PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título MATERIAIS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO APRESENTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título MATERIAIS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO APRESENTAÇÃO"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO Data da última revisão SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Condutores SEÇÃO 3 Isoladores SEÇÃO 4 Conexões SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Ferragens SEÇÃO 7 Postes SEÇÃO 8 Cruzetas SEÇÃO 9 Escoras SEÇÃO 10 Equipamentos e Proteções SEÇÃO 11 Diversos 1 OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer as características básicas dos materiais e equipamentos de distribuição a serem utilizados na construção e/ou manutenção de redes aéreas de distribuição da Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica -. 2 NORMAS COMPLEMENTARES Constituem complemento desta Padronização as seguintes normas: - - ETD Transformador de distribuição; - - ETD Zincagem geral; - - ETD Chave fusível de distribuição; - - ETD Chave fusível de distribuição para ambientes agresivo; - - ETD Chave faca unipolar; - - ETD-007 Para-raios de resistores não linear para sistemas de potência; - - ETD Banco de capacitores completo; - - ETD-009 Isoladores de porcelana ou vidro para redes aéreas de distribuição; - - ETD Cordoalha de aço; - - ETD Religador tripolar externo a vácuo; - - ETD Pinturas em ferragens e equipamentos destinados à orla marítima; - - ETD Elo fusível de distribuição; - - ETD Transformador especial de distribuição tipo abaixador e elevador de tensão; - - ETD Cabo de alumínio multiplexado; - - ETD Regulador de tensão monofásico; - - ETD Sincronizador para reguladores de tensão monofásicos; - - ETD Conectores para redes de distribuição; - - ETD Poste poliméricos; - - ETD Chave tripolar de abertura em carga com câmara extintora a gás; - - ETD Cruzetas poliméricas para redes aéreas de distribuição de energia elétrica; - - ETD Transformadores de potencial para equipamentos especiais; - - PTD Ferramentas e equipamentos das equipes das regionais; - - Padronização de embalagens e unitização de cargas para materiais de linhas e redes - SUMAT; - NBR 5034 Buchas para tensões alternadas superiores a 1 kv; - NBR 5037 Fitas adesivas sensíveis à pressão para fins de isolação elétrica - Especificação; - NBR 5057 Fitas adesivas sensíveis à pressão para fins de isolação elétrica - Especificação; - NBR 5118 Fios de alumínio nus, de seção circular para fios elétricos - Especificação; - NBR Transformadores de potência - Parte 1: Generalidades; - NBR Transformadores de potência - Parte 2: Aquecimento; - NBR Transformadores de potência - Parte 3: Níveis de isolamento, ensaios dielétricos e espaçamentos externos em ar; - NBR Transformadores de potência - Parte 4: Guia de ensaio de impulso atmosférico e de manobra para transformadores e reatores; - NBR Transformadores de potência - Parte 5: Capacidade de resistir a curtos-circuitos;

2 APRESENTAÇÃO Data da última revisão NBR 5359 Elos fusíveis de distribuição - Especificação; - NBR 5370 Conectores de cobre para condutores elétricos em sistema de potência; - NBR 5385 Elos fusíveis de distribuição Ensaios; - NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos - Procedimentos; - NBR 5427 Guia para utilização da norma NBR Planos de amostragem e procedimento na inspeção por atributos; - NBR 5435 Buchas para transformadores sem conservação de óleo - Tensão nominal 15 kv e 25,8 kv A - Dimensões; - NBR 5437 Buchas para transformadores sem conservador de óleo Tensão nominal 1,3 kv 160 A, 400 A, 800 A Dimensões; - NBR 5440 Transformadores para redes aéreas de distribuição - Requisitos; - NBR 5456 Eletricidade geral - Terminologia; - NBR 5471 Condutores elétricos - Terminologia; - NBR 5472 Isoladores e buchas para eletrotécnica; - NBR 5589 Arame de aço baixo teor de carbono - Diâmetros, tolerâncias e pesos - Padronização; - NBR 5996 Zinco primário; - NBR NM Fitas adesivas sensíveis à pressão para fins elétricos - Parte 1: Requisitos gerais; - NBR NM Fitas adesivas sensíveis à pressão para fins elétricos - Parte 2: Método de ensaio; - NBR NM Fitas adesivas sensíveis à pressão para fins elétricos - Parte 3: Especificações de materiais individuais - Folha 1: Filme de PVC com adesivos sensíveis à pressão; - NBR 6159 Rosca métrica ISO - Dimensões básicas, diâmetros nominais e passos - Procedimento; - NBR 6160 Rosca métrica ISO - Tolerância - Procedimento; - NBR 6161 Rosca métrica ISO - Dimensões limites - Procedimento; - NBR 6236 Madeiras para carretéis para fios, cordoalhas e cabos - Especificação; - NBR 6238 Fios e cabos elétricos - Envelhecimento térmico acelerado - Método de Ensaio; - NBR 6239 Fios e cabos elétricos - Deformação a quente - Método de Ensaio; - NBR 6241 Materiais isolantes e coberturas protetoras extrudadas para fios e cabos elétricos - Ensaio de tração à ruptura - Método de Ensaio; - NBR 6242 Verificação dimensional para fios e cabos elétricos - Método de Ensaio; - NBR 6246 Fios e cabos elétricos - Dobramento a frio - Método de Ensaio; - NBR-6252 Condutores de alumínio para cabos isolados - Características dimensionais, elétricas e mecânicas - Padronização; - NBR 6279 Características dimensionais de carretéis de madeira para cabos de cobre - Padronização; - NBR 6323 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente; - NBR 6396 Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão; - NBR 6524 Fios e cabos de cobre com ou sem cobertura protetora para instalações aéreas - Especificação; - NBR 6547 Ferragens de linhas aéreas - Terminologia; - NBR 6653 Fitas de aço para embalagem - Especificação; - NBR 6813 Fios e cabos elétricos - Resistência de Isolamento - Método de Ensaio; - NBR 6814 Fios e cabos elétricos - Resistência elétrica - Método de Ensaio; - NBR 6936 Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão; - NBR 7040 Fios e cabos elétricos - Absorção de água - Método de Ensaio; - NBR 7042 Fios e cabos elétricos - Retração ao calor - Método de Ensaio. - NBR 7104 Fios e cabos elétricos - Determinação do teor de negro de fumo e conteúdo de componente mineral em polietileno - Método de Ensaio; -NBR 7270 Cabos de alumínio nus com alma de aço zincado para linha aéreas - Especificação; - NBR 7271 Cabos de alumínio para linhas aéreas - Especificação; - NBR 7272 Condutor elétrico de alumínio - Ruptura e característica dimensional - Método de Ensaio; - NBR 7285 Cabos de potência com isolação sólida estruturada de polietileno termofixo (XLPE) para tensões até 0,6/1,0 kv - sem cobertura - Especificação; - NBR 7291 Fios e cabos elétricos - Ensaio de resistência à fissuração; - NBR 7292 Fios e cabos elétricos - Ensaio de determinação de grau de reticulação - Método de Ensaio; - NBR 7300 Fios e cabos elétricos - Ensaio de resistividade volumétrica - Método de Ensaio; - NBR 7307 Fios e cabos elétricos - Ensaio de fragilização - Método de Ensaio; - NBR 7308 Características dimensionais e estruturas de carretéis de madeira para condutores; - NBR 7309 Armazenamento, transporte e movimentação dos elementos componentes dos carretéis de madeira para condutores elétricos - Procedimento; - NBR 7310 Transporte, armazenamento e utilização de bobinas de condutores elétricos em madeira - Procedimento; - NBR 7312 Rolos de fios e cabos elétricos - Características dimensionais - Padronização; - NBR 7397 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Determinação da massa por unidade de área;

3 APRESENTAÇÃO Data da última revisão NBR 7398 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da aderência do revestimento; - NBR 7399 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da espessura do revestimento por processo não destrutivo; - NBR 7400 Produto de aço ou ferro fundido Revestimento de zinco por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento; - NBR 7875 Instrumentos de medição de radiointerferência na faixa de 0,15 a 30 Mhz (padrão CISPR). - NBR 7876 Linhas e equipamentos de alta tensão - medição de radiointerferência na faixa de 0,15 a 30 MHz; - NBR 8094 Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à névoa salina; - NBR 8096 Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição ao dióxido de enxofre - NBR 8158 Ferragens eletrotécnicas para redes aéreas urbanas e rurais de distribuição de energia elétrica - Especificação; - NBR 8159 Ferragens eletrotécnicas para redes aéreas urbanas e rurais de distribuição de energia elétrica - Formatos, dimensões e tolerâncias - Padronização; - NBR 8182 Cabos de potência multiplexados auto-sustentados com isolação sólida extruturada de polietileno termoplástico (PE) ou termofixo (XLPE) para tensões até 0,6/1kV - Especificação; - NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e transmissão de energia elétrica Parte 1: Requisitos; - NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e transmissão de energia elétrica Parte 2: Padronização de postes para redes de distribuição de energia elétrica - NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e transmissão de energia elétrica Parte 3: Ensaios mecânicos e inspeção; - NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e transmissão de energia elétrica Parte 4: Determinação da absorção de água; - NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e transmissão de energia elétrica Parte 5: Postes de concreto para entrada de serviço até 1 kv; - NBR 8456 Postes de eucalipto preservado para redes de distribuição de energia elétrica - Especificação; - NBR 8457 Postes de eucalipto preservado para redes de distribuição de energia elétrica - Dimensões - Padronização; - NBR 8458 Cruzetas de madeira para redes de distribuição de energia elétrica - Especificação; - NBR 8459 Cruzetas de madeira - Dimensões; - NBR 9511 Cabos elétricos - Raio mínimo de curvatura para instalação e diâmetro mínimos de núcleos de carretéis para acondicionamento - Padronização; - NBR 9512 Fios e cabos elétricos - Intemperismo artificial sob condensação de água, Temperatura e radiação ultravioleta- B Proveniente de Lâmpadas Fluorescentes - Método de Ensaio; - NBR 9527 Rosca métrica ISO; - NBR Material isolante elétrico - Avaliação da resistência ao trilhamento elétrico e erosão sob severas condições ambientais - Método de Ensaio. - NBR Fitas autoaglomerante Isolantes - Método de Ensaio; - NBR Carretéis de madeira para o acondicionamento de fios e cabos elétricos - Padronização; - NBR Cálculo da capacidade de condução de corrente de cabos isolados em regime permanente (Fator de Carga 100%) - Procedimento; - NBR Conectores de alumínio para ligações aéreas de condutores elétricos em sistemas de potência - Especificação; - NBR Cabos aéreos cobertos com XLPE para uso em regiões arborizadas com tensões de 15 kv e 25 kv - Especificação; - NBR Concreto de cimento Portland - Preparo, controle e recebimento - Procedimento; - NBR Isolador de porcelana ou vidro para tensões acima de V - Ensaio de perfuração sob impulso; - NBR Redes de distribuição aérea de energia elétrica com condutores nus - Padronização; - NBR Redes de distribuição aérea de energia elétrica com cabos cobertos fixados em espaçadores para tensões até 36,4 kv - Padronização; - NBR Materiais pré-formados para redes aéreas de distribuição de energia elétrica - Especificação; - NBR Acessórios poliméricos para redes aéreas de distribuição de energia elétrica - Especificação; - NBR Acessórios poliméricos para redes aéreas de distribuição de energia elétrica - Padronização; - ASTM D 150 Test Methods A-C loss characteristics and permittivity (Dielectric Constant) of solid electrical insulating Materials; - ASTM D 257 Test method for dc resistance or conductance of insulating materials; - ASTM D 638M Standard test method for tensile properties of plastics (metric); - ASTM D 1351 Polyethylene insulation for electrical wire and cable; - ASTM D 1535 Color by Munsell System; - ASTM D 3418 Standard test method for transition temperatures of Polymers by thermal analysis; - ASTM E 94 Standard Guide for Radiographic Testing; - ASTM E 114 Standard practice for ultrasonic pulse-echo straight-beam examination by the contact method;

4 APRESENTAÇÃO Data da última revisão ASTM E 165 Standard test method for liquid penetrant examination; - ASTM E 709 Standard guide for magnetic particle examination; - ASTM G 26 Operating light-exposure apparatus (Xenon-arc Type) with and without water for exposure of nonmetallic Materials; 3 DEFINIÇÕES Os termos utilizados nesta Norma estão definidos nas normas: NBR 5456 e NBR 6547 e são complementados pelas seguintes definições: 3.1 Cabo coberto Cabo dotado de cobertura protetora extrudada de material polimérico, visando a redução da corrente de fuga em caso de contato acidental do cabo com objetos aterrados e diminuição do espaçamento entre condutores. 3.2 Braço tipo L Ferragem, em formato L, fixada ao poste, com a função de sustentação do cabo mensageiro da rede compacta, em condição de tangência ou com ângulos de deflexão de até 6º. 3.3 Braço tipo C Ferragem, em formato C, fixada ao poste, com a finalidade de sustentação das fases em condições de ângulo e de final de linha, derivações e conexão de equipamento à rede. 3.4 Cantoneira auxiliar para braço tipo C Ferragem utilizada para encabeçamento das fases, na extremidade superior do braço tipo C ou para instalação de chaves fusíveis ou de pára-raios. 3.5 Estribo para braço tipo L Ferragem complementar ao braço tipo L cuja função é a sustentação do espaçador junto ao braço. 3.6 Suporte horizontal Ferragem, em formato L, fixada ao poste, com a finalidade de sustentação dos cabos cobertos em isoladores de pino, nas estruturas que utilizam estribos para grampo de linha viva, de modo a permitir maior estabilidade e afastamento dos mesmos. 3.7 Perfil U Ferragem utilizada como cruzeta ou como extensor de poste em rede de distribuição compacta. Nota: Como cruzeta deve ser fixada diretamente ao poste com uma mão francesa e como extensor deve ser fixada diretamente no topo do poste. 3.8 Suporte afastador horizontal Ferragem, em formato L, fixada ao poste, com a finalidade de sustentação dos cabos cobertos em isoladores de pino e que permite um maior afastamento da rede compacta de edificações Alça pré-formada para cabo coberto Acessório metálico utilizado para ancoragem do cabo coberto em fim de linha, derivações e ângulos Braço antibalanço Acessório de material polimérico cuja função é a redução da vibração mecânica das redes compactas.

5 3.11 Cobertura de emenda para cabo coberto APRESENTAÇÃO Data da última revisão Acessório de material polimérico utilizado sobre as emendas para a reconstituição das características do cabo coberto Anel de amarração para isolador tipo pino Acessório de material polimérico utilizado para a fixação do condutor fase e mensageiro nos espaçadores ou isolador tipo pino polimérico Fio de amarração para isolador tipo pino Acessório utilizado para fixação do condutor fase no isolador tipo pino Protetor de bucha Acessório de material polimérico utilizado para proteção das partes energizadas de buchas de equipamentos Protetor de para-raios Acessório de material polimérico utilizado para proteção das partes energizadas de para-raios Espaçador Acessório, de material polimérico cuja função é a sustentação e separação dos cabos cobertos na rede compacta ao longo do vão, mantendo o nível de isolação elétrica da rede Berço Nome dado às partes dos espaçadores cuja função é acomodar e sustentar os condutores fase e mensageiro Anel de amarração Acessório utilizado para fixação do condutor fase e mensageiro nos espaçadores ou isolador tipo pino polimérico Laço plástico pré-formado para amarração Acessório utilizado para a fixação do condutor fase no espaçador ou separador Laço pré-formado para mensageiro Acessório utilizado para fixação do mensageiro no espaçador ou separador Trilhamento elétrico Degradação irreversível que consiste na formação de caminhos condutivos,mesmo quando secos, que se iniciam e se desenvolvem na superfície do material polimérico Erosão Degradação irreversível e não condutiva da superfície do isolador, que ocorre por perda de material, pode ser uniforme, localizada ou ramificada Fissura Qualquer fratura superficial de profundidade igual ou inferior a 0, Trinca (fraturas internas) - rachadura

6 APRESENTAÇÃO Qualquer fratura superficial de profundidade igual ou inferior a 0,1. Data da última revisão CONDIÇÕES GERAIS 4.1 Nesta Padronização, os materiais devem apresentar forma adequada à montagem em postes de seção circular e postos do tipo duplo T. 4.2 Os materiais foram representados de forma que o usuário não encontre dificuldade na sua identificação. 4.3 Todos os desenhos dos materiais trazem o número do código utilizado pela a fim de garantir ao usuário maior precisão nas requisições de compra. 4.4 Todas as medidas indicadas nos desenhos devem ser em milímetros, salvo em casos em que precisem ser expressas em outras unidades. 4.5 Todas as peças zincadas devem ser feitas pelo processo de imersão a quente em zinco fundido, conforme norma ETD Materiais de um mesmo tipo, diferenciados por tamanhos, classe de tensão, etc., foram identificados como itens, na mesma seção, com seus códigos correspondentes. 5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Os materiais e equipamentos padronizados nesta norma devem satisfazer os detalhes referentes aos desenhos, tabelas e notas, relativos a cada seção. 5.2 Todos os fabricantes estarão aptos a fornecer materiais e equipamentos de distribuição à, que constam desta norma, desde que obtenha APROVAÇÃO do seu CADASTRO (técnica finalizada/aprovada e documentação fiscal válida, em dia e regularizada) junto ao Grupo CEEE O fabricante deverá obter a documentação exigida para CADASTRO junto a Divisão de Licitação e Contratos, acessando o site ceee.com.br => Suprimentos e Licitações => Fornecedores, e obrigatoriamente mantê-lo válido, em dia e regularizado junto a Para encaminhamento do CADASTRO o Fabricante deverá produzir materiais e equipamentos de acordo com as especificações técnicas da, devendo estes ser submetidos aos ensaios de tipo completos estabelecidos nas Normas Brasileiras, da e/ou Internacionais, realizados em laboratório Oficial Nacional, podendo ser realizado em laboratório Internacional Oficial quando acordado com a, e quando exigido, na presença de inspetores da ou quem for indicado, associando a aprovação dos testes práticos para análise da parte construtiva e instalação de amostras para testes em campo quando solicitado pela. Nota: A validade dos ensaios apresentados não poderão ser superior a 2 anos Os relatórios dos ensaios de tipo completos e finalizados deverão ser encaminhados à da seguinte forma: a) em duas vias impressas e encadernadas; b) em uma via em meio eletrônico (CD-ROM não regravável). Nota: Todas as despesas com passagens, estadias e alimentação para a realização dos ensaios, será por conta do fabricante A critério da será feita a AVALIAÇÃO INDUSTRIAL que constituirá de uma visita à fábrica, com o objetivo principal de verificar os projetos, parte produtiva, controle de qualidade, equipamentos, laboratório, pessoal, etc. Nota: Todas as despesas com passagens, estadias e alimentação para a realização da Avaliação Industrial, será por conta do fabricante. 5.3 Em obras de Turn Key os materiais, equipamentos, etc., a serem fornecidos pelo contratado, poderão ser aceitos pela desde que o fabricante tenha seu CADASTRO APROVADO (conforme item 5.2), ou ainda aprove lote especifico

7 APRESENTAÇÃO Data da última revisão para a obra contratada, através da apresentação de ensaios de recebimento feitos em laboratório Nacional ou Internacional reconhecidos, associado à aprovação destes em inspeção de rotina para materiais e de tipo e rotina para equipamentos. Para aprovação final de lote, poderá ser exigido e realizado pelos fiscais ensaios de rotina e recebimento em campo (na obra) e/ou fábrica, com apoio das áreas técnicas da. 5.4 No caso de rejeição de materiais e equipamentos nas fases do CADASTRAMENTO ou fornecimento para obras de Turn Key, o fabricante somente poderá requerer nova análise depois de transcorrido o prazo de 90 dias após a emissão do relatório de rejeição. Nota: Todas as despesas necessárias (transporte, alimentação, deslocamento local, estadia, etc.) para a realização da análise/reanálise de ensaios ou reinspeção de materiais e equipamentos, destinados a obras de Turn Key serão por conta do contratado. 5.5 Para garantias técnicas e comerciais dos materiais e equipamentos aceitos pela devem ser exigidos os seguintes prazos de fabricação: a) não poderá ser superior a 3 (três) meses, a diferença entre as datas de fabricação e de entrega dos seguintes materiais e equipamentos: regulador de tensão; cabos nus, cobertos e isolados; cordoalha de aço; para-raios; postes; cruzetas; toras; madeiras em geral; elo fusível; alças e laços pré-formados; emendas pré-formadas; fitas isolantes e autoaglomerantes. b) não poderá ser superior a 6 (seis) meses, a diferença entre as datas de fabricação e de entrega para dos seguintes materiais e equipamentos: chaves fusíveis e faca; banco de capacitor; religadores; isoladores; conectores; ferragens; matérias poliméricos (espaçadores em geral, braço antibalanço, protetor de bucha de MT, anel de amarração, etc.) e transformadores. 5.6 Em obras prontas somente serão aceitos materiais e equipamentos de fabricastes cadastrados conforme item VIGÊNCIA Esta Norma passa a vigorar a partir da data de sua aprovação, e anula as disposições que com ela colidirem. Elaborado pela Normalização da Divisão de Planejamento e Engenharia. Responsável Técnico pela Elaboração da Norma: Raul Fernando Ribeiro da Silva Engenheiro Eletricista CREA RS Nº Aprovado em 08 de agosto de Rubem Cima, Diretor.

8 CONDUTORES CONDUTOR DE ALUMÍNIO - CA 7 ALUMÍNIO 19 ALUMÍNIO Item Formação do condutor AWG/MCM ² internacional Nº fios Ø fios Ø Externo nominal RMC kn Massa total aproximada kg/km ,54 Iris 7 2,47 7,41 5,99 92, /0 53,52 Poppy 7 3,12 9,36 8,84 147, /0 107,41 Oxlip 7 4,42 13,26 17,01 296, ,4 170,48 Tulip 19 3,38 16,90 27,27 470,00 1) Material: Fios de alumínio com têmpera H-19 (duro), condutividade mínima de 61% IACS a 20ºC. 2) Os cabos devem possuir encordoamento conforme norma NBR ) Módulo de elasticidade final: - cabo de 7 fios: 60 x 10³ MPa; - cabo de 19 fios: 57 x 10³ MPa. 4) Coeficiente de dilatação linear: 23,04x10-6 (ºC) -1. 5) Acondicionamento: Em bobinas conforme NBR ) Identificação: As bobinas de cabo devem conter externamente nos dois lados, indicações em campos definidos e na ordem apresentada, conforme NBR ) RMC: Resistência mecânica calculada.

9 CONDUTORES CONDUTOR DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO - CAA ALUMÍNIO / 1 AÇO Item nominal Formação do condutor ² Alumínio Aço AWG internacional Nº Ø fios Nº Ø fios Alm. Aço fios () fios () Ø Externo nominal RMC kn Massa total aproximada kg/km ,18 5,53 SWAN 6 2,12 1 2,12 6,36 8,30 85, ,59 5,60 SPARROW 6 2,67 1 2,67 8,01 12,65 135, /0 53,52 8,92 RAVEN 6 3,37 1 3,37 10,11 19,46 216, /0 107,22 17,87 PENGUIN 6 4,77 1 4,77 14,31 37,06 433,2 1) Material: Fios de alumínio têmpera H-19 conforme NBR 5118, condutividade mínima de 61% IACS a 20ºC. Fios de aço zincado conforme NBR 6756 ou cordoalha de fios de aço zincado conforme NBR ) Os cabos devem possuir encordoamento conforme NBR ) Módulo de elasticidade final: 79 x 10³ MPa. 4) O coeficiente de dilatação linear: 19,1 x 10-6 (ºC) -1. 5) Os cabos devem ser acondicionados em bobinas, conforme NBR ) Identificação: As bobinas de cabo devem conter externamente nos dois lados indicações em campos definidos e na ordem apresentada, conforme NBR ) RMC: Resistência mecânica calculada.

10 CONDUTORES CONDUTOR DE COBRE NU - CC ITEM BITOLA Formação Condutor NOMINAL (AWG/MCM) N. Fios Ø Fios () Ø Externo Nominal () Carga de ruptura Mínima (dan) Massa total aproximada (kg/km) ,11 4, , ,96 5, , ,47 7, , /0 7 3,12 9, , /0 7 3,5 10, , /0 7 4,42 13, ,00 1) Material: cobre, têmpera meio dura. 2) O condutor sólido deve possuir encordoamento classe 1 e os cabos encordoados concêntricos não compactados, classe 2 e 3. 3) Os cabos devem ser classe A, quanto a flexibilidade. 4) Características elétricas e mecânicas, conforme NBR-5111 e NBR ) Embalagem: os fios devem ser embalados em rolos de 40 Kg conforme NBR-7312 e os cabos em bobinas, de tipo padrão estabelecido conforme NBR ) As embalagens devem ter uma marcação externa, com as indicações conforme NBR-6524.

11 CONDUTORES CONDUTOR DE COBRE ISOLADO PVC - BWF 0,6/1,0 kv ISOLAÇÃO CONDUTOR COBERTURA ITEM SEÇÃO NOMINAL (²) Formação Condutor Espessura Ø mínimo Nominal () N. Fios Cabo () Isolação Cobertura Ø Externo Nominal () Massa total aproximada (kg/km) ,75 1,0 1,0 8,90 208, ,95 1,2 1,1 10,60 313, ,00 1,2 1,1 11,60 415, ,70 1,4 1,2 14,90 762, ,45 1,6 1,3 17, , ,20 1,6 1,3 19, , ,47 1,8 1,4 21, ,00 1) Material: Condutor - formado por fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, encordoamento classe 2, compactado; Isolação - PVC (70 C)/A composto termoplástico de cloreto de polivinila; Cobertura - PVC- composto termoplástico de cloreto de polivinila, tipo ST1, na cor preta. 2) Identificação do condutor: sobre a isolação, em intervalos regulares de até 2m, devem ser marcados de forma indelével e em seqüências, os seguintes dizeres: a) nome do fabricante ou marca comercial; b) seção nominal do condutor em ²; c) tipo de material (PVC-BWF) NBR-7288; d) tensão de isolamento. 3) Embalagem: Os cabos devem ser embalados preferencialmente em rolos de 100m e em carretéis, quando solicitado pela, com o comprimento a ser especificado no momento da compra. As embalagens devem ter uma marcação externa com as seguintes indicações: a) nome do fabricante e CNPJ; b) indústria brasileira; c) tipo de material e seção nominal em 2 ; d) tensão de isolamento; e) comprimentos em metros; f) cor de isolação; g) peso bruto; h) documento de compra; i) código. Na etiqueta dos rolos deve constar a massa líquida mínima por 100m, expressa em Kg/100m, em substituição ao item g. Os carretéis devem ser identificados por um número de série e possuir uma seta indicativa do sentido de rotação para desenrolar.

12 CONDUTORES CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO FASE NEUTRO DUPLEX FASE NEUTRO TRIPLEX FASE NEUTRO QUADRUPLEX Item CABO nominal ² Nº Fases + Neutro Nº Fios Formação do condutor Fase Ø Cabo Nº Fios Neutro Ø Fios Espessura da Isolação Ø Total do cabo Massa total aproximada kg/km DUPLEX 1x ,08 7 1,36 1,20 10, TRIPLEX 2x ,08 7 1,36 1,20 12, x ,08 7 1,36 1,20 14, x ,70 7 1,70 1,20 20, x ,95 7 2,06 1,40 24, x ,00 7 2,50 1,60 28, QUADRUPLEX x ,20 7 3,00 1,60 31, x ,75 7 3,45 1,80 37, x , ,50 2,00 43, x , ,90 2,00 45, ) Material: Fios de alumínio: - condutor fase: RN (redondo normal) até seção 10 2, RC (redondo compacto) para seções maiores ou iguais a tempera H-19. Condutor neutro: RN (redondo normal) tempera H-19. Isolamentos dos condutores fase: Para condutores fase de seção até 25 2, inclusive, polietileno termoplástico (PE) 70 C, na cor preta 0,6/1 kv. É aceito Polietileno Termofixo (XLPE) 90 C, na cor preta 0,6/1 kv. Para condutores fase de seção acima de 35 2, inclusive, Polietileno Termofixo (XLPE) 90 C, na cor preta 0,6/1 kv. 2) Identificação: Sobre o isolamento deve constar, de forma legível e indelével, em espaços de até 500. a) nome do fabricante; b) seção nominal em ² (Nx1xS+S); c) tipo do material condutor e da isolação (PE ou XLPE) NBR 8182; d) tensão de isolamento; e) ano de fabricação; f) identificação das fases dos condutores: - cores: sendo a 1ª Fase preta, a 2ª Fase cinza e a 3ª Fase vermelho. 3) Na tabela o diâmetro total e a massa do cabo devem ser considerados como valores de referência. 4) Embalagem: Conforme especificação ETD ) Inspeção e ensaios conforme especificação ETD

13 CONDUTORES CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO a FASE NEUTRO DUPLEX FASE NEUTRO TRIPLEX FASE NEUTRO QUADRUPLEX Item CABO Nominal ² Nº Fase + Neutro Nº Fios Formação do condutor Fase Ø Cabo Nº Fios Neutro Ø Fios Espessura da Isolação Ø Total do Cabo Massa total aproximada kg/km DUPLEX 1x ,08 7 1,36 1,20 13, TRIPLEX 2x ,08 7 1,36 1,20 14, x ,08 7 1,36 1,20 16, x ,62 7 1,70 1,20 20, x ,11 7 3,00 1,60 31, QUADRUPLEX x ,85 7 3,45 1,80 33, x , ,50 2,00 36, x , ,90 2,00 40, ) Material: Fios de alumínio: - condutor fase: RN (redondo normal) até seção 10 2, RC (redondo compacto) para seções maiores ou iguais a tempera H-19. Condutor neutro: RN (redondo normal) tempera H-19. Isolamentos dos condutores: Para condutores de seção até 25 2, inclusive, polietileno termoplástico (PE) 70 C, na cor preta 0,6/1 kv. É aceito Polietileno Termofixo (XLPE) 90 C, na cor preta 0,6/1 kv. Para condutores de seção acima de 35 2, inclusive, Polietileno Termofixo (XLPE) 90 C, na cor preta 0,6/1 kv. 2) Identificação: Sobre o isolamento deve constar, de forma legível e indelével, em espaços de até 500. a) nome do fabricante; b) seção nominal em ² (Nx1xS+S); c) tipo do material condutor e da isolação (PE ou XLPE) NBR 8182; d) tensão de isolamento; e) ano de fabricação; f) identificação dos condutores: - cores: sendo o Neutro azul, a 1ª Fase preta, a 2ª Fase cinza e a 3ª Fase vermelho. g) identificação do neutro dos condutores: sobre o isolamento deve constar, de forma legível e indelével, em espaços de até 500, a palavra NEUTRO. 3) Na tabela o diâmetro total e a massa do cabo devem ser considerados como valores de referência. 4) Embalagem: Conforme especificação ETD ) Inspeção e ensaios conforme especificação ETD

14 CONDUTORES CONDUTOR DE COBRE ISOLADO PE/XLPE - 0,6/1,0 kv Fio Cabo 7 fios ITEM nominal (²) Formação do condutor Nº de fios Ø mínimo do cabo () Espessura da isolação () Ø Externo nominal () Massa total aproximada (kg/km) ,57 1,20 6, ,73 1,20 7, ,90 1,40 8, ,00 1,60 10, ) Material: Condutor - cobre eletrolítico nu, tempera mole. Isolamento - Polietileno Termoplástico (PE) 70 C para tensões até 0,6/1,0 kv, na cor preta contendo negrode-fumo disperso, com teor mínimo de 2%. É aceito Polietileno Termofixo (XLPE) 90 C para tensões até 0,6/1,0 kv, na cor preta contendo negro-de-fumo disperso, com teor mínimo de 2%. 2) O condutor com seção nominal acima de 25 ² devem ser redondo compacto. 3) Encordoamento: Fio - classe 1 Cabo - classe 2 4) Identificação: sobre a isolação, em intervalos regulares até 50 cm, devem ser marcados de forma indelével, em seqüência, os seguintes dizeres: - nome do fabricante; - seção nominal do condutor; - tipo de material (PE ou XLPE); - tensão de isolamento (0,6/1,0 kv); - nome do comprador:. 5) Embalagem: o fio de seção 10 2 e os cabos de seção 16 e 25 2 devem ser acondicionados em rolos de 100 m e identificados por intermédio de uma etiqueta, com as seguintes informações: - nome do fabricante e CNPJ; - origem da indústria; - tipo de material (PE ou XLPE) e seção nominal em 2 ; - tensão de isolamento (0,6/1,0 kv); - comprimento em metros; - código ; - massa líquida, expressa em kg/100 m; - documento de compra.

15 CONDUTORES CONDUTOR DE ALUMINIO COBERTURA XLPE ITEM Classe Tensão (kv) Nominal (²) N. Fios mínimo Formação Condutor Ø Fios () Ø Externo () mín. máx. mín. máx. Carga de ruptura mínima (dan) Massa total aproximada (kg/km) Corrente (A) ,0 8,5 14,0 16, ,8 16,3 21,8 24, ,0 8,5 16,0 18, ,0 14,5 22,0 24, ) Material: - Condutor - Fios de alumínio com têmpera H-19 (duro), condutividade mínima de 61%IACS a 20ºC, redondo compacto, encordoamento classe 2, bloqueado contra penetração longitudinal de água - Cobertura - constituída por composto extrudado de polietileno termofixo (XLPE), resistente ao trilhamento elétrico, a radiação solar e abrasão. 2) A capacidade de corrente foi estabelecida para uma temperatura ambiente de 30 C e uma temperatura no condutor em regime permanente de 90 C. 3) A superfície externa da cobertura do cabos deve ser marcada a intervalos de até 50 cm, de forma legível e indelével, com as seguintes informações: - nome ou marca do fabricante; - classe de tensão, kv; - seção nominal do condutor em ²; - material da cobertura (XLPE); - ano de fabricação; - Dizeres: cabo não isolado - não tocar. 4) Os cabos devem ser acondicionados em carreteis de madeira conforme NBR ) Os carretéis devem ser marcados nas duas faces laterais externas, diretamente sobre o disco e/ou por meio de plaqueta metálica, de forma legível e indelével, conforme consta da NBR ) Os cabos devem ser fornecidos em carretéis com no mínimo 1000 m de comprimento. Para o condutor 50 ² o máximo é de 2000 m e os demais no máximo 1200 m. É admitido uma tolerância da ± 3% no comprimento total dos lances. 7) Desenho ilustrativo.

16 CONDUTORES CONDUTOR DE COBRE ISOLADO EPR - 12/20 kv Item nominal ² Ø mínimo do cabo Espessura da isolação Espessura da cobertura Ø Externo nominal Massa total aproximada kg/km ,4 5,5 3,3 37, ) Material: Condutor - fios de cobre estanhado, tempera mole. Blindagem do condutor - camada extrudada semicondutora. Isolação - camada extrudada de composto termofixo EPR 90 C para tensões de 12/20 kv na cor preta. Blindagem da isolação - deve ser constituída por uma parte semicondutora não metálica associada a uma parte metálica de seção mínima de 16 ². Cobertura - não metálica constituída por um composto termofixo elastomérico tipo ST2. 2) Temperaturas máximas admissíveis: 90 C em regime contínuo, 130 C em sobrecarga e 250 C em curto-circuito. 3) Encordoamento: classe 5. 4) Marcação na cobertura: sobre a isolação, em intervalos regulares até 50 cm, devem ser marcados de forma indelével, em sequência, as seguintes informações: - nome ou marca do fabricante; - número de condutores e seção nominal dos condutores em ²; - tensão de isolamento Uo/U em kv; - material condutor da isolação e da cobertura; - nome do comprador: ; - ano e mês de fabricação; - número da norma do cabo. 5) Embalagem: o fio deve ser acondicionado em rolos de 300 m e identificados por intermédio de uma etiqueta, com as seguintes informações: - nome ou marca do fabricante e CNPJ; - origem da indústria; - tipo de material e seção nominal em 2 ; - tensão de isolamento (12/20 kv); - comprimento em metros; - código ; - massa líquida, expressa em kg/100 m; - número da Ordem de Compra. 6) Requisitos construtivos: Conforme NBR ) Requisitos de desempenho: Conforme norma NBR 7286.

17 ISOLADORES CASTANHA - : Área sem vidrado Ø20±2,0 85±4,9 R=10 +3,0-0 44±6,0 42±6,0 90±5,10 1) Material: Porcelana, vidrado cor marrom, Munsell 5YR 3/3 (ASTM 1535). 2) Ruptura à tração: dan. 3) Tensão suportável nominal em freqüência industrial (1 min.) a seco: 25 kv. 4) Tensão suportável nominal em freqüência industrial (1 min.) sob chuva: 12 kv. 5) Inspeção e ensaios para recebimento, conforme Especificação Técnica ETD ) Deve ser gravada na peça, a marca do fabricante e ano de fabricação. 7) Dimensões em milímetros.

18 ISOLADORES PINO DE MT D±3 C± E A±3 F B±3 ITEM TRT (kv) DIMENSÕES () A B C D E F ROSCA () ) Material: Porcelana, vidrada cor marrom, Munsell 5YR 3/3 (ASTM 1535), ou vidro temperado. 15 kv 25 kv 2) Ruptura à flexão: dan dan 3) Tensão suportável nominal de impulso atmosférico a seco: 95 kv 125 kv 4) Tensão suportável nominal em freqüência nominal (1 min.), sob chuva: 34 kv 50 kv 5) Tensão de perfuração nominal em óleo: 95 kv 115 kv 6) Distância de escoamento nominal: ) Altura mínima do pino, NBR 8159: ) Inspeção e ensaios para recebimento, conforme especificação - ETD ) Deve ser gravado na peça, a marca do fabricante e o ano de fabricação. 10) Dimensões em milímetros.

19 ISOLADORES PINO DE REISOLAÇÃO - : ±3 Área sem vidrado Para isolador de porcelana 8 75±3 +2 R= r= ±3 178±3 Rosca 25 1) Material: Porcelana, vidrada cor marrom, Munsell 5YR 3/3 (ASTM 1535), ou vidro temperado. 2) Ruptura à flexão: dan 3) Tensão suportável nominal de impulso atmosférico a seco: 125 kv 4) Tensão suportável nominal em freqüência nominal (1 min.), sob chuva: 34 kv 5) Tensão de perfuração nominal em óleo: 115 kv 6) Distância de escoamento nominal: 305 7) Altura mínima do pino, NBR 8159: 150 8) Inspeção e ensaios para recebimento, conforme especificação - ETD ) Deve ser gravado na peça, a marca do fabricante e o ano de fabricação. 10) Dimensões em milímetros.

20 ISOLADORES ROLDANA - : Ø 24 Ø ±0,76-0 R= ±1,5 38±0,76 43±3,3 80±4,7 Área sem vidrado 1) Material: Porcelana, vidrada na cor marrom escuro, notação MUNSELL 5 YR 3/3 ou cinza claro, notação MUNSELL 5 BG 7/0.4 ou N. 2) Ruptura à flexão: dan 3) Tensão suportável nominal em freqüência industrial durante 1 minuto, a seco: 22,0 kv 4) Tensão suportável nominal em freqüência industrial durante 1 minuto, sob chuva: eixo horizontal: 13,5 kv 5) Tensão suportável nominal em freqüência industrial durante 1 minuto, sob chuva: eixo vertical: 10,0 kv 6) Distância de escoamento nominal: 142 7) Inspeção e ensaios para recebimento, conforme especificação - ETD ) Deve ser gravado na peça, a marca do fabricante e o ano de fabricação. 9) Dimensões em milímetros.

21 ISOLADORES ROLDANA DE DOIS LEITOS - : Ø r=10 80±4,7 r=10 Ø 45±3,3 r=dimensão mínima Ø 80±4,7 1) Material: Porcelana, vidrada na cor marrom escuro, notação MUNSELL 5 YR 3/3 ou cinza claro, notação MUNSELL 5 BG 7/0.4 ou N. 2) Carga de ruptura mínima: não aplicada simultaneamente em cada leito: dan 3) Carga de ruptura mínima: aplicada simultaneamente em cada leito com a mesma direção e sentido: 2 x 600 dan 4) Tensão suportável nominal em freqüência industrial durante 1 minuto, sob chuva: a seco: 18,5 kv 5) Tensão suportável nominal em freqüência industrial durante 1 minuto, sob chuva: eixo horizontal: 9,0 kv* 6) Tensão suportável nominal em freqüência industrial durante 1 minuto, sob chuva: eixo vertical: 9,0 kv* * valores referentes ao leito mais crítico. 7) Distância de escoamento nominal: 162 8) Inspeção e ensaios para recebimento, conforme especificação - ETD ) Deve ser gravado na peça, a marca do fabricante e o ano de fabricação. 10) Dimensões em milímetros

22 ISOLADORES PINO POLIMÉRICO C R D R 2 A Rosca - NBR 5032 B ITEM Nominal Máxima Tensão (kv) Perfuração mínima Chuva mínima Suportável sob Impulso Atmosférico a seco Dimensões () A B C D R1 R2 Rosca ,8 15, ,1 25, ) Material: - Composto isolante do isolador: deve ser de polietileno de alta densidade ou outro material polimérico que atende aos requisitos desta Padronização, resistente ao trilhamento elétrico, às intempéries e aos raios ultravioleta. - No interior da rosca deve existir uma massa polimérica ou elastomérica visando preencher o espaço entre o pino (aço) para cruzeta metálica e o corpo do isolador. 2) Identificação: Deve ser estampado na peça, o nome ou marca do fabricante; tensão máxima, o mês e ano de fabricação. 3) Requisitos mecânicos: Os isoladores montados com um pino de aço devem resistir aos seguintes esforços de flexão mínimos: a) sem ruptura: 1200 dan; b) nominal: 600 dan. 4) Variações nas partes não cotadas são admissíveis desde que mantidas as características eletromecânicas especificadas. 5) Distância de escoamento mínima de: 280 para o isolador de 15 kv e 450 para o isolador de 25 kv. 6) O isolador é acompanhado de um anel de amarração ( 5-7 item 2) para rede compacta. 7) Dimensões em milímetros.

23 ISOLADORES ANCORAGEM POLIMÉRICO SAIAS Ø REVESTIMENTO ISOLANTE DO NÚCLEO Ø13, ,8 Ø17, ,8 15,5 mínimo CONTRA PINO C/ RESALTO para 13,8 kv e para 24,2 kv PINO Ø ,8 ITEM Nominal Máxima de Operação TENSÃO (kv) chuva 1 minuto a 60 Hz Suportável sob Impulso Atmosférico Distância de Escoamento mínimo () Carga Mecânica (dan) Nominal de Rotina Aplicado no Ensaio (kv) Radiointerferência Tensão ,8 15, , ,0 24, ,9 50 1) Material: Núcleo - fibra de vidro em matriz de resina epóxi. Revestimento Externo e Saias - Silicone ou EPDM, na cor cinza. Pino - aço carbono forjado ou ferro fundido nodular, zincado a quente. Engates Metálicos - ferro fundido maleável ou nodular, zincado a quente. Cupilha - aço inoxidável. 2) Identificação: Deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével as seguintes informações: a) nome ou marca do fabricante; b) ano de fabricação; c) carga mecânica nominal. 3) Dimensões em milímetros. Máxima (μv)

24 CONEXÕES CONECTOR DE ATERRAMENTO - : PARAFUSO M10X1,5X25 (ROSCA BLOQUEÁVEL) CABEÇA SEXTAVADA HASTE ATERRAMENTO COBREADA (VER SEÇÃO 6-12) 35±2 22±2 15±1 25±2 26±2 1) Material: Conector: liga de cobre fundido ou forjado, contendo no mínimo 90% de cobre e no máximo 5% de zinco. Alta resistência mecânica à corrosão. Parafuso: bronze, bronze-silício ou bronze fosforoso, à prova de corrosão. 2) O conector deve vir acompanhado de parafuso M10 x 25. 3) O conector não deve apresentar cantos vivos ou rebarbas. 4) Deve ser estampada na peça, o nome ou a marca do fabricante. 5) Dimensões em milímetros.

25 CONEXÕES CONECTOR DE CRUZAMENTO ±1,2 Rosca M8x1,25 55±1,1 CONDUTOR CA Torque Resistência TRONCO DERIVAÇÃO nos Mínima ao Parafusos Escorregamento Mínimo Máximo Mínimo Máximo (dan x m) (dan) AWG ² AWG ² AWG ² AWG ² ,15 1/0 53, ,15 1/0 53,49 3,0 90 1) Material: Corpo - alumínio de primeira fusão, contendo no máximo 0,2% de cobre. Condutividade elétrica mínimo a 20 C de 32% IACS. Grampo U - aço carbono ABNT 1010 a 1020, laminado ou trefilado e forjado. Arruelas de pressão e porcas - aço carbono ABNT 1010 a 1020, laminado. 2) As partes ferrosas devem ser zincadas por imersão a quente, anodizadas e seladas com cromato. 3) Identificação: deve ser estampado no corpo da peça, no mínimo: a) o nome ou marca do fabricante; b) bitola em AWG e/ou seção em 2 do maior e do menor condutor; c) tipo de condutor a que se aplica. 4) Embalagem: os conectores devem ser fornecidos com composto antióxido, embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno transparente incolor de espessura mínima de 0.10, fechados por solda eletrônica. 5) Dimensões em milímetros.

26 4-3 CONEXÕES CONECTOR ESTRIBO DE PARAFUSO A B 35±1,75 5,19 D Ø 14 50±2,5 C Rosca M12x1,75 ITEM CONDUTOR CA - CAA ESTRIBO DIMENSÕES () N de SEÇÃO BITOLA SEÇÃO BITOLA Parafusos (²) (AWG/MCM) (²) (AWG) A B C D ,30 a 33,62 6 a 2 21, ±4 58±2,3 48±2,4 60±3, ,49 a 85,01 1/0 a 3/0 21, ±5 72±3,6 55±2,8 83±4, ,20 a 170,50 4/0 a 336,4 21, ±6 72±3,6 58±2,9 100±5,0 1) Material: corpo em alumínio de primeira fusão, contendo no máximo 0,2% de cobre. Condutividade elétrica mínima a 20 C de 32% IACS. Estribo - cobre eletrolítico, tempera dura, estanhado. Parafusos - aço carbono ABNT 1010 a 1020, laminado ou trefilado e forjado. Arruelas de pressão e porcas - aço carbono ABNT 1010 a 1020, laminado. 2) As partes ferrosas devem ser zincadas por imersão a quente, anodizadas e seladas com cromato. 3) Identificação: deve ser estampado no corpo da peça, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) seção em 2 e/ou bitola em AWG/MCM do maior e do menor condutor; c) tipo do condutor. 4) Embalagem: os conectores devem ser fornecidos com composto antióxido, embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno transparente incolor de espessura mínima de 0,10, fechados por solda eletrônica. 5) Dimensões em milímetros.

27 4-4 CONEXÕES CONECTOR PARA LINHA VIVA -0 Ø R=5,5 16,5 Condutor Tronco 45 Rosca M10x1,50 Condutor Derivação Ø Ø10 9,5 Ø ,5 RoscaM10x1,50 CONDUTORES DE COBRE T R O N C O D E R I V A Ç Ã O MÍNIMO MÁXIMO MÍNIMO MÁXIMO AWG ² AWG ² AWG ² AWG ² / ) Material: liga de cobre no mínimo 90% de cobre e no máximo 5% de zinco. 2) Desenho orientativo: admitindo-se uma tolerância de 2% nas cotas apresentadas. 3) Condutividade elétrica mínima a 20 C: 30% IACS. 4) As peças depois de prontas devem ser estanhadas. 5) Identificação: deve ser estampado na peça no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo de condutor; c) bitola em AWG ou seção em 2. 6) Dimensões em milímetros.

28 4-4a CONEXÕES CONECTOR PARA LINHA VIVA 25 Ø R= Condutor Tronco Rosca M10x1,50 Condutor Derivação Ø Ø Ø11 20 Rosca M10x1,50 10 CONDUTORES DE COBRE T R O N C O D E R I V A Ç Ã O AWG ² AWG ² AWG ² / ) Material: liga de cobre, no mínimo 90% de cobre e no máximo 5% de zinco, condutividade elétrica mínima a 20 C: 30% IACS. 2) Desenho orientativo: admitindo-se uma tolerância de ±2% nas cotas apresentadas. 3) As peças depois de prontas devem ser estanhadas. 4) Identificação: deve ser estampado na peça no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo de condutor; c) bitola em AWG ou seção em 2. 5) Dimensões em milímetros.

29 CONEXÕES CONECTOR PARAFUSO FENDIDO A ITEM () Condutor Bitola (AWG) A mínimo () Torque (dan x m) Força de Aperto (dan) ,30 6 4,5 3, ,15 4 5,5 3, ,62 2 7,8 5, ,49 1/0 9,8 6, ,43 2/0 11,0 8, ,20 4/0 14,0 10, ) Material: Corpo: liga de cobre, contendo no mínimo 90% de cobre e no máximo 5% de zinco. 2) O conector de parafuso fendido sem espaçador, corretamente instalado no cabo, deve resistir ao torque e a força de aperto com os valores da tabela. 3) O conector deve ter aspecto geral indicado no desenho, sendo permitida variação no formato da cabeça, que pode ser quadrada, retangular ou sextavada. Não sendo permitido cantos vivos nos contatos. 4) Tolerância admitida na cota é de - 2%. 5) O conector deve permitir indiferentemente, a perfeita instalação de um ou dois condutores seções iguais à sua seção em ² ou bitola em AWG. 6) Identificação: deve ser estampado no corpo do conector, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo de condutor; c) a seção em ² ou bitola em AWG. 7) Dimensões em milímetros.

30 CONEXÕES CONECTOR PARALELO DE PARAFUSO C A B Rosca M10 x 1,50 ITEM Condutor de Cobre entre as seções Dimensões () Parafuso AWG ² AWG ² A B C Número Tipo / ± 2,2 36 ± 1,8 45 ± 2,5 1 M 10 x 1, / ± 2,7 44 ± 2,2 50 ± 2,5 2 M 10 x 1,5 1) Material: Corpo: liga de cobre, contendo no mínimo 90% de cobre e no máximo 5% de zinco, condutividade mínima a 20 C de 30 % IACS. Parafuso e porcas: bronze silício. Arruela de pressão: bronze fosforoso. 2) Identificação: O conector deve ser estampado no corpo do conector, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo de condutor e a faixa de bitola aplicável em AWG ou seções em ². 3) Embalagem: Os conectores devem ser fornecidos com composto antióxido, embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima 0,1, fechado por solda eletrônica. 4) Dimensões em milímetros.

31 CONEXÕES CONECTOR TIPO PERFURANTE VER DETALHE LIMITADOR DE TORQUE CAPUZ PARAFUSO JUNTA DE ESTANQUEIDADE LÂMINA DENTADA REVESTIMENTO ISOLANTE D ITEM D () Limitador de Torque máximo (N x m) Icc (A) DETALHE DO LIMITADOR DE TORQUE Condutores Tronco Derivação ² ² ,5-10 1) Material: Lamina dentada - liga de cobre estanhada. Capuz e junta de estanqueidade - composta elastômero. Parafuso - aço zincado, aço inoxidável, liga de alumínio ou com tratamento superior que atenda ao ensaio de resistência a corrosão. Revestimento isolante do conector - material polimérico, na cor preta, resistente aos raios ultravioletas e isentos de trincas, fissuras, rebarbas, incrustações, graxas, gel e pastas. 2) A impermeabilidade dos conectores deve ser assegurada através dos materiais elastômeros apropriados e não deve ser baseada no emprego de graxas, gel, pastas, etc. 3) Todas as partes metálicas acessíveis durante a montagem e após a instalação dos conectores devem, por construção estar fora de potencial, e ser completamente isolado para 0,6/1KV. 4) Cada conector deve conter, tanto no lado do tronco como na derivação, duas juntas isolantes de material elastômero, que deverá se auto ajustar ao isolante do condutor durante a conexão, tornando-a estanque e a prova de água. 5) Identificação: deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) data de fabricação; c) seções dos condutores mais comuns a que se aplicam em 2. 6) Os conectores são aplicados em condutores multiplexados isolados 0,6/1,0 kv, em XLPE/PE, cabos de cobre isolados 0,6/1,0 kv em XLPE/PE e cabos de cobre isolados 0,6/1,0 kv em PVC. 7) Nos itens 1 e 3, quando solicitado deverá ser fornecido com capuz adicional para aplicação no condutor principal. 8) Dimensões em milímetros.

32 CONEXÕES CONECTOR TIPO CUNHA PARA DERIVAÇÃO B D E A CORPO C CUNHA ITEM Condutores CC/CA/CAA Dimensões () Condutor - Diâmetro () Tronco Derivação Soma Linha Derivação AWG/MCM ² AWG/MCM ² A B C D E Mínimo Máximo Mínimo Máximo Mínimo Máximo 1/ /0-1/0 50 2/ /0-1/0 50 2/0-2/0-3/ / / / /0 CA - 2 CA - 4/ / / / /0 95 1/0 3/0 95 2/0 70 3/0 95 3/0 95 4/ /0 50 4/ /0 70 4/0 CA 3/0 CA / /0 70 4/0-4/0-4/0-3/ / , , / , / ,4-2/0-336, / , / ,4-336, , ,82 8,00 41,80 51,00 13,75 15,90 22,32 8,23 14,53 4,11 11,79 66,82 8,00 41,80 51,00 13,75 20,67 25,66 9,25 14,53 6,55 14,53 66,82 8,00 41,80 51,00 13,75 24,86 28,70 9,25 14,53 9,25 14,53 67,73 7,30 50,00 54,00 15,30 22,77 27,01 15,24 17,37 6,55 14,27 67,73 7,30 50,00 54,00 15,30 27,02 31,22 15,24 17,37 8,23 15,24 67,73 7,30 50,00 54,00 15,30 31,21 34,75 15,24 17,37 11,68 17,37

33 CONEXÕES a 1) Material: Liga alumínio, alta resistência mecânica, com tratamento térmico e condutividade mínima, a 20 C de 32 % IACS. 2) Identificação: Conector - deve ser estampado no conector, do forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) código ; c) tipo de conector; d) seções e/ou bitolas dos condutores mais comum a que se aplicam. 3) Identificação: Embalagem do conector - deve ser impresso na embalagem, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) data de fabricação; c) código ; d) tipo de conector; e) seção e/ou bitola dos condutores mais comum a que se aplicam. 4) Embalagem: Os conectores devem ser fornecidos com composto antióxido, embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima de 0,1, fechado por solda eletrônica. 5) Os conectores podem ser empregados em conexões de condutores de cobre com alumínio, desde que o cobre fique na parte inferior da conexão; entretanto este tipo de combinação não é recomendável quando utilizado em ambientes agressivos como em redes construídas na orla marítima. 6) Cartucho metálico: Cor Vermelha - : empregado para retirar os conectores azuis; Cor Azul - : empregado para instalar os conectores azuis. 7) Os conectores devem ser acompanhados, em suas embalagens individuais, de um cartucho metálico azul. O cartucho deve ser colocado na parte superior da embalagem através de uma separação, fechada por solda eletrônica, entre o conector e o cartucho. 8) Para maiores esclarecimentos quanto à utilização dos conectores e suas combinações, devem ser consultado a norma - NTD Conexões em Redes Aéreas de Distribuição. 9) As dimensões em milímetros, apresentadas nesta padronização são orientativas, podendo ser aceito outras medidas desde que o conector atenda as faixas de aplicação solicitada e os ensaios normalizados.

34 CONEXÕES CONECTOR TIPO CUNHA PARA RAMAL DE LIGAÇÃO JANELA TRAVA ITEM TIPO Dimensões () A B C D E F Condutor - Diâmetro () Soma Linha Derivação Mínimo Máximo Mínimo Máximo Mínimo Máximo III - IV - V 32,0 28,5 1,5 32,0 21,2 0,70 4,70 9,50 2,54 6,55 1,27 4, II 32,0 30,7 2,2 32,0 18,7 1,00 9,51 11,18 3,17 8,12 3,17 5, I 32,0 32,7 2,2 32,0 18,7 1,00 11,19 14,01 3,17 8,12 3,17 7, C 32,0 35,7 1,5 32,0 21,7 0,70 13,11 17,00 8,20 12,74 1,74 5, VII 32,0 32,0 2,2 32,0 18,7 1,00 14,02 16,78 4,66 10,11 4,66 8, VI - VIII 32,0 32,0 2,2 39,3 21,0 8,00 16,79 20,22 8,01 10,61 6,54 10,11 1) Material: Liga de cobre contendo, no mínimo, 70 % de cobre e, no máximo, 30 % de zinco; niquelado (subcamada mínima de níquel de 3,0µm de espessura) e estanhado (camada mínima de estanho de 8,0µm de espessura). Alta resistência mecânica. 2) Desenho orientativo. 3) Identificação: Conector - deve ser estampado no conector, do forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) código ; c) tipo de conector, com identificação por cor ou número na cunha e no C para o conjunto; d) seções e/ou bitolas dos condutores mais comum a que se aplicam. 4) Identificação: Embalagem - deve ser impresso na embalagem, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) código ; c) data de fabricação; d) tipo de conector; e) seção e/ou bitola dos condutores mais comum a que se aplicam. 5) Embalagem: Os conectores devem ser fornecidos com composto antióxido, embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima de 0,1, fechado por solda eletrônica. 6) As dimensões apresentadas nesta padronização são orientativas, podendo ser aceito outras medidas desde que o conector atenda as faixas de aplicação solicitada e os ensaios normalizados. 7) Dimensões em milímetros.

35 CONEXÕES CONECTOR TIPO CUNHA COM ESTRIBO PARA RAMAL DE LIGAÇÃO 156,4±2,0 150,0 REF ,0 REF. 76,4±2,0 ITEM Aplicação em Condutores Principal Mínimo Máximo Estribo Ø () CONECTOR TIPO CC 4 AWG CA 2 AWG CA I CAA 2 AWG CAA 1/0 AWG 6,35 ± 0,15 VII 1) Material: Conector - liga de cobre contendo, no mínimo, 70 % de cobre e, no máximo, 30 % de zinco, estanhado. Alta resistência mecânica. Estribo - Alumínio, tempera dura. 2) Desenho Orientativo. 3) Identificação: Conector - deve ser estampado no conector, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) o tipo de condutor e as seções. 4) Identificação: Embalagem - deve ser impresso na embalagem, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) código ; c) conector tipo; d) bitola dos condutores a que se aplicam. 5) Embalagem: Os conectores com estribo devem ser fornecidos com composto antióxido, embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima 0,1, fechado por solda eletrônica. 6) Dimensões em milímetros.

36 CONEXÕES EMENDA PRÉ-FORMADA CONDUTORA PARA CA E CAA Item Condutor de alumínio Varetas Resistência ao CAA Ø Intervalo Ø aplicação () Ø N L em Escorregamento AWG Mínimo Máximo de Cor Peças Mínimo Máximo dan CA AWG/MCM ,88 5,70 6,00 Marrom 2, ,35 6,20 6,50 Laranja 2, ,42 7,30 7,50 Púrpura 2, ,02 7,80 8,20 Vermelho 2, /0-9,36 9,15 9,55 Preto 3, /0 10,11 9,90 10,30 Amarelo 3, /0-13,25 13,01 13,55 Preto 4, /0 14,31 14,00 14,60 Vermelho 4, ,4-16,90 16,50 17,30 Marrom 6, ) Material: Fios de liga de alumínio T9 ou T81. Elemento abrasivo - alumínio de alto teor de pureza, depositado pelo processo de metalização, na região interna da vareta. 2) Resistência mecânica: a emenda corretamente instalada, não deve permitir o escorregamento ou ruptura quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: Em cada emenda deve ser adequadamente marcado, no mínimo: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da emenda. 4) Acabamento: devem ser fornecidas com composto antióxido, em embalagens individuais, nas seguintes quantidades mínimas: ITEM Massa (g) 1 a a

37 CONEXÕES EMENDA PRÉ-FORMADA CONDUTORA PARA CC Item Condutor de cobre Varetas Resistência ao Bitola Ø Intervalo Ø aplicação () Ø N L em escorregamento AWG Mínimo Máximo de Cor Peças Mínimo Máximo ou ruptura (dan) , Verde 2, ,41 7,30 7,70 Preto 2, /0 9, Verde 2, /0 10,50 10,10 10,60 Verde 3, /0 13, Preto 3, ) Material: Varetas com fio de liga de cobre cádmio. Elemento abrasivo condutivo a base de cobre. 2) Resistência mecânica: a emenda corretamente instalada, não deve permitir o escorregamento ou ruptura quando tracionada com os valores da Tabela. 3) Identificação: em cada emenda deve ser adequadamente marcado, no mínimo: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da emenda. 4) Acabamento: devem ser fornecidos com composto antióxido, em quantidade adequada para realizar a emenda, em embalagem individual.

38 CONEXÕES EMENDA PRÉ-FORMADA TOTAL PARA CAA Item Cabo AWG N Varetas Emenda externa Enchimento Emenda alma de aço Ø "L" de cor N Ø "L1" de cor N Ø "L1" de cor Resistência ao escorregamento ou ruptura dan ± 25 Laranja ± 25 Preto ± 25 Vermelho ± 25 Preto / ± 25 Amarelo ± 25 Preto ± 25 Preto / ± 25 Vermelho ± 25 Preto ± 25 Preto ) Material: Varetas da emenda da alma de aço - fios de aço-carbono COPANT 1050 A COPANT 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6755, pelo processo de imersão a quente ou eletrolítico. Com elemento abrasivo de óxido de alumínio de alto teor de pureza. Varetas do enchimento - Fios de liga de alumínio T9 ou T81. Varetas da emenda externa - Fios de liga de alumínio T9 ou T81. Com elemento abrasivo de alumínio de alto teor de pureza, depositado pelo processo de metalização, na região interna da vareta. 2) Resistência mecânica: a emenda corretamente instalada, não deve permitir o escorregamento ou ruptura quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: Em cada emenda deve ser adequadamente marcado, no mínimo: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da emenda. 4) Encordoamento: as varetas devem ser uniformemente agrupadas e formadas em hélice no sentido do condutor a ser utilizado. 5) Acabamento: devem ser fornecidas com composto antióxido, em embalagens individuais, nas seguintes quantidades mínimas: Item Massa (g) 1 e a 4 30

39 CONEXÕES Data da última revisão CONECTOR PERFURANTE PARA LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES COM 4 SAÍDAS E PERMITE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO 4-14 ITEM Limitador de Torque máximo (N x m) Classe de Isolação (kv) I CC (A) Condutores Tronco Derivação ² ² ,5 13, ,5-35 0,6/1, ,5 17, ,5-35 1) Material: Corpo - em liga de alumínio com características mecânicas compatíveis com os esforços aplicados às peças, e características elétricas que favoreçam a continuidade elétrica e dissipação térmica. O corpo recebe uma cobertura plástica composto por náilon com fibra de vidro. Terminais dentados (perfurantes) - em cobre com uma camada mínima de estanho de 5 µm. Barramento - em liga de cobre com uma camada mínima de estanho igual a 8 µm. Cabeça fusível - em Zamac, em liga de aço com proteção superficial contra corrosão ou material polimérico; Parafuso, porca e arruelas - em aço inoxidável austenítico tipo 316. Haste, molas e chapa de acomodação - em aço com proteção superficial contra corrosão. As hastes são plastificadas na região que ficará exposta. Prensa cabos: em aço inoxidável austenítico tipo 316 ou alumínio anodizado; Vedação: fabricadas em PVC flexível; Luvas de isolação elétrica - fabricadas PVC flexível; 2) A impermeabilidade dos conectores deve ser assegurada através dos materiais elastômeros apropriados e não deve ser baseada no emprego de graxas, gel, pastas, etc. 3) Todas as partes metálicas acessíveis durante a montagem e após a instalação dos conectores devem, por construção estar fora de potencial. 4) Cada conector deve conter, no lado do tronco, junta isolante de material elastômero, que deverá se auto ajustar ao isolante do condutor durante a conexão, tornando-a estanque e a prova de água. 5) Identificação: O conector deve ser estampado no conector, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) código ; c) tipo de conector; d) data de fabricação; e) faixa de seções e/ou bitolas do condutor tronco e derivação a que se aplicam. 6) Embalagem: Os conectores devem ser embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima de 0,1, fechado por solda eletrônica. Na embalagem dos conectores deve ser colocada uma etiqueta contendo, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) data de fabricação; c) código ;

40 CONEXÕES Data da última revisão a d) tipo de conector; e) faixa de seções e/ou bitolas do condutor tronco e derivação a que se aplicam. 7) Os conectores são aplicados em condutores multiplexados e isolados 0,6/1,0 kv, em XLPE/PE, cabos de cobre isolados 0,6/1,0 kv em XLPE/PE e cabos de cobre isolados 0,6/1,0 kv em PVC. 8) A conexão do cabo principal deve ser feita através de chave tipo catraca com 13. 9) As conexões na derivação deverão ser realizadas obrigatoriamente através de alicate específico, conforme PTD ) No caso de derivações de bitolas 1,5 2 a 4,0 2, recomenda-se dobrar e encordoar o condutor, de forma aumentar o diâmetro dos mesmos. 11) No caso de derivações com cabos flexíveis recomenda-se fortalecer o encordoamento dos mesmos por torção ou mesmo estanhagem. 12) A isolação da extremidade dos condutores de derivação deve ser retirada totalmente antes da introdução destes condutores no conector. Deve ser retirado 53 da isolação, verificando-se cuidadosamente se não existe traços aderentes do isolante sobre o metal da extremidade desencapada, retirando-os, se existirem, com lixa ou lima fina. 13) O estribo é fabricado em cobre com camada mínima de estanho de 8 µm, sendo fornecido separadamente como item de operação, não fazendo parte do conector. Estribo - : ) Desenhos ilustrativos. 15) Para a homologação do fornecimento deste tipo de conector, o fabricante deve apresentar protótipo para ser submetido a ensaios de aplicação, além dos ensaios de tipo compatível com suas características elétricas e mecânicas.

41 CONEXÕES Data da última revisão LUVA DE EMENDA DE COMPRESSÃO PARA CABOS COMPACTOS CA 4-15 ITEM (²) CONDUTOR ALICATE HIDRÁULICO DIMENSÕES () Ø () mínimo máximo Matriz Nº compressão por lado A B C ,0 8,5 U ± 5 15,9 ± 0,5 9,9 ± 0, ,0 14,5 U ± 5 25,4 ± 0,5 15,8 ± 0, ,8 16,3 U ± 10 30,0 ± 0,5 17,5 ± 0,5 1) Material: Alumínio extrudado, de primeira fusão, não recozido com pureza mínima de 99 %. Alta resistência mecânica e condutibilidade mínima de 32 IACS a 20 C. 2) A luva deve ser fornecida com composto anti-oxidante na quantidade necessária a realização da conexão e ter as suas extremidades vedadas de modo a reter o mesmo. 3) A luva deve ter um ressalto no centro para facilitar a instalação do cabo. 4) As posições corretas, para as compressões circunferências, deverão ser marcadas no corpo da luva. 5) Instalação: A compressões circulares com compressor hidráulico tipo Y-35 (12 Ton.) ou similar, matrizes conforme tabela acima. 6) Identificação: Deve ser estampado na luva, do forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo de condutor que se aplica e seção em milímetros; c) índice da matriz a que se aplica; d) demarcação das faixas de aplicação. 7) Ensaios de recebimento: a) aquecimento; b) condutividade; c) resistência elétrica da conexão; d) tração mínima; e) verificação dimensional. 8) Dimensões em milímetros.

42 CONEXÕES CONECTOR TERMINAL A COMPRESSÃO POR PARAFUSO Data da última revisão Item Tipo do conector Faixa de diâmetros () Cabos nus (AWG/MCM) Cabos nus (²) Cabos isolados (²) Lado cabo Lado cabo Lado cabo Lado cabo Lado cabo Lado cabo Parafuso Dimensões do conector Lado cabo Lado cabo menor (P) maior (G) menor (P) maior (G) menor (P) maior (G) menor (P) maior (G) CA/CC CAA CA/CC CAA CA/CC CA/CC (compactado) 1 2 A B C D E Simples 9,00-9,70 10,00-10,60 1/0-2/0 1/ M10x60 M10x , Simples 11,20-12,30 12,70-13,30 3/0 2/0 4/0 3/ , Simples 14,20-14,40 14,50-15,10 266,8 4/0 266,8 4/ M12x75 M12x , Simples 15,40-17,00 17,30-18,90 336,4 266,8 397,5 336, , Duplo esquerdo 9,00-9,70 10,00-10,60 1/0-2/0 1/ x M10x60 M10x , Duplo direito 9,00-9,70 10,10-10,60 1/0-2/0 1/ x M10x60 M10x Duplo esquerdo 11,20-12,30 12,70-13,30 3/0 2/0 4/0 3/ x M12x75 M12x , Duplo direito 11,20-12,30 12,70-13,30 3/0 2/0 4/0 3/ x M12x75 M12x Duplo esquerdo 14,20-14,40 14,50-15,10 266,8 4/0 266,8 4/ x M12x75 M12x , Duplo direito 14,20-14,40 14,50-15,10 266,8 4/0 266,8 4/ x M12x75 M12x Duplo esquerdo 15,40-17,00 17,30-18,90 336,4 266,8 397,5 336, x M12x75 M12x , Duplo direito 15,40-17,00 17,30-18,90 336,4 266,8 397,5 336, x M12x75 M12x35 1) Material: Corpo macho e fêmea do conector - em liga de alumínio extrudado, de primeira fusão, não recozido, com pureza mínima de 96 % e condutividade mínima de 40% IACS a 20 C. Parafusos e arruelas - em aço inoxidável. Porcas - em latão estanhado. 2) O conector terminal deve possuir um acabamento superficial através de um banho inibidor de corrosão galvânica, tipo Alodine, branco ou amarelo, permitindo-se conexões com condutores de cobre.

43 CONEXÕES Data da última revisão a 3) As distâncias entre os furos dos conectores terminais devem seguir o padrão NEMA, dois e quatro furos. 4) O conector terminal montado deve conter graxa antioxidante, a qual tem a função de proteger o contato elétrico. 5) Identificação: O conector terminal deve ser gravado de forma legível e indelével, na presilha de fixação, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) o tipo do conector; c) código ; d) as seções e/ou bitolas dos condutores aplicáveis. 6) Embalagem: Os conectores devem ser embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima de 0,1, fechado por solda eletrônica. Na embalagem deve ser colocada uma etiqueta contendo no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo de conector; c) as seções e/ou bitolas dos condutores aplicáveis. 7) Acondicionamento: os conectores embalados individualmente devem ser acondicionados em caixas de papelão ou madeira de maneira a ficarem protegidos durante o manuseio, o transporte e armazenagem. Estas caixas devem trazer as seguintes indicações: a) nome ou marca do fabricante; b) o tipo do conector; c) código ; d) as seções e/ou bitolas dos condutores aplicáveis; e) número da ordem de fornecimento; f) massa bruta em kg. 8) Os conectores terminais devem ser fornecidos montados com os respectivos parafusos, porcas e arruelas. 9) Desenhos orientativos. 10) Para a homologação do fornecimento deste tipo de conector, o fabricante deve apresentar protótipo para ser submetido a ensaios de aplicação, além dos ensaios de tipo compatível com suas características elétricas e mecânicas. Ver especificação, ETD

44 CONEXÕES Data da última revisão CONECTOR PARA LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES COM 4 SAÍDAS EMPREGADO EM CONDUTORES NU ITEM Limitador de Torque máximo (N x m) Classe de Isolação (kv) I CC (A) Condutores Tronco Derivação ² ² ,5 13, ,5-35 0,6/1, ,5 17, ,5-35 1) Material: Corpo - em liga de alumínio com características mecânicas compatíveis com os esforços aplicados às peças, e características elétricas que favoreçam a continuidade elétrica e dissipação térmica. O corpo recebe uma cobertura plástica composto por náilon com fibra de vidro. Barramento - em liga de cobre com uma camada mínima de estanho igual a 8 µm. Cabeça fusível - em Zamac, em liga de aço com proteção superficial contra corrosão ou material polimérico. Parafuso, porca e arruelas - em aço galvanizado a fogo. Haste e chapa de acomodação - em aço zincado a quente, Molas- em aço com proteção superficial contra corrosão. Prensa cabos: em aço zincado a quente; Vedação: fabricadas em PVC flexível; Luvas de isolação elétrica - fabricadas PVC flexível; 2) A impermeabilidade dos conectores deve ser assegurada através dos materiais elastômeros apropriados e não deve ser baseada no emprego de graxas, gel, pastas, etc. 3) Identificação: O conector deve ser estampado no conector, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) código ; c) tipo de conector; d) data de fabricação; e) faixa de seções e/ou bitolas do condutor tronco e derivação a que se aplicam. 4) Embalagem: Os conectores devem ser embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima de 0,1, fechado por solda eletrônica. Na embalagem dos conectores deve ser colocada uma etiqueta contendo, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) data de fabricação; c) código ; d) tipo de conector; e) faixa de seções e/ou bitolas do condutor tronco e derivação a que se aplicam. 5) Os conectores são para aplicação no condutor neutro nu de condutores multiplexados. 6) A conexão do cabo principal deve ser feita através de chave tipo catraca com 13. 7) As conexões na derivação deverão ser realizadas obrigatoriamente através de alicate específico, conforme PTD SEÇÃO 6-10.

45 CONEXÕES Data da última revisão a 8) No caso de derivações de bitolas 1,5 ² a 4,0 ², recomenda-se dobrar e encordoar o condutor, de forma aumentar o diâmetro dos mesmos. 9) A isolação da extremidade dos condutores de derivação deve ser retirada (53 de isolação) totalmente antes da introdução destes condutores no conector. Na retirada da isolação, verificar cuidadosamente se não existe traços aderentes do isolante sobre o metal da extremidade desencapada, retirando-os, se existirem, com lixa ou lima fina. 10) O estribo é fabricado em cobre com camada mínima de estanho de 8 µm, sendo fornecido separadamente como item de operação, não fazendo parte do conector. Estribo - : ) Desenhos ilustrativos. 12) Para a homologação do fornecimento deste tipo de conector, o fabricante deve apresentar protótipo para ser submetido a ensaios de aplicação, além dos ensaios de tipo compatível com suas características elétricas e mecânicas.

46 AMARRAÇÕES ALÇA PRÉ-FORMADA DE SERVIÇO L MARCAS DE JUNÇÃO DE COR FITA DE IDENTIFICAÇÃO VER NOTA 5 Item Para condutor CA Varetas de (²) Ø () Cor N Ø () L () Resistência ao escorregamento ou ruptura (dan) ,10 Preto 2 1, ± ,10 Branco 2 2, ± ,20 Laranja 2 2, ± ,50 Vermelho 2 2, ± ,00 Verde 2 2, ± ,60 Preto 2 3, ± ,50 Laranja 2 3, ± ,50 Vermelho 2 3, ± ) Material: Varetas - fios de aço aluminizado ou fios de aço-carbono COPANT 1050 A 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6756, por imersão aquente ou eletrolítico. Elemento abrasivo de óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Resistência mecânica: a alça corretamente instalada no cabo não deve permitir o escorregamento ou ruptura, quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: deve ser adequadamente marcado em cada alça, no mínimo, as seguintes indicações: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da alça. 4) Encordoamento: Devem ser uniformemente agrupadas e formadas em hélice no sentido horário (à direita). 5) A ponta da perna comprida da alça, para o condutor 10 2 deve ser virado o suficiente para mantê-la afastada do condutor.

47 AMARRAÇÕES ALÇA PRÉ-FORMADA PARA CA E CAA Item Para condutor CA-CAA Varetas Resistência ao Bitola AWG/MCM Ø Externo de cor N Peças Ø L escorregamento ou ruptura em dan ,70 a 6,45 Laranja 3 2, ± ,30 a 8,20 Vermelho 3 2, ± /0 9,15 a 10,25 Amarelo 3 3, ± /0 13,10 a 14,65 Vermelho 4 3, ± ,4 16,20 a 18,15 Verde 5 4, ± ) Material: Varetas - fios de aço aluminizado ou fios de aço-carbono COPANT 1050 A 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6756, por imersão aquente ou eletrolítico. Elemento abrasivo de óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Resistência mecânica: a alça corretamente instalada no cabo não deve permitir o escorregamento ou ruptura, quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: deve ser adequadamente marcado em cada alça, no mínimo, as seguintes indicações: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da alça. 4) Encordoamento: Devem ser uniformemente agrupadas e formadas em hélice no sentido horário (à direita). 5) As alças devem ser fornecidas em laço tipo hélice aberta, salvo a alça do item 5 que deve ser com laço torcido.

48 AMARRAÇÕES ALÇA PRÉ-FORMADA PARA CC L Laço Aberto Marcas de junção e código de cor Fita de Identificação Item Para condutor CC Varetas Resistência ao Bitola AWG Ø Externo de cor N Peças Ø L escorregamento ou ruptura em dan ,10 a 7,90 Preto 4 2, ± /0 8,50 a 9,50 Branco 4 3, ± /0 9,80 a 11,00 Verde 4 3, ± /0 13,10 a 14,65 Preto 4 4, ± ) Material: fios de aço-cobre revestidos com cobre ou fios de liga de cobre cádmio. 2) Resistência mecânica: a alça corretamente instalada no cabo não deve permitir o escorregamento ou ruptura, quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: deve ser adequadamente marcado em cada alça, no mínimo, as seguintes indicações: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da alça. 4) Encordoamento: Devem ser uniformemente agrupadas e formadas em hélice no sentido anti-horário (à esquerda).

49 AMARRAÇÕES ALÇA PRÉ-FORMADA PARA CABO COBERTO Item Tensão kv Para CA cobertos Varetas Resistência ao ² Ø Externo de cor N Peças Ø L escorregamento ou ruptura em dan ,00 a 16,50 Verde 4 2, ± ,80 a 24,30 Verde 5 2, ± ,00 a 18,60 Verde 4 2, ± , ,00 a 24,60 Marrom 5 2, ± ) Material: Varetas - fios de aço-carbono COPANT 1050 a 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6756, por imersão a quente ou eletrolítico, aço aluminizado. Aço-alumínio ou liga de alumínio. Elemento abrasivo - óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Resistência mecânica: a alça corretamente instalada no cabo não deve permitir o escorregamento ou ruptura, quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: deve ser adequadamente marcado em cada alça, no mínimo, as seguintes indicações: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da alça. 4) Encordoamento: Devem ser uniformemente agrupadas e formadas em hélice no sentido horário (à direita). 5) Na dobra da alça, convém que a hélice seja torcida para os cabos 150 e 185 ².

50 AMARRAÇÕES ALÇA PRÉ-FORMADA PARA ESTAI Item Cordoalha de aço ø de cor N Peças Varetas Ø L Resistência ao escorregamento ou ruptura em dan ,4 Amarelo 5 2, ± ,9 Preto 5 2, ± ,5 Laranja 6 2, ± ) Material: Varetas - fios de aço-carbono COPANT 1050 a 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme ABNT 6756, por imersão a quente ou eletrolítico. Elemento abrasivo - óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Resistência mecânica: a alça corretamente instalada no cabo não deve permitir o escorregamento ou ruptura mínima, quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: deve ser adequadamente marcado em cada alça, no mínimo, as seguintes indicações: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da alça. - marcas para identificação do isolador aplicável indicado por meio de códigos de cores no corpo da alça. 4) Os fios devem ser uniformemente juntados e colocados no sentido do encordoamento anti-horário (à esquerda), e permitir um correto agarramento no cabo de aço ao qual se aplica. 5) Na dobra da alça, convém que a hélice seja torcida. 6) A diferença de comprimento entre as alças deve ser de no mínimo 10 para os itens 1 e 2 e de 20 para o item 3.

51 AMARRAÇÕES ALÇA PRÉ-FORMADA PARA POSTE Item Cordoalha de aço de Cor N Peças Varetas Ø L Resistência ao escorregamento ou ruptura em dan ,4 Amarelo 5 2, ± ,9 Preto 6 2, ± ,5 Laranja 6 2, ± ) Material: Varetas - fios de aço-carbono COPANT 1050 a 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme ABNT 6756, por imersão a quente ou eletrolítico. Elemento abrasivo - óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Resistência mecânica: a alça corretamente instalada no cabo não deve permitir o escorregamento ou ruptura mínima, quando tracionada com os valores da tabela. 3) Identificação: deve ser adequadamente marcado em cada alça, no mínimo, as seguintes indicações: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência da emenda; - tipo e bitola ou diâmetro do condutor e intervalo de diâmetro a que se aplica; - mês e ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marcas para identificação do condutor aplicável e ponto de início de aplicação indicado por meio de códigos de cores no corpo da alça. 4) Os fios devem ser uniformemente juntados e colocados no sentido do encordoamento anti-horário (à esquerda), e permitir um correto agarramento no cabo de aço ao qual se aplica.

52 AMARRAÇÕES ANEL DE AMARRAÇÃO Item Aplicação Dimensões () A B C Espaçador até 24,2 kv 140 ± ± 3 45 ± Isolador pino polimérico até 24,2 kv 160 ± 10 Resistência de tração dan 50 1) Material: borracha de silicone na cor cinza, resistente ao intemperismo e ao trilhamento elétrico. 2) As superfícies devem ser lisas e uniformes, isentas de rebarbas, fissuras, inclusões e arestas. 3) Identificação: deve ser gravado no anel em alto relevo de forma visível e indelével, no mínimo, as seguintes indicações: a) nome ou marca do fabricante; b) mês e ano de fabricação; c) referência do fabricante. 4) Medidas em milímetros.

53 AMARRAÇÕES CORDOALHA DE AÇO fios ITEM Ø Nominal da Cordoalha () N. de Fios Ø Nominal dos Fios () Peso Aproximado (kg/km) Carga de Ruptura (dan) ,4 7 2,03±0, ,9 7 2,64±0, ,5 7 3,05±0, ) Material: fios de aço carbono, zincados por imersão a quente classe A. 2) Características gerais, conforme tabela. 3) Identificação e embalagem conforme especificação - ETD ) Inspeção e ensaios para recebimento, conforme especificação - ETD-010.

54 AMARRAÇÕES FIO DE ALUMÍNIO PARA AMARRAÇÃO 5-9 d Bitola (AWG) Nominal (²) Diâmetro d () Massa Aproximada (kg/km) Carga de Ruptura (dan) ,07 5,18 + 0,05 57, ) Material: Alumínio recozido, têmpera mole. 2) Características gerais conforme tabela. 3) Resistência mecânica: O fio de alumínio não deve sofrer deformação ou ruptura, quando tracionado com os valores da tabela. 4) Identificação e Embalagem: O fio de alumínio deve ser embalados em rolos de 30 quilos. A embalagem deve ser identificada externamente, com as seguintes indicações: a) nome do fabricante e CNPJ; b) indústria brasileira; c) tipo do material e seção nominal em ² ou bitola em AWG; d) massa bruta em kg; e) número de série; f) documento de compra; g) código.

55 AMARRAÇÕES FIO DE COBRE PARA AMARRAÇÃO d Bitola (AWG) Nominal (²) Diâmetro d () Massa Aproximada (kg/km) Carga de Ruptura (dan) ,30 4,11 118, ) Material: Cobre, têmpera mole. 2) Características gerais conforme tabela. 3) Resistência mecânica: O fio de cobre não deve sofrer deformação ou ruptura, quando tracionado com o valor da tabela. 4) Identificação e Embalagem: O fio de cobre deve ser embalados em rolos de 30 quilos. A embalagem deve ser identificada externamente, com as seguintes indicações: a) nome do fabricante e CNPJ; b) indústria brasileira; c) tipo do material e seção nominal em 2 ou bitola em AWG; d) massa bruta em kg; e) número de série; f) documento de compra; g) código.

56 AMARRAÇÕES FITA DE ALUMÍNIO 1 e Dimensões () Massa Aproximada Carga de Ruptura Largura l Espessura e (kg/km) (dan) ± 0,5 1 ± 0,2 27, ) Material: Alumínio recozido, têmpera recozida. 2) Resistência mecânica: A fita de proteção não deve sofrer deformação ou ruptura, quando tracionado com o valor da tabela. 3) Embalagem: A fita de proteção deve ser fornecida em rolos de 5 kg. 4) Identificação: Na etiqueta dos rolos deve constar as seguintes indicações: a) nome do fabricante e CNPJ; b) indústria brasileira; c) tipo do material; d) massa líquida por 100 m; e) comprimento em metros; f) documento de compra; g) código.

57 AMARRAÇÕES LAÇO PRÉ-FORMADO DE TOPO PARA CAA Item Condutor CAA Bitola AWG Ø Para ser aplicado em isoladores de identificação do isolador de cor do condutor N Varetas Ø L Resistência mínima ao Escorregamento dan Arrancamento dan ,35 Laranja 635 ± ,02 15 kv Preto Vermelho 700 ± /0 10,11 Amarelo 750 ± , ,35 Laranja 680 ± ,02 25 kv Amarelo Vermelho 730 ± /0 10,11 Amarelo 815 ± ) Material: Varetas - fios de aço aluminizado ou fios de aço-carbono COPANT 1050 A 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6756, por imersão aquente ou eletrolítico. Coxim - elastômero, resistente a temperatura de 160 C, à ação da umidade, ao intemperismo e a radiação ultravioleta ao longo dos tempos. Elemento abrasivo - óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Identificação: o laço deve possuir uma etiqueta adesiva de identificação individual ou uma gravação diretamente na superfície externa da vareta, contendo de forma legível e indelével, no mínimo: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência do laço pré-formado; - tipo, bitola ou seção do condutor e intervalo de diâmetro para aplicação; - mês/ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - uma marca por meio de cores no corpo do laço, que identifica o diâmetro do condutor aplicável e início de aplicação; - uma marca por meio de cores no corpo do laço, que identifica o isolador aplicável. 3) Comprimento I do coxim (mínimo) de 140 e espessura de 3,0 ± 0,5. 4) As varetas dos laços devem ser uniforme agrupadas e formadas em hélice distorcida no sentido horário (à direita).

58 AMARRAÇÕES LAÇO PRÉ-FORMADO LATERAL PARA CAA Item Condutor CAA Bitola AWG Ø Para ser aplicado em isoladores de identificação do isolador de cor do condutor N Varetas Ø L Resistência mínima ao Escorregamento dan Arrancamento dan ,35 Laranja 500 ± , ,02 15 kv Preto Vermelho 525 ± /0 10,11 Amarelo 2, ± ,35 Laranja 560 ± , ,02 25 kv Amarelo Vermelho 585 ± /0 10,11 Amarelo 2, ± ) Material: Varetas - fios de aço aluminizado ou fios de aço-carbono COPANT 1050 a 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6756, por imersão aquente ou eletrolítico. Coxim - elastômero, resistente a temperatura de 160 C, à ação da umidade, ao intemperismo e a radiação ultravioleta ao longo dos tempos. Elemento abrasivo - óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Identificação: o laço deve possuir uma etiqueta adesiva de identificação individual ou uma gravação diretamente na superfície externa da vareta, contendo de forma legível e indelével, no mínimo: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência do laço pré-formado; - tipo, bitola ou seção do condutor e intervalo de diâmetro para aplicação; - mês/ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - uma marca por meio de cores no corpo do laço, que identifica o diâmetro do condutor aplicável e início de aplicação; - uma marca por meio de cores no corpo do laço, que identifica o isolador aplicável. 3) Comprimento I do coxim (mínimo) de 140 e espessura de 3,0 ± 0,5. 4) As varetas dos laços devem ser uniforme agrupadas e formadas em hélice distorcida no sentido horário (à direita).

59 AMARRAÇÕES LAÇO PRÉ-FORMADO LATERAL DUPLO PARA CAA Item Condutor CAA Bitola AWG Ø Para ser aplicado em isoladores de identificação do isolador de cor do condutor N Varetas Ø L Resistência mínima ao Escorregamento dan Arrancamento dan ,35 Laranja 410 ± ,02 15 kv Preto Vermelho 4 (2+2) 2, ± /0 10,11 Amarelo 430 ± ) Material: Varetas - fios de aço aluminizado ou fios de aço-carbono COPANT 1050 a 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6756, por imersão aquente ou eletrolítico. Coxim - elastômero, resistente a temperatura de 160 C, à ação da umidade, ao intemperismo e a radiação ultravioleta ao longo dos tempos. Elemento abrasivo - óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Identificação: o laço deve possuir uma etiqueta adesiva de identificação individual ou uma gravação diretamente na superfície externa da vareta, contendo de forma legível e indelével, no mínimo: - nome do produto; - nome ou marca do fabricante; - tipo ou modelo de referência do laço pré-formado; - tipo, bitola ou seção do condutor e intervalo de diâmetro para aplicação; - mês/ano de fabricação; - código de rastreabilidade; - marca por meio de cores no corpo do laço, que identifica o diâmetro do condutor aplicável e início de aplicação; - marca por meio de cores no corpo do laço, que identifica o isolador aplicável. 3) Comprimento I do coxim (mínimo) de 90 e espessura de 3,0 ± 0,5. 4) As varetas dos laços devem ser uniforme agrupadas e formadas em hélice distorcida (na dobra) no sentido horário (à direita).

60 AMARRAÇÕES MANILHA-SAPATILHA - CÓDICO : Ø 37 ± 4 Ø 18±0,5 F 34 ± 5 7±2 20 ± 3 7±2 22 (máx.) 110 (máx.) 60 ± 0,5 r=10±0,5 F Ø 30 ± 3 60 ± 4 32 ± Ø 25 ± 2 ( 5 mín.) F PINO Ø 7 36 (mín.) 46 ± 2 +0,5-0 6±0,5 Ø16±0,5 10,4±0,3 CUPILHA 16 36,5 ± 1,5 2,3±1 A A 3,2 6,4±0,2 4,2 4 ± 0,1 2±0,05 25±0,5 0,9 1,7 4,2 4,4 CORTE A-A 1) Material: Corpo - aço carbono ABNT 1010 a 1020, forjado, ou ferro fundido nodular, ou ferro fundido maleável, ou liga de alumínio. Pino - aço carbono ABNT 1010 a1020, forjado. Cupilha: latão, bronze ou aço inoxidável. 2) Resistência mecânica: A manilha sapatilha corretamente instalada deve acomodar adequadamente a alça pré-formada para cabo de diâmetro nominal de até 20 e não deve apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura quando tracionado com uma força F e F1 de dan, no mínimo. 3) Identificação: Deve ser estampada na peça, o nome ou marca do fabricante. 4) A manilha-sapatilha deve ser fornecido completamente montada, com pino e cupilha. 5) Dimensões em milímetros

61 AMARRAÇÕES PRENSA-FIOS - CÓDICO : ±0,2 18±0,5 r=5±0,2 CORTE A - B C 1,5±0,3 Rosca M16x2x45 A 50 ± 1 50 ± ± 5 B ±0,5 D CORTE C - D Cordoalha de Aço Aplicável Torque Máximo nos Parafusos (dan) Resistência ao Escorregamento Mínimo (dan) 6, , , ) Material: Aço carbono, ABNT 1010 a 1045, laminado ou forjado maleável, ou ferro fundido nodular. 2) Resistência mecânica: O prensa fio instalado com a cordoalha de aço apropriada e dado o torque adequado nos parafusos, não deve permitir escorregamento ou sofrer qualquer deformação quando a cordoalha for tracionada com valores da tabela. 3) Identificação: Deve ser estampada na peça e nos parafusos, no mínimo, o nome ou marca do fabricante. 4) Os canais para assentamento da cordoalha, podem ser : retos, ranhurados ou senoidais, lisos. 5) O prensa-fio deve ser fornecida completamente montado com parafusos, arruelas de pressão e porcas. 6) Dimensões em milímetros.

62 FERRAGENS Data da última revisão SAPATILHA - CÓDICO : Esforço F dan Deformação 300 Sem encostar as extremidades 1500 Sem deformação no leito 3160 Sem ruptura 1) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a ) Resistência mecânica: A sapatilha corretamente instalada deve acomodar adequadamente as alças pré-formadas para cabos e cordoalhas de fios de aço de diâmetro nominal de até 9,5, não devendo apresentar deformação permanente ou ruptura quando tracionado com os valores (F) da tabela. 3) Identificação: Deve ser gravado na parte externa da peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 4) Dimensões em milímetros.

63 AMARRAÇÕES FIO DE ALUMÍNIO COBERTO PARA AMARRAÇÃO - : Ø Nominal Espessura Ø máximo do Carga de Ruptura Resistência () da Isolação fio coberto (dan) Máxima à Tração Mínimo Máximo () () Mínimo Máximo (Mpa) 10 3,40 3,70 1,20 6, Nominal (²) Alongamento à Ruptura Mínima (%) 1) Material: Fio - sólido de alumínio, tempera HO. Cobertura - constituída por composto extrudado de polietileno termofixo (XLPE), resistente ao trilhamento elétrico, a radiação solar e abrasão, na cor preta ou cinza. 2) Identificação: sobre a cobertura, em intervalos regulares até 50 cm, devem ser marcados de forma indelével, em seqüência, os seguintes dizeres: a) nome do fabricante ou marca comercial; b) seção nominal do condutor em ²; c) tipo de material da cobertura; 3) Embalagem: os fios devem ser embalados em rolos de 100 m e identificados por intermédio de uma etiqueta, com as seguintes informações: a) nome do fabricante e CNPJ; b) origem da indústria; c) tipo de material e seção nominal em 2 ; d) comprimento em metros; e) cor da cobertura; f) código ; g) massa líquida, expressa em kg/100 m; h) documento de compra.

64 AMARAÇÕES LAÇO PRÉ-FORMADO DE ROLDANA PARA CABO MULTIPLEXADO 5-19 Item Condutor MTX ² Ø Externo de cor para identificação do condutor N Varetas Ø L Resistência mínima ao Escorregamento dan ,65 a 9,70 Amarelo 3 2, ± ,80 a 11,00 Azul 3 2, ± ,60 a 13,00 Laranja 3 2, ± ,10 a 14,65 Vermelho 3 2, ± Arrancamento dan 1) Material: Varetas - fios de aço aluminizado ou fios de aço-carbono COPANT 1050 a 1070, laminados e trefilados, revestidos de zinco classe 2 ou B, conforme NBR 6756, por imersão aquente ou eletrolítico. Coxim - elastômero de neoprene, resistente a temperatura de 160 C, a ação da umidade, ao intemperismo e a radiação ultravioleta ao longo dos anos. Elemento abrasivo - óxido de alumínio de alto teor de pureza. 2) Identificação: o laço deve possuir uma etiqueta adesiva de identificação individual ou uma gravação diretamente na superfície externa da vareta, contendo de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome do produto; b) nome ou marca do fabricante; c) tipo ou modelo de referência do laço pré-formado; d) tipo, seção do condutor e intervalo de diâmetro para aplicação; e) mês/ano de fabricação; f) código de rastreabilidade; g) uma marca por meio de cores no corpo do laço, que identifica: - A : diâmetro do condutor aplicável e início de aplicação. 3) Comprimento I do coxim (mínimo) de 75 e espessura de 3,0 ± 0,5. 4) As varetas dos laços pré-formados devem ser uniformemente agrupadas e formadas em hélice no sentido horário (à direita). 600

65 FERRAGENS AFASTADOR DE ARMAÇÃO SECUNDÁRIA Data da última revisão ITEM A B Nº de Furos da Cota B ± ± ± ± ± ± 3 C 1) Material: Chapa de aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou cantoneira aço carbono MR ) Resistência mecânica: O afastador corretamente instalado deve suportar as seguintes solicitações: - carga nominal: F = 300 dan; - carga mínima sem deformação permanente: F = 500 dan; - carga mínima de ruptura: F = 600 dan; - carga mínima perpendicular: F1 = 180 dan com flecha residual de 10 ; - carga mínima de ruptura perpendicular: F1 = 200 dan. Os esforços horizontais e verticais são aplicados não simultaneamente. 3) Identificação: Deve ser estampado na peça, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 4) O afastador deve ser zincado por imersão a quente. 5) Dimensões em milímetros.

66 FERRAGENS Data da última revisão ARMAÇÃO SECUNDÁRIA ITEM Nº de Estribos Dimensões () A B ± ± ± ± 10 1) Material: Corpo da armação e haste: aço-carbono COPANT 1010 a 1020, laminado ou trefilado. Cupilha: bronze, latão ou aço inoxidável. 2) Resistência mecânica: a armação secundária corretamente instalada com isolador roldana ou peça rígida, geometricamente equivalente deve suportar os esforços mínimos que são aplicados simultaneamente em cada estribo pelo respectivo isolador ou peça equivalente: a) Esforço F: - sem deformação permanente = 800 dan; - sem ruptura = 1000 dan. b) Esforço F1: - com flecha residual máxima de 5 = 380 dan; - sem ruptura = 480 dan. 3) Identificação: Deve ser gravado na parte frontal da peça, de forma legível e indelével no mínimo: a) na armação secundária: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. b) na haste: nome ou marca do fabricante. 4) A armação secundária deve ser fornecida completamente montada com haste e cupilha. 5) O corpo da armação e haste devem ser zincadas por imersão a quente. 6) Dimensões em milímetros.

67 FERRAGENS ARRUELA DE PRESSÃO - : Data da última revisão ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020, laminado. 2) A peça de ser zincada por imersão a quente. 3) Identificação: deve ser gravado na peça de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 4) Dimensões em milímetros.

68 FERRAGENS Data da última revisão ARRUELA QUADRADA ITEM B ± 0, ± 0,5 1) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou aço-carbono grau MR ) A peça de ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: A arruela corretamente instalada em parafuso, entre porca e uma superfície rígida, não deve apresentar deformação permanente ou ruptura, quando aplicado na porca do parafuso um torque de 8 dan x m. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) Dimensões em milímetros.

69 FERRAGENS BRAÇO TIPO C Item Tensão RD kv Dimensões Resistência Nominal Esforço em dan S/Deformação Permanente C/Deformação Permanente A B C D E F V1 V2 H1 H2 V1 V2 H1 H2 V1 V2 H1 H , , ) Material: Corpo: Chapa de aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou perfil U de aço-carbono grau MR ) Identificação: Deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 3) Resistência mecânica: O braço corretamente instalado deve suportar os esforços indicados na tabela acima. 4) As peças metálicas devem ser zincadas por imersão a quente. 5) Todos os furos devem ter diâmetro 18 ± 1. 6) Os furos indicados são os mínimos necessários para a utilização do braço tipo 7) O desenho é orientativo, sendo permitido pequenas variações no formato, desde que atendam às cotas indicadas. 8) Dimensões em milímetros.

70 FERRAGENS BRAÇO TIPO L Item Tensão RD kv Dimensões , , Resistência Nominal Esforço em dan Sem deformação permanente Sem apresentar ruptura C L mínimo V H T V H T V H T ) Material: - Corpo: Ferro fundido nodular ou maleável, ou aço-carbono COPANT 1010 A Parafuso e porca: aço-carbono COPANT 1010 a Prensa cabo: ferro fundido nodular ou maleável. 2) Identificação: Deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 3) Resistência mecânica: O braço corretamente instalado deve suportar os esforços indicados na tabela acima. 4) O prensa-cabo corretamente montado com cordoalha de aço deve suportar o torque de 7,6 dan.m, sem deformação permanente, e 10 dan.m sem ruptura. 5) O braço L deve ser fornecido com o prensa-cabo montado. 6) O prensa-cabo deve acomodar de um labo cabos mensageiros de 6 a 8 de diâmetro e, de outro, cabos mensageiros de 8 a 10 de diâmetro. 7) As peças metálicas devem ser zincadas por imersão a quente. 8) Dimensões em milímetros.

71 FERRAGENS Data da última revisão CANTONEIRA RETA PARA BRAÇO TIPO C - : ) Material: Perfil L de aço-carbono grau MR ) Identificação: Deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 3) Resistência mecânica: A cantoneira corretamente instalada deve suportar os seguintes esforços, quando ensaiada de acordo com a figura acima: - H dan; - H dan, sem apresentar ruptura. 4) As peças metálicas devem ser zincadas por imersão a quente. 5) Dimensões em milímetros.

72 FERRAGENS Data da última revisão CINTA 1) Material: Aço-carbono, COPANT 1010 a ) A cinta, parafusos e porcas devem ser zincadas por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: A cinta corretamente instalada deve suportar um esforço mínimo de tração F de dan, podendo apresentar uma flecha residual máxima de 6 e um esforço de tração F de dan, sem ruptura, quando tracionado. 4) Os parafusos da cinta devem suportar um torque de 8 dan.m sem apresentar trincas nas regiões das abas. 5) Identificação: Deve ser estampado no corpo de cada peça, de forma legível e indelével no mínimo: a) em cada metade da cinta: - nome ou marca do fabricante; - diâmetro nominal da cinta em milímetros, conforme Tabela; - mês e ano de fabricação. b) nos parafusos: - nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 6) A cinta deve ser fornecida completamente montada com os parafusos e as porcas. 7) Dimensões em milímetros. ITEM A Tolerância ± 3,0 ± 3,5 ± 4,0 ± 4,5

73 FERRAGENS ESTRIBO PARA BRAÇO TIPO L - : Data da última revisão ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou ferro fundido maleável ou nodular 2) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 3) Resistência mecânica: O estribo corretamente instalado deve suportar os seguintes esforços, quando ensaio conforme desenho acima: - F = 200 dan; - F 280 dan, sem deformação permanente; - F = 400 dan, sem apresentar ruptura. 4) O parafuso de cabeça abaulada M16 x 70 acompanha a peça e deve ser montado com o estribo. 5) A peça quando metálica deve ser zincada por imersão a quente. 6) Dimensões em milímetros.

74 FERRAGENS Data da última revisão GANCHO-OLHAL - : ) Material: Aço-carbono COPANT 1045 ou aço-carbono grau MR 250, forjado ou ferro fundido maleável ou ferro fundido nodular. 2) Resistência mecânica: O gancho-olhal corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F de dan, no mínimo, sem apresentar ruptura, ou dan, no mínimo sem apresentar deformação. 3) Identificação: Deve ser gravado na parte externa da peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 4) A peça deve se zincada por imersão a quente. 5) Dimensões em milímetros.

75 FERRAGENS Data da última revisão HASTE DE ÂNCORA Dimensões () Esforço de tração (dan) Rosca A B C Deformação Ruptura M16 x 2, ) Material: Aço-carbono grau MR 250, com olhal soldado (com adição de material) ou forjado. 2) A haste de âncora deve ser fornecida montada com arruela quadrada ( SEÇÃO 6-4 item 2) e as duas porcas ( SEÇÃO 6-26). 3) Resistência mecânica: A haste de âncora corretamente instalada, não deve sofrer deformação ou ruptura, quando tracionada com os valores da tabela. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) A peça deve se zincada por imersão a quente. 6) Dimensões em milímetros.

76 FERRAGENS HASTE DE ATERRAMENTO COBREADA - : Núcleo de aço CORTE A - A' Revestimento de cobre 0,25 (mínimo) 2 ± 0,4 +0,2 Ø13-0,3 Nome ou marca do fabricante 150 ± 50 Conector de aterramento ( Ver 4-1 ) ± 20 A A' 8 ± 1 55 ±5 4,5 ± 1,5 1) Material: Núcleo - Aço-carbono COPANT 1010 a 1020, trefilado. Revestimento - Cobre eletrolítico com condutividade mínima de 83% IACS, a 20 C. 2) As extremidades inferior e superior da haste devem ser chanfradas, conforme indicado no desenho. 3) Identificação: Deve ser marcado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 4) A camada de cobre deve ser depositada na alma de aço por fusão ou eletrodeposição. 5) Dimensões em milímetros.

77 FERRAGENS HASTE DE ATERRAMENTO ZINCADA - : ) Material: Haste - aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou perfil de aço-carbono grau MR 250. Arruela - aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou aço-carbono grau MR 250. Prensa-fios - aço forjado, ferro fundido maleável ou nodular. Parafuso - aço-carbono COPANT 1004 a 1020 forjado ou aço-carbono grau MR 250 forjado. Porca sextavada - aço-carbono grau MR ) Ensaios mecânicos: a) Resistência mecânica A haste deve suportar cinco impactos correspondente a um esforço de compressão de 40 dan cada um sem flambar, e apresentar flecha residual máxima de 10. b) Resistência ao dobramento A haste deve resistir ao dobramento até um ângulo de 60º sem apresentar fissuras na camada de zinco. c) Resistência à tração A haste deve suportar um esforço de tração de 32 dan/. 3) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 4) Todas as peças devem ser zincadas por imersão a quente. 5) Dimensões em milímetros.

78 FERRAGENS HASTE CURVA DE MT C B A Solda N E Ver detalhe L M H 60 J C Porca sextavada G Arruela quadrada 58 ± 1,5 x 58 ± 1,5 x 5 ± 0,5 Entalhes F D D e t a l h e 1,5 (mínima) C Aço Dobradura a quente Chumbo ITEM Tensão Dimensões () (kv) A B C D E F G H J L Ø M N Arruela Furo ø () Porca Sextavada M20 x 2, M24 x 3,0 1) Material: Corpo da haste - Aço carbono, ABNT 1010 a 1020, forjado. Arruela quadrada e porca sextavada - Aço carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. Cabeça da haste - rosca de chumbo. 2) Resistência mecânica: A haste deve resistir um esforço de compressão F nas extremidades, de 40 dan. 3) Identificação: Deve ser estampado na peça, o nome ou marca do fabricante. 4) Todas as peças ferrosas devem ser zincadas por imersão a quente. 5) A rosca de chumbo deve possuir embalagem protetora. 6) Deve ser admitida uma tolerância de ± 2% nas cotas apresentadas. 7) A haste deve ser fornecida montada com arruela e porca sextavada. 8) Dimensões em milímetros.

79 FERRAGENS MÃO FRANCESA EM V - : ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020, cantoneira de 45 x 45 x 5. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: A mão francesa em V deve suportar um esforço de compressão R de dan, sem sofrer qualquer deformação permanente, ou ruptura. 4) Identificação: Deve ser gravado na parte externa da peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) Dimensões em milímetros.

80 FERRAGENS MÃO-FRANCESA PERFILADA - : Data da última revisão ) Material: Chapa dobrada de aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou perfil L de aço-carbono grau MR ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: A mão-francesa perfilada corretamente instalada deve suportar um esforço de tração mínimo F de dan, e um esforço mínimo de compressão R de dan, sem sofrer qualquer deformação permanente, ou ruptura. NOTA: Admite-se ligeira deformação na região da aba superior. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) Dimensões em milímetros.

81 FERRAGENS Data da última revisão MÃO FRANCESA PLANA tem A B ± ± ± ± ± ± 10 1) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: A mão-francesa plana corretamente instalada deve suportar um esforço mínimo de tração F de dan, sem apresentar deformação permanente e um esforço mínimo de tração F de dan, sem sofrer ruptura. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) Dimensões em milímetros.

82 FERRAGENS OLHAL PARA PARAFUSO - : ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1045, forjado ou ferro fundido maleável ou nodular. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O olhal para parafuso corretamente instalado deve suportar um esforço mínimo de tração F de dan, sem apresentar ruptura e suportar um esforço mínimo lateral F1 de dan, sem apresentar deformação permanente. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante. - mês e ano de fabricação; - carga mínima de ruptura em dan. 5) Dimensões em milímetros.

83 FERRAGENS PARAFUSO DE CABEÇA ABAULADA Ø 32±2 16±0,5 CORTE A - B F e e - excentricidade máxima = 1,0 A 8±1 6 A +0-1 Ø ,5 2 B Rosca M16x2 Porca quadrada (ver seção 6-26) B F Item Dimensões () A B mínimo ± 1, ± 2, ± 3,0 75 1) Material: Aço-carbono COPANT 1004 a 1020 forjado ou aço-carbono grau MR 250 forjado. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O parafuso corretamente instalado deve suportar os seguintes esforços mínimos, quando ensaiados conforme especificado a seguir: - F de dan de tração com cunha, de acordo coma NBR 8855; - F de 3000 dan de cisalhamento, conforme ASTM F606; - torque: conforme NBR 8158, Tabela 1. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; -mês e ano de fabricação. 6) O parafuso deve ser fornecido montado com a porca quadrada. 7) Dimensões em milímetros.

84 FERRAGENS PARAFUSO DE CABEÇA QUADRADA 24 ± 1 F e e - excentricidade máxima = 1,0 11 ± 0, ,5 2 A B Porca quadrada (ver seção 6-26) Rosca M16 x 2 F 1) Material: Aço-carbono COPANT 1004 a 1020 forjado ou aço-carbono grau MR 250 forjado. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O parafuso corretamente instalado deve suportar os seguintes esforços mínimos, quando ensaiados conforme especificado a seguir: - F de dan de tração com cunha, de acordo coma NBR 8855; - F de 3000 dan de cisalhamento, conforme ASTM F606; - torque: conforme NBR 8158, Tabela 1. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O parafuso deve ser fornecido montado com a porca quadrada. 6) Dimensões em milímetros. Item A B mínimo ± 1, ± 3, ± 3, ± 3, ± 3, ± 3, ± 4, ± 4, ± 4, ± 5, ± 5, ± 5, ± 5, ± 5,0 650

85 FERRAGENS PARAFUSO DE ROSCA DUPLA F Porca quadrada (ver seção 6-26) B Rosca M16 x 2 +0,2-2 A Ø16 B F 1) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou aço-carbono grau MR ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O parafuso corretamente instalado deve suportar os seguintes esforços mínimos, quando ensaiados conforme especificado a seguir: - F de dan de tração com cunha, de acordo coma NBR 8855; - F de 3000 dan de cisalhamento, conforme ASTM F606; - torque: conforme NBR 8158, Tabela 1. 4) Identificação: Deve ser gravado na parte central da peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O parafuso deve ser fornecido montado com a porca quadrada. 6) Dimensões em milímetros. Item A B mínimo ± 4, ± 4, ± 4, ± 4, ± 4, ± 4,0 275

86 FERRAGENS PARAFUSO PARA MADEIRA - : ) Material: Aço-carbono COPANT 1004 a 1020 forjado ou aço carbono grau MR 250 forjado. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O parafuso corretamente instalado deve suportar um esforço mínimo F de 200 dan, sem apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) Dimensões em milímetros.

87 FERRAGENS PINO DE CRUZETA Item Tensão kv A B C D Flecha em Máxima Residual ) Material: Pino e porca - aço-carbono COPANT 1010 a 1020 forjado ou aço-carbono grau MR 250 forjado. Arruela quadrada e de pressão - aço-carbono COPANT 1010 a Cabeça do pino - rosca de chumbo. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) A rosca de chumbo deve ter embalagem protetora. 4) Resistência mecânica: O pino corretamente instalado deve suportar, em qualquer direção e sentido perpendicular ao seu eixo, os seguintes esforços quando instalados conforme NBR 8159, e atender as flechas da tabela acima: - F de 200 dan com flecha medida no topo do isolador; - T = C de 300 dan quando aplicado ao seu eixo sem apresentar deformações permanente; - Torque conforme NBR 8158, Tabela 1. 5) Identificação: Deve ser gravada na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 6) O pino deve ser fornecido montado com arruelas e porca quadrada. 7) Dimensões em milímetros.

88 FERRAGENS PINO DE CRUZETA METÁLICA Item Tensão kv A B C D E F Flecha em Máxima Residual ) Material: Pino e porca - aço-carbono COPANT 1010 a 1020 forjado ou aço-carbono grau MR 250 forjado. Arruela quadrada e de pressão - aço-carbono COPANT 1010 a Cabeça do pino - rosca de chumbo. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) A rosca de chumbo deve ter embalagem protetora. 4) Resistência mecânica: O pino corretamente instalado deve suportar, em qualquer direção e sentido perpendicular ao seu eixo, os seguintes esforços quando instalados conforme NBR 8159, e atender as flechas da tabela acima: - F de 200 dan com flecha medida no topo do isolador; - T = C de 300 dan quando aplicado ao seu eixo sem apresentar deformações permanente; - Torque conforme NBR 8158, Tabela 1. 5) Identificação: Deve ser gravada na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 6) O pino deve ser fornecido montado com arruelas e porca quadrada. 7) Dimensões em milímetros.

89 FERRAGENS PINO DE TOPO Item Tensão kv A B C D Flecha em Máxima Residual ) Material: Pino - aço-carbono COPANT 1010 a Cabeça do pino - rosca de chumbo. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) A rosca de chumbo deve ter embalagem protetora. 4) Resistência mecânica: O pino corretamente instalado deve suportar, em qualquer direção e sentido perpendicular ao seu eixo, os seguintes esforços quando instalados conforme NBR 8159, e atender as flechas da tabela acima: - F de 200 dan com flecha medida no topo do isolador; - T = C de 300 dan quando aplicado ao seu eixo sem apresentar deformações permanente. 5) Identificação: Deve ser gravada na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 6) Dimensões em milímetros.

90 FERRAGENS PORCA QUADRADA - : Data da última revisão ) Material: Aço-carbono grau MR ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: A porca quadrada corretamente atarraxada em um parafuso, deve suportar um esforço de tração F de dan e um torque mínimo de 10 dan.m, sem apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura, quando ensaiado de acordo com o indicado na figura acima. 4) Identificação: Deve ser estampado na peça, no mínimo, o nome ou marca do fabricante. 5) Dimensões em milímetros.

91 FERRAGENS SELA PARA CRUZETA - : Data da última revisão ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: A sela corretamente instalada com parafuso entre duas superfícies adequadas, não deve apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura, quando aplicado na porca do parafuso um torque mínimo de 8 dan.m. 4) Identificação: Deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) Dimensões em milímetros.

92 FERRAGENS Data da última revisão SUPORTE PARA TRANSFORMADOR EM POSTE DE CONCRETO 6-28 ITEM Diâmetro A ± ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O par de suportes corretamente instalado, conforme detalhe para ensaio, deve suportar um esforço mínimo F de dan, podendo apresentar uma flecha residual de 20 e um esforço de tração F de dan, sem ruptura. 4) Identificação: Deve ser estampado no corpo de cada peça, de forma legível e indelével no mínimo: a) em cada metade do suporte: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação; - diâmetro nominal do suporte gravado em milímetros. b) nos parafusos: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O suporte deve ser fornecido completamente montado com os parafusos e porcas. 6) Dimensões em milímetros.

93 FERRAGENS SUPORTE L - : ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O suporte corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F de 200 dan, no mínimo, sem apresentar ruptura, apresentando uma flecha residual menor ou igual a 5. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafuso, arruelas e porcas. 6) Dimensões em milímetros.

94 FERRAGENS SUPORTE T - : ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou perfil L de aço-carbono grau MR ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O suporte corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F de 200 dan, no mínimo, sem apresentar deformação permanente ou ruptura, apresentando uma flecha residual menor ou igual a 5. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafuso, arruelas e porcas. 6) Dimensões em milímetros.

95 FERRAGENS SUPORTE V - : ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020, laminado. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O suporte corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F ou compressão R de 150 dan, no mínimo, sem ruptura, apresentando uma flecha residual menor ou igual a 5. 4) Identificação: Deve ser gravado na peça de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafuso, arruela e porca. 6) Dimensões em milímetros.

96 FERRAGENS SUPORTE PARA FIXAÇÃO INCLINADA DE CHAVE DE FACA - : ) Material: Suporte - Aço-carbono COPANT 1010 a 1020 ou aço-carbono grau MR 250. Parafusos de cabeça abaulada - Aço-carbono COPANT 1004 a 1020 forjado ou aço-carbono grau MR 250. Porcas e arruelas - Aço-carbono COPANT 1010 a ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O suporte corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F ou compressão R de 200 dan, no mínimo, sem ruptura, apresentando uma flecha residual menor ou igual a 5. 4) Identificação: Deve ser estampado na peça e nos parafusos, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafusos, arruelas e porcas. 6) Dimensões em milímetros.

97 FERRAGENS SUPORTE HORIZONTAL Item Tensão da RD kv A B C D , , ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 A 1020 ou perfil L de aço-carbono grau MR 250. Chapa dobrada ou cantoneira com no mínimo 4,75 de espessura. 2) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 3) Resistência mecânica: O suporte corretamente instalado deve suportar os seguintes esforços: - F = 100 dan com flecha máxima de 25 e flecha residual máxima de 5 ; - F = 140 dan com flecha máxima de 70 e flecha residual máxima de 10 ; - F = 200 dan sem ruptura. 4) As peças metálicas devem ser zincadas por imersão a quente. 5) Todos os furos devem ter diâmetro 18 ± 1. 6) Dimensões em milímetros.

98 FERRAGENS Data da última revisão SUPORTE PARA TRANSFORMADOR EM POSTE DE CONCRETO DUPLO T 6-34 Item Dimensões () A ± 5 B ± ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O par de suportes corretamente instalado, conforme detalhe para ensaio, deve suportar um esforço mínimo F de dan, podendo apresentar uma flecha residual máxima de 20 e um esforço de tração F de dan, sem ruptura. 4) Identificação: Deve ser estampado no corpo de cada peça, de forma legível e indelével, no mínimo: a) em cada metade do suporte: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação; - diâmetro nominal do suporte gravado em milímetros. b) nos parafusos: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafusos e porcas. 6) Dimensões em milímetros.

99 FERRAGENS Data da última revisão AFASTADOR DE BRAÇO TIPO L - : ) Material: Perfil U de aço-carbono grau MR ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O esforço deve ser aplicado com o braço tipo L na afastador conforme indicado no detalhe do ensaio. Os valores de carga estão indicados na tabela abaixo. Esforços Resistência nominal dan Sem deformação permanente dan Sem ruptura dan Vertical - V Vertical - H Transversal - T ) Identificação: Deve ser gravado na peça, de forma legível e indelével, no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) Dimensões em milímetros.

100 FERRAGENS SUPORTE Z - : ) Material: aço-carbono COPANT 1010 A 1020 ou aço carbono grau MR ) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: - Resistência nominal: V = 200 dan para flecha residual máxima de 5 ; - Resistência a ruptura: V = 400 dan; - Torque nos parafusos conforme NBR ) Identificação: Deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: - o nome ou marca do fabricante; - mês e ano de fabricação. 5) O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafusos, arruelas e porcas. 6) Dimensões em milímetros.

101 FERRAGENS SUPORTE PARA TP - : Data da última revisão ±1 60 (mínimo) ±0, (mínimo) F Ø18±0, ) Material: Aço-carbono COPANT 1010 a 1020, laminado. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Resistência mecânica: O suporte corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F de 200 dan, no mínimo, sem ruptura, apresentando uma flecha residual menor ou igual a 5. 4) Identificação: Deve ser estampado na peça de forma legível e indelével, no mínimo, o nome ou marca do fabricante e a data de fabricação; 5) Dimensões em milímetros.

102 POSTES CONCRETO CIRCULAR ITEM L m Carga dan Dimensões em A±20 B±20 e±15 Topo d±5 Base D± ) Material: Concreto armado. Fabricação, acabamento e tolerâncias, segundo a NBR e ) Identificação: os postes devem apresentar a seguinte identificação gravada em baixo relevo, com profundidade entre 3 a 5, de forma legível e indelével, no sentido da base para o topo, com os seguintes itens: a) sigla da ; b) nome ou marca do fabricante; c) data (dia, mês e ano) de fabricação; d) comprimento nominal, em metros; e) resistência nominal em dan (na direção e sentido de maior resistência); f) número de série seqüencial por tipo de poste, reiniciada a cada ano; g) classe de agressividade; h) traço demarcatório de engastamento; i) traço de referência; j) sinal demarcatório indicando a posição do centro de gravidade. 3) Identificação complementar: Deve ser identificadas com tinta, na seção da base do poste no mínimo as seguintes informações: Comprimento, carga nominal e data de fabricação. 4) Inspeção e ensaios conforme NBR , E ) Dimensões em milímetros.

103 POSTES MADEIRA ITEM L Dimensões () d (topo) D (base) mínimo máximo mínimo máximo ) Material: eucalipto preservado. 2) Os postes devem ser tratados com preservativos hidrosolúvel ou oleosolúvel. 3) Identificação: os postes de eucalipto devem apresentar a seguinte identificação, de forma legível e indelével, gravada em chapa metálica fixada num detalhe a 4 m da base, a ser gravada pelo fabricante: a) nome ou marca do fornecedor; b) número de ordem de preservação e tipo de preservativo utilizado; c) data (mês e ano) da preservação; d) comprimento nominal, em metros. 4) A 60 do topo do poste deve ser instalado 3 voltas de arame zincado n.º 12 BWG fixado com grampo de cerca conforme NBR ) Dimensões em milímetros.

104 POSTES CONCRETO DUPLO T Item L m Tipo Carga nominal dan Face A Face B Face A Face B a ± 5 A ± 5 b ± 5 B ± 5 Dimensões em F ± 20 J ± 20 e ±15 T ± 20 M ± B B B B B B B B ) Material: Concreto armado. Fabricação, acabamento e tolerâncias, segundo a NBR e ) Identificação: os postes devem apresentar a seguinte identificação gravada em baixo relevo, com profundidade entre 3 a 5, de forma legível e indelével, no sentido da base para o topo, com os seguintes itens: a) sigla da ; b) nome ou marca do fabricante; c) data (dia, mês e ano) de fabricação; d) comprimento nominal, em metros; e) resistência nominal em dan (na direção e sentido de maior resistência); f) número de série seqüencial por tipo de poste, reiniciada a cada ano; g) classe de agressividade; h) traço demarcatório de engastamento; i) traço de referência; j) sinal demarcatório indicando a posição do centro de gravidade. 3) Identificação complementar: Deve ser identificadas com tinta, na seção da base do poste no mínimo as seguintes informações: Comprimento, carga nominal e data de fabricação. 4) Deve ser previsto a colocação de duto embutido para o aterramento. 5) Inspeção e ensaios conforme NBR , E ) Dimensões em milímetros.

105 CRUZETAS MADEIRA : ± ±2 1) Material: Madeira de lei ou eucalipto (cerne), preservado. 2) As cruzetas devem ser isentas de empenas, nós, fendas e farpas. 3) Os furos devem ser de diâmetro 18. 4) Depois de feito os furos as cruzetas devem ser tratadas com preservativo oleosolúvel ou hidrosolúvel. 5) O teor de umidade médio de um lote de cruzetas não pode ser superior a 20 %. Para qualquer cruzeta individualmente, admite-se um acréscimo de até 5 % no índice de 20 %. 6) A cruzeta fixada em um apoio no centro de 150 deve resistir a dois esforços (F) iguais e aplicados simultaneamente em cada lado da cruzeta, conforme tabela abaixo. Ver figura 1(a) da NBR Resistência à flexão Flecha () Descrição do carregamento Resistência F (dan) Máxima Residual máxima Nominal Máximo excepcional Mínimo de ruptura ) Ensaios conforme Norma NBR ) Dimensões em milímetros.

106 CRUZETAS MADEIRA : ±3 120±2, ±2,4 1) Material: Eucalipto, preservado. 2) As cruzetas devem ser isentas de empenas, nós, fendas e farpas. 3) As cruzetas devem ser tratadas com preservativo oleosolúvel ou hidrosolúvel. 4) Dimensões em milímetros.

107 CRUZETAS MADEIRA : Mínimo Furos de Ø 18 Furos de Ø 18 FURAÇÃO TIPO HS ( 15 e 25kV ) Mínimo Furos de Ø 18 FURAÇÃO TIPO HT ( 15 e 25kV ) 1) Material: Eucalipto, preservado. 2) As cruzetas devem ser isentas de empenas, fendas e farpas. 3) Os furos devem ser de diâmetro 18. 4) Depois de feito os furos as cruzetas devem ser tratadas com preservativo oleosolúvel ou hidrosolúvel. 5) É admitida uma tolerância de ± 2 % nas cotas apresentadas. 6) Dimensões em milímetros.

108 CRUZETAS METÁLICA Item Item Item Item 4 ITEM Para Estrutura Tipo N1, N2, N3 e N4 ou T1, T2, T3 e T M1, M2, M3 e M B1, B2, B3 e B CN4 Diâmetro dos Furos () 18 ±1 1) Material: aço carbono, COPANT 1010 a 1020, laminado ou cantoneira aço carbono MR ) As cruzetas depois de pronta devem ser zincados por imersão a quente. 3) Identificação: deve ser estampado na peça, o nome ou marca do fabricante. 4) É admitida uma tolerância de ± 2 % nas cotas apresentadas. 5) Dimensões em milímetros.

109 CRUZETAS METÁLICA : VISTA SUPERIOR VISTA FRONTAL TODOS FUROS Ø 18 1) Material: aço carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 2) As cruzetas depois de pronta devem ser zincados por imersão a quente. 3) Identificação: deve ser estampado na peça, o nome ou marca do fabricante. 4) É admitida uma tolerância de ± 2 % nas cotas apresentadas. 5) Dimensões em milímetros.

110 CRUZETAS METÁLICA : ) Material: Aço carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 2) As cruzetas depois de pronta devem ser zincadas por imersão a quente. 3) Diâmetro dos furos: 18 ± 0,5. 4) Identificação: Deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével no mínimo: a) o nome ou marca do fabricante; b) mês e ano de fabricação. 5) Quando não representado é admitida uma tolerância de ± 2 % nas demais cotas. 6) Dimensões em milímetros.

111 ESCORAS TORA DE MADEIRA - : Furo de Ø Ø 200 mínimo 1) Material: eucalipto ou madeira de lei, preservada. 2) Depois de feito o furo, as toras devem ser tratadas com preservativo oleosolúvel ou hidrosolúvel. 3) Dimensões em milímetros.

112 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES BANCO DE CAPACITORES - CAPACITOR ESTÁTICO MONOFÁSICO 10-1 ITEM Tensão (V) Nominal Isolamento N I (kv) Potência (kvar) Dimensão A máxima ) Material: Tanque: aço inoxidável austenítico tipo 316 ou aço inoxidável de qualidade superior, não dispensando a pintura adequada de acabamento, na cor cinza Munsell N6.5. Bucha: porcelana vitrificada cor marrom ou cinza. Placa de identificação: aço inoxidável, espessura mínima de 0,5. Conectores terminais: para ligações bimetálicas, para acomodar até 2 condutores de cobre ou alumínio com uma variação de 6 a 1/0 AWG ou 16 a ) Inspeção e Ensaios: conforme especificação -ETD ) Dimensões em milímetros.

113 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES BANCO DE CAPACITORES - CAPACITOR ESTÁTICO MONOFÁSICO - DETALHES 10-1a FIGURA 1 - SUPORTE DE SUSPENSÃO 1) Material: Placa em aço inoxidável austenítico tipo 316 ou aço inoxidável de qualidade superior. 2) Espessura mínima: 0,5. 3) Gravação em alto ou baixo relevo. FIGURA 2 - PLACA DE IDENTIFICAÇÃO

114 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES BANCO DE CAPACITORES - SUPORTE - : b Ø18 50 FURAÇÃO P/ ATERRAMENTO Ø 18'' FURAÇÃO P/ CAIXA DE LIGAÇÕES Ø 12'' , , , e /16'' 7/16'' ) TRAVESSA - Fº L 50 x 4,75 x ) MÃO FRANCESA DIREITA E ESQUERDA Fº L 38 x 4,75 x pçs. Fº L 38 x 4,75 x pç. 3) TIRANTE Fº CHATO 30 x 6,36 x 393,5 4) FIXAÇÃO DO SUPORTE Fº L 75 x 36 x 6,36 x 420-2pçs. Fº L 75 x 6,35 x 453-2pçs. 5) CALÇO PARA POSTE 6) PRISIONEIRO - Fº Ø 19 x 400 7) FIXAÇÃO DO SUPORTE Fº U-75 x 36 x 3,35 x 420 8) SUPORTE DA PLACA - Fº CHATO 50 x 6,35 x 200 9) DIAGONAL - Fº CHATO 36 x 6,35 x ) CALÇO PARA CHAVE A ÓLEO Fº CHATO 100 x 6,35 x ) Material: Aço carbono ABNT 1020, laminado. 2) Todas as partes ferrosas do suporte devem ser zincadas por imersão a quente. 3) Identificação: deve ser estampado no corpo da peça, no mínimo, o nome ou marca do fabricante. 4) Resistência mecânica: O suporte instalado e montado com todos os acessórios, deve resistir sem apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura. 5) Dimensões em milímetros.

115 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES BANCO DE CAPACITORES - SUPORTE - DETALHES c , ,5 393,5 22 DETALHE DA PEÇA , DETALHE DA PEÇA DETALHE DA PEÇA /16" Ø DETALHE DA PEÇA 4 20, DETALHE DA PEÇA 7 DETALHE DA PEÇA ) Material: Aço carbono ABNT 1020, laminado. 2) Todas as partes ferrosas do suporte devem ser zincadas por imersão a quente. 3) Dimensões em milímetros. DETALHE DA PEÇA 10

116 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES BANCO DE CAPACITORES - CHAVE SECCIONADORA UNIPOLAR À VÁCUO 10-1d Ø 209,5 A 105 Tipo giratório para alinhamento das buchas e alavanca H D Rasgo para parafuso M 16 B 65 G , Conector elétrico E 133 F Terminal de aterramento Alavanca para acionamento manual Ø 184 Montagem em poste G ITEM Tensão nominal (kv) Corrente nominal (A) NI (KV) Tensão Isolamento Suportável 60 Hz (kv) A seco 1 minuto Molhado 10 s Capacidade interrupção (kvar) Número mínimo operações Corrente momentânea assimétrica mínima (ka) Dimensões () A B C D E F G , , , ) Materiais: Tanque: aço, pintado na cor cinza Munsell N6.5. Bucha: porcelana vitrificada cor marrom ou cinza. Placa de identificação: aço inoxidável ou alumínio, espessura mínima de 0,5. Terminais das buchas: para ligações bimetálicas, para acomodar condutores de cobre ou alumínio com uma variação de 6 a 2/0 AWG ou 16 a ) Inspeção e Ensaios: conforme especificação ETD ) O interruptor á vácuo é composto de 2 contatos separados que trabalham no vácuo dentro de uma cápsula hermética. 4) A chave deve ser fornecida com suporte para montagem em estruturas metálicas, postes, cruzetas de madeira. 5) Dimensões em milímetros.

117 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES BANCO DE CAPACITORES - RELÉ PARA COMANDO AUTOMÁTICO POR TEMPO E CORRENTE 10-1e Transformador de Corrente ITEM Classe de Tensão suportável Tensão suportável Tensão NBI 60 Hz (kv) 60 Hz 1 minuto Corona (kv) (kv) a seco molhado (kv) (kv) ) Figura Orientativa. 2) Materiais empregados, conforme norma -ETD ) Especificação, ensaios, aceitação e recebimento, conforme Norma -ETD ) O comando automático para controle de banco de capacitores através de sensoriamento por tempo e corrente, 220 V, 60 Hz, deve possuir autonomia de reserva mínima de 72 horas, no caso de falta de energia elétrica, recarregável automaticamente e ser dotado de dispositivo de armazenamento que possua teste de carga remanescente. 5) Deve funcionar satisfatoriamente em tensões de 190 V até 240 V, em sistema de distribuição secundário 127/220 V e 220/380 V, para ser ligado em 220 V. 6) O comando automático por tempo deve: - possuir um relógio pelo qual se programe os horários de abertura e fechamento, com um intervalo mínimo de 30 minutos, para todas as horas e dias da semana, bem como seu ajuste deve ser de fácil manuseio e acesso, para ser efetuado no local de sua instalação. - ser provido de dispositivo que permita suprimir seu funcionamento em qualquer dia da semana. - ter todos os ajustes devem vir, inicialmente, programados para energizar o banco de capacitores às 7 horas e desenergizar às 23 horas, em todos os dias da semana, exceto domingos, cabendo a acertar a hora padrão. 7) O comando por corrente deve: - atuar para correntes primárias na faixa entre zero e 600 A, no mínimo. - possuir transformador de corrente de fácil instalação, sem necessidade de seccionamento do condutor primário e a sua classe de erro deve ser de no máximo 2,5% sob plena carga.

118 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CHAVE DE FACA UNIPOLAR 550 (15 kv/25,8 kv) 180 ± 4 14 ± 0,3-0, ± 2 80 ± ,6-0 2 Terminal Gancho para ferramenta de abertura em coroa 3 4 Parafuso para fixação de conetor ITEM Tensão Nominal (kvef) Corrente Nominal (A) Tensão Suportável Impulso Atmosférico (kv) crista À Terra e entre Pólos Entre Contatos Abertos Tensão Suportável - 60 Hz (1min.) a Seco e sob Chuva (kvef) À Terra e entre Pólos Entre Contatos Abertos , Corrente Suportável de Curta Duração (It/t) (ka/s) 1) Material: Base da chave, parafusos de fixação dos isoladores e suporte de fixação: aço carbono laminado, zincado a quente. Isolador: tipo suporte, porcelana vitrificada, cor cinza claro ou marrom (ASTM 1535). Lâmina e contatos das lâminas: cobre eletrolítico. Dispositivo de travamento e operação: latão. Molas de pressão: liga de cobre ou aço inoxidável austenítico tipo 316 ou qualidade superior.. Gancho para ferramenta de abertura em carga: metal não ferroso. Parafusos: bronze silício estanhado. Arruela de pressão: bronze fosforoso estanhado. 2) As partes não cotadas da figura, são orientativas. 3) As chaves devem ser fornecidas com: com os parafusos de fixação do conector, conector conforme seção 10-2b e o suporte. 4) Especificação, inspeção e ensaios para recebimento, conforme especificação -ETD ) Identificação e embalagem, conforme especificação -ETD ) Dimensões em milímetros. 25/1

119 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES a CHAVE FACA UNIPOLAR - DETALHES : ) Material: DETALHE 1 - Suporte de fixação, parafuso e porca: aço carbono ABNT 1010 a 1020, laminado ou trefilado, zincados por imersão a quente. Arruela de pressão: aço carbono ABNT 1040 a 1070, zincado por imersão a quente. DETALHE 2 - Terminal: cobre ou bronze de alta condutividade, estanhados. DETALHE 3 - Gancho para ferramenta de abertura em carga: metal não ferroso. DETALHE 4 - Parafusos e porcas: bronze silício estanhado Arruela de pressão: bronze fosforoso estanhado. 2) As figuras dos detalhes são orientativas. 3) Dimensões em milímetros.

120 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CHAVE FACA UNIPOLAR - CONECTOR TERMINAL DOIS FUROS NEMA COM PINO PARA APLICAÇÃO DE CONECTOR TIPO CUNHA DERIVAÇÃO - : b 1) Material: Terminal - liga de cobre contendo, no mínimo 90% de cobre e no máximo 5% de zinco, estanhado. Alta resistência mecânica. 2) Acomodação: Compatível com o cabo CA 336,4 MCM. 3) Capacidade de corrente: 495 A. 4) Desenho Orientativo. 5) Tipo de Instalação: Aparafusado. 6) Identificação do Conector: Deve ser estampado no conector, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo de condutor CC/CA/CAA, as bitolas em AWG/MCM e as seções em ². 7) Identificação da Embalagem: Deve ser impresso na embalagem, de forma legível e indelével, no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) código ; c) conector tipo; d) bitola e seções dos condutores a que se aplicam. 8) Embalagem: Os conectores com estribo devem ser fornecidos com composto antióxido, embalados individualmente, em sacos ou cápsulas de polietileno de espessura mínima 0,1, fechado por solda eletrônica. 9) Dimensões em milímetros.

121 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CHAVE FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Conetor paralelo de parafuso para condutores de cobre ou alumínio de seção 10 ² a 120 ² Suporte L Gancho para ferramente de abertura em carga Olhal 20º ± 2º Porta - fusível 650 máx. (15 kv) 800 máx. (24,2 kv) 50 mín. Conetor paralele de parafuso 2 B A 50 mín. 32 mín. DETALHE 2 13,5 ± 0,5 19 ± 0,8 DETALHE 1 9 mín. Ø ,5 0 57,5 ± 0,5 14,5 ± 0,5 Deslocamento máximo para cada lado: 15 Contato superior Linha de centro do elemento móvel Contato inferior A : Angulo da posição de repouso = 150º (máximo) em relação ao eixo do porta - fusível. B : Angulo da posição de retirada = 110º (mínimo) em relação ao eixo do porta - fusível. Base Porta-Fusível Tensão Suportável Nominal Capacidade de Impulso Atmosférico 60 Hz a Seco e sob Chuva ITEM Interrupção (Aef) (kv crista) (kvef) Tipo Tensão Corrente Corrente Máxima Nominal Nominal Cor A Terra e Entre Contatos A Terra e Entre Contatos (kvef) (Aef) (Aef) Simétrico Assimétrico entre Pólos Abertos entre Pólos Abertos , C C , ) Material: Base - Isolador tipo bucha, de porcelana vitrificada, cor cinza-claro Munsell 5BG7/1. Partes condutoras - Liga de cobre, com percentual de zinco não superior a 6%. Parafuso, porcas e arruelas de fixação dos contatos ao isolador da base - bronze ou aço inoxidável. Ganchos para fixação da ferramenta de abertura em carga - material não ferroso. Partes ferrosas - com exceção da mola de aço inoxidável, devem ser zincadas por imersão a quente. Molas que mantém a tensão mecânica entre a base e o porta-fusível - aço inoxidável. Conector terminal - tipo paralelo de parafuso, em liga de cobre, estanhado, com parafusos e arruelas de pressão manufaturados em bronze ou aço inoxidável. Porta-fusível - contato inferior e superior - liga de cobre, com percentual de zinco não superior a 6 %. Tubo - fibra prensada ou fibra de vidro, com revestimento interno em fibra vulcanizada, cor C: cinza Munsell 7N. 2) As áreas de contato da base devem ser prateadas com no mínimo 8 µ de espessura. 3) Especificação, inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme norma -ETD ) O suporte L (seção 6-29) não acompanha a chave fusível. 5) Dimensões em milímetros.

122 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CHAVE FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO - PORTA-FUSÍVEL BASE TIPO C 10-3a DETALHE 3 ± 0,2 Ø 21 ± 0,5 8 ± 0,2 DETALHE Ø 34 ± ± 2 (15 kv) 375 ± 2 (24,2 kv) VISTA AA 31,5 (máx.) A 12,5 ± 0,2 37 ± 2 A Sistema bloqueável (imperdível) Elo - fusível 56 ± 0,5 75 (mínimo) ITEM Tensão (kvef) Corrente Nominal (Aef) Capacidade de Interrupção (Aef) Simétrico Assimétrico , , Cor do Tubo C 1) Material: Contato inferior e superior - liga de cobre, com percentual de zinco não superior a 6 %. Tubo - fibra prensada ou fibra de vidro, com revestimento interno em fibra vulcanizada, cor C: cinza Munsell 7N. 2) O diâmetro interno do tubo do porta-fusível é de 11,5 e o diâmetro externo é de 25 +0,4/-0,0. 3) O diâmetro do furo de passagem do elo fusível no contato superior do porta fusível é de 11 ± 0,2. 4) As áreas de contato do porta-fusível devem ser prateadas com no mínimo 8 µ de espessura. 5) Especificação, inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme norma CEEE D - ETD ) As partes não cotadas, do desenho do porta-fusível, são unicamente orientativas. Outras formas são aceitas. 7) Dimensões em milímetros.

123 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CHAVE FUSÍVEL REPETIDORA 520 (máx.) 200 ± 4 19 ± ,5 Ø VER DETALHE BASE TIPO C 2 - PORTA FUSÍVEL 3 - TRAVESSÃO 4 - MECANISMO DE TRANSFERÊNCIA DE CARGA 5 - SUPORTE DE FIXAÇÃO " L " 6 - TERMINAL INFERIOR Base Porta-Fusível Tensão Suportável Nominal Capacidade de Impulso Atmosférico 60 Hz a Seco e sob Chuva ITEM Interrupção (Aef) (kv crista) (kvef) Tipo Tensão Corrente Corrente Máxima Nominal Nominal Cor A Terra e Entre Contatos A Terra e Entre Contatos (kvef) (Aef) (Aef) Simétrico Assimétrico entre Pólos Abertos entre Pólos Abertos , C B , ) Material: Base - Isolador tipo bucha, de porcelana vitrificada, cor cinza-claro Munsell 5BG7/1. Partes condutoras - Liga de cobre, com percentual de zinco não superior a 6%. Parafuso, porcas e arruelas de fixação dos contatos ao isolador da base - bronze ou aço inoxidável. Partes ferrosas com exceção da mola de aço inoxidável, devem ser zincadas por imersão a quente. Ganchos para fixação da ferramenta de abertura em carga - material não ferroso. Molas que mantém a tensão mecânica entre a base e o porta-fusível - aço inoxidável. Conector terminal - tipo paralelo de parafuso, em liga de cobre, estanhado, com parafusos e arruelas de pressão manufaturados em bronze ou aço inoxidável; para condutores de cobre seção de 10 ² a 120 ². Porta-fusível - contato inferior e superior liga de cobre, com percentual de zinco não superior a 6 %. Tubo - fibra prensada, fenolite ou fibra de vidro, com revestimento interno em fibra vulcanizada, cor: B - vermelho Munsell 5 R 4/14. 2) Especificação, inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme norma ETD ) O suporte L (seção 6-29) não acompanha a chave fusível repetidora. 4) As partes não cotadas são de caracter unicamente orientativas. Outras formas são aceitas. 5) Dimensões em milímetros.

124 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CHAVE SECCIONADORA TRIPOLAR C B Ø 14 A D ITEM Tensão Nominal (kvef) Corrente Nominal (A) Tensão Suportável de Impulso Atmosférico (kv crista) À Terra e entre Pólos Entre Contatos Abertos Tensão Suportável 60Hz -1min a Seco e sob Chuva (kvef) À Terra e entre Pólos Entre Contatos Abertos Dimensões máximas () A B C D , ) Materiais: Base da chave - aço carbono ABNT 1010 a 1020, laminado, espessura mínima 3,17 (1/8 ), zincada por imersão a quente. Isoladores - porcelana vitrificada ou resina polimérica reforçada na cor cinza claro ou marrom. Lamina e contato das laminas cobre eletrolítico. Terminais - cobre ou bronze de alta condutividade estanhado. Parafusos e arruelas - aço inoxidável. 2) As laminas da chave seccionadora tripolar deve ser formada por 2 barras paralelas de cobre, fixadas por parafusos de aço inoxidável com porcas auto-travantes. 3) A base deve ser identificada através de placa da aço inoxidável ou latão niquelado, fixada de modo permanente, contendo as seguintes informações, marcadas de modo legível e indelével; com tipo de, no mínimo 2 de altura: a) nome e/ou marca do fabricante; b) tipo e/ou número de catálogo; c) data (mês e ano) de fabricação; d) tensão nominal em kv; e) corrente nominal A; f) tensão suportável nominal de impulso atmosférico, em kv; g) número de fabricação. 4) As chaves devem ser providas de dispositivo limitador da abertura de suas lâminas a menos de 90 e não devem abrir para esforços situados entre 5 a 10 dan. 5) Dimensões em milímetros.

125 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CORTA-CIRCUITO FUSÍVEL SECUNDÁRIO - : ± 3,5 124 ± 2, Rosca M 10 x 1,50 Cabo de cobre isolado Cabo de cobre isolado 0,5 10 0,5 Parafuso M 8 x 1, ,5 0 2,0 ± 2,5 ± Parte do tubo com rosca (W 14 fpp) Rosca M 10 x 1,50 (imperdível) Borboleta ou porca bloqueável 200 ± 4,0 220 ± 4,5 1) Material: contato superior e inferior - liga de cobre, contendo no mínimo 85 % de cobre e no máximo 5 % de zinco. corpo - tubo de fibra prensada, fenolite ou fibra de vidro, na cor vermelho Munsell 5 R 4/14. 2) O diâmetro interno do tubo do porta-fusível é de 11,5 e o diâmetro externo é de 25 +0,4/-0,0. 3) O diâmetro do furo de passagem do elo fusível no contato superior do corta-circuito é de 11 ± 0,2. 4) O corta-circuito deve ter o aspecto geral do desenho, sendo imprescindível o detalhe de instalação do elo fusível. 5) Identificação: deve ser estampado no corpo do corta-circuito, de forme legível e indelével, as seguintes informações: a) nome ou marca do fabricante; b) tensão: V; c) corrente nominal: 100 A; d) mês e ano de fabricação. 6) Ensaio de aquecimento: corrente nominal de 100 A, temperatura ambiente entre 10 C e 40 C de modo que as partes condutoras da peça não devem sofrer aumento de temperatura superior a 30 C. 7) O dispositivo de aperto deve acomodar corretamente o condutor de cobre de seção entre 16 e 25 ². 8) Dimensões em milímetros.

126 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO TIPO BOTÃO BOTÃO ARRUELA TUBINHO PROTETOR DE ELO FUSÍVEL CORDOALHA ESTANHADA E D d e 500 (Mínimo) ITEM Elo Fusível Tipo Corrente (A) , H K Botão Ø D () Arruela Ø E máximo () Tubinho Ø d máximo () Cordoalha Ø e máximo () 12,5 19,0 7,8 4,0 19,0 25,0 Não é necessário o uso de arruela Não é necessário o uso de arruela 10,0 6,5 Não é necessário usar tubo protetor 9,5 1) Material: Elemento fusível - liga de estanho ou material equivalente cujas propriedades físicas e químicas não sejam alteradas pela passagem da corrente admissível. Cordoalha - cobre estanhado ou prateado. Tubo protetor - fibra prensada ou fenolite. Botão e arruela - cobre ou latão, estanhados. 2) Resistência mecânica: os elo fusíveis devem resistir aos esforços de tração indicados na NBR ) Especificação, inspeção e ensaios para recebimento, conforme NBR-5359 e a tabela de corrente de fusão para o elo de 0,5 A. Corrente de fusão (A) Corrente de fusão (A) Corrente de fusão (A) para 300 S para 10 S para 0,1 S mínimo máximo mínimo máximo mínimo máximo 1,6 2,3 4,0 5, ) Identificação e embalagem, conforme Especificação ETD ) Dimensões em milímetros.

127 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO TIPO CABEÇA REMOVÍVEL Item Elo Fusível Tipo Corrente A Botão Ø D Arruela Ø E máximo Tubinho Ø d máximo Cordoalha Ø e máximo , H ,5 19,0 7,8 4, K ,0-10,0 6,5 1) Material: Elemento fusível - liga de estanho ou material equivalente cujas propriedades físicas e químicas não sejam alteradas pela passagem da corrente admissível. Cordoalha - cobre estanhado ou prateado. Tubo protetor - fibra prensada e internamente deve ser de fibra vulcanizada. Botão e arruela - cobre ou latão, estanhados. 2) Resistência mecânica: os elo fusíveis devem resistir aos esforços de tração indicados na NBR ) Especificação, inspeção e ensaios para recebimento, conforme NBR 5359 e a tabela de corrente de fusão para o elo de 0,5 A. Corrente de fusão (A) Corrente de fusão (A) Corrente de fusão (A) para 300 S para 10 S para 0,1 S Mínimo Máximo Mínimo Máximo Mínimo Máximo 1,6 2,3 4,0 5, ) Identificação e embalagem, conforme Especificação ETD ) Este elo fusível tipo cabeça removível somente deve ser utilizado nos porta-fusíveis com prolongador. 6) Dimensões em milímetros.

128 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES HASTE PÁRA-RAIOS r = Ø Ø r = Ø Ø ITEM Aplicação em Estruturas do Tipo T e U N e M 1) Material: aço carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado ou trefilado. 2) A peça deve ser zincada por imersão a quente. 3) Identificação: deve ser estampado na peça, de forma legível e indelével, os seguintes informações: a) o nome ou marca do fabricante; b) o ano e mês de fabricação. 4) A haste do item 1 deve ser dobrada sem a formação de ângulos retos. 5) Dimensões em milímetros.

129 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES PÁRA-RAIOS Terminal de linha Ø 8 Pino M 10 x 1,5 ou M 12 x 1,5 Placa de características Porca sestavada Arruela de pressão A Envolvente polimérico Suporte isolante de fixação Ø 14 ± 0,8 Desligador automático Terminalde aterramento para cabos de 10 a 35 ² H ITEM Tensão Nominal (kv) Tensão Suportável do Invólucro Isolante Impulso Atmosf. (Onda 1,2/50µs) (kv crista) Sob Chuva 60Hz 1min. (kvef) Tensão Suportável do Suporte Isolante de Fixação Sob Chuva Impulso Atmosf. 60Hz 1min. (Onda 1,2/50µs) (kvef) (kv crista) Corrente de Descarga Nominal (Onda 8/20µs) (ka crista) Dimensões () A máximo H mínimo 1) Material: Invólucro Isolante e Suporte Isolante - polimérico à base de silicone injetado, resistente ao trilhamento elétrico e ao intemperismo. Porcas e arruelas - aço inoxidável austenítico tipo 316 ou de liga de cobre estanhada, com uma camada mínima de 8 µ. Terminal de linha ou de terra - aço inoxidável austenítico tipo 316 ou liga de cobre, estanhada com uma camada mínima de 8 µ, contendo no mínimo 85 % de cobre e no máximo 5 % de zinco. 2) Os pára-raios devem ser providos de desligador automático, acoplados externamente a seu invólucro, do tipo detonador ou similar; de forma a tornar visível a unidade defeituosa. 3) Identificação: Deve ser gravado de forma legível e indelével, no corpo do pára-raios ou em placa de aço inoxidável austenítico tipo 316 ou qualidade superior, as seguintes informações: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo ou modelo; c) corrente nominal de descarga; d) tensão nominal; e) mês e ano de fabricação; f) número de série. 4) A braçadeira de fixação deve suportar um esforço de tração F equivalente a três vezes o peso do pára-raios, não devendo apresentar uma flecha superior a 5 e deformação permanente superior a 1, medido na linha de centro do pára-raios. 5) Dimensões em milímetros.

130 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES REGULADOR AUTOMÁTICO DE TENSÃO MONOFÁSICO NUMERAÇÃO LEGENDA: 1 - Alça de suspensão. 2 - Olhal para içamento da parte ativa. 3 - Indicador de posição. 4 - Placa de Identificação. 5 - Indicador de Nível de Óleo. 6 - Caixa de Controle ITEM Nominal Operação máxima Tensão (kv) Suportável Impulso Atm. Suportável 60Hz 1min Potência Nominal (kva) Corrente Nominal (A) ,4 24, Freqüência Nominal (Hz) 60 Tipo de Sistema Neutro Multiaterrado Tipo de Ligação Fase Neutro 1) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD ) Dimensões diferentes das cotadas serão estudadas quando da análise do protótipo, quando do cadastramento do produto. 5) Dimensões em milímetros.

131 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES RELIGADOR TRIPOLAR EXTERNO SF6/VÁCUO - : Nominal Máxima Operação Tensão (kv) Suportável de Impulso Atmosférico - 1,2x50µs Suportável nominal 60Hz - 1 minuto Capacidade de interrupção nominal sob curto-circuito (ka) Corrente Nominal (A) Freqüência Nominal (Hz) Meio de Extinção do arco 23,0 25, , vácuo 1) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Especificação, inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme ETD ) Quando se tratar de primeiro lote de fornecimento de religadores, o fornecedor deverá apresentar além de todos os ensaios de tipo que constam da norma ETD , os seguintes certificados de ensaios especiais comprovando: a) garantia expressa de vida útil b) comprovar a existência de suporte de manutenção e peças no Brasil; c) evidenciar que o equipamento oferece operação durável ao nosso clima; d) apresentar programa de treinamento sobre o equipamento; e) o NBI 125 kv deve ser atendido sem a necessidade de adicionar acessórios ao religador (ex.: pára-raios); f) o equipamento deverá passar por teste de integração conforme protocolo de comunicação da norma ETD ) Alimentação auxiliar 220V.

132 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICO FASE-NEUTRO PARA POSTE ITEM Potência (kva) Máximas Cotas () Mínimas A C L G F ±5 120±6 200±10 Tensão (V) TIPO E D B Primária Secundária B1-TMD B1-TMD ) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD ) Dimensões em milímetros.

133 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICO FASE-NEUTRO PARA POSTE 10-16a ITEM Potência (kva) Máximas Cotas () Mínimas A C L G F ±5 120±6 200±10 Tensão (V) TIPO E D B Primária Secundária B1-TMD BI-TMD ) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD ) Dimensões em milímetros.

134 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICO FASE-FASE PARA POSTE 10-16b ITEM Potência (kva) Máximas Cotas () Mínimas A C L G F ±5 120±6 200±10 Tensão (V) Tipo E D B Primária Secundária B2-TMD B2-TMD ) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD ) Dimensões em milímetros.

135 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICO FASE-FASE PARA POSTE 10-16c ITEM Potência (kva) Máximas Cotas () Mínimas A C L G F ±5 120±6 200±10 Tensão (V) TIPO E D B Primária Secundária B2-TMD B2-TMD ) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD ) Dimensões em milímetros.

136 Data da ultima revisão EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO TRIFÁSICO PARA POSTE 10-16d ITEM Potência (kva) Cotas () Tensão (V) Tipo de Máximas Mínimas Tipo Ligação E D B MT BT A C L G F MT BT ±6 200± , ±7,5 400± ±6 200± , ±7,5 400± ± ±6 200± , ±7,5 400± ±6 200± , ±7,5 400± ) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD ) Dimensões em milímetros. TD /127 TD-2 380/220 TD /127 TD-4 380/220 Δ Y

137 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO TRIFÁSICO PARA PLATAFORMA OU CABINA 10-16e ITEM Potência (kva Cotas () Tensão (V) Tipo de Máximas Mínimas Tipo Ligação E D B MT BT A C L G F MT BT ±7,5 400± Nota ±7,5 400± Nota ± ±7,5 400± TD Nota ±7,5 400± Nota ) Figura orientativa. 2) Materiais empregados, conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD ) As cotas D e B somente são solicitadas quando o transformador for instalado em poste simples. 5) Conforme projeto do fabricante. TD / TD / /127 TD-4 380/220 6) Os transformadores para uso em cabinas, acima de 225 kva, inclusive, devem ser providos de 4 rodas unidirecionais, possíveis de serem removíveis e fixadas adequadamente em sua estrutura de apoio. 7) Dimensões em milímetros. Δ Υ

138 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO - DIAGRAMAS DE LIGAÇÃO 10-16f FIGURA 1 - Transformador monofásico fase-neutro FIGURA 2 - Transformador monofásico fase-fase FIGURA 3 - Transformador trifásico

139 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO - DETALHES SUPORTE PARA FIXAÇÃO DO TRANSFORMADOR NO POSTE 10-16g TIPO 1 - TRANSFORMADOR MONOFÁSICO ATÉ 25 kv TIPO 2 - TRANFORMADOR TRIFÁSICO ATÉ 150 kv

140 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO - DETALHES DISPOSITIVO DE ATERRAMENTO PARA INSTALAÇÃO EXTERNA 10-16h Rosca-M12 x 1,75 Para condutores de cobre e alumínio de Ø3,2 a Ø10,5 1) Material: Conector - liga de cobre, com teor mínimo de cobre superior a 85%, teor de zinco inferior a 6%, condutividade elétrica mínima 25% IACS a 20 C, com espessura de camada de estanho não inferior a 8 μm. Parafuso cabeça sextavada - liga de cobre. Arruela de pressão - bronze fosforoso. Arruela lisa - liga de cobre. 2) Medidas em milímetro. ABERTURA PARA INSPEÇÃO - FORMATO CIRCULAR D 1)Utilizado em transformadores trifásicos. 2) D - diâmetro mínimo: 120 ± 2,4.

141 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO - DETALHES PLACA DE IDENTIFICAÇÃO i 1) Material: Aço inoxidável. 2) Espessura mínima: 0,5. 3) Gravado em alto ou baixo relevo. 4) Dimensões em milímetros.

142 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES Data da ultima revisão SECCIONALIZADOR MONOFÁSICO ELETRÔNICO TIPO CARTUCHO Contato superior Tubo condutor Fita adesiva refletora Transformador de corrente Contato inferior Fita adesiva refletora Tensão Corrente em A eficaz Suportável nominal Frequência Mínima Suportável de curta duração Item Máxima Nominal Impulso atm. 60 Hz-60 s Hz Nominal de kv eficaz kv eficaz Momentânea 1 s 10 s kv crista kv eficaz atuação , Ajustável ,2 23, a ) Materiais: Tubo (parte condutora) - deve ser fabricado em alumínio ou cobre estanhado. As áreas de contato dos terminais superior e inferior devem ser prateadas com uma camada de, no mínimo, 8 µm de espessura. Fitas adesivas refletoras - de 50 de largura, resistente a água e à radiação solar, uma não cor verde próxima ao contato superior e outra na cor vermelha na parte inferior do tubo abaixo do transformador de corrente. As placas dos circuitos impressos devem ser protegidas de forma a não sofrerem contaminação. 2) O equipamento deve ser rearmável não sendo aceitos equipamentos que utilizem atuadores químicos para sua operação. 3) O olhal do equipamento deve ser adequado para operação com vara de manobra e suportar uma tração mecânica mínima de 200 dan. 4) O equipamento montado em um conjunto trifásico deve permitir abertura trifásica. 5) Características nominais do seccionador monofásico: a) número de contagens para abertura de: 2 a 3; b) tempo de memória entre operação do religador, no mínimo 25 segundos; c) tempo de reset após o bloqueio do religados de 90 segundos. 6) Especificação conforme norma ETD ) Inspeção e ensaios conforme norma ETD ) Dimensões em milímetros.

143 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES PÁRA-RAIOS DE DISTRIBUIÇÃO DE BAIXA TENSÃO DETALHE REDE ISOLADA DETALHE REDE CONVENCIONAL Ver Detalhe "A" Identificação do para ráios Ver Detalhe "B" 36.0 ± 2.0 Ø 58.0 ± 1.0 Ø 58.0 ± 1.0 DETALHE "A" Terminal de linha secção 25² 64.0 ± 0.5 Arruela Lisa Porca Borboleta Terminal de terra 25.0 ± 1.0 Rosca M ± ± ± 2.0 DETALHE "B" Conectores de linha p/ cabos 4 AWG até 336 MCM 27.5 ± 2.0 Ø 6.3 ± 0.5 Capa termo contrátil 31.5 ± 1.0 Porca sext. M - 6 Galv. a quente Solda Cordoalha Desligador automático interno 78.6 ± 2.0 ITEM Detalhe do Terminal Tensão Nominal (V) Tensão Operação Contínua (Vef) mín. Tensão Residual máxima à 10 ka Onda 8/20µs (kv) Tensão Suportável do Invólucro à 60 Hz, a seco e sob chuva, Corrente Descarga Onda 8/20µs (ka) 1 min. (kvef) Nominal máxima Corrente Suportável Alta Intensidade e Curta Duração Onda 4/10µs (ka crista) A ,8 2, B 1) Material: Invólucro isolante - polimérico à base de silicone injetado ou resina epóxi, resistente ao trilhamento elétrico, a corrosão, a erosão e à radiação UV. Terminal de linha ou de terra, porca borboleta e arruela - aço inoxidável, liga de alumínio ou liga de cobre, estanhada com uma camada mínima de 8 µ e 12 µ para a média das amostras. Porca sextavada - aço inoxidável ou aço zincado a quente. Cordoalha - liga de cobre estanhada com uma camada mínima de 8 µ e 12 µ para a média das amostras. Elementos de proteção - varistores de óxido de zinco, sem centelhador em série. 2) Os pára-raios devem ser fornecidos com desligador automático, não explosivo, que devem isolar o pára-raios defeituoso de serviço prevenindo contra um desligamento do serviço, entretando o condutor terra deve permanecer preso ao corpo do pára-raios. O condutor utilizado no aterramento do pára-raios deverá ser o mais curto possível, de cobre com isolamento para 600 V e seção mínima de ) Identificação: Deve ser gravado de forma legível e indelével, no corpo do pára-raios, as seguintes informações: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo ou modelo; c) corrente nominal de descarga; d) tensão máxima de operação; e) mês e ano de fabricação; f) identificação dos terminais de linha e aterramento. 4) A embalagem deve conter externamente, as seguintes informações: a) nome ou marca do fabricante; b) nome do produto; c) quantidade contida em cada embalagem; d) massa bruta do volume, em kg; e) número da ordem de fornecimento. 5) Desenho orientativo, pode ser aceito outros tipos de construção. 6) Dimensões em milímetros.

144 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES SINCRONIZADOR PARA REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS - : ) Material: A caixa do invólucro do sincronizador - chapas de aço e ter grau de proteção mínimo IP 54. Terminal de Aterramento da caixa do invólucro do sincronizador - aço inoxidável ou liga de cobre estanhada e estar localizados em sua parte inferior para cabos com seções nominais de 4 ² a 35 ². 2) Identificação: Cada sincronizador deve ser provido de uma etiqueta de identificação, fixada internamente na parte de traz da unidade de processamento eletrônico, contendo, no mínimo, as seguintes informações em português: a) nome ou marca do fabricante e local de fabricação; b) número de série de fabricação; c) mês e ano de fabricação; d) versão do software; e) modelo do equipamento; f) massa total aproximada, em kg; g) código. 3) Os sincronizadores devem ser apropriados para utilização em redes de distribuição aéreas de acordo com o especificado a seguir: Tensão máxima de Operação do Sistema (kv) Tensão Nominal (kv) Tensão Suportável Nominal de Impulso Atmosférico (kv) Freqüência Industrial 1 min. (kv) Freqüência Nominal (Hz) Tipo de Sistema 24,2 14, Neutro Multi-aterrado 4) Especificação, embalagem, inspeção e ensaios: conforme norma ETD ) Desenho ilustrativo.

145 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES TRANSFORMADAR DE POTENCIAL Item Tensão suportável (kv) Frequência Impulso Máxima industrial atmosférico , Tensão secundária (V) Frequência (Hz) Potência Térmica (VA) Grupo de ligação Classe de exatidão e carga do secundário ,2P75 1) Material: Isolamento - em resina epóxi. 2) Utilização: uso externo. 3) Fator de sobretensão: 1,2 4) Desenho ilustrativo. 5) Acondicionamento e embalagem: Os transformadores de potencial devem ser acomodados em palletes, de forma a garantir sua integridade durante o transporte e nas operações de carga e descarga; 6) Identificação: Com o fim de facilitar a carga e descarga, bem como a conferência dos materiais, cada volume deve ser marcado com tinta indelével, no mínimo, com os seguintes dados: a) código da ; b) número do Documento de Compra e item do mesmo; c) nomenclatura do material; d) nome ou marca do fabricante; e) quantidade de peças; f) massa bruta (kg); g) local de entrega. 7) Especificação, inspeção e ensaios: Conforme Norma ETD

146 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES CHAVE TRIPOLA PARA ABERTURA EM CARGA COM CAMARA DE EXTINÇÃO A GÁS SF6 COM CHAVE DE BLOQUEIO EM SÉRIE Item Tensão Nominal Corrente nominal mínima (A) Tensão suportável nominal Impulso atmosférico (kv de Frequência Industrial crista) (kv eficaz) à terra e Entre contatos à terra e Sob chuva entre pólos abertos entre pólos (10 s) Corrente de curto-circuito (ka) Valor de curta duração Valor de crista Capacidade de estabelecimento nominal em curto-circuito (ka) Tensão máxima de radiointerferência (µv) , , ) Material: Cruzeta de fixação dos isoladores, ferragens de fixação no poste, parafusos, manopla de operação: aço carbono laminado, zincado a quente. Isoladores, câmara de extinção a gás - em resina epóxi. Lâmina e contatos das lâminas: cobre eletrolítico. Dispositivo de travamento e operação: latão. Molas de pressão: liga de cobre ou aço inoxidável austenítico tipo 316 ou qualidade superior. Parafusos: bronze silício estanhado. Arruela de pressão: bronze fosforoso estanhado. Terminais devem seguir o padrão NEMA, com dois furos - em liga de cobre estanhado, com espessura mínima da camada de 8 µm para amostra individual e 12 µm para a média das amostras. 2) As chaves devem ser fornecidas com ferragens apropriadas para instalação em poste de concreto. 3) Desenho ilustrativo. 4) Acondicionamento e embalagem: As chaves devem ser acomodadas, de forma a garantir sua integridade durante o transporte e nas operações de carga e descarga; 5) Identificação: Com o fim de facilitar a carga e descarga, bem como a conferência dos materiais, cada volume deve ser marcado com tinta indelével, no mínimo, com os seguintes dados: a) código e sigla ; b) número do Documento de Compra e item do mesmo; c) nome ou marca do fabricante; d) massa bruta (kg). e) local de entrega. 7) Especificação, inspeção e ensaios: Conforme Norma ETD

147 EQUIPAMENTOS E PROTEÇÕES TRANSFORMADOR ABAIXADOR E ELEVADOR DE TENSÃO ITEM Potência (kva) Tipo ABAIXADOR E ELEVADOR Diagrama vetorial Tensão (V) Tipo de Ligação Primário Secundário Primário Secundário Υ Υ 1) Figura ilustrativa. 2) Materiais empregados conforme especificação ETD ) Inspeção, ensaios, identificação e embalagem, conforme especificação ETD

148 DIVERSOS AMORTECEDOR DE VIBRAÇÃO PRÉ-FORMADO 11-1 L d ITEM Para Cabos de Diâmetro () Diâmetro da Vareta d () Comprimento L () Vareta por Conjunto Peso Aproximado (kg) ,35 8, , ,30 11,72 12, , ,73 14, ,33 1) Material: O amortecedor deve ser confeccionado em P.V.C. 2) Características gerais conforme Tabela. 3) Desenho ilustrativo. 4) Identificação: Cada peça deve ser adequadamente marcado, com no mínimo: a) nome ou marca do fabricante; b) tipo ou modelo de referência do amortecedor; c) bitola ou diâmetro do cabo a que se aplica. 5) Sentido da hélice: a direita. 6) Dimensões em milímetros.

149 DIVERSOS BRAÇO ANTIBALANÇO Item Tensão kv Comprimento L1 L , , Tração F e compressão C dan Esforço lateral sem ruptura L dan Tração de longa duração dan ) Material: Polietileno de alta densidade ou polipropileno, resistente ao intemperismo. 2) Identificação: Deve ser identificado de forma legível e indelével, no mínimo com: - o nome ou marca do fabricante; - referência do fabricante; - mês e ano de fabricação; - classe de tensão. 3) Resistência mecânica: O braço corretamente instalado deve suportar os esforços indicados na tabela acima. 4) Dimensões em milímetros

150 - - DIVERSOS CANALETA PARA CONDUTOR DE ATERRAMENTO - : ±6 Parte chanfrada de ±2 20±2 25±2 1) Material: Madeira de Lei ou eucalipto preservado. 2) A canaleta deve ser isenta de empenas, nós, fendas e farpas. 3) A canaleta deve ser tratada com preservativo oleosolúvel ou hidrosolúvel. 4) Dimensões em milímetros.

151 DIVERSOS Data da última revisão CADEADO - : ,5 R=10±1 Haste 29 8,0 40 Corpo 50 16,5 1) Material: Corpo - latão maciço. Molas - aço inoxidável. Haste - aço temperado. 2) Desenho orientativo. 3) Os cadeados devem ser abertos por chave mestra, confeccionadas, conforme padrão (PTD , seção 2-10). 4) Identificação: Deve ser gravado de forma legível e indelével, no corpo do cadeado, o nome ou a marca do fabricante. 5) Embalagem: Os cadeados devem ser acondicionados individualmente em caixas de papelão, secos, isentos de óleo ou graxa. A embalagem deve conter externamente, as seguintes indicações: a) nome ou marca do fabricante; b) nome do produto; c) quantidade de unidades; d) número de ordem de fornecimento. 6) Dimensões em milímetros.

152 DIVERSOS COMPOSTO ANTIÓXIDO - : CIMNOPRSTUX ZYSRPLMNOGS TQRNOSUWX S.A. CDEFGHIJKLMNOPQRST BCDEFGHI KLMNOPQR M.C. 1) O composto antióxido deve ser condutor elétrico quando contiver partículas de zinco em suspensão em sua formulação, deve variar entre 16 a 40 %. 2) O composto antióxido deve ser insolúvel em água, não tóxico, quimicamente neutro em relação aos materiais em contato e resistente a atmosfera industrial e marítima. 3) Deve suportar, sem alterar suas características, a execução do ensaio de ciclo térmico. 4) O composta antióxido deve atender as seguintes características: a) ponto de gota mínimo: 168 C; b) ponto de fulgor superior a: 200 C; c) grande penetração, mínimo; 290; d) manter suas propriedades em temperatura de até - 5 C. 5) O composto antióxido deve ser acondicionado em bisnagas com 250 gramas. 6) Desenho ilustrativo.

153 DIVERSOS ESPAÇADOR LOSANGULAR Item Nominal Impulso atmosférico (1,2 x 50 µs) Tensão (kv) Frequência industrial sob chuva Trilhamento elétrico do composto Novo Envelhecido Distância escoamento mínima Dimensões () L a b , ± 5 3,00 2, , ± 5 1) Material: polietileno de alta densidade (PEAD), na cor cinza claro, resistente ao trilhamento elétrico, ao intemperismo e aos raios ultravioleta. 2) As distâncias entre berços são definidas pelo próprio fabricante em função das características elétricas definidas na NBR ) O espaçador e amarrações devem permitir a fixação de condutores fase com diâmetro mínimo entre 12 a 30 e cabo mensageiro com diâmetro mínimo de 6. 4) Os espaçadores devem ser projetados para suportar carga verticais de curta duração de 600 dan, carga vertical mínima de longa duração de 250 dan e carga de torção de 30 dan, sem apresentar trincas ou ruptura. 5) Identificação: Na superfície externa dos espaçadores devem ser gravadas em alto relevo, as seguintes informações: - nome ou marca do fabricante; - referência do fabricante; - mês e ano de fabricação 6) O espaçador deve ser acompanhado de 4 anéis (ver seção 5-7) para possibilitar a amarração dos cabos protegidos e da cordoalha do cabo mensageiro. 7) Os espaçadores deverão operar em sistema elétrico submetidos a corrente de curto circuito de valor eficaz até 10 ka, com fator de assimetria mínima de 1,7. 8) Dimensões em milímetros.

154 DIVERSOS ESPAÇADOR VERTICAL Item Nominal Impulso atmosférico (1,2 x 50 µs) Tensão em kv Frequência industrial sob chuva Trilhamento Elétrico do composto Novo Envelhecido Distância Escoament o mínima , ,00 2, , ) Material: polietileno de alta densidade (PEAD), na cor cinza claro, resistente ao trilhamento elétrico, ao intemperismo e aos raios ultravioleta. 2) As distâncias entre berços são definidas pelo próprio fabricante em função das características elétricas definidas na NBR ) O espaçador e amarrações devem permitir a fixação de condutores fase com diâmetro mínimo entre 12 a 30 e cabo mensageiro com diâmetro mínimo de 6. 4) Os espaçadores devem ser projetados para suportar carga verticais de curta duração de 600 dan, carga vertical mínima de longa duração de 250 dan e carga de torção de 30 dan, sem apresentar trincas ou ruptura. 5) Identificação: Na superfície externa dos espaçadores devem ser gravadas em alto relevo, as seguintes informações: - nome ou marca do fabricante; - referência do fabricante; - mês e ano de fabricação. 6) O espaçador deve ser acompanhado de 4 anéis (ver seção 5-7) para possibilitar a amarração dos cabos protegidos e da cordoalha do cabo mensageiro. 7) Os espaçadores deverão operar em sistema elétrico submetidos a corrente de curto circuito de valor eficaz até 10kA, com fator de assimetria mínima de 1,7. 8) Dimensões em milímetros. L

155 DIVERSOS FITA ISOLANTE - : Fita Isolante Arruela Largura Espessura mínima Comprimento Ø Interno da Arruela ± 0,5 0, ± 0,5 1) Material: Isolante - PVC flexível, cor preta. Adesivo - termoplástico. Arruela - papelão ou de plástico 2) Desenho orientativo. 3) A fita isolante deve ser sem imperfeições que alterem as características típicas como enrugamento, descoloração ou perda de adesividade. 4) Identificação: Na arruela deve constar: o nome ou marca do fabricante. 5) As fitas adesivas devem ser acondicionadas individualmente em filme de polietileno, e embalados em caixas cartolinadas. 6) Tipo de fita: 5/F-PVC/90a, conforme NBR NM , , ) Resistência da isolação: valor mínimo MΩ. 8) Dimensões em milímetros.

156 DIVERSOS FITA ISOLANTE AUTO-AGLOMERANTE - : Fita Isolante e Auto-aglomerante Fita Antiaderente Largura Espessura Comprimento ± 0,1 0,75 ± 0, ) Material: Isolante - auto-aglomerante à base de etileno-propileno (EPR), 35 kv, na cor preta Filme antiaderente - polipropileno Arruela - papelão ou de plástico 2) Desenho orientativo. 3) A fita isolante auto-aglomerante deve ser sem imperfeições que alterem as características típicas como afunilamento, distorção, descoloração ou perda de adesividade. 4) Identificação: Na arruela deve constar: a) o nome ou marca do fabricante; b) data de fabricação. 5) As fitas adesivas devem ser acondicionadas individualmente em filme de polietileno, e embalados em caixas cartolinadas. 6) Tipo de fita: conforme NBR NM , , e NBR ) Resistência da isolação: valor mínimo MΩ. 8) Rigidez dielétrica mínima: 39,3 kv/. 8) Dimensões em milímetros.

157 DIVERSOS GRAMPO DE CERCA - : Data da última revisão ) Material: Aço-carbono grau MR ) A peça deve se zincada por imersão a quente ou galvanizada. 3) O grampo quando corretamente cravado em eucalipto ou em madeira de dureza equivalente, não deve sofrer deformação na parte externa, exceto aquela devido às batidas do martelo. 4) Dimensões em milímetros.

158 - DIVERSOS MOURÃO DE MADEIRA - : ) Material: Eucalipto preservado. 2) Os mourões devem ser isentos de empenas, tortuosidade e fendas. 3) Os mourões devem ser tratados com preservativo oleosolúvel ou hidrosolúvel. 4) Dimensões em milímetros.

159 DIVERSOS PLACA DE ADVERTÊNCIA - : ±1 PERIGO DE MORTE 37±1 41±1 Branco Vermelho Branco 4±1 166±2 240±5 4±1 FuroØ14 MÉDIA TENSÃO 37±1 41±1 4±1 37±1 4±1 4±1 37±1 41±1 258±2 41±1 4±1 4±1 340±5 LOCAL RESERVADO PARA IDENTIFICAÇÃO DO FABRICANTE 1) Material: Alumínio, leve e altamente resistente às intempéries e a corrosão. 2) Características gerais: Todas as placas devem ter o aspecto geral do desenho com os dizeres: PERIGO DE MORTE - MÉDIA TENSÃO, SENDO LETRAS BRANCAS EM FUNDO VERMELHO E, CAVEIRA E RAIO, BRANCOS EM FUNDO PRETO. Dimensões da caveira: 91 ± 5 x 128 ± 5. 3) Identificação: No local indicado no desenho deve constar no mínimo o nome e/ou marca do fabricante. 4) Espessura da placa: 1,0. 5) Tolerância da placa: + 0,50/- 0. 6) Os furos para fixação devem ser protegidos por ilhóses. 7) Referência Munsell para as cores: - branco: N 9,5 - preto: N 1 - vermelho: 8,75 R Máximo. 8) Dimensões em milímetros.

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP

EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP EMISSÃO- 02 29.12.2014 ESPECIFICAÇÃO EM-RIOLUZ-74 EMISSÃO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522 DIRETORIA TECNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 602 CABO COBERTO PARA REDE COMPACTA ESP - 602 edição vigência aprovação Agosto/98 DDPP Página 1 1. OBJETIVO Esta Especificação define os requisitos

Leia mais

Portaria n.º 589, de 05 de novembro de 2012

Portaria n.º 589, de 05 de novembro de 2012 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 589, de 05 de novembro de 2012 O PRESIDENTE

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11 . REV. Página de 4. OBJETIVO. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6. INSPEÇÃO 7. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO . REV. Página de 4. OBJETIVO.. Esta norma

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... REV. Página 1 de 149 INDICE Página 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 02 3. NORMAS E/OU DOCUMEOS COMPLEMEARES... 03 4. CONDICÕES GERAIS... 05 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 06 SEÇÃO 5.1 POSTES E

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /2015 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos

Leia mais

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0052 ESPECIFICAÇÃO DE CABOS DE ALUMÍNIO

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Produtos. Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V. Fio e Cabo de Cobre Nu. 2 www.ipce.com.br. Fios e cabos para uso geral de baixa tensão

Produtos. Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V. Fio e Cabo de Cobre Nu. 2 www.ipce.com.br. Fios e cabos para uso geral de baixa tensão Fio e Cabo de Cobre Nu Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V Características dimensionais e resistência elétrica de fios e cabos de cobre nu, meio duro e duro Empregados em linhas aéreas para transmissão e distribuição

Leia mais

Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia

Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia Fios e cordoalhas de aço 1 Qualidade que faz a diferença. Conhecer a qualidade das coisas é saber diferenciá-las. E, assim, poder escolher

Leia mais

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade,

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade, Catálogo 2012 50 anos priorizando a qualidade, isto é Magnet! Em 2012, a Magnet completa 50 anos de atividades, história que começou com a sua fundação, em 1962, na cidade de São Paulo, com uma produção,

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1/28 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO LAB SYSTEM DE PESQUISAS E S LTDA. ACREDITAÇÃO N FIOS, CABOS E CORDÕES S MECÂNICOS Ensaio de tração e alongamento

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-042/2013 R-06

DECISÃO TÉCNICA DT-042/2013 R-06 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 DECISÃO TÉCNICA /2013 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- define critérios de utilização de condutores, isoladores,

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: CRUZETAS POLIMÉRICAS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Código ETD-00.059 Data da emissão 04.07.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

Catálogo de. Produtos

Catálogo de. Produtos Catálogo de Produtos Atualização: Janeiro/01. Sumário Tabelas de Dimensionamento Fios e Cabos Elétricos de Cobre para Baixa Tensão 6 Fio Sólido BWF 0 V Cabo BWF 0 V 8 Cabo Flexível Corfitox HEPR 90 C 0,6/1

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0064 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA.

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. Laboratório pertencente à RBLE. Relatório de Ensaios de Produtos (REP): n. 1403054-2/03 Emissão: 28.07.2014 Solicitante: Endereço: Fabricante: Eletrocal Indústria

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0079 CABOS UNIPOLARES DE POTÊNCIA

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos 1 Objetivo Procedimento Operacional Pág.: 1/15 Determinar as condições exigíveis de acondicionamento, transporte, armazenamento e movimentação de bobinas de condutores elétricos, visando à integridade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: CONECTORES PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Código ETD-00.053 Data da emissão 08.04.2011 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

Aplicam-se os conceitos da NBR-5474 complementados pelos termos abaixo:

Aplicam-se os conceitos da NBR-5474 complementados pelos termos abaixo: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0059 CONECTOR DE PERFURAÇÃO, TIPO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS 3ª Edição Versão 1.0 Fevereiro/2012 1 Responsáveis Técnicos pela revisão: Fabiano Casanova Schurhaus Engenheiro Eletricista

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA - CAMPUS VITORIA DA CO 1 ALICATE, universal, de 8 polegadas, em aco, cabo com isolacao para 1000 volts e em conformidade com norma ABNT NBR vigente no que diz respeito

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone,

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, 3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, Série 5690K 15/25 KV a 20/35 KV Ambientes Externos e Internos Boletim Técnico Março/ 2011 1. Descrição do Produto Os conjuntos de terminais

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139 TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139 1. DA JUSTIFICATIVA: Dispensa de licitação, via cotação eletrônica, nos termos do decreto estadual Nº 28.397, de 21 de setembro de 2006 para atender SC 13827 - UNBME 2.

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70 APRESENTAÇÃO A FNCE, empresa nacional com tradição a mais de 0 anos no mercado de condutores elétricos esta comprometida com a qualidade de seus produtos, treinamentos dos seus colaboradores e preservação

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda MOD. 225 -.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda Rua Xavier de Toledo, 640 Vila Paulicéia São Bernardo do Campo, SP CEP: 09692-030 Geral: Tel.: (11) 4176-7877 Fax: (11) 4176-7879 E-Mail:

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO TÉCNICAS DE MATERIAIS DE REDES MPN-DP-01/MN-4 RES nº 085/2012, Especificação ÍNDICE Página 1. Introdução 02 2. Especificações Técnicas 2.1 Cabos de Alumínio Cobertos para Média Tensão ET 1 03 2.2 Cabos

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA. a) NBR 8124 - Chaves Fusíveis de Distribuição (classe 2);

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA. a) NBR 8124 - Chaves Fusíveis de Distribuição (classe 2); MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0014 CHAVES FUSÍVEIS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 15:21 horas do dia 17 de dezembro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas, designado pela portaria 027/2012-GAB/SEFIN após analise da documentação do Pregão

Leia mais

Fios e cabos elétricos

Fios e cabos elétricos Fios e cabos elétricos Fios e cabos elétricos 3 FIO PLASTICOM ANTICHAMA 450/750 V 5 CAbO PLASTICOM ANTICHAMA 450/750 V 7 CAbO CObreNAx ANTICHAMA 0,6/1 kv 9 CAbO COMPex 0,6/1 kv (COMPACTADO) 11 CAbO FLexICOM

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone,

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, 3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, Série 5630K 3,6/6 kv a 12/20 kv Ambientes Externos e Internos Boletim Técnico Novembro 2010 1. Descrição do Produto Os conjuntos de terminais

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais