Dati di concentrazione di CO nell'aria-ambiente acquisiti dalla Rete Regionale di Rilevamento della Qualità dell'aria Periodo:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dati di concentrazione di CO nell'aria-ambiente acquisiti dalla Rete Regionale di Rilevamento della Qualità dell'aria Periodo:"

Transcrição

1 !! # % & () Dati di concentrazione di CO nell'aria-ambiente acquisiti dalla Rete Regionale di Rilevamento della Qualità dell'aria Periodo: INDICE 1. Introduzione Distribuzioni dei valori misurati Diagrammi di dispersione Normalizzazione dei dati Matrici di correlazione Analisi delle componenti principali Andamento temporale dei dati Andamento giornaliero Medie trascinate mensili Definizione di indici di sintesi Confronto con i limiti previsti dalla normativa Matrici di correlazione II Conclusioni Introduzione Tabella 1! # # % # & ( & & #) Pag. Pagina 1 di 21

2 !! # % & () ) # # ) ) # ) & + ) ) + #,, + +! Tabella 1 Analizzatori di CO nella Rete di Rilevamento regionale. / ,,,,!. )!5,6 #%7 58 9(!! ) :+ 2. Distribuzioni dei valori misurati distribuzione dati MUG Frequency data[, i + 1] Pagina 2 di 21

3 !! # % & () distribuzione dati EDI Frequency data[, i + 1] Figura 1 - Istogrammi dei dati orari di concentrazione [mg/m^3] 0, 3. Diagrammi di dispersione ; < /,,, = > ;& ) 8# 8% &8% & 1 ) 8 &8& ) 8& &8& # 8& &8& ) 8 ) 8 &8 &8 ) 8% ) 8 & ) 8 & &8 + ) 8 + &8# &8# ) 8 # &8# ) 8# &8#) &8#+ &8 & Pagina 3 di 21

4 !! # % & () SVE-LIB BRU-PRA SVE-BAN SVE-LIB Figura 2 Diagrammi di dispersione dei valori di concentrazione (massimo giornaliero della media trascinata sulle 8 ore) acquisiti presso coppie di stazioni [ug/m^3] Pagina 4 di 21

5 !! # % & () 4. Normalizzazione dei dati..,.,,,., Figura 3 A sinistra: diagramma quantile-quantile del logaritmo dei dati orari misurati nella stazione di Muggia, rispetto ad una distribuzione normale. A destra: medesimo diagramma, realizzato con il logaritmo del massimo giornaliero della media trascinata sulle 8 ore. 5. Matrici di correlazione,? ( ),, = > 8. ; % # 1 = > 23, = > ; - # - #+ % - ) #). - % # #) Pagina 5 di 21

6 !! # % & () - #) &) #+ corr centr centr (spear man) alina alina tipo tipo corr centr centr (spear man) alina alina tipo tipo corr centr centr (spear man) alina alina tipo tipo 0.9 PRA BRU u.t./i u.t. 0.7 AOS SVE u.t. u.t. 0.6 AOS OSO u.t. u.t. 0.8 AOS CAI u.t. u.b. 0.7 AOS MAR u.t. u.t. 0.6 AOS BAT u.t. u.t. 0.8 AOS MAN u.t. u.t. 0.7 BAN LIB u.t. u.t. 0.6 AOS BAN u.t. u.t. 0.8 AOS BRU u.t. u.t. 0.7 BRU SVE u.t. u.t. 0.6 BAN BAT u.t. u.t. 0.8 AOS PRA u.t. u.t./i 0.7 BRU MAR u.t. u.t. 0.6 BAT MAN u.t. u.t. 0.8 BRU CAI u.t. u.b. 0.7 CAI OSO u.b. u.t. 0.6 BAT LIB u.t. u.t. 0.8 BRU MAN u.t. u.t. 0.7 CAR LIB u.t. u.t. 0.6 BRU OSO u.t. u.t. 0.8 MAN CAI u.t. u.b. 0.7 CAR BAN u.t. u.t. 0.6 BRU BAT u.t. u.t. 0.8 PRA CAI u.t./i u.b. 0.7 MAN OSO u.t. u.t. 0.6 CAI LUG u.b. u.t. 0.8 SVE LIB u.t. u.t. 0.7 MAR CAI u.t. u.b. 0.6 CAR BAT u.t. u.t. 0.8 SVE BAN u.t. u.t. 0.7 MAR MAN u.t. u.t. 0.6 CAR VIC u.t. u.t. 0.7 PRA MAN u.t./i u.t. 0.6 LUG OSO u.t. u.t. 0.7 PRA MAR u.t./i u.t. 0.6 MAN LUG u.t. u.t. 0.7 SVE BAT u.t. u.t. 0.6 MAR SVE u.t. u.t. 0.7 SVE VIC u.t. u.t. 0.6 PRA OSO u.t./i u.t. 0.7 SVE CAR u.t. u.t. 0.6 PRA BAT u.t./i u.t. 0.7 VIC LIB u.t. u.t. 0.6 PRA SVE u.t./i u.t. 0.7 VIC BAN u.t. u.t. 0.6 SAB CAR s.t. u.t. 0.6 SVE LUG u.t. u.t. 0.6 SVE CAI u.t. u.b. 0.6 SVE MAN u.t. u.t. 0.6 SVE SAB u.t. s.t. 0.6 VIC BAT u.t. u.t. Tabella 2 Indice di correlazione di Spearman calcolato sui dati orari di concentrazione di CO misurato nelle stazioni della Rete di Rilevamento regionale. LEGENDA: u.t.=urban-traffic ; u.b.=urban-background ; u.t./i.=urban-traffic/industrial ; s.t.=suburban-traffic 6. Analisi delle componenti principali =) >/,,. = >.,,.,, / Α= >.,,, Pagina 6 di 21

7 !! # % & () 7. Andamento temporale dei dati 7.1. Andamento giornaliero, =,Α4> % = && > &=,, >. 8 #) = > #+ = >%=,, > &=,, >. 8 =,, > 8 = Β > # =,, > gen-mar LIB MSP MUG SAB SVE AOS CAI MAN Figura 4 Andamento della concentrazione giornaliera di CO [mg/m^3] nel periodo indicato Pagina 7 di 21

8 !! # % & () apr-giu LIB MSP MUG SAB SVE AOS CAI MAN Figura 5 - Andamento della concentrazione giornaliera di CO [mg/m^3] nel periodo indicato lug-set LIB MSP MUG SAB SVE AOS CAI MAN Figura 6 Andamento della concentrazione giornaliera di CO [mg/m^3] nel periodo indicato Pagina 8 di 21

9 !! # % & () ott-dic LIB MSP MUG SAB SVE AOS CAI MAN Figura 7 Andamento della concentrazione giornaliera di CO [mg/m^3] nel periodo indicato 7.2. Medie trascinate mensili! 1224=Χ,Α0> = &#)#+ &% # >;# &%#+ &#) 7.3. Definizione di indici di sintesi ),. ; > ; 0 8 σ µ µ giornata > indice _ variabilità _ giornaliera = ( ) µ / σ > > giornata µ annualegiorniferiali µ indice _ variabilità _ settimanale = µ annualedellasettimana µ annualestagioneestiva µ indice _ variabilità _ stagionale = µ annuale annualegiornifestivi annualestagioneinvernale Pagina 9 di 21

10 !! # % & (). Ε Ε ΦTabella 3Tabella 4 CAI OSO LUG MAN MAL EDI CAS LIB BAT BAN VIC CAR SVE MAR BRU MON AOS livello giorno settim stagione U.B. Urban Traffic CAI OSO LUG MAN MAL EDI CAS LIB BAT BAN VIC CAR SVE MAR BRU MON AOS livello bas.mo alto medio basso bas.mo bas.mobas.mobasso alto bas.mo alto bas.mobasso basso basso bas.mobasso giorno bas.mo bas.mobasso basso medio alto basso basso alto alto basso alto basso basso bas.mo basso basso settim bas.mo basso basso basso bas.mo bas.mobas.mobasso alto medio alto bas.mobas.mobas.mobas.mo basso bas.mo stagionealto basso basso medio alto alto alto bas.mobassomedio bas.mobasso basso medio alto basso alto U.B. Urban Traffic Tabella 3 Indici di sintesi del comportamento temporale PRA SAB MSP PIT MUG livello giorno settimana stagione U.T./I. S.T. Suburban Industrial PRA SAB MSP PIT MUG livello basso bas.mo basso basso basso giorno bas.moalto bas.mo bas.mo bas.mo settimanabas.momedio bas.mo basso bas.mo stagione alto basso bas.mo basso bas.mo U.T./I. S.T. Suburban Industrial Tabella 4 Indici di sintesi del comportamento temporale ; - & &= 23>8 - ) &=, 2Γ>8 - #)#+= 2Ε>8 -, 8 6Β ΗΙ6Β 8 -, Pagina 10 di 21

11 !! # % & () 8. Confronto con i limiti previsti dalla normativa 0 = > =Α2Ι ϑ >; %2007 OSO LUG CAI MAN MAL EDI CAS LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Figura 8 Pagina 11 di 21

12 !! # % & () Media annua delle medie giornaliere media Figura 8 OSO LUG ANN CAI MAN MAL EDI CAS LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS 9. Matrici di correlazione II /,?/ ( ) /, / = > Φ,, =Α> / :ΚΛ# ϑ Φ Α = 1>,, %/ :ΚΛ# 4. / ΚΒ ΚΒ1= /ϑ>,, Φ,, Pagina 12 di 21

13 !! # % & () Α 1 ΚΒ ϑ Χ Α =:ΚΛ#Μϑ> Α 1 =:ΚΛ#Μ4 > 1 6Β Tabella 5, Figura 9Figura 12, Figura 9 - Dati orari della centralina MAN Pagina 13 di 21

14 !! # % & () Figura 10- Resto1 della centralina MAN con sovrapposto (in rosso) Season Figura 11 Resto2 della centralina MAN con sovrapposto (in rosso) Week Pagina 14 di 21

15 !! # % & () Figura 12 Resto3 della centralina MAN. 3Ν Ο 3 Ν Ο % & & &, # &) & ϑ =, > # ) &=) > ϑ # &#). < 3 ; centraline r1 season r2 week r3 somma LIB SVE CAR SVE BAN VIC Pagina 15 di 21

16 !! # % & () LIB CAR BAN SVE VIC SVE LIB VIC BAT VIC BRU PRA BRU AOS LIB BAN BAT SVE BAN CAR VIC CAR MAN BRU MAN AOS MAR BRU SVE BRU BAT CAR CAI PRA BAT BAN MAN SVE MAN MAR CAI BRU CAI MAN MAR AOS CAI AOS LIB BAT SVE AOS PRA AOS MAN BAN BAN AOS CAR BRU MAN BAT CAI MAR MAN PRA BAT AOS VIC AOS MAN CAR LIB BRU CAR AOS OSO MAN BAN BRU MAN LIB MAN VIC MAR PRA SVE PRA SVE MAR BAT BRU Pagina 16 di 21

17 !! # % & () LIB AOS BAT MAR VIC BRU BAN MAR CAR MAR OSO AOS LIB PRA OSO MAR BAT PRA CAR PRA OSO VIC OSO BRU CAI SVE OSO CAR CAI BAN OSO BAT BAN PRA OSO BAN OSO SVE SVE MUG VIC MAR OSO CAI LIB MAR CAR SAB OSO LUG VIC PRA CAI CAR VIC MUG CAI BAT LIB MUG LUG SVE BAT SAB CAR PIT BAN SAB OSO LIB OSO PRA CAI VIC CAR MSP CAI LIB LUG LIB CAR MUG LIB SAB LUG CAI PIT SVE SAB SVE BAN MUG Pagina 17 di 21

18 !! # % & () LUG CAR MUG AOS LIB MON OSO PIT MUG BRU LUG MAN SVE MON LIB PIT LUG BAN VIC MSP MAN MUG MON AOS VIC SAB VIC MON LUG VIC MSP BRU MSP PIT MUG MAR MSP SVE LUG AOS SAB BRU BAT PIT BAT MUG BAT MSP MSP AOS MAN MON SAB AOS LUG BRU MSP PRA BAN MSP LUG PRA CAR MON MAN MSP MUG PRA MAN SAB LUG BAT CAI MUG MAR MON BRU MON MSP MUG LUG MAR VIC PIT CAI SAB BAT MON SAB PRA MAN PIT Pagina 18 di 21

19 !! # % & () SAB MAR BAN MON LIB MSP PIT BRU BAN PIT CAI MON MUG MON MSP MAR PIT MUG PIT MAR CAI MSP SAB MUG PRA MON PIT AOS PIT PRA OSO MSP OSO MUG PIT MON LUG SAB SAB PIT MSP SAB LUG PIT LUG MSP CAI PIT OSO MON MSP MON LUG MUG OSO SAB LUG MON SAB MON Tabella 6 Elenco degli indici di correlazione ottenuti dalle medie giornaliere dei dati 10. Conclusioni, ; o o o, = 8,, Ι, 8 >,, = Ι Ι 8,, Ι Ι >!,, = >, Pagina 19 di 21

20 !! # % & () 3 ; % & & &, # &) & ϑ =, > # ) &=) > ϑ # &#). 0 = > =Α2Ι ϑ >; %2007 OSO LUG CAI MAN MAL EDI CAS LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS /,,,.., Pagina 20 di 21

