DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1"

Transcrição

1 DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 Tiago Ribeiro Sapia 2 Resumo: Este artigo apresenta a estrutura básica dos distribuidores de telefonia fixa comutada, desde 1. INTRODUÇÃO sua origem até o assinante comum. Os distribuidores de telefonia é parte do sistema que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede é formada em sua maior parte por cabos de pares metálicos que originamse da CCC(central de controle e comutação) ou de um CL(central local) e ramificam-se através de distribuidores até chegar ao assinante. Existem vários tipos, modelos e categorias de distribuidores, neste artigo, faz-se a exposição destes distribuidores. Primeiramente começaremos com o principio básico da estrutura de distribuição telefônica, e a cada etapa da rede expor os componentes que atuam para a organização, e correta funcionalidade do sistema telefônico até o assinante. 2. SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO TELEFONICO Basicamente a rede de assinantes está distribuída da seguinte forma: fig.1-rede de Assinante Os blocos de distribuição entre os equipamentos de comutação até o DG são geralmente posicionados na horizontal,(fig.2), nesses blocos de distribuição onde estão disponibilizados 64 terminais telefônicos. Os terminais telefônicos estão conectados na parte posterior dos blocos, através de cabos que vão diretamente para a central telefônica. Os terminais telefônicos estão dispostos numa matriz de 4 terminais em cada uma das 16 colunas de conectores. Cada terminal utiliza um par de pinos (fio a e fio b), dispostos seqüencialmente na linha vertical. A conexão com a coluna vertical do DG (cabo da rede externa) dá-se pela parte frontal, através do fio jumper branco&preto e obedece ao padrão: na posição a é conectado o fio branco e na posição b é conectado o fio preto. A conexão exige o emprego de ferramenta adequada para o 1 Este artigo faz parte da complementação do programa de aprendizado da disciplina Comutação da 7fase do curso de Engenharia de Telecomunicações da UnC - Canoinhas, ministrada pelo professor Edmundo Edmundo Zuchowski Filho, no primeiro semestre de Acadêmico do curso de Engenharia em Telecomunicações -

2 enrolamento do fio no pino, garantindo um excelente contato, firme e sem possibilidades de produzir contatos com os pinos adjacentes. Logo acima da linha dos blocos, podemos identificar a passagem de fios jumpers lançados sobre uma bandeja suporte de cerca de 40cm de profundidade. O fio jumper percorre esta bandeja até encontrar a fila vertical onde está distribuído a contagem do cabo onde será conectado o terminal telefônico.os terminais estão ordenados de cima para baixo e da esquerda para a direita. Assim, os primeiros 4 terminais estão na primeira coluna (mais à esquerda), na seqüência de cima para baixo. O 5 terminal está no primeiro par de pinos da 2 coluna e assim por diante. Fig.2- Bloco Horizontal do DG Logo após o DG horizontal, a rede segue até os distribuidores Verticais, os cabos telefônicos estão conectados na parte posterior dos blocos, através de cabos que vão diretamente para a galeria de cabos, até o cabeçote de emendas. Os blocos verticais estão distribuídos em colunas verticais, geralmente de 800 pares (8 blocos de 100 pares) e estão situados no lado oposto aos blocos horizontais. Podemos identificar os módulos de proteção contra sobre-correntes e sobre-tensões, de cor preta, alinhados em grupos de 5 componentes na horizontal, por 20 linhas verticais (100 módulos para 100 pares). Cada módulo de proteção está associado a um par do cabo telefônico, que está distribuído logo à direita, em conjuntos de 5 pares de pinos numerados seqüencialmente. A seqüência da numeração vai da esquerda para a direita e de cima para baixo. Na primeira linha temos o par 1 e 2 (fios a e b). Na segunda linha temos os pares 3 e 4. Na terceira linha temos somente o par 5. O primeiro pino do par (à esquerda), corresponde ao fio a e deve ser conectado ao fio branco do jumper. O segundo pino do par (à direita), é o fio b e deve ser conectado ao fio preto. Na parte superior do blocos, temos os contatos dos 50 primeiros pares terminados no bloco. Os outros 2

3 50 pares estão disponibilizados na parte inferior do mesmo bloco. Estes contatos servem para testes das linhas/pares telefônicos, sem a necessidade de intervenção no circuito, ou seja, sem interrupções causadas pela remoção do módulo de proteção ou do fio jumper. À direita da linha vertical dos blocos, observamos a passagem dos fios jumper's que vão se interligar com os blocos horizontais, montados na parte posterior da estrutura do DG. Fig 4 Rede distribuição 2.1Cabo primário (alimentador) é o trecho da rede que interliga o DG ao armário de distribuição. É um cabo de alta capacidade (> 200 pares) instalado em caixas e dutos subterrâneos(fig.5). Este trecho da rede é também chamado de rede primária. Fig3 -Bloco Vertical do DG Após a passagem pelo DG Vertical, os pares seguem agora pela rede de acesso que permite a ligação física dos telefones às centrais de comutação. Essa é composta pela rede primária, rede secundária, fio-dropp, rede interna(fig.4). Fig.5- Dutos de distribuição Subterrânea 2.2 Cabo secundário (distribuidor) é o trecho da rede que interliga o armário de distribuição às caixas terminais. É um cabo de baixa capacidade (200 pares), 3

4 usado em instalações aéreas. Este trecho é denominado de rede secundária. Estes cabos seguem geralmente por subterrâneo até os armários de distribuição onde termina a rede de cabos e são conectados os pares de cada assinante. Dentro da caixa são instalados blocos de conexão(blocos de engate rápido-ber). Existem caixas para instalação externa e caixas para instalação interna,com seus respectivos blocos. Têm capacidade de receber até 600 pares do cabo primário proveniente do DG. Estes pares estão distribuídos nos blocos localizados na região central do armário, em quatro colunas de 150 pares cada. Cada coluna é formada por 15 blocos de conectores, com 10 pares em cada, numerados da esquerda para a direita e de cima para baixo. Nos 10 primeiros blocos (região superior) e os 10 últimos (região inferior) de cada coluna, estão distribuídos os pares dos cabos secundários. Os cabos secundários são geralmente em número de 4 e com capacidade de 200 pares cada. Eles levam o acesso até os endereços dos clientes. Os armários tem a mesma função do DG, pois permitem distribuir até 600 terminais telefônicos em qualquer ponto da área que ele atende. Fig.6 Armario de distribuição Do Armário de Distribuição, segue até as Caixas de Emendas Ventiladas (CEV) são responsáveis pela distribuição do acesso das linhas telefônicas até os endereços dos assinantes. As conexões aéreas entre a rede interna do assinante e o cabo de distribuição das operadoras, são possíveis através de caixas de emendas, com capacidade para 10 ou 20 terminais telefônicos. Na fig.7 temos a caixa de número 19, atendida pelo secundário ZJD03, com uma capacidade de 20 terminais - pares de 822 a 841. fig 7- Caixas de Emendas Ventiladas (CEV) 4

5 Dentro da caixa de emendas, o cabo tem sua capa de proteção externa removida, para que se possa acessar os pares e proceder à distribuição deles na caixa. Vale ressaltar que, geralmente, o cabo é de 100 a 200 pares, mas apenas 10 ou 20 pares ficam distribuídos por caixa. Em seguida segue para o Caixas de Terminais de Acesso Rápido (TAR) onde termina a rede de cabos e são conectados os pares de cada assinante. Dentro da caixa são instalados blocos de conexão. Existem caixas para instalação externa e caixas para instalação interna,(fig.8 e 9) com seus respectivos blocos.são empregadas caixas específicas, onde estão disponibilizadas apenas as conexões para os terminais por ela atendidos. Não existe acesso por parte do instalador/reparador aos conectores internos de emendas. Fig.9 Terminais interno ponto de Terminação de Rede (PTR) O limite da rede de responsabilidade da operadora está localizado no PTR, ou ponto de Terminação de Rede. A partir deste ponto, a rede passa a ser de responsabilidade do assinante e é denominada de Rede Interna. O fio FE proveniente da caixa de emendas é conectado em um bloco terminal de conexão. Os tipos mais comuns são o XT2 (no poste da esquerda na foto), que é mais antigo, e o BLE (no poste da direita na foto), que é mais moderno e mais resistente a oxidação da emenda. Fig. 8 TAR externo Fig10- Ponto de terminação de rede(ptr) 5

6 3.CONCLUSÃO Neste artigo procurou se apresentar um pouco da infra-estrutura de distribuição telefônica. Conceitos importantes como à arquitetura, os elementos que compõe a rede de telefonia e as características dos componentes desde o DG geral até o assinante final, juntamente expondo todos os dispositivos de interligação que fazem parte deste sistema de telecomunicações. 3. GLOSSÁRIO BLA-50 (Bloco de Ligação em Armário com 50 pares) - utilizado nos armários de distribuição da rede externa, fazendo a interligação entre os cabos primário e secundário. A conexão é do tipo wire wrap e possui capacidade de 50 pares, numerados de cima para baixo e da esquerda para a direita de 1 a 50. BLE- 2 Bloco utilizado nas ligações das linhas telefônicas em posteação de residências ou diretamente na fachada, objetivando a conexão entre o fio drop e o fio proveniente da rede interna do assinante. Bloco de Ligações Interno-(BLI) Estrutura usada em cabeamento telefônico para promover a conexão da rede interna. BLI-10 (Bloco de Ligação Interna - 10 pares) - bloco de ligação que permite a distribuição de até 10 pares de fio por bloco, sendo que em cada lado do bloco podem ser distribuídos os pares. Usado para distribuição de cabos telefônicos em redes internas, é modular de 10 em 10 pares e a conexão dos condutores aos terminais é do tipo wire wrap, realizado através de ferramenta enroladora/ desenroladora de BLI. BLI-2 (Bloco de Ligação Interna com 2 pares) - usado para efetuar as ligações das linhas telefônicas dentro de residências, tendo por função conectar o fio drop e o fio interno sem necessidade de emenda. BLINDAGEM Elemento que, em cabos de telecomunicações, efetua a proteção do núcleo, face às influências elétricas externas, ou separa parte do mesmo. Bloco BLI É um tipo de bloco instalado no DG (Distribuidor Geral) para prover a interconexão entre os ramais do PABX e a rede interna de telefonia ou a interconexão entre as linhas analógicas providas pela Operadora de Telefonia fixa e os 6

7 troncos analógicos do PABX. A conexão é feita através de "wire-wrap", através de ferramenta específica (chave wire-wrap). BLOCO CONECTOR Recebe o FE proveniente da rede secundária e faz conexão com a rede interna do assinante. Bloco de Emgate Rápido (BER). BER-10 (Bloco de Engate Rápido com 10 pares) - também conhecido como M- 10-B, usa a tecnologia IDC, o qual não necessita retirar a capa isolante do condutor para conexão, este tipo de bloco vem sendo largamente aplicado nas instalações de redes telefônicas, tanto externa como internas. Possui uma ferramenta especial denominada Inserção e corte, o qual insere o condutor no contato e corta o excesso de fio. Há 3 tipos de blocos: de corte, aberto e de continuidade. Todos permitem a utilização de condutores nas bitolas de 0,40 a 0,65 mm. Caixa de Passagem (CP) Caixa destinada a facilitar o enfiamento de cabos. Dispositivo de Derivação (DD) Dispositivo acessório que permite a individualização dos condutores com vista a uma fácil ligação de cabos telefónicos. Dispositivo Terminal (DT) Dispositivo que permite a ligação do equipamento terminal de assinante (estabelece normalmente a fronteira entre a rede individual de cabos e o equipamento terminal de assinante). Entrada de Cabos (CME) Tubo(s) ou conduta(s) que permite(m) a passagem do(s) cabo(s) de entrada. Equipamento Terminal de Assinante (ETA) Equipamento localizado na extremidade dos circuitos destinado enviar ou receber directamente informações ou comunicações. Instalação Privada (IPriv) Instalação de telecomunicações para uso exclusivo de um assinante, sem ligação ao equipamento de comutação da central pública. Ponto de Distribuição (PD) Ponto de separação entre a rede de distribuição pública (RD) e a rede intermédia (RInt) ou a rede de cabos de edifícios, quando exista a rede intermédia. Ponto Terminal (PT) Extremo da instalação individual de assinante onde se prevê a ligação de qualquer equipamento de 7

8 telecomunicações, utilizando um par físico. Rede de Cabos (RC) Conjunto de cabos de telecomunicações e dispositivos acessórios (de ligação e distribuição, e terminais) interligados. Rede Colectiva de Cabos (RCC) Rede de cabos destinada a servir vários assinantes. É limitada a montante pelo cabo de entrada (a que liga o RGE ou BPA) exclusivé e a jusante pelo primeiro dispositivo de derivação para uso exclusivo de cada assinante, exclusivé. Rede Colectiva de Tubagens (RCT) Rede de tubagens destinada a servir vários assinantes. É limitada a montante, pela entrada de cabos, inclusivé e a jusante pela primeira caixa (de blocos) para uso exclusivo de cada assinante, exclusivé. Rede de Distribuição Pública (RD) Conjunto de cabos servindo vários assinantes que estabelece a ligação entre o equipamento de assinante da central pública ou equivalente e o ponto de distribuição (normalmente o repartidor geral de edifício ou o bloco privativo de assinante). Rede Individual de Cabos (RIC) Rede de cabos destinada a servir um só assinante. É limitada a montante pelo primeiro dispositivo de derivação de uso exclusivo do assinante e a jusante pelo dispositivo ou dispositivos terminais (DT). Tomada Telefónica (T) Dispositivo terminal que permite a ligação do telefone simples à instalação individual de assinante. 4. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Wikipedia, Rede de Telefônia, Disponível em: < > Acessado em: 15/06/2006. MEDOE, Pedro A.; Curso Básico de Telefonia ; São Paulo, ed. Saber, maio Mário Jorge Leitão, Luís Corte-Real, Artur Moura, "Guia de Estudo de Telecomunicações 1 (Ramos de APEL e Energia)", Publicação Didáctica, FEUP.(e-book) FAGUNDES, Francisco Mayer. Redes Telefônicas Disponível: Acesso em 02/04/2006. FAGUNDES, Francisco Mayer. Redes Telefônicas (6a edição Jan/02) Disponível: Acesso em 02/04/

9 FÓRUM de noticias, (vários autores)- Fotos de malha Telefonica Disponível: pview.asp?topicid=243005&pageno=1 &num=20 9

Bloco BLI. Bloco BLI. Os equipamentos

Bloco BLI. Bloco BLI. Os equipamentos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ Componente Curricular: Cabeamento Professor: Ramon Mayor Martins Aluno: João Pedro Menegali Salvan Bitencourt; Turma:

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD ANEXO 5 Contrato de Fornecimento de Serviços de Exploração Industrial de Linhas Dedicadas EILD entre a BRASIL e a OPERADORA INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD Página 1 de 7

Leia mais

COOK. COOK ENERGIA E TELECOMUNICAÇÕES Tel: (55) 21 2609-4196, 9387-1021 e-mail cook@cookenergia.com site: www.cookenergia.com

COOK. COOK ENERGIA E TELECOMUNICAÇÕES Tel: (55) 21 2609-4196, 9387-1021 e-mail cook@cookenergia.com site: www.cookenergia.com ARMARIOS DE DISTRIBUIÇÃO TIPO ARDAL: Possibilita a interconexão de pares dos cabos telefônicos nas transições das redes alimentadoras (primárias) para as redes distribuidoras (secundárias). Constituído

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Manual ITED 2.ª Edição Direcção de Fiscalização Julho de 2010 Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem

Leia mais

Rede Externa Telefonia Fixa

Rede Externa Telefonia Fixa 1 Aluno(a):......Turma:... Rede Externa Telefonia Fixa 2 REDES TELEFÔNICAS ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Subdivisão e Componentes da Rede Externa...4 3) Tipos de Redes Externas...6 4) Projeto de Rede Telefônica

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

BLOCO BDT 120 PINOS. Descrição: Bloco de Distribuição BDT.

BLOCO BDT 120 PINOS. Descrição: Bloco de Distribuição BDT. BLOCO BDT 36 PINOS BLOCO BDT 100 PINOS BLOCO BDT 120 PINOS Descrição: Bloco de Distribuição BDT. Dados Técnicos: Bloco de 36, 72, 100, 120 e 150 pinos, podendo ser produzido em outras configurações, utilizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Direcção de Fiscalização Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem Pontos de fronteira Ligações de

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

Bancada de PABX e Telefonia - XT501 -

Bancada de PABX e Telefonia - XT501 - T e c n o l o g i a Bancada de PABX e Telefonia - XT501 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. AUTOMAÇÃO PREDIAL Bancada de PABX e Telefonia - XT501 -

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Roteiro para Instalação de Redes de Terminais RS-485

Roteiro para Instalação de Redes de Terminais RS-485 Roteiro para Instalação de Redes de Terminais RS-485 As recomendações a seguir visam auxiliá-lo a ter um processo de implantação dos produtos mais confiável e seguro. Outras formas de ligação comprometem

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos BTDG O bloco BTDG é um produto destinado à aplicação em distribuidores gerais, com possibilidade de proteção elétrica contra sobretensão e sobrecorrente. Ele permite a conexão de condutores

Leia mais

Maxcom do Brasil Conforto + Segurança + Economia para Condomínios

Maxcom do Brasil Conforto + Segurança + Economia para Condomínios COMUNIC LIGHT - guia de instalação - 29.04.05-1 COMUNIC LIGHT e COMUNIC LIGHT Plus 8 a 40 GUIA DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMUNIC LIGHT e COMUNIC LIGHT Plus 8 a 40 INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO ÍNDICE Características

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

CATALOGO DE PRODUTOS JAP TELECOM. Rua Nelson Custódio, 200 Distrito Industrial Américo Pieri Pedreira SP CEP: 13920-000 C.P.: 57

CATALOGO DE PRODUTOS JAP TELECOM. Rua Nelson Custódio, 200 Distrito Industrial Américo Pieri Pedreira SP CEP: 13920-000 C.P.: 57 CATALOGO DE PRODUTOS JAP TELECOM Rua Nelson Custódio, 200 Distrito Industrial Américo Pieri Pedreira SP CEP: 13920-000 C.P.: 57 Tel: 55 (19) 3852-4787 vendas@japtelecom.com.br www.japtelecom.com.br A J.A.P.

Leia mais

Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado

Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado Criação de SCE para integração entre diversos sistemas: dados, voz, imagem Linhas telefônicas transportam dados, voz e imagem em altas velocidades Redes de

Leia mais

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm.

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm. Moradia unifamiliar REDES DE TUBAGENS REDE INDIVIDUAL 1 Tubo 25 mm da CEMU (Caixa de Entrada da Moradia Unifamiliar) até ao ATI (Armário de Telecomunicações Individual), para passagem dos cabos de pares

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Cabeamento estruturado. Norma Padrão 568B e 569A

Cabeamento estruturado. Norma Padrão 568B e 569A Cabeamento estruturado Norma Padrão 568B e 569A Cabeamento Estruturado O padrão 568B O objetivo desta norma é: especificar um sistema de cabeamento genérico para edificios comerciais que suporte um ambiente

Leia mais

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS MANUAL ITED 1ª edição revista - Dezembro 2003 - ANEXO 6 1 ITED INFRA-ESTRUTURAS DE TELEUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS FICHA TÉCNICA PROJECTO N.º LOCALIZAÇÃO DA OBRA CONCELHO MORADA FREGUESIA

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO

INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO ELETROCALHAS A instalação das eletrocalhas em uma infra-estrutura para suportar os cabos lógicos e elétricos devem seguir algumas normas para que não

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO RUA JOÃO POLITI, 1589 ITAJUBÁ MG BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA Responsável Técnico: Airton Leandro Seidel 1 INDICE GERAL DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO DO PROJETO 03 2. ESCOPO

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 LISTA DE PRODUTOS DE PRODUTOS LISTA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 Ativos / Wireless ADSL Modem; Conversores de Mídia; Firewall; Hub s; KVM (2 / 4 / 8 e 16 Portas); Modem Externo; Placas de Rede

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Índices de proteção (IP) 1. IP XX grau de proteção dos invólucros de equipamentos elétricos segundo as normas EN 60529, IEC 60529 1º algarismo: proteção contra corpos sólidos IP 2º algarismo: proteção

Leia mais

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Agosto 2001 Presidente do SINDUSCON-MG Teodomiro Diniz Camargos Vice-Presidente da Área de Materiais de Tecnologia Cantídio Alvim Drumond Coordenação

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4 CERTIFICADO DE GARANTIA Este produto é garantido pela Amelco S.A. Indústria Eletrônica dentro das seguintes condições: 1- Fica garantida, por um período de 1 (hum) ano a contar da data de emissão da nota

Leia mais

SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS MEDIDAS RPM 2500. ÁREA ATÉ 5m² * TEMPORIZADOR (PROGRAMÁVEL PARA 2 MIN; 5 MIN OU 10 MIN.

SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS MEDIDAS RPM 2500. ÁREA ATÉ 5m² * TEMPORIZADOR (PROGRAMÁVEL PARA 2 MIN; 5 MIN OU 10 MIN. SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS Ø MM 100mm RPM 2500 POTENCIA 15W VAZÃO 90 m³/h PRESSÃO 3,5 mmca RUIDO (db) 41 db ÁREA ATÉ 5m² 15 x 15 x 7.7 cm ACABAMENTO PLÁSTICO BRANCO OPCIONAIS * TEMPORIZADOR

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV

Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV Conectores de derivação distribuição de sinais e energia PRV e PPV da Weidmüller, equipados com tecnologia de conexão "PUSH N". Os inovadores

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

O Transformador. Outro tipo de transformador encontrado em alguns circuitos é o Toroidal, conforme imagem.

O Transformador. Outro tipo de transformador encontrado em alguns circuitos é o Toroidal, conforme imagem. O Transformador No geral, na maioria das fontes lineares ou analógicas, a primeira etapa (bloco) é composta por um componente básico chamado transformador. O que são os transformadores? Trata-se de um

Leia mais

Prisma Plus Sistema G

Prisma Plus Sistema G Distribuição elétrica baixa tensão Prisma Plus Sistema G Quadros e armários para montagem na parede ou no piso, até 630 A Prisma Plus: uma oferta pensada para maior profissionalismo Quadros e armários

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético

O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético para as fachadas das edificações e redução de custos,

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD 2 Manual de Instalação DIO HDMOD Manual de Instalação DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Sistema Modelix-G (Modelix-Grafix)

Sistema Modelix-G (Modelix-Grafix) Sistema Modelix-G (Modelix-Grafix) 1) Introdução 1 2) Utilizando o Sistema Modelix-G impresso (paper) 1 3) Utilizando o Sistema Modelix-G com software 4 4) Divulgando seus projetos e idéias 7 1) Introdução

Leia mais

"TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS "TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS I - OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em serviços de Infraestrutura com manutenção corretiva, manutenção preventiva, instalações, desinstalações,

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 3. CONDIÇÕES BÁSICAS PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS... 4 3.1. INFRAESTRUTURA INTERNA RECOMENDAÇÕES:... 4 3.2. CONDIÇÕES

Leia mais

Luminárias LED Lumination (Série BL Opção de Fileira Contínua)

Luminárias LED Lumination (Série BL Opção de Fileira Contínua) GE Lighting Guia de Instalação Luminárias LED Lumination (Série BL Opção de Fileira Contínua) ANTES DE INICIAR Leia cuidadosamente estas instruções. AVISO RISCO DE CHOQUE ELÉTRICO Desligue a energia antes

Leia mais

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS Este relatório se baseia nos registros fotográficos e na aplicação dos formulários do

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 3 3. CABEAMENTO ESTRUTURADO-PARTE 1 Os primeiros projetos de cabeamento estruturado foram desenvolvidos para sistemas telefônicos comerciais,

Leia mais

Manual de Montagem e Manutenção de Cancelas PPA. Cancela com acionamento mecânico por sistema biela Modelo Rekta

Manual de Montagem e Manutenção de Cancelas PPA. Cancela com acionamento mecânico por sistema biela Modelo Rekta Manual de Montagem e Manutenção de Cancelas PPA Cancela com acionamento mecânico por sistema biela Modelo Rekta 1.1- Motor e Redutor Peça única conjugada conforme ilustra a Figura a seguir. MOTOR ½ HP

Leia mais

Padronização. Rua Lourenço Pinto, 299 - Curitiba Paraná Brasil CEP 80010-160

Padronização. Rua Lourenço Pinto, 299 - Curitiba Paraná Brasil CEP 80010-160 Padronização O presente documento tem o intuito de definir a padronização utilizada para a infra-estrutura de rede de dados e voz, em sites da GVT. Deverá ser usado como base para execução dos projetos

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 - Porto Alegre (RS) PROPRIETÁRIO: EPHAC TENSÃO PRIMÁRIA DE ABASTECIMENTO:

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

4 - ATERRAMENTO... 32 4.1 - SISTEMA DE ATERRAMENTO... 32 4.2 - CONSTRUÇÃO DA MALHA DE TERRA... 32

4 - ATERRAMENTO... 32 4.1 - SISTEMA DE ATERRAMENTO... 32 4.2 - CONSTRUÇÃO DA MALHA DE TERRA... 32 Manual de Procedimentos de Rede Interna de Telecomunicações Rede Estruturada ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 - OBJETIVO... 3 1.2 - CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 1.3 - REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 3 1.4 - DEFINIÇÕES

Leia mais