UM ESTUDO SOBRE MODELOS DE ACÚMULO DE DANO EM FADIGA UNIAXIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO SOBRE MODELOS DE ACÚMULO DE DANO EM FADIGA UNIAXIAL"

Transcrição

1 PROJETO DE GRADUAÇÃO UM ESTUDO SOBRE MODELOS DE ACÚMULO DE DAO EM FADIGA UIAXIAL Por, Adré Perez Jauzzi Brasília, 9 de juho de 0.

2 UIVERSIDADE DE BRASILIA Faculdade de Tecologia Departameto de Egeharia Mecâica PROJETO DE GRADUAÇÃO UM ESTUDO SOBRE MODELOS DE ACÚMULO DE DAO EM FADIGA UIAXIAL POR, Adré Perez Jauzzi Relatório submetido como requisito parcial para obteção do grau de Egeheiro Mecâico. Baca Examiadora Prof. Fábio Comes de Castro, UB/ EM (orietador) Prof. Jorge L. A. Ferreira, UB/ EM Prof. Edgar obuo Mamiya, UB/ EM Brasília, 9 de juho de 0 ii

3 RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo, a partir dos modelos de Palmgre (94) & Mier (945), Subramaya (976) e Lemaitre-Chaboche (987), produzir uma aálise comparativa de modelos uiaxiais de acúmulo de dao por fadiga sob carregametos de blocos de amplitude costate. Sedo a falha por fadiga o tipo mais frequete de problema observado em estruturas e compoetes mecâicos, desde o fial do século XVII pesquisadores buscam modelos para prever a vida de tais estruturas e compoetes. Tomado como base os dados experimetais obtidos a literatura a partir de Maso et al. (967), Subramaya (976) e Pavlou (003), o procedimeto de aálise dos modelos realizado este trabalho cosiste a comparação da previsão de vida estimada frete à vida observada experimetalmete. ABSTRACT This research aims at producig a comparative aalysis of uiaxial models of fatigue damage accumulatio uder loads of costat amplitude blocks, based o the models of Palmgre (94) & Mier (945), Subramaya (976) ad Lemaitre-Chaboche (987). Beig the fatigue failure the most frequet type of problem observed i structures ad mechaical compoets, sice the ed of the 7th cetury researchers have attempted to fid models to predict the lifetime of such structures ad compoets. Assumig the experimetal data from the studies of Maso et al. (967), Pavlou (003) ad Subramaya (976) as a basis for this work, the procedure for aalyzig those models cosists of cotrastig the lifetime predictios to the lifetime experimetally observed. iii

4 SUMÁRIO. ITRODUÇÃO..... OBJETIVO..... MOTIVAÇÃO ORGAIZAÇÃO DO TRABALHO.... COCEITOS BÁSICOS SOBRE FADIGA MECAISMOS DE DAO POR FADIGA METODOLOGIAS DE PROJETO À FADIGA Projeto para vida segura (Safe-life desig) Projeto para tolerâcia ao dao (Damage tolerat desig) Projeto para falha segura (Fail-safe desig) METODOLOGIA DE PROJETO PARA VIDA SEGURA DEFIIÇÃO DE PARÂMETROS DE CARREGAMETO CURVA S EFEITO DA TESÃO MÉDIA MODELOS DE ACÚMULO DE DAO DEFIIÇÃO DO COCEITO DE DAO POR FADIGA MODELO DE PALMGRE-MIER MODELO DE DAO DE MARCO E STARKEY MODELO DE DAO DE SUBRAMAYA MODELO DE DAO DE LEMAITRE-CHABOCHE Aplicação em carregametos de dois blocos de amplitude costate DADOS EXPERIMETAIS OBTIDOS A LITERAURA DADOS EXPERIMETAIS OBTIDOS POR MASO ET AL Composição química dos aços Corpos de prova Propriedades mecâicas mootôicas Curva S Esaios com dois blocos de carregameto DADOS EXPERIMETAIS OBTIDOS POR SUBRAMAYA Composição química dos aços Corpos de prova Propriedades mecâicas mootôicas Curva S Esaios com dois blocos de carregameto DADOS EXPERIMETAIS OBTIDOS POR PAVLOU Curva S Esaios com dois blocos de carregameto VALIDAÇÃO COCLUSÕES REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS AEXOS... 5 AEXO I: DADOS EXPERIMETAIS DE MASO ET AL. (967)... 5 iv

5 LISTA DE FIGURAS Figura. Esquema de carregameto Solo Ar Solo para aeroaves (Stephes et al., 00).... Figura. (a) Formação das badas de deslizameto em um grão metálico sob solicitação cíclica. (b) Estágios de propagação de uma trica por fadiga (Stephes et al., 00) Figura 3. Iiciação de trica por fadiga em liga de alumíio 7475-T765 (Stephes et al., 00) Figura 4. Parâmetros de carregameto correspodetes a uma história de tesão de amplitude costate Figura 5. Curvas S- típicas para metais ferrosos e ão-ferrosos Figura 6. Curvas S- para diferetes valores de tesão média, (Stephes et al., 00) Figura 7. Represetação esquemática de um diagrama de Haigh Figura 8. Gráfico de comparação dos critérios de falha para efeito de tesão média.... Figura 9. Ilustração de um carregameto de um bloco de amplitude costate e curva S-.. 3 Figura 0. Dao versus Razão de Vida para o modelo de Palmgre-Mier... 3 Figura. Carregameto formado por múltiplos blocos de amplitude costate Figura. Esquema ilustrativo para Razão de Vida para amplitude versus Razão de Vida para amplitude Figura 3. a) Dao versus a razão de ciclos para carregameto decrescete ( > ). b) Dao versus a razão de ciclos para carregameto crescete > Figura 4. Ilustração do coceito de reta de dao costate (liha tracejada) utilizada o modelo de dao de Subramaya Figura 5. Parâmetros associados a lihas de dao para carregameto com dois blocos de amplitude costate Figura 6. Carregameto formado por dois blocos de amplitude costate Figura 7. Corpos de prova de flexão rotativa produzidos por Maso et al. (967).a) Máquia Krouse. b) Máquia R. R. Moore Figura 8. Curva S- produzida para aços esaiados por Maso et. Al (967) Figura 9. Corpos de prova de flexão rotativa produzidos por Subramaya (976) Figura 0. Curva S- produzida para o aço C-35 esaiado por Subramaya (976) Figura. Curva S- produzida para a liga de alumíio 04 T4 esaiado por Pavlou (003) Figura. Diagramas Fração de vida aplicada vs. Fração de vida observada v

6 Figura 3. Diagramas Fração de vida aplicada vs. Fração de vida observada Figura 4. Diagramas Vida remaescete observada vs. Vida remaescete estimada Figura 5. Diagramas Fração de vida aplicada vs. Fração de vida observada Figura 6. Diagramas Fração de vida aplicada vs. Fração de vida observada Figura 7. Diagramas Vida remaescete observada vs. Vida remaescete estimada Figura 8. Fração de vida aplicada vs. Fração de vida observada e Diagramas Vida remaescete observada vs. Vida remaescete estimada Figura 9. Diagramas Fração de vida aplicada vs. Fração de vida observada Figura 30. Diagramas Vida remaescete observada vs. Vida remaescete estimada Figura 3. Diagramas Vida remaescete observada vs. Vida remaescete estimada e Fração de vida aplicada vs. Fração de vida observada vi

7 LISTA DE TABELAS Tabela. Composição química omial dos aços (% peso) Tabela : Propriedades mecâicas dos aços Tabela 3: Composição química omial do aço C-35 (% peso) Tabela 4: Propriedades mecâicas do aço C Tabela 5. Valores médios do úmero de ciclos para falha obtidos da curva S Tabela 6. Dados experimetais de esaios com dois blocos de carregameto o aço C-35 (Subramaya, 976) vii

8 LISTA DE SÍMBOLOS Símbolos Latios ou f úmero de ciclos para falha [ ciclos] úmero de ciclos aplicados [ ciclos] R Razão de tesão [ ciclos] p Parâmetro de carregameto D Dao acumulado E Módulo de elasticidade [ GPa] M β a o Parâmetro material Parâmetro material Parâmetro material Símbolos Gregos α Parâmetro de carregameto Variação etre duas gradezas similares ou S Tesão [ MPa] θ Âgulo [ o ] Subscritos exp experimetal est estimado a amplitude - ou e limite de resistêcia à fadiga u ou rt ruptura m média y escoameto f fratura real Siglas ABT UB ASTM Associação Brasileira de ormas Técicas Uiversidade de Brasília Sociedade Americaa para Testes e Materiais viii

9 Dedicatória Dedico este trabalho aos meus pais e irmãos que os mometos mais difíceis sempre estiveram do meu lado. Aos meus amigos de turma e todos aqueles que participaram desses belos aos de graduação. Adré Perez Jauzzi ix

10 AGRADECIMETOS Agradeço a Deus pela oportuidade de estudar em uma das melhores Uiversidades do país, a todos os fucioários e mestres do Departameto de Egeharia Mecâica da Uiversidade de Brasília que sempre estiveram à disposição para dividir o cohecimeto. Aos amigos e familiares que dividiram os mometos de alegria e tristeza ao logo desses cico aos de graduação. Adré Perez Jauzzi x

11 . ITRODUÇÃO.. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é produzir uma aálise comparativa etre modelos uiaxiais de acúmulo de dao por fadiga sob carregametos de blocos de amplitude costate, com fudameto os modelos de fadiga propostos por Palmgre (94) & Mier (945), Subramaya (976) e Lemaitre- Chaboche (990), cosiderado-se dados experimetais dispoíveis a literatura submetidos a blocos de carregameto de amplitude costate... MOTIVAÇÃO De acordo com a orma ASTM E06-7 o feômeo deomiado fadiga pode ser defiido da seguite forma: Processo de mudaça estrutural, progressiva, permaete e localizada em materiais submetidos a codições que produzem tesões e deformações flutuates em um ou vários potos e que podem culmiar a formação de tricas ou a completa fratura depois de um úmero suficiete de ciclos. Em países idustrializados estima-se que 90% das falhas de compoetes mecâicos ocorrem devido a fraturas causadas por fadiga (Reed et al, 983). Cosiderado-se os custos viculados ao processo das referidas falhas, destaca-se a título de exemplo que, em 978, os Estados Uidos gastaram cerca de US$ 9 bilhões, 4% do PIB daquele ao, com mauteção de compoetes sujeitos a falha por fadiga. O estudo citado por esses autores mostrou que grade parte desse custo poderia ser reduzida caso fossem aplicadas metodologias mais apropriadas de projeto cotra fadiga. O ituito de estudar o feômeo de falha por fadiga leva em cosideração o tipo de solicitação a qual uma estrutura ou um compoete mecâico é solicitado. Exemplos como, plataformas offshore, potes e cabos codutores de alta tesão, podem ser cosiderados por terem solicitações variáveis ao logo do tempo. A partir de técicas experimetais, os egeheiros são capazes de defiir histórias de carregameto de amplitude variável. A metodologia aplicada para previsão de vida leva em cosideração um método de cotagem de ciclos para defiir um ovo carregameto em blocos de amplitude costate. Até mesmo situações complexas como os esforços sofridos por uma aeroave, como visto a Fig (), podem ser estudadas a partir de cotextos simplificados. É possível verificar que os esforços a que a aeroave é submetida apresetam-se em duas fases distitas. A primeira quado está em solo, observa-se que os esforços solicitates têm atureza compressiva, porém, quado em vôo, os esforços solicitates possuem atureza trativa. A Figura () represeta um carregameto de amplitude variável,

12 porém tratar esse exemplo como carregameto de blocos de amplitude costate é de extrema importâcia para compreesão do feômeo de fadiga ocorrido em tais circustâcias. Figura. Esquema de carregameto Solo Ar Solo para aeroaves (Stephes et al., 00)..3. ORGAIZAÇÃO DO TRABALHO O presete trabalho está orgaizado da seguite forma: o capítulo apreseta revisão de coceitos básicos relacioados à fadiga, esseciais ao etedimeto deste trabalho; o capítulo 3 cosiste em revisão teórica do modelo liear de acúmulo de dao de Palmgre-Mier e dos ão-lieares de Marco & Starkey, Subramaya e Lemaitre-Chaboche; o capítulo 4 explicita os dados experimetais obtidos a literatura para comparação etre os modelos de acúmulo de dao; o capítulo 5 cotempla a comparação gráfica etre os modelos avaliados e a discussão dos resultados ecotrados; e o capítulo 6 forece as referêcias bibliográficas utilizadas como base para este trabalho.

13 . COCEITOS BÁSICOS SOBRE FADIGA.. MECAISMOS DE DAO POR FADIGA O processo de falha por fadiga é caracterizado por diferetes formas de acordo com o material utilizado. A descrição a seguir explica o feômeo que ocorre com materiais dúcteis. A ductilidade é a propriedade que represeta o grau de deformação que um material suporta até o mometo de sua ruptura. Materiais que suportam pouca ou ehuma deformação o processo de esaio de tração são cosiderados materiais frageis. O feômeo de fadiga precisa ser etedido da micro-estrutura para a macro-estrutura, dividido em iiciação das micro-tricas, crescimeto destas micro-tricas e formação da macro-trica. esse setido, a dimesão do grão, em um material cristalio a deformação plástica ocorre pelo movimeto de discordâcias, sob a ação de tesões cisalhates. Este movimeto tem como resultado fial o deslocameto relativo etre dois plaos atômicos. Este deslizameto é mais acetuado quado a tesão cisalhate é maior, e, para um dado carregameto, a deformação plástica é prepoderate a direção da máxima tesão de cisalhameto. Para um material policristalio, ode os grãos possuem uma orietação aleatória dos plaos atômicos, a deformação plástica iicia os grãos mais desfavoravelmete orietados, ou seja, com os seus plaos de deslizameto próximos da direção da tesão cisalhate máxima. Estes plaos de deslizameto surgem já os primeiros ciclos do carregameto, e com o prosseguimeto da solicitação, ovos plaos vão se formado, para acomodar as ovas deformações plásticas. Os deslizametos cíclicos que formam as badas de deslizameto provocam, a superfície da peça, reetrâcias a forma de pequeas fedas superficiais, chamadas itrusões, e saliêcias de forma irregular, como miúsculas cadeias de motahas, chamadas extrusões. O surgimeto desta topografia a superfície do material pode ser visualizado se fizermos uma aalogia dos plaos cristalios com as cartas de um baralho, ode movimetos alterates de cisalhameto, em um e em outro setido, fazem com que as cartas, iicialmete emparelhadas, fiquem totalmete fora de posição, umas mais à frete e outras mais atrás. Podemos dividir o processo de falha devido à fadiga em três etapas pricipais: () ucleação da trica de fadiga; () propagação segudo os estágios I e II; (3) ruptura fial, Dowlig (993). O modelo represetado a Fig. () mostra a seqüêcia de movimetos de deslizameto resposáveis pela formação de uma itrusão e de uma extrusão. 3

14 Figura. (a) Formação das badas de deslizameto em um grão metálico sob solicitação cíclica. (b) Estágios de propagação de uma trica por fadiga (Stephes et al., 00). Estas irregularidades formam potos reetrates, de cocetração de tesão, que levam à formação de microtricas. Estas microtricas formam-se em geral as itrusões, propagado-se paralelamete aos plaos atômicos de deslizameto, coicidetes com um plao de máxima tesão cisalhate como exemplo mostrado a Fig. (3). Figura 3. Iiciação de trica por fadiga em liga de alumíio 7475-T765 (Stephes et al., 00). À medida que os ciclos de tesão ocorrem, ovas badas aparecem agrupado-se em tricas microscópicas. Se as codições do processo cotiuarem, as microtricas tederão a crescer e formarão as macro-tricas, capazes de serem visualizadas pelos esaios ão destrutivos. Existido as macro-tricas, os mecaismos de fratura etram em fucioameto. As tricas mais potiagudas criam cocetradores de tesões maiores, desevolvedo assim uma zoa plástica em sua extremidade (pota da trica) e a cada ciclo de tesão poderá ocorrer um aumeto do tamaho da mesma. A trica tede a crescer até torar-se grade o suficiete e atigir um valor crítico, oportuidade em que o eveto da falha ocorrerá quase istataeamete. 4

15 Segudo Lemaitre & Chaboche (990), Voyiadjis & katta (005), o estudo da fadiga pode ser dividido em duas grades áreas: Mecâica do Dao, que aalisa a fase de iiciação das macro-tricas, e a Mecâica da Fratura, que estuda o processo de propagação das mesmas... METODOLOGIAS DE PROJETO À FADIGA Coforme discutido por Sharp et al. (996), existem vários métodos dispoíveis para a realização de projetos cotra fadiga em compoetes mecâicos e estruturas. Todos eles requerem iformações similares a respeito do sistema mecâico em aálise, tais como: a idetificação das regiões cadidatas à falha por fadiga, o cohecimeto da história de carregameto a qual o compoete ou estrutura ecotra-se submetido, as tesões e/ou deformações as regiões cadidatas à falha, o comportameto do material e iformações a respeito da agressividade do meio o qual o sistema mecâico se ecotra, como ocorre em problemas de fadiga sob altas temperaturas e em ambietes corrosivos. Apreseta-se a seguir um resumo das pricipais metodologias de projeto cotra fadiga.... Projeto para vida segura (Safe-life desig) A metodologia utilizada os projetos de vida segura deve começar com a determiação das codições reais de carregameto aplicadas ao compoete mecâico. Assim, reproduz-se em laboratório um ambiete de testes e aálises para a determiação da vida à fadiga. Feito isso, a vida estimada deve ser dividida por um fator de seguraça para a determiação da vida segura à fadiga. o fim da vida segura o compoete é substituído, idepedetemete da ocorrêcia de falha (Suresh, 998). O fator de seguraça deste método depede de diversas variáveis, tais como: carregameto irregular, divergêcias a determiação das codições do experimeto quato às codições reais, falhas experimetais, variações a composição do material, corrosão e falha humaa. Logo, como o dao acumulado ao material pode levar a uma ruptura súbita, a escolha do fator de seguraça deve cotrabalacear seguraça, ecoomia e eficiêcia. Esta abordagem de projeto é bastate ecotrada as idústrias automobilísticas. O objetivo fial deste método é determiar a vida do compoete mecâico. Para isso, os esaios são realizados com o ituito de gerar a curva carga-vida. O Parâmetro de carga ormalmete utilizado é a tesão em (M/m ), porém outros parâmetros podem ser utilizados, como exemplo a força em (k). Os modelos aqui apresetados este trabalho equadram-se esta categoria e os próximos tópicos deste capítulo explicaram melhor essa abordagem. 5

16 ... Projeto para tolerâcia ao dao (Damage tolerat desig) os estudos de tolerâcia ao dao, assume-se que uma trica já está icluída o material. A partir disso, utilizam-se parâmetros da mecâica da fratura para prever a quatidade de ciclos de propagação da trica relativa à itesidade da tesão. a prática são empregadas ferrametas como códigos computacioais e programas de ispeções periódicas. Utiliza-se esta metodologia quado a deformação plástica é pequea comparada às características dimesioais do compoete tricado ou, também, quado há a possibilidade de perda de vidas. Esta abordagem coservativa citada é ecotrada geralmete as idústrias aeroespaciais e ucleares. Para determiar a vida do compoete mecâico primeiro é realizado a etapa de esaios ãodestrutivos como ultrassom, líquido-peetrate, métodos de emissões de odas acústicas e raio-x. Caso ão seja detectada trica alguma o material, estima-se um tamaho de trica da dimesão da meor resolução dos testes realizados. Por fim, o úmero de ciclos para falha é determiado a partir da propagação da trica iicial até um valor de dimesão crítico selecioado pricipalmete da teoria de teacidade à fratura ou, podedo também, ser estimado a partir das características de deformação permitidas para o material em aálise (Suresh, 998)...3. Projeto para falha segura (Fail-safe desig) De acordo com a filosofia de falha segura, o dao acumulado em um elemeto mecâico ão implica a possível falha súbita. A metodologia baseia-se em ispeções periódicas para a mauteção ou troca de compoetes. Assim, dimiuem-se coseqüêcias perigosas advidas de falsas estimativas de erros. Esta abordagem de projeto é ecotrada as idústrias ucleares e de costrução de aeroaves. A avaliação da tolerâcia ao dao realizada as estruturas garate que o projeto estrutural atija sua meta iicial, caso ão ocorra fadiga por corrosão ou falhas acidetais. O objetivo é que mesmo ao surgir dao a estrutura, seja possível suportar cargas razoáveis sem que haja deformações plásticas excessivas..3. METODOLOGIA DE PROJETO PARA VIDA SEGURA Uma vez que os modelos de acúmulo de dao aalisados este estudo se equadram a metodologia de projeto para vida segura, esta seção apreseta uma descrição mais detalhada dos procedimetos empregados esse tipo de projeto..3.. DEFIIÇÃO DE PARÂMETROS DE CARREGAMETO Em um cotexto uiaxial, assume-se que o dao por fadiga produzido em cada ciclo de carregameto depede da tesão máxima, max, e da tesão míima, mi, que ocorrem ao logo do 6

17 ciclo (Fig. 4). Alterativamete, podemos caracterizar o dao por fadiga em fução dos parâmetros defiidos a seguir: A faixa de tesão é calculada segudo = max mi () equato a amplitude de tesão é metade da faixa de tesão = ( ) () a max mi por sua vez, a tesão média é calculada segudo = + ( ) (3) m max mi outra forma usual de quatificar a ifluêcia da tesão média sobre o dao por fadiga é por meio da razão de tesão: mi R = (4) max Um carregameto será chamado completamete reversível quado a tesão média é ula ou, equivaletemete, R =. Quado a tesão média é igual amplitude de tesão, ou seja, R = 0 carregameto é chamado carregameto repetido. A Figura 4 ilustra os parâmetros de carregameto defiidos acima., o Figura 4. Parâmetros de carregameto correspodetes a uma história de tesão de amplitude costate..3.. CURVA S- Um dos métodos mais utilizados para avaliar a resistêcia à fadiga de um material ou compoete mecâico é deomiado curva S- ou curva de Wöhler. Esta curva é um diagrama que relacioa o carregameto aplicado, por exemplo, em termos da sua amplitude, com o úmero de ciclos para falha. 7

18 Cabe otar que a defiição de falha depede do tipo de compoete ou estrutura esaiado. Por exemplo, pode-se defiir a falha como sedo o úmero de ciclos ecessários para a completa ruptura do compoete ou o úmero de ciclos para uclear uma trica de, digamos, (um) milímetro. o cotexto das ormas aplicáveis, uma das mais utilizadas para levatar uma curva S- é a orma ASTM E (004). A Figura 5 ilustra esquematicamete duas curvas S- típicas. A curva A represeta o comportameto comumete observado em metais ferrosos (por exemplo, aço 045). esse caso observa-se que existe uma amplitude de tesão, deomiada limite de fadiga, abaixo da qual o compoete é capaz de sustetar sem falhar um úmero muito grade de ciclos de carregameto (ormalmete acima de 0 ciclos). Por outro lado, muitos metais e ligas ão-ferrosas tais como ligas de alumíio, magésio e cobre ão apresetam um limite de fadiga bem defiido, coforme ilustrado pela curva B. esse caso deve-se especificar uma resistêcia à fadiga correspodete a um dado úmero de ciclos. A relação mais utilizada para represetar dados experimetais relacioados a resistêcia à fadiga é a lei de potêcia proposta por Basqui (90) dada por: b a = A f (5) ode a é a amplitude de tesão, f é o úmero de ciclos para falha, equato A e b são parâmetros materiais. ote que, em um gráfico do tipo log-log, a lei de Basqui tora-se uma relação liear e, portato, represetada por uma reta. É importate observar que apesar dessa lei ser a mais utilizada para descrição de dados de fadiga, existem materiais cuja resistêcia à fadiga ão é adequadamete descrita pela lei de Basqui. Por exemplo, observa-se que a resistêcia à fadiga de ligas de alumíio é melhor descrita por meio de uma relação bi-liear. Figura 5. Curvas S- típicas para metais ferrosos e ão-ferrosos. 8

19 .3.3. EFEITO DA TESÃO MÉDIA O efeito da preseça de uma tesão média sobre a resistêcia à fadiga é ilustrado a Fig. 6, ode S a é a amplitude de tesão e S m é a tesão média de um carregameto cíclico. De modo geral, observa-se que para uma mesma amplitude de tesão, a preseça de uma tesão média em tração dimiui o úmero de ciclos para falha, ft, equato uma tesão média compressiva revela tedêcia de aumetar a vida do compoete mecâico, fc Quado o carregameto é completamete reversível, o úmero de ciclos para falha é idicado por fo. Figura 6. Curvas S- para diferetes valores de tesão média, (Stephes et al., 00). Segudo Baatie et al.(990), uma forma alterativa de represetar o efeito da tesão média é apresetada o diagrama da Fig. 7, chamado de diagrama de Haigh. Esse diagrama represeta os pares S, S ) que resultam em um mesmo úmero de ciclos para falha formado as lihas de vida ( a m costate. 9

20 ( a Figura 7. Represetação esquemática de um diagrama de Haigh. Para desevolver um diagrama de Haigh é ecessário um úmero substacial de esaios com pares S, S ) variados. Dessa forma fica impraticável gerar todas as curvas ecessárias para compreesão m de cada combiação possível de carregameto. Com o objetivo de saar esse problema, muitas relações empíricas foram formuladas. Esses critérios defiem várias curvas coectado o limite de resistêcia à fadiga o eixo da amplitude de tesão a qualquer outra medida de tesão característica como a tesão de escoameto, tesão de ruptura ou ao próprio valor de resistêcia à fadiga sobre o eixo da tesão média como ilustrado a Fig. 8. Os pricipais critérios são: Critério de Goodma (Iglaterra, 899): S S a e S + S m u = (6) Critério de Gerber (Alemaha, 874): S S a e S + S m u = (7) Critério de Sodeberg (Estados Uidos da América, 930): S S a e + S S m y = (8) Critério de Morrow (Estados Uidos da América, 960): S S a e S m + f = (9) 0

21 Ode Su e S y são a tesão máxima de tração e a tesão de escoameto do material respectivamete, S e é o limite de resistêcia à fadiga e f é a tesão verdadeira de fratura por fadiga do material (Baatie et. al., 990). A Figura 8 represeta a comparação gráfica das relações empíricas acima. Os critérios mais bem sucedidos são os de Gerber e Goodma. o cotexto geral, os resultados obtidos experimetalmete cocetram-se etre as curvas de Gerber e Goodma. O critério de Goodma é ormalmete utilizado pela sua simplicidade e por ser moderadamete coservativo quado comparado ao critério de Gerber, que é o mais coservador, e aos demais critérios que tedem a otimizar os projetos. Figura 8. Gráfico de comparação dos critérios de falha para efeito de tesão média. A seguir estão outras cosiderações ao se utilizar esses critérios: Todos esses critérios de falha devem ser usados para tesões médias com atureza de tração. Para os casos em que difereça etre os critérios. S m é cosideravelmete meor do que S, R << a, existe uma pequea O critério de Sodeberg é o mais coservador, utilizado quado o material ão pode escoar ou quebrar. Quado a tesão de ruptura aproxima-se da tesão real de falha S f, os critérios de Morrow e Goodma são essecialmete equivaletes. Para sesibilidade ao efeito da tesão média. f > S u, o critério de Morrow idica meor Quado R se aproxima de, os critérios divergem bastate. Muitos esaios já foram executados dessa forma e o fator de seguraça utilizado é quem determia o limite do projeto a ser realizado. Os detalhes evideciados acima podem ser costatados ao aalisar o gráfico da Fig. 8.

22 3. MODELOS DE ACÚMULO DE DAO este capítulo são apresetados algus modelos de dao por fadiga sob carregametos uiaxiais de blocos de amplitude costate. Será dada êfase aos modelos que serão avaliados o capítulo 4, por meio de comparação com dados experimetais dispoíveis a literatura. Para uma revisão bastate completa de modelos de dao por fadiga, idica-se o trabalho de Fatemi & Yag (998). 3.. DEFIIÇÃO DO COCEITO DE DAO POR FADIGA O dao por fadiga é geralmete associado à degradação de uma propriedade física ou mecâica do material como, por exemplo, o módulo de elasticidade. A iiciação de uma trica macroscópica ocorre quado o dao por fadiga atige um valor crítico, geralmete igual à uidade. O dao por fadiga é igual a zero quado o material ecotra-se em seu estado iicial (virgem). Observa-se que o icremeto de dao por fadiga por ciclo de carregameto pode ser expresso como dd d = f ( a, m, D ) (0) ode a e m são os valores da amplitude e da média das tesões ao logo do ciclo de carregameto, respectivamete, e D é o valor do dao o iício desse ciclo. De forma alterativa, os parâmetros de carregameto da Eq. (0) podem ser expressos cosiderado-se a tesão máxima e míima, ou a tesão máxima e a tesão média, ao logo do ciclo de carregameto. 3.. MODELO DE PALMGRE-MIER A primeira lei de acúmulo de dao por fadiga foi proposta por Palmgre (94) e desevolvida posteriormete por Mier (945). Esse modelo assume que o icremeto de dao por ciclo depede somete dos parâmetros de carregameto: dd d ode ) ( ) = () f a é o úmero de ciclos para falha obtidos da curva S- do material para carregameto f ( a completamete reversível. Geralmete, a regra de Basqui (90) é adotada para descrição da curva S- : f = A ode A e b são parâmetros materiais obtidos por ajuste de curva dos dados b a experimetais. esse trabalho os dados experimetais são completamete reversíveis, para o caso de

23 dados com tesão média diferete de zero, aplicam-se os critérios para falha apresetados o capítulo. Para ilustrarmos a Eq. () cosideremos iicialmete um carregameto de amplitude costate ai, para o qual o úmero de ciclos para falha é fi (ver Fig. (9)). O dao por fadiga após ciclos é obtido itegrado essa equação, cujo resultado é: i D i = () fi i Figura 9. Ilustração de um carregameto de um bloco de amplitude costate e curva S-. Observa-se que o dao evolui de maeira liear em fução da fração de vida, coforme ilustrado a Fig. (0). Figura 0. Dao versus Razão de Vida para o modelo de Palmgre-Mier Cosideremos agora um carregameto formado por m blocos de amplitude costate ai aplicados durate i ciclos, coforme ilustrado a Fig. (). 3

24 Figura. Carregameto formado por múltiplos blocos de amplitude costate. Itegrado a Eq. () até a codição de falha do material (D = ) temos: dd = 0 0 m Portato f ( a m d + L + d (3) ) ( ) f am m i= i fi = (4) Essa expressão prediz que a falha por fadiga sob um carregameto formado por múltiplos blocos ocorre quado o somatório das razões de vida, / i fi, de cada bloco é igual a um. Pode-se observar que a implemetação do modelo de Palmgre-Mier é extremamete simples. Esse é um dos motivos pelos quais esse modelo permaece muito utilizado para o projetos de compoetes cotra falha por fadiga. Por outro lado, observações experimetais dispoíveis a literatura (Fatemi & Zoroufi, 00) e (Maso, 967), idicam que o modelo possui algumas deficiêcias: O modelo ão leva em cosideração a ordem de sequêcia do carregameto. Por exemplo, observações experimetais mostram que para um carregameto formado por dois blocos de amplitude costate temos: + < + >, para carregameto com amplitude crescete (Low-High), para carregameto com amplitude decrescete (High-Low) Etretato, este modelo prevê que o somatório das razões de vida é igual a um seja para amplitude crescete ou decrescete. Esse comportameto do modelo é ilustrado a Fig. (). Outra importate iformação é que o método ão cosidera a cotribuição de cargas abaixo do limite à fadiga o que diz respeito ao dao. 4

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ANÁLISE DO ETONO ELÁSTICO EM DOBAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Alexadre Tácito Malavolta Escola de Egeharia de São Carlos, Av. Trabalhador São-Carlese 400, CEP 13566-590, São Carlos

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO - INTRODUÇÃO GERAL.- Defiição O cocreto armado é um material composto, costituído por cocreto simples e barras ou fios de aço. Os dois materiais costituites (cocreto

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta Dimesioameto de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistêcia Direta Gladimir de Campos Grigoletti Dr. Grigoletti@uiritter.edu.br Resumo: A utilização de perfis formados a frio tem aumetado cosideravelmete

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

PREVISÃO DE VIDA À FADIGA DOS ENGATES (RABETAS) DOS VAGÕES DE TRANSPORTE DE CARVÃO

PREVISÃO DE VIDA À FADIGA DOS ENGATES (RABETAS) DOS VAGÕES DE TRANSPORTE DE CARVÃO Revista da Associação Portuguesa de Aálise Experimetal de Tesões ISSN 646-7078 PREVISÃO DE VIDA À FADIGA DOS ENGATES (RABETAS) DOS VAGÕES DE TRANSPORTE DE CARVÃO T. L. M. Morgado, C. M. Braco, V. Ifate

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

MODELAMENTO DE COLISÃO USANDO ANÁLISE NÃO LINEAR

MODELAMENTO DE COLISÃO USANDO ANÁLISE NÃO LINEAR MODELAMENTO DE COLISÃO USANDO ANÁLISE NÃO LINEAR César Atoio Aparicio S. João Lirai Joas de Carvalho Departameto de Eergia Mecâica, Uiversidade de São Paulo São Carlos Av. do Trabalhador São-carlese, 400,

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE DETERMINAÇÃO DOS ARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE José Tarcísio Assução 1 ; Tereza Cristia Bessa Nogueira Assução Uiversidade Federal de São João del-rei,

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística i Sumário 1 Estatística Descritiva 1 1.1 Coceitos Básicos.................................... 1 1.1.1 Defiições importates............................. 1 1.2 Tabelas Estatísticas...................................

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA IM 37 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS PROF. DR. SÉRGIO

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS ADEQUABILIDADE DA EQUAÇÃO DE PARIS PARA A PREVISÃO DE VIDA EM FADIGA DE RISERS RÍGIDOS de Marco Filho, Flávio., Bastia, Ferado Luiz Uiversidade Federal do

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO Dayse Regia Batistus (UTFPR) batistus@utfpr.edu.br Marcelo Rosa (UTFPR) marcelorosa@aluos.utfpr.edu.br

Leia mais

Instituto de Engenharia de Produção & Gestão

Instituto de Engenharia de Produção & Gestão UNIFEI - Uiversidade Federal de Itajubá Istituto de Egeharia de Produção & Gestão Notas compiladas por PEDRO PAULO BALESTRASSI ANDERSON PAULO DE PAIVA Itajubá/007 CAPÍTULO - ESTATÍSTICA. - Do que trata

Leia mais

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO PRÁTICAS DE LABORATÓRIO TRATAMENTO E APRESENTAÇÃO DE DADOS EXPERIMENTAIS M. Ribeiro da Silva Istituto Superior Técico Departameto de Física 1997 1 Ídice Itrodução 1 1. - Tratameto de dados experimetais

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas Aálise Técica Coceitos [Type the documet subtitle] Aálise Técica Pricipais coceitos, idicadores e formações gráficas A Aálise Técica (AT) tem por objetivo forecer idicações dos movimetos ou formação de

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 30 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Jaeiro - RJ GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC ESTUDOS

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

USO DE PLANILHA ELETRÔNICA NA VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DE CURVA ANALÍTICA AO MODELO LINEAR

USO DE PLANILHA ELETRÔNICA NA VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DE CURVA ANALÍTICA AO MODELO LINEAR Artigo USO DE PANIHA EETRÔNICA NA VERIFICAÇÃO DA ADEUAÇÃO DE CURVA ANAÍTICA AO MODEO INEAR the use of electroic spreadsheet i the verificatio of the adequacy of aalytical curve to the liear model RESUMO

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

Incertezas de Medição e Ajuste de dados

Incertezas de Medição e Ajuste de dados Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul Escola de Egeharia Egeharia Mecâica Icertezas de Medição e Ajuste de dados Medições Térmicas - ENG0308 Prof. Paulo Scheider www.geste.mecaica.ufrgs.br pss@mecaica.ufrgs.br

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais