Pesca com luz. Condições relativas à prdtica de pesca. tipos de Idmpadas. resistencia dos cabos electricos. LUZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesca com luz. Condições relativas à prdtica de pesca. tipos de Idmpadas. resistencia dos cabos electricos. LUZ"

Transcrição

1

2 Pesca com luz Condições relativas à prdtica de pesca. tipos de Idmpadas. resistencia dos cabos electricos. Condicoes relativas d pratica da pesca com luz Lua Car do mar Nao favordvel Media Favordvel Cheia Castanh o escuroamarelo Amareloverde Nova Verdeazul Transparenci a visibilidad 0a5 5a a 30 Corrente Forte a media Media a fraca Nula Resistencia dos cabos electricos (Resistividade) A alimentacdo das lampadas com voltagens fracas (ex.: 12 ou 24 volts) origina perdas importantes ao longo dos cabos condutores. pelo que estes ultimos devem ser de maior didmetro do que os utilizados com voltagens ele-vadas. Resistencia d corrente continua (em Ohmios por quilometro) de um condutor em cobre. em fungdo da respectiva secção (mm 2 ). LUZ Tipos de lampadas e utilizacdo Vantagens Desvantagen s Petroleo Ges 8om comporamento Facilidade de reparação e de utilizacdo Fragilidade Utilizdveis, unicamente fora de dgua Electrica Utilizdveis eficazmente fora de dgua ou imersas Caras, baterias pesadas e empachantes ou necessidade de grupos electrogeneos Há interesse em utilizar várias fontes lumi-nosas de intensidade moderada e sufi-cientemente espaádasemvezde uma só fonte luminosa de forte intensidade. Ben Yami Fishing with light. FAO Fishing Manuals, Fishing News (Books), Ltd. A iluminação de uma Iâmpada fora de água é reduzida a metade quando comparada com a respectiva ilumi-nação dentro de água (reflexão na superficie).

3 Ecosondas: Caracteristicas ECOSONDAS Escala (Depth range) Frequencia (Freguency). Frequencias mais comuns: khz Alcance Largura do feixe Precisão de detecção Tamanho do transdutor Utiiização norma! Sondo de alto frquencia (100 a 400 khz) Para dguas pouco profundas Estreito Muito boa Pequeno Pesca Sonda de baixa frequencia (50 khz ou menos) Para dguas profundas Largo Fraca Grande Navegacdo Alimentação eléctrica necessária a bordo (voltagem, fonte de alimentacdo) Seaalimentação eléctricada sonda é um pouco fraca,assuasprestações práticas seráo más. Tipo de recepção: osciloscópio (lamp display-flasher), papel (chart recorder), TV/cor (type display) Vantogens Desvantogens Sonda a papel (seco, preto-branco) Possibilidade de guardar os registos Andlise limitada da forca ou da natureza do eco (entre o branco, o cinzento e o negro) Despesas com papel de sonda Sonda a cores Monitor TV a cores Escala de cores alargada possibilitando analisar a forca e a natureza dos ecos Ausencia de memoria (ou memoria limitado) Outras caracteristicas, pré-determinadas Comprimento de onda (wave lenghty. é = 1 500/frequencia (Hz) Quanto menor for, melhor serd a precisao de detecção. Duração do impulso (pulse lenght): impulso curto = 0,1 a 1 ms impulso longo = > 2 ms Quanto mais curta for, melhor serd a precisao de deteccdo, apesar dela ser, de facto, pre-determinada de acordo com a frequencia de emissdo e a profundidade de sondagem. Largura do feixe (beam wldth): feixe largo = feixe estreito = 4-10 Potencia de emissdo (output power); de 100 a watts Quanto mais potente for a sonda, maior serd o seu alcance e a precisdo de detecção.

4 Ecosondas: escolha de acordo com a utilização Profundidade limitadaa 100 m Sonda de navegação Frequência; khz Largura feixe: Potencia emissdo: < 1 Kw Duracdo impulso: < 1 ms Osciloscopio suficiente Sonda de pesca Frequ ncia: khz Largura feixe: Potencia emissdo: ± 1 kw Duração impulso: < 1 ms, com TVG e linha branca ESOSONDAS Aguas mais profundas Frequência: khz Largura feixe: 4-10 Potencia emissdo: 5-10 kw de acordo com a profundidade Frequencia: khz Largura feixe: 4-10 Potencia emissdo: 5-10 kw de acordo com a profundidade Duração impulso: > 2 ms Duração impulso: 1-2 ms com TVG e linha branca

5 Guinchos e enroladores: generalidades GUINCHOS ENROLADORES Potencia do guincho ou enrolador em que P (cv) = potencia do guincho ou do enrolador T (kgf) = (forca de) tracgao do guincho ou do enrolador v (m/s) = velocidade de viragem Ao resultado ha que adicionar: + 25% no caso de transmissdo mecdnica +100% no caso de transmissdo hidrdulica Regime de trabalho do guincho ou do enrolador em que: R (rpm) = regime de trabalho do guincho ou do enrolador v (m/min) = velocidade de viragem desejada 0 (mm) = didmetro do tambor cheio Traccao disponivel a velocidade constante de acordo com o enchimento do tambor O binário do motor (c) é constante Traccao disponivel para um certo nivel de enchimento do tambor de acordo com a velocidade Trabalho de um motor = Traccdo x Velocidade = Constante Bxemplo: Traccao a meio enchimento a 1 m/s = 1,6 Ton Traccao a meio enchimento a 1,6 m/s = 1 Ton (1,6 Ton x 1 m/s = 1 Ton x 1,6 m/s) Tensao sobre o material enrolado T (kgf) = tensáo sobre o material enrolado P (cv) = potência do guincho ou do enrolador V (m/s) = velocidade de viragem Nota: As caracteristicas de um guincho ou de urn enrola-dor são: as suas aimensões. a sua capaciddde. o sua forço de tracção (em toneiadds torçd ou em dan), ver p. 150 e 152

6 Guinchos e enroladores de redes de cerco Guincho, forca do guincho em relacao ao peso da rede de cerco em que: F (TonO = forca do guincho PF (Ton) = peso da rede no ar PR (Ton) = peso do cabo dos chumbos e das argolas no ar PL (Ton) = peso do lastro no ar Carcateristicas de guinchos em uso para rede de cerco (Segundo Brissonneau e Lotz) Cercador Comp. N. 0 de tambores Capocidode dos tambores Cobo Ø (mm) Comp. Tracção ao 1 0 pano CTon) Velocidode ao 1 0 pano (m/s) Potencia (Ccv)" GUINCHO ENROLADORES , , , , , , ,6 17,6 17, ,30 0,30 0, ,5 0,35 0,35 0, ,8 0,35 0,35 0, Enroladores de redes de cerco Exemplos Larguro enrolador 3,00 3,90 Didmetro bolachas 2,45 2,44 Didmetro eixo 0,60 0,45 Comprimento armaao x altura estiradd dd rede de cerco 360 x x 64 Molhagem estirada (corpo da rede) (mm) Titulacao (corpo da rede) (R tex) 376 ' Potencia em (cv) = 1,36 Potência em flcvw

7 Guinchos de arrasto GUINCHOS Potência * da mbarcacao (cv) Potencia do guincho (cv) Capacidade do tambor Comp Ø cabo (mm) 6,3 10,5 12,0 Velocidade de viragem (m/s) 1,00 1,20 Esforgo ao 0 medio " * (kg) Soma das bobinas ,5 15,0 16,5 19,5 1,35 1,40 1,50 1, " Para as potêncios a utilizar. ver p. 95 Potêncio em (cv) = 1.36 Potência em (kw) * Lstorço ao eixo. estorço tambor cheio de 14 a 20 vezes o diametro do cabo real. pelo menos igual ao didmetro do corpo (ou do eixo) Caracteristicas Tecnicas Capacidade de um tambor de guincho - Enrolamento mecanico - Esforgo maximo: no mdximo igual a um tergo da resistencia à ruptura do cabo real. Para poder virar uma rede de arrasto, um guincho deve ter condicoes para desenvolver o mesmo trabalho que o exercido durante o arrastar da rede. A tracgdo do guincho ao didmetro medio deve ser no minimo de 80% da trocgao mdxima do navio em pesca, ou melhor: Traccdo do guincho = 1,3 x tracção do arrastdo ao didmetro medio em pesca Dimensoes - Didmetro do corpo (ou do eixo): cerca - Enrolamento manual, aumentar 10% oo valor encontrado no caso de um enrolamento mecdnico. Nota: devem ser aplicadas tolerancias sempre que os acessorios forjodos (correntes. manilhas. torneis...) sao enrolados juntamente com os cabos.

8 Tambores enroladores de redes de arrasto Capacidade de um tambor Volume utilizável do tambor: Nota: Volume de uma rede de arrasto (V) a partir do respectivo peso (P): Rede de arrasto pelágico: V (m 3 ) = 3,5x P (Ton) Rede de arrasto pelo fundo armada: V(m 3 = 4xP(Ton) Desde que malhetas (e/ou tirantes) em cabo misto tenham de ser enrolados no tambor juntamente com a rede, o seu volume deve ser tomado em linha de conta. O mesmo acontece relativamente a flutuadores. lasttos ou cotrentes de lastragem, esferas ou roietes Principais dimensões Para os mesmos resultados de tracção, velocidade e capacidade, existe fre-quentemente uma certa hipótese de escolha quanto às principais dimensóes a adoptar para um enrolador de rede. B ndo pode variar muito para uma certa tracgao. Tracção (Ton) < B medio (mm) Assim, a partir de B serdo escolhidos A e C de acordo com o tipo de rede de arrasto, a utilizagdo (armazenamento e/ou manobra) e espago disponivel a bordo. Tracção Para que a velocidade durante a vi-ragem se mantenha, a tracgdo ao eixo do tambor enrolador deve ser pelo menos igual d tracgdo do guincho com tambor cheio. Velocidade Deve ser igual ou superior a 30 m/min. Algumas observacoes Notar, de facto, que para uma dada capacidade, os resultados de tracgdo e de velocidade podem ser muito variados e de acordo com o pretendido. Emb ar- (cv)" Capaci -aade (m 2 ) Pesod a rede (kg) Tracçã o 1-volta (lon) Veloci -dade m/min Peso do enrolado r CTon) ENROLADORES ,5 1 1, , , ,5 1,5 1,7-1, , ,5 * Para as potências a utilizat, ver p. 95 Potencia em (cv) = 1,36 Potencia em (kw)

9 Power blocks POWER BLOCKS Escolha do modelo A rede não deve encher por completo a gola do power block; o modelo e escolhido em funcao da circunferencia da rede de cerco toda junta, estimado por um de dois processos: - Reunir o cabo dos chumbos com o cabo da cortica para formar com a rede uma especie de grosso "chourigo"; em seguida medir a circunferencia deste "chourico" com um fio fazendo-o passar entre os espacos dos chumbos e dos flutuadores Circunferencia (mm) = Relação observada, a nivel dos fabri-cantes, entre a capacidade de power blocks e a tracção ao diametro medio Caracteristicas de power blocks utili-zadas de acordo com o tamanho dos cercadores Cercador Comp Traccao (Ton) 0, ,5 2 Velocidade (m/min) Potencia (cv)* * Potencia em (cv) = L36 Potencia em (kw) Capacidade (circunferencia da rede em mm) Traccao (Ton) 0,5-1,

10 Aladores de redes, exemplos Para alem dos power blocks (ver p. 130) ALADORES

11 Aladores de linhas, aladores de linhas de corrico ALADORES Alador de linhas de corrico Alador de linhas vertical, Alador de palangres

12 Aladores de armadilhas Alador hidráulico de covos ALADORES Alador de covos com tomada de potencia num motor fora de borda

13 Aladores de redes, alador de linhas, alador de armadilhas: caracteristicas técnicas normais ALADORES Nota: No limite de potência do motor (binário constonte) do alador: quando a velocidade (e inversamente) tracçã de aiagem T x V = Constante = Potência do alador quando o diâmetr o traccdo (e inversamente) tracçã de aiagem TxØ = Constante Alador de palangres - Utilizacao de palangres com alguns quilómetros, 20 a 30 km ou mais, com estralhos proximos (5 m ou menos) ( a titulo indicativo, de acordo com a utilizacao normal) Alador de redes ( a titulo indicativo, de acordo com a utilizagdo normal) Embarcacao comp. Altura de dgua Tracgdo <kg) Velocidade de alagem (m/min) Embarcação comp. Ø linha (mm) Tracção (kg) Velocidade de alagem (m/min) < 100 < < s Palangres derivantes (tipo "long-line" japones para atum): comprimento da ordem da centena de quilometros. com estralhos espagados 50 m ou mais Embarcacao (tonelagem) Velocidode de alagem (m/min) Alador de covos Rendimentos muito varidveis de acordo com os modelos e compardveis aos dos aladores de linhas e de redes, excepto no que se refere aos modelos com traccao igual ou superior a kg (1 000, 1 350, 1 500) e velocidade de alagem elevada >

Indice de palavras chaves

Indice de palavras chaves Indice de palavras chaves A Abertura da malha Aberturas de redes de arrasto Aberturas de redes de arrasto peldgico Aberturas de redes de arrasto pelo fundo Acessorios forjados Afastamento de portas de

Leia mais

Artes de pesca e acessórios ANEXOS. Acessóriós, pequenos: (destorcedores, agrafes)

Artes de pesca e acessórios ANEXOS. Acessóriós, pequenos: (destorcedores, agrafes) Artes de pesca e acessórios Acessóriós, pequenos: (destorcedores, agrafes) Utilizacao prevista e. em particular, natureza e resistencia dos elementos a colocar de um e outro lado. ou por catálogo: designação

Leia mais

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 ANÚNCIO DE PRODUTO De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 Fluke 345 Alicate de medição de qualidade de energia Apresentamos o alicate de medição de qualidade de energia mais avançado

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo)

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo) Divisão de Construção Naval SOUNETE - FÁBRICA DE APRESTOS METÁLICOS, LDA. RUA DA SEARA, 588 - OLIVEIRA DO DOURO APARTADO, 290 4431-904 VILA NOVA DE GAIA - PORTUGAL TELEFONES (351) 227860930 - FAX (351)

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa Novo BF60 - A melhor performance e melhor eficiência de combustível na sua classe Sintra, 11 de Maio de 2009 A Honda Marine anuncia a sua entrada pela primeira vez no mercado dos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO COMERCIAL PARA VENDA DOS ATIVOS PERTENCENTES A HM SONDAGEM E PERFURAÇÕES LTDA - Sonda/Bomba e Materiais para perfuração

RELATÓRIO TÉCNICO COMERCIAL PARA VENDA DOS ATIVOS PERTENCENTES A HM SONDAGEM E PERFURAÇÕES LTDA - Sonda/Bomba e Materiais para perfuração RELATÓRIO TÉCNICO COMERCIAL PARA VENDA DOS ATIVOS PERTENCENTES A HM SONDAGEM E PERFURAÇÕES LTDA - Sonda/Bomba e Materiais para perfuração Belo Horizonte/MG Junho/2014 Dados técnicos Equipamentos Maquesonda

Leia mais

T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda.

T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda. TDB CAMINHÃO - GUINDASTE 30 TONELADAS MÉTRICAS T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Rua Doutor Djalma Pinheiro Franco, n 829 Vila Santa Catarina São Paulo SP CEP: 04368-000. Telefone: ( 0xx11 )

Leia mais

Arquitetura de computadores

Arquitetura de computadores computadores Aceitam uma densidade de gravação muito superior que aquela dos meios magnéticos. Os discos ópticos são gravados por feixes laser. Exemplo: Para um disco óptico com capacidade para uma hora

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 159/06 de 26 de Dezembro Nos termos da Lei dos Recursos Biológicos Aquáticos constitui obrigação do Estado adoptar medidas necessárias para prevenir danos aos

Leia mais

Catálogo Acessórios de atrelados

Catálogo Acessórios de atrelados Catálogo Acessórios de atrelados TOP vendas Amortecedores... 1 Calços.. 4 Cintas.. 9 Componentes eléctricos.. 12 Elástico para lona 9 Eixos 1 Esferas de reboque.. 13 Farolins para atrelados 10 Guinchos

Leia mais

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR TS-300BR DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 9,8 m - 31,0 m DIMENSÕES GERAIS Comprimento

Leia mais

SHF 6260NC MODELO SHF 6260NC/SHF 6260A. Máquinas importadas de Taiwan e comercializadas por: 10-600mm CAPACIDADE DE CORTE

SHF 6260NC MODELO SHF 6260NC/SHF 6260A. Máquinas importadas de Taiwan e comercializadas por: 10-600mm CAPACIDADE DE CORTE SHF 6260NC SHF 6260NC/SHF 6260A MAXIMO MINIMO 10-600mm L10xA10~L620xA600mm L480xA440mm L260x360mm 6560x41x1,3mm Os modelos SHF-6260NC e SHF-6260A foram projetados para cortes leves, como vigas H, cantoneiras,

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

www.ferdimat.com.br Retificadoras Cilíndricas Série CA / CA51H

www.ferdimat.com.br Retificadoras Cilíndricas Série CA / CA51H * Imagem ilustrativa, a máquina pode estar equipada com acessórios opcionais. Vendas nacionais Rua Dr. Miranda de Azevedo, N 415 Pompéia, São Paulo - SP Tel. (11) 3673-3922 - Fax. (11) 3862-6587 E-mail:

Leia mais

FUSO A Daimler Group Brand NOVA CANTER ECO HYBRID. Green light for efficiency

FUSO A Daimler Group Brand NOVA CANTER ECO HYBRID. Green light for efficiency FUSO A Daimler Group Brand NOVA CANTER ECO HYBRID Green light for efficiency RENTABILIDADE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Quando os desafios e tarefas dos transportes modernos se juntam às exigências europeias

Leia mais

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2 Física Unidade Movimentos na Terra e no spaço QUSTÕS PROPOSTS 4. Duas forças F» e F» 2 são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» mais intensa que F» 2. s forças podem atuar na mesma direção

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7. Física Parte 2 Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.Empuxo Introdução A memorização de unidades para as diversas grandezas existentes

Leia mais

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS TDB GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR-1(VM6x4) TS-300BR ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 10,0

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

TAQUÍMETRO ÓPTICO E DE CONTACTO MODELO MULTIMETRIX RPM

TAQUÍMETRO ÓPTICO E DE CONTACTO MODELO MULTIMETRIX RPM TAQUÍMETRO ÓPTICO E DE CONTACTO MODELO MULTIMETRIX RPM 82 MANUAL DE UTILIZAÇÃO J. ROMA, Lda. INSTRUÇÕES GERAIS Introdução Felicitações por adquirir este taquímetro. Este taquímetro é muito fácil de usar,

Leia mais

EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO:

EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO: EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO: TESTES PARA APROVAÇÃO DE DISPOSITIVO DE LANÇAMENTO DE EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO a) Testes para

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: WIND MDF/PLAST. WIND LIGHT MDF/PLAST. COMERCIAL Obrigado por adquirir o VENTISOL. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades.

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades. PORTFÓLIO Mecânica APRESENTAÇÃO A ProjeCrea é uma empresa que desenvolve soluções personalizadas integrais para: agroindústrias, metalúrgicas, indústrias e locais comerciais gerais. Temos parcerias com

Leia mais

GAMA TT COMPACT TT35 TT40 TT45

GAMA TT COMPACT TT35 TT40 TT45 GAMA TT COMPACT TT35 TT40 TT45 O DERRADEIRO EQUIPAMENTO DE TRABALHO VERSÁTIL. AMBIENTE DO OPERADOR CONCEBIDO COM UM PROPÓSITO FUNCIONAL A forma segue a função na nova gama TT Compact, com instrumentos

Leia mais

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos Seminário: Mobilidade Eléctrica: O Veículo Viabilidade da transformação de Veículos Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos (Experiência adquirida na ESTGV) Vasco Santos (vasco@estv.ipv.pt)

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

Atenção: Consulte o manual antes de trabalhar com o medidor.

Atenção: Consulte o manual antes de trabalhar com o medidor. MEDIDOR DIGITAL DE RESISTÊNCIA DE TERRA MODELO: ST-5300 / ST-5300A O comprovador digital de resistência de terra vem mudar o gerador de mão convencional usado actualmente para fazer estas verificações.

Leia mais

Especifi cação técnica Pavimentadora de Concreto SP 850

Especifi cação técnica Pavimentadora de Concreto SP 850 Especifi cação técnica Pavimentadora de Concreto SP 850 Especificação técnica Pavimentadora de concreto SP 850 Vibradores e circuitos Vibração elétrica 24 conexões Vibradores acionados eletricamente Curvos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910 PD 60 SISTEMA DE TROCA UNITÁRIO Prensadora de terminais com sistema de Troca Unitário Prensa todos os tipos de mangueiras, de 3/16'' ate 2'' de diâmetro interno para 1, 2 e 4 espirais Concluída a operação

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 Pontos-chave: 2 Canais isolados; Três instrumentos num só: osciloscópio de 20 ou 40 MHz, multímetro TRMS / analisador

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO MODELO TC-5060

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO MODELO TC-5060 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO MODELO TC-5060 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução... - 1-2. Especificações... - 1-3. Descrição...

Leia mais

Assim tão prática. pode ser a potência. Make it your home. Torne a sua casa mais agradável com os berbequins sem

Assim tão prática. pode ser a potência. Make it your home. Torne a sua casa mais agradável com os berbequins sem Planeado. Feito. Assim tão prática pode ser a potência. Make it your home. Torne a sua casa mais agradável com os berbequins sem fio PSB 14,4 LI-2 e PSB 18 LI-2. Tanto faz se perfura com percussão em alvenaria

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: AIRES, LUMIAR FÊNIX, FÊNIX CONTR PETIT Obrigado por adquirir o VENTISOL. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

elevador de cremalheira metax.com.br

elevador de cremalheira metax.com.br elevador de cremalheira metax.com.br elevador de cremalheira Equipamento moderno e de alta tecnologia; Grande versatilidade para a elevação de pessoas e cargas em alturas mais elevadas; Segurança e economia

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

Teste de interruptores CBT-8000. www.amperis.com. 27003 Agricultura,34 +T [+34] 982 20 99 20 F [+34] 982 20 99 11 info@amperis.com www.amperis.

Teste de interruptores CBT-8000. www.amperis.com. 27003 Agricultura,34 +T [+34] 982 20 99 20 F [+34] 982 20 99 11 info@amperis.com www.amperis. Teste de interruptores CBT-8000 www.amperis.com O CBT-8000 é um analisador de disjuntor de EHV de baixo custo, autônomo e acionado por micro-processador da quinta geração da Amperis. Este analisador de

Leia mais

EDC - EFFICIENT DUAL CLUTCH

EDC - EFFICIENT DUAL CLUTCH Proveniente da tecnologia de dupla embraiagem, Efficient Dual Clutch, a nova caixa de velocidades automática EDC insere-se plenamente na vontade da Renault em aliar conforto, prazer de condução e respeito

Leia mais

Benefícios da utilização de sondadores interferométricos

Benefícios da utilização de sondadores interferométricos Benefícios da utilização de sondadores interferométricos J. Cruz, J. Vicente, M. Miranda, C. Marques, C. Monteiro e A. Alves 3 as Jornadas de Engenharia Hidrográfica Lisboa, 24 de junho de 2014 Motivação

Leia mais

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V APLICAÇÕES Este instrumento foi projetado para proporcionar uma análise rápida de sinais através de sua Unidade de Aquisição de Dados Rápida. Dotado

Leia mais

elevador de cremalheira

elevador de cremalheira elevador de cremalheira Equipamento moderno e de alta tecnologia; Grande versatilidade para a elevação de pessoas e cargas em alturas mais elevadas; Segurança e economia de tempo no deslocamento de pessoas

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Modelo RPM33. Tacômetro de Contato / Foto Laser

GUIA DO USUÁRIO. Modelo RPM33. Tacômetro de Contato / Foto Laser GUIA DO USUÁRIO Modelo RPM33 Tacômetro de Contato / Foto Laser Introdução Parabéns pela sua aquisição do Tacômetro Foto Laser/ Contato da Extech, Modelo RPM33. O tacômetro digital RPM33 oferece uma medição

Leia mais

Manual de instruções. TruTool N 700 (1A1) português

Manual de instruções. TruTool N 700 (1A1) português Manual de instruções TruTool N 700 (1A1) português Índice 1 Segurança 3 1.1 Instruções de segurança gerais 3 1.2 Instruções de segurança específicas 4 2 Descrição 5 2.1 Utilização adequada 5 2.2 Dados

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Seladoras de Esteira com Datador à Tinta

Seladoras de Esteira com Datador à Tinta Seladoras de Esteira com Datador à Tinta DBF 900 LA (Selagem Vertical) DBF 900 A (Selagem Horizontal) Ilustração de Selagem Bancada opcional A linha DBF 900 LA e A foi projetada para selagem de embalagens

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

PROVA DE FÍSICA. 01. Considere os possíveis gráficos cinemáticos de um corpo, em queda livre, a partir do repouso. Escolha o gráfico correto.

PROVA DE FÍSICA. 01. Considere os possíveis gráficos cinemáticos de um corpo, em queda livre, a partir do repouso. Escolha o gráfico correto. PROVA DE FÍSICA Esta prova tem por finalidade verificar seus conhecimentos sobre as leis que regem a natureza. Interprete as questões do modo mais simples e usual. Não considere complicações adicionais

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Integrando Tecnologias para Criar Soluções

Integrando Tecnologias para Criar Soluções Triex Sistemas Sistemas de Testes, Supervisão e Controle Integrando Tecnologias para Criar Soluções Multiplexador de Canais Em aplicações onde se deseja inspecionar por ultra-som grandes áreas em pouco

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC Linha KSDX Solução em processamento CNC Automatize a produção de sua empresa Instalada em Tubarão, SC, a KEEL atua na fabricação de equipamentos para Corte, Solda e Sistemas (CNC). Fundada em 2002, a empresa

Leia mais

Equipamento de inspecção de tubos de alto desempenho

Equipamento de inspecção de tubos de alto desempenho Veja Gama Câmara de Inspecção SeeSnake Equipamento de inspecção de tubos de alto desempenho A RIDGID oferece-lhe uma vasta gama de equipamento de inspecção para diagnosticar problemas em esgotos, chaminés,

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

Série de medidores de vazão ultrassônicos Fuji

Série de medidores de vazão ultrassônicos Fuji Série de medidores de vazão ultrassônicos Fuji Medição de líquido em uma ampla faixa Medição não impedida pela entrada de bolhas e material sólido Linha de produtos diversificada 21A1-E-0008 Recursos do

Leia mais

CONTEÚDOS: Req. 2-A figura a seguir ilustra uma onda mecânica que se propaga numa velocidade 3,0m/s. Qual o valor do comprimento de onda?

CONTEÚDOS: Req. 2-A figura a seguir ilustra uma onda mecânica que se propaga numa velocidade 3,0m/s. Qual o valor do comprimento de onda? Exercícios para recuperação final 2 ano Acesso CONTEÚDOS: Óptica (reflexão refração lentes) Estudo das ondas Fenômenos ondulatórios Eletrodinâmica Leis de Ohm Associação de resistores Geradores e Receptores

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

PD1v PD1cv Doppler vascular de bolso Instruções de Funcionamento

PD1v PD1cv Doppler vascular de bolso Instruções de Funcionamento PD1v PD1cv Doppler vascular de bolso Instruções de Funcionamento ultrasound technologies INTRODUÇÃO A série UltraTec PD1v e cv de Dopplers de Bolso é uma família de detectores de fluxo vascular concebidos

Leia mais

electric The Superior Choice

electric The Superior Choice PORTUGUÊS Veículos eléctricos electric The Superior Choice XT: tecnologia e design Os modelos XT são veículos eléctricos homologados para utilização em estrada a nível Europeu (categoria N1) capazes de

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

APC SMART-UPS RT 1500VA Brazil

APC SMART-UPS RT 1500VA Brazil 1 de 5 20/09/2011 17:17 Você está aqui: Home > Produtos > SOHO/Usuários Domésticos > No-break (UPS - Uninterruptible Power Supplies) > Smart-UPS On-Line APC SMART-UPS RT 1500VA Brazil Part Number: Especificações

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo.

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. 47 8. CISALHAMENTO Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. A tensão de cisalhamento ( ) é obtida

Leia mais

HELI. EMPILHADEIRA ELÉTRICA PATOLADA TIPO COM OPERADOR ASSENTADO 1.6-2.0t. Cqd16s. Direção hidráulica

HELI. EMPILHADEIRA ELÉTRICA PATOLADA TIPO COM OPERADOR ASSENTADO 1.6-2.0t. Cqd16s. Direção hidráulica HELI EMPILHADEIRA ELÉTRICA PATOLADA TIPO COM OPERADOR ASSENTADO 1.6-2.0t Direção hidráulica elétrica EPS O sistema de direção hidráulica elétrica são aplicadas nas empilhadeira patoladas. Isto faz com

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Lista de Exercícios ENTREGAR NO DIA DA PROVA (10/04). CASO NÃO TENHA ENTREGUE A LISTA CONFORME DATA ACIMA, A NOTA DE PROVA SERÁ DECRESCIDA.

Lista de Exercícios ENTREGAR NO DIA DA PROVA (10/04). CASO NÃO TENHA ENTREGUE A LISTA CONFORME DATA ACIMA, A NOTA DE PROVA SERÁ DECRESCIDA. Lista de Exercícios ENTREGAR NO DIA DA PROVA (10/04). CASO NÃO TENHA ENTREGUE A LISTA CONFORME DATA ACIMA, A NOTA DE PROVA SERÁ DECRESCIDA. 1. Vamos supor que uma lâmpada utiliza uma alimentação de 6V

Leia mais

FreziPUMP Com Sol, tenha Água!

FreziPUMP Com Sol, tenha Água! FreziPUMP Com Sol, tenha Água! A Frezite apresenta uma vasta gama de equipamentos para captação e gestão da água, o que permite escolher a melhor solução para o seu projeto. Apostamos em soluções autónomas

Leia mais

SUPER 1300-2. Pavimentadora sobre rastos SUPER 1300-2. Largura máx. de pavimentação 5,0 m. Capacidade máx. de pavimentação 350 t/h

SUPER 1300-2. Pavimentadora sobre rastos SUPER 1300-2. Largura máx. de pavimentação 5,0 m. Capacidade máx. de pavimentação 350 t/h SUPER 1300-2 Pavimentadora sobre rastos SUPER 1300-2 Largura máx. de pavimentação 5,0 m Capacidade máx. de pavimentação 350 t/h Largura de transporte 1,85 m Compacta e potente: a pavimentadora sobre rastos

Leia mais

W o r l d w i d e P a r t n e r

W o r l d w i d e P a r t n e r GE Consumer & Industrial Power Protection W o r l d w i d e P a r t n e r Série CB Contactores até 45kW NOVIDADE Série PB Unidades de Comando e Sinalização GE imagination at work Série CB Contactores Tipo

Leia mais

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 1 Manual de operação Conteúdo : 1 Parâmetros técnicos 2 Aplicações 3 Instruções de uso e operação 4 Manutenção 5 Carregador de bateria 6 Esquema elétrico 2

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N.º TR-350XL-3-00101/EX-10 TR-350XL DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m LANÇA 4 seções, 9,95 m - 32,0 m DIMENSÕES GERAIS

Leia mais

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA 2 SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA Com um conceito que busca facilidades, desenvolvemos uma plataforma cabinada, compacta e moderna, perfeita para o tipo de aplicação em estrutura de alvenaria. Com

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

PS200 PS600 PS1200 ETAPUMP Altura manométrica 0-50 0-180 0-240

PS200 PS600 PS1200 ETAPUMP Altura manométrica 0-50 0-180 0-240 SISTEMAS DE BOMBAS SOLARES Existe uma relação natural entre a disponibilidade de energia solar e as necessidades de água. A necessidade de água cresce em dias de radiação elevada de sol, por outro lado

Leia mais

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 A POR FAVOR LER O MANUAL COM ATENÇÃO ANTES DE PROCED- ER A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO AUTOMATISMO VER.:1.02 REV.:11/2012 INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204 Versão 1.XX / Rev. 1 Índice Item Página 1. Introdução...02 2. Características...02

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar

www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar PORTAS RÁPIDAS ÍNDICE ÍNDICE Flexidoor Portas Rápidas Portas Rápidas de Enrolar Portas Rápidas de Emparelhar 04 06 11 Componentes Portas Rápidas Constituição

Leia mais

QUEM SOMOS PERFIL DA EMPRESA

QUEM SOMOS PERFIL DA EMPRESA QUEM SOMOS PERFIL DA EMPRESA Desde a descoberta da eletricidade para uso tremendo de hoje, é um espaço de tempo onde a proteção de energia desenvolvida para indústrias em grande escala. Pergunte a qualquer

Leia mais

HYDRUS MEDIDOR ULTRASSÔNICO

HYDRUS MEDIDOR ULTRASSÔNICO HYDRUS APLICAÇÃO Medidor de água ultrassônico estático para medição e registro precisos em todas as aplicações de fornecimento de água. CARACTERÍSTICAS 4 Comunicação de dados reais, telegrama de medição

Leia mais

GUIA PRATICO DO PESCADOR

GUIA PRATICO DO PESCADOR GUIA PRATICO DO PESCADOR Agradecimentos Esta obra foi preparada no Servico de Tecnologia da Pesca, Divisào das Industrias da Pesca, do Departamento da Pesca da FAO. Ao longo de vàrios anos, diversos especialistas

Leia mais

SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES (SI)

SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES (SI) Grandezas e Unidades de Base Grandeza física de base (símbolo) Unidade de base (símbolo) Dimensão de base Definição da unidade de base comprimento (l) metro (m) L 1 m é o comprimento do trajecto da luz,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

nossa empresa A empresa mantém um controle de qualidade rígido, garantindo o padrão dos seus produtos e certeza da satisfação dos seus clientes.

nossa empresa A empresa mantém um controle de qualidade rígido, garantindo o padrão dos seus produtos e certeza da satisfação dos seus clientes. nossa empresa A EMIT oferece soluções em equipamentos e máquinas leves para Construção, e traz aos locadores e distribuidores equipamentos seguros e confiáveis. O desenvolvimento dos produtos EMIT sempre

Leia mais

Problemas de eletricidade

Problemas de eletricidade Problemas de eletricidade 1 - Um corpo condutor está eletrizado positivamente. Podemos afirmar que: a) o número de elétrons é igual ao número de prótons. b) o número de elétrons é maior que o número de

Leia mais