Trabalhos em Grupos: Otimizando as Relações Humanas por Meio de Uma Metodologia Eficiente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalhos em Grupos: Otimizando as Relações Humanas por Meio de Uma Metodologia Eficiente"

Transcrição

1 1 Trabalhos em Grupos: Otimizando as Relações Humanas por Meio de Uma Metodologia Eficiente Ângela Sirena Andretta Cristiane de Almeida Sirena Resumo: Atualmente, os trabalhos em grupo são considerados como uma ferramenta importante no processo de construção do conhecimento. O mercado de trabalho busca cada vez mais por profissionais prontos para atender suas exigências. Além de formação superior, o candidato precisa desenvolver diversas habilidades, em especial execução de tarefas em equipe. No meio acadêmico, as experiências bem sucedidas de projetos realizados em equipes, resultam num valioso retorno para seus membros, que além de aprender a conviver com as diferenças, passam a entender as potencialidades e fraquezas suas e dos outros, desenvolvendo um respeito e crescimento intelectual mútuo. Porém quando os resultados das tentativas de utilizar grupos para realizar atividades acadêmicas são ineficazes, professores e alunos passam a desacreditar nessa metodologia e transferem essa descrença para o mundo profissional. Baseando-se no que hoje é praticado nas IES, torna-se imprescindível que professores de nível superior repensem suas estratégias didáticas, construindo uma metodologia eficiente que garanta o êxito dos trabalhados em grupo. Palavras-chave: Trabalho. Grupo. Metodologia. 1 INTRODUÇÃO Cada vez mais o trabalho em equipe vem ganhando importância em todas as atividades da nossa vida. O ser humano, seja na família, na comunidade, na profissão, está sempre atuando, conflitando, convivendo em grupo. Entende-se esse convívio como o grande desafio da nossa sociedade regional, que é culturalmente marcada pelo individualismo, fruto da insegurança social. A capacidade de produzir em grupo está sendo mais valorizada principalmente no meio acadêmico. As experiências bem sucedidas de projetos realizados em equipes resultam num valioso retorno para os membros do grupo que além de aprender a conviver com as diferenças, passam a entender as potencialidades e fraquezas suas e dos outros, desenvolvendo um respeito e crescimento intelectual mútuo. A grande vitória dessas experiências é a mudança no comportamento antes individualista dos participantes da equipe, transferindo-a para o mundo profissional. Trabalhar em equipe não é fácil, por isso o mercado de trabalho busca hoje profissionais com habilidades para executar tarefas em conjunto. Ainda nos processos de seleção, os candidatos à vaga são submetidos a testes que

2 2 avaliam essas habilidades podendo definir se estão aptos ou não para o desenvolvimento daquela atividade. Os trabalhos em grupos, quando feitos com critério e seriedade, são ferramentas eficientes no processo de construção do conhecimento. Porém, na medida em que os alunos e professores não conseguem eficientes resultados nas suas tentativas de utilizar grupos para realizar atividades acadêmicas, passam a desacreditar nessa metodologia e transferem essa descrença para o seu mundo profissional, dificultando a quebra de paradigmas. Sabendo-se que o mercado de trabalho atualmente, além de buscar profissionais com formação superior, necessita de candidatos prontos para atender as suas exigências, enquanto clientes das IES, os alunos buscam desenvolver diversas habilidades. Dessa forma faz-se necessário um estudo que auxilie professores de nível superior a rever suas estratégias didáticas, visando o êxito dos trabalhos em grupo. Para tanto, conhecer melhor o perfil dos alunos e os fatores que podem determinar os resultados dos trabalhos em grupo na visão dos mesmos é fundamental para a eficiência da metodologia de trabalho em questão. O estudo foi realizado na FTEC Caxias do Sul, com alunos dos cursos técnicos e de graduação. Os dados coletados foram analisados e, através dessas informações, novas estratégias de trabalho foram avaliadas e sugeridas aos professores para que otimizem essa metodologia. 2 REFERENCIAL TEORICO 2.1 METODOLOGIA Esse trabalho foi realizado com dados coletados em uma instituição de ensino superior da cidade de Caxias do Sul, RS. A Faculdade de Tecnologia - FTEC Brasil possui atualmente na cidade 1360 alunos, distribuídos em 10 cursos técnicos e 14 cursos de graduação entre outros de qualificação e pós-graduação. Foram avaliados 141 alunos, com idades variando entre 18 a 58 anos de idade e com tempo de curso variando do primeiro ao quarto semestre. A avaliação foi feita por meio de um questionário com 22 questões, sendo 20 objetivas e 2 descritivas. Os questionários foram entregues aos professores que num prazo de trinta dias consecutivos os distribuíram aleatoriamente entre os alunos dos cursos de Técnico em Agrícola, Graduação em Gestão da Tecnologia da Informação, Gestão da Qualidade, Gestão

3 3 de RH, Gestão Comercial, Gestão Financeira, Marketing, Comércio Exterior, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Logística. O método utilizado para a pesquisa é o hipotético dedutivo e os dados quantitativos e qualitativos obtidos por meio de questionário foram comparados com as hipóteses propostas de que as características individuais do aluno, metodologia adotada pelo professor e influência cultural são fatores determinantes dos resultados do trabalho em grupo. Através da análise dessas informações relacionadas com o que atualmente é praticado, foi proposta uma metodologia mais eficiente para o desenvolvimento dos trabalhos em grupo. 2.2 RESULTADOS Para compreender melhor o processo que envolve a metodologia do trabalho em grupo, faz-se necessário um breve estudo da origem e significado dessa nomenclatura. Nos estudos de diferentes áreas do conhecimento, frequentemente encontram-se dois termos: equipe e grupo. Embora transpareça que o sentido desses dois termos seja idêntico, ambos relacionam-se a conceitos diferentes. A palavra equipe originou-se do termo esquif que designava uma fila de barcos amarrados uns aos outros e puxados por homens ou cavalos, em época anterior à dos rebocadores. A imagem dos barqueiros ou cavalos puxando, junto aos barcos amarrados, sugere a ideia de trabalho em equipe (HERSEY, 1986). Neste conceito está implícita a ideia de hierarquia, onde os barcos representam à base de uma pirâmide, enquanto o barqueiro ou o cavalo corresponde ao ápice. A palavra grupo surgiu no século XVII, proveniente do italiano groppo, vocábulo utilizado para designar em Belas Artes, os vários indivíduos pintando ou esculpindo. O vocábulo se estende para a linguagem corrente, designando um conjunto de elementos, uma categoria de seres ou de objetos, formando um todo, um conjunto (ANZIEU, 1993). Considerando a etimologia desses termos, percebe-se que embora tenham sofrido modificações temporais, guardam simbolicamente seus significados de origem. Mesmo tendo origens distintas, os termos hoje são genericamente utilizados para designar o mesmo conceito. Atualmente o termo grupo é mais utilizado no meio acadêmico, como metodologia de trabalho, enquanto que o termo equipe é mais utilizado no meio empresarial, sendo visto como uma habilidade fundamental e determinante para os profissionais neste meio. Fica entendido, portanto, que grupo é um conjunto de pessoas com

4 4 objetivos comuns que em geral se reúnem por afinidades. O respeito e os benefícios psicológicos que os membros encontram, em geral, produzem bons resultados. No entanto este grupo não é uma equipe. Entende-se que equipe é um conjunto de pessoas com objetivos comuns atuando no cumprimento de metas específicas. Dessa forma, a formação da equipe deve considerar as competências individuais necessárias para o desenvolvimento das atividades e atingimento das metas. O respeito aos princípios da equipe, à interação e especialmente o reconhecimento da interdependência entre seus membros na busca pelos objetivos da equipe, deve favorecer ainda os resultados das outras equipes e da organização como um todo. É isso que torna o trabalho desse grupo num verdadeiro trabalho em equipe (FREITAS; LEITTE, 2007). O termo Grupo pode ser definido como sendo "conjunto de pessoas ligadas entre si por constantes de tempo e espaço e, articuladas por uma mútua representação interna que se propõem explícita e implicitamente uma tarefa, que constitui sua finalidade" (PICHON- RIVIÈRE, 1991, p.). Baseando-se neste conceito, que melhor indica a metodologia de trabalho em questão, analisaremos os fatores que podem influenciar nos resultados dos trabalhos em grupo, buscando melhor entendimento do mesmo para aperfeiçoar as relações humanas grupais. Para facilitar a compreensão das preferências dos alunos quanto à metodologia para realização de trabalhos didáticos, serão apontadas algumas características sócio-econômicas dos mesmos. A maior parte dos alunos participantes do estudo (62,41%) é solteira e 77,3% não possuem filhos. Percebe-se que entre casados e solteiros avaliados existem diferenças quanto à preferência por trabalhos individuais ou em grupos. Os solteiros (50,58%) preferem os trabalhos em grupo, enquanto que os casados (69,23%) preferem trabalhos individuais. Dentre todos os participantes, 26,95% são considerados chefes de família, sendo os principais responsáveis pelo seu sustento e de outras pessoas, 59,57% contribuem parcialmente para o sustento da família ou de outras pessoas e 13,47% são dependentes, ou seja, recebem ajuda financeira da família ou de outros. Nota-se que os chefes de família (62,16%) preferem trabalhos individuais, possivelmente por não disponibilizar tempo suficiente para encontros com colegas fora do horário de aula. Constatou-se também que 91,48% dos avaliados trabalham e estudam em turno oposto e 65,24% deles com jornada de trabalho de mais de quarenta horas semanais. Destes, 55,11% preferem a realização de trabalhos individuais, evidenciando ainda mais a dificuldade que esses alunos/profissionais enfrentam para conciliar sua vida acadêmica com a profissional. Quanto ao regime da ocupação principal, a maior parte dos avaliados são empregados do setor privado, com cargos ou funções

5 5 predominantemente de nível técnico ou operacional. Quanto ao tempo de lazer, as atividades mais citadas pelos avaliados foram em primeiro lugar passeios com a família, seguido por atividades no computador/internet, programas de televisão, leitura de livro e atividades esportivas em equipe. Curiosamente os avaliados que dedicam exclusivamente o seu tempo de lazer com a família, são na maioria mulheres (83,33%), destas 55% são solteiras, 45% são casados, em ambos os casos em média 35% delas possuem filhos e têm preferência pelo trabalho individual (62,5%). Embora com tempo bastante restrito, 58,15% dos alunos citaram ter costume de reservar horários extraclasse para estudo ou resolução de trabalhos de aula. Sabemos que trabalhar em grupo não é fácil, porém extremamente necessário em diferentes situações de nossas vidas. Requer disciplina, tolerância, respeito, dentre tantos outros atributos que devem ser exercitados constantemente para que consigamos atingir objetivos comuns. Quando questionados sobre a sua preferência quanto à realização de trabalhos individuais ou em grupo, 55,31% dos avaliados preferem a prática de trabalhos individuais, 42,55% preferem trabalhos em grupos e 2,12% não responderam. A tabela 1 indica as vantagens e desvantagens desta metodologia, apontadas pelos alunos. Tipo de trabalho Vantagens Desvantagens Individual Expressa ponto de vista individual; Faço quando posso; Sou o total responsável; Falta de opiniões/debates; Falta de ideias; Mais serviço; Grupal Troca de ideias/opiniões; Integração/interação; Menos trabalho; Aproximam pessoas; Tabela 1: Vantagens e desvantagens do trabalho individual e do trabalho em grupo Fonte: os autores, Falta de colaboração/desinteresse; Dificuldade com horários; Dependência; Divergência de opiniões; Por mais que tenham sua preferência, os alunos avaliados souberam identificar algumas vantagens e desvantagens de cada metodologia de trabalho. Desta forma, percebe-se que todos têm conhecimento sobre ambas ou já vivenciaram diferentes experiências e diante dos prós e contras, optaram pela metodologia que mais se enquadra no seu atual contexto. Embora mais da metade dos avaliados prefira trabalhos individuais, quando questionados sobre o seu nível de envolvimento quando realizam trabalhos em grupo, 63,82% dos alunos consideram-se com envolvimento total com o grupo em todas as atividades, 29,07% deles

6 6 consideram seu envolvimento parcial e somente 3,54% consideram seu envolvimento superficial, participando apenas com o que o grupo determinou. Não há dados que comprovem quando surgiu a ideia de reunir indivíduos em grupos em prol de um objetivo comum, mas sabe-se que esta concepção de equipe existe há muito tempo, desde que se começou a pensar no processo do trabalho. A ideia advém da necessidade histórica do homem de somar esforços para alcançar objetivos que, isoladamente, não seriam alcançados ou seriam de forma mais trabalhosa ou inadequada e também da imposição que o desenvolvimento e a complexidade do mundo moderno têm imposto ao processo de produção, gerando relações de dependência ou complementaridade de conhecimentos e habilidades para o alcance dos objetivos. Segundo Micheletti (2009) são notórios os benefícios que uma equipe bem afinada pode trazer para a organização. Primeiro, porque uma equipe é formada de pessoas, que trazem consigo histórias de vida e competências diferentes, mas que se relacionam. Um é bom em analisar relatórios, outro fala muito bem em público e o terceiro tem uma boa capacidade para detectar e resolver problemas. Estas são algumas características que, somadas, podem formar uma equipe coesa e eficiente. São diversos os objetivos e importância de se trabalhar em grupo, dentre eles destacam-se alguns mais lembrados pelos alunos da FTEC, conforme tabela 2. Objetivos N. de alunos % Despertar a liderança; 49 34,75 Socializar vivências; 96 68,08 Diminui a carga de trabalho; 35 24,82 Favorece a criação; 78 55,31 Desenvolver capacidades; 64 45,39 Aprender a ouvir; 86 60,99 Outros 1 0,70 Tabela 2: Objetivos do trabalho em grupo 1 Fonte: os autores, Socializar vivências, aprender a ouvir, favorecer a criação, desenvolver capacidades, despertar lideranças e diminuir a carga de trabalho são os objetivos mais significativos do trabalho em grupo, na visão dos alunos. Contudo, sabemos que intrinsecamente acontece uma transformação que nos modifica, aprimora e nos desenvolve mais como seres humanos. Sabese que a interação entre pares e o potencial de cada indivíduo ficam ainda maiores quando em equipe, pois todos são responsáveis mutuamente pelo resultado, diferentemente de quando se 1 Esta questão permitia múltipla escolha. Ver questionário no anexo A.

7 7 trabalha sozinho. Com o excesso de problemas e a necessidade de responder rápido em várias frentes que as empresas têm hoje, tornou-se quase impossível trabalhar de forma isolada, cada um pra si. Diante do atual cenário profissional e social, mais importante do que reconhecer a dimensão de conviver e trabalhar em grupos é também necessário exercitar esse hábito em nossa rotina diária de convivência. Cabe ressaltar também que as pessoas envolvidas necessitam resgatar valores como união, respeito, cooperação, participação, envolvimento e comprometimento. Esse resgate é fundamental, para a sociedade como um todo. Nossa região é marcada por essa característica devido às heranças culturais dos nossos colonizadores. Desde os primórdios da colonização da serra gaúcha, os imigrantes ítalogermânicos eram agricultores e não possuíam recursos técnicos para trabalhar a terra, utilizando-se basicamente da mão-de-obra familiar. Dessa forma, cada família lutava pelo seu sustento e desenvolvimento de forma individualizada. Devido a essa influência, é comum encontrarmos empresas, indústrias e comércios administrados por familiares, passando de geração em geração. Além de outros fatores culturais, o clima tipicamente frio também contribui para que as famílias mantenham-se mais isoladas em suas casas. Esse hábito do ser e fazer por si só pode ser considerado um fator extremamente negativo quando falamos de trabalho e convívio em grupo. Talvez seja essa a justificativa pela preferência dos alunos em realizar trabalho individual e pela falta de envolvimento de tantos alunos nos trabalhos em grupo. Fatores N. de alunos % Falta de motivação 36 25,53 Empatia com o grupo 23 16,31 Tempo disponível 84 59,57 Falta de envolvimento do grupo 44 31,20 Tabela 3: Fatores que determinam a falta de envolvimento nos trabalhos em grupo 2 Fonte: os autores, Conforme tabela 3, o fato da maioria dos alunos trabalharem e estudarem em turno oposto, também é uma herança cultural que consequentemente restringe o tempo hábil para demais atividades em grupo. Diante desta realidade, talvez fosse o caso dos professores adotarem uma metodologia de grupo predominantemente em classe, onde todos os alunos pudessem dar suas contribuições e o professor conduzir, avaliar e intervir conforme o desenrolar do grupo. Desta forma professores e alunos só têm a ganhar, primeiro porque 2 Esta questão permitia múltipla escolha. Ver questionário no anexo A.

8 8 estarão mais próximos; os professores terão maior facilidade em avaliar o desempenho de cada componente dos grupos, podendo intervir quando julgar necessário, e segundo porque o trabalho será mais eficiente; os alunos demonstrarão maior envolvimento e disponibilidade pela atividade, visto que é um exercício que deve ser desenvolvido e aprimorado constantemente, devido à necessidade que a sociedade e o mercado de trabalho nos impõem. Segundo Schutz (apud BERGAMINI,1982) grande estudioso do comportamento humano em pequenos grupos de trabalho, os indivíduos têm três necessidades interpessoais quando se associam em grupos. A primeira delas é a de inclusão, definida pelo autor como a necessidade de estabelecer e manter relacionamento satisfatório com as pessoas, tendo em vista sua interação e associação. A inclusão se dá quando todos os membros sentem que têm sua presença assegurada no grupo e sabem que sua ausência chama a atenção dos demais membros. A segunda é a de controle, definida como a atitude de estabelecer e manter relações satisfatórias com as pessoas em termos de controle e força. Após cada um ter assegurado sua presença no grupo, o indivíduo procura fazer-se conhecer em termos de sua competência pessoal e responsabilidade por determinado papel comportamental assumido, até o ponto em que naturalmente seja estabelecido um clima de respeito mútuo. Para Bergamini (1982, p.87) em geral, nesta segunda fase podem aparecer tensões e ultrapassá-las significa um passo além da maturidade do relacionamento das pessoas que compões o grupo. A terceira é a de afeição e, conforme o autor necessidade interpessoal de afeição é a necessidade de estabelecer e manter relacionamentos satisfatórios com outras pessoas no tocante ao amor e à afeição. A necessidade de afeição, definida ao nível de autoconceito, é a necessidade de sentir que se é digno de ser amado. Essas três necessidades exercem influência no comportamento de grupo. Pela análise da tabela 4, fica evidente que os alunos não têm certeza de como é determinada a metodologia dos trabalhos em grupo. Metodologia N. de alunos % O professor determinou previamente; 43 30,49 Os alunos determinaram; 2 1,41 Professores e alunos determinaram previamente em conjunto; 35 24,82 Foi determinada em parte pelo professor e em parte pelos alunos; Não responderam ,29 4,96 Tabela 4: Quanto à metodologia dos trabalhos em grupo realizados na FTEC Fonte: os autores, Pela pluralidade das respostas, percebe-se que o professor não determina com clareza todos os tópicos do trabalho e os alunos consequentemente definem alguns critérios conforme interesse do grupo. A conduta do trabalho, primeiramente pelo professor e posteriormente

9 9 pelo grupo é fundamental para o sucesso do mesmo. Quando as regras não são claras, os resultados muitas vezes também não são satisfatórios, pois cada um seguirá a sua linha de entendimento, perdendo a qualidade e eficiência das informações e consequentemente a essência do trabalho em conjunto. Segundo Freitas e Leitte (2007) alguns fatores como a atmosfera de grupo, o estabelecimento de objetivos, a comunicação interpessoal e as normas tácitas de conduta podem influenciar a eficiência dos grupos de trabalho. A atmosfera de grupo se caracteriza pelo fato de que os membros têm grande confiança recíproca e que se ajudam mutuamente nas respectivas tarefas. A congregação de esforços, quando necessário, para auxiliar quem quer que se encontre em dificuldades, ao invés de dedicar-se exclusivamente a seu próprio trabalho, é uma característica marcante desse fator. Para o estabelecimento de objetivos Margerison (1975) atesta que um número considerável de pesquisas afirma existir maior possibilidade das pessoas se interessarem em pôr em prática uma decisão, quando estão envolvidas no estabelecimento de objetivos. Porém salienta que não existe um método universal de se criar grupos eficientes de trabalho. O método empregado deve estar alinhado com as expectativas e desejos dos integrantes do grupo. O grupo de trabalho eficiente se caracteriza por uma sólida comunicação interpessoal. O que ocorre muitas vezes é a informação ser omitida ou ser transmitida de modo insuficiente, gerando dúvidas e ansiedade no grupo. Isto ocorre porque o detentor da informação associa a informação ao poder e que guardando para si próprio o máximo de conhecimento, aumenta seu poder, porém não percebe que perde o contato afetivo com o grupo, assim como a cooperação. Os grupos criam normas tácitas de conduta que efetivamente controlam o comportamento de seus membros. As normas e padrões são bases estabelecidas de comum acordo para o funcionamento de um grupo de trabalho. É claro que o problema dos grupos de trabalho não se resolve facilmente. Esses quatro pontos apresentados indicam algumas das dimensões consideradas fundamentais na tentativa de aumentar a eficiência dos grupos de trabalho (FREITAS; LEITTE, 2007). 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base nas informações geradas a partir deste estudo, percebe-se que existem alguns fatores fundamentais que determinam o insucesso dos trabalhos em grupo: em primeiro lugar a falta de tempo apontada pelos respondentes. Como a grande maioria possui jornada dupla de trabalho e estudo, o tempo para as atividades extraclasse acaba sendo

10 10 reduzido. Outro fator que agregado ao primeiro pode ser apontado é a falta de interesse, quando um trabalho não é bem orientado. Além destes, também pode ser considerada a própria competitividade em que vivemos em nossa sociedade atual e até mesmo a herança da sociedade local, bastante individualista e capitalista. Observando os resultados obtidos também fica claro que professores e alunos da FTEC não têm clareza quanto à metodologia dos seus trabalhos em grupo. Professores determinam alguns poucos tópicos e alunos conduzem da forma mais coerente com a sua realidade. Não há uma orientação clara e assim como divisão de tarefas, o que dificulta inclusive a avaliação dos professores em relação aos alunos. A partir do que foi observado e atestado com os resultados obtidos, sugere-se que seja criada uma metodologia para os trabalhos em grupo, uma vez que esta irá contribuir não somente para o meio acadêmico, mas também para o ambiente de trabalho em que estão inseridos. 1) O professor determina junto com os alunos os pré-requisitos para o trabalho: 1.1) Assunto a ser pesquisado e sua abrangência; 1.2) Prazo de entrega; 1.3) Número de componentes do grupo; 1.4) Formas de apresentação (seminários, palestras, teatro, perguntas e respostas, entre outros, conforme criatividade do professor e/ou grupos). 2) O professor determina as regras do trabalho: 2.1) Deverá ser designado um coordenador para cada grupo (escolhido pelos membros); 2.2) Todos os membros do grupo terão uma tarefa a desenvolver no decorrer do trabalho, conforme orientação do coordenador, porém todos os componentes deverão estar a par do trabalho como um todo; 2.3) Será destinada 1 hora/aula no final de cada encontro para realização do trabalho (os alunos deverão apresentar suas considerações sobre a pesquisa e o coordenador será o responsável pela organização do tempo disposto para atividade, para que todos os membros participem igualmente); 2.4) O professor ficará disponível durante o período de realização do trabalho para o esclarecimento de dúvidas e orientações, monitorando o desenvolvimento dos trabalhos em aula; 2.5) Na apresentação final, deverá haver uma divisão de tempo para que todos possam fazer suas considerações; 3) Ferramentas de avaliação do professor:

11 11 3.1) Todos os integrantes dos grupos deverão entregar um memorial descritivo referente aos encontros de cada aula; 3.2) Apresentação escrita do trabalho; 3.3) Apresentação oral individual de cada integrante do grupo; 3.4) Avaliação do coordenador (deverá entregar um relatório referente à participação de cada integrante do grupo, incluindo a sua); Pela necessidade histórica do homem de somar esforços para alcançar resultados que, isoladamente, não seriam alcançados ou seriam de forma mais trabalhosa e pela imposição que o desenvolvimento e a complexidade do mundo moderno têm imposto ao processo de produção, gerando relações de dependências, o trabalho em equipe é entendido como fundamental para o alcance dos objetivos, uma vez que combinam os talentos individuais gerando melhores resultados individuais e coletivos. Com o trabalho em conjunto, as pessoas desenvolvem seu espírito de cooperação e é dele que nasce o mais nobre dos sentimentos, o afeto. A troca é matéria-prima em uma equipe e, nesse processo, todos, inconscientemente, se alimentam. Todas as informações contidas nesta obra são de responsabilidade dos autores. REFERÊNCIAS ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal. São Paulo: Casa do Psicólogo, BERGAMINI, C. W. Psicologia Aplicada à Administração de Empresas: psicologia do comportamento organizacional. São Paulo: Atlas, FREITAS, Valéria S., LEITE, Nildes R. P. O Processo de Trabalho em Grupo: um Estudo de Caso em uma Organização Cooperativa. Disponível em: Acesso em: 26 out HERSEY, Paul. Psicologia para administradores: A teoria e as técnicas de liderança situacional. Tradução e revisão técnica da equipe CPB de Edelbino A. Royer. São Paulo: EPU, MARGERISON, C. J.- Gerência de Grupos de Trabalho. Tradução de Sônia Schawartz, Revisão Técnica de Darci Garçon. São Paulo: McGraw- Hiil do Brasil, PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

12 12 COSTA, C. A equipe de vendas e o trabalho em grupo, lenda ou realidade?. Disponível em: <http://www.administradores.com.br>. Acesso em: 22 mar MICHELETTI, Camila. Trabalho em equipe: essencial para todas as empresas. Disponível em: <http://www.carreiras.empregos.com.br>. Acesso em 26 out WIESEL, Gilberto. Trabalho em equipe: uma vantagem competitiva. Disponível em: <http://www.rh.com.br>. Acesso em 26 out

TÉCNICAS DE LIDERANÇA. MSc Vera Deccó MSc Simone Chaves

TÉCNICAS DE LIDERANÇA. MSc Vera Deccó MSc Simone Chaves TÉCNICAS DE LIDERANÇA MSc Vera Deccó MSc Simone Chaves Conhecendo... Individualmente Responder: 1. O que eu quero deste curso? 2. Por que tudo o que eu quero é importante para mim? 3. Como as informações

Leia mais

A APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE DINÂMICA DE GRUPO PODE SER EFICAZ NO ENSINO UNIVERSITÁRIO?

A APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE DINÂMICA DE GRUPO PODE SER EFICAZ NO ENSINO UNIVERSITÁRIO? ANHANGUERA EDUCACIONAL FACULDADE COMUNITÁRIA DE INDAIATUBA DEISE PADRECA FABIO FOGLIARINI BROLESI MACLAN MENDES DE OLIVEIRA MÔNICA CRISTINA SILVA A APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE DINÂMICA DE GRUPO PODE SER

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar?

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Angélica Adriani Nunes de Moraes 1 Denise Aparecida Ferreira Patrícia Karla Barbosa Pereira Maria Eliza Zandarim 2 Palavras-chave: Empresa, motivação, equipe. Resumo

Leia mais

GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO

GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO 2009 Trabalho apresentado como requisito parcial da disciplina PROCESSOS GRUPAIS, sob a orientação da Educanda Cristina Elizabete Bianca Tinoco Silva Estudante do curso de

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

Formação em Coordenadores de Grupos Operativos.

Formação em Coordenadores de Grupos Operativos. 1 Formação em Coordenadores de Grupos Operativos. Objetivos gerais Ao final da Formação o participante será capaz de: Apropriar-se do referencial teórico vivencial da Psicologia Social e dos Grupos Operativos.

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação O Sindusfarma deseja oferecer aos seus associados à possibilidade de

Leia mais

Projeto. Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Projeto. Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Projeto Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Objetivo apresentar uma série de resultados da avaliação do Programa Escola Integrada, por intermédio da análise de indicadores de diferenciais

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO QUALIDADE NA EDUCAÇÃO Flavia Donel 1, Denise P. Botega 2, Raquel C. Scher 2, João Helvio Righi de Oliveira 3 Engenharia de Produção UFSM 1 Tuiuti, 19/ Santa Maria; RS donel@bol.com.br Universidade Federal

Leia mais

ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS

ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS RINGA MANAGEMENT ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS RESUMO Aline

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Renata Cavalcanti Eichenberg PUCRS De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que se desenvolve, aprende passo a passo a

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Equipe de Alta Performance

Equipe de Alta Performance Equipe de Alta Performance Como chegar a ser uma EAP? Intelectual Razão Cognição Meta Estratégia EQUIPE EAP (Time) BANDO GRUPO Emocional Motivação Relação Ajuda O que é uma Equipe? Éumgrupodepessoas: com

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 Curso de Bacharelado em administração COMÉRCIO EXTERIOR t COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES: Desempenho

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo Andréia Ferreira dos SANTOS; Camilla Machado de SOUZA; Carmelita Brito de Freitas

Leia mais

O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento

O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br Maria Salete Waltrick, Ms (UNIAO) salete@uniao.edu.br

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola MORIS, Aline dos Santos 1 aline_morys@hotmail.com Rocha, Marlizane Atanazio 2 SOUZA, Sueli de Oliveira 3 Suelisouza-roo@hotmail.com

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Prof. Dr. Luiz Antonio Titton Versão março, 2015 A avaliação dos alunos em jogos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

PROJETO FAZER ACONTECER

PROJETO FAZER ACONTECER GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS AVANÇADO SANTOS DUMONT RUA

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe:

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: O estudo de grupos sociais surgiu desde os primórdios da sociologia, com suas distinções a respeito de diferentes tipos de grupos e da preocupação com a análise das

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL JOANA DE FREITAS BARBOSA GRÊMIO ESTUDANTIL 11 DE AGOSTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2004

COLÉGIO ESTADUAL JOANA DE FREITAS BARBOSA GRÊMIO ESTUDANTIL 11 DE AGOSTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2004 COLÉGIO ESTADUAL JOANA DE FREITAS BARBOSA GRÊMIO ESTUDANTIL 11 DE AGOSTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2004 EMENTA: Cria o Sistema de Comunicação Interna do Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Polivalente)

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC)

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Florianópolis, 2012 Expedito Michels Mestrado Profissional

Leia mais

A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Eixo temático Livre

A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Eixo temático Livre A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Cintia Kath Blank 1 Ana Paula Damasceno 2 Eixo temático Livre RESUMO Observa-se na história da leitura feminina hábitos de leitura estabelecidos

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. Edicarlos Dos Santos Freitas, Luzimara Silveira Braz Machado, Rose

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CLIMA ORGANIZACIONAL COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU A Gestão do Conhecimento e os Novos Modelos de Universidade Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4

Leia mais

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO TÍTULO: O CÓDIGO DE ÉTICA E A VALORIZAÇÃO DO CONTADOR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): SUELEN MAYARA

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise:

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise: Relatório de análise de dados O presente relatório trata da análise dos resultados provenientes de informações obtidas por meio dos questionários da autoavaliação referentes ao curso de graduação em Dança

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Seminário de Administração da FEAD abordou o tema Coaching de Carreira

Seminário de Administração da FEAD abordou o tema Coaching de Carreira Seminário de Administração da FEAD abordou o tema Coaching de Carreira O evento realizado na Unidade Saúde da FEAD, no último dia de 13 de novembro, contou com a presença da especialista em Coaching de

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015 Universidade Federal de Juiz de Fora Diretoria de Gerenciamento de Projetos EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015 PROJETO DE EXTENSÃO: Gerenciamento de Projetos Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

OS REFLEXOS DA MONITORIA EM GESTÃO DE OPERAÇÕES NO DESEMPENHO DOS ALUNOS DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

OS REFLEXOS DA MONITORIA EM GESTÃO DE OPERAÇÕES NO DESEMPENHO DOS ALUNOS DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. ISSN 1984-9354 OS REFLEXOS DA MONITORIA EM GESTÃO DE OPERAÇÕES NO DESEMPENHO DOS ALUNOS DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Vanessa de Almeida Guimarães (UFF) Cristiano Souza Marins

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais