Roteiro Previc de Licenciamento da Previdência Complementar do Servidor Público

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro Previc de Licenciamento da Previdência Complementar do Servidor Público"

Transcrição

1 Roteiro Previc de Licenciamento da Previdência Complementar do Servidor Público

2 2

3 Roteiro Previc de Licenciamento da Previdência Complementar do Servidor Público Brasília - DF Novembro/2014 3

4 Sumário 1 - Introdução A Previdência Complementar Fechada do Servidor Público A Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc A Educação Financeira e Previdenciária A Supervisão Baseada em Risco - SBR O Processo de Licenciamento Da Implementação do Sistema de Previdência Complementar Da Legislação Do Sistema de Previdência Complementar do Ente Federado Da Entidade de Previdência Complementar Da Criação e Funcionamento Da Organização da Entidade Das Disposições Gerais Da Educação Financeira e Previdenciária Do(s) Plano(s) de Benefícios Das Considerações Iniciais Das Condições de Inscrição e Manutenção do Participante Dos Benefícios Dos Benefícios Programados Dos Benefícios Não Programados Das Contribuições Dos Institutos Dos Recursos Garantidores

5 Dos Perfis de Investimento Das Disposições Especiais Do Controle e Fiscalização Das Disposições Finais e Transitórias Dos Documentos para o Licenciamento Previc Do Estatuto Do(s) Regulamento(s) do(s) Plano(s) de Benefício Do(s) Convênio(s) de Adesão Considerações Finais e Recomendações Legislação Correlata

6 1 - Introdução O Roteiro Previc de Licenciamento da Previdência Complementar do Servidor Público tem por objetivo esclarecer os servidores públicos, entes federados, dirigentes, participantes, assistidos, patrocinadores e demais interessados quanto à implementação do sistema de previdência complementar dos servidores públicos titulares de cargo efetivo da União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Roteiro oferece contribuições à elaboração e estruturação da legislação que trata do sistema de previdência complementar, bem como aos processos de licenciamento do estatuto da Entidade Fechada de Previdência Complementar - EFPC, dos convênios de adesão de patrocinadores e dos regulamentos dos planos de benefícios. Adicionalmente divulga, de forma simplificada, a previdência complementar fechada do servidor público e as melhores práticas aplicadas ao assunto, bem como as principais diretrizes e a estrutura de supervisão e fiscalização da previdência complementar fechada no Brasil. A Superintendência Nacional de Previdência Complementar Previc incentiva e recomenda aos usuários deste Roteiro a buscar maior compreensão e aprofundamento técnico sobre as matérias aqui tratadas, tanto na legislação quanto na bibliografia disponível. A utilização e a interpretação deste material são de inteira responsabilidade dos usuários. Os textos podem ser reproduzidos, integral ou parcialmente, sem alteração e sem fins comerciais. Este Roteiro está resguardado pela lei de direitos autorais. 2 - A Previdência Complementar Fechada do Servidor Público A Constituição Federal permite que o ente federado possa adotar para o pagamento dos benefícios do regime próprio dos servidores o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral, desde que implante sistema de previdência complementar para os respectivos servidores titulares de cargo efetivo e membros dos poderes. 6

7 O sistema de previdência complementar, operado por intermédio de Entidade Fechada de Previdência Complementar EFPC, gozará de autonomia administrativa, financeira e gerencial em relação ao ente federado na qualidade de patrocinador. A EFPC organizar-se-á sob a forma de fundação ou sociedade civil, sem fins lucrativos, tendo por objetivo a administração e a execução de planos de benefícios de natureza previdenciária. Os planos de benefícios administrados por estas EFPC deverão ser estruturados na modalidade de contribuição definida, nos quais os benefícios programados têm seus valores permanentemente ajustados em função do volume dos recursos acumulados decorrentes das contribuições do servidor público, do respectivo ente público, e da rentabilidade obtida. Os planos podem ter benefícios não programados, definidos em regulamento, sendo assegurados, pelo menos, os benefícios decorrentes dos eventos de invalidez e morte, com custeio específico para sua cobertura. Outros benefícios não programados poderão ser incluídos no regulamento. Ao servidor público que promova sua adesão a planos de benefícios no sistema de previdência complementar, na modalidade de contribuição definida, é facultada a opção pelos regimes de tributação progressivo ou regressivo, de acordo com a legislação vigente. 3 - A Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc A Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc é uma autarquia de natureza especial, dotada de autonomia administrativa e financeira e patrimônio próprio, vinculada ao Ministério da Previdência Social, com sede e foro no Distrito Federal e atuação em todo o território nacional. A Previc atua como entidade de fiscalização e de supervisão das atividades das EFPC e de execução das políticas para o regime de previdência complementar operado pelas EFPC, observadas as disposições constitucionais e legais aplicáveis. Integrante da estrutura de supervisão e fiscalização do Sistema Financeiro Nacional, a Previc 7

8 possui representação no Comitê de Regulação e Fiscalização dos Mercados Financeiro, de Capitais, de Seguros, de Previdência e Capitalização Coremec. O Coremec possui a finalidade de promover a coordenação e o aprimoramento da atuação das entidades da administração pública federal que regulam e fiscalizam as atividades relacionadas à captação pública da poupança popular. Além da Previc, integram o Coremec o Banco Central do Brasil - Bacen, a Comissão de Valores Mobiliários CVM e a Superintendência de Seguros Privados Susep. No âmbito do referido comitê, participa da instituição e da gestão da Estratégia Nacional de Educação Financeira Enef, cuja finalidade é promover a educação financeira e previdenciária no país. A Enef é um esforço do Governo Brasileiro que reconhece a educação financeira e previdenciária como ferramenta de inclusão social, de melhoria da vida do cidadão e de promoção da estabilidade, concorrência e eficiência do sistema financeiro do país. A Enef é conduzida pelos membros do Coremec Bacen, Previc, CVM e Susep. Além da educação financeira e previdenciária, a Supervisão Baseada em Risco SBR é uma das principais diretrizes do órgão supervisor e fiscalizador A Educação Financeira e Previdenciária Os Programas de Educação Financeira e Previdenciária decorrem da necessidade de compatibilização das atividades de previdência complementar com as políticas previdenciárias e de desenvolvimento sócio-econômico e busca assegurar aos participantes e assistidos o pleno acesso às informações sobre a gestão de seus planos de benefícios. Os Programas de Educação Financeira e Previdenciária devem contemplar três níveis de atuação: informação, formação e orientação. Os dados devem ser divulgados de modo claro e acessível, para que o participante ou o assistido tenha compreensão da situação econômica, financeira e patrimonial do seu plano de benefícios e a quantidade e a qualidade das informações recebidas devem ser suficientes para sua tomada consciente de decisão financeira e previdenciária. As ações e programas de educação financeira e previdenciária, na ênfase financeira, devem habilitar os indivíduos a promover as escolhas adequadas na gestão de suas finanças, colaborar 8

9 com a avaliação do impacto das decisões ecônomicas e financeiras individuais, aprimorar a compreensão sobre planejamento financeiro, entre outros. As ações e programas de educação financeira e previdenciária, na ênfase previdencial, devem fomentar a adesão aos planos de benefícios, ampliar o nível de cobertura da previdência complementar, estimular a cultura de poupança a longo prazo e a prevenção financeira ante o envelhecimento populacional, adequar o conhecimento, postura e ações dos membros estatutários dos fundos de pensão ao alto nível de responsabilidade exigida na gestão das entidades e dos planos de benefícios, entre outros. No âmbito do sistema de previdência complementar do servidor público, os programas de educação financeira e previdenciária devem ser destinados aos servidores públicos, dirigentes, empregados, áreas de pessoal e de recursos humanos dos órgãos do serviço público, patrocinadores, participantes e assistidos, com abordagens por meio da informação, da instrução e da orientação de temas gerais ou específicos para cada público. As atividades da Previc também são orientadas visando estimular os programas de educação financeira e previdenciária nas EFPC A Supervisão Baseada em Risco - SBR A análise e avaliação das adversidades e das oportunidades, ou seja, dos riscos e dos retornos, contribuem para a formação de uma visão ampla do regime de previdência complementar fechado e do ambiente em que este se insere, visando à estabilidade e à solidez do sistema. A SBR é a atividade do órgão fiscalizador, em todas as suas atribuições, de supervisionar de forma direta e indireta o regime de previdência complementar operado pelas EFPC quanto a sua exposição a riscos. A SBR verifica a exposição a riscos e os controles sobre eles exercidos, estimula a ação prudencial sobre as origens dos riscos e induz uma gestão proativa das EFPC. A figura a seguir ilustra como será a atuação da Previc no modelo de SBR, em função da probabilidade de ocorrência do risco e do impacto por ele causado. 9

10 No eixo horizontal da matriz, tem-se a probabilidade de ocorrência do evento, enquanto no eixo vertical, o possível impacto. Os eventos analisados correspondem aos riscos de governança, atuariais, de investimento, legais, operacionais, entre outros, que podem afetar a solvência atual e futura dos planos de benefícios. Neste escopo, o objetivo da SBR é estimular a gestão eficiente dos recursos no regime de previdência complementar fechado, identificando os maiores riscos e agindo proativamente de forma a minimizar o impacto negativo nos planos de benefícios e ampliar a proteção dos direitos e interesses dos participantes e assistidos O Processo de Licenciamento O licenciamento é a prévia e expressa autorização da Previc para o conjunto de regras que tornam viável o funcionamento dos planos de benefícios e das EFPC no Brasil. São submetidos ao licenciamento os instrumentos contratuais e os atos constitutivos das EFPC, como os convênios de adesão entre a entidade e seus patrocinadores, o estatuto da entidade, os regulamentos dos planos de benefícios e suas respectivas alterações, entre outros. O licenciamento constitui um dos pilares de atuação de fiscalização prévia da Previc e leva em consideração a conformidade às regras e também à SBR, por meio da avaliação dos riscos das operações submetidas à aprovação. 10

11 Os principais riscos identificados e avaliados referem-se a questões relativas à governança, aos investimentos, aos impactos atuariais e legais, além de aspectos operacionais que poderiam afetar a solvência atual e futura dos planos de benefícios. A parte legítima para encaminhar os pedidos de licenciamento é a EFPC ou, em casos específicos, como o de criação desta, o patrocinador proponente. É passível de penalidade o funcionamento de EFPC, de planos de benefícios e de suas alterações, entre outros, sem autorização prévia e expressa da Previc. 4 - Da Implementação do Sistema de Previdência Complementar O Regime de Previdência Complementar no Brasil está fundamentado na Constituição Federal, na Lei Complementar nº 109, de 2001, que dispõe sobre as regras gerais do regime de previdência complementar e na Lei Complementar nº 108, de 2001, que dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades públicas e suas respectivas EFPC. Os sistemas de previdência complementar de Estados, Distrito Federal e Municípios são fundamentados em leis próprias de competência dos respectivos entes federados, observada a Constituição Federal, bem como as leis e demais normativos federais relacionados com o assunto Da Legislação A lei que trata do sistema de previdência complementar do servidor público titular de cargo efetivo, de iniciativa do respectivo Poder Executivo do ente federado, não está submetida a licenciamento prévio da Previc. O ente federado poderá elaborar e estruturar a legislação referente ao sistema de previdência complementar do servidor público titular de cargo efetivo de acordo com suas intenções e especificidades, no entanto, deverá observar o ordenamento legal e normativo que rege o regime de previdência complementar, visando evitar disposições conflitantes. 11

12 A abordagem pela Previc deste tópico é voltada ao oferecimento de contribuição e visa subsidiar os entes federados na elaboração de suas respectivas legislações. Ressalta-se que as informações constantes neste tópico, além de oferecerem contribuições para elaboração da legislação, trazem esclarecimentos para a instituição da entidade, a elaboração do estatuto, do(s) plano(s) de benefícios e do(s) convênio(s) de adesão, entre outros Do Sistema de Previdência Complementar do Ente Federado O sistema de previdência complementar para os servidores públicos titulares de cargo efetivo do ente federado, suas autarquias e fundações decorre de lei de iniciativa do respectivo Poder Executivo, inclusive podendo estender o referido sistema para os membros do Poder Judiciário, Poder Legislativo, Ministério Público, Tribunal de Contas, observada a legislação vigente. Devem ser definidos, em detalhes, todos os servidores ou membros aos quais será destinado o referido sistema, respeitados os preceitos legais. Os conceitos básicos da previdência complementar fechada devem ser definidos, nos termos da lei, como o patrocinador, o participante, o assistido, entre outras conceituações que o ente federado julgar relevante para o entendimento de sua própria legislação. O Patrocinador é o ente federado, seus respectivos poderes, autarquias e fundações, em decorrência da aplicação da lei. O Participante é o servidor público titular de cargo efetivo do ente federado, inclusive o membro do Poder Judiciário, do Poder Legislativo, do Ministério Público e do Tribunal de Contas, que aderir aos planos de benefícios administrados pela EFPC. O Assistido é o participante ou o seu beneficiário em gozo de benefício de prestação continuada. Deve ser aplicado o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social às aposentadorias e pensões a serem concedidas pelo respectivo Regime Próprio de Pre- 12

13 vidência Social - RPPS, aos servidores e membros que tiverem ingressado no serviço público: - a partir do início da vigência do sistema de previdência complementar de que trata a respectiva lei, independentemente de sua adesão ao plano de benefícios; e - até a data anterior ao início da vigência do sistema de previdência complementar de que trata a respectiva lei, nele tenham permanecido sem perda do vínculo efetivo e mediante sua prévia e expressa opção Da Entidade de Previdência Complementar Aos entes federados é facultada a criação de entidades fechadas de previdência complementar. Recomenda-se, no entanto, a observância aos princípios da eficiência e economicidade, ao porte e estrutura necessários, podendo o ente federado inclusive autorizar o compartilhamento de sua EFPC com outros entes federados, para administrar seus respectivos planos de benefícios, ou seja, não é obrigatória para a implementação do sistema de previdência complementar de determinado ente federado a criação de sua respectiva EFPC. A linha de orientação a seguir foi direcionada em função da constituição de somente uma EFPC Da Criação e Funcionamento O ente federado deve autorizar a criação da EFPC com a finalidade de administrar e executar planos de benefícios para o seu servidor público titular de cargo efetivo, de acordo com a legislação vigente. A EFPC do servidor público será estruturada na forma de fundação ou sociedade civil, sem fins lucrativos, com denominação, sede e foro, e gozará de autonomia administrativa, financeira e gerencial em relação ao ente federado que a instituiu. 13

14 A administração da EFPC observará os princípios que regem a administração pública, especialmente os da eficiência e da economicidade, devendo adotar mecanismos de gestão operacional que maximizem a utilização de recursos, de forma a otimizar o atendimento aos participantes e assistidos e reduzir as despesas administrativas. As despesas administrativas serão custeadas na forma definida nos respectivos planos de custeio dos planos de benefícios, observada a legislação vigente, e ficarão limitadas aos valores estritamente necessários à sustentabilidade do funcionamento da EFPC. O custeio destinado à cobertura das despesas administrativas deverá ser revisto ao final de cada ano. A EFPC será mantida integralmente pelas receitas oriundas das contribuições de patrocinadores, participantes e assistidos dos respectivos planos de benefícios, dos resultados financeiros de suas aplicações e de doações e legados de qualquer natureza. O regime jurídico de pessoal da EFPC será o previsto na legislação trabalhista Da Organização da Entidade A estrutura organizacional da entidade deve ser constituída de Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e Diretoria Executiva, observada a legislação vigente. O Conselho Deliberativo é a instância máxima da EFPC, responsável pela definição das políticas gerais de administração da entidade e de seus planos de benefícios. O Conselho Fiscal é o órgão de controle interno da EFPC. Cabe ao Conselho Fiscal elaborar relatórios semestrais que destaquem a opinião sobre a suficiência e a qualidade dos controles internos referentes à gestão dos ativos e passivos, e à execução orçamentária. 14

15 A Diretoria Executiva é o órgão responsável pela administração da entidade, em conformidade com a política de administração traçada pelo Conselho Deliberativo. Esses órgãos atuarão em conjunto para o pleno funcionamento da EFPC, observando e respeitando o estatuto da entidade, o(s) regulamento(s) do(s) plano(s) de benefícios e o(s) convênio(s) de adesão. A composição do Conselho Deliberativo deve ser paritária, entre representantes do(s) patrocinador(es) e de participantes e assistidos, com no máximo 6 (seis) membros. A composição do Conselho Fiscal deve ser paritária, entre representantes do(s) patrocinador(es) e de participantes e assistidos, com no máximo 4 (quatro) membros. A presidência do Conselho Deliberativo será exercida por membro indicado pelo patrocinador, na forma prevista no estatuto da EFPC. A presidência do Conselho Fiscal será exercida por membro indicado pelos participantes e assistidos, na forma prevista no estatuto da EFPC. A Diretoria Executiva será composta, no máximo, por 6 (seis) membros, nomeados pelo Conselho Deliberativo da EFPC. A remuneração e as vantagens de qualquer natureza dos membros da Diretoria Executiva da EFPC serão fixadas pelo Conselho Deliberativo, observada a legislação vigente. Os membros da Diretoria Executiva, do Conselho Deliberativo e Fiscal da EFPC devem atender aos requisitos mínimos de ingresso e permanência previstos na legislação vigente. A EFPC poderá criar, observado o disposto no estatuto e regimento interno, comitês de assessoramento técnico, comitês de gestão, entre outros, de caráter consultivo, para cada plano de benefícios por ela administrado, com representação preferencialmente paritária entre os patrocinado- 15

16 res e os participantes e assistidos, sendo estes eleitos pelos seus pares, com as atribuições de apresentar propostas e sugestões quanto à gestão da entidade, política de investimentos, à situação financeira e atuarial dos respectivos planos de benefícios e de formular recomendações prudenciais a elas relacionadas Das Disposições Gerais É recomendável a instituição de código de ética e de conduta, que terá ampla divulgação, especialmente entre os participantes, assistidos e demais envolvidos, cabendo ao Conselho Fiscal da EFPC assegurar o seu cumprimento. É recomendável a instituição de regimento interno, regulamento eleitoral, entre outros Da Educação Financeira e Previdenciária É recomendável que a EFPC promova programa de educação financeira e previdenciária destinado aos empregados, dirigentes, servidores públicos, áreas de pessoal e recursos humanos dos órgãos do serviço público, patrocinadores, participantes e assistidos, com os seguintes objetivos: - fomentar a adesão de servidores públicos aos planos de benefícios por ela administrados; - elaborar estratégias, firmar parcerias e participar de projetos com o(s) órgão(s) responsável (is) pela administração de pessoal dos entes federados, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades públicas objetivando ampliar a cobertura da previdência complementar; - melhorar a qualidade da gestão; - oferecer aos dirigentes e empregados a possibilidade de desenvolver habilidades e conhecimentos necessários ao desempenho de suas funções; 16

17 - oferecer aos participantes e assistidos ferramentas úteis para o planejamento e o controle de sua vida econômica e financeira; - oferecer aos participantes e assistidos capacitação para o exercício da fiscalização e acompanhamento do seu patrimônio previdenciário Do(s) Plano(s) de Benefícios Das Considerações Iniciais O(s) plano(s) de benefícios deve(m) ser estruturado(s) na modalidade de Contribuição Definida. Nos planos de benefícios constituídos na modalidade de Contribuição Definida, seus benefícios programados têm seus valores permanentemente ajustados ao saldo de contas mantido em favor do participante, inclusive na fase de percepção de benefícios, considerando o resultado líquido de sua aplicação, os valores aportados e os benefícios pagos. Os recursos de um plano de benefícios não respondem por obrigações de outro plano de benefícios operado pela mesma EFPC ou por qualquer outra entidade. Cada plano de benefícios possui independência patrimonial em relação aos demais planos de benefícios e à EFPC, bem como identidade própria quanto aos aspectos regulamentares, cadastrais, atuariais, contábeis e de investimentos. Admitir-se-á solidariedade entre patrocinadores com relação aos respectivos planos de benefícios, desde que expressamente prevista no convênio de adesão. O regulamento do plano de benefícios poderá estipular regras que permitam ao participante optar, a seu exclusivo critério e sob sua responsabilidade, por uma das carteiras de investimento (multiportfólio) eventualmente disponibilizadas pela EFPC. 17

18 Das Condições de Inscrição e Manutenção do Participante Os requisitos para aquisição, manutenção e perda da qualidade de participante, assim como os requisitos de elegibilidade e a forma de concessão, cálculo e pagamento dos benefícios, deverão constar dos regulamentos dos planos de benefícios, observada a legislação vigente. Os servidores titulares de cargo efetivo com remuneração inferior ao limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social poderão aderir ao(s) plano(s) de benefícios administrado(s) pela EFPC, sem contrapartida do patrocinador, cuja base de cálculo para estabelecimento do valor da contribuição será definida nos regulamentos. Poderá permanecer filiado aos respectivos planos de benefícios o participante: - cedido a outro órgão ou entidade da administração pública direta ou indireta da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, inclusive suas empresas públicas e sociedades de economia mista; - afastado ou licenciado do cargo efetivo temporariamente, com ou sem recebimento de remuneração; e - que optar pelo benefício proporcional diferido ou autopatrocínio, na forma do regulamento do plano de benefícios Dos Benefícios Dos Benefícios Programados Os Benefícios Programados são aqueles em que a data de seu início é previsível, conforme as condições estabelecidas no regulamento. A aposentadoria por tempo de contribuição é um exemplo de benefício programado. Considerando a modalidade de contribuição definida inerente aos planos de benefícios da previdência complementar do servidor público, o valor do benefício programado será calculado de acordo com o montante do saldo de conta acumulado, devendo o valor do benefício ser permanentemente ajustado ao referido saldo, na forma prevista no regulamento do plano. 18

19 Os benefícios programados terão custeio específico para sua cobertura Dos Benefícios Não Programados Os Benefícios Não Programados, ou benefícios de risco, são aqueles que decorrem de eventos não previsíveis, como a morte e a invalidez. O(s) Plano(s) de Benefícios pode(m) ter benefícios não programados, definidos em regulamento, sendo assegurados, pelo menos, os benefícios decorrentes dos eventos invalidez e morte. Os benefícios não programados terão custeio específico para sua cobertura. Os compromissos assumidos decorrentes dos benefícios não programados poderão ser contratados junto a sociedade seguradora autorizada a funcionar no país, ou administrados nos próprios planos de benefícios. A concessão dos benefícios não programados de invalidez e morte aos participantes ou assistidos pela EFPC poderá estar condicionada à concessão do benefício pelo regime próprio de previdência social. Outros benefícios não programados poderão ser incluídos no regulamento, observado custeio específico para sua cobertura Das Contribuições Os regulamentos dos planos de benefícios disciplinarão as regras para a manutenção do custeio do plano de benefícios, observada a legislação aplicável. O Plano de Custeio discriminará o percentual da contribuição do participante e o do patrocina- 19

20 dor, conforme o caso, para cada um dos benefícios previstos no plano de benefícios, observada a legislação vigente. As contribuições do patrocinador e do participante incidirão sobre a parcela da base de contribuição que exceder o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social às aposentadorias e pensões, observada a legislação vigente. Considera-se base de contribuição a definida no âmbito da legislação aplicável ao ente federado. O participante pode optar pela inclusão de parcelas remuneratórias percebidas em decorrência do local de trabalho e do exercício de cargo em comissão ou função de confiança, desde que permitida pela legislação do ente federado. A alíquota da contribuição normal do patrocinador, destinada ao custeio do plano de benefícios, não poderá exceder a do participante, observado o disposto no regulamento do plano de benefícios e na legislação aplicável. O ente federado poderá estabelecer o percentual máximo de contribuição normal, de sua responsabilidade, para custeio do plano de benefícios. Alternativamente, poderá estabelecer percentual máximo de contribuição normal, de sua responsabilidade, para custeio dos benefícios programados, acrescido de percentual estabelecido no plano de custeio para os benefícios não programados e as despesas administrativas. O percentual de contribuição do participante, para custeio dos benefícios programados, será por ele definida anualmente, ou periodicamente, observado o disposto no regulamento do plano de benefícios. É recomendável que o plano de custeio estabeleça um percentual mínimo da contribuição destinada ao custeio dos benefícios programados. 20

21 Além da contribuição normal, o participante poderá contribuir facultativamente, sem contrapartida do patrocinador, na forma prevista no regulamento do plano. O ente federado, suas autarquias e fundações são responsáveis, na qualidade de patrocinadores, pelo aporte de contribuições e pelas transferências à EFPC das contribuições descontadas dos seus servidores, observada a lei de constituição, seu estatuto e seu(s) regulamento(s). As despesas administrativas poderão ter outras fontes de custeio, de acordo com a legislação vigente Dos Institutos Os regulamentos dos planos de benefícios deverão assegurar os institutos previstos na legislação vigente Dos Recursos Garantidores A aplicação dos recursos garantidores correspondentes às reservas, às provisões e aos fundos dos planos de benefícios da EFPC obedecerá às diretrizes e aos limites prudenciais estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional - CMN. A gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pelas entidades poderá ser realizada por meio de carteira própria, carteira administrada ou fundos de investimento. As entidades contratarão, para a gestão dos recursos garantidores, administradores de carteiras ou fundos de investimento que estejam autorizados e registrados na CVM Dos Perfis de Investimento O regulamento do plano poderá admitir a opção do participante por perfis de investimento, sem 21

22 no entanto descrever a composição da carteira de aplicação de cada perfil, considerando que cabe aos órgãos estatutários a definição dos critérios e condições para o estabelecimento dos perfis. Os planos de benefícios que possuem Perfis de Investimento permitem ao participante escolher uma carteira mais compatível com seus objetivos de rentabilidade, associados a sua tolerância ao risco. Nestes tipos de planos de benefícios, as carteiras de investimento pré-selecionadas pela EFPC para a gestão dos recursos acumulados e provenientes das contribuições em nome dos participantes geralmente possuem os perfis conservador, moderado e agressivo. Considerando que a escolha do perfil de investimento influencia o valor do benefício futuro, a entidade deve promover programas de educação previdenciária e financeira, de modo a possibilitar que as opções realizadas pelos participantes sejam amparadas por informações qualificadas sobre o tema. O participante deve formalizar sua escolha, assinando termo de responsabilidade e ciência das condições da opção, fazendo constar inclusive os períodos para mudança de perfil. No caso de omissão da opção pelo participante, o texto regulamentar poderá remeter o enquadramento para os órgãos estatutários da EFPC, que deverão levar em consideração as características dos participantes e o quão próximos estão da elegibilidade ao benefício programado. Na execução dos perfis de investimento, a EFPC deverá atentar para os controles internos e de avaliação de riscos, bem como para os limites de alocação de ativos previstos na legislação Das Disposições Especiais A entidade manterá o controle das reservas constituídas em nome do participante, registrando contabilmente as contribuições deste e as do patrocinador Do Controle e Fiscalização Todos os riscos que possam comprometer a realização dos objetivos da EFPC devem ser continuamente identificados, avaliados, controlados e monitorados. 22

GUIA PREVIC. Melhores Práticas em Licenciamento

GUIA PREVIC. Melhores Práticas em Licenciamento GUIA PREVIC Melhores Práticas em Licenciamento Guia em GUIA PREVIC GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM LICENCIAMENTO de Melhores Práticas Fundos de Pensão Brasília-DF Julho/2012 EXPEDIENTE Edição e Distribuição

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de cargo efetivo, inclusive os membros dos órgãos que menciona, fixa o limite máximo para a concessão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Vigência Mensagem de veto Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos)

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) O que muda Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) 1. Por que é necessário criar a Fundação de Previdência Complementar do Servidor

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4 Conteúdo C.1 Do Objeto...2 C.2 Das Definições...2 C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4 C.4 Da Constituição do PGA...4 C.5 Das Fontes de Custeio Administrativo...4 C.6 Dos Limites de Custeio Administrativo...5

Leia mais

manual do participante

manual do participante manual do participante Esta cartilha foi criada para, de forma simples, clara e prática, oferecer informações a respeito do Plano de Previdência Complementar dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: CAPÍTULO I Do Regime de Previdência Complementar

Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: CAPÍTULO I Do Regime de Previdência Complementar LEI Nº 14.653, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui o regime de previdência complementar no âmbito do Estado de São Paulo, fixa o limite máximo para a concessão de aposentadorias e pensões de que trata o

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

Material Explicativo Centrus

Material Explicativo Centrus Material Explicativo Centrus De olho no futuro! É natural do ser humano sempre pensar em situações que ainda não aconteceram. Viagem dos sonhos, o emprego ideal, casar, ter filhos, trocar de carro, comprar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 21.024/2014

PROJETO DE LEI Nº 21.024/2014 PROJETO DE LEI Nº 21.024/2014 Institui o Regime de Previdência Complementar, no âmbito do Estado da Bahia, fixa o limite máximo para a concessão de aposentadorias e pensões de que trata o art. 40, da Constituição

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre as Demonstrações Atuariais - DA dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Ensino a distância ÍNDICE I) O QUE É PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? II) SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR III) MARCOS REGULATÓRIOS IV) PLANOS DE BENEFÍCIOS V) ENTIDADES

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVINORTE O presente Glossário tem por objetivo transmitir uma noção do significado de palavras e expressões usadas no segmento de Previdência

Leia mais

FAQ. Participante Ativo Alternativo

FAQ. Participante Ativo Alternativo FAQ Participante Ativo Alternativo O que mudou na Previdência do Servidor Público Federal? A previdência do servidor público passou por mudanças nos últimos anos a partir da emenda 41, da Constituição

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

Sistema de Previdência

Sistema de Previdência PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO Lei nº 12.618, de 30 de abril de 2012. Jaime Mariz de Faria Junior * O Sistema Brasileiro de Previdência Social é organizado em três pilares: o Regime Geral

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev,

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Benefícios de Contribuição Definida da IBM Brasil. FUNDAÇÃO previdenciária IBM

Material Explicativo. Plano de Benefícios de Contribuição Definida da IBM Brasil. FUNDAÇÃO previdenciária IBM Material Explicativo Plano de Benefícios de Contribuição Definida da IBM Brasil FUNDAÇÃO previdenciária IBM 2 Material Explicativo Fundação Previdenciária IBM A DIREÇÃO DO SEU FUTURO Lembre-se! O objetivo

Leia mais

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1 PLANO SUPLEMENTAR Material Explicativo 1 Introdução A CitiPrevi oferece planos para o seu futuro! Recursos da Patrocinadora Plano Principal Benefício Definido Renda Vitalícia Programa Previdenciário CitiPrevi

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 EDIÇÃO 72, SEÇÃO I, PÁGINA 35, DE 16 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre os processos de certificação, habilitação e qualificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE CAPÍTULO I - DA FINALIDADE CAPÍTULO II - DO GLOSSÁRIO CAPÍTULO III - DA CONSTITUIÇÃO DO PGA CAPÍTULO IV - DAS FONTES DE CUSTEIO ADMINISTRATIVO CAPÍTULO

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Plano PAI. material explicativo

Plano PAI. material explicativo Plano PAI material explicativo Conheça melhor o Plano PAI e veja como o tempo pode ser seu maior aliado Grande parte dos trabalhadores sonha em ter uma aposentadoria estável e aproveitar essa fase para

Leia mais

Plano D. Material Explicativo

Plano D. Material Explicativo Plano D Material Explicativo 2 Material Explicativo Previ Novartis Índice Pág. 4 Introdução Pág. 6 A Previdência no Brasil Pág. 10 A Previdência e o Plano de Benefício D Pág. 24 Questões 3 Material Explicativo

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O futuro que você faz agora FUNPRESP-JUD Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário 2 Funpresp-Jud seja bem-vindo(a)! A Funpresp-Jud ajudará

Leia mais

Sumário. Previdência. Contribuição. Benefícios. Institutos. Custeio. Regime Tributário. Investimentos. Adesão

Sumário. Previdência. Contribuição. Benefícios. Institutos. Custeio. Regime Tributário. Investimentos. Adesão Sumário Previdência Contribuição Benefícios Institutos Custeio Regime Tributário Investimentos Adesão Previdência Aspectos Legais Regimes de Previdência no Brasil (CF) Previdência Social Regime Geral de

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

Cartilha Plano EPE DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS

Cartilha Plano EPE DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS Cartilha Plano EPE Esta cartilha foi criada com o intuito de oferecer informações objetivas sobre previdência, o plano CV EPE e a importância de poupar para garantir um futuro mais tranqüilo. Os pontos

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DOS CONSELHOS E DIRETORIA

COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DOS CONSELHOS E DIRETORIA 1. Introdução As Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), conhecidas também como Fundos de Pensão, são instituições sem fins lucrativos que mantêm planos de previdência coletivos. Os planos

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 2 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 Brasília - DF Março/2015 3 Sumário GLOSSÁRIO... 5 CAPÍTULO

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA SUMÁRIO Qual é o significado de aposentado e pensionista?...3 Quando é realizado

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES PÚBLICOS EFETIVOS: QUESTÕES POLÊMICAS Paulo Modesto (BA) http://www.ccjb.org.br

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES PÚBLICOS EFETIVOS: QUESTÕES POLÊMICAS Paulo Modesto (BA) http://www.ccjb.org.br PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES PÚBLICOS EFETIVOS: QUESTÕES POLÊMICAS Paulo Modesto (BA) http://www.ccjb.org.br Texto base: MODESTO, Paulo (org). Reforma da Previdência: análise e crítica da Emenda

Leia mais

MANUAL ÉTICO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

MANUAL ÉTICO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL ÉTICO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 1 Sumário Ideais Corporativos... 1 Compromissos... 4 Objetivos... 5 Aparato Legal... 6 Agentes Relevantes... 7 Práticas Comuns para os Administradores... 11 2 Ideais

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV...

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... 7 CONHEÇA O PLANO DENTALUNIPREV... 8 PARTICIPANTES... 9 Participante

Leia mais

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Conheça os planos de benefícios e assistência médica da Fundação 2 3 SUMÁRIO 06 Apresentação 08 Glossário 10 Introdução Geral Entidades Fechadas de Previdência

Leia mais

José Edson da Cunha Júnior

José Edson da Cunha Júnior José Edson da Cunha Júnior HETEROGENEIDADE DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E EFICIÊNCIA REGULATÓRIA, OPERACIONAL E DE FISCALIZAÇÃO Sumário 1. Contextualização; 2. Debates Atuais; 3. Reflexões e Apontamentos.

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA...

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 8 CONHEÇA O PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 9 PARTICIPANTES...

Leia mais

Consórcio Público. Administração Indireta

Consórcio Público. Administração Indireta Ordem Social Ordem Econômica Administração Direta Autarquia Fundação Publica Fundação Publica Empresa Pública Sociedade Economia Mista Subsidiária Consórcio Público Administração Indireta 1 Consórcio público

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

Funpresp-EXE. Novo regime de previdência para os servidores públicos federais no Brasil. Brasília/DF 04/fevereiro/2013

Funpresp-EXE. Novo regime de previdência para os servidores públicos federais no Brasil. Brasília/DF 04/fevereiro/2013 Funpresp-EXE Novo regime de previdência para os servidores públicos federais no Brasil Brasília/DF 04/fevereiro/2013 Órgão de Administração FUNPRESP/EXE - GOVERNANÇA Conselho Deliberativo (6 paritário)

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

Conceitos básicos de. Previdência Complementar

Conceitos básicos de. Previdência Complementar CALVO E FRAGOAS ADVOGADOS Conceitos básicos de Previdência Complementar Advogado: José Carlos Fragoas ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO 1. Apresentação 2. Embasamento Legal 3. Princípios da Previdência Privada contidos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

A previdência complementar fechada: uma visão geral

A previdência complementar fechada: uma visão geral A previdência complementar fechada: uma visão geral Leonardo André Paixão (*) 1. Breve história da previdência complementar no Brasil. a) Primeira fase (anterior à legislação específica sobre o tema) A

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO ACPREV... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativo... 8 Participante Assistido...

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa 1/13 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CGPC nº13/2004 Apresenta e especifica estrutura, componentes e mecanismos corporativa na

Leia mais

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico.

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico. Apresentação Este é o MANUAL DO PARTICIPANTE da PRECE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, material explicativo que descreve, em linguagem simples e precisa, as características gerais do Plano CD, com o objetivo

Leia mais

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com.

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com. MATERIAL EXPLICATIVO DO PLANO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FIEMG Outubro / 2013 A CASFAM A CASFAM é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), sociedade civil patrocinada pelo Sistema FIEMG, com

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA. Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV.

CARTILHA EXPLICATIVA. Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. CARTILHA 2010 CARTILHA EXPLICATIVA Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. Com o Adv-PREV você verá que é possível viver

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 23 DE SETEMBRO DE 2013(*)

SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 23 DE SETEMBRO DE 2013(*) SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 23 DE SETEMBRO DE 2013(*) Orienta os órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal (SIPEC) sobre o regime

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015 Aprovado pela Portaria nº 836 de 27/10/2010 Alterações DOU 29/10/2010 Justificativa CAPÍTULO I - DO PLANO E SEUS FINS Artigo 1º O presente Regulamento tem por objeto estabelecer as disposições específicas

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR. O que os comunicadores querem saber e não têm a oportunidade de perguntar

GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR. O que os comunicadores querem saber e não têm a oportunidade de perguntar GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR ARA A FUNDOS DE PENSÃO O que os comunicadores querem saber e TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO ABRAPP Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Cartilha do Participante FIPECqPREV

Cartilha do Participante FIPECqPREV Cartilha do Participante FIPECqPREV Conheça todos os detalhes sobre o novo Plano de Benefícios Sumário 1. Introdução... 3 O que é o FIPECqPREV?... 3 Quem administra o FIPECqPREV?... 3 Qual é a modalidade

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

Previdência Complementar

Previdência Complementar Previdência Complementar A construção de um futuro melhor. Secretaria de Políticas de Previdência Complementar Dilma Vana Rousseff Presidenta da República Garibaldi Alves Filho Ministro de Estado da Previdência

Leia mais

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ NATUREZA JURÍDICA ESTRUTURA FINANCIAMENTO SERVIDRES ABRANGIDOS DESAFIOS 1 História da Previdência Surge no dia que as pessoas começam a acumular para o futuro, para o

Leia mais

Módulo 4 O regime de previdência complementar do servidor público federal e a Funpresp-Exe

Módulo 4 O regime de previdência complementar do servidor público federal e a Funpresp-Exe A Previdência Social dos Servidores Públicos Regime A Próprio Previdência e Regime Social dos Previdência Servidores Públicos Complementar Regime Próprio e Regime Previdência Complementar Módulo 4 O regime

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

Previdência Complementar do Professor

Previdência Complementar do Professor Previdência Complementar do Professor Conheça o Plano de Benefícios ExecPrev e decida seu futuro. Previdência complementar e Funpresp Apresentação 1. O que mudou na Previdência do Servidor Público Federal?

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Índice Quem Somos Estrutura do plano Importância da Previdência Privada. Quanto antes melhor! As regras do plano Canais Visão Prev 2 Visão Prev Entidade fechada

Leia mais