Automação de testes funcionais com o Selenium

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Automação de testes funcionais com o Selenium"

Transcrição

1 Capítulo 2 Automação de testes funcionais com o Selenium Ismayle de Sousa Santos, Pedro de Alcântara dos Santos Neto Abstract The software testing is fundamental in software quality assurance. The testing can be split according with its objective. An important testing objective is the check of the product behavior. This kind of test is known as functional testing. However, the systematic execution of testing requires time and effort. Many times this activity is ignored. It is important the use os testing tools in order to automate this activity. Selenium is an example of this. It is free of charge and it can export the generated tests for a great variety of technologies, like PHP, Java and Ruby. This work presents the basic concept related to functional testing and describes how to use Selenium integrated to Java. The work also presents good practices related to software testing that can increase productivity and reusability. Resumo O teste de software é um elemento fundamental na garantia da qualidade. Os testes podem ser divididos de acordo com seu objetivo. O teste funcional, por exemplo, tem por objetivo verificar o comportamento do produto desenvolvido. Contudo, a realização do teste, de forma sistemática, exige tempo e recursos, sendo por muitas vezes desconsiderado. Assim, é importante que os testadores utilizem ferramentas que automatizem de alguma forma essa atividade. O Selenium é um exemplo de ferramenta que auxilia essa atividade. Ela tem se destacado atualmente por ser gratuita e pela possibilidade de exportação dos testes criados a partir do seu uso para as mais variadas tecnologias, como PHP, Ruby ou Java. Este trabalho apresenta conceitos básicos do teste funcional, além de descrever como utilizar o Selenium integrado à linguagem Java. A partir dessa integração serão apresentados boas práticas que podem ser aplicadas ao desenvolvimento de testes funcionais, favorecendo produtividade e reusabilidade dos testes Introdução No cenário atual, em que softwares estão presentes nas diversas atividades do cotidiano e no qual os sistemas estão cada vez mais voltados para web, a qualidade exigida pelos

2 clientes sobre os softwares desenvolvidos se torna cada vez maior. Uma das formas mais utilizadas e recomendadas para se garantir a qualidade de software se dá a partir da realização de testes, visto que testes podem ser usados para revelar a presença de defeitos [Myers 2004]. O teste de software pode ser definido como a verificação dinâmica do funcionamento de um programa, utilizando um conjunto finito de casos de teste, adequadamente escolhido dentro de um domínio de execução, em geral infinito, contra seu comportamento esperado [Abran et al. 2004]. Assim, um teste, de maneira geral, envolve a execução de um programa com a aplicação de certos dados de entrada, examinando suas saídas, verificando se elas combinam com o esperado e estabelecido nas suas especificações. É importante ressaltar que os testes não garantem que o software não contém erros, pois para isso seria necessário testar todas as entradas válidas, o que geralmente é impossível. Ao realizarmos testes durante o desenvolvimento de software adicionamos valor ao produto, uma vez que o teste corretamente executado tende a descobrir defeitos, que devem ser corrigidos, aumentando assim a qualidade e confiabilidade de um sistema [Pressman 2006]. A falta de testes pode fazer com que o software desenvolvido seja entregue com defeitos, o que pode trazer muitos problemas, como por exemplo, prejuízos financeiros, danos físicos e até perda de vidas humanas, além de prejudicar a imagem da equipe desenvolvedora perante a empresa e desta para com o cliente. Além disso, o custo de não testar é muito maior, já que a identificação de erros se torna mais difícil e onerosa nos estágios finais do projeto e os custos para reparação crescem em uma escala elevada com o passar do tempo [Patton 2006]. Existem vários tipos de testes, cada um voltado para um determinado objetivo. Testes podem ser criados para verificar se as especificações funcionais estão corretamente implementadas (teste funcional), podendo ser executados diretamente pelos usuários finais para decidir sobre a aceitação do produto desenvolvido (teste de aceitação); podem verificar se o desempenho do software está dentro do aceitável (teste de desempenho); se ele funciona sob condições anormais de demanda (teste de estresse); se o software é adequado ao uso (teste de usabilidade); testes podem ter como objetivo mostrar que o software continua funcionando após alguma alteração (teste de regressão); se os procedimentos de instalação são corretos e bem documentados (teste de instalação); para verificar o seu nível de segurança (teste de segurança); ou para verificar seu funcionamento, a partir da liberação do produto para pequenos grupos de usuários trabalhando em um ambiente controlado (teste alfa) ou em um ambiente não controlado (teste beta) [Neto et al. 2007]. Os testes, entretanto, requerem tempo, conhecimento, planejamento, infraestrutura e pessoal especializado, sendo, portanto, uma atividade onerosa [Myers 2004]. Dependendo do tipo de sistema a ser desenvolvido, ela pode ser responsável por mais de 50% dos custos [Pressman 2006]. Para se ter uma idéia dos custos envolvidos, de acordo com um relatório publicado pelo NIST [NIST 2002], U$ ,00 é o valor relativo ao custo de falhas em softwares desenvolvidos nos Estados Unidos, apenas em Esse mesmo relatório estima que mais de 37% desse custo (U$ ,00) poderia ter sido eliminado se a infraestrutura para teste fosse melhorada. Uma forma de reduzir os custos da atividade de testes é a partir da automação dos testes usando alguma ferramenta apropriada. No caso dos testes funcionais, a maioria

3 das ferramentas disponíveis se baseia na gravação de todas as ações executadas por um usuário, gerando um script 1 com os passos realizados. Dessa forma, as ações gravadas podem ser facilmente re-executadas, permitindo assim a automação do teste. Além disso, o script gerado pode ser facilmente alterado, permitindo modificações nos testes gravados sem a necessidade de re-execução do software e nova captura [Neto et al. 2007]. Como exemplo desse tipo de ferramenta temos o Selenium-IDE [OpenQA b], que pode ser usado para automatizar testes funcionais em aplicações web. Neste capítulo serão apresentados alguns conceitos relacionados aos testes de softwares, em especial aos testes funcionais. Também serão apresentados os princípios gerais acerca dos testes e a utilização da ferramenta Selenium integrado com a linguagem de programação Java, a partir do uso do framework JUnit [Gamma and Beck ]. Além disso, será apresentada a ferramenta Bromine [OpenQA a], que foi criada para o gerenciamento de testes feitos com o Selenium Conceitos Básicos Antes de tudo, é preciso diferenciar três termos muito ligados aos testes de sofwtare: erro, defeito (bug) e falha. Um erro ocorre devido a uma ação humana que produz um resultado incorreto [IEEE 1990]; um defeito em um componente ou sistema pode fazer este falhar na execução na execução de alguma funcionalidade; e uma falha corresponde a uma discrepância entre o resultado ou comportamento atual (identificado durante a execução dos testes) e o comportamento ou resultado esperado (definido nas especificações ou requisitos)[spillner et al. 2006]. Ou seja, o ser humano está sujeito a cometer um erro (engano), que produz um defeito no código. Se um defeito no código for executado, o sistema falhará ao tentar fazer o que deveria (ou o que não deveria), causando possivelmente uma falha [Müller et al. 2007]. Também é importante diferenciar teste de depuração. Testes podem demonstrar falhas que são causadas por defeitos. Depuração é a tarefa de localizar e corrigir os defeitos [Spillner et al. 2006]. Assim, as responsabilidades de cada atividade são bem distintas: testadores testam e desenvolvedores depuram. Um caso de teste é uma especificação de como um software deve ser testado. Essa especificação inclui os dados de teste, ou seja, as entradas e as saídas esperadas, e as condições sob as quais o teste deve ocorrer. O projeto de casos de teste é um dos grandes desafios do processo de teste de software, e pode ser tão desafiador quanto o projeto do próprio software [Pressman 2006]. Como geralmente é impossível testar um programa exaustivamente, ou seja, testar todos os possíveis casos, o conjunto de casos de teste deve ser o mais abrangente possível levando em conta qual o sub-conjunto dos casos possíveis tem maior probabilidade de exibir falhas. Um procedimento de teste é uma especificação de uma seqüência de ações para execução de um determinado teste. Alguns exemplos são um conjunto de passos a serem seguidos em uma interface gráfica, um conjunto de funções a serem chamadas ou uma seqüência de requisições de página para um sistema web. Quanto a construção dos testes, existem basicamente dois métodos que podem ser 1 Conjunto de instruções para um programa.

4 utilizados [Filho 2003]: (i) método da caixa branca, que objetiva determinar defeitos na estrutura interna do produto, por meio do desenho de testes que exercitem suficientemente os possíveis caminhos de execução; e (ii) método da caixa preta, que tem por objetivo determinar se os requisitos foram total ou parcialmente satisfeitos pelo produto sem levar em conta como ocorre o processamento Princípios dos testes Burnstein [Burnstein 2003] define princípios, considerando o domínio da engenharia de sofwtare, como sendo leis, regras ou doutrinas relativas a softwares, a maneira como são construídos e como eles se comportam. Assim, sempre que for implementar testes, o testador deve ter em mente os princípios gerais dos testes [Spillner et al. 2006]: Princípio 1: Testes demonstram a presença de defeitos, não a ausência. O teste pode demonstrar a presença de defeitos, mas não pode provar que eles não existem. O teste reduz a probabilidade que os defeitos permaneçam em um software, mas mesmo se nenhum defeito for encontrado, não prova que ele esteja perfeito. Princípio 2: Teste exaustivo é impossível. Testar todos os valores possíveis para todas as entradas, efetuando todas as formas de combinação e levando em conta diferentes precondições é geralmente impossível. Na prática, na maioria das vezes os softwares requerem números astronomicamente altos de casos de testes. Assim, em vez do teste exaustivo, o testador deve levar em conta os riscos e prioridades do sistema sob teste para focar os casos dos testes. Princípio 3: A atividade de teste deve começar o mais cedo possível. A atividade de teste deve começar o mais breve possível no ciclo de desenvolvimento do software e deve ser focado em objetivos definidos. Princípio 4: Defeitos tendem a estar agrupados. Geralmente a maioria dos defeitos são encontrados em algumas partes do software sob teste, ou seja, é muito pouco provável que os defeitos estejam uniformemente distribuídos pelo sofwtare. Princípio 5: O paradoxo do perticida. Pode ocorrer de um mesmo conjunto de testes que são repetidos várias vezes não encontrarem novos defeitos após um determinado momento. Para superar este paradoxo do pesticida, os casos de testes necessitam ser freqüentemente revisados e atualizados. Um conjunto de testes novo e diferente precisa ser escrito para exercitar diferentes partes do software ou sistema com objetivo de aumentar a possibilidade de encontrar mais falhas. Princípio 6: Testes dependem do contexto. Os testes devem ser adaptados aos riscos e ambientes inerentes da aplicação. Softwares de segurança crítica, como por exemplo o do computador de bordo de aeronaves, são testados diferentemente de softwares do comércio eletrônico Princípio 7: A ilusão da ausência de falhas. Encontrar e consertar defeitos não ajuda se o sistema construído não atende às expectativas e necessidades dos usuários.

5 2.4. Testes funcionais de software O teste funcional é um teste para avaliar o quanto o comportamento observado do software está em conformidade com as especificações [Abran et al. 2004]. Isso significa que esse teste é baseado na análise da especificação de funcionalidades do software testado [Spillner et al. 2006]. Assim, o teste funcional é feito para verificar, por exemplo, se o cadastro de um novo usuário em um sítio Web funciona conforme o esperado. Para implementar os testes de forma eficiente e evitar a construção de casos de testes desnecessários é necessário utilizar técnicas específicas para projetar os casos de testes. A seguir serão apresentadas as duas principais técnicas usadas para o desenho de testes funcionais: a particação de equivalência e a análise do valor limite. A partição de equivalência é um método que divide o domínio de entrada em categorias de dados. Cada categoria agrupa dados que possuem as memas características e revelam uma classe de erros, permitindo assim, que casos de teste na mesma categoria sejam eliminados sem que se prejudique a cobertura dos testes [Filho 2003]. Em um programa de cadastro de um usuário, por exemplo, o mês do nascimento do usuário deve estar entre 1 e 12. Com isso, as possíveis classes de equivalência para essa entrada são: i) todos os valores inteiros menores que 1; ii) valores inteiros entre 1 e 12; e iii) valores inteiros maiores que 12. Para cada uma dessas classes, qualquer valor tem, potencialmente, a mesma capacidade de detectar erros, sendo dispensável a execução de vários testes para valores pertencentes à mesma classe de equivalência. Não é necessário, portanto, testar vários números negativos para verificar como a aplicação se comporta. Assim, um bom conjunto de teste para esse caso seria termos um valor menor que 1, um valor entre 1 e 12, e um valor maior que 12. O uso de outros valores seria desnecessário, uma vez que todos os valores em uma classe de equivalência deveriam ter o mesmo comportamento. Na Análise de Valor-Limite os casos de teste são escolhidos próximo ou nas fronteiras dos domínios de entrada, uma vez que boa parte das falhas tendem a se concentrar próximo a esses valores. O emprego dessa técnica deve ser complementar ao uso da partição de equivalência. Assim, em vez de selecionar um elemento aleatório de cada classe de equivalência, selecionam-se os casos de teste nas extremidades de cada classe [Filho 2003]. Para utilizar a técnica do Valor-Limite no exemplo anterior, devemos selecionar como valores representantes das partições, os valores que estão no limite entre uma classe e outra. Assim, para representar a partição de valores abaixo de 1 (um) utilizaríamos 0 (zero); para representar valores entre 1 e 12 utilizaríamos os números 1 e 12; e o número 13 seria o escolhido para representar valores na partição acima de Testes manuais versus Testes automatizados Um teste manual é aquele em que o testador executa o software manualmente com base nas especificações dos testes, as quais detalham os casos e procedimentos de testes. Os testes realizados dessa forma, em geral, são cansativos e de difícil repetição. Já os testes automatizados, são aqueles feitos com auxilio de alguma ferramenta apropriada. Eles exigem mais tempo para implementar os testes, mas provêem mais segurança na manutenção e permitem que os testes sejam executados a qualquer instante.

6 Antes de decidir em automatizar ou não os testes, é preciso analisar a aplicação testada e quais testes serão contruídos. A principal razão para automação dos testes é a necessidade de re-execução dos mesmos. Supondo, por exemplo, que um testador projetou centenas de testes e optou por executá-los manualmente. Se em algum momento da execução da bateria de testes 2 for descoberto uma falha, então os desenvolvedores deverão ser avisados. Além disso, dependendo da falha, a execução dos testes restantes deverá ser suspensa até que a mesma seja corrigida. Após a correção, como existem grandes chances de que outras partes do software sejam afetadas, o testador terá que executar todos os testes novamente e novas falhas podem ser encontradas repedindo o ciclo. Em um caso típico, existe a necessidade de se executar testes centenas e até milhares de vezes. Isso normalmente justifica a automação dos testes. A automação de um conjunto de testes geralmente demanda bem mais esforço que sua execução manual, mas quando automatizado, sua execução é bastante simples, se atendo a execução de um script ou o clique de alguns botões [Neto et al. 2007]. Assim, em situações como a descrita, automatizar os testes é a melhor maneira de economizar tempo e dinheiro. Contudo, nem sempre é vantajoso automatizar os testes. Existem situações em que realizar os testes manualmente é mais adequado. Se a interface de usuário da aplicação for mudar consideravelmente em um futuro próximo, por exemplo, então qualquer automação que for feita vai precisar ser refeita. Além disso, quando o software for simples e não houver tempo suficiente, ou se for improvável o reuso dos testes, então o teste manual continua sendo uma opção a ser considerada A ferramenta Selenium O Selenium é um conjunto de ferramentas OpenSource 3 que pode ser usada para criação de testes funcionais automatizados para aplicações Web. Uma das suas vantagens é a possibilidade de executar os testes em qualquer navegador com suporte a JavaScript 4. Além disso, as ferramentas que compõem o Selenium provêem um rico conjunto de funções específicas para a implementação de testes, tais como: open: abre uma página usando uma URL 5 que é fornecida como parâmetro; click/clickandwait: executa o clique em um botão, link ou imagem; verifytextpresent/asserttextpresent: verifica a presença de um texto em qualquer lugar da página; verifytext/asserttext: verifica se um texto aparece em um determinado local; waitforpagetoload : pausa uma execução do teste até que uma nova página seja carregada. Esse comando é chamado automaticamente pelos comandos com terminação AndWait ; 2 Conjunto de testes. 3 Software de código aberto. 4 Linguagem de criação de scripts desenvolvida pela Netscape em Acrônimo para Uniform Resource Locator.

7 type: entra com um valor em um determinado campo da página; select: seleciona um elemento dentre uma lista de opções. Atualmente as principais ferramentas que compõem o Selenium são: Selenium- IDE, Selenium-RC e Selenium-GRID. O Selenium-IDE é um ambiente de desenvolvimento integrado para construção de casos de testes. Ele opera como plug-in do FireFox e provê interfaces amigáveis para o desenvolvimento e execução de suites de testes (conjunto de testes). O Selenium-IDE é uma ferramenta do tipo record-and-playback, ou seja, ela captura as ações executadas pelo testador e gera um script que permite a re-execução das ações feitas, automatizando assim, o teste. Sua instalação é simples: basta abrir o arquivo de instalação pelo Firefox. Apesar da facilidade de automação dos testes com o Selenium-IDE, algumas tarefas ainda não são simples para se executar com essa ferramenta. Ele não oferece, por exemplo, suporte para testes com interação ou que devem ser executados com base em uma determinadas condições. Para esses casos deve-se utilizar o Selenium RC (Remote- Control). Este possiblita uma maior flexibilidade ao testador, permitindo a construção de lógicas de teste mais complexas, a partir do uso de uma linguagem de programação. Para isso, ele provê uma API (Application Programming Interface) 6 e bibliotecas para cada uma das linguagens suportadas: HTML, Java, C#, Perl, PHP, Python, e Ruby. O Selenium-Grid permite distribuir os testes em múltiplas máquinas, reduzindo assim o tempo gasto na execução de uma suite de testes. Ele é ideal para escalonar grandes suites de testes ou suites de testes que devem ser executadas em múltiplos ambientes. O Selenium-Grid atua executando múltiplas instâncias do Selenium-RC em paralelo de forma transparente, fazendo com que os testes não precisem se preocupar com a infraestrutura utilizada. Como mencionado anteriormente, o conjunto de comandos do Selenium permite realizar uma série de ações necessárias para execução de testes em páginas web, tais como, entrar com valores em campos da página, selecionar itens de uma lista de opções, clicar em botões, clicar em links e realizar asserções com base nos resultados exibidos da página. Os comandos que realizam essas ações são divididas em três grupos: Actions: são comandos que geralmente causam uma mudança no estado da aplicação. Eles representam operações realizadas pelo usuário durante a execução de um sistema web, tais como o comando click que indica um clique em um determinado botão ou link. A maioria desses comandos pode conter o sufixo AndWait, o que indica que a ação fez uma chamada ao servidor e que o Selenium deve esperar a página carregar para executar o próximo passo. Accessors: examinam o estado da aplicação e armazenam o resultado em variáveis, como o comando storetitle que armazena o titulo da página em uma variável determinada por parâmetro. Vale notar que as variáveis criadas no Selenium podem ser acessadas de duas formas: ${nomedavariável} ou javascriptstored- Vars[ nomedavariável ]. 6 Um conjunto de rotinas e padrões estabelecidos para a utilização das suas funcionalidades.

8 Assertions: são como os Accessors, mas verificam se o estado da aplicação está conforme o esperado. Todas as asserções do Selenium podem ser usadas de três modos: assert, verify e waitfor. Para verificar a presença de um certo texto em um determinado local, por exemplo, pode-se usar o comando asserttext, verifytext ou waitfortext. Com o assert, se a verificação falhar o teste pára, enquanto que com o verify a ferramenta acusa a falha mas o teste continua executando. Já no modo waitfor, que é muito útil para testar aplicações com Ajax 7, o Selenium espera o texto aparecer para prosseguir a execução. Quanto aos parâmetros utilizados pelos comandos do Selenium, eles tipicamente são: i) uma identificação para algum elemento da página; ii) um texto para verificar se ele aparece na página ou para colocá-lo em algum campo da página. O número de parâmetros usados varia de acordo com o comando. Alguns exigem dois parâmetros, outros exigem somente um, e existem aqueles que não utilizam parâmetros. A Figura 2.1 ilustra um script de teste no formato HTML 8 feito com o Selenium- IDE. Nele pode-se perceber que no formato HTML cada comando é representado como uma linha de uma tabela. Cada linha é por sua vez dividida em três células representando o comando, o alvo e o valor, nessa ordem. O script ilustrado nesta figura, por exemplo, é formado por três comandos: o comando open com apenas um parâmetro, que representa a URL a ser acessada (alvo); o comando type, com dois parâmetros, o primeiro representando o nome do campo a ter uma informação digitada (alvo) e o segundo contendo o texto que será entrado no campo (valor); e o comando asserttextpresent, com um parâmetro, indicando o texto (alvo) a ser procurado na página. Figura 2.1. Script de teste do Selenium em HTML. Nas próximas sub-seções serão apresentados o Selenium-IDE e a criação de testes automatizados com o Selenium-RC usando a linguagem Java e o framework JUnit. A Figura 2.2 ilustra a página web que será utilizada como base para a maior parte dos scripts 7 Acrônimo de Asynchronous Javascript And XML. 8 Acrônimo para HyperText Markup Language.

9 de testes que serão apresentados no decorrer do capítulo. Essa página é responsável pelo cadastro de usuários e faz parte de um sistema de administração de um sítio que segue um modelo específico da UFPI. Figura 2.2. Página Web que servirá de base para os scripts de testes apresentados neste capítulo Uma breve introdução ao Selenium-IDE O Selenium-IDE, ilustrado na Figura 2.3, é um plug-in do FireFox que permite ao testador desenvolver e executar casos de testes sem a necessidade de conhecimentos em programação. Ele possui uma interface amigável e exibe o script de teste como uma tabela, se tornando assim, ideal para aprender a sintaxe e o funcionamento do Selenium. Figura 2.3. A ferramenta Selenium-IDE.

10 O menu Arquivo permite ao usuário criar, abrir ou salvar testes e suites de testes. O menu Editar contém as operações para editar os casos de testes e o menu Opções permite mudar as configurações da ferramenta, como por exemplo, o testador pode especificar o timeout (tempo limite que a ferramenta deve esperar por uma resposta) e qual linguagem (Html, Java, Ruby, etc.) será usada para salvar os casos de testes. Logo abaixo do menu principal, pode ser especificada a UrlBase, que será compartilhada por todos os testes, e também existem opções para controlar a execução dos casos de testes, como por exemplo, a velocidade e a forma de execução. A ferramenta contém um menu que é exibido após o clique ou seleção de um algum elemento da página atual. A Figura 2.4 exibe o resultado de um clique com o botão direito do mouse, sobre o texto Inserir Usuário, da página ilustrada na Figura 2.2. Nesse caso é exibido um menu mostrando alguns comandos do Selenium, a maioria com o parâmetro alvo pré-definido de acordo com o elemento selecionado (clicado). Figura 2.4. Menu exibido ao clicar em algum elemento da página. Começar a construir testes com o Selenium-IDE é muito simples: basta abrir a ferramenta por meio da aba Ferramentas do FireFox e o Selenium-IDE já começa a gravar as ações que forem feitas. A Figura 2.5 ilustra o funcionamento da ferramenta, que monta o script de teste à medida que ações vão sendo feitas pelo testador. Para encerrar a gravação basta clicar no botão situado nas proximidades no canto superior direito. O Selenium-IDE também provê flexibilidade ao construir os testes. Conforme exibido na Figura 2.6 o testador pode modificar o comando (digitando ou selecionando algum dentre os exibidos por meio do drop-down destacado na figura), o alvo, o valor, e

11 Figura 2.5. Gravando testes com o Selenium-IDE. no caso de dúvidas ele pode consultar a API do Selenium na aba Reference, na qual a sintaxe do comando selecionado é descrito. Além disso, a ferramenta permite inserir comentários, copiar/excluir/remover comandos, executar um único comando por vez, definir onde deve começar e parar a execução. Figura 2.6. A) Visualização da descrição dos comandos. B) Opções disponíveis para alterar o script de teste. A localização dos elementos na página web, necessária para utilizar muitos dos comandos do Selenium (como o type ), pode ser feita a partir de algum identificador,

12 do XPath 9 do elemento, ou a partir do DOM 10. No caso de um campo ou formulário, o elemento pode ser identificado por meio do seu nome ou identificador (id). Quando não há o atributo name ou id para o elemento desejado, este pode ser localizado usando-se xpath que inicia com //. A expressão //form[1], por exemplo, refere-se ao segundo formulário da página (pois a identificação inicia do zero). Por fim, os elementos da página também podem ser localizados a partir de expressões do tipo document.forms[0].elements[3], a qual se refere ao quarto elemento presente no primeiro formulário da página. O Selenium-IDE também fornece meios para tornar os testes mais fáceis de entender e manter. Supondo, por exemplo, que foram implementados 100 casos de testes, e que em todos eles é necessário fazer o login para acessar o sistema, então, se para logar for preciso preencher os campos login e senha, todos os casos de testes irão se referir a esses dois elementos (identificados na página por login e senha ). Agora, supondo que por algum motivo, como o uso de algum framework, o nome dos campos tenha que ser alterado para form:login e form:senha. Nesse caso, todas as referências aos campos login e senha devem ser alterados para form:login e form:senha, respectivamente. Fazer essa alteração manualmente certamente exigiria muito tempo e toda vez que a referência a um elemento da página fosse alterada todos os testes deveriam ser atualizados. Agora supondo que um testador que não tenha implementado os 100 testes, mencionados acima, tenha que entendê-los para saber quais funcionalidade foram testadas, então, dependendo de como for feita a referência aos elementos da página, ele poderia perder muito tempo tentanto identificá-los. É bom lembrar que nem sempre será possível se referir a um elemento usando algum termo que permita a sua fácil identificação. Algumas vezes (e não são poucas) os elementos da página testada deverão ser localizados pelo Selenium a partir de expressões XPath do tipo o que dificulta a leitura do teste. Assim, para tornar os testes mais legíveis e fáceis de atualizar, o testador pode usar mapeamentos utilizando JSON 11 entre nomes e os elementos da página sob teste. Isso é possível a partir do UI-Element que é um recurso suportado tanto pelo Selenium- IDE quanto pelo Selenium-RC. A Figura 2.7 ilustra à esquerda um teste feito para a página de cadastro de usuários (ilustrado na Figura 2.2) feito no Selenium-IDE sem utilizar UI-Element e à direita o mesmo teste utilizando o UI-Element. Com base nela, podemos observar que utilizando o mapeamento o teste fica muito mais legível e fácil de entender. Com o script da parte B da figura é fácil perceber que o teste é feito sobre a página de cadastro de usuário, que após a preenchimento dos campos foi pressionado o botão Cadastrar e que o resultado esperado é uma mensagem com o texto Usuário Cadastrado. Outra vantagem da utilização do UI-Element é a fácil visualização da descrição dos elementos. Esta é especificada a partir do mapeamento e é visível na aba Reference após clicar em algum comando que utilize um elemento previamente mapeado. 9 Acrônimo de XML Path Language. 10 Acrônimo de Document Object Model. 11 Acrônimo de JavaScript Object Notation

13 Figura 2.7. A) Exemplo de teste sem UI-Element. B) Mesmo teste da esquerda com UI-Element. Essas descrições tornam o teste ainda mais claro, permitindo que o mesmo seja rapidamente compreendido. A Figura 2.8 ilustra a descrição associada ao elemento cadastrousuario::mensagemexibida, localizado no terceiro div da página (pois seu locator é //div[2] ). Para construir o mapeamento entre nomes e elementos basta usar um editor de textos e criar um arquivo no formato.js com mapeamento feito usando os comandos reconhecidos pelo UI-Element. Em seguida, esse arquivo deve ser submetido como extensão do Selenium Core 12 a partir do menu Opções do Selenium-IDE. Os comandos que podem ser utilizados para criar o mapeamento através do UI- Element são: addpageset: para adicionar uma página ou conjunto de páginas que contém os elementos que serão usados no teste. Para cada conjunto deve ser especificado o nome e a descrição. Também existem outros atributos que podem ser definidos, como por exemplo, pode-se especificar uma expressão regular para indicar o path das páginas que pertencem ao grupo em questão a partir do atributo pathregex. addelement: para adicionar os elementos (campos, botões, links, imagens, dentre outros) das páginas. Deve ser definido o nome, a descrição e a localização do elemento, a qual é definida no parâmetro locator. A primeira linha do mapeamento deve seguir a estrutura var nomedavariavel = new UIMap(). Mais comandos podem ser encontrados através do menu Ajuda do 12 Componente do Selenium responsável por executar os comandos do Selenium no browser

14 Figura 2.8. Visualização da descrição dos campos por meio do UI-Element. Selenium-IDE. A Figura 2.9 ilustra o mapeamento que foi utilizado no teste exibido na parte B da Figura 2.7. Observe que se a localização (ou forma de identificação) dos elementos for alterada, basta atualizar o atributo locator para que todos os testes estejam atualizados. Se o endereço da página de inserção de usuário for alterado, por exemplo, então basta atualizar o atributo pathregex do conjunto de página (Pageset) nomeado de cadastrousuario e o atributo locator do elemento linkusuario para que todos os testes da página de cadastro de usuário sejam atualizados. Por fim, muitas vezes existem sequências de comandos que são executadas mais de uma vez em um mesmo teste. Também existem sequências de comando que são executadas em mais de teste, usando os mesmos parâmetros ou não, que podem pertencer ou não a uma mesma suite de testes. Assim, é interessante usar algum meio para agrupar tais sequências, possibilitando a invocação de toda a sequência com um único comando. Com Selenium-RC, o agrupamento de comandos pode ser facilmente feito a partir de blocos. Já para o Selenium-IDE é preciso usar o Rollup. A partir da definição das regras de agrupamento (Rollup rules), o testador pode reunir comandos em grupos possibilitando que eles sejam invocados com o comando rollup. A parte A da Figura 2.10 ilustra a definição de regras de agrupamento para reunir uma sequência de comandos em grupo identificado por login, que efetua o login em uma página web. A parte B da Figura 2.10 ilustra um teste que utiliza o comando rollup para efetuar a sequência de comandos do grupo identificado por login.

15 Figura 2.9. Mapeamento feito para os elementos da página exibida na Figura 2.2. A criação dos arquivos com os Rollup rules é feita da mesma forma que a definição do mapeamento descrito acima, ou seja, a partir da criação de um arquivo no formato.js e da submissão desse arquivo como extensão do Selenium Core a partir do menu Opções do Selenium-IDE. Porém, nesse caso a primeira linha deve seguir a estrutura var nomedavariavel = new RollupManager() e o único comando disponível é comando addrollup, usado para adicionar uma nova regra. Existem vários atributos que podem ser definidos. No script ilustrado, o principal atributo é o getexpandedcommands o qual especifica quais serão os comandos a serem executados Escrevendo testes com o Selenium RC e a linguagem Java Como mencionado anteriormente, com o Selenium-RC o testador pode construir testes utilizando todo o poder fornecido pela linguagem de programação utilizada. Ele pode, por exemplo, trabalhar com iterações, expressões condicionais, ler e escrever em arquivos, além de poder tratar dinamicamente os resultados dos testes.

16 Figura A) Definição das Rollup rules. B) Teste usando o comando rollup. O Selenium-RC é constituído de dois componentes principais: Selenium Server, ponte para o navegador, a partir do qual os comandos acionados são transmitidos e executados no navegador selecionado; Bibliotecas, conjunto de instruções que são acionadas e que causam uma comunicação com o Selenium Server. Assim, para executar testes feitos com o Selenium e alguma linguagem de programação é preciso iniciar o servidor ( selenim-server.jar ) e para que os comandos do Selenium sejam reconhecidos é necessário acrescentar a biblioteca referente a esta linguagem ao projeto que contém o teste. A maneira mais fácil de iniciar a criação de testes funcionais automatizados utilizando Selenium e Java é criando primeiro um script (com a estrutura geral do teste) utilizando o Selenium-IDE. A Figura 2.11 exibe um script de teste no formato HTML feito com o Selenium-IDE para o cadastro de usuários da página exibida na Figura 2.2. Observe que as cinco primeiras linhas do script exibido na figura - da abertura da página /modelo/admin/index.php até a verificação do texto Sair - estão associadas ao login no sistema. Isso porque para cadastrar um usuário é preciso fazer antes o login no sistema. Logo, as ações necessárias para efetuar o login também devem ser inseridas no script de teste para que ao executar a sequência de comandos do teste se tenha acesso a página de cadastro de usuário. É bom lembrar que o Selenium simula um usuário acessando a aplicação, e como o usuário deve logar para ter acesso as funções administrativas do sistema, o teste com o Selenium também deve realizar os procedimentos necessários para efetuar o login.

17 Figura Script de teste feito com o Selenium-IDE. O próximo passo é converter script do formato HTML para Java, ou seja, converter os comandos do script nas funções disponíveis na API para a linguagem Java. Isso é feito a partir do menu Opções > Formato > Java (JUnit) SeleniumRC. Caso o testador queira executar os testes no TesteNG ele deve usar a opção Opções > Formato > Java (TestNG) SeleniumRC. O resultado da exportação, para o framework JUnit, do script ilustrado na Figura 2.11 é exibido na Figura Figura Script de teste da Figura 2.11 exportado para Java (JUnit). Após termos o arquivo Java, podemos utilizá-lo a partir do conjunto Eclipse+JUnit para concluir a automação dos testes. Como o teste utiliza a API do Selenium para o Java é preciso adicionar a biblioteca da API Java (selenium-java-client-driver.jar) ao projeto

18 com o teste para que os comandos sejam reconhecidos, caso contrário, eles ficarão em destaque conforme exibido na Figura Esse destaque indica que o comando não foi reconhecido, gerando assim erro de compilação no teste. Figura Visualização do teste exportado no Eclipse. O passo seguinte consiste na construção dos procedimentos de testes parametrizados. Para isso basta criar funções específicas reunindo os comandos de acordo com as ações deles e substituir os valores utilizados por variáveis. Assim, para o script da Figura 2.13, podem ser criados duas funções: login (que efetua o login na página) e cadastrousuario (que cadastra um usuário no sistema). Vale lembrar que é preciso instanciar uma variável do tipo Selenium para ter acesso as suas funções. Para que a instanciação do Selenium seja feita somente na classe com os casos de testes, podemos passar a variável Selenium por parâmetro. Com isso, nossa classe com os procedimentos de teste fica como exibido na Figura Em seguida, deve-se concluir a implementação dos procedimentos de testes, de forma que eles também sejam utilizados para verificar se as operações vão falhar quando deveriam. Se no login, por exemplo, os campos login e senha não forem corretamente preenchidos aparecerá na tela do sistema considerado uma mensagem de alerta (alert) indicando o erro. Assim, podemos concluir a implementação da função login acrescentando mais uma variável que armazenará o erro (mensagem do alerta) esperado. Considerando que a mesma situação ocorre durante o cadastro de um usuário, teremos os procedimentos escritos conforme a Figura Por fim, resta implementar os casos de teste utilizando para isso os procedimentos de testes que foram implementados e as especificações de testes 13. Na Figura 2.16 apresentamos alguns casos de teste criados para verificar o login e o cadastro de usuários do sistema. 13 Documentos que descrevem os casos e procedimentos de testes.

19 Figura Classe com o procedimento de teste parametrizado. Os testes criados com o Selenium são testes que utilizam o JUnit, de forma similar aos testes de unidade. Sua execução acontece da mesma forma que os testes de unidade, clicando com o botão direito do mouse em cima da classe e solicitando sua execução via JUnit. No entanto, existe uma diferença: para que o teste execute, é necessário que exista uma instância do Selenium Server executando na mesma máquina que contém os testes que serão executados. Assim, antes de executar os testes é preciso executar o arquivo selenium-server.jar 14. Sua execução pode ser feita via comando java -jar seleniumserver.jar". A Figura 2.17 exibe o resultado da execução dos testes apresentados neste capítulo. O lado A da figura apresenta a primeira execução dos testes, e no lado B a reexecução dos mesmos. Observe que no lado A da figura, a barra de execução ficou verde, indicando que nenhuma falha foi detectada, ou seja, o teste passou. Enquanto que no lado B, a barra de execução ficou vermelha pois o execução do último teste encontrou uma falha. Isso porque no último teste, no qual é feito o cadastro de um novo usuário, o resultado esperado é a mensagem Usuário Cadastrado. Na primeira execução da suite de testes, eles passaram porque não havia o usuário Usuário de teste 15 cadastrado no sistema. Contudo, com a re-execução da mesma suite de teste, sem restaurar o banco de dados para o estado original, o sistema não permitiu o cadastro do mesmo usuário, não resultando, portanto, no resultado esperado pelo teste. 14 Servidor do Selenium, que pode ser baixado no site do Selenium. 15 Nome do usuário contido no script de teste.

20 Figura Classe com o procedimento de teste completo. Vale salientar que também é possível implementar e executar casos de teste escritos com o Selenium utilizando a linguagem Java a partir do framework TestNG. Este por sua vez ofecere características próprias que podem ser utilizadas para facilitar a implementação dos testes. A escolha do framework a ser utilizado deve ser baseado nos conhecimentos da equipe de teste e nos recursos que tais ferramentas oferecem. Assim como no Selenium-IDE, o mapeamento feito com o UI-Element também pode ser usado com o Selenium-RC, porém neste só é possível adicionar um arquivo de mapeamento e ele deve ser chamado de user-extensions.js e deve estar no mesmo diretório do selenium-server.jar. Com isso, basta executar o servidor com o comando java -jar selenium-server.jar -userextensions user-extensions.js para que o mapeamento seja reconhecido e dessa forma o procedimento de cadastro de usuário, por exemplo, pode ser escrito conforme exibido na Figura 2.18.

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta 1 SELENIUM 28/03/2011 Márcio Delamaro Harry Trinta O que é a Selenium? Selenium é uma ferramenta desenvolvida para a automação de testes em aplicações Web Suporta diversos browsers: Firefox Internet Explorer

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 04 FERRAMENTAS DE AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 04 Automação de testes funcionais Ferramentas

Leia mais

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos Testes de Software Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Por quê testar? Manter alta qualidade Prevenir e encontrar defeitos Ganhar confiança sobre o nível de qualidade e prover informações.

Leia mais

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse Teresina, 28 de maio de 2008 1 Sumário 1. Introdução...03 2. Conceitos Iniciais 2.1 O que é Teste de Software?...04 2.2

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

4ª Parte Processo de Teste

4ª Parte Processo de Teste 4ª Parte Processo de Teste Atividades de preparação Ø Planejamento: define itens a testar, aspectos gerenciais e recursos necessários; para a execução da bateria de testes. Ø Desenho: completa as especificações

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c

manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c Versões deste documento 0.3 Melhoria da Introdução; Descritos detalhes sobre Instalação e Extensões de Arquivos; Descritos tópicos

Leia mais

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3 Testes Versão 0.3 ori_visao_conceitual_testes.odt 1 de 10 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/04/2010 0.1 Versão inicial Fernanda Monteiro 07/10/10 0.2 Verificação ortográfica Ana Eckel

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é:

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é: 1. CONCEITO Completo, prático e rápido. Diante do aumento da complexidade da tributação e do risco fiscal, pelos desafios de conhecimento e capacitação e pela velocidade para acompanhar mudanças na legislação,

Leia mais

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword Linux Educacional Tutorial Buzzword Para trabalhar com o programa Buzzword online, é necessário que crie uma conta no site. Para isso acesse o endereço - https://buzzword.acrobat.com/ Para criar uma conta

Leia mais

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras Ajudando o Brasil a expandir fronteiras FUNCEXDATA 2.0 Manual do Usuário Maio/2012 Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro 20040-001 Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ 42.580.266/0001-09.

Leia mais

GERENCIADOR DE CONTEÚDO

GERENCIADOR DE CONTEÚDO 1/1313 MANUAL DO USUÁRIO GERENCIADOR DE CONTEÚDO CRISTAL 2/13 ÍNDICE 1. OBJETIVO......3 2. OPERAÇÃO DOS MÓDULOS......3 2.1 GERENCIADOR DE CONTEÚDO......3 2.2 ADMINISTRAÇÃO......4 Perfil de Acesso:... 4

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande UFCG Centro de Engenharia Elétrica e Informática - CEEI Departamento de Sistemas e Computação - DSC Curso de

Universidade Federal de Campina Grande UFCG Centro de Engenharia Elétrica e Informática - CEEI Departamento de Sistemas e Computação - DSC Curso de Universidade Federal de Campina Grande UFCG Centro de Engenharia Elétrica e Informática - CEEI Departamento de Sistemas e Computação - DSC Curso de Ciência da Computação Disciplina: LES Equipe: David Candeia

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Faturamento Eletrônico - CASSEMS

Faturamento Eletrônico - CASSEMS 1 Conteúdo 1. Informações Iniciais... 3 1.1. Sobre o documento... 3 1.2. Organização deste Documento... 3 2. Orientações Básicas... 3 2.1. Sobre o Faturamento Digital... 3 3. Instalação do Sistema... 4

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br

Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br 1 - SOBRE O SGR Este manual irá lhe ajudar a entender o funcionamento do SGR (Sistema de Gerenciamento Remoto) permitindo assim que você possa atualizar

Leia mais

Testes de Software Aula 1

Testes de Software Aula 1 Testes de Software Aula 1 Universidade Federal do Ceará Objetivo Estes slides fazem parte do material de treinamento produzido pela Célula de Testes e Qualidade de Software (CTQS) do Grupo de Redes de

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

HAT Programação Auditoria Pós. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0

HAT Programação Auditoria Pós. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0 HAT Programação Auditoria Pós 12.1.x abril de 2015 Versão: 2.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Visão do Processo... 3 3 Serviço... 5 4 Dataset... 7 5 Formulário Principal AuditoriaPos... 9 6 Arquitetura

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Serviço Administração do CA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Serviço Administração do CA 1 de 12 Analista de Suporte I 1 Acesso ao sistema O sistema de chamados esta disponível na web no endereço HTTP://sme.netcenter.com.br O acesso ao sistema é feito com o número de designação do estabelecimento.

