PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS"

Transcrição

1 PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS Este relatório se baseia nos registros fotográficos e na aplicação dos formulários do Plano Diretor da Tecnologia da Informação realizados durante o levantamento da rede elétrica e lógica nos órgãos do governo do estado do Piauí e suas unidades assim descritas: Agência de Tecnologia, Secretaria de Administração, Secretaria de Saúde, Secretaria de Segurança Pública, Defensoria Publica, Quartéis da Policia Militar, Quartéis do Corpo de Bombeiro, Secretaria de Educação, Secretaria de Justiça,Secretaria da Fazenda,EMATER, DETRAN, Universidade Estadual do PI e Secretaria de Planejamento. Foram analisadas as redes lógica e elétrica em seu aspecto de infra-estrutura, levando em consideração os padrões hoje já adotados e as normas estabelecidas pelas entidades competentes. Assim foram registradas as irregularidades que se apresentaram nas diversas unidades descritas acima. AS NORMAS REFERENCIADAS. LEVANTAMENTO DA REDE ELÉTRICA 1. NBR Norma de Instalações Elétricas de Baixa Tensão 2. NBR Disjuntores de baixa tensão 3. NBR Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas 4. NBR Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo 5. NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público 6. NBR Proteção elétrica e compatibilidade eletromagnética em redes internas de telecomunicações em edificações 7. NBR NM Segurança de aparelhos eletrodomésticos e similares - Parte 1: Requisitos Gerais (IEC :1991-3ª edição, MOD) 8. NBR Identificação por cores de condutores elétricos nus e isolados 9. NBR Cabos elétricos isolados designação 10. NBR Cálculo da capacidade de condução de corrente de cabos isolados em regime permanente 1

2 NOMENCLATURAS: ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR Normas Brasileira IEC International Electrotechnical Commission LEVANTAMENTO, CONSIDERAÇÕES E DIAGNÓSTICO DA REDE ELÉTRICA 1- Cabo elétrico sem a proteção física, ou seja, sem tubulação ou canaletas. O cabo utilizado para a interligação e alimentação elétrica de equipamentos em um ambiente interno, necessita ser protegido durante o seu percurso ou por uma tubulação ou canaletas especifica. A exposição destes cabos pode ocorrer rupturas total ou parcial (isolação), causados por esforço físico sobre o mesmo, podendo acarretar curtocircuito, queda de tensão, choque elétrico e interferência por indução eletromagnética na rede lógica através dos cabos que estiverem próximos.esta indução eletromagnética provoca na rede lógica as perdas de informações, travamento da rede e possíveis danos nas placas de rede ou no equipamento. Por falta de manutenção na infra estrutura, as tampas das canaletas plásticas utilizadas nestes ambientes ficam abertas expondo os cabos. *Todo cabo ou fio elétrico a ser utilizado na alimentação de energia elétrica deve estar protegido ou por uma tubulação externa ou embutida, ou por canaletas plásticas ou metálicas, e sempre obedecendo a taxa de ocupação e agrupamento destes cabos. Este dimensionamento da bitola da tubulação ou espaçamento interno das canaletas obedecem a norma NBR 5410 e NBR Canaletas Abertas Canaletas abertas sem tampa, expondo os cabos elétricos. São situações de grande risco para o funcionamento adequado. Com a exposição dos cabos elétricos, eles podem sofrer tensões mecânicas levando a ruptura. Outro fator já mencionado é o cabo elétrico ficar próximo ao cabeamento lógico. As interferências e as induções elétricas causadas pela proximidade dos cabos elétricos são alguns fatores que poderão ocorrer, danificando os equipamentos e causando a paralisação total da rede local. 2

3 3- Cabeamento lógico próximo ao Cabo elétrico Cabos elétricos passando próximo ao cabo lógico sem proteção física e sem o afastamento mínimo exigido na norma. Ou tubulação da rede lógica próxima à tubulação da rede elétrica sem afastamento exigido na norma, torna a rede fora dos padrões e susceptíveis a falha. O cabo elétrico deve ser protegido para evitar a indução eletromagnética na rede lógica. Com a indução eletromagnética no cabeamento lógico poderão ocorrer perdas de informações, travamento da rede e possível dano na placa de rede. *Em regra geral, para a rede interna de informática se estabelece cerca de 30 cm de afastamento entre o cabeamento lógico e o elétrico, é claro que deverão ser verificados outros fatores, como o tipo de tubulação, canaleta, ou tipo de isolação do cabo elétrico ou o tipo do cabo lógico. Para os casos de utilização de cabo de fibra ótica este fator não é relevante. A interferência eletromagnética (EMI) é um dos maiores causadores de falhas em redes de computadores, principalmente quando são utilizadas tubulações e canaletas inadequadas para o transporte da infra-estrutura de cabeamento. As interferências eletromagnéticas podem ser originadas internamente e/ou externamente ao sistema de comunicação, mas sua causa sempre se origina nas perturbações eletromagnéticas. Cabe aqui salientar a diferença entre os termos "perturbações eletromagnéticas" e "interferências eletromagnéticas", comumente utilizadas na literatura técnica. O primeiro designa a causa e o segundo o efeito que é observado nos sistemas de comunicação. 4-Cabeamento lógico na mesma canaleta/tubulação do Cabo elétrico. Cabo lógico passando dentro da tubulação ou canaleta da rede elétrica além de provocar uma interferência produzida por indução eletromagnética, poderá ocorrer um contato físico por conta de uma ruptura ou fio desencapado ou emenda solta,acarretando uma condução de corrente elétrica através do cabo lógico até o equipamento, provocando curto-circuito, danificando o(s) equipamento(s) e com possibilidade de provocar choque ao usuário. Os riscos que a rede lógica poderá sofrer devido a indução eletromagnética proveniente dos cabos elétricos são eminentes. Esta indução poderá acarretar queda, a interferência e travamento em toda rede de informática. * A norma estabelece que a infra-estrutura do cabeamento da rede local deve ter seu encaminhamento exclusivo, com tubulações únicas para o tráfego de voz e dados. Para a rede elétrica a infra-estrutura dever ser exclusiva seguindo a Norma NBR È necessário separar a canaleta do cabeamento lógico da canaleta dos cabos elétricos, considerando os afastamento previstos em norma adequada ao tipo de canaleta ou tubulação especificada ou aplicada 3

4 5- Tomada elétrica sem espelho ou exposta. A tomada elétrica deve ser instalada de forma a não expor nenhum contato e ser totalmente fechada, ou seja, com o espelho. O risco de contato com usuários ou equipamento se torna possível devido a forma inadequada da instalação. Um curto circuito, choque elétrico ou indução de corrente na rede lógica acarretará uma parada na rede ou em parte dela.as adaptações fogem totalmente da norma, deve sempre utilizar produtos que sejam testados e aprovados por instituições credenciadas. (INMETRO) *Escolha a tomada elétrica de acordo com o tipo de tubulação ou canaleta, com a corrente elétrica e com a tensão de funcionamento do equipamento a ela ser plugado. 6- Ponto lógico próximo ao ponto elétrico O ponto lógico próximo ao ponto elétrico. Faz-se necessário um afastamento mínimo entre o ponto lógico e o ponto elétrico, para que não ocorra indução eletromagnético na rede lógica ou um contato direto devido a proximidade. * Seguindo com a indicação de que infra-estrutura da rede lógica deve estar afastada da infra-estrutura de rede elétrica, assim com os pontos elétricos e lógicos devem estar distantes entre si. Existe o padrão que estabelece esta distância para algumas situações, porém para o caso em questão a distância de 30 cm seria suficiente. 7- Ligação dos pontos elétricos de forma inadequada e sem utilização de tomadas com aterramento ( 2P + T). Utilização de adaptador em tomadas comuns (fase + neutro) para ligação de equipamentos de informática (estabilizador) com necessita do pino terra ou adaptador utilizado em tomada com o pino terra eliminado o mesmo. Os equipamentos de informática são fabricados para funcionar com o pino terra. Então, todas as tomadas para a rede de informática deverão ter aterramento, ou seja, ser do tipo com um pino para fase, um pino para neutro e um pino para terra (2P+ T). Não podendo ser utilizar adaptadores para eliminar o pino terra. * As correntes indesejadas, correntes de fuga, proteção contra choque elétrico, são alguns fatores que necessitam do sistema de aterramento adequado para ter o bom funcionamento dos equipamentos e sua devida proteção. A instalação do sistema de aterramento envolve desde instalação da malha de terra até o ponto de ligação dos equipamentos, que são as tomadas. As normas da ABNT NBR 5410 e NBR tratam deste assunto. 4

5 8- Extensão e régua de tomadas elétricas A utilização de extensões, de adaptador tipo T e de réguas de tomadas, acarreta uma sobre carga no circuito que foi projetado para receber apenas um equipamento ou determinada corrente. As utilizações destas réguas de tomadas tornam a alimentação elétrica dos equipamentos bastante vulnerável, pois são expostas a choque mecânicos, a entrada de grampos ou objetos nas tomadas e as possíveis desconexões, possibilitando um curto circuito ou desligamento do equipamento. *Deve ser ter para cada equipamento uma tomada aterrada disponível ou a quantidade de saídas do estabilizador correspondente à necessária. Não se devem utilizar as extensões, a réguas ou os T, pois vai de encontro às normas. A instalação do ponto de tomada deve ser próximo ao equipamento a ser ligado, evitando o uso de extensões. 9-Estabilizador em local inadequado. Estabilizadores individuais de até 2 KVA sobre mesa, rack ou prateleira. O Estabilizador posicionado sobre rack ou mesa é inadequado, o mesmo poderá sofre uma queda causando acidente.neste local, os cabos elétricos ficam tencionados forçando os contatos das tomadas, podendo acorrer a ruptura do mesmo, consequentemente a falta da alimentação elétrica ou um curto circuito, provocando parada nos equipamentos a eles ligados. Os estabilizadores de pequeno porte deverão estar no chão ou em local apropriado próximo aos equipamentos a serem ligados. *Se recomenda que para uma rede elétrica destinada a informática, a partir de uma quantidade de pontos, seja utilizado um estabilizador único, obedecendo as normas de acordo com projeto para cada tipo de situação, considerando a demanda futura e o grau de ininterrupção. 10- Estabilizador/No-Break dentro do Rack Estabilizador dentro do rack ou armário de equipamentos. O estabilizador é um equipamento que provoca indução eletromagnética e dissipa calor. Devido o rack ser um local fechado facilita a indução por parte do estabilizador aos equipamentos ativos de rede e ao cabeamento.para que o mesmo possa estar dentro do Rack, deverá ser instalado em espaço reservado,protegido por bandeja metálica e sem contato com cabos lógicos ou com ativos de rede. * O estabilizador deve ser instalado em local apropriado. 5

6 11- Alimentação dos Ativos de rede (Hub, Swtich, Roteadores, Modem) em local inadequado. Estabilizador em cima do Rack. Na situação do estabilizador sobre o Rack, o mesmo poderá sofrer queda, ou se houver vazamento de corrente na sua carcaça irá conduzir a corrente para os equipamentos que estão no rack, podendo ocorrer um curto-circuito danificando os equipamento e podendo provocar choque elétrico em algum usuário que esteja em contato com o rack. *Quando utilizar o estabilizador para a alimentação dos ativos de rede o mesmo deverá ficar de forma protegida em local adequado, não podendo estar dentro e nem sobre o rack..este é um dispositivo importante para o funcionamento de toda a rede e sugeri uma rede estabilizada alimentado por um ou mais estabilizadores de potência maiores conforme necessidade. 12- Ativos de rede sobre Estabilizador Swtich/Hub sobre estabilizador. Os ativos de rede devem estar sempre protegidos em rack s ou armários adequados. Existem equipamentos que produzem campo eletromagnético e que causar interferência nos equipamentos da rede de informática. Então, não se deve colocar os ativos de rede em cima ou próximo de estabilizador ou no-break. *A norma TIA/EIA 569 que estabelece os pré-requisitos para a sala de equipamentos, descreve que não deverá ter fontes de interferências eletromagnéticas. 13- Radio transmissor na sala de equipamentos de informática Equipamento radio transmissor (produz RF) instalado na sala com equipamentos de informática. Cabo da antena do radio transmissor próximo a equipamento de informática e ao cabeamento lógico. Os equipamentos que produzem campo eletromagnético não podem ser instalados próximos aos equipamentos e a rede de informática. As Interferências eletromagnéticas acarretam perdas de informações e travamento da rede *Redes de computadores são propensas a problemas devido a sua susceptibilidade, ou seja, a falta de proteção para operar sem degradação na presença de um distúrbio eletromagnético. Por esse motivo recomenda-se observar os critérios de compatibilidade eletromagnética para a alocação dos espaços de ambas as redes (lógica e elétrica), principalmente nos percursos verticais, onde a faixa de valores de freqüência de operação dos diversos sistemas de comunicação é bastante diversificada. Dessa forma, espera-se obter através de um projeto e instalação adequados, uma rede com imunidade suficiente para operar sem degradação na presença de distúrbios eletromagnéticos. 6

7 14- Local inadequado dos Racks. Rack fixados com altura acima de 1,50 metros. Racks de difícil acesso para o administrador da rede. O Rack deverá estar em local de fácil acesso ao administrador da rede, afim que se tenha uma visualização do funcionamento dos ativos de rede e a necessidade de manobras para manutenção ou para as conectividades solicitadas. * Deve se projetar o local adequado para o Rack, levando em consideração o ponto central da rede, de fácil acesso porém restrito ao gerente de TI e com disponibilidade de ponto elétrico, obedecendo os padrões adotados pela IEEE. Lembre-se que é o ponto central da rede e que o funcionamento de toda a rede depende do bom funcionamento dos equipamentos instalados no Rack. 15- Organização no Rack Racks com excesso de cabo lógico,com cabos elétricos juntos de lógico, sem identificação dos patch cord,sem organização no cabeamento, sem a fixação dos ativos de rede e com pouco espaço. Os racks têm a utilidade de acomodar os ativos de rede, servem para tornar a rede organizada facilitando as manobras e as manutenções corretivas e preventivas. Rack servindo de porta papel. A boa conservação nas salas de equipamentos se faz necessário e fundamental para a organização do ambiente de rede. *É necessário utilizar os acessórios como passadores de cabo, identificadores, marcadores, presilhas, braçadeiras e organizadores de cabo, para tornar o rack organizado para qualquer intervenção, facilitando e agilizando as ações do administrador de rede. 16- Organização no Quadro elétrico Os cabos dos quadros elétricos soltos sem abraçadeiras, cabos sem identificação, disjuntores sem fixação adequada, circuitos sem identificação e sem barramento de interligação. A organização dos dispositivos de proteção dentro do quadro, à utilização dos barramentos para as fases, o neutro e o terra (quando existe), a utilização de terminais nos cabos, a utilização de identificação de fases, a identificação dos circuitos e a organização e distribuição dos cabos dentro do quadro, são requisitos mínimos para se ter uma instalação segura e dentro das normas. * O quadro elétrico é de onde saí todos os circuitos para a alimentação dos equipamentos e nele fica os dispositivos de proteção da rede. Um quadro com um bom acabamento e uma manutenção continua evita os inesperados maus contatos, a oxidação e facilita as possíveis intervenções ou manobras. 7

8 17 -Quadro elétrico para a rede de informática No mesmo Quadro elétrico de distribuição possui circuitos de informática e circuito de outros equipamentos. Os circuitos para computadores se encontram no mesmo quadro e circuito de outros equipamentos. È necessário separar os circuitos para o setor de informática e identificar todos os circuitos utilizando o material adequado. Para melhor proteção dos computadores, facilitar a manutenção, facilitar a identificação de possíveis defeitos, diminuírem as induções elétricas nos circuitos dos computadores e diminuir a queda de tensão e estar dentro da norma, se faz necessários separar um quadro de distribuição para o setor de informática. 18-Quadro elétrico mal conservado. Quadro elétrico sem fechar corretamente e com má conservação. Os quadros elétricos devem ter tampas e estarem devidamente fechados. Como no quadro existem dispositivos elétricos que alimentam vários equipamentos dentro de uma empresa, eles não podem ser acionados involuntariamente por pessoas desavisadas. *Deve se sempre dar manutenção nos quadros evitando seu desgastes, conservado com pintura novas e aplicação de anti-oxidante 19-Quadro elétrico mal dimensionado Quadro elétrico sem espaço interno. O Espaço físico dentro do quadro deve ser suficiente para facilitar a manutenção e/ou manobras. Quando se tem dentro de um quadro a quantidade de dispositivos e cabos que ocupam todo o espaço interno, isso acarreta aumento de temperatura, prejudicando as características físicas dos cabos e das conexões assim como perigo de curto-circuito. Para se aproveitar melhor o espaço interno de um quadro deve sempre utilizar organizadores de cabo, abraçadeiras, presilhas e fixadores. O quadro deve ser dimensionado considerando uma demanda futura com acréscimo. Caso o quadro esteja esgotado o correto é instalar um novo quadro. 20-Quadros elétricos sem identificação e sem manutenção. Quadro com corrosão, sem identificação e sem sinalização. A falta de manutenção nos quadros provoca o desgaste e a corrosão. Conexões com corrosão, aquecimento nos terminais, aumento de corrente, aumento de consumo, riscos de cabos se desconectarem provocando curto-circuito e disjuntores sem manutenção, são os indícios que se é necessário estabelecer manutenções preventivas periódicas, pois os transtornos causados por uma manutenção corretiva é bem maior. 8

9 A importância da identificação do quadro elétrico de que setor ele se destina ou um código, facilita nas intervenções e na organização da rede elétrica. * Substituições dos quadros e manutenções em outros se faz necessário para se ter um rede seguro sem riscos de falhas Rasgos no quadro elétrico para interligação e acréscimo de circuito. Quadro elétrico danificados com rasgos para instalação e distribuição de novos circuitos. Este tipo de instalação com os cabos que passam pelos rasgos destes quadros, estabelece um alto grau de risco. * Para novos circuitos e novos lay out com novas distribuições deve avaliar as melhores opções e sem nunca e de contra as normas. A instalação de novos quadros com a tubulação adequada são as melhores formas de não ser ter um grande problema para o futuro. 22- Aterramento. Má conexão na haste de terra, malha de terra com apenas uma haste e bitola da fio/cabo terra inadequado, são pontos falhos e fora de norma. Toda a instalação elétrica destinada a equipamentos de informática deve ser aterrada. A falta de um sistema de terra poderá provocar sérios danos aos equipamentos e aos usuários. *Uma boa malha de terra com índice de resistência dentro da norma, é uma condição para o bom funcionamento e proteção do sistema. Um aterramento específico passando por todos os pontos de tomadas destinados aos equipamentos de informática e ligados corretamente a estas tomadas são condições imprescindíveis para uma rede de computadores. Alguns erros graves são adotados neste assunto como a interligação do fio neutro a conexão do terra na tomada, mal dimensionamento na bitola do fio terra, troca do fio terra pelo neutro na ligação com as tomadas, não identificação do fio terra nos quadros e caixas de passagem, utilizar o mesmo sistema de aterramento de outros equipamentos para interligar com o terra de informática, utilizar as hastes de terra do para raio para conectar ao terra da rede de informática, não fazer manutenção periódica nas hastes, conexões inadequadas com hastes, falta do barramento terra nos quadros e números de hastes insuficientes. 9

10 ITENS ATI Defensoria DETRAN EMATER QCGCBM QCGPM SEAD Pública 1-Cabo elétrico sem proteção física X X X X X 2-Canaletas abertas X X X X 3-Cabeamento lógico próximo ao cabo elétrico X X X X X X 4-Cabeamento lógico na mesma canaleta ou tubulação do Cabo elétrico. X X 5- Tomada Elétrica exposta ou sem espelho 6-Ponto lógico próximo ao ponto elétrico X X 7-Ligação dos pontos elétricos de forma inadequada. X 8-Extensão e régua de tomadas elétricas X X X X X X 9-Estabilizador em local inadequado. X X X X 10-Estabilizador/No Break dentro do Rack 11-Alimentação dos Ativos de rede em local inadequado. X X 12-Ativo de rede sobre estabilizador 13-Radio transmissor na sala de equipamentos de informática X 14-Local inadequado dos Racks. X X 15-Organização no Rack 16-Organização no Quadro elétrico X X X 17-Quadro elétrico para a rede de informática X X X X X 18-Quadro elétrico mal conservado. X 19-Quadro elétrico mal dimensionado 20-Quadros elétricos sem identificação e sem manutenção. X X X X X 21-Rasgos no quadro elétrico. 22-Aterramento 10

11 ITENS SECJUS SEDUC SEFAZ SEPLAN SESAPI SSP UESPI 1-Cabo elétrico sem proteção física X X X X 2-Canaletas abertas X X X X 3-Cabeamento lógico próximo ao cabo elétrico X X X X X 4-Cabeamento lógico na mesma canaleta ou tubulação do Cabo elétrico. X 5- Tomada Elétrica exposta ou sem espelho X 6-Ponto lógico próximo ao ponto elétrico X X 7-Ligação dos pontos elétricos de forma inadequada. X X 8-Extensão e régua de tomadas elétricas X X X X X X 9-Estabilizador em local inadequado. X X X 10-Estabilizador/No Break dentro do Rack X X X 11-Alimentação dos Ativos de rede em local inadequado. X X 12-Ativo de rede sobre estabilizador X 13-Radio transmissor na sala de equipamentos de informática 14-Local inadequado dos Racks. X X X X 15-Organização no Rack X X 16-Organização no Quadro elétrico X X X X X X 17-Quadro elétrico para a rede de informática X X X X X X 18-Quadro elétrico mal conservado. 19-Quadro elétrico mal dimensionado X X 20-Quadros elétricos sem identificação e sem manutenção. X X X X X X 21-Rasgos no quadro elétrico. X X 22-Aterramento X 11

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS Este relatório se baseia nos registros fotográficos e na aplicação dos formulários do

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 AS NORMAS ABNT INTRODUÇÃO ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 NBR NM-IEC 335-1 Trata sobre a segurança de equipamentos

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

www.rfv.com.br PROTEÇÃO MAIS RÁPIDA QUE UM RAIO.

www.rfv.com.br PROTEÇÃO MAIS RÁPIDA QUE UM RAIO. www.rfv.com.br PROTEÇÃO MAIS RÁPIDA QUE UM RAIO. Proteção contra efeitos dos raios DPS - Dispositivos de Proteção contra Surtos elétricos Os DPS são dispositivos que protegem os equipamentos eletroeletrônicos

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho.

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. 0 IMPORTANTE LEIA E SIGA AS SEGUINTES INSTRUÇÕES Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. ATENÇÃO Atenção indica uma situação potencialmente

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 05 Infraestrutura

Leia mais

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel.

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Manual de proteção contra raios DPS Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Nuvens carregadas e muita chuva em todo o pais A posição geográfica situa o Brasil entre os

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA 1. INSTALAÇÃO E INFRAESTRUTURA A Central de alarme e detecção de incêndio Safira exige cuidados importantes na hora

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA SOCIESC BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Art.

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA SOCIESC BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Art. SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA SOCIESC BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Art. 170 INTERFERÊNCIA EM INSTALAÇÕES DE REDE JOINVILLE NOVEMBRO / 2010

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS GONZALEZ CÁCERES, João Rafael Engenheiro Eletricista Centro Universitário de Lins (UNILINS) E-mail: eng_jrafael@yahoo.com.br Resumo: Um dos

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BEBEDOURO REFRIGERADO CADENCE PURE VITÀ BEB100

MANUAL DO USUÁRIO BEBEDOURO REFRIGERADO CADENCE PURE VITÀ BEB100 MANUAL DO USUÁRIO BEBEDOURO REFRIGERADO CADENCE PURE VITÀ BEB100 Obrigado por adquirir o Bebedouro Pure Vità Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É Muito importante ler atentamente

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Rede Cabeada UTP. Manual do Usuário. ccntelecom.com.br

Rede Cabeada UTP. Manual do Usuário. ccntelecom.com.br Rede Cabeada UTP Manual do Usuário ccntelecom.com.br www.ccntelecom.com.br USUÁRIO, PARABÉNS PELA SUA ESCOLHA Você adquiriu um produto projetado com a qualidade e garantia CCN. A partir de agora, você

Leia mais

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Catalogo Produto LINHA VOLT/X-POWER 600 700 1200 1400VA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br As informações contidas neste

Leia mais

SPOT RGB MANUAL DE OPERAÇÃO

SPOT RGB MANUAL DE OPERAÇÃO SPOT RGB MANUAL DE OPERAÇÃO INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Este equipamento foi desenvolvido para uso interno. Mantenha-o protegido contra umidade, respingos ou excesso de poeira e calor. Para prevenir fogo ou

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

ANEXO IV. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Elétrica Exclusiva Itens 02. Anexo IV ao Orientador nº 404/2014. Fls.

ANEXO IV. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Elétrica Exclusiva Itens 02. Anexo IV ao Orientador nº 404/2014. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo Anexo IV ao Orientador nº 404/2014 ANEXO IV Registro de Preços Ponto de Rede Planilhas de Serviços

Leia mais

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação INTRODUÇÃO Jeff Roberts and Mark Weber Corrente de magnitude surpreendentemente elevadas podem circular nos cabos de comunicação metálicos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

ATILIO LENA JUNIOR RELATÓRIO FINAL DE PROJETO MEIO FÍSICO DE COBRE

ATILIO LENA JUNIOR RELATÓRIO FINAL DE PROJETO MEIO FÍSICO DE COBRE Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática DILCEU ATILIO LENA JUNIOR RELATÓRIO

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

Câmerasystem. Aplicação: Indicado para proteger câmeras, multiplexadores, quads e monitores.

Câmerasystem. Aplicação: Indicado para proteger câmeras, multiplexadores, quads e monitores. Câmerasystem Os protetores Antirraio da Linha FLEX, foram desenvolvidos para proteger a rede: elétrica, telefônica, de dados, de sinais, de equipamentos eletroeletrônicos instalados em empresas, indústrias,

Leia mais

Aterramentos. por Rafael Alves

Aterramentos. por Rafael Alves Aterramentos por Rafael Alves Dentre as causas mais comuns que podem ocasionar distúrbios e danos à segurança das pessoas e equipamentos numa estação de telecom estão as descargas atmosféricas, as sobretensões

Leia mais

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda?

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda? Exercícios: 1. Sobre:Ondas Responda: a. O que é a Natureza de Ondas? b. O que origina as Ondas Mecânicas? c. As Ondas Mecânicas se propagam no vácuo? Explique a sua resposta. d. Quais são os elementos

Leia mais

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4 CERTIFICADO DE GARANTIA Este produto é garantido pela Amelco S.A. Indústria Eletrônica dentro das seguintes condições: 1- Fica garantida, por um período de 1 (hum) ano a contar da data de emissão da nota

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES

A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES 01 A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES A interferência eletromagnética (EMI) é um dos maiores causadores de falhas em redes de computadores, principalmente quando são utilizadas tubulações

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique.

Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique. Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique. O filtro de linha é um elemento de proteção para equipamentos eletrônicos. Ele atenua as impurezas da rede elétrica que causam interferências eletromagnéticas (EMI)

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva Esquemas de Aterramento 1 Aterramento O aterramento é a ligação de um equipamento ou de um sistema à terra, por motivos de proteção ou por exigência quanto ao funcionamento do mesmo. Aterramento de proteção:

Leia mais

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem sempre temos proteção suficiente. O Brasil é o país com

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD ANEXO 5 Contrato de Fornecimento de Serviços de Exploração Industrial de Linhas Dedicadas EILD entre a BRASIL e a OPERADORA INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD Página 1 de 7

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 041/2010 EM REVISÃO Inspeção Visual em Instalações Elétricas de Baixa

Leia mais

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica;

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica; 1 1. INFORMAÇÕES GERAIS Função O Chuveiro tem como função principal fornecer água com vazão adequada à higiene pessoal. Aplicação Utilizado para higiene pessoal em banheiros ou áreas externas como piscinas.

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO 1. APRESENTAÇÃO Em cumprimento às Normas Regulamentadora NR10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE e NBR5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO, apresentamos as verificações

Leia mais

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 3. CONDIÇÕES BÁSICAS PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS... 4 3.1. INFRAESTRUTURA INTERNA RECOMENDAÇÕES:... 4 3.2. CONDIÇÕES

Leia mais

Manual de proteção de cercas e currais contra raios

Manual de proteção de cercas e currais contra raios Manual de proteção de cercas e currais contra raios Nem sempre é bom quando a eletricidade chega ao campo. Previna-se contra prejuízos causados por raios na sua criação. A Belgo Bekaert Arames te ajuda

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Manual de Instruções de Instalação e Garantia Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Parabéns! Você acabou de adquirir um produto com a qualidade AQUAPLÁS Apresentação O Aquecedor AQUAPLÁS é utilizado

Leia mais

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes;

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes; 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos a serem seguidos nas medições das resistências de sistemas de aterramento instalados na rede de distribuição. Essas medições são necessárias para: - verificar a

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Revisão 03 INSTALAÇÃO DO DISCO SOLAR Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua natureza uma tecnologia

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

CARTILHA PROINFO. Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas. Proinfo. Ministério da Educação

CARTILHA PROINFO. Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas. Proinfo. Ministério da Educação CARTILHA PROINFO Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas Proinfo Ministério da Educação ÍNDICE Pré-Requisitos 3 Aterramento 5 Instalação Elétrica 7 Recomendações

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais

Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas

Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas CARTILHA Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação a Distância SEED Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Leia mais

CARTILHA: Recomendações para a Montagem de Laboratório de Informática nas Escolas

CARTILHA: Recomendações para a Montagem de Laboratório de Informática nas Escolas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação a Distância SEED Programa Nacional de Informática na Educação ProInfo CARTILHA: Recomendações para a Montagem de Laboratório de Informática nas Escolas

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

MANUAL REDE CABEADA UTP

MANUAL REDE CABEADA UTP MANUAL REDE CABEADA UTP volt.ind.br 1-QUADRO COMPLETO 2-DISJUNTOR 3-PROTETOR ELÉTRICO 4-FONTE PRIMÁRIA VT 800 5-BATERIAS 6-PD (PONTO DE DISTRIBUIÇÃO) volt.ind.br Pág. 1 1-QUADRO COMPLETO: Equipado por

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br BEBEDOUROS TROPICAL LEIA E SIGA TODAS AS REGRAS DE SEGURANÇA E INSTRUÇÕES OPERACIONAIS ANTES DE USAR. sac@bebedourostropical.com.br

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 44 Roteiro Cabeamento Planejamento para o Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal Cabeamento

Leia mais

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410)

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Na NBR 5410, norma que regulamenta as instalações elétricas de baixa tensão, a primeira menção ao tema das sobretensões aparece no item 1.3.4 - Proteção contra

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Contratação de empresa c/ Tradição no Ramo (trabalha de forma especializada) p/ Locação e Execução (Instalação, Montagem, Manutenção, Operacionalização e Desmontagem)

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800. Manual do Usuário

Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800. Manual do Usuário Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800 Manual do Usuário 1. Sumário O novo estilo de Verificador de Resistência de Isolamento Analógico é IT801A. Seu design é moderno e conta com

Leia mais