Trabalhos em Grupos: Otimizando as Relações Humanas por Meio de Uma Metodologia Eficiente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalhos em Grupos: Otimizando as Relações Humanas por Meio de Uma Metodologia Eficiente"

Transcrição

1 1 Trabalhos em Grupos: Otimizando as Relações Humanas por Meio de Uma Metodologia Eficiente Ângela Sirena Andretta Cristiane de Almeida Sirena Resumo: Atualmente, os trabalhos em grupo são considerados como uma ferramenta importante no processo de construção do conhecimento. O mercado de trabalho busca cada vez mais por profissionais prontos para atender suas exigências. Além de formação superior, o candidato precisa desenvolver diversas habilidades, em especial execução de tarefas em equipe. No meio acadêmico, as experiências bem sucedidas de projetos realizados em equipes, resultam num valioso retorno para seus membros, que além de aprender a conviver com as diferenças, passam a entender as potencialidades e fraquezas suas e dos outros, desenvolvendo um respeito e crescimento intelectual mútuo. Porém quando os resultados das tentativas de utilizar grupos para realizar atividades acadêmicas são ineficazes, professores e alunos passam a desacreditar nessa metodologia e transferem essa descrença para o mundo profissional. Baseando-se no que hoje é praticado nas IES, torna-se imprescindível que professores de nível superior repensem suas estratégias didáticas, construindo uma metodologia eficiente que garanta o êxito dos trabalhados em grupo. Palavras-chave: Trabalho. Grupo. Metodologia. 1 INTRODUÇÃO Cada vez mais o trabalho em equipe vem ganhando importância em todas as atividades da nossa vida. O ser humano, seja na família, na comunidade, na profissão, está sempre atuando, conflitando, convivendo em grupo. Entende-se esse convívio como o grande desafio da nossa sociedade regional, que é culturalmente marcada pelo individualismo, fruto da insegurança social. A capacidade de produzir em grupo está sendo mais valorizada principalmente no meio acadêmico. As experiências bem sucedidas de projetos realizados em equipes resultam num valioso retorno para os membros do grupo que além de aprender a conviver com as diferenças, passam a entender as potencialidades e fraquezas suas e dos outros, desenvolvendo um respeito e crescimento intelectual mútuo. A grande vitória dessas experiências é a mudança no comportamento antes individualista dos participantes da equipe, transferindo-a para o mundo profissional. Trabalhar em equipe não é fácil, por isso o mercado de trabalho busca hoje profissionais com habilidades para executar tarefas em conjunto. Ainda nos processos de seleção, os candidatos à vaga são submetidos a testes que

2 2 avaliam essas habilidades podendo definir se estão aptos ou não para o desenvolvimento daquela atividade. Os trabalhos em grupos, quando feitos com critério e seriedade, são ferramentas eficientes no processo de construção do conhecimento. Porém, na medida em que os alunos e professores não conseguem eficientes resultados nas suas tentativas de utilizar grupos para realizar atividades acadêmicas, passam a desacreditar nessa metodologia e transferem essa descrença para o seu mundo profissional, dificultando a quebra de paradigmas. Sabendo-se que o mercado de trabalho atualmente, além de buscar profissionais com formação superior, necessita de candidatos prontos para atender as suas exigências, enquanto clientes das IES, os alunos buscam desenvolver diversas habilidades. Dessa forma faz-se necessário um estudo que auxilie professores de nível superior a rever suas estratégias didáticas, visando o êxito dos trabalhos em grupo. Para tanto, conhecer melhor o perfil dos alunos e os fatores que podem determinar os resultados dos trabalhos em grupo na visão dos mesmos é fundamental para a eficiência da metodologia de trabalho em questão. O estudo foi realizado na FTEC Caxias do Sul, com alunos dos cursos técnicos e de graduação. Os dados coletados foram analisados e, através dessas informações, novas estratégias de trabalho foram avaliadas e sugeridas aos professores para que otimizem essa metodologia. 2 REFERENCIAL TEORICO 2.1 METODOLOGIA Esse trabalho foi realizado com dados coletados em uma instituição de ensino superior da cidade de Caxias do Sul, RS. A Faculdade de Tecnologia - FTEC Brasil possui atualmente na cidade 1360 alunos, distribuídos em 10 cursos técnicos e 14 cursos de graduação entre outros de qualificação e pós-graduação. Foram avaliados 141 alunos, com idades variando entre 18 a 58 anos de idade e com tempo de curso variando do primeiro ao quarto semestre. A avaliação foi feita por meio de um questionário com 22 questões, sendo 20 objetivas e 2 descritivas. Os questionários foram entregues aos professores que num prazo de trinta dias consecutivos os distribuíram aleatoriamente entre os alunos dos cursos de Técnico em Agrícola, Graduação em Gestão da Tecnologia da Informação, Gestão da Qualidade, Gestão

3 3 de RH, Gestão Comercial, Gestão Financeira, Marketing, Comércio Exterior, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Logística. O método utilizado para a pesquisa é o hipotético dedutivo e os dados quantitativos e qualitativos obtidos por meio de questionário foram comparados com as hipóteses propostas de que as características individuais do aluno, metodologia adotada pelo professor e influência cultural são fatores determinantes dos resultados do trabalho em grupo. Através da análise dessas informações relacionadas com o que atualmente é praticado, foi proposta uma metodologia mais eficiente para o desenvolvimento dos trabalhos em grupo. 2.2 RESULTADOS Para compreender melhor o processo que envolve a metodologia do trabalho em grupo, faz-se necessário um breve estudo da origem e significado dessa nomenclatura. Nos estudos de diferentes áreas do conhecimento, frequentemente encontram-se dois termos: equipe e grupo. Embora transpareça que o sentido desses dois termos seja idêntico, ambos relacionam-se a conceitos diferentes. A palavra equipe originou-se do termo esquif que designava uma fila de barcos amarrados uns aos outros e puxados por homens ou cavalos, em época anterior à dos rebocadores. A imagem dos barqueiros ou cavalos puxando, junto aos barcos amarrados, sugere a ideia de trabalho em equipe (HERSEY, 1986). Neste conceito está implícita a ideia de hierarquia, onde os barcos representam à base de uma pirâmide, enquanto o barqueiro ou o cavalo corresponde ao ápice. A palavra grupo surgiu no século XVII, proveniente do italiano groppo, vocábulo utilizado para designar em Belas Artes, os vários indivíduos pintando ou esculpindo. O vocábulo se estende para a linguagem corrente, designando um conjunto de elementos, uma categoria de seres ou de objetos, formando um todo, um conjunto (ANZIEU, 1993). Considerando a etimologia desses termos, percebe-se que embora tenham sofrido modificações temporais, guardam simbolicamente seus significados de origem. Mesmo tendo origens distintas, os termos hoje são genericamente utilizados para designar o mesmo conceito. Atualmente o termo grupo é mais utilizado no meio acadêmico, como metodologia de trabalho, enquanto que o termo equipe é mais utilizado no meio empresarial, sendo visto como uma habilidade fundamental e determinante para os profissionais neste meio. Fica entendido, portanto, que grupo é um conjunto de pessoas com

4 4 objetivos comuns que em geral se reúnem por afinidades. O respeito e os benefícios psicológicos que os membros encontram, em geral, produzem bons resultados. No entanto este grupo não é uma equipe. Entende-se que equipe é um conjunto de pessoas com objetivos comuns atuando no cumprimento de metas específicas. Dessa forma, a formação da equipe deve considerar as competências individuais necessárias para o desenvolvimento das atividades e atingimento das metas. O respeito aos princípios da equipe, à interação e especialmente o reconhecimento da interdependência entre seus membros na busca pelos objetivos da equipe, deve favorecer ainda os resultados das outras equipes e da organização como um todo. É isso que torna o trabalho desse grupo num verdadeiro trabalho em equipe (FREITAS; LEITTE, 2007). O termo Grupo pode ser definido como sendo "conjunto de pessoas ligadas entre si por constantes de tempo e espaço e, articuladas por uma mútua representação interna que se propõem explícita e implicitamente uma tarefa, que constitui sua finalidade" (PICHON- RIVIÈRE, 1991, p.). Baseando-se neste conceito, que melhor indica a metodologia de trabalho em questão, analisaremos os fatores que podem influenciar nos resultados dos trabalhos em grupo, buscando melhor entendimento do mesmo para aperfeiçoar as relações humanas grupais. Para facilitar a compreensão das preferências dos alunos quanto à metodologia para realização de trabalhos didáticos, serão apontadas algumas características sócio-econômicas dos mesmos. A maior parte dos alunos participantes do estudo (62,41%) é solteira e 77,3% não possuem filhos. Percebe-se que entre casados e solteiros avaliados existem diferenças quanto à preferência por trabalhos individuais ou em grupos. Os solteiros (50,58%) preferem os trabalhos em grupo, enquanto que os casados (69,23%) preferem trabalhos individuais. Dentre todos os participantes, 26,95% são considerados chefes de família, sendo os principais responsáveis pelo seu sustento e de outras pessoas, 59,57% contribuem parcialmente para o sustento da família ou de outras pessoas e 13,47% são dependentes, ou seja, recebem ajuda financeira da família ou de outros. Nota-se que os chefes de família (62,16%) preferem trabalhos individuais, possivelmente por não disponibilizar tempo suficiente para encontros com colegas fora do horário de aula. Constatou-se também que 91,48% dos avaliados trabalham e estudam em turno oposto e 65,24% deles com jornada de trabalho de mais de quarenta horas semanais. Destes, 55,11% preferem a realização de trabalhos individuais, evidenciando ainda mais a dificuldade que esses alunos/profissionais enfrentam para conciliar sua vida acadêmica com a profissional. Quanto ao regime da ocupação principal, a maior parte dos avaliados são empregados do setor privado, com cargos ou funções

5 5 predominantemente de nível técnico ou operacional. Quanto ao tempo de lazer, as atividades mais citadas pelos avaliados foram em primeiro lugar passeios com a família, seguido por atividades no computador/internet, programas de televisão, leitura de livro e atividades esportivas em equipe. Curiosamente os avaliados que dedicam exclusivamente o seu tempo de lazer com a família, são na maioria mulheres (83,33%), destas 55% são solteiras, 45% são casados, em ambos os casos em média 35% delas possuem filhos e têm preferência pelo trabalho individual (62,5%). Embora com tempo bastante restrito, 58,15% dos alunos citaram ter costume de reservar horários extraclasse para estudo ou resolução de trabalhos de aula. Sabemos que trabalhar em grupo não é fácil, porém extremamente necessário em diferentes situações de nossas vidas. Requer disciplina, tolerância, respeito, dentre tantos outros atributos que devem ser exercitados constantemente para que consigamos atingir objetivos comuns. Quando questionados sobre a sua preferência quanto à realização de trabalhos individuais ou em grupo, 55,31% dos avaliados preferem a prática de trabalhos individuais, 42,55% preferem trabalhos em grupos e 2,12% não responderam. A tabela 1 indica as vantagens e desvantagens desta metodologia, apontadas pelos alunos. Tipo de trabalho Vantagens Desvantagens Individual Expressa ponto de vista individual; Faço quando posso; Sou o total responsável; Falta de opiniões/debates; Falta de ideias; Mais serviço; Grupal Troca de ideias/opiniões; Integração/interação; Menos trabalho; Aproximam pessoas; Tabela 1: Vantagens e desvantagens do trabalho individual e do trabalho em grupo Fonte: os autores, Falta de colaboração/desinteresse; Dificuldade com horários; Dependência; Divergência de opiniões; Por mais que tenham sua preferência, os alunos avaliados souberam identificar algumas vantagens e desvantagens de cada metodologia de trabalho. Desta forma, percebe-se que todos têm conhecimento sobre ambas ou já vivenciaram diferentes experiências e diante dos prós e contras, optaram pela metodologia que mais se enquadra no seu atual contexto. Embora mais da metade dos avaliados prefira trabalhos individuais, quando questionados sobre o seu nível de envolvimento quando realizam trabalhos em grupo, 63,82% dos alunos consideram-se com envolvimento total com o grupo em todas as atividades, 29,07% deles

6 6 consideram seu envolvimento parcial e somente 3,54% consideram seu envolvimento superficial, participando apenas com o que o grupo determinou. Não há dados que comprovem quando surgiu a ideia de reunir indivíduos em grupos em prol de um objetivo comum, mas sabe-se que esta concepção de equipe existe há muito tempo, desde que se começou a pensar no processo do trabalho. A ideia advém da necessidade histórica do homem de somar esforços para alcançar objetivos que, isoladamente, não seriam alcançados ou seriam de forma mais trabalhosa ou inadequada e também da imposição que o desenvolvimento e a complexidade do mundo moderno têm imposto ao processo de produção, gerando relações de dependência ou complementaridade de conhecimentos e habilidades para o alcance dos objetivos. Segundo Micheletti (2009) são notórios os benefícios que uma equipe bem afinada pode trazer para a organização. Primeiro, porque uma equipe é formada de pessoas, que trazem consigo histórias de vida e competências diferentes, mas que se relacionam. Um é bom em analisar relatórios, outro fala muito bem em público e o terceiro tem uma boa capacidade para detectar e resolver problemas. Estas são algumas características que, somadas, podem formar uma equipe coesa e eficiente. São diversos os objetivos e importância de se trabalhar em grupo, dentre eles destacam-se alguns mais lembrados pelos alunos da FTEC, conforme tabela 2. Objetivos N. de alunos % Despertar a liderança; 49 34,75 Socializar vivências; 96 68,08 Diminui a carga de trabalho; 35 24,82 Favorece a criação; 78 55,31 Desenvolver capacidades; 64 45,39 Aprender a ouvir; 86 60,99 Outros 1 0,70 Tabela 2: Objetivos do trabalho em grupo 1 Fonte: os autores, Socializar vivências, aprender a ouvir, favorecer a criação, desenvolver capacidades, despertar lideranças e diminuir a carga de trabalho são os objetivos mais significativos do trabalho em grupo, na visão dos alunos. Contudo, sabemos que intrinsecamente acontece uma transformação que nos modifica, aprimora e nos desenvolve mais como seres humanos. Sabese que a interação entre pares e o potencial de cada indivíduo ficam ainda maiores quando em equipe, pois todos são responsáveis mutuamente pelo resultado, diferentemente de quando se 1 Esta questão permitia múltipla escolha. Ver questionário no anexo A.

7 7 trabalha sozinho. Com o excesso de problemas e a necessidade de responder rápido em várias frentes que as empresas têm hoje, tornou-se quase impossível trabalhar de forma isolada, cada um pra si. Diante do atual cenário profissional e social, mais importante do que reconhecer a dimensão de conviver e trabalhar em grupos é também necessário exercitar esse hábito em nossa rotina diária de convivência. Cabe ressaltar também que as pessoas envolvidas necessitam resgatar valores como união, respeito, cooperação, participação, envolvimento e comprometimento. Esse resgate é fundamental, para a sociedade como um todo. Nossa região é marcada por essa característica devido às heranças culturais dos nossos colonizadores. Desde os primórdios da colonização da serra gaúcha, os imigrantes ítalogermânicos eram agricultores e não possuíam recursos técnicos para trabalhar a terra, utilizando-se basicamente da mão-de-obra familiar. Dessa forma, cada família lutava pelo seu sustento e desenvolvimento de forma individualizada. Devido a essa influência, é comum encontrarmos empresas, indústrias e comércios administrados por familiares, passando de geração em geração. Além de outros fatores culturais, o clima tipicamente frio também contribui para que as famílias mantenham-se mais isoladas em suas casas. Esse hábito do ser e fazer por si só pode ser considerado um fator extremamente negativo quando falamos de trabalho e convívio em grupo. Talvez seja essa a justificativa pela preferência dos alunos em realizar trabalho individual e pela falta de envolvimento de tantos alunos nos trabalhos em grupo. Fatores N. de alunos % Falta de motivação 36 25,53 Empatia com o grupo 23 16,31 Tempo disponível 84 59,57 Falta de envolvimento do grupo 44 31,20 Tabela 3: Fatores que determinam a falta de envolvimento nos trabalhos em grupo 2 Fonte: os autores, Conforme tabela 3, o fato da maioria dos alunos trabalharem e estudarem em turno oposto, também é uma herança cultural que consequentemente restringe o tempo hábil para demais atividades em grupo. Diante desta realidade, talvez fosse o caso dos professores adotarem uma metodologia de grupo predominantemente em classe, onde todos os alunos pudessem dar suas contribuições e o professor conduzir, avaliar e intervir conforme o desenrolar do grupo. Desta forma professores e alunos só têm a ganhar, primeiro porque 2 Esta questão permitia múltipla escolha. Ver questionário no anexo A.

8 8 estarão mais próximos; os professores terão maior facilidade em avaliar o desempenho de cada componente dos grupos, podendo intervir quando julgar necessário, e segundo porque o trabalho será mais eficiente; os alunos demonstrarão maior envolvimento e disponibilidade pela atividade, visto que é um exercício que deve ser desenvolvido e aprimorado constantemente, devido à necessidade que a sociedade e o mercado de trabalho nos impõem. Segundo Schutz (apud BERGAMINI,1982) grande estudioso do comportamento humano em pequenos grupos de trabalho, os indivíduos têm três necessidades interpessoais quando se associam em grupos. A primeira delas é a de inclusão, definida pelo autor como a necessidade de estabelecer e manter relacionamento satisfatório com as pessoas, tendo em vista sua interação e associação. A inclusão se dá quando todos os membros sentem que têm sua presença assegurada no grupo e sabem que sua ausência chama a atenção dos demais membros. A segunda é a de controle, definida como a atitude de estabelecer e manter relações satisfatórias com as pessoas em termos de controle e força. Após cada um ter assegurado sua presença no grupo, o indivíduo procura fazer-se conhecer em termos de sua competência pessoal e responsabilidade por determinado papel comportamental assumido, até o ponto em que naturalmente seja estabelecido um clima de respeito mútuo. Para Bergamini (1982, p.87) em geral, nesta segunda fase podem aparecer tensões e ultrapassá-las significa um passo além da maturidade do relacionamento das pessoas que compões o grupo. A terceira é a de afeição e, conforme o autor necessidade interpessoal de afeição é a necessidade de estabelecer e manter relacionamentos satisfatórios com outras pessoas no tocante ao amor e à afeição. A necessidade de afeição, definida ao nível de autoconceito, é a necessidade de sentir que se é digno de ser amado. Essas três necessidades exercem influência no comportamento de grupo. Pela análise da tabela 4, fica evidente que os alunos não têm certeza de como é determinada a metodologia dos trabalhos em grupo. Metodologia N. de alunos % O professor determinou previamente; 43 30,49 Os alunos determinaram; 2 1,41 Professores e alunos determinaram previamente em conjunto; 35 24,82 Foi determinada em parte pelo professor e em parte pelos alunos; Não responderam ,29 4,96 Tabela 4: Quanto à metodologia dos trabalhos em grupo realizados na FTEC Fonte: os autores, Pela pluralidade das respostas, percebe-se que o professor não determina com clareza todos os tópicos do trabalho e os alunos consequentemente definem alguns critérios conforme interesse do grupo. A conduta do trabalho, primeiramente pelo professor e posteriormente

9 9 pelo grupo é fundamental para o sucesso do mesmo. Quando as regras não são claras, os resultados muitas vezes também não são satisfatórios, pois cada um seguirá a sua linha de entendimento, perdendo a qualidade e eficiência das informações e consequentemente a essência do trabalho em conjunto. Segundo Freitas e Leitte (2007) alguns fatores como a atmosfera de grupo, o estabelecimento de objetivos, a comunicação interpessoal e as normas tácitas de conduta podem influenciar a eficiência dos grupos de trabalho. A atmosfera de grupo se caracteriza pelo fato de que os membros têm grande confiança recíproca e que se ajudam mutuamente nas respectivas tarefas. A congregação de esforços, quando necessário, para auxiliar quem quer que se encontre em dificuldades, ao invés de dedicar-se exclusivamente a seu próprio trabalho, é uma característica marcante desse fator. Para o estabelecimento de objetivos Margerison (1975) atesta que um número considerável de pesquisas afirma existir maior possibilidade das pessoas se interessarem em pôr em prática uma decisão, quando estão envolvidas no estabelecimento de objetivos. Porém salienta que não existe um método universal de se criar grupos eficientes de trabalho. O método empregado deve estar alinhado com as expectativas e desejos dos integrantes do grupo. O grupo de trabalho eficiente se caracteriza por uma sólida comunicação interpessoal. O que ocorre muitas vezes é a informação ser omitida ou ser transmitida de modo insuficiente, gerando dúvidas e ansiedade no grupo. Isto ocorre porque o detentor da informação associa a informação ao poder e que guardando para si próprio o máximo de conhecimento, aumenta seu poder, porém não percebe que perde o contato afetivo com o grupo, assim como a cooperação. Os grupos criam normas tácitas de conduta que efetivamente controlam o comportamento de seus membros. As normas e padrões são bases estabelecidas de comum acordo para o funcionamento de um grupo de trabalho. É claro que o problema dos grupos de trabalho não se resolve facilmente. Esses quatro pontos apresentados indicam algumas das dimensões consideradas fundamentais na tentativa de aumentar a eficiência dos grupos de trabalho (FREITAS; LEITTE, 2007). 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base nas informações geradas a partir deste estudo, percebe-se que existem alguns fatores fundamentais que determinam o insucesso dos trabalhos em grupo: em primeiro lugar a falta de tempo apontada pelos respondentes. Como a grande maioria possui jornada dupla de trabalho e estudo, o tempo para as atividades extraclasse acaba sendo

10 10 reduzido. Outro fator que agregado ao primeiro pode ser apontado é a falta de interesse, quando um trabalho não é bem orientado. Além destes, também pode ser considerada a própria competitividade em que vivemos em nossa sociedade atual e até mesmo a herança da sociedade local, bastante individualista e capitalista. Observando os resultados obtidos também fica claro que professores e alunos da FTEC não têm clareza quanto à metodologia dos seus trabalhos em grupo. Professores determinam alguns poucos tópicos e alunos conduzem da forma mais coerente com a sua realidade. Não há uma orientação clara e assim como divisão de tarefas, o que dificulta inclusive a avaliação dos professores em relação aos alunos. A partir do que foi observado e atestado com os resultados obtidos, sugere-se que seja criada uma metodologia para os trabalhos em grupo, uma vez que esta irá contribuir não somente para o meio acadêmico, mas também para o ambiente de trabalho em que estão inseridos. 1) O professor determina junto com os alunos os pré-requisitos para o trabalho: 1.1) Assunto a ser pesquisado e sua abrangência; 1.2) Prazo de entrega; 1.3) Número de componentes do grupo; 1.4) Formas de apresentação (seminários, palestras, teatro, perguntas e respostas, entre outros, conforme criatividade do professor e/ou grupos). 2) O professor determina as regras do trabalho: 2.1) Deverá ser designado um coordenador para cada grupo (escolhido pelos membros); 2.2) Todos os membros do grupo terão uma tarefa a desenvolver no decorrer do trabalho, conforme orientação do coordenador, porém todos os componentes deverão estar a par do trabalho como um todo; 2.3) Será destinada 1 hora/aula no final de cada encontro para realização do trabalho (os alunos deverão apresentar suas considerações sobre a pesquisa e o coordenador será o responsável pela organização do tempo disposto para atividade, para que todos os membros participem igualmente); 2.4) O professor ficará disponível durante o período de realização do trabalho para o esclarecimento de dúvidas e orientações, monitorando o desenvolvimento dos trabalhos em aula; 2.5) Na apresentação final, deverá haver uma divisão de tempo para que todos possam fazer suas considerações; 3) Ferramentas de avaliação do professor:

11 11 3.1) Todos os integrantes dos grupos deverão entregar um memorial descritivo referente aos encontros de cada aula; 3.2) Apresentação escrita do trabalho; 3.3) Apresentação oral individual de cada integrante do grupo; 3.4) Avaliação do coordenador (deverá entregar um relatório referente à participação de cada integrante do grupo, incluindo a sua); Pela necessidade histórica do homem de somar esforços para alcançar resultados que, isoladamente, não seriam alcançados ou seriam de forma mais trabalhosa e pela imposição que o desenvolvimento e a complexidade do mundo moderno têm imposto ao processo de produção, gerando relações de dependências, o trabalho em equipe é entendido como fundamental para o alcance dos objetivos, uma vez que combinam os talentos individuais gerando melhores resultados individuais e coletivos. Com o trabalho em conjunto, as pessoas desenvolvem seu espírito de cooperação e é dele que nasce o mais nobre dos sentimentos, o afeto. A troca é matéria-prima em uma equipe e, nesse processo, todos, inconscientemente, se alimentam. Todas as informações contidas nesta obra são de responsabilidade dos autores. REFERÊNCIAS ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal. São Paulo: Casa do Psicólogo, BERGAMINI, C. W. Psicologia Aplicada à Administração de Empresas: psicologia do comportamento organizacional. São Paulo: Atlas, FREITAS, Valéria S., LEITE, Nildes R. P. O Processo de Trabalho em Grupo: um Estudo de Caso em uma Organização Cooperativa. Disponível em: Acesso em: 26 out HERSEY, Paul. Psicologia para administradores: A teoria e as técnicas de liderança situacional. Tradução e revisão técnica da equipe CPB de Edelbino A. Royer. São Paulo: EPU, MARGERISON, C. J.- Gerência de Grupos de Trabalho. Tradução de Sônia Schawartz, Revisão Técnica de Darci Garçon. São Paulo: McGraw- Hiil do Brasil, PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

12 12 COSTA, C. A equipe de vendas e o trabalho em grupo, lenda ou realidade?. Disponível em: <http://www.administradores.com.br>. Acesso em: 22 mar MICHELETTI, Camila. Trabalho em equipe: essencial para todas as empresas. Disponível em: <http://www.carreiras.empregos.com.br>. Acesso em 26 out WIESEL, Gilberto. Trabalho em equipe: uma vantagem competitiva. Disponível em: <http://www.rh.com.br>. Acesso em 26 out

TÉCNICAS DE LIDERANÇA. MSc Vera Deccó MSc Simone Chaves

TÉCNICAS DE LIDERANÇA. MSc Vera Deccó MSc Simone Chaves TÉCNICAS DE LIDERANÇA MSc Vera Deccó MSc Simone Chaves Conhecendo... Individualmente Responder: 1. O que eu quero deste curso? 2. Por que tudo o que eu quero é importante para mim? 3. Como as informações

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Equipe de Alta Performance

Equipe de Alta Performance Equipe de Alta Performance Como chegar a ser uma EAP? Intelectual Razão Cognição Meta Estratégia EQUIPE EAP (Time) BANDO GRUPO Emocional Motivação Relação Ajuda O que é uma Equipe? Éumgrupodepessoas: com

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Dr José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Componente

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Comportamento Organizacional CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA Área Temática: Educação Responsável pelo trabalho: Tatiana Comiotto Menestrina Instituição: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) Departamento:

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2 V S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A E N S I N O QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Ramon Martinez Ribeiro Neto 1 Gilberto de Andrade Martins 2 RESUMO

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL JOANA DE FREITAS BARBOSA GRÊMIO ESTUDANTIL 11 DE AGOSTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2004

COLÉGIO ESTADUAL JOANA DE FREITAS BARBOSA GRÊMIO ESTUDANTIL 11 DE AGOSTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2004 COLÉGIO ESTADUAL JOANA DE FREITAS BARBOSA GRÊMIO ESTUDANTIL 11 DE AGOSTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2004 EMENTA: Cria o Sistema de Comunicação Interna do Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Polivalente)

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS RECURSOS HUMANOS EXCELLING BUSINESSES THROUGH PEOPLE

PROPOSTA DE SERVIÇOS RECURSOS HUMANOS EXCELLING BUSINESSES THROUGH PEOPLE PROPOSTA DE SERVIÇOS RECURSOS HUMANOS SABIA QUE Organizações que contam com RH eficientes, têm resultados económicos 2 vezes superiores do que aquelas que praticam uma fraca gestão das pessoas? Creating

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação.

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. MANUAL OFICIAL O EVENTO O IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai reconhece a importância do trabalho acadêmico, as habilidades de criação e de inovação dos alunos de cada um de

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA PESQUISA SOBRE A MULHER NA COMUNICAÇÃO CORPORATIVA O Instituto ABERJE de Pesquisas realizou uma pesquisa sobre a Mulher na Comunicação Corporativa, com o patrocínio da Natura e da Multibrás, e ouviu 6

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão

A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão 852 A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão Mirian Paludetto 1 - Uni-FACEF Patrícia S.M.F. Espírito Santo 2 - Uni-FACEF Introdução Atualmente, em relação a um passado não muito

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão de Recursos Humanos 1ª Série Comportamento Organizacional A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais