A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL E O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL E O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO."

Transcrição

1 1 A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL E O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO. ARAÚJO, Noé D jalma 1 ; SOUZA, Jocyare Cristina Pereira de 2 RESUMO A administração pública vai além dos conceitos e concepções de um conjunto de servidores mantidos com recursos públicos. A administração pública contemporânea é centrada em um modelo de gestão eficiente com o envolvimento de todos os atores seja através da participação social/cidadã, seja através dos servidores e até mesmo dos conselhos municipais. A participação social hoje se transforma em ampliação das possibilidades de acesso dos setores populares aos atos de gestão, e contribui para garantir a execução eficiente dos programas sociais. A proposta deste artigo consta em analisar o servidor público como agente de participação social na administração pública e sua representatividade através dos conselhos municipais. O estudo foi desenvolvido através de uma revisão sistemática da literatura impressa e online. Como resultados acredita-se que deve haver um maior entrelaçamento entre o servidor e a participação social como forma de uma administração pública voltada aos interesses da coletividade. Palavras-chave: Participação Social; Administração Pública; Servidor; Conselhos. ABSTRACT The public administration extends beyond the concepts and conceptions of a set of servers maintained with public funds. The contemporary public administration is focused on a model of efficient management with the involvement of all actors is through social participation citizen, either through the servers and even of the municipal councils. Social participation today turns into expansion of the possibilities of access for popular sectors to acts of management, and helps to ensure the efficient execution of social programs. The purpose of this article is to analyze the public server as an agent of social participation in the public administration and its representation through municipal councils. The study was carried out through a systematic review of the literature in print and online. As a result it is believed that there should be a greater entanglement between the server and the social participation as a way to a public administration geared to the interests of the collectivity. Keywords: Social Participation; Public Administration; Server; Advice 1 Pós-graduando em Gestão Púbica do Instituto Federal do Sul de Minas campus Muzambinho. / Endereço para acessar o Currículo Lattes: 2 Orientadora - Professora do Curso de Pós Graduação em Gestão Pública do IFTMUZ e- mail: / Endereço para acessar o Currículo Lattes:

2 2 INTRODUÇÃO A participação social ou participação cidadã denota a satisfação da necessidade do cidadão como indivíduo, ou como grupo, organização, ou associação, de atuar pela via legislativa, administrativa ou judicial no amparo do interesse público. Esta necessidade do cidadão muita das vezes vem confrontar a opinião do servidor público e da própria administração pública. Frente esta situação faz-se necessário analisar as várias concepções que se têm sobre a temática em questão. O objetivo central do presente trabalho consta em analisar o servidor público como agente de participação social na administração pública e sua representatividade através dos conselhos municipais. O estudo será desenvolvido por meio de uma pesquisa bibliográfica utilizando materiais impressos e disponíveis na rede eletrônica que apresente confiabilidade científica, sendo usados artigos, teses, dissertações da literatura da administração pública e participação social. O trabalho organizar-se-á em três partes. A primeira parte aborda a administração pública dentro da concepção de vários autores, perpassando pelos princípios constitucionais que regem a administração pública consagrados pelo artigo 37 da Constituição Federal do Brasil. Descreve também os modelos de administração/gestão pública analisando as características típicas e os principais elementos de cada modelo organizacional de administração. Na segunda parte faz-se uma abordagem da participação social na administração pública analisando conceitos da participação social e do efetivo exercício da cidadania. Analisa também o Estado democrático de direito e a participação social como espaço de construção da cidadania, os conselhos gestores e os mecanismos de operacionalização da participação social na administração pública. Na terceira e última parte, a abordagem é feita no servidor público e sua relação com participação e controle social na administração pública através dos conselhos municipais. O estudo levanta a problemática da participação social na administração pública de forma a impulsionar a necessidade do desenvolvimento de novos estudos sobre o conhecimento que o servidor público tem sobre a temática, revelando assim a relevância de mesmo.

3 3 2 A NOVA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ao se pensar em falar em administração pública, primeiramente deve-se resgatar o conceito de administração bem como contexto histórico da chamada Nova Administração Pública. Várias são as concepções de administração pública. Waldo (1971) já conceituava administração pública como a organização e a gerência de homens e materiais para a consecução dos propósitos de um governo. Hormon e Mayer (1999) entendem que a administração pública é a ocupação de todos aqueles que atuam em nome do povo em nome da sociedade, que delega de forma legal - e cujas ações têm consequências para os indivíduos e grupos sociais. Na concepção de Borges (2011), hoje a administração pública tem um conceito diferente de outros autores. Segundo o autor, a administração pública consiste em um conjunto de agências e servidores profissionais, mantidos com recursos públicos e encarregados da decisão e implementação das normas necessárias ao bem estar social e das ações necessárias à gestão da coisa pública. Em se tratando de administração pública, um novo cenário vem se consolidando, sendo evidentes várias transformações como no campo tecnológico, estrutural, social e econômico. Transformações essas que exercem grandes impactos na vida das pessoas. Mediante estas transformações, novas concepções e abordagens sobre a gestão e a administração pública, incidem diretamente na qualidade dos serviços prestados. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios - CNM (2008), a nova Administração Pública, também denominada de Administração Pública Gerencial, tem sido questionada como solução hegemônica de um modelo de gestão eficiente para todas as administrações públicas e que, na intenção da busca de melhoria dos níveis de eficiência, acabam, paradoxalmente, afetando, na direção oposta, os objetivos pretendidos. Sabendo que a Nova Administração Pública é um modelo de administração voltado para a eficiência, eficácia e a efetividade do aparelho do Estado, com foco em resultados (CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS, 2008), respeitar e seguir os princípios constitucionais que regem a administração pública é essencial para o abarcamento destes resultados.

4 4 2.1 Princípios Constitucionais que regem a Administração Pública O termo Princípios nos remete a entender como regras de interpretação de normas jurídicas, que apontam os caminhos que devem ser seguidos pelos aplicadores da lei. Geralmente os princípios procuram eliminar lacunas, oferecer coerência e harmonia para ordenamento jurídico. (informação verbal) 3 Caixeta (2004) entende que princípios são as proposições que contém diretrizes estruturais de uma determinada ciência. No caso das ciências humanas, os princípios consubstanciam valores morais, éticos, religiosos, políticos. Explica, ainda, que no campo do direito, os princípios são os valores que ordenam o sistema jurídico e variam conforme o sistema histórico, social e político. Alves (2009), afirma que os princípios, em Direito são pilares sobre os quais ficam assentadas as instituições jurídicas. Ainda segundo o mesmo autor, servem na prática, sobretudo, como guias de interpretação das normas. Neste sentido, Celso Antônio Bandeira de Melo (2008), cunhou uma expressão que se tornou clássica: Os princípios são mais importantes do que a lei. Historicamente, os princípios relativos à administração pública não faziam parte, de forma expressa, de textos constitucionais (BONEZZI e PEDRAÇA, 2008). Rocha (1994) explica que essa atitude poderia dever-se a que, uma vez demarcados os parâmetros do Estado de Direito, a função administrativa aí já se encontrava delineada. E também, que a função de administrar o Estado não possuía mesma nobreza e primariedade que as funções governativas, legislativas e jurisdicionais. Os princípios da administração pública estão fundamentados no artigo 37 da Constituição Federal e são chamados de princípios constitucionais. Bonezzi e Pedroça (2008); Seresuela (2002), assinalam que a Constituição Federal de 1988 inova, consagrando no art. 37, caput, os princípios inerentes à Administração Pública: A Administração Pública direta e indireta de qualquer um dos Poderes da União, dos Estados, Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Esclareça-se que o princípio da eficiência foi acrescido por intermédio da Emenda Constitucional (EC) nº 19/98. 3 Fornecida por Prof. Makvel Reis Nascimento em nota de aula 2013

5 5 O Princípio da Legalidade está cunhado na Constituição Federal de 1988, no art. 5º, Inciso II. Tal Inciso, reza que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude da lei (BRASIL, 1988). Nesse sentido, Carvalho (2001, p. 301) tem uma explicação, dizendo que "diferente do indivíduo que é livre para agir, podendo fazer tudo o que a lei não proíbe a administração somente poderá fazer o que a lei manda ou permite". Pensando no serviço público, este princípio denota que os atos dos servidores públicos no exercício das suas funções devem ser realizados em conformidade com a lei, afirma Borges (2011). O Princípio da Impessoalidade é o princípio que tem dignidade constitucional. Está relacionado com a finalidade da administração pública que é, antes de tudo, atender aos interesses comuns da sociedade. Para Mello (2008), o princípio da impessoalidade significa que a conduta do administrador público não deve estar voltada ao atendimento de interesses pessoais, à prática de atos de mero favoritismo ou de perseguições pessoais, de qualquer natureza. Segundo Mello (1995), a impessoalidade fundamenta-se na verdade da igualdade e tem desdobramentos explícitos em vários dispositivos constitucionais,como o art. 37, II, que exige concurso público para trabalhar em algum setor público,ou no art. 37, XXI, que exige licitações públicas para assegurar igualdade de condições a todos os concorrentes. Esta estabelece que a Administração Pública nãodeva conter a marca pessoal do administrador, ou seja, os atos públicos não são praticados pelo servidor e sim pela Administração a que ele pertence. Assim, A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos deverão ter caráter educativo, informativo ou de orientação social,dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizampromoção pessoal de autoridades ou servidores públicos (BRASIL, 1988). Para Brasil (1988), não deve imperar na Administração Pública a vigência do dito popular de que aos inimigos, oferta-se a lei e aos amigos as benesses da lei. O Princípio da Moralidade determina a conformação do ato administrativo com a ética e com a ciência da moral. Neste sentido, Borges (2011) corrobora que, este princípio está relacionado aos princípios éticos-filosóficos que regem as democracias modernas e que se aplicam seja de modo absoluto para qualquer tempo ou lugar, seja em referência às ações de grupos ou pessoas determinadas: a justiça, a equidade e a probidade (BORGES, 2011, p.32). Tendo em vista que tal princípio integra o conceito de legalidade, decorre a conclusão de que ato imoral é ato ilegal, ato inconstitucional. Sendo assim a administração e os

6 6 servidores devem atuar com moralidade, isto é, de acordo com a Lei. Afinal, Mello (2008) pondera, como já proclamavam os romanos: nem tudo que é legal é honesto (nortomne quod licethonestum est). Já o Princípio da Publicidade se traduz no dever na administração de manter plena transparência de todos os seus comportamentos, inclusive de oferecer informações que estejam armazenadas em seus bancos de dados, quando sejam solicitadas, em razão os interesses que ela representa quando atua. (informação verbal) 4. Conforme Borges (2008), o princípio da publicidade é o caráter do que é feito em público e em nome do público: implica a visibilidade e a transparência das decisões e ações e a responsabilidade pública pelos atos praticados. E por fim o Princípio da Eficiência, que foi acrescido pela EC nº 19/98, que significa que os atos da administração pública devem ser desempenhados visando a melhor relação custo/benefício na gestão dos recursos públicos. Perfilhando este entendimento, Meirelles (2001) afirma que dever de eficiência é o que se impõe a todo agente público de realizar suas atribuições com presteza, perfeição e rendimento funcional. É o mais moderno princípio da função administrativa. É o princípio que qualifica as atividades. 2.2 Os Modelos de Administração/Gestão Pública como ambiente de inovação Assim como o cenário mundial, a sociedade atual traz consigo uma série de mudanças, evolução transformando-se permanentemente. Ferreira (2010) pondera que a sociedade é a principal responsável pela sua própria organização e pela provisão de suas necessidade. Na administração pública brasileira estas transformações também ocorreram como o decorrer dos tempos. Conceitualmente, os modelos de gestão/administração pública, já aplicados no Brasil, classificam-se em patrimonialista, burocrático e gerencialista ou nova administração pública. De acordo com Ferrari (2010) apud Fiates (2007): (...) a configuração dos modelos de gestão pública é influenciada pelo momento histórico e pela cultura política que caracterizam uma determinada época do país. Assim, a evolução, o aperfeiçoamento e a transformação dos modelos de gestão das organizações se desenvolvem a partir de pressões políticas, sociais e econômicas existentes e que se traduzem em diferentes movimentos reformistas empreendidos pelos governos que buscam um alinhamento com as demandas sociais internas e externas (FERRARI, 2010, p. 92). 4 Fornecida por Prof. Makvel Reis Nascimento em nota de aula 2013.

7 7 Os modelos de administração pública pelos quais o Brasil perpassou têm características e elementos peculiares. De acordo com os estudos de Souza (2006) e Ferreira (2010), estas características e elementos estão sintetizadas no quadro abaixo: Quadro 1; Modelos de gestão e elementos que caracterizam as dimensões de análise organizacional das administrações patrimonialista, burocrática e gerencial. Dimensões de Análise Estrutura Estratégia Relação Ambiente Política Característica Típica Elementos Principais Patrimonialista Burocrática Gerencial Patrimonialista Burocrática Gerencial Pré- Burocráti Pós- Burocrática ca Burocrática Simples e Determinadas Top-dow Estável e Pouca Complexidade Vontade Pessoal e Habilidade Política Técnicoeconômica Pós- Burocrática Estável com Dinâmico e certa Complexo Complexida de Informações Uso da privilegiadas função e domínio regras e normas legais Fonte: Souza (2006) e Ferreira (2010). planejament o e orçamento Pouco complexas, baixa especialização, Baixo grau de departamentalização, Pouca formalização, Ampla esfera de controle e Autoridade centrada em uma única pessoa. Dirigente principal define e decide as estratégias, Possibilidade de previsão e pouca pressão ambiental, Plano mais estático e lentamente mutável. Existência de poucos fatores ambientais, Baixo de grau de interdependências entre as partes, Fatores permanecem os mesmos, a mudança é lenta, Possibilidade de previsão e pouca ameaça ambiental. Uso da organização e do cargo público em benefício próprio, Uso da capacidade de persuasão, manipulação e convencimento, Aproximação com pessoas influentes ocupantes de cargos estratégicos. Clara divisão do trabalho, Especialização das funções, Estrutura complexa, altamente hierarquizada, Divisão de poder a partir de níveis hierárquicos (quanto mais se afasta do topo, menor é o poder delegado), Processos de trabalho e formas de controle definidos formalmente por normas e regras rígidas. Definidas e decididas pela autoridade legal, Possibilidade de previsão e existência de poucas pressões ambientais, Plano mais estático e lentamente mutável, Ênfase no atendimento das regras e normais legais. Existência de muitos fatores ambientais, Interdependência entre as partes, Fatores permanecem constantes, mudanças lentas, Possibilidade de previsão, Existência de algumas ameaças ambientais. Uso das normas e regras em benefício próprio ou de grupos, Aproximação a pessoas com domínio da informação, regras e procedimentos. Formalização apenas das metas e processos globais, Processos horizontalizados, Esfera de controle reduzida pelo empowermente competências, Autoridade centrada na hierarquia de competências. Definido e decidido mediante participação dos principais agentes organizacionais, Existência de algum grau de incerteza e de alguns focos de pressão, Plano com certa flexibilidade, Ênfase nos resultados organizacionais Existem muitos fatores ambientais, Ênfase atendimento demandas cidadãos clientes, Fatores estão continuamente mudando, Instabilidade ambiental. Uso de relações informais com agentes de influência da área de planejamento, Uso de relações informais com agentes de influência da área de Orçamento, Uso de informações privilegiadas da função planejamento e orçamento. Analisando os modelos de administração pública brasileira, todos têm suas características mais e ouras menos importantes. Fiates (2007) corrobora que todos os modelos de gestão pública apresentados não são estanques e exclusivos de uma determinada época, pois estes se entrecruzam na teoria e na prática da administração pública.

8 8 Estas transformações pelas quais a administração pública passou e vem passando, assim como os atos e ações desenvolvidas em cada modelo administrativo contribuiu para a inovação dos ambientes como por exemplo deixar a estagnação de um ambiente estável e de pouca complexidade avançando para um ambiente dinâmico e complexo; atravessando de um modelo de baixo grau de interdependências entre as partes à um modelo que enfatiza o atendimento às demandas dos cidadãos. 3 A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A participação popular significa a satisfação da necessidade do cidadão como indivíduo, ou como grupo, organização, ou associação, de atuar pela via legislativa, administrativa ou judicial no amparo do interesse público - que se traduz nas aspirações de todos os segmentos sociais. Segundo Rocha (2011), ser cidadão não se trata apenas de receber os benefícios do progresso, mas de tomar parte nas decisões e no esforço para sua realização; na medida em que se queira respeitar a dignidade humana, é preciso assegurar-lhe o direito de participar ativamente na solução dos problemas que lhe dizem respeito. Nas últimas décadas, nota-se uma forte tendência à valorização dessa participação dos cidadãos. Como exemplo, cita-se a própria Constituição Federal de 1988 que ampliou muito os mecanismos de participação dos cidadãos junto ao Estado. Parente (2006) assinala que a participação cidadã se transforma em ampliação das possibilidades de acesso dos setores populares aos atos de gestão, e contribui para garantir a execução eficiente dos programas sociais. Sabe-se ainda que para o efetivo exercício da cidadania, aqui entendida como a participação do cidadão nos negócios do Estado, o cidadão comum deve ter uma participação ativa não apenas no momento que escolhe seus representantes e administradores, mas no decorrer da gestão pública; faz-se necessária a realização de campanhas educativas que incentivem o controle social por parte dos legítimos proprietários dos recursos públicos (JÚNIOR, 2010). O sucesso da atuação do Estado, no que tange à consolidação da cidadania, está absolutamente condicionado à tarefa de reinventar a atuação estatal sob uma nova lógica e referência. Nesse sentido Rocha (2011), aponta que essa referência é a concepção inovadora de cidadania que põe como requisito essencial à participação do cidadão na gestão pública nos seus três níveis de atuação.

9 9 Paiva (2004) corrobora que o exercício da cidadania ativa é essencial para qualquer país democrático; a participação do conjunto da sociedade junto à Administração Pública pode garantir que haja uma utilização mais eficiente dos recursos públicos e que esses sejam direcionados no rumo da justiça social. 3.1 O Estado Democrático de Direito, a participação social e a construção da cidadania. Constitucionalmente, o Brasil é uma República Federativa instituída na forma de Estado Democrático de Direito, ou seja, a União confere unidade política e econômica à pluralidade de centros de poder dos entes federados, que são regidos por um conjunto de regras que garantem à sociedade civil o exercício concreto da liberdade de participação nos negócios do Estado. Parente (2006) aponta que essas características, próprias da organização política e administrativa do Estado brasileiro, outorgam aos indivíduos os atributos necessários para o exercício da cidadania que são: liberdade, participação e igualdade. Já para Scheotlini (2007) a participação popular é uma questão política e está diretamente relacionada ao desenvolvimento e a concretização da democracia. Não pode haver democracia verdadeiramente participativa se a sociedade civil não estiver preparada e ativa, para que, caso surjam conflitos com o poder público, ou as outras formas de associativismos, possa analisar e propor alternativas que, efetivamente, possam resultar em melhoria da condição de vida e do bem-estar da sociedade. Associando ao Estado Democrático de Direito, para Parente (2006) a participação cidadã se transforma em ampliação das possibilidades de acesso dos setores populares aos atos de gestão, contribuindo para garantir a execução eficiente dos programas sociais. Atualmente, o que se tem visto é uma total apatia dos atores sociais, que limitam a sua participação meramente ao exercício do voto; é importante destacar que a falta de participação do cidadão ocorre, também, por desinteresse dos governantes, que, muitas vezes, propositadamente, não propiciam e estimulam a participação real das pessoas na tomada das decisões públicas. Com isto, tem-se uma participação formal da comunidade envolvida, sem, contudo, se conseguir captar a real vontade daquela comunidade afirmam Cunha, Epple e Herath (2008). Segundo Guerra (2008), a cidadania ocupa um papel central na construção do Estado Democrático de Direito, tendo em vista que este não pode dispensar a participação popular; a cidadania é um fator indispensável para promoção da inclusão social e para combater a desigualdade.

10 10 É primordial que se utilize dos diversos instrumentos de participação previstos na Constituição Federal e, principalmente, por meio da busca pela defesa e implementação dos Direitos Humanos e Fundamentais, fazer valer sua condição de integrante das mudanças sociais e decisões sobre o bem público; e cabe ao Estado estimular a participação do cidadão e fazer com que ele se sinta valorizado, criando-se uma cultura de participação. 3.2 Os Conselhos Gestores na Administração Pública Os princípios constitucionais de participação popular, as legislações regulamentadoras das políticas sociais e o processo de descentralização estimularam a implantação de diversos conselhos setoriais nos estados e municípios. Segundo Gohn, (2001), os conselhos são canais de participação que articulam representantes da população e membros do poder público estatal em práticas que dizem respeito à gestão de bens públicos. Os conselhos gestores se despontam como instrumentos democráticos que entrelaçam a comunicação entre o poder público e o poder popular. Sua composição paritária integrada por cidadãos (e sociedade civil em geral) e a esfera de poder governamental indica uma possibilidade de mudança de postulado referente ao processo de governo da república (AZEVEDO, 2005). Fernandes (2010) aponta que eles desempenham um papel fundamental que ultrapassa o sentido de fiscalização, passam a exercer um papel social. Eles representam meios públicos de deliberação criados para promover a participação social, suas funções abarcam a tomada de decisões sobre políticas locais e a regulação dos atos do governo (OLIVEIRA, PEREIRA e OLIVEIRA, 2010). Para Scheotlini (2007), os conselhos se colocam como mais um espaço de lutas para que os direitos se ampliem ou mesmo se efetivem, eles são potencialmente espaços de confronto de ideias e de tomadas de decisões que podem alterar significativamente as ações públicas. Completando, Gohn (2000), aponta que como canais de participação que propiciam um novo padrão de relações entre o Estado e a sociedade ao viabilizarem a participação dos diferentes segmentos sociais na formulação das políticas sociais, os conselhos possibilitam à população o acesso aos espaços onde se tomam decisões políticas e criam condições para um sistema de vigilância sobre as gestões públicas, implicando em maior cobrança de prestação de contas do executivo.

11 Mecanismos de Operacionalização da Participação Popular na Administração Pública. Os mecanismos de participação social contida na Constituição Federal Brasileira podem ser entendidos como um instrumento para a construção e consolidação da cidadania, especialmente, no âmbito da Administração Pública Federal Brasileira afirma Parente (2006). Segundo Modesto (2002), a participação popular na administração pública trata-se da interferência no processo de realização da função administrativa do Estado, implementada em favor de interesses da coletividade, por cidadão nacional ou representante de grupos sociais nacionais, estes últimos se e enquanto legitimados a agir em nome coletivo. Existem na Constituição Brasileira mecanismos de participação à disposição do cidadão que lhe permitem intervir nas decisões governamentais tais como, plebiscito, referendo, iniciativa legislativa popular. Também está garantida a existência e a atuação de diversos grupos de pressão ao serem previstos os direitos de reunião, de associação, de petição, de sindicalização; tem-se ainda a formação de conselhos e a instituição de ouvidorias no âmbito da Administração Pública (PARENTE, 2006). 4 O SERVIDOR PÚBLICO E A PARTICIPAÇÃO/CONTROLE SOCIAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ATRAVÉS DOS CONSELHOS MUNICIPAIS Nos dias atuais há certo conflito na definição de servidor público. A Constituição Federal dá preferência à expressão Servidores Públicos, limitando-se muitas vezes a seus dispositivos a Servidores. Segundo Paganella (2004, p.31) a Constituição Federal do Brasil, não define servidores públicos, apenas expões normas que deverão ser cumpridas dentro desse contexto. Porém muitos doutrinadores não se atentaram para essa circunstância fundamentando-se nas regras constitucionais para conceituar servidor público. Nesse sentido Di Pietro (2003); Bonezzi e Pedraça (2008) conceituam servidor público como as pessoas físicas que prestam serviços ao Estado e às entidades da Administração Indireta, com vínculo empregatício e mediante remuneração paga pelos cofres públicos. Dentro desse conceito, Vinci Junior (2005) elucida: Compreendem-se (I) os servidores estatutários, ocupantes de cargos públicos providos por concurso público, nos moldes do artigo 37, inciso II, da Constituição Federal, e que são regidos por um estatuto, definidor de direitos e obrigações. São também chamados de funcionários públicos; (II) os empregados públicos, ocupantes de emprego público também provido por concurso público (artigo 37, inciso II, da Carta Magna), contratados sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho; (III) e os servidores temporários, que exercem função pública, despida de vinculação a

12 12 cargo ou emprego público, contratados por tempo determinado para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público (artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal), prescindindo de concurso público (VINCI JUNIOR, 2005, p.26). O servidor público não é somente aquele que faz parte da administração pública, ele efetivamente é o Estado, ente abstrato, devendo ser representado por pessoas físicas, que exercerão seu cargo ou função visando o interesse público e ao bem comum (BONEZZI E PEDRAÇA, 2008). Neste sentido, sabendo que o controle social pode ser feito por qualquer cidadão, seja de forma individual ou em grupo e é sabido também que os conselhos gestores são canais efetivos de participação que permitem estabelecer uma sociedade na qual a cidadania deixe de ser apenas um direito, mas uma realidade, os servidores públicos constituem peça fundamental nestes conselhos de participação e controle social. Dentre os conselhos municipais, os mais frequentes, principalmente na maioria dos municípios que se enquadram como de pequeno porte, são os conselhos municipais de Saúde, Educação, Assistência Social, Fundef, Controle Social do Bolsa Família, de Alimentação Escolar, de Finanças, entre outros tantos. Hoje, a maioria dos conselhos municipais são constituídos por servidores do quadro efetivo. Um exemplo de participação dos servidores nestes conselhos de controle social são os Conselhos Municipais de Saúde que são compostos por 25% de servidores da saúde e ainda é constituídos por outros servidores de outros setores municipais, o que na maioria das vezes são de indicação do próprio poder executivo local. A importância dos conselhos está no seu papel de fortalecimento da participação democrática da população na formulação e implementação de políticas públicas, cabendo na maioria dos casos de elementos como os próprios servidores públicos na participação nestes conselhos. Em resumo, pode-se dizer que em todos os seguimentos públicos municipais, o servidor público é peça fundamental tanto na participação quanto no controle social, pois estes, apesar de ser de indicação do poder público local, ajudam tanto na formulação, no controle, na implementação e execução das políticas públicas setoriais. Os conselhos são o principal canal de participação popular encontrada nas três instâncias de governo no qual o fulcro do servidor público tem relevância impar.

13 13 CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente artigo buscou demonstrar, em um primeiro momento a administração pública ou nova administração pública, baseando-se em conceitos fundamentais de administração pública elucidando até o novo cenário que vêm se consolidando através do qual essa nova administração pública se faz evidente nas transformações estruturais, tecnológicas, sociais e até mesmo econômicas. Visualiza-se também que este novo modelo está voltado para a eficiência e eficácia do aparelho do Estado sendo necessário o seguimento dos princípios constitucionais consagrados pela Carta Magna a Constituição Federal de Através de uma análise das características típicas e dos principais elementos dos modelos de gestão das administrações patrimonialista, burocrática e gerencial, observou-se a grande evolução da administração como forma de obtenção de resultados em todas as dimensões da análise destes modelos, principalmente na deixando para trás a autoridade centrada em uma única pessoa passando a distribuir a autoridade de acordo com as competências para o comprimento das metas através do uso de relações informais com agentes da área de planejamento e orçamento para o bem comum e não em benefício próprio. Nos dias atuais, para que se consiga manter este novo modelo de administração pública é necessário que o poder público, principalmente o poder executivo municipal seja dotado de espírito de liderança tanto de pessoal quanto política o que na maioria das vezes não vemos no nosso cotidiano. O líder por si só deve ter a função de influenciar pessoas, de articular politicas e ações para que o ato da administração pública seja dinâmica e eficiente em prol do bem estar comum e não de si próprio. Em um segundo momento analisou-se a participação social na administração pública, percebendo que este ato é motivo de satisfação do cidadão, nas suas mais varias formas de organização, em participar da administração local defendendo o interesse público consolidando de fato seu papel de cidadão garantindo que realmente haja uma melhor utilização de recursos no setor público. Como forma de participação e controle social na administração pública encontramos os conselhos municipais que tem, dentre as várias funções, a competência de fiscalizar a aplicação do dinheiro público, verificarem se as politicas públicas estão atendendo as necessidades da população e se estão de acordo com as necessidades da mesma, tem também o poder de deliberar ações nos blocos de financiamento da saúde, educação, ação social, controle social e bolsa família entre tantas outras.

14 14 É bastante visível que os conselhos quando efetivos se despontam como instrumentos democráticos que entrelaçam o poder público e o poder popular. Como Gohn elucida no texto, os conselhos possibilitam à população o acesso aos espaços onde se tomam decisões políticas e criam condições para um sistema de vigilância sobre as gestões públicas assim como a prestação de contas das mesmas. Neste sentido, o servidor público além ser um recurso valioso na administração pública, é também é um dos principais agentes da participação e controle social na administração, pois é através dele que as ações são planejadas e desenvolvidas. A participação dos servidores como agentes públicos e ao mesmo tempo popular no controle social é mais notória na composição dos conselhos municipais, onde estes seres são na maioria das vezes indicados pelo poder executivo. Ainda hoje, mesmo com toda essa evolução da administração pública, percebemos a composição dos conselhos municipais de forma que satisfaça as vontades do poder executivo, pois de certa forma, todos os conselheiros são de indicação do executivo e principalmente em municípios de pequeno porte estes conselhos são articulados para defender interesses próprios e não o bem comum da população. Ainda existem servidores públicos que andam alinhados ao poder executivo para defender interesses próprios e não o da coletividade, sendo na maioria das vezes estes indicados aos conselhos municipais como meio de influenciar os populares nas tomadas de decisões de forma a beneficiar o individual e não o coletivo. Pensando na efetividade dos conselhos gestores/municipais, pode-se dizer que estes representam os meios públicos de deliberação criados para promover a participação social. Suas funções abarcam a tomada de decisões sobre políticas locais e a regulação dos atos do governo, de modo a converter orçamentos em bens e serviços para a comunidade. Adotando o conceito de Gohn de que são novos meios de expressão e participação, dotados de poder de transformação política e que, se efetivamente representativos, estes propiciam o aprimoramento do formato de politicas setoriais. Neste sentido os conselhos podem contribuir para a democratização da gestão pública, a ampliação quanti-qualitativa da participação, da condução de políticas sociais, bem como a responsabilização de governantes para o efetivo controle social pró-ativo entre população e poder local. Sabendo que os conselhos são instâncias de exercício da cidadania, que abrem espaço para a participação popular da gestão pública, estes podem desempenhar três funções básicas, que são: de fiscalização (pressupõe o acompanhamento e o controle dos atos praticados pelos governos), de mobilização (refere-se ao estímulo à participação popular na gestão pública e às

15 15 contribuições para a formulação e disseminação de estratégias de informação para sociedade sobre as políticas públicas), e de deliberação ou consultoria (refere-se à prerrogativa dos conselhos de decidir sobre as estratégias utilizadas nas políticas públicas de sua competência, enquanto a função consultiva relaciona-se à emissão de opiniões e sugestões sobre assuntos que lhes são correlatos). Em suma, visando à efetividade deliberativa como a capacidade do conselho influenciar, controlar e decidir sobre determinada política pública, tanto expressa na institucionalização dos procedimentos, na pluralidade da composição, na deliberação pública e inclusiva, como na proposição de novos temas, na decisão sobre ações públicas e no controle sobre essas ações, espera-se que os conselhos deixem a forma tradicional estabelecida em nosso país, a do clientelista e assistencialista, que comungam das idéias e dos ideais do poder local e passem a assumir pelo menos as suas funções básicas consagradas pela legislação vigente. Cabe ainda ressaltar que não só os membros, chamados de conselheiros, que têm papel de fiscalizar, mas também toda a sociedade tem o dever de assumir o seu papel de agente social que não somente deposita seu voto nas urnas, cabe à função de buscar meios da efetivação destes conselhos frente à administração pública. Vale observar que, apesar da vasta literatura encontrada sobre o servidor público, a administração e a participação social ou cidadã, é necessário desenvolver estudos que entrelacem o servidor público à participação social no exercício de seu papel enquanto cidadão e servidor, pois estes dois ainda não se encontram envolvidos com o bem estar coletivo mais sim individual.

16 16 REFERÊNCIAS ALVES, L.S. Princípios que regem a administração pública e o reflexo no processo disciplinar. Jus Navigandi, Teresina, a.14, n.2054, 14 fev Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/12336>. Acesso em: 12 mar BONEZI, C.A.; PEDRAÇA, L.L.O. A Nova Administração Pública: reflexão sobre o papel do Servidor Público do Estado do Paraná p. BORGES, C.H.L. Fundamentos da Administração Pública. 2.ed. São Paulo: Malheiros, BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República federativa do Brasil. Brasília: DF: Senado, CAIXETA, J.M. Os princípios administrativos aplicáveis às licitações públicas: A Doutrina Dominante e a Jurisprudência do Tribunal de Contas da União Monografia de conclusão de curso de especialização em Controle Interno. Instituto Serzedello Corrêa do Tribunal de Contas da União. Brasília: CARVALHO, K.G.B Direito constitucional didático. 7.ed. Belo Horizonte: Del Rey, CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS CNM. Nova Administração Pública: Gestão Municipal e Tendências Contemporâneas. Confederação Nacional dos Municípios Brasília: CNM, p. Vol. 6 CUNHA, C.S.; EPPLE, C.; HERATH, M. O Direito Fundamental de Participação Social no Estado Democrático de Direito. Anais do XVII Congresso Nacional do CONPEDI, realizado em Brasília DF, DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Jurídico Atlas, Cortez Editora, São Paulo, Disponívem em: <http://www.direitonet.com.br/artigos>. Acesso em: 12 mar FIATES, Gabriela Gonçalves Silveira. Modelos de Gestão e Gestão Pública: Livro Didático. Palhoça: UnisulVirtual, GOHN, Maria da Glória. Conselhos Gestores e Participação Sociopolítica. HARMON, M. M.; MAYER, R. T. Teoria de la organización para la administración pública. México: Colegio Nacional de Ciências Políticas y Administración Pública A. C./ Fondo de Cultura Económica, MEIRELLES, H.L. Direito Administrativo Brasileiro. 26.ed. São Paulo: Malheiros, MELLO, C.A.B. Curso de Direito Administrativo. 6. ed. revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Malheiros, MELLO, C.A.B. Curso de Direito Admnistrativo. 25.ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

17 17 MODESTO, P. Participação popular na administração pública. Mecanismos de operacionalização. Jus Navigandi, Teresina, a.7, n.54, 1 fev Disponível em: <http://jus. com.br/revista/texto/2586>. Acesso em: 22 fev OLIVEIRA, V.C.S.; PEREIRA, J.R.; OLIVEIRA, V.A.R. Os Conselhos Gestores Municipais Como Instrumentos da Democracia deliberativa no Brasil. Cad. EBAPE.BR [online]. 2010, vol.8, n.3, p PAGANELLA, M.A. O servidor público frente ao princípio da eficiência. Monografia. Universidade do Vale do Itajaí. São José, PAIVA, R.R.M.M. O controle social na administração pública: propostas para estruturar e estimular o seu desenvolvimento. Monografia. Escola de Contas Otacílio da Silveira (ECOSIL) - Tribunal de Contas do Estado da Paraíba: Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa,2004. PARENTE, L.B.M. Participação Social como Instrumento para a Construção da Democracia: a intervenção social da administração pública brasileira. Universidade de Brasília. Curso de Especialização em Direito Público e Controle Externo. Brasília, ROCHA, C.L.A. Princípios Constitucionais da Administração Pública. Belo Horizonte: Del Rey, ROCHA, C.V. Gestão pública municipal e participação democrática no Brasil. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 19, n. 38, Feb SERESUELA, N.C.H. Princípios constitucionais da Administração Pública. Lins:UNIMEP, 2002.Disponível em <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=3489>. Acesso em 18/03/2013. VINCI JUNIOR, Wilson José. 8/11/2005. O servidor público estatutário e a nova ordem de competência da Justiça do Trabalho estabelecida pela E.C. n 45/04. WALDO, D. O Estudo da Administração Pública. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1971.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL NO PERÍODO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, O DIREITO A ESTABILIDADE

O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL NO PERÍODO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, O DIREITO A ESTABILIDADE O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL NO PERÍODO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, O DIREITO A ESTABILIDADE Marcelo Marques Ferreira 1 Fernando De Oliveira Bombilio 2 RESUMO Neste artigo, articulamos uma breve incursão

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS VI Fórum Brasileiro sobre Reforma do Estado Rio de Janeiro Pedro R. Barbosa

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão.

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. GABARITO Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. Questão 1: Sobre os princípios da administração pública, é incorreto afirmar: (a)

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. Institui a Política de Acessibilidade do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso das competências que lhe foram conferidas pelo art. 98, inciso

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS 1 GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS Prof.MSc. José Ricardo Leal Lozano 1. Administração Pública x Privada Afinal, o que difere a administração pública da administração de empresas privadas? O que impede

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG.

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO/MBA GESTÃO PÚBLICA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Objetivos O presente curso tem por objetivo apresentar os princípios constitucionais do Direito Administrativo iniciando-se com um breve relato sobre

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

Teoria Geral de Administração Pública

Teoria Geral de Administração Pública Teoria Geral de Administração Pública Robert B. Denhardt GRUPO 4 Disciplina Débora Cabral Nazário Fabíola Ferreira de Macedo Rafael Arns Stobbe Governo Eletrônico Professor Aires José Rover Eduardo Costa

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

Conselho Regional de Administração de São Paulo CRA-SP

Conselho Regional de Administração de São Paulo CRA-SP Conselho Regional de Administração de São Paulo CRA-SP Grupo de Excelência de Estudos em Administração Pública - GEAP 04.10.2012 CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO - CFA CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Conselho Federal de Enfermagem SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Dos Novos Tempos Cofen à Força da Mudança: a evolução administrativa do Cofen. Manoel Carlos Neri da

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Políticas Públicas e Planejamento Governamental

Políticas Públicas e Planejamento Governamental GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL Políticas Públicas e Planejamento Governamental Susan Dignart Gestora Governamental Cuiabá MT, outubro de 2008

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos 3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos João Ferreira de Oliveira UFG Karine Nunes de Moraes UFG Luiz Fernandes Dourado UFG O objetivo deste texto é

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL.

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. PRINCÍPIOS PIOS DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. Contextualização A elaboração da Política Nacional e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Controle Interno na visão dos Auditores Externos Situação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

D OBJETIVOS E IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA A FORMAÇÃO DO EGRESSO

D OBJETIVOS E IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA A FORMAÇÃO DO EGRESSO 27/07/2015 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - CURSO SEMESTRAL Disciplina DIREITO ADMINISTRATIVO III Curso Graduação Período 8º período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Turmas A, B e D Código

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais