RELATÓRIO FINAL DA II CONFERÊNCIA ESTADUAL DE JUVENTUDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DA II CONFERÊNCIA ESTADUAL DE JUVENTUDE"

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL DA II CONFERÊNCIA ESTADUAL DE JUVENTUDE 1

2 Sumário 1. Convocação Portaria nomeando a Comissão Organizadora Do Regimento Interno Dos delegados e critérios de tiragem dos delegados das etapas municipais Das etapas municipais Dos Participantes das etapas municipais Relatórios Municipais Município de Bela Vista de Goiás Município de Aloândia Município de Morro Agudo de Goiás Municípios de Senador Canedo, Caldazinha e Aragoiânia Município de Morrinhos Município de Aragarças Município de Novo Gama Município de Petrolina Município de Amorinópolis Município de Marzagão Município de Cezarina Município de Goiânia Município de Itajá Município de Israelândia Município de Água Limpa Município de Rio Verde Município de Formosa Município de Palminópolis Município de Guaraíta Município de Aparecida do Rio Doce Município de São Simão Município de Alvorada do Norte Município de Goianira Município de Posse Município de Turvelândia Município de São João da Paraúna Municípios de Edealina e Porteirão Município de Jaupaci Município de Rialma Município de Niquelândia Municípios de Goianápolis e Terezópolis Conferência Territorial (15 municípios) Município de Caldas Novas Município de Abadiânia

3 Município de Porangatu Município de Anápolis Município de Taquaral Município de Palmeiras de Goiás Município de Itarumã Município de Divinópolis de Goiás Município de Valparaíso de Goiás Município de Aporé Outros Municípios Relatório da II Conferência Estadual de Juventude Eixo 01 Direito ao Desenvolvimento Integral Emendas ao Texto Nacional Propostas Aprovadas Propostas para o Estado de Goiás Propostas em âmbito nacional Propostas Gerais Eixo 02 Direito ao Território Emendas ao Texto Nacional Propostas Aprovadas Propostas para o Estado de Goiás Propostas em âmbito nacional Eixo 03 Direito a experimentação e qualidade de vida Emendas ao Texto Nacional Propostas Aprovadas Propostas para o Estado de Goiás Propostas em âmbito nacional Eixo 04 Direito à diversidade e à vida segura Emendas ao Texto Nacional Propostas Aprovadas Propostas para o Estado de Goiás Propostas em âmbito nacional Eixo 05 Direito à participação Emendas ao Texto Nacional Propostas Aprovadas Propostas para o Estado de Goiás Propostas em âmbito nacional Eixo 06 Mapa da violência em Goiás (Eixo Estadual) Emendas ao Texto Nacional Propostas Aprovadas Propostas para o Estado de Goiás Delegados Eleitos Anexos

4 RELATÓRIO FINAL DA II CONFERÊNCIA ESTADUAL DE JUVENTUDE 1. Convocação. A Etapa Estadual da II Conferência Nacional de Juventude, que também foi a II Conferência Estadual de Juventude, foi legalmente convocada pelo Poder Executivo Estadual, dentro do prazo previsto no Decreto Presidencial de convocação, através do Decreto Numerado n , de 16 de junho de 2011, com o seguinte teor: DECRETO Nº 7.369, DE 16 DE JUNHO DE Convoca a 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas para a Juventude. O GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, tendo em vista o que consta do Processo nº , DECRETA: Art. 1º Fica convocada a 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas para a Juventude, a ser coordenada pela, por meio da sua. Parágrafo único. A Conferência de que trata este artigo: I - será presidida pelo Secretário de Estado de Articulação Institucional e coordenada pelo Superintendente da Juventude da Secretaria de Estado de Articulação Institucional; II - realizar-se-á em data e local a serem definidos por comissão organizadora, designada por ato do seu Presidente, devidamente publicado; III - será precedida de etapas, municipais ou regionais, que ocorrerão a partir do mês de junho de Art. 2º A 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas para a Juventude terá como temas: I - Juventude: Democracia, Participação e Desenvolvimento Local e Nacional; II Plano Nacional de Juventude e Plano Estadual de Juventude: prioridades ; III Articulação e Integração das Políticas Públicas de Juventude. Art. 3º O regimento interno da Conferência será elaborado pela comissão organizadora a que se refere o inciso II do parágrafo único do art. 1º e disporá sobre: I a organização e o funcionamento da Conferência, inclusive das etapas municipais ou regionais; II o processo de escolha de seus delegados. Parágrafo único. O regimento interno a que se refere o caput deste artigo deverá ser aprovado pelo Presidente da Conferência e publicado no Diário Oficial do Estado, inclusive o cronograma da Etapa Estadual da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas para a Juventude e de seus eventos preparatórios. Art. 4º As despesas com a organização e realização da Conferência correrão por conta dos recursos orçamentários da e da União, quando previstos. Art. 5º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS, em Goiânia, 16 de junho de 2011, 123º da República. MARCONI FERREIRA PERILLO JÚNIOR 4

5 2. Portaria nomeando a Comissão Organizadora. Em cumprimento ao disposto no Art. 1º, II, do Decreto convocatório da etapa estadual, o Secretário de Estado de Articulação Institucional fez publicar Portaria nomeando a Comissão Organizadora da II Conferência Estadual de Juventude do Estado de Goiás, garantindo a composição paritária entre Governo e Sociedade Civil. delineada: A Portaria da ficou assim PORTARIA Nº 10/2011- GB/SARTI O SECRETÁRIO DE ESTADO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE: Art. 1º Fica constituída a Comissão Organizadora Estadual - COE, que será a instância de deliberação, organização, implementação e desenvolvimento das atividades da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude, com as seguintes competências: I - coordenar e promover a realização da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; II - realizar o planejamento de organização da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; III - orientar o trabalho das Comissões Organizadoras Municipais e/ou regionais; IV - mobilizar a sociedade civil e o Poder Público, no Estado e nos municípios, para organizarem e participarem das conferências; V - sistematizar os relatórios das conferências livres, das Conferências Municipais e Regionais Livres e Eletivas; VI - viabilizar a infraestrutura necessária à realização da etapa estadual; VII - aprovar a programação da etapa estadual; VIII - produzir a avaliação da etapa estadual; IX - providenciar a publicação do relatório final da etapa estadual; X - deliberar, com a supervisão da Comissão Organizadora Nacional, sobre todas as questões referentes à etapa estadual que não estejam previstas neste Decreto ou no regimento interno da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de juventude. Art. 2º - A Comissão Organizadora Estadual será integrada por 30 (trinta) membros titulares e 30 (trinta) membros suplentes e e terá a seguinte composição: I - 15 (quinze) representantes titulares e 15 (quinze) suplentes do Poder Público, sendo: a) titulares: 1) 01 (um) representante da Secretaria de Estado de Articulação Institucional, representando o Governo do Estado; 2) 01 (um) representante da Comissão Organizadora Nacional da II Conferência Nacional de Juventude; 5

6 3) 01 (um) representante da Assembléia Legislativa do Estado de Goiás; 4) 01 (um) representante dos Deputados Federais indicados pela Frente Parlamentar em Defesa das Políticas Públicas de Juventude da Câmara dos Deputados; 5) 01 (um) representante da do órgão institucional específico de juventude da cidade sede da Conferência; 6) 01 (um) representante da Universidade Estadual de Goiás; 7) 01 (um) representante da Secretaria de Estado da Educação; 8) 01 (um) representante da Agência Goiana de cultura Pedro Ludovico Teixeira; 9) 01 (um) representante da Secretaria de Estado da Região Metropolitana de Goiânia; 10) 01 (um) representante da Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia; 11) 01 (um) representante da Secretaria de Estado da Mulher e da Igualdade Racial; 12) 01 (um) representante do Centro Cultural Oscar Niemayer; 13) 01 (um) representante da Secretaria de Industria e Comércio; 14) 01 (um) representante da Organização das Voluntárias de Goiás; 15) 01 (um) representante da União dos Vereadores de Goiás. a) suplentes: 1) 01 (um) representante da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Goiás; 2) 01 (um) representante do Secretaria de Estado da Cidadania; 3) 01 (um) representante da Goiás Turismo; 4) 01 (um) representante da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos; 5) 01 (um) representante da União Brasileira dos Escritores - Seção Goiás; 6) 01 (um) representante da AGência Goiana de Esportes e Lazer; 7) 01 (um) representante do Ministério Público do Estado de Goiás; 8) 01 (um) representante do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás; 9) 01 (um) representante do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás; 10) 01 (um) representante da Associação Goiana dos Municípios; 11) 01 (um) representante da Agência Goiana de Comunicação; 12) 01 (um) representante da Defensoria Pública do Estado de Goiás; 13) 01 (um) representante do Partido Comunista do Brasil; 14) 02 (dois) representantes da Superintência da Juventude da. II - 15 (quinze) representantes titulares e 15 (quinze) suplentes da Sociedade Civil, sendo: a) titulares: 1) 01 (um) representante da Casa da Juventude Padre Bournier; 2) 01 (um) representante da Pastoral de Juventude; 3) 01 (um) representante da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Goiás; 6

7 4) 01 (um) representante dos Agentes Pastorais da Negritude; 5) 01 (um) representante da Escola da Juventude da Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 6) 01 (um) representante do Programa de Direitos Humanos da Universidade Federal de Goiás; 7) 01 (um) representante da União Estadual dos Estudantes; 8) 01 (um) representante do Movimento Atitude; 9) 01 (um) representante do Grupo Diversidade; 10) 01 (um) representante da Associação dos Jovens Empreendedores; 11) 01 (um) representante da Rede de Educação Cidadã; 12) 01 (um) representante da Comissão da Advocacia Jovem da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Goiás; 13) 01 (um) representante do CENEG; 14) 01 (um) representante do Partido da Social Democracia Brasileira; 15) 01 (um) representante do Partido dos Trabalhadores. a) suplentes: 1) 01 (um) representante da Federação Espírita de Goiás; 2) 01 (um) representante do Ministério Jovem da Renovação Carismática; 3) 01 (um) representante do Coletivo Jovem de Meio Ambiente de Goiás; 4) 01 (um) representante do Ipê Rosa; 5) 01 (um) representante da União Brasileira dos Escritores - Seção Goiás; 6) 01 (um) representante da Associação Goiana de Imprensa; 7) 01 (um) representante da FIEG Jovem; 8) 01 (um) representante da UNIPAZ; 9) 01 (um) representante do Movimento & Ação; 10) 01 (um) representante do IPJ; 11) 01 (um) representante do Coletivo Negro; 12) 01 (um) representante da União Goiana dos Estudantes Secundaristas; 13) 01 (um) representante da Central Única dos Trabalhadores; 14) 01 (um) representante do Partido Comunista do Brasil; 15) 01 (um) representante do Partido Comunista Brasileiro. Art. 3º - Outras organizações da sociedade civil, com sede no Estado, poderão compor a Comissão Organizadora Estadual mediante convite feito pela própria Comissão, sendo estas integrantes das Entidades de Apoio da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude. Parágrafo único. As organizações da sociedade civil terão 10 (dez) dias para informar seus representantes, sob pena de substituição sumária, a ser efetivada por ato interno da. Art. 4º - Fica constituído o Comitê Executivo da Comissão Organizadora Estadual, que contará com apoio de equipe técnica especificamente designada para a realização da Conferência e será composto por: I - 03 (três) representantes do Governo indicados pela ; II - 03 (três) representantes da sociedade civil convidados pela Comissão Organizadora Estadual, sendo estes membros desta. Art. 5º - Compete ao Comitê Executivo: 7

8 I - assessorar a Comissão Organizadora Estadual e garantir a implementação das iniciativas necessárias à execução das suas decisões; II - articular e viabilizar a execução de tarefas específicas de cada atividade estabelecida pela Comissão Organizadora Estadual a partir do seu planejamento; III - propor e organizar as pautas das reuniões da Comissão Organizadora Estadual; IV - acompanhar as reuniões ordinárias e extraordinárias da Comissão Organizadora Estadual; V - organizar e manter na Secretaria de Estado de Articulação Institucional os arquivos referentes ao processo de organização e realização da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; VI - coordenar o plano de comunicação da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; VII - acompanhar a elaboração do texto-base da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; VIII - estimular e orientar a realização de todas as etapas da 2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; IX - acompanhar e apoiar as Comissões Organizadoras Municipais; X - validar todas as etapas livres e eletivas, conforme calendário nacional e estadual e as regras estabelecidas nos seus respectivos regimentos, garantindo a padronização dos critérios gerais do processo; XI - acompanhar as etapas municipais ou regionais organizadas pela sociedade civil, conforme critérios definidos no Regimento; XII - designar facilitadores e relatores para todas as etapas eletivas em que forem necessários; XIII - receber e sistematizar os relatórios de todas as etapas da conferência, gerando o Documento-Base da Etapa Estadual. Art. 6º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. DÊ CIÊNCIA E CUMPRA-SE Daniel Goulart Secretário 8

9 3. Do Regimento Interno. Composta a Comissão Organizadora, a mesma se reuniu por diversas vezes, tendo aprovado em uma de suas primeiras reuniões o Regimento Interno da II Conferência Estadual de Juventude do Estado de Goiás. O documento serviu como regra e parâmetro para a atuação da Organização do evento, bem como norteou a orientação para a realização das etapas municipais. O Regimento Interno da Conferência ficou com esta redação: REGIMENTO INTERNO II CONFERÊNCIA ESTADUAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE DO ESTADO DE GOIÁS Capítulo I DOS OBJETIVOS Art. 1º. - A II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude do Estado de Goiás, convocada pelo Decreto n publicado no Diário Oficial do Estado em 16 de Junho de 2011, tem por objetivos: I - fortalecer a relação entre o governo e a sociedade civil para maior efetividade na formulação, execução e controle da Política Nacional e Estadual de Juventude; II - promover, qualificar e garantir a participação da sociedade, em especial dos/das jovens, na formulação e no controle das políticas públicas de juventude; III - divulgar, debater e avaliar os parâmetros e as diretrizes da Política Nacional e Estadual de Juventude; IV - indicar prioridades de atuação do Poder Público na consecução da Política Nacional e na elaboração da Política Estadual de Juventude; V - deliberar sobre estratégias e mecanismos de monitoramento das resoluções da II Conferência Nacional e 2ª Conf. Estadual de Políticas Públicas de Juventude; VI - apresentar subsídios para a construção do Sistema Nacional e Estadual de Juventude; VII - propor aos entes federados estratégias para ampliação e consolidação da temática juventude junto aos diversos setores da sociedade; VIII - propor aos entes federados diretrizes para subsidiar a elaboração de políticas públicas de juventude; IX - propor e fortalecer mecanismos de articulação e cooperação institucional entre o poder público e deste com a sociedade civil no âmbito das políticas públicas de juventude; X - colaborar e incentivar a atuação conjunta de municípios e o estado em torno de planos e metas comuns para a população jovem; XI - identificar e fortalecer a transversalidade do tema juventude junto às políticas públicas nos três níveis de governo; XII - mobilizar a sociedade e os meios de comunicação para a importância das políticas de juventude para o desenvolvimento do país e do Goiás; XIII - fortalecer e facilitar o estabelecimento de novas redes de grupos e organizações de jovens; XIV garantir a diversidade na participação dos segmentos sociais e entidades como: orientação sexual, gêneros, identidade de gêneros, étnico racial, regional, pessoa com deficiência, populações tradicionais, religiosa, política e artístico culturais como: hip hop, sertanejos, torcida organizada, capoeira jovens em situação de rua. XV - fortalecer, ampliar e diversificar o acesso da sociedade civil, em especial da juventude, aos mecanismos de participação popular, inclusão e mobilidade social; XVI fortalecer as instituições democráticas e o próprio conceito de democracia no Brasil. 9

10 Capítulo II DO TEMÁRIO Art. 2º. A II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude desenvolverá o tema da Conferência Nacional Juventude, Desenvolvimento e Efetivação de Direitos e terá como lema Conquistar Direitos, Desenvolver o Brasil e Goiás. Art. 3º. A II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude desenvolverá em seus trabalhos com os mesmos temas da II Conferência Nacional de Juventude acrescidos do tema local Mapa da Violência Contra a Juventude em Goiás. 1º O temário Local será subsidiado por um texto base estadual, elaborado a partir das formulações contidas nos documentos: Mapa da Violência 2010 Ministério da Justiça e a Coleção Juventudes e Perspectivas A Juventude Quer Viver a condição juvenil em Goiás e redes de proteção FAPEG. 2º Os temas deverão ser desenvolvidos de modo a articular e integrar as diferentes políticas de juventude, de maneira transversal. Capítulo III DA REALIZAÇÃO Art. 4º. A II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude do Estado de Goiás ocorrerá nos dias 28, 29 e 30 de Outubro de 2011, em cidade do Estado a confirmar pela Superintendência Estadual da Juventude, mediante Portaria da. Parágrafo Único: A Conferência Estadual de Juventude é organizada por uma Comissão Organizadora Estadual (COE-GO), na forma da Portaria n. 10, da. Seção I DAS ETAPAS Art. 5º. A realização da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude será antecedida por etapas preparatórias de caráter municipal e/ou regional e ainda por conferências livres organizadas por entidades e organizações da sociedade civil. Art. 6º. O calendário das etapas preparatórias seguirá o proposto pela Comissão Organizadora Nacional (CON) da II Conferência Nacional de Juventude previsto no Regimento Interno da II Conferência Nacional de Juventude. Art.7º. Somente serão consideradas etapas preparatórias as conferências em âmbito municipal e regional que enviarem até 10 dias antes da realização da Conferência Estadual a listagem de /das delegados/as eleitos e relatório das emendas aprovadas pelo plenário. Subseção I DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS Art. 8º. As etapas municipais e/ou regionais terão livre participação, estimulando a maior diversidade. Art. 9º. As Comissões Organizadoras Municipais devem informar à Comissão Organizadora Estadual (COE-GO) sua composição e contatos (telefone, ) imediatamente à sua criação, bem como, a data da Conferência Municipal preferencialmente com antecedência mínima de 10 dias. Art. 10º. Nos municípios que a Conferência Municipal não for convocada pelo Poder Público até a data limite estabelecida pela Comissão Organizadora Nacional, conforme define o Regimento Nacional, as organizações da sociedade civil poderão convocar através da constituição de uma Comissão Organizadora desde que informe a Comissão Organizadora Estadual (COE-GO). Subseção II DAS CONFERÊNCIAS REGIONAIS Art. 11. A COE-GO organizará Conferências Regionais, em parceria com os Municípios das respectivas regiões, de acordo com a divisão geográfica das Subsecretarias Regionais de Educação da Secretaria Estadual de Educação, em algumas delas reagrupadas mediante decisão da COE-GO para facilitar e possibilitar a melhor realização da Conferência Regional. Art. 12. As Conferências Regionais deverão ser sediadas, preferencialmente, em municípios que facilitem a mobilização de pessoal para a Conferência. Subseção III DAS ETAPAS LIVRES PRESENCIAIS Art. 13. Caberá a Comissão Organizadora Estadual estimular ao máximo a organização e a realização das Conferências Livres. 10

11 Art. 14. Após a realização da Conferência Livre os organizadores deverão informar à Comissão Organizadora Nacional conforme orientações do manual de realização das conferencias livreswww.conferenciadejuventude.go.gov.br Art. 15.Os relatórios enviados a Comissão Organizadora Nacional dever-se-ão enviados à COE-GO no Subseção IV DA ETAPA LIVRE VIRTUAL Art. 16. Caberá a Comissão Organizadora Estadual potencializar a Conferência Livre virtual que será organizada pela Comissão Organizadora Nacional a fim de ampliar a participação nas discussões concernentes ao temário da Conferência Nacional. Art. 17. A COE-GO deverá avaliar a possibilidade de realizar outras Conferências Livres Virtuais para tratar da II Conferência Estadual. CAPÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO Art. 18. A Comissão Organizadora Estadual (COE-GO) da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude será coordenada pela Secretaria Estadual de Articulação Institucional, por meio da sua, nos temos do decreto nº de 16 de Junho de 2011, ou em caso de ausência ou impedimento por outro membro do governo com assento na Comissão Organizadora Estadual. SEÇÃO I DA COMISSÃO ORGANIZADORA ESTADUAL Art. 19. A Comissão Organizadora Estadual COE-GO, constituída conforme art. 4º, parágrafo único, desde Regimento é responsável pela organização, execução e sistematização das atividades da Conferência, tendo as seguintes atribuições: I Coordenar, supervisionar e promover a realização da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; II Orientar o trabalho das Comissões Organizadoras Municipais e Regionais; III Organizar as Conferências municipais e/ou Regionais em parceria com os municípios; IV Mobilizar a sociedade civil e o poder público, no âmbito de sua atuação no Estado ou no município, para organizarem e participarem das conferências; V Sistematizar os relatórios da etapa Estadual; VI Viabilizar a infraestrutura necessária à realização da etapa estadual; VII Aprovar a metodologia e programação da etapa Estadual; VIII Produzir a avaliação da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; IX Providenciar a publicação do relatório final da II Conferência Estadual de Políticas Públicas para Juventude; X Deliberar sobre todas as questões referentes à II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude que não estejam previstas neste regimento. Art. 20. Fica instituído o Comitê Executivo da COE-GO, que contará três (03) representantes da sociedade civil e três (03) representantes do governo. Art. 21. Compete ao Comitê Executivo: I - assessorar a Comissão Organizadora Estadual e garantir a implementação das iniciativas necessárias à execução das suas decisões; II - articular e viabilizar a execução de tarefas específicas de cada atividade estabelecida pela Comissão Organizadora Estadual a partir do seu planejamento; III - propor e organizar as pautas das reuniões da Comissão Organizadora Estadual; IV - acompanhar as reuniões ordinárias e extraordinárias da Comissão Organizadora Estadual; V organizar e manter na os arquivos referentes ao processo de organização e realização da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; VI coordenar o plano de comunicação da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; VII acompanhar a elaboração do texto-base da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; VIII estimular e orientar a realização de todas as etapas da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; IX acompanhar e apoiar as Comissões Organizadoras Municipais; 11

12 X validar todas as etapas eletivas, conforme calendário nacional e regras estabelecidas nesse regimento, garantindo a padronização dos critérios gerais do processo; XI acompanhar e validar as etapas municipais e regionais organizadas pela sociedade civil, no caso de negativa por parte do órgão gestor municipal na realização da etapa eletiva; XII designar facilitadores/as e relatores/as para todas as etapas eletivas em que forem necessários; XIII receber e sistematizar os relatórios de todas as etapas da conferência municipal e regional, gerando o Documento Base da Etapa Estadual. XIV organizar e acompanhar a realização das Conferências Regionais conforme definidas neste regimento. XV coordenar, presidir e encaminhar a condução dos trabalhos na etapa da Conferência Estadual de Juventude. SEÇÃO IV DO CREDENCIAMENTO Art. 22. O Credenciamento dos participantes das Conferências Municipais e Regionais serão realizadas através de planilha padrão elaborada pela COE-GO disponível no site Art. 23. A COE-GO realizará um pré-credenciamento dos /das /das delegados/as/as Municipais e Regionais a fim de confirmar sua participação na II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude, através do site Art. 24. O credenciamento definitivo de delegados e delegadas a II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude será junto à estrutura instalada no local do evento, conforme programação aprovada pela COE-GO. 1. O credenciamento será das 18h às 22h do dia 28 de outubro de 2011 das 08h às 13h. do dia 29 de Outubro de 2011, na secretaria do local onde será realizada a II Conferência Estadual de Juventude. 2. As pessoas que não realizarem o credenciamento nos horários estabelecidos no inciso 1 do presente regimento poderão participar na qualidade de observador não tendo direito a voto. 3. Os delegados e delegadas à II Conferência Estadual de Juventude receberão um crachá que dará direito de voz e voto nas plenárias de aprovação de propostas, de eleição da delegação à II Conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude. 4. Não será permitido substituir delegados e delegadas e/ou suplentes para participar da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude. 5. A Secretaria do Evento será indicada pela junto com a Comissão Executiva. SEÇÃO V DA METODOLOGIA Art. 25. As Conferências Municipais e/ou Regionais trabalharão com o Texto Base Nacional e com o Texto Base Estadual. Art. 26. As Conferências Municipais e/ou Regionais deverão aprovar, no máximo, cinco (5) prioridades temáticas por cada um dos eixos de direitos expressos no Documento Base Nacional e, para cada prioridade, duas (2) propostas de solução. Dessa forma, as Conferências Municipais e Regionais aprovarão cinco (5) prioridades e dez (10) propostas de solução as quais devem compor o relatório da respectiva etapa. Art. 27. A II Conferência Estadual deverá aprovar três (3) prioridades temáticas para cada um dos eixos de direitos expressos no Documento Base Nacional e, para cada prioridade, duas (2) propostas de solução. Dessa forma, a II Conferência Estadual encaminhará um total de quinze (18) prioridades e trinta (36) propostas de solução as quais orientarão a construção da Política Estadual de Juventude. Parágrafo Único. Entende-se por eixos de direito expresso no Documento Base Nacional: 1) Direito ao Desenvolvimento Integral; 2) Direito ao Território; 3) Direito à experimentação e qualidade de vida; 4) Direito à Diversidade e à Vida Segura; 12

13 5) Direito à participação; 6) Mapa da Violência Contra a Juventude em Goiás. Art. 28. Na etapa Estadual cada eixo temático contará com um facilitar do tema discutido nas salas de trabalho. O trabalho nos eixos poderá ser feito considerando a proposta metodológica das Rodas de Conversa proposta na pesquisa sobre a Condição Juvenil em Goiás e Redes de Proteção FAPEG. Parágrafo Único. O facilitador/a será indicado pela Comissão Organizadora e, quando necessário, deverá participar da capacitação sobre aplicação das Rodas de Conversa. Art. 29. A Comissão Organizadora indicará um/uma coordenador/a e um/uma relator/a e o grupo de trabalho elegerá um/uma segundo/a coordenador/a relator/a. Art. 30. As propostas deverão ser deliberadas com a presença de, no mínimo de 50% (cinquenta por cento) mais 1(um) das delegadas e dos delegados inscritos, e caso que obtiverem a aprovação de 70% (setenta por cento) dos delegados e delegadas nas Rodas de Conversa estarão automaticamente aprovadas e não serão encaminhadas para aprovação em plenária. Art. 31. Às questões polêmicas nos grupos e em plenária será assegurada uma intervenção a favor e outra contra para esclarecimento do grupo, limitada a 03 (três) minutos o tempo de defesa da propositura. Paragrafo único: A Plenária final deliberará sobre as moções e recomendações de âmbito estadual. Art. 32. Não serão discutidas na Plenária Geral propostas não discutidas nas Rodas de Conversa. SEÇÃO V DOS RELATÓRIOS Art. 33. Os relatórios das resoluções aprovadas nas Conferências Livres e nas Conferências Municipais e/ou Regionais deverão ser encaminhados à Comissão Organizadora Estadual COE-GO até o máximo de 10 dias antes da realização da II Conferência Estadual, devendo a entrega ser diretamente efetivada pelo formulário no site da II Conferência Estadual Parágrafo Único. Os relatórios das Conferências Municipais e/ou Regionais serão elaborados conforme orientações da Comissão Organizadora Estadual e registrados em formulário próprio no site CAPÍTULO V DA PARTICIPAÇÃO E ELEIÇÃO DOS/DAS DELEGADOS/AS À CONFERÊNCIA ESTADUAL Art. 34. As etapas municipais e regionais da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude terão livre participação, devendo propiciar a presença ampla, democrática e da diversidade de todos os segmentos de juventude e suas organizações. A etapa estadual é reservada somente aos delegados e delegadas eleitos nas etapas anteriores. Art. 35. São considerados delegados e delegadas à II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude todos/as aqueles/as que participarem devidamente credenciados/as, das Conferências Municipais e/ou Conferências Regionais, inscritos no site Art. 36. São delegados e delegadas aqueles inscritos no formulário especifico no site elabora pelo Comitê Executivo e conforme critérios e disposição abaixo: I delegados e delegadas eleitos/as das etapas municipais e/ou regionais eletivas (500 vagas), de acordo com o anexo I deste regimento; II Membros titulares da Comissão Organizadora Estadual; III 10 (dez) pessoas indicadas pela da Secretaria de Articulação Institucional. Parágrafo único. a inscrição terá caráter individual, em formulário próprio para este fim no site Art. 37. A Conferência Estadual de Políticas Públicas contará com a participação de observadores/as convidados/as pela Comissão Organizadora. CAPÍTULO VI DA ELEIÇÃO DOS /DAS DELEGADOS/AS A ETAPA NACIONAL Art. 38. A II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude poderá eleger 40 delegados e delegadas, conforme Regimento Interno da II Conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude. 13

14 Parágrafo único. Das vagas disponíveis, estão atribuídas à Superintendência da Juventude 04 vagas. As demais 36 vagas serão distribuídas pelo Comitê Executivo considerando a proposta metodológica para eleição dos delegados e delegadas, definida em ata própria em data anterior à realização da II Conferência Estadual de Juventude. Art. 39. Os delegados e delegadas da etapa estadual serão eleitos/as entre os delegados e delegadas presentes na Conferência Estadual e observando os critérios e as determinações da Comissão Organizadora estadual. Art. 40. Serão elegíveis à delegação estadual para a II Conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude: I Os delegados e delegadas credenciados/as na II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude; II A Comissão Organizadora da II Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude. CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 41. Os casos omissos neste Regimento e conflitantes serão resolvidos pela Comissão Organizadora Estadual. Algumas portarias definidas de forma consensuada dentro da Comissão Organizadora redefiniram e clarearam alguns pontos do Regimento Interno, sem entretanto comprometer as regras em vigência Dos delegados e critérios de tiragem dos delegados das etapas municipais. O Anexo I do Regimento Interno definiu a distribuição dos delegados e os critérios de tiragem dos delegados das etapas municipais, respeitando a lógica da regionalização da Conferência dentro do padrão definido pelas Subsecretarias de Educção, da seguinte forma: ANEXO I Critérios de /das delegados/as. I Os /das delegados/as ser/ao distribuídos da seguintes forma: a. 01 (um) delegado por município do Estado; b. Caso existam municípios que não convoquem a etapa municipal da II Conferência Estadual de Juventude, o quantitativo de vagas serão distribuídas igualitariamente pelos municípios que convocarem. Em caso de sobra, a destinação do delegado será distribuído mediante sorteio entre os municípios que compuserem a regional e que tiverem convocado a Conferência; c. Os demais /das delegados/as serão distribuídos de acordo com a proporcionalidade de habitantes por regional, de acordo como item II deste anexo; d. No caso de algum município dentro de uma regional não convocar a Conferência, os /das delegados/as que competirem a aquele município serão distribuídos pelos demais municípios que compuserem a regional; 14

