ADIANDO O PÓS-CARREIRA: UM ESTUDO SOBRE OS FATORES QUE LEVAM SERVIDORES FEDERAIS A ADIAR A APOSENTADORIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADIANDO O PÓS-CARREIRA: UM ESTUDO SOBRE OS FATORES QUE LEVAM SERVIDORES FEDERAIS A ADIAR A APOSENTADORIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE PESQUISA"

Transcrição

1 sid.inpe.br/mtc-m19/2011/ tae ADIANDO O PÓS-CARREIRA: UM ESTUDO SOBRE OS FATORES QUE LEVAM SERVIDORES FEDERAIS A ADIAR A APOSENTADORIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE PESQUISA Mauro André Gouveia da Cruz Dissertação apresentada para obtenção do título de Mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional do Programa de Pós-Graduação em Administração do Departamento de Economia, Contabilidade e Administração da Universidade de Taubaté, orientada pela Dra. Rogéria de Arantes Gomes Eller, aprovada em 01 de abril de 2011 URL do documento original: <http://urlib.net/ 8JMKD3MGP7W/39KCMR5 > INPE São José dos Campos 2011

2 PUBLICADO POR : Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Gabinete do Diretor (GB) Serviço de Informação e Documentação (SID) Caixa Postal CEP São José dos Campos - SP - Brasil Tel.:(012) /6921 Fax: (012) CONSELHO DE EDITORAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA PRODUÇÃO INTELECTUAL DO INPE (RE/DIR-204): Presidente: Dr. Gerald Jean Francis Banon - Coordenação Observação da Terra (OBT) Membros: Dr a Inez Staciarini Batista - Coordenação Ciências Espaciais e Atmosféricas (CEA) Dr a Maria do Carmo de Andrade Nono - Conselho de Pós-Graduação Dr a Regina Célia dos Santos Alvalá - Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CST) Marciana Leite Ribeiro - Serviço de Informação e Documentação (SID) Dr. Ralf Gielow - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPT) Dr. Wilson Yamaguti - Coordenação Engenharia e Tecnologia Espacial (ETE) Dr. Horácio Hideki Yanasse - Centro de Tecnologias Especiais (CTE) BIBLIOTECA DIGITAL: Dr. Gerald Jean Francis Banon - Coordenação de Observação da Terra (OBT) Marciana Leite Ribeiro - Serviço de Informação e Documentação (SID) REVISÃO E NORMALIZAÇÃO DOCUMENTÁRIA: Marciana Leite Ribeiro - Serviço de Informação e Documentação (SID) Yolanda Ribeiro da Silva Souza - Serviço de Informação e Documentação (SID) EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Vivéca Sant Ana Lemos - Serviço de Informação e Documentação (SID)

3 sid.inpe.br/mtc-m19/2011/ tae ADIANDO O PÓS-CARREIRA: UM ESTUDO SOBRE OS FATORES QUE LEVAM SERVIDORES FEDERAIS A ADIAR A APOSENTADORIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE PESQUISA Mauro André Gouveia da Cruz Dissertação apresentada para obtenção do título de Mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional do Programa de Pós-Graduação em Administração do Departamento de Economia, Contabilidade e Administração da Universidade de Taubaté, orientada pela Dra. Rogéria de Arantes Gomes Eller, aprovada em 01 de abril de 2011 URL do documento original: <http://urlib.net/ 8JMKD3MGP7W/39KCMR5 > INPE São José dos Campos 2011

4

5 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Mauro André Gouveia da Cruz ADIANDO O PÓS-CARREIRA: um estudo sobre os fatores que levam servidores federais a adiar a aposentadoria em uma instituição de pesquisa Taubaté SP 2011

6

7

8 AGR

9 AGRADECIMENTOS Ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais pelo incentivo ao meu desenvolvimento profissional e pela concessão da bolsa de estudos; A minha orientadora, Profa. Dra. Rogéria de Arantes Gomes Eller pela orientação durante todo o trabalho e pelo incentivo e confiança demonstrada; Ao Prof. Dr. Paulo César Ribeiro Quintairos e Dr. Edson Del Bosco, pela participação na minha Banca de Defesa Pública, pelos comentários que muito contribuíram para o enriquecimento do estudo; À amiga Fernanda Maria Guadalupe Nunes, pelo incentivo, amizade e coleguismo, durante todo curso; À amiga Gislene Lima Oliveira, pela ajuda nas correções e traduções; À amiga Adriana Helena Fonseca Porto da Silva, pela ajuda na configuração das páginas de tabelas, gráficos e sumário; Aos colegas da Turma XII do Mestrado em Gestão e Desenvolvimento Regional; Aos colegas Mestres Carlos Roberto Marton da Silva e José Agnaldo Pereira Leite Júnior, pela experiência, incentivo e apoio durante o curso; Aos colegas do INPE pela compreensão e apoio, em especial aos que colaboraram de alguma forma com minha pesquisa; A minha esposa Sueli Feliciano Ferreira, pela paciência nos momentos em que estive ausente e motivação ficando sempre ao meu lado; A meus filhos, Gabriel e Guilherme, por compreenderem minha falta de tempo; A minha Mãe e em memória de meu Pai, dedico este trabalho.

10 Jamais considere seus estudos como uma obrigação, mas como uma oportunidade invejável para aprender a conhecer a influência libertadora da beleza do reino do espírito, para seu próprio prazer pessoal e para proveito da comunidade à qual seu futuro trabalho pertencer. Albert Einstein

11 RESUMO Devido às dificuldades de planejamento do pós-carreira em um ambiente caracterizado pelo dinamismo e descontinuidade, este estudo tem como objetivo identificar os motivos que levam servidores públicos federais, que já possuem o direito a aposentadoria, a não o fazerem, e identificar possibilidades de atuação da Instituição na preparação desses servidores para o pós-carreira. Utilizou-se como método, pesquisa descritiva documental, e de estudo de caso realizado por meio de levantamento, com abordagem quantitativa. A pesquisa envolveu a aplicação de questionários para a obtenção dos dados. A população estudada corresponde a 114 servidores das carreiras de Ciência e Tecnologia (Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Gestão), que representam 83% do total de servidores que se encontravam em condições de requerer o benefício em dezembro de 2009, mas ainda não o haviam feito. Alguns resultados, de acordo com a pesquisa, são que os servidores se sentem produtivos podendo ainda contribuir para a instituição, se sentem valorizados e reconhecidos, não há pressão da instituição para que eles se aposentem e que nada mudou em sua via profissional após adquirirem o direito à aposentadoria. Conclui-se como importante para a instituição, a implantação de um Programa de Preparação para Aposentadoria, visto que 34 servidores não se sentem ainda preparados para se aposentar, e que 62 servidores se propõem a participar do programa. Para o servidor, o programa é uma oportunidade de obter informações adequadas sobre a aposentadoria; identificar alternativas de atividades pós-aposentadoria e discutir, com pessoas que estão vivenciando um momento semelhante, sentimentos e possibilidades que a nova condição pode oferecer. Palavras-chave: Aposentadoria. Pós-carreira. Servidores Públicos.

12 ABSTRACT Due to the difficulties on post-career planning at an environment characterized by dynamism and discontinuity, this study is aimed at identifying the reasons that lead the 138 federal public workers that already have the right to retire, not to do so, and identify possibilities of the Institution acting on preparing these workers for the postcareer. The documental descriptive research method and case study have been used by raising, with quantitative approach. The research involved the application of a questionnaire for obtaining data. The population studied corresponds to 114 workers from the Science and Technology careers (Research, Technological Development and Management), which represent 83% of the total number of workers in conditions of applying for the benefit in December 2009, but hadn t done it, yet. Some results, according to the research, are that the workers feel yet productive, being yet able to contribute to the institution, feel valued and recognized, there is no pressure from the institution for them to retire and nothing has changed in their professional life after they got the right to retire. It is concluded as important for the institution the implantation of a Preparation Program for Retirement, once 34 public workers no longer feel prepared to retire, and 62 workers propose themselves to join the program. For the public worker, the program is one opportunity to obtain adequate information about retirement; identify alternatives of post-retirement activities; and discuss with people who are living a similar moment, feelings and possibilities that the new condition might offer. Keywords: Retirement. Post-career. Public employee.

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Valores dos Benefícios pela Previdência Social 2005 a 2010, corrigidos para o ano de 2010 pelo INPC (IBGE) Tabela 2 Servidores da instituição que possuem abono de permanência Tabela 3 Servidores com abono de permanência, por ano e carreira Tabela 4 Servidores do sexo feminino por faixa etária Tabela 5 Servidores do sexo masculino por faixa etária Tabela 6 Servidores ambos os sexos em relação ao número total de servidores.. 46 Tabela 7 Número de aposentadorias no período de 1991 e Tabela 8 Aposentadorias por carreira no período de 1991 e Tabela 9 Média da idade servidores aposentados no período de 1991 e Tabela 10 Servidores divididos por sexo e carreira admitidos a partir de agosto de Tabela 11 Servidores divididos por sexo e carreira que saíram da Instituição a partir de agosto de

14 LISTA DE GRAFICOS Gráfico 1 - Pólo de interesse - Trabalho Gráfico 2 - Pólo de interesse Lazer Gráfico 3 - Pólo de interesse Família Gráfico 4 - Pólo de interesse - Estabilidade financeira Gráfico 5 - Pólo de interesse - Relações de amizade Gráfico 6 Significado do trabalho Fonte de renda Gráfico 7 Significado do trabalho Fonte de atividade/criatividade Gráfico 8 Significado do trabalho Engajamento social (amigos) Gráfico 9 Significado do trabalho Fonte de auto realização Gráfico 10 - Outros significados para trabalho Gráfico 11 - Dedicação a outras atividades Gráfico 12 - Outras atividades Grupos sociais/assistenciais Gráfico 13 - Outras atividades Grupos religiosos Gráfico 14 - Outras atividades Cultura / Artes Gráfico 15 - Outras atividades Lazer Gráfico 16 - Outras atividades Esportes Gráfico 17 - Dedicação a outras atividades Gráfico 18 - Significado de aposentadoria Desligamento ocupacional Gráfico 19 - Significado de aposentadoria Mudança do eixo central da vida Gráfico 20 - Significado de aposentadoria Descanso merecido (desejo) Gráfico 21 - Significado de aposentadoria Imposição Gráfico 22 - Significado de aposentadoria Tempo para dedicar-se a outras atividades profissionais ou não Gráfico 23 - Significado de aposentadoria Redução de rendimentos... 66

15 Gráfico 24 - Significado de aposentadoria Sentimento de inutilidade Gráfico 25 - Significado de aposentadoria Perda de status Gráfico 26 - Significado de aposentadoria Perda do vínculo institucional Gráfico 27 - Significado de aposentadoria Perda do vínculo social Gráfico 28 - Significado de aposentadoria Encerramento de uma etapa, início de nova etapa de vida Gráfico 29 Você se sente preparado para a aposentadoria? Gráfico 30 Fatores de adiamento da aposentadoria Possibilidade de manter/melhorar o salário (abono de permanência) Gráfico 31 - Fatores de adiamento da aposentadoria Se sente produtivo, podendo contribuir Gráfico 32 - Fatores que levam a adiar a aposentadoria Não há substituto para a função Gráfico 33 - Fatores que levam a adiar a aposentadoria Possibilidade de recontratação em um momento melhor Gráfico 34 - Fatores que levam a adiar a aposentadoria Família não preparada Gráfico 35 - Fatores que levam a adiar a aposentadoria Possibilidade de se preparar melhor para se aposentar Gráfico 36 - Fatores que levam a adiar a aposentadoria Pensa que é melhor vir ao trabalho do que ficar em casa Gráfico 37 - Fatores que levam a adiar a aposentadoria Não abrir mão dos benefícios Institucionais Gráfico 38 Você acha que a sociedade tem preconceito em relação às pessoas aposentadas? Gráfico 39 Sobre a instituição, você se sente Reconhecido e valorizado... 76

16 Gráfico 40 Sobre a instituição, você se sente Pensa que poderia ter tido mais oportunidades profissionais Gráfico 41 Sobre a instituição, você se sente Pensa que poderia ter sido mais bem preparado para a aposentadoria Gráfico 42 Sobre a instituição, você se sente Satisfeito com seu próprio desempenho Gráfico 43 - Sobre a instituição, você se sente - Não tem qualquer sentimento pessoal (você e a instituição cumpriram o contrato) Gráfico 44 - Sua experiência profissional adquirida na instituição faz você capaz de conseguir novo emprego? Gráfico 45 - Na sua visão, seu trabalho contribui para atingir os objetivos da instituição? Gráfico 46 Com sua aposentadoria, você considera que todos os seus anos de trabalho serão esquecidos? Gráfico 47 Você participaria de um programa de preparação para aposentadoria se promovido pela instituição? Gráfico 48 - Que tipo de atividades você acha que deveriam fazer parte de um programa como esse? Gráfico 49 Como você acha que a instituição trata seus aposentados? Gráfico 50 Há quantos meses você adquiriu seu direito a aposentadoria?... 84

17 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos DELIMITAÇÃO DO ESTUDO RELEVÂNCIA DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO REVISÃO DA LITERATURA INTRODUÇÃO A Carreira e o Pós-Carreira EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE APOSENTADORIAS NO BRASIL O Regime da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT Considerações sobre Aposentadoria pela CLT O Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Federais Abono de Permanência HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO ESTUDADA MÉTODO INSTRUMENTO PLANO PARA COLETA DE DADOS PLANO PARA ANÁLISE DE DADOS RESULTADOS PESQUISA DE CAMPO... 51

18 5 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS Anexo A - Carta de apresentação Anexo B - Termo de consentimento livre e esclarecido institucional Anexo C - Termo de consentimento livre e esclarecido Anexo D - Questionário

19 14 1 INTRODUÇÃO A espécie humana necessitou de milhões de anos para atingir um bilhão de pessoas, o que teria ocorrido provavelmente em Havia o dobro deste número de pessoas em A população mundial chegou a três bilhões de habitantes em Após 14 anos a marca dos quatro bilhões foi atingida; em 1987 veio o quinto bilhão e, em 1999, 12 anos depois, alcançamos o sexto bilhão (VERAS, 2003). Segundo Teixeira (2002), e de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, a população do Brasil em 2000 superou os 169 milhões de habitantes, correspondendo a um incremento de 15,7% em relação à população residente no País segundo o Censo Demográfico de 1991 (146,8 milhões de habitantes). Ao longo da década de 90, o ritmo de crescimento médio anual da população foi de 1,6%. A população de 65 anos de idade ou mais, no mesmo período, elevou-se em 41%, com uma taxa média de crescimento anual próxima aos 4%. Para Patrício (2006), paralelamente ao aumento populacional, estendeuse a longevidade humana por fatores como: melhorias na saúde desde a fase da infância até o envelhecimento, melhor controle das doenças infecciosas, diminuição da mortalidade infantil e materna, tratamento de doenças associadas à idade e diminuição de suas complicações e sequelas, frutos do avanço da tecnologia da saúde. Na língua portuguesa, o vocábulo aposentadoria remete, etimologicamente, à noção de recolhimento ao interior da habitação, aos seus aposentos. No entanto, nem sempre a aposentadoria representa um rompimento com o mundo do trabalho. No Brasil, por exemplo, pressões econômicas, sociais e culturais concorrem para a permanência no mercado, implicando ou não em alterações no local de trabalho, no tipo de atividade, no ritmo e na jornada (SHIBATA, 2006). Não só pressões econômicas, sociais e culturais, concorrem para a permanência no mercado de trabalho, mas o baixo valor dos proventos pagos aos aposentados pelo Instituto Nacional de Seguridade Social - INSS faz com que o aposentado continue a trabalhar, para recompor ou melhorar sua renda.

20 15 Segundo Shibata (2006), o fato de a aposentadoria ser desejada ou forçada afetará o ajustamento à mesma. O impacto da aposentadoria é perceptível fortemente no contexto da família, o que vem provocar uma série de modificações cruciais na sua dinâmica. Em alguns casos pessoas que, em decorrência de experiências anteriores, não conseguiram lidar com o afastamento profissional, podem ser levadas a um processo regressivo de depressão e pânico perante a vida, culminado com doenças ou até a morte. Daí a importância de um programa de preparação para aposentadoria com o envolvimento de psicólogos e pessoas ligadas à área de assistência social. Não há como ignorar os estigmas que cercam o idoso aposentado, apreendido como incapaz ou como aquele que nada tem a contribuir. Perdeu sua força de trabalho. Assim, ao corpo envelhecido associam-se as representações de improdutividade e de incapacidade. Às pessoas que envelhecem e não participam diretamente do processo produtivo é imposto, na sociedade, o isolamento social. As relações sociais estabelecidas ao longo da vida se enfraquecem ou deixam de existir (MORI, 2006). Trata-se de nova desigualdade social imposta pelas relações econômicas, políticas, sociais e culturais da sociedade, que consiste na forma como os trabalhadores desenvolveram suas atividades no sistema produtivo e vivenciaram sua aposentadoria (GONÇALVES, 2006). Uma das faces mais perversas da questão social configura-se pela exclusão social expressa na vida dos trabalhadores, que não encontram mais reconhecimento na sociedade ou até, muitas vezes, são excluídos desse universo. Portanto, um dos fenômenos dessa relação diz respeito à aposentadoria vivenciada enquanto exclusão social e às consequentes relações desiguais que podem se estabelecer a partir da escolha desse direito social (GONÇALVES, 2006). A exclusão do mundo do trabalho, desencadeada pelas transformações já elencadas, constitui-se em aspecto que merece nova reflexão e novo olhar. Nessa perspectiva, um grande contingente de homens e mulheres encontra-se alijado do processo produtivo, não tendo espaço para sua colocação no mercado de trabalho, que se apresenta altamente restritivo (GONÇALVES, 2006). Ainda segundo Gonçalves (2006), de outro lado, a não valorização da experiência e o descarte daqueles cuja idade e perfil não correspondem aos critérios

21 16 de competência e interesse definidos pelo mercado, delineiam uma situação que exige atenção enquanto questão social. Pode-se afirmar, neste contexto, que a aposentadoria é um momento importante de mudança na vida das pessoas. Este período será resultante da maneira como o servidor organizou toda sua vida, desde a importância dada ao trabalho como também ao seu vínculo familiar e social. Podemos entender então que aposentadoria representa, sob o ponto de vista psicológico e social, um momento estressante e de muita expectativa na vida do indivíduo, que promove reações diversas, de uma sensação de liberdade até um sentimento de exclusão. As mudanças que ocorrem com a aposentadoria requerem uma adaptação antecipada. Diante dessa visão, um processo de preparação para aposentadoria não só traria benefícios para o indivíduo como também para a organização que seria estimulada a explorar atividades que trariam ajuda inclusive no contexto familiar. Cada vez mais se percebe que organizações empresariais públicas ou privadas, deveriam compor ações para a implantação de um programa de pós-carreira que vise primordialmente à preparação das pessoas para que elas construam um projeto de vida na aposentadoria, que facilite o processo de sucessão profissional, e pudesse transformar a aposentadoria em uma fase produtiva e feliz da vida (RESENDE, 2006). 1.1 PROBLEMA Quais os motivos que levam servidores públicos federais da Instituição estudada, que já adquiriram o direito ao gozo de sua aposentadoria, a não se aposentar? 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Verificar os motivos que levam os servidores da instituição a não se aposentar e o papel da instituição na preparação dos indivíduos para esta situação.

22 Objetivos Específicos Identificar os motivos que levam esses servidores da instituição a permanecer na atividade e as possibilidades de atuação da Instituição na preparação desses servidores para o pós-carreira. 1.3 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO Este estudo foi realizado no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, uma Instituição Pública Federal de Pesquisas, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e localizada na região do Vale do Paraíba Paulista. Em um universo de servidores ativos, a amostra utilizada para análise engloba 114 servidores a quem foram entregues os questionários. Esses servidores pertencem às carreiras de Pesquisa em Ciência e Tecnologia; Desenvolvimento Tecnológico; Gestão, Planejamento e Infra-Estrutura em Ciência e Tecnologia. Justifica-se o presente estudo pela disponibilidade de dados e devido ao tema transição para o pós-carreira ser pouco analisado na literatura, apesar de ser um fenômeno complexo, atual e cada vez mais frequente nas carreiras contemporâneas. Na literatura pesquisada foram encontradas referências sobre o assunto pós-carreira em publicações relacionadas a atividades esportivas e, em planos de preparação de aposentadoria em empresas privadas, devido à ausência de estudos sobre pós-carreira para o servidores públicos. O intuito de desenvolver estudos nesta área é fruto de uma série de observações relacionadas ao tema que o autor teve oportunidade de verificar em sua experiência de 17 anos trabalhando em Recursos Humanos. 1.4 RELEVÂNCIA DO ESTUDO Odebrecht (2003) afirma que o envelhecimento da força de trabalho já é uma realidade nas organizações brasileiras. Já Paschoal (2002 apud CINTRA; RIBEIRO, 2007), afirma que economicamente, a pessoa pode ser caracterizada idosa a partir do momento de sua aposentadoria. Pelo lado cronológico, segundo a

23 18 Organização das Nações Unidas - ONU, para os países em desenvolvimento, o indivíduo é classificado como idoso a partir dos 60 anos. No Brasil, ser idoso muitas vezes significa estar excluído dos lugares sociais, onde o mais valorizado é aquele inserido no contexto chamado mundo do trabalho (MERCADANTE, 2002 apud CINTRA; RIBEIRO, 2007). O Setor Público tem sofrido mudanças significativas em sua organização, que resultam, por exemplo, em formas diversas de enxugamento dos seus quadros de pessoal pelo aumento significativo de aposentadorias e a reposição limitada de pessoal (LANCMAN et al, 2006). O trabalho oferece subsídios e possibilidades da instituição desenvolver um modelo de gestão que vise, também, à preparação do servidor para o póscarreira. 1.5 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Este trabalho é apresentado em seis capítulos distribuídos da seguinte forma: O primeiro capítulo refere-se à Introdução onde são apresentados o problema, os objetivos da pesquisa, a delimitação e a relevância do estudo, além da organização do trabalho. No segundo capítulo é apresentada a revisão da literatura, mostrando a Carreira e o Pós-Carreira como foco do estudo, como também a evolução do sistema de aposentadorias no Brasil, o Regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, considerações sobre aposentadoria pela CLT, o Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos da área Federal, o Abono de Permanência e o histórico da instituição estudada. No terceiro capitulo é apresentado o método empregado no desenvolvimento do trabalho. No quarto capitulo são apresentados os resultados e a pesquisa de campo. No quinto capitulo apresenta-se a discussão dos resultados. Finalmente no sexto capitulo a conclusão

24 19 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 INTRODUÇÃO A aposentadoria é um fenômeno historicamente recente. Apareceu, na sociedade industrial, como um direito adquirido pelos trabalhadores. No entanto, esta passagem do trabalho ao repouso é acompanhada de certas modificações que marcam profundamente a vida do indivíduo. A aposentadoria pode representar o afastamento do sistema produtivo e a perda do papel profissional. Mas é também a reorganização espacial e temporal da vida do indivíduo, confrontando com a velhice e momento de reorganização de identidade pessoal (SANTOS, 1990). De acordo com França (1999), aposentadoria é a saída de um trabalho regular e, normalmente, o termo está associado ao envelhecimento. Entretanto, ser jovem ou velho para o trabalho não diz respeito apenas a uma avaliação da capacidade física, mental ou psicológica para tanto, mas também vai depender dos contextos demográfico, histórico, sociocultural, econômico e político nos quais o trabalhador está inserido. Muitos se aposentam jovens e outros falecem antes que ocorra a aposentadoria. O prolongamento da expectativa de vida e o consequente crescimento da população de idosos coincidem com a falta de recursos para alguns sistemas de previdência. Justificativas para a existência de sistemas previdenciários podem ser divididas em três categorias. Previdência existe ou porque governos são benevolentes e paternalistas; ou porque governos são benevolentes e buscam corrigir as ineficiências dos mercados; ou, ainda, porque governos não são benevolentes e sim agem em função do resultado de grupos de pressão e de coalizões entre eleitores. As duas primeiras hipóteses levam às teorias normativas que explicam por que o governo deve intervir. Já a última leva às teorias positivas que tentam explicar porque o governo de fato intervém (IPEA, 2007). Baseados em dados econômicos, países da America do Sul vêm, desde a década de 90, empreendendo reformas em seus sistemas previdenciários, propondo mudanças nos sistemas de aposentadoria e introduzindo novas regras para retardar esse processo. No Chile é exigida idade mínima de 65 anos para homens e 60 para mulher, com dez anos de contribuição, e sua permanência no mercado de trabalho depende de sua ocupação. A Argentina assim como o Brasil, possui diferenciação

25 20 por sexo para a idade mínima de se aposentar: 60 anos para homens e 55 anos para mulheres (CARLOS et al, 1999). Conforme Giambiagi (2000), a necessidade de reformar a Previdência Social brasileira já é discutida há tempos. A situação da Previdência Social do Brasil, já era, há muitos anos, tida como delicada, No entanto, o desequilíbrio atuarial foi considerado durante décadas um problema meramente potencial, não merecendo maior atenção por parte dos Governos. Somente em meados dos anos 90, quando o mencionado desequilíbrio se converteu em um problema de caixa, foi que ocorreu, por parte do Poder Executivo, mobilização para a modificação das regras que regiam as aposentadorias e pensões, com o intuito de minimizar o desajuste que começava a agravar-se. O setor público tem sofrido mudanças significativas na sua organização, tais como privatizações de empresas públicas seguidas de demissões, transferência para o setor privado por meio de ações de terceirização e externalização de setores da produção, enxugamento de efetivos e implantação de metas de produtividade. Em muitas situações, essas mudanças são acompanhadas por deterioração das condições de trabalho, sobrecarga para os que permanecem, falta de inovação tecnológica para suprir o aumento na demanda de serviço, deterioração da imagem do funcionário público e responsabilização dos mesmos pelas inoperâncias dos serviços e pelas crises das instituições públicas (LANCMAN et al, 2006). Ainda segundo Lancman et al (2006), os serviços públicos têm adotado formas diversas de enxugamento dos seus quadros que vão desde programas de demissões voluntárias até a não reposição de trabalhadores afastados por doenças ou aposentadorias. Apesar de terem relações menos instáveis de trabalho (menor exposição ao risco de demissão sumária) os servidores públicos estão expostos a outras formas de instabilidade e precarização, tais como: oscilações políticas e de planejamento que geram descontinuidade de projetos em curso; achatamento salarial e perda de direitos trabalhistas; acúmulo de papéis; mudanças na organização do trabalho ou na natureza das tarefas que, por vezes, se chocam com o sentido e as crenças que os trabalhadores construíram em relação ao seu trabalho. A relação desenvolvida entre os servidores públicos e os usuários dos serviços públicos está permeada de conflitos. Em situações de insatisfação, por vezes, os usuários direcionam sua ira ao trabalhador que está a sua frente e que

26 21 representa a instituição prestadora do serviço, transformando os funcionários que trabalham na linha de frente em anteparo para as inoperâncias do sistema (LANCMAN et al, 2006). Apesar da aposentadoria não estar necessariamente vinculada à velhice, a transição normalmente coincide com o processo de envelhecimento. A adaptação à aposentadoria, tal qual o envelhecimento, dependerá da antecipação dos aposentáveis aos fatores de risco como a promoção da saúde e do alcance de uma poupança para o futuro, e a adoção de medidas que facilitem os fatores de bemestar nesta transição, como a educação, trabalho, renda, vínculos sociais, afetivos e familiares (FRANÇA, 2009). A propensão é que o trabalho não se realize apenas em locais tradicionais, ampliando-se as possibilidades do trabalho em casa, adotando-se contratos temporários e ampliando-se às oportunidades de trabalho em regime de meio-expediente. Por certo, a flexibilidade dos horários e as alternativas dos contratos de trabalho precisam estar disponíveis não só para os trabalhadores mais velhos, que gostariam e têm condições de saúde para continuar trabalhando, mas também para os estudantes e mães que cuidam de crianças menores e que precisam trabalhar (HENRETTA, 2000 apud FRANÇA, 2009). A aposentadoria é o contraponto do trabalho, mas seu conceito vem se modificando, já que um número crescente de aposentados prefere continuar trabalhando. É possível que, independentemente da remuneração, aqueles que continuam imprimindo sua produtividade desenvolvam o senso de maior utilidade e obtenham maiores oportunidades para a interação social. Assim, a aposentadoria pode ser a maior perda social, sobretudo porque outras perdas estão associadas ao trabalho (FRANÇA, 2009). Portanto, o período da aposentadoria não é a causa de todos os males ou problemas ocorridos, mas é o período de mudança em um momento crucial na vida das pessoas que é o envelhecimento. Tal fenômeno é irreversível e inevitável, motivo de angustia e questionamento sofre o fim da existência. A aposentadoria e a velhice estão ligadas e muitos consideram o mesmo fenômeno. Devido a isso, verifica-se a importância para o servidor de que ele se conscientize e se prepare para o momento da aposentadoria.

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA 2005 FIXAÇÃO DOS PROVENTOS PELA MÉDIA DAS MAIORES REMUNERAÇÕES A Emenda Constitucional nº 41, de 19.12.2003, introduziu a regra de fixação

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 Santa Maria Belo

Leia mais

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009 As Reformas da Previdência Social IV encontro do FUNSEMA Seminário de Previdência da Região Metropolitana Emenda Constitucional 47/05 Outubro/2009 Daisson Portanova ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes.

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes. CARTILHA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO O REGIME GERAL DA PREVIDENCIA SOCIAL É REGIDO PELAS LEIS 8.212 E 8.213/91 E TEM POR FINALIDADE ASSEGURAR À SEUS FILIADOS RECEBER BENEFÍCIOS QUE SUBSTITUAM SUA RENDA.

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

O regime complementar do servidor público

O regime complementar do servidor público O regime complementar do servidor público Leandro Madureira* RESUMO: O servidor que ingressou ou venha a ingressar no serviço publico a partir de 4 de fevereiro de 2013 tem a aposentadoria limitada ao

Leia mais

VI - Sistemas Previdenciários

VI - Sistemas Previdenciários VI - Sistemas Previdenciários Regime Geral de Previdência Social Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Cabe ao Governo Federal a responsabilidade

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA Visão geral de previdência Agenda 4Conceitos assistência, previdência, seguro 4Regimes e grandes números 4Sustentabilidade 4Previdência privada 4Saúde-Previdência 2 CONCEITOS

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

NO SEU TEMPO CRITÉRIOS E REGRAS PARA SE APOSENTAR. novembro de 2008

NO SEU TEMPO CRITÉRIOS E REGRAS PARA SE APOSENTAR. novembro de 2008 NO SEU TEMPO CRITÉRIOS E REGRAS PARA SE APOSENTAR O sistema de previdência dos servidores públicos após as emendas constitucionais nº 20/1998, 41/2003 e 47/2007 novembro de 2008 Crescendo a cada luta.

Leia mais

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 Direito Previdenciário 67. (Auditor de Controle Externo/TCE-CE/FCC/2015): O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP MINISTÉRIO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ÓRGÃOS EXTINTOS SAN Quadra 03 Lote A Ed. Núcleo dos Transportes Sala nº 2237 CEP: 70.040-902 BRASÍLIA DF ESPAÇO RESERVADO

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O futuro que você faz agora FUNPRESP-JUD Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário 2 Funpresp-Jud seja bem-vindo(a)! A Funpresp-Jud ajudará

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS. Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007

A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS. Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007 A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007 Tópicos Problemas do regime antigo e da Previdência em geral O sistema vigente

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

Reforma da Previdência em perguntas e respostas

Reforma da Previdência em perguntas e respostas Reforma da Previdência em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas a respeito da reforma da Previdência (Emenda à Constituição nº 41, de 2003 e

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS Palestra Tema: Formalização de Processo Administrativo na Gestão de Pessoas Aposentadoria é a contraprestação assistencial por serviços prestados, nos termos da

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais Secretaria de Estudos, Pesquisas e Políticas Públicas e Secretaria de Formação Política e Sindical. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA MANUAL DE INTEGRAÇÃO ENDEREÇO Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira Rua Guarani, 735 - Bairro Conceição Cidade Diadema - SP CEP:09991-060 Telefone:4044-6431 Fax: 4056-1302 Site: EQUIPE

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Situação previdenciária do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Despesa previdenciária dos principais estados Em % da RCL, 2009 Evolução do déficit previdenciário,

Leia mais

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio.

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio. ESPÉCIES DE BENEFÍCIOS PARA OS SEGURADOS 1. APOSENTADORIA Aposentadoria por Invalidez No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para

Leia mais

Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal. Carlos Alberto Pereira de Castro ria-es, fevereiro de 2011

Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal. Carlos Alberto Pereira de Castro ria-es, fevereiro de 2011 Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal Carlos Alberto Pereira de Castro Vitória ria-es, fevereiro de 2011 Roteiro Introdução ao tema Evolução da aposentadoria e da pensão

Leia mais

2013-2014 O ISSA E O RPPS - PREVIDÊNCIA SOCIAL

2013-2014 O ISSA E O RPPS - PREVIDÊNCIA SOCIAL 2013-2014 ISSA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE ANÁPOLIS O ISSA E O RPPS - PREVIDÊNCIA SOCIAL ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL - 2013-2016 PREFEITO: JOÃO BATISTA GOMES PINTO ADMINISTRAÇÃO DO ISSA 2013-2014

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Prezado servidor,

APRESENTAÇÃO. Prezado servidor, 1 3 5 APRESENTAÇÃO Prezado servidor, A Lei Municipal nº 5.111 de 23 de novembro de 2010 criou o AMERIPREV, que é o responsável pela gestão do RPPS, Regime Próprio de Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 Estabelece orientação aos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC quanto aos procedimentos operacionais

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira Carlos Alberto Caser Vice-Presidente da ABRAPP Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Diretor-Presidente da FUNCEF

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA 1.1 Aposentadoria por invalidez Destina-se aos professores cuja incapacidade ao trabalho é confirmada pelo setor de perícias médicas do INSS. Uma vez concedida

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE VALINHOS CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE VALINHOS CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS O Executivo municipal sentindo a necessidade de adotar o Regime Próprio de Previdência Social para os servidores públicos titulares de cargos de provimento efetivo da Prefeitura, do DAEV e da Câmara, e

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS Avaliação realizada em 31.12.2013 ÍNDICE GERAL 1ª PARTE 1.1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.2. HISTÓRICO 1.3. REGRAS DA PREVIDÊNCIA APLICADAS NA

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho 1. REGIME PREVIDENCIÁRIO OU ADMINISTRATIVO O principal problema do regime previdenciário

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA

MANUAL DE APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA GERÊNCIA DE

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO SALVADOR-BA, 17 DE JULHO DE 2004 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO RPPS INSTITUÍDOS NO BRASIL Possibilidade

Leia mais

Autarquia dos Servidores Públicos do Município Regime Próprio de Previdência

Autarquia dos Servidores Públicos do Município Regime Próprio de Previdência Autarquia dos Servidores Públicos do Município Regime Próprio de Previdência Página 01 Paranaguá Previdência Lei Complementar do Município Nº 53/2006 Página 02 PREZADO SEGURADO Com início das atividades

Leia mais

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1 PLANO SUPLEMENTAR Material Explicativo 1 Introdução A CitiPrevi oferece planos para o seu futuro! Recursos da Patrocinadora Plano Principal Benefício Definido Renda Vitalícia Programa Previdenciário CitiPrevi

Leia mais

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL. TatuíPrev. Instituto de Previdência Própria de Tatuí

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL. TatuíPrev. Instituto de Previdência Própria de Tatuí CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL TatuíPrev Instituto de Previdência Própria de Tatuí 2013 APRESENTAÇÃO A PREVIDÊNCIA SOCIAL é um direito do trabalhador e de sua família, garantido pela Constituição Federal,

Leia mais

- Estudo técnico - Art. 67...

- Estudo técnico - Art. 67... Aposentadoria especial para diretores, coordenadores e assessores pedagógicos - Estudo técnico - A Lei nº 11.301, de 10 de maio de 2006, publicada no Diário 0ficial da União de 11 de maio do mesmo ano,

Leia mais

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO Simulador de aposentadoria do Servidor Público? A Controladoria-Geral da União (CGU) disponibiliza, em seu site (http://www.cgu.gov.br/simulador/index.asp), um simulador

Leia mais

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Conheça os planos de benefícios e assistência médica da Fundação 2 3 SUMÁRIO 06 Apresentação 08 Glossário 10 Introdução Geral Entidades Fechadas de Previdência

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Material Explicativo Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Sumário Plano CD - Tranqüilidade no futuro 3 Conheça a previdência 4 A entidade Previ-Siemens 6 Como funciona o Plano CD da Previ-Siemens?

Leia mais

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social Abono Salarial Seguro Desemprego Seguro Defeso Pensão por Morte Auxílio-Doença Transformações Estruturais Nos últimos anos, o processo

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES.

PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES. Fortalecendo o Futuro! PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES. ======================== Informações aos Segurados. ======================== 1 Apresentação Este manual foi elaborado

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM SANTA MARIA/RS AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2013 Data Base:31/12/2012 Índice 1. Introdução... 02 2. Origem

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

Saiba mais sobre seu plano

Saiba mais sobre seu plano Saiba mais sobre seu plano Plano Funbep II 1 Índice A proteção da previdência complementar... 03 As contribuições para o plano... 04 Em caso de desligamento... 06 Na hora da aposentadoria... 08 Cuide bem

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS João Dado Deputado Federal Solidariedade/SP Julho - 2014 Até Junho/98 EC-19/98 Jun EC-20/98 - Dez EC-41/03 EC-47/05 Lei 12.618/12 Estabilidade no Emprego Irredutibilidade Salarial

Leia mais

ADVOGADOS INGRESSO 2009. USP- Consultoria Jurídica amc

ADVOGADOS INGRESSO 2009. USP- Consultoria Jurídica amc ADVOGADOS INGRESSO 2009 USP- Consultoria Jurídica amc 1 RELAÇÕES DE TRABALHO NA UNIVERSIDADE 1 - Servidores Titulares de Cargos Efetivos DOCENTES a) Estatuto dos Funcionários Públicos P Estado de São Paulo

Leia mais

www.lumenjuris.com.br

www.lumenjuris.com.br www.lumenjuris.com.br Grupo de Discussão www.yahoo.com.br Grupos: DIRPREVI Kerlly Huback Programação Noções sobre o Sistema de Previdência Primeira Reforma (EC n 20/98) Segunda Reforma (EC n 41/03) Terceira

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

Plano D. Material Explicativo

Plano D. Material Explicativo Plano D Material Explicativo 2 Material Explicativo Previ Novartis Índice Pág. 4 Introdução Pág. 6 A Previdência no Brasil Pág. 10 A Previdência e o Plano de Benefício D Pág. 24 Questões 3 Material Explicativo

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais