Re:lativo à. 18 de Março de /9. APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc T I'.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Re:lativo à. 18 de Março de 2010 1/9. APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc T. +351 213 550 911 I'."

Transcrição

1 Código de Cond.uta Re:lativo à Portab;ilidade de Número 18 de Março de 2010 APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc 1/9 J\y. Defensores de Chaycs, D I'

2 /icf ~ ~. ~,/. t7 o presente Código de Conduta surge na sequência das alterações introduzidas ao I1 Regulamento n.o 58/2005, de 18 de Agosto (Regulamento da Portabilidade), pelo ~I Regulamento n.o 87/2009, de 18 de Fevereiro. )-:. f Considerando que, na aplicação prática do Regulamento da Portabilidade, têm surgido diferentes interpretações e alguns diferendos quanto a variadas expressões e conceitos utilizados pelo mesmo, os operadores consideram necessário e conveniente acordar no presente Código de Conduta, de modo a garantir processos de portabilidade mais claros, céleres, simples e eficientes. Tendo, pois, chegado a acordo quanto ao teor do Código de Conduta, os signatários desejam implementar o mesmo nos termos seguintes: Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1. Princípios Norteadores o Código de Conduta obedece a um conjunto de princípios que serão adoptados por todos os operadores signatários, designadamente: '1.1. Celeridade, certeza e segurança jurídica; '1.2. Confiança e boa-fé entre os operadores com obrigações de portabilidade. Artigo 2. Objecto 1. O presente Código de Conduta estabelece algumas regras a observar pelos operadores signatários no relacionamento entre si no âmbito de processos de portabilidade, tal como configurados pelo Regulamento da Portabilidade, propondose abordar, em especial, os problemas associados ao tratamento da documentação APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc 2/9 AY. Defensorcs de Chaycs, 15-6" D F \V\V\\'.apritc1.or~

3 inen:mte aos processos de portabilidade, às portabilidades indevidas e consequentes compensações. 2. O presente Código de Conduta deve ser. interpretado em conformidade com a letra e o espírito do Regulamento da Portabilidade e, bem assim, com as determinações e/ou esclarecimentos do ICP-ANACOM em matéria de portabilidade. Artigo 3. Vigência 1. Estão vinculados a este Código os operadores aqui signatários, bem como aqueles que venham futuramente a assiná-lo. 2. Qualquer operador com obrigações de portabilidade poderá, em qualquer altura, solicitar adesão ao presente Código de Conduta mediante pedido formal à Direcção da APRITEL. 3. Qualquer operador que haja optado por se vincular ao cumprimento do Código pode desvincular-se do mesmo, a todo o tempo, mediante declaração dirigida à Direcção da APRITEL, com uma antecedência mínima de 3 meses. Artigo 4. Alterações 1. O presente Código de Conduta poderá ser sujeito às alterações que os seus signatários entendam necessárias, sempre sob a forma escrita. 2. Para tanto, deve ser apresentado um pedido de revisão submetido por um ou mais signatários, devendo para o efeito fundamentar o mesmo junto da Direcção da APRITEL. 3. Quaisquer alterações às informações constantes do Anexo 1 deverão ser comunicadas pela APRITEL a todos os operadores aderentes ao presente código, através do envio do anexo actualizado em formato electrónico. APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc 3/9 '\\'. Defensores de Chaves, 15 _6" D W\V\V.apritcl.()fV

4 4. A APRITEL será a fiel depositária do documento original enviado pelo operador que comunica essas mesmas alterações. 5. Os signatários reconhecem a necessidade, e desde já acordam, que na medida do razoável procederão a todas as alterações necessárias ao presente Código, decorrentes da lei, de qualquer medida regulamentar tomada pelo ICP-ANACOM, e, bem assim, de decisões, esclarecimentos ou interpretações emitidas pelo mencionado regulador do sector em matéria de portabilidade. Capítulo 11 Procedimentos a observar em caso de irregularidades no processo de portabilidade Artigo 5 Portabilidade Indevida 1. Considerar-se-á existir uma portabilidade indevida quando a portabilidade seja desconforme com a vontade real e efectiva do cliente Quando o PD julgar, fundamentadamente existirem razões para crer que uma determinada portabilidade foi indevida deverá, por via electrónica notificar o PR desses casos; o PR deve responder, no prazo de 5 dias úteis a essa notificação, apresentando, se for o caso, os elementos de prova que considerar convenientes para demonstrar que a portabilidade corresponde à vontade do cliente; '1.2. O PD deverá responder ao PR no prazo de 2 dias úteis sobre se considera sanada a suspeita levantada ou se, pelo contrário, entende que a portabilidade é indevida, caso em que emitirá e enviará a factura correspondente à compensação prevista no Regulamento. APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc 4/9 Av. Defensores de Chaves, D l,isboa Portugal apritcl(w,apritd.org w\v\v.apritel.()fv

5 2. Os elementos de prova a que se refere o parágrafo 1.2 do presente artigo abrangem quaisquer meios de prova admitidos pelo Direito. Artigo 6 Port-back Para além dos casos decorrentes do artigo 5, quando o PD ou o PR detecte um erro operacional no processo electrónico da portabilidade, deve dar disso conhecimento à outra parte, podendo, em caso de acordo, dar início, preferencialmente no prazo máximo de 1 dia útil, ao processo de retorno (portljack), o qual deve ser agendado para a primeira janela de portabilidade elegível. Artigo 7 Chamadas com origem noutras redes Nos casos em que, após o porte do número, os operadores que não são intervenientes directos no processo de portabilidade (isto é, não actuam nem como PD nem como PR) não tenham actualizado a informação de portabilidade, o PR deverá notificar os mesmos da interrupção de serviço, devendo os operadores em falta proceder à actualização da informação em causa no prazo máximo de 2 dias úteis. Artigo 8 Procedimento relativo a pedidos de configuração activa 1. O PD deverá, nos termos e em conformidade com a legislação aplicável, fornecer informação ao cliente sobre os respectivos dados para que os pedidos electrónicos submetidos pelo PR contenham a informação correcta. 2. Sem prejuízo do disposto no n.o 2, do artigo 17. do Regulamento da Portabilidade, relativamente aos pedidos de configuração activa efectuados pelo PR sobre os números detidos pelo PD, o procedimento relativo a pedidos de configuração activa é o seguinte: APRITELCodCondutaPortabilidade finalpara assinatura.doc 5/9 J\y. Defensores de Chayes, D Lisboa Portugal apri w\v\v.apritl'1.()fv

6 n (((I)i!~BJ.r~l: A. (f l,{ GIv).I' /. t O cliente declara autorizar o PR a pedir ao PD a configuração actltnos ff\ termos da minuta que constitui o Anexo 2 ao presente Código de Conduta; fl 2.2. Esta minuta é enviada para o PD via contactos de que constam do anexo 1; 2.3. O PD devolve a informação solicitada no prazo de 2 dias úteis, de acordo com o estabelecido no Regulamento da portabilidade. Artigo 9 IRecusas consecutivas de pedidos electrónicos de portabilidade e time-outs Nos casos de rejeições consecutivas e erros por falta de resposta, o prazo para esclarecimento das causas de recusa/"time out" é de 2 dias úteis. I fi I.:L..--' t7 '.I Documentação Capítulo 111 de suporte aos pedidos de portabilidade Artigo 10 Envio da documentação ao PD 'I. Ao abrigo da faculdade prevista no Artigo 10., n.o 3 do Regulamento de Portabilidade, as partes signatárias do presente Código de Conduta acordam não enviar mensalmente os documentos de denúncia das portabilidades efectivadas. 2. As partes tornam claro que por documentos de denúncia se entendem a minuta de denúncia por portabilidade, bem como todos os documentos que o PD exige para denúncias que não tenham associados um pedido de portabilidade, ou aqueles que venham a ser divulgados no site do ICP ANACOM. APRITELCodCondutaPortabilidade finalpara assinatura.doc 6/9 1\v. Defensores de Chaves, 15 _6 O Lisboa Portu!,'<ll apritelwhpritel.ori( W\V\\'.apritd.orv

7 ?f(/ai.~'1. f ~3. Face ao disposto no n.o 1, o PR apenas enviará ao PD os docum~os de denúncia quando haja dúvidas fundadas e o PD o solicite com fundamento numa das seguintes situações: a. Reclamação do cliente efectuada por qualquer meio ao Prestador Doador; b. Solicitação de informações por parte de qualquer entidade pública, designadamente o ICP-Anacom, que exijam ou tornem conveniente a obtenção dos referidos documentos de denúncia; c. Dúvidas que o PD tenha sobre a vontade manifestada por determinados clientes, designadamente em consequência da suspeita da existência de qualquer violação da lei. 4. Nos casos previstos na alínea a) do número anterior, qualquer pedido de documentação deverá ser devidamente acompanhado de cópia da reclamação do cliente, sem prejuízo da salvaguarda dos dados pessoais deste último. ~). Os documentos de denúncia solicitados nos termos do n.o 3 deverão ser enviados no prazo máximo de 2 dias úteis. 6. Os pedidos de documentação de denúncia terão sempre que reportar-se a situações concretas devidamente justificadas, não podendo os operadores utilizar os mesmos para efectuar pedidos de documentação em massa. APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc 7/9 1\v. Defensores de Chaves, 15-6" D T w\vw.apritd.()fy

8 Capítulo IV Disposições Finais Artigo 11.0 Entrada em vigor o presente Código de Conduta entra em vigor, para cada um dos signatários futuros aderentes, na data de assinatura. ou Op. signatário, local e data: A ( \ ~(O(,8'Vvl Assinaturas: ~~ Nomes: Kan (jqj ~v,~tv ~ertj'(o C. ('iw(ú\~ç Op. signatário, local e data:.:t-d /v' -c v L 1\ ~o í.:t.-1.-l Assinaturas: Nomes: ~C)5É VEDfLU 'kq~)lh'i DA CV~1ti ~> íl\~\ Co-7 L.J\ ~ ri igue\ ~r..\\á::<:" LoPe: ;;,. Op. signatário, local e data:~iv,\:t.i (A.;.o ÇO(f'ANA; L-zs"(.oA, 22- ~e- I'H,t:/Cl'( tc'7,{j Assinaturas: ~~ ltt-"'- Nomes:,XX)/b(íf t.-1a«j~a..th i1'4 f vlt5(otj(e=l~ CAU{ 1.-r05 Op. signatário, local e data:,,;;;1' TUc.~-';"<Af(-l'<.("'<('; UIl""'\? L Assinaturas: fvl\1;~l- ~I Nomes:j)l)~t1A((;fI AUi-lf1i)4 E VA::'IWtJfEL-OS CALH E7~Q$ APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc 8/9 Av, Defensores de Chaves, D apritel(í/)aprite1.oq! ww\v.arritcl.()r~

9 Op. signatário, local e data: _CJt_~_\_SÃ._o _ Assinaturas: } ~ / ---F Nomes: MA(\.l1b~ -:tl~ ~o Op. signatário, local e data: JO\2A~,v-;:: Assinaturas: ~~. Assinaturas: Nomes: Op. signatário, local e dpta: üjlti ~., J.. b 7L.11o Nomes: Op. signatário, local e data: Ó tj I 1í1 ( \UO;..II. Assinaturas: Sd'/I úh}\v\~.jj.-b- ~ Nomes: -.ç:ol\1qvh1 '~ídv') ~AN"(O ) Op. signatário, local e data: t:.._-r'_'í _ Assinaturas: t~ ~ fulu Nomes: f"íl;.i'~ Ft. U'-~/ n.1 ~~~IW APRITEL Cod Conduta Portabilidade final para assinatura.doc 9/9 1\v. Defensores de Chaves, 15 _6" D F arri te10)arri tel.ori( \vww.apritc!.()rv

10 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação Operador./ \.1/ Ar T elecom Contactos Operacionais su ou pt pt portabilidade e time-outs Pedidos de configuração activa Telefone APRITEL Cod Conduta Portabilidade final anexos.doc Av. Defensores de Chm'es, 15-6" D F apri W\V\V.apritd.()rg

11 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação ZON TV Cabo (Grupo Zon Multimedia) Operador Contactos Operacionais portabilidade e time-outs Pedidos de configuração activa Telefone T: STF: STF: ou pt APRITEL Cod Conduta Portabilidade c anexos_grupo ZON. doc 1/4 A \T. Defensores de Chaycs, ls -ól> D 10IJIJ- 109 I.isboa Portugal T IJ 911 F IJ 912 \v\'vw.apnrel.ofr"

12 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação Operador ZON Madeira (Grupo Zon Multimedia) Contactos Operacionais 929 portabilidade e time-outs Pedidos de configuração activa Telefone T: STF: portabil idad 800 ou APRITEL Cod Conduta Portabilidade c anexos _Grupo ZON. doc 2/4 A\".Odcnsorcs de Chaycs, D Li,boa Portugal T oq~ \v'\vw.apritel.orr-

13 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação ZON Açores (Grupo Zon Multimedia) Operador Contactos Operacionais portabilidade e time-outs Pedidos de configuração activa T: frederico. acores.pt portabilidad ou Telefone APRITEL Cod Conduta Portabilidade c anexos _ Gru po ZON. doc 3/4,\", Dcfcnsorcs dc Chaycs, 15-6" D Lisboa Portui,,,,1 F,

14 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação Operador CTT - Correios de Portugal, S.A. Contactos Operacionais de portabilidade pedidos electrónicos e time-outs de Pedidos de configuração activa @ pt Telefone Notificações de portabilidades APRITEL Cod Conduta Portabilidade c anexos 1/2 Av. Defensores de Chaves, 15-6 D T F aplirelav aplircl.org \vww.apnrel.org

15 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação Cabovisão - Televisão por Cabo, S.A. Operador Contactos Operacionais portabilidade. T * Números a utilizar em caso de I (ou )* indisponibilidade do número principal (ou T )* Comerciais (para escalonamento) F M Notificações de portabilidades indevidas/recusas consecutivas de pedidos electrónicos de portabilidade e time-outs INota: Inclui Port-back T F. 21O Pedidos de configuração activa I F. 21O

16 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação Operador I Vodafone Contactos Operacionais de portabilidade pedidos electrónicose time-outs de Pedidos de configuração activa Notificações de portabilidades T: ricardo urmal APRITEL Cod Conduta Portabilidade a-Contactos VF. docx 1/1 1\\'. Defensores de Cha"es, 15 _6 D F arritclúdarri te].(>ri' \Vww.apritel.')nr

17 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação Operador Optimus - Comunicações, S. A. Contactos bilidade idos om Operacionais Móvel - Fixo n.a Móvel -Fixo Móvel n.a Móvel - Telefone Notificações de portabilidades APRITEL Cod Conduta Portabilidade c anexos (3).doc 1/1 Av. Defensores de Chaves, D T apritel0bpritel.org

18 ANEXO 1 Formulário de contactos e opções sobre troca de documentação Operador ONITEL.ECOM - Infocomunicações, S.A. Contactos Telefone Operacionais T: /531/ escalonamento) indevidas/recusas T:21 filomena Portabilidade electrónicos portabilidade e Pedidos de configuração activa Portabilidade F: F: APRITEL Cod Conduta Portabilidade c anexos ONI 1/1 Av. Defensores de Chaves, 15 _6 D

19 ~ j f i '--''-1 ANEXO 2 Pedidos de configuração activa pelo PR sobre os números Morada do Prestador Receptor 1 \! 1t7 Nome do Prestador Receptor c. Postal do Prestador Receptor Exmos. Senhores, [Nome do cliente], no de identificação NIF/BI, vem, por este meio, autorizar a [Prestador Receptor], para em seu nome e, para os efeitos do artigo 17 do Regulamento da Portabilidade, solicitar à [Prestador DETENTOR] a configuração activa dos números de que é titular. (o cliente) APRITEL Cod Conduta Portabilidade c anexos.doc 1\v. Defcnsorcs dc Chavcs, D w\vw.apritcl.()rv

Ministério das Obras Públicas Transportes e Comunicações. ICP Autoridade Nacional de Comunicações. Regulamento n.º xx/2008

Ministério das Obras Públicas Transportes e Comunicações. ICP Autoridade Nacional de Comunicações. Regulamento n.º xx/2008 Data de publicação 20.10.2008 Ministério das Obras Públicas Transportes e Comunicações ICP Autoridade Nacional de Comunicações Regulamento n.º xx/2008 Regulamento de alteração ao regulamento n.º 58/2005,

Leia mais

3. Suspensão do Serviço Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico acessível ao público num local fixo 1. Objecto

3. Suspensão do Serviço Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico acessível ao público num local fixo 1. Objecto Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico acessível ao público num local fixo da PT PRIME-Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., com sede na Av. Fontes Pereira de Melo, n.º

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL

ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL 1 - Os níveis de qualidade do serviço postal universal previstos no artigo 5º, são os seguintes: a) no Correio Normal (D+3) Definido como a percentagem

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Prestador de serviços Morada Telefone(s) Endereço de e-mail. Telefone: 16300. Fax: 808 30 10 30 Clientes residenciais: Informações gerais: 16800

Prestador de serviços Morada Telefone(s) Endereço de e-mail. Telefone: 16300. Fax: 808 30 10 30 Clientes residenciais: Informações gerais: 16800 Prestador de serviços Morada Telefone(s) Endereço de e-mail AR Telecom Acessos e Redes de Telecomunicações, S.A. CABOVISÃO Televisão por Cabo, S.A. Serviço de Apoio a Clientes Doca de Alcântara Norte Edifício

Leia mais

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de Índice Preâmbulo 3 Análise estatística 4 Anexos 14 2 Preâmbulo O presente relatório tem por objecto as solicitações recebidas no

Leia mais

DECISÃO RELATIVA À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS

DECISÃO RELATIVA À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS DECISÃO RELATIVA À DESIGNAÇÃO COMO ILIMITADAS DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS I. ENQUADRAMENTO 1. Factos O ICP-ANACOM tem constatado a crescente disponibilização, por parte das empresas

Leia mais

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada.

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada. DECISÃO relativa ao programa para a atribuição de subsídio à aquisição de equipamentos de recepção das emissões de TDT por parte de cidadãos com necessidades especiais, grupos populacionais mais desfavorecidos

Leia mais

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762 http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762 PROJECTO DE DECISÃO REFERENTE A PREÇOS DOS SERVIÇOS DE INTERLIGAÇÃO PRATICADOS PELOS OPERADORES DE SERVIÇO MÓVEL TERRESTRE 1. Antecedentes 1.1. Em

Leia mais

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto)

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto) AVISO N.º [XX/2015] CENTRAIS PRIVADAS DE INFORMAÇÃO DE CRÉDITO Em linha com a tendência internacional, a legislação financeira nacional consagrou recentemente o figurino das centrais privadas de informação

Leia mais

MILINHA VITOR P. GOMES, UNIPESSOAL, LDA

MILINHA VITOR P. GOMES, UNIPESSOAL, LDA CONDIÇÕES GERAIS E PARTICULARES DE VENDA ON-LINE As presentes CONDIÇÕES GERAIS E PARTICULARES DE VENDA ON-LINE são acordadas livremente e de boa-fé entre Vitor Pereira Gomes, Unipessoal, Lda. com sede

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre a PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA, OPTIMUS COMUNICAÇÕES, S.A., PT COMUNICAÇÕES, S.A.,

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre a PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA, OPTIMUS COMUNICAÇÕES, S.A., PT COMUNICAÇÕES, S.A., PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO entre a PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA, e OPTIMUS COMUNICAÇÕES, S.A., PT COMUNICAÇÕES, S.A., TMN - TELECOMUNICAÇÕES MÓVEIS NACIONAIS, S.A., VODAFONE

Leia mais

CONDIÇÕES DE OFERTA DOS SERVIÇOS

CONDIÇÕES DE OFERTA DOS SERVIÇOS CONDIÇÕES DE OFERTA DOS SERVIÇOS TABELA DE CONTEÚDOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR 2. INFORMAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS 2.1. SERVIÇO DE TELEFONE FIXO 2.1.1. SERVIÇO DE PRÉ-SELECÇÃO DE OPERADOR DA

Leia mais

NovasRegras de Registo de Nomes de Domínio.PT principais alterações

NovasRegras de Registo de Nomes de Domínio.PT principais alterações AGENDA: Novas Regras de registo de nomes de domínio.pt, principais alterações; Nova tabela de preços e novas condições comerciais para os Registrars; Campanha de divulgação; Questões Flexibilização no

Leia mais

DECISÃO. i) 2 x 10 MHz na faixa de frequências dos 800 MHz (790-862 MHz);

DECISÃO. i) 2 x 10 MHz na faixa de frequências dos 800 MHz (790-862 MHz); DECISÃO de emissão dos títulos unificados dos direitos de utilização de frequências para serviços de comunicações eletrónicas terrestres, na sequência do leilão 1. Enquadramento Por deliberação de 6 de

Leia mais

Concurso de Ideias para Logótipo. ONGD Leigos para o Desenvolvimento REGULAMENTO

Concurso de Ideias para Logótipo. ONGD Leigos para o Desenvolvimento REGULAMENTO Concurso de Ideias para Logótipo ONGD Leigos para o Desenvolvimento REGULAMENTO 1. Promotor A ONGD Leigos para o Desenvolvimento (LD) leva a efeito um concurso para apresentação de propostas de logótipo.

Leia mais

Adesão ao Serviço MB WAY

Adesão ao Serviço MB WAY Adesão ao Serviço MB WAY 1) Objecto Pelo presente contrato, o Banco Santander Totta SA obriga-se a prestar ao Utilizador o Serviço MB WAY, nas condições e termos regulados nas cláusulas seguintes, e o

Leia mais

Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada. Preâmbulo

Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada. Preâmbulo Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada 1. Tendo a conta a necessidade de: Preâmbulo Reformular a informação estatística recolhida trimestralmente

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Os emitentes de valores mobiliários admitidos à negociação em bolsa estão sujeitos ao cumprimento de um conjunto de deveres de informação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE FIEAE - Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas ( FIEAE ) 4 de Junho de 2009 Capítulo I ÂMBITO Artigo 1º 1 - O presente regulamento define a tramitação dos procedimentos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas Entre o Banco BIC Português, S.A., Sociedade Comercial Anónima, com sede na Av. António Augusto de Aguiar, nº132 1050-020 Lisboa, pessoa colectiva nº 507880510, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas Regulamento de Bolsas do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo primeiro Âmbito 1. O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e

Leia mais

PORTABILIDADE DOCUMENTOS EXIGIDOS PELOS DIVERSOS PRESTADORES DE SERVIÇOS TELEFÓNICOS PARA A DENÚNCIA CONTRATUAL

PORTABILIDADE DOCUMENTOS EXIGIDOS PELOS DIVERSOS PRESTADORES DE SERVIÇOS TELEFÓNICOS PARA A DENÚNCIA CONTRATUAL PORTABILIDADE DOCUMENTOS EXIGIDOS PELOS DIVERSOS PRESTADORES DE SERVIÇOS TELEFÓNICOS PARA A DENÚNCIA CONTRATUAL Visando permitir a todas as empresas com intervenção em processos de portabilidade saber

Leia mais

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA 1ª Etapa Candidaturas: 1 Out 2014 28 Fev 2015. O prémio Consumus Dixit é aberto a todos trabalhos profissionais, académicos, personalidades

Leia mais

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 Banco de Portugal Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 ASSUNTO: Regime Excepcional de Regularização Tributária de Elementos Patrimoniais colocados no exterior (RERT III). Regras de Transferência

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP INTRODUÇÃO Em 26 DE Novembro de 2003, os CTT CORREIOS DE PORTUGAL, SA, notificaram à Autoridade da Concorrência,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES Ao abrigo do disposto na alínea a) do n.º 2 do artigo 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei

Leia mais

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO ÍNDICE Introdução e enquadramento...3 Participantes no processo de mobilidade... 4 Instituição de origem...5 Instituição visitada...6 Utilizador em mobilidade...7 NREN... 8 ANEXO 1 Modelo de accounting...9

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PROCEDIMENTOS DE COBRANÇA E ENTREGA AOS MUNICÍPIOS DA TMDP (TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM)

PROJECTO DE REGULAMENTO PROCEDIMENTOS DE COBRANÇA E ENTREGA AOS MUNICÍPIOS DA TMDP (TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM) http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=110699 PROJECTO DE REGULAMENTO PROCEDIMENTOS DE COBRANÇA E ENTREGA AOS MUNICÍPIOS DA TMDP (TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM) A Lei das Comunicações

Leia mais

anexo ao pedido de portabilidade e rescisão do contrato

anexo ao pedido de portabilidade e rescisão do contrato pedido de portabilidade e rescisão do contrato ORIGINAL (tmn) 2. INFORMAÇÃO DE CONTACTO Telemóvel contacto 3. DADOS DE PORTABILIDADE MÓVEL E-mail Informamos que, por motivos de portabilidade, pretendemos

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO

CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO ARTIGO 1 : OBJECTO (Última versão datada de 16 de Fevereiro de 2011) As presentes condições particulares têm por objecto definir as condições técnicas e

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

adesão aos serviços tmn

adesão aos serviços tmn Original (Preencher em triplicado e em maiúsculas) N.º Bilhete de Identidade / Passaporte Data de Nascimento Automático + Contratual Extracto Detalhado Extracto Detalhado Factura Electrónica (a confirmação

Leia mais

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário MEMORANDO Caracterização da Actuação no Combate ao spam Análise das respostas ao questionário ÍNDICE 1. Enquadramento da realização do questionário...3 2. Análise das respostas ao questionário...4 2.1

Leia mais

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela Resolução da Assembleia da República n.º 72/2003 Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou Emergência Radiológica, adoptada pela Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atómica,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Deliberação. I. Enquadramento

Deliberação. I. Enquadramento http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=252062 Deliberação de 29.8.2007 Deliberação I. Enquadramento 1. Em 21.06.2005, a Optimus requereu, ao abrigo do artigo 78.º da Lei Geral Tributária (LGT),

Leia mais

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Alexandra Paulo De: ERSE Enviado: quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012 10:27 Para: Revisao Regulamento Gas Natural 2012 Assunto: FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Sinal. de seguimento: Estado

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=208724 Deliberação de 16.1.2004

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=208724 Deliberação de 16.1.2004 http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=208724 Deliberação de 16.1.2004 Deliberação da ANACOM relativa à definição de preços máximos de retalho para as chamadas destinadas a números das gamas 707,

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

CONTRATO DE UTILIZADOR

CONTRATO DE UTILIZADOR CONTRATO DE UTILIZADOR Entre: a) Ecopilhas Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, n.º 7, 1.º andar sala

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS simplifica Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários", adoptados

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS DA OTNETVTEL CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS DA OTNETVTEL CONDIÇÕES GERAIS 1.OBJECTO 1.1 O presente Contrato tem como objetivo a regulação das relações entre as partes, na sequência da subscrição pelo Cliente dos serviços de comunicações eletrónicas disponibilizados pela OTNETVTEL,

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS Programa de Estágios na Indústria Farmacêutica REGULAMENTO DE ESTÁGIOS Previsto na alínea b) da cláusula 4ª do Protocolo do Programa de Estágios na Indústria Farmacêutica Preâmbulo A Ordem dos Farmacêuticos

Leia mais

ASSUNTO: Enquadramento legal da actividade de recirculação de notas de euro em Portugal - IC

ASSUNTO: Enquadramento legal da actividade de recirculação de notas de euro em Portugal - IC Banco de Portugal Carta-Circular nº 18/2007/DET, de 6-06-2007 ASSUNTO: Enquadramento legal da actividade de recirculação de notas de euro em Portugal - IC 1. Decreto-Lei nº 195/2007, de 15 de Maio - Enquadramento

Leia mais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 A presente lei consagra

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO CAPÍTULO I Serviço de Informação e Mediação SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Composição O Serviço de Informação e Mediação

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

HOPE PORTUGAL. Regulamento do Programa de Intercâmbio

HOPE PORTUGAL. Regulamento do Programa de Intercâmbio HOPE PORTUGAL Regulamento do Programa de Intercâmbio Disposições aplicáveis 1- Os procedimentos e normas que regem o programa acima referido e abaixo denominado Intercâmbio, constam do presente documento,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA entre Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves e Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Dão e Alto Vouga, C.R.L. Cláusula 1ª (Intervenientes) Este Protocolo

Leia mais

Acordo ibero-americano sobre o uso da videoconferência na cooperação internacional entre sistemas de justiça

Acordo ibero-americano sobre o uso da videoconferência na cooperação internacional entre sistemas de justiça Acordo ibero-americano sobre o uso da videoconferência na cooperação internacional entre sistemas de justiça Os Estados ibero-americanos signatários este Acordo, doravante designados por as Partes, Manifestando

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

Procedimentos de comunicação de facturas á Autoridade Tributária via E-Factura.

Procedimentos de comunicação de facturas á Autoridade Tributária via E-Factura. Rua Diogo do Couto nº 1, 2º Esq. 1100-194 Lisboa Portugal Tel: 216041368 - Fax: 218065709 email: info@ vbss.pt - Site: www.vbss.pt GPS: 38.716931,-9.120804 E-FATURA Procedimentos de comunicação de facturas

Leia mais

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM REGISTO PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE Pessoa Coletiva (Decreto-Lei n.º 177/99, de 21 de maio, na redação dada pela Lei n.º 95/2001, de 1 de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA DOS INTERESSADOS. Sobre o Projeto de Decisão relativo à INFORMAÇÃO SOBRE COBERTURA, QUALIDADE DE SERVIÇO

RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA DOS INTERESSADOS. Sobre o Projeto de Decisão relativo à INFORMAÇÃO SOBRE COBERTURA, QUALIDADE DE SERVIÇO RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA DOS INTERESSADOS Sobre o Projeto de Decisão relativo à INFORMAÇÃO SOBRE COBERTURA, QUALIDADE DE SERVIÇO E POLÍTICA DE PARTILHA DE SITES, A REMETER AO ICP-ANACOM PELAS EMPRESAS

Leia mais

MEDIDAS RESTRITIVAS DE ACÇÕES DESENCADEADAS PELAS EMPRESAS DO GRUPO PT PARA RECUPERAÇÃO DE CLIENTES PRÉ-SELECCIONADOS PROJECTO DE DECISÃO

MEDIDAS RESTRITIVAS DE ACÇÕES DESENCADEADAS PELAS EMPRESAS DO GRUPO PT PARA RECUPERAÇÃO DE CLIENTES PRÉ-SELECCIONADOS PROJECTO DE DECISÃO http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=211303 MEDIDAS RESTRITIVAS DE ACÇÕES DESENCADEADAS PELAS EMPRESAS DO GRUPO PT PARA RECUPERAÇÃO DE CLIENTES PRÉ-SELECCIONADOS PROJECTO DE DECISÃO I. Enquadramento

Leia mais

DELIBERAÇÃO RELATIVA À OFERTA DE REFERÊNCIA DE CIRCUITOS ALUGADOS

DELIBERAÇÃO RELATIVA À OFERTA DE REFERÊNCIA DE CIRCUITOS ALUGADOS http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=202722 Data da deliberação 7.9.2006 DELIBERAÇÃO RELATIVA À OFERTA DE REFERÊNCIA DE CIRCUITOS ALUGADOS I. ENQUADRAMENTO Em resposta ao ponto (aa) 1 do sentido

Leia mais

APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS ESTATUTO E REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS

APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS ESTATUTO E REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS ESTATUTO E REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROVEDOR DOS PARTICIPANTES E BENEFICIÁRIOS DE ADESÕES INDIVIDUAIS AOS FUNDOS DE

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 Pela Resolução n.º 100/2005, de 16 de Junho, foi aprovado o Plano Integrado para a Ciência e Tecnologia. Desse Plano consta

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 2.4.1 APOIO À GESTÃO DAS INTERVENÇÕES TERRITORAIS INTEGRADAS GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Fevereiro 2010 PRODER Pág. 1 de 11 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento

Leia mais

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A PROSSEGUIR NO TRATAMENTO DE QUEIXAS CONTRA SEGURADORAS, MEDIADORES DE SEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES DE DIREITO PRIVADO Introdução 1. Ao abrigo do Estatuto

Leia mais

APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS ESTATUTO E REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS

APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS ESTATUTO E REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS ESTATUTO E REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROVEDOR DOS PARTICIPANTES E BENEFICIÁRIOS DE ADESÕES INDIVIDUAIS AOS FUNDOS DE

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=269365 Deliberação de 13.2.2008 PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS 1. Em 17.05.2007, a RADIOMÓVEL Telecomunicações, S.A. (RADIOMÓVEL) apresentou ao ICP-ANACOM

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador Internet Update de PaintManager TM Manual de registo do utilizador ÍNDICE O que é o registo CTS? 3 Como é realizado o pedido de registo? 3 Opção 1: Se o número de registo CTS for conhecido 3 Passo 1: 3

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

PROJETO DE REGRAS RELATIVAS À UTILIZAÇÃO PARTILHADA DO NÚMERO 16XY DO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA O SERVIÇO DE APOIO A CLIENTES

PROJETO DE REGRAS RELATIVAS À UTILIZAÇÃO PARTILHADA DO NÚMERO 16XY DO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA O SERVIÇO DE APOIO A CLIENTES PROJETO DE REGRAS RELATIVAS À UTILIZAÇÃO PARTILHADA DO NÚMERO 16XY DO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA O SERVIÇO DE APOIO A CLIENTES 1. INTRODUÇÃO O ICP-ANACOM recebeu, em 11 de setembro de 2013, um pedido

Leia mais

CONDIÇÕES DE OFERTA DO SERVIÇO PME MAX VOICE

CONDIÇÕES DE OFERTA DO SERVIÇO PME MAX VOICE INI CONDIÇÕES DE OFERTA DO SERVIÇO PME MAX VOICE Índice A. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR 3 1. PONTOS DE CONTACTO 3 B. INFORMAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO 4 1. CONDIÇÕES

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

Declaração de Privacidade Online da Opinião do Cliente

Declaração de Privacidade Online da Opinião do Cliente Declaração de Privacidade Online da Opinião do Cliente 1. Declaração geral: A Ford Lusitana S.A. e a Ford Motor Company (doravante apenas Ford ) respeitam a sua privacidade e estão empenhadas em protegê-la.

Leia mais

> IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE (Preenchimento obrigatório)

> IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE (Preenchimento obrigatório) Tem Telefone Telefone Tem SAPO ADSL Username Requisição Nº > IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE (Preenchimento obrigatório) PESSOA SINGULAR / PESSOA COLECTIVA OU EQUIPARADA Nome B.I. Morada de instalação NC/NIPC

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

EoL Empresa Online. Criação da Empresa On-line. Manual de Procedimentos. Outubro 2006. Versão 2.0

EoL Empresa Online. Criação da Empresa On-line. Manual de Procedimentos. Outubro 2006. Versão 2.0 EoL Empresa Online Manual de Procedimentos Criação da Empresa On-line Outubro 2006 Versão 2.0 Procedimentos da Criação da Empresa On-line 3. Introduzir informação da empresa (pacto social livre) 5. Aderir

Leia mais

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Os abaixo-assinados, Plenipotenciários dos Governos dos Países membros da União, face ao disposto no parágrafo 4 do artigo 22.º da Constituição da

Leia mais

CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU

CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU [Imagem] CONTRATO DE ADESÃO CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU Órgão Nº de Entidade (NDE) Dados do Titular Nome Nome a gravar no cartão Nº de Conta - - Declaro serem verdadeiras todas as informações prestadas.

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO DE WEBSITE DESENVOLVIDO PELA MEDICINA DIRETA

CONTRATO DE ADESÃO DE WEBSITE DESENVOLVIDO PELA MEDICINA DIRETA CONTRATO DE ADESÃO DE WEBSITE DESENVOLVIDO PELA MEDICINA DIRETA 1. DAS PARTES NEODEL TECNOLOGIA E SOFTWARE LTDA, com sede à Rua Alvorada, no. 64 Conjunto 42, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São Paulo, SP,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research Regulamento de bolsas da Associação Fraunhofer Portugal Research I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. A Associação Fraunhofer Portugal Research, com o objectivo de

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais