NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE"

Transcrição

1 NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014

2 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores e Técnicos dos Departamentos integrados, entre outros, nos seguintes Ministérios: Ministério do Ambiente Ministério da Administração do Território Ministério da Admin. Pública, Trabalho e Segurança Social Ministério da Agricultura Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Construção Ministério da Economia Ministério da Educação Ministério da Energia e Águas Ministério da Indústria Ministério da Hotelaria e Turismo Ministério do Comércio Ministério dos Petróleos Ministério dos Transportes Representantes das Entidades de Ensino Escolas Universidades Institutos Superiores Responsáveis de Órgãos do Poder Local Governadores Provinciais Administradores Municipais Administradores Comunais Administradores, Directores e Quadros de empresas dos sectores: Petróleo Comércio Construção Transportes Ambiente Representantes das Organizações Não Governamentais Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) ONGs de Carácter Ambiental

3 3 Porquê PARTICIPAR? Objectivos Adquirir conhecimentos e desenvolver competências sobre Hábitos Sustentáveis Conhecer métodos e instrumentos para adopção de Tecnologias Ambientais adequadas Contactar com exemplos adaptados à realidade Angolana Discutir estratégias para divulgação de boas práticas sobre Hábitos Sustentáveis Enquadramento O Desenvolvimento Sustentável constitui actualmente um dos pilares essenciais na definição de estratégias e políticas futuras, aos mais diferentes níveis. De facto, um conjunto de preocupações em torno dos aspectos económicos, sociais e ambientais, têm feito aumentar a consciência nas nações e dos povos para a necessidade de implementar políticas e acções tendentes a minimizar os impactes negativos associados a comportamentos inadequados, numa lógica de sustentabilidade a longo prazo. Este tem que ser portanto um desígnio nacional, devendo o estado dar o exemplo de acção no sentido de criar condições para que se avance com medidas estruturais no campo da sustentabilidade e hábitos sustentáveis, por exemplo no que diz respeito à protecção do meio ambiente ou ao uso eficiente e sustentável dos recursos naturais. Neste âmbito, a formação e a qualificação dos recursos humanos assume-se como uma ferramenta fundamental na sociedade actual, fortemente marcada por um acelerado desenvolvimento científico e tecnológico, nomeadamente no que se refere às Tecnologias Ambientais. Apostar na formação significa assegurar o futuro através da valorização pessoal e / ou profissional e consequentemente do aumento da consciência cívica das populações, mudando mentalidades e catapultando a sociedade para novos estados de desenvolvimento. No entanto, esta formação, sensibilização ou informação deve ser concebida, desenvolvida e estruturada de acordo com as especificidades do público-alvo e direccionada às suas necessidades. A formação e a educação para o futuro sustentável significa incluir questõeschave sobre o desenvolvimento e os hábitos sustentáveis no ensino e na aprendizagem, como por exemplo, a mudança climática, a redução de riscos de desastres, a biodiversidade, a redução da pobreza e os hábitos e o consumo sustentável. Também requer métodos participativos de formação, ensino e aprendizagem para motivar os destinatários a alterar os seus comportamentos e adoptar atitudes em prol do desenvolvimento sustentável.

4 4 Programa 8h00 Registo de Participantes 9h30 Sessão de Abertura Boas-vindas Ministra do Ambiente (Discurso de Abertura) 10h00 Sessão 1 A importância da educação para a adopção de Novos Hábitos Sustentáveis Orador: Drª. Sofia Santos / Executive Director Sustainability Knowledge Lab / INDEG - IUL, ISCTE Moderador: Ministério da Educação 11h00 Sessão 2 - Hábitos Sustentáveis na Indústria Orador: Prof. Valdemar Rodrigues / Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Moderador: Ministério da Indústria 12h00 Sessão 3 Hábitos Sustentáveis na Agricultura Orador: Prof. Carlos Aguiar / Instituto Politécnico de Bragança Moderador: Ministério da Agricultura 13h00 Almoço 14h30 Sessão 4 Hábitos Sustentáveis na Construção Orador: Prof. Manuel Duarte Pinheiro / Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa Moderador: Ministério da Construção 15h30 Sessão 5 Hábitos Sustentáveis nos Transportes Orador: Prof. Jorge Freire de Sousa / Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Moderador: Ministério dos Transportes 16h30 Sessão 6 A sensibilização na promoção de Novos Hábitos Sustentáveis na gestão de resíduos Orador: Eng. Luciano Gomes / Grupo Nucase Moderador: Secretário de Estado do Ambiente para as Novas Tecnologias Ambientais e Qualidade Ambiental 17h30 Sessão de Encerramento Ministra do Ambiente (Discurso de Encerramento)

5 5 Aprofunde os seus conhecimentos. Resumo das COMUNICAÇÕES Sessão1 Educação A edução é um dos pilares essencial à prossecução de políticas de desenvolvimento sustentável. Esta sessão analisará a importância de investir em programas adequados aos diferentes níveis de escolaridade com o objectivo de promover a consciencialização dos mais jovens para os novos hábitos sustentáveis. Sessão 2 Indústria Esta sessão abordará as 5 áreas a considerar na adopção de Hábitos Sustentáveis na indústria: planeamento e ordenamento industrial, conservação e utilização racional de recursos naturais e de energia na Indústria, controlo e gestão sustentável dos fluxos residuais, Sistemas de Gestão e Auditoria Ambiental (SGAA) e responsabilidade social e ambiental. Sessão 3 Agricultura. Como pode o agricultor compatibilizar a produção e a competitividade com a sustentabilidade? O crescimento sustentado da agricultura depende da preservação dos recursos naturais e do meio ambiente, do aumento contínuo e eficiente da produção e da forma como este dois temas se relacionam. Sessão 4 Construção. A construção (materiais, edifícios, infraestruturas e zonas urbanas) tem vindo a considerar progressivamente a dimensão ambiental e a perspectivar cada vez mais a procura da sustentabilidade. Esta sessão evidenciará porque razão se deve procurar a sustentabilidade ao logo de todo o ciclo de vida e como se define construção sustentável, contribuindo para valorizar o ambiente, economia e sociedade. Sessão 5 Transportes. As estratégias de gestão da mobilidade, de promoção dos transportes sustentáveis, a gestão da procura do automóvel privado e a alteração dos comportamentos e atitudes dos indivíduos tendem, de modo geral, a contribuir para a redução dos impactos ambientais, económicos e sociais decorrentes da crescente taxa de motorização da sociedade atual. Sessão 6 Sensibilização. No decorrer desta sessão será apresentado um caso prático de como o investimento contínuo na sensibilização ambiental, aos mais diferentes níveis (escolas, população, comércio, indústria e organismos públicos), constitui uma importante ferramenta para a alteração de hábitos e melhoria do desempenho sustentável de uma região.

6 Ministério do Ambiente Rua dos Enganos c/ Avenida de Portugal Edifício Zimbo Towert Luanda Novos Hábitos Sustentáveis. MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Grupo Portucel Soporcel promove Conferência Internacional As Plantações na Floresta de Amanhã

Grupo Portucel Soporcel promove Conferência Internacional As Plantações na Floresta de Amanhã Grupo Portucel Soporcel promove Conferência Internacional As Plantações na Floresta de Amanhã A Floresta foi o tema central da Conferência Internacional As Plantações na Floresta de Amanhã, que o grupo

Leia mais

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia 4 de fevereiro de 2015 Enquadramento: Os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de 2014-2020 serão determinantes no

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC2020/2030) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 O Programa

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb Portugal 2020: Objetivos e Desafios 2014-2020 António Dieb Porto, 11 de julho de 2016 Tópicos: 1. Enquadramento Estratégico (EU 2020) 2. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 3. Estrutura Operacional

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA 22 DE MARÇO DE 2013 2013, Ano Internacional da Cooperação pela da Água 2 DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA O dia 22 de Março

Leia mais

PROGRAMA. 11:30 Coffee-break. 09:45 Recepção e registo de presença dos participantes

PROGRAMA. 11:30 Coffee-break. 09:45 Recepção e registo de presença dos participantes PROGRAMA 09:45 Recepção e registo de presença dos participantes 10:15 Sessão de acolhimento Sr. Manuel Tibo Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro Dr. José Arriscado Vice-Presidente da associação

Leia mais

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES APRESENTAÇÃO O Jornal água&ambiente organiza o Seminário Eficiência Energética: as grandes oportunidades no próximo dia 26 de Junho de 2012, no Hotel Açores, em Lisboa. Numa altura em que a eficiência

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Funchal, 2 Março 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Funchal, 2 Março 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Funchal, 2 Março 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Madeira como Mercado

Leia mais

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PEDSA O PACTO A SER IMPLEMENTADO PELO PEDSA: PRIORIDADES Impacto esperado com a implementação do PEDSA através

Leia mais

Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa. Apresentação do Programa Operacional Regional de Lisboa 2020

Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa. Apresentação do Programa Operacional Regional de Lisboa 2020 Abertura Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa Carlos Pina, Presidente do LNEC Nelson de Souza, Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão Apresentação do Programa Operacional Regional de

Leia mais

Gestão para criação de um Destino Sustentável

Gestão para criação de um Destino Sustentável Gestão para criação de um Destino Sustentável Sistema LiderA - Turismo Construção Sistemas - Uso Manuel Duarte Pinheiro Engenheiro do Ambiente (1985), Ph.D., Profº do Departamento de Engenharia Civil,

Leia mais

mar 2020: Fazer acontecer o MAR

mar 2020: Fazer acontecer o MAR Onde a terra se acaba e o mar começa (in Os Lusíadas, Canto III) Portugal sempre foi mar. Mas agora, mais do que nunca, o mar pode ser uma infinidade de oportunidades para todos os portugueses. A extensão

Leia mais

Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas,

Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas, LANÇAMENTO DA ESTRATÉGIA EUROPEIA PARA O ATLÂNTICO LISBOA, 28 DE NOVEMBRO DE 2011 INTERVENÇÃO DA SENHORA MAMAOT Senhor Primeiro Ministro, Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas,

Leia mais

GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL um ativo da restauração e do turismo nacional

GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL um ativo da restauração e do turismo nacional GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL um ativo da restauração e do turismo nacional A Gastronomia Nacional é "bem" que deve ser vivido para ser compreendido e apreciado. É fundamental que o nosso rico Património

Leia mais

ecomar GRUPO DE AÇÃO LOCAL

ecomar GRUPO DE AÇÃO LOCAL O DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA (DLBC) é um instrumento do Portugal 2020 que visa promover a concertação estratégica e operacional entre parceiros que atuam num território específico (rural,

Leia mais

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança Conclusões Senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Demais autoridades

Leia mais

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias 30 de Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO NQUADRAMENTO / C / CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE LOULÉ CONCELHO DE LOULÉ 764,16 km 2, maior município da região do Algarve; 70 260 habitantes cerca de 15% população

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CASCAIS

DECLARAÇÃO DE CASCAIS DECLARAÇÃO DE CASCAIS 30.10.2004 INTRODUÇÃO Considerando a vontade de continuar a estreitar laços e a desenvolver formas de cooperação em matéria de desenvolvimento sustentável e protecção do ambiente

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais 7. Gestão Ambiental Para além da liderança do Governo, a protecção ambiental é, também, da responsabilidade de toda a população, sendo necessária a participação de toda a sociedade, quer das empresas quer

Leia mais

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Workshop Colaboração entre Moçambique e Portugal nos Sectores Agrícola, Alimentar e Florestal, Maputo, 2 de Junho 2015

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 1. Situação de referência A agricultura é produção de alimentos Contribuir para a preservação da biodiversidade e recursos

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

Escola ES/3 Dos Carvalhos Março 2007 Geografia A - 10

Escola ES/3 Dos Carvalhos Março 2007 Geografia A - 10 Análise da notícia Lisboa mais pobre Trabalho Realizado por: Ana Luísa nº2 Maria Elisa nº16 Mariana nº18 Marta Daniela nº19 10ºD 1 Título da Notícia Lisboa mais pobre Data de edição da notícia Setembro

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira congresso LiderA, Lisboa 25/05/2011 Plataforma para a Construção Sustentável Visão e Missão OClusterHabitat? agregador em rede de actividades

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Apresentação do Programa

Apresentação do Programa Apresentação do Programa A Região Lisboa e Vale do Tejo AML A Estratégia do Programa Operacional Afirmar Lisboa como uma região cosmopolita e competitiva no sistema das regiões europeias, contribuindo

Leia mais

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS \ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS Como Atingir a Eficiência Energética nas Empresas NPF 27 e 28 de Junho de 2006 \Sumário Introdução Política Energética para Portugal Energia

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 2 de Junho de 2006 4 de Agosto de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização do

Leia mais

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA ESCOLA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO NORDESTE Lília Bergantim [1], Lúcia Carreiro [2] & Natália de Abreu [3] [1] lilia.bergantim@gmail.com [2] lucia_mr_carreiro@hotmail.com

Leia mais

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias Apresentação do Documento de Orientação Estratégica CCB Centro Cultural de Belém 05 de Julho 2005 Mandato Identificar as propostas de investimentos

Leia mais

Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas da CIM-RC

Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas da CIM-RC Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas da CIM-RC Bases para o Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas 1 Enquadramento Mensagens chave da 5ª Avaliação das Alterações

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

Produção Local: Estratégias e Desafios Agroal, 18 de Maio de 2016 Um projeto promovido por: Cofinanciado por: Em parceria com: Com o apoio de:

Produção Local: Estratégias e Desafios Agroal, 18 de Maio de 2016 Um projeto promovido por: Cofinanciado por: Em parceria com: Com o apoio de: Políticas globais e estratégias locais para o desenvolvimento sustentável Produção Local: Estratégias e Desafios Agroal, 18 de Maio de 2016 Um projeto promovido por: Cofinanciado por: Em parceria com:

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

TEL

TEL CARTA DE MISSÃO Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia (MAOTE) Serviço/Organismo: Direção-Geral de Energia e Geologia Cargo: Diretor-Geral Período da Comissão de Serviço: 5 anos 1.

Leia mais

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 A Rede Portuguesa de Reservas da Biosfera foi criada pela Comissão Nacional da UNESCO,

Leia mais

Sumário. Adis-Abeba (Etiópia) 28 e 29 de Março de 2011 NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA

Sumário. Adis-Abeba (Etiópia) 28 e 29 de Março de 2011 NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA NAÇÕES UNIDAS CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA Quadragésima-quarta Sessão da Comissão Quarta reunião anual conjunta da Conferência dos Ministros de Economia e Finanças da União

Leia mais

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso"

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso A elaboração do Kit da Produtividade é uma iniciativa da AEP, em co-produção com o IAPMEI, visando o desenvolvimento de uma campanha de melhoria da competitividade das empresas portuguesas O Kit da Produtividade

Leia mais

O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos. Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água

O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos. Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água Políticas Enquadramento legal A Directiva-Quadro da Água (DQA) Directiva 2000/60/CE, transposta

Leia mais

PORTUGAL. Cayambe - Equador 21 a 24 de Setembro. Orlandino Rosa

PORTUGAL. Cayambe - Equador 21 a 24 de Setembro. Orlandino Rosa PORTUGAL Cayambe - Equador 21 a 24 de Setembro Orlandino Rosa Localização www.cm-vrsa.pt 2 Vila Real de Santo António http://www.cm-vrsa.pt www.cm-vrsa.pt 3 Vila Real de Santo António Área 60,9 km2 3 Freguesias

Leia mais

AMBIENTE E TERRITÓRIO 2 ª aula

AMBIENTE E TERRITÓRIO 2 ª aula Licenciatura em Engenharia do Território 3º ano / 6º semestre AMBIENTE E TERRITÓRIO 2 ª aula Evolução problemas ambientais EVOLUÇÃ ÇÃO O DA PROBLEMÁTICA AMBIENTAL Quatro grandes períodos 1- Pré-revolução

Leia mais

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC Titulo da Posição: Período de desempenho: ABRIL A SETEMBRO DE 2014 Dias de trabalho: 110 DIAS EQUIVALENTE A 5 MESES RENOVÁVEIS Nome do consultor: PD ASSESSOR

Leia mais

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, Grupo MARTIFER Um Case-Study Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, 23.11.2007 AGENDA 1.Apresentação do Grupo Martifer 2.Motivação 3.Metodologia 4.Resultados / diagnóstico

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS. Maputo, 8 de Abril de 2013

AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS. Maputo, 8 de Abril de 2013 AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS Dia 8/04/2013 Maputo, 8 de Abril de 2013 08h40 09h00 Cerimónia de abertura 09h00 09h15 09h15

Leia mais

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós é o tema da participação do Turismo de Portugal na BTL Feira Internacional de Turismo, que se realiza de 12 a

Leia mais

1. Projeto de Capacitação Nacional 2016/2017

1. Projeto de Capacitação Nacional 2016/2017 Programa LIFE Projeto de Capacitação Nacional Projeto de Capacitação, Enquadramento e Histórico LIFE Sessão de Informação Nacional/Regional (Ação A6) no âmbito do Projeto LIFE14 CAP/PT/000004 LIFE14 CAP/PT/000004

Leia mais

Plano de Regeneração Urbana. Zona Histórica de Vila Real. Concurso de Ideias (conceção) Auscultação à População ARTIGO 1º.

Plano de Regeneração Urbana. Zona Histórica de Vila Real. Concurso de Ideias (conceção) Auscultação à População ARTIGO 1º. Plano de Regeneração Urbana Zona Histórica de Vila Real Concurso de Ideias (conceção) Auscultação à População ARTIGO 1º Enquadramento A CIP Confederação Empresarial de Portugal tem vindo a desenvolver

Leia mais

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa.

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Abastecimento de Água em Angola. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa LUCRÉCIO COSTA

Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Abastecimento de Água em Angola. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa LUCRÉCIO COSTA 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa A Engenharia como fator decisivo no processo de desenvolvimento" Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Abastecimento de Água em Angola LUCRÉCIO COSTA

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

O papel do QREN na consolidação e qualificação das redes de equipamentos coletivos

O papel do QREN na consolidação e qualificação das redes de equipamentos coletivos O papel do QREN na consolidação e qualificação das redes de equipamentos coletivos Porto, 18 de junho de 2013 Susana Monteiro Núcleo de Estudos e Avaliação Estrutura 1. Diagnóstico 2. Planeamento 3. Monitorização

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações.

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

Responsabilidades. Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da LFFB ZONA NORTE. Conselho de Ministros. Beira, Maio de 2013

Responsabilidades. Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da LFFB ZONA NORTE. Conselho de Ministros. Beira, Maio de 2013 Republica de Moçambique REPÚBBLICA DE MOÇAMBIQUE Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da Proposta Provincial LFFB de Revisão de Agricultura do Regulamento Base Legal da da

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 850 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Açores, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz OS DESAFIOS DO SÉCULO XXI Acompanhar a revolução tecnológica

Leia mais

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Cristina Santos 1 Enquadramento na EU 2 Disponibilidades 3 Estratégia nacional 1 Enquadramento Directiva 2001/77/CE relativa às energia renováveis

Leia mais

Campanha de sensibilização do pnase

Campanha de sensibilização do pnase São Tomé, 28 de Fevereiro de 2017. Campanha de sensibilização do pnase Em alusão a 1 de Março, Dia Africano da Alimentação Escolar, o Ministério da Educação Cultura de São Tomé e Príncipe dá início à campanha

Leia mais

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica Implementação da ENM 2013-2020 Abordagens Integradas para a Náutica Náutica 2020 Vila Praia de Âncora, 21 de novembro de 2014 João Fonseca Ribeiro Diretor-Geral de Politica do Mar O Mar-Portugal é um desígnio

Leia mais

- Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal

- Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal Valorização do Potencial Industrial do Alto Minho: Plano de Ação & Instrumentos de Financiamento 2015-2020 - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal 29 de junho

Leia mais

1. Nota introdutória Actividades para Conhecer para Proteger Roteiros Ambientais... 4

1. Nota introdutória Actividades para Conhecer para Proteger Roteiros Ambientais... 4 Plano de Actividades Amigos dos Açores Associação Ecológica Janeiro de 2015 Índice 1. Nota introdutória... 2 2. Actividades para 2015... 3 2.1.1 Conhecer para Proteger... 3 2.1.2 Roteiros Ambientais...

Leia mais

APCER e a. Certificação Florestal em Portugal. 10 de Outubro de Marta Ambrósio Gestora de Produto APCER

APCER e a. Certificação Florestal em Portugal.  10 de Outubro de Marta Ambrósio Gestora de Produto APCER APCER e a Certificação Florestal em Portugal C 1996 Forest Stewardship Council A.C. FSC ACC 013 em parceria com a SQS,organismo acreditado pelo FSC Objectivos A Gestão Florestal Sustentável, a Certificação

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Apresentado por: Alfredo Sitoe Objectivo Geral da Politica da qualidade Contribuir para a melhoria contínua da qualidade de vida da

Leia mais

ENCONTROS DE ARQUITECTURA, ENSINO, DESAFIOS, PERSPECTIVAS E COOPERAÇÃO. coimbra. Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

ENCONTROS DE ARQUITECTURA, ENSINO, DESAFIOS, PERSPECTIVAS E COOPERAÇÃO. coimbra. Mosteiro de Santa Clara-a-Velha ENCONTROS DE ARQUITECTURA, U R B A N I S M O E P A I S A G E M ENSINO, DESAFIOS, PERSPECTIVAS E COOPERAÇÃO coimbra Mosteiro de Santa Clara-a-Velha 14 de OUTUBRO de 2017 Este encontro nacional promove uma

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Responsável: Professor Doutor Rui Bento Elias Objectivos: Na sequência da adequação dos cursos

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação Código da Operação Projeto Nº.: Norte-02-0853-FEDER-000891 Designação do Projeto Projetos Individuais

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA I.ª REUNIÃO DE MINISTROS DO COMÉRCIO DA COMUNIDADE DOS PAÍ- SES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

DECLARAÇÃO DE LUANDA I.ª REUNIÃO DE MINISTROS DO COMÉRCIO DA COMUNIDADE DOS PAÍ- SES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) DECLARAÇÃO DE LUANDA I.ª REUNIÃO DE MINISTROS DO COMÉRCIO DA COMUNIDADE DOS PAÍ- SES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Nós, Maria Idalina Valente, Ministra do Comércio de Angola; Armando Inroga, Ministro da

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL ESTATUTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PORTUGUESA. ESAC - Escola Superior Agrária de Coimbra 23 e 24 de Junho 2017

CONFERÊNCIA NACIONAL ESTATUTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PORTUGUESA. ESAC - Escola Superior Agrária de Coimbra 23 e 24 de Junho 2017 ESTATUTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PORTUGUESA ESAC - Escola Superior Agrária de Coimbra 23 e 24 de Junho 2017 Eng. Tito Rosa, Presidente da LPN Agricultura Familiar e Conservação: Uma Parceria que deve ser

Leia mais

QUE MEIOS FINANCEIROS?

QUE MEIOS FINANCEIROS? QUE MEIOS FINANCEIROS? PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA ATRAVÉS DO PO SEUR? HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE 22 JUN 2015 TAPADA DE MAFRA Organização:

Leia mais

Politica Ambiental e os municípios da Costa Rica. Erika Linares Orozco Presidenta Executiva

Politica Ambiental e os municípios da Costa Rica. Erika Linares Orozco Presidenta Executiva Politica Ambiental e os municípios da Costa Rica Erika Linares Orozco Presidenta Executiva Costa Rica A Costa Rica é um país da América Central. Sua capital e centro econômico e político de San Jose. A

Leia mais

CONSELHO CONSULTIVO DA JUVENTUDE REGULAMENTO 1º OBJECTIVOS E ENQUADRAMENTO

CONSELHO CONSULTIVO DA JUVENTUDE REGULAMENTO 1º OBJECTIVOS E ENQUADRAMENTO CONSELHO CONSULTIVO DA JUVENTUDE REGULAMENTO 1º OBJECTIVOS E ENQUADRAMENTO Os jovens são considerados como um dos pilares fundamentais para o desenvolvimento de uma política de juventude devidamente estruturada,

Leia mais

AGRICULTURA BIOLÓGICA, O que é? A Estratégia e Plano Acção Nacional em Agricultura Biológica

AGRICULTURA BIOLÓGICA, O que é? A Estratégia e Plano Acção Nacional em Agricultura Biológica AGRICULTURA BIOLÓGICA, O que é? A Estratégia e Plano Acção Nacional AGROBIO Missão: Promover e divulgar a Agricultura Biológica em Portugal Desde 1985 7600 ASSOCIADOS (agricultores; empresas; consumidores)

Leia mais

Em resposta ao requerimento em epígrafe, cumpro-mo transmitir a V. Ex.ª a seguinte informação:

Em resposta ao requerimento em epígrafe, cumpro-mo transmitir a V. Ex.ª a seguinte informação: Em resposta ao requerimento em epígrafe, cumpro-mo transmitir a V. Ex.ª a seguinte informação: 1. Plano do Ordenamento da Orla Costeira do São Jorge Os Planos de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) traduzem,

Leia mais

Parceria para a formação financeira na Região Norte

Parceria para a formação financeira na Região Norte Parceria para a formação financeira na Região Norte Objetivos da formação financeira Elevar os conhecimentos financeiros da população Contribuir para a melhoria dos comportamentos financeiros Promover

Leia mais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Conferência Fulbrigth Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Lisboa, 21 de Outubro Políticas de educação para vencer os desafios mundiais Maria de Lurdes Rodrigues Quero, em primeiro lugar,

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A MADEIRA-AÇORES-CANÁRIAS 2014-2020 Angra do Heroísmo, 29 janeiro 2016 QUAL O TERRITÓRIO DO ESPAÇO DE COOPERAÇÃO? - As regiões insulares ultraperiféricas de

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais