4758 LINUX PROJECT. - Disponível para os ambientes Windows NT, Windows 2000, AIX, OS/400, z/os, e usuários de sistemas OS/390 ;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4758 LINUX PROJECT. - Disponível para os ambientes Windows NT, Windows 2000, AIX, OS/400, z/os, e usuários de sistemas OS/390 ;"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA ELETRICIDADE HABILITAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS DISTRIBUÍDOS ALUNO: JOHNNETH DE SENE FONSÊCA 4758 LINUX PROJECT O foco do projeto 4758/Linux é explorar a sustentação de Sistemas Operacionais para dispositivos encaixados seguros. Nosso alvo específico é o co-processador seguro da IBM 4758, FIPS-140 um dispositivo responsivo da alteração do nível 4 com sustentação de hardware de criptografia e proteção física de falsificação. O projeto consiste em duas partes: A primeira parte deve criar um Linux apropriado como um OS autônomo para dispositivos encaixados pequenos; A segunda parte do projeto deve tratar dos aspectos da segurança do dispositivo; Usando Linux como o Sistema Operacional de baixo nível podemos fornecer uma API well-known e um modelo de programação, e alcançando e contribuindo para a comunidade de sistemas open source. IBM PCI Cryptographic Coprocessor Visão Geral - Adiciona um ambiente de alta segurança; - Disponível para os ambientes Windows NT, Windows 2000, AIX, OS/400, z/os, e usuários de sistemas OS/390 ; - Prover funções de criptografia do DES, do RSA, e do DSA e aplicações customizadas sensíveis; - A placa do PCI incorpora uma eletrônica especializada para promover aos seus usuários às funções de criptografia em tempo de execução ao fornecer um ambiente computando alto descritivo, seguro para o armazenamento das chaves e de executar processamento. - Líder para a criptografia de alta segurança e computação segura; - Disponível atualmente para todas as plataformas do usuário da IBM e muitos computadores pessoais, sendo certificado sob o padrão dos PLF dos EUA nos

2 níveis 3 e 4, e recebeu a aprovação alemão de ZKA para o sistema de transação financeira crítico que processa nos usuários z Classificado como execuções criptografia de varejo pelo departamento de exportação dos EUA; - Pode ser usando em aplicações que trabalham com dinheiro eletrônico e o porte postal eletrônico; - IBM fornece duas execuções do sistema de criptografia, e toolkits para o desenvolvimento feito sob encomenda da aplicação. * PKCS # 11, execução da versão 2.01 cria uma solução de alta segurança para os programas de aplicação desenvolvidos para esta API. * A execução criptografia comum da arquitetura da IBM fornece muitas funções do interesse especial na indústria financeira e em uma base em que processar customizado e funções de criptografia podem ser adicionadas. Pontos Principais * O projeto de resposta do hardware certificou sob a publicação dos PLF. Apropriado para processar a alta segurança e operações criptografia. * Hardware de criptografia do co-processador executa o DES, a geração do número aleatório, e funções matemáticas modulares para RSA e algoritmos criptografia de chave pública. * Fixa o carregamento do código que permite atualizar da funcionalidade quando instalado em sistemas de aplicação; * Arquitetura criptografia comum da IBM (CCA) e PKCS #11 tão bem quanto opções de software feito sob encomenda. * A IBM 4758 fornece uma plataforma segura em que os colaboradores podem construir aplicações seguras. Customização de Programação - O toolkits permite que o desenvolvedor crie suas aplicações ou extenda as aplicações CCA da IBM; - A IBM emite um identificador original e certifica a chave de assinatura de código; - Pode-se usar Linguagem C da IBM ou da Microsoft; DESEMPENHO - Os modelos 002 e 023 suportam até 175 operações chaves confidenciais de 1024-bits RSA por o segundo;

3 - O projeto de Coprocessor suporta também processar maioria do DES em elevado throughput; Programa de sustentação de CCA Características Suporte a Criptografia via o IBM Common Cryptographic Architecture (CCA) API: o DES, and triple-des data confidentiality o DES message authentication and RSA digital signatures o SHA-1, MD5, RIPEMD160, and MDC-2 and MDC-4 hashing o DES and RSA key management, RSA keys to 2048 bit-length o SET Secure Electronic Transaction services o Key diversification for smart card applications o Finance-industry PIN processing and related services, now including ANSI X9.24 Unique Key Per Transaction support o Custom extensions using the UDX toolkit Suportado nos PC s com: Windows 2000, Windows 2000 Advanced Server, and Windows NT, e em sistemas IBM pseries (RS/6000) com AIX; Application development with a common API for AIX, Windows NT and 2000, OS/400, z/os and OS/390 Descrição Os programas CCA fornecem uma família detalhada, integrada de serviços que empregam as potencialidades principais do IBM Coprocessors. Duas versões estão disponíveis: Modelos IBM 002 e 023 no Windows NT e Windows 2000, e AIX, com estas capacidades adicionais: o Triple-DES data encryption o Faster RSA operations o PIN support in the SET service used by acquirers. - CCA fornece as funções usuais do DES e do RSA para o confidencialidade dos dados e a sustentação da integridade de dados; - As potencialidades incluem: Geração de um número randômico de Criptografia; Importação e exportação segura de chaves DES; Ajuda na segurança de chaves locais; Chaves de Proteção; Clonagem de uma chave mestra; Conjunto de funções para suportar aplicações e-commerce; ATM and POS PIN-processing; Geração e Validação de Assinatura Digital; Encriptação/Decriptação de dados DES;

4 Geração de Código de Autenticação de Mensagens - Message Authentication Code (MAC); Chaves derivadas; Programação customizada; IBM eserver Cryptographic Hardware Products Os eservers da IBM oferecem diversos produtos para suprir a suas necessidades criptografia: The IBM PCI-X Cryptographic Coprocessor (PCIXCC); The IBM e-business Cryptographic Accelerator; The IBM 4758 PCI Cryptographic Coprocessor; Outros Produtos relacionados: The IBM CP Assist for Cryptographic Function (CPACF); The IBM Cryptographic Coprocessor Facility (CCF); IBM PCI-X Cryptographic Coprocessor Visão geral - Fornece uma alta segurança no subsistema de criptografia em alto throughput; - Executa os processos DES, TDES, RSA, e SHA-1; - Protege suas chaves criptografia e aplicações personalizadas; - O software pode ser customizado para atender a exigências especiais. - Fornece uma base para processar funções criptografia, chamadas de extensões de Usuário Defined (UDX); # O projeto de resposta da ferragem é certificado sob a publicação dos PLF. Apropriado para processar de alta segurança e operações de criptografia; # O hardware de criptografia do co-processador executa o DES, a geração do número aleatório, e funções matemáticas modulares para RSA e algoritmos criptografia de chave pública; # O carregamento seguro do código que permite atualizar da funcionalidade quando instalado nas aplicações; # na arquitetura cryptographic comum da IBM (CCA) assim como opções de software feito sob encomenda; IBM PCI Cryptographic Accelerator

5 A característica do projeto do IBM PCI Cryptographic Accelerator é para maximizar a aceleração Secure Socket Layer (SSL) melhor que para aplicações financeiras especializadas ou para segurança de longo tempo de armazenamento de chaves ou segredos. A eventual operação de controle, inclui comandos de decodificação, implementados no hardware. Suas principais caracteristicas são: Cinco chaves de criptografia o RSA (modular exponentiation) with data key lengths up to 2048 bits o Special RSA functions up to 2048 bits o DES, TDES, SHA-1 and MAC functions Um modulo de controle, com geração de número randômico. Interface PCI interface modular, EEPROM serial e um SRAM usado como repositório de chaves; Diferenças para o co-processador Não suporta e não precisa de zeroization; Não detecta falsificação; Naõ suporta User Defined Extensions; Pode ser obtido como um atributo adicional no eserver iseries, pseries and zseries servers. Realçando o throughput com modelos 002 e 023 de CCA e de IBM Aplicação pode afetar o desempenho do IB 4758; - O desempenho pode se avaliado em duas áreas: Multi-tarefa e multi-processamento; - Uma aplicação pode processar diversos pedidos simultaneamente; - Os co-processadores contem diversos elementos independentes do hardware: como motor de RSA, o motor do DES, o processador central, o gerador do número aleatório, e de comunicações do PCI a relação; - Projetar a aplicação multitarefa, em que cada linha pode independentemente emitir pedidos de CCA aos 4758; - Controle autômato do fluxo de pedidos que chegam; Caching de chaves DES e RSA As cópias 4758 dos modelos 002 e 023 de chaves recentemente usadas do DES e do RSA são escondidas, dentro de um módulo seguro.

6 REFERÊNCIAS: 4758/Linux Project, disponível em CryptoCards - IBM eserver cryptographic Hardware Products, disponível em IBM PCI-X Cryptographic Coprocessor, disponível em: 03.ibm.com/security/cryptocards/pcixcc/overview.shtml IBM PCI Cryptographic Accelerator, disponível em: 03.ibm.com/security/cryptocards/pcica/overview.shtml IBM PCI Cryptographic Coprocessor, disponível em: 03.ibm.com/security/cryptocards/pcicc/overview.shtml

Criptografia e Certificação Digital

Criptografia e Certificação Digital Criptografia e Certificação Digital Conheça os nossos produtos em criptografia e certificação digital. Um deles irá atender às necessidades de sua instituição. Criptografia e Certificação Digital Conheça

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Termo de Referência ANEXO B ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Termo de Referência ANEXO B ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 007/014-3700/3000 05/06/014 LOTE 1 ANEXO B DO TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Item 1 - Certificados de A3 em mídia de token. 1.1.1 Emitido por autoridade certificadora credenciada pela Infraestrutura

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

Tecnologias. Insegurança. Atuais

Tecnologias. Insegurança. Atuais SÓ ASSINE COM ELE Tauá Biomática A Tauá Biomática é uma empresa 100% nacional, especializada no desenvolvimento de equipamentos de segurança da informação, utilizando as mais modernas tecnologias de identificação

Leia mais

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação WatchKey WatchKey USB PKI Token Manual de Instalação e Operação Versão Windows Copyright 2011 Watchdata Technologies. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido copiar e distribuir o conteúdo

Leia mais

Tivoli Public Key Infrastructure Guia do Usuário

Tivoli Public Key Infrastructure Guia do Usuário Tivoli Public Key Infrastructure Guia do Usuário Versão 3 Release 7.1 S517-6880-03 Tivoli Public Key Infrastructure Guia do Usuário Versão 3 Release 7.1 S517-6880-03 Tivoli Public Key Infrastructure Guia

Leia mais

Processadores Invioláveis

Processadores Invioláveis Processadores Invioláveis MP202 Segurança da Informação Ana. C. L. Cabral Paulo H. N. Tavares 1 Roteiro Por que processadores seguros? O que são? Arquitetura Resposta a ataques Principais aplicações Padronização

Leia mais

Sumário. Parte I Conceitos Básicos de Criptografia, Software e Hardware...19. Agradecimentos...7 Sobre os Autores...9 Prefácio...

Sumário. Parte I Conceitos Básicos de Criptografia, Software e Hardware...19. Agradecimentos...7 Sobre os Autores...9 Prefácio... 11 Sumário Agradecimentos...7 Sobre os Autores...9 Prefácio... 17 Parte I Conceitos Básicos de Criptografia, Software e Hardware...19 Capítulo 1 Conceitos de Segurança de Dados e Criptografia... 21 1.1

Leia mais

Perguntas e Respostas. Relatórios

Perguntas e Respostas. Relatórios Perguntas e Respostas 1. Por que o @ Work mudou? R: Pensando na satisfação dos nossos clientes para com os serviços via Web, foi realizado uma reformulação de toda estrutura do site otimizando a disponibilidade

Leia mais

STCPSigner. Versão 4.0.0

STCPSigner. Versão 4.0.0 Versão 4.0.0 Conteúdo O que é o STCPSigner? 3 Arquitetura 4 Características Gerais 5 Fluxo de Assinatura 5 Fluxo da Validação 5 Fluxo de Criptografia 6 Fluxo de Decriptografia 7 Requisitos de software

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade Atributos de segurança TOCI-08: Segurança de Redes Prof. Rafael Obelheiro rro@joinville.udesc.br Aula 9: Segurança de Comunicações Fundamentais confidencialidade integridade disponibilidade Derivados autenticação

Leia mais

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1 Segurança Sistemas Distribuídos ic-sod@mega.ist.utl.pt 1 Tópicos abordados I - Mecanismos criptográficos Cifra simétrica, cifra assimétrica, resumo (digest) Assinatura digital Geração de números aleatórios

Leia mais

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização Segurança da informação: conceitos. Algoritmos criptográficos: estado-da-arte no cenário internacional.

Leia mais

Criptografia de Chave Pública

Criptografia de Chave Pública Criptografia de Chave Pública Aplicações Privacidade, Autenticação: RSA, Curva Elíptica Intercâmbio de chave secreta: Diffie-Hellman Assinatura digital: DSS (DSA) Vantagens Não compartilha segredo Provê

Leia mais

Griaule LBCT GRCrypto Griaule Biometrics 2013 Versão 1.0

Griaule LBCT GRCrypto Griaule Biometrics 2013 Versão 1.0 Griaule LBCT GRCrypto Griaule Biometrics 2013 Versão 1.0 Visão Geral O GRCrypto é um leitor de impressões digitais seguro, que permite a captura da imagem da impressão digital, extração de templates e

Leia mais

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações gerais em Avisos, na página 7. Prefácio Este Leia-me

Leia mais

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28 Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Aspectos de segurança em /IP Secure Socket Layer (SSL) Aula 28 Na Internet, ninguém sabe que você é um cachorro. Peter Steiner,

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc. ICP-EDU II Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG Rio de Janeiro, 10 de Agosto de 2004 Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.br Sumário Objetivos ICP-EDU I e

Leia mais

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR (PC SERASA AC GLOBAL) Autor: Serasa S.A. Edição: 20/01/2009 Versão: 1.3 1 INTRODUÇÃO 1.1 Visão Geral Esta

Leia mais

Oracle Advanced Security. Um Artigo Técnico da Oracle Setembro de 2008

Oracle Advanced Security. Um Artigo Técnico da Oracle Setembro de 2008 Um Artigo Técnico da Oracle Setembro de 2008 INTRODUÇÃO No últimos anos, ocorreram diversos incidentes de roubo de identidade e fraudes de cartão de crédito que resultaram em danos que alcançaram dezenas

Leia mais

Tema 4a A Segurança na Internet

Tema 4a A Segurança na Internet Tecnologias de Informação Tema 4a A Segurança na Internet 1 Segurança na Internet Segurança Ponto de Vista da Empresa Ponto de vista do utilizador A quem Interessa? Proxy Firewall SSL SET Mecanismos 2

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP)

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Universidade de Brasília UnB Escola de Extensão Curso Criptografia e Segurança na Informática Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Aluno: Orlando Batista da Silva Neto Prof: Pedro Antônio Dourado

Leia mais

Requisitos de Segurança de E-mail

Requisitos de Segurança de E-mail Segurança de E-mail O e-mail é hoje um meio de comunicação tão comum quanto o telefone e segue crescendo Gerenciamento, monitoramento e segurança de e-mail têm importância cada vez maior O e-mail é muito

Leia mais

Os exercícios desta prática devem ser executados no servidor espec.

Os exercícios desta prática devem ser executados no servidor espec. Criptografia com Open SSL OpenSSL é um toolkit que implementa o Secure Sockets Layer (SSL v2/v3) e o Transport Layer Security (TLS v1). Além de fornecer uma biblioteca em C para suportar o desenvolvimento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo A3. da Autoridade Certificadora SAT SEFAZ SP PC A3 DA AC SAT SEFAZ SP

Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo A3. da Autoridade Certificadora SAT SEFAZ SP PC A3 DA AC SAT SEFAZ SP Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo A3 da Autoridade Certificadora SAT SEFAZ SP PC A3 DA AC SAT SEFAZ SP Versão 1.2-30 de março de 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1.VISÃO GERAL... 5 1.2.IDENTIFICAÇÃO...

Leia mais

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail. C.I.A. Segurança de Informação Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.com http://www.carlosserrao.net http://blog.carlosserrao.net http://www.iscte.pt

Leia mais

Gerência de Segurança

Gerência de Segurança Gerência de segurança envolve a proteção de dados sensíveis dos dispositivos de rede através do controle de acesso aos pontos onde tais informações se localizam Benefícios do processo de gerência de segurança

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Abril/ Certificado Digital A1 Geração Página 1 de 32 Abril/ Pré requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário obedecer aos

Leia mais

epass2000 e epass2000sc - Guia Rápido

epass2000 e epass2000sc - Guia Rápido epass2000 e epass2000sc - Guia Rápido 1 Índice 1. Sobre a Pronova 2. Sobre a Feitian 3. Sobre o epass2000 e o epass2000sc 4. Instalando o software do epass2000 e do epass2000sc 5. O que é o SO PIN 6. O

Leia mais

Estamos seguros mesmo?

Estamos seguros mesmo? Grupo de Resposta a Incidentes de Segurança GRIS Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal do Rio de Janeiro Segurança em WebMessengers: Meebo Estamos seguros mesmo? Por: Manoel Fernando

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Certificado Digital A1 Geração Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. - 2012 Página 1 de 41 Pré-requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo

Leia mais

PROTOKEN - MANUAL DO USUÁRIO

PROTOKEN - MANUAL DO USUÁRIO As informações contidas neste manual estão sujeitas a alterações sem aviso prévio e não representam um compromisso por parte de PRONOVA CONSULTORIA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA. Nenhuma parte deste

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens

Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens Vitor Hugo Galhardo Moia vhgmoia@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação

Leia mais

FLISOL 2015. Criptografia é importante! Aprenda meios simples de proteger arquivos com ferramentas livres.

FLISOL 2015. Criptografia é importante! Aprenda meios simples de proteger arquivos com ferramentas livres. FLISOL 2015 Criptografia é importante! Aprenda meios simples de proteger arquivos com ferramentas livres. Prof. Esp. Paulo Henrique S. Barbosa facebook.com/groups/facimplinux ImperatriX hackerspacema groups.google.com/group/hackerspacema

Leia mais

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL Segurança e SSL O que é segurança na rede? Confidencialidade: apenas remetente e destinatário pretendido devem entender conteúdo da mensagem remetente criptografa mensagem destinatário decripta mensagem

Leia mais

Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos

Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos Sobre o treinamento Este é um curso para quem precisa conhecer o essencial do produto o Alfresco

Leia mais

Como implantar o iphone e o ipad Visão geral sobre a segurança

Como implantar o iphone e o ipad Visão geral sobre a segurança Como implantar o iphone e o ipad Visão geral sobre a segurança O ios, o sistema operacional na essência do iphone e do ipad, foi criado com camadas de segurança. Por isso, o iphone e o ipad conseguem acessar

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários...

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários... Agradecimentos... 7 O autor... 8 Prefácio... 15 Objetivos do livro... 17 Parte I Introdução... 19 Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21 Introdução à ICP... 21 Serviços oferecidos

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD. Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD. Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo Roteiro introdução objetivos relevância fundamentação teórica smart cards

Leia mais

Top Ten OWASP. Fausto Levandoski 1. Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos, 950 93.022-000 São Leopoldo RS Brasil. farole@gmail.

Top Ten OWASP. Fausto Levandoski 1. Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos, 950 93.022-000 São Leopoldo RS Brasil. farole@gmail. Top Ten OWASP Fausto Levandoski 1 1 Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos, 950 93.022-000 São Leopoldo RS Brasil farole@gmail.com Abstract.

Leia mais

SGBDs Móveis. Sumário 12/06/11. Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda. Introdução. Desafios do armazenamento. SQL Anywhere Studio.

SGBDs Móveis. Sumário 12/06/11. Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda. Introdução. Desafios do armazenamento. SQL Anywhere Studio. SGBDs Móveis Emmanuel Férrer & Gabriela Fernanda Introdução Sumário Desafios do armazenamento SQL Anywhere Studio DB2 Everyplace Microsoft SQL Server Oracle9I Lite Aplicações Móveis Referências 1 Introdução

Leia mais

iextranet A solução inovadora em gerenciamento e compartilhamento seguro de arquivos e de ambiente colaborativo www.oodrive.com

iextranet A solução inovadora em gerenciamento e compartilhamento seguro de arquivos e de ambiente colaborativo www.oodrive.com A solução inovadora em gerenciamento e compartilhamento seguro de arquivos e de ambiente colaborativo www.oodrive.com Nunca foi tão simples administrar e compartilhar arquivos! Colabore com eficácia e

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Mecanismos de certificação e a criptografia

Mecanismos de certificação e a criptografia Mecanismos de certificação e a criptografia Os mecanismos de certificação são responsáveis em atestar a validade de um documento. Certificação Digital A Certificação Digital pode ser vista como um conjunto

Leia mais

Relatório de Segurança em Sistemas Informáticos

Relatório de Segurança em Sistemas Informáticos Relatório de Segurança em Sistemas Informáticos Autenticação em cartões electrónicos Cartão do Cidadão Bruno Duarte ei07136 Pedro Barbosa ei08036 Rúben Veloso ei11001 Índice Índice...2 Introdução...1 Cartão

Leia mais

Pág. 3 de 7 EMV PARA EMISSORES

Pág. 3 de 7 EMV PARA EMISSORES EMV PARA EMISSORES A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas em

Leia mais

Rafael José Ewerling Kelvin Gustavo Rute Carvalho Aline Reis Tiago Pertile Andreia Ozelame Alessandro Ozelame

Rafael José Ewerling Kelvin Gustavo Rute Carvalho Aline Reis Tiago Pertile Andreia Ozelame Alessandro Ozelame Rafael José Ewerling Kelvin Gustavo Rute Carvalho Aline Reis Tiago Pertile Andreia Ozelame Alessandro Ozelame O QUE É BACULA Bacula é um software de backup open source, onde abrange desde um único computador

Leia mais

Sumário. Capítulo I Introdução à Informática... 13. Capítulo II Hardware... 23. INFORMATICA 29jun.indd 7 22/07/2014 15:18:01

Sumário. Capítulo I Introdução à Informática... 13. Capítulo II Hardware... 23. INFORMATICA 29jun.indd 7 22/07/2014 15:18:01 Sumário Capítulo I Introdução à Informática... 13 1. Conceitos Básicos... 13 2. Hardware... 15 3. Software... 15 4. Peopleware... 16 5. Os Profissionais de Informática:... 16 6. Linguagem de Computador

Leia mais

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing Q-flow 2.2 Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2 Sizing Qf22007POR v3.1 Q-flow Sizing Urudata Software Rua Canelones 1370 Segundo Andar CP11200

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 4: Protocolos de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 é definido como um procedimento seguro para se regular a transmissão de dados entre computadores

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação (Instalação do SafeSign para Linux) Elaborado Validado Aprovado Silvio Murilo Belo 2012 - VALID Certificadora Digital 1 Controle de Versões Autor Descrição Versão Data Silvio Murilo

Leia mais

Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo A3. da Autoridade Certificadora da Ordem dos Advogados do Brasil PC A3 DA AC OAB

Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo A3. da Autoridade Certificadora da Ordem dos Advogados do Brasil PC A3 DA AC OAB Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo A3 da Autoridade Certificadora da Ordem dos Advogados do Brasil PC A3 DA AC OAB Versão 1.0-03 de Outubro de 2007 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6 1.1.VISÃO GERAL...6

Leia mais

Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo S4 da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP

Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo S4 da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP Política de Certificado de Assinatura Digital Tipo S4 da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP PC S4 DA AC Imprensa Oficial SP Versão 2.0-10 de Agosto de 2006 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6 1.1.VISÃO

Leia mais

Visão geral do XProtect

Visão geral do XProtect Milestone Systems Visão geral do Software de gerenciamento de vídeo Uma solução de vigilância que se ajusta a todas suas necessidades O da Milestone é um poderoso software de gerenciamento de vídeo (VMS)

Leia mais

Visão geral. Ter agentes localizados permite automação para: Detectar alterações granulares nos dados

Visão geral. Ter agentes localizados permite automação para: Detectar alterações granulares nos dados FOLHA DE PRODUTOS Agentes do CA Workload Automation Agentes do CA Workload Automation para implementações Sistemas operacionais, ERP, banco de dados, serviços de aplicativos e serviços Web Os Agentes do

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro Aula 1 Introdução à Certificação

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança na Web A Internet é considerada essencial nos Planos de Negócios das empresas para alavancar lucros O ambiente capilar

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerenciamento de Dispositivos Gerenciamento de Dispositivos de E/S Introdução Gerenciador de Dispositivos Todos os dispositivos

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Aplicativo adicional para cartões

Aplicativo adicional para cartões SAFESIGN para MAC OS Aplicativo adicional para cartões Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2011 página 1 de 15 Pré Requisitos para a instalação Dispositivos de Certificação Digital

Leia mais

PROCESSO N.º : 2015/00056

PROCESSO N.º : 2015/00056 Goiânia, 19 de maio de 2016. AO, CONSELHO DA TIÇA FEDERAL. REFERENTE: PREGÃO ELETRONICO N.º: 07/2016 TIPO DE LICITAÇÃO: MENOR PREÇO GLOBAL PROCESSO N.º : 2015/00056 DATA DA ABERTURA: 19.05.2016 ÀS 14h30

Leia mais

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 09: Hash, ICP e SSL/TLS

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 09: Hash, ICP e SSL/TLS OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 09: Hash, ICP e SSL/TLS Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Problema Comunicações em redes de computadores, e principalmente em redes

Leia mais

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Certificação Digital CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Guia CD-17 Público Índice 1. Pré-requisitos para a geração do certificado digital A1... 3 2. Glossário... 4 3. Configurando

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

GUIA DE USO - ASSINATURA DIGITAL DE DOCUMENTOS

GUIA DE USO - ASSINATURA DIGITAL DE DOCUMENTOS GUIA DE USO - ASSINATURA DIGITAL DE DOCUMENTOS Introdução A partir da versão 9.0 do GXflow pode-se assinar digitalmente documentos. Esta funcionalidade permite verificar que um documento não tenha sido

Leia mais

Manual de Instalação Software de Gerenciador Certificado Digital SafeSign Identity

Manual de Instalação Software de Gerenciador Certificado Digital SafeSign Identity CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA Manual de Instalação Software de Gerenciador Certificado Digital SafeSign Identity SETIN CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA Outubro de 2012 DOCUMENTO CONFIDENCIAL 2 Histórico de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA CLICKSIGN

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA CLICKSIGN Data efetiva: 14 de abril de 2014. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA CLICKSIGN Estas Especificações Técnicas contém informações sobre procedimentos operacionais e de segurança do Site, bem como sobre suas responsabilidades

Leia mais

Guia de Instalação e Configuração do Plugin de Sincronização versão 1.3

Guia de Instalação e Configuração do Plugin de Sincronização versão 1.3 Brasília, 23 de abril de 2013 Guia de Instalação e Configuração do Plugin de Sincronização versão 1.3 Responsáveis: Salvador Melo/ Márcio Batista/ Lino Muniz/ Ricardo Zago/ Andreza Hermes Sumário Sumário...

Leia mais

EMV PARA ADQUIRENTES

EMV PARA ADQUIRENTES EMV PARA ADQUIRENTES A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas em

Leia mais

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Criptografia Digital Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Introdução 2. Aplicações 3. Criptografia e seus Conceitos 4. Tipos de Criptografia em Relação ao Uso de Chaves 5. Autenticação Comum

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação ICP e Certificados Digitais Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Criptografia de chave pública Oferece criptografia e também uma maneira de identificar

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de. Coordenação Geral de Segurança de Informações CGSI. Coordenação Geral de Arquitetura de Software - CGAS

Termo de Referência. Aquisição de. Coordenação Geral de Segurança de Informações CGSI. Coordenação Geral de Arquitetura de Software - CGAS Termo de Referência Aquisição de Aquisição de licença perpétua de biblioteca JAVA SDK (Software Development Kit), para desenvolvimento, implementação e operacionalização da tecnologia de certificação digital

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

Segurança em cartões Smartcard EMV

Segurança em cartões Smartcard EMV Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Instituto de Computação - IC Mestrado Profissional em Computação Segurança em cartões Smartcard EMV Ricardo Barbosa Matsuno - RA 022532 Marcelo Chaves - RA 890735

Leia mais

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas.

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas. .. CES-0545 Conversor Ethernet-Serial Sistema de Gestão da Qualidade Certificado por Bureau Veritas. ----------ISO 9001:2008------------ Conversor Ethernet-Serial Descrição geral O CES-0545 oferece uma

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

Segurança em Java. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br. Versão: 1.1 Última Atualização: Agosto/2005

Segurança em Java. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br. Versão: 1.1 Última Atualização: Agosto/2005 Segurança em Java João Carlos Pinheiro jcpinheiro@cefet-ma.br Versão: 1.1 Última Atualização: Agosto/2005 1 Objetivos Apresentar uma introdução ao suporte fornecido pela API Java para a criptografia Utilizar

Leia mais

Product Architecture. Product Architecture. Aranda 360 ENDPOINT SECURITY. Conteúdos STANDARD & ENTERPRISE EDITION

Product Architecture. Product Architecture. Aranda 360 ENDPOINT SECURITY. Conteúdos STANDARD & ENTERPRISE EDITION Conteúdos Product Architecture Product Architecture Introdução Ambiente RedesdeTrabalho Configurações Políticas Servidores Componentes Agente Servidor Base de Dados Console Comunicação Console Servidor

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Informe 2015. Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory

Informe 2015. Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory Informe 2015 Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory Sumário Introdução... 3 Ambientes do Foxit PDF Security Suite... 4 Aplicar políticas

Leia mais

GERENCIADOR DE DOWNLOAD SEGURO

GERENCIADOR DE DOWNLOAD SEGURO GERENCIADOR DE DOWNLOAD SEGURO Versão 2.0 07.02.2012 e-academy Inc [CONFIDENCIAL] SUMÁRIO GERENCIADOR DE DOWNLOAD SEGURO... 3 PRINCIPAIS RECURSOS INCLUÍDOS NO SDM... 4 Sistemas operacionais suportados...

Leia mais

Autenticação ultra resistente para proteger o acesso à rede e a informação corporativa

Autenticação ultra resistente para proteger o acesso à rede e a informação corporativa Autenticação ultra resistente para proteger o acesso à rede e a informação corporativa ESET Secure Authentication proporciona uma forte autenticação para proteger o acesso remoto à rede corporativa e aos

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 3: Visão Geral das Tecnologias de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Tradução do Endereço de Rede (NAT) Network Address Translation Recurso que permite

Leia mais

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais)

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais) Autenticação: mais uma tentativa Protocolo ap3.1: Alice diz Eu sou Alice e envia sua senha secreta criptografada para prová-lo. Eu I am sou Alice encrypt(password) criptografia (senha) Cenário de Falha?

Leia mais