POTENCIALIDADE DOS INDICADORES URBANÍSTICOS PARA A DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA: ABORDAGEM DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POTENCIALIDADE DOS INDICADORES URBANÍSTICOS PARA A DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA: ABORDAGEM DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO"

Transcrição

1 IX ENCONTRO NACIONAL DA ECOECO Outubro de 2011 Brasília - DF - Brasil POTENCIALIDADE DOS INDICADORES URBANÍSTICOS PARA A DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA: ABORDAGEM DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Ricardo Siloto da Silva (UFSCAR) - Arquiteto, Professor do Departamento de Engenharia Urbana - UFSCAR André Giovanini de Oliveira Sartori (UFSCAR) - Geógrafo, aluno do curso de mestrado do Departamento de Engenharia Urbana - UFSCAR Thiago Marchiori Visintin (UFSCAR) - Engenheiro Civil, formado pela UFSCAR

2 1 POTENCIALIDADE DOS INDICADORES URBANÍSTICOS PARA A DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA: ABORDAGEM DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EIXO TEMÁTICO Seção: cidades sustentáveis Subseção: habitats urbanos sustentáveis. RESUMO O presente trabalho apresenta uma análise da potencialidade dos indicadores urbanísticos para a determinação da qualidade de vida, no que tange a abordagem do uso e ocupação do solo, na utilização de dois sistemas de indicadores, que são: Indicadores da Agenda Habitat, do Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos UN-HABITAT, e GEO Cidades Global Environment Outlook, do Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente. Indicadores são parâmetros que apontam e fornecem informações sobre o estado de um fenômeno, ou de parte do mesmo. Tem o poder de transmissão qualitativa das mesmas e podem ser utilizados como balizadores na estruturação e na aplicação de políticas públicas urbanas. Os sistemas selecionados, Indicadores da Agenda Habitat e GEO Cidades, ambos produzidos por programas da Organização das Nações Unidas - ONU - são reconhecidos e tem credibilidade junto à comunidade técnico-científica, porém têm sido pouco utilizados pelos gestores que atuam sobre as áreas urbanizadas. Neste trabalho, foram ressaltados os indicadores voltados para a gestão e o planejamento urbanos, a fim de se estabelecer um bom padrão de qualidade de vida a todos os cidadãos e, ao mesmo tempo, a sustentabilidade dos recursos naturais. Buscou-se analisar, dentro do conjunto de indicadores existentes em cada sistema, os indicadores que lidam diretamente com a problemática do uso e da ocupação do solo. O resultado foi uma análise da potencialidade de uso de cada indicador componente voltada para o planejador urbano.

3 2 Palavras chave: Indicadores, Planejamento Urbano, Qualidade de Vida, Uso e ocupação do solo. ABSTRACT This paper presents an analysis of the potential of urban indicators for determining the quality of life, regarding the approach of use and land occupation, the use of two systems of indicators, which are Habitat Agenda Indicators, from United Nations Human Settlements Programme - UN-HABITAT, and GEO Cities - Global Environment Outlook, from United Nations Environment Programme. Indicators are parameters which point out and provide information about the state of a phenomenon, or a part of it. It has the power of qualitative transmission and it can be used as a guide in structuring and implementation of urban policies. The selected systems, Habitat Agenda Indicators and GEO Cities, both programs produced by the United Nations - UN - are recognized and have credibility with the technical-scientific community, but it has been used a few times by managers who work on urban areas, specifically in the use and land cover process. In this paper, it was highlighted the indicators focused on urban management and planning in order to establish a good standard of quality of life for all citizens and at the same time, the sustainability of natural resources. It was analyzed, within the set of indicators in each system, the indicators that deal directly with the problematic use and land cover. The result was an analysis of the potential use of each indicator component, oriented for the urban planner. Key words: Indicators; Urban Planning; Quality of Life; Use and Land Cover INTRODUÇÃO Ocupar o solo e lhe conferir função, estrutura e forma, sempre foi uma prática comum de nossas sociedades. A cidade, locus da concentração, se caracterizou como centro, econômico, onde aglomerar-se significava diminuir custos de

4 3 produção, facilitar acesso a bens sociais, materiais, direitos políticos e outros benefícios. Mais do que isso, tal fenômeno se mostrou, historicamente, uma condição para o avanço de relações sociais e políticas, permitindo um estado propício à inovação nos costumes, nos modos de produções e, em diversos outros escopos de atividades humanas. Com o advento da produção em escala, o recrudescimento econômico, causado pela inovação tecnológica, configurou uma condição, antes não conhecida, de demanda por insumos, mão de obra e novos mercados de consumo. A procura por oportunidades da população caracterizou um movimento demográfico de migração campo e cidade. A população mundial passou por um aumento progressivo da expectativa de vida, acompanhado de uma diminuição acentuada da mortalidade infantil e maternal. Com mais habitantes residentes, em proporções cada vez maiores na cidade, esta teve seu espaço mercantilizado, o qual foi a base material para relações socioespaciais cada vez mais complexas e diversas. Tendo como predominância um modo de produção assinalado pelo objetivo do lucro individual, a interação entre ação humana e a dinâmica do meio ambiente apresentou-se de forma conflitante, com a utilização intensa de recursos naturais e alta produção de rejeitos, com a respectiva destinação feita, em geral, de forma inadequada. Os resultados obtidos foram marcados por degradações ambientais, tais como a poluição do ar e dos cursos d água, a compactação e a contaminação de solos, o desmatamento da mata ciliar, a eliminação ou substituição da vegetação natural e tantos outros efeitos negativos incidindo diretamente na qualidade de vida das pessoas. Neste quadro, onde as cidades abrigam a maior parte da população mundial, os trabalhos sobre a qualidade de vida urbana ganham especial interesse e o processo de planejamento e gestão do meio urbano adquire uma importância mais significativa. Este é o contexto do aprimoramento das ferramentas de informação, base para provisão de dados significativos nas tomadas de decisão das políticas públicas urbanas. Entre estas, ressalta-se, neste trabalho, os indicadores aplicáveis nos estudos sobre a cidade e o meio urbano, em especial os voltados para a gestão e o planejamento urbanos, a fim de se estabelecer um bom padrão de qualidade de vida a todos os cidadãos e, ao mesmo tempo, a sustentabilidade dos recursos naturais.

5 4 METODOLOGIA O método utilizado na confecção do presente trabalho consistiu na sistematização do material já produzido na literatura técnico-científica. O primeiro critério para a escolha de indicadores foi o de os mesmos terem como alvo de suas avaliações o monitoramento da qualidade de vida e/ou da sustentabilidade, e o fato destas experiências monitorarem características relativas, em sua grande maioria, ao meio urbano. O segundo critério para a escolha das experiências foi o do reconhecimento, no meio técnico-científico, das agências formuladoras das experiências analisadas, selecionando-se apenas àquelas desenvolvidas pelas Nações Unidas, pioneira e referência mundial na formulação de sistemas de indicadores. Como terceiro critério para a escolha das experiências buscou-se àquelas em que as informações estivessem amplamente difundidas e que fossem conhecidas por estudiosos da utilização de indicadores no planejamento urbano. O quarto critério baseou-se na escolha de produções que fossem acessíveis ao público geral, através de meio impresso e / ou de meio digital, gerando, dessa forma, condições mais propícias àqueles que futuramente buscarem pelas fontes deste trabalho. Sendo assim, foram escolhidos dois indicadores, que são o GEO - Cidades, e Indicadores da Agenda HABITAT. Com os indicadores já coletados, buscou-se relacionar os indicadores componentes de cada conjunto com as características principais envolvidas na análise do uso e ocupação do solo urbano, propiciando, assim, uma análise da potencialidade de uso de cada indicador componente voltada para o planejador urbano. O PROCESSO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E O PLANEJAMENTO URBANO A ocupação do território é o resultado da expressão da interação das dinâmicas demográfica e econômica sobre o ambiente natural, podendo ser entendida ainda, como fruto da progressiva adequação e incorporação dos recursos ambientais à expansão urbana, o que implica em algum grau de destruição e ameaça à integridade dos ecossistemas lindeiros, como a alteração e contaminação de

6 5 ecossistemas e recursos. A base física, sobre a qual se desenvolve o conjunto de atividades urbanas, através da construção de habitações, da abertura de rua e avenidas, sofre influência e pressão diversas como as decorrentes de: características da dinâmica populacional; características da dinâmica econômica; características físico-naturais do território; estrutura e a atuação do poder público; atuação das organizações da sociedade civil; grau e as características da desigualdade social; A busca por uma forma de gestão do território tornou-se vital para que o planejamento da estrutura, do crescimento e da distribuição espacial das cidades pudesse ocorrer e, assim, garantir o funcionamento delas. Dentre os diversos instrumentos de planejamento, destaca-se o Plano Diretor, revalorizado após a obrigatoriedade do mesmo ser estabelecida na Constituição Federal de Esta, no entanto difere da concepção disseminada nas décadas de 70 e 80. Então, o Plano trazia um discurso pelo qual buscava atender à demanda de promover um desenvolvimento integrado e o equilíbrio entre as cidades brasileiras, em uma época de grande expansão do processo de urbanização. Naquele momento, prevalecia uma visão técnica do planejamento, onde o ponto de partida era o estabelecimento de parâmetros adequados ou aceitáveis de organização do espaço físico, que se consolidavam através de uma série de investimentos públicos e de uma legislação de uso e ocupação do solo conforme o modelo proposto. Contrapondo-se a este, a partir do final da década de 1970, os movimentos sociais urbanos iniciaram uma fomentação por debates cujo objetivo era o de incorporar a cidade irregular, informal e clandestina na esfera do plano urbanístico, evidenciando a necessária relação entre plano e gestão, mostrando assim a prevalência da dimensão política no Plano. Com isto, buscava-se uma mudança no paradigma da concepção tradicional do plano para um modelo que reconhecesse a multiplicidade dos agentes. O planejamento urbano passou a ser tratado como um processo, com sucessivas etapas das quais podem ser destacadas a formulação dos instrumentos urbanísticos, a aprovação do Plano Diretor pela Câmara Municipal, sua fiscalização e revisão periódica, comparando-se a

7 6 estratégia proposta e os resultados obtidos. (FERNANDES, 1998; SANTOS, 1996; VILLAÇA, 1999; MARICATO, 2000). O Estatuto da Cidade, lei que regulamentou o capítulo sobre Política Urbana da Constituição de 88, define o Plano Diretor como sendo um conjunto de princípios e regras de orientação para a ação dos agentes que constroem e utilizam o espaço urbano. De acordo com Bonduki (2004), a legislação que se pretende reguladora do uso e da ocupação do solo urbano tem considerado o município a partir divisão do seu território em zonas destinadas a um ou mais usos distintos, estabelecendo parâmetros urbanísticos, tais como coeficientes para a ocupação e aproveitamento dos terrenos, taxas de permeabilidade, recuos e outros. Indo além desses fatores, esta legislação também objetiva proporcionar localização adequada para as diferentes funções e atividades urbanas; a preservação da fluidez dos sistemas viários municipais; o estabelecimento de parâmetros de compatibilidade entre diferentes intensidades e usos entre si e, principalmente a compatibilidade os mesmos com a capacidade da infraestrutura instalada ou passível de instalação. Outro fator, que cada vez mais tem se tornado preponderante, é o da condição de sustentabilidade ecológica urbana, buscada por meio da adequação desta implantação antrópica às características ambientais de cada parcela do território. A identificação e classificação dos biótopos existentes e o entendimento destes enquanto unidades de planejamentos tem se tornado um instrumento apropriado para a apreensão, e posterior proposição, dessa realidade. Ao binômio planejamento gestão, soma-se o monitoramento, compondo assim em uma tríade de ações complementares essenciais para o desempenho da política interveniente no espaço antrópico do município. USO DE INDICADORES NO MEIO URBANO Meadows (1998) afirma que a utilização de indicadores é uma maneira intuitiva de monitorar sistemas complexos, que a sociedade considera importantes e que visualiza a necessidade de controle. Porém, como lembram Hardi e Zdan (1997), os indicadores devem ser considerados como um modelo e não a realidade em si, eles são fragmentos de informação que indicam características dos sistemas. A

8 7 utilização de indicadores é extremamente útil para a gestão e para o monitoramento, sendo, de acordo com a Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento OECD (1994), um parâmetro ou valor derivado de parâmetros que aponta e fornece informações sobre o estado de um fenômeno. Proveniente do latim indicare, indicador significa destacar, mostrar, anunciar, tornar público, estimar. Assim sendo, os indicadores tem, em seu potencial intrínseco, o poder de transmissão de informações que objetiva deixar claro uma série de fenômenos que não são observáveis de imediato. As principais funções dos indicadores, de acordo com Gallopin (1996), giram em torno da sua capacidade de avaliar estados e mudanças; comparar diferentes lugares, situações e até mesmo um lugar ao longo de um tempo; fornecer avisos de mudanças que irão acontecer; e antecipar futuros estados e mudanças, de forma preditiva. Sua utilização promove um agrupamento de informações que permite ao usuário estabelecer concatenação lógica de idéias acerca daquilo que o indicador propõe medir, para isso, o mesmo deve ser compreensível. Decorre daí, segundo esse autor, ao comparar este com outras formas de informações, a sua principal característica, que é a sua relevância para o tomador de decisão. A eficiência do indicador, neste contexto, depende da sua aceitabilidade pelo conjunto dos envolvidos com o processo decisório. INDICADORES SELECIONADOS: AGENDA HABITAT E GEO- CIDADES Indicadores da Agenda HABITAT O Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos UN-HABITAT é a agência da ONU responsável por promover o desenvolvimento social e ambientalmente sustentável dos assentamentos humanos, tendo como meta principal assegurar moradia adequada para todos e todas. As atividades desenvolvidas pelo UN-HABITAT contribuem para o objetivo global da ONU de reduzir a pobreza e promover o desenvolvimento sustentável. O UN-HABITAT é, também, responsável pelo Objetivo 7 Garantir a Sustentabilidade Ambiental -,

9 8 em especial as Metas 11 Melhorar até 2020 a vida de pelo menos cem milhões de pessoas e 12 até 2015 reduzir a metade o número de pessoas sem acesso a água potável. Seu histórico de atividades data de 1991, quando iniciou-se o Programa de Indicadores de Habitação, que abordou o estado das habitações. Uma função vital da UN-HABITAT é o monitoramento das tendências e condições globais, e o progresso dos assentamentos na implementação da Agenda HABITAT, em níveis locais, regionais, nacionais e internacionais. A função do monitoramento é dada através de dois principais instrumentos: Observatório de Estatísticas Urbanas Globais e Melhores Praticas. Através da demanda da Comissão de Assentamentos Humanos, a agência desenvolveu este sistema de monitoramento, que tem três principais componentes: o Programa de Estatísticas que regularmente coleta dados de países membros e cidades; o Programa de Indicador Urbano que, regularmente, coleta indicadores de mais de 200 cidades; o Programa de Melhores Práticas que tem, compilados, mais de cases de melhores praticas em 600 cidades; A agencia está participando da Declaração das Metas do Milênio fornecendo quatro indicadores e um índice de favelas, ou moradias precárias, baseado na Meta 7, objetivo 11. Estes indicadores são: porcentagem de pessoas com acesso ao saneamento; porcentagem de pessoas com acesso a água segura e limpa; porcentagem de pessoas com direito de posse seguro; porcentagem de pessoas em moradias permanentes. No ano de 1993, foi criado um programa com o objetivo de confeccionar um conjunto de Indicadores Urbanos voltados para se analisar uma ampla gama de questões urbanas. Tal programa produziu dois principais bancos de dados, datados de 1996 e 2001, componentes do sistema Global Urban Indicators. Estes foram utilizados na Conferência Habitat II e na sua sessão especial de seguimento, conhecida como Istambul +5 e realizada em Nova Iorque, que ajudaram a estabelecer as tendências regionais nas principais questões urbanas. A base de dados do Global Urban Indicators (III) foi formulada para continuar abordando as questões-chave da Agenda Habitat, interligando-a com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), no que tange a sua Meta 11, relativa à melhoria da vida dos habitantes de favelas. A meta 7, garantir a sustentabilidade

10 9 ambiental, também ficou sob a incumbência deste órgão. Os Indicadores Urbanos da ONU são frutos da junção entre os indicadores da Agenda HABITAT e o dos Indicadores dos ODM. A base de desenvolvimento dos indicadores da Agenda Habitat, remete as Resoluções 15/6, e 17/1 da Comissão das Nações Unidas sobre Assentamentos Humanos. Os indicadores da Agenda Habitat são compostos de: 20 indicadores-chave, que são importantes para a política e relativamente fáceis de coletar. Eles são números, porcentagen e proporções; 9 são indicadores check-lists, que dão uma avaliação de áreas que não podem ser facilmente medidas quantitativamente. São questões de auditoria, geralmente acompanhadas de questões qualitativas, com resposta sim ou não ; 13 indicadores extensivos, que se destinam a complementar os resultados da chave indicadores e dados qualitativos, a fim de fazer uma avaliação mais aprofundada da questão. A composição dos indicadores se fez através da definição de capítulos relativos às características importantes da Agenda Habitat, onde cada um possui metas a serem alcançadas. Dessa forma, os indicadores da Agenda Habitat são estes: Capítulo habitação: Meta 1: promover o direito à moradia adequada, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: estruturas duráveis; Indicador-chave: superlotação; Indicador check-list: direito à moradia adequada; indicador extensivo: o preço da habitação em relação à renda. Meta 2: proporcionar segurança, composto pelos seguintes indicadores: Indicadorchave: regularização fundiária; indicador extensivo: habitação autorizada; indicador extensivo: despejos. Meta 3: proporcionar igualdade de acesso ao crédito, composto pelo seguinte indicador: Indicador check-list: financiamento habitacional. Meta 4: proporcionar o acesso igual à terra, composto pelos seguintes indicadores: Indicador extensivo: preço da terra em relação à renda. Meta 5: promover o acesso a serviços básicos, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: acesso à água potável; Indicador-chave: acesso a saneamento básico; Indicador-chave: ligação a serviços. Capítulo 2: O desenvolvimento social e a erradicação da pobreza.

11 10 Meta 6: proporcionar a igualdade de oportunidades para uma vida segura e saudável, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: mortalidade de menores de cinco; Indicador-chave: homicídios; Indicador chek-list: a violência urbana; Indicador extensivo: a prevalência do HIV. Meta 7: promover a integração social e apoiar os grupos desfavorecidos, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: as famílias pobres. Meta 8: promover a igualdade no desenvolvimento dos assentamentos humanos, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: taxas de alfabetização; Indicador chek-list: matrícula escolar; Indicador extensivo: número de vereadoras; Indicador extensivo: a inclusão de gênero. Capítulo 3: Planejamento Ambiental. Meta 9: promover a resolução de estruturas geograficamente equilibrada, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: crescimento da população urbana; Indicador-chave: assentamentos planejados. Meta 10: gerenciar oferta e demanda de água de uma forma eficaz, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: preço da água; Indicador extensivo: o consumo de água. Meta 11: reduzir a poluição urbana, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: águas residuais tratadas; Indicador-chave: eliminação de resíduos sólidos; Indicador extensivo: coleta de resíduos sólidos. Meta 12: prevenir as catástrofes e reconstruir assentamentos, composto pelos seguintes indicadores: Indicador chek-list: casas em locais perigosos; Indicador extensivo: instrumentos de prevenção e mitigação de desastres. Meta 13: promover sistemas de transporte eficiente e ambientalmente saudável, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: tempo de viagem; Indicador extensivo: modos de transporte. Meta 14: os mecanismos de apoio para preparar e implementar planos locais de meio ambiente e iniciativas da Agenda 21 local: Indicador chek-list: planos locais ambientais. Capítulo 4: Desenvolvimento Econômico.

12 11 Meta 15: fortalecer as micro e pequenas empresas, particularmente aquelas desenvolvidas por mulheres, composto pelos seguintes indicadores: Indicadorchave: o emprego informal. Meta 16: incentivar a parceria público-privada do setor e estimular oportunidades de emprego produtivo: Indicador-chave: produto cidade; Indicador-chave: o desemprego. Capítulo 5: Governança: Meta 17: promover a descentralização e reforçar as autoridades locais, composto pelos seguintes indicadores: Indicador-chave: a receita do governo local; Indicador chek-list: a descentralização. Meta 18: promover e apoiar o envolvimento e a participação cívica, composto pelos seguintes indicadores: Indicador chek-list: a participação dos eleitores; Indicador extensivo: associações cívicas; Indicador extensivo: a participação dos cidadãos. Meta 19: garantir a governança transparente, responsável e eficiente de vilas, cidades e áreas metropolitanas, composto pelos seguintes indicadores: Indicador chek-list: a transparência e a responsabilização. Inserção dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: alvo favela. Objetivo 7: garantir a sustentabilidade ambiental. Responde ao atendimento da meta 7D, que é a de até 2020, ter alcançado uma significativa melhoria na vida de pelo menos 100 milhões de moradores de favelas. O indicador componente é: Proporção da população urbana em favelas. O resultado final esperado da utilização dos Indicadores da Agenda Habitat é o de prover medidas de performances e tendências em determinadas áreas-chave da Agenda Habitat. Juntos, eles devem fornecer uma base quantitativa comparativa para a condição de cidades, e mostrar progressos para a realização da Agenda Habitat. Metodologia GEO Cidades O projeto GEO Cidades é parte da série de relatórios GEO, produzida pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) que, desde 1995,

13 12 produz, de forma periódica, informações sobre o estado do meio ambiente em nível global, regional, subregional, nacional e local. A metodologia GEO Cidades trata da análise da interação entre o desenvolvimento urbano e o meio ambiente, avaliada com o uso da matriz Pressão Estado Impacto - Resposta (PEIR). Em 1995, o PNUMA aprimorou o modelo ao acrescentar o elemento impacto. Assim, os relatórios GEO Cidades foram formulados também com o objetivo de aferir o impacto da urbanização sobre o meio ambiente, especialmente sobre os recursos naturais e os ecossistemas locais. Os seus componentes remetem a uma concatenação lógica de questões básicas, onde: estado se refere ao que está acontecendo com o meio ambiente; a pressão é relacionada ao por que o estado do meio ambiente se encontra em sua forma atual; o impacto responde as conseqüências da pressão sobre o estado do meio ambiente; a resposta remete ao que está acontecendo, em termos de ações, em relação ao impacto da pressão sobre o estado do meio ambiente. Há também um fator diacrônico nesta análise, que é o do cenário futuro, uma ferramenta que permite a análise do estado do meio ambiente, em médio e longo prazo, de acordo com o tipo de resposta a ser tomado pela sociedade. Consideram-se respostas que surtiram efeito, a inexistência das mesmas ou a sua insuficiência. O uso desta ferramenta emergiu no sentido de conscientizar o tomador de decisão em relação às consequências de suas ações. O relatório GEO Cidades delimita quais são os agentes referentes aos impactos, chamados de forças motrizes. No contexto da escala urbana, eles são relativos a três componentes: o demográfico, o econômico e a ocupação territorial. Baseado na delimitação daquilo que é primaz para se aferir, a metodologia GEO Cidades instituiu um número de indicadores para a análise da Matriz PEIR. Foram instituídos oito indicadores de estado, 14 indicadores de pressão, 16 indicadores de impacto e 15 indicadores de resposta, constituindo um total de 53 indicadores. Os indicadores são classificados em cinco diferentes categorias de recurso: água, ar, solo, biodiversidade, meio ambiente construído. O mesmo indicador pode ser comum a mais do que uma categoria, ou seja, pode estar relacionado diretamente ao recurso, água, ar, solo e outros simultaneamente, por exemplo. Os indicadores também são relacionados a cada fator pelo qual mantém uma relação direta. Dessa

14 13 forma, os mesmos vinculam-se aos fatores: dinâmica demográfica, ocupação do território, desigualdade social e outros. A cesta básica de indicadores da metodologia GEO Cidades é constituída por: Indicadores de Pressão: crescimento populacional (comum a todos os recursos); índice de GINI da desigualdade de renda (comum a todos os recursos); mudança de solo não urbano para urbano (comum a todos os recursos); área e população dos assentamentos urbanos formais e informais (comum aos recursos solo, água, biodiversidade; redução da cobertura vegetal (comum aos recursos biodiversidade, solo, água); distribuição modal (comum aos recursos solo, ar, meio ambiente construído); taxa de motorização (comum aos recursos solo, ar, meio ambiente construído); consumo anual de energia, per capita (recurso ar); consumo de água (recurso água); produção de resíduos sólidos (comum aos recursos solo e água); disposição de resíduos sólidos (comum aos recursos solo e água); volume total de águas residuais domésticas não tratadas (comum aos recursos água e biodiversidade); emissões atmosféricas (recurso ar); emissão de gases produtores de chuva ácida (ar); Indicadores de Estado: escassez de água (recurso água); qualidade de água de abastecimento (recurso água); sítios contaminados (comum aos recursos solo e água; cobertura vegetal (comuns aos recursos biodiversidade, solo, água, ar); espécies extintas ou ameaçadas/espécies conhecidas (recurso biodiversidade); porcentagem de áreas (centros históricos ou edificações) deterioradas em relação à área urbana construída (comum aos recursos meio ambiente construído e solo); porcentagem de áreas de instabilidade geológica (recurso solo); qualidade do ar (recurso ar); Indicadores de Impacto: perda de biodiversidade (recurso biodiversidade); incidência de enfermidades de veiculação hídrica (recurso água); incidência de enfermidades cárdio-respiratórias (recurso água); incidência de enfermidade por intoxicação e contaminação (recurso solo); alteração do microclima (recurso biodiversidade); população residente em áreas de vulnerabilidade urbana (recurso solo); incidência de inundações, desmoronamentos, etc. (recurso solo); taxa de criminalidade juvenil (recurso ambiente construído); despesas com saúde pública devido à incidência de enfermidades de veiculação hídrica (recurso água); custos

15 14 de captação e tratamento de água (recurso água); despesas com obras de contenção e prevenção de riscos ambientais (recuso biodiversidade); despesas com recuperação de monumentos e/ou centros históricos (recurso meio ambiente construído); desvalorização imobiliária (recurso solo); perda de arrecadação fiscal (recurso solo); perda de atratividade urbana (recurso solo); porcentagem de áreas de instabilidade geológica ocupadas (comum aos recursos solo, água, biodiversidade, meio ambiente construído); Indicadores de Resposta: plano diretor urbano (comum a todos os recursos); legislação de proteção a mananciais (recurso água); regulamentação e controle de emissões de fontes móveis e fixas (recurso ar); presença de atividades de Agenda 21 Local (comum a todos os recursos); educação ambiental (comum a todos os recursos); número de ONGs ambientalistas (comum a todos os recursos); tributação com base no princípio poluidor-pagador e/ou usuário pagador (recurso água); notificações preventivas e multas por violações das normas de disposição de resíduos (recurso solo); ligações domiciliares (comum a todos os recursos); total de áreas reabilitadas em relação ao total de áreas degradadas (recurso solo); investimentos em áreas verdes (comum a todos os recursos); investimentos em recuperação ambiental (comum a todos os recursos); investimentos em sistema de abastecimento de água e esgotos sanitários (comum ao recurso água); investimentos em gestão de resíduos (comum aos recursos água, solo e biodiversidade); investimentos em transporte público (comum a todos os recursos). OS INDICADORES SELECIONADOS E A OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO - Indicadores da Agenda HABITAT Grande parte dos Indicadores da Agenda Habitat possui indicadores que lidam diretamente com a problemática do uso e da ocupação do solo. A preocupação acerca de estruturas duráveis; superlotação e direito à moradia adequada incidem diretamente sobre o suporte da infraestrutura e o porte das edificações. Os indicadores relacionados ao saneamento básico (acesso à água potável, acesso a

16 15 saneamento básico, ligação a serviços, águas residuais tratadas, eliminação de resíduos sólidos, coleta de resíduos sólidos) remetem ao suporte de infraestrutura que o poder público provém à população. O crescimento da população urbana é um indicador que representa uma força motriz de uso e ocupação do solo, que é de vital importância para o planejador urbano, pois o crescimento populacional demanda a necessidade de novas habitações, oriundas da ocupação do solo para uso residencial, o que urge do planejador a utilização de suas habilidades para gerir um recurso escasso como a terra disponível para habitação. Indicadores referentes à mobilidade urbana (tempo de viagem e modos de transporte) são úteis para identificar o estado da infra-estrutura e a satisfação ou não da necessidade de locomoção da população.os indicadores do componente planejamento ambiental (casas em locais perigosos, instrumentos de prevenção e mitigação de desastres e planos locais ambientais) são relacionados diretamente com o uso e ocupação do solo e extremamente úteis, pois unem a capacidade de relatar o estado das habitações, na perspectiva de fragilidade ambiental, a capacidade institucional e também a mensuração do potencial de mitigação de futuros desastres, o que torna possível o desenho de cenários. Já o indicador anexo dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), se refere ao aspecto da incorporação de habitações caracterizadas à margem da legalidade e a necessidade de diminuí-las, fornecendo, em contrapartida, habitações adequadas aos seus moradores. De maneira geral, a utilização de muitos dos indicadores, aqui descritos, mostra um potencial de utilização por parte de muitos planejadores. A fonte de dados pode ser a própria prefeitura, pois muitos dados já estão disponíveis na prefeitura e outros são de fácil obtenção. A adaptação dos indicadores pode ser feita sem grandes problemas, pois, nas edições dos indicadores da Agenda Habitat estão acessíveis fichas metodológicas que esclarecem todo o procedimento de utilização dos indicadores, permitindo ao planejador adaptar variáveis de acordo com a sua realidade de trabalho. Há de se ressaltar, porém, que muitos indicadores se sobrepõem em seus objetos estudados. Casos notórios são moradia adequada e habitação autorizada, onde, para ser considerada como moradia adequada, a habitação teria de ser autorizada. Alguns indicadores que abordam dinâmicas sociais, governança, participação democrática

17 16 e economia possuem relações indiretas com o uso e ocupação do solo. Cabe destacar que todos eles influem, mas não incidem diretamente na qualidade de vida do cidadão em relação à habitação e infraestrutura, sendo mais fiéis a qualidades individuais e cívicas dos cidadãos que incidem em mais áreas com a mesma ou maior intensidade, no que tange o planejamento urbano. - Indicadores da Metodologia GEOCidades. Em relação aos indicadores de pressão, vários remetem ao processo de uso e ocupação de solo, seja em relação à demanda por novas habitações (crescimento populacional); regularização e adequação de moradias ilegais (área e população dos assentamentos urbanos formais e informais); diminuição de áreas de cobertura vegetal (redução da cobertura vegetal); mobilidade urbana (distribuição modal e taxa de motorização) e expansão da área urbana (mudança de solo não urbano para urbano). Todos os indicadores voltados a esta temática são muito importantes para o usuário por tratarem de temas básicos ao planejamento urbano. Outros indicadores (consumo de água e disposição de resíduos sólidos) possuem relação com a demanda por um recurso de qualidade, e também a necessidade de recuperação do meio ambiente degradado. Os indicadores de estado possuem relação com o uso e ocupação do solo quanto às características de qualidade ambiental (sítios contaminados, cobertura vegetal, espécies extintas ou ameaçadas / espécies conhecidas e porcentagem), de áreas de uso potencial para habitação (áreas de risco), e, de forma direta, em relação à estrutura de saneamento básico da cidade (qualidade das águas de abastecimento) e a qualidade das edificações (porcentagem de áreas deterioradas em relação à área urbana construída). Os indicadores de impactos podem ser utilizados em alguns aspectos comuns ao uso e a ocupação do solo, tais como aspectos relacionados a edificações adequadas (despesas com recuperação de monumentos e/ou centros históricos) e suas ligações com a qualidade do meio ambiente (população residente em áreas de vulnerabilidade urbana, incidência de inundações e desmoronamentos, áreas de risco, despesas com obras de contenção e prevenção de riscos ambientais). Outros aspectos como a dinâmica de uso e ocupação do solo (desvalorização imobiliária e

18 17 perda de atratividade urbana) são tratados de forma direta, além da relação com o saneamento básico (custos de captação e tratamento da água) que está mais diretamente relacionada à qualidade do meio ambiente. Os indicadores de resposta são úteis para sua utilização para o planejamento urbano, no uso e ocupação do solo, em diversos pontos. De forma mais geral, a existência de indicador referente ao Plano Diretor Urbano (Plano Diretor Urbano) remete a uma visão holística da gestão, que incide em todas as áreas do planejamento municipal. A qualidade do meio ambiente (legislação de proteção a mananciais, notificações preventivas e multas por violações das normas de disposição de resíduos, investimentos em áreas verdes e investimentos em recuperação ambiental) é bem representada com indicadores abrangentes. Sua correlação com a saúde através do saneamento básico (ligações domiciliares, investimentos em sistema de abastecimento de água e esgotos sanitários e investimentos em gestão de resíduos) também é representada por indicadores significativos. A mobilidade urbana (investimentos em transporte público) possui indicador com relação direta com uso e ocupação do solo no planejamento urbano. Há também indicadores que representam a articulação entre o planejamento urbano e ações complementares (presença de atividades de Agenda 21 local e educação ambiental) que buscam o aumento progressivo da qualidade de vida, bem como a articulação com ONGs (número de ONGs ambientalistas), na busca por diálogo e tomada de ações voltadas à melhora do meio ambiente. De um modo geral, O GEO Cidades pode ser amplamente utilizado pelo planejador público de diversas formas, sua concepção de sistema Pressão Estado Impacto Resposta permite ao usuário uma articulação melhor dos resultados, sendo um modelo mais claro que permite ao planejador analisar se as respostas tomadas surtem efeito ou não. CONSIDERAÇÕES FINAIS

19 18 Em relação ao provimento de informações voltadas para políticas públicas, um indicador tem como função apontar, informar e inferir informações sobre um determinado aspecto ou ainda por diversos aspectos ou situações. Conforme este aspecto, indicadores devem ser selecionados e devidamente relacionados, de acordo com a área que devem monitorar, de forma a produzir ou analisar informações relevantes para a sociedade, para que se possa avaliar a qualidade de vida de uma região, especificamente nas cidades. Pode-se salientar como a maior das dificuldades encontradas, neste trabalho, a dificuldade de encontrar indicadores específicos ao uso e a ocupação do solo urbano de maneira dissociada de outras características. Existem indicadores que podem, através de uma análise mais ampla, buscar esclarecer como o uso e a ocupação do solo interferem sobre a vida nas cidades, sendo mais diretos em relação ao uso e ocupação do solo. São eles: taxa de urbanização; taxa de crescimento; taxa de migração; densidade demográfica; forma de apropriação dos domicílios; existência e atualização da legislação urbanística; existência e atualização de programas urbanísticos; gastos com habitação; investimentos em recuperação e requalificação do espaço urbano; prazo de aprovação de empreendimento públicos e privados; existência de Conselhos Municipais e o caráter dos mesmos; índice de valorização do solo por urbanização; variação do preço das habitações; população residente em assentamentos irregulares e/ou impróprios; renda Familiar, entre outros. Esses são apenas alguns dos indicadores encontrados que podem informar sobre a qualidade de vida nas cidades e que podem ser associados indiretamente com o uso e a ocupação do solo urbano. Analisando-se o ambiente humano e a dinâmica populacional, como sistemas, reconhece-se no crescimento demográfico e no fluxo de população rumo a um determinado ponto do território, constituem dois dos fatores mais importantes para a compreensão do processo de urbanização crescente das sociedades, e, por conseguinte, para entender aspectos essenciais da relação entre o urbano e o ambiental e são diversos os processos, de ordem natural e social, particularmente relevantes para este propósito.

20 19 A dinâmica econômica apresenta-se como outro determinante fator do desenvolvimento urbano das cidades e um fator de pressão importante sobre o meio ambiente. Outro ponto a ser considerado refere-se à caracterização da estrutura político-institucional local, fator particularmente significativo quando se considera a importância da ação do Poder Público no que se refere aos processos relacionados com o desenvolvimento urbano e seus impactos sobre o meio ambiente, tais como regulação, normatização, fiscalização e controle do crescimento urbano e a proteção do meio ambiente. Os processos relacionados ao crescimento das cidades e à sua interação com os ecossistemas locais são fundamentalmente determinados pelas características, alcance, capacidade de intervenção e constituição do aparato do Poder Público em cada cidade, assim como pela dinâmica da suas relações com os diversos atores sociais presentes, seja no âmbito da sociedade civil, de um lado, seja na esfera do mercado, de outro. A partir disto é possível reconhecer que a estrutura político-institucional local apresenta grande importância para que se possa compreender a relação que, em cada localidade, se estabelece entre a urbanização e o ecossistema local, como também vislumbrar o conjunto de instrumentos que estarão disponíveis ou que precisarão ser criados para fazer frente aos problemas detectados no estado do meio ambiente local. Indicadores mais eficazes para monitorar a evolução de características que definam a qualidade de vida em uma região dependem da disponibilidade de informações existentes, que parametrizarão o grau de detalhamento de cada indicador. Para cada cidade é possível afirmar que a importância de cada um destes fatores será comprovada em algum momento, conforme se desenvolverem as relações entre o mundo urbano e o ecossistema circundante. Portanto, é essencial que o planejador e o gestor urbanos possam dispor de ferramentas para uma análise que lhes permitam compreender as grandes forças motrizes, as tendências e os problemas envolvidos na dinâmica da urbanização local, de maneira que, no processo de tomada de decisões relativas à orientação do crescimento das cidades, de investimento dos recursos públicos e de formulação

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Contribuição para uma nova política pública de resíduos sólidos

Contribuição para uma nova política pública de resíduos sólidos Introdução Projeto Gestão Participativa e Sustentável de Resíduos Sólidos Contribuição para uma nova política pública de resíduos sólidos Estamos vivendo sérios desafios sociais e ambientais que estão

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Universidade Federal de Alagoas UFAL Unidade Acadêmica Centro de Tecnologia CTEC INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Prof. Eduardo L. C. de Amorim 1 Índice ou indicador Para que isso? Tornar concreto

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG

Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG 4a. Conferência Regional de Mudanças Globais São Paulo, 07 de abril de 2011 Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Heloisa

Leia mais

EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO. Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) ONU-HABITAT

EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO. Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) ONU-HABITAT Ruth McLead ONU-HABITAT/Nepal ONU-HABITAT EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) Abordar EQUIDADE desigualdades

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS Contaminação atmosférica (industrial e doméstica) Contaminação acústica Contaminação dos mananciais Abastecimento

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias.

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. A PROBLEMÁTICA DA GESTÃO METROPOLITANA Ana Maria Filgueira

Leia mais

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles COOPERAÇÃO DAS CIDADES BRASILEIRAS PARA REDUÇÃO DA POBREZA URBANA MESA 2: PARCERIAS PARA APOIAR AS ESTRATÉGIAS DOS DIRIGENTES LOCAIS Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

PROFª MSc. MARIA CECILIA

PROFª MSc. MARIA CECILIA PROFª MSc. MARIA CECILIA Kofi Atta Annan é um diplomata de Gana. Foi, entre 1 de janeiro de 1997 e 1 de janeiro de 2007, o sétimo secretário-geral da Organização das Nações Unidas, tendo sido laureado

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Análise da compatibilidade de indicadores de desenvolvimento humano e sustentável do sistema das Nações Unidas com o BellagioSTAMP

Análise da compatibilidade de indicadores de desenvolvimento humano e sustentável do sistema das Nações Unidas com o BellagioSTAMP Análise da compatibilidade de indicadores de desenvolvimento humano e sustentável do sistema das Nações Unidas com o BellagioSTAMP Compatibility analysis of the Human Development Index and Sustainable

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE Renata Pekelman 1 Alexandre André dos Santos 2 Resumo: O artigo pretende trabalhar com conceitos de território e lugar, a complexidade intrínseca a esses conceitos,

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise 2013. Trata-se de um espaço que tem como desafio

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal Adjunto de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Abril 2013 A Construção de uma Cidade Sustentável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 Institui a Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável, dispõe sobre o estabelecimento de metas de redução de emissões antrópicas de gases

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3

Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3 ESTUDO DE CASO D0 PROJETO DE GESTÃO INTEGRADA DE ÁGUAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE ARACAJU/SE 1 Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3 RESUMO: A definição de saneamento básico dada pela Lei nº

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade

Indicadores de Sustentabilidade Indicadores de Sustentabilidade - A ONU e os países que possuem dados históricos e consolidados têm produzido indicadores de diversos tipos (saúde, educação, transporte, renda, produção nacional, etc.)

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde:

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: O ESTATUTO DA CIDADE: lei 10.257 de 10/07/2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Art. 182. A política de

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais