Manipulação de Arquivos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manipulação de Arquivos"

Transcrição

1 Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Manipulação de Arquivos Linguagem de Programação Estruturado

2 Sumário Introdução; E/S ANSI Versus E/S UNIX; E/S em C Versus E/S em C++; Streams: Stream Texto; Stream binária. Arquivos; Fundamentos do Sistema de Arquivos: Principais Funções; O Ponteiro de Arquivo. Abrindo um Arquivo; Fechando um Arquivo; Exemplos e Exercícios. 2

3 Introdução A linguagem C não possui nenhum comando de entrada/saída; Todas as operações de entrada/saída ocorrem mediante chamadas a funções da biblioteca C padrão; Embora tal característica possa, a primeira vista, parecer uma desvantagem, na verdade ela permite que o sistema de arquivos de C seja extremamente poderoso e flexível. 3

4 Introdução O sistema de entrada/saída de C é único porque os dados podem ser transferidos na sua representação binária interna ou em um formato de texto legível por humanos. Isso torna fácil criar arquivos que satisfaçam qualquer necessidade 4

5 E/S ANSI Versus E/S UNIX O padrão C ANSI define um conjunto completo de funções de E/S que pode ser utilizado para ler e escrever qualquer tipo de dado. O antigo padrão C UNIX contém dois sistemas distintos de rotinas que realizam operações de E/S: O primeiro método assemelha-se vagamente ao definido pelo padrão C ANSI e é denominado sistema de arquivo com buffer (ou formatado ou de alto nível); O segundo é o sistema de arquivo tipo UNIX (não formatado ou sem buffer) definido apenas sobre o antigo padrão UNIX. 5

6 E/S ANSI Versus E/S UNIX O padrão ANSI não define o sistema sem buffer porque os sistemas são amplamente redundantes sistema de arquivos tipo UNIX pode não ser relevante em certos ambientes; Nesta disciplina daremos ênfase ao sistema de arquivo C ANSI. 6

7 E/S em C Versus E/S em C++ C++ suporta todo o sistema de arquivos definido pelo C ANSI; Entretanto, C++ também define seu próprio sistema de E/S, orientado a objetos, que inclui tanto funções quanto operadores de E/S; O sistema de E/S C++ duplica por completo a funcionalidade do sistema de E/S C ANSI. 7

8 Streams e Arquivos O sistema de E/S de C fornece uma interface consistente ao programador C, independente-mente do dispositivo real que é acessado. Este sistema (que é uma abstração) é chamado de stream e o dispositivo real é chamado de arquivo; OBS: daí a noção que, em C, todos os dispositivos são encarados como arquivos 8

9 Streams O sistema de arquivos de C é projetado para trabalhar com uma ampla variedade de dispositivos, incluindo: terminais, acionadores de disco, acionadores de fita. Embora cada um dos dispositivos seja muito diferente, o sistema de arquivo com buffer transforma-os em um dispositivo lógico chamado de stream. 9

10 Streams Todas as streams comportam-se de forma semelhante. Pelo fato de as streams serem totalmente independentes do dispositivo, a mesma função pode escrever em um arquivo em disco ou em algum outro dispositivo, como o console. Existem dois tipos de streams: texto e binária. 10

11 Streams Texto Um stream de texto é uma seqüência de caracteres. O padrão C ANSI permite (mas não exige) que uma stream de texto seja organizada em linhas terminadas por um caractere de nova linha. Porém, o caractere de nova linha é opcional na última linha e é determinado pela implementação. 11

12 Streams Binárias Uma stream binária é uma seqüência de bytes com uma correspondência de um para um com aqueles encontrados no dispositivo externo; O número de bytes escritos (ou lidos) é o mesmo que o encontrado no dispositivo externo. Porém, um número definido pela implementação de bytes nulos pode ser acrescentado a um stream binário. Esse bytes nulos poderiam ser usados para aumentar a informação para que ela preenchesse um setor de um disco, por exemplo. 12

13 Arquivos Em C, um arquivo pode ser qualquer coisa, desde um arquivo em disco até um terminal ou uma impressora. Associa-se um stream com um arquivo específico realizando uma operação de abertura. Uma vez o arquivo aberto, informações podem ser trocadas entre ele e o seu programa. 13

14 Arquivos Nem todos os arquivos apresentam os mesmos recursos. Por exemplo, um arquivo em disco pode suportar acesso aleatório (seqüencial), enquanto um teclado não pode. Isso releva um ponto importante sobre o sistema de E/S de C: todas as streams são iguais, mas não todos os arquivos. 14

15 Arquivos Se o arquivo pode suportar acesso aleatório Abrir este arquivo inicializa o indicador de posição no arquivo para o começo do arquivo Quando cada caractere é lido ou escrito no arquivo, o indicador de posição é incrementado, garantindo progressão através do arquivo. 15

16 Arquivos Um arquivo é desassociado de uma stream específica por meio de uma operação de fechamento; Se um arquivo aberto para saída for fechado, o conteúdo, da sua stream associada será escrito no dispositivo externo. Este processo é geralmente referido como descarga (flushing) da stream e garante que nenhuma informação seja acidentalmente deixada no bufffer do disco. 16

17 Arquivos Todos os arquivos são fechados automatica-mente quando o programa termina normalmente, com: main() retornando ao sistema operacional ou uma chamada a exit(). Os arquivos não são fechados quando um programa quebra (crash) ou quando ele chama abort(). 17

18 Arquivos Cada stream associada a um arquivo tem uma estrutura de controle de arquivo do tipo FILE. Esta estrutura é definida no cabeçalho stdio.h. Nunca modifique este bloco de controle de arquivo! 18

19 Fundamentos do Sistema de Arquivos O sistema de arquivos C ANSI é composto de diversas funções interrelacionadas; Estas funções exigem o cabeçalho stdio.h ; A maioria das funções começa com a letra f. 19

20 Principais Funções 20

21 Fundamentos do Sistema de Arquivos O arquivo de cabeçalho stdio.h fornece os protótipos para as funções de E/S e define estes três tipos: size_t, fpos_t e FILE O tipo size_t é essencialemnte o mesmo que um unsigned, assim como fpos_t; O tipo FILE será discutido logo adiante. A stdio.h também define várias macros. As mais relevantes são: NULL, EOF, SEEK_SET, FOPEN_MAX, SEEK_CUR e SEE_END. 21

22 Fundamentos do Sistema de Arquivos A macro NULL define um ponteiro nulo; A macro EOF é geralmente definida como 1 e é o valor devolvido quando uma função de entrada tenta ler além do final do arquivo; FOPEN_MAX, define um valor inteiro que determina o número máximo de arquivos que podem estar abertos ao mesmo tempo; As outras macros são usadas com fseek(), que é uma função que executa acesso aleatório em um arquivo. 22

23 O Ponteiro de Arquivo Um ponteiro de arquivo é um ponteiro para informações que definem várias coisas sobre o arquivo: nome, status e a posição atual do arquivo; Um ponteiro de arquivo é uma variável ponteiro do tipo FILE. Para ler ou escrever arquivos, seu programa precisa usar ponteiros de arquivo. Para obter uma variável ponteiro de arquivo, use o comando: FILE *fp; 23

24 Abrindo um Arquivo A função fopen() abre uma stream para uso e associa um arquivo a ela; Ela retorna o ponteiro de arquivo associado a este arquivo; Protótipo: FILE fopen(const char* nomearq, const char* modo*); onde nomearq é um ponteiro para uma cadeia de caracteres que forma um nome válido de arquivo e pode incluir uma especificação de caminho de pesquisa (path). 24

25 Abrindo um Arquivo Modo Significado r Abre um arquivo-texto para leitura w Cria um arquivo-texto para escrita a Anexa a um arquivo-texto rb Abre um arquivo binário para leitura wb Cria um arquivo binário para escrita ab Anexa um arquivo binário r+ Abre um arquivo-texto para leitura/escrita w+ Cria um arquivo-texto para leitura/escrita a+ Anexa ou cria um arquivo-texto para leitura/escrita r+b Abre um arquivo binário para leitura/escrita w+b Cria um arquivo binário para leitura/escrita a+b Anexa um arquivo binário para leitura/escrita 25

26 Abrindo um Arquivo Para abrir um arquivo chamado arquivo1.txt, permitindo escrita, pode-se utilizar: FILE *fp; fp = fopen( arquivo1.txt, w ); Uma maneira mais profissional de escrever o trecho anterior é: FILE *fp; if((fp = fopen( arquivo1.txt, w )) == NULL ) { printf( Nãao foi possível criar o arquivo\n ); exit(1); } Neste segundo caso, qualquer erro na abertura do arquivo será detectado (ex., disco cheio ou protegido contra gravação). 26

27 Abrindo um Arquivo Confirmar o sucesso de fopen() antes de tentar qualquer outra operação sobre o arquivo! Se você usar fopen() para abrir um arquivo com permissão para escrita, qualquer arquivo já existente com esse nome será apagado e um novo arquivo será iniciado; Se nenhum arquivo com este nome existe, um será criado. 27

28 Abrindo um Arquivo Se você deseja adicionar ao final do arquivo, deve usar o modo a ; Arquivos já existentes só podem ser abertos para operações de leitura; Se o arquivo não existe, um erro é devolvido; Se um arquivo é aberto para operações de leitura/escrita, ele não será apagado caso já exista e, senão existir, ele será criado. 28

29 Fechando um Arquivo A função fclose() fecha uma stream que foi aberta por meio de uma chamada a fopen(); Ela escreve qualquer dado que ainda permanece no buffer de disco no arquivo e, então, fecha normalmente o arquivo em nível de sistema operacional; Se um arquivo é aberto para operações de leitura/escrita, ele não será apagado caso já exista e, senão existir, ele será criado. 29

30 Fechando um Arquivo Uma fclose() também libera o bloco de controle de arquivo associado à stream, deixando-o disponível para reutilização. Em muitos casos, há um limite do sistema operacional para o número de arquivos abertos simultaneamente, assim, você deve fechar um arquivo antes de abrir outro. 30

31 Fechamento de Arquivos A função fclose() tem o seguinte protótipo: int fclose(file *fp); onde fp é o ponteiro de arquivo devolvido pela chamada a fopen(). Um valor de retorno zero significa uma operação de fechamento bem sucedida; Qualquer outro valor indica um erro; A função padrão ferror() pode ser utilizada para determinar e informar qualquer problema; Geralmente, fclose() falhará quando um disco tiver sido retirado prematuramente do acionador ou não houver mais espaço no disco. 31

32 Exemplo 1 FILE *fp; char nome_arq[50]; printf( Entre com o nome do arquivo\n ); fgets(nome_arq,50, stdin); if((fp = fopen( nome_arq, r )) == NULL ) { } printf( Não foi possivel abrir o arquivo %s\n, nome_arq); exit(1); 32

33 Exemplo 2 #define MAX 120 FILE *fp; char nome_arq[50], linha[120]; printf( entre com o nome do arquivo\n ); fgets(nome_arq, 50, stdin); if((fp = fopen( nome_arq, r )) == NULL ) { printf( Não foi possivel abrir o arquivo %s\n, nome_arq); exit(1); } while ( fgets(linha,max,fp)!= NULL ) { // aqui fica o processamento de cada linha printf( %s, linha ); } 33

34 Exercícios Dado o nome de um arquivo (entrar pelo teclado), monte um programa que armazene informações de 20 clientes (nome, endereço, telefone, cidade e estado), utilizando uma linha para cada campo. Monte um programa que leia o arquivo anterior e imprima os dados separando cada um dos clientes com um conjunto de #. Ex: ############# Nome: XXXXXX End: XYYYY Tel: OOOOO Cidade: KKKKKKK Estado: OO ############# 34

Rogério Rodrigues de Vargas

Rogério Rodrigues de Vargas OPERAÇÕE COM ARQUIVO EM C/C++ Rogério Rodrigues de Vargas Roteiro o da Aula ua U M ÁRIO Objetivos Conhecer os aspectos básicos de operações com arquivos I N T RODUÇÃO Dominar o processo de descrição e

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Linguagem C - Arquivos - Prof. César Melo cavmelo@dcc.ufam.edu.br Slides preparados pelo Prof. Leandro Galvão galvao@dcc.ufam.edu.br Conceitos iniciais Um arquivo

Leia mais

Manipulação de Arquivos. Técnicas de Programação

Manipulação de Arquivos. Técnicas de Programação Manipulação de Arquivos Técnicas de Programação Agenda do Dia Noções de Manipulação de Arquivos Ponteiros para Arquivos Abrindo Arquivos Fechando Arquivos Exercícios Lendo e Escrevendo em Arquivos Noções

Leia mais

LINGUAGEM C: ARQUIVOS

LINGUAGEM C: ARQUIVOS LINGUAGEM C: ARQUIVOS Prof. André Backes Arquivos 2 Por que usar arquivos? Permitem armazenar grande quantidade de informação; Persistência dos dados (disco); Acesso aos dados poder ser não seqüencial;

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

LINGUAGEM C: ARQUIVOS

LINGUAGEM C: ARQUIVOS LINGUAGEM C: ARQUIVOS Prof. André Backes ARQUIVOS Por que usar arquivos? Permitem armazenar grande quantidade de informação; Persistência dos dados (disco); Acesso aos dados poder ser não seqüencial; Acesso

Leia mais

Outline. 33. Manipulação de arquivos DIM

Outline. 33. Manipulação de arquivos DIM Outline 33. Manipulação de arquivos DIM031 015.1 Leitura e escrita 3 s DIM031 33. Manipulação de arquivos 015.1 1 / 4 DIM031 33. Manipulação de arquivos 015.1 / 4 Arquivo = entidade de armazenamento de

Leia mais

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Arquivos em C

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Arquivos em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquivos em C 1 Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 2º semestre de 2010 ROTEIRO DA AULA Arquivos

Leia mais

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre Programação MEAer e LEE Bertinho Andrade da Costa 2010/2011 1º Semestre Instituto Superior Técnico Manipulação de ficheiros de texto Programação 2010/2011 IST-DEEC Manipulação de Ficheiros 1 Sumário Ficheiros

Leia mais

Capítulo 6: Arquivos

Capítulo 6: Arquivos Capítulo 6: Arquivos Waldemar Celes e Roberto Ierusalimschy 29 de Fevereiro de 2012 1 Funções de entrada e saída em arquivos Nos capítulos anteriores, desenvolvemos programas que capturam seus dados de

Leia mais

Arquivos em C Parte 2

Arquivos em C Parte 2 Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquivos em C Parte 2 Profa Rosana Braga Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 1º semestre de

Leia mais

Métodos Computacionais. Arquivos

Métodos Computacionais. Arquivos Métodos Computacionais Arquivos Arquivos Um arquivo representa um elemento de informação armazenado em memória secundária (disco) Características: Informações são persistidas Atribui-se nomes aos elementos

Leia mais

Leitura de Arquivos. Prof. Fabrício Olivetti de França

Leitura de Arquivos. Prof. Fabrício Olivetti de França Leitura de Arquivos Prof. Fabrício Olivetti de França Leitura de Arquivos Na linguagem C temos um tipo especial chamado FILE para trabalhar com arquivos. Abrindo e fechando um arquivo Para abrir um arquivo

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos Manipulação de Arquivos Devemos iniciar nossa explanação pelo conceito de arquivo: Arquivo é uma unidade lógica utilizada para armazenar dados em disco ou em qualquer outro dispositivo externo de armazenamento.

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos Manipulação de Arquivos Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Tipo

Leia mais

Alocação Dinâmica de Memória - Exercício Escreva um programa em C que manipule um vetor de inteiros não nulos alocado dinamicamente.

Alocação Dinâmica de Memória - Exercício Escreva um programa em C que manipule um vetor de inteiros não nulos alocado dinamicamente. 1 Alocação Dinâmica de Memória - Exercício Escreva um programa em C que manipule um vetor de inteiros não nulos alocado dinamicamente. O programa recebe inteiros, através da entrada padrão, e os insere

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

Programação de Computadores I. Linguagem C Arquivos

Programação de Computadores I. Linguagem C Arquivos Linguagem C Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Novembro de 2011 Unidade 12 Arquivos 1 Trabalhando com Arquivos Um arquivo em Linguagem C pode representar diversas coisas, como: arquivos em disco, uma impressora,

Leia mais

Programação de Computadores I Arquivos na Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Arquivos na Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Arquivos na Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução As informações que os programas utilizam são perdidas quando eles são finalizados ou quando o computador é desligado.

Leia mais

Arquivos. Fundamentos de Arquivos. Discos X Memória Principal. Memória Secundária x Principal. Informação mantida em memória secundária (externa)

Arquivos. Fundamentos de Arquivos. Discos X Memória Principal. Memória Secundária x Principal. Informação mantida em memória secundária (externa) Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Ricardo J. G. B. Campello Fundamentos de Arquivos Adaptado dos Originais de: Leandro C. Cintra Maria Cristina F. de Oliveira Arquivos Informação mantida em memória

Leia mais

Linguagem C. Armazenamento de Dados em Arquivos - Continuação

Linguagem C. Armazenamento de Dados em Arquivos - Continuação Linguagem C Armazenamento de Dados em Arquivos - Continuação Arquivos Binários Comandos para gravação e leitura de arquivos (revisão): FILE *arquivo; arquivo = fopen( nome, modo ); fwrite (&variavel, sizeof

Leia mais

Linguagem C: Arquivo-Texto

Linguagem C: Arquivo-Texto Prof. Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia GEQ007 Organização 1 Introdução em C 2 3 Organização Introdução em C 1 Introdução em C 2 3 Introdução

Leia mais

Aula de Arquivos. Jesimar da Silva Arantes. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos, SP

Aula de Arquivos. Jesimar da Silva Arantes. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos, SP Aula de Arquivos Jesimar da Silva Arantes Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos, SP Estagiário PAE: Jesimar da Silva Arantes Professor: Claudio Fabiano

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 15 - Arquivos. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 15 - Arquivos. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 15 - Arquivos 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

Fundamentos de Arquivos

Fundamentos de Arquivos Fundamentos de Arquivos Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Rosane Minghim 2004-2010 Fonte: Folk & Zoelick, File Structures 2 Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Fitas magnéticas CD DVD

Leia mais

1 Escrita de Arquivos Binário

1 Escrita de Arquivos Binário Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula prática sobre arquivos binários 1 Escrita de Arquivos Binário Esta aula será sobre escrita e leitura de arquivos binários. Nesta

Leia mais

Depuração e Teste de programas C C Depuração e teste de programas C

Depuração e Teste de programas C C Depuração e teste de programas C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Depuração e Teste de programas C C Depuração e teste de programas C Profa Rosana Braga (adaptado de material do prof.

Leia mais

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada Linguagem C Ficheiros Compilação Separada typedef definição de tipos Apontadores para estruturas Ficheiros na bibiloteca standard do C Compilação Separada Definição de novos tipos em C É possível definir

Leia mais

Capítulo 06: Arquivos

Capítulo 06: Arquivos Capítulo 06: Arquivos INF1004 e INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Funções de entrada e saída em arquivos Motivação: quando um programa precisa processar

Leia mais

Linguagem C arquivos. IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Linguagem C arquivos. IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Linguagem C arquivos IF61A/IF71A - Computação 1 Prof. Leonelo Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Até agora... Introdução à linguagem C... Vetores Matrizes Funções Recursão Registros Ponteiros

Leia mais

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática 16 ARQUIVOS Um arquivo corresponde a um conjunto de informações (exemplo: uma estrutura de dados-registro), que pode ser armazenado em um dispositivo de memória permanente, exemplo disco rígido. As operações

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos 394 Podemos escrever e ler blocos de dados em um determinado arquivo. Para tanto, a linguagem C, disponibiliza as funções fread() e fwrite(). - fread Manipulação de Arquivos O protótipo de fread() é: unsigned

Leia mais

Structs, Ponteiros e Arquivos. Prof. Maurício Dias

Structs, Ponteiros e Arquivos. Prof. Maurício Dias Structs, Ponteiros e Arquivos Prof. Maurício Dias Registros e structs Um registro (= record) é uma coleção de várias variáveis, possivelmente de tipos diferentes. Na linguagem C, registros são conhecidos

Leia mais

INF1005: Programação 1. Arquivos. 02/05/10 (c) Paula Rodrigues 1

INF1005: Programação 1. Arquivos. 02/05/10 (c) Paula Rodrigues 1 INF1005: Programação 1 Arquivos 02/05/10 (c) Paula Rodrigues 1 Tópicos Principais Motivação Abertura e fechamento de arquivos Leitura com fscanf Escrita com fprintf 08/03/10 (c) Paula Rodrigues 2 Motivação

Leia mais

Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Rosane Minghim PAE 2012: Rafael Martins. Fonte: Folk& Zoelick, File Structure

Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Rosane Minghim PAE 2012: Rafael Martins. Fonte: Folk& Zoelick, File Structure Fundamentos de Arquivos Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Rosane Minghim 2004-2012 PAE 2012: Rafael Martins Fonte: Folk& Zoelick, File Structure 2 Arquivos Informação mantida em memória secundária HD

Leia mais

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Profa. Juliana Pinheiro Campos Arquivos ESTRUTURAS DE DADOS Técnicas para que possamos salvar e recuperar informações em arquivos de maneira estruturada. Assim será possível implementar

Leia mais

Sequência de informações binárias armazenadas num dispositivo de armazenamento permanente. Em geral os bits são agrupados em grupos de 8 (1 byte)

Sequência de informações binárias armazenadas num dispositivo de armazenamento permanente. Em geral os bits são agrupados em grupos de 8 (1 byte) Arquivos Apesar da organização física sequencial dos bytes no arquivo, podemos em cima desta organização básica implementar outros tipos de estruturação para uma arquivo Arquivo Sequência de informações

Leia mais

Linguagem de Programação C. Arquivos Binários

Linguagem de Programação C. Arquivos Binários Arquivos Binários Cristiano Lehrer Motivação Variáveis int e float tem tamanho fixo em memória: int 2 bytes. float 4 bytes. A representação em texto dos números precisa de uma quantidade variável de caracteres:

Leia mais

Arquivos Binários UFOP 1/25

Arquivos Binários UFOP 1/25 BCC 201 - Introdução à Programação I Arquivos Binários Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/25 Arquivos Binários: typedef, structs em Arquivos I t y p e d e f s t r u c t Dados { i n t dia, mes, ano ; d o u

Leia mais

Arquivos em C. Notas de Aula. Prof. Francisco Rapchan

Arquivos em C. Notas de Aula. Prof. Francisco Rapchan Arquivos em C Notas de Aula Prof. Francisco Rapchan www.geocities.com/chicorapchan Há várias definições para arquivos em computação. Uma das mais usadas é a de que um arquivo é um conjunto de registros

Leia mais

4,0 pontos), exclusão de registro e exclusão completa de dados; 3. A nota final do trabalho terá um peso 4.

4,0 pontos), exclusão de registro e exclusão completa de dados; 3. A nota final do trabalho terá um peso 4. Seminário interdisciplinar (Programação Estruturada + Estrutura de Dados) OBJETIVO: 1. Criar um cadastro simples, e armazenar os dados em um arquivotexto ou binário (2,0 pontos); 2. Realizar as operações

Leia mais

MC-102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC-102 Algoritmos e Programação de Computadores MC-102 Algoritmos e Programação de Computadores Prof. Ariel Vargas Unicamp Arquivos Binários Arquivos Arquivos Texto Podem ser manipulados por um editor de texto comum Os dados são gravados como caracteres

Leia mais

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Arquivos Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Entidades } Aplicações precisam armazenar dados sobre as mais diversas entidades, que podem ser concretas ou abstratas } Funcionário de uma empresa (concreto)

Leia mais

1 Arquivos em C. CEFETES Serra - Programação II Mateus Costa Notas de Aula - Arquivos

1 Arquivos em C. CEFETES Serra - Programação II Mateus Costa Notas de Aula - Arquivos CEFETES Serra - Programação II Mateus Costa Notas de Aula - Arquivos 1 Arquivos em C O objetivo deste capítulo e permitir a construção de programas que armazenem dados de forma permanente em dispositivos

Leia mais

Manipulação de arquivos

Manipulação de arquivos 246 Arquivo En4dade básica do sistema operacional (SO). Estrutura que armazena informação de forma não volá4l em disposi4vos de memória permanente. Após sua criação, podem ser acessados e modificados por

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Aula 16. Ficheiros de texto

Aula 16. Ficheiros de texto Aula 16 Aprender Empreender 1 Ficheiros de texto Ficheiros de texto Nos ficheiros de texto a informação é guardada sob a forma de linhas de texto, separadas por um carácter terminador de linha, '\n' (

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Entrad Entrada / Saíd a / Saída

Entrad Entrada / Saíd a / Saída Entrada / Saída Entrada e Saída em C Entrada e saída pelo console Funções getchar e putchar Retorna ou escreve na saída padrão 1 caracter Função puts Escreve uma cadeia de caracteres na saída padrão (gets

Leia mais

O pré-processador executa transformações controladas no arquivo fonte antes da compilação. Os comandos (sentenças) sempre são iniciados por #.

O pré-processador executa transformações controladas no arquivo fonte antes da compilação. Os comandos (sentenças) sempre são iniciados por #. O modificador static Se o modificador static for utilizado na declaração de uma variável local em uma função, essa variável não perderá seu valor entre chamadas à função. void rot1() { static int var1=0;

Leia mais

Ficheiros. IPC2 1999/2000 F. Nunes Ferreira

Ficheiros. IPC2 1999/2000 F. Nunes Ferreira Ficheiros IPC2 1999/2000 F. Nunes Ferreira Acetatos baseados no livro C: How to Program (second edition) H. M. Deitel P. J. Deitel Prentice Hall, 1994 Ficheiros Introdução 2 Os ficheiros são utilizados

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO Introdução à Linguagem C Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br

Leia mais

Arquivos. Introdução à Programação SI1

Arquivos. Introdução à Programação SI1 Arquivos Introdução à Programação SI1 1 Conteúdo Arquivos Conceitos Operações Métodos Exercícios 2 Arquivos Entrada e saída são operações de comunicação de um programa com o mundo externo Essa comunicação

Leia mais

Manipulação de Arquivos Binários

Manipulação de Arquivos Binários Introdução à Computação I Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP Prof. Dr. José Augusto Baranauskas IBm1006 1º Semestre/2006 Notas de Aula Manipulação de Arquivos Binários Até agora vimos como

Leia mais

INF 1620 P4-06/12/02 Questão 1 Nome:

INF 1620 P4-06/12/02 Questão 1 Nome: INF 1620 P4-06/12/02 Questão 1 (a) Escreva uma função em C que receba como parâmetro um número inteiro não negativo e retorne, como resultado da função, o valor do seu fatorial. O cabeçalho desta função

Leia mais

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo Programação Básica Estrutura de um algoritmo Código-fonte Como vimos na aula anterior um algoritmo pode ser representado usando um fluxograma Um algoritmo pode também ser representado usando texto Esse

Leia mais

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings)

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Até agora, quando desejávamos indicar o número de elementos existentes em um vetor qualquer, utilizávamos uma variável inteira, digamos tam, para armazenar tal

Leia mais

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 03/03/2010 Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS

LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS Prof. André Backes DEFINIÇÃO String Sequência de caracteres adjacentes na memória. Essa sequência de caracteres, que pode ser uma palavra ou frase Em outras palavras,

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Fundamentos de Arquivos SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Disquetes Fitas magnéticas CD DVD 2 Discos X Memória Principal Tempo de acesso HD:

Leia mais

Arquivos. Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira. Departamento de Tecnologia da Informação Faculdade de Tecnologia de São Paulo

Arquivos. Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira. Departamento de Tecnologia da Informação Faculdade de Tecnologia de São Paulo Arquivos Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira Departamento de Tecnologia da Informação Faculdade de Tecnologia de São Paulo Arquivos Um arquivo é uma coleção homogênea de itens que reside em disco. teclado

Leia mais

Ponteiros. Introdução

Ponteiros. Introdução Ponteiros Introdução Conceito Um PONTEIRO ou APONTADOR é uma variável usada para armazenar um endereço de memória. Normalmente, o endereço armazenado em um PONTEIRO é a posição de uma outra variável na

Leia mais

PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. MARCOS QUINET (BASEADO NO MATERIAL ORIGINAL DO PROF. ANDRÉ RENATO) Arquivos binários

PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. MARCOS QUINET (BASEADO NO MATERIAL ORIGINAL DO PROF. ANDRÉ RENATO) Arquivos binários PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. MARCOS QUINET (BASEADO NO MATERIAL ORIGINAL DO PROF. ANDRÉ RENATO) Arquivos binários VISÃO GERAL Os arquivos binários se diferenciam dos arquivos textos, pois os dados lidos

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação aula 4 Engenharia Elétrica e Engenharia de Automação Introdução à Computação 1.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) Programas Programas são seqüências de instruções

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados Tipos Abstratos de Dados Tipo Abstrato de Dados ou TAD Idéia principal: desvincular o tipo de dado (valores e operações) de sua implementação: O que o tipo faz e não como ele faz! Vantagens da desvinculação:

Leia mais

Linguagens de Programação I

Linguagens de Programação I Linguagens de Programação I Tema # 4 Operadores em C Susana M Iglesias FUNÇÕES ENTRADA-SAÍDA I/O printf(), utilizada para enviar dados ao dispositivo de saída padrão (stdout), scanf(), utilizada para ler

Leia mais

Curso de C. Comunicação e Arquivos. 24/05/2010 Arnaldo V Moura, Daniel F. Ferber 1

Curso de C. Comunicação e Arquivos. 24/05/2010 Arnaldo V Moura, Daniel F. Ferber 1 Curso de C Comunicação e Arquivos 24/05/2010 18:40 @ Arnaldo V Moura, Daniel F. Ferber 1 Tipos Avançados de Dados Roteiro: Fluxos de Dados Arquivos Abrir/Fechar Ler/Escrever Outras operações Entrada/Saída

Leia mais

Caracteres e Cadeias de Caracteres

Caracteres e Cadeias de Caracteres Caracteres e Cadeias de Caracteres INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 caracteres e cadeias de caracteres tópicos caracteres cadeias de caracteres (strings) vetor

Leia mais

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS Disciplina de Nivelamento - 2000/1: ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS Professor Responsável: Prof. Fernando Santos

Leia mais

Conceitos Básicos da Linguagem C++ Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Conceitos Básicos da Linguagem C++ Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Conceitos Básicos da Linguagem C++ Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário As Origens da Linguagem C++; Primeiro Programa em C++; Declaração e Leitura de Variáveis; Estruturas de Seleção; if; switch; Estruturas

Leia mais

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1 14. Arquivos W. Celes e J. L. Rangel Neste capítulo, apresentaremos alguns conceitos básicos sobre arquivos, e alguns detalhes da forma de tratamento de arquivos em disco na linguagem C. A finalidade desta

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC PREFÁCIO A linguagem C foi desenvolvida no início da década de 70 por dois pesquisadores do Bell Laboratories, Brian Kernihgan e Dennis Ritchie,

Leia mais

Elementos de programação em C

Elementos de programação em C Elementos de programação em C Entrada e saída: teclado e monitor de vídeo Francisco A. C. Pinheiro, Elementos de Programação em C, Bookman, 2012. Visite os sítios do livro para obter material adicional:

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo Sistemas de s Introdução O armazenamento e a recuperação de informações

Leia mais

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião Introdução a Linguagem C Prof. Me. Hélio Esperidião Características de um programa De forma geral a maioria dos programas são compostos por dados de entrada, processamento e dados de saída. Entrada de

Leia mais

Arquivos de Texto UFOP 1/31

Arquivos de Texto UFOP 1/31 BCC 201 - Introdução à Programação I Arquivos de Texto Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/31 Arquivos I Podem armazenar grande quantidade de informação Dados são persistentes (gravados em disco) Acessso aos

Leia mais

Pascal. -Cabeçalho do programa. - label - const - type - var - procedure - function. - integer - real - byte - boolean - char - string

Pascal. -Cabeçalho do programa. - label - const - type - var - procedure - function. - integer - real - byte - boolean - char - string Pascal -Cabeçalho do programa Áreas do programa -Área de declarações -Corpo do programa - label - const - type - var - procedure - function - integer - real - byte - boolean - char - string Program

Leia mais

A Linguagem C. A forma de um programa em C

A Linguagem C. A forma de um programa em C A Linguagem C Criada em 1972 por D. M. Ritchie e K. Thompson. Tornou-se uma das mais importantes e populares, principalmente pela portabilidade e flexibilidade. Foi projetada para o desenvolvimento de

Leia mais

Comunicação. O Modelo de Fluxo de Dados (Streams)

Comunicação. O Modelo de Fluxo de Dados (Streams) Comunicação O Modelo de Fluxo de Dados (Streams) Os programas escritos em C utilizam o conceito de fluxo de dados (em, inglês, eles são chamados de streams) para comunicarem-se com dispositivos do computador

Leia mais

Leitura Segura de Strings

Leitura Segura de Strings Leitura Segura de Strings As funções da biblioteca padrão de C que podem ser usadas para leitura de strings não são suficientemente adequadas para esta finalidade básica. Nesta seção, serão descritos alguns

Leia mais

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná em C Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Uma matriz é uma coleção de variáveis do mesmo tipo que é referenciada por um nome comum; Em C todas as matrizes consistem

Leia mais

Ambiente de desenvolvimento

Ambiente de desenvolvimento Linguagem C Ambiente de desenvolvimento Um programa em C passa por seis fases até a execução: 1) Edição 2) Pré-processamento 3) Compilação 4) Linking 5) Carregamento 6) Execução Etapa 1: Criação do programa

Leia mais

TUTORIAL SIMPLIFICADO DE MATLAB

TUTORIAL SIMPLIFICADO DE MATLAB TUTORIAL SIMPLIFICADO DE MATLAB Esse tutorial visa apresentar apenas as funções mais utilizadas pelo grupo. O Matlab suporta várias funções de entrada e saída de arquivos da linguagem C. Tais funções incluem

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Introdução Acesso ao Subsistema de E/S Subsistema de E/S Device Drivers Controladores Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho,

Leia mais

Introdução à Programação em C (II)

Introdução à Programação em C (II) Introdução à Programação em C (II) Resumo Streams de Texto Leitura e escrita de caracteres Caracteres como números inteiros Exemplos Cópia de Ficheiros Contagem de Caracteres Contagem de Linhas Contagem

Leia mais

Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B

Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B Prof. Rafael Oliveira olivrap@gmail.com Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Rio Claro 2014 (Sem 2) O ambiente de execução

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I Arquivos Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Considere que um arquivo de dados contém os valores das dimensões (tam. max.: 100) e dos elementos de duas matrizes de números

Leia mais

1 O filtro da mediana

1 O filtro da mediana CCM0118 Computação I Departamento de Ciência da Computação IME-USP Curso de Ciências Moleculares Turma 22 Segundo Semestre de 2012 Quarto Exercício-Programa Prazo de entrega: até 4 de dezembro de 2012.

Leia mais

Aula 1 Apresentação do Curso

Aula 1 Apresentação do Curso Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo SSC 502 Laboratório de Introdução a Ciência de Computação I Aula 1 Apresentação do Curso Responsável Prof. Seiji Isotani (sisotani@icmc.usp.br)

Leia mais

Programação de Computadores II. Cap. 7 Cadeias de Caracteres 1/2

Programação de Computadores II. Cap. 7 Cadeias de Caracteres 1/2 Programação de Computadores II Cap. 7 Cadeias de Caracteres 1/2 Livro: Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel. Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004) Slides adaptados dos

Leia mais