15 Município População Regional DC DR TT Goiânia Anápolis Nerópolis Alexânia Pirenópolis Cocalzinho de Goiás Abadiânia Goianápolis Corumbá de Goiás Petrolina de Goiás Terezópolis de Goiás Campo Limpo de Goiás Ouro Verde de Goiás Aparecida de Goiânia Senador Canedo Hidrolândia Aragoiânia Caldazinha Campos Belos Cavalcante Monte Alegre de Goiás Divinópolis de Goiás Teresina de Goiás Catalão Corumbaíba Campo Alegre de Goiás Ouvidor Goiandira Cumari Três Ranchos Nova Aurora Davinópolis Anhanguera Ceres Rialma Carmo do Rio Verde Nova Glória Rianápolis Ipiranga de Goiás

16 São Patrício Formosa Flores de Goiás São João d'aliança Cabeceiras Alto Paraíso de Goiás Vila Boa Goianésia Jaraguá Barro Alto São Francisco de Goiás Vila Propício Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Jesúpolis Goiás Mozarlândia Sanclerlândia Araguapaz Aruanã Faina Mossâmedes Matrinchã Buriti de Goiás Goiatuba Vicentinópolis Joviânia Panamá Aloândia Inhumas Goianira Itauçu Nova Veneza Santo Antônio de Goiás Caturaí Araçu Taquaral de Goiás Brazabrantes Santa Rosa de Goiás Damolândia

17 Iporá Caiapônia Doverlândia Amorinópolis Palestina de Goiás Jaupaci Israelândia Ivolândia Diorama Itaberaí Americano do Brasil Itaguaru Itaguari Itapaci Crixás Santa Terezinha de Goiás Campos Verdes Uirapuru Pilar de Goiás Guarinos Itapuranga Uruana Heitoraí Guaraíta Morro Agudo de Goiás Itumbiara Bom Jesus de Goiás Buriti Alegre Cachoeira Dourada Jataí Caçu Serranópolis Chapadão do Céu Itarumã Itajá Aporé Aparecida do Rio Doce Lagoa Santa Jussara Montes Claros de Goiás

18 Itapirapuã Fazenda Nova Britânia Santa Fé de Goiás Novo Brasil Luziânia Valparaíso de Goiás Novo Gama Cidade Ocidental Cristalina Minaçu Campinaçu Colinas do Sul Mineiros Santa Rita do Araguaia Portelândia Perolândia Caldas Novas Morrinhos Pontalina Edealina Rio Quente Marzagão Água Limpa Palmeiras de Goiás Indiara Edéia Paraúna Nazário Cezarina Jandaia Varjão Palminópolis Bela Vista de Goiás Piracanjuba Cromínia Professor Jamil Cristianópolis Mairipotaba Aragarças

19 Piranhas Bom Jardim de Goiás Baliza Arenópolis Pires do Rio Ipameri Orizona Santa Cruz de Goiás Urutaí Palmelo Águas Lindas de Goiás Planaltina Santo Antônio do Descoberto Padre Bernardo Água Fria de Goiás Mimoso de Goiás Porangatu Formoso Montividiu do Norte Santa Tereza de Goiás Mutunópolis Bonópolis Trombas Estrela do Norte Posse Iaciara São Domingos Alvorada do Norte Mambaí Simolândia Guarani de Goiás Nova Roma Buritinópolis Damianópolis Sítio d'abadia Quirinópolis São Simão Cachoeira Alta Paranaiguara Inaciolândia

20 Gouvelândia Rio Verde Montividiu Santo Antônio da Barra Castelândia Rubiataba Nova América Santa Helena de Goiás Acreúna Maurilândia Turvelândia Porteirão São Luís de Montes Belos Firminópolis Turvânia Aurilândia Córrego do Ouro Adelândia Moiporá São João da Paraúna Cachoeira de Goiás São Miguel do Araguaia Nova Crixás Mundo Novo Novo Planalto Silvânia Vianópolis Leopoldo de Bulhões Bonfinópolis São Miguel do Passa-Quatro Gameleira de Goiás Trindade Anicuns Guapó Abadia de Goiás Santa Bárbara de Goiás Campestre de Goiás Avelinópolis Niquelândia Uruaçu

MUNICÍPIO FONE OPM CRPM

MUNICÍPIO FONE OPM CRPM Nº MUNICÍPIO FONE OPM CRPM 1. ABADIA DE (62) 3503-1299, 9803-8345 (vtr) 22º BPM 2º CRPM 2. ABADIÂNIA (62)3343-1190 / 2075 34ª CIPM 3º CRPM 3. ACREÚNA (64) 3645-1266 / 1190 5ª CIPM 8º CRPM 4. ADELÂNDIA

Leia mais

GESTÃO À VISTA. Análise do Quantitativo de Médicos no Estado de Goiás

GESTÃO À VISTA. Análise do Quantitativo de Médicos no Estado de Goiás GESTÃO À VISTA Análise do Quantitativo de Médicos no Estado de Goiás Este trabalho analisa a situação de médicos totais, generalistas e especialistas no Estado de Goiás. A conclusão é que, de forma geral,

Leia mais

Relação das contas dos Fundos Municipais dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (FMDCA) do Estado de Goiás

Relação das contas dos Fundos Municipais dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (FMDCA) do Estado de Goiás Relação das contas dos Fundos Municipais dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (FMDCA) do Estado de Goiás Abadiânia Banco do Brasil 0324-7 441697-X Acreúna Banco do Brasil 0116-3 19.338-0 Águas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N.º 392/2000

PORTARIA NORMATIVA N.º 392/2000 PORTARIA NORMATIVA N.º 392/2000 NORMATIZAÇÃO ORGANIZACIONAL E DE FUNCIONAMENTO DAS REGIONAIS DO IPASGO O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS - IPASGO,

Leia mais

DECISÃO NORMATIVA Nº 00019/2014

DECISÃO NORMATIVA Nº 00019/2014 Estado de Goiás TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS Superintendência de Secretaria DECISÃO NORMATIVA Nº 00019/2014 Dispõe sobre a composição das Câmaras e diretoria das regiões para o período de 01 de janeiro

Leia mais

LISTAGEM DAS SERVENTIAS NOTARIAIS E DE REGISTRO VAGAS NO ESTADO DE GOIÁS

LISTAGEM DAS SERVENTIAS NOTARIAIS E DE REGISTRO VAGAS NO ESTADO DE GOIÁS LISTAGEM DAS SERVENTIAS NOTARIAIS E DE REGISTRO VAGAS NO ESTADO DE GOIÁS Comarca Distrito Judiciário Serventia Data Critério Observação Ivolândia Campolândia Tabelionato de Notas, Tabelionato e Oficialato

Leia mais

Federação Goiana de Desporto e Paradesporto Escolar

Federação Goiana de Desporto e Paradesporto Escolar NOTA OFICIAL Nº. 005/2015 JOGOS ESCOLARES FGDPE 2015 Às Unidades Escolares Prezados(as) Diretores(as) e Professores(as), Goiânia, 08 de MAIO de 2015. A Federação Goiana de Desporto e Paradesporto Escolar

Leia mais

QUADRO QUANTITATIVO DE FUNCIONÁRIOS POR SEÇÃO

QUADRO QUANTITATIVO DE FUNCIONÁRIOS POR SEÇÃO QUADRO QUANTITATIVO DE FUNCIONÁRIOS POR SEÇÃO DEPARTAMENTO QUANTIDADE DE FUNCIONÁRIOS OUVIDORIA 01 COMISSAO DE SELECAO E DAS SOCIEDADES DOS ADVOGADOS 05 COMISSAO DE ESTAGIO E EXAME DE ORDEM 01 SECRETARIA

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO MONITORAMENTO DOS PROJETOS DE DISPOSIÇÃO DO LIXO URBANO DOS MUNICÍPIOS GOIANOS

DIAGNÓSTICO DO MONITORAMENTO DOS PROJETOS DE DISPOSIÇÃO DO LIXO URBANO DOS MUNICÍPIOS GOIANOS DIAGNÓSTICO DO MONITORAMENTO DOS PROJETOS DE DISPOSIÇÃO DO LIXO URBANO DOS MUNICÍPIOS GOIANOS GOIÂNIA JULHO/2006 2 GOVERNO DE GOIÁS AGÊNCIA GOIANA DE MEIO AMBIENTE. Dr Zacharias Calil Hamú Presidente DIRETORIA

Leia mais

S E M A R H GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS. Desenvolvimento com Responsabilidade

S E M A R H GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS. Desenvolvimento com Responsabilidade Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos S E M A R H GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Desenvolvimento com Responsabilidade DIAGNÓSTICO DO MONITORAMENTO DOS SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO DO LIXO URBANO DOS

Leia mais

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Ano SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Quadro 1 - Dados comparativos de dengue. Goiás, 2011 e 2012 da semana 01 a 23 (01/01

Leia mais

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012

BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Quadro 1 - Dados comparativos de dengue. Goiás, 2010, 2011 e 2012 da semana 01 a 27 (01/01 a 07/07/2012). Ano BOLETIM SEMANAL DE DENGUE - GOIÁS 2012 Total Casos Notificados 2010 115079 2011 44009 2012

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DAS RODOVIAS ESTADUAIS Sistema Rodoviário do Estado de Goiás

RELAÇÃO DESCRITIVA DAS RODOVIAS ESTADUAIS Sistema Rodoviário do Estado de Goiás RELAÇÃO DESCRITIVA DAS RODOVIAS ESTADUAIS Sistema Rodoviário do Estado de Goiás GO-010 GO-020 GO-040 GO-050 GO-060 GO-070 GO-080 RADIAIS Goiânia, Bonfinópolis, Leopoldo de Bulhões, Vianópolis, Luziânia,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE DADOS DAS AÇÕES DE COMBATE AO NEPOTISMO PREFEITURAS MUNICIPAIS

CONSOLIDAÇÃO DE DADOS DAS AÇÕES DE COMBATE AO NEPOTISMO PREFEITURAS MUNICIPAIS CONSOLIDAÇÃO DE DADOS DAS AÇÕES DE COMBATE AO NEPOTISMO PREFEITURAS MUNICIPAIS MUNICÍPIO COMARCA Nº DE A EXONERAÇÃO DEU SE POR MEIO DE: PARENTES EXONERADOS Panamá Panamá 08 Liminar concedida em ACP sentença

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ANO DE 2011.

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ANO DE 2011. RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ANO DE 2011. O presente relatório tem por objetivo apresentar as principais atividades desenvolvidas pela Comissão da Criança e

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REMUNERAÇÃO, REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REMUNERAÇÃO, REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REMUNERAÇÃO, REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES PROFESSOR DE NÍVEL SUPERIOR PROFISSIONAL - TUTOR REQUISITOS: Curso Superior e Curso em informática Básica com no mínimo 40 horas VENCIMENTO:

Leia mais

LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME

LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME 05/01/2016 3 JER COMERCIO INSTALACAO E MANUTENCAO DE AR CONDICIONADO LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME CONDICIONADOS

Leia mais

CAPACITAÇÕES DE MULTIPLICADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

CAPACITAÇÕES DE MULTIPLICADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância Sanitária Gerência de Desenvolvimento Técnico em Produtos Coordenadoria de Alimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Faculdade

Leia mais

Abadiânia Rua Prolongamento II s/n Vila José Costa 72940-000 62 33431874 conselhotutelarabadiania@hotmail.com.br

Abadiânia Rua Prolongamento II s/n Vila José Costa 72940-000 62 33431874 conselhotutelarabadiania@hotmail.com.br Município Logradouro Número Bairro CEP DDD Telefone E-mail Abadia de Goiás Rua Manoel Limírio da Silva, Setor da Área Pública Sala 01 Parque Isabel 75345-000 62 35031105* conselhotutelarabadia.go@hotmail.com

Leia mais

UNIDADES REGIONAIS COM SEUS RESPECTIVOS ESCRITÓRIOS LOCAIS

UNIDADES REGIONAIS COM SEUS RESPECTIVOS ESCRITÓRIOS LOCAIS Agência Goiânia de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária - Emater Vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Científico e Tecnológico e de Agricultura, Pecuária e Irrigação

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Gabinete de Gestão de Capacitação e Formação Tecnológica Núcleo Bolsa Futuro

Estado de Goiás Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Gabinete de Gestão de Capacitação e Formação Tecnológica Núcleo Bolsa Futuro BOLSA FUTURO O MAIOR PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DO PAÍS Criado pela Lei Estadual n. 17.406, de 06 de setembro de 2011, coordenado, monitorado e avaliado pela. Implantado em conformidade com

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES REALIZADAS NO ANO DE 2013. O presente relatório tem por objetivo apresentar as principais atividades desenvolvidas pela Comissão da Criança e Adolescente

Leia mais

GESTÃO À VISTA. Percentual de Municípios Envolvidos no Programa ESCOLA SEM DROGAS

GESTÃO À VISTA. Percentual de Municípios Envolvidos no Programa ESCOLA SEM DROGAS GESTÃO À VISTA Percentual de Municípios Envolvidos no Programa ESCOLA SEM DROGAS INDICADOR SITUAÇÃO EM 31/12/212 3 7 21,96 PERCENTUAL (%)) 1 Descrição Programa governamental criado em 1993 em decorrência

Leia mais

DIRETORIA. Presidente Gerson de Almeida Taguatinga. Engenheiro Civil 1º mandato: 01/01/2009 a 31/12/2011 2º mandato: 01/01/2012 a 31/12/2014

DIRETORIA. Presidente Gerson de Almeida Taguatinga. Engenheiro Civil 1º mandato: 01/01/2009 a 31/12/2011 2º mandato: 01/01/2012 a 31/12/2014 CARTA DE SERVIÇOS DIRETORIA Presidente Gerson de Almeida Taguatinga Engenheiro Civil 1º mandato: 01/01/2009 a 31/12/2011 2º mandato: 01/01/2012 a 31/12/2014 1º Vice-Presidente Roger Pacheco Piaggio Couto

Leia mais

Edital de Divulgação n.º 001/2012

Edital de Divulgação n.º 001/2012 Edital de Divulgação n.º 001/2012 Edital de abertura de inscrições para ingresso aos cursos de qualificação profissional, gratuitos, na modalidade a distância (EaD) segunda etapa, do Programa Bolsa Futuro,

Leia mais

DADOS PUBLIX 1. ATENÇÃO PRIMÁRIA LINHA DE CUIDADOS NA BÁSICA/NASF MUNICÍPIO NASF EQUIPE PSIQUIATRA PSICÓLOGO T.O

DADOS PUBLIX 1. ATENÇÃO PRIMÁRIA LINHA DE CUIDADOS NA BÁSICA/NASF MUNICÍPIO NASF EQUIPE PSIQUIATRA PSICÓLOGO T.O DADOS PUBLIX 1. ATENÇÃO PRIMÁRIA LINHA DE CUIDADOS NA BÁSICA/NASF MUNICÍPIO NASF EQUIPE PSIQUIATRA PSICÓLOGO T.O ANÁPOLIS I 03-03 - APARECIDA DE GOIÂNIA I 04-02 03 BELA VISTA I 01-01 - CALDAS NOVAS **

Leia mais

O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS CREMEGO, no uso de suas atribuições legais, torna pública a

O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS CREMEGO, no uso de suas atribuições legais, torna pública a CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2012 PARA CARGOS DE NÍVEL MÉDIO E NÍVEL SUPERIOR EDITAL NORMATIVO Nº 01/2012 CREMEGO, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 O Presidente do CONSELHO

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES REALIZADAS PELA COMISSÃO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DE ATIVIDADES REALIZADAS PELA COMISSÃO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DE ATIVIDADES REALIZADAS PELA COMISSÃO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 Julho de 2015 O presente relatório tem por objetivo apresentar as principais atividades desenvolvidas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. DECRETO Nº 6.276, DE 17 DE OUTUBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 14.939, de 15 de setembro de 2004, que dispõe

Leia mais

MUNICÍPIO QTD EQUIPE DATA LOCAL DE VISTORIA SENADOR CANEDO SMT 0 RIO VERDE POLO=43 MORRINHOS POLO=58 SMT LUZIÂNIA SMT

MUNICÍPIO QTD EQUIPE DATA LOCAL DE VISTORIA SENADOR CANEDO SMT 0 RIO VERDE POLO=43 MORRINHOS POLO=58 SMT LUZIÂNIA SMT GERÊNCA DE CREDENCAMENTO E CONNTROLE PROGRAMA DE STORA EM TRANSPORTE ESCOLAR Obs.: os locais de vistoria serão atualizados diariamente, sendo que, se não constar o local, deverão se dirigir à Ciretran.

Leia mais

CIRCUNSCRIÇÃO DAS DELEGACIAS REGIONAIS DE FISCALIZAÇÃO, SUAS RESPECTIVAS AGÊNCIAS FAZENDÁRIAS E POSTOS DE ATENDIMENTO

CIRCUNSCRIÇÃO DAS DELEGACIAS REGIONAIS DE FISCALIZAÇÃO, SUAS RESPECTIVAS AGÊNCIAS FAZENDÁRIAS E POSTOS DE ATENDIMENTO DELEGACIA REGIONAL DE FISCALIZAÇÃO DE ANÁPOLIS - (62) 3321-9200 / 9219 / 9202 / 3321-9225 (FAX) AV. SEN. JOSÉ LOURENÇO DIAS, ESQ. COM RUA JEAN JAQUES - CEP: 75.023-160 Agenfa de Abadiania Av. JK, n 152,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Adm. Washington Ribeiro dos Santos Chefe do 6º DS do DNPM-GO

APRESENTAÇÃO. Adm. Washington Ribeiro dos Santos Chefe do 6º DS do DNPM-GO APRESENTAÇÃO O Desempenho do Setor Mineral tem como objetivo destacar a importância da mineração na economia do Estado de Goiás e do Distrito Federal, apresentando sua potencialidade através de levantamentos

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A V Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º São objetivos da 5ª Conferência Estadual das Cidades: I - propor a interlocução entre autoridades

Leia mais

ENDEREÇOS DE MATRÍCULAS PROGRAMA BOLSA FUTURO MUNICIPIOS - POLOS ONDE FEZ INSCRIÇÃO ENDEREÇO PARA MATRÍCULA

ENDEREÇOS DE MATRÍCULAS PROGRAMA BOLSA FUTURO MUNICIPIOS - POLOS ONDE FEZ INSCRIÇÃO ENDEREÇO PARA MATRÍCULA ENDEREÇOS DE MATRÍCULAS PROGRAMA BOLSA FUTURO Anápolis Centro de Educação Profissional CEPA Anápolis Subsecretaria de Educação Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social Conselho Tutelar SUL NORTE

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Operacionais da Rede Pública Estadual de Ensino de Goiás 2011/2012

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Operacionais da Rede Pública Estadual de Ensino de Goiás 2011/2012 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Diretrizes Operacionais da Rede Pública Estadual de Ensino de Goiás 2011/2012 Goiânia, 2010 Governador do Estado de Goiás Alcides Rodrigues Filho Vice-governador

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA N o, DE DE DE 2009. Aprova o regimento da II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2006 CPJ

RESOLUÇÃO Nº 02/2006 CPJ RESOLUÇÃO Nº 02/2006 CPJ Aprova o Plano Geral de Atuação do Ministério Público do Estado de Goiás para o ano de 2006. O Egrégio Colégio de Procuradores de Justiça, no exercício de suas atribuições e na

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO DOS TÉCNICOS DE SAÚDE NO ESTADO DE GOIÁS

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO DOS TÉCNICOS DE SAÚDE NO ESTADO DE GOIÁS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO DOS TÉCNICOS DE SAÚDE NO ESTADO DE GOIÁS

Leia mais

Proposta de Regulamento

Proposta de Regulamento Proposta de Regulamento VIII Congresso Regional de Psicologia (COREP) do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais - 4ª Região (CRP/MG) Etapa Regional do VIII Congresso Nacional de Psicologia (CNP)

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Cartilha SEGURANÇA RURAL

Cartilha SEGURANÇA RURAL Cartilha SEGURANÇA RURAL Cartilha SEGURANÇA RURAL Cartilha Segurança Rural 3 De mãos dadas contra o crime Já se foi o tempo em que a insegurança só batia na porta de quem morava na cidade. Hoje, inúmeros

Leia mais

ENDEREÇOS DE MATRÍCULAS PROGRAMA BOLSA FUTURO

ENDEREÇOS DE MATRÍCULAS PROGRAMA BOLSA FUTURO ENDEREÇOS DE MATRÍCULAS PROGRAMA BOLSA FUTURO de Educação Profissional CEPA Anápolis Subsecretaria de Educação Secretaria Municipal de Desenvolvimento Anápolis Social CEP Polo de Anápolis - CEPA - R. UP-4D

Leia mais

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Av. 136 Quadra F 44 Lotes 22/ 24 Edifício César Sebba Setor Sul Goiânia GO- CEP: 74093-250 Fone: (62) 3201-7880 FAX: (62) 3201-7878

Leia mais

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Art. 1º - O presente Regimento, previsto pelo art. 24, 2º, da Lei nº 5.104/2009, se destina a regulamentar à XII Conferência Municipal de

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

UF MUNICIPIO LOCALIDADE TIPO DE PONTO NOME DO PONTO ENDEREÇO COMPLETO DIAS DE FUNCIONAMENTO TIPO DE ATENDIMENTO

UF MUNICIPIO LOCALIDADE TIPO DE PONTO NOME DO PONTO ENDEREÇO COMPLETO DIAS DE FUNCIONAMENTO TIPO DE ATENDIMENTO AC ACRELANDIA ACRELANDIA CORREIOS AC ACRELANDIA AV SEBASTIAO BOCALON RODRIGUES JUNIOR, 282,CENTRO SEGUNDA A SEXTA 8:00 12:00 14:00 16:00 OI FIXO, OI MOVEL AC ASSIS BRASIL ASSIS BRASIL CORREIOS AC ASSIS

Leia mais

Superintendência Estadual de Vigilância em Saúde - SUVISA Coordenação de Avaliação de Projetos Arquitetônicos

Superintendência Estadual de Vigilância em Saúde - SUVISA Coordenação de Avaliação de Projetos Arquitetônicos DATA: 02/04/2012 1 CENTRO MÉDICO GOIATUBA APROVADO 2 CONSULTORIO ODONTOLOGICO CRISTALINA APROVADO 3 DROGARIA JWR CRISTALINA HIRLEY APROVADO 4 CONSULTORIO ODONTOLOGICO RIO VERDE APROVADO 5 CLINICA MÉDICA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO E A FISCALIZAÇÃO DO SUAS

MINISTÉRIO PÚBLICO E A FISCALIZAÇÃO DO SUAS MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS E DO CIDADÃO MINISTÉRIO PÚBLICO E A FISCALIZAÇÃO DO SUAS

Leia mais

Processo Seletivo 2013/1 para ingresso aos Cursos do Programa de Qualificação Profissional em Línguas Inglês e Espanhol.

Processo Seletivo 2013/1 para ingresso aos Cursos do Programa de Qualificação Profissional em Línguas Inglês e Espanhol. Edital n.º. 001/2013 Processo Seletivo 2013/1 para ingresso aos Cursos do Programa de Qualificação Profissional em Línguas Inglês e Espanhol. A Sectec faz saber que, no período de 07/01/2013 a 08/02/2013,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO Republica por incorreção, o DECRETO Nº 202/13, que circulou no DOM Assomasul nº 0812, no dia 08/04/13, passando a vigorar com a redação abaixo. Aprova o Regimento da 5ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DA CIDADE

Leia mais

DECRETO Nº 045/2013, de 29 de agosto de 2.013, E V

DECRETO Nº 045/2013, de 29 de agosto de 2.013, E V DECRETO Nº 045/2013, de 29 de agosto de 2.013, E V CRIA, INSTITUI, COMPÕE, DEFINE FUNCIONAMENTO DAS COORDENADORIAS REGIONAIS, NA FORMA QUE A CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DETERMINA LUIS CARLOS DE CASTRO COELHO,

Leia mais

Secretaria Municipal de Acreúna Nome: Kélia Rosa SMS: (64) 3645-8019 E-mail: saude@acreunagoias.com.br

Secretaria Municipal de Acreúna Nome: Kélia Rosa SMS: (64) 3645-8019 E-mail: saude@acreunagoias.com.br 1 2 COSEMS-GO End: Rua 26, nº 521 - Bairro Santo Antônio - Goiânia-Go CEP: 74.853-070 Fone / Fax: (062) 3201-3412 / 3421 E-mail: cosemsgoias@gmail.com CNPJ: 37.837.721 / 0001 60 Site: http://www.cosemsgo.org.br

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Goiás

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Goiás Aeroporto de Goiania/ (Internacional Santa Genoveva) Ministério dos s Aeroporto de Goiania/ (Internacional Santa Genoveva) Ampliação/Melhorias Não Planejado 100.000 N.A. Pós 2015 Aeroviário Aeroporto de

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito Of/GP/CM/069/09 Canoas, 22 de abril de 2009. Senhor Presidente: Vimos respeitosamente apresentar para apreciação desta Casa Legislativa o Projeto de Lei 24/09, que Cria o Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A II Conferência Estadual do Meio Ambiente da Bahia - CEMA, convocada pelo Decreto Estadual nº 10.370, de 05

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO LEI Nº 3890 REGULAMENTA A PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS AÇÕES SOCIAIS DE PROTEÇÃO, DEFESA E ATENDIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, NOS TERMOS DO INCISO II DO ARTIGO 88 DA LEI FEDERAL Nº 8.069,

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO

REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO 1 REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO CAPÍTULO I DA CONFERÊNCIA Artigo 1.º - A 3ª Conferência Municipal de Educação - 3ª CME, convocada pelo Prefeito Municipal de Rio Claro e

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

Prefeitura Municipal de Paranaguá Fundação Municipal de Cultura de Paranaguá - Nelson de Freitas Barbosa

Prefeitura Municipal de Paranaguá Fundação Municipal de Cultura de Paranaguá - Nelson de Freitas Barbosa REGIMENTO DO II FÓRUM MUNICIPAL DE CULTURA DE PARANAGUÁ Art. 1 O II Fórum de Municipal de Cultura de Paranaguá comporta o foro municipal dos debates sobre o Sistema Municipal de Cultura de Paranaguá, aberto

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Londrina CMDPD, criado pela Lei Municipal nº

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto Poder Executivo Lei Ordinária Sancionada em 27/03/2008 Marly do Carmo Barreto Campos Prefeita Municipal LEI ORDINÁRIA nº 0849/2008 DE 27 de março de 2008 (do PLO 003/2008 autor: Poder Executivo) Institui

Leia mais

REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º- A Conferência Municipal/Regional do Esporte com sede no município de São Leopoldo, com a participação

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

Cronograma Processo Seletivo Simplificado para Secretaria de Estado da Educação,

Cronograma Processo Seletivo Simplificado para Secretaria de Estado da Educação, Cronograma Processo Seletivo Simplificado para Secretaria de Estado da Educação, 16/03/2015 Publicação do Edital 16/03 a 30/03/2015 Período de inscrições 31/03/2015 Publicação do Resultado Preliminar 01e

Leia mais

EDITAL DE REOPÇÃO DE CURSO 2015/1

EDITAL DE REOPÇÃO DE CURSO 2015/1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.914, DE 20 DE MAIO DE 2003. (publicada no DOE nº 096, de 21 de maio de 2003) Cria o Conselho de Segurança

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REGIMENTO DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL, APROVADO EM 30 DE SETEMBRO DE 2003 PELO CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI (Extrato) REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal do Idoso de Feira

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

LEI Nº 12.947 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014. Institui a Política Estadual para a População em Situação de Rua e dá outras providências.

LEI Nº 12.947 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014. Institui a Política Estadual para a População em Situação de Rua e dá outras providências. Salvador, Bahia Terça-feira 11 de Fevereiro de 2014 Ano XCVIII N o 21.355 LEI Nº 12.947 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014 Institui a Política Estadual para a População em Situação de Rua e dá outras providências.

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO 1 Define as regras de funcionamento da 3ª Conferência Nacional de Economia solidária, convocada pela Resolução n 5, do Conselho Nacional de Economia Solidária, de 19 de junho de 2013.

Leia mais

Serviço Executado Por Empresa no Período de Vigência 02/07/2012

Serviço Executado Por Empresa no Período de Vigência 02/07/2012 of // Serviço Executado Por no Período de Vigência //../- A C G TRANSPORTES LTDA ME Goianésia - // //../- AELENIR PEREIRA DE BORBA SILVA Itapuranga - // //../- AF TRANSPORTES E TURISMO LTDA ME Mundo Novo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB.

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB. METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ESTATUINTE consiste em processo consultivo e deliberativo que tem por objetivo geral elaborar o Estatuto da UFRB. Art. 2º - São objetivos específicos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais