Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004"

Transcrição

1 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em Angola Contratada após a avaliação intermédia do programa iniciada em Junho de 1999, a Coordenadora Nacional do PAR, Ana Emília Martinho, opina sobre as forças e as fraquezas do programa que tem como pretensão reconstruir infraestruturas básicas das povoações rurais do Planalto Central angolano. Até ao final de 2005 o PAR deverá investir nas províncias de Benguela, Huíla, Bié e Huambo cerca de 20 milhões de euros, no âmbito da segunda fase do projecto. Como define o PAR? O PAR é um programa do Governo de Angola financiado através de uma Convenção de Financiamento assinada entre este e a União Europeia (UE). Inscreve-se no âmbito das acções propostas na Mesa Redonda de Doadores realizada em Bruxelas em Setembro de 1995, alguns meses após a assinatura do protocolo de paz em Lusaka. O programa arrancou cerca de dois anos depois, em Agosto de 1997, nas quatro províncias de intervenção Benguela, Huíla, Bié e Huambo dotado de uma quantia orçada em 55 milhões de euros. Incidia prioritariamente nas áreas onde as condições de segurança favoreciam a intervenção. Por que razão foram escolhidas unicamente estas quatro províncias? Foram as províncias mais gravemente afectadas pela guerra que estalou em Angola depois das eleições de As populações da região estavam numa situação crítica. O PAR pretendia então, fazer a transição entre uma situação de emergência e de desenvolvimento, mas a intensificação das acções armadas no planalto não o permitiram. Durante aqueles anos tivemos que levar a cabo acções de emergência, como a desminagem de algumas áreas em torno das cidades do Kuíto e Huambo. Quais foram os pilares de intervenção do PAR, durante esse período? Durante a primeira fase, que decorreu entre 1997 e 2001, o PAR apostou em quatro componentes o apoio à produção, infra-estruturas de base e sociais e apoio institucional. Com o trabalho realizado nestas áreas pretendíamos, por exemplo, fomentar a produção agrícola, reabilitar estradas, sistemas de distribuição de água e energia eléctrica ou dotar os municípios de estruturas de educação e saúde.

2 Em Junho de 1999 foi feita uma avaliação intermédia do funcionamento do PAR. Quais foram as principais conclusões a que chegaram? Chegou-se à conclusão que havia a necessidade de se descentralizar o programa para as províncias e municípios e de criar um Comité de Selecção (CS) a nível provincial, que detivesse o poder de proposta e aprovação dos projectos. Estes CS s seriam formados por organizações não governamentais, pelo Governo Provincial, e outras entidades. Nesta avaliação concluiu-se também que havia a necessidade de se criar uma Unidade de Gestão do Programa, liderada por um Coordenador Nacional, o cargo que ocupo actualmente. Depois desta reavaliação, quais foram as novas linhas de actuação adoptadas e que efeito estão a ter no terreno? O trabalho do PAR assenta nesta segunda fase prioritariamente sobre três pilares: a educação, a saúde e a água e saneamento. Espera-se que se criem assim condições favoráveis ao desenvolvimento sustentável das regiões, apostando na satisfação das necessidades básicas das populações. O projecto aposta agora fortemente no Município como unidade de intervenção. Isto na prática traduz-se pelo apoio às Administrações Municipais ou Comunais no que toca ao diagnóstico das necessidades locais e à planificação das intervenções a efectuar. Sendo o diagnóstico e a planificação as tónicas desta segunda fase do PAR, que mecanismos o PAR encontrou para as tornar efectivas? Há dois elementos que se tornaram fundamentais: o Diagnóstico Municipal Participativo, delineado em reuniões onde se discutem os problemas locais com a população e com os responsáveis regionais da educação, saúde, água e saneamento, e o Programa de Reabilitação Municipal, que define as estratégias de desenvolvimento, com base nos dados recolhidos nos diagnósticos. Estes instrumentos de trabalho são formalizados por um Operador de Referência Municipal (ORM), em sintonia com representantes administrativos, comunitários e das autoridades tradicionais. Que outras funções desempenham os ORM s? Os ORM s são organismos responsáveis pela articulação e funcionamento do PAR nos diferentes municípios em que o programa está implementado. Presta apoio institucional aos municípios e formação às administrações comunal e municipal, com vista a garantir a continuidade do processo de reabilitação dos serviços. São seleccionados através da participação num concurso limitado com base em factores como a experiência nas áreas da capacitação e apoio institucional ou a qualidade do pessoal envolvido. Podem ser organizações não governamentais, instituições religiosas, empresas de consultoria, organizações comunitárias, o próprio governo, ou outras entidades. A Movimondo, por exemplo, é o ORM do município do Kunhinga, na província do Bié.

3 A segunda fase do PAR vai-se alargar até ao final de Quais vão ser os principais enfoques das vossas actividades? A actualização dos diagnósticos realizados no início da segunda fase e a realização dos que estão ainda em falta, que deverão estar concluídas em final de Fevereiro do próximo ano. Pretendemos ainda até ao final de 2005 alargar o número de aldeias a ser abrangidas pelo projecto, se o acharmos necessário. Queremos ainda dar maior atenção às questões de formação de quadros administrativos, principalmente nas áreas da informática, estatística, etc, ao mesmo tempo que se vão continuar as intervenções a nível de infraestruturas. Qual tem sido o nível de coordenação e de entendimento entre o PAR e o Governo Angolano? Como já referi, o PAR é um programa do Governo de Angola. Uma vez que a sua acção está direccionada para o apoio institucional, fundamentalmente para as questões de planificação Municipal, está afecto ao Ministério do Planeamento. Entretanto, esta experiência está a ser aproveitada em Angola para a planificação e realização de outros projectos. Entre estes destaco o FAS Fundo de Apoio Social, um programa do Governo de Angola financiado pelo Banco Mundial e o PNUD, que vai intervir no apoio à descentralização das Administrações Municipais. Existe também um projecto relacionado com base de dados dos municípios. Exacto. Com base na informação que foi colhida em todo o processo de diagnóstico, está a ser construída uma base de dados chamada Sistema de Informação do PAR (SIPAR). O SIPAR vai ser instalado nos Gabinetes de Estudos, Planificação e Estatística dos Governos Provinciais das quatro províncias e no Gabinete de Desenvolvimento Regional do Ministério do Planeamento. Para além da instalação desta base de dados será criada também capacidade local para a sua utilização. Tenho a informação que o PAR atravessa dificuldades decorrente de atrasos de pagamentos. Essa situação é real? As dificuldades registam-se não por falta de verbas, mas porque os processos financeiro, administrativo e burocrático do Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED) são extremamente pesados. A adaptação dos procedimentos desta instituição à realidade de Angola não tem sido possível, o que dificulta consideravelmente a obtenção dos resultados que se pretendem. Já para não falar nos atrasos que estes procedimentos provocam. As ORM s, por exemplo, ainda não receberam a segunda tranche do primeiro contrato e aqui, na Unidade de Gestão estamos há oito meses sem salário. Outro constrangimento que surgiu foi o das consecutivas mudanças dos Peritos ou Conselheiros da Delegação da Comunidade Europeia que acompanham o Programa. Muitos acertos feitos com anteriores conselheiros ficam invalidados com a chegada dos novos, o que faz com que tudo tenha de ser alterado. É uma dificuldade muito grande.

4 Qual pensa ser a solução para estes problemas? Penso que deveria ser possível adaptar os procedimentos do FED às condições e realidade do País. Este não é um país europeu, é muito menos desenvolvido, mas esta questão não é entendida. Este é um programa bastante complicado quer em termos de procedimentos FED, que são inflexíveis, quer em termos de realização. È preciso que o financiador conheça a realidade da área de intervenção e saiba o que os beneficiários esperam de um programa ou acção. Se estes aspectos não são tidos em conta nas implementações, não é possível obter bons resultados e ajudar este país a sair da situação de emergência e a começar a caminhar para o desenvolvimento. Tem que haver vontade e acreditar-se no que se está a fazer, não se podem financiar acções se não acreditamos no que se está a fazer. Estas situações colocam em causa a continuação do PAR? Põe em causa alguns resultados do programa. A própria Comissão Europeia reconhece que estes obstáculos dificultam o desenvolvimento do PAR. Mas dizem que não podem fazer nada, porque é assim que o Fundo Europeu para o Desenvolvimento funciona. Mas não tenho dúvidas que podíamos estar muito mais longe do que estamos actualmente. A Comissão Europeia em Angola rejeita as críticas da Coordenadora do PAR Confrontada com as declarações de Ana Emília Martinho, a delegação da Comissão Europeia (CE) em Luanda afirma que estas não passam de opiniões pessoais, e que por isso não reflectem o ponto de vista do Governo de Angola nem da CE. Em resposta enviada por correio electrónico, Alexandre Borges-Gomes, Encarregado dos Negócios da delegação da CE em Luanda, admite que os procedimentos do Fundo Europeu de Desenvolvimento não são os mais simples, e que têm mesmo vindo a complicar-se nos últimos anos, mas que são indispensáveis, como forma de assegurar a transparência com que são geridos os recursos da União Europeia e de garantir aos cidadãos europeus que os seus impostos sejam aplicados de forma correcta naquilo para que forma destinados. No que respeita às críticas lançadas por Ana Martinho à alternância do pessoal diplomático da Delegação da CE em Angola, Alexandre Borges-Gomes acusa a Coordenadora Nacional do PAR de parecer ignorar a natural rotatividade dos expatriados praticada por todas as missões diplomáticas através do mundo, e ainda de não estar a par de todo o trabalho de planificação dos fundos que é levado a cabo antes da implementação de qualquer programa ou projecto.

HUILA: PROVINCIA SEM DEFECAÇÃO AO AR LIVRE

HUILA: PROVINCIA SEM DEFECAÇÃO AO AR LIVRE República de Angola Governo da Província da Huíla HUILA: PROVINCIA SEM DEFECAÇÃO AO AR LIVRE PLANO DE ACÇÃO Lubango 2008 Índice 1 Contexto Historico... 3 2 Resumo... 5 3 Lógica de intervenção... 6 3.1

Leia mais

Rui P. Pereira Chefe de Divisão da Direcção Geral das Actividades Económicas do Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento

Rui P. Pereira Chefe de Divisão da Direcção Geral das Actividades Económicas do Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento A N o v a R e a l i d a d e d a P r e s e n ç a C h i n e s a e m A n g o l a e s u a s I m p l i c a ç õ e s p a r a P o r t u g a l : O S e c t o r d a C o n s t r u ç ã o C i v i l e O b r a s P ú b

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A INTEGRAÇÃO DE PESSOAS SEM-ABRIGO PREVENÇÃO, INTERVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A INTEGRAÇÃO DE PESSOAS SEM-ABRIGO PREVENÇÃO, INTERVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A INTEGRAÇÃO DE PESSOAS SEM-ABRIGO PREVENÇÃO, INTERVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO 2009-2015 1 ÍNDICE PREÂMBULO...3 1- INTRODUÇÃO...6 2. IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA...8 3 APRESENTAÇÃO DA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Programa do XVII Governo Constitucional 2 Índice INTRODUÇÃO... 6 CAPÍTULO I UMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO PARA A PRÓXIMA DÉCADA... 9 I. VOLTAR A ACREDITAR... 9 1. Uma

Leia mais

Guia AGENDA 21 Local

Guia AGENDA 21 Local MANUAL Guia AGENDA 21 Local Um desafio para todos GUIA AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO PARA TODOS Manual Novembro de 2007 Título: Guia Agenda 21 Local Um desafio para todos Autoria: Equipa da TTerra Auditoria,

Leia mais

Segurança Social: Um novo consenso

Segurança Social: Um novo consenso Segurança Social: Um novo consenso DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO DE PORTUGAL 1 2 A edição original desta obra foi publicada pelo Bureau Internacional do Trabalho

Leia mais

Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS

Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS F I C H A? T É C N I C A Título A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS Autor João Bilhim Editor SPI Sociedade Portuguesa de

Leia mais

AGENDA PARA ACÇÃO DE ACRA

AGENDA PARA ACÇÃO DE ACRA AGENDA PARA ACÇÃO DE ACRA Ministros de países em desenvolvimento e dadores responsáveis pela promoção do desenvolvimento e dirigentes de instituições multilaterais e bilaterais, endossaram a seguinte declaração

Leia mais

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, DIRECÇÃO DE PLANIFICAÇÃO MINERVA CENTRAL 1500 EXEMPLARES PROGRAMA

Leia mais

Carta Europeia Revista da participação dos jovens na vida local e regional. Congresso de poderes Locais e Regionais da Europa

Carta Europeia Revista da participação dos jovens na vida local e regional. Congresso de poderes Locais e Regionais da Europa Carta Europeia Revista da participação dos jovens na vida local e regional Congresso de poderes Locais e Regionais da Europa Estrasburgo, 2003 Carta Europeia Revista da participação dos jovens na vida

Leia mais

Moçambique: aprender a caminhar com uma bengala emprestada? Ligações entre descentralização e alívio à pobreza.

Moçambique: aprender a caminhar com uma bengala emprestada? Ligações entre descentralização e alívio à pobreza. Moçambique: aprender a caminhar com uma bengala emprestada? Ligações entre descentralização e alívio à pobreza. Iina Soiri Com o apoio financeiro do Governo da Finlândia e da Comissão Europeia. Dezembro

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO E ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO CURRICULAR DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO E ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO Projecto de Desenvolvimento do Currículo do 3º Ciclo da Educação Básica em Timor-Leste (CEB3-TL) [Agreement UNICEF/Universidade do Minho SSA/IDSM/2009/00000315-0] PLANO CURRICULAR DO 3º CICLO DO ENSINO

Leia mais

PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR

PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR PARA Angola ANGOLA A crescer CRESCER mais MAIS e A E distribuir DISTRIBUIR melhor MELHOR PROGRAMA DE GOVERNO DO MPLA PARA 2012-2017 Friday, April 20, 12 ENERGIA

Leia mais

A Cooperação entre as Bibliotecas do Ensino Superior em Portugal: passado, presente e perspectiva futura

A Cooperação entre as Bibliotecas do Ensino Superior em Portugal: passado, presente e perspectiva futura A Cooperação entre as Bibliotecas do Ensino Superior em Portugal: passado, presente e perspectiva futura Nota Inicial As bibliotecas são as melhores fontes de organização, difusão e acesso ao conhecimento.

Leia mais

Declaração da OIT. Documentos fundamentais da OIT. Gabinete para a Cooperação Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal

Declaração da OIT. Documentos fundamentais da OIT. Gabinete para a Cooperação Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Organização Internacional do Trabalho 2007 Documentos fundamentais da OIT Constituição da Organização Internacional do Trabalho Declaração de Filadélfia Declaração da OIT relativa aos Princípios e Direitos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 310/2003, de 10 de Dezembro (que altera o Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP

Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP 1 Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP Diagnóstico de Base Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP Diagnóstico de Base Junho

Leia mais

1988-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 102 4-5-1998 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

1988-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 102 4-5-1998 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1988-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 102 4-5-1998 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n. o 115-A/98 de 4 de Maio A autonomia das escolas e a descentralização constituem aspectos fundamentais de uma

Leia mais

RECUPERAR A CREDIBILIDADE E DESENVOLVER PORTUGAL PROGRAMA ELEITORAL DO PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 2011

RECUPERAR A CREDIBILIDADE E DESENVOLVER PORTUGAL PROGRAMA ELEITORAL DO PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 2011 RECUPERAR A CREDIBILIDADE E DESENVOLVER PORTUGAL PROGRAMA ELEITORAL DO PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 2011 1 PROGRAMA ELEITORAL Preâmbulo PILAR 1 PILAR CÍVICO E INSTITUCIONAL O Desafio

Leia mais

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Parecer de Iniciativa (Aprovado no Plenário de 19 de Novembro de 2008) Relatora: Conselheira Isabel Guerra Lisboa 2008 Índice Nota Prévia........

Leia mais

Guia das ONGD 2014 [1]

Guia das ONGD 2014 [1] Guia das ONGD 2014 [1] Título: Guia das ONGD - 2014 Uma Edição: Plataforma Portuguesa das ONGD Rua Aprígio Mafra nº17, 3º dto, 1700-051 Lisboa Coordenação Editorial: Plataforma Portuguesa das ONGD Direcção

Leia mais

AUTARQUIAS EM ANGOLA: QUAL O PROBLEMA DO GRADUALISMO? Introdução: Teorizando o gradualismo no contexto da descentralização

AUTARQUIAS EM ANGOLA: QUAL O PROBLEMA DO GRADUALISMO? Introdução: Teorizando o gradualismo no contexto da descentralização AUTARQUIAS EM ANGOLA: QUAL O PROBLEMA DO GRADUALISMO? Aslak Orre, Chr. Michelsen Institute Introdução: Teorizando o gradualismo no contexto da descentralização Na sequência das eleições gerais de 2012,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 75 17 de abril de 2013 2211 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 51/2013 de 17 de abril O Decreto-Lei n.º 213/2009, de 4 de setembro, instituiu, sob proposta

Leia mais

A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados.

A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados. AGRADECIMENTOS A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados. Gostaríamos de agradecer ao Dr. Jorge Cortez por nos ter recebido

Leia mais

PARECER DE INICIATIVA

PARECER DE INICIATIVA PARECER DE INICIATIVA SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS, SOCIAIS E ORGANIZACIONAIS DECORRENTES DO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO (aprovado em Plenário a 13/03/2013) Relator: Conselheiro Manuel Lemos Março

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH)

CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH) CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH) Ciências Sociais e Humanidades: mais excelência, maior impacte Internacionalização, pluralismo, pluridisciplinaridade, avaliação, disseminação

Leia mais

Estratégia Nacional. Para a Integração das Comunidades Ciganas 2013-2020

Estratégia Nacional. Para a Integração das Comunidades Ciganas 2013-2020 Estratégia Nacional Para a Integração das Comunidades Ciganas 2013-2020 Resolução do Conselho de Ministros 03 Preâmbulo 09 1 - Enquadramento 11 1.1 Princípios orientadores 13 1.2 Orientações europeias

Leia mais

Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida

Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 30.10.2000 SEC(2000) 1832 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida 1 Memorando sobre Aprendizagem ao Longo

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA PROGRESSOS E DESENVOLVIMENTOS 2005 2010 European Agency for Development in Special Needs Education

Leia mais

Os sistemas de qualificação e do seu impacto na Aprendizagem ao Longo da Vida

Os sistemas de qualificação e do seu impacto na Aprendizagem ao Longo da Vida DIRECTION DE L'ÉDUCATION DIRECTORATE FOR EDUCATION Os sistemas de qualificação e do seu impacto na Aprendizagem ao Longo da Vida Relatório de Base de Portugal Junho de 2003 The views expressed in the document

Leia mais