RESUMO 12 Junho 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO 12 Junho 2012"

Transcrição

1 PORTUGAL SURPREENDE PELA REDUÇÃO NA TAXA DE MORTALIDADE POR ACIDENTES APESAR DISTO O NÍVEL DE SEGURANÇA INFANTIL NO PAÍS NÃO AUMENTOU E, segundo a European Child Safety Alliance, se Portugal estivesse ao mesmo nível da Holanda, 26% das mortes por traumatismos e lesões poderiam ser evitadas PERFIL DE SEGURANÇA INFANTIL DE PORTUGAL 2012 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA INFANTIL PORTUGAL 2012 Lançamento em Portugal pela APSI, em simultâneo com Relatório de Avaliação de Segurança Infantil Europeu, pela European Child Safety Alliance, no Parlamento Europeu RESUMO 12 Junho 2012 O Perfil de Segurança Infantil de Portugal 2012 e o Relatório de Avaliação da Segurança Infantil 2012 foram elaborados no âmbito do projeto Tools to Adress Childhood Trauma, Injury and Children s Safety (TACTICS), coordenado pela European Child Safety Alliance, e têm como objetivo monitorizar e medir o progresso dos 31 países participantes na redução das lesões e traumatismos nãointencionais com crianças e adolescentes, sendo esta a 3ª edição (edições anteriores publicadas em 2007 e 2009). Mais uma vez Portugal conseguiu evitar mortes e poupar muitas vidas Mesmo assim, em 2009 ainda se perderam quase anos de vida potencial Portugal tem surpreendido pela redução constante e consistente na mortalidade por traumatismos e lesões nas crianças e adolescentes (0-19 anos), nos últimos 20 anos. De facto, desde o início dos anos 90 que a taxa de mortalidade por acidentes tem diminuído - à excepção do período entre 2000 e 2004, no decorrer do qual aumentou ligeiramente para depois tornar a retomar a tendência de descida ( , Eurostat 1 ) - atingindo agora um valor histórico de 5,86 por cada habitantes (2009, ECSA, 2012). Relativamente aos anteriores Perfis de Segurança Infantil de Portugal, isto representa uma redução significativa (Perfil 2007, 31,63/ e Perfil 2009, 14,98/ ). Portugal está agora acima da média europeia, no que se refere à taxa de mortalidade por acidentes em crianças e adolescentes. Esta descida teve um impacto directo e positivo na vida das crianças e famílias portuguesas, e representou muitos ganhos em saúde, já que foram poupados milhares de anos de vida, que de outra forma teriam sido desperdiçados. Mesmo assim, em 2009 ainda se perderam inutilmente anos de vida potencial (ECSA, 2012) por mortes precoces de crianças e adolescentes na sequência de acidentes anos em que as crianças não puderam crescer, aprender e contribuir para a sua comunidade e sociedade em geral. 1 Dados extraídos pela APSI, base dados Eurostat

2 Os acidentes ainda continuam a ser a maior causa de morte nas crianças e adolescentes Mas é possível reduzir a mortalidade por acidente Apesar da redução da mortalidade por acidente com crianças e adolescentes em Portugal, nas últimas duas décadas, as lesões e os traumatismos continuam a ser a principal causa de morte nas crianças e adolescentes entre os 0 e os 19 anos, sendo responsáveis por 16,62% do total de mortes nestas faixas etárias. Segundo a European Child Safety Alliance, se Portugal tivesse a mesma taxa de mortalidade que a Holanda (um dos países mais seguros para as crianças, de acordo com os resultados do Relatório de Avaliação de Segurança Infantil 2012), 26% das mortes que ocorreram podiam ter sido evitadas. Estas mortes prematuras de crianças e adolescentes por acidentes têm um peso ainda maior para o país porque o crescimento natural da população é negativo há já alguns anos. Além disso, não podemos esquecer que as mortes são apenas a ponta do iceberg e que muitas outras crianças são hospitalizadas e observadas diariamente nos serviços de saúde na sequência de lesões e traumatismos não intencionais (acidentes). Alguns estudos que a APSI tem realizado nos últimos anos indicam que: por cada criança que morre num acidente rodoviário, 131 ficam feridas 2 ; por cada uma que morre na sequência de um afogamento uma a duas são internadas 3 ; e por cada uma que morre na sequência de uma queda 385 são internadas 4. Para além das crianças que morrem, há muitas mais que ficam com sequelas para toda a vida, algumas com bastante gravidade, que se traduzem em incapacidades físicas e/ou psicológicas. Estas, para além do impacto directo que têm para as crianças e famílias, a diversos níveis, representam um custo elevado para o País. Nos últimos 5 anos, ocorreram 625 mortes por acidente até aos 19 anos No início dos anos 90, o número de mortes por acidente em crianças e jovens até aos 19 anos, ultrapassava os 500 (1994, 551 mortes, Eurostat). Em 2010, este número reduziu para 90. Esta redução verificou-se em todos os tipos de acidentes, tendo os acidentes rodoviários sido responsáveis por mais de 64% do número total de mortes, durante este período (variação min: 64,5%, 2006; máx: 77,6%, 2005). Entre 2006 e 2010 (últimos dados disponíveis), 625 crianças e jovens até aos 19 anos morreram na sequência de um acidente (INE 5 ). A maior parte destas mortes ocorreram entre os 15 e os 19 anos de idade (55%). No 1º ano de vida são poucos os casos de morte, quando comparados com outras idades (3% até 1 ano; 16% do 1 aos 4 anos; 12% dos 5 aos 9; 12% dos 10 aos 14 anos). Neste período, e logo a seguir aos acidentes rodoviários (68%), os afogamentos aparecem em 2º lugar (12%), em termos do número de mortes que ocorreram, seguidos da asfixia/estrangulamento (5%), das quedas (4%), entre outros. Ainda existe um número considerável de mortes, dentro das causas externas (que incluem acidentes e lesões intencionais), que se desconhece se foram acidentais ou não (variação min: 3,5%, 2002; máx: 34%, 2000) cálculos APSI, a partir dados Eurostat. 2 APSI; As mortes de crianças em acidentes rodoviários diminuíram mais de 70% nos últimos 12 anos. Resumo dos Principais Resultados 1 APSI, Afogamento em Crianças e Jovens em Portugal Relatório APSI, Quedas em Crianças e Jovens: Estudo Retrospetivo ( ) 5 Dados cedidos pelo INE (CID 10, códigos V01-V99 e W00-X59)

3 A pobreza, exclusão social e o desemprego criam maior vulnerabilidade aos acidentes Os traumatismos e lesões afectam de forma desproporcionada as crianças e adolescentes mais vulneráveis, aparecendo muitas vezes associados à riqueza do País e à condição socioeconómica da família. Segundo a European Child Safety Alliance há um número mais elevado de crianças e adolescentes a sofrer lesões nas famílias com rendimentos mais baixos, com uma escolaridade e literacia mais baixa e que vivem em zonas carenciadas e em espaços confinados. Tendo em conta que em Portugal existem 25% de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social e 7% de crianças e adolescentes a viver em agregados familiares onde ninguém trabalha (Eurostat, 2010) o País deve estar atento e ponderar se é necessário dirigir acções mais específicas para públicos mais vulneráveis (por exemplo, emigrantes, famílias com baixos rendimentos, famílias com várias gerações de pobreza). O esforço que Portugal fez no sentido de reduzir o IVA dos Sistemas de Retenção para Crianças (cadeirinhas para o automóvel), em 2009, foi apontado neste relatório como um factor positivo na diminuição das desigualdades associadas aos acidentes. Ao longo dos anos, e considerando os resultados dos diferentes Perfis de Segurança Infantil de Portugal, a disponibilidade de equipamentos de segurança (como as cadeirinhas, os coletes salva vidas) aumentou e hoje é mais fácil para as famílias Portuguesas encontrá-los no mercado. No entanto, os Portugueses têm que trabalhar mais que as famílias que vivem nos outros países da Europa, para poder comprar alguns destes equipamentos, como acontece por exemplo, com algumas cadeirinhas para o automóvel. O nível de segurança que Portugal oferece às suas crianças não aumentou Existem ainda muitas áreas onde o País tem que intervir Apesar da redução da taxa de mortalidade por acidente nas crianças e jovens, a verdade é que a actuação de Portugal no que diz respeito ao nível de segurança que as políticas nacionais conferem aos cidadãos mais novos e mais vulneráveis, fica muito aquém das expectativas. No que se refere à adopção de medidas para a segurança das crianças e adolescentes, o País apenas obtêm a classificação de razoável no Relatório de Avaliação de Segurança Infantil E se, relativamente ao relatório de 2007, houve um progresso no desempenho de Portugal, em contrapartida, de 2009 para 2012, não houve avanço (apenas pequenas alterações que não tiveram implicações na classificação global final). Portugal ainda está abaixo da média europeia, no que se refere ao nível de segurança que oferece às crianças e adolescentes. Segundo a European Child Safety Alliance, e considerando as nove áreas analisadas, aquelas em que o País necessita ainda de uma intervenção significativa são a segurança de peões e ciclistas, segurança na água e a prevenção das quedas, queimaduras e asfixia/ estrangulamento. Nas restantes áreas (segurança dos passageiros, motociclistas/ciclomotoristas, prevenção das intoxicações), é necessário reforçar a adopção, implementação ou execução de algumas medidas de eficácia comprovada na prevenção dos acidentes. É de salientar, no entanto, que, desde o primeiro Relatório de Avaliação de Segurança Infantil, em 2007, e para os indicadores que são comparáveis, Portugal progrediu em quase todas as áreas. A maior progressão verificou-se no 1º período de avaliação (de 2007 para 2009). Se todas as medidas consideradas eficazes na prevenção de acidentes fossem implementadas uniformemente, seria possível reduzir os acidentes até 90% (ESCA).

4 Portugal ainda tem muitos desafios pela frente, mas já possui alguns recursos O Plano de Acção de Segurança Infantil (PASI) é a resposta de que o País necessita Relativamente às áreas consideradas estratégicas e de suporte à acção na área da segurança infantil, nomeadamente, a liderança, infra-estruturas e capacidade técnica, de acordo com a European Child Safety Alliance, Portugal já possui alguns dos recursos necessários. O País necessita, no entanto, de uma liderança mais forte, em termos da coordenação a nível nacional de todas as iniciativas na área da segurança infantil, bem como, de um maior investimento na criação de infra-estruturas. Ao nível da liderança, é considerado necessário a afetação de recursos financeiros para a coordenação, investigação e desenvolvimento de competências na área da segurança infantil e o apoio ao trabalho em rede. A existência de um provedor da criança e a criação de uma comissão nacional responsável pela Segurança Infantil são algumas das medidas de eficácia comprovada que são apontadas como bons exemplos para que Portugal possa assumir uma liderança mais firme nesta área. No âmbito das infraestruturas, é reforçada a necessidade de criação de um sistema de informação que permita uma análise mais detalhada das condições de ocorrência dos acidentes e do seu peso/impacto. Neste domínio, a criação de um comité interdisciplinar de análise de mortes com crianças e jovens e o desenvolvimento de um mecanismo nacional que permita a identificação precoce e uma resposta rápida para riscos emergentes, são consideradas políticas com uma contribuição importante na prevenção dos acidentes. Este Relatório de Avaliação da Segurança Infantil também realça a necessidade de integrar estratégias de eficácia comprovada na prevenção de acidentes, nos programas nacionais de saúde pública e a implementação do PASI. O PASI, Plano de Acção de Segurança Infantil, elaborado com o objectivo de criar uma estratégia nacional para a prevenção dos acidentes com crianças e adolescentes, já contempla medidas e políticas dirigidas às áreas em que Portugal apresenta mais lacunas (ver em anexo alguns exemplos de medidas já previstas). Se Portugal assumir um compromisso com a adopção e execução deste plano de acção e o integrar de forma sustentada e integrada nas políticas do País, que se dirigem ou têm impacto na saúde e bem-estar das crianças e adolescentes, numa próxima avaliação Portugal poderá ficar mais próximo de outros países da Europa que já foram mais longe no nível de segurança infantil que conferem à sua população mais nova e mais vulnerável. Este relatório ainda refere que para se criar um País mais seguro é necessário garantir que estas medidas de eficácia comprovada são implementadas num continuum, do nível nacional até aos níveis regional e local, e acompanhar o efeito que algumas políticas podem ter junto de populações mais vulneráveis, de forma a não acentuar as desigualdades já existentes. Por outro lado, considera-se crucial procurar soluções que tragam co-benefícios para outras áreas, para além da prevenção de acidentes, por exemplo, na promoção da actividade física e combate à obesidade infantil. O investimento estratégico na prevenção dos acidentes contribuirá para uma abordagem integrada na área da promoção da saúde das crianças e adolescentes, com grandes benefícios para o seu desenvolvimento e bem-estar.

5 Há 20 ANOS que a APSI luta para que os acidentes com consequências graves deixem de fazer parte da vida das crianças e jovens que vivem em Portugal! Muitas são as crianças que hoje podem sorrir, brincar e crescer, graças ao trabalho da APSI e às suas conquistas. A APSI orgulha-se do progresso que se verificou nas últimas duas décadas em Portugal. Mas, apesar destes ganhos e conquistas, os acidentes ainda são a maior causa de morte, internamento, idas às urgências, incapacidade e anos de vida perdidos. Portugal ainda tem muitos desafios pela frente! Por isso, a APSI vai continuar a olhar pela segurança das crianças. As crianças assim o exigem! O projeto Tools to Adress Childhood Trauma, Injury and Children s Safety (TACTICS) é uma iniciativa em larga escala e plurianual que pretende oferecer melhor informação, ferramentas práticas e recursos que suportem a adoção e implementação de medidas de eficácia comprovada na prevenção de lesões nas crianças e adolescentes na Europa. É coordenado pela Aliança Europeia de Segurança Infantil e nele participam 31 países europeus. A European Child Safety Alliance Aliança Europeia de Segurança Infantil foi lançada no ano 2000 com o objetivo de tornar mais segura a vida das crianças que vivem na Europa. Esta organização congrega atualmente mais de 30 países europeus, que unem esforços para reduzir a principal causa de morte e incapacidade nas criança em todos os estados-membros os traumatismos e as lesões. O Plano de Ação para a Segurança Infantil (PASI) foi desenvolvido sob a coordenação oficial do Alto Comissariado da Saúde e coordenação técnica da APSI, com o apoio da Direção Geral de Saúde. O Relatório Europeu de Segurança Infantil referente aos 31 países envolvidos no TACTICS encontrase disponível no site da Aliança Europeia de Segurança Infantil

6 Anexo - Medidas/ações previstas no PASI, Plano de Ação para a Segurança Infantil Exemplos (organizados tendo em conta a área a que dão resposta no âmbito do Relatório de Avaliação de Segurança Infantil 2012 seleção APSI) Segurança Rodoviária Realizar acções para aumentar a taxa de uso correcto e sistemático de sistemas de retenção para crianças no automóvel Desenvolver Campanha de Sensibilização/Informação sobre a importância da utilização do cinto de segurança Desenvolver Campanha de Sensibilização/Informação sobre a importância do transporte das crianças no automóvel de costas para o sentido do trânsito Elaborar orientações técnicas para a implementação do Programa Alta Segura em todo o território nacional Desenvolver campanha de Sensibilização/Informação junto das escolas para promover a utilização correcta e sistemática de capacete pelas crianças e adolescentes Intensificar a fiscalização rodoviária no espaço peri-escolar (velocidade, estacionamento, utilização de sistemas de retenção) Propor alterações à legislação no sentido de tornar obrigatória a redução da velocidade junto de estabelecimentos educativos e zonas residenciais Identificar, analisar e disseminar os princípios e boas práticas existentes para a criação/construção de redes viárias e pedonais seguras à volta dos estabelecimentos educativos e zonas residenciais Segurança na água Criar legislação específica para o projecto e construção de piscinas Criar regulamentação para a protecção de piscinas e outros planos de água construídos em casas particulares, condomínios, aldeamentos / complexos residenciais, estabelecimentos educativos e espaços de turismo e lazer Prevenção das quedas Propor alterações ao Regulamento Geral de Edificações e Regulamentos Municipais nos requisitos para guardas de edifícios, janelas e escadas Propor actualizações às recomendações técnicas para habitação social, manuais de qualidade da segurança social e ministério da educação, nos requisitos para guardas de edifícios, janelas e escadas

7 Propor legislação que obrigue à protecção de varandas, janelas, escadas e outros desníveis em determinados edifícios (existentes) Prevenção das Intoxicações Introduzir legislação sobre a obrigatoriedade de embalagens de medicamentos com abertura resistente às crianças Reforçar a fiscalização das embalagens de produtos de utilização doméstica com abertura resistente às crianças Prevenção das queimaduras Propor alterações nos regulamentos aplicáveis, no sentido de obrigar a existência de sensores de fumo, de temperatura e de gás em habitações e criar medidas para o controlo da temperatura da água para fins sanitário em edifícios novos e em determinados edifícios (existentes) Prevenção da asfixia/estrangulamento Divulgar informação (e recomendações de segurança) sobre o risco de asfixia com alimentos, balões, sacos de plástico, bolsas de transporte, fios de estores/cortinas e cordões da roupa Transversal a várias áreas Implementar a visita domiciliária nos primeiros 4 anos de vida para avaliação de risco de acidente em ambiente doméstico e educação para a saúde/segurança Infraestruturas Promover a realização de estudos epidemiológicos e/ou de conveniência na área dos acidentes (incluindo impacto social e económico) Capacidade Técnica Integrar e actualizar conteúdos programáticos nas áreas da análise e avaliação de risco, prevenção de acidentes e primeiros socorros/suporte básico de vida, nos currículos (do ensino técnico, ensino superior) de profissões com responsabilidade e/ou intervenção na saúde e segurança das crianças e adolescentes Integrar e actualizar conteúdos sobre avaliação de risco, prevenção de acidentes e primeiros socorros/suporte básico de vida nos currículos escolares de todos os níveis de ensino

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL APSI Afogamentos de Crianças Principais Resultados 2002/2010 www.apsi.org.pt 1/6 AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL 2002 2010 RESUMO E PRINCIPAIS CONCLUSÕES I Introdução O afogamento

Leia mais

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Coordenação oficial: Coordenação técnica: Apoio: I Enquadramento O Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) enquadra-se no projecto Europeu Child

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO SOBRE SEGURANÇA INFANTIL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO SOBRE SEGURANÇA INFANTIL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO SOBRE SEGURANÇA INFANTIL 2009 Portugal As lesões e os traumatismos são a primeira causa de morte das crianças entre os 0 e os 19 anos em Portugal. Em 2005, 276 crianças e adolescentes

Leia mais

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA Sandra Nascimento 12 Julho 2010 www.apsi.org.pt Seminário Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola Castelo Branco, Julho 2011 A APSI Promover a união e

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA INFANTIL 2012 PORTUGAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA INFANTIL 2012 PORTUGAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA INFANTIL 2012 PORTUGAL As lesões e os traumatismos são a primeira causa de morte das crianças entre os 0 e os 19 anos em Portugal. Em 2009, 152 crianças e adolescentes

Leia mais

Conhecer os riscos, Criar ambientes seguros, Minimizar os acidentes

Conhecer os riscos, Criar ambientes seguros, Minimizar os acidentes 2012 2016 Conhecer os riscos, Criar ambientes seguros, Minimizar os acidentes APSI, Documento Final, Dezembro 2011 Coordenação Oficial 2 Coordenação Técnica Técnico INDICE 3 I INTRODUÇÃO 4 II PLANO DE

Leia mais

ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA

ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA ACTIVIDADE AVALIATIVA 1 ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA Ana Patrícia Silva n.º 1886 Ana Margarida n.º 1885 Bárbara Santos n. º 1993 Carolina Lobo n.º 1867 Cláudia Mendes n.º 1873 Diogo Sousa n.º 1683 Joana

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Novembro 2014

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Novembro 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS Na Europa todos os anos morrem 1500 crianças e jovens entre os 0 e os 19 anos na sequência de uma queda. Apesar de não ser a maior causa de morte nestas faixas etárias, é uma causa

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

DOCUMENTO EM CONSULTA PÚBLICA ATÉ 12 DE JULHO DE 2012 www.dgs.pt

DOCUMENTO EM CONSULTA PÚBLICA ATÉ 12 DE JULHO DE 2012 www.dgs.pt 1 2 INDICE 3 I INTRODUÇÃO 4 II PLANO DE ACÇÃO DE SEGURANÇA INFANTIL 7 1. ENQUADRAMENTO 7 2. VISÃO 9 3. ÁREAS DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIAS 10 3.1 DESIGNAÇÃO 10 3.2 ENQUADRAMENTO E ÂMBITO 10 3.3 METAS E OBJECTIVOS

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO. #SalveVidasdeCrianças

DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO. #SalveVidasdeCrianças DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO #SalveVidasdeCrianças OS FACTOS 186 300 crianças com idade < 18 anos morrem no Mundo * anualmente por lesões e traumatismos em

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades.

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. 1. As cidades A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. Na União Europeia, mais de 2/3 da população vive em áreas urbanas e 67% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu é

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

República de Angola Ministério da Educação

República de Angola Ministério da Educação República de Angola Ministério da Educação (READ) Ponto de Situação do Desenvolvimento do Sistema Nacional de Avaliação das Aprendizagens Moscovo, Rússia 30 de Setembro 2 de Outubro, 2009 I Conferência

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

A Direcção Geral da Saúde recomenda que a segurança no automóvel comece antes do nascimento.

A Direcção Geral da Saúde recomenda que a segurança no automóvel comece antes do nascimento. 001/2010 16/09/2010 Transporte de Crianças em Automóvel desde a alta da Maternidade Segurança; Crianças Todos os Serviços de Saúde Divisão de Comunicação e Promoção da Saúde no Ciclo de Vida; Dr. Vasco

Leia mais

A Década da Ação para Segurânça no Trânsito. Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil

A Década da Ação para Segurânça no Trânsito. Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil A Década da Ação para Segurânça no Trânsito Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil Por que uma Década da Ação? O problema está crescendo. Diagnóstico da Situação: Informe Mundial sobre a situação de Segurança

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 3. Fundamentos Gerais de Higiene e Segurança no Trabalho. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 3. Fundamentos Gerais de Higiene e Segurança no Trabalho. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 3 Fundamentos Gerais de Higiene e Segurança no Trabalho Formadora - Magda Sousa OBJECTIVOS Identificar os conceitos fundamentais de

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global Grupo Parlamentar Português sobre População e Cumprimentos: Desenvolvimento Assembleia da República 18 de Novembro

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal

Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal 4/6 Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal Design of a governance model for the implementation of a National Disability Strategy in Portugal 27-28

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO Seminário sobre Pobreza Urbana Maputo, 16 de Abril de 2009 RAZOES E FILOSOFIA DO PEUMM O PEUM é o primeiro plano de ordenamento urbano elaborado pelo próprio

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania R e s g a t e M i r i m Comunitário Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania 1 B E L O H O R I Z O N T E, S A N T A L U Z I A

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO O documento em apreciação realiza uma síntese adequada da quase totalidade dos temas discutidos na

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

Crise Energética e Problemas Sociais. Energética e Comportamentos sociais

Crise Energética e Problemas Sociais. Energética e Comportamentos sociais Luísa Schmidt Crise Energética e Problemas Sociais Projecto: PNAEE Eficiência Energética e Comportamentos sociais (ICS-UL, APAP, APODEMO, Quercus) Problema energético = Problema Social Porquê? - As políticas

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Agenda IGUALAÇORES 2010 Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Numa altura em que a crise económica é tema predominante e em que Portugal surge como o segundo país com

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais Dr. João Dias Coelho - Administrador da Agência Cascais Energia Supported by: YOUR LOGO OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA Promover o uso racional de energia;

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

SINTRA TAMBÉM É TUA! PROJECTO DE LONGO-TERMO/ESTRATÉGIA BREVE DESCRIÇÃO

SINTRA TAMBÉM É TUA! PROJECTO DE LONGO-TERMO/ESTRATÉGIA BREVE DESCRIÇÃO SINTRA TAMBÉM É TUA! PROJECTO DE LONGO-TERMO/ESTRATÉGIA DA DÍNAMO PARA A PARTICIPAÇÃO JUVENIL A NÍVEL LOCAL/REGIONAL SINTRA - PORTUGAL (2011-2016) BREVE DESCRIÇÃO (VERSÃO PORTUGUESA) JANEIRO 2011 DIRECÇÃO

Leia mais