O sistema nacional de saúde ao longo dos anos deu cumprimento ao princípio da universalidade da cobertura geográfica da prestação de cuidados.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O sistema nacional de saúde ao longo dos anos deu cumprimento ao princípio da universalidade da cobertura geográfica da prestação de cuidados."

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO

2

3 O sistema nacional de saúde ao longo dos anos deu cumprimento ao princípio da universalidade da cobertura geográfica da prestação de cuidados. O Serviço Nacional de Saúde desenvolveu-se com a preocupação da acessibilidade aos serviços, da rede de referenciação, da qualidade, e da implementação de programas prioritários que melhor respondessem aos grupos de risco, entre outras. O planeamento em saúde não pode ser conduzido apenas com base na prestação de cuidados, mas sim articulado com o planeamento de base populacional. Esta opção torna imprescindível identificar os determinantes de saúde, nomeadamente os susceptíveis de modificação. Sabendo que nem sempre as necessidades expressas na procura de serviços de saúde são sobreponíveis às necessidades sentidas pela população e aos seus principais problemas de saúde, o planeamento pretende identificar prioridades, melhorar os indicadores de saúde na óptica da rentabilização dos recursos existentes. Este documento faz a análise da informação disponível relativa à região Norte, nas áreas da demografia, da mortalidade e da morbilidade. Inclui capítulos específicos sobre as doenças infecciosas, das quais se destacam a infecção pelo VIH e a tuberculose, as doenças profissionais e determinantes da saúde, que correspondem a áreas privilegiadas de intervenção em saúde pública no momento actual. Pretende este documento ser um instrumento de apoio ao planeamento em saúde. Não ambiciona fazer o completo diagnóstico da situação da população desta região, sendo apenas um contributo para o início de um processo que se pretende contínuo e dinâmico. Parafraseando o Prof. Correia de Campos (1), a saúde tem um custo de um valor sem preço, devemos verificar se há proporcionalidade na correspondência entre os custos e os ganhos em saúde para as populações, pelo que urge medir para mudar.

4

5 2. MATERIAL E MÉTODOS

6

7 2.1. Organização do documento A decisão sobre a estrutura e organização deste documento teve em consideração os constrangimentos decorrentes dos dados disponíveis e a necessidade de conferir um sentido e uma sequência lógicos aos problemas a abordar. Os indicadores de saúde que se utilizaram abordam a Saúde na sua perspectiva negativa, pelo facto de não se encontrarem disponíveis indicadores de bem-estar. Optámos por iniciar o documento com um capítulo sobre indicadores demográficos para que fosse possível aos leitores contextualizar-se na dimensão geodemográfica da região. Recorremos, em seguida, a uma descrição e análise de indicadores de mortalidade, nos seus componentes de mortalidade geral e mortalidade infantil. No capítulo da mortalidade e morbilidade e dada a escassez de dados de morbilidade, apresentam-se, sobretudo dados de mortalidade. Dentro da mortalidade, analisam-se as taxas de mortalidade específicas, dando-se um particular relevo às doenças oncológicas. No capítulo das doenças infecciosas incluímos um sub-capítulo sobre Doenças Transmissíveis de Declaração Obrigatória e, pela importância que assumem tanto a nível nacional como regional, dois sub-capítulos sobre infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana e sobre tuberculose. Optámos por incluir neste capítulo os resultados da aplicação do Programa Nacional de Vacinação na região pelo impacto que sabemos terem sobre as doenças infecciosas preveníveis pela vacinação. Pela importância que o ambiente de trabalho assume no padrão de morbilidade, são também apresentados, em capítulo próprio, os dados relativos às doenças profissionais. A necessidade de conhecer a distribuição de alguns factores determinantes da saúde, passíveis de intervenção, justificou a inclusão de alguns dados disponíveis em capítulo próprio. Procurámos integrar o conjunto da informação apresentada ao longo do documento num capítulo que designámos Comentários finais, no qual não se pretende tirar conclusões mas apenas destacar os aspectos mais importantes. Este documento não esgota o diagnóstico da situação de saúde da população da região, é apenas o início de um processo que se pretende dinâmico.

8 2. 2. Origem dos Dados As fontes utilizadas para a elaboração deste documento foram diferentes consoante os problemas abordados. Os dados cuja fonte foi o Instituto Nacional de Estatística (INE) foram obtidos através da consulta do seu sítio na internet (http://www.ine.pt/). Os dados sobre óbitos cuja fonte foi a Direcção-Geral da Saúde (DGS) foram obtidos por consulta das seguintes publicações: Risco de Morrer em Portugal 2000 (2), Risco de Morrer em Portugal 2001 (3), Risco de Morrer em Portugal 2002 (4, 5), Natalidade, Mortalidade Infantil Fetal e Perinatal 1999/2003 (6). Os dados sobre internamentos hospitalares foram cedidos pelo Gabinete de Estatística e Planeamento da Administração Regional de Saúde do Norte. Os dados sobre Doenças Transmissíveis de Declaração Obrigatória (DDO) tiveram como origem os dados estatísticos do sistema de informação da Direcção de Serviços de Informação e Análise da Direcção-Geral da Saúde. O diagnóstico da situação relativo à infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) foi elaborado com base nos dados fornecidos pelo Centro de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis (CVEDT) do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Os dados sobre tuberculose tiveram como origem o Sistema de Informação Intrínseco do Programa Nacional de luta contra a Tuberculose (SVIG-TB), da Direcção-Geral da Saúde. Para a avaliação do Programa Nacional de Vacinação (PNV) foram utilizados os dados das fichas individuais de vacinação dos inscritos em todas as unidades de saúde de cada uma das sub-regiões, e analisados no Centro Regional de Saúde Pública do Norte (CRSPN). A informação sobre doenças profissionais foi obtida através das comunicações relativas aos casos confirmados de doenças profissionais e enviadas para o Centro Regional de Saúde Pública do Norte pelo Centro Nacional de Prevenção de Riscos Profissionais. Também se recorreu à pesquisa de trabalhos realizados em grupos específicos da população, particularmente aos dados do Inquérito Nacional de Saúde (INS) (7, 8), para obter informação sobre dados que não são recolhidos de forma sistemática por rotina.

9 2. 3. Definição de Conceitos A unidade geográfica Norte tal como é definida pelo INE (NUT) difere da Região de Saúde do Norte. Esta última não inclui 18 concelhos que estão integrados no NUT-Norte (quadro 1). Quadro 1 Concelhos da Unidade Territorial Norte não integrados na Região de Saúde do Norte NUT III Grande Porto Tâmega Entre Douro e Vouga Concelhos não integrados na Região de Saúde do Norte Espinho Castelo de Paiva Cinfães Resende Arouca Santa Maria da Feira Oliveira de Azeméis São João da Madeira Vale de Cambra Douro Armamar Lamego Moimenta da Beira Penedono São João da Pesqueira Sernancelhe Tabuaço Tarouca Vila Nova de Foz Côa Nota: Todos os concelhos das NUT III Minho Lima, Cávado e Ave estão integrados na Região de Saúde do Norte. Esta diferença dificulta a análise dos resultados que o INE disponibiliza sem desagregação por concelho, não permitindo o cálculo dos resultados para a Região de Saúde do Norte. Dado que a diferença é de apenas 18 concelhos, os dados referentes à Unidade Territorial, na sua generalidade, poderão ser considerados bons indicadores para a Região de Saúde do Norte. Neste trabalho, para facilitar a compreensão dos resultados apresentados, utilizamos a denominação Região Norte sempre que os resultados forem referentes aos concelhos que integram a Região de Saúde do Norte. Quando os dados se referem a uma área diferente da definida a mesma será especificada.

10 Saldo fisiológico ou Saldo natural ou Excedente de vidas Diferença entre o número de nados vivos e o número de óbitos, num dado período de tempo. Formula: SN(0,t) = NV(0,t) - Ob(0,t); NV(0,t) - Nados vivos entre os momentos 0 e t; Ob(0,t) - Óbitos entre os momentos 0 e t Variação populacional ou Crescimento efectivo da população Diferença entre os efectivos populacionais em dois momentos do tempo (habitualmente dois fins de ano consecutivos). A variação populacional pode ser calculada pela soma algébrica do saldo natural e do saldo migratório. Formula: VP = P(t)-P(0) P(t) - População no momento t; P(0) - População no momento 0. População estrangeira com estatuto legal de residente Os dados referem-se, na generalidade, aos pedidos e não às concessões, devido ao facto de os dados sobre pedidos estarem mais actualizados do que os referentes às concessões. O movimento do ano refere-se apenas às pessoas que solicitaram, pela 1ª vez, uma autorização ou título de residência. Índice de dependência de idosos (IDI) Relação entre a população idosa e a população em idade activa, definida como o quociente entre o número de pessoas com 65 ou mais anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos. Formula: IDI = [(P(65,+) / P(15,64))] * 10^ n; P(65,+) - População com 65 ou mais anos; P(15,64) - População com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos. Índice de dependência de jovens (IDJ) Relação entre a população jovem e a população em idade activa, definida como o quociente entre o número de pessoas com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos. Formula: IDJ = [P(0,14) / P(15,64)] * 10^ n ; P(0,14) - População com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos; P(15,64) - População com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos.

11 Índice de dependência total (IDT) Relação entre a população jovem e idosa e a população em idade activa, definida como o quociente entre o número de pessoas com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos conjuntamente com as pessoas com 65 ou mais anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos. Formula: IDT = [[P(0,14) + P(65,+)] / P(15,64)] * 10^ n ; Índice de envelhecimento (IE) Relação entre a população idosa e a população jovem, definida como o quociente entre o número de pessoas com 65 ou mais anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos. Formula: IE = [(P(65,+) / P(0,14)] * 10^n ; P(65,+) - População com 65 ou mais anos; P(0,14) - População com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos. Gravidez na Adolescência e Gravidez Tardia Segundo a idade da mãe à data do parto, definiu-se gravidez na adolescência quando a idade era menor ou igual a 19 anos e gravidez tardia quando a idade era superior aos 39 anos. Nado vivo Produto da fecundação que após a expulsão ou extracção completa do corpo materno, independentemente da duração da gravidez, do corte do cordão umbilical e da retenção da placenta, respira ou manifesta sinais de vida, tais como pulsações do coração ou do cordão umbilical ou contracções efectivas de qualquer músculo sujeito à acção da vontade. Taxa de natalidade Número de nados vivos ocorridos durante um ano civil, referido à população média desse período (expressa em número de nados vivos por 1000 habitantes). Formula: TN = [NV(0,t) / [(P(0) + P(t))/2]] * 10^n ; NV(0,t) - Nados-vivos entre os momentos 0 e t; P(0) - População no momento 0;

12 P(t) - População no momento t. Taxas de mortalidade específicas As taxas de mortalidade específica por cada uma das causas de morte (c), por região (d), por sexo (s) e idade (i). Formula: TAXcdsi = Obcdsi / Pdsi Obcdsi - número de óbitos ocasionados pela causa (c), na região (d), no sexo (s) e no grupo etário (i). Pdsi - estimativa da população residente em 30 de Junho do ano a que se refere a taxa, na região (d), no sexo (s) e no grupo etário (i.) Taxa de mortalidade infantil Número de óbitos de crianças com menos de 1 ano de idade observado durante um ano civil, referido ao número de nados vivos do mesmo período (expressa em número de óbitos de crianças com menos de 1 ano por 1000 nados vivos). Taxa de mortalidade perinatal Número de óbitos fetais de 28 ou mais semanas de gestação e óbitos de nados vivos com menos de 7 dias de idade observado durante um ano civil, referido ao número de nados vivos e fetos mortos de 28 ou mais semanas do mesmo período (expressa em número de óbitos fetais de 28 ou mais semanas e óbitos de nados vivos com menos de 7 dias de idade por 1000 nados vivos e fetos mortos de 28 ou mais semanas). Taxa de mortalidade fetal tardia Número de fetos mortos de 28 ou mais semanas observado durante um ano civil, referido ao número de nados vivos e fetos mortos de 28 ou mais semanas do mesmo período (expressa em número de fetos mortos de 28 ou mais semanas por 1000 nados vivos e fetos mortos de 28 ou mais semanas). Taxa de mortalidade neonatal Número de óbitos de crianças com menos de 28 dias de idade observado durante um ano civil, referido ao número de nados vivos do mesmo período (expressa em número de óbitos de crianças com menos de 28 dias de idade por 1000 nados vivos).

13 Taxa de mortalidade neonatal precoce Número de óbitos de crianças com menos de 7 dias de idade observado durante um ano civil, referido ao número de nados vivos do mesmo período (expressa em número de óbitos de crianças com menos de 7 dias de idade por 1000 nados vivos). Taxa de mortalidade pós-neonatal Número de óbitos de crianças com mais de 27 dias e menos de um ano de idade observado durante um ano civil, referido ao número de nados vivos do mesmo período (expressa em número de óbitos de crianças com mais de 27 dias e menos de um ano de idade por 1000 nados vivos). Taxas de mortalidade padronizadas pela idade Método directo de padronização Aplicação das taxas específicas de mortalidade por idades, de cada uma das regiões, a uma população padrão, cuja composição etária é fixa, distribuindo-se pelos mesmos grupos etários das taxas específicas. Formulas: CESPdsi = TAXdsi PPi CESPdsi - número de óbitos esperados na região (d), no sexo (s) e no grupo etário (i). TAXdsi - como definido atrás PPi - efectivo da população-padrão no grupo etário (i), no sexo (s). A taxa de mortalidade padronizada obtém-se: TAXPds = CESPdsi / PPi i i TAXPds - taxa de mortalidade padronizada na região (d) e no sexo (s) CESPdsi - número de óbitos esperados na região (d) e no sexo (s) i PPi - número de indivíduos da população-padrão i Para o cálculo das taxas de mortalidade padronizadas utiliza-se uma população-padrão artificial com o objectivo de eliminar o efeito da idade, servem, exclusivamente, para fazer comparações entre regiões. Escolheu-se a populaçãopadrão europeia (IARC, Lyon 1976).

14 Quadro 2 Estrutura e composição da população-padrão europeia (IARC, Lyon 1976) Grupos etário (anos) Número de Indivíduos Grupos etário (anos) Número de Indivíduos < >= Total = Razões padronizadas de mortalidade (RPM) As razões padronizadas de mortalidade foram calculadas utilizando o método indirecto de padronização. Formula: RPM = O/E O - óbitos observados E - óbitos esperados Os óbitos esperados são calculados aplicando a taxa de mortalidade específicas por grupo etário da população portuguesa, à população de cada região, também distribuída pelos mesmos grupos etários. O número de óbitos esperados para cada região obtém-se pelo somatório dos óbitos esperados em cada grupo etário. Anos potenciais de vida perdidos (APVP) Através do cálculo do número de anos potenciais de vida perdidos pretende-se fazer a análise de mortalidade precoce ou prematura. O cálculo foi realizado até aos 70 anos de idade e sem se lhes retirar os acontecidos no primeiro ano de vida. Formula: AVPP = Oi Ai i Oi - número de óbitos no grupo etário (i) Ai - número de anos de vida entre a idade média do grupo etário em que ocorreu o óbito e os 70 anos.

15

Índice. Indicadores Demográficos

Índice. Indicadores Demográficos NUT III Península de Índice Densidade Populacional... 3 Esperança de Vida à Nascença... 3 Estrutura Etária da População dos 0 aos 14 anos... 4 Estrutura Etária da População dos 15 aos 24 anos... 4 Estrutura

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA Pedro Domingos Cunha Gomes Pereira 2009 DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS PARTOS. Código: 331. Versão: 1.0

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS PARTOS. Código: 331. Versão: 1.0 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS PARTOS Código: 331 Versão: 1.0 Jan. 2006 1 INTRODUÇÃO O Instituto Nacional de Estatística (INE) obtém e divulga anualmente informação

Leia mais

6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução

6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução 6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA 6.3.1. Introdução O diagnóstico da situação relativo à infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) na região Norte (RN) foi elaborado com base

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL E COMPONENTES REGIÃO NORTE

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL E COMPONENTES REGIÃO NORTE NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL E COMPONENTES REGIÃO NORTE - ABRIL Ficha Técnica Título Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, - Editor Administração Regional da Saúde do Norte, I.P. Rua Santa

Leia mais

Demografia e População

Demografia e População População Residente Total Anos de 2001 e 2011 População Residente Total Portugal 10 356 117 10 562 178 Continente 9 869 343 10 047 621 Norte 3 687 293 3 689 682 Entre Douro e Vouga 276 812 274 859 Santa

Leia mais

Saúde na Região Norte

Saúde na Região Norte Dezembro 2005 Administração Regional de Saúde do Norte Centro Regional de Saúde Pública do Norte Ministério da Saúde Saúde na Região Norte Medir para Mudar Centro Regional de Saúde Pública do Norte Dezembro

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS Serviço de Estatísticas Demográficas DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística: INDICADORES DEMOGRÁFICOS Código: 117 Versão: 1 Data: 2006 PROJECTO ESTATÍSTICO INDICADORES

Leia mais

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em:

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: 17-11-2014 Plataformas Supraconcelhias As Plataformas Territoriais, como órgão da Rede Social, foram criadas com o objetivo de reforçar

Leia mais

Estudo comparativo do número de óbitos e causas de morte da mortalidade infantil e suas componentes ( )

Estudo comparativo do número de óbitos e causas de morte da mortalidade infantil e suas componentes ( ) Estudo comparativo do número de óbitos e causas de morte da mortalidade infantil e suas componentes (2009-2012) Versão 2 Dezembro 2013 Paulo Jorge Nogueira Andreia Jorge Costa Matilde Valente Rosa Jorge

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador

Documento de Apoio ao Utilizador Documento de Apoio ao Utilizador julho 2013 2 Ferramenta mort@lidades.infantil Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, Região Alentejo, 1996-2012 Autoria Departamento de Saúde Pública da ARS Norte

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador

Documento de Apoio ao Utilizador Documento de Apoio ao Utilizador Dez 2015 2 Ferramenta mort@lidades.infantil Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, Região do Algarve, 1996-2014 Autoria Departamento de Saúde Pública da ARS Norte

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte

ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte ANTÓNIO EDUARDO PEREIRA* Sendo a terceira região do país com maior nível de poder de compra per capita, o Norte

Leia mais

Fevereiro Homens Mulheres Total. Número de beneficiários de subsídio de desemprego por sexo. Âmbito geográfico

Fevereiro Homens Mulheres Total. Número de beneficiários de subsídio de desemprego por sexo. Âmbito geográfico Fevereiro 2016 O presente documento pretende fazer de forma sintética uma análise das principais caraterísticas do Distrito de Viseu no que à área social diz respeito. Pretendemos que sirva como elemento

Leia mais

Projecções da População Residente,NUTSIII

Projecções da População Residente,NUTSIII População e Sociedade Bema PORTUGAL ISS 1645-7633 Projecções da População Residente,UTSIII 2000-2050 Ano de edição 2005 PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDETE, PORTUGAL E I, 2000-2050 I. METODOLOGIA E AÁLISE...

Leia mais

Estatísticas Demográficas 2004

Estatísticas Demográficas 2004 Estatísticas Demográficas 2004 28 de Novembro de 2005 A população residente em Portugal, em 31/12/2004, estimou-se em 10 529 255 indivíduos. Os nascimentos decresceram 2,9% e os óbitos 6,2%, face a 2003.

Leia mais

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012 Estatísticas Demográficas 29 de outubro de 2013 Número de nados vivos volta a diminuir em O número de nados vivos desceu para 89 841 (96 856 em 2011) e o número de óbitos aumentou para 107 612 (102 848

Leia mais

A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal

A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal Halei Cruz Coordenador da Área Técnica de Saúde da Criança e do Comitê Estadual de Prevenção dos Óbitos Maternos, Infantis e Fetais INTRODUÇÃO

Leia mais

A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro

A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro + A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro + Estrutura da apresentação 2 1. Evolução da Estrutura Populacional;

Leia mais

Estimativas Provisórias de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas Provisórias de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas Provisórias de População Residente, 2008 Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios ficha técnica Título Estimativas provisórias de população residente, 2008 Portugal, NUTS II, NUTS III e municípios

Leia mais

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha 25.02.2010 Plano da sessão Objectivo: Efectuar um ponto de situação relativamente àelaboração

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

Estatísticas Demográficas 2014

Estatísticas Demográficas 2014 Estatísticas Demográficas 214 3 de outubro de 215 Saldos natural e migratório negativos atenuam-se face ao ano anterior Em 214 verificou-se uma diminuição da população residente, mantendo a tendência observada

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 11 de outubro 2016 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 População residente Em 31 de dezembro de 2015, a população residente na Região Autónoma da Madeira (RAM) foi estimada em

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012 9 95 29 9 954 958 9 974 391 1 8 659 1 43 693 1 84 196 1 133 758 1 186 634 1 249 22 1 33 774 1 394 669 1 444 592 1 473 5 1 494 672 1 511 988 1 532 588 1 553 339 1 563 14 1 573 479 1 572 721 1 542 398 1

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 03 de outubro de 2014 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 A presente publicação compila os diferentes indicadores divulgados ao longo do ano relativos ao comportamento demográfico

Leia mais

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores A. Pesquisa Divisões territoriais: http://sig.ine.pt/viewer.htm Indicar os tipos de divisões territoriais (administrativa, estatística, outras); Indicar os itens de cada divisão administrativa (distrito,

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

Desenvolvimento de um Coeficiente de Ajustamento Local entre diferentes entidades geográficas de oferta e procura de cuidados de saúde

Desenvolvimento de um Coeficiente de Ajustamento Local entre diferentes entidades geográficas de oferta e procura de cuidados de saúde Desenvolvimento de um Coeficiente de Ajustamento Local entre diferentes entidades geográficas de oferta e procura de cuidados de saúde Alexandre Lourenço, Maria de Fátima Candoso, Ana Sofia Ferreira Objectivos

Leia mais

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015 A Saúde dos Portugueses. Perspetiva 2015 7 DE JULHO DE 2015 ÍNDICE DE VIDA MELHOR (Better Life Index) OCDE 1º SATISFAÇÃO PESSOAL 2º SAÚDE 3º SEGURANÇA PESSOAL 2 QUANTOS SOMOS: 10,3 MILHÕES Índice sintético

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE CAPÍTULO II Sérgio Bacelar EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE A análise da evolução da população e da estrutura familiar da Região

Leia mais

A desaceleração no ritmo de crescimento da população residente na Região Norte,

A desaceleração no ritmo de crescimento da população residente na Região Norte, Alteração das Acessibilidades e Dinâmicas Territoriais na Região Norte: expectativas, intervenções e resultantes 4.1 POPULAÇÃO E QUALIDADE DE VIDA 4.1.1 Estabilização e envelhecimento (196 a 1997) A desaceleração

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador

Documento de Apoio ao Utilizador Documento de Apoio ao Utilizador Novembro 2015 Ferramenta mort@lidades.infantil Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, Região Centro, 1996-2014 Autoria Lígia Carvalho ligiamac@arscentro.min-saude.pt

Leia mais

ACES Douro Sul. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Douro Sul. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

NÚMERO DE CRIANÇAS DIMINUI EM PORTUGAL

NÚMERO DE CRIANÇAS DIMINUI EM PORTUGAL PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL - (29 de Maio de 2003) NÚMERO DE CRIANÇAS DIMINUI EM PORTUGAL Os resultados das projecções de população residente apontam para o decréscimo da população jovem

Leia mais

envelhecimento demográfico

envelhecimento demográfico Em, Portugal manteve a tendência de envelhecimento demográfico A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população residente em Portugal (10 463), para o qual foi essencial

Leia mais

Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal

Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal Abril 2011 Ficha Técnica Título Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal Editor Administração Regional

Leia mais

Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal de 1989 até 2010

Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal de 1989 até 2010 Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal de 1989 até 2010 Abril 2014 Ficha Técnica Título Mortalidade Evitável: uma análise evolutiva na região Norte de Portugal de 1989

Leia mais

Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal

Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal APDH Conversas de fim de tarde Viseu 2012 Carlos Matias Dias Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Departamento de Epidemiologia Universidade

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 28 ESTIIMAR A POPULAÇÃO RESIIDENTE Por: Pedro Campos e Rui Martins Instituto Nacional de Estatística pedro.campos@ine.pt rui.martins@ine.pt 1. Introdução

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel EPIDEMIOLOGIA Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel O QUE É EPIDEMIOLOGIA? Compreende: Estudo dos determinantes de saúdedoença: contribuindo para o avanço no conhecimento etiológico-clínico Análise das

Leia mais

INQUÉRITO AOS CENTROS DE SAÚDE 2004

INQUÉRITO AOS CENTROS DE SAÚDE 2004 INQUÉRITO AOS CENTROS DE SAÚDE 2004 CONCEITOS UTILIZADOS Os conceitos incluídos nesta lista correspondem aos descritivos a sombreado no inquérito Acto complementar de diagnóstico Exame ou teste que fornece

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Número médio de crianças por mulher aumentou ligeiramente

Número médio de crianças por mulher aumentou ligeiramente Estatísticas Demográficas 2010 16 de dezembro de 2011 Número médio de crianças por mulher aumentou ligeiramente De acordo com os factos demográficos registados, em 2010 o número de nados vivos aumentou

Leia mais

Demografia e Estrutura Urbana António Lacerda e Josefina Gomes

Demografia e Estrutura Urbana António Lacerda e Josefina Gomes Demografia e Estrutura Urbana António Lacerda e Josefina Gomes 2 a sessão NORTE & TERRITÓRIO 30 setembro Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro www.ccdr-n.pt/norte-territorio Sumário 1. Breve caracterização

Leia mais

Plano Regional de Saúde Lisboa e

Plano Regional de Saúde Lisboa e Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo Um Futuro para as Nossas Crianças Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo 2010 2012 Rui Portugal Presidente da ARSLVT António Tavares Director do Departamento

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador

Documento de Apoio ao Utilizador Documento de Apoio ao Utilizador Dezembro 2016 Ferramenta mort@lidades.infantil Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, Região Norte, 1996-2015 Autoria Vasco Machado vmachado@arsnorte.min-saude.pt

Leia mais

AS CIDADES EM NÚMEROS

AS CIDADES EM NÚMEROS CD-ROM As Cidades em Números 2000-2002 17 de Junho de 2004 AS CIDADES EM NÚMEROS Caracterizar e quantificar o conhecimento sobre as actuais 141 cidades portuguesas, espaços que, cada vez mais, concentram

Leia mais

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC 2-21 Resumo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Lisboa, 28 de novembro de 214 O REGISTO NACIONAL DE ANOMALIAS CONGÉNITAS MATERIAIS E MÉTODOS

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 06 Como se Nasce, Vive e Morre 090 06. Como se Nasce, Vive e Morre? Atlas do Plano Nacional de Saúde Como se Nasce, Vive e Morre? Considerações Gerais A Esperança de Vida

Leia mais

(04 de Abril de de Setembro de 2002)

(04 de Abril de de Setembro de 2002) DOCT/1114/CSE/DSFA Relatório dos trabalhos desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho sobre Estatísticas da Demografia (04 de Abril de 2002 10 de Setembro de 2002) Mandato 4ª Decisão da Secção Permanente de

Leia mais

Indicadores Demográficos. Atividades Integradas III

Indicadores Demográficos. Atividades Integradas III Indicadores Demográficos Atividades Integradas III Dados demográficos Dados demográficos básicos são uma parte essencial de qualquer investigação epidemiológica: - fazem a contagem da linha de base da

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos Diagnóstico Social de Oeiras 2013 Anexos Fevereiro de 2014 SAÚDE POPULAÇÃO Anexo 1 INDICADORES Densidade populacional (hab./km 2 ) 3766,6 População residente, segundo os grandes grupos etários e sexo (nº):

Leia mais

CAPÍTULO I - Demografia

CAPÍTULO I - Demografia 18 Diagnóstico Social do Município de Fornos de Algodres CAPÍTULO I - Demografia Conteúdo População Residente Distribuição Populacional Densidade Populacional Estrutura Populacional Distribuição da População

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT Autores: Eduardo Magalhães Manuela Lucas Colaboração de Carlos Orta Gomes Leonor Murjal Maria do Carmo Santos CRSP: ESTUDO E PLANEAMENTO DA SAÚDE Novembro de 2006

Leia mais

Rui Monteiro Diretor de Serviços de Desenvolvimento Regional da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte

Rui Monteiro Diretor de Serviços de Desenvolvimento Regional da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte Desenvolvimento e Competitividade Económica: o Papel do Poder Local O Papel do Poder Local nas Políticas de Desenvolvimento Económico e Competitividade: Enquadramento no Contexto do Norte 2020 Rui Monteiro

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Operação Estatística: Código: 447. Versão: 1.0

MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Operação Estatística: Código: 447. Versão: 1.0 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS Operação Estatística: MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Código: 447 Versão: 1.0 Maio de 2006 1 DOCUMENTO

Leia mais

PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO AGRAVA-SE NO FUTURO

PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO AGRAVA-SE NO FUTURO 12 DE Junho de 23 PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL 2-25 ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO AGRAVA-SE NO FUTURO As Projecções de População Residente em Portugal, no horizonte 2-25, revelam um envelhecimento

Leia mais

OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012

OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012 OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012 Número de emigrantes em 2012 foi superior ao total de nascimentos Público.pt - 30/10/2013 Num só ano, mais de 120 mil portugueses deixaram o país. São ordens

Leia mais

DIA MUNDIAL DA SIDA ANOS DE VIH/SIDA NA RAM

DIA MUNDIAL DA SIDA ANOS DE VIH/SIDA NA RAM 1. EVOLUÇÃO DOS CASOS PELO ANO DO DIAGNÓSTICO E ESTADIO INICIAL DA INFEÇÃO, RAM, 1987-2013 PA: 255 (45 %); SIDA: 164 (29 %); CRS: 145 (26 %); IAG: 3 (1%). TOTAL: 567 2. N.º DE CASOS POR GRUPO ETÁRIO E

Leia mais

8. DETERMINANTES DA SAÚDE

8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8.1. Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) as doenças crónicas não transmissíveis constituem hoje a principal causa de morbilidade e mortalidade calculando-se,

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

INDICADORES DE MORTALIDADE

INDICADORES DE MORTALIDADE INDICADORES DE MORTALIDADE Usualmente a análise dos dados de mortalidade na população baseia-se na enumeração total de sua ocorrência e na distribuição pelas características demográficas e epidemiológicas

Leia mais

PARTE I CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

PARTE I CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO PARTE I CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO 1 - Caracterização demográfica do concelho Para efeitos de análises e estudos estatísticos, na Nomenclatura de Unidades Territoriais (NUTs), o concelho de Fafe integra

Leia mais

ZA6774. Flash Eurobarometer 436 (Perceived Independence of the National Justice Systems in the EU among Companies) Country Questionnaire Portugal

ZA6774. Flash Eurobarometer 436 (Perceived Independence of the National Justice Systems in the EU among Companies) Country Questionnaire Portugal ZA677 Flash Eurobarometer 6 (Perceived Independence of the National Justice Systems in the EU among Companies) Country Questionnaire Portugal FL6 Independence of Justice BTB PT D Em que região se situa

Leia mais

Operação Estatística: ESTIMATIVAS ANUAIS DA POPULAÇÃO RESIDENTE

Operação Estatística: ESTIMATIVAS ANUAIS DA POPULAÇÃO RESIDENTE DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS ESTIMATIVAS ANUAIS DA POPULAÇÃO RESIDENTE Documento Metodológico Operação Estatística: ESTIMATIVAS ANUAIS DA POPULAÇÃO

Leia mais

2 OBSERVATÓRIO REDE SOCIAL MATOSINHOS

2 OBSERVATÓRIO REDE SOCIAL MATOSINHOS 2 OBSERVATÓRIO REDE SOCIAL MATOSINHOS A eficácia da intervenção social só é possível na articulação de todos os agentes locais. O Observatório Social vai permitir multiplicar os resultados da intervenção,

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Antonio

Leia mais

AMADO. Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS

AMADO. Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS AMADO ORA Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS POPULAÇÃO RESIDENTE, POPULAÇÃO PRESENTE, FAMÍLIAS, NÚCLEOS FAMILIARES, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS.. 3 POPULAÇÃO

Leia mais

PERFIL DE SAÚDE REGIÃO NORTE

PERFIL DE SAÚDE REGIÃO NORTE PERFIL DE SAÚDE REGIÃO NORTE EDIÇÃO 29 3 Ficha Técnica Título Perfil de Saúde da Região Norte Editor Administração Regional da Saúde do Norte, I.P. Rua Santa Catarina, 1288 4-447 Porto Presidente do Conselho

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Indicadores Sociais 2009

FICHA TÉCNICA. Título Indicadores Sociais 2009 FICHA TÉCNICA Título Indicadores Sociais 2009 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 844 04 01 Presidente do

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Informação à Comunicação Social 7 de Junho de 2002 Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as

Leia mais

Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016)

Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016) Região de Saúde do Norte Gripe sazonal - Vigilância epidemiológica e vacinação Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016) 1. Nota metodológica Este é o primeiro relatório com dados

Leia mais

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS Dia Mundial da Criança 1 de Junho 30 de Maio de 2005 AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS O conteúdo do presente Destaque está alterado na página 2, relativamente ao divulgado em 30-05-2005.

Leia mais

SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ 20 ANOS DO COMITÊ DE PREVENÇÃO DE MORTALIDADE MATERNA 10 ANOS DE MORTALIDADE INFANTIL. 24, 25 e 26 de novembro de 2.

SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ 20 ANOS DO COMITÊ DE PREVENÇÃO DE MORTALIDADE MATERNA 10 ANOS DE MORTALIDADE INFANTIL. 24, 25 e 26 de novembro de 2. SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ 20 ANOS DO COMITÊ DE PREVENÇÃO DE MORTALIDADE MATERNA 10 ANOS DE MORTALIDADE INFANTIL 24, 25 e 26 de novembro de 2.009 Superintendência de Vigilância em Saúde SVS Departamento

Leia mais

Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010

Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010 Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010 Conteúdos O Território NUTS III A População Indicadores sócio-económicos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CONCELHO DE PONTA DELGADA

APRESENTAÇÃO DO CONCELHO DE PONTA DELGADA APRESENTAÇÃO DO CONCELHO DE PONTA DELGADA GEOGRAFIA O concelho Ponta Delgada está situado no extremo sudoeste da maior ilha do arquipélago dos Açores (S. Miguel). A sua área é 231,89 Km 2 que se encontram

Leia mais

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico,

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia e implementação dos testes do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia

Leia mais

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve Tábuas de Mortalidade 2013-2015 30 de setembro de 2016 Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve A esperança de vida à nascença foi estimada em 80,41 anos para o total

Leia mais

Estatísticas Demográficas 30 de Setembro de

Estatísticas Demográficas 30 de Setembro de Estatísticas Demográficas 3 de Setembro de 24 23 Em 23, e face ao ano anterior, a natalidade decresceu 1,6%, enquanto que a mortalidade aumentou 2,3%. A mortalidade infantil e fetal continuaram em queda.

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/34/CSE/DSFA 1 a DECISÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS, DAS FAMÍLIAS E DO AMBIENTE RELATIVA AO RELATÓRIO APRESENTADO PELO GRUPO DE TRABALHO

Leia mais

ACES Barcelos / Esposende

ACES Barcelos / Esposende Perfil Local de Saúde 2009 ACES Barcelos / Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de

Leia mais

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I:

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I: Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Unidade I: 0 Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Introdução Existem evidências

Leia mais

6. PERFIS E TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS DO CONCELHO

6. PERFIS E TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS DO CONCELHO Diagnóstico Social do Concelho de Arcos de Valdevez 6. PERFIS E TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS DO CONCELHO Fotografia 6.1. Peneda Diagnóstico Social do Concelho de Arcos de Valdevez 97 A população do concelho

Leia mais

Resolução de exercícios LISTA 1 TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA E EPIDEMIOLÓGICA MEDIDAS DE MORBIDADE

Resolução de exercícios LISTA 1 TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA E EPIDEMIOLÓGICA MEDIDAS DE MORBIDADE Resolução de exercícios LISTA 1 TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA E EPIDEMIOLÓGICA MEDIDAS DE MORBIDADE Exercício 1 DICA Importante descrever o que se observa nos gráficos, trazer os conceitos de transição demográfica

Leia mais

Estatísticas Vitais. Pauline Lorena Kale e Antonio Jose Leal Costa

Estatísticas Vitais. Pauline Lorena Kale e Antonio Jose Leal Costa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MEDICINA PREVENTIVA INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA- CURSO DE GRADUAÇÃO MEDICINA Estatísticas

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

PARTE I Geografi a do Minho

PARTE I Geografi a do Minho PARTE I Geografi a do Minho I.2 Dados fundamentais, por concelho I.2.1. População Os indicadores concelhios foram obtidos de dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), incluindo o Census 2001 (www.ine.pt).

Leia mais

2 Perfil de Saúde da Região Centro

2 Perfil de Saúde da Região Centro 2 Perfil de Saúde da Região Centro 0 1 0 www.arscentro.min-saude.pt 2 Perfil de Saúde da Região Centro 0 1 0 Conselho Directivo: João Pedro Pimentel Mário Rui Ferreira Joaquim Gomes da Silva Regina Dias

Leia mais

A EMIGRAÇÃO PARA O BRASIL ATRAVÉS DOS LIVROS DE REGISTO DE PASSAPORTES DO GOVERNO CIVIL DO PORTO ( )

A EMIGRAÇÃO PARA O BRASIL ATRAVÉS DOS LIVROS DE REGISTO DE PASSAPORTES DO GOVERNO CIVIL DO PORTO ( ) A EMIGRAÇÃO PARA O BRASIL ATRAVÉS DOS LIVROS DE REGISTO DE PASSAPORTES DO GOVERNO CIVIL DO PORTO (1880-1890) Maria José Ferraria Paulo Amorim INTRODUÇÃO A presente comunicação intitulada A emigração para

Leia mais

1. As áreas metropolitanas no país: características e dinâmicas

1. As áreas metropolitanas no país: características e dinâmicas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto Jorge Malheiros Nuno Marques da Costa Eduarda Marques da Costa Instituto de Geografia e Ordenamento do Território Universidade de Lisboa Associação Portuguesa de

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Oriental www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais