TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I"

Transcrição

1 TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 1 Apresentação da disciplina Cristóvão C. C. Cordeiro

2 Tópicos principais 1. Apresentação da área de Construção Civil 2. Apresentação da disciplina 3. Apresentação das pessoas

3 1. Apresentação da área de Construção Civil Histórico Escopo e características Tendências recentes Mercado de trabalho

4 Histórico da área Aprendizado foi tradicionalmente intuitivo Separação entre técnica e projeto Perda de conhecimento Papel do BNH como indutor de novas tecnologias nos anos 70 Estagnação nos anos 80 Introdução de novas tecnologias nos anos 90 Década da Inovação no século XXI (?) Perspectivas diante do boom da Construção (?)

5 Antes

6 Depois

7 Escopo Aspectos macro-econômicos da construção Gestão de empresas Gestão de projetos Gestão da produção Técnicas Construtivas Desenvolvimento Tecnológico Novos Materiais Gestão de custos Gestão da qualidade Gestão da segurança do trabalho Gestão ambiental

8 Características da área Multi-disciplinar: tecnologia, recursos humanos, custos, planejamento e controle, marketing, etc. Mix de áreas: Envolve problemas de natureza técnica, mas também humana Exige conhecimento de ciências básicas (química, física) Grande complexidade e incerteza Necessidade de ser pensada vinculada à produção Grande demanda por pesquisa e desenvolvimento Vinculação com problemas relevantes do setor: produtividade, perdas, qualidade, planejamento, custos, tecnologia, etc.

9 Perdas de materiais na construção A B C D E Média Usual AÇO CONCRETO CIMENTO AREIA ARGAMASSA BLOCOS TIJOLOS

10 Principais conclusões Perdas são muito mais elevadas do que se considera nos orçamentos Existe uma grande variabilidade nas perdas em diferentes canteiros Elevada parcela destas perdas são previsíveis e evitáveis As empresas desconhecem os seus índices de perdas Principais causas estão vinculadas a problemas gerenciais e etapas pré-produção Influência da mão de obra é relativamente pequena

11 Mercado de trabalho Importância: 70% dos egressos do Curso de Engenharia Civil trabalham em Construção Civil 75% dos estágios são na área de Construção Civil Demanda por parte de empresas: Pequeno número de profissionais diferenciados, que dominem a gestão com capacitação técnica Engenheiro = Gerente Técnico Administrador Demanda por parte de candidatos à pósgraduação

12 2. Apresentação da disciplina Informações gerais Contexto da disciplina Objetivo e Programa da disciplina Estratégia de ensino

13 Informações Gerais Contexto de criação da disciplina Formato atual Disciplinas correlatas: Materiais de Construção I e II Instalações Prediais Fundações Estruturas de Madeira Estruturas de Concreto Planejamento, Controle e Gerenciamento de Obras

14 Contexto da Disciplina Demanda crescente de obras na Construção Civil favorece: Necessidade de redução de prazos Ritmo acelerado de incorporação de inovações tecnológicas Aumento do número de materiais e componentes nas obras Aumento da complexidade tecnológica dos empreendimentos Aumento da mecanização dos processos Tecnologia I trata da Obra Bruta.

15 Objetivo da disciplina Transmitir os conhecimentos necessários à execução de edificações, levando-se em consideração os aspectos construtivos, técnicos, econômicos e práticos.

16 Conteúdo da disciplina Módulo 1: Histórico e processos da Construção Civil (25 aulas) Evolução da Técnica de Construção Primórdios; As construções no período colonial; Histórico do concreto no mundo; Histórico do concreto armado no Brasil e no mundo; As construções em aço; As tecnologias de construção nos dias atuais; Tendências da Construção Civil para a próxima década. Fases da Construção O planejamento e o projeto; O canteiro de obras; A infraestrutura ou fundações; A supra estrutura; O acabamento; As instalações; A entrega da obra ao cliente Gerenciamento de projetos Compatibilização; Interpretação e análise de projetos; Detalhes construtivos; Gerenciamento permanente de projetos

17 Conteúdo da disciplina Módulo 2: Infra-estrutura e Supra-estrutura I (25 aulas) Locação de Obras Documentos de referência; Metodologia executiva com aparelhos; Metodologia executiva sem aparelhos Execução de fundações superficiais e profundas Definições; Investigações geotécnicas e geológicas; Fundações superficiais (execução); Fundações profundas (execução); Tolerâncias; Escavação e escoramento de cava de fundação; Rebaixamento de lençol freático Estruturas em Concreto: formas, cimbramento e armaduras Fôrmas; Documentos de referência; Materiais e equipamentos utilizados; Metodologia executiva; Remoção (desforma) e limpeza; Cimbramento Armaduras; Documentos de referência; Materiais e equipamentos utilizados; Transporte, armazenamento, corte, dobra e montagem

18 Conteúdo da disciplina Módulo 3: Super-estrutura II e Vedação (25 aulas) Execução de estruturas em madeira e metálicas Materiais e equipamentos utilizados; Peças comerciais em madeira para uso estrutural; Perfis e chapas de aço para uso estrutural; Metodologia executiva Alvenaria Documentos de referências; Terminologia; Alvenaria em blocos cerâmicos vazados; Alvenaria em blocos vazados de concreto; Alvenaria em tijolos maciços cerâmicos; Alvenaria em blocos sílico-calcários; Alvenaria em concreto celular; Paredes em chapa de gesso acartonado (drywall); Ligações entre paredes de vedação e estrutura Cobertura Terminologia; Componentes da estrutura em madeira; Disposições Construtivas; Telhas; Peças de fixação; Peças de concordância e arremate.

19 Estratégia de ensino Teoria x prática Teste: equipe com um professor responsável e professores colaboradores Papel das aulas Papel dos exercícios Papel das visitas

20 Estratégia de ensino Papel do Relatório Técnico Papel da leitura: Textos para download Textos de revistas Artigos de congressos Livros da bibliografia

21 BIBLIOGRAFIA ABMS, Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Eng. Geotécnica e ABEF, Associação Brasileira de Eng. De Fundações. Fundações: teoria e prática. Editora Pini. São Paulo, AZEREDO, Hélio Alves de. O Edifício até sua cobertura. Editora Edgard Blücher. São Paulo, BORGES, Alberto de campos et all. Prática das Pequenas Construções. Editora Edgard Blücher. 8ª ed. Revista e Ampliada. São Paulo, BOTELHO, Manoel H. C. Manual de Sobrevivência do Engenheiro e do Arquiteto recém-formados. Editora Pini, São Paulo, GUEDES, Milber Fernandes. Caderno de Encargos. Editora Pini. 3ª ed. Atualizada. São Paulo, INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS IPT. Tecnologia de Edificações. Divisão de Edificações. Editora Pini. São Paulo, 1988.

22 BIBLIOGRAFIA MASCARENHAS, Antônio Carlos. Fôrmas para Concreto. Centro Editorial e Didático da UFBA. Salvador, CONSTRUÇÃO MERCADO. Revista de negócios de incorporação e construção. Editora Pini. São Paulo. GUIA DA CONSTRUÇÃO. Revista de custos, suprimentos, planejamento e controle de obras. Editora Pini. São Paulo. PINI, Alternativas Tecnológicas para Edificações. Volume 1. Editora Pini. São Paulo, 2008 RIPPER, Ernesto. Como evitar erros na construção. Editora Pini. São Paulo, SOUZA, Roberto de e MEKEBEKIAN, Geraldo. Qualidade na Aquisição de Materiais e Execução de Obras. Editora Pini. Sinduscon-SP. São Paulo, TÉCHNE. Revista de Tecnologia da Construção. Editora Pini. São Paulo. YAZIGI, Walid. A técnica de edificar. Editora Pini. Sinduscon SP. São Paulo, 1998.

23 Estratégia de ensino Avaliações: Exercícios de aprendizagem individuais (50%) Exercícios de aprendizagem em equipe (20%) Relatórios Técnicos (20%) Participação (5%) Presença (5%)

24 Exercícios de Avaliação Primeira Unidade Exercícios em sala Individuais (10%); Exercício em sala em Equipe (30%); Relatório Técnico (10%); Participação e Freqüência (10%) Exercício de Avaliação Teórica I (40%) 18/10

25 Exercícios de Avaliação Segunda Unidade Exercícios em sala Individuais (10%); Exercício em sala em Equipe (20%); Relatório Técnico (20%); Participação e Freqüência (10%) Exercício de Avaliação Teórica II (40%) 20/11

26 Exercícios de Avaliação Terceira Unidade Exercícios em sala Individuais (10%); Exercício em sala em Equipe (20%); Relatório Técnico (20%) - JANEIRO; Participação e Freqüência (10%) Exercício de Avaliação Teórica III (40%) 20/12

27 Relatório Técnico DATA ATIVIDADE 27/09 Distribuição do Trabalho Prático e formação dos grupos 19/10 N1 Primeira entrega: entrega dos dados obra (parte I), inclusive do seu planejamento, incluindo consentimento formal de aceitação do grupo pela equipe de produção da obra escolhida e uma análise crítica quanto ao potencial da obra em relação aos objetivos do trabalho. Esta etapa receberá uma nota. 20/12 N2 Entrega Final do Trabalho Técnico, com o conteúdo completo do trabalho e contendo todos os relatórios de visita como anexo. Esta etapa terá outra nota. 01/2013 N3 Apresentação dos trabalhos sob a forma de painéis com atribuição de notas.

28 Contatos Pessoal: Entrega de Material Escaninho DTEC Orientações e Dúvidas - Sala de Professores do LATECON LABOTEC I Quarta 8-12h Sexta 8-10h Telefone:

29 3. Apresentação das pessoas Nome Experiência profissional: Estágios Empregos Outros Expectativa profissional: Área à qual pretende se dedicar Expectativa com a disciplina ou área

30 EXERCÍCIO INICIAL SONDAGEM DE CONHECIMENTO INDIVIDUAL OBRIGATÓRIO VALE 10% DA NOTA DE MPCI SÓ PARA OS PRESENTES

Desenvolver o conhecimento da construção civil enfatizando as atividades referentes ao serviços preliminares, de estrutura e obra bruta.

Desenvolver o conhecimento da construção civil enfatizando as atividades referentes ao serviços preliminares, de estrutura e obra bruta. Detalhes da Disciplina Código ENG2332 Nome da Disciplina CONSTRUÇÃO CIVIL I Carga Horária 60 Créditos 4 Fases de obra bruta da construção de um edifício. Projetos de instalações prediais e sua interferência

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC Prof. Massuyuki Kawano de Tupã - Sede Ensino Técnico Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo Tecnológico: INFRAESTRUTURA Habilitação Profissional;

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ADJUNTO EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/2)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/2) ENG 2333 (2016/2) Apresentação da Disciplina CONTEXTO ATUAL DA ENGENHARIA Faltam engenheiros no mercado? País em desenvolvimento? Crise financeira? CONTEXTO ATUAL DA ENGENHARIA Faltam engenheiros no mercado?

Leia mais

Fundações em Tubulão

Fundações em Tubulão Fundações em Tubulão Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manuel Vitor 01/12/2010 Fundações Diretas Rasas Blocos Sapatas Radiers

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: INFRAESTRUTURA Componente Curricular: PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

Leia mais

VEDOS. Vedações verticais e horizontais

VEDOS. Vedações verticais e horizontais VEDOS Vedações verticais e horizontais 1. Blocos/Tijolos 1.1 Tipos 1.1.1 Cerâmico 1.1.2 Concreto 1.1.3 Concreto celular 1.1.4 Sílico-calcário 1.1.5 Vidro 1.2 Execução 1.2.1 Preparo da superfície estrutura/alvenaria

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO 3ª EDIÇÃO ÍNDICE GERAL P/ 1/5 0 DISPOSIÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO, ORÇAMENTO... 2/39 CONTRATO, SUBCONTRATAÇÃO... 6/39 PRAZO DE EXECUÇÃO, GARANTIA DE SERVIÇO... 7/39 INST. DA OBRA, PESSOAL DA CONTRATADA... 8/39

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Mauro César de Brito e Silva maurocesarbsilva@gmail.com

Leia mais

Estruturas de Contenção Apresentação da disciplina Definições Tipos de Estruturas de Contenções

Estruturas de Contenção Apresentação da disciplina Definições Tipos de Estruturas de Contenções Estruturas de Contenção Apresentação da disciplina Definições Tipos de Estruturas de Contenções Considerações Gerais Ementa Conteúdo Programático Avaliação Bibliografia APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Considerações

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

Planilha Orçamentária

Planilha Orçamentária 1 SERVIÇOS PRELIMINARES,DEMOLIÇÕES,LIMPEZA 2.742,56 1.1 PLACA DE OBRA 6,00 m² 205,83 25,62 231,45 1.234,98 153,72 1.388,70 1.2 LIMPEZA PERMANENTE DA OBRA 66,00 h 0,37 7,37 7,74 24,32 486,42 510,74 1.3

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão 1 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 4.380,62 1.1 74077/001 SINAPI 1.2 85423 SINAPI 1.3 90778 SINAPI LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO ISOLAMENTO

Leia mais

GT Construção Industrializada Subgrupo Tributação. 28 de julho de 2016

GT Construção Industrializada Subgrupo Tributação. 28 de julho de 2016 GT Construção Industrializada Subgrupo Tributação 28 de julho de 2016 Objetivo Promover a isonomia tributária entre os Sistemas Construtivos Industrializados x Sistema Construtivo Convencional, demonstrando

Leia mais

VALORIZAÇÃO DOS PROJETOS, GERENCIAMENTO DOS PROJETOS E INDUSTRIALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL.

VALORIZAÇÃO DOS PROJETOS, GERENCIAMENTO DOS PROJETOS E INDUSTRIALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL. VALORIZAÇÃO DOS PROJETOS, GERENCIAMENTO DOS PROJETOS E INDUSTRIALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL São Paulo, 28 de setembro de 2017 Luiz Henrique Ceotto lhceotto@terra.com.br UM POUCO DE HISTÓRIA EVOLUÇÃO DAS

Leia mais

Relatório de Acompanhamento LIGIA DE PAULA. 01º Mês Gerado em 08/12/2015

Relatório de Acompanhamento LIGIA DE PAULA. 01º Mês Gerado em 08/12/2015 01º Mês Gerado em 08/12/2015 Acompanhamento de Serviços Mobilização: 8 Preliminares: 8 Fundações: Estrutura: Cobertura: Divisórias: Revestimentos: Mármores e granitos: Esquadrias: Pintura: Instalações:

Leia mais

Critérios de Medição e Levantamento de Quantitativo

Critérios de Medição e Levantamento de Quantitativo Senai Dendezeiros Área de Construção Civil Critérios de Medição e Levantamento de Quantitativo Unidade Curricular: Orçamento de Obras e Controle de Custos Aula 05 Emanuele Cristian Fer Critério de medição

Leia mais

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento Técnicas de construção Vedações Verticais Profa. Keila Bento Vedações verticais Definição UM SUBSISTEMA DOS EDIFÍCIOS CONSTITUÍDO PELOS ELEMENTOS QUE: DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS

Leia mais

Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS

Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS Orçamento parcial nº 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 m2 Corte de capoeira fina a foice 900,000 0,19 171,00 1.2 m2 Raspagem e limpeza manual de terreno 900,000 0,63 567,00

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: TÉCNICAS RETROSPECTIVAS CÓDIGO: TAU079 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: CARGA HORÁRIA: TEÓRICA: 45 horas PROFESSOR: Marco Antônio

Leia mais

Plano de Ensino Estabilidade das Construções

Plano de Ensino Estabilidade das Construções Rua Erechim, 860 Bairro Planalto CEP: 9880-000 - Panambi/RS Plano de Ensino Estabilidade das Construções IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA Propriedade: SENAI Área: 217 mil metros quadrados Jan/2015 Mai/2016 Set/2016 Mai/2016 Mai/2016

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC ADOLPHO BEREZIN MONGAGUÁ PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 107/03/2015 de 13/04/2015. Processo n 2965/2015 AVISO DE DEFERIMENTO E

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção 1

Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 2 Fundações: O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente de solo

Leia mais

Engenharia Civil. 1º A 1º sem 2017 Noturno. Central 1S/2017 (Matriz G5) HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA. 1ª Aula 19:00 20:40

Engenharia Civil. 1º A 1º sem 2017 Noturno. Central 1S/2017 (Matriz G5) HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA. 1ª Aula 19:00 20:40 Engenharia Civil Semestre: Semestre: Período: 1º A 1º sem 2017 Noturno Central 1S/2017 (Matriz G5) Cálculo Instrumental Geometria Analítica Química Aplicada à Engenharia Algoritmos Computacionais Metodologia

Leia mais

GARRAFAS PLÁSTICAS PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) FICHA CATALOGRÁFICA-20- DATA: JUNHO/2011.

GARRAFAS PLÁSTICAS PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) FICHA CATALOGRÁFICA-20- DATA: JUNHO/2011. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. GARRAFAS PLÁSTICAS PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) FICHA CATALOGRÁFICA-20- DATA: JUNHO/2011. Tecnologias,

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENG EDIFICAÇÕES I TRABALHO PRÁTICO /1 PROF. RUY ALBERTO CREMONINI

ESCOLA DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENG EDIFICAÇÕES I TRABALHO PRÁTICO /1 PROF. RUY ALBERTO CREMONINI 1. INTRODUÇÃO O trabalho tem como objetivo o acompanhamento da execução de uma obra de edifício de múltiplos pavimentos (mais de 04 pavimentos) com estrutura em concreto armado moldado no local e vedações

Leia mais

Aula2 Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais

Aula2 Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula2 Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais LOCAÇÃO DE OBRAS DE EDIFÍCIO NO INTRODUÇÃO Considerando-se que o movimento de terra necessário para implantação do edifício tenha sido realizado

Leia mais

VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA

VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA LOTE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO OBRA: CONSTRUÇÃO-BLOCO DIREITO PROPRIETÁRIO: FUNDAÇAO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE MINEIROS (FIMES) ENDEREÇO OBRA:RUA 22 ESQ.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

07/05/2017. Cuiabá/MT Maio

07/05/2017. Cuiabá/MT Maio Cuiabá/MT Maio - 2017 Alvenaria e um maciço constituído de pedras ou blocos, naturais ou artificiais, ligadas entre si de modo estável pela combinação de juntas e interposição de argamassa, ou somente

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO)

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) LOTE

Leia mais

ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS

ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS Realização 27 e 28 de Março de 2015 Este curso tem por objetivo tornar o aluno apto a elaborar orçamentos e calculo do custo de obras de: Edificações,Estruturas, Terraplanagem,

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 3.3 73942/002 Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões 1. SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 355,38 1.1 73801/001 DEMOLICAO DE PISO DE ALTA RESISTENCIA M² 8,25 R$ 17,84 R$ 22,30 R$ 183,98 1.2 LOCACAO CONVENCIONAL

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A Eng.Leonardo Braga Passos, Msc Sócio/Diretor PI-Engenharia e Consultoria Diretor Regional BH-ABECE (2015/2016) INTRODUÇÃO / OBJETIVO O Manual para Contratação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases 1º PERÍODO 1 02010-9 Introdução à Computação 4-2 06216-2 Leitura e produção de textos para

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município:Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

VANTAGENS DOS SISTEMAS CONSTRUTIVOS LIGHT STEEL FRAMING

VANTAGENS DOS SISTEMAS CONSTRUTIVOS LIGHT STEEL FRAMING Instituto de Educação Tecnológica (Ietec) Pós-graduação em Engenharia de Custos e Orçamentos 2017 VANTAGENS DOS SISTEMAS CONSTRUTIVOS LIGHT STEEL FRAMING Albert Loura Fábio Lambertucci Resumo Este artigo

Leia mais

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉ CNICAS (ABNT). EB 2305/NBR 13281, Argamassa industrializada para assentamento de paredes e revestimento de paredes e tetos. Rio de Janeiro,

Leia mais

"Riscos de Reforma em Prédios de Alvenaria Estrutural" Brasília 26 /11/ 2013 Eng. Civil Iberê Pinheiro de Oliveira

Riscos de Reforma em Prédios de Alvenaria Estrutural Brasília 26 /11/ 2013 Eng. Civil Iberê Pinheiro de Oliveira "Riscos de Reforma em Prédios de Alvenaria Estrutural" Brasília 26 /11/ 2013 Eng. Civil Iberê Pinheiro de Oliveira O que é? Alvenaria Estrutural DEFINIÇÃO: A alvenaria estrutural é o processo de construção

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO EXTERNA SIMPLIFICADA DE BOLSISTAS DO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E AO EMPREGO (PRONATEC)

PROCESSO DE SELEÇÃO EXTERNA SIMPLIFICADA DE BOLSISTAS DO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E AO EMPREGO (PRONATEC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROCESSO DE SELEÇÃO EXTERNA SIMPLIFICADA

Leia mais

Curso de Engenharia Civil Nome do Curso

Curso de Engenharia Civil Nome do Curso Curso de Engenharia Civil Nome do Curso CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR 1ª Fase Carga horária total: 396h Cálculo A 108 ------ Projeto Integrador I (PI 1) 36 ------ Geometria Analítica 54 ------

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ARQ330 Compatibilização entre Projetos

Programa Analítico de Disciplina ARQ330 Compatibilização entre Projetos 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Arquitetura e Urbanismo - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 2/2016

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 2/2016 Page 1 of 10 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 1,00 UN INSTALAÇÃO DA OBRA Valor de Referência: 612,55000 1 2,50 M2 PLACA DE OBRA 2,00 m x 1,25 m Valor de Referência: 245,02000

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: CONCRETO ARMADO I Código da Disciplina: ECV018 Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre de oferta da disciplina: 7 Faculdade responsável: Engenharia Civil Programa em vigência

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO I - SERVIÇOS INICIAIS CÓDIGO UN QTDE 1 CANTEIRO DE OBRAS 01.00.00.00 1.1 Construção do Canteiro 01.01.00.00 1.1.1 Ligação provisória de água e esgoto 01.01.00.10 un 1 425,19 425,19 425,19 1.1.2 Ligação

Leia mais

ANEXO II BIBLIOGRAFIA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES SUMÁRIO

ANEXO II BIBLIOGRAFIA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES SUMÁRIO ANEXO II BIBLIOGRAFIA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES SUMÁRIO 1 ÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO 2 1.1 SUBÁREA: ADEQUAÇÃO AMBIENTAL 2 1.2 SUBÁREA: FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO 2 1.3 SUBÁREA: PLANEJAMENTO

Leia mais

Serviços - Construção Civil

Serviços - Construção Civil Serviços - Construção Civil Belgo Pronto Mais que um serviço de corte e dobra de aço, Belgo Pronto é um conjunto de soluções em aço para a execução da etapa estrutural de obras de todos os portes com mais

Leia mais

Nome: Conteúdo: Contato (site/ ):

Nome: Conteúdo: Contato (site/ ): : Fichas de Materiais e Serviços - Portas, Forros e Telhados O livro oferece aos profissionais da construção civil uma ferramenta prática de trabalho para as etapas de projeto, especificação, construção,

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS DISCIPLINA: Estruturas de Madeiras Ementa: O uso da madeira. Caracterização do material. Sistemas estruturais para coberturas. Ações e segurança. Dimensionamento. Forças devidas ao vento em edificações.

Leia mais

40060 Lançamento e aplicação de concreto em estrutura m³ 9,000 22,66 203,94

40060 Lançamento e aplicação de concreto em estrutura m³ 9,000 22,66 203,94 Sintético Grupo: 9015 - Serviços Gerais 40000 Abrigo provisório de madeira executado na obra para m² 30,000 310,29 9.308,70 alojamento e depósito de materiais e ferramentas 40015 Instalação provisória

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Curso de Engenharia de Infra- Estrutura Aeronáutica

Curso de Engenharia de Infra- Estrutura Aeronáutica Curso de Engenharia de Infra- Estrutura Aeronáutica Prof. Flávio Mendes 2007 www.ita.br www.infra.ita.br Introdução Engenheiro de Infra-Estrutura Aeronáutica CREA Engenheiro Civil MEC Engenheiro Civil

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

ENG2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Prof. Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 05 06: Movimentação de Terra, Contenções e Canteiro 24/02/2015 FATORES QUE INFLUENCIAM O PROJETO DO MOVIMENTO DE TERRA Sondagem do terreno:

Leia mais

WORKSHOP Dar Futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA

WORKSHOP Dar Futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA WORKSHOP Dar Futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA ABRIL 2011 UNIVERSIDADE DE AVEIRO INOVADOMUS ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias para Habitações de Interesse Social Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias

Leia mais

PGRCC PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PGRCC PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PGRCC PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EMPREENDEDOR: FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ FUESPI EMPREENDIMENTO: RECONSTRUÇÃO DA ÁREA CENTRAL DA BIBLIOTECA TERESINA - PI 1. INFORMAÇÕES

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II Curso: Engenharia Civil Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA Construção Civil II Aula 01 Vedações verticais Alvenaria de vedação e Gesso acartonado Prof. Dr. Alberto Casado

Leia mais

Elementos de vedação e divisórios

Elementos de vedação e divisórios UNIV. FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV CIV601 - Técnicas Construtivas Elementos de vedação e divisórios Prof. Guilherme Brigolini CONCEITUAÇÃO vedação vertical: elementos que compartimentam

Leia mais

IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADOS DOS CUSTOS NAS OPÇÕES DE PROJETO

IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADOS DOS CUSTOS NAS OPÇÕES DE PROJETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA ARQUITETURA AUT. 0184 CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO 2 AULA DE 24 DE SETEMBRO DE 2007 IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADOS DOS

Leia mais

Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35

Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35 Planilha atualizada em 22/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Administração

Leia mais

SEGUNDO PERÍODO HORAS AULAS TERCEIRO PERÍODO

SEGUNDO PERÍODO HORAS AULAS TERCEIRO PERÍODO FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 11, de 11 de março de 2002) PRIMEIRO PERÍODO CÓDIGO DISCIPLINA CRÉDITO

Leia mais

Prof.ª Esp. Karen Wrobel Straub

Prof.ª Esp. Karen Wrobel Straub ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Prof.ª Esp. Karen Wrobel Straub Karen.straub@unemat.br

Leia mais

Construção Civil. Construção Civil

Construção Civil. Construção Civil Construção Civil Alunos: Construção Civil Ana Luiza Santin Teixeira André Luiz Mendes Edson Neto de Oliveira Santos Gabriel Teixeira Nascimento e Melo Lucas Mathaus de Araújo Campos Victor Antônio Carvalho

Leia mais

ANEXO VI-A DO EDITAL DE LICITAÇÃO POR RDC N.º 03/2017/AD (razão social da empresa licitante) (n.º do CNPJ)

ANEXO VI-A DO EDITAL DE LICITAÇÃO POR RDC N.º 03/2017/AD (razão social da empresa licitante) (n.º do CNPJ) ANEXO VI-A DO EDITAL DE LICITAÇÃO POR RDC N.º 03/2017/AD (razão social da empresa licitante) (n.º do CNPJ) MODELO DE PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA EXECUÇÃO DE OBRA POR EMPREITADA POR PREÇO UNITÁRIO OBRA:

Leia mais

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento índice Fases básicas da obra...3 Importância da estrutura...4 Mapa estrutural...5 Alvenaria...7 Cobertura...8 Acabamento...9 Como escolher o cimento...10 Portfólio...12 Dicas...14 Uma obra passa por dezenas

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA - CUSTO DIRETO

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA - CUSTO DIRETO DATA : 03/10/2016 : 27,12% 1 Administração 49.874,09 59.184,80 2.092,01 30.192,02 141.342,92 1.1 73847/002 ALUGUEL CONTAINER/ESCRIT/WC C/1 VASO/1 LAV/1 MIC/4 CHUV LARG=2,20M COMPR=6,20M ALT=2,50M CHAPA

Leia mais

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Alvenaria de Vedação Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Considerações Gerais Alvenaria, pelo dicionário da língua portuguesa, é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta

Leia mais

DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP

DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP Arquiteta e Urbanista formada pela PUC PR, com especialização em Gerenciamento de Obras pela UFTPR e cursando Gestão Estratégica na UFPR. Possui certificação PMP Atua no mercado

Leia mais

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa.

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. Para melhorar a fluidez da argamassa o pedreiro adiciona água, o que modifica todas

Leia mais

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86 CAP.VI FASES DE UM PROJECTO 1/86 1. FASES DO PROJECTO 2/86 FASES CONCURSO ADJUDICAÇÃO CONCEPÇÃO / PROJECTO CONSTRUÇÃO CONCURSO ADJUDICAÇÃO EXPLORAÇÃO E MANUTENÇÃO VIDA ÚTIL 3/86 CONCEPÇÃO INICIAL DEFINIÇÃO

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO INDUSTRIALIZAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS E TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS

INDUSTRIALIZAÇÃO INDUSTRIALIZAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS E TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS INDUSTRIALIZAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS E TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS INDUSTRIALIZAÇÃO CONCEITOS É um método produtivo baseado na mecanização e num processo organizado de caráter repetitivo que requer continuidade.

Leia mais

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Realização: 2014 Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Luiz Antonio Nascimento Maria Diretor da Método Engenharia Caracteristicas

Leia mais

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2015 01 RESUMO DA SITUAÇÃO 01 Ampliação do Aeroporto 01 Planta de Situação Ampliação do Edifício Garagem

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO VALOR (R$) ÍTEM DESCRIÇÃO

SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO VALOR (R$) ÍTEM DESCRIÇÃO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO OBRA: FÓRUM TRABALHISTA DE UMUARAMA ENDEREÇO: Avenida Rio Branco, 3.700 - Centro Cívico

Leia mais

1.4. Sistemas estruturais em madeira

1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4.1. Análise estrutural Estuda as estruturas se preocupando basicamente com a determinação dos esforços e das deformações a que elas estão submetidas quando solicitadas

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL JÚLIO LUIS VANSETTO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH

1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH 1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH Fundações São elementos estruturais destinados a suportar toda a carga de pressão proveniente dos carregamentos de esforços oriundos do peso próprio

Leia mais

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA O Template MCMV O Template MCMV Minha Casa Minha Vida tem como objetivo fornecer um arquivo BIM (Building Information Modeling) com Famílias e Famílias de Sistemas adaptados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR DISCIPLINA: Estruturas de Aço Ementa: Introdução às estruturas de aço. Aços estruturais e produtos de aço. Segurança nas estruturas de aço. Dimensionamento de barras de perfis laminados e soldados. Dimensionamento

Leia mais

I - Prova BA Turmas do 2º Semestre: Avaliação sobre conteúdos do 1º Semestre AM2AU, BM2AU, CM2AU, AT2AU, AN2AU e BN2AU

I - Prova BA Turmas do 2º Semestre: Avaliação sobre conteúdos do 1º Semestre AM2AU, BM2AU, CM2AU, AT2AU, AN2AU e BN2AU PROVA BA 2º SEMESTRE AU I - Prova BA Turmas do 2º Semestre: Avaliação sobre conteúdos do 1º Semestre AM2AU, BM2AU, CM2AU, AT2AU, AN2AU e BN2AU Projeto de Arquitetura e Urbanismo I 1. Espaço Público e Espaço

Leia mais

ABCIC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO SEMINÁRIO REGIONAL ABCIC BELO HORIZONTE

ABCIC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO SEMINÁRIO REGIONAL ABCIC BELO HORIZONTE ABCIC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO SEMINÁRIO REGIONAL ABCIC BELO HORIZONTE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO: DESEMPENHO E SUSTENTABILIDADE BELO HORIZONTE, 23 DE

Leia mais

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/ Base PLEO

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/ Base PLEO Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA - 18/10/2013 - Base Item 1. INSTALAÇÃO OBRA / SERVIÇO 1.1. 1500008 LOCAÇÃO DE REDE COM NIVELAMENTO 4.420 m 5,25 23.205,00 1.2. 1500115 SINALIZAÇÃO E PROTEÇÃO DIURNA E/OU

Leia mais

VII SEMANA PENSANDO EM ARGAMASSA

VII SEMANA PENSANDO EM ARGAMASSA VII SEMANA PENSANDO EM ARGAMASSA SISTEMAS DE REVESTIMENTO DE ARGAMASSAS PROVOCAÇÕES PARA A QUALIFICAÇÃO Eng. Cláudio Ribeiro Calasans oas empreendimentos s.a. Realização: CETA Centro Tecnológico da Argamassa

Leia mais

FÔRMAS PARA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

FÔRMAS PARA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA FÔRMAS PARA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO LOTE 1 Versão: 004 Vigência: 12/2015 Última atualização:

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO OBRAS CIVIS DA LINHA 4 GCC/CEC

SISTEMA DE MEDIÇÃO OBRAS CIVIS DA LINHA 4 GCC/CEC SISTEMA DE MEDIÇÃO DAS OBRAS CIVIS DA LINHA 4 O que é o Sistema de Medição da Linha 4? São as regras estabelecidas pelo Metrô para a medição e o pagamento das obras civis, de acordo com o modelo de contratação

Leia mais

EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO EM EDIFICAÇÕES DE ALVENARIA ESTRUTURAL ENGENHEIROS FERNANDO LUCAS MATEUS SOUZA RODRIGO DE MORAES FARIAS

EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO EM EDIFICAÇÕES DE ALVENARIA ESTRUTURAL ENGENHEIROS FERNANDO LUCAS MATEUS SOUZA RODRIGO DE MORAES FARIAS EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO EM EDIFICAÇÕES DE ALVENARIA ESTRUTURAL ENGENHEIROS FERNANDO LUCAS MATEUS SOUZA RODRIGO DE MORAES FARIAS 25 de setembro de 2009 OBRA CITTÀ LAURO DE FREITAS Perspectiva da entrada

Leia mais

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor.

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 23 Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 4.1.10. Cobertura Após a cura da laje, foi executada a torre da caixa d água e a cobertura. A madeira utilizada para a estrutura da

Leia mais

MÉTODO QUANTITATIVO COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS (CPU) Professores : Leonardo Miranda e Barbara V. Bôas

MÉTODO QUANTITATIVO COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS (CPU) Professores : Leonardo Miranda e Barbara V. Bôas MÉTODO QUANTITATIVO COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS (CPU) Professores : Leonardo Miranda e Barbara V. Bôas 1 CPU : COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO 2 Lista de todos os insumos que entram na execução do serviço,

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELING. Eng. Paulo Sanchez

BIM BUILDING INFORMATION MODELING. Eng. Paulo Sanchez BIM BUILDING INFORMATION MODELING Eng. Paulo Sanchez CBIC - Responsável Desenvolvimento BIM V.P. Tecnologia e Qualidade SINDUSCON SP Diretor de Engenharia Sinco Engenharia 30 Anos no mercado da construção

Leia mais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais LAJES PRÉ-MOLDADAS Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni GRADUAÇÃO Florestal AULA 10 Aula 10b Lajes pré-moldadas 1 1. Definições São estruturas de concreto armado ou mistas,

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais