Funções dos Ingredientes na Panificação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Funções dos Ingredientes na Panificação"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze

2 Panificação Os principais ingredientes do pão são: farinha de trigo, água, levedura e sal; Pode-se acrescentar outros ingredientes como farinha de outros cereais, gorduras, farinha de soja, emulsificantes, leite e produtos lácteos, fruta e glúten.

3 Processamento O processamento Preparo da massa; Fermentação; Cozimento.

4 Farinha de trigo Qualidade da farinha fatores inerentes ao trigo dependem dos processos de armazenamento e moagem O teor e a qualidade das proteínas formadoras de glúten da farinha de trigo são os principais fatores responsáveis pelo seu potencial de panificação (boa elasticidade, resistência e estabilidade). Atualmente no Brasil toda farinha de trigo deve ser enriquecida com ácido fólico e ferro, conforme Resolução RDC nº 344, de 13 de dezembro de Essa medida visa auxiliar a redução de problemas de saúde como a anemia e as doenças de má formação fetal do tubo neural

5 Farinha de trigo Uma farinha de trigo é dita: forte por ter uma maior quantidade de proteínas; dura quando tem uma quantidade maior de amido.

6 Água A água é um agente plastificante e dissolvente. Controla a temperatura da massa Assegura a união das proteínas que dão origem ao glúten, mas o excesso provoca o enfraquecimento do glúten Para dissolver açúcares e enzimas: necessários para a fermentação. Controla a maciez e palatabilidade do pão Intumesce o amido

7 Sal Sal - pequenas quantidades (1,8 2,2 % em relação a farinha): 1. Características reológicas da massa: massa com sal é mais firme já que a gliadina dissolve menos facilmente em soluções salinas. 2. Crosta: pão com sal tem um crosta mais crocante. 3. Melhora o sabor final do produto 4. Microbiologia do pão inibição, quanto mais sal for adicionado mais levedura deve ser adicionada para o mesmo tempo de fermentação do pão

8 Fermento Biológico Saccharomyces cerevisiae 1 g de levedura contém cerca de 10 bilhões de células; Fermentação dos açúcares; A principal função é para produção de CO 2 para expansão; Fermento prensado fresco e o fermento biológico seco, perdem sua ação a partir de 45 C. Fermentação C 6 H 12 O 6 2CO 2 + 2C 2 H 5 OH kj 1 g açúcar = 0,464 g dióxido de carbono + 0,486 alcool + 0,05 g compostos aromáticos voláteis

9 Fermentação 1. Repouso 2. Temperatura ótima de C 3. Umidade relativa: 75-80% OBS: T ótima: retarda o processo T ótima: reduz a capacidade de retenção de gás UR causa secagem da massa UR torna a massa pegajosa

10 Açúcar Açúcar: 1.Fermentação (nutriente para a levedura) 2.Cor da casca (reação de Maillard) 3.Gosto 4.Estrutura do miolo 5.Volume A levedura pode fermentar somente monossacarídeos (glicose ou frutose). Dissacarídeos como sacarose, lactose e maltose devem primeiro ser transformadas, enzimaticamente, em monossacarídeos. Influência da concentração do açúcar na cor da casca do pão

11 Outros Ingredientes: Emulsificantes Mistura de fases imiscíveis: aguá versus gordura; Efeitos no pão: 1. Aumento do volume 2. Estrutura mais fina do miolo 3. Miolo mais macio 4. Aumento da estabilidade da massa

12 Leite: contém lactose; Outros Gorduras: lubrifica a rede de glúten e melhora a maciez do miolo (manteiga, margarina, óleo); Melhoradores - Este termo engloba qualquer ingrediente adicionado para melhorar o potencial de panificação de uma farinha. EMULSIFICANTES Polisorbato Lecitina Mono e diglicerídeos Ésteres de Ácidos Graxos ENZIMAS Alfa-amilase Lipase Protease

13 Amilases: Aumentam os açúcares fermentescíveis, (produção de gás) Retardam o envelhecimento precoce do pão Aumentam o volume do pão α-amilase β-amilase Proteases: 1. Causam a cisão das ligações peptídicas na estrutura do glúten. 2. Inicia-se na mistura e continua na fermentação até o cozimento. 3. benefícios: redução de tempo de mistura, aumenta a extensibilidade da massa. Lipases: 1. Hidrolisa lipídeos em glicerol e ácidos graxos. 2. Relacionados a estabilidade e ao armazenamento.

14 Panificação Processamento 4 parâmetros 1. Mistura 2. Fermentação 3. Cozimento 4. Resfriamento 5. Embalagem 1. quantidade 2. temperatura 3. umidade 4. tempo

15 Cozimento Tratamento térmico do amido e da proteína. Inativação das enzimas e do fermento. Formação da crosta. Desenvolvimento de aroma e gosto.

16 Assamento de pães 220 o C Transformação da massa, através de ação de calor, em um produto digerível e com aroma e paladar agradáveis O produto apresenta Volume final (textura, maciez, etc...) Digestibilidade Cor, aroma e gosto

17 Transformação da massa para pão no assamento

18 ASSAMENTO Mudanças Físicas: -Expansão de gás -Evaporação de compostos voláteis (álcool etc...) e água -Perda de Umidade (10-12%) 220 ºC -Formação da crosta Mudanças Químicas: -Gelatinização do amido -Desnaturação das proteínas -Reação de escurecimento não enzimático: Maillard Estas mudanças resultam em: Aumento de volume; Textura ; Sabor e Aroma

19 Transformação da massa 75 o C : Máximo pico de gelatinização: Desnaturação de glúten 65 o C : Inativação de enzimas o C : Morte de levedura: Inicio da gelatinização do amido

20 100 o C: Grande quantidade da formação de vapor 79 o C : Vaporização de álcool 75 o C : Máximo pico de gelatinização : Desnaturação de glúten

21 Mecanismo Armazenamento e Envelhecimento - Perda de umidade do miolo(e/ou redistribuição de umidade de miolo para crosta) Retrogradação do amido Exsudação de água (sinérese)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS (Prof. Dr. Tiago André Kaminski) EXERCÍCIOS PARA 2ª PROVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS (Prof. Dr. Tiago André Kaminski) EXERCÍCIOS PARA 2ª PROVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS (Prof. Dr. Tiago André Kaminski) EXERCÍCIOS PARA 2ª PROVA BIOQUÍMICA DOS OVOS 1) Complete as sentenças. a) A membrana da casca protege

Leia mais

BIOQUÍMICA NA PANIFICAÇÃO. Prof. Dr. Tiago André Kaminski

BIOQUÍMICA NA PANIFICAÇÃO. Prof. Dr. Tiago André Kaminski BIOQUÍMICA NA PANIFICAÇÃO Prof. Dr. Tiago André Kaminski MASSAS DE PANIFICAÇÃO Importância nutricional e econômica São formadas a partir de diversas TRANSFORMAÇÕES que ocorrem na preparação ASSOCIADAS

Leia mais

MOINHOS A Prozyn oferece soluções completas e inovadoras para a indústria do trigo.

MOINHOS A Prozyn oferece soluções completas e inovadoras para a indústria do trigo. MOINHOS A Prozyn oferece soluções completas e inovadoras para a indústria do trigo. Com amplo portfólio de enzimas e outros bioingredientes, nosso time de especialistas desenvolve soluções sob a ótica

Leia mais

Baguete folheada três queijos Costa Lavos INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 40g - 1/4 unidade

Baguete folheada três queijos Costa Lavos INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 40g - 1/4 unidade Baguete folheada três queijos Costa Lavos Porção de - 1/ unidade 1kcal - 2 kj,2g,,g 2,g,g,g 1mg 11 12 dependendo de suas necessidades energéticas. VD não estabelecido. Ingredientes: farinha de trigo enriquecida

Leia mais

Cereais e Produtos de Padaria Pão e Pasteis 5

Cereais e Produtos de Padaria Pão e Pasteis 5 Cereais e Produtos de Padaria Pão e Pasteis 5 25 Problema? o forno está muito quente escolher a temperatura certa As temperaturas de cozedura variam dependendo do tipo de pão. Pão de trigo é cozido em

Leia mais

O papel das fibras nos alimentos. Mestrando: Joel Pimentel de Abreu

O papel das fibras nos alimentos. Mestrando: Joel Pimentel de Abreu O papel das fibras nos alimentos Mestrando: Joel Pimentel de Abreu O que é fibra alimentar As fibras alimentares são compostos vegetais presentes na dieta, como celulose, hemicelulose, pectinas, gomas,

Leia mais

1.1. Classifique-os quanto ao nº de átomos de carbono, número de unidades monoméricas.

1.1. Classifique-os quanto ao nº de átomos de carbono, número de unidades monoméricas. 1. O que são carboidratos? Quais os mais importantes do ponto de vista nutricional? São moléculas orgânicas formadas por carbono, hidrogênio e oxigênio e constituem as biomoléculas mais abundantes na natureza.

Leia mais

IREKS aroma, sabor e cor: produtos de malte

IREKS aroma, sabor e cor: produtos de malte Setembro/Outubro 2016 IREKS aroma, sabor e cor: produtos de malte O malte é um produto natural com grande tradição e cada vez mais valorizado na indústria da panificação. Desde meados do século XIX que

Leia mais

PANIFICAÇÃO INDUSTRIAL

PANIFICAÇÃO INDUSTRIAL PANIFICAÇÃO INDUSTRIAL A Prozyn oferece soluções completas e inovadoras para panificação industrial. Com amplo portfólio de enzimas e outros bioingredientes, nosso time de especialistas desenvolve soluções

Leia mais

MELHORAR É ESSENCIAL. Cereais e Alimentos

MELHORAR É ESSENCIAL. Cereais e Alimentos MELHORAR É ESSENCIAL Cereais e Alimentos Nutrição e biotecnologia em sintonia com as tendências. Com o posicionamento de ser essencial, a Granolab Granotec uniu a biotecnologia à nutrição. Criamos, multiplicamos

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:32 horas do dia 06 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Esteio, designado pela portaria 0185/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ENERGIA PELOS SERES VIVOS

TRANSFORMAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ENERGIA PELOS SERES VIVOS Prof. Ana Rita Rainho TRANSFORMAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ENERGIA PELOS SERES VIVOS Fermentação www.biogeolearning.com 1 Fluxo de energia nos sistemas biológicos A energia radiante é captada pelos seres fotossintéticos

Leia mais

CARBOIDRATOS Classificação: De acordo com o número de moléculas em sua constituição temos: I- MONOSSACARÍDEOS ( CH 2 O) n n= varia de 3 a 7 Frutose Ga

CARBOIDRATOS Classificação: De acordo com o número de moléculas em sua constituição temos: I- MONOSSACARÍDEOS ( CH 2 O) n n= varia de 3 a 7 Frutose Ga CARBOIDRATOS Os carboidratos são as biomoléculas mais abundantes na natureza. Para muitos carboidratos, a fórmula geral é: [C(H2O)]n, daí o nome "carboidrato", ou "hidratos de carbono" -São moléculas que

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO CURSO DE NUTRIÇÃO E METABOLISMO TÉCNICA DIETÉTICA I CEREAIS E MASSAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO CURSO DE NUTRIÇÃO E METABOLISMO TÉCNICA DIETÉTICA I CEREAIS E MASSAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO CURSO DE NUTRIÇÃO E METABOLISMO TÉCNICA DIETÉTICA I CEREAIS E MASSAS OUTUBRO / 2017 CONCEITO ALIMENTOS DE ORIGEM VEGETAL FORMADOS POR GRÃOS

Leia mais

Constituintes químicos dos seres vivos

Constituintes químicos dos seres vivos REVISÃO Bioquímica Constituintes químicos dos seres vivos S A I S I N O R G Â N I C O S CARBOIDRATOS São denominados: açúcares, hidratos de carbono, glicídios ou glicosídeos Energia para o trabalho celular

Leia mais

CH 2 H H. β-galactose α-frutose β-ribose (gomas das plantas, parte pegajosa) (açúcar das frutas) (parte do RNA, ácído ribonucléico) H 4.

CH 2 H H. β-galactose α-frutose β-ribose (gomas das plantas, parte pegajosa) (açúcar das frutas) (parte do RNA, ácído ribonucléico) H 4. bs: A α-glicose e a β-glicose deferem entre si apenas pela posição do grupo do C abaixo ou acima do plano do anel respectivamente. Exemplos de Monossacarídeos: C C C C β-galactose α-frutose β-ribose (gomas

Leia mais

ÓLEOS E GORDURAS (LIPÍDEOS) - TRIGLICERÍDEOS

ÓLEOS E GORDURAS (LIPÍDEOS) - TRIGLICERÍDEOS Moléculas Orgânicas constituintes dos seres vivos (Biomoléculas Orgânicas) Gorduras ou Lipídeos (Triglicerídeos) Derivadas de ácidos graxos e podem se classificar em: Gorduras Saturadas Gorduras insaturadas

Leia mais

Principais constituintes dos alimentos. Glícidos Lípidos Prótidos vitaminas água sais minerais

Principais constituintes dos alimentos. Glícidos Lípidos Prótidos vitaminas água sais minerais Principais constituintes dos alimentos Glícidos Lípidos Prótidos vitaminas água sais minerais Nutrientes e seus constituintes GLÍCIDOS ou HIDRATOS DE CARBONO Função: O seu papel principal é fornecer a

Leia mais

Bioquímica do queijo e iogurte. Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira

Bioquímica do queijo e iogurte. Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira Bioquímica do queijo e iogurte Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira Descrição O queijo é um concentrado lácteo constituído de proteínas, lipídios, carboidratos, sais minerais, cálcio, fósforo e vitaminas,

Leia mais

Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros

Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros SENAI / Vassouras Adjuntos Definição: Matéria-prima que substitui parcialmente o malte de cevada como fonte

Leia mais

PANIFICAÇÃO: UMA VISÃO BIOQUÍMICA BAKERY: A VISION BIOCHEMISTRY

PANIFICAÇÃO: UMA VISÃO BIOQUÍMICA BAKERY: A VISION BIOCHEMISTRY PANIFICAÇÃO: UMA VISÃO BIOQUÍMICA BAKERY: A VISION BIOCHEMISTRY Cássia Priscilla Santos DUARTE; Camila Alves CARVALHO; Andréia Silva BATISTA; Giselle Medeiros da Costa ONE Resumo: O pão é o alimento é

Leia mais

TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS

TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS Profa. MSc. Juliana Schmidt Galera O amido é a principal substância de reserva nas plantas superiores e fornece de 70 a 80% das calorias consumidas pelo homem. A produção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO BEWI-SPRAY DESCRIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO BEWI-SPRAY DESCRIÇÃO BEWI-SPRAY-20-20 1. DESCRIÇÃO Bewi-20-20 é um excelente produto utilizado na alimentação de leitões. Consiste na combinação de proteína de soro de alta qualidade, proteína de glúten de trigo rica em Glutamina,

Leia mais

Pode ser polimerizada, estocada, transportada e liberada rapidamente quando o organismo precisa de energia ou para compor estruturas especiais

Pode ser polimerizada, estocada, transportada e liberada rapidamente quando o organismo precisa de energia ou para compor estruturas especiais Pode ser polimerizada, estocada, transportada e liberada rapidamente quando o organismo precisa de energia ou para compor estruturas especiais Precursor de intermediários metabólicos em várias reações

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO

ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO 1. Açúcar Cristal puro e natural sem sujeiras, insetos ou corpos estranhos Saco plástico atóxico de 1kg acondicionados em fardo de 10kg a 2. Arroz Subgrupo parabolizado

Leia mais

A Química da Vida. Gabriela Eckel

A Química da Vida. Gabriela Eckel A Química da Vida Gabriela Eckel Água A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. Porém, um conjunto de outras substâncias como, por

Leia mais

A química da vida Samuel Rutsatz

A química da vida Samuel Rutsatz A química da vida Samuel Rutsatz Água na célula As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição entre 75-85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um ser vivo é

Leia mais

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira TÉCNICA DIETÉTICA I Prof. Msc. Isabelle Oliveira 1 Cereais Alimentos de origem vegetal, amplamente consumidos. O nome deriva da deusa grega, Ceres, deusa da agricultura e da colheita. São grãos que provém

Leia mais

NÚCLEO ALIMENTOS. Campinas. Barra Funda. Marília. Derivados de Farinhas: Pães, Massas e Bolos. Carnes e Derivados. Chocolates. Alimentos para Animais

NÚCLEO ALIMENTOS. Campinas. Barra Funda. Marília. Derivados de Farinhas: Pães, Massas e Bolos. Carnes e Derivados. Chocolates. Alimentos para Animais NÚCLEO ALIMENTOS Barra Funda Derivados de Farinhas: Pães, Massas e Bolos Análise Sensorial Sorvetes Laboratórios de Análise em Alimentos Campinas Carnes e Derivados Alimentos para Animais Chocolates Laboratórios

Leia mais

CABAZ FORTALEZA DE SAGRES

CABAZ FORTALEZA DE SAGRES CABAZ FORTALEZA DE SAGRES Vinho Tinto Alentejano Pacato Herdade Monte da Cal Vale de Paredes Novo 7460-100 São Saturnino - Consumir a: 16-18 C Teor Alcoólico: 13% Contém Sulfitos Não aconselhável a grávidas

Leia mais

Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes Peso líquido

Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes Peso líquido Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes TRUFAS BENDITO CACAU 225G Trufa de chocolate amargo recheadas. Aromatizado artificialmente Colorido artificialmente 225G Trufa

Leia mais

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES NUTRIENTES SÃO SUBSTÂNCIAS QUE ESTÃO INSERIDAS NOS ALIMENTOS E POSSUEM FUNÇÕES VARIADAS NO ORGANISMO. PODEM SER ENCONTRADOS EM DIFERENTES ALIMENTOS, POR

Leia mais

Influência da Atividade de Água nas Reações Químicas e Bioquímicas

Influência da Atividade de Água nas Reações Químicas e Bioquímicas Influência da Atividade de Água nas Reações Químicas e Bioquímicas Tânia M. M. Shibata Decagon Devices LatAm. O que você deseja? Algumas perguntas antes de iniciarmos a apresentação Alimentos, Fármacos

Leia mais

Composição química. Profª Maristela. da célula

Composição química. Profª Maristela. da célula Composição química Profª Maristela da célula Compostos inorgânicos Água Sais minerais Compostos orgânicos Carboidratos Lipídios Proteínas Ácidos nucleicos Vitaminas Água Solvente universal Atua no transporte

Leia mais

Propriedades e Funções dos Alimentos nas Preparações Culinárias

Propriedades e Funções dos Alimentos nas Preparações Culinárias Propriedades e Funções dos Alimentos nas Preparações Culinárias Fonte: Jacobs Jr, DR & Tapsell LC 2013. Food synergy: the key to a healthy diet. Proceeding of the Nutrition Society 72, 2, 200-206 Conceito

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS 1. INTRODUÇÃO GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS O pão francês é um alimento tradicionalmente consumido pela população brasileira, principalmente em refeições como o café da manhã e o lanche

Leia mais

Fermento Massa Sal Seco Instantâneo

Fermento Massa Sal Seco Instantâneo Os melhores ingredientes em boas mãos Fermento Biológico Fresco Fermento Biológico Seco Instantãneo Fermento Massa Sal Fermento Biológico Seco Instantâneo Ideal para massas com até 7,5% de açúcar Não precisa

Leia mais

Lipídeos. Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas

Lipídeos. Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas BIOQUÍMICA Lipídeos Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas LIPÍDEOS São ÉSTERES derivados de ácidos graxos superiores. Ex1: São divididos em: Cerídeos Glicerídeos Fosfatídeos Esteroides CERÍDEOS

Leia mais

üas amilases hidrolisam as ligações a-1,4. üas amilases podem ser divididas em três grupos:

üas amilases hidrolisam as ligações a-1,4. üas amilases podem ser divididas em três grupos: AS ENZIMAS DO PÃO A FARINHA CONTÉM NATURALMENTE AMILASES E PROTEASES (naturalmente presente no grão) Enzimas convertem amido danificado ou gelatinizado ð em fonte de açúcares para o fermento. Temperatura

Leia mais

Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Rod. Admar Gonzaga, 1.346, CEP , Florianópolis - SC.

Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Rod. Admar Gonzaga, 1.346, CEP , Florianópolis - SC. TESTE DE PANIFICACAO EM PEQUENA ESCALA E SUA RELACAO COM ANÁLISES DE GLUTEN E ALVEOGRAFIA Tatiana Oro 1, Martha Zavariz de Miranda 2 e Alicia De Francisco 1 1 Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos,

Leia mais

TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G

TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G Tablete de chocolate ao leite com castanha de caju Peso Líquido 100g Porção de 25g (3 quadrados) Valor Energético 140kcal = 588kJ 7% Carboidratos 13g 4% Proteínas 1,9g

Leia mais

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Química e Bioquímica de Alimentos Componentes principais Proteína INTRODUÇÃO Proteínas Macromoléculas compostas de vários

Leia mais

A Química do. p Ver video online

A Química do. p Ver video online A Desvendar a Química do dia-a-dia A Química do PÃO p Ver video online Hoje vamos falar da química de algo que, além de fazer parte da história da humanidade e de ser um dos mais importantes alimentos

Leia mais

LAN1616 TECNOLOGIA DE BEBIDAS.

LAN1616 TECNOLOGIA DE BEBIDAS. LAN1616 TECNOLOGIA DE BEBIDAS giovanni.silvello@usp.br História Resquícios arqueológicos apontam para domínio da fabricação em 6.000 a.c.; Origem no Oriente Médio ou no Egito (?); Processo semelhante à

Leia mais

Ficha Técnica de Produtos BLEND WHEY

Ficha Técnica de Produtos BLEND WHEY Descrição: É um alimento protéico para atletas que possui em sua formulação uma junção de proteínas de rápida absorção e time release, com acréscimo de enzimas digestivas para auxiliar na digestibilidade

Leia mais

Processos de conservação de frutas e hortaliças pelo frio

Processos de conservação de frutas e hortaliças pelo frio Processos de conservação de frutas e hortaliças pelo frio EL36C TECNOLOGIA DE FRUTAS E HORTALIÇAS Profa. Roberta de Souza Leone Conservação de Alimentos Pelo Frio HISTÓRICO Método antigo Aplicação contínua

Leia mais

ESTUDANDO OS NUTRIENTES

ESTUDANDO OS NUTRIENTES E.M.E.F. JEAN PIAGET DISCIPLINA DE CIÊNCIAS TURMA: T6 ESTUDANDO OS NUTRIENTES ALUNOS: ANA PAULA SILVANO MARÌLIA VARGAS PROF.: ANELISE VOLKWEISS PORTO ALEGRE, 27 DE OUTUBRO DE 2010 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO...3pg

Leia mais

Os ingredientes fundamentais do pão são a farinha de trigo, a água, o sal e a levedura de padeiro.

Os ingredientes fundamentais do pão são a farinha de trigo, a água, o sal e a levedura de padeiro. 1 Porque é que se tem tanto trabalho a fazer pão e não se mastigam antes os grãos de trigo, se faz uma boa papa com a sua farinha ou mesmo uns scones? Seria bem mais rápido e prático. Mas toda a trabalheira

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 3º EM Biologia A Josa Av. Dissertativa 25/05/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Fontes de Microrganismos

Fontes de Microrganismos Fontes de Microrganismos Os microrganismos de Interesse Industrial pode ser obtidos: Isolamento de recursos naturais: (solo, água, plantas, etc); Compra em coleções de cultura: (Agricultural Research Service

Leia mais

Avaliação Quantitativa das Preparações Enzimáticas

Avaliação Quantitativa das Preparações Enzimáticas Avaliação Quantitativa das Preparações Enzimáticas Como diferenciar enzimas? Quando não podemos determinar a concentração de uma enzima devemos diferenciar as enzimas por sua atividade (moléculas não podem

Leia mais

Remoção de amido sem residual de alfa-amilases no açúcar. Rafael Borges Coordenador de P&D

Remoção de amido sem residual de alfa-amilases no açúcar. Rafael Borges Coordenador de P&D Remoção de amido sem residual de alfa-amilases no açúcar Rafael Borges Coordenador de P&D AGENDA Prozyn Bio Solutions Ação enzimática Amido como espessante em alimentos Residual de amilase em açúcar StarMax

Leia mais

Review. Processos Químicos Industriais II

Review. Processos Químicos Industriais II Review Processos Químicos Industriais II Sacarose > 15% Extração de 94 a 97 % da sacarose gerando bagaço com umidade final de 50%. Concentrar o caldo decantado, através da retirada de água, elevando

Leia mais

4 Colheres de farinha com fermento 4 Colheres de açúcar 2 Colheres de cacau 1 Ovo 3 Colheres de sopa de Leite 3 Colheres de sopa de Óleo

4 Colheres de farinha com fermento 4 Colheres de açúcar 2 Colheres de cacau 1 Ovo 3 Colheres de sopa de Leite 3 Colheres de sopa de Óleo Bolo na Caneca 4 Colheres de farinha com fermento 4 Colheres de açúcar 2 Colheres de cacau 1 Ovo 3 Colheres de sopa de Leite 3 Colheres de sopa de Óleo Preparação: Na altura de fazer o bolo, deita numa

Leia mais

EXTRUSÃO 02/11/2010. O alimento passa, então, para a seção do canhão com o menor passo, onde a pressão e o cisalhamento são ainda maiores

EXTRUSÃO 02/11/2010. O alimento passa, então, para a seção do canhão com o menor passo, onde a pressão e o cisalhamento são ainda maiores A extrusão é um processo que combina várias operações unitárias, incluindo mistura, cozimento, amassamento, cisalhamento, formação e moldagem EXTRUSÃO Os extrusores são classificados de acordo com o método

Leia mais

Conservação de alimentos pelo uso de processos fermentativos

Conservação de alimentos pelo uso de processos fermentativos Ciência e Tecnologia de Alimentos Conservação de alimentos pelo uso de processos fermentativos Prof. Angelita Leitão 1º semestre 2017 O que é fermentação? È um processo de transformação de uma substância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Derivados lácteos Med. Vet. Karoline Mikaelle de Paiva Soares Leites Fermentados Padrões

Leia mais

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. - 4º módulo -

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. - 4º módulo - Curso de rotulagem geral de alimentos embalados - 4º módulo - Legislação Resolução RDC nº259/2002 Anvisa Resolução RDC nº277/2005 Anvisa Resolução RDC nº340/2002 Anvisa Resolução RDC nº344/2002 Anvisa

Leia mais

Cor. Sabor e variedade sempre em novas dimensões

Cor. Sabor e variedade sempre em novas dimensões Sabor e variedade sempre em novas dimensões Cor Aroma Sabor Uma empresa IREKS GmbH e Cooperativa AGRÁRIA Agroindustrial IREKS DO BRASIL S.A. Avenida Paraná, 200 Vitória - Entre Rios 85139-400 - Guarapuava

Leia mais

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto Bioquímica: orgânicos e inorgânicos necessários à vida Leandro Pereira Canuto Toda matéria viva: C H O N P S inorgânicos orgânicos Água Sais Minerais inorgânicos orgânicos Carboidratos Proteínas Lipídios

Leia mais

Soluções em equipamentos para a indústria do trigo

Soluções em equipamentos para a indústria do trigo Soluções em equipamentos para a indústria do trigo Equipamentos para análise DE Trigo e farinha Análises reológicas alveógrafo O resultado reológico da mistura de diferentes variedades de trigo pela produção

Leia mais

CIÊNCIAS - ALIMENTOS. Prof. Mário Castro 1º Bimestre CEF 02 ESCOLA PAROQUIAL

CIÊNCIAS - ALIMENTOS. Prof. Mário Castro 1º Bimestre CEF 02 ESCOLA PAROQUIAL CIÊNCIAS - ALIMENTOS Prof. Mário Castro 1º Bimestre - 2014 CEF 02 ESCOLA PAROQUIAL NUTRIÇÃO Nutrição: É o conjunto de processo integrados que envolve a digestão, respiração, circulação e excreção. Digestão:

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE EMULSIFICANTES SOBRE OS PARÂMETROS DE TEXTURA DA MASSA CONGELADA DE PÃO FRANCÊS ATRAVÉS DE UM PROJETO DE MISTURA

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE EMULSIFICANTES SOBRE OS PARÂMETROS DE TEXTURA DA MASSA CONGELADA DE PÃO FRANCÊS ATRAVÉS DE UM PROJETO DE MISTURA ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE EMULSIFICANTES SOBRE OS PARÂMETROS DE TEXTURA DA MASSA CONGELADA DE PÃO FRANCÊS ATRAVÉS DE UM PROJETO DE MISTURA MATUDA, T. G.*; ROMEU, C. C.; TAVARES, D. T.; TADINI, C. C. Universidade

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Às 16:39 horas do dia 31 de maio de 2012, após analisados todos os atos processuais do Pregão Pregão Eletrônico 041/2012, referente ao processo 090/2012, o Sr(a). MARIA MARGARETH REZENDE,

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 17:31 horas do dia 15 de fevereiro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Campo Bom, designado pela portaria 32.487/2012 após analise da documentação do Pregão

Leia mais

Enzimas aplicadas na indústria de alimentos

Enzimas aplicadas na indústria de alimentos Enzimas aplicadas na indústria de alimentos Álcool e derivados Amidos e açúcares Cervejaria Sucos de frutas Aplicações das enzimas no setor alimentício Latícinios e derivados Vinicultura Panificação e

Leia mais

Provável que os egípcios tenham sido os primeiros na elaboração de uma cerveja sem álcool 4000 anos atrás

Provável que os egípcios tenham sido os primeiros na elaboração de uma cerveja sem álcool 4000 anos atrás CERVEJAS SEM ÁLCOOL Daiana P. P. Silva NºUSP 8562687 Isabela Costa N USP 856270 Vitoria Bagarollo Veiga N USP 8562815 Monalisa L. Nepomoceno N USP 8562652 Histórico e Conceito Provável que os egípcios

Leia mais

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS Glicídios ou Açúcares COMPOSIÇÃO DOS CARBOIDRATOS Compostos constituídos principalmente de: Carbono, Hidrogênio Oxigênio Principal fonte de energia para os seres vivos.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE FERMENTAÇÃO E DE FORNEAMENTO PARA ELABORAÇÃO DA TABELA NUTRICIONAL DE PÃES

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE FERMENTAÇÃO E DE FORNEAMENTO PARA ELABORAÇÃO DA TABELA NUTRICIONAL DE PÃES AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE FERMENTAÇÃO E DE FORNEAMENTO PARA ELABORAÇÃO DA TABELA NUTRICIONAL DE PÃES W.S. Cardoso 1, G. Pizzol 1, L.H.R. Barbosa 1, V.B. Finoti 1, F.A. Pinheiro 1, K.R. Ghidetti 1 1 - Coordenadoria

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS CRÉDITOS: 04

TECNOLOGIA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS CRÉDITOS: 04 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT

Leia mais

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA)

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa RESPIRAÇÃO Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) I- INTRODUÇÃO Plantas: Transformam energia luminosa em energia

Leia mais

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação 10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação DEFEITO ASPECTO CAUSA PROCEDIMENTO a) massa dura a) ajustar a consistência da massa b) pouco descanso b) aumentar o tempo de descanso c) massa encascada

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Às 14:18 horas do dia 27 de fevereiro de 2012, após analisados todos os atos processuais do Pregão Pregão Presencial PP007/2012 PMCB, referente ao processo 007/2012, o Sr(a). Faisal

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Farmácia Disciplina: Bromatologia Professor(es): Eder de Carvalho Pincinato DRT: 1134997 Código da Disciplina: 061.1401.6 Etapa: 4

Leia mais

SABES O QUE ESTÁS A COMER?

SABES O QUE ESTÁS A COMER? SABES O QUE ESTÁS A COMER? Interpretar RÓTULOS de produtos alimentares Conhecer os INGREDIENTES dos PRODUTOS ALIMENTARES Descobrir o significado de DDR Saber a diferença entre produto alimentar MAGRO e

Leia mais

O PÃO. Existem dois tipos básicos de pão:

O PÃO. Existem dois tipos básicos de pão: PANIFICAÇÃO O PÃO Pão é um alimento elaborado com farinha, geralmente de trigo ou outro cereal, água e sal, formando uma massa com uma consistência elástica que permite dar-lhe várias formas. A esta mistura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL INSPEÇÃO DE MEL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO POA MAPA Mel Instrução Normativa

Leia mais

O começo de uma grande receita

O começo de uma grande receita O começo de uma grande receita Fermento Biológico Fresco Massa Sal Ideal para massas com até 7,5% de açúcar Alto poder fermentativo Uniformidade de ação Massa Congelada Massa Doce Melhor desempenho em

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL SRP Nº 16/2017 ATA DA REUNIÃO PARA DIVULGAÇÃO DA ANALISE DAS AMOSTRAS

PREGÃO PRESENCIAL SRP Nº 16/2017 ATA DA REUNIÃO PARA DIVULGAÇÃO DA ANALISE DAS AMOSTRAS PREGÃO PRESENCIAL SRP Nº 16/2017 ATA DA REUNIÃO PARA DIVULGAÇÃO DA ANALISE DAS AMOSTRAS Às dez horas e trinta minutos do dia quatorze do mês de setembro de dois mil e dezessete, foi aberta no SENAC-DF,

Leia mais

SECAGEM. Profa. Marianne Ayumi Shirai. Secagem

SECAGEM. Profa. Marianne Ayumi Shirai. Secagem Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Londrina Departamento Acadêmico de Alimentos SECAGEM Profa. Marianne Ayumi Shirai Secagem Aplicação de calor sob condições controladas para remover, por

Leia mais

Noções sobre alguns compostos presentes em seres vivos

Noções sobre alguns compostos presentes em seres vivos Capítulo 34 Noções sobre alguns compostos presentes em seres vivos Triacilgliceróis Os óleos e as gorduras, de origem animal ou vegetal, são ésteres derivados do glicerol e de ácidos graxos. O glicerol

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR MARESA CUSTODIO MOLINARI PROF. DR. MIGUEL APARICIO RODRIGUEZ Autorizo

Leia mais

Principais funções dos sais minerais:

Principais funções dos sais minerais: A Química da Vida Água Água mineral é a água que tem origem em fontes naturais ou artificiais e que possui componentes químicos adicionados, como sais, compostos de enxofre e gases que já vêm dissolvidas

Leia mais

Carboidratos em Alimentos e Nutrição

Carboidratos em Alimentos e Nutrição Carboidratos em Alimentos e Nutrição Definição, estrutura, ocorrência e José A G Arêas Definição clássica C n ( 2 O) n Uma série de compostos de importância biológica e nutricional. a b? a - a

Leia mais

CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS

CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS Crescimento e atividade de microrganismos; Insetos; DETERIORAÇÃO DOS ALIMENTOS Ação de enzimas autolíticas do próprio alimento; Reações químicas espontâneas não catalisadas por

Leia mais

Cereais. Disciplina: Produção e Composição de Alimentos HNT 205 Prof. Eduardo Purgatto Departamento de Nutrição Faculdade de Saúde Pública USP

Cereais. Disciplina: Produção e Composição de Alimentos HNT 205 Prof. Eduardo Purgatto Departamento de Nutrição Faculdade de Saúde Pública USP Cereais Disciplina: Produção e Composição de Alimentos HNT 205 Prof. Eduardo Purgatto Departamento de Nutrição Faculdade de Saúde Pública USP 2016 CEREAL: deusa da colheita CERES. Gramíneas : trigo, arroz,

Leia mais

Carboidratos 18/03/2010. Douglas Siqueira de A. Chaves

Carboidratos 18/03/2010. Douglas Siqueira de A. Chaves Carboidratos Douglas Siqueira de A. Chaves 2 Carboidratos s carboidratos são substâncias orgânicas também chamadas de hidratos de carbono. Estes nomes foram dados porque, na molécula da maior parte dos

Leia mais

1,84g / 100g 0,98g / 100g 27mg / 100g INFORMAÇÃO NUTRICIONAL. 2,35g / 100g 1,59g / 100g 26mg / 100g INFORMAÇÃO NUTRICIONAL. Produto: MY TOFFEE LEITE

1,84g / 100g 0,98g / 100g 27mg / 100g INFORMAÇÃO NUTRICIONAL. 2,35g / 100g 1,59g / 100g 26mg / 100g INFORMAÇÃO NUTRICIONAL. Produto: MY TOFFEE LEITE MY TOFFEE LEITE GLUCOSE, AÇÚCAR, LEITE CONDENSADO, GORDURA DE PALMA, SORO DE LEITE, MANTEIGA, SAL, EMULSIFICANTES MONO E DIGLICERÍDEOS DE ÁCIDOS GRAXOS E LECITINA DE SOJA, 1,84g / 100g 0,98g / 100g 27mg

Leia mais

Professora: Letícia F. Melo

Professora: Letícia F. Melo Professora: Letícia F. Melo O que é bioquímica? É o ramo da química que estuda principalmente as reações químicas dos processos biológicos que ocorrem em todos os seres vivos. Estuda as macromoléculas

Leia mais

16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias

16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias 1 2 leveduras algas bactérias 1 3 leveduras relevância no aumento de alimentos disponíveis boa fonte de proteínas e vitaminas crescem em diversos tipos de resíduos envólucros de cereais, maçarocas de milho,

Leia mais

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA?

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS: CARBONO, HIDROGÊNIO, OXIGÊNIO E NITROGÊNIO FORMAM CADEIAS LONGAS E COMPLEXAS

Leia mais

Tecnologia da Soja 22/2/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria

Tecnologia da Soja 22/2/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Tecnologia e Processamento de Grãos Armazenáveis Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

INTRODUÇÃO. Leites Fermentados LEITES FERMENTADOS. Leites Fermentados. Leites Fermentados 30/07/2014

INTRODUÇÃO. Leites Fermentados LEITES FERMENTADOS. Leites Fermentados. Leites Fermentados 30/07/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS DISCIPLINA: Inspeção de Produtos de Origem Animal INTRODUÇÃO M.Sc. Carolina de Gouveia Mendes Leite qualidade Derivados Leites

Leia mais

Água, Sais e Carboidratos

Água, Sais e Carboidratos Água, Sais e Carboidratos A Bioquímica estuda as reações químicas dos organismos vivos e tem revelado inúmeras substancias presentes nas células e em outras que ela participa. A bioquímica estuda as moléculas

Leia mais

Química na massa! Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2015

Química na massa! Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2015 Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2015 Autor: Felipe Moura Madureira Série: segunda (2014) do Ensino Médio Profs.: Rafael Enrique Nunes Colégio: Celtas Cidade: Votuporanga Química

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL 1 PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL PAPAÍNA enzima constituinte do látex do fruto verde de mamão (Carica papaya) Látex bruto seco em pó papaína. Papaína não pode ser armazenada por longos

Leia mais

Profa. Juliana Schmidt Galera

Profa. Juliana Schmidt Galera Profa. Juliana Schmidt Galera CEVADA TRIGO MILHO ARROZ AVEIA CENTEIO SORGO OUTROS Composição centesimal Composição centesimal - soja em grãos 9% OLEAGINOSA 30% 5% 36% Umidade Proteínas Lipídios Cinzas

Leia mais

GOURMET DELICIAS 500G

GOURMET DELICIAS 500G GOURMET DELICIAS 500G Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes Peso líquido Produto 1 Bombons de chocolate ao leite e chocolate branco recheados sortidos Aromatizado artificialmente

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SEGREDO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SEGREDO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO I PROCESSO: Nº 40/2013 PREGÃO PRESENCIAL Nº 18/2013 OBJETO: Fornecimento de gêneros alimentícios para os alunos das Escolas Municipais de Educação Infantil do Município de Segredo, para os meses

Leia mais