REBECA ARAÚJO TONELLO DIMENSIONAMENTO DE CIMBRAMENTO METÁLICO DE UMA LAJE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REBECA ARAÚJO TONELLO DIMENSIONAMENTO DE CIMBRAMENTO METÁLICO DE UMA LAJE"

Transcrição

1 i REBECA ARAÚJO TONELLO DIMENSIONAMENTO DE CIMBRAMENTO METÁLICO DE UMA LAJE Artigo apresentado ao curso de graduação em Engenharia Civil da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para a obtenção de Título de Bacharel em Engenharia Civil. Orientador: Luis Alejandro Perez Peña Brasília 2014

2 ii Artigo de autoria de (Rebeca Araújo Tonello), intitulado DIMENSIONAMENTO DE CIMBRAMENTO METÁLICO DE UMA LAJE, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia Civil da Universidade Católica de Brasília, em (09 de junho de 2014), defendido e aprovado pela banca examinadora abaixo assinada: Prof. (MSc). (Luis Alejandro Perez Peña) Orientador Curso de Engenharia Civil UCB Supervisor de Projetos (Gilson de Jesus Martins) Co-orientador Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A. Prof. (MSc). (Carlos Henrique de Moura Cunha) Examinador Curso de Engenharia Civil UCB Brasília 2014

3 iii AGRADECIMENTOS Agradeço em especial a minha mãe por me apoiar durante todo o curso de graduação e me ensinar o valor dos estudos para a vida profissional; pelo carinho, amor e incentivo que tanto contribuíram na minha segunda formação em Engenharia. Ao meu pai que esteve ao meu lado me passando sabedoria, experiências e compreensão. Meus sinceros agradecimentos aos meus avós e outros familiares que, além de mimos, nunca me negaram um apoio e me proporcionaram a momentos especiais. Ao meu orientador do trabalho de conclusão de curso pela colaboração e seus conhecimentos repassados. Aos meus amigos da Universidade Católica de Brasília, que me ajudaram a concluir o curso de graduação. Aos meus amigos de infância que me deram força para concluir a segunda graduação. A Empresa que estagiei durante dois anos neste curso, Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A, e que me ajudou a concluir este projeto com conhecimentos técnicos. Aos Engenheiros e colegas de estágio que considero como amigos e admiro toda a equipe por tanta determinação e companheirismo.

4 1 DIMENSIONAMENTO DE CIMBRAMENTO METÁLICO DE UMA LAJE REBECA ARAÚJO TONELLO RESUMO O cimbramento metálico é uma estrutura provisória que é usada em grande parte das obras e sua função é de grande importância para o ramo da Engenharia Civil. É responsável por sustentar as peças de concreto até sua resistência necessária. O cimbramento metálico é uma estrutura que deve ser calculada, projetada e executada devidamente para não causar acidentes de trabalho, danos à estrutura de concreto e atrasos na obra. Este estudo visa dimensionar um cimbramento metálico em uma laje, utilizando cálculos e procedimentos citados na norma NBR 15696:2009 Fôrmas e escoramentos para estruturas de concreto Projeto, dimensionamento e procedimentos executivos. Palavras-chave: Cimbramento. Estrutura. Dimensionamento. Norma.

5 2 SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO Obras com cimbramento metálico REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ABNT NBR 15696: Fôrmas Escoramento metálico Materiais de cimbramento metálico Viga Aluma 140 e Escoras Escoramento Millstour Base de Apoio MATERIAL E MÉTODOS Dimensionamento Métodos de Cálculo Estado limite-último Estado-limite de utilização Combinações de ações Dimensionamento do cimbramento da laje Resistência do cálculo da madeira para o compensado na laje Para cálculo do vão máximo do compensado Para cálculo do vão máximo da viga secundária VA Para cálculo do vão máximo da Viga Primária Carga no poste Base de apoio RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES...25

6 3 1. INTRODUÇÃO Para que uma obra tenha sua finalização com exodo, um dos elementos mais usados é o escoramento ou cimbramento metálico, o qual é composto por elementos de aço ou alumínio que servem de apoio às fôrmas para concreto com a função de sustentar as cargas e sobrecargas da estrutura e transferi-las ao solo ou ao pavimento inferior. O sistema pode ser usado em diversos tipos de obras como edifícios, obras industriais, barragens, viadutos, entre outros. A sofisticação aplicada nestes equipamentos aumentou o interesse de engenheiros a se especializarem nessa área e elaborar estudos sobre o assunto. Com os estudos avançados da engenharia civil, o aperfeiçoamento da qualidade de serviços e concorrentes do mercado, tornou-se para as empresas um desafio implementar esses estudos, visando melhorar a segurança dos seus trabalhadores, evitando acidentes de trabalho, atrasos em obra e confiança do cliente. Parte dos acidentes em obras são consequências, também, da errada manipulação e montagem de elementos como andaimes, elevações e escoramentos. A montagem desses elementos deixou de ser uma atividade qualquer e essas condições incentivaram a elaboração de uma norma brasileira, a NBR 15696: Fôrmas e escoramentos para estruturas de concreto - Projeto, dimensionamento e procedimentos executivos que fixam os procedimentos e condições que devem ser obedecidos na execução das estruturas provisórias que servem de fôrmas e escoramentos, para a execução de estruturas de concreto moldadas in loco. Destaca-se que poucos trabalhos de pesquisa têm sido realizados no tema de escoramentos. Assim sendo, a principal motivação deste projeto. Com o objetivo de buscar soluções mais econômicas, métodos alternativos para análise estrutural e conhecimento dos regimes de utilização do equipamento. Sendo assim, o objetivo deste estudo é dimensionar um escoramento metálico para uma laje, utilizando os critérios estabelecidos na norma brasileira NBR 15696:2009, baseando-se em uma empresa atuante no mercado da construção civil, Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A, especializada em fornecimento de soluções de engenharia em fôrmas de concretagem, cimbramento metálico, andaimes e locação de equipamentos motorizados.

7 4 1.1 Obras com cimbramento metálico Edifício Parque Cidade Jardim, São Paulo: Na execução da estrutura das torres residenciais, foram utilizados Cimbre G, Escoras SP, Vigas BTM e VM-20, enquanto o depósito foi construído com a Fôrma Portátil COMAIN. Durante a obra, chegou a ser utilizadas 500 toneladas de diferentes sistemas de fôrmas, escoras e cimbres (www.ulmaconstruction.com.br). Visualizada na figura 1 e detalhamento de cada material no anexo A. Figura 1: Edifício Parque Cidade Jardim. Fonte: Ulma Construction. Fábrica de Cimento, Xambióa: A estrutura vertical de um dos edifícios industriais superava os 110 metros de altura, para qual foram utilizadas torres de Cimbre T-60. Concebidas para cobrir alturas consideráveis assim como para o escoramento de grandes lajes, executadas neste caso com um sistema de Vigas BTM (www.ulmaconstruction.com.br). Visualizada na figura 2 e detalhamento dos materiais no anexo A.

8 5 Figura 2: Fábrica de cimento. Fonte: Ulma Construction. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 ABNT NBR 15696:2009 A NBR 15696:2009 Fôrmas e escoramentos para estruturas de concreto Projeto, dimensionamento e procedimentos executivos, é a principal norma de referência neste estudo. Nesta descrevem-se os procedimentos e condições que devem ser obedecidos na execução das estruturas provisórias de fôrma e escoramento, para a execução de estruturas de concreto moldadas in loco. Os materiais, equipamentos utilizados e os critérios para o dimensionamento do projeto e execução das estruturas provisórias também são incluídos nesta norma. De acordo com a norma NBR 15696:2009, alguns requisitos de projeto devem ser obedecidos. 1) Projetos de escoramento a) Especificar as cargas admissíveis dos equipamentos utilizados; b) Definir clara e exatamente o posicionamento de todos os elementos;

9 6 c) Definir as cargas nas bases de apoio; d) Ser detalhado com plantas, cortes, vistas e demais detalhes, de tal forma que não fiquem dúvidas para a correta execução de montagem. 2) Projetos de fôrmas a) Especificar os materiais utilizados; b) Definir clara e exatamente o posicionamento de todos os elementos; c) Mencionar os critérios adotados para o dimensionamento da fôrma, tais como a pressão do concreto, a velocidade de lançamento, altura de concretagem e de vibração, consistência do concreto, metodologia de lançamento etc.; d) Ser detalhado com plantas, cortes, vistas e demais detalhes, de tal forma que não fiquem dúvidas para a correta execução da montagem. 2.2 Fôrmas Estruturas provisórias que servem para moldar o concreto fresco, resistindo a todas as ações provenientes das cargas variáveis resultantes das pressões do lançamento do concreto fresco, até que o concreto se torne autoportante (NBR 15696:2009). Na figura 3 indica um exemplo de fôrma e especificada no anexo A. Figura 3: Fôrma Mills SL Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A.

10 7 2.3 Escoramento metálico Estruturas provisórias com capacidade de resistir e transmitir às bases de apoio da estrutura do escoramento todas as ações provenientes das cargas permanentes e variáveis resultantes do lançamento do concreto fresco sobre as fôrmas horizontais e verticais, até que o concreto se torne autoportante (NBR 15696:2009). Com a implantação de novas tecnologias, as quais o escoramento metálico pode ser citado como uma, há uma grande necessidade de garantir a boa execução do serviço. As empresas especializadas nessa atividade, além de elaborar projeto, têm que dispor de profissionais qualificados para a boa execução da montagem, além de garantir a responsabilidade técnica da atividade a ser exercida (PINTO, 2011). Figura 4: Escoramento Mills. Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A. É importante descrever algumas de suas vantagens executivas. Estas vantagens ficam mais latentes quando se compara escoramento metálico e escoramento de madeira, podendose citar como exemplo: possibilidade de muitos reaproveitamentos; ocupa pouco espaço nos canteiros de obra; elevada resistência (absorção de carga); simples manuseio.

11 8 2.4 Materiais de cimbramento metálico Compensado de madeira sarrafeado Recomendado para fôrmas de concreto não aparente, construção de alojamentos temporários, bandejas de proteção, lajes, tapumes, canteiros de obras, embalagens, paredes, base para aplicação de revestimentos finos como carpetes, vinil, outdoors, etc.. É um produto para as mais diversas situações onde o contato com umidade pode acontecer. Painel composto de lâminas de madeira sobrepostas em número ímpar de camadas, formando um ângulo de 90 entre as camadas adjacentes. Os compensados são painéis com aplicações muito abrangentes, sendo destinada para setores de construção civil, naval, indústria moveleira, embalagens, etc (www.meyerdobrasil.com.br). Na figura 5 indica um exemplo de compensado sarrafeado juntamente com as informações na tabela 1. Figura 5: Compensado sarrafeado Meyer do Brasil.

12 9 Tabela 1: Informações de compensado de madeira sarrafeado. Compensado 244cm x 122cm Espessuras (mm) Momento (kgf.m) E.I (kgf.m²) Peso (kg/m²) , , , , , , ,5 Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A Viga Aluma 140 e 165 Perfil metálico em alumínio extrudado possui sarrafo de madeira de 40 x 40 mm para fixação do compensado de madeira, este sarrafo de madeira não possui efeito estrutural. O perfil de alumínio possui uma elevada relação peso x resistência, possibilitando vencer maiores vãos, reduzindo o material de escoramento sob a laje e aumentando assim a produtividade da obra. O elevado controle de produção e mecanização proporcionada maior planicidade e linearidade aos perfis, permitindo um melhor nivelamento das lajes (nível zero) (COSTA, 2012). As vigas secundárias, conhecidas também como viga de barroteamento, são colocadas abaixo do compensado. Serve de apoio ao compensado e apresentando a função principal de evitar deformações exageradas que possam influenciar nas características geométricas da peça a ser concretada (FERREIRA E MENEZES, 2012). As vigas principais são responsáveis por receber o peso do concreto junto com o peso das vigas secundárias e do compensado. Por isso o motivo de serem mais espessas e maiores. São localizadas perpendicularmente abaixo das vigas de barroteamento servindo de apoio para as mesmas (FERREIRA E MENEZES, 2012).

13 10 Figura 6: Viga Aluma 140. Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A. Tabela 2: Informações de vigas de alumínio Mills. Vigas Mills Tipo Momento (kgf.m) E.I (kgf.m²) Peso (kg/m) VA ,0 VA ,0 VA ,0 Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A Escoras As escoras não são apoios teóricos, e como qualquer material que recebe uma carga, elas se deformam. Contudo, para cumprir sua função, as escoras devem se deformar de forma desprezível para o sistema. Logo, a deformação não pode ser usada para determinar o máximo carregamento que uma escora suporta (OLIVEIRA, 2012). As escoras podem deformar até seu limite elástico, não atingindo o plástico para que não haja deformações permanentes. As escoras são muito utilizadas nas construções de baixa altura, em substituiçao aos montantes de madeira. Podem ser utilizadas nas concretagens de lajes de cobertura de galeria, bueiros de concreto, reservatorios e etc (CEHOP, 2014).

14 Escoramento Millstour O Millstour é um sistema de torres modulares destinado a executar escoramentos verticais. Foi desenvolvido para ser utilizado em situações que envolvem o escoramento de cargas elevadas, geralmente encontradas em construções de grande porte, tais como: obras industriais, pontes, viadutos, aeroportos e barragens. O sistema Millstour possui montagem de simples execução com a possibilidade de se obter torres isoladas ou torres compostas, possibilidade de deslocamento de conjuntos de torres com guindaste, aumentando a produtividade tanto na montagem quanto na desmontagem do equipamento. O Millstour suporta grandes concentrações de cargas além de alcançar grandes alturas, permitindo assim, o escoramento das mais diversas estruturas.a possibilidade de ajustes inferiores e superiores permite que o equipamento atenda a situações que envolvam geometrias complexas. Fabricado com Aço carbono SAE 1010, com aplicação ampla na construção civil, esse aço possui baixo teor de carbono e fácil manuseio de soldas. Compatível com os aços comerciais de mercado ASTM A36 (www.mills.com.br). Figura 7: Escoramento Millstour. Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A.

15 12 Tabela 3: Características poste Millstour. Características MILLSTOUR SAE 1008/1010 Diâmetro Nominal (pol) 2 Espessura (mm) 3,05 Diâmetro externo (mm) 60,3 Área de Seção (mm²) 548,1 Mód. Resistencia (mm³) 7475 Mom. Inércia (mm4) ,9 Raio de Giração (mm) 20,27 Mód. Elasticidade (kgf/mm²) Mom. Fletor Admissível (kgf.m) 82,2 Carga Admissível (kgf) 6029,1 Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A Base de Apoio A base de apoio deve estar apta a receber a carga proveniente do poste e transmitir tensões compatíveis ao solo. Os cuidados na base de apoio são para que não venhamos a ter recalques diferenciais, que podem levar uma estrutura à ruína. São exemplos de cuidados: Sempre solicitar a avaliação do solo de suporte antes de montar o equipamento, evitando apoiar diretamente sobre solos inadequados como solos orgânicos e superficiais; Nunca apoiar as bases próximas de taludes (distância mínima de 1,0 m); Sempre executar a drenagem do solo (antes da montagem do equipamento); Se apoiar sobre pranchões (criando uma base rígida de apoio), deve-se calcular a altura e a área de contato dos mesmos; Atentar ao aumento de número de postes, pois isso significa mais carga transmitida sobre a área de contato. Para utilizarmos a base fixa como base de apoio, a seguinte relação deve ser respeitada: σ adm > (1)

16 13 σ = tensão admissível do solo (varia dependendo do tipo de solo) P = carga do poste (carga axial transmitida pela estrutura) A= área da base fixa do Millstour. Caso a tensão exercida pelo cimbramento for maior que a tensão admissível do solo, é preciso dimensionar uma base rígida de apoio. Para o dimensionamento da base rígida de apoio, devemos estabelecer uma área de contato (A) suficiente para que o solo suporte a carga transmitida pela estrutura. σ = (2) onde: A = (2h+ b)² (3) A = área da base rígida de apoio necessária H = altura da base rígida b = lado da chapa da base fixa (= 15 cm) Figura 8: Base rígida Millstour. Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A.

17 14 3. MATERIAL E MÉTODOS Esta pesquisa foi realizada no intuito de detalhar o dimensionamento de um cimbramento metálico, onde necessitam-se de conhecimentos, normas específicas e pesquisas. Foi realizado na cidade de Brasília-DF, com ajuda de engenheiros que atuam na área e baseado na empresa Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A. Alguns dados foram extraídos da empresa citada, onde a Norma Brasileira foi usada como referência. 3.1 Dimensionamento Especificações de materiais Utilizam-se os valores de cargas abaixo, de acordo com a NBR 15696:2009. A sobrecarga de trabalho e pressão do vento utilizado tem valor mínimo e o peso específico do concreto foi adotado 25 kn/m³ para concreto seco, mas geralmente adota-se de 26 a 27 kn/m³, para concreto fresco. Sobrecarga de trabalho: 2,0 kn/m²; Peso específico do concreto: 25 kn/m³; Pressão de vento: 0,6 kn/m²; Espessura da laje: 20 cm; Compensado resinado naval de 18 mm com 244cm x 122cm. A Tabela 1 especifica os valores de cada compensado, de acordo com a empresa fornecedora de chapas de madeira para a empresa Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A; Viga Alumínio secundária: Viga Aluma 140, conforme Tabela 2; Viga Alumínio principal: Viga Aluma 165, conforme Tabela 2; Usou-se o escoramento metálico Millstour com torres de 1,60 x 1,60 m; Altura do solo a laje de 7,7 m.

18 Métodos de Cálculo Estado limite-último De acordo com a NBR 15696:2009 e NBR 8681:2005, o cálculo deve ser feito pelo estado limite último. Deve-se verificar se: Fd Rd (4) Sendo: Rd = (5) Onde: Rd é a resistência de projeto; Rk é a resistência característica do material; Fd é o valor do calculo da ação; γw é o coeficiente de ponderação do material. Para efeitos desta norma, embora fôrmas e escoramentos sejam de caráter provisório, as combinações de cargas a ser consideradas devem ser provenientes de construções normais, dadas por: (6) Onde: Fqi,k representa o valor característico da ação variável considerada como principal para a situação transitória; Ψ0j,ef é igual ao fator ψ0j adotado nas combinações normais e tomando como 1,0 e γq=1,4, ou seja:

19 16 (7) Estado-limite de utilização Estados que, pela sua ocorrência, repetição ou duração, provoquem efeitos incompatíveis com as condições de uso da estrutura, tais como: deslocamentos excessivos, vibrações e deformações permanentes. A condição para dimensionamento é: utotal ulim (8) Em que: utotal é a máxima flecha que ocorre no elemento, calculada com carga de peso próprio do concreto e sobrecarga de 1,0 kn/m², sem aplicação de coeficiente de segurança, onde: utotal = (9) ulim é a deformação-limite, onde: ulim = 1+ (10) Entende-se por vão entre apoios (L) a distância entre os apoios de cada elemento estrutural do escoramento ou fôrma estudada, conforme Figura 9, dada em milímetros. Figura 9: Deformação de um vão L entre apoios.

20 Combinações de ações O peso próprio é considerado como uma ação permanente. No entanto, a Seção da ABNT NBR 15696:2009 indica que embora este sistema seja de caráter provisório, as combinações de carregamento serão consideradas como combinações normais, admitindo-se o peso próprio como ação variável. Tem-se a seguinte situação: q laje = peso específico do concreto x espessura da laje + SC de trabalho 4,0 kn/m² q laje = 25 kn/m³ x 0,20 m + 2 kn/m² = 7 kn/m² 4,0 kn/m² Verificando com a equação (7), para obtermos o Fd do aço, temos: Fd = 1,4 x 7 kn/m² = 9,8 Kn/m² 4,0 kn/m² (como recomenda a norma) Dimensionamento do cimbramento da laje O dimensionamento do cimbramento se faz através do cálculo dos vãos máximos admissíveis para: Compensado; Viga secundária; Viga primária. Utiliza-se o vão máximo através do Momento Fletor admissível e da deflexão ou flecha admissível, adota-se o menor vão entre os dois cálculos.

21 Resistência do cálculo da madeira para o compensado na laje O valor de cálculo ƒ d de qualquer propriedade da madeira é obtido a partir do valor característico ƒ k, pela expressão: ƒd = k mod x (11) ƒ ik é o valor característico para os diversos esforços; γ w é o coeficiente de minoração das propriedades da madeira; k mod é o coeficiente de modificação da madeira. K mod = k mod1. k mod2. k mod3 é o coeficiente de modificação, que leva em conta influências não consideradas por γ w. Para madeira o K mod será: a) k mod1 = 0,9. Considerando ação variável de curta duração; b) k mod2 = 1,0. Levando em conta a classe de umidade, madeira industrializada; c) k mod3 = 0,8. Classificação da madeira compensada; K mod = 0,9 x 1,0 x 0,8 = 0,72 Por tanto o ƒ d do compensado de madeira é dado pelos cálculos abaixo de acordo com a Equação (11): ƒ d = 0,72 x = 2,8 kn/m² Para cálculo do vão máximo do compensado Primeiramente é calculado o vão máximo que a viga secundária VA 140 pode espaçar, devido à resistência do compensado.

22 19 Para cálculo do Momento admissível usa-se: M = (12) Aplica-se na Equação (12): 60 kgf.m = lc = 0,83 m Aplica-se a Equação (9) e (10) para cálculo da deflexão máxima: Umáx = Lc 0,417 m Adota-se o menor espaçamento no vão = 0,41 m Para cálculo do vão máximo da viga secundária VA 140 Calcula-se o vão máximo que a viga primária VA 165 pode espaçar devido à resistência da viga secundária VA 140. É necessário recalcular o carregamento de acordo com o espaçamento adotado pelo compensado. Carregamento: q s = espaçamento do compensado x q laje q s = 0,41 m x 7,0 kn/m² = 2,87 kn/m Para cálculo do momento fletor admissível: M =

23 kg.m = Ls = 3,376 m Para cálculo da deflexão máxima: Umax = 1 + Umax = 1 + Ls 2,215 m Adota-se o menor espaçamento no vão = 2,22 m Para cálculo do vão máximo da Viga Primária Calcula-se o espaçamento das escoras metálicas devido à resistência da viga primária VA 165. É necessário recalcular o carregamento devido à faixa de influência com o espaçamento adotado pela viga secundária e o Millstour. Carregamento: q p = Faixa de influência x q laje q p = (2,22/2 m + 0,8m) x 7 kn/m² = 13,37 kn/ m Para cálculo do momento fletor admissível: M = 878 kg.m = Ls = 2,29 m Para cálculo da deflexão máxima:

24 21 Umax = 1 + Ls 1,80 m Adota-se o menor espaçamento no vão = 1,80 m Carregamento no poste Calcula-se o peso concentrado no poste Millstour de acordo com a área de influência, demostrado em projeto no apêndice, e o carregamento total da laje. Utilizou-se a força da gravidade igual a 10 m/s². P poste = área de influencia x 7kN/m² P poste = 1,70 m x 1,91m x 7kN/m² = 22,73 kn = 2273 kgf Verificação de cargas: 2273 kgf 6029,1 kgf (tabela 3) Base de apoio Com a tabela 4, temos as tensões admissíveis de cada tipo de solo para dimensionar a base de apoio.

25 22 Tabela 4: Tipos de solos. Tipos de solos Tensão admissível (kg/cm²) Rochas ígneas ou gneissicas 100 Rochas calcárias ou arenito duros 40 Arenitos macios 20 Areia bem graduada e cascalhos 4 a 6 compactos Areia bem graduada e cascalhos fofos 2 a 4 Areia uniforme compacta 2 a 4 Areia uniforme fofa 1 a 2 Argila ou argila arenosa rija 2 a 4 Argila arenosa média 1 a 2 Argila arenosa mole Argila mole 0,5 a 1 0 a 0,5 Fonte: Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S/A. No caso da obra em questão localizada em Brasília, utilizaremos uma tensão admissível no solo de 2,0 kg/cm² considerando um solo argiloso. A seguinte relação deve ser respeitada, utilizando a Equação (1): σ adm = 2,0 kg/cm² = A = 1136,5 cm² Deve-se considerar que a base de apoio na placa de base do MILLSTOUR, para este caso de cimbramento metálico, tenha uma área de aproximadamente de 1140 cm². 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Obtiveram-se os seguintes resultados dos cálculos: Tabela 5: Informações dos espaçamentos. Vigamento Espaçamento (m) Compensado 0,41 VA 140 2,22 VA 165 1,80

26 23 Com estes resultados de cálculos pode-se projetar um cimbramento metálico para laje que irá ser executado em obra e este deve-se ser respeitado. Na figura 10 mostra como o cimbramento metálico é visto em obra. Figura 10: Colocação das vigas, escoras e compensados. Na empresa onde este projeto foi baseado, as fórmulas para cálculos do compensado, vigamento secundário e primário também obedeceram a NBR 15696:2009, mas houve algumas divergências devido a ensaios e pesquisas feitas por Engenheiros capacitados. Abaixo na tabela 6, são indicadas as fórmulas utilizadas para cálculos. Tabela 6: Fórmulas utilizadas pela Empresa. Espaçamento Espaçamento Espaçamento Compensado (L) Secundário (Ls) primário (Lp) Flecha Momento O projeto em apêndice indica todos os espaçamentos e materiais necessários para o entendimento e montagem do escoramento, neste estudo foram claramente especificados as cargas e tipos de materiais utilizados para que sua execução tenha sucesso sem atrasos em

27 24 obras. Caso algum material, carga, solo, declividade e outras exclusividades sejam introduzidas ao projeto, deve-se redimensionar utilizando as normas descritas acima por profissionais competentes da área. Deve-se considerar todo o cuidado na montagem de um Cimbramento metálico, abaixo alguns tópicos retirados da ABNT NBR 15696:2009: a) toda a montagem da estrutura de fôrmas e escoramento deve ser executada mediante a utilização de um projeto específico de fôrmas e escoramentos; b) no plano da obra deve constar a descrição do método a ser seguido para montar e remover estruturas auxiliares, devendo ser especificados os requisitos para manuseio, ajuste, contraflecha intencional, desforma e remoção; c) a retirada de fôrmas e escoramentos deve ser executada de modo a respeitar o comportamento da estrutura em serviço. No caso de dúvidas quanto ao modo de funcionamento de uma estrutura específica, o responsável técnico pela execução da obra deve obter esclarecimentos sobre a sequência correta para retirada das fôrmas e do escoramento. Quando de sua montagem, o escoramento deve ser apoiado sobre hastes reguláveis, cunhas, caixas de areia ou outros dispositivos apropriados para facilitar a remoção das fôrmas/escoramentos, de maneira a não submeter a estrutura a impactos, sobrecargas ou outros danos; d) devem ser tomadas precauções necessárias para evitar recalques prejudiciais provocados no solo ou na base de apoio do escoramento pelas cargas por este transmitidas, prevendo-se o uso de lastro, piso de concreto ou pranchões para correção de irregularidades e melhor distribuição de cargas, assim como cunhas ou hastes reguláveis, para ajuste de níveis. O dimensionamento das bases de apoio ou fundações das fôrmas e/ou escoramentos é de incumbência do responsável técnico pela execução da obra; e) a concentração de componentes e furos em uma determinada região da estrutura deve ser objeto de verificação pelo projetista estrutural. Para a remoção do cimbramento metálico deve-se considerar os principais aspectos: a) Fôrmas e escoramentos devem ser removidos de acordo com o plano de desforma previamente estabelecido pelo responsável pela obra e de maneira a não comprometer a segurança e o desempenho em serviço da estrutura. b) nenhuma carga deve ser imposta e nenhum escoramento removido de qualquer parte da estrutura, enquanto não houver certeza de que os elementos estruturais e o novo sistema de escoramento têm resistência suficiente para suportar com segurança as ações a que estarão sujeitos;

28 25 c) nenhuma ação adicional não prevista nas especificações do projeto ou na programação da execução da estrutura de concreto deve ser imposta à estrutura ou ao sistema de escoramento sem que se comprove que o conjunto tem resistência suficiente para suportar com segurança as ações a que estará sujeito; d) A retirada do escoramento e das fôrmas deve ser efetuada sem choques e obedecendo a um programa elaborado de acordo com o tipo da estrutura. Durante o procedimento de retirada do escoramento, a aplicação de esforços na estrutura deve ser lenta e gradual. 5. CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES O escoramento metálico é uma atividade largamente utilizada na construção civil, contudo pouco estudada. E por se tratar, de uma contratação terceirizada da construção, há pouco interesse em analisar sistematicamente suas vantagens, embora algumas delas sejam buscadas como diferenciais competitivos pelos usuários. Pode-se analisar que antes, quando não havia uma norma técnica referente a fôrmas e escoramentos, as empresas adotavam conceitos práticos em suas obras, e por cultura dos executantes, a utilização de um projeto específico ainda não faziam parte da rotina desses construtores. Mas nem sempre esses conceitos são eficientes no que diz respeito à racionalização de custos e serviços, sendo ainda realizados de forma empírica como neste estudo. Portanto, é importante utilizar a norma baseada em questão juntamente com outras que complementam seus valores e justificativas como a NBR 8681:2005 Ações e segurança nas estruturas - Procedimento. Este estudo foi realizado também para despertar o interesse em engenheiros capacitados e reformular a norma para que o dimensionamento de escoramento e fôrmas sejam padronizados.

29 26 Sizing the metal bracing in a slab Abstract: The metal brace is a temporary structure that is used in most of the works and its function of great importance to the field of Civil Engineering. It is responsible for supporting the concrete pieces to required strength. The metal brace is a structure that must be calculated, designed and executed properly to not cause accidents, damage to the concrete structure and delays in the work. This study aims to scale a metallic cimbramento on a slab, using calculations and procedures cited in NBR 15696: Formwork and falsework for concrete structures - Design, dimensioning and executive procedures. Keywords: Shoring. Structure. Sizing. Standard. REFERÊNCIAS CEHOP. Companhia Estadual de Habilitação e Obras Públicas. COSTA, M. H. O. Modelagem do comportamento estrutural de sistemas treliçados espaciais para escoramentos de estruturas de aço, concreto e mistas (aço-concreto). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, FERREIRA. L. G. O.; MENEZES, D. A. Dimensionamento de cimbramento. Brasília, Universidade Paulista UNIP, MEYER DO BRASIL. Disponível em: Acesso em 02 de Abril de MILLS ESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA S/A. Disponível em: Acesso em 20 de Maio de 2014.

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS

A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS CONCEITO DE SEGURANÇA Quando uma estrutura pode ser considerada segura? SEGURANÇA: Resistência Estabilidade Durabilidade ENVOLVE DOIS CONCEITOS: Conceito Qualitativo: (Método

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

O www.romanio.com.br

O www.romanio.com.br O www.romanio.com.br VANTAGENS Dispensa usos de compensados Simplifica armação Otimiza vãos de maior envergadura Racionaliza a construção de lajes nervuradas Nervuras tecnicamente dimensionadas, de modo

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

FÔRMA FV. Pashal Sistemas Construtivos Ltda. www.pashal.com.br pashalcomercial@pashal.com.br fone: (11) 3848 6699

FÔRMA FV. Pashal Sistemas Construtivos Ltda. www.pashal.com.br pashalcomercial@pashal.com.br fone: (11) 3848 6699 FÔRMA FV Os painéis de fôrmas modulares FV são facilmente montados entre si através de grampos de pressão. Barras de ancoragem, espaçadores, pontaletes metálicos para prumo e andaimes auxiliares de serviço

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

1. A ESTAF. 2. Escoramento metálico. 3. Projetos. 4. Anexos

1. A ESTAF. 2. Escoramento metálico. 3. Projetos. 4. Anexos 1. A ESTAF 2. Escoramento metálico 3. Projetos 4. Anexos 1. A ESTAF Fundação: 15/09/1976; Iniciou sua operação com a locação de Andaimes e Escoramentos; Em junho de 1999, fechou parceria com a GENIE Industries,

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Canteiro

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA fev/2007 1 de 6 CIMBRAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Estruturas. Cimbramento.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA fev/2007 1 de 6 CIMBRAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Estruturas. Cimbramento. TÍTULO ESPECIFICÇÃO TÉCNIC fev/2007 1 de 6 CIMBRMENTO DS ESTRUTURS DE CONCRETO ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Estruturas. Cimbramento. Drenagem PROVÇÃO PROCESSO DOCUMENTOS DE REFERÊNCI PR 010970/18/DE/2006

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA COM O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO Jahu Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU A Área de Negócio

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

www.catari.net uma marca diferente.

www.catari.net uma marca diferente. www.catari.net uma marca diferente. cofragem modular perfeita! Com uma vasta gama de dimensões, permite solucionar todas as suas necessidades de cofragem vertical, em qualquer tipo de construção. O combro

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA As paredes de madeira dividem-se em: Paredes Estruturais Divisão e fechamento de ambientes Suportar cargas verticais e transmití-las as fundações Suportar cargas horizontais

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU RENTAL Fundada em 1952, a Mills tornou-se líder na prestação de serviços e soluções de engenharia nas áreas

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

escoramento Sistema de Escoramento Metálico

escoramento Sistema de Escoramento Metálico escoramento Sistema de Escoramento Metálico para Lajes e Vigas. ESCORAMENTO MECAN Pela facilidade de montagem e versatilidade, o escoramento metálico Mecan permite montagens rápidas e seguras, proporcionando

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

Elementos Tubulares: Andaime e Escoramento

Elementos Tubulares: Andaime e Escoramento Elementos Tubulares: Andaime e Escoramento Marcelo Cezar do Nascimento 1 Sônia ReginaGarajauPinheiro 2 Orientadora: Geciane Gonçalves 3 RESUMO Este artigo tem como tema Andaime e Escoramento e a finalidade

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL OSASCO 2012 2 ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

REPARO EM LAJE "CELADA" EVITANDO O USO DA MARRETA

REPARO EM LAJE CELADA EVITANDO O USO DA MARRETA REPARO EM LAJE "CELADA" EVITANDO O USO DA MARRETA Prof. Marco Pádua Vamos analisar aqui um problema não muito raro que pode causar surpresa desagradável e, alem de atrasar a obra, pode trazer perda de

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Fôrmas e escoramentos para estruturas de concreto - Projeto, dimensionamento e procedimentos executivos

Fôrmas e escoramentos para estruturas de concreto - Projeto, dimensionamento e procedimentos executivos Fôrmas e escoramentos para estruturas de concreto - Projeto, dimensionamento e procedimentos executivos APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto foi elaborado pela Comissão de Estudo de Fôrmas e Escoramento (CE-

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX 1. INTRODUÇÃO O DRENO CIMFLEX é um tubo dreno corrugado fabricado em PEAD (Polietileno de Alta Densidade), de seção circular e com excelente raio de curvatura, destinado a coletar e escoar o excesso de

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Projeto de Estruturas Metálicas Considerações Gerais. Prof Moniz de Aragão Maj

ESTRUTURAS METÁLICAS. Projeto de Estruturas Metálicas Considerações Gerais. Prof Moniz de Aragão Maj SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS Projeto de Estruturas Metálicas Considerações Gerais Prof Moniz de Aragão Maj 1 4 Condições gerais de projeto 4.1 Generalidades

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins A INTEGRAÇÃO DO SESMT COM A ENGENHARIA CIVIL NA ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES VISANDO REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA EXECUTADAS EM DIFERENÇA DE NÍVEL Autores Alex Antonio Costa Carlos Miguel

Leia mais