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

Teste Funcional 3. Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015

Teste Funcional 3. Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015 Teste Funcional 3 Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015 Especificação Objetivo desse módulo Apresentar uma modalidade de geração de casos de teste a partir de casos de uso Justificativa

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Montando um Site. Wordpress

Montando um Site. Wordpress Montando um Site Wordpress O Sistema Wordpress O Wordpress é uma plataforma de vanguarda para publicação pessoal, com foco na estética, nos Padrões Web e na usabilidade. Ao mesmo tempo um software livre

Leia mais

Guia de conceitos básicos API Version 2010-01-01

Guia de conceitos básicos API Version 2010-01-01 : Guia de conceitos básicos Copyright 2011 Amazon Web Services LLC ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados. Conceitos básicos do Amazon RDS... 1 Cadastre-se no Amazon RDS... 2 Inicie uma instância

Leia mais

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

Manual de Instalação START PREMIUM V 3.2.14

Manual de Instalação START PREMIUM V 3.2.14 Manual de Instalação START PREMIUM V 3.2.14 1/48 Este documento possui 46 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Novembro de 2013. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas.

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Tutorial Administrativo (Backoffice)

Tutorial Administrativo (Backoffice) Manual - Software ENTRANDO NO SISTEMA BACKOFFICE Para entrar no sitema Backoffice, digite no seu navegador de internet o seguinte endereço: http://pesquisa.webbyapp.com/ Entre com o login e senha. Caso

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Publicação de uma pesquisa na web

Publicação de uma pesquisa na web Publicação de uma pesquisa na web Pré-requisitos: Lista das questões Formulário multimídia A publicação de pesquisas na web possibilita que pesquisas sejam respondidas de qualquer computador com acesso

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Testware: ferramenta de planejamento e execução de casos de teste

Testware: ferramenta de planejamento e execução de casos de teste Testware: ferramenta de planejamento e execução de casos de teste Fabiane Barreto Vavassori Benitti 1, 2, Ana Paula Zimmermann 1 1 Centro de Ciências Tecnológico da Terra e do Mar Universidade do Vale

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

W o r d p r e s s 1- TELA DE LOGIN

W o r d p r e s s 1- TELA DE LOGIN S U M Á R I O 1Tela de Login...2 2 Painel......3 3 Post...4 4 Ferramentas de Post...10 5 Páginas...14 6 Ferramentas de páginas...21 7 Mídias...25 8 Links......30 1 1- TELA DE LOGIN Para ter acesso ao wordpress

Leia mais

DRIVE CONTÁBIL NASAJON

DRIVE CONTÁBIL NASAJON DRIVE CONTÁBIL NASAJON Módulo Gestão de Documentos Versão 1.0 Manual do Usuário 1 Sumário Os Módulos do Gerenciador de NFe: Informações Básicas Primeiro Acesso: Requisitos Acesso ao Drive Contábil Nasajon

Leia mais

Estrutura de Relacionamento:

Estrutura de Relacionamento: 1 Índice Por que ter Guia de Relacionamento e Suporte?... 3 Qual a Estrutura de Relacionamento com o Cliente?... 3 Agente de Atendimento (CAT):... 3 Gerente de Contas (GC):... 3 Gerente de Serviço (GS):...

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice CAPA Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE Índice 1. Página da área administrativa... 1.1 Botões e campo iniciais... 2. Explicar como funcionam as seções... 2.1. Seções dinâmicos... 2.1.1 Como

Leia mais

COMO FUNCIONA UM FORMULÁRIO

COMO FUNCIONA UM FORMULÁRIO FORMULÁRIOS Constitui-se numa das formas de a máquina cliente enviar informações para que um programa no servidor receba estes dados, processe-os e devolva uma resposta ao usuário, por meio do navegador,

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia.

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia. Sumário Introdução... 1 Objetivos... 1 Instruções para utilização do Tutorial... 1 Metodologia... 2 Apresentação do Editor de Roteiro de Aprendizagem... 2 Inserir Roteiro de Aprendizagem... 3 Meus Roteiros...

Leia mais

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal.

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal. MANUAL DO SISCOOP Sumário 1 Menu de Navegação... 3 2 Gerenciar País... 5 3- Gerenciamento de Registro... 8 3.1 Adicionar um registro... 8 3.2 Editar um registro... 10 3.3 Excluir um registro... 11 3.4

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Introdução ao. Linux do MEC

Introdução ao. Linux do MEC Introdução ao Linux do MEC Abril/2006 ÍNDICE Software Livre 3 Linux do MEC 4 Inicializando e finalizando o sistema 5 Área de trabalho 6 Operações com arquivos 7 Administração do ambiente 9 Navegador Internet

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

Área de Administração

Área de Administração Área de Administração versão 1.1 Partir de 2012/01/14 aplica-se para a versão phpcontact 1.2.x www.phpcontact.net Geral A área de administração é utilizado para uma fácil configuração do software elaboraçao

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 1 APRESENTAÇÃO...2 2 INSTALAÇÃO...2 3 IMPORTAÇÃO DO ARQUIVO ESPECÍFICO...3 4 IMPORTAÇÃO DE DADOS DO CADASTRO DE DISCENTES...4 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES

MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES Esse Manual tem como objetivo explicar todas as funções do novo sistema de abertura de chamados da Datacom Automações. Esse novo programa facilitará o atendimento entre

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES 1.3

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE INTRODUÇÃO O portal do Afrafep Saúde é um sistema WEB integrado ao sistema HEALTH*Tools. O site consiste em uma área onde os Usuários e a Rede Credenciada,

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada GUIA DE USO SUMÁRIO 1. Utilizando o FrameWork Aplanar... 2 1.1 GRID... 2 1.1.1 Barra de menus:... 2 1.1.2 Barra de ferramentas:... 3 1.1.3 Barra de pesquisa:... 3 1.2 MENU ADMINISTRATIVO... 4 1.2.1 Usuário:...

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais