Texto para discussão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Texto para discussão"

Transcrição

1 ENAP Texto para discussão A questão da estabilidade do servidor público no Brasil: perspectivas de flexibilização Érica Mássimo Machado Lícia Maria Umbelino 02

2 ENAP Texto para discussão A questão da estabilidade do servidor público no Brasil: perspectivas de flexibilização Érica Mássimo Machado Lícia Maria Umbelino 02 Brasília, DF Julho/2001

3 Texto para discussão é uma publicação da Escola Nacional de Administração Pública Editora Vera Lúcia Petrucci Coordenação editorial Rodrigo Luiz Rodrigues Galletti Revisão Cleidiana Cardoso N. Ferreira Galber José Oliveira Maciel Editoração eletrônica Maria Marta da Rocha Vasconcelos ENAP, 2001 Machado, Érica Mássimo A questão da estabilidade do servidor público no Brasil: perspectivas de flexibilização / Érica Mássimo Machado; Lícia Maria Umbelino. Brasília: ENAP, f. (Texto para discussão, 2). 1. Administração de Recursos Humanos no Setor Público. 2. Estabilidade trabalhista. I. Umbelino, Lícia, Maria. II. Título. III. Série. Brasília, DF ENAP Escola Nacional de Administração Pública SAIS Área 2-A Brasília, DF Telefone: (0XX61) / Fax: (0XX61) Site: 3

4 A questão da estabilidade do servidor público no Brasil: perspectivas de flexibilização Érica Mássimo Machado* Lícia Maria Umbelino Apresentação A discussão em torno da estabilidade do servidor público emerge a partir de um contexto marcado pela necessidade de transformações sócio-políticas e econômicas. Essas tranformações implicam a reestruturação do Estado brasileiro, bem como da administração pública, tendo em vista a modernização da burocracia, buscando garantir eficiência e eficácia no atendimento do interesse público. Desta forma, o governo Fernando Henrique Cardoso se propõe a rever os termos do dispositivo constitucional da estabilidade do servidor público. Neste sentido, a base da proposta do governo não se reduz à simples eliminação da estabilidade do servidor, mas sim, propõe a flexibilização desse preceito. Registra-se, contudo, o reconhecimento de que os problemas relativos à falta de qualidade e produtividade do serviço público residem, primordialmente, na desprofissionalização dos quadros. Assim, o programa de governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, além de se propor a discutir a questão da estabilidade, identifica a necessidade da adoção de pelo menos três medidas para corrigir as distorções que ora se apresentam: A primeira é a consagração do concurso público, organizado de forma adequada a cada função, como princípio inflexível de admissão. A segunda é o estabelecimento de um plano de carreira que contemple as necessidades de uma administração moderna e institua a promoção por critérios de mérito e de produtividade. A terceira, conjugada à anterior, é uma política de formação profissional e de reciclagem de pessoal (...). A partir desse contexto, será apresentado em seguida um quadro resumo sobre o histórico relativo à instituição da estabilidade do servidor público no Brasil. Na segunda parte do trabalho, serão discutidos alguns pontos mais polêmicos sobre o tema e, finalmente, será apresentado o cenário político atual, do qual dependem as decisões a serem tomadas. * Érica Mássimo Machado foi técnica da Diretoria de Estudos e Pesquisas da ENAP. Atualmente, é coordenadora-geral de Tratamento da Informação e Documentação do INEP/MEC. Lícia Maria Umbelino foi coordenadora do Concurso de Inovações na Gestão Pública Federal Prêmio Helio Beltrão da Diretoria de Informação e Conhecimento em Gestão no período de 1997 a 2000 e, atualmente, é professora de Língua Francesa. Contato: 4

5 Quadro 1: Histórico sobre a instituição da estabilidade do servidor público no Brasil Marco histórico Lei n o de 1915 Constituição de 1934 Decreto-lei n o 200 de 1967 Constituição de 1988 Situação Funcionário público com mais de dez anos de exercício só pode ser demitido mediante processo administrativo. A estabilidade é garantida a todo servidor público com mais de dez anos de exercício e àqueles com dois anos, que tiverem ingressado por concurso. Obs.: este preceito se mantém nas Constituições de 1937, 1946 e Expansão das empresas estatais. Instituição da natureza jurídica fundacional e autárquica. Maior flexibilidade nos procedimentos de contratação e demissão do servidor público regime celetista. A estabilidade é garantida àqueles que tiverem dois anos de exercício; ingresso mediante concurso. A estabilidade é estendida àqueles com cinco anos continuados de exercício, sem ingresso por concurso público. Instituição do Regime Jurídico Único (RJU). Mantido o preceito da disponibilidade do servidor público (criado pela Constituição de 1946). Obs.: apesar das manifestações de intenções de votos favoráveis ao fim da estabilidade, durante o processo de votação, nenhum voto sequer foi dado para a aprovação da matéria. Contexto sócio-econômico Estruturação da administração pública, com vistas a impulsionar a modernização industrial do país. Abertura política. Crise fiscal do Estado. Descentralização da administração pública. Crescimento da participação e aumento das demandas por políticas de cunho social. Aumento do corporativismo dos servidores. Comportamento político 5

6 Marco histórico Governo Collor / 1990 Revisão Constitucional / 1994 Governo FHC / 1995 (tendências) Situação É usado o preceito da disponibilidade do servidor público como instrumento de contenção dos gastos públicos, mas os disponibilizados recebem remuneração integral, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal. Utilização dos instrumentos de descentralização. Ex: SUS Do total de emendas apresentadas pela sociedade civil apenas 2% se referiam à questão da estabilidade, e das emendas apresentadas pelos parlamentares apenas 2,5%. Por acordo entre o governo e os partidos políticos não foi emitido parecer do relator sobre a matéria. Flexibilização da estabilidade. Autonomia de gestão às estatais. Contratação de empregados celetistas. Descentralização da administração federal viabiliza a transferência de quadros de pessoal, bens e instalações. Revisão dos mecanismos de avaliação de desempenho dos servidores. Disponibilidade com remuneração proporcional ao tempo de serviço. Estágio probatório de cinco anos. Contexto sócio-econômico Agravamento da crise fiscal do Estado. Desmonte da máquina pública. Aumentam os pedidos de aposentadoria dos servidores. Agravamento da crise fiscal do Estado. Internacionalização da economia. Globalização. Contenção dos gastos públicos. Governo de tendência social-democrata. Reforma do Estado. Superação do Estado interventor e empresarial. Equiparação dos mercados públicos e privados. Comportamento político Estilo imperialista de governar. Constrangimento do comportamento dos parlamentares em função de interesses eleitorais. Fragmentação do comportamento partidário: principalistas partidos à esquerda do espectro ideológico, clientelistas e pluralistas. Pressão dos governadores de Estado. Formação de dois blocos no Congresso Nacional: um contra e outro a favor da Revisão. Entre os favoráveis não havia consenso sobre o escopo dos trabalhos revisores. Questões relacionadas à administração pública não entraram na agenda de negociações do grupo favorável à Revisão. Executivo aberto às negociações com o Congresso. Constrangimento do comportamento dos parlamentares em função de interesses eleitorais. Fragmentação do comportamento partidário: principalistas partidos à esquerda do espectro ideológico, clientelistas e pluralistas. Pressão dos governadores. 6

7 Principais questões sobre a instituição da estabilidade do servidor público no Brasil As discussões em torno da instituição da estabilidade do servidor público no Brasil trazem em seu bojo questões polêmicas e indefinições com respeito a pontos específicos sobre o tema. Assim, neste trabalho, serão abordados os pontos mais enfocados pelo cenário político nacional relativos ao assunto. Estabilidade versus gasto público A questão da estabilidade, ou melhor, as discussões referentes a possíveis alterações neste dispositivo constitucional têm sido constantemente associadas à discussão sobre o controle dos gastos públicos. Não obstante, mais especificamente, no que se refere ao Brasil, a relação existente entre o número de funcionários públicos e os gastos com a folha de pagamento de pessoal no Brasil demonstra a necessidade de reavaliação dos dados apresentados, como se verifica a seguir. Como indica a Tabela 1, a evolução das despesas do governo federal com o pagamento dos servidores, quando comparada ao Produto Interno Bruto (PIB), tem sido negativa desde 1989: Tabela 1: A evolução das despesas federais com pessoal em relação ao PIB (1989/1993) Ano Gastos com pessoal e encargos sociais ,38% ,99% ,52% 1992* 3,82% 1993** 2,94% * Estimativa ** Proposta orçamentária inicial Fonte: Assessoria Parlamentar do Gabinete da Liderança do PT na Câmara dos Deputados, 10/03/93, Brasília, apud. Andrade e Jaccoud (orgs.), Estrutura e Organização do Poder Executivo, v. 2, Brasília, ENAP/CEDEC, Desta forma, considerando-se as variações do PIB no período em questão, nota-se que praticamente não houve crescimento econômico, ao mesmo tempo em que o número de funcionários quase não foi alterado, (confira Tabela 2), pode-se concluir que o salário dos servidores sofreu perdas consideráveis. 1 7

8 Tabela 2: Evolução do quadro de pessoal do governo federal (1989/1993) Natureza Jurídica Anos/Quantitativo Adm.Direta Autarquias Fundações Emp. Publ. Soc. Ec. Mista Ex.Territ. Total Fonte: DRH/SAF/PR - Gerência de Cadastro e Lotação/Janeiro. 1993, apud. Andrade e Jaccoud (orgs.), Estrutura e Organização do Poder Executivo, v. 2, Brasília, ENAP/CEDEC, Anote-se que a redução no número de funcionários públicos entre 1990 e 1991 corresponde ao período do governo Collor, quando houve o desmonte da máquina pública, sendo colocado em disponibilidade um considerável contingente de servidores. Observando-se, ainda, a Tabela 2, é importante ressaltar que 30% do total de gastos com a folha de pagamento de pessoal é destinado aos servidores inativos e pensionistas ( ). Assinale-se que existe uma tendência no aumento destes gastos, já que 55% dos funcionários públicos ativos da administração direta, autárquica e fundacional têm idade superior a 40 anos (segundo dados do SIAPE). 2 Assim, o total de servidores públicos em atividade representa um índice de 8,9% dos funcionários públicos federais por mil habitantes. Neste contexto, é necessário também mencionar os dados referentes a distribuição dos funcionários públicos no Brasil. Do total de funcionários públicos em todo o país, 26,36% destes estão alocados nas administrações municipais, enquanto 24,6% estão na administração federal e 49,1% nas estaduais. 3 A análise dos dados apresentados acima não autoriza afirmar que, em princípio, a principal causa da ineficiência da máquina burocrática está vinculada ao excesso de funcionários públicos a serviço da União. Segundo entrevistas realizadas pelos pesquisadores do Centro de Estudos de Cultura Contemporânea (CEDEC), a modernização da administração pública no Brasil não depende exclusivamente do corte linear do número de servidores públicos, mas sim da realocação dos mesmos e de uma revisão da distribuição dos servidores entre a área meio e a área fim. 4 De um modo geral, como destaca o documento Histórico das Reformas Administrativas no Brasil e Tendências e Inovações em Nível Internacional (ENAP/MARE, 1995), alguns países têm buscado respostas à questão de redução de pessoal, seja em função de motivos financeiros ou estruturais, mediante a 8

9 flexibilização e a negociação promovendo-se a redistribuição ou a realocação dos funcionários para outros níveis da administração, as demissões voluntárias, ou a dispensa apoiada por uma espécie de subsídio ao desempregado, até o momento que encontre nova ocupação. Estabilidade versus indemissibilidade O preceito da estabilidade do servidor público, segundo destacam alguns estudiosos, não pode ser interpretado como um privilégio que confere ao mesmo a vitaliciedade no cargo ou função desempenhada. A estabilidade deve ser analisada como um instrumento garantidor da excelência da prestação de serviços à sociedade, evitando que a administração pública possa ficar comprometida pelo uso político de suas atividades, refletindo interesses clientelistas e paroquiais, gerando a descontinuidade, arbitrariedade técnica, bem como perda da memória técnica da administração. Tanto a Constituição Federal (art. 41), quanto a lei n o 8.112, de 12/12/1990, asseguram ao Estado a faculdade de demissão do servidor, como estabelecem seus deveres e punições. O funcionário público, por sua vez, é protegido de demissões arbitrárias, sendo-lhe garantido amplo direito de defesa. A estabilidade dos servidores públicos é recomendada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), como condição essencial para o desenvolvimento da administração pública. Assim, segundo o relatório da OIT, 5 a estabilidade vem sendo mantida em diversos países, entre eles: Alemanha, Bélgica, Canadá, Chile, Espanha, EUA, Uruguai e Venezuela. A título de exemplo, segundo a pesquisa realizada pela ENAP/CEDEC (1993): 9... nos E.U.A., país normalmente visto como um paradigma do modelo gerencial na administração pública, 93% dos funcionários públicos têm estabilidade no emprego (tenure of office). (Mineli, 1990: 97). Estabilidade e mercado de trabalho privado Considerando-se a questão da estabilidade do servidor dentro de um contexto mais amplo, qual seja, o da atual discussão sobre a reforma do Estado e, conseqüentemente, da administração pública, têm-se colocado de forma relevante a equiparação entre os mercados de trabalho público e privado. O desempenho otimizado e racional da atividade pública deve ser buscado em qualquer circunstância. Contudo, deve-se ressaltar que existe uma tendência a identificar peculiaridades na atividade pública, em relação à iniciativa privada, destacando-se a: neutralidade e impessoalidade do empregado necessárias à atividade estatal em razão da natureza pública do cargo;

10 10 maior complexidade dos critérios para avaliação e obtenção da eficácia, eficiência e efetividade com relação aos presentes na iniciativa privada, uma vez que é intrínseca à atividade estatal a realização do interesse público, muitas vezes independente dos valores e condições do mercado. 6 Segundo essa visão, a estabilidade está vinculada ao caráter essencial da ação pública, não se relacionando estritamente com a especificidade ou importância da atividade estatal, embora possa diferenciar-se quanto ao conteúdo, à medida em que a dinâmica econômica, política e social o exigem. Sendo, então, essencial à prestação do serviço público, o Estado deveria, por conseguinte, garantir as condições necessárias para que o bem público seja permanentemente atendido. 7 Desta forma, o debate em torno das diferenças existentes entre as funções desempenhadas pelos funcionários públicos e por aqueles da iniciativa privada, por um lado, e a flexibilização da estabilidade do servidor público, por outro, trazem em seu bojo uma discussão polêmica em torno do conceito de função típica de Estado ou carreira típica de Estado, sobre o qual não existe consenso. Primeiramente, vale assinalar que existem correntes que defendem que a estabilidade deve ser restrita a carreiras típicas de Estado, como é o caso de Antônio Kandir, que argumenta favoravelmente pela estabilidade para as Forças Armadas, ltamaraty, Receita Federal e Polícia Federal. 8 Contudo, uma outra corrente considera que o Estado moderno, tal como se apresenta, e principalmente no caso brasileiro em função do enorme fosso social existente, incorpora como funções próprias aquelas relativas à Educação, Saúde, Bem-Estar Social 9, entre outras. Assim, pode-se dizer que esta questão é potencialmente capaz de se constituir em um dos principais gargalos nas negociações com o Congresso Nacional e com a sociedade civil, para a aprovação da emenda constitucional relativa à flexibilização da estabilidade do servidor público. A título de exemplo, vale destacar o caso espanhol, em que a estabilidade do funcionário público prevê sistemas jurídicos diferenciados para as diversas modalidades de ingresso na máquina burocrática. Estão previstas três formas de concurso público: uma para a categoria de estatutários que possuem estabilidade (oposición), outra para contratados trabalhistas sem estabilidade (concurso), e por último, para determinadas carreiras do serviço público com estabilidade conforme a carreira (concurso-oposición). 10 Anote-se, por fim, que em regimes democráticos existe uma alta rotatividade nos postos de comando da burocracia, fato que é visto como possível causador de uma excessiva politização da máquina estatal, desvirtuando-a de seu princípio básico norteador, qual seja o ideal da impessoalidade e da neutralidade. Assim sendo, a utilização racional do dispositivo da estabilidade, como uma forma de garantir a continuidade da prestação de serviços de interesse público, constitui-se em importante mecanismo garantidor da modernidade, eficácia e eficiência da máquina estatal. Além disso, pode-se constituir, ainda, em importante instrumento controlador da adoção de medidas populistas, arbitrárias ou demagógicas. 11

11 Regime Jurídico Único (RJU) Outro ponto importante a ser considerado quanto à questão da estabilidade, segundo especialistas da área, reside no engessamento da máquina burocrática, observado a partir da Constituição de 1988, quando foi instituído o Regime Jurídico Único (art. 39) para os servidores da administração pública direta, autarquias e fundações. Foram, assim, desconsideradas as diferenças entre as várias atividades estatais, bem como as diferenças de natureza jurídica entre as fundações e a administração direta. Segundo o decreto-lei n o 200, de 25/02/67, a fundação foi idealizada em função de uma maior flexibilidade e agilidade no que se refere à gestão e contratação de pessoal, exatamente por não estar voltada às atividades consideradas típicas da administração direta. A unicidade jurídica, assim estabelecida pela Constituição, obriga o governo a lidar em bloco com os pleitos do funcionalismo. 12 Avaliação de desempenho, disponibilidade do servidor e estágio probatório Alguns outros pontos mais específicos merecem destaque quando se discute a questão da estabilidade, a saber: avaliação de desempenho, disponibilidade do servidor e estágio probatório. O destaque se justifica à medida em que para a efetivação de um novo modelo de estabilidade, em que se busca uma maior equiparação entre os mercados de trabalho público e privado, esses pontos se constituem em mecanismos essenciais do processo. Quanto ao processo de avaliação de desempenho do servidor público, existem indicações de que este deveria passar por uma revisão, buscando o seu aprimoramento e tendo como parâmetros de avaliação a qualidade do serviço prestado e a produtividade do servidor. Considere-se para tanto, que em um quadro de desenvolvimento institucional, a avaliação deveria ser instituída como um mecanismo periódico e racional, objetivando a eficiência da administração. Entretanto, esse processo traz consigo a exigência de revisão de outros instrumentos: 1) os processos administrativos devem se tornar realmente efetivos, mediante o exercício do poder disciplinar, como previsto na lei n o 8.112/90; 2) devem ser instituídos mecanismos de controle das atividades estatais; e 3) deve-se investir na formação gerencial das chefias para que melhor possam proceder às avaliações de seus subordinados. No que se refere ao instituto jurídico da disponibilidade do servidor público, este foi introduzido na Constituição de 1946, vinculando a disponibilidade remunerada à extinção do cargo do servidor estável e tornando obrigatório o seu reaproveitamento. A Constituição de 1988 mantém o dispositivo, mas omite do texto legal especificações no que se refere à remuneração, prevalecendo, então, o entendimento de que a remuneração deve ser integral, em função da irredutibilidade dos vencimentos (ADIN n o 313, de 30/09/1992). Para que o preceito da 11

12 disponibilidade possa realmente se configurar em um eventual recurso do governo na implementação da reforma da máquina administrativa, faz-se necessária a regulamentação de sua aplicação, já que o pagamento integral do servidor colocado em disponibilidade, neutraliza a eficácia e eficiência do uso desse instrumento na reestruturação da burocracia estatal. O estágio probatório é visto, por especialistas, como de relevante importância, já que por essa fase devem passar todos aqueles funcionários que são admitidos por concurso público, constituindo-se, assim, em um importante instrumento de avaliação das aptidões do servidor no desempenho das atividades que lhe são inerentes. Deste modo, devem ser reavaliados o tempo de duração do estágio, bem como a oportunidade e importância das variáveis a serem consideradas. Cenário e tendências políticas Dentro do atual contexto de consolidação democrática do país, onde cabe ao Congresso Nacional maior participação no processo decisório das políticas públicas, não se pode desprezar a importância estratégica deste ator político, sendo fundamental o estabelecimento de mecanismos de interação entre os Poderes Executivo e Legislativo que viabilizem o fluir das decisões. Desta forma, interessa ao atual governo consolidar coalizões estáveis capazes de garantir votos para a aprovação das emendas constitucionais propostas ou ainda em discussão pelo governo Fernando Henrique Cardoso, como é o caso da flexibilização da estabilidade dos servidores públicos. Para tanto, quando se pensa em uma estratégia de ação governamental no sentido de garantir a aprovação de suas propostas, deve-se considerar a questão do constrangimento do comportamento dos parlamentares mediante interesses eleitorais e, além disso, a segmentação do comportamento partidário dentro do Congresso Nacional: os partidos radicais de esquerda mostram-se menos abertos às negociações pluralistas, apegados que são a princípios mais propriamente ideológicos; os partidos conservadores não se furtam à negociação desde que estejam implícitos, entre os termos da barganha, a troca de favores e prebendas; os partidos do centro do espectro ideológico, especialmente o PMDB e o PSDB, negociam de forma mais propriamente pluralista (...). 13 A partir desse quadro, torna-se fundamental, por um lado, que o governo consiga implementar ações políticas junto aos congressistas muito bem articuladas entre as lideranças governamentais e, por outro, que possa contar com o apoio de grupos organizados e expressiva participação da sociedade civil. Um outro ator influente no processo de decisão política são os governadores de Estado, que em função dos interesses de seu Estado, e também dos constrangimentos eleitorais, acionam suas bancadas no Congresso ou se dirigem diretamente ao Executivo em defesa de suas propostas. 14 Um claro exemplo da importância dos governadores neste processo pode ser observado mediante 12

13 a pressão que vêm exercendo sobre as instâncias decisórias do governo para que em troca da flexibilização da estabilidade dos servidores públicos não sejam repassados novos encargos fiscais para Estados e municípios. Finalmente, ao se observar o jogo de barganhas entre Congresso e Executivo em torno da emenda constitucional relativa à reforma da previdência, vale destacar a importância de que as propostas do governo sejam amplamente discutidas com os parlamentares, por um lado, e por outro, que a sociedade civil seja informada de forma clara e abrangente sobre as alterações que são propostas e as conseqüências que terão no dia-a-dia de cada cidadão. Anote-se, ainda, que os tomadores de decisão, como já visto, devem estar especialmente atentos ao forte corporativismo que tem caracterizado a atuação dos servidores públicos. Desta forma, a discussão em torno da flexibilização da estabilidade do servidor público, apesar do seu caráter polêmico, constitui-se em peça essencial do processo de modernização da máquina estatal, bem como da reforma do Estado em seu aspecto mais amplo. 13

14 Notas 1 Estrutura e Organizacão do Poder Executivo (1993). Régis de Castro Andrade e Luciana Jaccoud (orgs.). ENAP/CEDEC, p Ibidem, p Ibidem, p Ibidem, p Histórico das Reformas Administrativas no Brasil e Tendências e Inovações em Nível Internacional. Documento MARE/ENAP. Brasília, Estrutura e Organização do Poder Executivo (1993). Régis de Castro Andrade e Luciana Jaccoud (orgs.). ENAP/CEDEC, p Workshop Diretrizes para o Sistema de Carreiras. Brasília, ENAP, maio de Estrutura e Organização do Poder Executivo (1993). Régis de Castro Andrade e Luciana Jaccoud (orgs.). ENAP/CEDEC, p Ibidem, p MAP/INAP. (1987), La Carrera Administrativa: Documentación.Documentación Administrativa. Madrid. 11 Workshop Diretrizes para o Sistema de Carreiras. Brasília, ENAP, maio de Estrutura e Organização do Poder Executivo (1993). Régis de Castro Andrade e Luciana Jaccoud (orgs.). ENAP/CEDEC, p SANTOS, Maria Helena de Castro; RUA, Maria das Graças; MACHADO, Érica Mássimo. (1994), Governabilidade e Poderes Constituídos: Uma Agenda Preliminar. Revista do Servico Público, Brasília: ENAP, ano 45, v. 118, n o 1, jan./jul., p Ibidem, p

15 Referências bibliográficas BRASIL. (1994), Proposta de Governo Fernando Henrique. Brasília. DUTRA JR., Adhemar F. (1993), Administração Pública e Estabilidade. Brasília: Assessoria Legislativa da Câmara dos Deputados, mimeo, setembro. ENAP/CEDEC. (1993), Estrutura e Organizacão do Poder Executivo. Organizado por Régis de Castro Andrade e Luciana Jaccoud. Brasília: Centro de Documentação, Informação e Difusão Graciliano Ramos, 2 v. ENAP. (1993), Workshop Diretrizes para o Sistema de Carreiras. Brasília, mimeo, maio.. (1993), Gestão de Recursos Humanos no Setor Público, Relações de Trabalho e Direitos Sociais dos Servidores Públicos. Cadernos ENAP, Brasília: Centro de Documentação, Informação e Difusão Graciliano Ramos, n.1, 1 v., dezembro.. (1994), Administração Pública e Revisão Constitucional. Organizado por Érica Mássimo Machado e Lícia Maria Umbelino. Brasília, mimeo, março. ENAP/MARE. (1995), Histórico das Reformas Administrativas no Brasil e Tendências e Inovações em Nível Internacional. Organizado por Sheila Maria Reis Ribeiro, José Mendes de Oliveira e Jean Marc Georges Mutzig. Brasília. MAP/INAP. (1987), La Carrera Administrativa: Documentación. Documentación Administrativa, Madrid, out. 1987/mar OIT. (1991), Relaciones de Trabajo en la Administración Pública Países en Desarrollo. OIT.. (1993), Relaciones de Trabajo en la Administración Pública Tendências e Perspectivas. OIT.. (1994), Informe General. Comisión Paritaria dei Servicio Público OIT. SANTOS, Maria Helena de Castro; RUA, Maria das Graças; MACHADO, Érica Mássimo. (1994), Governabilidade e Poderes Constituídos Uma Agenda Preliminar. Revista do Serviço Público, Brasília: ENAP, ano 45, v. 118, n o 1, jan/jul. 15

16 Especialistas participantes dos workshops 1) Workshop Diretrizes para o Sistema de Carreiras (ENAP/maio de 1993): Deputado Geraldo Campos Vicente de Paula Mendes Clóvis Beznos Harley Pereira da Silva Rosane de Fátima Camargo Paulo Sérgio Bastos Menezes Demeval Domingos Filho 2) Workshop Administração Pública e Revisão Constitucional Gestão de Recursos Humanos no Setor Público e Relações de Trabalho e Direitos Sociais dos Servidores Públicos (ENAP/setembro de 1993): Deputado Geraldo Campos Jusadac Figueira de Matos José Eduardo Martins Cardoso Luiz Alberto dos Santos Maria Cristina Nascimento Raul José Collet Silva Junior Renato Lóes Moreira Roberto Barbosa Sadi Dai Rosso Thomaz de Aquino Nogueira Neto Ulysses Riedel Vicente de Paula Mendes 16

17 Normas para colaboradores 1. A série Texto para discussão divulga artigos em fase de pré-publicação, com o objetivo de fomentar o debate direto entre o leitor e o autor. 2. Os trabalhos, sempre inéditos no Brasil, devem conter em torno de 25 laudas de 30 linhas de 65 toques. 3. Os originais devem ser encaminhados ao editor, em arquivo digital, em programa de uso universal. Usar apenas as formatações padrão e enviar para 4. Na primeira página deve constar informação sucinta sobre formação e vinculação institucional do autor (em até duas linhas). 5. Notas, referências e bibliografia devem vir ao final do trabalho, e não ao pé da página. Notas e referências, sendo o caso, devem vir devidamente numeradas. 6. Os originais enviados à editora de Texto para discussão não serão devolvidos. O editor compromete-se a informar os autores sobre a publicação ou não de seus trabalhos. 17

18 Texto para discussão Números publicados 42 - Experiências internacionais voltadas para a satisfação dos usuários-cidadãos com os serviços públicos Pesquisa ENAP Maio/01, 65p Gestão de custos no setor público Pesquisa ENAP Março/01, 26p Entre o público e o privado: o modelo de gestão de resíduos sólidos adotado pela SLU de Belo Horizonte José Wanderley Novato Silva Allan Claudius Queiroz Barbosa fevereiro/01, 27p A percepção das chefias sobre a capacitação nos cursos da ENAP Pesquisa ENAP dezembro/00, 20p Perfil dos dirigentes de recursos humanos da Administração Pública Federal Pesquisa ENAP novembro/00, 28p Planejamento estratégico municipal no Brasil: uma nova abordagem Peter Pfeiffer outubro/00, 37p Relatório de Avaliação do curso Elaboração de indicadores de desempenho institucional Pesquisa ENAP outubro/00, 36p Modelo para informatização das administrações públicas municipais Maria José Ferreira Foregatto Margarido agosto/00, 21p. 18

19 34 - Perfil dos gestores de recursos humanos da Administração Pública Pesquisa ENAP agosto/00, 20p A imanência do planejamento e da gestão: a experiência de Curitiba Luiz Carlos de Oliveira Cecilio Carlos Homero Giacomoni Miguel Ostoja Roguski agosto/99, 22p Sociedade civil: sua democratização para a Reforma do Estado Luiz Carlos Bresser Pereira novembro/98, 57p Custos no serviço público Marcos Alonso outubro/98, 34p Demissão por insuficiência de desempenho na reforma gerencial: avanços e desafios Marianne Nassuno setembro/98, 21p Reforma da previdência: negociações entre os poderes Legislativo e Executivo Marcelo James Vasconcelos Coutinho agosto/98, 24p Diagnóstico da situação da mulher na Administração Pública Federal Franco César Bernardes, Marcelo Gameiro de Moura e Marco Antônio de Castilhos Acco julho/98, 25p Capacitação de recursos humanos no serviço público: problemas e impasses Francisco Gaetani junho/98, 27p Análise de macroprocessos na Secretaria de Recursos Humanos do MARE: uma abordagem sistêmica Marcelo de Matos Ramos maio/98, 23p Desafios e oportunidades no setor de compras governamentais na América Latina e Caribe: o caso brasileiro Carlos César Pimenta abril/98, 23p. 19

20 24 - Reconstruindo um novo Estado na América Latina Luiz Carlos Bresser Pereira março/98, 19p Reforma administrativa e direito adquirido Paulo Modesto fevereiro/98, 25p Utilizando a internet na administração pública Cláudio Seiji Sato dezembro/97, 25p Burocracia, capacidade de Estado e mudança estrutural Tereza Cristina Cotta novembro/97, 13p A reforma administrativa francesa: da crise da função pública a uma nova racionalidade da ação coletiva, uma difícil transição Valdei Araújo outubro/97, 26p Formação e capacitação na construção de um novo Estado Evelyn Levy setembro/97, 15p Agências Executivas: estratégias de reforma administrativa Marcos Alonso agosto/97, 37p Controle interno e paradigma gerencial Sheila Maria Reis Ribeiro julho/97, 27p Novos padrões gerenciais no setor público: medidas do governo americano orientadas para o desempenho e resultados Bianor Scelza Cavalcanti e Roberto Bevilacqua Otero junho/97, 31p Cidadania e Res publica: a emergência dos direitos republicanos Luiz Carlos Bresser Pereira maio/97, 45p Gestão e avaliação de políticas e programas sociais: subsídios para discussão Francisco Gaetani abril/97, 15p As escolas e institutos de administração pública na América Latina diante da crise do Estado Enrique Saravia março/97, 18p. 20

Texto para discussão

Texto para discussão ENAP Texto para discussão Perfil dos dirigentes de recursos humanos da Administração Pública Federal Pesquisa ENAP 38 ENAP Texto para discussão Perfil dos dirigentes de recursos humanos da Administração

Leia mais

Texto para discussão

Texto para discussão ENAP Texto para discussão Desempenho e controle na reforma administrativa Simon Schwartzman 08 ENAP Texto para discussão Desempenho e controle na reforma administrativa Simon Schwartzman 08 Brasília, DF

Leia mais

Texto para discussão

Texto para discussão ENAP Texto para discussão Modelo para informatização das administrações públicas municipais Maria José Ferreira Foregatto Margarido 35 Texto para discussão é uma publicação da Escola Nacional de Administração

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS VI Fórum Brasileiro sobre Reforma do Estado Rio de Janeiro Pedro R. Barbosa

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza 29 e 30 de setembro, 01, 05, 06 e 07 de outubro de 2011 ENAP Escola

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

VII - GESTÃO DE PESSOAS

VII - GESTÃO DE PESSOAS VII - GESTÃO DE PESSOAS Política de Recursos Humanos Mensagem Presidencial Política de Recursos Humanos Reestruturação da Força de Trabalho do Poder Executivo Desde 2003, o Governo investe na reestruturação

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

Conselho Nacional de Controle Interno

Conselho Nacional de Controle Interno Veículo: Site Congresso em Foco Data: 13/07/2012 Editoria: Lei de Acesso Coluna: - Página: - Só 12% das prefeituras dão atenção a transparência Uma mesma pergunta foi feita às administrações de 133 cidades

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira nas Organizações Públicas Brasileiras A estruturação ou revisão de um PCCR se insere em um contexto de crescente demanda por efetividade das ações

Leia mais

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO E DO PLANEJAMENTO DOS ESTADOS BRASILEIROS E DO DISTRITO FEDERAL - PNAGE Subexecutor: Secretaria do Estado do... Componente:

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL 1 CONCEITO A Emenda Constitucional nº 19/98 estabelece que o servidor nomeado

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação de contas

Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação de contas Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Diretoria Financeira Coordenação-Geral de Contabilidade e Acompanhamento de Prestação de Contas Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Ofício S nº 9, de 2011 (Ofício GS nº 2.097, de 22 de novembro de 2010, na origem), da Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta.

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta. DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO TOCANTINS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO E NÍVEL SUPERIOR Analista em Gestão Especializado Administração Disciplina: Conhecimentos

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional A Importância do Gestor Público no Processo Decisório Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional Contexto A administração pública brasileira sofreu transformações

Leia mais

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Prezados Acadêmicos Iremos abordar os aspectos mais relevantes

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

Consórcio Público. Administração Indireta

Consórcio Público. Administração Indireta Ordem Social Ordem Econômica Administração Direta Autarquia Fundação Publica Fundação Publica Empresa Pública Sociedade Economia Mista Subsidiária Consórcio Público Administração Indireta 1 Consórcio público

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo e Marketing e

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

Todos os dados apresentados neste Perfil têm como fonte as edições nº 81, de janeiro de 2003, e nº 201, de janeiro de 2013, do Boletim Estatístico de

Todos os dados apresentados neste Perfil têm como fonte as edições nº 81, de janeiro de 2003, e nº 201, de janeiro de 2013, do Boletim Estatístico de Todos os dados apresentados neste Perfil têm como fonte as edições nº 81, de janeiro de 2003, e nº 201, de janeiro de 2013, do Boletim Estatístico de Pessoal editado pela Secretaria de Gestão Pública do

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Parceria: Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Política e Relações Governamentais O programa objetiva

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

008228/2009 TC - - PSF

008228/2009 TC - - PSF Processo nº: 008228/2009 TC Jurisdicionado: Prefeitura Municipal do Natal - Secretaria Municipal de Saúde. Assunto: Auditoria Operacional na Ação Implementação e Expansão do Programa de Saúde da Família

Leia mais

Oi PL PROJETO DE LEI 01-0657/1995

Oi PL PROJETO DE LEI 01-0657/1995 Falha n.' J de proc. 6 5+ à 19 I.6" LIDO HOJE AS COMISSÕES DE: 01 AGO 195 r,ope4 ev t,f4=, vireayx Oi PL.(,ort PROJETO DE LEI 01-0657/1995,s- t-re psrn- L ( CE arria- nnnnn... despõe_so»re as condições

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 021/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010 da AMM, RESOLVE: Art.

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO VANIA MARIA DE SOUZA ALVARIM (Advogada, Estudante de pós-graduação em Direito Público, Mestre

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS SANTA CRUZ COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS PROJETO

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013 Matérias na Câmara PEC 185/2012 Acrescenta parágrafos ao art. 37 da Constituição Federal para estabelecer data certa para a revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos e dá outras providências.

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS Curitiba, 11 de junho de 2010. Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS 1. SUAS WEB O SUAS-Web é um sistema informatizado que o Ministério do

Leia mais

Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística.

Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística. Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística. 1. Introdução O Seminário Ibero-americano da Diversidade Linguística pretende ser um marco na discussão de políticas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais