivos, as vozes e os lugares do complexo social que se pretendem flagrar sob as práticas discursivas tornadas objetos da AD. A conjuntura teórica dos tempos de constituição da AD distingue-se nitidamente do momento atual, a requisitar todo um esforço de explicitação de suas fronteiras, em virtude da expansão em diversos fronts que a expressão análise do discurso sofreu, reivindicada

13 13 por uma série de disciplinas que passou ora tomar o discurso, ou antes, a linguagem como objeto privilegiado de interesse. Verifica-se então a insuficiência da primeira definição de AD, consagrada como o estudo linguístico das condições de produção de um enunciado (GUESPIN apud MAINGUENEAU, 1997, p.13), já que tal formulação não mais atende às exigências do tempo, bem como aos desafios que a AD logrou vencer, delimitando a especificidade própria de sua prática, agora distinguida de muitas outras. Portanto, a AD não pode perder de vista os critérios de que se vale para analisar a experiência que por ela mesma se realiza, salvaguardando, com isso, um sentido preciso para a própria expressão que a nomeia enquanto tal. A esta altura, torna-se oportuno questionar as razões que constituiriam ou não um dado produto verbal em objeto da AD. Com efeito, que razões se levantam a descartar, por exemplo, uma conversa de bar como objeto de estudo da AD? Fundamentalmente, responderá Maingueneau, lançando mão de três dimensões básicas a cumprir a função de critérios a serem observados na proposição do objeto em AD, dados pelo seguinte: 1) a AD relaciona-se com textos produzidos no quadro de instituições que restringem fortemente a enunciação; 2) a AD relaciona-se com textos produzidos nos quais se cristalizam conflitos históricos, sociais, etc.; 3) a AD relaciona-se com textos produzidos que delimitam um espaço próprio no exterior de um interdiscurso limitado. (Cf. MAINGUENEAU, 1997, pp.13-14). O conjunto dos aspectos acima referidos conduz Maingueneau a melhor precisar o estatuto do objeto em AD, fazendo-o corresponder à noção foucaultiana de formação discursiva, assim traduzida nas palavras do próprio Foucault: Um conjunto de regras anônimas, históricas, sempre determinadas no tempo e no espaço que definiram em uma época dada, e para uma área social, econômica, geográfica ou linguística dada, as condições de exercício da função enunciativa. (FOUCAULT apud MAINGUENEAU, 1997, p.14). Logo, não mais é admissível propor um corpus de estudo em AD como se produzido autonomamente por um dado sujeito, quando, porém, seria mais fértil considerar sua enunciação como o correlato de uma certa posição sócio-histórica na qual os enunciadores se revelam substituíveis. (MAINGUENEAU, 1997, p.14). Desdobra-se do que foi posto

14 14 um duplo critério de exclusão ao trabalho da AD: não interessa à AD dispor dos textos em sua estrita singularidade, bem como corpus tipologicamente pouco marcados. Em virtude desses recortes de exclusão, não foram poucos os estudiosos que entenderam como excessivamente restritiva a prática da AD. Todavia, à pertinência das críticas por estes representados, Maingueneau compreende o núcleo destas a desviar-se do verdadeiro foco do que constitui a tarefa da AD. Sugere-se, pois, que tais estudiosos teriam como expectativa que a AD se formulasse em torno de uma linguística do discurso. Maingueneau, polemizando contra tal compreensão, concebe a AD inteiramente comprometida com a ideia da existência de uma multiplicidade de análises do discurso, que tem por consequência um duplo aspecto: de um lado, a AD mantém uma relação privilegiada com a história, os textos de arquivos, as instituições; por outro, a AD, quando diretamente relacionada à sociologia, valer-se-á de pesquisas de campo, à mira de (...) enunciados cujas estruturas são reguladas com flexibilidade por fatores heterogêneos. (MAINGUENEAU, 1997, p.15). A situação em seu conjunto acaba por determinar o olhar específico da AD sobre o domínio do discurso, ciente mesmo de que ocupa, num certo sentido, o lugar deixado vago pela filologia. Todo o esforço de demarcação dos limites próprios à AD não impede que suas possibilidades se contem ilimitadas, como provam os estudos que se multiplicam na área, dilatando-se além das tipologias funcionais e formais, representadas, respectivamente, pelos discursos jurídico, religioso, etc. e, então, pelos discursos narrativo, didático, etc., que estabeleceram a configuração pela qual a AD se fez mais conhecida do grande público. Tal convicção funda-se no fato de que, variando os diversos parâmetros da AD, se pode construir uma infinidade de objetos de análise. Maingueneau antes explica o número relativamente pequeno de objetos até então construídos pela AD em função das preocupações que atravessam esta ou aquela coletividade em uma conjuntura dada. (MAINGUENEAU, 1997, p.17). Sabe-se, em AD, que o discurso como tal não pode ser apreendido diretamente, salvo se quisesse limitar-se a generalidades filosóficas. (Ibid.). Por isso, toda construção teórico-metodológica da AD compromete-se com a instauração de artifícios mediadores para que o discurso se materialize como objeto de estudo.

15 15 A análise do discurso opõe-se ao procedimento estruturalista, baseado, mormente, numa teoria da articulação entre o texto e uma realidade muda, não-textual. (MAINGUENEAU, 2006, p.36). Em sentido contrário, posiciona-se o trabalho em AD: a enunciação se manifesta como dispositivo de legitimação do espaço de sua própria enunciação, a articulação de um texto e uma maneira de se inscrever no universo social. (Ibid.). Esta atitude assegura a unidade de conjunto quando da análise da constituição discursiva, pressuposta pela AD, a partir das operações enunciativas pelas quais se institui o discurso, que constrói, assim, a legitimidade de seu posicionamento, e o modo da organização institucional que o discurso ao mesmo tempo pressupõe e estrutura (Ibid.). Define-se, portanto, as balizas pelas quais se devem guiar o analista do discurso. 5. Heterogeneidade(s) Enunciativa(s) segundo Authier-Revuz Jacqueline Authier-Revuz define, inicialmente, como objeto de debate a expressão da moda, referente aos estudos linguísticos, complexidade enunciativa, construída a partir do conjunto de fenômenos representado por discurso direto, indireto, indireto livre, aspas, itálico, citações, alusões, ironia, pastiche, estereótipo, pressuposição, etc.. A complexidade enunciativa põe-se em causa quando se tem em vista, no quadro da enunciação, sob o suporte de diferentes matrizes teóricas, formas linguísticas discursivas ou textuais alterando a imagem de uma mensagem monódica. (AUTHIER-REVUZ, 1990, p.25). Ganham ora relevo os parâmetros de distanciamento, de graus de comprometimento, de deslocamentos enunciativos, polifonia, de divisão do sujeito enunciador. Sob a referida expressão, Authier-Revuz registra a incidência de uma realidade constitutiva de todo e qualquer discurso, a atender pelos nomes de heterogeneidade mostrada e heterogeneidade constitutiva. No caso da heterogeneidade mostrada, destaca-se a inscrição do outro na sequência do discurso, a partir de procedimentos como: discurso direto, aspas, formas de glosa, discurso indireto livre, ironia, etc.. Resulta de tal noção que o discurso, enquanto categoria científica, não mais deve ser definida, exclusivamente, sob a perspectiva interna da linguística, visto que esta disposição revela-se pouco capaz para aprofundar a compreensão da intervenção do outro na constituição de um determinado discurso.

16 16 A atitude de Authier-Revuz torna patente a disposição da AD em problematizar questões e fenômenos, a bem da verdade, situados ao exterior da linguística. Aspecto ainda mais relevante quando se constata quão ingênua é a compreensão da linguística, num domínio como o da enunciação, sempre diante da inevitável intervenção do exterior, encarnado por um outro, antes de tudo, enquanto lugar, de modo implícito, na descrição interna de sua própria constituição, senão antevendo em sua irrupção uma forma natural de reprodução, na análise, das evidências vivenciadas pelos sujeitos falantes quanto a sua atividade de linguagem. (Ibid.). Não se trata, mesmo postando-se do exterior da linguística, de condescender com uma visão do sujeito, pensado, narcisicamente, como fonte e senhor de seu dizer, mas, sim, para recorrer a um exterior pertinente para o campo linguístico da enunciação. (AUTHIER-REVUZ, 1990, pp.25-26). A ideia de uma heterogeneidade (tanto mostrada quanto constitutiva), a dar lugar ao outro na instituição de qualquer produção verbal, atravessaria não só o discurso em sua constituição, mas, também, o próprio sujeito. Dessa injunção, assenta-se uma primeira coordenada a dispor, em especial, da pertinência da noção de heterogeneidade constitutiva. Num tal contexto, Authier-Revuz socorre-se do dialogismo bakhtiniano e da concepção lacaniana da psicanálise de Freud, para fundamentar sua posição. Ambas as noções, heterogeneidade mostrada e heterogeneidade constitutiva, funcionam como índices dessa ordem exterior à linguística a modular os discursos e, mesmo, os sujeitos em sua identidade. A heterogeneidade constitutiva, em função de sua inespecificidade, faz-se condição a priori de todo e qualquer discurso, sendo, talvez, o Adão bíblico, na gênese mítica, o único a escapar de tal constrangimento, isto é, de uma alteridade ante a si mesmo. Dirige-se, numa tal perspectiva, a atenção da AD para a emergência, no discurso, da heterogeneidade mostrada, como formas linguísticas de representação de diferentes modos de negociação do sujeito falante com a heterogeneidade constitutiva do seu discurso. (AUTHIER-REVUZ, 1990, p.26). Authier-Revuz passa a ter por meta, em AD, discutir as formas marcadas de heterogeneidade mostrada, que se manifestam, sob a forma da denegação, um desconhecimento protetor da heterogeneidade constitutiva. (Ibid.).

17 17 Respalda-se Authier-Revuz na compreensão, oriunda de diversas abordagens teóricas, de que toda fala é determinada de fora da vontade do sujeito e que este é mais falado do que fala. (Ibid.). Por conseguinte, esta ordem de fora se situa ao exterior do sujeito, no discurso, como condição constitutiva de sua própria existência. A partir de sua referência ao dialogismo de Bakhtin, reconhecendo nele uma reflexão multiforme, semiótica e literária, a resultar numa teoria da dialogização interna do discurso, Authier-Revuz avalia a fecundidade e as limitações deste conjunto de noções gestado por Bakhtin. Exemplifica a posição de Bakhtin pela compreensão de que as palavras revelamse, sempre e inevitavelmente, como palavras dos outros. Authier-Revuz ajuda-nos, portanto, a melhor pôr em perspectiva a contribuição de Bakhtin à ordem do discurso, ressaltando-se o plurilinguismo, os jogos de fronteiras constitutivas dos falares sociais aspectos importantes para circunscrever com maior precisão esta face discursiva ao exterior da linguística. Destaca-se, ainda, da exposição de Authier-Revuz sobre Bakhtin, o reconhecimento de uma bivocalidade, cujo sentido é permitir a representação no discurso do discurso do outro. Ao completar a apresentação de Bakhtin, somado aos trabalhos de Althusser e Foucault, Authier-Revuz sinaliza que a problemática do discurso como produto do interdiscurso formula-se como um horizonte privilegiado do debate em AD. Da psicanálise, em especial, de orientação lacaniana, Authier-Revuz reitera o entendimento do sujeito como efeito da linguagem, tendo por consequência este vir a ser pensado como clivado, descentrado, em suma, dividido (inconsciente vs. consciência). O que contradita qualquer entendimento do sujeito como transparente a si mesmo. Desde Freud, não é mais possível propor a consciência como centro da organização do sujeito. O advento do inconsciente desaloja qualquer ilusão de um centro organizador para o sujeito. Portanto, discurso e sujeito enlaçam-se mutuamente por uma heteronomia radical. O que, afinal, não deixa de sugerir o lugar social que os imbricam como entes da práxis (e/ou verbo).

18 18 6. As Quatro Etapas da Análise do Discurso segundo Nelson Barros da Costa A partir do balanço histórico empreendido por M. Pêcheux sobre a AD como disciplina científica, Nelson da Costa orienta-se pelas três etapas discriminadas pelo autor francês, acrescentando uma quarta fase a coincidir com o presente momento da AD. Promove-se, desse modo, um resumo da compreensão de Pêcheux sobre o percurso da AD, privilegiando, em sua reconstituição, além da posição teórica e as consequências dos procedimentos, os quatro seguintes aspectos a subjazer nestas mesmas etapas: i) a descrição das propostas metodológicas; ii) a teoria do sujeito; iii) o fundamento filosófico; e iv) interdisciplinas privilegiadas. E, ainda, a caracterização de uma quarta época da AD, sob o epíteto de o primado da prática. Identifica-se, sem hesitação, a primeira etapa da AD com a fundação da École Française d Analyse du Discours, em 1969, cuja ambição foi a construção de um dispositivo de leitura automática de um conjunto de discursos previamente eleitos, conferindo aos mesmos uma clara homogeneidade e, também, estabilidade, face às circunstâncias históricas e sociais de produção, numa palavra, em termos de condição de produção. (COSTA, 2005, p.17). Por estes termos, define-se, antes de tudo, o corpus que consagrou a fase inicial da AD, também conhecida como a primazia do mesmo. Corpus este operacionalizado enquanto arquivo. Nesta mesma época, a AD já se afirma questionando a concepção idealista do sujeito, na qual o discurso deixa-se compreender antes como expressão da subjetividade e, pois, de um sujeito sempre senhor de seu dizer. O que significa ainda pensar o dizer como reflexo direto ou imediato de um querer dizer necessariamente anterior. Ocorre, no entanto, observando a indicação de Pêcheux, que não se pode mais conviver, em AD, com a idéia de um sujeito determinado por suas intenções, onde estas cumpririam não menos que a função de origem enunciadora de seu discurso. (PÊCHEUX apud COSTA, 2005, p.18). A concepção inaugural de sujeito em AD, segundo Pêcheux, caracteriza-se por determiná-lo antes como falado do que por falar à imagem de seu querer dizer. Nesse âmbito, o discurso não assumiu outra formulação senão de máquina autodeterminada e fechada sobre si mesma. (Ibid.). Existiria, portanto, sob o sujeito-enunciador a ação de um

19 19 sujeito-estrutura, a subverter a ilusão corrente do primeiro acreditando-se senhor do próprio discurso, enquanto, porém, não passaria de servo ou suporte deste último. Quanto à proposta metodológica do período, elege-se um corpus fechado de sequências discursivas, oriundas de um espaço discursivo também pensado como fechado, aliás, apresentando, ou antes, exigindo por condição de sua produção uma clara estabilidade e homogeneidade. A análise discursiva, de acordo com Pêcheux, no presente período, não consistiria mais que em detectar e em construir sítios de identidades parafrásticas (proposições de base) características do processo discursivo estudado. (Ibid.). O que merece, com toda razão, ser descrito como um procedimento metodológico automático, prescrevendo, inclusive, uma ordem fixa para o rito de sua aplicação, comprometida, afinal, a trazer à tona as máquinas discursivas atuantes nas sequências discursivas referidas acima. Neste aspecto, deve-se lembrar da significativa influência do método de Zelig Harris, a buscar então reduzir a frases de bases um conjunto de textos produzidos sob as mesmas condições de produção a fim de relacionar dada materialidade discursiva correspondente a uma matriz ideológica com um dado momento histórico. (COSTA, 2005, p.18). Avançase, com isso, para a triangulação fundamental que todo estudo em AD, em geral, obedece: a determinação de uma materialidade discursiva referida tanto a uma matriz ideológica quanto a um dado momento histórico. Para uma compreensão da época, não se podem ignorar as ideias marxistas, principalmente, traduzidas pelo pensamento de Althusser, na definição teóricometodológica da AD. A partir desta referência, compreende-se a produção material da vida humana fundada sobre formações sociais, consequentes com a divisão do trabalho constitutiva de nossas sociedades. Divisão esta inicialmente dada pelas diferenças de aptidões físicas dos indivíduos, a seguir, pela apropriação do excedente de produção por certo grupo em oposição a outro, e, ainda, a separação entre trabalho manual e intelectual, o que, por fim, redundará na divisão de classes que nossas sociedades evidenciam. Na leitura marxista de Althusser, o Estado apresentar-se-á como instância de poder constituída pelas classes dominantes com a missão de <<assegurar (...) as condições políticas da reprodução das relações de produção que são em última análise relações de exploração>>. (ALTHUSSER apud COSTA, 2005, p.18). Esta atuação do Estado ganha corpo pela ação de duas ordens que, desde já, se sabem constituintes do que o define: a

20 20 repressão e a ideologia. Resulta, em especial, desta última a relação constitutiva que se dá entre uma formação social e uma formação ideológica, ponto de vista privilegiado para avaliar as ações dos Aparelhos Ideológicos de Estado (AIEs). A referência de Althusser, em AD, primeiro se justifica por sua sagacidade em entender a ideologia, antes de qualquer coisa, como atitudes e gestos, do que tão-só um conjunto de ideias ou, enfim, uma visão de mundo, simplesmente. Um segundo motivo da contribuição de Althusser, para a AD, devese à ideia de que os AIEs funcionariam por meio da interpelação ao indivíduo para que ele cumpra uma função na estrutura de classes da sociedade. (COSTA, 20005, p.19). A ideologia então assimila o indivíduo, inscrevendo-o em um lugar prévio à ordem de nossa sociedade de classes, destituindo-o de sua individualidade, ora convertida em sujeito, acima de tudo, ideológico, comprometido senão com a reprodução das relações de produção da sociedade em uma de suas classes antagônicas. Aspecto que nunca será de pronto transparente ao próprio indivíduo. A ideologia ser-nos-ia constitutiva como uma zona de sombra em nossa consciência. Decorre de tudo isso, a proposição, avalizada por Pêcheux, de que o discurso revela a materialidade da ideologia. O que, por sua vez, (de) cifra a materialidade discursiva filiada ao gênero ideológico, sendo este, ainda, nomeado de formação ideológica. Pêcheux patrocinou a conjunção de uma teoria da subjetividade, de natureza psicanalítica, ao tripé interdisciplinar que epistemologicamente define até então a AD como disciplina o materialismo histórico, a linguística e a teoria do discurso. Em causa está: entender a relação do indivíduo com a sociedade em que se faz inserido, marcada pela posição de sujeito que, discursivamente, por ele se anima. Neste arranjo de AD, a inconsciência do falante surge como fator decisivo à produção da própria fala nas palavras de Nelson da Costa, é mesmo condição para o exercício da função enunciativa. (COSTA, 2005, p.21). Caracterizam-se, pois, as propostas inaugurais da AD como um projeto a perseguir e desvelar os diversos condicionamentos que constrangem a produção discursiva. Recorte pelo qual se exclui do campo de seu primeiro interesse as produções mais espontâneas, ilustradas pela conversação ordinária e pela linguagem do cotidiano, por exemplo. Em contrapartida, o discurso político foi o alvo preferencial deste momento de afirmação da

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006.

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006. O SUJEITO DA AD: UM CONCEITO EM TRANSFORMAÇÃO Tatiana PICCARDI (Universidade de São Paulo) ABSTRACT: the concept Subject in discourse analysis, specially in French discourse analysis, is changing. In fact,

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1

ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1 ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1 Karilene da Silva Corrêa PG-UEMS A AD Análise do Discurso é uma área da Linguística que tem como objeto de estudo o discurso do locutor. O estudo deste campo de análise

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 Gesualda dos Santos RASIA Universidade federal do Rio Grande do Sul Universidade regional do Noroeste do estado do Rio Grande do Sul O diálogo que

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 LINGUÍSTICA

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG PROJETO DE ENSINO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA: PRÁTICAS DOCENTES E MATERIAIS DIDÁTICOS IDENTIFICAÇÃO DA AÇÃO: COORDENADOR

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER Isaac Alencar Pinto 1 isaacalencar@gmail.com Segundo Foucault (2002), saber é poder. Ambos estão correlacionados

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social.

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. Silvana Dóris Perin 1 RESUMO: O presente artigo aborda a necessidade do conhecimento da realidade social para efetivação da práxis

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS RESENHA A CORAGEM DA TEORIA ORLANDI, E. P. Ciência da Linguagem e Política: anotações ao pé das letras. Campinas: Pontes, 2014, 128 pp. Pensar sozinho isto é sábio. Nietzsche para ler ao som de Panis et

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO RESUMO TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO Laura Amaral Kümmel Frydrych (UFRGS) Luiza Milano Surreaux (UFRGS) O presente trabalho propõe apresentar uma abordagem teórico-metodológica

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios Marcus Vinicius Barbosa SILVA; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia - Universidade Federal de Goiás marvinifchf@yahoo.com.br; carmelaf@terra.com.br

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais