PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar trabalhos em altura no SEP Sistema Elétrico de Potência.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar trabalhos em altura no SEP Sistema Elétrico de Potência."

Transcrição

1 Página: 1/44 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar trabalhos em altura no SEP Sistema Elétrico de Potência. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da Eletrobras EDEs, em serviços de campo. 3. REFERÊNCIAS Norma Brasileira NBR 5434 Redes de Distribuição Aérea Urbana de Energia Elétrica; Norma Brasileira NBR Acesso por corda Qualificação e Certificação; Norma Regulamentadora nº 6 Equipamento de Proteção Individual Ministério do Trabalho e Emprego; Norma Regulamentadora nº 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Ministério do Trabalho e Emprego; Norma Regulamentadora nº 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção Ministério do Trabalho e Emprego; Série GRIDIS nº10 Sistematização do Controle de Risco Função 611 Turmas de Redes Aéreas de Distribuição Desenergizadas. As demais normas e procedimentos não listados acima e necessários para a execução da tarefa deverão ser pesquisados e utilizados. 4. MATERIAIS NECESSÁRIOS 4.1. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Vestimenta especial para classe de risco 2; Capacete de Segurança classe B com jugular; Óculos de Proteção; Luva de Raspa; Luva de vaqueta; Luvas Isoladas de borracha para o nível de tensão adequado; Manga isolante de borracha para o nível de tensão adequado; Luva de cobertura para luva de borracha; Sapato ou Botina de Segurança para áreas com influência de eletricidade; Cinto de Segurança tipo pára-quedista; Talabarte de posicionamento; Trava-queda; Capa de proteção contra chuva.

2 Página: 2/ EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA Cones de sinalização de altura 75 cm; Escada extensível (fibra ou madeira); Escada singela (fibra ou madeira); Dispositivos de ancoragem (agulhão, gancho, fita para escada extensível e dispositivo para fixação na cabeça do poste); Fita de ancoragem 1.2mm para extensão de linha de vida; Fita de ancoragem 1.5mm para extensão de linha de vida; Freio antipânico ABS para resgate; Corda para linha de vida; Mosquetão em aço dupla trava; Vara telescópica/vara de manobra com sacola/mochila de acondicionamento; Cabeçote universal- adaptador; Sacola/mochila de acondicionar o Kit para trabalho em altura; Detector de Tensão de 1kV a 138kV (AT); Bandeirola 3x4mm com 2 ilhós e botões FERRAMENTAS E DEMAIS ITENS NECESSÁRIOS Estojo de primeiros socorros; Rádio de Comunicação; Farol de emergência; Lanterna. Os demais materiais, ferramentas, EPIs e EPCs não listados e necessários para a execução da tarefa deverão ser relacionados e utilizados de acordo com o planejamento de execução da tarefa e análise de risco no local. 5. RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES 5.1. Cabe aos gerentes, lideres e técnicos dos processos exigirem a prática deste procedimento, bem como garantir o treinamento do teor deste aos empregados envolvidos no serviço de campo Cabe aos encarregados de equipes e executores orientar, aplicar e cumprir os critérios deste procedimento. 6. IDENTIFICAÇÃO E MEDIDAS DE CONTROLE DE RISCOS E IMPACTOS Antes da execução da tarefa, deve-se realizar seu planejamento, analise preliminar de riscos (APR) e identificar os impactos ambientais, eliminando-os ou aplicando seus respectivos controles e/ou providencias cabíveis, conforme NR-10 e demais procedimentos específicos.

3 Página: 3/44 7. DISPOSIÇÕES GERAIS 7.1. Os serviços em instalações energizadas, ou em suas proximidades devem ser suspensos de imediato na iminência de ocorrência que possa colocar os trabalhadores em perigo; 7.2. O responsável pela execução do serviço deve suspender as atividades quando verificar situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação ou neutralização imediata não seja possível; 7.3. Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis; 7.4. Esta atividade poderá ser realizada, estando o circuito energizado ou desenergizado; 7.5. É obrigatório o uso do conjunto cinto pára-quedista para trabalho em altura, a partir de 2 metros; 7.6. É proibida a utilização de cinto abdominal com talabarte e cordão umbilical ou outro tipo de cinto de segurança que não seja o cinto de segurança tipo páraquedista com linha de vida, trava-quedas e talabarte regulável; 7.7. O talabarte possui uma capa protetora contra abrasão. Essa capa deve sempre ser ajustada sobre o cordame do talabarte de forma a protegê-lo da fricção contra o poste e partes metálicas das estruturas; 7.8. É proibido subir em escadas manuais antes de amarrá-las nas estruturas (poste, pontalete, armação de parede etc.), independentemente do ponto de encabeçamento da linha de vida. Além disso, nas situações em padrão e cubículos/cabines de MT, se a escada não puder ser amarrada antes da subida, um eletricista deverá segurá-la para o outro subir, desde que sua linha de vida esteja amarrada fora da escada, seguindo os procedimentos específicos; 7.9. O trava-quedas deverá ser instalado na linha de vida antes do eletricista iniciar a subida na escada, estrutura ou árvore, e assim permanecer até o retorno ao solo, independentemente do número de ancoragens feitas com a linha de vida, sendo proibido sua retirada em qualquer hipótese; A linha de vida não poderá ser utilizada por mais de um eletricista para a execução de tarefas na estrutura, a não ser para a tarefa de regaste de eletricista acidentado; No caso de trabalho utilizando cesta aérea, o eletricista deverá utilizar cinto tipo paraquedista fixando o talabarte no olhal da lança e não poderá elevar-se na cesta acima da linha da cintura.

4 Página: 4/ No caso de trabalhos utilizando escada giratória em veículo, a linha de vida e o talabarte deverão ser fixados na escada No caso de ser necessário fazer mais de uma ancoragem da linha de vida na estrutura, esta somente poderá ser feita mantendo-se uma distância máxima de 0,60m da anterior, de modo a limitar o fator de queda, sendo proibido desfazer a 1ª ancoragem da escada ou estrutura, mesmo após fazer outras ancoragens; Exemplos: 1ª ancoragem - na escada através de mosquetão, ou na estrutura, através do dispositivo próprio; 2ª ancoragem - na estrutura, no máximo 0,60m acima da 1ª ancoragem, utilizando-se estropo de nylon e/ou mosquetões; 3ª ancoragem - na estrutura, distante no máximo de 0,60m da 2ª ancoragem (totalizando 1,20m da 1ª ancoragem) e, assim, sucessivamente, se for necessário. A distância da transposição pode ficar condicionado ao talabarte passado e só será permitido depois de preparado o ponto de ancoragem utilizando estropo e sempre com o talabarte já posicionado e ancorado na estrutura Utilizar luvas, mangas e lençóis isolantes conforme procedimento específico; A linha de vida deverá ser instalada nas escadas extensíveis (manuais e veiculares) antes da execução das tarefas (dispositivo de ancoragem específico para escada), retirada no final do expediente e recolhida em sacola/mochila de lona (por motivo de conservação da mesma); É proibido pisar e ou tocar nas ferragens da estrutura (cintas, armações secundárias, ferragens de TV a cabo ou telefonia, braços de IP etc.) com a rede de BT energizada; A carretilha dupla-ação deve sempre acompanhar o executante inclusive em descidas rápidas; Somente escalar as escadas extensíveis estando elas amarradas na estrutura. Não sendo possível fazer a amarração, manter a escada segura por outro empregado posicionado no solo, excepcionalmente. Nesse caso, a linha de vida que protege o eletricista que vai subir tem que estar ancorada no poste; Para limpeza e higienização dos materiais e equipamentos devem seguir orientação do fabricante; O cinto pára-quedista, o trava-quedas, a linha de vida, o talabarte e os mosquetões de aço devem ser conservados e transportados na sacola/mochila de lona apropriada para essa finalidade; A partir do recebimento do conjunto do cinto pára-quedista, o eletricista deve vestí-lo e fazer todos os ajustes necessários no seu corpo para usufruir todo conforto e poder executar as tarefas diárias com melhor desempenho,

5 Página: 5/44 observando que o cinto é um equipamento de proteção individual e permite que o ajuste seja feito uma única vez; O talabarte ajustável pode ser passado no poste, nos degraus envolvendo os montantes/longarinas das escadas e nas estruturas (desenergizados) de SEs, logo que o eletricista atingir o ponto de trabalho; O comprimento do talabarte deve ser regulado pelo dispositivo de ajuste, conforme posicionamento do eletricista na estrutura para a execução das tarefas; Antes de colocar em uso, inspecionar o conjunto verificando as condições das seguintes partes: a) Cinto e correias de nylon: ressecamento, descosturas, rasgos/cortes, manchas de óleo/graxa; b) Ferragens: trincas, corrosão, amassados e empenos; c) Cordas: cortes, desgaste, desfiamento, sinais de podridão, limpeza. Nota: Qualquer anormalidade encontrada nas partes do equipamento que comprometa a segurança é motivo de impedimento do uso e substituição do conjunto ou partes dele Se o trava-quedas, cinto e linha de vida tiverem sido submetidos a uma operação, por ocasião de um acidente, eles devem ser retirados de serviço e submetidos à análise pelo SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho, já que as estruturas podem sofrer deformações permanentes, perceptíveis ou não, quando do travamento da queda.

6 Página: 6/44 8. DESCRIÇÃO DOS S PASSO A PASSO 8.1. QUANTO AOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Utilização de cinto pára-quedista com travamento Má conexão. Certificar-se das conexões. Passar as correias nos ombros e ajustar o seu comprimento, de forma que a parte abdominal do cinto fique posicionada sobre os quadris/nádegas. Passo 2 Má conexão. Certificar-se das conexões. Ajustar as correias inferiores ao redor das coxas, sob a virilha, de forma que elas fiquem justas, porém sem apertar e tolher os movimentos das pernas, para andar ou agachar. Má conexão. Certificar-se das conexões. Engatar as fivelas, sendo que as sobras das correias devem ser passadas nas presilhas de elástico. Passo 4 Má conexão. Certificar-se das conexões. Engatar a fivela do cinto abdominal verificando se ela está funcionando bem e se houve travamento perfeito. Passo 5 Má conexão. Certificar-se das conexões. Engatar a fivela que une as alças do suspensório na altura entre o peito e o pescoço. Passo 6 Machucar as Usar luvas de segurança; Abrir o mosquetão para mãos; Certificar-se das conexões. a fixação do travaquedas Má conexão. e passar nos quatro olhais de nylon obedecendo a ordem seja no sentido horário ou anti-horário. Sendo dois olhais na parte abdominal do cinto e dois nas alças do

7 Página: 7/44 suspensório. Passo 7 Conferir o travamento do mosquetão. Má conexão. Certificar-se das conexões Utilização de talabarte de posicionamento Machucar as Usar luvas de segurança; Passar o mosquetão na mãos. Certificar-se das conexões. trava metálica do Má conexão; talabarte regulável (foto 1) e fixá-lo numa das argolas metálicas do cinto (foto 2) lado direito ou esquerdo, se o eletricista for destro ou canhoto. Foto 1 Passagem do mosquetão na trava metálica Passo 2 Machucar as Conferir o mãos; funcionamento das Má conexão. travas do mosquetão do talabarte acionandoas algumas vezes e verificando se o mecanismo funciona adequadamente. Detalhe: se o acionamento das travas não for eficiente, não colocá-lo em serviço e substituí-lo. Foto 2 Fixação do mosquetão na argola do cinto Usar luvas de segurança; Certificar-se das conexões.

8 Página: 8/44 Passar o mosquetão do talabarte regulável na alça do cinto. Detalhes: a) O mosquetão deve permanecer passado na alça do cinto para o eletricista se deslocar na área de trabalho, na subida e descida das estruturas; b) Para o posicionamento na estrutura, o mosquetão (gancho) deve ser engatado na argola do cinto de fora para dentro para facilitar a sua retirada, no caso de resgate do eletricista no alto da estrutura. Passo 4 Posicionar a capa de proteção do talabarte na área de contato com o poste. Passo 5 Regular o talabarte para a posição de trabalho. Detalhes: a) Para afastar, puxa alavanca; b) Para aproximar, puxa a corda para frente. Eletricista Machucar as mãos; Má conexão. Machucar as mãos. Machucar as mãos; Má conexão. Usar luvas de segurança; Certificar-se das conexões. Usar luvas de segurança. Usar luvas de segurança; Certificar-se das conexões Utilização do Trava-quedas Engatar o trava-quedas no mosquetão já fixado nas alças do cinto páraquedista, Machucar mãos. as Usar luvas de segurança. próximo ao estômago do eletricista (foto 1). Detalhes: a) O eletricista deve realizar este passo

9 Página: 9/44 estando no solo, junto da estrutura onde vai subir; b) A fixação do travaquedas ao cinto páraquedista deve ser feita através das quatro argolas situadas na altura do peito do eletricista para oferecer maior dissipação de energia de impacto e, sempre que possível, o travaquedas deve ficar posicionado na linha de vida acima ou na altura do peito do eletricista. Passo 2: Deslocar a trava de segurança do travaquedas e abri-lo, destorcendo o parafuso (foto 2). Detalhe: A seta gravada no interior do trava-quedas indica o sentido da sua instalação em relação à linha de vida (foto 3). Machucar as mãos. Usar luvas de segurança. Trava de segurança Parafuso de abertura Foto 1 Engate do trava-quedas no Foto 2 Abertura do trava-quedas mosquetão Machucar as Usar luvas de segurança. Inserir a linha de vida mãos. no trava-quedas e fechá-lo, apertando o parafuso e acionando a trava de segurança (foto 4).

10 Página: 10/44 Foto 3 Seta indicando o sentido da linha Foto 4 Linha de Vida no trava-quedas de vida Passo 4: Machucar as Usar luvas de segurança. Posicionar corretamente mãos. a alavanca de travamento para a subida (foto 6) do eletricista na estrutura e, também, para o posicionamento para o trabalho, no alto (foto 5). Passo 5: Posicionar corretamente a alavanca de travamento somente para a descida do eletricista do alto da estrutura (foto 6). Machucar as mãos. Usar luvas de segurança. Foto 5 Trava-quedas travado Foto 6 Trava-quedas destravado Para Subir: Queda do Executar a tarefa com cuidado; Instalar a linha de vida na dispositivo de Usar os EPIs adequados. estrutura. ancoragem; Machucar cabeça e mãos. Passo 2 Machucar as mãos. Usar o EPI adequado. Postar-se junto à estrutura e instalar o trava-quedas na linha de

11 Página: 11/44 vida. Trocar posição. Ter atenção. Colocar a alavanca do trava-quedas na posição destravada (foto 6). Passo 4 Tropeçar nos Ter calma e atenção. Conferir a conexão do degraus da escada. trava-quedas nas alças do cinto, as fivelas e correias e iniciar a escalada utilizando escadas. Detalhes: a) Durante a subida, deixar o trava- quedas escorregar pela linha de vida, podendo puxá-lo com as mãos, se necessário, mas nesse caso, para puxar o trava quedas com a mão deve-se interromper momentaneamente a subida até a colocação do trava quedas na nova posição; b) No alto, posicionar-se para o trabalho, levar o trava-quedas até um ponto da linha de vida no mesmo nível ou acima do peito, se possível; c) Elevar ao máximo o trava-queda para diminuir o espaço de queda. Passo 5 Passar talabarte no travessão regulável na estrutura ou escada (envolvendo degrau e longarina) e engatar o mosquetão na argola do cinto. Machucar as mãos. Usar luvas de segurança. Para Descer: Trocar posição. Ter atenção. Colocar a alavanca do trava-quedas na posição destravada (foto 6)

12 Página: 12/44 Passo 2 Retirar o talabarte do poste/estrutura/escada e engatar o mosquetão dupla-trava na argola metálica do cinto. Desfazer as conexões do trava-quedas com a linha de vida. Machucar as mãos. Usar o EPI adequado. Machucar as mãos; Trocar posição. Usar o EPI adequado; Ter atenção. Detalhes: a) O eletricista deve realizar este passo estando no solo, junto da estrutura; b) Se for subir novamente na mesma estrutura, pode-se deixar o travaquedas preso na linha de vida, soltando o trava-quedas do mosquetão do cinto pára-quedista QUANTO À ESCADA Procedimentos para Transporte Manual e Posicionamento da Escada Lesão corporal. Adotar técnica e postura correta Retirar a escada do para levantamento de peso. veículo Passo 2 Transportar a escada para o local de serviço. Detalhes: a) O transporte da escada para o ponto de trabalho deve ser feito por dois eletricistas, que a colocarão sobre os ombros, sempre fechada e com os degraus na posição vertical; b) Os eletricistas, equipados com luvas de raspa, devem Lesão corporal. Adotar técnica e postura correta para levantamento de peso.

13 Página: 13/44 apoiar as partes da escada próximas às extremidades sobre seus ombros, do mesmo lado. Analisar onde será apoiada a escada. Detalhe: Antes do posicionamento das escadas nos postes, cruzetas, equipamentos ou arvores, devem ser atentamente analisadas, para cada tipo de serviço, como e onde elas deverão ser colocadas. Esta análise prévia facilitará bastante o desenvolvimento dos trabalhos, pois o mau posicionamento de uma escada conduzirá diretamente a um mau posicionamento do eletricista e este desenvolverá seu trabalho com insegurança e desconforto. Passo 4 Elevar a escada para a posição vertical. Detalhe: um eletricista posiciona a base da escada no chão segurando-a e o outro eletricista segura a outra extremidade da escada se posicionando para ir de encontro ao colega, elevando a escada com as mãos. Passo 5 Estender a escada. Atropelamento do eletricista; Ofuscamento da visão ao olhar em direção ao sol; Queda da escada; Lesão corporal. Queda da escada; Lesão corporal; Lesão nas mãos. A análise deve ser realizada com o eletricista posicionado no passeio ou em via publica, desde que seja dentro da área sinalizada; Utilizar óculos de segurança. Segurar firmemente a escada; Adotar técnica e postura correta para levantamento de peso; Adotar técnica e postura correta para levantamento de peso. Segurar firmemente a escada; Adotar técnica e postura correta para levantamento de peso; Manter os dedos afastados da área de deslocamento da parte móvel da escada; Usar corda para estender a parte móvel da escada e observar o seu travamento;

14 Página: 14/44 Passo 6 Apoiar a escada no ponto de trabalho. Detalhes: a) Os pés da escada devem ficar afastados da base do poste, aproximadamente ¼ da altura do ponto de apoio superior da escada (figura 1) e limitada em 2,m; b) Nos postes em que for necessário que dois ou mais eletricistas trabalhem num mesmo ponto da rede, cada qual deverá utilizar uma escada; c) Não se deve apoiar a escada nos condutores, exceto quando existir para isso um cabo mensageiro ou tirante para apoio e amarração da mesma. Queda da escada. Lesão corporal. Escada e eletricista serem atingidos por veículo; Manter os pés afastados da área de deslocamento da parte móvel da escada; Observar a trajetória da escada mantendo atenção voltada para seu topo. A escada deve estar segura pelo ajudante e deve ser colocada na posição que mais facilite o trabalho; As bases dos montantes devem ser apoiadas no solo; evitando calçá-las com pedras e/ou pedaço de madeiras; Adotar técnica e postura correta para levantamento de peso; A base da escada deve ser colocada, de preferência, sobre o passeio e, somente depois de esgotadas todas as hipóteses, a escada será colocada na pista de rolamento tomando-se todas as precauções no sentido de evitar que seja atingida por veículo. Passo 7 Efetuar a amarração da escada no porte / estrutura. Detalhes: Figura 1- Posicionamento da escada Para poste SEM Para poste SEM obstáculos, obstáculos, conforme item 8.7; conforme item Para poste COM obstáculos, 8.7; conforme item 8.8 (sem gancho) ou Para poste COM item 8.9 (com gancho). obstáculos,

15 Página: 15/44 a) Para poste SEM obstáculos, proceder conforme passos descritos no item 8.7; b) Para poste COM obstáculos, proceder conforme passos descritos no item 8.8 (sem gancho), item 8.9 (com gancho). conforme item 8.8 (sem gancho) ou item 8.9 (com gancho) Tipos de Nós utilizados para amarração Execução de Nó Oito Simples Este tipo de nó é utilizado em situações gerais Execução de Nó Oito Duplo É um nó que pode ser feito em qualquer ponto da corda, dobrando-a no trecho escolhido para a sua execução Execução de Nó Fiel (conhecido como nó-de-porco ) É um nó aplicado tanto no meio como nas extremidades da corda e serve como ponto de

16 Página: 16/44 fixação de confecção rápida Execução de Nó Oito Guiado É preciso ser executado na extremidade da corda e é mais utilizado para ancoragens em árvores, colunas de concreto ou lugares onde é necessária uma alça aberta para lançar a ancoragem Execução de Nó Pescador duplo É um nó recomendado para unir as pontas de duas cordas ou cordins de mesmo diâmetro Execução de Nó Blocante Uma corda fina é enrolada em espiral ao redor da corda principal, de trabalho, segurança ou resgate. Se uma força ou peso é aplicado ao nó, as voltas se apertam num efeito constritor

17 Página: 17/44 que impede o deslizamento da corda. Sem carga, o nó afrouxado pode ser deslocado ao longo da corda Execução de Nó de segurança dinâmica É um nó que substitui o freio em várias aplicações, sendo um nó deslizante que funciona por atrito, utilizado sempre em conjunto com um mosquetão (com trava).

18 Página: 18/ Tipos de Amarração Passar a ponta da corda entre o estribo e o degrau da escada (foto 1) Procedimento de Fixação da Corda de Serviço na Escada (em caso de poste com obstáculo). Má fixação da corda. Passo 2 Enlaçar o montante e voltando a ponta da corda por cima do estribo (foto 2). Má fixação da corda. Foto 1 Passagem da corda na escada Entrar com a ponta da corda pelo espaço formado (foto 3). Passo 4 Puxar a ponta até o fechamento total do nó (foto 4). Má fixação da corda. Má fixação da corda. Foto 2 Passagem da corda na escada Foto 3 Passagem da corda no espaço formado Passo 5 Ajustar o nó puxando uma ponta para cima e outra para baixo (foto 5). Passo 6 Junte as cordas (foto 6) Má fixação da corda. Má fixação da corda. Foto 4 Ponta da corda até o fechamento do nó

19 Página: 19/44 Foto 5 Ajuste do Nó Passo 7 Segurar com uma mão e com a outra dá no mínimo três voltas com a ponta em torno da outra corda (foto 7). Passo 8 Voltando a ponta por dentro das voltas feitas finalizando o nó (foto 8). Passo 9 Finalizar o nó fiel com um nó de Pescador (foto 9) Má fixação da corda. Má fixação da corda. Má fixação da corda. Foto 6 Cordas juntas Foto 7 Três voltas em torno da corda Foto 8 Ponta da corda por dentro das três voltas. Foto 9 Nó finalizado

20 Página: 20/ Procedimentos para Amarração de Escada em Poste sem Obstáculo (lançamento da corda com as mãos, sem uso de bastões) Encostar a escada na estrutura Queda da escada; Lesão corporal; A escada deve estar segura pelo ajudante e deve ser (foto 1); Escada e colocada na posição que eletricista serem mais facilite o trabalho; atingidos por As bases dos montantes veículo. devem ser apoiadas no solo; evitando calçá-las com pedras e/ou pedaço de madeiras; Adotar técnica e postura correta para levantamento de peso. A base da escada deve ser colocada, de preferência, sobre o passeio e, somente depois de esgotadas todas as hipóteses, a escada será colocada na pista de rolamento tomando-se todas as precauções no sentido de evitar que seja atingida por veículo. Passo 2 Queda do Verificar onde pisa. Passar a corda por trás da eletricista no estrutura (foto 2);. mesmo nível. Foto 1 Escada encostada na estrutura Foto 2 Corda por trás da estrutura Fazer uma laçada envolvendo o montante da escada (foto 3). Queda do eletricista no mesmo nível. Verificar onde pisa.

21 Página: 21/44 Passo 4 Finalizar com o nó Carioca/caminhoneiro (foto 4). Má fixação da corda. Foto 3 Laçada pelo montante da escada Foto 4 Finalização com nó Procedimentos para Amarração de Escada (que não possui gancho no montante/ longarina) em Poste com Obstáculo (Árvores, Ramais de Ligação, etc.) Má fixação da corda. Folgar o nó Fiel (foto 1). Passo 2 Passar o nó de pescador por dentro do nó fiel (foto 2). Má fixação da corda. Foto 1 Folga no nó Fazer um laço (foto 3). Passo 4 Puxar a corda (foto 4); Foto 2 Nó pescador por dentro do nó fiel Má fixação da corda. Má fixação da corda.

22 Página: 22/44 Foto 3 Laço na corda Passo 5 Colocar o laço entre os dois montantes (foto 5). Passo 6 Encostar a escada na estrutura (foto 6). Foto 4 Laço puxado Má fixação da corda. Queda da escada; Lesão corporal; Escada e eletricista serem atingidos por veículo. A escada deve estar segura pelo ajudante e deve ser colocada na posição que mais facilite o trabalho; As bases dos montantes devem ser apoiadas no solo; evitando calçá-las com pedras e/ou pedaço de madeiras; Adotar técnica e postura correta para levantamento de peso; A base da escada deve ser colocada, de preferência, sobre o passeio e, somente depois de esgotadas todas as hipóteses, a escada será colocada na pista de rolamento tomando-se todas as precauções no sentido de evitar que seja atingida por veículo. Foto 5 Laço nos montantes Passo 7 Usar a vara telescópica, pegar o laço e passar por trás da estrutura. (foto 7). Foto 6 Escada encostada na estrutura Má fixação da corda.

23 Página: 23/44 Passo 8 Prender o laço no gancho fixado no montante da escada. (foto 8). Má fixação da corda. Foto 7 Vara telescópica pegando o laço. Foto 8 Laço no montante da escada Nota 1: Para trabalhos em altura em árvore, seguir procedimentos descritos no POP Poda de Árvore Procedimentos para Amarração de Escada (que possui gancho no montante/ longarina) em Poste com Obstáculo (Árvores, Ramais de Ligação Etc.) Má fixação da corda. Içar a escada com uma sobra na corda para que possa ser pescada pelo bastão (foto 1). Passo 2 Pescar a corda com o bastão (foto 2). Má fixação da corda. Foto 1 Corda a ser pega por bastão Foto 2 Bastão pegando a corda

24 Página: 24/44 Contornar o poste levando a corda presa no pino do cabeçote (foto 3 e 4). Queda do eletricista no mesmo nível. Olhar onde pisa. Foto 3 Corda contornado o poste Passo 4 Passar a corda no gancho (foto 5). Foto 4 Corda contornado o poste Má fixação da corda. Passo 5 Passar a corda sobre o montante da escada (foto 6). Detalhe: Após passar a corda sobre o montante da escada, esticar a corda, conferir o posicionamento da escada na estrutura, verificar o ângulo de inclinação em relação ao solo (cerca de 75 ) e finalizar a amarração com um nó paulista dado nos degraus inferiores. Má fixação da corda. Foto 5 Corda no gancho Foto 3 Corda pelo montante da escada

25 Página: 25/ QUANTO AOS ELEMENTOS DO KIT PARA TRABALHO EM ALTURA Procedimentos para Instalação de Linha de Vida com Gancho (Utilização em Mão Francesa). Má fixação do Executar corretamente o passo. Colocar o mosquetão mosquetão. oval no segundo olhal da base do gancho e fechálo (foto 1). Passo 2 Passar a ponta da corda linha de vida por dentro do mosquetão (foto 2). Má fixação da corda. Foto 1 Mosquetão no segundo olhal Foto 2 Passagem da linha de vida pelo mosquetão Fazer o nó oito duplo na ponta da corda linha de vida (foto 3). Passo 4 Colocar o gancho no cabeçote da vara com a abertura contrária a ponteira do cabeçote (foto 4). Má fixação da corda. Queda do dispositivo de ancoragem. Fixar corretamente a ancoragem.

26 Página: 26/44 Foto 3 Nó oito duplo na ponta da corda. Foto 4 Gancho no cabeçote da vara Passo 5: Elevar a vara até a altura desejada e fixar o gancho no ponto de ancoragem desejado (foto 5). Passo 6: Fazer a fixação da ponta da corda no penúltimo degrau da escada com o nó Fiel (foto 6). Passo 7 Com a outra parte da corda faça o tencionamento do sistema integrado (foto 7) Queda do dispositivo de ancoragem. Fixar corretamente a ancoragem. Má fixação da corda. Má fixação da corda. Foto 5 Fixação do gancho. Foto 6 Amarração da corda

27 Página: 27/44 Foto 7 Tencionamento do sistema integrado Procedimentos para Instalação de Linha de Vida Tipo Agulhão (Utilização em Poste Duplo T ou Estruturas contendo orifícios) Fazer o enforcamento da Má fixação. fita de ancoragem de 1,20m no olhal do Agulhão (foto 1). Passo 2 Na outra ponta da fita prender o mosquetão e a polia e passar a corda linha de vida por dentro do mosquetão (foto 2). Má fixação. Foto 1 Enforcamento da fita de ancoragem Foto 2 Mosquetão preso na extremidade da fita de ancoragem. Má fixação da corda. Em seguida fazer o nó oito duplo na ponta da corda linha de vida Passo 4 Queda do dispositivo Executar a tarefa com cuidado. Colocar o Agulhão no de ancoragem. cabeçote da vara com a ponta contraria a ponteira do cabeçote

28 Página: 28/44 Passo 5 Elevar a vara até a altura desejada e fixar o Agulhão no orifício do poste desejado (foto 3). Passo 6 Fazer a fixação da ponta da corda no penúltimo degrau da escada com o nó Fiel (foto 4). Passo 7 Com a outra parte da corda faça o tencionamento do sistema integrado (foto 5). Queda do dispositivo de ancoragem. Executar a tarefa com cuidado. Má fixação da corda. Má fixação da corda. Foto 3 Fixação do agulhão Foto 4 Amarração da corda Foto 5 Tencionamento do sistema integrado

29 Página: 29/ Procedimentos para Instalação de Linha de Vida em Fita para Ancoragem (Utilização Em Escada Extensível) Má fixação do Coloque a fita para dispositivo de ancoragem entre o estribo ancoragem. e o degrau (foto 1). Passo 2 Coloque os anéis maiores nos montantes passando por debaixo do estribo (foto 2). Má fixação do dispositivo de ancoragem. Foto 1 Fita para ancoragem entre o estribo e o degrau Colocar os anéis menores nos montantes por cima do estribo (foto 3); Foto 2 Passagem da fita por debaixo do estribo Má fixação do dispositivo de ancoragem. Passo 4 Juntar os anéis com o velcro, prendendo junto ao estribo e passar a linha de vida pelo mosquetão fixado na ponta da fita (foto 4). Passo 5 Prender a ponta da corda linha de vida no penúltimo degrau da escada com um nó fiel (foto 5). Má fixação do dispositivo de ancoragem. Má fixação do dispositivo de ancoragem.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/7 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para instalação e substituição de pára-raios em tanque de transformador, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de chave fusível e chave faca, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore. Página: 1/25 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da

Leia mais

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA Autor Carmelindo Monteiro Neto COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ - COELCE RESUMO Este trabalho apresenta metodologias bastante simples de instalação de linha de vida

Leia mais

TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS

TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS 1 TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS P 1 - ADEQUAÇÃO DA ÁREA DE TRABALHO E INSPEÇÃO DE FERRAMENTAS, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NA ARENA. T 1 - ABERTURA

Leia mais

Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da Eletrobras - EDEs em serviços de campo.

Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da Eletrobras - EDEs em serviços de campo. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para inspeção de postes em redes de distribuição Rural e Urbana em média e baixa tensão, visando garantir a uniformidade,

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar poda de arvores em rede energizada.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar poda de arvores em rede energizada. Página: 1/14 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar poda de arvores em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 1/9 1. Objetivo Estabelecer critérios para inspeção, transporte e conservação de ferramentas, equipamentos de proteção individual e coletiva, utilizados pelos eletricistas de iluminação pública. 2. Aplicação

Leia mais

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de pára-raios em rede energizada.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de pára-raios em rede energizada. Página: 1/14 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de pára-raios em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002 Página 1 de 14 1. OBJETIVO Fornecer ao candidato as instruções necessárias para execução do exame prático de Acesso por Corda de acordo com o Sistema de Certificação ANEAC. 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS - NAC-005

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

Manual para trabalhos em altura.

Manual para trabalhos em altura. Manual para trabalhos em altura. Montagem de andaimes. O trabalho de montagem de andaimes possui características peculiares, pois em geral, os pontos de ancoragem são o próprio andaime, o que requer uma

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. Modelo: BALANCIM INDIVIDUAL GUINCHO DE CABO PASSANTE

MANUAL DE OPERAÇÃO. Modelo: BALANCIM INDIVIDUAL GUINCHO DE CABO PASSANTE MANUAL DE OPERAÇÃO Balancim Individual do Tipo Cadeirinha Mecânica Cabo Passante O Balancim Individual Manual AeroAndaimes é um equipamento para movimentações verticais realizadas através do guincho de

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013 Catálogo Eletrônico Email: montich@ 2013 APRESENTAÇÃO A MONTICH ENGENHARIA, fundada em julho de 2013, com sede própria, hoje é especializada diretamente no seguimento de Fabricação, Projetos e Instalações

Leia mais

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente.

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente. ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE REFORMA, CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTINA DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÃO E USINAS 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva.

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva. NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA 2ª EDIÇÃO JULHO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PREVENÇÃO DO RISCO DE QUEDA EM ALTURA EM APOIOS E FACHADAS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PREVENÇÃO DO RISCO DE QUEDA EM ALTURA EM APOIOS E FACHADAS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PREVENÇÃO DO RISCO DE QUEDA EM ALTURA EM APOIOS E FACHADAS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. PO 1 - ACESSO A POSTO EM ALTURA COM ESCADA PORTÁTIL FACHADAS

Leia mais

Encarregado. Encarregado e Eletricistas

Encarregado. Encarregado e Eletricistas 1/11 Passo 01: Receber a ordem de serviço e formulário de preenchimento dos serviços executados. Passo 02: Planejar a execução da tarefa: - Separar materiais e ferramentas necessários para a execução da

Leia mais

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/9 0I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo Orientar sobre a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança para todos que

Leia mais

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA manual TÉCNICO BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA Sumário Balancim Individual - Cadeirinha...03 Instrução de Montagem...05 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização da NR-18...11 Balancim Individual -

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas

Leia mais

ANCORAGEM SEGURA: utilização da escada como elemento de instalação de linha de vida

ANCORAGEM SEGURA: utilização da escada como elemento de instalação de linha de vida ANCORAGEM SEGURA: utilização da escada como elemento de instalação de linha de vida Autores Cláudio Rene Garcia de Souza Jefferson Gomoes Lopes Vivian Cardoso Ribeiro da Silva COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Instalar o conjunto de içamento Eletricista

Instalar o conjunto de içamento Eletricista 1/5 Seguir o POP-IP 001.01.02 Regras Básicas do de Iluminação Pública Passo 01: Executar os passos 01 a 13 do POP-IP 001.01.03 Diretriz do eletricista de Passo 02: Escalar o poste com auxílio de escada

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL:

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL: 1.0 - OBJETIVO: Estabelecer procedimentos seguros para montagem, desmontagem e utilização de andaimes, em serviços de manutenção nas áreas da fábrica. 2.0 - APLICAÇÃO: Este procedimento se aplica à montagem,

Leia mais

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RICARDO INFORZATO GREJO 1 JOSÉ JOÃO BARRICO 2 RESUMO O investimento em tecnologias modernas é fundamental para a melhoria

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO E SEGURANÇA BALANCIM MANUAL TIPO CABO PASSANTE

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO E SEGURANÇA BALANCIM MANUAL TIPO CABO PASSANTE PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO E SEGURANÇA BALANCIM MANUAL TIPO CABO PASSANTE Os Andaimes Suspensos da AeroAndaimes, são caracterizados por serem versáteis, proporcionando movimentações rápidas e

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO.

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 ALTISEG, A PRIMEIRA EMPRESA BRASILEIRA DE SEGURANÇA EM ALTURA A POSSUIR O SELO DE CONFORMIDADE INMETRO. CUSTON custon pro 1180147-1 (P-M) 1180149-2

Leia mais

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883 REGULAGEM DA CORRENTE A tensão da corrente estará correta, quando em temperatura ambiente, a corrente encostar na parte inferior do sabre e ainda puder ser puxada com a mão sobre o mesmo. CORTE DE TORAS

Leia mais

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES \\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES FLEX MACA FLEX ATENÇÃO NÃO PERMITIR CONTATO COM MATERIAIS CORROSIVOS OU AGRESSIVOS. MANTER MACA E COMPONENTES AFASTADOS DE FONTES DE CALOR. INSPECIONAR

Leia mais

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Técnicas de escalada, movimentação e salvamento em estruturas elevadas de subestações

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Gestão de Contratos Service/Qualidade Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Administrativo

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS 1. EPI s (Equipamentos de Proteção Individuais): Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

Não devemos esquecer que a escolha dos equipamentos deverá, em qualquer situação, garantir conforto e segurança ao trabalhador nas três operações:

Não devemos esquecer que a escolha dos equipamentos deverá, em qualquer situação, garantir conforto e segurança ao trabalhador nas três operações: TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS O objetivo deste informativo é apresentar, de forma simples, as quatro escolhas básicas que deverão ser feitas para especificação de um conjunto de equipamentos, exigidos

Leia mais

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura 2ª edição Realização: Curitiba Set/2011 A reprodução

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv

ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria MTE n.º 593, de 28 de abril

Leia mais

TRABALHO EM ESTRUTURAS ESPACIAIS

TRABALHO EM ESTRUTURAS ESPACIAIS TRABALHO EM ESTRUTURAS ESPACIAIS INTRODUÇÃO: O crescente desenvolvimento das técnicas de montagem das estruturas espaciais torna, a cada dia, mais rápida a colocação das colunas e vigas, porém, os atuais

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS v 1.5

CATÁLOGO DE PRODUTOS v 1.5 CATÁLOGO DE PRODUTOS v 1.5 LEIA O MANUAL COM ATENÇÃO A Bonier é uma empresa especializada no desenvolvimento de equipamentos de segurança e resgate. Temos como princípio a qualidade dos produtos, o design,

Leia mais

TÉCNICO. manual ANDAIME MINIPLATAFORMA ULTRALEVE

TÉCNICO. manual ANDAIME MINIPLATAFORMA ULTRALEVE manual TÉCNICO ANDAIME MINIPLATAFORMA ULTRALEVE Sumário Andaime Suspenso Miniplataforma Ultraleve...03 Instrução de Montagem...04 Opções de Instalações...08 Recomendações de Instalação...09 Norma Regulamentadora

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA Obs: 1- A Portaria MTE 593/2014 entra em vigor na data de sua publicação(28.04.2014), com exceção dos itens 2.1, alínea "b", e 3.2 do Anexo I - Acesso

Leia mais

Manual do Locatário ANDAIME TUBULAR Instruções para Instalação e Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO ANDAIMES Andaimes são estruturas metálicas tubulares para acesso à altura para trabalho aéreo

Leia mais

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado.

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. Com o objetivo de oferecer soluções cada vez mais eficazes para

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 201 DE 21 DE JANEIRO DE 2011 (D.O.U. de 24/01/2011 Seção 1 págs 100 e 101) Altera a Norma Regulamentadora n.º 18, aprovada

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

manual TÉCNICO BALANCIM ULTRALEVE 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO BALANCIM ULTRALEVE 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO BALANCIM ULTRALEVE Sumário Balancim Ultraleve...03 Componentes do Andaime Suspenso...04 Plataformas Retas...05 Instrução de Montagem...06 Balancim em L...07 Opções de Instalações...13 Recomendações

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança 80 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP QUADRO DEMONSTRATIVO DAS ETAPAS DE SEGURANÇA: Objetivo: Padronizar os procedimentos de segurança Inspeção Geral em TP

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 1.Cesto aéreo é um equipamento de trabalho móvel, para trabalho em altura, destinado a transportar um ou mais trabalhadores, para atividades ou acesso em locais de uma obra,

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01)

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) 1 - É proibida a utilização de equipamentos de guindar para o transporte de pessoas, em cesto aéreo suspenso, exceto nos casos de operação assistida, nos seguintes

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Principais atualizações nas normas de EPI para o trabalho em altura

Principais atualizações nas normas de EPI para o trabalho em altura Principais atualizações nas normas de EPI para o trabalho em altura Estrutura antes da atualização NBR 11370:2001 Cinturão e talabarte de segurança NBR 14626:2000 Trava queda guiado em linha flexível NBR

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA VALIDADE DO CADASTRO - ANUAL. REQUISITOS TÉCNICOS Introdução Este documento tem como objetivo orientar prestadores de serviços de Construção ou reformas de redes de distribuição e Iluminação Pública, no

Leia mais

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O 18.15. Andaimes. 18.15.1.1 Os projetos de andaimes do tipo fachadeiro, suspensos e em balanço devem ser acompanhados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica. (Nova redação dada pela Portaria

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Alicate de Compressão Mecânica MD6 O alicate mecânico MD6 é uma ferramenta projetada para a instalação de conectores, luvas de emenda e outros tipos de conectores de compressão, permitindo

Leia mais

Encarregado e Eletricistas

Encarregado e Eletricistas 1/11 Item: 1 Passo: Planejar Ao tomar conhecimento da Ordem de Serviço o Encarregado deve junto com os eletricistas: - Verificar se o veículo, equipamento e ferramental disponíveis estão em boas condições

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais