A PROTEÇÃO BRASILEIRA AOS REFUGIADOS: A assistência legal dada aos refugiados no país na garantia de seus Direitos Humanos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROTEÇÃO BRASILEIRA AOS REFUGIADOS: A assistência legal dada aos refugiados no país na garantia de seus Direitos Humanos"

Transcrição

1 A PROTEÇÃO BRASILEIRA AOS REFUGIADOS: A assistência legal dada aos refugiados no país na garantia de seus Direitos Humanos Renata Meniconi Rezende 1 William Ken Aoki 2 Banca examinadora 3 RESUMO: O Brasil tem sido considerado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas um país referência na América Latina no que diz respeito à legislação e tratamento da questão dos Refugiados. A legislação brasileira é uma das mais avançadas e foi elaborada com base em todos os principais instrumentos internacionais de Direitos Humanos que tratam da questão, garantindo aos refugiados, e, também, aos solicitantes de refúgio que buscam proteção no território brasileiro, uma vida digna e sem ameaças ou discriminação. PALAVRAS - CHAVE: Refugiados, Procedimento de Refúgio, Lei nº 9.474/97, Direitos Humanos. SUMÁRIO: Lista de Siglas; 1 Introdução; 2 Conceitos Fundamentais; 3 Princípios Fundamentais; 4 Breve Histórico da Questão dos Refugiados no Brasil; 5 Panorama Atual; 5.1 Haitianos; 6 Procedimento do Refúgio: do Pedido ao Reconhecimento; 6.1 Do Pedido de Refúgio; 6.2 Do Procedimento Decisório; Da Decisão de Reconhecimento; Da Decisão Negativa; 7 Garantias e Instrumentos de Proteção aos Refugiados; 7.1 Direitos e Deveres dos Solicitantes de Refúgio; Dos Direitos; Dos Deveres; 7.2 Direitos e Deveres dos Refugiados; Dos Direitos; Dos Deveres; 7.3 Soluções Duráveis; Repatriação; Integração Local; Reassentamento; 8 Considerações Finais; Referências. 1 INTRODUÇÃO Ao longo da história, foi necessário um longo caminho e diversas declarações e instrumentos internacionais para que fosse garantida uma proteção efetiva aos refugiados. Atualmente, em âmbito internacional, as questões relacionadas aos refugiados são tratadas, principalmente, pela Organização das Nações Unidas. Para que a assistência às estas pessoas vítimas de perseguição e violação dos direitos humanos fosse mais eficaz a ONU criou, em 1950, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados ACNUR. Antônio Guterres, Alto Comissionado de Nações Unidas para os Refugiados em 2007, afirmou, em 20 de junho deste mesmo ano que É hora de reconhecer que estamos enfrentando nada menos do que um novo paradigma do conceito de deslocamento no século XXI, com uma infinidade de fatores impulsionadores que levam as pessoas a deixar seus lares a uma escala sem precedentes. De acordo com dados do ACNUR, havia no Brasil, em 2012, cerca de refugiados reconhecidos pelo governo, de mais de 70 nacionalidades diferentes. A maioria dos refugiados está concentrada nos grandes centros urbanos do país e as mulheres constituem o 30% dessa população 4. No Brasil, a assistência dada aos refugiados é de responsabilidade do Comitê Nacional para os Refugiados CONARE, órgão vinculado ao Ministério da Justiça. Esse órgão coordena, juntamente com as Nações Unidas, todas as ações relativas a esse grupo social, desde a análise do pedido de refúgio até a integração do refugiado na sociedade brasileira. O procedimento de concessão de refúgio no país é regulado pela Lei 9.474/97, que trata a questão da forma humanitária e condizente com as determinações internacionais. 2. CONCEITOS FUNDAMENTAIS Consoante José Francisco Rezek (2013, p. 256) Asilo político é o acolhimento pelo Estado, de estrangeiro perseguido alhures geralmente, mas não necessariamente, em seu próprio país patrial por causa de dissidência política, de delitos de opinião, ou por crimes que, relacionados com a segurança do Estado não configuram quebra do direito penal comum. Tanto o asilo político quanto o refúgio são territoriais e se configuram como instrumentos de proteção internacional individuais. Entretanto, entre as principais diferenças cita-se que o asilo político se restringe a crimes políticos e é regido, no Brasil, pela Lei nº 6.815/80 (Estatuto do Estrangeiro). O refúgio, por usa vez, é regido pela Lei 9.474/97 e tem motivos mais amplos para o acolhimento de estrangeiros. O instituto do refúgio tem como objetivo proteger tais indivíduos. Segundo Barroso (2010, p.73): A obrigação pátria com relação ao refúgio advém, essencialmente, do Estatuto dos Refugiados das Nações Unidas de 1951 e de seu Protocolo de A esses instrumentos internacionais soma-se a Lei 9.474/97. Esta determina outras providências que deverão ser adotadas pelo Estado brasileiro no tocante à temática do refúgio e cria o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare); instituição caracterizada por guiar-se, na tomada de suas decisões e em suas atuações, pela prevalência de um caráter democrático e humanitário. As ações de inserção dos refugiados na sociedade brasileira, juntamente com atuação das Nações Unidas, mais especificamente do ACNUR, seguem o padrão humanitário internacional e permite que esse grupo tenha uma vida segura e digna, com pleno acesso à educação e saúde. A Convenção de 1951 Relativa ao Estatuto dos Refugiados define, em seu artigo 1º o termo refugiado como (Livro do Refúgio, p. 15): como toda pessoa que, como resultado de acontecimentos ocorridos antes de 1º de janeiro de 1951 e devido a fundados temores de ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, por pertencer a determinado grupo social e por suas opiniões políticas, se encontre fora do país de sua nacionalidade e não possa ou, por causa dos ditos temores, não queira recorrer à proteção de tal país; ou que, carecendo de 353

2 nacionalidade e estando, em consequência de tais acontecimentos, fora do país onde tivera sua residência habitual, não possa ou por temor fundado não queira regressar a ele. Nota-se que havia uma limitação a refugiados vindos da Europa (cláusula geográfica) antes de 1º de janeiro de 1951, o que caracteriza uma reserva temporal. Em âmbito interno conceitua-se refugiado a partir no artigo 1º da Lei 9.474: Art. 1º Será reconhecido como refugiado todo indivíduo que: I - devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas encontre-se fora de seu país de nacionalidade e não possa ou não queira acolher-se à proteção de tal país; II - não tendo nacionalidade e estando fora do país onde antes teve sua residência habitual, não possa ou não queira regressar a ele, em função das circunstâncias descritas no inciso anterior; III - devido a grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país. (BRASIL, 1997, p.1) O inciso III do citado artigo foi uma inovação trazida pela lei brasileira, uma vez que tal reconhecimento não foi abordado pela Convenção de 1951, relativa ao Estatuto dos Refugiados. Tal inovação foi inspirada em dois outros instrumentos (JUBILUT, p.4): a Convenção relativa aos aspectos dos Refugiados Africanos, da Organização da Unidade Africana de 1969 e a Declaração de Cartagena, da Organização dos Estados Americanos de Nesse sentido, a lei 9.474/97 é considerada pelo ACNUR uma das mais modernas no tratamento do assunto. 3. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Dentre os Princípios do Direito Internacional Público, mas especificamente dos Direitos Humanos Internacionais, são três os fundamentais para a temática dos refugiados. O princípio da dignidade humana, o qual defende que todos tem direito a uma vida digna, liberdade e igualdade em direitos sem sofrer qualquer tipo de discriminação e violência; sobre esse princípio a ONU declarou, na Assembleia Geral de 1949 que A dignidade do homem é intangível. Os poderes públicos estão obrigados a respeitá-la e protegê-la. O princípio pro homine está ligado ao da dignidade humana e estabelece que este deve representar uma interpretação extensiva dos Direitos Humanos e deve ser aplicada a norma mais favorável aos indivíduos, afim de evitar uma restrição no gozo dos seus direitos e liberdades. A própria Constituição Brasileira de 1988 traz esse princípio no art. 4º, II, ao afirmar que a República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelo princípio da prevalência dos direitos humanos. O princípio do non-refoulement, por sua vez, estabelece a não-devolução ou expulsão do refugiado para seu país de origem, ou outro país que representem ameaça à sua vida, segurança e integridade física. Este princípio é o mais tratado nas jurisprudências do STF no caso de pedido de extradição ou expulsão de estrangeiros. A título de exemplo, tem se um julgamento de 2010 (Ext 1170 / REPÚBLICA AR- GENTINA), no qual o Governo da Argentina requereu a extradição do nacional argentino Gustavo Francisco Bueno pela suposta prática de crimes em seu país de origem. Entretanto, a decisão levou em conta que o extraditando está acobertado pela sua condição de refugiado, devidamente comprovado pelo órgão competente - CONARE -, e seu caso não se enquadra no rol das exceções autorizadoras da extradição de agente refugiado, conforme ementa 5 : EXTRADIÇÃO. DOCUMENTO DE REFUGIADO EXPEDIDO PELO ALTO COMISSARIADO DA ONU (ACNUR). CONARE. RECONHECIMENTO DA CONDIÇÃO DE REFUGIADO PELO MINISTRO DA JUSTIÇA. PRINCÍPIO DO NON REFOULEMENT. INDEFERIMENTO. 1. Pedido de extradição formulado pelo Governo da Argentina em desfavor do nacional argentino GUS- TAVO FRANCISCO BUENO pela suposta prática dos crimes de privação ilegítima da liberdade agravada e ameaças. 2. No momento da efetivação da referida prisão cautelar, apreendeuse, em posse do extraditando, documento expedido pelo Alto Comissariado da ONU para Refugiados - ACNUR dando conta de sua possível condição de refugiado. 3. O Presidente do Comitê Nacional para os Refugiados - CONARE atesta que o extraditando é um refugiado reconhecido pelo Governo Brasileiro, conforme o documento n. 326, datado de O fundamento jurídico para a concessão ou não do refúgio, anteriormente à Lei 9.474/97, eram as recomendações do AC- NUR e, portanto, o cotejo era formulado com base no amoldamento da situação concreta às referidas recomendações, resultando daí o deferimento ou não do pedido de refúgio. 5. O extraditando está acobertado pela sua condição de refugiado, devidamente comprovado pelo órgão competente - CONARE -, e seu caso não se enquadra no rol das exceções autorizadoras da extradição de agente refugiado. 6. Parecer da Procuradoria Geral da República pela extinção do feito sem resolução de mérito e pela imediata concessão de liberdade ao extraditando. 7. Extradição indeferida. 8. Prisão preventiva revogada. O rol de exceções referido pela ementa é definido no art da Convenção de 1951, o qual determina que o benefício da não-devolução não pode ser invocado por um refugiado que represente um perigo para a segurança e a comunidade do país que concedeu o refúgio. Nesse sentido, a Lei 9.474/97 traz tal situação como uma hipótese da perda da condição de refugiado o inciso III do art. 39: o exercício de atividades contrárias à segurança nacional ou à ordem pública. 4. BREVE HISTÓRICO DA QUESTÃO DOS REFUGIADOS NO BRASIL Há duas maneiras por meio das quais um Estado pode incorporar o refúgio no seu ordenamento interno. Reconhecendo a validade e recepcionando a Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951, assim como o Protocolo de 1961 que trata do referido Estatuto, ou adotando uma lei própria e específica sobre o tema, sendo esta segunda prevista e recomendada aos Estados na Convenção de 51 e do Protocolo de Em 1960, o Brasil tornou-se signatário da Convenção e do Protocolo, ambos recepcionados com uma cláusula de reserva geográfica, motivo pelo qual o país só reconhecia refugiados europeus. Sobre essa cláusula, J.R. Fisher de Andrade (Livro do refúgio, 2010, p.26) afirma: quando argentinos, etíopes, uruguaios, etc. solicitavam proteção ao Brasil, era-lhes permitida tão somente uma permanência temporária até que os outros países os aceitassem via reassentamento. O país recebeu 150 vietnamitas 50 famílias vindas do Irã entre 1979 e 1980 e em 1986, respectivamente, mas a estes estrangeiros não era concedido o status de refugiado (Livro do Refúgio, p. 27). Durante o Regime Militar, as Cáritas Arquidiocesanas de São Paulo e do Rio de Janeiro recebiam pessoas perseguidas pelos regimes militares dos países da América Latina que buscavam proteção. Houve um momento em que a Cáritas do Rio de Janeiro contou com mais de 70 apartamentos alugados e abrigou cerca de 350 pessoas perseguidas pelas ditaduras do Chile, da Argentina e do Uruguai. (Livro 354

3 do refúgio, p.17) Estes apartamentos abrigavam os refugiados com seus familiares, filhos, crianças pequenas (p.65). Além desse abrigo, a Cáritas, a pedido e juntamente com ACNUR, foi responsável pelo encaminhamento de grande parte desses refugiados latinos a países nos quais poderiam ter uma vida segura e digna. No que diz respeito aos atores da implementação do Estatuto do Refugiado no Brasil, destaca-se o ACNUR, que somente começou a funcionar oficialmente no território nacional no ano e 1982, tendo sede na cidade do Rio de Janeiro. Somente em 1990, por meio do Decreto , o Brasil assumiu integralmente a Convenção de 1951 em 1989 revogou-se a cláusula de reserva geográfica, mas foram mantidas restrições quanto aos artigos 15 e 17 da Convenção que tratam, respectivamente, do direito de associação e de profissões assalariadas. Ainda em 1990, o ACNUR passou a ter sede em Brasília. A primeira iniciativa de regulamentação interna sobre o refúgio foi em 1991, ano no qual se promulgou a Portaria Interministerial nº 394 que definiu normas sobre a situação do refugiado admitido no Brasil sob a proteção do Alto Comissariado das Nações Unidas para refugiados (ACNUR). Tal portaria trazia, a título exemplificativo, no seu artigo 3º a previsão de fornecimento de Carteira de Trabalho e Previdência Social. A partir no final do ano de 1992 houve uma intensa entrada de refugiados no Brasil; refugiados estes vindos, principalmente, da Angola, Ex-Ioguslávia e da República Democrática do Congo. Conforme informações do ACNUR (Livro do refúgio, p. 18): Naquele momento, sob a portaria interministerial que proporcionava um marco jurídico interno mínimo, o Acnur entrevistava essas pessoas e apenas solicitava ao governo brasileiro o reconhecimento formal. O papel do governo brasileiro se restringia à liberação dos documentos e a partir daí os refugiados tinham que caminhar com suas próprias pernas no país que os acolhia. Como muitos desses refugiados vinham de regiões de guerra, com traumas psíquicos e com problemas de saúde, o apoio oferecido era insuficiente e havia a necessidade de maior integração dos refugiados no ambiente local. A partir dessa necessidade, o segundo passo para a implementação de uma legislação efetiva da questão do refúgio foi o documento denominado Pautas recomendadas pelo ACNUR para consideração quando do preparo da legislação implementadora da Convenção sobre o Estatuto do Refugiado, de1951, que veio de uma solicitação do governo brasileiro ao ACNUR para a preparação de um Decreto-Lei. Este documento já abarcava questões de destaque da posterior Lei 9.474/97 prevendo, por exemplo, garantia da não devolução, a criação de um comitê nacional para refugiados, as soluções duradouras, entre outras. A rápida tramitação e a provação do projeto de lei nº 1936/96 iniciou-se em 13 de maio de 1996 e foi sancionada em 22 de setembro de foi dada graças à pressão social e ao acompanhamento do ACNUR e, em 1997, foi publicada no Diário Oficial da União, a Lei A maior inovação desta lei, o conceito ampliado de refugiado, foi um dos pontos mais discutidos no projeto de lei. A definição atual de refúgio foi estabelecida em 1984, por meio da Declaração de Cartagena Essa definição atual abarca o inciso III do artigo 1º da Lei 9.474/97, e ela toda é trazido pelo primeiro artigo da lei. O Brasil optou pelas duas formas de incorporação do refúgio no seu ordenamento interno ao recepcionar os citados diplomas legais de proteção internacional dos refugiados e criar uma lei específica para tratar do tema: a lei 9.474/97, fato este que demonstra o interesse do Estado brasileiro em regular a situação dos refugiados conferindo a eles a proteção devida. De acordo com Liliana Lyra Jubilut, a lei 9.474/97, que define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, decorreu do Programa Nacional de Direitos Humanos de 1996, o qual demonstrou claramente o desejo do governo brasileiro de se inserir na ordem internacional no que concerne à proteção da pessoas humana. Segundo informações do ACNUR 6 O Brasil sempre teve um papel pioneiro e de liderança na proteção internacional dos refugiados. Foi o primeiro país do Cone Sul a ratificar a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados de 1951, no ano de Foi ainda um dos primeiros países integrantes do Comitê Executivo do ACNUR, responsável pela aprovação dos programas e orçamentos anuais da agência. 5. PANORAMA ATUAL Conforme demonstra a análise estatística de 2010 a , o número total de pedidos de refúgio no Brasil aumentou mais de 800% durante o referido período, indo de 566 em 2010 para até dezembro de A maioria dos solicitantes de refúgio vem da Ásia, África e América do Sul. De acordo com o CONARE, no final de 2013 o Brasil possuía refugiados reconhecidos de 80 nacionalidades distintas, a maioria dos solicitantes de refúgio em 2013 foi composta por nacionais de Bangladesh, Senegal, Líbano e Síria; e a maioria destes solicitantes são adultos entre 18 e 30 anos e o estado que mais recebeu estes solicitantes foi São Paulo. No que diz respeito à distribuição das solicitações de refúgio em 2013, a maioria das solicitações realizadas foi apresentada na Região Sul (37%). A Região Sudeste apresentou 29,35%, seguida pela Centro -Oeste com 21,5%, Norte com 12% e Nordeste com 0,4%. Comparando o ano de 2010 e o de 2013, a taxa de elegibilidade aumentou de 37% para 45%, o número de casos analisados pelo CONA- RE aumentou consideravelmente: de 317 em 2010 para em O caráter humanitário da forma como é tratado o refúgio no Brasil se confirma com os dados, e o maior exemplo disso que é no ano passado, 100% das solicitações de refúgio de sírios foram deferidas, isso reflexo da grave crise no país, principalmente no que diz respeito às constantes violações de Direitos Humanos. Além disso, segundo o próprio ACNUR, o Brasil se tornou o principal doador do Alto Comissariado entre os países emergentes. Tal status teve início de 2010 quando foram doados US$ 3,5 milhões, seguidos de doações de US$ 3,7 milhões em 2011, US$ 3,6 milhões em 2012 e US$ 1,0 milhão em Haitianos Uma questão atual é a entrada de um grande número de haitianos no Brasil, que saem do seu país em busca de uma vida com melhores condições. Sobre o tema o ACNUR esclareceu que 8 Os haitianos que têm chegado ao Brasil não são elegíveis de status de refugiados, por não terem sido perseguidos, em seu país de origem, em razão de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opinião pública, como define as convenções internacionais sobre o tema. Por isso o grupo não está contabilizado pelas estatísticas do CONARE. Entretanto, esses estrangeiros não ficam desamparados no país, uma vez que suas solicitações são encaminhadas a um órgão federal, o Conselho Nacional de Imigração, que concede aos haitianos um visto especial humanitário que dá a eles proteção internacional e os mesmos direitos garantidos aos refugiados. 355

4 6. PROCEDIMENTO DO REFÚGIO: DO PEDIDO AO RECONHECIMENTO A lei nº 9.474/97 regula o procedimento para a aprovação do pedido de refúgio no Brasil e as competências de cada órgão envolvido com a questão. Alguns aspectos do procedimento para concessão do refúgio mostram, claramente, que o Brasil é um país que segue as determinações dos Direitos Humanos Internacionais em relação aos refugiados. Entre eles cita-se que tal procedimento é gratuito e tem caráter de urgência; o simples pedido de refúgio impede que o solicitante seja deportado para seu país de origem, e observa-se a existência de cônjuge e descendentes do solicitante; há previsão de recurso caso a decisão de reconhecimento tenha sido negativa; sendo positiva a decisão, o solicitante é reconhecido como refugiado desde a data da entrada no país, sendo conferida a ele a proteção cabível. No que tange a uma análise mais completa do procedimento será utilizado o método de Liliana L. Jubilut, a qual divide o processo em três partes. O pedido do refúgio; o procedimento decisório; a decisão do reconhecimento, dentro do qual se trata da decisão negativa e do recurso, sendo, no presente artigo, os dois últimos tratados de forma conjunta. 6.1 Do pedido de refúgio Conforme a lei 9.474, em seu artigo 17, o ato que marca a abertura dos procedimentos do processo de refúgio é a notificação feita ao solicitante para prestar declarações, notificação esta realizada pela autoridade competente. Entretanto, anteriormente a essa notificação dá-se a entrada do estrangeiro no território nacional, ingresso o qual é tratado pela referida lei nos artigos 7 e 8. Tais artigos determinam que o estrangeiro que chegar ao território nacional poderá expressar sua vontade de solicitar reconhecimento como refugiado a qualquer autoridade migratória que se encontre na fronteira (...) (art. 7), tal autoridade informará o estrangeiro sobre o procedimento cabível, o que confere a ele a facilidade de acesso às autoridades. Ainda nesse artigo, determina-se que não será feita a deportação do estrangeiro ao território no qual sua vida esteja ameaçada, a não ser que tal indivíduo seja considerado perigoso para a segurança do país. Ainda, estabelece-se que não constitui impedimento para solicitação de refúgio o ingresso irregular no território nacional (art. 8). O procedimento de solicitação de refúgio é, de acordo com art. 47 da Lei 9.474/97, gratuito e a ele é conferido caráter urgente. Há quatro organismos envolvidos nesse procedimento, sendo eles o AC- NUR, o CONARE, a Polícia Federal e as Cáritas Arquidiocesana. Um dos primeiros passos do pedido de refúgio é a lavratura do Termo de Declaração pela Polícia Federal, e traz a Lei 9.474/97, em seu artigo 9º, que esse termo deve conter as circunstâncias da entrada no Brasil, assim como as razões que fizeram com que o solicitante deixasse seu país de origem; traz também seus dados pessoais e, ainda, se há existência de cônjuge e descendentes. Tal Termo é considerado documento fundamental para o solicitante até o momento em que ele possuir o denominado Protocolo Provisório, previsto no artigo 21 da Lei 9.474/97. Após lavrado o Termo de Declaração, o estrangeiro preenche um questionário mais detalhado na Cáritas, questionário o qual é enviado ao CONARE para que seja expedido o citado Protocolo Provisório e o solicitante se submeta a uma entrevista com um representante do CONARE, ou, segundo informações da Cartilha para solicitantes de Refúgio no Brasil (2014, p. 15), com um funcionário da Defensoria Pública da União, do sexo preferido pelo solicitante, o qual será entrevistado em um idioma que compreenda e, caso seja necessário, na presença de um intérprete. Um grupo formado por representante do mencionado Comitê, do ACNUR e da sociedade civil elabora um parecer recomendando ou não a aceitação da solicitação do refúgio. Tal parecer, baseado também em relatório feito por advogados que trabalham Nas Cáritas/ ACNUR/ OAB, é, então apreciado pelo plenário do CONARE, que analisa o mérito. 6.2 Do procedimento decisório Para que se entenda melhor sobre o procedimento decisório, traz-se o artigo 14 da Lei 9.474/97 o qual estabelece que o CONA- RE é constituído por um representante do Ministério da Justiça, que o presidirá; um representante do Ministério das Relações Exteriores; do Ministério do Trabalho; do Ministério da Saúde; do Ministério da Educação e do Desporto, do Departamento de Polícia Federal, assim como um representante de organização não governamental, que se dedique a atividades de assistência e proteção de refugiados no País, o qual é atualmente a Cáritas Arquidiocesana. Além disso, o ACNUR é sempre convidado para as reuniões, embora não tenha direito de voto. Todos os membros do CONARE são indicados pelo Presidente da República e não recebem remuneração de qualquer espécie. É o CONARE o responsável por analisar o pedido e declarar o reconhecimento em primeira instância da condição de refugiado, consonante disposto no artigo 12, I, Lei 9.474/97. A decisão do Comitê Nacional para os Refugiados pode acolher o pedido ou negar ao solicitando a condição de refugiado Da decisão de reconhecimento No primeiro caso, tem-se uma decisão de reconhecimento. De acordo com o Capítulo IV da Lei 9.474/97, essa decisão é ato declaratório e deve ser fundamentada. Proferida a decisão positiva, cabe ao CONARE notificar o Departamento de Polícia Federal e o solicitante, para que sejam tomadas as medidas necessárias. Realizadas as notificações, o solicitante é considerado refugiado e, consequentemente, goza da proteção do governo brasileiro, devendo ser registrado junto à Polícia Federal, assinar o termo de responsabilidade e solicitar a cédula de identidade pertinente, o Registro Nacional de Estrangeiros (RNE). A comunicação da decisão ao Departamento de Polícia Federal suspende a tramitação de qualquer procedimento administrativo ou criminal pela entrada irregular realizado pelo agora refugiado no território nacional, conforme artigo 10, 2º, da Lei 9.474/97. Ainda, autora Liliana Jubilut (pgs. 12 e 13) afirma que: se entende que o solicitante que tem seu pedido de refúgio reconhecido já era refugiado antes mesmo da decisão (...). O que faz de um indivíduo um refugiado são as condições objetivas de seu país de origem e/ou de residência habitual das quais decorram um fundado temor de perseguição, e não o ato do governo brasileiro que reconhece o pedido de refúgio Da decisão negativa No entanto, na hipótese da decisão ter sido negativa, a Lei 9.474/97 prevê a possibilidade de recurso. No artigo 29 é determinado que no caso de decisão negativa, esta deverá ser fundamentada na notificação ao solicitante, cabendo direito de recurso ao Ministro de Estado da Justiça, no prazo de quinze dias, contatos do recebimento da notificação. Não faz-se necessário a presença de um advogado, motivo pelo qual o recurso não tem formalidade e pode ser feito pelo próprio solicitante. Durante a análise do recurso o solicitante, assim como seus familiares, permanecem no País. Caso o recurso seja provido tem-se o reconhecimento do solicitante como refugiado, sendo garantido a ele todos os direitos e deveres como tal. Por outro lado, sendo a decisão de primeira instância mantida, o artigo 32 da Lei 9.474/97 estabelece que ficará o solicitante sujeito à legislação de estrangeiros, não devendo ocorrer sua transfe- 356

5 rência para o seu país de nacionalidade ou de residência habitual, enquanto permanecerem as circunstâncias que põem em risco sua vida, integridade e liberdade, salvo aqueles que não podem se beneficiar da condição de refugiados, quais sejam os que tenham cometido crime contra a paz, crime de guerra, crime contra a humanidade, crime hediondo, participado de atos terroristas ou tráfico de drogas (Artigo 3, III, Lei 9.474/97) e os que seja considerados culpados de atos contrários aos fins e princípios das Nações Unidas (Artigo 3, IV, Lei 9.474/97). 7. GARANTIAS E INSTRUMENTOS DE PROTEÇÃO AOS REFUGIADOS O refúgio é um instituto que confere à comunidade internacional uma responsabilidade de proteção de um indivíduo que antes cabia a um Estado. Tal afirmação trazida por Liliana (JUBILUT, p.2) deixa claro a importância dos Estados incorporarem a temática dos refugiados em seus ordenamentos internos, o que ainda possibilita que cada Estado adapte as determinações internacionais à sua própria realidade, possibilitando que os refugiados sejam recebidos e protegidos de forma mais efetiva. A lei nº 9.474/97 estabelece em seu artigo 5º que: O refugiado gozará de direitos e estará sujeito aos deveres dos estrangeiros no Brasil, ao disposto nesta Lei, na Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951 e no Protocolo sobre o Estatuto dos Refugiados de 1967, cabendo-lhe a obrigação de acatar as leis, regulamentos e providências destinados à manutenção da ordem pública. (BRASIL, 1997, p.1) Após o reconhecimento como refugiado, é oferecida assistência e acompanhamento por meios de ações das Nações Unidas, as quais se fazem por meio do ANCUR, e de ONGs, tal como as Cáritas Arquidiocesana, que possibilitam que a proteção dada pela lei seja colocada em prática, o que de fato é observado. Por meio dessas atuações, os refugiados tem acesso a, por exemplo, rede de saúde e educação, e tem a possibilidade de viver em um ambiente seguro e digno, justamente o oposto ao que submetiam-se nos seus países de origem. 7.1 Direitos e Deveres dos Solicitantes do Refúgio Antes mesmo de terem a condição de refugiados, os solicitantes deste instituto têm direitos e deveres. O ACNUR, juntamente com o governo brasileiro e instituições parceiras, produz, anualmente, cartilhas em diversos idiomas para possibilitar que os solicitantes do refúgio tenham pleno acesso aos seus direitos e deveres, assim como ao procedimento administrativo e contatos úteis. 180 dias para que o pedido de refúgio não seja arquivado); informar seu domicílio e mantê-lo atualizado nas Delegacias de Polícia Federal e junto ao CONARE; comparecer às entrevistas agendadas durante o processo. Visando facilitar o pleno acesso ao processo de solicitação, este é gratuito e pode ser feito diretamente pelo solicitante, sem a obrigatoriedade de um advogado. Para que seja garantida a segurança do estrangeiro, toda informação prestada por ele é confidencial, não podendo ser compartilhada com autoridades do seu país de origem; além disso, ao menor de 18 anos desacompanhado ou separado da família será judicialmente designado um guardião responsável. 7.2 Direitos e Deveres dos Refugiados Dos Direitos Já no que diz respeito aos refugiados que já passaram por todo o processo, a Cartilha para Refugiados no Brasil de 2014 traz informações fundamentais. Além dos direitos básicos de não devolução e assistência jurídica gratuita de um Defensor Público da União; não ser descriminado; possuírem carteira de trabalho e poderem trabalhar formalmente; livre trânsito pelo território brasileiro; não sofrer violência sexual ou de gênero; acesso á saúde podendo ser atendidos em quaisquer hospital e posto de saúde públicos; acesso às escolas públicas de ensino fundamental e médio assim como programas públicos de capacitação técnica e profissional, acesso às instituições de ensino superior, nos mesmos moldes dos brasileiros ou através de programas de ingresso especiais para refugiados, praticar livremente sua religião; acesso ao CPF, CTPS, RNE e um documento de viagem, os refugiados tem direito à flexibilização nas exigências para apresentação de documentos do país de origem, uma vez que é clara a dificuldade de conseguir tais documentos (ACNUR, 2014, p. 8) conforme artigo 43 da Lei 9.474/97; à solicitação de residência permanente no Brasil após 4 anos do reconhecimento da condição de refugiado; e à reunião familiar, o que significa que, segunda a citada cartilha (AC- NUR, 2014, p.9) numa fala direta com os refugiados: os membros do seu grupo familiar também poderão ser reconhecidos como refugiados no Brasil, desde que estejam presentes em território brasileiro. Caso os seus familiares não estejam no Brasil, é possível solicitar ao CONARE que informe o Consulado do Brasil no país onde os seus parentes se encontram, que você é um refugiado reconhecido pelo governo brasileiro. Isso facilitará a emissão de um visto de viagem apropriado para os seus familiares. No entanto, o Governo brasileiro não possui programas para financiar o deslocamento de familiares dos refugiados ao Brasil Dos direitos Na Cartilha para Solicitantes de Refúgio no Brasil de 2014, são colocados (em português, inglês, francês, espanhol e árabe) como direitos dos estrangeiros que solicitam refúgio: a não devolução dos indivíduos aos países onde suas vidas estejam em risco; a não penalização pela entrada regular; acesso a documentos de identidade, qual seja o Protocolo Provisório, CPF e Carteira de Trabalho e Previdência Social ; o direito de trabalhar formalmente; orientação e/ ou assistência gratuita por um Defensor Público da União ou advogado das organizações parceiras do ACNUR para acompanhar todos os procedimentos do refúgio; livre trânsito pelo território brasileiro; educação; saúde; a não discriminação; a não sofrer violência sexual ou de gênero; praticar livremente sua religião Dos deveres Como deveres a Cartilha traz: respeitar todas as leis; respeitas as pessoas, entidades e organismos públicos e privados; renovar seu Protocolo provisório de solicitação de refúgios nas Delegacias de Polícia Federal e mantê-lo sempre atualizado (a Protocolo deve ser renovado a casa Dos deveres Já no que tange aos deveres, a Convenção de 1951 traz, em seu artigo 2º, que todo refugiado tem deveres para com o país em que se encontra, os quais compreendem notadamente a obrigação de respeitar as leis e regulamentos, assim como as medidas tomadas que visam a manutenção da ordem pública. Assim, os refugiados devem: respeitar todas as leis; respeitar as pessoas, entidades e organismos públicos e privados; renovar a carteira de refugiado (RNE); informar o domicílio e mantê-lo atualizado nas Delegacias de Polícia Federal e junto ao CONARE; solicitar autorização do CONARE para viajar para o exterior, uma vez que esta é imprescindível para que o refugiado não perda sua condição como tal. Nesse último, a ACNUR enfatiza que um refugiado reconhecido pelo CONARE somente ostentará a condição de refugiado em território brasileiro. Os outros países não estão obrigados a reconhecer como refugiado uma pessoa que já foi reconhecida em outro lugar (ACNUR, 2014, p.10). Sendo assim, em uma viagem para o exterior, devidamente autorizada pelo Comitê, o refugiado será tratado de acordo a lei migratória do país para onde viajar. 357

6 Em relação à solicitação da residência permanente, o refugiado deve seguir pelo menos um dos seguintes requisitos: residir no Brasil há quatro anos no mínimo; ser profissional qualificado ou contratado por instituição instalada no País; estar estabelecido com negócio resultante de investimento de capital próprio, que satisfaça os objetivos de Resolução Normativa nº 84 do Conselho Nacional de Imigração relativos à concessão de visto a investidor estrangeiro (ACNUR, 2014, p.17). 7.3 Soluções Duráveis A Lei 9.474/97 dedica o Título VII às denominadas soluções duráveis. Consoante a Cartilha para Refugiados no Brasil de 2014 (ACNUR, p. 21): Uma solução duradoura é aquela que termina o ciclo de deslocamento forçado e permite que as pessoas refugiadas tenham uma vida normal em um lugar seguro. Os países signatários da Convenção de 1951 sobre o Estatuto dos Refugiados, dentre eles o Brasil, têm a responsabilidade de encontrar soluções duradouras para os refugiados Repatriação A primeira delas prevista na referida Lei é a Repatriação, prevista no artigo 42 o qual define que esta solução se caracteriza, em regra, pelo retorno voluntário do refugiado ao seu país de origem. O caráter voluntário deixa de ser necessário nos casos em que não mais subsistirem as circunstâncias que causaram o refúgio e os refugiados não podem recusar a proteção dos países dos quais são nacionais, visto que podem retornar com segurança e condições dignas de vida. Entretanto, para que esta segurança seja realmente garantida, faz-se necessária uma avaliação do ACNUR no locar originário do refugiado que deseja voltar. O ACNUR frequentemente fornece transporte e auxílio para que o repatriado possa recomeçar sua vida, por meio de doações financeiras e projetos de geração de renda, entre outros (Protegendo refugiados no Brasil e no mundo, 2014, p.8) Integração Local Seguindo a ordem da Lei 9.474/97, os artigos 43 e 44 trazem a previsão da segunda solução durável: a integração local. Este capítulo foca na dificuldade enfrentada pelos refugiados para conseguirem documentos que devem ser emitidos pelos seus países de origem, assim como a situação desfavorável vivida por eles e determina que a obtenção da condição de residente e o ingresso em instituições acadêmicas de todos os níveis deverão ser facilitados. Esta solução nada mais é do que um processo gradual que visa garantir aos refugiados plena inserção legal, cultural, social, educacional e econômica no Brasil, e que seus direitos fundamentais sejam garantidos e respeitados. O ACNUR, em ação conjunta com as instituições parceiras, disponibiliza diversos serviços e oportunidades para os refugiados no território brasileiro. Entre elas, com base na Cartilha para refugiados no Brasil de 2014, podem ser citadas: aulas de português oferecidas de forma gratuita tanto por instituições públicas quanto por organizações da sociedade civil; educação toda criança e adolescente, solicitante do refúgio ou refugiado, tem direito a matrícula em qualquer escola da rede pública de ensino. Para tanto, devem apresentar o CPF ou o RNE. Além disso, são disponibilizados cursos profissionalizantes e técnicos por meio de instituições governamentais ou ao Sistema S (SESI, SESC, SENAC, SENAI), e parcerias do ACNUR com diversas universidades brasileiras; saúde todos os cidadãos, inclusive os solicitantes de refúgio e refugiados, têm direito de ser atendidos em qualquer unidade pública de saúde (ACNUR, 2014, p.23). O cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) pode ser solicitado de forma gratuita com a apresentação do Protocolo Provisório, CPF ou RNE e pode ser utilizado para obter atendimento médico em todas as unidades de saúde pública em todo o país. Além disso, os filhos de refugiados e solicitantes de refúgio tem direito de serem vacinados gratuitamente em qualquer posto de saúde; trabalho - com a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), os solicitantes de refúgio e refugiados tem o direito de trabalhar de forma legal no país, tendo as mesmas garantias de um trabalhador brasileiro; assistência social uma vez registrados no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) os refugiados podem se candidatar para participar de programas como Minha casa, Minha Vida, Tarifa Social de Energia Elétrica, Bolsa Família, entre outros; assistência jurídica - assim como todos os brasileiros, os refugiados tem acesso à ampla assistência jurídica de forma gratuita. Tal assistência e orientação jurídica é garantida por meio das Defensorias Públicas da União e do Estado. No que tange à competência de cada uma, a cartilha traz diversas situações para uma prévia orientação do estrangeiro, principalmente ligadas à sua condição, que desconhece a lei brasileira. O ACNUR trata, também, sobre a questão da violência à mulher informando ao refugiado sobre a Lei Maria da Penha e como se deve agir em casos de agressão, não só física como psicológica, sexual e moral Reassentamento Como terceira hipótese de solução durável a Lei 9.474/97 prevê o Reassentamento, definindo, nos artigos 45 e 46 que este deve ser caracterizado, sempre que possível, pelo caráter voluntário e será efetuado de forma planificada e com a participação coordenada dos órgãos estatais e, quando possível, de organizações não governamentais, identificando áreas de cooperação e de determinação de responsabilidades. Sobre o reassentamento, a Cartilha Protegendo os Refugiados no Brasil e no Mundo de 2014 na p. 8, dita que: implementado pelo ACNUR para quem não pode voltar ao seu país de origem por temor de perseguição e nem permanecer no país de refúgio onde se encontra, devido a problemas de segurança, integração local ou falta de proteção legal e física. Nestes casos, o ACNUR procura a ajuda de terceiros países que estejam dispostos a receber estes refugiados. Entretanto, o próprio ACNUR (2014, p. 27) defende que para os refugiados reconhecidos no Brasil, o Reassentamento não é a primeira opção, e que: Aqui, a solução duradoura preferível é a integração local e, quando possível, a repatriação voluntária. Isso porque, os refugiados presentes no Brasil não possuem qualquer necessidade específica de proteção que o Estado brasileiro seja absolutamente incapaz de suprir, a ponto de se justificar o reassentamento em um terceiro país. O Estado brasileiro tem o dever de assegurar a proteção dos refugiados que se encontram em seu território e, em caso de necessidade, as autoridades policiais, o Ministério Público e a Defensoria Pública devem ser contatados. Não há hierarquia entre as solução duráveis, podendo o refugiado escolher a que melhor lhe convém. A possibilidade de seguir a escolha do refugiado será analisada pelo ACNUR, para que seja garantido que este indivíduo que antes vivia em uma situação de risco não volte a ter as mesmas condições de vida e que, dessa forma, sejam protegidos seus direitos humanos. 358

7 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS A atual assistência legal dada aos refugiados no país é suficiente e eficiente para garantia dos seus direitos humanos. A Lei 9.474/97 está de acordo e respeita os instrumentos legais internacionais que tratam do assunto, principalmente no que tange à Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951, e ao Protocolo de 1961 que trata do referido Estatuto. Este instrumento legal é exclusivo sobre a temática dos Refugiados, característica que não se observa na maioria dos países. Além disso, traz uma inovação no inciso III do artigo 1º da referida lei, ao ampliar a possibilidade de refúgio para indivíduos que fugiram dos seus países de nacionalidade originária ou residência habitual devido a grave e generalizada violação de direitos humanos. Tal inovação não só alterou a definição do termo refugiado como possibilitou proteção a um maior numero de pessoas. A lei 9.474/97 prevê, ainda, um processo administrativo no qual as decisões, tanto de primeiro grau, quanto em sede de recurso, tem que ser devidamente fundamentadas, o que permite a ampla defesa e o contraditório. Além disso, tanto os solicitantes de refúgio, quanto os refugiados reconhecidos tem todos os direitos humanos estabelecidos pelas legislações citadas e tem plena capacidade e condição de exercê-los no país, recebendo assistência necessária para reestabelecer em território brasileiro uma vida digna, sem a ameaça do perigo enfrentado nos países de origem e a possibilidade de serem devolvidos ou extraditados. REFERÊNCIAS ACNUR. Cartilha para Refugiados no Brasil: Brasília, Disponível em: < Acesso em: 21/03/2014 BRASIL, Lei nº 9.474, de 22 de julho de Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. Disponível em: < htm>. Acesso em: 20/10/2013. BRASIL, Ministério das Relações Exteriores. Cooperação Humanitária Internacional CARVALHO, Júlio Marinho de. Asilo Político e Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Forense, DOLINGER, Jacob. Direito Internacional Privado: parte geral 10. Ed. Rio de Janeiro: Forense, GHISLENI, Alexandre Peña. Direitos Humanos e Segurança Internacional: o tratamento dos temas de Direitos Humanos no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, JUBILUT, Liliana Lyra. O Procedimento de Concessão de Refúgio no Brasil. Disponível em: <http://portal.mj.gov.br/main.asp?team={e01871b3-f d-bc7e-2ba46b751275}> Acesso em: 15/03/2014. MELLO, Celso D. de Albuquerque. Direitos Humanos e conflitos armados. Rio de Janeiro: Renovar, REZEK, José Francisco. Direito Internacional Público: curso elementar. 14. Ed. Ver., aumente. e atual. São Paulo: Saraiva, ROVER, Cees de. Trad. Sílvia Backes e Ernani S. Pilla. Direitos Humanos e Direito Humanitário para forças policiais e de segurança: manual para instrutores. Genebra: Comitê Internacional da Cruz Vermelha, TRINDADE, A. A. Cançado. A Incorporação das normas Internacionais de Proteção dos Direitos Humanos no Direito Brasileiro. 2 ed. San Jose, CR: Instituto Interamericano de Direitos Humanos, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Governo da Suécia, ACNUR. Cartilha para Solicitantes de Refúgio no Brasil: Brasília, Disponível em: <http://www.acnur.org/t3/fileadmin/scripts/doc.php?file=t3/fileadmin/ Documentos/portugues/Publicacoes/2014/Cartilha_para_solicitantes_de_refugio_no_Brasil>. Acesso em: 21/03/2014 ACNUR. Protegendo refugiados no Brasil e no mundo. Brasília, Disponível em: < Documentos/portugues/Publicacoes/2014/Protegendo_refugiados_no_Brasil_e_no_mundo_2014 >. Acesso em: 21/03/2014 ACNUR, Lei 947/97 e Coletânea de Instrumentos de Proteção Internacional de Refugiados e Apátridas: Brasília, Disponível em: < t3/fileadmin/scripts/doc.php?file=t3/fileadmin/documentos/portugues/publicacoes/2012/lei_947_97_e_coletanea_de_instrumentos_de_protecao_internacional_de_refugiados_e_apatridas> Acesso em: 02/11/2013 ALMEIDA, Guilherme Assis de. Direitos Humanos e não violência. São Paulo: Atlas, ANDRADE, José H. Fischel de. Direito Internacional dos refugiados: evolução histórica ( ). Rio de Janeiro: Renovar, p. ARAÚJO, Nádia de, ALMEIDA, Guilherme Assis de. O Direito Internacional dos Refugiados: uma perspectiva brasileira. São Paulo: Renovar, BARRETO, Luiz Paulo Teles Ferreira (Org.).Refúgio no Brasil: a proteção brasileira aos refugiados e seu impacto nas Américas. 1. Ed. Brasília: ACNUR e Ministério da Justiça, p. Disponível em: < main.asp?view={77871e62-49fb-4094-aee2-9c865624bcc8}> Acesso em: 28/10/2013. NOTAS DE FIM 1 Graduanda em Direito pelo Centro Universitário Newton Paiva. 9º período - Manhã 2 Professor - Orientador. Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), especialização em Direito Tributário pela Fundação Getulio Vargas (2004) e mestrado em Direito Internacional pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004). Atualmente é advogado, professor adjunto, Coordenador do Grupo de Estudos em Direito Internacional do Centro Universitário Newton Paiva e Academic Advisor da International Law Students Association. 3 Bernardo Gomes Barbosa Nogueira, William Ken Aoki 4 Dados retirados do site do ACNUR no subtópico O ACNUR no Brasil. Disponível em: <http://www.acnur.org/t3/portugues/informacao-geral/o-acnur-no -brasil/>. Acesso em: 12/ Inteiro teor disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador. jsp?doctp=ac&docid=610142>. Acesso em: 23/05/ Idem nota iii. 7 Dados retirados da Análise Estatística ( ) do ACNUR sobre o Refúgio no Brasil. Disponível em: < php?file=t3/fileadmin/documentos/portugues/estatisticas/refugio_no_brasil_2010_2013> Acesso em: 18/05/ Notícia do site do ACNUR de 14 de maio de Disponível em: < Acesso em: 18/05/

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências.

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. LEI Nº 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O _SUMÁRIO _Quem é o (a) solicitante de refúgio?...4 _Dificuldades enfrentadas pelo refugiado ao chegar ao Brasil...5 _Direito dos solicitantes

Leia mais

Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012

Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012 Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MIGRAÇÃO IMIGRANTES EMIGRANTES VOLUNTÁRIOS FORÇADOS CONFLITOS ARMADOS MOTIVAÇÃO ECONÔMICA PERSEGUIÇÃO CATÁSTROFES AMBIENTAIS REFUGIADO MOLDES

Leia mais

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO UNHCR ACNUR QUEM SOMOS ACNUR O ACNUR foi criado para proteger e assistir às vítimas de perseguição, da violência e da intolerância. Desde então, já ajudou mais de 50

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014

COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014 COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014 Estabelece os procedimentos aplicáveis ao pedido e tramitação da solicitação

Leia mais

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014 Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 21 a Outubro de 214 O Brasil é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos e é parte da Convenção das Nações Unidas de 1951

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2014 - Voluntário

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2014 - Voluntário TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2014 - Voluntário A Caritas Arquidiocesana de São Paulo (CASP), entidade privada sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

Trabalhando com. Refugiados

Trabalhando com. Refugiados Trabalhando com Refugiados Quem são os refugiados? O refugiado é uma pessoa que está fora do seu país porque foi (ou estava em risco de ser) vítima de graves violações de direitos humanos em razão da sua

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

No Sri Lanka, um trabalhador da etnia Tamil exibe documento comprovando a obtenção de cidadania da sua esposa.

No Sri Lanka, um trabalhador da etnia Tamil exibe documento comprovando a obtenção de cidadania da sua esposa. No Sri Lanka, um trabalhador da etnia Tamil exibe documento comprovando a obtenção de cidadania da sua esposa. Esta é uma publicação do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) com o

Leia mais

A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos

A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos Introdução A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos Conteúdo 1. Cooperação entre parceiros chaves 2. Coleta de informações e análise 3. Sistemas de entrada sensíveis à

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES Maria Carolina Matias Morales Toda a regulamentação existente em torno da contratação de mão de obra estrangeira para trabalho em

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO. Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015

ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO. Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015 ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015 Plano I. Notas prévias: Direito de Imigração v. Direito de Asilo; Asilo, proteção subsidiária

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados assinada em Genebra, em 28 de julho de

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

Divisão de Atos Internacionais

Divisão de Atos Internacionais Page 1 of 9 Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 38.018, DE 7 DE OUTUBRO DE 1955. Promulga o Acôrdo relativo à concessão de um título de viagem para refugiados que estejam sob a jurisdição do Comité

Leia mais

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES Mude-se para os EUA Hoje! PORT EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES Todas as pessoas conhecem clientes, amigos ou parentes que possuem o desejo de se mudar para os Estados Unidos, especialmente para a Flórida.

Leia mais

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Documento Conceitual Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Genebra, 9-10 de dezembro de 2009 I. Introdução O terceiro

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa NOTA INFORMATIVA n.º 01/2015 COORDENADORIA DE PROJETOS E PROGRAMAS INTERNACIONAIS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIFESP A da UNIFESP, por sua Coordenadoria de Projetos e Programas Internacionais,

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

DECLARAÇÃO DO BRASIL

DECLARAÇÃO DO BRASIL DECLARAÇÃO DO BRASIL Um Marco de Cooperação e Solidariedade Regional para Fortalecer a Proteção Internacional das Pessoas Refugiadas, Deslocadas e Apátridas na América Latina e no Caribe Brasília, 3 de

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS Em conformidade com o Direito Internacional Humanitário, os jornalistas que estiverem em missão em áreas de conflitos armados devem ser respeitados

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte Verifique a documentação necessária. Atenção: Não há renovação nem prorrogação de passaporte, se o seu está

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de estabelecer uma Convenção sobre Asilo Diplomático, convieram nos seguintes artigos:

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições financeiras para pagar por um advogado. (Art. 134 da Constituição)

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Migrações Alguns números

Migrações Alguns números Migrações Alguns números Dados gerais: Mundo» Há 232 milhões de migrantes internacionais no mundo (ONU, 2013), ou 3.2% da população mundial» Os migrantes internacionais compõem 10.8% da população das regiões

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

Leia mais

Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) Atualização n 1

Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) Atualização n 1 Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) 1 Introdução Atualização n 1 Milhares de pessoas estão deixando a Líbia devido ao aumento dos conflitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

PROJETO DE LEI N 4.596/09

PROJETO DE LEI N 4.596/09 1 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI N 4.596/09 (Do Sr. Capitão Assumção) Altera os artigos 3 e 41 da Lei n 9.474, de 22 de julho de 1997, que "Define mecanismos para a

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional,

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional, ** Mensagem n o 342 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 030/2011-CONSUNIV DISPÕE sobre revalidação de diplomas de cursos de graduação

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 030/2011-CONSUNIV DISPÕE sobre revalidação de diplomas de cursos de graduação UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 030/2011-CONSUNIV DISPÕE sobre revalidação de diplomas de cursos de graduação expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino

Leia mais

PROTOCOLO DE INTEGRAÇÃO EDUCATIVA E REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS, CERTIFICADOS, TÍTULOS E RECONHECIMENTO DE ESTUDOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO.

PROTOCOLO DE INTEGRAÇÃO EDUCATIVA E REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS, CERTIFICADOS, TÍTULOS E RECONHECIMENTO DE ESTUDOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO. MERCOSUL/CMC/DEC. N 7/95 PROTOCOLO DE INTEGRAÇÃO EDUCATIVA E REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS, CERTIFICADOS, TÍTULOS E RECONHECIMENTO DE ESTUDOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO. TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e seus

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

EDITAL. Programa de Formação Complementar e Pesquisa em Comércio Internacional. 12 de maio a 1º de agosto de 2014 Genebra, Suíça

EDITAL. Programa de Formação Complementar e Pesquisa em Comércio Internacional. 12 de maio a 1º de agosto de 2014 Genebra, Suíça EDITAL Programa de Formação Complementar e Pesquisa em Comércio Internacional 1.Descrição 12 de maio a 1º de agosto de 2014 Genebra, Suíça O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e a Delegação

Leia mais

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo.

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo. DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO AUXILIAR ADMINISTRATIVO FUNÇÃO DESIGNER GRÁFICO (Grande São Paulo, Presidente Prudente e S.José do Rio Preto) O presente documento é uma divulgação oficial

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional INTRODUCTION 5 Índice Geral Índice Alfabético 11 Índice Cronológico 15 Índice Sistemático 19 Nota Prévia 65 Parte I Estrangeiros em geral 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros

Leia mais

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará REITORIA EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Estabelece as normas e fixa

Leia mais

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados.

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. DECRETO Nº 5.006, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

Disciplina: Direito Internacional Público

Disciplina: Direito Internacional Público Disciplina: Direito Internacional Público Tema: Nacionalidade, condição jurídica dos estrangeiros, formas de saída compulsória (extradição, expulsão e deportação, asilo e refúgio Prof. Rodrigo de Victor

Leia mais

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Portaria nº 00.004/2015 - Emissão de CTPS para Estrangeiros

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Portaria nº 00.004/2015 - Emissão de CTPS para Estrangeiros Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br Portaria nº 00.004/2015 - Emissão de CTPS para Estrangeiros PORTARIA Nº 4, DE 26 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 015/2015

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 015/2015 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 049/2015-02/02/2015 BOLETIM 015/2015 Novos procedimentos para emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) para estrangeiros A Portaria SPPE nº 4/2015

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA PESQUISADOR/A ESPECIALISTA REFÚGIO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração do Secretariado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. Normas para revalidação de diplomas de graduação e de pós-graduação stricto sensu expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras. O CONSELHO

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

EDITAL SEEC Nº. 01/2013

EDITAL SEEC Nº. 01/2013 ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE COCAL DO SUL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, ESPORTE E CULTURA EDITAL SEEC Nº. 01/2013 Dispõe sobre as diretrizes de matrícula para o ano letivo de 2014, nas instituições

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Nos termos do Regulamento de Bolsas de Investigação da Fundação

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE AGENTE DE ATENDIMENTO NAS UNIDADES DO SESC DA GRANDE SÃO PAULO

DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE AGENTE DE ATENDIMENTO NAS UNIDADES DO SESC DA GRANDE SÃO PAULO DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE AGENTE DE ATENDIMENTO NAS UNIDADES DO SESC DA GRANDE SÃO PAULO O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos

Leia mais

Filiada à. Portaria Nº 4, de 26 de janeiro de 2015 Secretaria de Políticas Públicas de Emprego

Filiada à. Portaria Nº 4, de 26 de janeiro de 2015 Secretaria de Políticas Públicas de Emprego SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO PORTARIA Nº 4, DE 26 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos para emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) para estrangeiros. A SECRETÁRIA

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Diário Oficial da Cidade de São Paulo

Diário Oficial da Cidade de São Paulo Diário Oficial da Cidade de São Paulo Nº 163 DOM de 30/08/08 PORTARIA REPUBLICADA POR TER SAÍDO NA SECRETARIA ERRADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E PARCERIA nas páginas 07 e 08 do Diário Oficial

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais