CADERNO DE ENCARGOS CLAUSULAS TECNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE ENCARGOS CLAUSULAS TECNICAS"

Transcrição

1 CADERNO DE ENCARGOS CLAUSULAS TECNICAS

2 INDICE 1. Equipamentos e materiais 1.1 Tubagem 1.2 Caixas 1.3 Condutores 1.4 Cabos 1.5 Aparelhagem 1.6 Iluminação 1.7 Quadros eléctricos Equipamento quadros eléctricos Certificado de conformidade 1.8 Sistema Automático de Detecção de Incêndios ( SADI ) 1.9 Instalações ITED 1.10 Rede estruturada de telecomunicações 2. Ensaios finais 2

3 CADERNO DE ENCARGOS - CLAUSULAS TECNICAS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS 1. Equipamentos e materiais 1.1 Tubagem Na instalação do tipo embebido, executada em condutores V, usar-se-ão tubos do tipo VD, VM, VRM ou ERM (NP-1070). Na instalação do tipo à vista, executada em condutores V ou VV usar-se-ão tubos do tipo VD fixos por braçadeiras do tipo extensível de aperto por parafuso. O diâmetro das tubagens serão os proscritos pelos regulamentos em vigor para as secções correspondentes dos condutores, devendo no entanto ser utilizado como secção mínima 16mm2. Nas instalações em que a tubagem tenha de ser instalada oculta - couretes, tectos falsos incombustíveis, etc. - deverá essa tubagem ser convenientemente fixada por meio de braçadeiras e será do tipo VD. Quando a tubagem por conveniência da obra tiver de ser embebida durante a betonagem em construção com estrutura laminar, deverá ser utilizado tubo do tipo VRM ou ERM. Esta tubagem deverá ser incombustível se algum troço tiver de ser instalado à vista ou directamente nos espaços ocos das construções. As curvas dos tubos serão feitas empregando molas próprias para o efeito, de modo a não se produzir o amolgamento do mesmo. Nas juntas das tubagens entre si e destas com bucins, serão utilizados acessórios próprios, obedecendo aos códigos anteriores, os quais serão devidamente colados, utilizando-se para isso cola especial, de modo a assegurar a estanquecidade e uma boa resistência mecânica. Esta cola deve ser resistente à água, ácidos ou bases. Todas as tubagens deverão ser dispostas de forma a que os enfiamentos se possam executar facilmente, sem se recorrer a esforços de tracção e evitando troços rebaixados onde se possa acumular água de condensação. Nos locais em que seja necessário proceder à abertura de troços, deverá ser feito inicialmente o traçado das tubagens e a posição relativa de todas as caixas, antes de se proceder a esse trabalho. Só depois do traçado ter sido aprovado pela Fiscalização, é que se poderá dar inicio à abertura de roços. O fecho só poderá efectuar-se depois da autorização da Fiscalização. Os roços serão atacados com argamassa de cimento forte, e quando correrem vários tubos no mesmo roço, as tubagens devem ficar ligeiramente afastadas para que a argamassa, penetrando pelos intervalos, possa aderir ao fundo do roço. Não são permitidos roços oblíquos, devendo seguir na horizontal e as baixadas aos interruptores, comutadores, tomadas, etc. descerem nas prumadas respectivas. Deverá ser previsto o emprego de caixas de derivação de passagem, em quantidades suficiente para garantir o enfiamento na tubagem. Normalmente não devem haver comprimento rectos superiores a dez metros. Todos os tubos serão de marca reconhecida no mercado e homologados. 1.2 Caixas As caixas de derivação deverão ser adequadas às características dos tubos e cabos de material plástico termomoldado, com tampas fixas por parafusos de latão cromado ou cadmiado, nas instalações fixas à vista as caixas serão exteriores com junta de vedação. As dimensões das caixas de derivação deverão estar de acordo com o numero e diâmetro dos tubos ou cabos que recebem, estabelecendo-se sem prejuízo desta condição, que não poderão ser inferiores às seguintes: quadradas até 6 entradas e no máximo de 2 entradas por lado - 80 x 80 mm 3

4 quadradas até 8 entradas e no máximo de 3 entradas por lado x 100 mm rectangulares com mais de 3 entradas por lado x 100 mm No interior das caixas de derivação deverão ser montados para ligação dos condutores, placas de terminais ou ligadores de encaixe tipo Wago, as ligações dentro das caixas deverão apresentar aspecto esquemático. As caixas, quando embebidas, disporão nas entradas de tubos de boquilhas em PVC adequadas aos respectivos diâmetros. Quando à vista, as caixas disporão na entrada de bucins com sede e porcas adequadas. Deverá ser criado um código de cores ou numérico na marcação das caixas e tampas das caixas de derivação, para identificação dos circuitos a que pertencem. Deverá constar de uma lista plastificada a afixar nos quadros eléctricos. Todos as caixas serão de marca reconhecida no mercado e homologadas. 1.3 Condutores Todos os cabos e condutores serão de capacidades de condução não inferiores às indicadas nas Normas Portuguesas sobre construção e constituição dos cabos e condutores. As secções dos condutores serão as que constam nas plantas anexas, entendendo-se que os valores indicados são os mínimos. O enfiamento na tubagem será feito com cuidado para evitar que se deteriore o isolamento dos condutores. Para auxiliar o enfiamento será empregue unicamente talco, quando necessário; em qualquer caso o esforço de tracção efectuado na guia não deverá ser de modo a deteriorar o isolamento. Durante o enfiamento deve evitar-se que os condutores se torçam à entrada dos tubos, pelo que deverão ser devidamente nas respectivas caixas de derivação. Não são permitidas emendas dos condutores dentro dos tubos. Será obrigatória a adopção de cores regulamentares para os condutores das instalações de correntes fortes : Fases : catanho - preto - cinzento Neutro : azul Terra : verde - amarelo Os condutores para embeber em tubos serão dos tipo H07V-U ou H07V-R (NP-2356). Todos os condutores serão de marca reconhecida no mercado e homologados. 1.4 Cabos Na montagem à vista ou oculta em tectos amovíveis utilizar-se-ão cabos do tipo VV assentes em calha metálica galvanizada ou varão electrozincado, a fixação a esta será por meio de braçadeiras extensíveis, ou fixos em braçadeiras do tipo extensível de aperto por parafuso, ou ainda enfiados em tubo do tipo VD assente em braçadeiras de aperto mecânico. Em todas as travessias das paredes, os cabos serão protegidos por tubos VD. De igual modo, quando houver necessidade de executar baixada, ou nos locais onde possam estar sujeitos a choques mecânicos, os cabos serão protegidos por tubo VD, providos de bucins nas extremidades. Os cabos a instalar deverão correr em paralelo tanto quanto possível junto ao tecto. Não serão permitidos cruzamentos, utilizando-se sempre que necessário e para o evitar, caixas de passagem devidamente dimensionadas. O condutor de protecção nos circuitos a VV será parte integrante do respectivo cabo. Os cabos a instalar serão dos tipos H1VV, H05VV (NP-2361) ou XV (CEI ). Os cabos utilizados nas diversas instalações serão os seguintes: 4

5 Alarme de incêndios tipo Liycy ; Alarmes de intrusão tipo TVHV; Todos os cabos serão de marca reconhecida no mercado e homologados. 1.5 Aparelhagem Na instalação embebida toda a aparelhagem será para montagem interior com as seguintes características: Tipo basculante, de plástico prensado, colocada dentro de caixas de aparelhagem próprias para este fim. Comando de iluminação, prevista para 10 A / 250V. Tomadas, prevista para 16 A / 250V, ligadores por meio de parafusos. Na instalação em calha técnica toda a aparelhagem será para montagem em calha técnica com as seguintes características: Suporte de fixação à calha. Placa de acabamento. As tomadas monofásicas terão alvéolos protegidos e terra de protecção serão do tipo, schuko com ou sem tampa, de calibre de 16 A / 250V e serão da mesma série que a aparelhagem de comando. Toda a aparelhagem deverá ser convenientemente fixada através de parafusos às caixas de aparelhagem e nivelada. A aparelhagem a aplicar na instalação deverá ser previamente submetida à apreciação da Fiscalização da Obra e Arquitectura (cor a definir), só podendo ser instalada após a sua aprovação. Caso indicação em contrário nas peças desenhadas, as alturas a considerar para a aparelhagem são: Embebida Iluminação comando: 1,10m Tomadas: 0,30m As alturas da aparelhagem poderão ser eventualmente modificadas na obra, sem que daí possa existir alteração de preços. Marca de referencia: Montagem embebida: Série MODUL da TEM ou equivalente de qualidade não inferior. 1.6 Iluminação Armaduras: As armaduras a instalar, terão todos os acessórios necessários, para a optimização do funcionamento respectivo, serão colocadas de acordo com as peças desenhadas e dos tipos que nesta secção se descrevem. Todas as armaduras deverão ser equipadas com as correspondentes lâmpadas cujas potências e número se encontram indicadas nas Peças Desenhadas. As armaduras fluorescentes serão equipadas com lâmpadas T8 ou T5 da Philips cor 84, ou equivalente, com temperatura de cor de 4000 K, excepto quando é indicado o contrário. Os balastros a utilizar serão electrónicos excepto quando é indicado o contrário nas características das luminárias e terão as seguintes características: - Ausência de cintilação durante o funcionamento; - Baixo campo magnético; 5

6 - Poupança de energia entre 20% a 30%; - Alto factor de potência ( >0,95 ); - Baixa temperatura de funcionamento; Os suportes para as lâmpadas fluorescentes lineares serão em PVC do tipo rotor. Por cada lâmpada instalada será montado um balastro, não se aceitando a utilização em armaduras com mais de uma lâmpada, de balastros duplos. As armaduras, além de serem equipadas com todos os acessórios normais, deverão estar equipadas com borne de terra, os condutores a utilizar na electrificação das armaduras deverão ter uma secção mínima de 1,5 mm2 preparados para suportar uma temperatura de 90ºC, sendo a sua ligação rematada por ligador de junção de entrada. Afim de permitir a continuidade do circuito eléctrico, nas armaduras onde seja necessário fazer a repicagem do cabo para a armadura seguinte, esta terá de ser equipada com ligador de derivação própria para o efeito e aprovado pela CERTIEL. A fixação das armaduras directamente às lajes ou paredes, deverá ser feita através de buchas, embebidas no betão ou alvenaria, e parafusos cadmiados, enquanto que as suspensas junto aos tectos serão fixadas através de varões roscados ou nas esteiras metálicas existentes. Os aparelhos deverão ter como características comuns as seguintes: Elevado rendimento luminotécnico, através das suas características construtivas, nomeadamente na relação difusor/reflector, em função do tipo e potência de lâmpada; Elevada robustez e fiabilidade relativas à utilização e funcionamento dos aparelhos; Elevados parâmetros construtivos, nomeadamente, quanto aos índices de protecção desejados, adequados aos locais de instalação, alto factor de potência e compatibilidade electromagnética. Todos os aparelhos serão fabricados segundo as Normas Europeias correspondentes a cada tipo e funcionamento dos mesmos. As armaduras serão dos seguintes tipos: F1 Armadura para montagem saliente, base em poliéster reforçado a fibra de vidro, com junta vedante em neopreno, para garantir estanquecidade, com tubo em policarbonato de protecção à lãmpada, equipada com lâmpada fluorescente lineares 1x54 W. Tipo: TSPT da EEE ou equivalente de qualidade não inferior. F2 Idem, F1 equipada com lâmpada de fluorescente 1x49W. Tipo: TSPT da EEE ou equivalente de qualidade não inferior. F3 Idem, F1 equipada com lâmpada de fluorescente 1x28W. Tipo: TSPT da EEE ou equivalente de qualidade não inferior. Bloco de emergência - Bloco autónomo de emergência, montagem semi-embebida, com luz mantida, corpo em policarbonato, difusor em policarbonato transparente, com pictograma, baterias de níquel-cádmio estanques, LED indicador de carga de baterias, 1,30 hora de autonomia, equipado com lâmpada 1x8W. Tipo: ELI 03 8M/180m da EEE ou equivalente de qualidade não inferior. 6

7 Todas as armaduras a empregar nesta instalação deverão ser previamente submetidas à apreciação da Fiscalização da Obra, só podendo ser instaladas após a sua aprovação. O empreiteiro deverá distribuir conveniente e criteriosamente as armaduras pelas diferentes fases, de forma a obter-se no final da instalação o equilíbrio geral das fases, devendo ainda proceder às alterações que se impunham, até se obter o desejado equilíbrio de fases em cada um dos quadros eléctricos. Esta condição deverá ser seguida para as restantes instalações que constituem esta empreitada. 1.7 Quadros eléctricos De um modo geral os quadros eléctricos serão do tipo acoplável modular ou em chapa dobrada e soldada, em chapa de aço do tipo zincor, com estrutura de suporte e portas com fechadura. Todos os componentes metálicos dos quadros terão tratamento anti-corrosão. Os barramentos serão de tipo compatível com o quadro, em barra de cobre electrolítico, constituído pelo número de barras equivalente ao número de fases mais as de neutro e de terra, dimensionados para suportar uma corrente superior em 1,5 vezes o valor do aparelho de corte a montante e para uma densidade de corrente de 2 A/mm2. As portas na sua face exterior terão uma etiqueta identificativa do Grau de protecção do quadro, Intensidade nominal do aparelho de corte geral e Poder de corte do equipamento instalado. As portas serão providas na sua face interior, de uma bolsa própria para suporte do esquema eléctrico correspondente, assim como de ligação equipotencial à barra de terra de protecção. Os painéis de resguarde à aparelhagem, serão dotados de etiquetas identificativas dos circuitos eléctricos correspondentes etiquetas estas que serão da mesma marca do quadro eléctrico. A entrada de cabos e tubagem, deverá ser realizada por meio de bucins e boquilhas com porca, respectivamente. Terão o grau de protecção mínimo indicado abaixo. A aparelhagem que comportam, ficará encastrada, com comando directo pela face frontal, bem como as suas ligações, que deverão ser estabelecidas de forma a permitirem um fácil acesso para manutenção ou reparação. A distribuição da aparelhagem nos quadros deverá ser efectuada de modo criterioso, sendo os disjuntores instalados junto e ao lado dos interruptores diferenciais que os precedem. As ligações interiores dos quadros serão efectuadas a fio de cobre isolado, com secções apropriadas, nunca inferiores a 2,5mm2 e nas cores regulamentares. Os circuitos internos serão ligados a régua de bornes de saída, devidamente dimensionada, numerados e identificados com as cores regulamentares. Todos os quadros possuirão uma barra de ligação à terra, onde ligarão os respectivos condutores de protecção dos circuitos. Particularidades: Os quadros serão de montagem saliente mural, caixa metálica modelar e associável, porta opaca reversível com fechadura e junta de estanquecidade, resguardo, fundo com montantes perfurados, pilares de ângulo, flancos e face superior com pré-traçagem, face interior com passa-cabos isolante, platinas, espelhos, barramentos, suportes de fixação, caixa de extensão ligação a bornes de saída, IP43, testado conforme CEI 439-1, NF EM e C Marca de referencia: PRISMA G da Merlin Gerin ou equivalente de qualidade não inferior. Os quadros eléctricos, qualquer que seja o tipo, a forma de instalação ou a disposição, terão pintura de acabamento da cor a escolher pela arquitectura. Todos os quadros deverão possuir todos os circuitos e aparelhagem indicada nas peças desenhadas, com espaço para reserva equivalente a 20% do previsto Equipamento quadros eléctricos 7

8 O equipamento a seguir referido é da marca MERLIN GERIN, serve como referência, a sua substituição por outra marca será aceite desde que seja equivalente de qualidade não inferior e cumpra todos os requisitos. Disjuntores Poder de corte e intensidade : indicados em cada esquema unifilar. Quando não indicado o contrário no esquema unifilar serão de curva C. Comando manual por manípulo, pela parte frontal do painel equipados com relés térmicos electromagnéticos referenciados nas peças desenhadas Serão de corte omnipolar. Tensão nominal de 250 V. Até 63 A, disparadores 4P4d serão do tipo Multi 9 C60N, ou C60H, conforme pdc indicado no esquema unifilar; De 100 A serão do tipo Compact NS 100N, disparador/curva TM-D, disparadores 4P3d+Nr; De 160 A serão do tipo Compact NS 160N, disparador/curva TM-D, disparadores 4P3d+Nr; De 400A serão do tipo Compact NS 400N, disparador/curva STR53UE, disparadores 4P3d+Nr; Disjuntores diferenciais Serão equivalentes aos disjuntores, com bloco Viji incorporado. Interruptores Os interruptores deverão permitir, sem se danificarem, o corte em carga das correntes nominais para que foram construídos, serem robustos e de marca que ofereça total garantia. Serão de corte omnipolar e farão o corte em carga para as intensidades indicadas nas peças desenhadas. Os interruptores terão modulação idêntica aos disjuntores: Até 125 A serão do tipo Multi 9 ; De 160 a 400 A serão do tipo Compact C; Interruptores diferenciais Serão equivalentes aos disjuntores diferenciais; Descarregadores de sobretensões Serão de modulação idêntica aos disjuntores, terão um tempo de resposta de 2ns, auto protecção com sinalização fim de vida, protecção sobrecarga térmica integrado, botão de teste do sinalizador na face frontal, Imáx. de 30kA, UP de 1,8kV Serão do tipo Multi 9 PF30r. Sinalizadores Sinalizadores de presença de tensão, modulação idêntica aos disjuntores, nas cores EVA, equipados com lâmpadas de neon extraíveis sem utilização de ferramentas, de tensão nominal 230 V, Para protecção destes sinalizadores serão utilizados fusíveis de a.p.c. do tipo cilíndrico. Seccionadores fusíveis Os seccionadores fusíveis serão de modulação idêntica aos disjuntores, do tipo gaveta para fusível tipo cartucho, tensão de emprega 250V para In<16 A e 400V para In>16 A. Serão do tipo Multi 9 SFT. Fusíveis Os fusíveis serão do tipo cartucho, apc, sem percutor, calibre adequado à canalização a proteger. 8

9 1.7.2 Certificado de conformidade Os quadros deverão ser providos de relatório certificativo de qualidade, elaborado pelo fabricante, com os valores obtidos nos ensaios. Entre outros, nos ensaios os quadros deverão suportar uma tensão 2000V, aplicada entre os condutores e entre estes e a estrutura metálica, durante um minuto de cada vez, sem que se verifiquem falhas de isolamento. A resistência de isolamento a 500V, entre condutores e entre estes e a terra de protecção, não deverá ser inferior a 20 Mega-ohm. Nota: O adjudicatário deverá apresentar à Fiscalização da Obra, desenhos devidamente cotados dos quadros eléctricos a fornecer ou protótipos, não podendo dar início à sua construção e/ou montagem sem prévia aprovação. 1.8 Sistema Automático de Detecção de Incêndios ( SADI ) Será instalado um sistema automático de detecção de incêndio (SADI), conforme peças desenhadas e memória descritiva. Concepção geral do sistema: Os alarmes serão dados automaticamente por detectores adequados e agrupados em circuitos próprios, denominados zonas, na central de detecção. A definição das zonas baseia-se, fundamentalmente, nos seguintes factores: Identificação rápida e clara do local de onde provém o alarme. Área de cobertura da zona. Conhecimento da ocupação e das diferentes utilizações dos sectores do edifício. EQUIPAMENTOS CENTRAL DE DETECÇÃO A central de detecção de incêndios deverá ser controlada por microprocessador, receber todas as informações dos circuitos de detecção automáticos ou manuais, permitir operar em modo teste através de configuração própria e monitorizar convenientemente tanto as linhas de detecção como as de sirenes. Deverá ficar instalada numa sala de controlo ou numa recepção e ser dotada de uma porta com fechadura e painel em acrílico, de forma a serem visíveis do exterior todos os dispositivos de sinalização e identificação. De construção modular, deverá ser alimentada a 230V e dispor de carregador e baterias com autonomia mínima para 48 horas. A central deverá possuir ainda: Possibilidade de vigiar 3 zonas activas e uma de reserva. Sinalização: Sinalização de sistema ligado Sinalização de fogo por zona (sinalização dupla) Sinalização de avaria por zona (sinalização dupla) Sinalização de falta de alimentação de socorro Sinalização de avaria no microprocessador de controlo Sinalização de avaria geral Sinalização de acústicos desactivados Sinalização de presença de corrente do sector Sinalização de falta de Terra 9

10 Comandos: Isolamento zona a zona Desarme do alarme de avaria Sirenes de evacuação Silenciamento de alarmes acústicos Teste de lâmpadas Saídas para corte de ventilação e energia Saídas para portas corta fogo e elevadores Opcionais Saídas para extinções automáticas Saídas para paineis sinópticos e repetidores Emissão de alarmes aos Bombeiros Marca de referencia: CFP da Vigilarme ou equivalente de qualidade não inferior. DETECTORES Nota importante: será considerado a emissão de alarmes aos bombeiros ou a uma outra linha telefónica e a saída de corte de energia ao ar condicionado. Os detectores de incêndio, a aplicar num sistema, deverão estar de acordo com as condições do local, em conformidade com o tipo de sinistro esperado, dispor de sinalizador próprio e ter as seguintes características: Tensão de funcionamento 17 a 28 Volts Polaridade de montagem Irrelevante Temperatura de operação -20ºC a +60ºC Corrente para sinalizador remoto 30 ma Todos os circuitos dos detectores devem ter protecção contra humidade e fungos. Os pontos de entrada de fumos devem ter protecção contra a entrada de poeiras e mosquitos, por meio de uma rede resistente à corrosão, e todos os detectores devem ser construídos em policarbonato branco auto-extinguível. As bases de montagem devem ser universais, de forma a que estes possam ser intermutáveis e separadas, de modo a permitirem uma fácil remoção dos detectores para manutenção. As interligações, devem ser asseguradas por engates e parafusos em aço inoxidável. DETECTOR ÓPTICO DE FUMOS O funcionamento deste detector baseia-se no princípio de reflexão/dispersão de luz. Formado basicamente por uma câmara de análise contem no seu interior um led emissor e um outro receptor não energizado. O detector actuará sempre que partículas de fumo se introduzirem no interior da câmara, em quantidade tal que permita a energização do led receptor. Os detectores devem ter capacidade para proteger uma área de 80m2 a uma altura de 6m, dispor de sinalizador incorporado. Suas localização e fixação devem estar de acordo com as normas de projecto. Marca de referencia: Apollo Serie 65 da Vigilarme ou equivalente de qualidade não inferior. BOTÃO DE ALARME MANUAL Junto às saídas, deverão o ser instalados botões manuais tipo "partir vidro", de cor vermelha e facilmente quebráveis. Marca de referencia: FP2 da Vigilarme ou equivalente de qualidade não inferior. 10

11 SIRENE ELECTRÓNICA Para evacuação geral do edifício, deverá ser prevista uma sirene electrónica com um nível sonoro mínimo de 110 db a 1 metro. Marca de referencia: VIGITRON SONOS da Vigilarme ou equivalente de qualidade não inferior. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS A instalação será embebida em tubo VM de 16mm2, com cabo de 2 condutores, de acordo com o projecto desenhado e segundo as R.T.I.E.B.T.. Nota : Será dada acção de formação aos utentes indicados pelo Dono da Obra. 1.9 Instalações ITED Serão instaladas infra-estruturas de telecomunicações no edifício de acordo com o projecto de licenciamento ITED e o Dec. Lei n.º 59/2000. REDE DE TUBAGENS: A rede de tubagem encontra-se definida nas peças desenhadas anexas. Entrada subterrânea: - A profundidade mínima é de 0,6m abaixo do nível do solo. Entrada aérea: - A altura mínima é de 2,5m em relação ao solo. A caixa tipo CEMU, será instalada no muro técnico, numa zona acessível aos operadores de telecomunicações e será equipada no seu interior de dispositivos de interligação entre as redes públicas e a rede individual. A instalação interior será em tubo VD, VM ou VRM com o diâmetro mínimo de 25mm, excepto quando é indicado o contrário nas peças desenhadas. O número máximo de curvas da tubagem entre caixas é de duas, sendo o comprimento máximo do troço de tubagem entre caixas de 12 m, reduzido de 3m por cada curva existente. As caixas a utilizar serão do tipo CEMU, ATI, C1, I3, I2 e I1. As dimensões mínimas das caixas serão: - Caixa tipo ATI 274x324x123 mm - Caixa tipo CEMU 274x324x123 mm - Caixa tipo C1 274x324x123 mm - Caixa tipo I3 160x80x55 mm - Caixa tipo I2 80x80x40 mm - Caixa tipo I1 65x60 mm As caixas de saída onde ficarão alojados os dispositivos terminais (tomadas), serão do tipo I1, instaladas à altura de 0,3 m do pavimento excepto quando é indicado o contrário nas peças desenhadas. Nota: na caixa do ATI serão instalados, 1 DDC e 1 TC e terá ainda espaço para alojar um segundo TC. REDE INDIVIDUAL DE CABOS PARES DE COBRE ( NQ1b ): DDS a instalar na CEMU para interligação da rede pública e rede individual. DDC Primário a instalar no ATI, constituído por tomadas RJ45 para recepção dos 4 pares de cobre. DDC Secundário, constituído por 4 tomadas RJ45 duplas em paralelo, para distribuição do sinal através dos cabos às tomadas terminais. As tomadas serão de 8 contactos tipo RJ45, devidamente identificadas. O cabo de ligação entre a CEMU e o ATI será do tipo TE1HE de 4 pares de cobre. Os cabos da rede individual serão do tipo UTP Cat5 de 4 pares de cobre. Serão instalados chicotes de interligação das tomadas no ATI, constituídos por cabo UTP de 4 pares 11

12 e 2 fichas de 8 contactos. REDE INDIVIDUAL DE CABOS COAXIAIS ( NQ2a ): Ficha do tipo F a instalar no cabo coaxial na CEMU para interligação da rede pública e rede individual. TC de 6 saídas a instalar no ATI para distribuição do sinal através dos cabos às tomadas. Os cabos da rede individual serão do tipo RG6 até 1GHz e serão ligados directamente ao TC. MATERIAIS: Caixa CEMU para exterior; Caixa de ATI para 4 saídas equipada com 1 Repartidor de 4 saídas ( MHZ); Tomadas coaxiais com atenuação < 2 db ( 5 a 862 MHz ); Cabo coaxial tipo RG6 até 1GHz; Tomadas RJ45 Cat5 de 4 pares; Cabo UTP Cat5 de 4 pares; TOMADAS As tomadas coaxiais e de pares de cobre serão do mesmo tipo da restante aparelhagem. Serão do tipo: Modul da TEM ou equivalente de qualidade não inferior. Nota: todos os materiais e equipamentos terão de ser qualidade e homologados pela ANACOM Rede estruturada de telecomunicações Será executada uma Rede Estruturada, conforme peças desenhadas e memória descritiva. Equipamentos: O equipamento a seguir referido serve como referência, a sua substituição por outra marca será aceite desde que seja equivalente de qualidade não inferior e cumpra todos os requisitos. Quadro bastidor O quadro-bastidor terá capacidade para 6 U ( 340x350mm ), será constituído por porta frontal em vidro serigrafado equipada com punho e chave, painéis laterais desmontáveis, tratamento anti-corrosão, montantes reguláveis em profundidade, placas de entrada de cabos, orificios de ventilação natural em cima e em baixo. Serão do tipo: XL VDI da Legrand ou equivalente de qualidade não inferior. Painéis de interligação Os painéis de interligação serão Cat 5E de 19, equipados com portas individuais de conectores de ligação rápida 1x UTP RJ45-8 contactos, com marcação dos contactos por duplo código de cores. Conectores com bornes auto-desnudantes, contacto automático de massa de cada conector com painel UTP e porta etiquetas. Serão da marca: Legrand ou equivalente de qualidade não inferior. Cabos UTP Cat. 5E O cabo do será do tipo UTP Cat. 5E, de 4 pares entrelaçados de 100 Ohm, de acordo com a norma ISSO Segunda Edição. Quando utilizado em Ethernet, a distância máxima permitida é de 90 metros. O cabo de 4 pares a utilizar na instalação, apresenta ainda as seguintes características eléctricas: 12

13 * Resistência D.C.: < 100 Ohm/m * Atenuação (db/100m): 1 Mhz: -1, Mhz: -17, Mhz: -28, Mhz: -31,73 * CrossTalk (db): 1 MHz: Mhz: -55, Mhz: -51,12 Tomadas Serão de 2 módulos de tomada RJ45 UTP de 8 contactos Cat. 5E, de ligação rápida, marcação dos contactos por duplo código de cores 568 A e B, entrada de cabo multidireccional e porta etiqueta. Serão do tipo: Chicotes Modul da TEM ou equivalente de qualidade não inferior. Jumpers de comutação (chicotes RJ45), do mesmo tipo da restante cablagem, de acordo com a fórmula de um jumper por cada porta dos painéis de comutação RJ45. No final da execução da instalação deverão ser feitos testes à instalação com aparelho certificado para o efeito e emitido o relatório do mesmo. 2 Ensaios finais Antes da entrada em serviço das instalações constituintes da empreitada, e antes de efectuada a sua recepção provisória, deverão ser realizados os seguintes ensaios: Medição do valor da resistência de terra de protecção (menor que 10 Ω); Medição do valor da resistência de isolamento dos circuitos de utilização, sem as lâmpadas (menor que 5 Mega-Ohm); Verificação do equilíbrio de fases; Verificação do factor de potência da instalação; Verificação do funcionamento da instalação de potência; Verificação do funcionamento da aparelhagem de comando e de protecção; Verificação do funcionamento dos aparelhos diferenciais de corrente de defeito; Teste de funcionamento da detecção de incêndios; 13

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Índices de proteção (IP) 1. IP XX grau de proteção dos invólucros de equipamentos elétricos segundo as normas EN 60529, IEC 60529 1º algarismo: proteção contra corpos sólidos IP 2º algarismo: proteção

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA projectos de engenharia de edifícios lda Azinhaga do Torre do Fato 5C Esc.1-1600-299 Lisboa www.promee.pt geral@promee.pt ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA

Leia mais

5. Instalações de chegada

5. Instalações de chegada 5. Instalações de chegada As instalações de chegada, adiante designadas também por ramais ou simplesmente chegadas, correspondem ao troço de rede eletrifica entre a rede de distribuição de BT e o sistema

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 125

PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 125 PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 15 1 3 XL³ 15 ATÉ 15 A DE 1 A 4 FILAS DE 18 MÓDULOS Calha extraível sem ferramenta: cablagem facilitada CABLAGEM FACILITADA EXTRAINDO AS CALHAS As novas funcionalidades

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Direcção de Fiscalização Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem Pontos de fronteira Ligações de

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Manual ITED 2.ª Edição Direcção de Fiscalização Julho de 2010 Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem

Leia mais

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm.

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm. Moradia unifamiliar REDES DE TUBAGENS REDE INDIVIDUAL 1 Tubo 25 mm da CEMU (Caixa de Entrada da Moradia Unifamiliar) até ao ATI (Armário de Telecomunicações Individual), para passagem dos cabos de pares

Leia mais

Condutores e cabos eléctricos

Condutores e cabos eléctricos Condutores e cabos eléctricos Os condutores utilizados nas instalações eléctricas são geralmente de cobre, ou de alumínio. O condutor eléctrico pode ser divididos em: Condutor nu: é um condutor que não

Leia mais

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de Faro - RF 18.02.45

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12 Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V 1. Apresentação Parabéns, você acaba de adquirir mais um produto desenvolvido pela CS Comunicação e Segurança: Central de Alarme de Incêndio

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE QUADROS ELÉCTRICOS

RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE QUADROS ELÉCTRICOS Objectivo Esta nota técnica apresenta algumas recomendações para a instalação de quadros eléctricos desde a saída dos quadros eléctricos das instalações dos quadristas até á sua instalação em obra. Manuseamento

Leia mais

Acti 9. A eficiência que você merece

Acti 9. A eficiência que você merece Acti 9 A eficiência que você merece Acti 9, a eficiência que você merece Apresentação Acti 9, Eficiente Acti 9, Seguro Acti 9, Simples & inteligente Conclusão 2 40 Anos de experiência e atenção aos nossos

Leia mais

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes Invólucros Metálicos. Cajas Salientes ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Caixa metálica para instalação

Leia mais

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE:

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 295-51 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: www.salemoemerca.pt - email: geral@salemoemerca.pt MATRICULADA

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Ensino Secundário ANO LECTIVO 0/0 Disciplina: Praticas Oficinais 0.º Ano Turma C Total de Aulas Previstas (45 min) 00 º Período SET / 7 DEZ 78 º Período 0 JAN / 4 MAR 58 º Período 04 ABR / 4 JUN 4. Unidade

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Práticas Oficinais N.º TOTAL DE MÓDULOS: 5 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 18 Higiene e Segurança no Trabalho Organização

Leia mais

Soluções para escritórios tehalit.office

Soluções para escritórios tehalit.office Soluções para escritórios tehalit.office A oferta tehalit.office foi concebida para dar resposta à maioria dos problemas de distribuição, de correntes fortes e fracas, na alimentação aos postos de trabalho.

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 18EQ.11.--.--. TÍTULO18EQ.--. EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 18EQ.11.--.--. TÍTULO18EQ.--. EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO 18EQ.11.-- TÍTULO18EQ EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO CAPÍTULO.1-. EQUIPAMENTO SANITÁRIO SUB.CAPº.11. APARELHOS SANITÁRIOS I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por unidade assente e a funcionar,

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções Painel sinóptico BAT 100 LSN pt Guia de instruções Painel sinóptico Índice pt 3 Índice 1 Instruções de segurança 4 2 Descrição funcional 4 3 Vista geral do sistema 6 4 Instalação 7 5 Ligação 11 6 Manutenção

Leia mais

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios Datasheet Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios 2011 Armários 19 de Pavimento Qualidade de construção Desde o conceito até ao mais pequeno pormenor. Os produtos Facemate são cuidadosamente projectados

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FP4 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 4 zonas de detecção,

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto DEEC > DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES DISCIPLINA: CONCEPÇÃO

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 98 99 100 108 116 117 118 120 ESPECIFICAÇÕES GERAIS GRAUS DE PROTECÇÃO ESPECIFICAÇÕES SAFETYMAX ESPECIFICAÇÕES ITED ESPECIFICAÇÕES RAQUITED ESPECIFICAÇÕES CENTRALIZAÇÃO CONTAGEM ESPECIFICAÇÕES QUADRO-COLUNAS

Leia mais

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação Redes Estruturadas O projecto e a instalação de redes de dados em edifícios são actividades reguladas por um conjunto de normas dispersas em diversos documentos, publicados por organismos internacionais.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO SISTEMA DE INCÊNDIO MENVIER MF9300 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO PRETRÓNICA 1 CONTEÚDO Painel de Controlo e Indicadores Pag. 3 Operação do Painel Pag. 4 Geral Modo Normal Modo Programação Ligação

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI MANUAL ITED 2ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 2 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios INSTALAÇÕES AT E MT Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-02 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Dimensionamento de Colunas

Dimensionamento de Colunas Dimensionamento de Colunas Calcular a potência total ST: Moradia Potência a contratar [kva] T1 6.90 ou 10.35 T2 10.35 ou 13.80 T3 10.35 ou 13.80 T4 13.80 ou 17.25 T5 17.25 Trifásico S T = S habita ções

Leia mais

Guia de Seleção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN

Guia de Seleção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN Rede de Segurança Local Caracte- rística Cablagem de ligação fácil Capacidade de configuração automática (modo de auto-aprendizagem) Programação de todas as configurações do dispositivo a partir do painel

Leia mais

ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM

ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM Art. 701869 ALARME SANSET 101 ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM Versão 02_Set.08 1 Art. 701869 SandSET 101 Dispositivo de alarme ACO Passavant,

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 ventilação Défumair XTA caixa de desenfumagem à transmissão F400-120 vantagens Desempenhos optimizados. Modularidade: 4 versões possíveis. Construção monobloco.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Novos quadros Plexo 3, todo o espaço que precisa

Novos quadros Plexo 3, todo o espaço que precisa Novos quadros Plexo 3, todo o espaço que precisa IP 65 QUADROS MODULARES ESTANQUES Todo o espaço que precisa, sem restrições de cablagem 2 Uma ampla gama de quadros 11 dimensões 2 a 8 módulos 12 módulos

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201 CENTRAL DE ALARME COM FIO AW201 CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de 1 setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado; Tempo de

Leia mais

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06)

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06) REGRAS de EXECUÇÃO António M. S. Francisco (revisão 01/06) INTERNET Para informação completa e detalhada consultar o manual ITED em: http://www.anacom.pt Para informação sobre material (catálogo) para

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FAP2 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 2 zonas de detecção,

Leia mais

Catálogo Setembro 2014. System pro E comfort MISTRAL Crie a sua própria obra prima

Catálogo Setembro 2014. System pro E comfort MISTRAL Crie a sua própria obra prima Catálogo Setembro 2014 System pro E comfort MISTRAL Crie a sua própria obra prima Índice Introdução System pro E comfort MISTRAL 2 System pro E comfort MISTRAL41F Introdução ao System pro E comfort MISTRAL41F

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONTAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA EM MÉDIA E BAIXA TENSÃO ESPECIAL... 3 2.1. Características

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

Armários Redes Estruturadas 2010

Armários Redes Estruturadas 2010 Zona Industrial de Aveiro Apartado 846 Lote 30-A 3801-801 AVEIRO Telefs.: 234 315 744-234 316 197 Fax.: 234 315 838 e-mail: teleflex@teleflex.pt www.teleflex.pt Armários Redes Estruturadas 2010 Qualidade

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Soluções DataCenter Servidores

Soluções DataCenter Servidores Apresentação A gama de armários para DataCenter Olirack foi concebida para a instalação de equipamentos de telecomunicações e informáticos. Os espaços DataCenter são projectados para serem extremamente

Leia mais

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e GESTRA GESTRA Steam Systems Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível Dimensões Fig. 2 Fig. 1 Tampa transparente Rede (ver placa de características) Equipado com R m Regulador de esvaziamento Prefer

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector :

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Anexo 2 Relatório da inspecção preliminar dos elevadores (Modelo) Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo de equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de inspecção

Leia mais

EDIFÍCIO MARAVILHA JUNHO/2009

EDIFÍCIO MARAVILHA JUNHO/2009 INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS GERAIS JUNHO/2009 POSTO DE SECCIONAMENTO E TRANSFORMAÇÃO CENTRAL GERADORA DE EMERGÊNCIA SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA COMPENSAÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA QUADROS ELÉCTRICOS

Leia mais

FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE

FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE ESPECIALISTA MUNDIAL EM INFRAESTRUTURAS ELÉTRICAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO PARA EDIFÍCIOS FORIX MODERNA O ESSENCIAL PARA Adapta-se a

Leia mais

Manual de Instruções Instalação Operação e Manutenção

Manual de Instruções Instalação Operação e Manutenção STATUS ZONAS COMANDOS FOGO AVARIA ISOLADO FOGO 1 2 3 4 5 6 7 8 TESTE AVARIA ISOLAMENTOS 1 5 SILENCIAR BESOURO REPOSIÇÃO DO SISTEMA 1 2 TESTE 2 6 TESTE DE LEDS 3 AC 3 7 AVARIA SISTEMA 4 8 SIRENES ACTIVAR/

Leia mais

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS MANUAL ITED 1ª edição revista - Dezembro 2003 - ANEXO 6 1 ITED INFRA-ESTRUTURAS DE TELEUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS FICHA TÉCNICA PROJECTO N.º LOCALIZAÇÃO DA OBRA CONCELHO MORADA FREGUESIA

Leia mais

IBM FD Shelter Data Center

IBM FD Shelter Data Center IBM FD Shelter Data Center Site and Facilities Services Fevereiro de 2007 2007 IBM Corporation Data Center IBM FD Shelter Solução chave na mão, desenhada pela IBM, onde estão incluídas as mais avançadas

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal Painel de comando e sinalização N.º art. MBT 2424 Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas por electricistas especializados.

Leia mais

Transformadores secos encapsulados. Trihal

Transformadores secos encapsulados. Trihal Transformadores secos encapsulados tipo é um transformador trifásico do tipo seco com bobinagens encapsuladas e moldadas no vazio numa resina époxy contendo uma carga activa. É esta carga activa, composta

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

Guia de Selecção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN

Guia de Selecção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN Rede de Segurança Local Caracterís Cablagem de ligação fácil Capacidade de configuração automá (modo de auto-aprendizagem) Programação de todas as configurações do dispositivo a partir do painel Estrutura

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar

www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar PORTAS RÁPIDAS ÍNDICE ÍNDICE Flexidoor Portas Rápidas Portas Rápidas de Enrolar Portas Rápidas de Emparelhar 04 06 11 Componentes Portas Rápidas Constituição

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 188/08 de 9 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposição técnica relativa a instalação, a exploração e ensaio dos postos de redução

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS INDICE Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS 1 Cabos de Energia Harmonizados 2 Cabos de Energia - Baixa Tensão (0,6/1kV) 3 Cabos de Energia de Média e Alta Tensão 4 Cabos de Segurança 5 Cabos

Leia mais

BB_TRACKER. Comando de rotores TV para seguimento de satélites. Parte III

BB_TRACKER. Comando de rotores TV para seguimento de satélites. Parte III Por Carlos Miranda, CT4BB (http://www.carlosmiranda.net) Modificação dos controladores Explicámos nos números de Dezembro de 2012 e Janeiro de 2013 da QSP, o que é o BB_ TRACKER e qual o princípio de funcionamento.

Leia mais

Soluções DataCenter Secções

Soluções DataCenter Secções Apresentação A gama de armários para DataCenter Olirack foi concebida para a instalação de equipamentos de telecomunicações e informáticos. Os espaços DataCenter são projectados para serem extremamente

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais FL.: 1/16 REV.: 00 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTALAÇÃO ELÉTRICA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

Instruções de Utilização Manual do Sistema. Aparelho de comando áudio 1287 00

Instruções de Utilização Manual do Sistema. Aparelho de comando áudio 1287 00 Instruções de Utilização Manual do Sistema Aparelho de comando áudio 1287 00 Índice Informações acerca do sistema...3 Tipologias de montagem...5 Montagem de uma estação externa encastrada...7 Montagem

Leia mais

Tabela de Preços 2014. Infrastructure & Cities Low Voltage. www.siemens.pt

Tabela de Preços 2014. Infrastructure & Cities Low Voltage. www.siemens.pt Tabela de Preços 2014 Infrastructure & Cities Low Voltage Área Telefone direto Direção 214 178 648 Direção Financeira 214 204 126 Direção da Qualidade 214 178 220 Processos, Logística e e-business 214

Leia mais

Segurança com tecnologia LED

Segurança com tecnologia LED K9 Segurança com tecnologia LED TECNOLOGIA LED A K9 é uma gama completa de iluminação de emergência com tecnologia LED (Díodo Emissor de Luz), desde a iluminação de presença e iluminação de vias de emergência

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio.

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio. OBJETIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional e Comunitária. Enunciar as formas de proteção e sinalização

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Comandos. Comando domótico de 3 canais estéreo com sintonizador FM. Ecrã táctil. Sintonizador FM com RDS e 12 Memórias de FM.

Comandos. Comando domótico de 3 canais estéreo com sintonizador FM. Ecrã táctil. Sintonizador FM com RDS e 12 Memórias de FM. Para que tenha prazer ao desfrutar do sistema Comandos O comando é o seu principal ponto de acesso a todas as funcionalidades do sistema PRIMUS. Para isto a AKP desenhou e desenvolveu todos os seus comandos

Leia mais

CONJUNTOS CONFIGURÁVEIS XL3 IEC 60439 / IEC 61439 GUIA ESPECIALISTA MUNDIAL EM INFRAESTRUTURAS ELÉTRICAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO PARA EDIFÍCIOS

CONJUNTOS CONFIGURÁVEIS XL3 IEC 60439 / IEC 61439 GUIA ESPECIALISTA MUNDIAL EM INFRAESTRUTURAS ELÉTRICAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO PARA EDIFÍCIOS CONJUNTOS CONFIGURÁVEIS XL3 GUIA IEC 60439 / IEC 61439 ESPECIALISTA MUNDIAL EM INFRAESTRUTURAS ELÉTRICAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO PARA EDIFÍCIOS Conjuntos configuráveis XL 3 Guia de alterações da norma

Leia mais

Sistema Plexo. estanque...contra ventos e marés SALIENTE/ENCASTRAR A MESMA GAMA

Sistema Plexo. estanque...contra ventos e marés SALIENTE/ENCASTRAR A MESMA GAMA Sistema Plexo estanque...contra ventos e marés SALIENTE/ENCASTRAR A MESMA GAMA NOVO SISTEMA PLEXO A flexibilidade do componível: experimente e compare* Instalação saliente > Mecanismo comum para montagem

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Projecto-tipo Memória descritiva Elaboração: INTS, ICTS, ICSE, ISTS, DNT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Sunny String Monitor - Cabinet

Sunny String Monitor - Cabinet Sunny String Monitor - Cabinet Dados Técnicos O Sunny String Monitor-Cabinet, ou SSM-C na sua forma abreviada, da SMA monitoriza, de forma pormenorizada, o seu gerador fotovoltaico, de acordo com os padrões

Leia mais