Des pacho Normativo n.º 37/2003

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Des pacho Normativo n.º 37/2003"

Transcrição

1 Des pacho Normativo n.º 37/2003 Cons i der ando que o Decr eto- L ei n.º 125/2003, de 20 de Junho, regulou a f or m a de emis s ão de bi lhetes de ingr esso nos recintos de es pectácul os de nat ur ez a ar tí s tica legalmente pr evis tos, bem como a tr ans mis s ão de dados r el at i vos aos espectáculos neles realizados. Cons i der ando que, de acor do com o es tatuído no n. º 1 do ar tigo 6. º do r ef er i do diploma, os promotores de es pectáculos cinematográficos devem t r ans m i t i r ao I ns tituto do Cinema, Audiovisual e Multimédia, adiante des i gnado por ICAM, os dados relativos à emi s s ão de bilhetes e às sessões ci nem at ogr áf i cas realizadas; Cons i der ando ainda que tal transmissão pode s er efectuada por envio de f i chei r o de tex to em formato XML ou por utilização do pr ogr ama i nfor mático de ges tão e cont r ol o de ex ibição cinematogr áfica di s ponibi l iz ado pelo I CAM; Cons i der ando, por último, que, por força do pr eceituado no ar tigo 13. º do ci t ado decr eto- l ei, a i nfor mação a tr ans m i t i r ao I CAM nos termos es t abel eci dos no mes mo diploma e as funcionalidades do s i s t em a i nf or m at i z ado de emis s ão de bilhetes que gar antem a s egur ança, a i nt egr i dade e a compatibilidade técnica dos dados, assim como as regras de em i ssão e os protocolos de tr ans mis s ão de dados em ficheiro de tex to em f or m at o XML constam das normas técni cas a fix ar por despacho do Minis tr o da Cul tur a: Assim, ao abr igo do dis pos to no ar t i g o 13.º do Decreto- L ei n.º / 2003, de 20 de Junho, determino o s eguinte: 1 - S ão apr ovadas as normas técnicas referidas no ar tigo 13. º do Decr eto- L ei n.º 125/2003, de 20 de Junho, as quais constam de anex o ao pr es ente des pacho e del e faz em parte integr ante. 2 - O pr es ente des pacho pr oduz efeitos desde a data da s ua as s inatur a. Mi ni s t ér i o da Cul tur a, 19 de Agos to de Pel o Minis tr o da Cultur a, José Manuel Amaral Lopes, Secretário de E s tado Adj unto do Minis tr o da Cul tur a. A N E X O N o r m as técnicas 1 - D i s pos i ções gerais sobre a tr ans missão de infor mação

2 a) A infor mação a enviar para o I CAM dever á s er transmitida em ficheiros de t ex t o em formato XML, conforme o dis pos to no n. º 2 deste anex o, em confor m i dade com as informações armazenadas. b) A aplicação infor mática do pr omotor de es pectáculos deve ger ar e ou ar m az enar as seguintes informações de for ma a poder gerar ficheiros de t ex t o em formato XML : (ver tabela no document o or iginal) 2 - Cons t r ução do ficheir o de dados a) O envi o par a o I CAM das informações dos promotores de es pectáculos que pos s uam sistemas informáticos proprietários deve s er feito por meio da t r ans m i ssão de fi chei r os de tex to em formato X ML (Extensible Mar k up L anguage), através do pr otocolo HT T P (Hypertext Transfer Protocol). b) O s er vi dor do I CAM r es pons ável por receber as informações enviadas está cer t i fi cado e possibilita a tr ans mis s ão encr iptada dos dados por meio de S S L ( S ecur e S ock ets Layer) a 1 28 bi t s. c) O pr omotor de es pectáculos deve, através da s ua apl i cação infor mática, ger ar ficheiros de tex to na li nguagem XML que s ej am validados pelo s egui nt e es quema X ML (XML schema): (ver esquema no documento or iginal) O es quema X ML acima apr es entado encont r a- s e dis ponível para downl oad no s egui nt e ender eço: h t t p s : / / E s t e es quema X ML fornecido pelo I CAM par a validação dos ficheiros de X ML a tr ans mitir não pode em situação alguma s er alterado. d) A s eguinte es tr utur a de XML demonstra um ficheiro de X ML correctamente ger ado pela apl icação i nfor mática: (ver esquema no documento or iginal) As instruções a negr i t o nunca podem ser alteradas. E x em pl o fictício par a o envio de um ficheiro de XML com duas sessões e quat r o bilhetes vendi dos por sessão. e) As seguintes regras aplicam- s e na cons tr ução do ficheir o de XML : Os ficheiros de X ML devem ser gerados por intervalos de tempo de um dia de ex ibição; E m cada ficheir o de X ML apenas podem existir informações respeitantes a um promotor de es pectáculos, constituindo a s ua es tr utur a o elemento de r ai z do documento;

3 E m cada ficheir o de X ML apenas podem existir informações respeitantes a uma s al a de um promotor de es pectáculos ; As sessões que devem constar no ficheir o de X ML devem ter uma or dem s equenci al por número de s essão individual para cada s al a ( ex empl o: se num ficheiro de X ML forem enviadas as sessões da s ala X com os números s equenci ai s 1001, 1002 e 1003, então no envio s eguinte da i nfor mação r es pei t ant e a es t a mes ma s al a devem cons t ar as sessões 1004, 1005, etc.); O númer o de s es s ões a i ncl ui r num ficheiro XML está r es t r i ngi do a 1 0 ; Os filmes a ex i bi r devem ser numerados pela apli cação infor mática de for ma s equenci al, obtendo- s e as s im um número que identifica, unicamente, um det er m i nado filme ex ibido ( F ilmei D); Cada fi l me r efer ido na es tr utur a «s essao» deve cons tar, através do s eu núm er o único (F ilmei D), do mes mo ficheir o de X ML na r es pecti va «es tr utur a f i l m e» ; S em pr e que um filme s ej a r efer enci ado (atr avés do s eu número único - F i l m ei D ) uma ou mais vezes nas estruturas «sessao», deve toda a i nf or m ação s obr e o filme faz er parte do mes mo ficheir o XML na s ua r es pect i v a es tr utur a «f i l m e» ; D uas ou mais estruturas «filme» não podem ter em comum o mes mo F i l m ei D, mesmo que esse filme s ej a r efer enciado mais que uma vez nas es t r ut ur as «sessao»; Os descontos a apl i car devem ser numerados pela apli cação infor mática de f or m a s equenci al, obtendo- s e as s im um número que identifica, unicamente, um determinado des conto aplicado (Des contoi D); S em pr e que um desconto s ej a r efer enciado (atr avés do s eu número único - D es contoi D ) uma ou mais vezes nas estruturas «bilhete», deve toda a i nf or m ação s obr e o des conto faz er parte do mes mo ficheir o de X ML na s ua r es pect i v a es tr utur a «des cont o» ; D uas ou mais estrutur as «desconto» não podem ter em comum o mes mo D es contoi D, mesmo que es s e des conto s ej a r efer enci ado mais que uma vez nas estruturas «desconto»; Na venda de um bilhete, quando não haj a des conto aplicado, o valor de D es contoi D na es tr utur a «bilhete» deve t er o valor zero e não neces s ita de uma es tr utur a «des conto» que s e r elaci one com este bilhete; As informações dos bilhetes vendidos em determinada s es s ão devem ser env i adas na s ua tot ali dade. Isto s ignifica que num ficheiro de X ML tem de s egui r a totali dade da i nf or m ação r es peitante aos bilhetes vendidos para as

4 s es s ões. Esta infor mação não pode s er repartida por mais de um ficheiro de X ML. f ) O ficheir o a enviar deve ter o s eguinte nome «x eeeeaammddhhmmss.xml», onde: x = é o car ácter «x» (ASCII 120) fixo; eeee = é o númer o único da s al a que é for necido pelo I CAM com zeros à es quer da cas o não ocupe os quatro algar is mos ; aa = são os dois últimos algarismos do ano em que o ficheir o XML está a s er cons t r uí do; mm = é o númer o do mês (1 a 1 2 ) em que o ficheir o XML está a s er dd = é o númer o do dia ( 1 a 31) em que o ficheir o XML está a s er doi s algar i s m os ; hh = é a hor a do dia ( 0 a 2 3 ) em que o ficheir o XML está a s er construído. I ncl ui r um zero à es quer da, caso neces s ár io, para gar antir os dois al gar i s m os ; m m = são os minutos da hor a ( 0 a 59) em que o ficheir o XML está a s er cons t r uí do. Incluir um z er o à es quer da, caso neces s ár io, para gar ant i r os ss = são os segundos do minuto (0 a 59) em que o ficheir o XML está a s er x m l = é a ex t ens ão fix a par a o nome do ficheir o. Not a. - Não podem ser enviados para o I CAM doi s ou mais ficheiros com nom es iguais e com conteúdos diferentes. Logo o s is tema não deve per mitir ger ar dois ficheiros distintos, para a m es m a s al a, no mes mo s egundo. 3 - F or ma de tr ans m i s s ão do ficheir o a) Para o envio do ficheir o de tex to em formato XML deve s er utilizada uma ligação comum à I nter net e o pr otocolo HT T P.

5 b) Os dados transmitidos são cr iptogr afados através de S S L (Secure S ock ets L ay er ) a 1 28 bits. c) O upl oad do fichei r o de tex to em formato XML deverá s er efectuado no s egui nt e ender eço: https://www.ec.icam.pt. d) A aplicação infor mática deve guar dar o ar quivo das últimas sessões env i adas por sala de cinema, para não r epetir, inadvertidamente, o envio de s es s ões já env i adas, bem como par a pr oceder ao s eu reenvio s e s olicitado pel o I CAM.

MINISTÉRIO DA CULTURA

MINISTÉRIO DA CULTURA N. o 210 11 de Setembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 5945 MINISTÉRIO DA CULTURA Despacho Normativo n. o 37/2003 Considerando que o Decreto-Lei n. o 125/2003, de 20 de Junho, regulou a forma de

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

B r ixmas t er. 1. Ger al

B r ixmas t er. 1. Ger al B r ixmas t er 1. Ger al É de impor tância fundamental que as uvas, especialmente as uvas de mes a destinadas à ex por tação, sejam colhidas com o teor de açúcar correto. S e for em colhidas muito cedo,

Leia mais

AMB I Ê NCI A. (2) Característica acús tica dis tinta de um determinado local.

AMB I Ê NCI A. (2) Característica acús tica dis tinta de um determinado local. AMB I Ê NCI A E dilene R ipoli Valmir Perez Def inições : Ambiência: (1) A dis tr ibuição tempor al das reflexões sonoras, cria a s ens ação de ambiência, que é a capacidade de identificação es pacial

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Marketing para o transporte coletivo

Marketing para o transporte coletivo Marketing para o transporte coletivo Rejane D. Fernandes Diretora de Relações Estratégicas da EMBARQ Brasil www.embarqbrasil.org SSES IDIOTAS OMASSEM SE ESSES IDIOTAS SE ESSES IDIOTAS IBUS, EU JÁ TOMASSEM

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

Conhecendo o Kit Real

Conhecendo o Kit Real Conhecendo o Kit Real Versão do Kit Botão de Login Botões de Cálculo Pesquisa de Cálculos Botões de Transmissão Manutenção e Relatórios Acompanhamento de propostas transmitidas Versão do Kit: Mostra qual

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: ESTRUTURA DE VAGÃO PLATAFORMA DE 2 EIXOS COM LONGARINAS EM CAIXÃO

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: ESTRUTURA DE VAGÃO PLATAFORMA DE 2 EIXOS COM LONGARINAS EM CAIXÃO (11) Número de Publicação: 105218 (51) Classificação Internacional: B61D 3/00 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.07.23 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação do

Leia mais

Um filtro passa baix as (F.P.B.) ideal tem uma cur va de r es pos ta em frequência como mos trada na figura abaix o:

Um filtro passa baix as (F.P.B.) ideal tem uma cur va de r es pos ta em frequência como mos trada na figura abaix o: F iltros Passivos O f iltro é um circuito que per mite a passagem de s inais apenas em determinadas freqüências. Ele pode s er classificado em: Filtro Passa B aix as (F.P.B.) Filtro Passa Altas (F.P.A.)

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL MONTESSORIANO REINO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NOVEMBRO/2015 (MATUTINO)

CENTRO EDUCACIONAL MONTESSORIANO REINO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NOVEMBRO/2015 (MATUTINO) (MATUTINO) 2º ANO GRAMÁTICA: Estudar os assuntos: Grau do substantivo/ Adjetivo/ Sinônimo e Antônimo/ Pronome. Assim eu aprendo, págs: 94 a 98 / 107 a 109 / 111 a 113/ 116 a 118/ 137 a 139. Descobrindo

Leia mais

O papel da mãe no desenvolvimento da criança

O papel da mãe no desenvolvimento da criança O papel da mãe no desenvolvimento da criança O pa pel d a m ãe no desenv olvim ento de um a cr i a n ça é i m portante pois esta é quem lhe v ai d ar as d efesas que n e cessita, assim como, tem o dever

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 SFTP 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4 2. TRANSFERÊNCIA VIA SFTP......5 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS......8

Leia mais

NOSSA LI STA DE PRODUT OS PARA COFFEE BREAK

NOSSA LI STA DE PRODUT OS PARA COFFEE BREAK NOSSA LI STA DE PRODUT OS PARA COFFEE BREAK ( Na foto: qui che i ntegr al de alho porró co muva passa branca, torta i ntegr al de goi abada comcastanha de caj u, empada de pal mi to e muffi n de uva) A

Leia mais

Empresas e Organizações da Sociedade

Empresas e Organizações da Sociedade Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Mar ia de Oliveira Empresas e Organizações da Sociedade Civil Palavras chave: Gestão, administração púbica, gestor social 1 Aula Tema 5 Empr

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais

MI CR OF ONE S. H élio R odrigues Santos R obs on Rodrigues

MI CR OF ONE S. H élio R odrigues Santos R obs on Rodrigues MI CR OF ONE S H élio R odrigues Santos R obs on Rodrigues Os microfones há muito s ão equipamentos essenciais para captação de sons de for ma s is tematiz ada. Ao longo de s ua ex is tência for am aperfeiçoados

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S SORO C R E D 1. DEFINIÇÕE S 1.1. AD M I N I S T R A D O R A S O R O C R E D AD M I N I S T R A D O R A DE CA R T Õ E S DE CR É D I T O LT D A. 1.2. AFILI A

Leia mais

ADENDA AO ACORDO MODIFICATIVO 2015 DO CONTRATO PROGRAMA Plano de Intervenção em Cirurgia

ADENDA AO ACORDO MODIFICATIVO 2015 DO CONTRATO PROGRAMA Plano de Intervenção em Cirurgia UNHA RIBEIRO Presidente dd Conselho DirectIVO SEGUNDO OUTORGANTE zyxw ARSLVT, 1-R ADENDA AO ACORDO MODIFICATIVO 2015 DO CONTRATO PROGRAMA 2013-2015 Plano de Intervenção em Cirurgia Entre: zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbazyxwvutsrqponmlkjihgfedcba

Leia mais

P R O J E Ç Õ E S. Produção Vendas Interna Importação Exportação Emprego ,1% -10,7% 6,2% -3,7% ,3% 2,0% 3,5% 5,0% 15.

P R O J E Ç Õ E S. Produção Vendas Interna Importação Exportação Emprego ,1% -10,7% 6,2% -3,7% ,3% 2,0% 3,5% 5,0% 15. BOLETIM TENDÊNCIAS DE CURTO PRAZO ANÁLISE GERAL J ANEIRO. 2017 L i d e r a d a p e l a i n d ú s t r i a T ê x t i l, a p r o d u ç ã o i n d u s t r i a l da c a d e i a de T ê x ti l & V e s t u á r

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região Escoteira do Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro Jacui 033/RS

União dos Escoteiros do Brasil Região Escoteira do Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro Jacui 033/RS Guia de Especialidade Especialidade de Pioneiria 1. Fazer e saber a utilidade de pelo menos 15 nós. 2. Fazer as amarras quadrada e diagonal, conhecendo sua aplicação 3. Fazer as amarras: paralela e de

Leia mais

s er humano. Os benef íc ios da am ament ação e da relação af etiva

s er humano. Os benef íc ios da am ament ação e da relação af etiva O aleitamento mat erno faz parte do conhecim ent o nat ural do s er humano. Os benef íc ios da am ament ação e da relação af etiva que est e pr omove à mãe-filho, bem com o os inúm eros outros benef íc

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

MAS T E R I Z AÇÃO - AL GU MAS CONSIDERAÇÕES SOBR E O P AP E L DO CONCE I T O NO CONT E XT O AT U AL DO ÁU DI O NO B R AS I L

MAS T E R I Z AÇÃO - AL GU MAS CONSIDERAÇÕES SOBR E O P AP E L DO CONCE I T O NO CONT E XT O AT U AL DO ÁU DI O NO B R AS I L MAS T E R I Z AÇÃO - AL GU MAS CONSIDERAÇÕES SOBR E O P AP E L DO CONCE I T O NO CONT E XT O AT U AL DO ÁU DI O NO B R AS I L Mar ia Amélia Décour t Observa-se que a bus ca pela obtenção de um resultado

Leia mais

CONS I DE R AÇÕE S PRELIMINARES SOBRE ANTROPOLOGIA S ONOR A

CONS I DE R AÇÕE S PRELIMINARES SOBRE ANTROPOLOGIA S ONOR A CONS I DE R AÇÕE S PRELIMINARES SOBRE ANTROPOLOGIA S ONOR A S imone da S ilva Ar anha Para além de uma antropologia s em música e de uma mus icologia s em homem (Rafael José de Menezes Bastos) T odo s

Leia mais

Des ign de I nter AÇÃO

Des ign de I nter AÇÃO Des ign de I nter face Alex F. T. Primo A inter face Design de inter face Elementos da inter face Background Janelas e painéis Botões e ícones I magens O conceito de inter face aplicado es pecificamente

Leia mais

Promulga a Ata F inal que I ncor por a os Resultados da Rodada Ur uguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT.

Promulga a Ata F inal que I ncor por a os Resultados da Rodada Ur uguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT. Decr et o nº 1.355, de 30.12.94 Promulga a Ata F inal que I ncor por a os Resultados da Rodada Ur uguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT. O PRES I DENT E DA REPÚB LI CA, no us o de s uas

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Carlos Daniel Coradi Engenheiros Financeiros & Consultores Diretor Presidente

Carlos Daniel Coradi Engenheiros Financeiros & Consultores Diretor Presidente OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS E DE FUNDOS DE DIREITOS CREDITÓRIOS: CONCEITOS E APLICAÇÕES PARA FINANCIAMENTO DE EXPORTAÇÕES, CONSTRUÇÃO HABITACIONAL, RODOANEIS, SANEAMENTO EMPRESARIAL,

Leia mais

Licenciamento de Uso

Licenciamento de Uso Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos: 1. As apostilas publicadas pelo Centro de Computação da Unicamp

Leia mais

D E R IS C O S. jg a m a g odoy@g m a il.c om D E S D E Q U E C ITA D A A FO N TE E P A R A U S O D ID Á TIC O.

D E R IS C O S. jg a m a g odoy@g m a il.c om D E S D E Q U E C ITA D A A FO N TE E P A R A U S O D ID Á TIC O. P R O G R A M A D E G E R E N C IA M E N TO D E R IS C O S J O Ã O G A M A G O D O Y jg a m a g odoy@g m a il.c om P E R M ITID A A R E P R O D U Ç Ã O P A R C IA L O U TO TA L D E S D E Q U E C ITA D

Leia mais

Currículo e Aulas Previstas

Currículo e Aulas Previstas Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, N.º 8 Telef. 231 920 454/5 Fax: 231 920 300 Sítio web http://www.aemrt.pt E-mail aemortagua@aemrt.pt Currículo e Aulas Previstas Ano Letivo: 2015/2016 Área: Português 1.º

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Currículo e Aulas Previstas

Currículo e Aulas Previstas Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, N.º 8 Telef. 231 920 454/5 Fax: 231 920 300 Sítio web http://www.aemrt.pt E-mail aemortagua@aemrt.pt Currículo e Aulas Previstas Ano Letivo: 2013/2014 Português 1.º Ano DMÍNIS

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL Termo de Apreensão de mercadorias e outros bens (Artigo 859, 8º - RICMS/RO) (NR dada pelo Dec. 18976, de 30.06.14 efeitos a partir de 30.06.14) GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA D.R.F. AR/PF TERMO DE APREENSÃO

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

S EG UR O DE PR E Ç OS AG R IC ULTUR A FAMILIAR

S EG UR O DE PR E Ç OS AG R IC ULTUR A FAMILIAR MINIS TÉR IO DO DES ENVOLVIMENTO AG R ÁR IO S EG UR O DE PR E Ç OS PAR A A AG R IC ULTUR A FAMILIAR Perg untas e R es pos tas 1- O que é o S eg uro de Preços para a Ag ricultura Familiar? R É um mecanis

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação DEPA R TAMENTO : Psicologia Social PERÍODO/A NO : 7º/2014 CA RG A HOR Á RIA : 34 PR OFESSOR AS : A na Mercês Bahia Bock A driana Eiko Matsumoto O

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP CEPARA - Centro de Pesquisa para o Aproveitamento de Resíduos Agroindustriais/ESALQ 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Valor es, Princípios e Cr itér ios de Comér cio Ético e S olidário do Brasil 1

Valor es, Princípios e Cr itér ios de Comér cio Ético e S olidário do Brasil 1 F ór um de Ar ticulação do Comér cio Ético e S olidário do B r as il - F ACE S do Brasil Valor es, Princípios e Cr itér ios de Comér cio Ético e S olidário do Brasil 1 Considerando a impor tância do Comér

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Tratamento Térmico dos Ferros Fundidos

Tratamento Térmico dos Ferros Fundidos 1.1 - AL Í VI O DE TENSÕES (S T R E SS RELIEVING) Alivio de T ens ões ou Envelhecimento das peças de ferro fundido foi, durante muito tempo, executado de modo natur al, ou seja, as peças fundidas eram

Leia mais

P R OGR AMA DE DOUTORADO DA UNI CAMP - ÁR E A DE MULTIMEIOS - I NS T I T U T O DE

P R OGR AMA DE DOUTORADO DA UNI CAMP - ÁR E A DE MULTIMEIOS - I NS T I T U T O DE AP R E NDE R O QU E NÃO S AB I A E PRECISAVA S AB ER P R OGR AMA DE DOUTORADO DA UNI CAMP - ÁR E A DE MULTIMEIOS - I NS T I T U T O DE AR T E S OR I E NT ADOR : PROF. Dr. JOSÉ AR MANDO VAL E NT E AU T

Leia mais

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA P RO G RAM A DE P Ó S-G RADUAÇ Ã O EM CIÊ NCIA DA CO M P UTAÇ Ã O D a g m a r A p a r e c i d a T r a u t m a n n EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s

Leia mais

ADENDA AO zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbazyxwvutsrqponmlkjihgfedcba

ADENDA AO zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbazyxwvutsrqponmlkjihgfedcba Ent r e: ADENDA AO zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbazyxwvutsrqponmlkjihgfedcba ACORDO MODI FI CATI VO 205 DO CONTRATO PROGRAMA 203-205 Pl ano de I nt er venção em Ci r ur gi a A ADMI NI STRAÇÃO REGI ONAL DE SAúDE

Leia mais

Disciplina 1º Período 2º Período 3º Período

Disciplina 1º Período 2º Período 3º Período Disciplina 1º Período 2º Período 3º Período Português ORALIDADE Compreensão do oral - Informação essencial e acessória; - Tema e assunto; - Reconto; Expressão oral - Vocabulário: campo semântico, campo

Leia mais

CONCEI TOS BÁSI COS I. Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do

CONCEI TOS BÁSI COS I. Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do APOSTILA DE REDES CONCEI TOS BÁSI COS I Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do cr it ér io que ser á ut ilizado par a def ini-lo. Assim, t emos vár ios conceit os: É um

Leia mais

MANIFESTO DAS BIBLIOTECAS DA AMAZÔNIA

MANIFESTO DAS BIBLIOTECAS DA AMAZÔNIA MANIFESTO DAS BIBLIOTECAS DA AMAZÔNIA Bibliotecários e bibliotecár ias, educadores e educador as, gestores de ins tituições culturais públicas e pr ivadas, estudantes e profissionais, trabalhadores e trabalhadoras

Leia mais

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS Dispõe Sobre o Regulamento de Aplicação de Recursos Destinados Pela Assembleia Geral da Unicred Alagoas em Projetos de Ações Sociais O Conselho

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

SIG Acesso Público. Manual do Usuário

SIG Acesso Público. Manual do Usuário SIG Acesso Público Manual do Usuário Brasília Dezembro de 2013 Sumário Apresentação......2 1. O que é o SIG Acesso Público?.........3 2. Para acessa r o Sistema............3 3. Conjuntos de Pesquisa de

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CLASSIFICAÇÃO-N.º/VERSÃO:PGR-27/01 ENTRADA EM VIGOR: 17-10-2008 DATA DE APROVAÇÃO: 23-10-2008 Âmbito: PRODER E PRORURAL 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

4.1 - Informações Específicas sobre o Curso

4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia UFU é sucessora da Fundação Universidade de Uberlândia, criada pelo Decreto-Lei 762, de

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco Inquérito Civil Público n. º 1.26.000.000359/2012-67 Promoção de Arquivamento nº 151-2014/MPF/PRPE/AT PROMO ÇÃO Trata-se de inquérito civil público instaurado nesta Procuradoria da República, a partir

Leia mais

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO Objetivo Permitir ao cliente consultar as informações referentes aos registros de débitos (comprador / avalista), títulos protestados, consultas anteriores (SCPC), central

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

1. Dorme, neném. œ» ======================= & 2 G ======================= & «Œ. « mãe. tão ======================= & ˆ« ção.

1. Dorme, neném. œ» ======================= & 2 G ======================= & «Œ. « mãe. tão ======================= & ˆ« ção. »» ======================= & 2 4 _ Dor me, ne 1. Dorme, neném ném, Letr: Pe. José Dis ourt SSP Músic: Ir. Egnd Roch II Soo: Edur Tostto d Mtt ======================= & Que m mãe Dor es _ tá me fe qui.

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

PROGRAMA - DE ORDENAMENTO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASTELO GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO

PROGRAMA - DE ORDENAMENTO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASTELO GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO GOVENO DO ESADO DO ESPIIO - SANO SECEAIA DE ESADO DO PLANEJAMENO PEFEIUA MUNICIPAL DE CONCEIÇAO DO CASELO POGAMA - DE ODENAMENO - UBANO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASELO CADASO - IMOBILIAIO UBANO Vali

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros

Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros A CMVM, no âmbito e no exercício da actividade de supervisão, necessita

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico; Metas Curriculares de Português- 1º Ciclo 1º

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Organizado por: Márcio de Oliveira

Organizado por: Márcio de Oliveira A PRODUÇÃO MAI S LI MPA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO AMBI ENTAL PARA AS I NDÚSTRI AS DO MUNI CÍ PI O DE JUI Z DE FORA Organizado por: Márcio de Oliveira O que você acha que custa mais caro: produzir de forma

Leia mais

PLANO DE ENSI NO. Per í o do / Fase: 1º Semestr e: 1º Ano : 2011

PLANO DE ENSI NO. Per í o do / Fase: 1º Semestr e: 1º Ano : 2011 PLANO DE ENSI NO 1. DADOS DE I DENTI FI CAÇ Ã O I nsti tui ç ã o : Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Cur so : Jornalismo Pr o f esso r : Joel Cezar Bonin joel@uniarp.edu.br Per í o do / Fase: 1º Semestr

Leia mais

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita -

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita - Agosto de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Qu in ta-fe i ra 7 22447 LEGISLAÇÃO CITADA ANEXADA PELA SECRETARIA-GERAL DA MESA LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COORDENADORIA DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COORDENADORIA DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COORDENADORIA DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Criado at ravés da Lei 1. 203 de 12 de Janeiro de 2001 Município: Mat eiros TO Ext ensão

Leia mais

GDS Automação. serviços - produtos - soluções. Congresso NeoControl

GDS Automação. serviços - produtos - soluções. Congresso NeoControl GDS Automação serviços - produtos - soluções Congresso NeoControl São Paulo, 17 de Agosto de 2010 Introdução A abertura de novos mercados 8x Longo processo de vendas agora simplificado Aumento da demanda

Leia mais

ENQUANTO EU VIVER. ? b b b b b. œ œ œ. j œ. & b b b b b. œ œ. œ œ œ œ. œ œ. Œ. œ œ œ. . œ. œ. œ. œ œ œ œ r œ. œ. œ. œ. Alysson Melo. alegre. A b.

ENQUANTO EU VIVER. ? b b b b b. œ œ œ. j œ. & b b b b b. œ œ. œ œ œ œ. œ œ. Œ. œ œ œ. . œ. œ. œ. œ œ œ œ r œ. œ. œ. œ. Alysson Melo. alegre. A b. ENQUNTO EU VIVER lysson Melo alegre 6 6 6 Gb Gb Gb Gb 6 Œ Œ Œ Em quan to Œ - eu vi - ver - lou-va-rei - - Teu no me Œ na da me im Œ r r Copyright 200 de Ministério Jovem UCB 2 ENQUNTO EU VIVER 14 14 pe

Leia mais

CONTRATO Nº 008/ 2014.

CONTRATO Nº 008/ 2014. INSTRUMENT O CONTRATUAL Contrat ação de Empr esa especializada em Prestação serviços técnicos profissionais par a a captação, manutenção, reestr ut uração e atualização de dados, contr ole de segur ança

Leia mais