Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA)"

Transcrição

1 Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA) Augusto Paulo Silva Helsinki (KTL), June 2007

2 Definição República da Guiné-Bissau Instituição técnico-científica subordinada ao Ministério da Saúde Pública (MINSAP), dotada de personalidade jurídica e com autonomia administrativa Atribuições Coordenar e superintender a definição da Agenda de Pesquisa em saúde e aplicação da mesma em todo território nacional Realizar investigação científica sobre os problemas de Saúde que contribuem para a morbilidade e mortalidade da população e divulgar os seus resultados Prestar serviços de referência laboratorial aos programas do Serviço Nacional de Saúde na prevenção e controle de doenças Desenvolver o ensino e a formação politécnica e científica em ciências da saúde Desenvolver e manter parcerias a nível nacional e internacional

3 Objectivos República da Guiné-Bissau Promover o desenvolvimento da Investigação em Saúde aos diferentes níveis de atenção para a garantia de uma melhor definição e gestão de programas de Saúde Promover e efectuar a investigação em saúde com base nas prioridades definidas pela Agenda Nacional de Pesquisa Incentivar a investigação em Sistema de Saúde como instrumento para a definição da Politica de Saúde Garantir a investigação cientifica multisectorial e disciplinar, através das instituições de investigação afins e outros órgãos de reconhecida competência técnica

4 Main components: Laboratório Nacional de Saúde Pública, National Public Health Laboratory (1978), SIDA, Sweden Projecto de Saúde de Bandim (1978), The Bandim Health Project (SAREC and Denmark) Centre for Tropical Medicine (1989), Institute of Hygiene and Tropical Madicine, Portugal Escola Nacional de Saúde, National School of Public Health (1997), The Netherlands, Cuba and World Bank

5 O que falta fazer, WAY FORWARD? Criação oficial do INASA, Formal creation of NPHI Elaboração do Plano Estratégico Strategic Plan Development ( ) with support of IANPHI and FIOCRUZ Processo de integração das principais componentes, Integration process of 4 Components Instalação em sede própria (3 de Agosto), Infrastructures Instalação da Biblioteca Virtual da Saúde (BVS) no LNSP, Creation of Virtual Library with Support of WHO Geneva and BIREME (Brasil)

6 Funções nucleares de um Instituto Nacional de Saúde Pública (IANPHI, 2007): Avaliação e análise do estado de saúde Vigilância sanitária, controlo de riscos e ameaças a saúde Programas de prevenção e promoção da saúde Participação social na saúde Planeamento e gestão Regulação e aplicação das leis Avaliação e promoção da cobertura e acesso aos serviços de saúde

7 Funções Nucleares (Cont.) Desenvolvimento de Recursos Humanos e Formação Garantia de Qualidade dos serviços de saúde Pesquisa em saúde Pública Redução do impacto das emergências e catástrofes sobre a saúde

8 MINISTERIO DA SAUDE PUBLICA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU PARCEIROS ESTRATÉGICOS Instituto de Higiene e Medicina Tropical (UNL) Outras instituições interessadas em Portugal Centro de Medicina Tropical (Cooperação com Portugal) Escola Politécnica de Saúde Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA) (Conselho de Administração) Swedish Infectious Disease Control Institute (SMI) Laboratorio Nacional Referencia (Suécia) Projecto de Saude de Bandim (Dinamarca) Serum Institute (SSI), Progrma ENRECA com a Dinamarca International Association of National Institute of Public Health (IANPHI) Council on Health Research for Development (COHRED) Organização Mundial da Saúde (OMS)

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016

Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016 Desafios e Estratégias adotadas pela ANVISA para promover a convergência regulatória internacional e facilitar a inserção de produtos brasileiros em mercados de interesse. Renato Alencar Porto Brasília

Leia mais

A comunicação do risco

A comunicação do risco II ENCONTRO NACIONAL DE RISCOS, SEGURANÇA E FIABILIDADE Lisboa, Instituto Superior Técnico, 13 a 15 de Novembro de 2007 Ministério da Saúde A comunicação do risco em saúde públicap Lúcio Meneses de Almeida

Leia mais

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão J. Martins, P. Laranjeira, M. Rebelo, M. Lopes CIICESI, ESTG, Politécnico do Porto ICSLM Congress 24-11-2016, Covilhã, Portugal INTRODUÇÃO

Leia mais

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL Missão na Universidade de Cabo Verde Praia, 9 de Abril de 2008 Maria da Conceição Bento Até 1988 Curso de Enfermagem Geral Habilitavam: Prática Clínica de Cuidados de

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009 FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO Lisboa, 20 de Junho de 2009 INTRODUÇÃO O FUNAB é uma pessoa colectiva, de direito público, com personalidade jurídica e dotado

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015 PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO 2015-2018 Maputo 11 de Novembro de 2015 Conteúdo 1. Conceitos Básicos 2. Contextualização 3. Análise da situação e Justificação 4. Visão e

Leia mais

PORTUGAL FOOTBALL SCHOOL. Capacitar e qualificar os agentes desportivos com vista à promoção e ao desenvolvimento do Futebol em Portugal

PORTUGAL FOOTBALL SCHOOL. Capacitar e qualificar os agentes desportivos com vista à promoção e ao desenvolvimento do Futebol em Portugal PORTUGAL FOOTBALL SCHOOL Capacitar e qualificar os agentes desportivos com vista à promoção e ao desenvolvimento do Futebol em Portugal TREINADORES ARBITRAGEM ÁRBITROS OBSERVADORES PRAIA FORMAÇÃO CONTÍNUA

Leia mais

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios.

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios. CADERNO FICHA 8. PREVENÇÃO 8.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

RELATÓRIO DA CERIMÓNIA DA ASSINATURA DO ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROVEDORIA DE JUSTIÇA E EMBAIXADA DO REINO UNIDO EM ANGOLA

RELATÓRIO DA CERIMÓNIA DA ASSINATURA DO ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROVEDORIA DE JUSTIÇA E EMBAIXADA DO REINO UNIDO EM ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA ----*---- PROVEDORIA DE JUSTIÇA RELATÓRIO DA CERIMÓNIA DA ASSINATURA DO ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROVEDORIA DE JUSTIÇA E EMBAIXADA DO REINO UNIDO EM ANGOLA LUANDA, AGOSTO DE 2013

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

A República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau:

A República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau: Decreto n.º 30/89 Acordo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau Visando a Criação e o Funcionamento do Centro de Medicina Tropical da República da Guiné-Bissau Nos termos

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST

Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST Marta Pile Área de Estudos e Planeamento/ Instituto Superior Técnico ORGANIZAÇÃO 1. SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE a) MODELO b) DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000;

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE VIH/SIDA (ONUSIDA) E A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) RELATIVO A APOIO PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

SAÚDE GLOBAL E MEDICINA TROPICAL. Regulamento

SAÚDE GLOBAL E MEDICINA TROPICAL. Regulamento PRÉMIO DE JORNALISMO IHMT/SANTANDER UNIVERSIDADES em SAÚDE GLOBAL E MEDICINA TROPICAL Regulamento 1. Introdução As doenças tropicais ou aquelas que afetam predominantemente (mas não de forma exclusiva)

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Investigação em saúde pública: precisa-se!

Investigação em saúde pública: precisa-se! 6 Investigação em saúde pública: precisa-se! José Pereira Miguel" Importância A investigação em saúde pública é essencial ao seu progresso, ao cumprimento da sua missão e ao seu prestígio. Precisa de ser

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Ministério da Família e Promoção da Mulher

Ministério da Família e Promoção da Mulher Ministério da Família e Promoção da Mulher Decreto Lei n.º 7/98 de 20 de Fevereiro Considerando o reajustamento orgânico do Governo feito no âmbito da formação do Governo de Unidade e Reconciliação Nacional,

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007 SEMINÁRIO e-portuguese Como Melhorar o Acesso à Informação Científica e Técnica T em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, 11-15 15 de Junho de 2007 ANGOLA Participantes: Edna Nascimento (Psicóloga)

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

PT07: Integração da Igualdade de Género e Promoção do Equilíbrio entre o Trabalho e a Vida Privada ACORDO DE COOPERAÇÃO

PT07: Integração da Igualdade de Género e Promoção do Equilíbrio entre o Trabalho e a Vida Privada ACORDO DE COOPERAÇÃO PT07: Integração da Igualdade de Género e Promoção do Equilíbrio entre o Trabalho e a Vida Privada ACORDO DE COOPERAÇÃO Entre Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto

Leia mais

MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS

MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL CONSELHO DE CHEFES DE ESTADO-MAIOR MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS Aprovado em CSDN de 30 de julho de 2014. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MISSÕES a. Segurança e defesa do território

Leia mais

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS - Atuação segundo orientações estratégicas - Adotar normas comuns de comportamento político, social, etc. Planejar e concretizar

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

V ENCONTRO NACIONAL DE RISCOS Risco, Sociedade (s) e Segurança

V ENCONTRO NACIONAL DE RISCOS Risco, Sociedade (s) e Segurança Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra 29 e 30 de Maio 2009 Teresa Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Riscos, Sociedade (s) e Segurança A ESTRATÉGIA INTERNACIONAL

Leia mais

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Joint Africa Institute World Bank Institute World Health Organization Sandton, África

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

MAPAS DE PESSOAL GABINETES

MAPAS DE PESSOAL GABINETES Apoio, administrativo e logístico ao Gabinete da Presidência Comissão das comemorações dos 250 anos do Concelho Oeiras Apoio ao Gabinete nas áreas do Ambiente e do Parque dos Poetas Apoio nas áreas das

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL

Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL Postos de trabalho Atribuições / Competências/ Atividades Cargo/carreira/ Categoria Atribuições/Atividades Área de formação académica e/ou

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS Tópicos Chuva de ideias; Contextualização; Conceptualização (monitoria e avaliação); Monitoria virada para resultados vs monitoria tradicional

Leia mais

Minutas da Primeira Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde - Inocuidade de Alimentos, 31 de Outubro de 2007.

Minutas da Primeira Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde - Inocuidade de Alimentos, 31 de Outubro de 2007. Minutas da Primeira Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde - Inocuidade de Alimentos, 31 de Outubro de 2007. Introdução O presente documento tem a finalidade de documentar a Primeira

Leia mais

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Planeamento estratégico de sistemas de informação de Departamento de Informática e Métodos Quantitativos Licenciatura em Informática - 3º Ano Sistemas

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão PLANO DE EMERGÊNCIA Introdução Objectivos do PEI Identificação de Riscos Constituição do PEI Curiosidades Conclusão Introdução O Plano de Emergência Interno (PEI) tem o objectivo fundamental, a protecção

Leia mais

Anexo A Descrição dos Organismos Governamentais para a Política de IC&DT

Anexo A Descrição dos Organismos Governamentais para a Política de IC&DT Anexo A Descrição dos Organismos Governamentais para a Política de IC&DT Adaptado de: http://www.mct.pt/novo/organi.htm a.2 Ministério da Ciência e da Tecnologia Gabinete do Ministro da Ciência e da Tecnologia

Leia mais

Ensino, investigação e serviços à comunidade em saúde ocupacional - o contributo do ensino superior politécnico Carla Viegas

Ensino, investigação e serviços à comunidade em saúde ocupacional - o contributo do ensino superior politécnico Carla Viegas Ensino, investigação e serviços à comunidade em saúde ocupacional - o contributo do ensino superior politécnico Carla Viegas Environment & Health Research Group Lisbon School of Health Technology Polytechnic

Leia mais

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória.

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. 2 Apresentação do formulário completo. 3 Orçamento FEDER em conformidade com o que está

Leia mais

Investigação em Saúde Pública

Investigação em Saúde Pública Investigação em Saúde Pública José Pereira Miguel 2º Congresso Nacional de Saúde Pública Porto 28 10 2010 Out 2010 I&D em Saúde Pública - JPM Sumário Conceito e crise da Saúde Pública Tipologias i de investigação

Leia mais

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A MADEIRA-AÇORES-CANÁRIAS 2014-2020 Angra do Heroísmo, 29 janeiro 2016 QUAL O TERRITÓRIO DO ESPAÇO DE COOPERAÇÃO? - As regiões insulares ultraperiféricas de

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular DIREITO DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO DA

Leia mais

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO DA REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Considerando: Que o 5.º

Leia mais

A República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe:

A República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe: Decreto n.º 12/93 Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe Relativo à Instalação do Centro de Formação e de Investigação Jurídica e Judiciária

Leia mais

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões.

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. CONTINUAÇÃO ASPECTOS DESCRITOS NA: Resolução CFF nº 406, de 15.12.03: Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. Atividades do Farmacêutico

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Considerando que: 1. A Junta de Freguesia de Marvila (adiante JFM, ou Autarquia) assume como um

Leia mais

CIDADANIA, GOVERNANÇA E PARTICIPAÇÃO CONVENÇÃO DE AAHRUS

CIDADANIA, GOVERNANÇA E PARTICIPAÇÃO CONVENÇÃO DE AAHRUS CIDADANIA, GOVERNANÇA E PARTICIPAÇÃO O INDICADOR 4 DO ECOXXI COMO INSTRUMENTO PARA A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS E VALORES DA CONVENÇÃO DE AAHRUS MARGARIDA MARCELINO Técnico superior, ponto focal nacional

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS E DOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 20 981 20 981 20 981 20 981 ENTIDADE REGULADORA PARA

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

IFMSA BRAZIL POLICY STATEMENT PREVENÇÃO DE DOENÇAS E PROMOÇÃO DA SAÚDE

IFMSA BRAZIL POLICY STATEMENT PREVENÇÃO DE DOENÇAS E PROMOÇÃO DA SAÚDE IFMSA BRAZIL POLICY STATEMENT PREVENÇÃO DE DOENÇAS E PROMOÇÃO DA SAÚDE Proposta pelo LC PUC-SP da IFMSA Brazil Apoiada pelo LC UFCG da IFMSA Brazil Outubro de 2015, Natal, Rio Grande do Norte Resumo A

Leia mais

Biblioteca Virtual Integralidade em Saúde.

Biblioteca Virtual Integralidade em Saúde. Biblioteca Virtual Integralidade em Saúde http://www.bvsintegralidade.icict.fiocruz.br/php/index.php Sandra Infurna Laboratório de Pesquisas sobre Práticas de Integralidade em Saúde (LAPPIS / UERJ) Rio

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA,

ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA, E ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA, 2000-20015 Lucrécio Costa, Katila Ribeiro Direcção Nacional de Águas Ministério de Energia e Águas Governo de Angola Conferência

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE. Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global

SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE. Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE WHA60.26 Ponto da Agenda 12.13 23 de Maio de 2007 Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global A Sexagésima Assembleia Mundial de Saúde Considerando o projecto

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Fórum Nacional Álcool e Saúde Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, Loures 14 de abril de 2015 Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos SEMINÁRIO CPC A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos O Conselho de Prevenção da Corrupção veio preencher uma lacuna em Portugal.

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Os Hospitais em intercâmbio: Portugal e os PALOP - Experiências de sucesso

Os Hospitais em intercâmbio: Portugal e os PALOP - Experiências de sucesso Os Hospitais em intercâmbio: Portugal e os PALOP - Experiências de sucesso A EXPERIÊNCIA DA CLÍNICA SAGRADA ESPERANÇA, LDA. POR ESMAEL TOMÁS, MD Clínica Sagrada Esperança, Luanda, Angola, Sumário 1- Introdução

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

Programas em Saúde Animal e Saúde Pública organismos internacionais

Programas em Saúde Animal e Saúde Pública organismos internacionais Programas em Saúde Animal e Saúde Pública organismos internacionais Prof. Dr. Fabio Gregori Laboratório de Biologia Molecular Aplicada e Sorologia VPS FMVZ USP Aula T10 19/10/11 1 Introdução Existem diversas

Leia mais

DE SAÚDE PÚBLICA SAÚDE PÚBLICA E A SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA DE SAÚDE. Porto, 28 de Outubro de 2010 Alcindo Maciel Barbosa

DE SAÚDE PÚBLICA SAÚDE PÚBLICA E A SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA DE SAÚDE. Porto, 28 de Outubro de 2010 Alcindo Maciel Barbosa IICONGRESSO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SAÚDE PÚBLICA E A SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA DE SAÚDE Porto, 28 de Outubro de 2010 Alcindo Maciel Barbosa Médico de Saúde Pública 1 O DILEMA DOS SISTEMAS DE SAÚDE:

Leia mais

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril Diploma Ministerial nº 9/2011 de 13 de Abril Aprova o Regimento Interno e Procedimentos de execução do Conselho de Administração do Fundo de Desenvolvimento do Capital Humano - FDCH O Fundo de Desenvolvimento

Leia mais

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objeto de Aprendizagem Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objetivo: Apresentar sucintamente a Lei Orgânica de Saúde nº 8080 de 19 de setembro de 1990,

Leia mais

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa

Leia mais

Art. 1º Estabelecer cooperação técnica, científica e política com a Associação Brasileira de Enfermagem -ABEn Seção Paraná para a promoção de ações

Art. 1º Estabelecer cooperação técnica, científica e política com a Associação Brasileira de Enfermagem -ABEn Seção Paraná para a promoção de ações DECISÃO COREN/PR Nº 32, DE 07 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a celebração de Termo de Cooperação Mútua entre Coren/PR e ABEn-PR. O Conselho Regional de Enfermagem do Paraná Coren/PR, no uso das atribuições

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 2015 www.isptec.co.ao Introdução No termo de mais um ano académico, torna-se imprescindível apresentar o Balanço do Ano Académico 2015, sempre no âmbito do cumprimento dos princípios

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS //

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

PROJECTO PRO BONO. Voluntariado Jurídico

PROJECTO PRO BONO. Voluntariado Jurídico PROJECTO PRO BONO Voluntariado Jurídico Conceito Pro bono público (ou pro bono, usado como diminutivo) é uma frase derivada do latim, que significa "para o bem do povo". O trabalho pro bono é uma forma

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE Luanda, 06 Outubro de 2015 PLANO DE APRESENTAÇÃO Caracterização geográfica, demográfica e administrativa de Angola Evolução

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS

Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS Anexo 2 BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS O núcleo principal da produção científico

Leia mais

NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela

NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela NORMAS DE CANDIDATURA PROGRAMA DE ACÇÕES UNIVERSITÁRIAS INTEGRADAS LUSO FRANCESAS / PAUILF 2012 Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela Data de abertura: 22 de Março

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES)

GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES) GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES) Apresentação: O SUS trata-se de um sistema de saúde de atendimento gratuito,que garante o acesso integral, universal e igualitário à população brasileira, desde a atenção básica

Leia mais

REFLEXÃO ESTRATÉGICA EXPERIÊNCIA PRÁTICA. Ações de vigilância da saúde na SES-Bahia Movimentos pela integração. Junho, 2010

REFLEXÃO ESTRATÉGICA EXPERIÊNCIA PRÁTICA. Ações de vigilância da saúde na SES-Bahia Movimentos pela integração. Junho, 2010 REFLEXÃO ESTRATÉGICA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Ações de vigilância da saúde na SES-Bahia Movimentos pela integração Junho, 2010 VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO SUS Promoção da Saúde Vigilância Epidemiológica Vigilância

Leia mais

James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo

James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo O que é o MozSAKSS? um programa colaborativo entre Direcção de Economia do Ministério da Agricultura

Leia mais

Política Externa do Brasil

Política Externa do Brasil Política Externa do Brasil A política externa é o conjunto de objetivos políticos que um determinado Estado almeja alcançar nas suas relações com os demais países do mundo. Definição planejada e objetiva

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II TERMO DE REFERÊNCIA BOLSA No. 008/2013/Fiocruz/ProbioII APOIO CIENTÍFICO E VALOR MENSAL: R$ 2.000,00 (Dois

Leia mais