Relatório de pesquisa. Projeto corrupção, democracia e interesse público

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de pesquisa. Projeto corrupção, democracia e interesse público"

Transcrição

1 Universidade Federal de Minas Gerais Relatório de pesquisa Projeto corrupção, democracia e interesse público Apoio: Presidência da República Controladoria Geral da União Escritório das Nações Unidas Sobre Drogas e Crime

2 Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Reitor: Clélio Campolina Diniz Vice-Reitora: Rocksane de Carvalho Norton Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Diretor: Jorge Alexandre Barbosa Neves Vice-Diretor: Mauro Lúcio Leitão Conde Centro de Referência do Interesse Público Coordenação: Leonardo Avritzer Docentes pesquisadores: Newton Bignotto Juarez Guimarães Fernando Filgueiras Heloísa Starling Projeto Corrupção, democracia e interesse público Coordenação: Fernando Filgueiras Equipe: Pesquisadores: Marjorie Corrêa Marona Bolsistas de iniciação científica: Ana Carolina de Souza Ana Maria Alemão Montandon Bárbara Magalhães de Aguiar Oliveira Ingrid Lamounier Ivna Mascarenhas Abreu Sheila Cristina Gomes dos Reis Apoio técnico: Leice Maria Garcia Controladoria Geral da União Pesquisa de campo: Instituto Olhar Pesquisa e Informação Estratégica

3 Sumário Agradecimentos Introdução Parte I Os controles públicos da corrupção no Brasil Parte II Metodologia da pesquisa Parte III Os servidores públicos federais e o controle da corrupção Parte IV Os conselheiros nacionais de políticas públicas e o controle da corrupção Conclusões e recomendações Anexo I Questionário da pesquisa com servidores públicos Anexo II Questionário da pesquisa com conselheiros nacionais de políticas públicas.. 193

4 Lista de quadros e tabelas Parte I Quadro 1. Os tipos de controle da corrupção Parte II Tabela 2.1. Universos e amostragens da pesquisa Tabela 2.2. Distribuição dos servidores de acordo com o estado da federação Tabela 2.3. Distribuição das amostras previstas e realizadas para cada estado da federação e seus respectivos fatores de ponderação (pesos) Tabela 2.4. Distribuição dos servidores por função Tabela 2.5. Distribuição dos servidores por cargos Tabela 2.6. Quantitativo de servidores por ramo da administração Tabela 2.7. Servidores por região Tabela 2.8. Servidores por gênero Tabela 2.9. Servidores por grupo etário Tabela Servidores por escolaridade Tabela Servidores por tempo de atuação no Serviço Público Tabela Servidores por forma de ingresso no Serviço Público Tabela Servidores por ministério ou órgão de exercício Tabela Quantitativo de Conselhos Nacionais de Políticas Públicas Tabela Amostragem dos conselheiros nacionais de políticas públicas Tabela Conselheiros por tipo de representação Tabela Conselheiros por escolaridade Tabela Conselheiros por estado da Federação Tabela Conselheiros por renda familiar... 50

5 Parte III Tabela 3.1. O interesse da maioria das pessoas significa interesse público? Tabela 3.2. O interesse da maioria das pessoas significa interesse público x ramo da administração (%) Tabela 3.3. O interesse de todos significa interesse público? Tabela 3.4. O interesse de todos significa interesse público? X ramo da administração (%) Tabela 3.5. O interesse público corresponde ao interesse do Estado ou ao interesse da sociedade? Tabela 3.6. O interesse público corresponde ao interesse do Estado ou ao interesse da sociedade? X ramo da administração (%) Tabela 3.7. Opinião sobre o envolvimento com corrupção de altos cargos do governo. 60 Tabela 3.8. Opinião sobre o envolvimento com corrupção de altos cargos do governo x ramo da administração (%) Tabela 3.9. Percepção sobre a corrupção existente nas situações apresentadas (médias) Tabela Percepção dos servidores sobre a presença da corrupção em ambientes institucionais e sociais (médias) Tabela Avaliação da qualificação do servidor para o desempenho de suas funções Tabela Avaliação da qualificação do servidor para o desempenho de suas funções x ramo da administração (%) Tabela Avaliação do plano de carreira em relação ao nível de exigência técnica ou responsabilidade funcional Tabela Avaliação do plano de carreira em relação ao nível de exigência técnica ou responsabilidade funcional x ramo da administração (%) Tabela Percepção sobre o nível de concordância com as expressões (médias) Tabela Recebeu alguma formação sobre ética no serviço público? Tabela Recebeu alguma formação sobre ética no serviço público? X ramo da administração (%) Tabela Recebeu alguma formação sobre as leis gerais e específicas que regulam o serviço público? Tabela Recebeu alguma formação sobre as leis gerais e específicas que regulam o serviço público? X ramo da administração (%) Tabela Considera que as normas da administração pública são igualmente aplicadas por todos os servidores, no cotidiano de seu órgão?... 79

6 Tabela Considera que as normas da administração pública são igualmente aplicadas por todos os servidores, no cotidiano de seu órgão? X ramo da administração (%) Tabela No exercício de sua função, já foi vítima de pressão de alguém? Tabela No exercício de sua função, já foi vítima de pressão de alguém? X ramo da administração (%) Tabela Por parte de quem sofreu pressão? Tabela No exercício de sua função, já foi vítima de tentativa de suborno? Tabela No exercício de sua função, já foi vítima de tentativa de suborno? X ramo da administração (%) Tabela A tentativa de suborno em seu órgão é? Tabela A cobrança de propina em seu órgão é? Tabela Percepção dos servidores sobre a presença da corrupção em procedimentos administrativos (médias) Tabela Percepção sobre a importância de práticas administrativas para o controle da corrupção (médias) Tabela Fatores principais que contribuem para a corrupção Tabela Percepção sobre a adequação dos controles internos da administração pública federal Tabela Percepção sobre a adequação dos controles internos da administração pública federal x ramo da administração (%) Tabela Percepção sobre a adequação do controle externo exercido pelo TCU Tabela Percepção sobre a adequação do controle externo exercido pelo TCU x ramo da administração (%) Tabela Percepção sobre medidas para diminuir a incidência de corrupção na administração pública (médias) Tabela Já detectou, pessoalmente, suspeita de corrupção em seu órgão? Tabela Já detectou, pessoalmente, suspeita de corrupção em seu órgão x ramo da administração (%) Tabela Denunciou a suspeita de corrupção? Tabela Por que motivo não fez a denúncia de corrupção ou ilícito? Tabela Percepção sobre o valor do órgão ou atividade para a diminuição da corrupção (médias) Tabela Classificação dos trabalhos de auditoria de contas realizados pela CGU. 104 Tabela Classificação dos trabalhos de auditorias de contas realizados pela CGU x ramo da administração (%)

7 Tabela Classificação das recomendações expedidas pela CGU Tabela Classificação das recomendações expedidas pela CGU x ramo da administração (%) Tabela Classificação da avaliação de programas governamentais realizada pela CGU Tabela Classificação da avaliação de programas governamentais realizada pela CGU x ramo da administração (%) Parte IV Tabela 4.1. O problema da corrupção no Brasil se encontra Tabela 4.2. O interesse da maioria significa interesse público? Tabela 4.3. O interesse da maioria significa interesse público x tipo de representação (%) Tabela 4.4. O interesse de todos significa interesse público? Tabela 4.5. O interesse de todos significa interesse público x tipo de representação (%) Tabela 4.6. O interesse público corresponde Tabela 4.7. O interesse público corresponde ao interesse do Estado ou ao interesse da sociedade x tipo de representação (%) Tabela 4.8. Opinião sobre o envolvimento de pessoas que ocupam cargos altos no governo com o desvio de verbas públicas Tabela 4.9. Opinião sobre pessoas que ocupam cargos altos no governo com o desvio de verbas públicas x tipo de representação (%) Tabela A mídia está atenta ao problema da corrupção na política brasileira? Tabela A mídia é parcial ou imparcial ao cobrir os escândalos da corrupção? Tabela Percepção sobre a corrupção no Brasil nos últimos 5 anos Tabela Percepção sobre a corrupção no Brasil nos últimos 5 anos x tipo de representação (%) Tabela Percepção dos conselheiros sobre a presença da corrupção em ambientes institucionais e sociais (médias) Tabela Principais temas abordados nas deliberações dos conselhos Tabela Principais temas abordados nas deliberações dos conselhos x tipo de representação (%) Tabela A atuação dos conselhos ajuda a coibir a corrupção?

8 Tabela A atuação dos conselhos ajuda a combater a corrupção x tipo de representação (%) Tabela Freqüência com que o conselho detecta, em suas deliberações, a Corrupção Tabela Freqüência com que o conselho detecta a corrupção, em suas deliberações x tipo de representação (%) Tabela Ações do conselho diante de suspeitas de corrupção, que surjam em suas deliberações Tabela Ações do conselho diante de suspeitas de corrupção x tipo de representação (%) Tabela Vitimização dos conselheiros por tentativa de suborno para favorecer alguém, em deliberações dos conselhos Tabela Vitimização dos conselheiros por tentativa de suborno para favorecer alguém, em deliberações dos conselhos x tipo de representação (%) Tabela Freqüência de tentativa de suborno no âmbito das deliberações dos Conselhos Tabela Freqüência de tentativa de suborno no âmbito das deliberações dos conselhos x tipo de representação (%) Tabela Presença do jogo de influência para estabelecer as decisões ou evitar o controle sobre políticas Tabela Presença do jogo de influência para estabelecer as decisões ou evitar o controle sobre políticas x tipo de representação (%) Tabela O conselho considera o risco de corrupção quando regras e procedimentos são estruturados? Tabela Existência da preocupação com o risco de corrupção x tipo de representação (%) Tabela Ações do conselho diante de denúncias de corrupção em outra área de políticas públicas Tabela Ações do conselho diante denúncias de corrupção em outra área de políticas públicas x tipo de representação (%) Tabela Percepção sobre a atuação dos conselhos nacionais de políticas públicas no controle da corrupção Tabela Fatores mais importantes para tornar a atuação dos conselhos mais efetiva no controle da corrupção Tabela Fatores mais importantes para tornar a atuação dos conselhos mais efetiva no controle da corrupção x tipo de representação (%) Tabela Áreas em que a corrupção se faz mais presente Tabela Fatores principais que contribuem para a corrupção Tabela Ações para melhorar o controle da corrupção (médias)

9 Tabela Atuação do Governo Federal no controle da corrupção Tabela Atuação do Governo Federal no controle da corrupção x tipo de representação (%) Tabela Avaliação da atuação da Polícia Federal no controle da corrupção Tabela Avaliação da atuação da Polícia Federal no controle da corrupção x tipo de representação (%) Tabela Avaliação da atuação da Controladoria Geral da União no controle da Corrupção Tabela Avaliação da atuação da Controladoria Geral da União x tipo de representação (%) Tabela Avaliação da atuação do Ministério Público no controle da corrupção Tabela Avaliação da atuação do Ministério Público x tipo de representação (%) Tabela Avaliação da atuação do Poder Legislativo no controle da corrupção Tabela Avaliação da atuação do Poder Legislativo x tipo de representação (%) Tabela Avaliação da atuação do Tribunal de Contas da União no controle da corrupção Tabela Avaliação da atuação do Tribunal de Contas da União x tipo de representação (%) Tabela Avaliação da atuação do Tribunal de Contas dos estados no controle da corrupção Tabela Avaliação da atuação do Tribunal de Contas dos estados x tipo de representação (%) Tabela As comissões parlamentares de inquérito/cpi s representam um instrumento eficaz de controle da corrupção no Brasil? Tabela Comparativo da avaliação dos conselheiros sobre as instituições de controle (% válido)

10 Lista de gráficos Parte II Gráfico 2.1. Amostra de servidores por ramo da administração (%) Gráfico 2.2. Servidores por região (%) Gráfico 2.3. Servidores por gênero (%) Gráfico 2.4. Servidores por grupo etário (%) Gráfico 2.5. Servidores por escolaridade (%) Gráfico 2.6. Servidores por tempo de atuação no Serviço Público (%) Gráfico 2.7. Servidores por forma de ingresso no Serviço Público (%) Gráfico 2.8. Servidores por ministério ou órgão de exercício (%) Gráfico 2.9. Conselheiros por tipo de representação (%) Gráfico Conselheiros por escolaridade (%) Gráfico Conselheiros por estado da federação (%) Gráfico Conselheiros por renda familiar (%) Parte III Gráfico 3.1. O interesse da maioria significa interesse público? (%) Gráfico 3.2. O interesse da maioria significa interesse público x ramo da administração (%) Gráfico 3.3. O interesse de todos significa interesse público? (%) Gráfico 3.4. O interesse de todos significa interesse público? X ramo da administração (%) Gráfico 3.5. O interesse público corresponde ao interesse do Estado ou ao interesse da sociedade? (%) Gráfico 3.6. O interesse público corresponde ao interesse do Estado ou ao interesse da sociedade? X ramo da administração (%) Gráfico 3.7. Opinião sobre o envolvimento com corrupção de altos cargos do governo (%) Gráfico 3.8. Opinião sobre o envolvimento com corrupção de altos cargos do governo x ramo da administração (%)... 61

11 Gráfico 3.9. Percepção sobre a corrupção existente nas situações apresentadas (médias) Gráfico Percepção dos servidores sobre a presença da corrupção em ambientes institucionais e sociais (médias) Gráfico Avaliação da qualificação do servidor para o desempenho de suas funções (%) Gráfico Avaliação da qualificação do servidor para o desempenho de suas funções x ramo da administração (%) Gráfico Avaliação do plano de carreira em relação ao nível de exigência técnica ou responsabilidade funcional Gráfico Avaliação do plano de carreira em relação ao nível de exigência técnica ou responsabilidade funcional x ramo da administração (%) Gráfico Percepção sobre o nível de concordância com as expressões (médias). 74 Gráfico Recebeu alguma formação sobre ética no serviço público? (%) Gráfico Recebeu alguma formação sobre ética no serviço público? X ramo da administração (%) Gráfico Recebeu alguma formação sobre as leis gerais e específicas que regulam o serviço público? Gráfico Recebeu alguma formação sobre as leis gerais e específicas que regulam o serviço público? X ramo da administração (%) Gráfico Considera que as normas da administração pública são igualmente aplicadas por todos os servidores, no cotidiano de seu órgão? Gráfico Considera que as normas da administração pública são igualmente aplicadas por todos os servidores, no cotidiano de seu órgão? X ramo da administração (%) Gráfico No exercício de sua função, já foi vítima de pressão de alguém? Gráfico No exercício de sua função, já foi vítima de pressão de alguém? X ramo da administração (%) Gráfico Por parte de quem sofreu pressão? (%) Gráfico No exercício de sua função, já foi vítima de tentativa de suborno? Gráfico No exercício de sua função, já foi vítima de tentativa de suborno? X ramo da administração (%) Gráfico A tentativa de suborno em seu órgão é? Gráfico A cobrança de propina em seu órgão é? Gráfico Percepção dos servidores sobre a presença da corrupção em procedimentos administrativos (médias)... 88

12 Gráfico Percepção sobre a importância de práticas administrativas para o controle da corrupção (médias) Gráfico Fatores principais que contribuem para a corrupção Gráfico Percepção sobre a adequação dos controles internos da administração pública federal Gráfico Percepção sobre a adequação dos controles internos da administração pública federal x ramo da administração (%) Gráfico Percepção sobre a adequação do controle externo exercido pelo TCU Gráfico Percepção sobre a adequação do controle externo exercido pelo TCU x ramo da administração (%) Gráfico Percepção sobre medidas para diminuir a incidência de corrupção na administração pública (médias) Gráfico Já detectou, pessoalmente, suspeita de corrupção em seu órgão? Gráfico Já detectou, pessoalmente, suspeita de corrupção em seu órgão x ramo da administração (%) Gráfico Denunciou a suspeita de corrupção? Gráfico Por que motivo não fez a denúncia de corrupção ou ilícito? Gráfico Percepção sobre o valor do órgão ou atividade para a diminuição da corrupção (médias) Gráfico Classificação dos trabalhos de auditoria de contas realizados pela CGU 104 Gráfico Classificação dos trabalhos de auditorias de contas realizados pela CGU x ramo da administração (%) Gráfico Classificação das recomendações expedidas pela CGU Gráfico Classificação das recomendações expedidas pela CGU x ramo da administração (%) Gráfico Classificação da avaliação de programas governamentais realizada pela CGU Gráfico Classificação da avaliação de programas governamentais realizada pela CGU x ramo da administração (%) Parte IV Gráfico 4.1. O problema da corrupção no Brasil se encontra (%) Gráfico 4.2. O interesse da maioria significa interesse público? (%) Gráfico 4.3. O interesse da maioria significa interesse público x tipo de representação (%)

13 Gráfico 4.4. O interesse de todos significa interesse público? (%) Gráfico 4.5. O interesse de todos significa interesse público x tipo de representação (%) Gráfico 4.6. O interesse público corresponde (%) Gráfico 4.7. O interesse público corresponde ao interesse do Estado ou ao interesse da sociedade x tipo de representação (%) Gráfico 4.8. Opinião sobre o envolvimento de pessoas que ocupam cargos altos no governo com o desvio de verbas públicas (%) Gráfico 4.9. Opinião sobre pessoas que ocupam cargos altos no governo com o desvio de verbas públicas x tipo de representação (%) Gráfico A mídia está atenta ao problema da corrupção na política brasileira? (%) 123 Gráfico A mídia é parcial ou imparcial ao cobrir os escândalos da corrupção? (%) Gráfico Percepção sobre a corrupção no Brasil nos últimos 5 anos (%) Gráfico Percepção sobre a corrupção no Brasil nos últimos 5 anos x tipo de representação (%) Gráfico Percepção dos conselheiros sobre a presença da corrupção em ambientes institucionais e sociais (médias) Gráfico Principais temas abordados nas deliberações dos conselhos (%) Gráfico Principais temas abordados nas deliberações dos conselhos x tipo de representação (%) Gráfico A atuação dos conselhos ajuda a coibir a corrupção? (%) Gráfico A atuação dos conselhos ajuda a combater a corrupção x tipo de representação (%) Gráfico Freqüência com que o conselho detecta, em suas deliberações, a corrupção (%) Gráfico Freqüência com que o conselho detecta a corrupção, em suas deliberações x tipo de representação (%) Gráfico Ações do conselho diante de suspeitas de corrupção, que surjam em suas deliberações (%) Gráfico Ações do conselho diante de suspeitas de corrupção x tipo de representação (%) Gráfico Vitimização dos conselheiros por tentativa de suborno para favorecer alguém, em deliberações dos conselhos (%) Gráfico Vitimização dos conselheiros por tentativa de suborno para favorecer alguém, em deliberações dos conselhos x tipo de representação (%) Gráfico Freqüência de tentativa de suborno no âmbito das deliberações dos conselhos (%)

14 Gráfico Freqüência de tentativa de suborno no âmbito das deliberações dos conselhos x tipo de representação (%) Gráfico Presença do jogo de influência para estabelecer as decisões ou evitar o controle sobre políticas (%) Gráfico Presença do jogo de influência para estabelecer as decisões ou evitar o controle sobre políticas x tipo de representação (%) Gráfico O conselho considera o risco de corrupção quando regras e procedimentos de controles são estruturados (%) Gráfico Existência da preocupação com o risco de corrupção x tipo de representação (%) Gráfico Ações do conselho diante de denúncias de corrupção em outra área de políticas públicas (%) Gráfico Ações do conselho diante denúncias de corrupção em outra área de políticas públicas x tipo de representação (%) Gráfico Percepção sobre a atuação dos conselhos nacionais de políticas públicas no controle da corrupção Gráfico Fatores mais importantes para tornar a atuação dos conselhos mais efetiva no controle da corrupção (%) Gráfico Fatores mais importantes para tornar a atuação dos conselhos mais efetiva no controle da corrupção x tipo de representação (%) Gráfico Áreas em que a corrupção se faz mais presente Gráfico Fatores principais que contribuem para a corrupção (%) Gráfico Ações para melhorar o controle da corrupção (médias) Gráfico Atuação do Governo Federal no controle da corrupção (%) Gráfico Atuação do Governo Federal no controle da corrupção x tipo de representação (%) Gráfico Avaliação da atuação da Polícia Federal no controle da corrupção Gráfico Avaliação da atuação da Polícia Federal no controle da corrupção x tipo de representação (%) Gráfico Avaliação da atuação da Controladoria Geral da União no controle da corrupção Gráfico Avaliação da atuação da Controladoria Geral da União x tipo de representação (%) Gráfico Avaliação da atuação do Ministério Público no controle da corrupção Gráfico Avaliação da atuação do Ministério Público x tipo de representação (%) 165 Gráfico Avaliação da atuação do Poder Legislativo no controle da corrupção Gráfico Avaliação da atuação do Poder Legislativo x tipo de representação (%). 167

15 Gráfico Avaliação da atuação do Tribunal de Contas da União no controle da corrupção Gráfico Avaliação da atuação do Tribunal de Contas da União x tipo de representação (%) Gráfico Avaliação da atuação do Tribunal de Contas dos Estados no controle da corrupção Gráfico Avaliação da atuação do Tribunal de Contas dos Estados x tipo de representação (%) Gráfico As comissões parlamentares de inquérito/cpi s representam um instrumento eficaz de controle da corrupção no Brasil? Gráfico Comparativo da avaliação dos conselheiros sobre as instituições de controle (% válido) Gráfico Comparativo da avaliação da atuação das instituições de controle (% de respostas ótimas)

16 Agradecimentos Esta pesquisa não teria sido possível sem o apoio logístico e financeiro de diferentes instituições. Em primeiro lugar, gostaríamos de agradecer à Controladoria Geral da União (CGU) o apoio logístico para a realização do projeto e ao Escritório das Nações Unidas Sobre Drogas e Crime (UNODC) o apoio financeiro. Gostaríamos de agradecer também o apoio oferecido pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), pela Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP) e pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). Por fim, agradecemos à Direção da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) da UFMG, que disponibilizou diferentes servidores para administrar o projeto.

17 15 Introdução Esta pesquisa versa sobre o tema da corrupção e a percepção de diferentes atores sociais e políticos envolvidos na questão do controle da corrupção na dimensão do Estado brasileiro. Coletou-se uma série de dados a respeito da percepção de servidores públicos federais e conselheiros nacionais de políticas públicas sobre o tema da corrupção e seus controles na dimensão do controle burocrático e do controle social. O objetivo da pesquisa foi averiguar o alcance dos mecanismos de controle da corrupção na dimensão do Estado brasileiro, tendo em vista a percepção e as representações coletivas de agentes envolvidos e subordinados a esses controles. Dessa forma, procuramos compreender o desempenho dos controles públicos da corrupção, identificar eventuais pontos de vulnerabilidades e pontos estratégicos para o aprimoramento dos instrumentos de controle no Estado brasileiro. Com este objetivo em vista, partimos da premissa que a melhor forma de inquirir estas questões é interpelar diretamente os agentes envolvidos e subordinados aos controles públicos da corrupção, por meio de pesquisa de survey. Este relatório apresenta os resultados obtidos com pesquisas de survey junto aos servidores públicos civis federais, da administração direta, autárquica e fundacional e junto aos conselheiros que representam o governo e a sociedade civil nos conselhos nacionais de políticas públicas. A escolha desses atores foi motivada pelo fato de eles estarem envolvidos em uma categorização maior da questão do controle da corrupção na dimensão do Estado brasileiro, tendo em vista um outro marco teórico que acreditamos dar conta do problema da corrupção no Brasil.

18 16 Parte I Os controles públicos da corrupção no Brasil

19 17 Desde a democratização, o Brasil tem experimentado um processo contraditório no que diz respeito à corrupção. De um lado, o Estado brasileiro tem aprimorado os mecanismos de controle da corrupção, com a criação de instituições responsáveis por processos de controladoria, investigação e sanção. Exemplos desse aprimoramento institucional estão na maior autonomia do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Ministério Público, na criação da Controladoria Geral da União (CGU), no aprimoramento da legislação ordinária de controle e no fomento da transparência pública. De outro lado, apesar do aprimoramento institucional construído desde 1988, o Brasil tem experimentado uma profusão de escândalos de corrupção, que passam por diferentes maneiras de malversação de recursos públicos e relações de poder, que afetam os diferentes poderes constituídos e pautam negativamente a opinião pública brasileira. Esta profusão de escândalos de corrupção e o modo como este tema é tratado pela mídia criam uma sensação comum de que o Estado brasileiro é o espaço dos vícios e de que a corrupção é comum na dimensão do mundo público brasileiro (Filgueiras, 2009). Este processo contraditório não tem uma resposta eficaz. Pode-se dizer que, apesar das inovações institucionais proporcionadas pelo Estado brasileiro, a corrupção tem aumentado por conta de uma degeneração da democracia. Ou, por outro lado, a profusão dos escândalos de corrupção provoca esta sensação do seu aumento por conta de uma atuação mais incisiva das instituições de controle, que desvelam os diferentes esquemas de malversação de recursos públicos. Acreditamos que se a corrupção no Brasil for tratada na dimensão dos escândalos, pouco conseguiremos avançar no que diz respeito à constituição de um sistema de integridade pública mais eficaz. É necessário abordar o problema da corrupção na dimensão de seus controles públicos, partindo da premissa que este é um problema de Estado, que atravessa os diferentes poderes constituídos e que exige uma resposta estratégica por parte das instituições e da sociedade brasileira em seu conjunto (Avritzer e Filgueiras, 2010). De uma forma geral, a questão do controle da corrupção no Estado brasileiro tem sido tratada na dimensão administrativa, considerando a diferenciação entre controle interno e controle externo. Do ponto de vista administrativo, esta diferenciação parte da questão do controle na dimensão burocrática, conforme uma lógica organizacional interna

20 18 e externa dos órgãos públicos. No que diz respeito ao controle externo, ele é efetuado por uma entidade externa à administração, que exerce atividades de vigilância, correção e orientação (Gomes e Araújo, 2008). Por outro lado, no que tange ao controle interno, ele é o conjunto das práticas que a própria organização exerce sobre seus atos, sendo entendidas estas práticas como o conjunto de ações, métodos, procedimentos e rotinas que visam a preservar o patrimônio da organização e a averiguar a compatibilidade entre ações e princípios pactuados (Spinelli, 2008). Pode-se dizer que esta tipologia dos controles surgiu no contexto de desenvolvimento das modernas burocracias, de acordo com os preceitos racionais da administração pública, pautada por uma separação radical entre a política e o mundo dos interesses privados em relação à administração pública. Esta tipificação do controle parte da premissa que a burocracia deve ser controlada com o objetivo de evitar a ilegalidade praticada pelos agentes públicos. No âmbito do direito administrativo, o problema da ilegalidade constitui-se como o problema fundamental da questão do controle, com o intuito de evitar a arbitrariedade dos agentes públicos, tendo em vista os princípios da soberania do interesse público sobre o interesse privado e da indisponibilidade do interesse público. Esses princípios configuram o cerne do direito administrativo, mediante o qual se fundamenta a existência de uma administração do Estado de caráter público e moderno, os quais permitam a intervenção nos direitos individuais e uma medida para a ação do império da Administração Pública (Bandeira de Mello, 2003). O problema de tratar a corrupção na lógica puramente administrativa está em não perceber o fato de que a ela é um fenômeno polissêmico, que congrega aspectos que vão além da questão propriamente organizacional. A corrupção é um fenômeno de natureza política, porquanto não se refira apenas à questão das burocracias, mas ao Estado em seu conjunto. A corrupção está relacionada, então, a problemas de ordem política, econômica, social e cultural que definem seu caráter polissêmico e fluido, de acordo com o modo como é absorvida em práticas sociais e construções culturais mais amplas, as quais moldam a forma como a sociedade percebe e constrói relações de interesse público. A polissemia da corrupção significa a maneira de acordo com a qual não existe um único objeto ou prática que possa ser enquadrada em seus moldes jurídicos. A corrupção é um conjunto amplo de práticas, que ocorrem no âmbito do Estado e no mundo privado, cujo significado primordial é degenerar práticas de interesse público

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL Brasília, junho de 2009 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS A SRH/MP, órgão subordinado diretamente ao Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão,

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI PESSOA JURÍDICA E PESSOA FÍSICA MARÇO/2015 Brasília - DF A KUSER S/A APRESENTA LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CORRETORES DE IMÓVEIS, IMOBILIÁRIAS E DEMAIS

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Rosangela Peixoto Santa Rita. Maceió,, 05 de junho de 2008

Rosangela Peixoto Santa Rita. Maceió,, 05 de junho de 2008 A condição da criança a no espaço o penitenciário Rosangela Peixoto Santa Rita Maceió,, 05 de junho de 2008 Perfil Nacional Pesquisa 2006 Percentual de unidades femininas exclusivas e alas ou pavilhões

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br Mídia Impressa s ConJur Consultor Jurídico Apresentação 03 Brasil Brazil Justice Yearbook do Trabalho Federal Rio de Janeiro 04 05 06 07 08 ão Paulo 09 Especificações e calendário 10 Contato 11 www. ConJur

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA. Janeiro/2015

Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA. Janeiro/2015 Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA Janeiro/2015 OBJETIVOS Objetivo Principal: Esta estudo teve como objetivo principal verificar e quantificar a opinião pública brasileira quanto ao tema Segurança

Leia mais

Outubro de 2012. Proposta para:

Outubro de 2012. Proposta para: Outubro de 2012 - Proposta para: Desafios da Primeira Infância: Proposta na Agenda Municipal_2 _Argumento Existe consenso entre especialistas de que os primeiros anos de vida são um período crucial nas

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS Metodologia da Pesquisa O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: 1ª ETAPA PESQUISAS EXPLORATÓRIAS 2ª ETAPA PESQUISA QUANTITATIVA FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 DESK RESEARCH ENTREVISTAS

Leia mais

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA ISSN 2319-0205 Edição: 01/14 COMÉRCIO VAREJISTA PARAENSE EM JANEIRO DE 2014 O Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (IDESP), com base nas informações

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO 1 ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA Pronunciamento da deputada Alice Portugal (PcdoB/BA) na sessão da Câmara dos Deputados do dia 14 de dezembro de 2005, em protesto contra a transferência da Superintendência Regional do INSS/Nordeste de

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual

Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual Dezembro/2012 OBJETIVO ESTRATÉGICO

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008)

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) 1 INTRODUÇÃO 1.1Compete à Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel atuar com publicidade na adoção das medidas necessárias para

Leia mais

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais Termo de Cooperação Técnica celebrado entre as Procuradorias Gerais das Unidades Federais do Acre, Amazonas, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense.

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. Jefferson Ricardo do Amaral Melo 1 RESUMO A participação popular e a ação coletiva na gestão e

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores)

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores) 1 Sobre o Movimento O Movimento é uma ação de responsabilidade social digital; Visa a formação de usuários digitalmente corretos Cidadania Digital, através de uma campanha de conscientização direcionada

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

RELATÓRIO DAS AÇÕES DA COORDENADORIA DE AUDITORIA INTERNA DA CGM EM 2013 1

RELATÓRIO DAS AÇÕES DA COORDENADORIA DE AUDITORIA INTERNA DA CGM EM 2013 1 RELATÓRIO DAS AÇÕES DA COORDENADORIA DE AUDITORIA INTERNA DA CGM EM 2013 1 1 Relatório disponibilizado pela Controladoria Geral do Município de São Paulo. 65 INTRODUÇÃO Apesar de funcionar desde o dia

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Conselho Federal de Enfermagem SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Dos Novos Tempos Cofen à Força da Mudança: a evolução administrativa do Cofen. Manoel Carlos Neri da

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira

A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira Aldino Graef Brasília, 7 de julho de 2009 CONFERÊNCIA NACIONAL DE RECURSOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DO PODER EXECUTIVO

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização Política de Desenvolvimento Econômico Aula 2 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Aula Aspectos conceituais do desenvolvimento regional Mudanças no conceito de região Regionalização brasileira

Leia mais

SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social

SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social Mobilidade Urbana IPEA 24 de janeiro de 2011 Sumário 1. Introdução 2. Mobilidade e meios de transporte 3. Meios de transporte e questões de infraestrutura

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Erradicação do Trabalho Infantil Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Estrutura do MTE para o Combate ao Trabalho Infantil a Serviço da Rede de Proteção à Infância.

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE

MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DO SENADO FEDERAL MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE LIMITAÇÕES ORGANIZACIONAIS E POSSIBILIDADE

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais