FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6"

Transcrição

1 FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 Antes de elaborar um resumo do conteúdo das AULAS 4, 5 e 6, é necessário entender o panorama geral dentro do qual as discussões destas aulas fazem sentido. Isto é, estas três aulas podem serão compreendidas melhor se as colocarmos num mesmo contexto geral. Assim sendo, vamos tentar compreender os termos deste referido contexto geral. CONTEXTO GERAL Nas três primeiras aulas, o objetivo geral era tentar demonstrar que existem várias formas de explicar as coisas do mundo (mito, Filosofia, outras sabedorias, ciência aulas 1 e 2) e que, dentre essas várias formas, se destacava a Filosofia como a forma que a nossa sociedade (sociedade ocidental) desenvolveu para explicar o mundo. Portanto, nas três primeiras aulas estudamos a forma filosófica de explicar o mundo (isto é, aprendemos o procedimento filosófico e a maiêutica). Assim, nas primeiras aulas aprendemos a forma de explicar o que cada coisa do mundo É. Portanto, tratavase de explicar o que É cada coisa do mundo. Tratava-se de explicar o seu SER 1. A área da Filosofia que estuda o SER de cada coisa do mundo, ou seja, que estuda o que cada coisa do mundo É, se chama ONTOLOGIA ou METAFÍSICA. Tanto o procedimento filosófico quanto a maiêutica são formas de explicar o que É cada coisa do mundo. Também aprendemos nas três primeiras aulas, o que significa reflexão: um pensamento que se volta contra si mesmo, portanto, um pensamento profundo e cuidadoso. Pensemos no seguinte: se o procedimento filosófico e a maiêutica são formas de explicar filosoficamente o mundo, elas são formas de pensar profundamente o mundo. Assim elas são formas de pensar o que É cada coisa do mundo. Assim sendo, a partir de agora iremos fazer uma reflexão. Tentaremos pensar sobre como pensamos sobre as coisas do mundo. Noutras palavras, se o procedimento filosófico e a maiêutica são formas de CONHECER filosoficamente o mundo, então a partir de agora iremos pensar/refletir sobre esse CONHECIMENTO. Nós refletiremos sobre como se dá o conhecimento filosófico. Nós questionaremos o próprio procedimento filosófico e a maiêutica. Iremos pensar sobre um pensamento; iremos, portanto, empreender uma reflexão. Em 1 Lembre-se que o verbo SER quando é conjugado na terceira pessoa do singular fica da seguinte forma: Ele(a) É. Ou seja, a coisa do mundo (ela/ele) É...

2 suma: Nós tentaremos explicar como se dá a explicação filosófica de mundo. Tentaremos CONHECER como se dá o CONHECIMENTO filosófico sobre as coisas do mundo. Portanto, se nas três primeiras aulas estávamos estudando ONTOLOGIA ou METAFÍSICA, agora estamos estudando TEORIA DO CONHECIMENTO FILOSÓFICO. TEORIA DO CONHECIMENTO Antes fazíamos a seguinte pergunta: O QUE É cada coisa do mundo (O que é a beleza? O que é a virtude? O que é a honestidade? O que é a coragem? O que é a liberdade? O que é a vida? O que é a morte? O QUE É...? etc...). Agora faremos as seguintes perguntas: QUAL A ORIGEM DO CONHECIMENTO? O QUE É CONHECIMENTO? COMO É POSSÍVEL O CONHECIMENTO? Existem várias respostas possíveis para as perguntas filosóficas. Assim existem várias respostas possíveis para estas perguntas. Estudaremos, por enquanto, apenas duas respostas: a resposta de PLATÃO e a resposta de ARISTÓTELES. AULA 4: PLATÃO A teoria do conhecimento de Platão tenta nos demonstrar como, para ele, se dá conhecimento. Imagine que estamos tentando explicar para alguém o que É, ou melhor, o que SÃO as seguintes coisas do mundo: cachorro, casa, pessoa, roupa, perfume. O cachorro é BOM. A casa é BOA. A pessoa é BOA. A roupa é BOA. O perfume é BOM. Nestes exemplos acima, estamos tentando fazer com que a pessoa CONHEÇA essas coisas do mundo. A pergunta que poderíamos fazer é a seguinte: COMO SE DÁ O CONHECIMENTO SOBRE AS COISAS DO MUNDO?

3 Veja, não estamos tentando entender o que ela É. Estamos tentando entender COMO SE DÁ O CONHECIMENTO sobre o que cada coisa é. Platão nos mostra que para alcançar o conhecimento devemos tentar capturar as IDÉIAS FIXAS que não se transformam. Devemos tentar descobrir as FORMAS, isto é, as idéias fixas que não se transformam. Naquelas frases citadas acima, a idéia fixa é a idéia de BOM/BOA. O que faz com que um cachorro seja bom é diferente do que faz com que uma casa, uma pessoa ou um perfume sejam bons. Mas em todos estes casos a idéia fixa de BOM permanece a mesma. Em todos estes casos, a idéia geral, fixa e abstrata (FORMA) BOM é compartilhada. Neste exemplo, é esta idéia fixa de BOM que devemos tentar descobrir. Ou seja, devemos tentar descobrir a FORMA do que é BOM, a idéia fixa de BOM que está por trás de cada uma das coisas (embora estas coisas sejam boas por razões diferentes). Para Platão tudo que existe é composto de uma substância abstrata que é inata (não se transforma, pois esta substância é naturalmente daquele jeito). É essa substância, ou seja, é esta FORMA que o filósofo deve tentar descobrir. Portanto, devemos tentar entender o que é a FORMA BOM. Devemos tentar entender o que significa de modo mais geral a noção de BOM. Assim, embora o cachorro seja bom por uma razão diferente do perfume ser bom, ambos compartilham da noção geral de BOM. O conjunto das idéias gerais, fixas e que não se transformam. Isto é, o conjunto das formas habita um mundo que Platão chamou de MUNDO DAS IDÉIAS. É neste mundo que está o conhecimento verdadeiro e, se quisermos alcançar o conhecimento verdadeiro, devemos tentar entender este mundo. O MUNDO DAS IDÉIAS é abstrato e só pode ser capturado pelo PENSAMENTO. Mas, todos os seres humanos são dotados dos SENTIDOS. A questão é seguinte: Nossos sentidos (visão, olfato, paladar, audição e tato) nos possibilitam alcançar o conhecimento verdadeiro? Platão diz que NÃO. Para ele, não podemos alcançar o conhecimento através dos SENTIDOS. Para ele, os SENTIDOS alcançam apenas o MUNDO DAS COISAS, acabando, assim, por ficar preso à APARÊNCIA. Assim, para ele, o verdadeiro conhecimento deveria ir além da aparência do MUNDO DAS COISAS e chegar à ESSÊNCIA do MUNDO DAS IDÉIAS. Assim, nossos sentidos apenas percebem a aparência que faz com que um cachorro seja bom ou que uma pessoa seja boa. Portanto, nossos sentidos apenas percebem que um cachorro é bom porque ele é forte, bonito, etc., ou que uma pessoa é boa porque é honesta, simpática, etc. Devemos ir além dessas aparências e tentar aprender o que é a FORMA BOM. Existem várias FORMAS no MUNDO DAS IDÉIAS: FORMA de ser humano, FORMA de bom, FORMA de mau, FORMA de honestidade, FORMA de beleza, FORMA de amor, FORMA de cachorro, FORMA de mesa, etc.

4 A conclusão geral disso é que os sentidos percebem apenas o mundo das coisas enquanto que o pensamento entende as formas do mundo das idéias. Os sentidos podem nos enganar pois estão presos apenas às aparências e o pensamento racional não nos engana pois ele nos permite acessar a essência. Disso resulta que podemos afirmar que o mundo das idéias é superior ao mundo das coisas. Portanto, para Platão, se quisermos alcançar o conhecimento devemos desconfiar do conhecimento adquirido pelos sentidos e preferir o conhecimento adquirido pelo pensamento racional. Assim, devemos nos afastar do mundo concreto das coisa e preferir refletir sobre o mundo abstrato das idéias. Para ele é assim que se dá o conhecimento. AULA 5: ARISTÓTELES Como vimos, para Platão devemos nos afastar das aparências (e do mundo concreto das coisas), uma vez que elas podem nos enganar. Assim, não deveríamos confiar no conhecimento adquirido pelos sentidos e, ao contrário, deveríamos confiar apenas no conhecimento adquirido pelo pensamento racional que nos levaria às formas que compõem o mundo das idéias, nos levando, assim, à essência além das aparências. Para Aristóteles o conhecimento se dá de um modo DIFERENTE. Para Aristóteles, NÃO É POSSÍVEL ignorar e não acreditar no conhecimento que vem dos sentidos. Assim, devemos confiar no conhecimento que vem dos sentidos. O que não devemos é nos contentar com o conhecimento que vem dos sentidos. Devemos ir além do conhecimento que vem dos sentidos e utilizar o pensamento racional para alcançar o conhecimento. Assim, o conhecimento deve somar o conhecimento que adquirimos através dos sentidos com o conhecimento adquirido pelo pensamento racional. Para Aristóteles é um erro pensar que as aparências concretas nos enganam e nos oferecem um conhecimento inferior do mundo. Para ele, ao contrário, o conhecimento só é possível se começar pelas aparências concretas. Mas, embora devamos começar o conhecimento das coisas pelas aparências das coisas, não devemos nos contentar com elas e, através do pensamento devemos tentar alcançar a dimensão não-aparente das coisas do mundo. Assim, para Aristóteles as coisas do mundo tem várias formas de SER elas mesmas. As coisas do mundo podem SER de vários jeitos, de várias formas. As coisas do mundo podem ter aspectos nãoaparentes e aspectos aparentes. Isto é, as coisas do mundo têm aspectos que os nossos sentidos

5 conseguem perceber, mas, por outro lado, elas têm aspectos que apenas o pensamento racional consegue entender. As coisas do mundo podem ser compreendidas segundo várias CATEGORIAS. Estas categorias podem ser aparentes ou não-aparentes. Para facilitar a explicação, Aristóteles apresentou sua teoria das quatro causas. Esta teoria tenta explicar as coisas do mundo segundo suas várias categorias, isto é, segundo seus vários modos de SER. Vejamos: CAUSA MATERIAL CAUSA FORMAL CAUSA EFICIENTE CAUSA FINAL As coisas, como dissemos, podem ser elas mesmas de vários modos, de vários jeitos, segundo várias categorias. Pense numa estátua de bronze de um homem sentado. Um modo de ser da coisa, um dos seus jeitos de ser ela mesma é o material do qual ela é feita. No caso da estátua de bronze de um homem sentado, o material do qual ela é feita é o bronze. Logo, sua causa material é o bronze. Causa material é a causa que tenta demonstrar o material do qual a coisa é feita. Causa formal é o formato, o design, o desenho da coisa. A estátua de bronze do homem sentado só é estatua de bronze de um homem sentado porque ela é feita de bronze e também porque ela foi feita num certo formato, num certo desenho, nesta caso o formato de um homem sentado. Assim, já podemos perceber que a estátua de bronze de um homem sentado pode ser ela mesma de vários modos, segundo várias categorias. Ela acaba sendo ela mesma porque ela é de bronze e também porque ela é daquele formato de homem sentado. Como se pode perceber, a causa formal tenta explicar o formato da coisa, como ele é, quais são suas características, etc. 2 Mas, temos ainda a causa eficiente e a causa final. A causa final é aquela que tenta explicar a finalidade da coisa do mundo, isto é, sua funcionalidade, sua utilidade. A coisa do mundo não apenas é feita num certo material em um certo formato, como também tem certa utilidade. Como se vê ela pode ser ela mesma destes três modos. A utilidade da estátua de bronze do homem sentado pode ter a finalidade de alegrar o ser humano, de colocá-lo para pensar, etc. Por fim, temos a causa eficiente. A causa eficiente é a causa que tenta explicar aquilo que deu o formato ao material. Isto é, é a causa que tenta mostrar como um material sem forma (informe) acabou ganhando certo formato. A estátua de bronze do homem sentado só é ela mesma porque alguém/alguma coisa transformou o bronze bruto (sem forma/informe) no formato 2 Como se vê, tanto a causa material quanto a causa formal são causas que nossos sentidos podem perceber. Em geral, basta olhar para perceber do que é feita uma coisa ou qual seu formato.

6 específico de homem sentado. Aquilo que dá forma ao material bruto é explicado pela causa eficiente. Pensemos em exemplos: a causa eficiente da estátua de bronze do homem sentado é o trabalho do escultor. A causa eficiente de uma mesa de madeira é o trabalho do carpinteiro/marceneiro. Como é possível perceber, embora não possamos ver, tatear, cheirar, sentir o gosto ou ouvir o trabalho do marceneiro e do escultor, ainda assim, a mesa de madeira ou a estátua de bronze do homem sentado só são elas mesmas porque nelas está contido o trabalho deles. O trabalho deles não é aparente (é não-aparente), mas está lá, está presente nestas coisas do mundo embora não possamos perceber com nossos sentidos. Só nosso pensamento racional pode nos levar a entender que estas coisas do mundo são como são porque são produtos do trabalho seja do marceneiro seja do escultor. O trabalho contido na coisa do mundo é um modo de ser ela mesma. O trabalho contido na coisa do mundo ajuda a definir aquilo que ela É. A causa eficiente vai tentar demonstrar isto. Portanto, podemos resumir o pensamento de Aristóteles afirmando que ele valoriza o conhecimento adquirido pelos sentidos, mas não se limita a estes conhecimentos, buscando também, através do pensamento racional, os aspectos não-aparentes das coisas do mundo. A teoria das quatro causas que Aristóteles defende é uma maneira de sintetizar como se dá o conhecimento. AULA 6: FILOSOFIA DA CIÊNCIA Se antes estávamos refletindo sobre como se dava o conhecimento filosófico, agora faremos praticamente o mesmo. Só que refletiremos sobre como se dá o conhecimento científico. Antes, porém, de fazer esta reflexão, vamos tentar apontar tanto o contexto histórico e cultural em que surgiu a ciência moderna quanto as características gerais do PROCEDIMENTO CIENTÍFICO de explicação do mundo, bem como as características gerais da EXPLICAÇÃO CIENTÍFICA. A ciência a que nos referimos é a ciência moderna, surgida no século XVI, no contexto históricocultural do Renascimento. O Renascimento recuperou valores da antiguidade clássica, dentre eles a possibilidade dos seres humanos entenderem racionalmente o mundo (diferentemente da Idade Média, onde o conhecimento era controlado pela Igreja católica). Na Antiguidade, como vimos quando estudamos Sócrates/Platão/Aristóteles, o ser humano, por ser racional, pode compreender o mundo. Assim, no Renascimento, abandona-se o teocentrismo da Idade Média e recupera-se o antropocentrismo da

7 antiguidade clássica. Por fim, no contexto histórico-cultural do Renascimento desenvolveu-se a noção de Utilitarismo, defendida, entre outros, por Francis Bacon, onde se defendia que o conhecimento deveria ter certa utilidade, não podendo ser subjetivo ao ponto de não poder ser aplicado na prática. Neste contexto histórico-cultural, a Filosofia acabou por gerar uma outra forma de explicar o mundo que, por ter origem na Filosofia, se parece muito com ela, embora seja diferente. Essa outra forma de explicar o mundo é a CIÊNCIA. A ciência é uma forma de explicar o mundo marcada por características próprias que são semelhantes à Filosofia mas, ao mesmo tempo, diferentes. Assim, a explicação científica de mundo tem características semelhantes à explicação filosófica de mundo. Vamos inicialmente pontuar as características da explicação científica do mundo. A explicação científica, assim como a explicação filosófica é: pode ser aprendida por ser racional, lógica e conceitual e, por ter a ambição de elaborar leis universais. Mas, além disso, a explicação científica tem que ser SEMPRE objetiva e neutra. A Filosofia e o procedimento filosófico não tem nada que garanta que suas reflexões sejam sempre objetivas. Quando a Filosofia lida com as coisas concretas, aí ela está sendo objetiva. Mas, o problema é que a Filosofia pode tranquilamente deixar de lado os objetos concretos e materiais e ficar apenas num grau muito subjetivo. Assim, a ciência deveria sempre ser objetiva e neutra (isto é, não pode deixar que suas explicações sejam contaminadas pelas opiniões do cientista). Portanto, a ciência, embora devesse seguir as características gerais da Filosofia, ela deveria evitar o subjetivismo da Filosofia e, assim, ser de um modo tal que sempre fosse objetiva. A garantia de objetividade que a ciência encontrou é sempre estar relacionada com os FATOS EMPÍRICOS (Isto é, de estar sempre relacionada com os fatos real e indiscutivelmente existentes). Assim, pode até haver reflexão e dúvidas profundas, questionamentos profundos, mas sempre estes questionamentos devem estar acompanhados de um relacionamento com os dados empíricos, com os fatos empíricos. Assim, para o PROCEDIMENTO CIENTÍFICO ser de um tal modo que sempre garanta objetividade, ele deve iniciar pela OBSERVAÇÃO DOS FATOS EMPÍRICOS. Mas, além disso, o cientista deve tentar fazer experimentos e, pela EXPERIMENTAÇÃO, tentar controlar as variáveis que poderiam explicar certo fenômeno (E, nestes experimentos, sempre devemos ter contato com os fatos empíricos). Por fim, após os vários experimentos, o cientista deveria tentar perceber as REGULARIDADES que possibilitariam a elaboração de leis universais.

8 Enquanto a ciência reafirma seu procedimento de explicação de mundo e seu tipo de explicação de mundo, o filósofo, como se sabe, nunca aceita algo sem questionar. E, no exercício de questionar o procedimento científico e a explicação científica, ele elabora o que se chama de FILOSOFIA DA CIÊNCIA. Assim como quando questionávamos o conhecimento filosófico, estávamos fazendo teoria do conhecimento filosófico, agora que estamos questionando o conhecimento científico estamos fazendo teoria do conhecimento científico ou, o que é o mesmo, estamos fazendo FILOSOFIA DA CIÊNCIA.

FILOSOFIA: INTRODUÇÃO, ONTOLOGIA E EPISTEMOLOGIA ==============================================================

FILOSOFIA: INTRODUÇÃO, ONTOLOGIA E EPISTEMOLOGIA ============================================================== FILOSOFIA: INTRODUÇÃO, ONTOLOGIA E EPISTEMOLOGIA A Filosofia é uma forma de indagar/explicar o mundo que, embora tenha sido influenciada por outras formas de explicar o mundo (isto é, a explicação mítica,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Prof Bruno Tamancoldi META DA AULA Apresentar conceitos sobre o Conhecimento, partindo da Filosofia, distinguindo Ciência e senso comum. OBJETIVOS conceituar lógica e raciocínio;

Leia mais

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB CURSO DE TECNOLOGIA Metodologia Científica A Atitude Científica As Concepções de Ciência A Ciência na História Classificações de Ciência Tipos de Conhecimentos

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Clássica. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Clássica. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Clássica Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Conteúdo (a) Nascimento da filosofia (b) Condições históricas para seu nascimento (c) Os principais períodos

Leia mais

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem.

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem. FRANCIS BACON Ocupou cargos políticos importantes no reino britânico; Um dos fundadores do método indutivo de investigação científica; Saber é poder ; A ciência é um instrumento prático de controle da

Leia mais

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem.

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem. FRANCIS BACON Ocupou cargos políticos importantes no reino britânico; Um dos fundadores do método indutivo de investigação científica; Saber é poder ; A ciência é um instrumento prático de controle da

Leia mais

FRANCIS BACON E A TRADIÇÃO EMPIRISTA. Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson

FRANCIS BACON E A TRADIÇÃO EMPIRISTA. Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson FRANCIS BACON E A TRADIÇÃO EMPIRISTA Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson O pensamento moderno e a crise generalizada de autoridade - A autoridade

Leia mais

Introdução O QUE É FILOSOFIA?

Introdução O QUE É FILOSOFIA? O QUE É FILOSOFIA? A filosofia não é uma ciência, nem mesmo um conhecimento; não é um saber a mais: é uma reflexão sobre os saberes disponíveis. É por isso que não se pode aprender filosofia, dizia kant:

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Aristóteles e o Espanto

Aristóteles e o Espanto Aristóteles e o Espanto - Para Aristóteles, uma condição básica para o surgimento do conhecimento no homem era o espanto, o qual poderia gerar toda condição para o conhecimento e a elaboração de teorias.

Leia mais

SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da

SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da vida ética na coletividade e no bem comum. Neste sentido,

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 5 Aristóteles e o mundo sensível

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 5 Aristóteles e o mundo sensível 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 5 Aristóteles e o mundo sensível O posicionamento das mãos dos pensadores representa a maneira de pensar de cada um deles. Platão enfatiza

Leia mais

DA IDADE MÉDIA À IDADE MODERNA. Prof. Adriano R. 1º Anos

DA IDADE MÉDIA À IDADE MODERNA. Prof. Adriano R. 1º Anos DA IDADE MÉDIA À IDADE MODERNA Prof. Adriano R. 1º Anos CONTEXTO E CARACTERÍSTICAS DA FILOSOFIA MEDIEVAL Séc. V ao Séc. XV d. C. Período da Idade Média (Mil anos de crescimento) - Reintroduzido o comércio

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA Mais uma vez a UFPR oferece aos alunos uma prova exigente e bem elaborada, com perguntas formuladas com esmero e citações muito pertinentes. A prova de filosofia da UFPR

Leia mais

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia.

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia. Platão era filho da aristocracia ateniense. Foi discípulo de Sócrates. Sua obra reflete o momento caótico pelo qual passou Atenas no decorrer de sua vida A crise da sociedade ateniense está ligada à guerra

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

O novo Organum crítica a obra de Aristóteles, reinterpreta sua obra ordem do universo

O novo Organum crítica a obra de Aristóteles, reinterpreta sua obra ordem do universo FRANCIS BACON . Nasceu em Londres em 1561, filho de, filho de Sir Nicholas Bacon, lorde tabelião da rainha Elisabeth, Francis Bacon gozou do privilégio de ser introduzido na corte desde pequeno. Em 1584

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

O MUNDO MODERNO E UM NOVO MODO DE PENSAR O MUNDO O homem é o modelo do mundo Leonardo da Vinci

O MUNDO MODERNO E UM NOVO MODO DE PENSAR O MUNDO O homem é o modelo do mundo Leonardo da Vinci RACIONALISMO O MUNDO MODERNO E UM NOVO MODO DE PENSAR O MUNDO O homem é o modelo do mundo Leonardo da Vinci - O início da filosofia moderna inaugura uma declarada ruptura com a igreja católica; - O conhecimento

Leia mais

FILOSOFIA Conceito e delimitação

FILOSOFIA Conceito e delimitação FILOSOFIA Conceito e delimitação Conceito de Filosofia Filosofia significa philo= amigo, amor, Sophia= sabedoria. A filosofia busca dar profundidade e totalidade à aspectos referentes a vida como um todo;

Leia mais

Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias

Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias 2º ano Prof. Queridos Alunos, A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original. Pois, [...] não existem sonhos impossíveis

Leia mais

A ORIGEM DA FILOSOFIA

A ORIGEM DA FILOSOFIA A ORIGEM DA FILOSOFIA UMA VIDA SEM BUSCA NÃO É DIGNA DE SER VIVIDA. SÓCRATES. A IMPORTÂNCIA DOS GREGOS Sob o impulso dos gregos, a civilização ocidental tomou uma direção diferente da oriental. A filosofia

Leia mais

Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino

Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino TELE AULA 1 Cientificidade do conhecimento Resumo Unidade de Ensino: 1 Competência da Unidade de Ensino: Resumo: Palavras-chave:

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes Objetividade e diálogo de culturas A professora M. Clara Gomes A questão dos critérios valorativos levanta o problema da natureza dos juízos morais. O Subjetivismo moral é teoria que defende que os juízos

Leia mais

Aula 1: O que é a filosofia? Características e atitudes filosóficas Prof. Gilmar Dantas

Aula 1: O que é a filosofia? Características e atitudes filosóficas Prof. Gilmar Dantas Aula 1: O que é a filosofia? Características e atitudes filosóficas Prof. Gilmar Dantas A filosofia no Ensino Médio e a ditadura 1971 a disciplina de filosofia é retirada do Ensino Médio pelo Governo Militar

Leia mais

Sócrates: após destruir o saber meramente opinativo, em diálogo com seu interlocutor, dava início ã procura da definição do conceito, de modo que, o

Sócrates: após destruir o saber meramente opinativo, em diálogo com seu interlocutor, dava início ã procura da definição do conceito, de modo que, o A busca da verdade Os filósofos pré-socráticos investigavam a natureza, sua origem de maneira racional. Para eles, o princípio é teórico, fundamento de todas as coisas. Destaca-se Heráclito e Parmênides.

Leia mais

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

FILOSOFIA. 1º ano: Módulo 07. Professor Carlos Eduardo Foganholo

FILOSOFIA. 1º ano: Módulo 07. Professor Carlos Eduardo Foganholo FILOSOFIA 1º ano: Módulo 07 Professor Carlos Eduardo Foganholo Como podemos ter certeza de que estamos acordados e que tudo o que vivemos não é um sonho? Qual é a fonte de nossos conhecimentos? É possível

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

Se você ainda não tem clientes, não tem problemas! Você pode criar um Mapa de Empatia baseada em uma audiência mínima viável:

Se você ainda não tem clientes, não tem problemas! Você pode criar um Mapa de Empatia baseada em uma audiência mínima viável: MAPA DE EMPATIA O que é? O mapa de Empatia é uma ferramenta visual, que te ajuda a descrever o perfil de uma Pessoa ou de um grupo de pessoas. O Mapa de Empatia permite que você estruture Uma verdadeira

Leia mais

AULA 6 GALILEU E O MÉTODO CIENTÍFICO 3C13 FILOSOFIA

AULA 6 GALILEU E O MÉTODO CIENTÍFICO 3C13 FILOSOFIA AULA 6 GALILEU E O MÉTODO CIENTÍFICO 3C13 FILOSOFIA Prof. Gilmar Dantas I-INTRODUÇÃO Contexto histórico Para tentar explicar a natureza, Aristóteles (384-322 a.c.) criou uma filosofia cujos conteúdos,

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

CIÊNCIA E TECNOLOGIA CIÊNCIA E TECNOLOGIA O QUE É CIÊNCIA? Um dos grandes problemas é o de diferenciar ciência de outras formas de conhecimento, em especial o senso comum. Mas afinal, o que é isso tudo? Em primeiro lugar,

Leia mais

Bachelard. A Ciência é contínua?

Bachelard. A Ciência é contínua? Texto B Visão Dialética do conhecimento científico Inclui razão e experiência As observações são influenciadas por teorias prévias Visão descontinuísta das Ciências: presença de rupturas com o senso comum

Leia mais

a confusão do final do ano e as metas para o próximo

a confusão do final do ano e as metas para o próximo o que fazer se o ano que passou foi ruim? o que fazer nesse próximo ano? a confusão do final do ano e as metas para o próximo Enéas Guerriero www.equilibriocontinuo.com.br O que vamos falar hoje? 1) Estresse

Leia mais

ebooksbrasil ebooksbrasil.com

ebooksbrasil ebooksbrasil.com ebooksbrasil ebooksbrasil.com Coração Palhaço! Jacinto Luigi de Morais Nogueira Edição ebooksbrasil Versão para ebook ebooksbrasil.com Fonte Digital Documento do Autor Copyright: 2001 Jacinto Luigi de

Leia mais

CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. Dra. Renata Cristina da Penha França E-mail: renataagropec@yahoo.com.br -Recife- 2015 VAMOS COLOCAR NOSSOS CELULARES NO

Leia mais

Prof. Aparecido Carlos Duarte

Prof. Aparecido Carlos Duarte Unidade I METODOLOGIA CIENTÍFICA Prof. Aparecido Carlos Duarte Conteúdo: o que é ciência; classificação e divisão da ciência; o que é método; o que é metodologia científica; o que é um paradigma; movimentos

Leia mais

ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO

ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO INTRODUÇÃO Renascimento: Período de transição entre Idade Média e Idade Moderna; Misturam-se o jeito de ser e pensar de dois momentos da sociedade europeia ocidental; Não é possível

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

PLATÃO E O MUNDO IDEAL

PLATÃO E O MUNDO IDEAL Introdução: PLATÃO E O MUNDO IDEAL - A importância do pensamento de Platão se deve justamente por conseguir conciliar os mundos: dos Pré-Socráticos, com suas indagações sobre o surgimento do Cosmo (lê-se:

Leia mais

Como fazer? O que é CHA? Mapeamento de Competências: O que é e como fazer

Como fazer? O que é CHA? Mapeamento de Competências: O que é e como fazer O que é: Parte essencial de uma boa gestão de Recursos Humanos é definir as competências necessárias para cada cargo dentro da empresa. O Mapeamento de Competências serve para definir essas competências

Leia mais

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático.

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático. Aristóteles Nascido em Estagira - Macedônia (384-322 a.c.). Principal representante do período sistemático. Filho de Nicômaco, médico, herdou o interesse pelas ciências naturais Ingressa na Academia de

Leia mais

Descartes e o Raciona. Filosofia 11ºAno Professor Paulo Gomes

Descartes e o Raciona. Filosofia 11ºAno Professor Paulo Gomes Descartes e o Raciona Filosofia 11ºAno Professor Paulo Gomes http://sites.google.com/site/filosofarliberta/ O RACIONALISMO -O Racionalismo é uma corrente que defende que a origem do conhecimento é a razão.

Leia mais

Unidade 04. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 04. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 04 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Apresentar o período moderno da filosofia que contribuiu como base pré-científica para o desenvolvimento da Psicologia.

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

*RACIONALISMO X EMPIRISMO

*RACIONALISMO X EMPIRISMO *RACIONALISMO X EMPIRISMO *As transformações ocorridas a partir da modernidade levaram ao questionamento dos critérios e métodos para elaboração de um conhecimento verdadeiro. *As 02 principais correntes

Leia mais

COMO SER TOP EM VENDAS MARY KAY ROSANGELA M. R. PAGANINI DIRETORA DE VENDAS

COMO SER TOP EM VENDAS MARY KAY ROSANGELA M. R. PAGANINI DIRETORA DE VENDAS COMO SER TOP EM VENDAS MARY KAY ROSANGELA M. R. PAGANINI DIRETORA DE VENDAS PRIMEIRO PASSO: Preparar a sua IMAGEM DE SUCESSO Você só tem uma única chance de causar uma primeira BOA IMPRESSÃO Quando for

Leia mais

Metafísica & Política

Metafísica & Política Aristóteles (384-322 a.c.) Metafísica & Política "0 homem que é tomado da perplexidade e admiração julga-se ignorante." (Metafisica, 982 b 13-18). Metafísica No conjunto de obras denominado Metafísica,

Leia mais

Porque só entendo o que o meu professor de Inglês diz?

Porque só entendo o que o meu professor de Inglês diz? Porque só entendo o que o meu professor de Inglês diz? Você já se perguntou porque é mais complicando entender estrangeiros falando Inglês do que o seu professor? Ou seja, ao ter contato com outras pessoas

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES

A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES Introdução/ Desenvolvimento Dagmar Rodrigues 1 Camila do Espírito santo 2 A pretensão do presente trabalho é analisar o que é a prudência enquanto virtude

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Autora: Alcione Pereira da Silva Universidade Federal do Maranhão Alcione.1980@hotmail.com.br Co-autora: Aldaene Ferreira Silva Universidade Federal

Leia mais

MÊNON A REMINISCÊNCIA 1

MÊNON A REMINISCÊNCIA 1 MÊNON A REMINISCÊNCIA 1 [...] Sócrates: Disse há pouco, Mênon, que você é um brincalhão. E aí está você me perguntando se posso instruí-lo, quando digo que não há aprendizado mas apenas lembrança. Quer

Leia mais

Você encara a negociação como uma disputa? A vitória está em como você lida com essa situação.

Você encara a negociação como uma disputa? A vitória está em como você lida com essa situação. www.agendor.com.br Você encara a negociação como uma disputa? A vitória está em como você lida com essa situação. www.agendor.com.br Jogue fora a ideia de que negociar significa baixar seus preços para

Leia mais

DO MITO AOS SOFISTAS

DO MITO AOS SOFISTAS DO MITO AOS SOFISTAS Gustavo Bertoche gusbertoche@gmail.com Mito e filosofia Para compreender o processo intelectual que resulta na filosofia contemporânea é necessário conhecer a origem da filosofia.

Leia mais

Dicas Crie um estilo pessoal

Dicas Crie um estilo pessoal Introdução Esse mini ebook foi feito especialmente para você que deseja conquistar lindas mulheres. Nas próximas páginas será compartilhado dicas práticas para que você conquiste mulheres de forma mais

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso OBJETIVO DA AULA: Diferenciar a Matemática Racional da Matemática Prática 2 UNIDADE I : EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Matemática Racional

Leia mais

DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE FILOSOFIA 1.º ANO/EM

DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE FILOSOFIA 1.º ANO/EM SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE DATA: 0 / 05 / 016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE FILOSOFIA 1.º ANO/EM ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 8,0

Leia mais

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação 1 1. Artigo Tema: Ensino de argumentação filosófica Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação Gabriel Goldmeier Conhecimento: crença verdadeira corretamente justificada A Teoria do Conhecimento

Leia mais

REVISTA RECORTE. Revista do Mestrado em Letras: Linguagem, Discurso e Cultura ISSN

REVISTA RECORTE. Revista do Mestrado em Letras: Linguagem, Discurso e Cultura ISSN REVISTA RECORTE Revista do Mestrado em Letras: Linguagem, Discurso e Cultura ISSN 1807-8591 ALGUMAS ANOTAÇÕES SOBRE CIÊNCIA, SUJEITO E OBJETO NAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM. 1 (2ª. parte) J. Guillermo Milán-Ramos

Leia mais

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares AULA 1 - Sociologia Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares 1 Sociologia Uma ciência que tem a totalidade da vida social do homem como sua esfera. Leonard Hobhouse (1864-1929) Sociologia Origens

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

PLANO DE AULA. Resumo: Período da Filosofia Antiga : Socrático ou Antropológico

PLANO DE AULA. Resumo: Período da Filosofia Antiga : Socrático ou Antropológico PLANO DE AULA ÁREA: História da Filosofia antiga TEMA: O início do pensamento filosófico na Grécia Antiga HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Antiga INTERDISCIPLINARIDADE: História TRANSVERSALIDADE: Ética DURAÇÃO:

Leia mais

Sobre Metodologia Científica

Sobre Metodologia Científica 2013 Sobre Metodologia Científica Sergio Scheer TC022 Introdução a Engenharia UFPR Motivação Para que serve Metodologia Científica? Ciência e Conhecimento A produção de Conhecimento: Pesquisa O Processo

Leia mais

Todo aquele material me pareceu inútil, posso garantir que não me ajudou em absolutamente nada, muito menos no

Todo aquele material me pareceu inútil, posso garantir que não me ajudou em absolutamente nada, muito menos no 1 Introdução Quando eu virei corretor de imóveis, tive a falsa impressão que se tratava de uma profissão fácil. Passei rapidamente nos testes do curso de formação, em apenas dez dias recebi a minha carteira

Leia mais

Nesta aula discutiremos sobre Linguagem e seus aspectos. -Oqueélinguagem. - Tipos de linguagem. - Artifícios humanos.

Nesta aula discutiremos sobre Linguagem e seus aspectos. -Oqueélinguagem. - Tipos de linguagem. - Artifícios humanos. LINGUAGEM PROFESSOR NICHOLAS GABRIEL MINOTTI LOPES FERREIRA Nesta aula discutiremos sobre Linguagem e seus aspectos -Oqueélinguagem. - A exclusividade id d humana. - Tipos de linguagem. - Artifícios humanos.

Leia mais

Grupo I Para cada uma das questões que se seguem assinala a opção correta

Grupo I Para cada uma das questões que se seguem assinala a opção correta Grupo I Para cada uma das questões que se seguem assinala a opção correta 1. A filosofia é: a) Um conjunto de opiniões importantes. b) Um estudo da mente humana. c) Uma atividade que se baseia no uso crítico

Leia mais

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS São chamados de filósofos da natureza. Buscavam a arché, isto é, o elemento ou substância primordial que originava todas as coisas da natureza. Dirigiram sua atenção e suas

Leia mais

Aprendizagem significativa e aquisição da escrita

Aprendizagem significativa e aquisição da escrita Aprendizagem significativa e aquisição da escrita Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br 1 O homem é a única criatura que precisa ser educada (...) Por ser dotado de instinto, um animal, ao nascer, já é

Leia mais

RECONECTE. Um novo jeito de viver! BEM-VINDO! " A melhor maneira de mudar quem você é É passar a ser quem você quer ser Andreza Frasseto

RECONECTE. Um novo jeito de viver! BEM-VINDO!  A melhor maneira de mudar quem você é É passar a ser quem você quer ser Andreza Frasseto BEM-VINDO! " A melhor maneira de mudar quem você é É passar a ser quem você quer ser Andreza Frasseto A partir de agora você vai Reconectar! www.inspireleveza.com RECONECTE Um novo jeito de viver! Projeto

Leia mais

O que é o conhecimento?

O que é o conhecimento? Disciplina: Filosofia Ano: 11º Ano letivo: 2012/2013 O que é o conhecimento? Texto de Apoio 1. Tipos de Conhecimento No quotidiano falamos de conhecimento, de crenças que estão fortemente apoiadas por

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

O verdadeiro conhecimento ética utilitarista procede da razão

O verdadeiro conhecimento ética utilitarista procede da razão CONTEÚDO FILOSOFIA Avaliação Mensal Professora Célia Reinaux 6º ANO Módulo Unidade 3 A sombra na madrugada Páginas 34 até 39 Um obstáculo na trilha Páginas 40 até 46 Filósofos trabalhados: René Descartes

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

O MUNDO VISÕES DO MUNDO ATRAVÉS DA HISTÓRIA

O MUNDO VISÕES DO MUNDO ATRAVÉS DA HISTÓRIA O MUNDO VISÕES DO MUNDO ATRAVÉS DA HISTÓRIA MITO: FORMA DE EXPLICAÇÃO MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo. Mito é uma narrativa que explica através do apelo ao sobrenatural,

Leia mais

Metodologia Científica. Prof. Igor Assaf Mendes

Metodologia Científica. Prof. Igor Assaf Mendes Metodologia Científica Prof. Igor Assaf Mendes Problema de Pesquisa O Problema de Pesquisa A busca por maior entendimento do mundo motiva a mente humana As respostas científicas devem ser buscadas a partir

Leia mais

Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão.

Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão. Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão. Kant e a crítica da razão Nós s e as coisas Se todo ser humano nascesse com a mesma visão que você

Leia mais

Índice. A Verdade Sobre o Prazer Feminino. 5 Obstáculos para o Orgasmo. 4 Atitudes para Facilitar Orgasmos. Guia básico do Orgasmo Feminino

Índice. A Verdade Sobre o Prazer Feminino. 5 Obstáculos para o Orgasmo. 4 Atitudes para Facilitar Orgasmos. Guia básico do Orgasmo Feminino Índice A Verdade Sobre o Prazer Feminino 5 Obstáculos para o Orgasmo 4 Atitudes para Facilitar Orgasmos 04 05 11 Guia básico do Orgasmo Feminino 2 A Verdade Sobre o Prazer Feminino Mulheres gostam tanto

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

IMPORTANTE: Este livro é recomendado para pessoas solteiras. Caso você seja louco comprometido e coloque em prática essas dicas, que seja com seu parc

IMPORTANTE: Este livro é recomendado para pessoas solteiras. Caso você seja louco comprometido e coloque em prática essas dicas, que seja com seu parc IMPORTANTE: Este livro é recomendado para pessoas solteiras. Caso você seja louco comprometido e coloque em prática essas dicas, que seja com seu parceiro(a). O Guia dos Solteiros não se responsabiliza

Leia mais

COMO ABORDAR PESSOAS DESCONHECIDAS...

COMO ABORDAR PESSOAS DESCONHECIDAS... COMO ABORDAR PESSOAS DESCONHECIDAS... CONSULTORA DE BELEZA Quando a Consultora sair para conhecer pessoas e oferecer-lhes a oportunidade de experimentar os produtos Mary Kay para darem sua opinião, é importante

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO

O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO Linguagem Sistema de signos que da nome as coisas do mundo. Organiza o pensamento. Possibilita a comunicação. Reflete sentimentos, valores, paixões e pensamentos.

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Redija em texto dissertativo acerca do seguinte tema. A ALMA E A CIDADE EM PLATÃO Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos: teoria política de Platão em A República

Leia mais

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo IF UFRJ Mariano G. David Mônica F. Corrêa 1 O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo Aula 1: O conhecimento é possível? O

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

2 Possíveis Problemas com o PROCV. Variações da função PROCV no Excel: mais de uma condição e valores repetidos

2 Possíveis Problemas com o PROCV. Variações da função PROCV no Excel: mais de uma condição e valores repetidos Este conteúdo faz parte da série: Excel Fórmulas Avançadas Ver 10 posts dessa série O PROCV é uma das melhores funções de busca que o Excel disponibiliza para seus usuários. Digo isso, porque não é muito

Leia mais

O GRANDE RACIONALISMO: RENÉ DESCARTES ( )

O GRANDE RACIONALISMO: RENÉ DESCARTES ( ) O GRANDE RACIONALISMO: RENÉ DESCARTES (1596-1650) JUSTIFICATIVA DE DESCARTES: MEDITAÇÕES. Há já algum tempo que eu me apercebi de que, desde meus primeiros anos, recebera muitas falsas opiniões como verdadeiras,

Leia mais

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 1. A frase mostra um dos principais objetivos de Francis Bacon (Chico Toicinho): demonstrar que o conhecimento consistia simplesmente em acreditar

Leia mais

Percepção: os cinco sentidos

Percepção: os cinco sentidos Percepção: os cinco sentidos Marcela Aparecida Pedrosa Lópes Maria Aparecida Alves Strazza RESUMO O trabalho foi realizado com alunos do 6º ano das escolas E.E Padre Donizetti Tavares de Lima e E.E Carmem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV RESUMO EXPANDIDO (2009-2010) A ÉTICA NA FORMAÇÃO DOS PEDAGOGOS

Leia mais