Propriedades Mecânicas: Resistência a Tração: Kg/mm² Dureza HRC: Dureza HBR:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Propriedades Mecânicas: Resistência a Tração: Kg/mm² Dureza HRC: Dureza HBR:"

Transcrição

1 COBRE BERÍLIO Liga de Cobre e Berílio, com excelentes características mecânicas como alta dureza e moderada condutibilidade. É indicada para processos de sopro, solda por projeção, injeção plástica e metálica. Eletrodos para processos de solda por projeção. Pistões para processos de injeção metálica. Matrizes e enxertos de moldes para processos de sopro e injeção plástica. Cu Base Be 1,80-2,10 % CO+FE+NI 0,60 % Condutibilidade Elétrica: % I.A.C.S Condutibilidade Térmica: cal/cms C Densidade: 8,30 g/cm³ Ponto de Fusão: 1278 C Resistência a Tração: Kg/mm² Dureza HRC: Dureza HBR:

2 CÁDMIO O cádmio é um substituto eficiente da prata, com a vantagem econõmica de seu preço ser muito menor. Sua performance em ensaios de longa duração (6 meses), à temperatura de 260 C é muito melhor que à temperatura de 260 C é muito melhor que à do Cobre-Prata Zero-Nove. Não é tratável termicamente, mas pode ser endurecida. Utilizada para soldagem de ponto e de costura. Radiadores para automóveis (aletas). Cu 99,0% Cd 1,00% Densidade: 8,89 g/cm³ Condutibilidade Térmica: 0,80 cal/cms C Condutibilidade Elétrica: 86% I.A.C.S Ponto de Fusão: 1080 C Expansão Térmica: 18,0% Limite de resisténcia: 471,0% Limite de escoamento: 637 Mpa Alongamento: 15% Dureza: 130 Brinell

3 COBRE COBALTO BERÍLIO Resistência mecânica alta; Condutibilidade elétrica e térmica boa; Resistência a corrosão alta. Solda a ponto, matrizes de solda; Buchas e roldanas; Eixos condutores de corrente; Suportes de eletrodos; Elementos estruturais. Cu 96,9% Co 2,40% Be 0,50% Condutibilidade Térmica: 0,52 cal/cms C Condutibilidade Elétrica: 45-55% I.A.C.S Expansão Térmica: 16,70% Limite de resisténcia: Psix1000 Alongamento: 10% Dureza: 210 Brinell

4 COBRE CROMO Liga recomendada para alta produção de solda a ponto e costura em material limpo; Condutibilidade térmica e elétrica alta Resistência ao desgaste alta Bicos de máquinas de solda a ponto; Discos de freio para máquinas e aviões; Conectores de cabos; Aparelhamento de comando elétrico; Interruptores; Arruelas e buchas; Peças com funções eletromecânicas. Cu 98,9-99,6% Cr 0,40-1,20% Ponto de Fusão: 1080 C Condutibilidade Térmica: 0,75 cal/cms C Condutibilidade Elétrica: 82% I.A.C.S Expansão Térmica: 18,00% Limite de resisténcia: 510 Mpa Alongamento: 15% Dureza: 127 Brinell Limite de escoamento: 451 Mpa

5 COBRE CROMO ZIRCÔNIO Material de elevada dureza para produção de solda à ponto; Tratamento térmico aceitável. Alta produção de solda a ponto e costura em material limpo; Condutores de corrente; Pinças; Suportes de eletrodos; Buchas mancais; Cu 98,95% Cr 0,90% Zr 0,15% Densidade: 8,93 g/cm³ Modulo de Elasticidade: Mpa Ponto de Fusão: 1080 C Condutibilidade Térmica: 0,80 cal/cms C Condutibilidade Elétrica: 86-93% I.A.C.S Expansão Térmica: 17,60% Limite de resistência: 941 Mpa Alongamento: 10% Dureza: 125 Brinell Limite de escoamento: 530 Mpa

6 COBRE ELETROLÍTICO Alta Condutividade Elétrica Cabos, condutores para linhas aéreas, enrolamentos de motores, geradores, transformadores, componentes de rádio e tv, interruptores, terminais elétricos, cabos axiais, caldeiras, tachos, tanques, trocadores de calor, radiadores, pregos e rebites, etc. Cu 99,9% Ponto de Fusão: 1083 C Condutibilidade Térmica: 0,94 cal/cms C Condutibilidade Elétrica: % I.A.C.S Expansão Térmica: 17,70% Limite de resisténcia: Mpa Alongamento: % Dureza: Brinell Limite de escoamento: Mpa Têmpera: 1/2 D

7 COBRE ELETROLÍTICO MOLE Alta Condutividade Elétrica. Cabos, condutores para linhas aéreas, enrolamentos de motores, geradores, transformadores, componentes de rádio e tv, interruptores, terminais elétricos, cabos axiais, caldeiras, tachos, tanques, trocadores de calor, radiadores, pregos e rebites, etc. Cu 99,90% Condutibilidade Elétrica: % I.A.C.S Condutibilidade Térmica: 0,94 cal/cms C Ponto de Fusão: 1083 C< Propriedades Mecânicas: Limite de resistência: 220 Mpa Limite de escoamento: 50 Mpa Alongamento: 48 % Dureza: 45 HB Têmpera: Mole

8 COBRE FOSFOROSO Liga binária, possui a função de desoxidar o bronze através da reação do fósforo com o oxigênio contido no bronze Tubos para evaporadores Trocadores de calor Tubulações (ar, água, óleo, vapor) Reservatórios, tanques Aparelhos de ar condicionado Tachos, alambiques Tubos para gases e líquidos com pouca agressividade Cu 99,9% P 0,03% Ponto de Fusão: 1083 C Condutibilidade Térmica: 0,78 cal/cms C Condutibilidade Elétrica: 80% I.A.C.S Expansão Térmica: 17,70% Limite de resistência: 343 Mpa Alongamento: 6% Dureza: 105 Brinell Limite de escoamento: 294 Mpa

9 COBRE NÍQUEL BERÍLIO Sua dureza é ideal para solda de ponto e de costura. Combinam alta tensão e boa tensão e boa condutividade térmica e elétrica. Utilizados para a solda e outros processos que carregam partes estruturais. Cu 97,70% Ni 1,80% Be 0,50% Limite de resistência: Psix1000 Alongamento: 10-12% Dureza: 185 Brinell

10 COBRE PRATA ELOX ZERO OITO Facilidade no dobramento; é imune à doença do hidrogênio, que ocorre na soldagem e na brasagem, pelo aquecimento na presença de gases na brasagem, pelo aquecimento na presença de gases redutores; muito maior resistência à fluência (creep). Conformabilidade a Quente boa; Conformabilidade a Frio excelente; Métodos da junção: Soldagem frava excelente; Brasagem excelente; Soldagem oxiacetilênica razoável; Soldagem a arco com eletrodo revestido não recomendada. Elétricas: Componentes de transistor, radar e outros equipamentos eletrônicos, ânodos para válvulas termiônicas; tubos de micro-ondas e tubos catódicos; fios finos; condutores para lâmpadas e válvulas; condutores ocos; selos vrdro-metal em equipamentos eletrônicos; componentes de termostatos; enrolamentos de rotores para geradores e motores de grande porte; retificadores automotivos; cabos e tubos coaxiais; guias de onda e cabos flexíveis; partes que requerem estampagem profunda; componentes de equipamentos elétricos que trabalham em temperaturas elevadas na presença de gases redutores; ânodos para eletrodeposição em banhos de cianeto. Outras: aplicações onde se requira elevada condutibilidade e nas quais haja aquecimento na presença de gases redutores, inclusive nos processos de soldagem e brasagem. Cu 99,9% Ag 0,08% Condutibilidade Elétrica: 100 % I.A.C.S Condutibilidade Térmica: 0,94 cal/cms C Expansão Térmica: 17,7 Modulo de Elasticidade: Mpa Ponto de Fusão: 1082 C Limite de resisténcia: 373 Mpa Limite de escoamento: 333 Mpa Alongamento: 6 % em 50mm Dureza: 105 Brinell Têmpera: D

11 COBRE PRATA ELOX ZERO TRÊS Facilidade no dobramento; É imune à doença do hidrogênio, que ocorre na soldagem e na brasagem, pelo aquecimento na presença de gases redutores; Muito maior resistência à flu~encia (creep). Conformabilidade a Quente boa; Conformabilidade a Frio excelente; Soldagem fraca excelente; Brasagem excelente; Soldagem oxiacetilênica razoável; Soldagem a arco com eletrodo revestido não recomendada. Elétricas: Componentes de transistor, radar e outros equipamentos eletrônicos, ânodos para válvulas termoiônicas; tubos de micro-ondas e tubos catódicos; fios finos; condutores ocos; selos vidrometal em equipamentos eletrônicos; componentes de termostatos; enrolamentos de rotores para geradores e motores de grande porte; retificadores automotivos; cabos e tubos coaxiais; guias de onda e cabos flexíveis; partes que requerem estampagem profunda; componentes de equipamentos elétricos que trabalham em temperaturas elevadas na presença de gases redutores; ânodos para eletrodeposição em banhos de cianeto. Outras: aplicação onde se requeira elevada condutibilidade e nas quais haja aquecimento na presença de gases redutores, inclusive nos processos de soldagem e brasagem. Cu 99,9% Ag 0,03% Condutibilidade Elétrica: 100 % I.A.C.S Condutibilidade Térmica: 0,94 cal/cms C Expansão Térmica: 17,7 Modulo de Elasticidade: Mpa Ponto de Fusão: 1082 C Limite de resisténcia: 373 Mpa Limite de escoamento: 333 Mpa Alongamento: 6 % em 50mm Dureza: 105 Brinell

12 COBRE IMP 940 Condutividade térmica alta; Resistência mecânica alta; Tenacidade alta; Condutividade elétrica boa. Moldes, componentes para injeção de plásticos. Moldes a sopro, bico de embolo, moedas, etc. Cu 96,6% Ni 2,50% Cr 0,30% Condutibilidade Elétrica: 43-52% I.A.C.S Condutibilidade Térmica: 190 w/cm.k Expansão Térmica: 16,0-17, Ponto de Fusão: 500 C Limite de resisténcia: Mpa Limite de escoamento: Mpa Alongamento: 10-20% Dureza: 207 Brinell

13 COBRE TELÚRIO (ND) Conformabilidade à quente boa; de no dobramento; Conformabilidade à Frio boa; Soldagem fraca excelente; Brasagem boa; Soldagem oxiacetilênica não recomendada; Soldagem a arco com eletrodo revestido não recomendada. Terminais de transformadores, interruptores de circuito contato, conectores, parafusos, porcas, pinos, etc. Cu 99,50% Te 0,50% Condutibilidade Elétrica: 96% I.A.C.S Condutibilidade Térmica: 0,88 cal/cms C Expansão Térmica: 17,80 Ponto de Fusão: 1081 C Limite de resisténcia: Mpa Limite de escoamento: Mpa Alongamento: 10-20% Dureza: 207 Brinell

14 COBRE TUNGSTÊNIO 20CI Baixo desgaste; Alta resistência mecânica; Usinabilidade boa; Proporciona alta produtividade. Eletrodos para solda por ponto ou projeção, além de aplicações em eletro erosão em diversos metais. Cu 20,0% W 80,0% Condutibilidade Elétrica: 38-45% I.A.C.S Densidade: 15,60 g/cm³ Dureza: 293 Brinell

15 COBRE TUNGSTÊNIO 30CI Baixo desgaste; Alta resistência mecânica; Usinabilidade boa; Proporciona alta produtividade. Eletrodos para eletro erosão em diversos metais. Cu 30,0% W 70,0% Condutibilidade Elétrica: 44-52% I.A.C.S Densidade: 14,20 g/cm³ Dureza: 220 Brinell

16 COBRE TUNGSTÊNIO 50CI Baixo desgaste; alta resistência mecânica; Usinabilidade boa; Proporciona alta produtividade. Eletrodos para eletro erosão em diversos metais. Cu 50,0% W 50% Condutibilidade Elétrica: 51-65% I.A.C.S Densidade: 11,8-12,3 g/cm³ Dureza: Brinell

17 COBRE ZIRCÔNIO (ND) Usinabilidade boa; Pode ser utilizado para soldagem de ponto e de costura. Solda a ponto e costura de material limpo e sem cobertura em aços 1010,1070,aço baixa liga, bronzes e latões de baixa condutibilidade de corrente, pinças, suportes de eletrodos, buchas e mancais,etc. Cu 99,80% Zr 0,17% Condutibilidade Elétrica: 90-93% I.A.C.S Condutibilidade Térmica: 0,87 cal/cms C Expansão Térmica: 18,00 Ponto de Fusão: 1082 C Limite de resisténcia: 55PSIX1000 Mpa Limite de escoamento: 392 Mpa Alongamento: 25% Dureza: 130 Brinell

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas 1 Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas Liga / tratamento resistência escoamento Alongamento em 50mm 1 [%] Resistência à corrosão (geral) 2 Conformação a frio 3 Usinagem

Leia mais

Metais Não Ferrosos. Cobre

Metais Não Ferrosos. Cobre Metais Não Ferrosos Cobre O cobre é um metal vermelho-marrom, que apresenta ponto de fusão corresponde a 1.083ºC e densidade correspondente a 8,96 g/cm 3 (a 20ºC), sendo, após a prata, o melhor condutor

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES Cobre e Ligas Propriedades: Densidade: 8,96 g/cm 3 Ponto de Fusão: 1083 C Condutividade térmica: 0,941 cal/cm 2 /cm/ C/s Condutividade elétrica: 1,673 x10-6 ohms.cm ou 100% IACS-International International

Leia mais

Informações Técnicas Bronze

Informações Técnicas Bronze em geral são ligas de cobre (Cu), com adição de zinco (Zn), Chumbo (Pb) e Fósforo (P), metais que se caracterizam por sua baixa dureza, dependendo da sua aplicação e das condições que será utilizado. Aplicações

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais Aula 02 Introdução ao Estudo dos Materiais Prof. Me. Dario de Almeida Jané Introdução ao Estudo dos Materiais - Definição - Tipos de Materiais / Classificação - Propriedades dos Materiais Introdução ao

Leia mais

ALUMÍNIO PARA MOLDES ALTA DUREZA ALTA RESISTÊCIA ÓTIMO ACABAMENTO. Alumínio Cobre Latão Bronze Cortados sob medida

ALUMÍNIO PARA MOLDES ALTA DUREZA ALTA RESISTÊCIA ÓTIMO ACABAMENTO. Alumínio Cobre Latão Bronze Cortados sob medida ALUMÍNIO PARA MOLDES ALTA DUREZA ALTA RESISTÊCIA ÓTIMO ACABAMENTO Alumínio Cobre Latão Bronze Cortados sob medida Alumínio para Moldes Aplicações Especiais Ampla Linha de Produtos Nacionais e importados

Leia mais

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Materiais Metálicos Generalidades Metal Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Alta dureza Grande resistência mecânica Elevada

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens Professor: Anderson Luís Garcia Correia

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias);

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias); Ensaio de Fluência Adaptado do material do prof. Rodrigo R. Porcaro. Fluência é a deformação plástica que ocorre num material, sob tensão constante ou quase constante, em função do tempo ; A temperatura

Leia mais

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas PMT-2402 Metalografia e Tratamentos Térmicos dos Metais Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas André Paulo Tschiptschin Histórico Primeiro metal a ser utilizado pelo homem Facas de cobre

Leia mais

Processos de Soldagem. Valter V de Oliveira

Processos de Soldagem. Valter V de Oliveira Processos de Soldagem Valter V de Oliveira Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes, de forma que estes passem a apresentar um movimento de corpo rígido. O termo

Leia mais

Propriedades dos Aços e sua Classificação

Propriedades dos Aços e sua Classificação O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Propriedades dos Aços e sua Classificação Objetivo Conhecer as características mecânicas, principalmente em termos de tensões e deformações Propriedades

Leia mais

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 1. PRODUTOS

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 1 COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 2 PRINCIPAIS RESERVAS DE COBRE Encontram-se no Chile, EUA, Canadá,, antiga URSS, Peru, Zambia e Zaire CUSTO 3-4 vezes mais caro que o Al e 6-7

Leia mais

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE.

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. HISTÓRICO O processo de soldagem a Plasma (PAW) foi introduzido na indústria em 1964 como um método que possuía um melhor controle de soldagem em níveis mais baixos

Leia mais

O que é Tratamento Térmico de Aços?

O que é Tratamento Térmico de Aços? O que é Tratamento Térmico de Aços? Definição conforme norma NBR 8653 Operação ou conjunto de operações realizadas no estado sólido compreendendo o aquecimento, a permanência em determinadas temperaturas

Leia mais

Metais: Ligas não ferrosas

Metais: Ligas não ferrosas FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Ms. Patrícia Corrêa Metais: Ligas não ferrosas Ligas Não Ferrosas Cobre Alumínio Outros: Magnésio e Titânio Superligas Metais Não-Ferrosas

Leia mais

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 4. Prof.Clebes André da Silva

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 4. Prof.Clebes André da Silva Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos Aula 4 Prof.Clebes André da Silva Aula 4 Capítulo 3 Materiais Condutores Objetivo do capítulo: - Breve estudo dos materiais condutores - Aplicações em componentes

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS considerações sobre estampagem

AÇOS INOXIDÁVEIS considerações sobre estampagem AÇOS INOXIDÁVEIS considerações sobre estampagem Aços Inoxidáveis da Série 300 Austeníticos +C 304 H C 0,04/0,10 Cr 18/20 Ni 8/10,5 Propriedades mecânicas em altas temperaturas 301 C 0,15 Cr Cr 16/18 Ni

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni))

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) Ligas à base de Fe, com um mínimo de 11%Cr em solução para prevenir a corrosão Podem apresentar estrutura ferrítica, austenítica, martensítica, ou mista, consoante às % de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

Capítulo 74. Cobre e suas obras

Capítulo 74. Cobre e suas obras Capítulo 74 Cobre e suas obras Nota. 1.- Neste Capítulo, consideram-se: a) Cobre refinado o metal de teor mínimo, em peso, de 99,85 % de cobre; ou o metal de teor mínimo, em peso, de 97,5 % de cobre, desde

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 5) Introdução Materiais condutores definição: toda matéria que permite o estabelecimento de um fluxo de elétrons em seu

Leia mais

CC 200T. Catálogo de Peças de Reposição

CC 200T. Catálogo de Peças de Reposição CC 200T Catálogo de Peças de Reposição Edição: MARÇO 2012 Código: 000-00000-000 CC 200T Índice 1. Módulo Condensador 4 2. Módulo Evaporador 6 2. Módulo Evaporador (Continuação) 8 3. Compressor TM31 10

Leia mais

Obtenção e Formação de Ligas de Titânio

Obtenção e Formação de Ligas de Titânio Obtenção e Formação de Ligas de Titânio PRODUÇÃO DO TITÂNIO PROCESSO DE KROLL TiCl4 (gás) + 2Mg (liquido) Ti (sólido) + 2 MgCl2 (liquido) Mecanismo de alimentação do eletrodo Vedação Corrente direta -

Leia mais

ÍNDICE POR CATEGORIA TABELAS CONSTRUÇÃO CIVIL

ÍNDICE POR CATEGORIA TABELAS CONSTRUÇÃO CIVIL ÍNDICE POR CATEGORIA TABELAS Barra Retangular... 1 Cantoneira Abas Iguais... 1.2 Cantoneira Abas Desiguais... 1.3 Barra Redonda... 1.4 Tubo Redondo... 1.5 Tubo Retangular... 1.7 Tubo Quadrado... 1.8 Perfil

Leia mais

MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS

MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS Disjuntor de baixa tensão Disparo térmico (1): lâmina bimetálica de diferentes coeficientes de dilatação. Ex: Níquel e

Leia mais

4LD LDG Motor e Gerador

4LD LDG Motor e Gerador LD 00 LDG 00 Motor e Gerador MOTOR LD 00 / LDG 00 ÍNDICE A Bloco do Motor Bloco do Motor Cabeçote Conjunto Pistão Virabrequim Comando de Válvulas Trem de Válvulas Trem de Engrenagens Alimentação e Escape

Leia mais

Núcleo Estadual de Ações Transversais nos APLs

Núcleo Estadual de Ações Transversais nos APLs DELIMITAÇÃO - ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECÂNICO E AUTOMOTIVO DA SERRA GAÚCHA DESCRIÇÃO DAS CLASSES DAS ATIVIDADES INDUSTRIAIS, SEGUNDO AS CNAES 2.0, CONTEMPLADAS NO APL METALMECÂNICO E AUTOMOTIVO DA

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 09 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO CONFORMAÇÃO E UNIÃO

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 09 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO CONFORMAÇÃO E UNIÃO Aula 09 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO CONFORMAÇÃO E UNIÃO Prof. Me. Dario de Almeida Jané Visão geral dos principais Materiais de Engenharia: METAIS POLÍMEROS ELASTÔMEROS CERÂMICOS COMPÓSITOS FERROSOS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

Introdução: Injeção de Metais

Introdução: Injeção de Metais Introdução: Injeção de Metais Injeção é o processo metal-mecânico no qual o metal fundido é, sob pressão, forçado a entrar na cavidade esculpida de uma matriz, preenchendo-a e formando a peça desejada.

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

Tubos de cobre, pancake e drysealed

Tubos de cobre, pancake e drysealed Tubos de cobre, pancake e drysealed Empresa classificada entre as maiores indústrias privadas brasileiras, é líder no setor de transformação de metais nãoferrosos cobre e suas ligas em produtos semielaborados

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR Materiais e Ciclo do Combustível Profs.: Afonso Aquino e Arnaldo Andrade Ipen 2007 Tópicos do Módulo Noções sobre o Ciclo do Combustível Nuclear Materiais e Componentes

Leia mais

INTRODUÇAO. Figura 01 - Dispositivo de elevação e posicionador

INTRODUÇAO. Figura 01 - Dispositivo de elevação e posicionador Soldagem de Pinos Prof. Luiz Gimenes Jr. Prof. Marcos Antonio Tremonti INTRODUÇAO A Soldagem de pinos em inglês é designado por stud welding, trata-se de um processo de soldagem a arco elétrico que une

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos Metais Não Ferrosos 8.1 - Introdução Denominam-se metais não ferrosos, os metais em que não haja ferro ou em que o ferro está presente em pequenas quantidades, como elemento de liga Os metais não ferrosos

Leia mais

DIFICULDADES TÉCNICAS

DIFICULDADES TÉCNICAS A TÊMPERA SUPERFICIAL PRODUZ REGIÕES ENDURECIDAS NA SUPERFÍCIE DO COMPONENTE (DE MICROESTRUTURA MARTENSÍTICA) DE ELEVADA DUREZA E RESISTÊNCIA AO DESGASTE, SEM ALTERAR A MICROESTRUTURA DO NÚCLEO. VANTAGENS

Leia mais

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO LIGAS DE ALUMÍNIO

INFORMATIVO TÉCNICO LIGAS DE ALUMÍNIO 1/26 /02/20 LIGAS DE ALUMÍNIO As principais propriedades do alumínio, que o tornam muito utilizado na construção mecânica, são: A baixa densidade, que reflete numa relação favorável entre peso da estrutura

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Siderurgia Know-How no Segmento Industrial de Siderurgia A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui

Leia mais

Fundição Continua RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR

Fundição Continua RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR Fundição contínua O processo de fundição contínua consiste em fundir e conformar o produto final numa única operação, eliminando tempos intermediários de esfriamento em moldes, garantindo

Leia mais

Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais

Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Materiais Elétricos - Teoria Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, setembro

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1. Aços inoxidáveis

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1. Aços inoxidáveis Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1 Aços inoxidáveis Os aços inoxidáveis são aços de baixo teor de carbono, ligados principalmente ao: Cromo Níquel Molibdênio

Leia mais

Oxy-Cut Processos de Fabrico. Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora

Oxy-Cut Processos de Fabrico. Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora Oxy-Cut Processos de Fabrico Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora Uma breve introdução O oxicorte é uma técnica muito utilizada para o corte de objetos metálicos. Este método consiste no corte

Leia mais

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s.

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s. AÇOS REVESTIDOS Além dos acabamentos de superfície convencionais, a tira relaminada pode ainda ser revestida superficialmente pelos mais diversos metais com propósitos técnicos, decorativos ou outros fins,

Leia mais

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira Aços Ferramenta Classificação das ligas ferrosas Aços Ferros Fundidos Inoxidáveis Aços Ferramenta Aços ao C Aços Ferramenta Classe de aços de alta liga projetado para serem utilizados em ferramentas de

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC Instalações Hidráulicas: Água Quente Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ÁGUA QUENTE Primeiro ponto: Apresentação da norma técnica, vigente. Projeto

Leia mais

4LD LDG Motor e Gerador

4LD LDG Motor e Gerador LD 00 LDG 00 Motor e Gerador MOTOR LD 00 / LDG 00 ÍNDICE A Bloco do Motor Bloco do Motor Cabeçote Conjunto Pistão Virabrequim Comando de Válvulas Trem de Válvulas Trem de Engrenagens Alimentação e Escape

Leia mais

ALUMÍNIO E SUAS LIGAS

ALUMÍNIO E SUAS LIGAS ALUMÍNIO E SUAS LIGAS Ligas de alumínio conformadas 1 O alumínio metálico é obtido pela redução eletrolítica da alumina (Al 2 O 3 ) dissolvida em criolita líquida. O processo, chamado de Hall-Herolut foi

Leia mais

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica 1. Ligas de ouro tradicionais ou clássicas As ligas de ouro tradicionais já estavam bem estudadas até o início da década de 30. Elas foram classificadas em 4 tipos em função da dureza, que por sua vez

Leia mais

Materiais Elétricos. Metais. Prof. Msc. Getúlio Tateoki

Materiais Elétricos. Metais. Prof. Msc. Getúlio Tateoki Metais Metais Definições -Possuem características únicas que os diferem das demais substâncias: são sólidos à temperatura ambiente (25 C) e apresentam a prateada. -Existem exceções como o Cobre(Cu) e Ouro

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

MOTOR 3 LD 1500 / 3 LDG 1500

MOTOR 3 LD 1500 / 3 LDG 1500 MOTOR LD 00 / LDG 00 ÍNDICE 7 8 9 0 7 8 9 0 7 Bloco do Motor Tampa do Comando Cabeçote Tampa do Cabeçote Conjunto Pistão Virabrequim Comando de Válvulas Trem de Engrenagens Admissão Escapamento Carter

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A ArcelorMittal Inox Brasil Inoxidável Ferrítico ACE P444A transformando o amanhã 2 3 ACE P444A Tabela I Composição Química C Mn P S Si Cr Ni Outros 0,025 1,00 0,040 0,030 1,00 17,5-19,5 1,00 0,2+4(C+N)

Leia mais

Revestimento Níquel Químico

Revestimento Níquel Químico Revestimento Níquel Químico O que é Níquel Químico Propriedades do Níquel Químico É um tipo especial de revestimento que aumenta a resistência à abrasão e corrosão e que não requer corrente elétrica, retificadores

Leia mais

Aço na Construção Civil

Aço na Construção Civil Aço na Construção Civil AÇO Liga Ferro-Carbono (0,006% < C < 2%) Denso; Bom condutor de eletricidade e calor; Opaco; Comportamento elasto-plástico. Estrutura cristalina polifásica (grãos com diferentes

Leia mais

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS Prof. Dr. Vicente A. Ventrella UNESP Campus de Ilha Solteira C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS 1. Introdução 2. Terminologia de Soldagem 3. Simbologia de

Leia mais

4 LDG LDG 3900 T

4 LDG LDG 3900 T MOTORES T CATÁLOGO DE PEÇAS MOTORMOTOR / T 1 BLOCO DO MOTOR 1 7042.001.001.00.2 4 Prisioneiro M8X70 X X 2 7042.001.002.00.0 2 Pino Guia Ø12X25 X X 3 7042.001.003.00.8 5 Prisioneiro M10X45 X X 4 7042.001.004.00.6

Leia mais

MANUAL DE PEÇAS MOTOR QUANCHAI QC385D

MANUAL DE PEÇAS MOTOR QUANCHAI QC385D MANUAL DE PEÇAS MOTOR QUANCHAI QC385D (TORRE DE ILUMINAÇÃO RPLT6000) 1 2 01 120001001 Junta do volante 1 02 120001002 Bucha 1 03 120001003 Parafuso 2 04 120001004 Arruela 2 05 120001005 Arruela 2 06 120001006

Leia mais

Carboneto de Tungstênio

Carboneto de Tungstênio Carboneto de Tungstênio Revestimento altamente resistente à abrasão, erosão e desgaste por deslizamento em baixa temperatura. Não recomendável para ambientes corrosivos. Exaustores, eixos de bombas, roscas

Leia mais

EXPLODIDO PARA OS GERADORES DAS SÉRIES ND72000ES3 1. CABEÇA DO CILINDRO & CONJUNTO DA TAMPA

EXPLODIDO PARA OS GERADORES DAS SÉRIES ND72000ES3 1. CABEÇA DO CILINDRO & CONJUNTO DA TAMPA EXPLODIDO PARA OS GERADORES DAS SÉRIES ND72000ES3 1. CABEÇA DO CILINDRO & CONJUNTO DA TAMPA 1. CABEÇA DO CILINDRO & CONJUNTO DA TAMPA ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE 1 VÁLVULA DE ADMISSÃO 4 2 VÁLVULA DE ESCAPE

Leia mais

Fundição sob Pressão Die Casting

Fundição sob Pressão Die Casting Fundição sob Pressão Die Casting Os fundidos fabricados por Fundição sob pressão encontram-se entre os itens de maior volume de produção na indústria de metais. RSCP LABATS/DEMEC/UFPR LIGAS METÁLICAS NÃO

Leia mais

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1 4 Recomendações 1. Remover a isolação do condutor, de tal forma que seja o suficiente para que, no ato de emendá-los, não ocorra falta nem sobra. 2. Após remover a isolação, o condutor de cobre deve estar

Leia mais

Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Processos de Fabricação 04

Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Processos de Fabricação 04 Curso Técnico Subsequente em Manutenção Automotiva Nome do Curso CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Processos de Fabricação 04 Tecnologia dos Materiais 04

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

Soldagem no quadro do chassi. Áreas de soldagem IMPORTANTE! Toda soldagem deve ser executada de modo especializado por profissionais treinados.

Soldagem no quadro do chassi. Áreas de soldagem IMPORTANTE! Toda soldagem deve ser executada de modo especializado por profissionais treinados. Geral Geral Toda soldagem deve ser executada de modo especializado por profissionais treinados. Evite a soldagem no quadro do chassi, pois o procedimento aumenta o risco de formação de ruptura na área

Leia mais

Eletroquímica: Pilha e Eletrólise

Eletroquímica: Pilha e Eletrólise Eletroquímica: Pilha e Eletrólise Enem 15 semanas 1. O trabalho produzido por uma pilha é proporcional à diferença de potencial (ddp) nela desenvolvida quando se une uma meia-pilha onde a reação eletrolítica

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Fundição Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Dez/2009 VERSÃO DEZ/2009 ACABAMENTOS NATURAL: O acabamento padrão da chapa possui baia reflectância e pode apresentar variações de brilho. BRILHANTE: Esse

Leia mais

BAMBOZZI PICCOLA 400T - 60 HZ EDIÇÃO 48/00 PÁGINA 02

BAMBOZZI PICCOLA 400T - 60 HZ EDIÇÃO 48/00 PÁGINA 02 41143LP4800 ITEM QUANT. DISCRIMINAÇÃO Nº DA PEÇA 01 01 Filtro transiente ETB5-35481 02 02 Placa dissipadora ETB5-55323 03 08 Bucha fêmea isolante ETB19976 04 08 Bucha macho isolante ETB30187 05 04 Suporte

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 4 O Material aço Índice Características de Aço da Construção Civil Propriedades Modificadas Ligas Metálicas Ligas Ferrosas Ligas Não-Ferrosas Teor de Carbono

Leia mais

O seu problema é lubrificação? A evolução dos sistemas de lubrificação

O seu problema é lubrificação? A evolução dos sistemas de lubrificação 1 2 O seu problema é lubrificação? Todos sabemos que para um bom desempenho de máquinas e equipamentos em geral é necessário a utilização de óleo lubrificante atuando em um sistema perfeito de lubrificação.

Leia mais

REFERENCIA DESCRIÇÃO CÓDIGO ND7000E CÓDIGO ND7000E3 CÓDIGO ND7000E3D CÓDIGO ND7000E3D CÓDIGO ND7000ES 1 COBERTURA DO CABECOTE NP ESFERA

REFERENCIA DESCRIÇÃO CÓDIGO ND7000E CÓDIGO ND7000E3 CÓDIGO ND7000E3D CÓDIGO ND7000E3D CÓDIGO ND7000ES 1 COBERTURA DO CABECOTE NP ESFERA REFERENCIA DESCRIÇÃO CÓDIGO ND7000E CÓDIGO ND7000E3 CÓDIGO ND7000E3D CÓDIGO ND7000E3D CÓDIGO ND7000ES 1 COBERTURA DO CABECOTE NP09064 2 ESFERA NP09065 3 RESPIRO NP09066 4 PINO NP09067 5 ORING NP09068 6

Leia mais

Metalurgia do Pó. Introdução

Metalurgia do Pó. Introdução Metalurgia do Pó Introdução Peças automotivas e filtros Metal Duro (Cermets) Aplicações Esquema geral do processo Métodos Químicos de produção de pós Redução de óxidos Ex.: Fe3O4 Precipitação a partir

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox.

Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox. Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox. Criada em 2011, como resultado do desmembramento do setor inox da ArcelorMittal, a Aperam surgiu como um player global em aços

Leia mais

MATERIAIS UTILIZADOS EM FUSÍVEIS. Anderson V. Silva Rodrigo A. Aguiar 541

MATERIAIS UTILIZADOS EM FUSÍVEIS. Anderson V. Silva Rodrigo A. Aguiar 541 MATERIAIS UTILIZADOS EM FUSÍVEIS Anderson V. Silva Rodrigo A. Aguiar 541 ÍNDICE O que são fusíveis Partes Como funcionam Tipos Materiais dos Condutores - Propriedades Materiais dos Isolantes - Propriedades

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 32 Materiais Aeronáuticos

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 32 Materiais Aeronáuticos Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 32 Materiais Aeronáuticos Tópicos Abordados Materiais Empregados na Indústria Aeronáutica. Definições e Propriedades Mecânicas. Principais Materiais Utilizados na

Leia mais

Workshop. Alumínio 100% a Favor

Workshop. Alumínio 100% a Favor Alumínio 100% a Favor O Que é o Alumínio? O símbolo químico do alumínio é Al e tem o número atómico 13 (o que quer dizer que tem 13 protões e 13 electrões). À temperatura ambiente é sólido, sendo o elemento

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Sumário. Nota dos Autores... Abreviaturas... Apresentação... Prefácio...

Sumário. Nota dos Autores... Abreviaturas... Apresentação... Prefácio... Sumário Nota dos Autores... Abreviaturas... Apresentação... Prefácio... XV XVII XIX XXI 1 Introdução... 1 2 Falhas Mecânicas.... 5 2.1 Fadiga... 5 2.1.1 Fadiga mecânica... 5 2.1.2 Fadiga térmica... 32

Leia mais

ELITE(31) ) PEÇAS DE REPOSIÇÃO. 11.1) Smashweld 316 e Smashweld 316 Topflex 02 OLHAL 01 PUXADORES 03 TAMPA 04 LATERAL DIREITA SUPERIOR

ELITE(31) ) PEÇAS DE REPOSIÇÃO. 11.1) Smashweld 316 e Smashweld 316 Topflex 02 OLHAL 01 PUXADORES 03 TAMPA 04 LATERAL DIREITA SUPERIOR 11) PEÇAS DE REPOSIÇÃO 11.1) Smashweld 316 e Smashweld 316 Topflex 01 PUXADORES 02 OLHAL 03 TAMPA 04 LATERAL DIREITA SUPERIOR 05 FECHO 06 LATERAL ESQUERDA SMASHWELD 316 08 LATERAL ESQUERDA SMASHWELD 316

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMADOS. (Comando Numérico EEK 561)

CONTEÚDOS PROGRAMADOS. (Comando Numérico EEK 561) (Comando Numérico EEK 5) Introdução Tipos de controle do movimento. Meios de entrada de dados e armazenagem de informações. Elementos de acionamento. Sistemas de controle. Eixos coordenados em maquinas

Leia mais

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Fundamentos do processo É um processo de soldagem no estado sólido, que produz uma solda pelo impacto em alta velocidade das peças como resultado de uma detonação (explosão) controlada.

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO Rscp/labats/demec/ufpr/2017 O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

HD 5/11 BR/AKW LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO. LAVADORA A.P HD 5/ V-Versão BR. LAVADORA A.P HD 5/ V Versão BR AKW.

HD 5/11 BR/AKW LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO. LAVADORA A.P HD 5/ V-Versão BR. LAVADORA A.P HD 5/ V Versão BR AKW. LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO LAVADORA A.P HD 5/11-1.520-113.0 110V-Versão BR. LAVADORA A.P HD 5/11-1.520-114.0 220V Versão BR AKW. Reservados os direitos a alterações técnicas! Acesse o portal para download:

Leia mais

Tocha de solda - MIG/MAG

Tocha de solda - MIG/MAG TECNOLOGIA PARA O MUNDO DOS SOLDADORES Tocha de solda - MIG/MAG As características técnicas correspondem à linha VDE para fontes de energia (U = 14 + 0,05xl). Solda de arco pulsado reduzem 35% o consumo.

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM DIFERENCIAL COMO MODELO PEDAGÓGICO

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM DIFERENCIAL COMO MODELO PEDAGÓGICO PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM DIFERENCIAL COMO MODELO PEDAGÓGICO Vitor Alcácer ¹, Francisco Ávila ², Prof. Carlos Fortes ³, Prof. Dr.ª Rosa Marat-Mendes ³ 1 Ex-aluno Engenharia Mecânica Ramo Produção da ESTSetúbal

Leia mais

Ligação metálica corrente elétrica

Ligação metálica corrente elétrica Ligações Metálicas Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes perdem seus elétrons da última camada.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

GABRIEL REIS FELIPE SOUZA LUIZ DOHOPIATI THALES PANKE DESENHOMECÂNICO FUNDIÇÃO E METALURGIA DO PÓ

GABRIEL REIS FELIPE SOUZA LUIZ DOHOPIATI THALES PANKE DESENHOMECÂNICO FUNDIÇÃO E METALURGIA DO PÓ GABRIEL REIS FELIPE SOUZA LUIZ DOHOPIATI THALES PANKE DESENHOMECÂNICO FUNDIÇÃO E METALURGIA DO PÓ METALURGIADOPÓ PROCESSO MECÂNICO DE PRODUÇÃO QUE FABRICA PEÇAS METÁLICAS ATRAVÉS DA COMPACTAÇÃO DE PÓ-METÁLICO

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga origine uma pressão além

Leia mais

A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis

A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis ÍNDICE Usinagem de Aços Inoxidáveis 3 Por que os Aços Inoxidáveis são considerados como difíceis de usinar? 3 Pontos Importantes na usinagem de Aços Inoxidáveis 3

Leia mais