21 !! # % & () Pagina 21 di 21

22 Figura 1 - medie trascinate mensili MAN Figura 2 - medie trascinate mensili CAI I

23 Figura 3 - medie trascinate mensili AOS Figura 4 - medie trascinate mensili LIB II

24 Figura 5 - medie trascinate mensili SVE Figura 6 - medie trascinate mensili MUG III

25 Figura 7 - medie trascinate mensili SAB Figura 8 - medie trascinate mensili MSP IV

26 Image Plot of Correlations AOS MON PRA BRU MAR MUG SVE PIT SAB MSP CAR VIC BAN BAT LIB MAN CAI LUG OSO OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Figura 9- Matrice di correlazione di Spearman (valori superiori a 0.5) calcolata sul set di dati Resto1 V

27 Image Plot of Correlations AOS MON PRA BRU MAR MUG SVE PIT SAB MSP CAR VIC BAN BAT LIB MAN CAI LUG OSO OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Figura 10 Matrice di correlazione di Spearman (valori superiori a 0.5) calcolata sul set di dati Season VI

28 Image Plot of Correlations AOS MON PRA BRU MAR MUG SVE PIT SAB MSP CAR VIC BAN BAT LIB MAN CAI LUG OSO OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Figura 11- Matrice di correlazione di Spearman (valori superiori a 0.5) calcolata sul set di dati Resto2 VII

29 Image Plot of Correlations AOS MON PRA BRU MAR MUG SVE PIT SAB MSP CAR VIC BAN BAT LIB MAN CAI LUG OSO OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Figura 12 Matrice di correlazione di Spearman (valori superiori a 0.5) calcolata sul set di dati Week VIII

30 Image Plot of Correlations AOS MON PRA BRU MAR MUG SVE PIT SAB MSP CAR VIC BAN BAT LIB MAN CAI LUG OSO OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Figura 13 Matrice di correlazione di Spearman (valori superiori a 0.5) calcolata sul set di dati Resto3 OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS OSO 1.0 LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU IX

31 PRA MON AOS Tabella 1 Valori numerici della matrice di correlazione di Spearman per il set di dati Resto1 OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS OSO 1.0 LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Tabella 2 - Valori numerici della matrice di correlazione di Spearman per il set di dati Season OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS OSO 1.0 LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Tabella 3 - Valori numerici della matrice di correlazione di Spearman per il set di dati Resto2 X

32 OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS OSO 1.0 LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Tabella 4 Valori numerici della matrice di correlazione di Spearman per il set di dati Week OSO LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS OSO 1.0 LUG CAI MAN LIB BAT BAN VIC CAR MSP SAB PIT SVE MUG MAR BRU PRA MON AOS Tabella 5 Valori numerici della matrice di correlazione di Spearman per il set di dati Resto3 XI

Pisani Studio di Ingegneria Acustica. PROJETO DE MONITORAÇÃO ACÚSTICA DA MARGINAL DE TURIM Escritório de Engenharia Acústica Turim - Itália

Pisani Studio di Ingegneria Acustica. PROJETO DE MONITORAÇÃO ACÚSTICA DA MARGINAL DE TURIM Escritório de Engenharia Acústica Turim - Itália PROJETO DE MONITORAÇÃO ACÚSTICA DA MARGINAL DE TURIM Escritório de Engenharia Acústica Turim - Itália IMMAGINI MODELLO 3D FASE 1 - Determinação da criticidade responsabilizando o transito da marginal em

Leia mais

consumidor bem informado é capaz de mudar as relações de consumo

consumidor bem informado é capaz de mudar as relações de consumo Na sociedade atual, cada vez mais permeada pelo consumo, todos nós, cidadãos, somos consumidores, independente de classe social ou escolaridade. Alguns especialistas ressaltam que consumir tem se consolidado

Leia mais

Contabilidade de IF padrão COSIF para BACEN Área 4 Teoria e exercícios comentados Prof. Felipe Lessa Aula 01 # %& ( ! #! # % & ( ) ( + (, ( ).

Contabilidade de IF padrão COSIF para BACEN Área 4 Teoria e exercícios comentados Prof. Felipe Lessa Aula 01 # %& ( ! #! # % & ( ) ( + (, ( ). ! # %& (! #! # % & ( ) ( + (, ( ). / 0 +. 1 2 + 1 3 (/(2 14 (/(2 5 4 4 4 ) 6 4 7 + 3 4 4 8 ) 4 + + 7 7 4 9 3 (//( (! )! & 1 2 : + 3 + (& (, + 3 + 3 ; + + 3< 6 = < >?3 6? Α Β Β Χ. Β Β Χ 7 3 Α / > Ε! : 1!

Leia mais

Estruturas de Suporte de Terras Executadas com. Pneus - Modelo à Escala Reduzida

Estruturas de Suporte de Terras Executadas com. Pneus - Modelo à Escala Reduzida I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d o P o r t o I n s t i t u t o S u p e r i o r d e E n g e n h a r i a d o P o r t o Estruturas de Suporte de Terras Executadas com Pneus - Modelo à Escala Reduzida

Leia mais

Parte A FÓRMULAS Spiegel_II_01-06.indd 11 Spiegel_II_01-06.indd :17: :17:08

Parte A FÓRMULAS Spiegel_II_01-06.indd 11 Spiegel_II_01-06.indd :17: :17:08 Parte A FÓRMULAS Seção I: Constantes, Produtos e Fórmulas Elementares Alfabeto Grego e Constantes Especiais 1 Alfabeto grego Nome Letras Gregas Grego Minúsculas Maiúsculas Alfa Α Beta Β Gama Γ Delta Δ

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Línguas e Culturas. João Ricardo Marques Valente. Ficções do Crepúsculo: Outrora Agora e A Sala Magenta

Universidade de Aveiro Departamento de Línguas e Culturas. João Ricardo Marques Valente. Ficções do Crepúsculo: Outrora Agora e A Sala Magenta Universidade de Aveiro Departamento de Línguas e Culturas 2010 João Ricardo Marques Valente Ficções do Crepúsculo: Outrora Agora e A Sala Magenta Universidade de Aveiro Departamento de Línguas e Culturas

Leia mais

BRIO BBT - BRAZILIAN BUSINESS TOUR FEBBRAIO - MARZO - APRILE Brazilian Real Investment Opportunities

BRIO BBT - BRAZILIAN BUSINESS TOUR FEBBRAIO - MARZO - APRILE Brazilian Real Investment Opportunities BRIO Brazilian Real Investment Opportunities BRIO Road Show: 01 dicembre Torino e Milano 02 dicembre Padova 05 dicembre Bologna 06 dicembre Roma: evento finale Ambasciata del Brasile PRESENTAZIONE Organizzato

Leia mais

1 o Ano. a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, y, z,

1 o Ano. a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, y, z, Metas Curriculares, 1 o ciclo Números e Operações (NO) 1 o Ano 1. Considere as letras do alfaeto latino, a,, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, y, z, e as letras do alfaeto

Leia mais

Estabilidade. Conhecimentos Básicos

Estabilidade. Conhecimentos Básicos Estabilidade Conhecimentos Básicos Unidades NOME SÍMBOLO FATOR MULTIPLICADOR (UND) Exa E 10 18 1 000 000 000 000 000 000 Peta P 10 15 1 000 000 000 000 000 Terá T 10 12 1 000 000 000 000 Giga G 10 9 1

Leia mais

Supportano l iniziativa in Brasile: Supportano l iniziativa in Italia: Organizzato da:

Supportano l iniziativa in Brasile: Supportano l iniziativa in Italia: Organizzato da: Organizzato da: MISSIONE IMPRENDITORIALE ITALIA - BRASILE BBT - BRAZILIAN BUSINESS TOUR FEBBRAIO MARZO APRILE 2017 Supportano l iniziativa in Italia: Supportano l iniziativa in Brasile: Il Brazilian Business

Leia mais

Grego. A pronúncia. Pevmpto mavqhma. Sistema de transliteração

Grego. A pronúncia. Pevmpto mavqhma. Sistema de transliteração 5.... Pevmpto mavqhma Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes Portimão 2010-2011 Departamento de Línguas [Românicas e Clássicas] 12.º ano Turma E Curso Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades Docente:

Leia mais

Estruturas de Suporte de Terras Executadas. Com Pneus. Estudo Paramétrico e Conceção de. Protótipo

Estruturas de Suporte de Terras Executadas. Com Pneus. Estudo Paramétrico e Conceção de. Protótipo I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d o P o r t o I n s t i t u t o S u p e r i o r d e E n g e n h a r i a d o P o r t o Estruturas de Suporte de Terras Executadas Com Pneus. Estudo Paramétrico e

Leia mais

I ind. Indução eletromagnética. Lei de Lenz. Fatos (Michael Faraday em 1831): 2 solenóides

I ind. Indução eletromagnética. Lei de Lenz. Fatos (Michael Faraday em 1831): 2 solenóides Lei de Lenz Fatos (Michael Faraday em 1831): solenóides A I ind A I ind ao se ligar a chave, aparece corrente induzida na outra espira I di > 0 ao se desligar a chave, também aparece corrente induzida

Leia mais

CHECK DEVICE TRANSPONDER RF REF REF REF 10292

CHECK DEVICE TRANSPONDER RF REF REF REF 10292 IT/EN/ES/PT 1/6 CHECK DEVICE TRANSPONDER RF Prodotto da/manufactured by/fabricado por: DIESSE Diagnostica Senese SpA Via delle Rose 10 53035 Monteriggioni (Siena) - Italy Modifiche introdotte nella revisione

Leia mais

Manual para Stellarium. 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse

Manual para Stellarium. 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse Manual para Stellarium Conteúdo 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse 2. Criar pontos de interesse 3. Como medir onde um objeto irá se pôr e nascer 4. Relacionar a magnitude com a poluição

Leia mais

CHAMADA ASSEMBLEIA ORDINARIA ORDINARY GENERAL MEETING - CONVOCAZIONE DI ASSEMBLEA ORDINARIA

CHAMADA ASSEMBLEIA ORDINARIA ORDINARY GENERAL MEETING - CONVOCAZIONE DI ASSEMBLEA ORDINARIA Mittente: CONDOMINIO BEACH Rua 15 Agosto n 553 e n 54 na travessa 41111/Santa Maria Codice Fiscale 568744306 Gentile Sig.ra Paola Zerman c/o Paola Zerman Villa zerman lato leme bedje 41111 Santa maria

Leia mais

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x?

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x? 2 a rovadeedi-38concretoestruturali rof. Flávio Mendes Neto Outubro de 2009 Sem consulta. A interpretação das questões faz parte da prova. Justifique cientificamente suas afirmações e comente, criticamente,

Leia mais

LE PERFORMANCE DEL FRANCHISING BRASILIANO NEL 2012. Logotipo da Empresa

LE PERFORMANCE DEL FRANCHISING BRASILIANO NEL 2012. Logotipo da Empresa LE PERFORMANCE DEL FRANCHISING BRASILIANO NEL 2012 \ Logotipo da Empresa Confronto crescita PIL e FRANCHISING Il franchising nel 2012 ha rappresentato il 2,3% do PIL brasiliano. Fontes: ABF, IBGE Franchising

Leia mais

γ φ φ φ χ Φ φ φ ρ Q λ ω φ φ φ φ φ φ φ φ φ φ φ φ ( ) χ χ & + = & [ ]{&& } + ([ ] + [ ]){ & } + [ ]{ } = { } [ ] [ ] [ ] {&& } [ ] { } { } {& } γ ψ γ φ γ = ψ + φ = = ψ φ = + + = + + φ = φ

Leia mais

Verifiche idrauliche - T. Recco - Affluente Rio della Né. Rio della Né. dalla sezione NE-S16 alla NE-S1

Verifiche idrauliche - T. Recco - Affluente Rio della Né. Rio della Né. dalla sezione NE-S16 alla NE-S1 Rio della Né dalla sezione NE-S16 alla NE-S1 - Profili di corrente - Sezioni idrauliche - Tabelle dei risultati Approvato con D.C.P. n. 24 del 21-03-200 Pagina 1 di 14 ne unico 20 sx dx 1 16 14 6 NE-S1

Leia mais

3.2.1.1 Pinos transversais...13 3.2.1.2 Chavetas...13 3.2.1.3 Eixos ranhurados...14 3.2.1.4 Recartilha e Estrias...15 3.2.2.1 Ajuste prensado cônico...15 3.2.2.2 Anéis cônicos...17 3.2.2.3 Ajuste prensado

Leia mais

Il funzionamento di un cerniera a molla dipende dal montaggio

Il funzionamento di un cerniera a molla dipende dal montaggio ERNIERE MOLL Il funzionamento di un cerniera a molla dipende dal montaggio 0 Telaio Porta 180 Molla a chiudere ad Molla aprire 90 683 la coppia di chiusura o apertura della molla dipende dalla posizione

Leia mais

1 3INNO GMG پ0ˆ7 & # # # # 4 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4. nپ0 4 پ0 4 B. & # # # # j پ0 4. پ0 4 پ0 4 j پ0 4 پ0 4 B پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4.

1 3INNO GMG پ0ˆ7 & # # # # 4 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4. nپ0 4 پ0 4 B. & # # # # j پ0 4. پ0 4 پ0 4 j پ0 4 پ0 4 B پ0 4 پ0 4 پ0 4 پ0 4. 1 INNO GMG 2016 adattamento del testo italiano V. Cipr Voce 4 4 1 14 Sei 15 sceso dal la tuaimmen si 16. t 17 n 18 in nostroaiu u u to. Mi se ri cor dia scorre da 19 20. te 21 22 2. پ0 24 so pra tu tti

Leia mais

RESOLUÇÕES ONLINE UNIDADES DE MEDIDAS

RESOLUÇÕES ONLINE  UNIDADES DE MEDIDAS UNIDADES DE MEDIDAS Todas as Unidades de Medidas que são nomes próprios devem ser escritas em maiúsculas quando abreviadas. Se forem escritas por extenso, sempre escrever em minúscula no singular exceto

Leia mais

Acta Amazônica, vol. 22 (3): Sidney Alberto do Ν. Ferreira ( 1 ) RESUMO

Acta Amazônica, vol. 22 (3): Sidney Alberto do Ν. Ferreira ( 1 ) RESUMO BIOMETRIA DE FRUTOS DE ARAÇÁ-BOI (EUGENIA STIPITATA MC VAUGH). Sidney Alberto do Ν. Ferreira ( 1 ) RESUMO Neste trabalho são apresentados dados referentes a biometria de frutos de araçá-boi (Eugenia stipitata

Leia mais

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO LIVRE ADMISSÃO DO VALE DO SÃO PATRÍCIO LTDA, Nire: 52 40000248-8, foi deferido e

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO LIVRE ADMISSÃO DO VALE DO SÃO PATRÍCIO LTDA, Nire: 52 40000248-8, foi deferido e Pág 38 de 74 Pág 39 de 74 Pág 40 de 74 Pág 41 de 74 Pág 42 de 74 Pág 43 de 74 Pág 44 de 74 Pág 45 de 74 Pág 46 de 74 Pág 47 de 74 Pág 48 de 74 Pág 49 de 74 Pág 50 de 74 Pág 51 de 74 Pág 52 de 74 Pág 53

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. - CELG D, Nire: 52 30000295-8, foi deferido e arquivado na Junta Comercial do Estado

Certifico que este documento da empresa CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. - CELG D, Nire: 52 30000295-8, foi deferido e arquivado na Junta Comercial do Estado Pág 12 de 60 Pág 13 de 60 Pág 14 de 60 Pág 15 de 60 Pág 16 de 60 Pág 17 de 60 Pág 18 de 60 Pág 19 de 60 Pág 20 de 60 Pág 21 de 60 Pág 22 de 60 Pág 23 de 60 Pág 24 de 60 Pág 25 de 60 Pág 26 de 60 Pág 27

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5496096 em 23/04/2015 da Empresa OMEGA GERACAO S.A., Nire 31300093107 e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5496096 em 23/04/2015 da Empresa OMEGA GERACAO S.A., Nire 31300093107 e pág. 1/21 pág. 2/21 pág. 3/21 pág. 4/21 pág. 5/21 pág. 6/21 pág. 7/21 pág. 8/21 pág. 9/21 pág. 10/21 pág. 11/21 pág. 12/21 pág. 13/21 pág. 14/21 pág. 15/21 pág. 16/21 pág. 17/21 pág. 18/21 pág. 19/21 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5512916 em 22/05/2015 da Empresa UNIMED BELO HORIZONTE COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº 5512916 em 22/05/2015 da Empresa UNIMED BELO HORIZONTE COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 2/33 pág. 3/33 pág. 4/33 pág. 5/33 pág. 6/33 pág. 7/33 pág. 8/33 pág. 9/33 pág. 10/33 pág. 11/33 pág. 12/33 pág. 13/33 pág. 14/33 pág. 15/33 pág. 16/33 pág. 17/33 pág. 18/33 pág. 19/33 pág. 20/33

Leia mais

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO DOS MAGISTRADOS, SERVIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS E EMPREGADOS DA CELG LTDA,

Certifico que este documento da empresa COOPERATIVA DE CRÉDITO DOS MAGISTRADOS, SERVIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS E EMPREGADOS DA CELG LTDA, Pág 9 de 58 Pág 11 de 58 Pág 13 de 58 Pág 15 de 58 Pág 17 de 58 Pág 19 de 58 Pág 21 de 58 Pág 23 de 58 Pág 25 de 58 Pág 27 de 58 Pág 29 de 58 Pág 31 de 58 Pág 33 de 58 Pág 35 de 58 Pág 37 de 58 Pág 39

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Chiedere aiuto. Chiedere se una persona sa parlare in inglese

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Chiedere aiuto. Chiedere se una persona sa parlare in inglese - Essenziale Você pode me ajudar, por favor? Chiedere aiuto Você fala inglês? Chiedere se una persona sa parlare in inglese Você fala _[idioma]_? Chiedere se una persona parla una certa lingua Eu não falo_[idioma]_.

Leia mais

NR 1 ( ) NR 9 ( ) NR 6 ( ) NR 3 ( ) NR 4 ( ) NR 7 ( ) NR 5 ( ) NR 10 (210.

NR 1 ( ) NR 9 ( ) NR 6 ( ) NR 3 ( ) NR 4 ( ) NR 7 ( ) NR 5 ( ) NR 10 (210. ANEXO ANEXO II da NR-28 NR 1 (101.000-0) 1.7. a 101001-8 1 S 1.7. b 101010-7 1 S 1.7. c I 101005-0 3 S 1.7. c II 101006-9 3 S 1.7. c III 101007-7 3 M 1.7. c IV 101008-5 3 S 1.7. d 101009-3 3 S 1.7. e 101011-5

Leia mais

Idraulica e Idraulica 1 con Laboratorio

Idraulica e Idraulica 1 con Laboratorio Politecnico di Milano ipartimento di Ingegneria Idraulica, mbientale, Infrastrutture iarie, Rilevamento (IIR) Sezione Ingegneria Idraulica Insegnamento di: Idraulica e Idraulica 1 con aboratorio Proff..

Leia mais

Modelagem e CLP Linguagens e Expressões Regulares

Modelagem e CLP Linguagens e Expressões Regulares Modelagem e CLP Linguagens e Expressões Regulares Rafael Garlet de Oliveira Instituto Federal Catarinense - IFC Câmpus Luzerna 5 de março de 2014 Rafael Garlet de Oliveira 1 / 19 Sumário 1 Linguagens Alfabetos

Leia mais

Econometria em Finanças e Atuária

Econometria em Finanças e Atuária Ralph S. Silva http://www.im.ufrj.br/ralph/especializacao.html Departamento de Métodos Estatísticos Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Maio-Junho/2013 Modelos condicionalmente

Leia mais

POLITECNICO DI MILANO

POLITECNICO DI MILANO PLITNI DI MILAN oso di Lauea in Ingegneia Aeospaziale PA secitazione 3 ª Pate biettio: eifica della isposta in fequenza di un filto passa basso e passa alto. eifica della fequenza di taglio supeioe f T

Leia mais

II Convegno di Studi di Genere La donna in contesto italiano e nei paesi di lingua portoghese

II Convegno di Studi di Genere La donna in contesto italiano e nei paesi di lingua portoghese II Convegno di Studi di Genere La donna in contesto italiano e nei paesi di lingua portoghese Università degli Studi di Napoli L Orientale 4 e 5 novembre 2015 II Jornada em Estudos de Género A mulher no

Leia mais

Simbolização de Enunciados com Conectivos

Simbolização de Enunciados com Conectivos Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matemática Texto 4 Simbolização de Enunciados com Conectivos Sumário 1 Conectivos: simbolização e sintaxe 2 2 Enunciados componentes 5 2.1 Observações................................

Leia mais

CHUVAS NO ESTADO DE GOIÁS: ANÁLISE HISTÓRICA E TENDÊNCIA i FUTURA

CHUVAS NO ESTADO DE GOIÁS: ANÁLISE HISTÓRICA E TENDÊNCIA i FUTURA DOI: 10.5654/actageo2012.0612.0007 ISSN 1980-5772 eissn 2177-4307 CHUVAS NO ESTADO DE GOIÁS: ANÁLISE HISTÓRICA E TENDÊNCIA i FUTURA Rain in the state of Goiás: historical analysis and future trends Pioggia

Leia mais

Projeto Banco de Questões Objetivas

Projeto Banco de Questões Objetivas Projeto Banco de Questões Objetivas Manual do Usuário Bruno B. Boniati Frederico Westphalen, RS. 2017 2 Sumário Introdução e Contextualização... 3 1. Identificação e entrada no sistema... 4 2. Tipos de

Leia mais

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Você pode me ajudar, por favor? Chiedere aiuto

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Você pode me ajudar, por favor? Chiedere aiuto - Essenziale Può aiutarmi? Chiedere aiuto Parla inglese? Chiedere se una persona sa parlare in inglese Parla _[lingua]_? Chiedere se una persona parla una certa lingua Non parlo _[lingua]_. Spiegare che

Leia mais

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Você pode me ajudar, por favor? Chiedere aiuto

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Você pode me ajudar, por favor? Chiedere aiuto - Essenziale Può aiutarmi? Chiedere aiuto Parla inglese? Chiedere se una persona sa parlare in inglese Parla _[lingua]_? Chiedere se una persona parla una certa lingua Non parlo _[lingua]_. Spiegare che

Leia mais

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Você pode me ajudar, por favor? Chiedere aiuto

Viaggi Generale. Generale - Essenziale. Generale - Conversazione. Você pode me ajudar, por favor? Chiedere aiuto - Essenziale Può aiutarmi? Chiedere aiuto Parla inglese? Chiedere se una persona sa parlare in inglese Parla _[lingua]_? Chiedere se una persona parla una certa lingua Non parlo _[lingua]_. Spiegare che

Leia mais

E' intervenuto il Diretor UNESP/IBILCE Prof. Dr. Carlos Roberto Ceron

E' intervenuto il Diretor UNESP/IBILCE Prof. Dr. Carlos Roberto Ceron Ore 19,00 SOCIEDADE AMICI D ITALIA Apertura della IX SETTIMANA DELLA LINGUA ITALIANA NEL MONDO e SETTIMANA DELLA CULTURA ITALIANA Apertura delle mostre: Lunedì 19 ottobre Il libro e il piatto. Quando cucinare

Leia mais

FAMÍLIA EXPONENCIAL DE DISTRIBUIÇÕES

FAMÍLIA EXPONENCIAL DE DISTRIBUIÇÕES FAMÍLIA EXPONENCIAL DE DISTRIBUIÇÕES 1 Os modelos lineares generalizados, propostos originalmente em Nelder e Wedderburn (1972), configuram etensões dos modelos lineares clássicos e permitem analisar a

Leia mais

Eletromagnetismo II. 1 Equações de Maxwell. Antonio Carlos Siqueira de Lima Primeira Lista de Exercícios

Eletromagnetismo II. 1 Equações de Maxwell. Antonio Carlos Siqueira de Lima Primeira Lista de Exercícios Eletromagnetismo II Antonio Carlos Siqueira de Lima Primeira Lista de Exercícios 1 Equações de Maxwell 1. Considere uma onda eletromagnética no espaço livre dada por E = E 0 expjkz jωt) H = H 0 expjkz

Leia mais

Exercícios de Eletromagnetismo II

Exercícios de Eletromagnetismo II Exercícios de Eletromagnetismo II Antonio Carlos Siqueira de Lima 2014/2 Resumo Nesse documento são apresentados alguns exercícios sobre eletromagnetismo. Eles são baseados no livro texto: Campos & Ondas

Leia mais

Viajar Circulando. Circulando - Localização. Sem saber onde você está. Perguntando por uma locação específica no mapa

Viajar Circulando. Circulando - Localização. Sem saber onde você está. Perguntando por uma locação específica no mapa - Localização Eu estou perdido (a). Sem saber onde você está Você pode me mostrar onde é isso no mapa? Perguntando por uma locação específica no mapa Onde eu encontro? Perguntando por um determinado local

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Lista de Modelos Probabilísticos Modelos Discretos Modelos Contínuos... 3

SUMÁRIO. 1 Lista de Modelos Probabilísticos Modelos Discretos Modelos Contínuos... 3 SUMÁRIO Lista de Modelos Probabilísticos. Modelos Discretos.................................. Modelos Contínuos................................ 3 LISTA DE MODELOS PROBABILÍSTICOS. MODELOS DISCRETOS Distribuição

Leia mais

Exercícios de Teoria da Probabilidade e Processos Estocásticos Parte I

Exercícios de Teoria da Probabilidade e Processos Estocásticos Parte I Exercícios de Teoria da Probabilidade e Processos Estocásticos Parte I 2013/2014 Exercício 1. Seja (, F) um espaço mensurável. Mostre que 1. F. 2. se A i F, i = 1, 2,... então n i=1 A i F. 3. se A i F,

Leia mais

1 S S. Errata do Livro Introdução à Física Estatística, IST Press (atualização de 4 fevereiro 2015) Cap 1:

1 S S. Errata do Livro Introdução à Física Estatística, IST Press (atualização de 4 fevereiro 2015) Cap 1: Errata do Livro Introdução à Física Estatística, IST Press (atualização de 4 fevereiro 05) Cap : Pag, última expressão (.3..4): substituir σ L = l por δ n = Pag 3, linha 7 a contar do fim: substituir k

Leia mais

Modelos e técnicas para epidemias na rede

Modelos e técnicas para epidemias na rede Modelos e técnicas para epidemias na rede Wellington G. Dantas 4 de março de 2010 W. G. Dantas () Modelos e técnicas 4 de março de 2010 1 / 28 1 Sistemas em equiĺıbrio e fora-do-equiĺıbrio Condições de

Leia mais

Econometria em Finanças e Atuária

Econometria em Finanças e Atuária Ralph S. Silva http://www.im.ufrj.br/ralph/especializacao.html Departamento de Métodos Estatísticos Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Maio-Junho/2013 Motivação Motivação Por

Leia mais

Distribuições de Probabilidade Contínuas 1/19

Distribuições de Probabilidade Contínuas 1/19 all Distribuições de Probabilidade Contínuas Professores Eduardo Zambon e Magnos Martinello UFES Universidade Federal do Espírito Santo DI Departamento de Informática CEUNES Centro Universitário Norte

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS ELIO VITTORINI EM PORTUGAL: CONTRIBUTO PARA O ESTUDO DAS SUAS TRADUÇÕES PORTUGUESAS Pasqualina Capasso Dissertação apresentada para a obtenção do Grau de Mestre

Leia mais

Sintesi di un controllore a tempo discreto LT-Cap. 7-8

Sintesi di un controllore a tempo discreto LT-Cap. 7-8 per Controllo Digitale a.a. 2006-2007 di un controllore a tempo discreto LT-Cap. 7-8 processo corretto per processo corretto L algoritmo di controllo C(z) viene ricavato a partire dalla sua versione analogica

Leia mais

Séries Temporais e Modelos Dinâmicos. Econometria. Marcelo C. Medeiros. Aula 4

Séries Temporais e Modelos Dinâmicos. Econometria. Marcelo C. Medeiros. Aula 4 em Econometria Departamento de Economia Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Aula 4 O Processo Média-Móvel Muitas vezes, a estrutura auto-regressiva não é suficiente para descrever totalmente

Leia mais

COMUNE DI CIVITA CASTELLANA

COMUNE DI CIVITA CASTELLANA COMUNE DI CIVITA CASTELLANA STRADARIO CON INDICAZIONE RETI IDRICHE PROBLEMATICHE ARSENICO E FLUORURI STRADARIO DEL COMUNE DI CIVITA CASTELLANA CON INDIVIDUAZIONE RETI IDRICHE Per facilitare l utente nell

Leia mais

Processamento de ImagensAnálise de Texturas

Processamento de ImagensAnálise de Texturas Processameto de Images Aálise de Texturas Semestre 2013-2 Sumário 1 abc 1 Sumário Aálise de Texturas Esta apresetação baseia-se o Capítulo 8 do livro [?] Aálise de Images Digitais, de Hélio Pedrii e William

Leia mais

Exemplo Placas Dentárias

Exemplo Placas Dentárias Exemplo Placas Dentárias Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Placas Dentárias 2 o Semestre 2016 1 / 20 Placas Dentárias

Leia mais

Alfabeto Grego. Edson de Faria Francisco. São Bernardo do Campo, fevereiro de letras (maiúsculas e minúsculas) nome transliteração pronúncia

Alfabeto Grego. Edson de Faria Francisco. São Bernardo do Campo, fevereiro de letras (maiúsculas e minúsculas) nome transliteração pronúncia letras (maiúsculas e minúsculas) Alfabeto Grego Edson de Faria Francisco. São Bernardo do Campo, fevereiro de 2014. nome transliteração pronúncia 1 alfa a a 2 beta b b 3 gama g g 4 delta d d 5 épsilon

Leia mais

AZEITE DE OLIVE EXTRA VIRGEM TIPO: EXTRA VIRGEM

AZEITE DE OLIVE EXTRA VIRGEM TIPO: EXTRA VIRGEM AZEITE DE OLIVE EXTRA VIRGEM TIPO: EXTRA VIRGEM Azeite de categoria superior obtido diretamente de azeitonas, unicamente por processos mecânicos a frio Azeite de olive Extra Virgem Tipo: Extra Virgem Azeite

Leia mais

A Experiência de Stern-Gerlach e o Spin do Elétron

A Experiência de Stern-Gerlach e o Spin do Elétron UFPR 28 de Abril de 2014 Figura: Placa Comemorativa. ela foi realizada em 1922; ela investiga os possíveis valores do momento de dipolo magnético, µ, de um átomo de prata; ela explora a dinâmica do dipolo

Leia mais

AZEITE DE OLIVE EXTRA VIRGEM TIPO: EXTRA VIRGEM

AZEITE DE OLIVE EXTRA VIRGEM TIPO: EXTRA VIRGEM AZEITE DE OLIVE EXTRA VIRGEM TIPO: EXTRA VIRGEM Azeite de categoria superior obtido diretamente de azeitonas, unicamente por processos mecânicos a frio Azeite de olive Extra Virgem Tipo: Extra Virgem Azeite

Leia mais

Unidade de Aprendizagem 2. Física I C. Propriedades Elásticas dos Materiais. Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física

Unidade de Aprendizagem 2. Física I C. Propriedades Elásticas dos Materiais. Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física Unidade de Aprendizagem 2 Propriedades Elásticas dos Materiais Física I C Departamento t de Física Professor: Mário Forjaz Secca 1 Num sólido as moléculas são mantidas numa posição relativa constante.

Leia mais

Valvola a galleggiante a sede unica compensata Mod. ATHENA

Valvola a galleggiante a sede unica compensata Mod. ATHENA Valvola a galleggiante a sede unica compensata Mod. ATHENA La ATHENA è una valvola a galleggiante a sede unica compensata, che mantiene automaticamente il livello costante di un serbatoio o cisterna, indipendentemente

Leia mais

UFSM-CTISM. Projeto de Redes sem Fio Aula-04

UFSM-CTISM. Projeto de Redes sem Fio Aula-04 UFSM-CTISM Projeto de Redes sem Fio Aula-04 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Ocorre quando uma onda eletromagnética em colide com um objeto que possui dimensões muito grandes em comparação

Leia mais

Aceleração metro por seg. ao quadrado m/s 2

Aceleração metro por seg. ao quadrado m/s 2 Sistemas de Unidades. SISTEMAS DE UNIDADES. Grandezas físicas Define-se como uma grandeza como sendo tudo aquilo que pode ser mensurado. No dia a dia são utilizadas de forma natural enumeras grandezas

Leia mais

Persinsala Teatro Redazione Teatro agosto 22, Per motivi tecnici, l apertura del Roma Fringe Festival è stata posticipata a venerdì 26 agosto.

Persinsala Teatro Redazione Teatro agosto 22, Per motivi tecnici, l apertura del Roma Fringe Festival è stata posticipata a venerdì 26 agosto. Per motivi tecnici, l apertura del è stata posticipata a venerdì 26 agosto. Ogni sera nell isola di Villa Ada, partner della manifestazione, si alterneranno otto spettacoli differenti contornati da mercatino

Leia mais

IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA

IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA UNIVERSITÀ DEGLI STUDI DI PADOVA - CENTRO LINGUISTICO DI ATENEO IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA Vedere film in lingua straniera è un modo utile e divertente per imparare o perfezionare una lingua straniera.

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA UFPE - Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Estatística Disciplina: ET-406 Estatística Econômica Professor: Waldemar A. de Santa Cruz Oliveira Júnior INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Podemos

Leia mais

IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA

IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA UNIVERSITÀ DEGLI STUDI DI PADOVA - CENTRO LINGUISTICO DI ATENEO IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA Vedere film in lingua straniera è un modo utile e divertente per imparare o perfezionare una lingua straniera.

Leia mais

Séries Temporais e Modelos Dinâmicos. Econometria. Marcelo C. Medeiros. Aula 7

Séries Temporais e Modelos Dinâmicos. Econometria. Marcelo C. Medeiros. Aula 7 em Econometria Departamento de Economia Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Aula 7 O Modelo Estrutural Identificação Seja z t = (z 1t,...,z mt ) R m um vetor composto das variáveis de interesse.

Leia mais

Soluções da Colectânea de Exercícios

Soluções da Colectânea de Exercícios Soluções da Colectânea de Exercícios (Edição de Fevereiro de 2003) Capítulo 1 1.1 d) x = 3.167; s = 0.886 (dados não agrupados) e) mediana = x = 3.25; q 1 = 2.4 ; q 3 = 3.9 1.2 a) x = 2.866 ; x = 3; moda

Leia mais

TESTES DE HIPÓTESES. HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não.

TESTES DE HIPÓTESES. HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não. TESTES DE HIPÓTESES HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não. HIPÓTESES ESTATÍSTICA: Hipótese Nula (H 0 ): a ser validada pelo teste.

Leia mais

IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA

IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA UNIVERSITÀ DEGLI STUDI DI PADOVA - CENTRO LINGUISTICO DI ATENEO IMPARA LE LINGUE CON I FILM AL CLA Vedere film in lingua straniera è un modo utile e divertente per imparare o perfezionare una lingua straniera.

Leia mais

21/2/2012. Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Ciências Agrárias

21/2/2012. Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Ciências Agrárias Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Ciências Agrárias Aula 2: Propriedades dos fluidos Disciplina: Hidráulica Agrícola Prof.: D.Sc.

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

NORMAS EDITORIAIS Artigos Arquivo Recensões bibliográficas

NORMAS EDITORIAIS Artigos Arquivo Recensões bibliográficas NORMAS EDITORIAIS Kléos, revista de publicação anual do Programa de Estudos em Filosofia Antiga da Universidade Federal do Rio de Janeiro, destina-se à divulgação de trabalhos concernentes à Filosofia

Leia mais

MOTORCODE KAROSSERIEVERSIONEN... 9 FAHRLEISTUNGEN... 9 KRAFTSTOFFVERBRAUCH...10 CO 2

MOTORCODE KAROSSERIEVERSIONEN... 9 FAHRLEISTUNGEN... 9 KRAFTSTOFFVERBRAUCH...10 CO 2 F I A T B R A V O p u r - O 2 I CODICI MOTORI - VERSIONI CARROZZERIA... 3 PRESTAZIONI... 3 CONSUMO DI CARBURANTE... 4 EMISSIONI DI CO 2... 4 D MOTORCODE KAROSSERIEVERSIONEN... 9 FAHRLEISTUNGEN... 9 KRAFTSTOFFVERBRAUCH...10

Leia mais

Os Teoremas Fundamentais do Cálculo

Os Teoremas Fundamentais do Cálculo Os Teoremas Fundamentais do Cálculo Manuel Ricou IST, 1 de Fevereiro de 2010 O que são os TFC s? Para já, um pretexto para discutirmos algumas das questões mais básicas e mais antigas da Matemática, Alguns

Leia mais

Módulo de Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1. Retas Paralelas Cortadas por uma Transversal. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda

Módulo de Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1. Retas Paralelas Cortadas por uma Transversal. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Módulo de Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1 Retas Paralelas Cortadas por uma Transversal. 8 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1.

Leia mais

26 de dezembro de 2007

26 de dezembro de 2007 Curso de UFRPE e UFPE 26 de dezembro de 2007 1 2 3 4 Seja l(θ) a log-verossimilhança. A esperança e a covariância da função escore são dadas por: e Cov(U) = E respectivamente. ( UT θ E(U) = 0 (1.1) ) (

Leia mais

mat.ufrgs..ufrgs.br br/~viali/ mat.ufrgs..ufrgs.br

mat.ufrgs..ufrgs.br br/~viali/ mat.ufrgs..ufrgs.br Prof. Lorí Viali, Dr. http://www. ://www.mat mat.ufrgs..ufrgs.br br/~viali/ viali@mat mat.ufrgs..ufrgs.br Média Uma amostra Proporção Variância Dependentes Diferença de médias m Duas amostras Independentes

Leia mais

Precapitulo della Provincia dell'esaltazione della. Santa Croce

Precapitulo della Provincia dell'esaltazione della. Santa Croce Congregação da Paixão de Jesus Cristo Província da Exaltação da Santa Cruz Rua Souza Magalhães Nº 637 Barreiro - 30640-570 Belo Horizonte MG / Brasil Tel: [00 55] [31] 35040816 / 35040817 edilbertopassio@yahoo.com.br

Leia mais

EXAME NACIONAL DE SELEÇÃO 2010

EXAME NACIONAL DE SELEÇÃO 2010 EXAME NACIONAL DE SELEÇÃO 2010 PROVA DE ESTATÍSTICA 1 o Dia: 30/09/2009 - QUARTA FEIRA HORÁRIO: 10h 30m às 12h 45m (horário de Brasília) EXAME NACIONAL DE SELEÇÃO 2010 PROVA DE ESTATÍSTICA 1º Dia: 30/09

Leia mais

Entre os pontos A e B temos uma d.d.p. no indutor dada por V L = L d i e entre os pontos C e D da d.d.p. no capacitor é dada por V L V C = 0

Entre os pontos A e B temos uma d.d.p. no indutor dada por V L = L d i e entre os pontos C e D da d.d.p. no capacitor é dada por V L V C = 0 Um circuito elétrico LC é composto por um indutor de mh e um capacitor de 0,8 μf. A carga inicial do capacitor é de 5 μc e a corrente no circuito é nula, determine: a) A variação da carga no capacitor;

Leia mais

4 Distribuição normal assimétrica

4 Distribuição normal assimétrica 4 Distribuição normal assimétrica A grande motivação para a definição da distribuição normal assimétrica é obter uma classe de distribuições paramétricas que apresente uma transição contínua da normalidade

Leia mais