Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07"

Transcrição

1 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo V1.0 Conteúdo INVASÃO AMEAÇAS AMEAÇAS

2 INVASÃO AÇÃO CRIMINOSA DE PESSOAS OU GRUPO DE PESSOAS, VISANDO A QUEBRA DE SIGILO E USO INDEVIDO DOS RECURSOS DE UMA REDE DE COMPUTADORES. INVASÃO AMEAÇAS 1 - NEGAÇÃO DE SERVIÇO DOS - ( DOS DENIAL OF SERVICE ) INUNDAÇÃO DE PACOTES MALICIOSAMENTE GERADOS AFOGAM O RECEPTOR. 2 - NEGAÇÃO DE SERVIÇO - DDOS ( DISTRIBUTED DOS ) FONTES MULTIPLAS E COORDENADAS INUNDAM O RECEPTOR C SYN SYN D SYN SYN RECEPTOR

3 INVASÃO ARQUITETURA GERAL DE PROTEÇÃO É UM EQUIPAMENTO OU CONJUNTO DE EQUIPAMENTOS OU A COMBINAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES CUJO OBJETIVO É CONTROLAR O TRÁFEGO ENTRE REDES. LAN FIREWALL INTENET REDE EXTERNA INSTALADO ENTRE A(s) REDE(s) DA ORGANIZAÇÃO E A REDE(s) EXTERNA(s) INVASÃO ARQUITETURA GERAL DE PROTEÇÃO LAN R.H. LAN ENGENHARIA FIREWALL INSTALADO ENTRE A(s) SUB- REDE(s) DA ORGANIZAÇÃO.

4 INVASÃO ARQUITETURA GERAL DE PROTEÇÃO MÁQUINAS SACRIFICADAS LAN SERVIDOR WEB INTERNET FIREWALL ROTEADOR SERVIDOR FTP SERVIDOR WEB E SERVIDOR FTP - MÁQUINAS SACRIFICADAS Também conhecido como DMZ Demilitarized Zone INVASÃO ROTEADOR CONFIGURADO COM FILTROS COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL COMBINAÇÃO ROTEADOR + SOFTWARE FIREWALL COMPUTADOR COM SOFTWARE PROXY

5 INVASÃO ROTEADOR CONFIGURADO COM FILTROS LAN ROTEADOR C/ FILTRO INTERNET FIREWALL INSTALADO ENTRE A(s) REDE(s) DA ORGANIZAÇÃO E A REDE EXTERNA INVASÃO ROTEADOR CONFIGURADO COM FILTROS LAN R.H. LAN ENGENHARIA ROTEADOR C/ FILTRO FIREWALL INSTALADO ENTRE A(s) SUB-REDE(s) DA ORGANIZAÇÃO.

6 INVASÃO CONFIGURAÇÃO DE FILTROS ROTEADOR CONFIGURADO COM FILTROS 1. OS PACOTES QUE ATENDEM ÀS EXIGÊNCIAS DESCRITAS NOS FILTROS SÃO ROTEADOS OU DESCARTADOS. 2. OS FILTROS DEFINEM VALORES PARA ANÁLISE DOS CABEÇALHOS DOS PACOTES ( HEADER ). CRITÉRIOS QUE PODERÃO SER UTILIZADOS ENDEREÇO DA MÁQUINA ORIGEM ENDEREÇO DA MÁQUINA DESTINO TIPO DE PROTOCOLO NUMERO DA PORTA DE COMUNICAÇÃO ORIGEM NUMERO DA PORTA DE COMUNICAÇÃO DESTINO INVASÃO ROTEADOR CONFIGURADO COM FILTROS PAC PAC e0 A s s0 s D s1 s s0 s1 C e s0 B interface e0 ip address ip access-group 100 in access-list 100 deny ip host access-list 100 deny ip host host access-list 100 permit ip any any PAC 1 PAC 2 MAC Header MAC Header IP Header Dados Source Destinat DADOS IP Header Dados Source Destinat DADOS ORIGEM DESTINO As regras nos comandos access-list negam ou permitem o acesso. As listas de acesso são aplicadas na entrada da interface e 0 com o comando access-group

7 INVASÃO VANTAGENS ROTEADOR CONFIGURADO COM FILTROS A CONFIGURAÇÃO É SIMPLES PARA TRÁFEGOS SIMPLES BAIXO CUSTO - NÃO REQUER A ADIÇÃO DE EQUIPAMENTOS ALTO DESEMPENHO OPERAÇÕES DE BAIXO NÍVEL DESVANTAGENS A CONFIGURAÇÃO E A MANUTENÇÃO DOS FILTROS É TRABALHOSA PARA TRÁFEGOS COMPLEXOS. DIFÍCIL GARANTIR QUE OS FILTROS ESTEJAM TODOS BEM CONFIGURADOS QUANDO EXISTE UMA GRANDE QTDE DE FILTROS. EXISTE DIFICULDADE PARAIDENTIFICAR A MÁQUINA INVASORA UMA VEZ QUE O ROTEADOR NÃO ARMAZENA EVENTOS. INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL LAN COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL INTERNET ROTEADOR INSTALADO ENTRE A(s) REDE(s) DA ORGANIZAÇÃO E O ROTEADOR TIPOS DE FIREWALL FILTRO DE PACOTES MONITORAMENTO DE CONEXÕES

8 INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL FILTROS DE PACOTES OPERAM DE FORMA SEMELHANTE AOS ROTEADORES COM FILTROS CONFIGURADOS ANALISAM OS PACOTES NA CAMADA DE REDE E TRANSPORTE NÃO SÃO CAPAZES DE MONITORAR O ESTADO DE UMA CONEXÃO NEM ENTENDER PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL MONITORAMENTO DE CONEXÕES CIRCUIT LEVEL ANALISAM OS PACOTES NA CAMADA DE REDE, TRANSPORTE E SESSÃO SÃO CAPAZES DE MONITORAR O ESTADO DE UMA CONEXÃO ENTRE AS MÁQUINAS PROTEGIDAS DA REDE E MÁQUINAS EXTERNA NÃO ENTENDEM PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO NÃO SÃO CAPAZES DE MONITORAR SERVIÇOS CUJOS PROTOCOLOS NÃO SÃO ORIENTADOS À CONEXÃO ARMAZENAM INFORMAÇÕES SOBRE AS CONEXÕES

9 INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL MONITORAMENTO DE CONEXÕES CIRCUIT LEVEL E STATEFUL INSPECTION OPERAM DE FORMA SEMELHANTE AOS DE CIRCUIT LEVEL ADICIONALMENTE SÃO CAPAZES DE MONITORAR SERVIÇOS CUJOS PROTOCOLOS NÃO SÃO ORIENTADOS Á CONEXÃO ARMAZENAM INFORMAÇÕES SOBRE OS PACOTES ORIENTADOS OU NÃO ORIENTADOS Á CONEXÃO INSPECIONAM INFORMAÇÕES SOBRE PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL MONITORAMENTO DE CONEXÕES CIRCUIT LEVEL E STATEFUL INSPECTION INTERNET Pacote IP Source Destinat Source Destinat Source Destinat MAC MAC IP Add IP Add Port Port XXXXX YYYYY HTML DATA MAC Header IP Header TCP Header Dados Camada 2 Camada 3 Camada 4 Camadas 5-7 Conjunto de regras Permit Sour TCP 1060 Dest TCP 80 Deny Sour TCP 1000 Dest TCP 23 Sour TCP 5500 Dest TCP 80

10 INVASÃO ROTEADOR + COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL LAN COMPUTADOR COM SOFTWARE FIREWALL INTERNET ROTEADOR CONJUNTO DE REGRAS CIRCUIT LEVEL E STATEFUL INSPECTION LISTA DE ACESSO INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE PROXY LAN COMPUTADOR COM SOFTWARE PROXY INTERNET ROTEADOR INSTALADO ENTRE A(s) REDE(s) DA ORGANIZAÇÃO E O ROTEADOR

11 INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE PROXY OS PROXIES SUBSTITUEM OS PROGRAMAS DE FIREWALL OS SERVIÇOS DE CONEXÃO ENTRE A REDE INTERNA E EXTERNA PASSAM A SER PRESTADOS ATRAVÉS DOS PROXIES OS PROGRAMAS PROXIES SÃO COMPOSTOS POR MÓDULOS CADA PROXY ENTENDE UM PROTOCOLO DE APLICAÇÃO INVASÃO COMPUTADOR COM SOFTWARE PROXY SERVIÇO FTP CLIENTE PROXY SERVIÇO TELNET SERVIDOR FTP CLIENTE PROXY SERVIDOR FTP

12 ATIVIDADE O que é invasão? 2. Que recursos podem ser utilizados contra invasão? 3. O que é um Firewall? Elabore um diagrama geral da arquitetura de proteção. 4. Explique como funciona a utilização de filtros nos roteadores. 5. Discorra a respeito dos tipos de Firewall existentes. 6. O que é um Proxy? AÇÃO CRIMINOSA DE PESSOAS OU GRUPO DE PESSOAS VISANDO A QUEBRA DE SIGILO, CAPTAÇÃO E USO INDEVIDO DE DADOS E INFORMAÇÕES

13 ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO REMENTE CANAL DESTINATÁRIO COMUNICAÇÃO SEGURA SIGILO EVITAR QUE UM INTRUSO LEIA OU REGISTRE A MENSAGEM AUTENTICIDADE TER CERTEZA DA INDENTIDADE DOS ENVOLVIDOS INTEGRIDADE NÃO PERMITIR ALTERAÇÃO DA MENSAGEM DE FORMA ACIDENTAL OU PROPOSITALMENTE.

14 INTRUSOS ATIVO PODE REMOVER OU MODIFICAR AS MENSAGENS PASSIVO PODE LER OU GRAVAR UMA MENSAGEM 1 - CAPTURA DE PACOTES AMEAÇAS MEIO BROADCAST PLACA DE REDE EM MODO PROMISCUO LÊEM TODOS OS OS PACOTES QUE PASSAM POR ELA PODEL LER TODOS OS DADOS NÃO CRIPTOGRAFADOS A ORIG: A / DEST: B / DADOS B

15 2 - IP SPOOFING AMEAÇAS PODE GERAR PACOTES NOVOS DIRETAMENTE DA APLICAÇÃO COLOCA QUALQUER VALOR NO CAMPO DE ENDEREÇO IP DE ORIGEM EXEMPLO: C FINGE SER B C ORIG: B / DEST: A / DADOS A B 1. CRIPTOGRAFIA 2. PGP Pretty Good Privacy 3. AUTENTICAÇÃO 4. CERTIFICADOS 5. SSL - SECURE SOCKET LAYERS 6. IPSEC - IP SECURITY

16 CRIPTOGRAFIA texto plaintext aberto Algoritmo de Criptografia K A ciphertext texto cifrado Figure 7.3 goes here canal K B Algoritmo de Decriptografia texto plaintext aberto CRIPTOGRAFIA CRIPTOGRAFIA COM CHAVE SIMÉTRICA AS CHAVES DO TRANSMISSOR ( ka ) E DO RECEPTOR (kb) SÃO IDÊNTICAS E DEVEM SER COMBINADAS TRANSMISSOR TEXTO ABERTO ALGORITIMO DE CRIPTOGRAFIA CANAL ALGORITIMO DE DESCRIPTOGRAFIA RECEPTOR TEXTO ABERTO CHAVE ka CHAVE kb

17 DES: Data Encryption Standard CRIPTOGRAFIA CRIPTOGRAFIA COM CHAVE SIMÉTRICA Padrão de criptografia dos EUA [NIST 1993] Chave simétrica de 56 bits Quão seguro é o padrão DES? uma frase criptografada com chave de 56 bits ( Strong cryptography makes the world a safer place ) foi decriptografada em 4 meses 1999 um supercomputador junto com mais cem mil PCs na Internet decriptografaram a frase em 22 horas e 15 minutos CRIPTOGRAFIA CRIPTOGRAFIA COM CHAVE PÚBLICA TRANSMISSOR ( ka ) E RECEPTOR (kb) NÃO COMPARTILHAM UMA CHAVE SECRETA TRANSMISSOR TEXTO ABERTO ALGORITIMO DE CRIPTOGRAFIA CANAL ALGORITIMO DE DESCRIPTOGRAFIA RECEPTOR TEXTO ABERTO CHAVE ka PÚBLICA CHAVE kb PRIVADA

18 CRIPTOGRAFIA CRIPTOGRAFIA COM CHAVE PÚBLICA ALGORÍTIMO RSA RSA tornou se um sinônimo de criptografia - chave pública Cem vezes mais lento que o DES em software Mil vezes mais lento que o DES em hardware Muitas vezes usado em combinação com o DES Usa-se o RSA para se transmitir uma chave simétrica entre os pares da comunicação. A partir disso passam a trocar dados usando o algoritmo DES já que ambos conhecem PGP - Pretty Good Privacy UTILIZADO PARA MANTER O SIGILO DE MENSAGENS TROCADAS POR CORREIO ELETRÔNICO OU ENVIO DE ARQUIVOS. USA CRIPTOGRAFIA DE CHAVE SIMÉTRICA, CHAVE PÚBLICA, FUNÇÃO HASH E ASSINATURA DIGITAL.. CADA USUÁRIO TEM UMA CHAVE PRIVADA PARA LER AS MENSAGENS OU ARQUIVOS RECEBIDOS CADA USUÁRIO TEM TAMBÉM UMA CHAVE PÚBLICA, QUE DIVULGA PARA OS OUTROS USUÁRIOS REMETENTES DE MENSAGEM OU ARQUIVOS.

19 PGP - Pretty Good Privacy ---BEGIN PGP SIGNED MESSAGE--- Hash: SHA1 ORIGINAL Bob: My husband is out of town tonight. Passionately yours, Alice ---BEGIN PGP SIGNATURE--- Version: PGP 5.0 Charset: noconv CIFRADA yhhjrhhgjghgg/12epj+lo8ge4vb3mqjhfevzp9 t6n7g6m5gw2 ---END PGP SIGNATURE--- AUTENTICAÇÃO GARANTE A INTEGRIDADE E AUTENTICIDADE DOS DADOS PARA GARANTIR A INTEGRIDADE DOS DADOS É UTILIZADA A FUNÇÃO Hash EXEMPLOS DE FUNÇÃO Hash : MAD 5 ( Message Digest 5 ) MAIS UTILIZADA MENSAGEM CALCULADA 128 Bits SAH 1 ( Secure Hash Algorith ) PADRÃO DOS USA FEDERAL MENSAGEM CALCULADA 160 Bits

20 AUTENTICAÇÃO FORMA DE OPERAÇÃO TRANSMISSOR DADOS DADOS RECEPTOR Hash: calcula um valor com base nos dados e Incluí na transmissão. FUNÇÕES HASH DADOS + VALOR CANAL FUNÇÕES HASH DADOS + VALOR Hash: calcula o valor com base nos dados recebidos e compara. se o valor for o mesmo os dados estão íntegros CERTIFICADOS CONTÉM INFORMAÇÕES QUE IDENTIFICAM E CERTIFICAM A ORIGEM DOS DADOS INFORMAÇÕES CONTIDAS NO CERTIFICADO PESSOA JURÍDICA IDENTIFICAÇÃO DO EMISSOR DO CERTIFICADO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE PARA O QUAL O CERTIFICADO FOI EMITIDO CHAVE PÚBLICA DA ENTIDADE DATA E HORA

21 CERTIFICADOS INFORMAÇÕES CONTIDAS NO CERTIFICADO PESSOA FÍSICA IDENTIFICAÇÃO DO EMISSOR DO CERTIFICADO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE PARA O QUAL O CERTIFICADO FOI EMITIDO CHAVE PÚBLICA DA ENTIDADE DATA E HORA NOME NACIONALIDADE ORGANIZAÇÃO EM QUE A PESSOA TRABALHA CERTIFICADOS OPERAÇÃO AUTORIDADE CERTIFICADORA ENTIDADE X ENTIDADE Y 1. X SOLICITA A Y O SEU CERTIFICADO 2. Y ENVIA PARA X O SEU CERTIFICADO 3. X TEM A CHAVE PUBLICA DA AUTORIDADE CERTIFICADORA PODE DECIFRAR O CERTIFICADO. 4. X ENVIA UMA MENSAGEM PARA Y SOLICITANDO QUE ESTE SE AUTENTIQUE. 5. Y RECEBE A SOLICITAÇÃO E GERA A MENSAGEM 6. Y USA A FUNÇÃO Hash PARA CALCULAR UM VALOR A PARTIR DA MENSAGEM COM SUA CHAVE PRIVADA E O ENVIA PARA X. 7. X USA A FUNÇÃO Hash PARA CALCULAR O VALOR, COMPARA COM O VALOR ENVIADO E LIBERA OU NÃO.

22 CERTIFICADOS OBTENDO CERTIFICADOS 1. ESCOLHER UMA AUTORIDADE CERTIFICADORA 2. FORNECER AS INFORMAÇÕES PARA A AUTORIDADE GERAR UM PAR DE CHAVES PUBLICA E PRIVADA 3. GERAR E ENVIAR UMA SOLICITAÇÃO DE CERTIFICADO PARA A AUTORIDADE - USAR UM NAVEGADOR. 4. AGUARDAR O CERTIFICADO 5. INSTALAR O CERTIFICADO NA MÁQUINA SSL - SECURE SOCKETS LAYER PROTOCOLO CRIPTOGRÁFICO SSL OPERA NA CAMADA DE TRANSPORTE OFERECE SEGURANÇA PARA APLICAÇÕES BASEADAS NO TCP O SSL É USADO ENTRE CLIENTES E SERVIDORES: WWW CORREIO ELETRÔNICO TELNET SERVIÇOS OFERECIDOS Autenticação do Servidor Criptografia dos dados Autenticação do cliente

23 SSL - SECURE SOCKETS LAYER AUTENTICAÇÃO DO SERVIDOR 1. CLIENTE COM SSL INSTALADO INLCUEM CHAVES PÚBLICAS PARA PARA TRANSAÇÕES CONFIÁVEIS 2. CLIENTE SOLICITA O CERTIFICADO DO SERVIDOR 3. SERVIDOR ENVIA 4. CLIENTE USA SUA CHAVE PÚBLICA PARA EXTRAIR A CHAVE PÚBLICA DO SERVIDOR CERTIFICADOR 5. A CONEXÃO É ESTABELECIDA 6. O SSL GARANTE O SIGILO DOS DADOS TRANFERIDOS SSL - SECURE SOCKETS LAYER USA CRIPTOGRAFIA ASSIMÉTRICA ADICIONA O ENDEREÇO MAC AOS DADOS PARA DIFICULTAR ALTERAÇÕES USA CERTIFICADOS DIGITAIS ORIGEM : NETSCAPE O PROTOCOLO TORNOU-SE PADRÃO DO W3C - WORLD WIDE WEB Consortium

24 IPSec - IP Security ATUA NA CAMADA DE REDE O IPSec FOI PADRONIZADO PELO IETF - INTERNET ENG. TASK FORCE O IPSec é opcional no IPv4 MAS É OBRIGATÓRIO DO IPv6. GARANTE O SIGILO, AUTENTIICIDADE E INTEGRIDADE DOS DADOS ADICIONA DOIS HEADERS NO NO PACOTE IP. AH - AUTHENTICATION HEADER ESP Encapsulating Security Payload IPSec - IP Security O Header AH GARANTE A INTEGRIDADE E AUTENTICIDADE DOS DADOS ALGUMAS INFORMAÇÕES INCLUÍDAS ID DO CABEÇALHO SEGUINTE TAMANHO DA ASSINATURA DIGITAL SPI - SECURITY PARAMETERS INDEX ASSINATURA DIGITAL (UTILIZA MD-5 OU SHA-1) O Header ESP (ENCAPSULATING SECURITY PAYLOAD) GARANTE O SIGILO É INSERIDO ENTRE O HEADER DO IP E O HEADER DE TRANSPORTE

25 IPSec - IP Security OS headers AH e ESP, CRIAM UM CANAL LÓGICO DE CAMADA DE REDE CHAMADO DE ACORDO DE SERVIÇO - SA CADA SA - É UNIDIRECIONAL AH CANAL LÓGICO ESP ATIVIDADE O que é interceptação de dados e informações? 2. Quais são os aspectos envolvidos em uma Comunicação Segura? 3. Discorra a respeito dos tipos de intrusos existentes. 4. Discorra a respeito das ameaças à Segurança na Internet. 5. O que é Criptografia com Chave Simétrica? 6. O que é Criptografia com Chave Pública? 7. O que é PGP Pretty Good Privacy? 8. O que é autenticação? 9. O que é um certificado de autenticação? Como ele funciona? 10. Discorra a respeito do processo de obtenção de um certificado de autenticação. 11. O que é SSL Secure Sockets Layer? 12. O que é IPSEC Segurança na Camada de Rede?

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 Segurança em Redes de Computadores 2006 V1.0 Conteúdo INVASÃO AMEAÇAS RECURSOS DE PROTEÇÃO AMEAÇAS TÉCNICAS DE PROTEÇÃO

Leia mais

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais)

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais) Autenticação: mais uma tentativa Protocolo ap3.1: Alice diz Eu sou Alice e envia sua senha secreta criptografada para prová-lo. Eu I am sou Alice encrypt(password) criptografia (senha) Cenário de Falha?

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Unidade 3 Dispositivos e Tecnologias

Unidade 3 Dispositivos e Tecnologias Unidade 3 Dispositivos e Tecnologias 95 Firewalls firewall Isola a rede interna de uma organização da rede pública (Internet), permitindo a passagem de certos pacotes, bloqueando outros. Rede administrada

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

Nível de segurança de uma VPN

Nível de segurança de uma VPN VPN Virtual Private Network (VPN) é uma conexão segura baseada em criptografia O objetivo é transportar informação sensível através de uma rede insegura (Internet) VPNs combinam tecnologias de criptografia,

Leia mais

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016. Heavily based on 1996-2010 J. Kurose and K. Ross, All Rights Reserved.

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016. Heavily based on 1996-2010 J. Kurose and K. Ross, All Rights Reserved. Questionário Socrative: início de aula 7. Segurança de redes Redes de Computadores Objetivos Estudar os princípios da segurança de redes Criptografia Confidencialidade, autenticidade, integridade A implementação

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Requisitos de Segurança em Redes» Autenticação: O parceiro da comunicação deve ser o verdadeiro» Confidencialidade: Os dados transmitidos não devem ser espiados»

Leia mais

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo 1. Introdução O envio e o recebimento de informações são uma necessidade antiga, proveniente de centenas de anos. Nos últimos tempos, o surgimento da Internet e de tantas outras tecnologias trouxe muitas

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL Segurança e SSL O que é segurança na rede? Confidencialidade: apenas remetente e destinatário pretendido devem entender conteúdo da mensagem remetente criptografa mensagem destinatário decripta mensagem

Leia mais

Cliente/Servidor. Segurança. Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Segurança. Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Segurança Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 1-1 Política de Segurança Especifica de forma não ambígua quais itens devem ser protegidos e não como implementar esta

Leia mais

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs)

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Capítulo 13 Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Neste capítulo faz-se uma introdução a aplicações e standards que implementam segurança (por encriptação) na comunicação

Leia mais

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Conectando-se à Internet com Segurança Soluções mais simples. Sistemas de Segurança de Perímetro Zona Desmilitarizada (DMZ) Roteador de

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança em Correio Eletrônico Aplicação mais usada no mundo Altamente vulnerável Serviços necessários: Confidencialidade Autenticação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Segurança 5/12/2005 Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006 1 Classes de criptografia Criptografia simétrica ou de chave

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Introdução Conceitos básicos IP Seguro Criptografia Segurança em redes IP Associação de Segurança, Modos de funcionamento AH, ESP, Processamento de tráfego,

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

Internet Protocol Security (IPSec)

Internet Protocol Security (IPSec) Internet Protocol Security (IPSec) Segurança de Computadores IPSec - Introdução Preocupados com a insegurança na Internet o IETF (Internet Engineering Task Force) desenvolveu um conjunto de protocolos,

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Autenticação com Assinatura Digital

Autenticação com Assinatura Digital Autenticação Verificação confiável da identidade de um parceiro de comunicação Define uma relação de confiança Garante que o remetente dos dados não negue o envio dos mesmos Autenticação com Assinatura

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs)

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Capítulo 13 Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Neste capítulo faz-se uma introdução a aplicações e standards que implementam segurança (por encriptação) na comunicação

Leia mais

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 Entenda o que é um certificado digital SSL (OPENSSL) fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 1. O que é "Certificado Digital"? É um documento criptografado que contém informações

Leia mais

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores 1 Capítulo 8 Segurança em redes de computadores 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Criptografia de Chave Pública

Criptografia de Chave Pública Criptografia de Chave Pública Aplicações Privacidade, Autenticação: RSA, Curva Elíptica Intercâmbio de chave secreta: Diffie-Hellman Assinatura digital: DSS (DSA) Vantagens Não compartilha segredo Provê

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

R edes de computadores e a Internet. C apítulo 8. S eg urança em redes de computadores 8-1. 2005 by Pearson Education

R edes de computadores e a Internet. C apítulo 8. S eg urança em redes de computadores 8-1. 2005 by Pearson Education R edes de computadores e a Internet C apítulo S eg urança em redes de computadores -1 S egurança em redes de computadores Objetivos do capítulo: Compreender princípios de segurança de redes: Criptografia

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Segurança

Walter Cunha Tecnologia da Informação Segurança Walter Cunha Tecnologia da Informação Segurança ESAF 2008 em Exercícios 37 (APO MPOG 2008) - A segurança da informação tem como objetivo a preservação da a) confidencialidade, interatividade e acessibilidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 Índice 1. Criptografia...3 1.1 Sistemas de criptografia... 3 1.1.1 Chave simétrica... 3 1.1.2 Chave pública... 4 1.1.3 Chave pública SSL... 4 2. O símbolo

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Criptografia Revisando A criptografia trata da escrita de um texto em códigos de forma a torná-lo incompreensível; A informação

Leia mais

Segurança na Internet partes 3 & 4. Criptografia com Chave Pública. Distribuição da Chave Secreta

Segurança na Internet partes 3 & 4. Criptografia com Chave Pública. Distribuição da Chave Secreta Segurança na Internet partes 3 & 4 Prof. Elias P. Duarte Jr., Ph.D. DInfo UFPR Itaipu 11/07/2003 Criptografia com Chave Pública Distribuição da Chave Secreta O maior problema é a chave DEIXAR de ser secreta

Leia mais

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA Nome: Micaella Coelho Valente de Paula Matrícula: 201207115071 2 o Período Contents 1 Introdução 2 2 802.11 3 3 Seu Funcionamento 3 4 História 4

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. 6.1. Segurança e Privacidade. Ameaça: espionagem e invasão da privacidade

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. 6.1. Segurança e Privacidade. Ameaça: espionagem e invasão da privacidade Módulo 6 Segurança e Privacidade 6.1. A segurança nas redes informáticas 6.2. Soluções de segurança 1 Anos 50 (início da era informática) 6.1. Segurança e Privacidade Número reduzido de computadores Número

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Segurança em Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Motivação Segurança em A maioria é causada pelo ser humano e intencional Inicialmente os hackers eram adolescentes

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Autenticação Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Resumos de mensagem (hash) Algoritmo Hash são usados quando a autenticação é necessária, mas o sigilo,

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática slide 1 Capítulo 8: Esboço 8.1 O que é segurança na rede? 8.2 Princípios de criptografia 8.3 Integridade de mensagem

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Segurança na Internet Aula 4 Profa. Rosemary Melo Segurança na Internet A evolução da internet veio acompanhada de problemas de relacionados a segurança. Exemplo de alguns casos de falta

Leia mais

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia Introdução Atualmente no mundo internacional das redes e com o comércio eletrônico, todo sistema de computador se tornou um alvo em potencial para intrusos. O problema é que não há como saber os motivos

Leia mais

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO *

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * Giovani Francisco de Sant Anna Centro Universitário do Triângulo (UNITRI) William Rodrigues Gomes Centro Universitário

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Segurança na Internet

Segurança na Internet Segurança na Internet Muito do sucesso e popularidade da Internet é por ela ser uma rede global aberta Por outro lado, isto faz da Internet um meio não muito seguro É difícil identificar com segurança

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança Segurança deve considerar o ambiente externo do sistema, e proteger de: Acesso não autorizado Alteração ou

Leia mais

Componentes de um sistema de firewall - I

Componentes de um sistema de firewall - I Componentes de um sistema de firewall - I O que são Firewalls? Os firewalls são sistemas de segurança que podem ser baseados em: um único elemento de hardware; um único elemento de software instalado num

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 4: Protocolos de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 é definido como um procedimento seguro para se regular a transmissão de dados entre computadores

Leia mais

Criptografia e Segurança das Comunicações. IPsec

Criptografia e Segurança das Comunicações. IPsec Criptografia e Segurança das Comunicações IPsec IPsec : 1/27 Introdução (1) Os datagramas IP do nível de rede da pilha de protocolos v4 são inseguros! Endereço fonte pode ser mistificado ( spoofed ). Conteúdo

Leia mais

Firewalls. Firewalls

Firewalls. Firewalls Firewalls Firewalls Paredes Corta-Fogo Regula o Fluxo de Tráfego entre as redes Pacote1 INTERNET Pacote2 INTERNET Pacote3 Firewalls Firewalls Barreira de Comunicação entre duas redes Host, roteador, PC

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Prof. Fábio Nelson Colegiado de Engenharia de Computação Slide 1 Colegiado de Engenharia de Computação Slide 2 Autenticação Processo de provar a própria identidade a alguém. Na rede a autenticação se dá

Leia mais

Segurança em Redes de Computadores. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

Segurança em Redes de Computadores. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Segurança em Redes de Computadores Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Agenda Criptografia Criptografia de Chave Simétrica Criptografia de Chave Assimétrica Segurança de Redes

Leia mais

O serviço IPsec da camada 3

O serviço IPsec da camada 3 IPsec O standard IPsec é uma arquitectura de transporte de dados de uma forma segura sobre redes não seguras. A sua utilização começa a ser bastante comum para a construção de redes virtuais (VPNs) sobre

Leia mais

Análise da Segurança em Redes Puramente Ipv6

Análise da Segurança em Redes Puramente Ipv6 Análise da Segurança em Redes Puramente Ipv6 Luis Godinho Júnior 1, Jarbas Pereira Lopes Sousa 1, Robert Mady Nunes 1, Madianita Bogo 1 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de

Leia mais

1.264 Aula 17. Segurança na Internet: Criptografia (chave pública) SSL/TLS Assinaturas cegas (SET)

1.264 Aula 17. Segurança na Internet: Criptografia (chave pública) SSL/TLS Assinaturas cegas (SET) 1.264 Aula 17 Segurança na Internet: Criptografia (chave pública) SSL/TLS Assinaturas cegas (SET) Premissas para a segurança na Internet Navegador-rede-servidor são os 3 principais componentes Premissas

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores Nota: Seja preciso e conciso nas suas respostas. Para responder às perguntas de resposta múltipla utilize a tabela abaixo. Todas as outras perguntas devem ser respondidas em folhas de teste. Não faça letra

Leia mais

Segurança. Agenda. Introdução INTRODUÇÃO

Segurança. Agenda. Introdução INTRODUÇÃO BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Agenda Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Segurança 1 ; ; Assinaturas digitais;

Leia mais

Políticas de Segurança de Sistemas

Políticas de Segurança de Sistemas Políticas de Segurança de Sistemas Profs. Hederson Velasco Ramos Henrique Jesus Quintino de Oliveira Estudo de Boletins de Segurança O que é um boletim de segurança? São notificações emitidas pelos fabricantes

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Firewalls Prof. João Henrique Kleinschmidt Middleboxes RFC 3234: Middleboxes: Taxonomy and Issues Middlebox Dispositivo (box) intermediário que está no meio do caminho dos

Leia mais

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade Atributos de segurança TOCI-08: Segurança de Redes Prof. Rafael Obelheiro rro@joinville.udesc.br Aula 9: Segurança de Comunicações Fundamentais confidencialidade integridade disponibilidade Derivados autenticação

Leia mais

ROTEIRO. Fundamentos. Bibliografia complementar. Fundamentos. Fundamentos 03/10/2014. REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes

ROTEIRO. Fundamentos. Bibliografia complementar. Fundamentos. Fundamentos 03/10/2014. REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes 03/10/2014 ROTEIRO REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes Alexandre Augusto Giron Bibliografia complementar STALLINGS, William. Cryptography and network security: principles and practice. 4. ed. New

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Fundamentos: Segurança na rede Criptografia Simétrica Assimétrica Camada de transporte: SSL Camada de Rede: IPSec e VPN Segurança

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28 Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Aspectos de segurança em /IP Secure Socket Layer (SSL) Aula 28 Na Internet, ninguém sabe que você é um cachorro. Peter Steiner,

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação ICP e Certificados Digitais Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Criptografia de chave pública Oferece criptografia e também uma maneira de identificar

Leia mais

ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI

ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR DATA: 24/09/2003 TURNO: NOTURNO ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI Roteiro 1. Definição 2. Motivação 3. Funções Básicas 4. Protocolos 5. Tipos 6. Soluções

Leia mais

Mecanismos de certificação e a criptografia

Mecanismos de certificação e a criptografia Mecanismos de certificação e a criptografia Os mecanismos de certificação são responsáveis em atestar a validade de um documento. Certificação Digital A Certificação Digital pode ser vista como um conjunto

Leia mais

Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w. c c c. i p t. p t / ~ r i c a r d o ] Segurança em Redes. Segurança em Redes

Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w. c c c. i p t. p t / ~ r i c a r d o ] Segurança em Redes. Segurança em Redes Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar. Encontra-se disponível na página web do autor no link Publications ao abrigo da seguinte licença:

Leia mais

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos FTP Protocolo de Transferência de Arquivos IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para

Leia mais

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 03 - Camadas

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício O que é Firewall Um Firewall é um sistema para controlar o aceso às redes de computadores, desenvolvido para evitar acessos

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Segurança. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução INTRODUÇÃO

Segurança. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução INTRODUÇÃO BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Agenda Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Segurança 1 ; ; ; 2 No início

Leia mais

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma rede privada

Leia mais

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP SSL - Secure Socket Layer Protocolos criptográfico que provê comunicação segura na Internet para serviços como: Telnet, FTP, SMTP, HTTP etc. Provê a privacidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Segurança de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho de 2011 1 / 44 Introdução Uma comunicação é dita segura se apresentar as seguintes

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Características de Firewalls

Características de Firewalls Firewall Firewall é um sistema de proteção de redes internas contra acessos não autorizados originados de uma rede não confiável (Internet), ao mesmo tempo que permite o acesso controlado da rede interna

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Agenda 1. Segurança da Informação 1.1.Introdução 1.2.Conceitos 1.3.Ameaças a Segurança da

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 8. Segurança de Rede DIN/CTC/UEM 2008 : o que é? Dispositivo que permite conectividade segura entre redes (interna e externa) com vários graus de confiabilidade Utilizado para implementar e impor as regras

Leia mais

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1 Topologia Tabela de Endereçamento R1 Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão G0/0 172.22.34.65 255.255.255.224 N/A G0/1 172.22.34.97 255.255.255.240 N/A G0/2 172.22.34.1 255.255.255.192

Leia mais