UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. Agrônomo MSc

2

3 PROPAGAÇÃO Sexual ou gâmica Vegetativa ou assexuada

4 REPRODUÇÃO PROPAGAÇÃO SEXUADA MULTIPLICAÇÃO PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

5 TRANSMISSÃO DAS CARACTERISTICAS DA PLANTA DEPENDE DOS GENS PRESENTES NOS CROMOSSOMOS

6 A SOMA TOTAL DOS GENS GENÓTIPO DA PLANTA AMBIENTE FENÓTIPO

7 CULTIVAR VARIEDADE

8

9 VARIAÇÕES SEMELHANTES A SEUS PROGENITORES NÃO SÃO IDÊNTICAS VARIABILIDADE CONSTITUIÇÃO GENÉTICA

10 SEGREGAÇÃO E RECOMBINAÇÃO DE GENS

11 PLANTAS HOMOZIGOTAS E AUTOFECUNDAÇÃO PREDOMINAM LINHAGENS PRATICAMENTE PURAS DIFÍCIL MANTER ESTAS CARACTERÍSTICAS

12 POLINIZAÇÃO CRUZADA ÉMAIS COMUM

13 Plantas que produzem sementes poliembriônicas A sua propagação por meio de sementes Manutenção da constituição genética idêntica São provenientes de embriões nucelares e de origem somática

14 EMPREGO DE SEMENTES RESTRITO Plantas que não podem ser propagadas por outro meio: mamão Obtenção porta enxertos: Enxertia das variedades comerciais sobre porta-enxertos: citrus, abacate, caju, manga, etc.

15 Obtenção de variedades novas: com a biotecnologia, pode-se obter plantas transgênicas, híbridas e novas variedades. Obtenção de clones nucelares: obtido a partir de sementes poliembriônicas (mais de um embrião por semente). Número de embriões por semente varia de acordo com a espécie, a variedade e condições climáticas

16 Em citros encontram-se de dois a quinze embriões e, em manga até dezesseis embriões nucelares A utilização de clones novos é prática corrente hoje na citricultura, acredita-se que os vírus presentes nas plantas não passam através das sementes, obtém-se a mesma variedade, livre ou isenta de doença de vírus.

17

18 Sementes poliembriônicas: Propagação possível, porém não desejável, pois o início da produção é retardado e o porte das plantas são maiores que as enxertadas

19 Plantas homozigotas: Reprodução de fruteiras por sementes é viável, não recomendada. Frutificam tardiamente e com maiores dimensões. Exigem maior espaçamento que as enxertadas

20 OBTENÇÃO DE SEMENTES

21 Obtenção de sementes de boa qualidade Escolha: das matrizes,dos frutos, das sementes Preparo das sementes Conservá-las de modo adequado, para manter a sua viabilidade, germinação; Verificar se há dormência, de que tipo e como realizar a quebra de dormência.

22 Escolha das matrizes

23 Requisitos para escolha das matrizes Vigor: característica relacionada à sanidade e Sanidade produtividade. Regularidade de produção: produção constante.

24 Qualidade dos frutos: sabor (mais ácido ou mais doce), teor de vitaminas, forma dos frutos, coloração, etc. Idade da planta: árvores de idade média, evitar as plantas muito novas ou velhas, apresentam sementes com menor poder germinativo.

25 Escolha dos frutos

26 Colher frutos da periferia da copa Frutos que atingiram a maturação fisiológica Conformação; Tipo-padrão; Sanidade; Maturação

27 Escolha das sementes

28 Tamanho normal (volume e peso) de acordo com a variedade ou espécie a que pertencem. As sementes maiores possuem maiores quantidades de reservas e, portanto, dão origem a árvores mais vigorosas. Sanidade. Poder germinativo e longevidade.

29 Preparo das Sementes

30 Sementes são parte dos frutos Resultam do desenvolvimento do ovário Podem conter uma ou mais sementes, que se originam dos óvulos fecundados

31 Os frutos, segundo suas características, dividem-se em dois grandes grupos: secos e carnosos. Frutos secos: colhidos, limpos, secos em local seco, ventilado e ao abrigo da luz. Ex.: Castanha, pecã, noz, avelã.

32 A nogueira pecã é originária do Sul dos Estados Unidos, onde pode ser encontrada em estado nativo, no Brasil, foi introduzida por volta de 1910.

33 Frutos carnosos: as sementes deverão ser separadas, lavadas e deixadas secar na sombra.

34 FIM

LGN 313 Melhoramento Genético

LGN 313 Melhoramento Genético LGN 313 Melhoramento Genético Professores: Antonio Augusto Franco Garcia José Baldin Pinheiro Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Genética - ESALQ/USP Segundo semestre - 2010

Leia mais

Aula 10: Genética Quantitativa II

Aula 10: Genética Quantitativa II LGN215 - Genética Geral Aula 10: Genética Quantitativa II Prof. Dr. Antonio Augusto Franco Garcia Monitora: Maria Marta Pastina Piracicaba SP Caracteres Quantitativos Caracteres controlados por muitos

Leia mais

3) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a:

3) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a: LISTA REVISÃO BIOLOGIA DIVISÃO CELULAR E GENÉTICA 1) Em urtigas o caráter denteado das folhas domina o caráter liso. Numa experiência de polinização cruzada, foi obtido o seguinte resultado: 89 denteadas

Leia mais

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros MUDAS E VIVEIROS 1 1. DEFINIÇÃO: MUDA - estrutura vegetal de qualquer espécie ou cultivar, proveniente de reprodução sexuada ou assexuada convenientemente produzida e que tenha finalidade específica de

Leia mais

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a):

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 2 ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte. Suas flores,

Leia mais

Melhoramento de. Melhoramento de Espécies Alógamas. (cont.) SELEÇÃO COM TESTE DE PROGÊNIE. Teste de progênie: avaliação do genótipo

Melhoramento de. Melhoramento de Espécies Alógamas. (cont.) SELEÇÃO COM TESTE DE PROGÊNIE. Teste de progênie: avaliação do genótipo Aula 11 SELEÇÃO COM TESTE DE PROGÊNIE Melhoramento de Espécies Alógamas (cont.) Teste de progênie: avaliação do genótipo dos progenitores com base no fenótipo dos seus descendentes. 1. Seleção espiga por

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO 6 INTRODUÇÃO A seleção é uma das principais ferramentas do melhorista independente do tipo de método de melhoramento utilizado. A seleção é utilizada tanto

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS Francisco Pinheiro de Araújo Carlos Antonio F.Santos Everaldo Rocha Porto Embrapa Semi-Árido

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

HÍBRIDOS EM ESPÉCIES AUTÓGAMAS

HÍBRIDOS EM ESPÉCIES AUTÓGAMAS HÍBRIDOS EM ESPÉCIES AUTÓGAMAS INTRODUÇÃO Edson Perez Guerra & João Carlos Bespalhok F. Como discutido anteriormente, o tipo mais usado de variedade em espécies autógamas é a linha pura. Entretanto, para

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL Daiane Silva Lattuada 1 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 2 ; Mateus Pereira Gonzatto 1 ; Sérgio Francisco Schwarz 2 1 Eng. Agrônomo, mestrando no

Leia mais

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Reprodução nas plantas Apresentação feita por Como se reproduzem as plantas com flor? As plantas com flor reproduzem-se por sementes, que resultam da reprodução sexuada, que ocorre quando as células sexuais

Leia mais

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus Escola Secundária/3 Morgado de Mateus FICHA DE TRABALHO Ano lectivo 2009/2010 1. Para cada uma das questões seguintes, escolha a opção correcta. 1.1. A reprodução é uma função A- necessária à sobrevivência

Leia mais

Unidade 6 Reprodução nos seres vivos

Unidade 6 Reprodução nos seres vivos Unidade 6 Reprodução nos seres vivos Reprodução sexuada Os descendentes apresentam carateres comuns entre si e em relação aos progenitores de típicos da espécie a que pertencem, mas diferem significativamente

Leia mais

ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS

ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Erivaldo José Scaloppi Junior Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Noroeste Paulista/APTA scaloppi@apta.sp.gov.br No Brasil, a família Annonaceae possui

Leia mais

BROTAÇÃO DO ENXERTO DE VARIEDADES COPA DE CITROS EM COMBINAÇÃO COM DIFERENTES PORTA-ENXERTOS MATERIAL E MÉTODOS

BROTAÇÃO DO ENXERTO DE VARIEDADES COPA DE CITROS EM COMBINAÇÃO COM DIFERENTES PORTA-ENXERTOS MATERIAL E MÉTODOS BROTAÇÃO DO ENXERTO DE VARIEDADES COPA DE CITROS EM COMBINAÇÃO COM DIFERENTES PORTA-ENXERTOS MARIA JÚLIA DA SILVA RODRIGUES 1 ; CARLOS ALBERTO DA SILVA LEDO 2 ; ELDES REINAN MENDES DE OLIVEIRA 3 ; ORLANDO

Leia mais

CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1

CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1 Genética CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1 Luiz Carlos Fazuoli (2,4) Herculano Penna Medina Filho (2,4) Oliveiro Guerreiro Filho (2,4) Wallace Gonçalves (2,4) Maria

Leia mais

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES Joquebede Bezerra Cacau 1 ; João Rodrigues de Paiva 2 ; João Ribeiro Crisóstomo 2 ; José Maurício Magalhães 3 1 Estudante de Graduação de

Leia mais

Melhoramento de espécies autógamas

Melhoramento de espécies autógamas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies autógamas Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução Efeitos

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L.

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L. MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Jatropha curcas L. Maria Regina G. Ungaro, Centro de Grãos e Fibras, IAC, ungaro@iac.sp.gov.br Amadeu Regitano Neto, Centro de Grãos e Fibras, IAC, regitano@iac.sp.gov.br

Leia mais

Variedades Híbridas: obtenção e predição. João Carlos Bespalhok Filho

Variedades Híbridas: obtenção e predição. João Carlos Bespalhok Filho Variedades Híbridas: obtenção e predição João Carlos Bespalhok Filho Histórico Shull (1909) Esquema básico para produção de sementes de milho híbrido Donald F. Jones (1918) Híbrido duplo Krug (1939) Primeiro

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL ATRIBUTOS PRODUTIVOS

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Como garantir níveis de produtividade desta exigente cultura? geadas Experiencias da adaptação ecológica da cultura da nogueira a varias regiões

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais

Floricultura e Plantas Ornamentais Métodos de Propagação em Ornamentais: TRADICIONAL Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues MÉTODOS PROPAGATIVOS VEGETATIVOS: ENXERTIA, ESTAQUIA, MERGULHIA E ALPORQUIA. Vantagens:

Leia mais

Melhoramento e Propagação do Urucuzeiro

Melhoramento e Propagação do Urucuzeiro Melhoramento e Propagação do Urucuzeiro Camilo Flamarion de Oliveira Franco e Fabiano de Cristo Pereira da Silva, Jorge Cazé Filho, Miguel Barreiro Neto, Abel Rebouças São José, Tiyoco Nair Hojo Rebouças,

Leia mais

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Professor: Robson Fernando Missio 1ª Avaliação 1) Um pesquisador trabalhando com o melhoramento de milho realizou o cruzamento controlado

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas.

Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas. ANGIOSPERMAS -angio = envoltório; sperma = semente Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas. Esse grupo encontra-se

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE GENÉTICA E EVOLUÇÃO. BG-280 Lista de exercícios 2

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE GENÉTICA E EVOLUÇÃO. BG-280 Lista de exercícios 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE GENÉTICA E EVOLUÇÃO BG-280 Lista de exercícios 2 Observação: No final da lista se encontra uma tabela com valores críticos de x 2.

Leia mais

Biologia. Natália Aguiar Paludetto

Biologia. Natália Aguiar Paludetto Biologia Natália Aguiar Paludetto Aula de hoje: Introdução à Biologia O que é? O que estuda? Como se organiza? Referência bibliográfica: Bio Volume Único, Sônia Lopes, editora Saraiva. Biologia estudo

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE GENÉTICA E EVOLUÇÃO. BG280 Lista de exercícios 1

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE GENÉTICA E EVOLUÇÃO. BG280 Lista de exercícios 1 UNERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE GENÉTICA E EVOLUÇÃO BG280 Lista de exercícios 1 1 - Seguem quatro heredogramas humanos. Os símbolos pretos representam o fenótipo anormal

Leia mais

Potencial do citrumelo como porta-enxerto na citricultura

Potencial do citrumelo como porta-enxerto na citricultura Potencial do citrumelo como porta-enxerto na citricultura Everton Geraldo de Morais (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) ; Dário Aparecido Leite (3) ; Gustavo Henrique Branco Vaz (4) ; Konrad Passos e Silva

Leia mais

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I ATO Nº 0 DE DE SETEMBRO DE 008 ANEXO I INSTRUÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DA ESPÉCIE CENTEIO (Secale cereale) L. I. OBJETIVO Estas instruções

Leia mais

Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Núcleo de Melhoramento e Propagação Vegetativa de Plantas MPVP Universidade Federal de Santa Maria

Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Núcleo de Melhoramento e Propagação Vegetativa de Plantas MPVP Universidade Federal de Santa Maria Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Núcleo de Melhoramento e Propagação Vegetativa de Plantas MPVP Universidade Federal de Santa Maria 6º CBMP 1 a 4 de agosto de 2011, Búzios, RJ Importância das hortaliças

Leia mais

10) (UFPA) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a:

10) (UFPA) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a: 1) Em urtigas o caráter denteado das folhas domina o caráter liso. Numa experiência de polinização cruzada, foi obtido o seguinte resultado: 89 denteadas e 29 lisas. A provável fórmula genética dos cruzantes

Leia mais

Técnicas de propagação de fruteiras

Técnicas de propagação de fruteiras Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Técnicas de propagação de fruteiras Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Método seminífero Propagação vegetativa não é

Leia mais

Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento

Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação

Leia mais

Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente

Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte 1 Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente Beatriz de Pauli (1), Sônia

Leia mais

1ª Lei de Mendel. Tema 2: Genética Mendeliana. Prof. Leandro Parussolo

1ª Lei de Mendel. Tema 2: Genética Mendeliana. Prof. Leandro Parussolo Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia IV Tema 2: Genética Mendeliana 1ª Lei de Mendel Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br Histórico Johann

Leia mais

Engenharia Genética e Biotecnologia

Engenharia Genética e Biotecnologia Engenharia Genética e Biotecnologia 1. (PUC - SP-2005) Encontram-se a seguir um esquema do embrião humano com aproximadamente 5 dias e um trecho sobre clonagem: Na clonagem terapêutica são utilizadas células-tronco,

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

Assim ele percebeu que a cor verde não tinha simplesmente desaparecido na geração F1, ela

Assim ele percebeu que a cor verde não tinha simplesmente desaparecido na geração F1, ela GENÉTICA 1ª PARTE Mendel (1822 1884) O pai da genética Mendel era filho de camponeses pores e se tornou monge. Cursou Matemática e Ciências Naturais na Universidade de Viena, onde se interessou pelas causas

Leia mais

Reprodução das Plantas

Reprodução das Plantas Reprodução das Plantas Plantas com flor Nas plantas com flor, é a flor, a responsável pela reprodução, pois é no interior das suas pétalas que se encontram os órgãos de reprodução. Tipos de flor: Flores

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredogramas

Primeira Lei de Mendel e Heredogramas Primeira Lei de Mendel e Heredogramas Primeira Lei de Mendel e Heredogramas 1. O heredograma refere-se a uma característica controlada por um único par de genes (A e a). Assim, em relação a esta característica,

Leia mais

Importância e objetivos do melhoramento de plantas

Importância e objetivos do melhoramento de plantas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Importância e objetivos do melhoramento de plantas Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Introdução

Leia mais

BIOLOGIA. 18. As células epiteliais de um certo organismo apresentam 24 cromossomos; logo, nesse organismo:

BIOLOGIA. 18. As células epiteliais de um certo organismo apresentam 24 cromossomos; logo, nesse organismo: BIOLOGIA 16. Os principais componentes químicos da membrana celular são: a) açúcar e proteína. b) lipídeos e carboidratos. c) lipídeos e proteínas. d) ácidos nucléicos. e) ácidos graxos. 17. Sobre o processo

Leia mais

VIVEIRO DE MUDAS SADIAS E DE QUALIDADE:

VIVEIRO DE MUDAS SADIAS E DE QUALIDADE: VIVEIRO DE MUDAS SADIAS E DE QUALIDADE: Base essencial para assegurar a Lucratividade de seu canavial. Conny Maria de Wit Diretora Comercial SBW do Brasil connywit@sbwbrasil.com.br OS DESAFIOS DO SETOR

Leia mais

Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento:

Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento: Biotecnologia Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento: É definida como uma técnica que usa organismo vivo ou parte

Leia mais

Culinária Estapafúrdia

Culinária Estapafúrdia PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Leia: Um moderno restaurante Fez durante

Leia mais

GOIÂNIA, / / Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA:Biologia SÉRIE:1ºAno ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica

Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica Um indivíduo possui duas cópias de cada partícula de herança (gene). Essas duas cópias são separadas durante a formação dos gametas e juntam-se novamente quando

Leia mais

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares)

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares) BOTÂNICA GIMNOSPERMAS Prof. Gassem Relações filogenéticas Embriófitas Traqueófitas (plantas vasculares) Espermatófitas (plantas que produzem sementes Algas verdes (grupo externo) Briófitas Pteridófitas

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (084)3315.1796

Leia mais

EJA 3ª FASE PROF.ª CHRISTIANE MELLO PROF.ª QUEILA PATRÍCIA

EJA 3ª FASE PROF.ª CHRISTIANE MELLO PROF.ª QUEILA PATRÍCIA EJA 3ª FASE PROF.ª CHRISTIANE MELLO PROF.ª QUEILA PATRÍCIA REVISÃO DE CONTEÚDOS 2º Bimestre Aula 77 Revisão e Avaliação de Ciências da Natureza 2 REVISÃO 1 Sistema genital feminino e masculino O sistema

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Botânica (Reino Plantae ou Metaphyta) 1. Características Gerais Grupo monofilético; Eucariotos; Fotossintizantes; Substância de reserva; Parede celular. 2.

Leia mais

Antes de Mim. Genética(fazer nascer) Qual a Especificidade do Ser humano?

Antes de Mim. Genética(fazer nascer) Qual a Especificidade do Ser humano? Psicologia B Antes de Mim Genética(fazer nascer) Qual a Especificidade do Ser humano? Nós e os outros Como se explicam as caraterísticas dos diferentes seres vivos? Porque razão os seres da mesma espécie

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Agronomia Professores: José Luiz Petri petri@gegnet.com.br; petri@epagri.sc.gov.br Período/ Fase: V

Leia mais

Reprodução. Assexuada. Unidade 6. Aula nº 14 20/Out/08 Prof. Ana Reis. Reprodução

Reprodução. Assexuada. Unidade 6. Aula nº 14 20/Out/08 Prof. Ana Reis. Reprodução Reprodução Assexuada Unidade 6 Reprodução Aula nº 14 20/Out/08 Prof. Ana Reis Reprodução É uma função característica dos seres vivos, que permite o aparecimento de novos indivíduos, através da divisão

Leia mais

Prof. Msc. Cleysyvan Macedo

Prof. Msc. Cleysyvan Macedo Prof. Msc. Cleysyvan Macedo PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS VÍRUS: Não possui estruturas celulares (membrana plasmática, citoplasma, etc.). São formado basicamente por uma cápsula protéica denominada capsômero

Leia mais

EVOLUÇÃO: IDÉIAS E EVIDÊNCIAS. Professor Fláudio

EVOLUÇÃO: IDÉIAS E EVIDÊNCIAS. Professor Fláudio EVOLUÇÃO: IDÉIAS E EVIDÊNCIAS Professor Fláudio EVIDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO conjunto de processos que levam a modificações nos seres vivos ao longo do tempo, podendo dar origem a novas espécies Entender

Leia mais

O que essas imagens têm em comum???

O que essas imagens têm em comum??? Características Gerais dos Seres Vivos Curso de Educação Física Disciplina: Bases Biológicas da Educação Física Profa Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva O que essas imagens têm em comum??? 1 28/3/2016

Leia mais

Principais raças e suas. Prof. Dr. Leandro Barradas Pereira

Principais raças e suas. Prof. Dr. Leandro Barradas Pereira Principais raças e suas características ZOOTECNIA DOS MONOGÁSTRICOS Prof. Dr. Leandro Barradas Pereira 02-05-16 OBJETIVOS Descrever as raças de aves exploradas na avicultura. Identifi car marcas comerciais

Leia mais

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Adaptado de Érika Cortinez- UFRRJ Contextualizando Cadeia Produtiva da Restauração Florestal SEA, 2010 Viveiros florestais permanentes Tem

Leia mais

CRUZAMENTO-TESTE e RETROCRUZAMENTO pg.20

CRUZAMENTO-TESTE e RETROCRUZAMENTO pg.20 CRUZAMENTO-TESTE e RETROCRUZAMENTO pg.20 Como descobrir se é VV ou Vv? Para descobrir se um indivíduo portador de um caráter dominante é homozigoto ou heterozigoto, basta cruzá-lo com um indivíduo recessivo

Leia mais

Produção de Uvas e Vinhos

Produção de Uvas e Vinhos Curso de Qualificação Profissional Produção de Uvas e Vinhos Professor: Fernando Domingo Zinger fernando.zinger@ifsc.edu.br Variedades de Uvas Brasil: principais regiões produtoras de uva Santa Catarina

Leia mais

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO A reprodução sexuada implica a produção de células sexuais, a promoção do seu encontro e, finalmente, a sua fusão - Fecundação Gónadas Locais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO DISCIPLINA DE BIOLOGIA 2º Teste de Avaliação (V1) 12ºano Turma A e B TEMA: Manipulação da Fertilidade e Património Genético Nome: Nº Classificação:, valores A professora:

Leia mais

Ficha de Trabalho Reprodução Assexuada nos Seres Vivos

Ficha de Trabalho Reprodução Assexuada nos Seres Vivos ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO BIOLOGIA E GEOLOGIA - 11º ANO Ficha de Trabalho Reprodução Assexuada nos Seres Vivos Professora Isabel Lopes Introdução A reprodução é uma característica fundamental

Leia mais

- CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO À BIOLOGIA

- CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO À BIOLOGIA - CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO À BIOLOGIA 1. Quais são os elementos encontrados, geralmente, em maior quantidade no corpo dos seres vivos? 2. Todos os seres vivos, com exceção dos vírus, são compostos por células.

Leia mais

CRUZAGENS: UMA PROPOSTA LÚDICA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM Adriana de Souza Santos

CRUZAGENS: UMA PROPOSTA LÚDICA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM Adriana de Souza Santos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto-Biologia CRUZAGENS: UMA PROPOSTA LÚDICA NO PROCESSO DE ENSINO-

Leia mais

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO Bactérias Vírus Fungos Protozoários RESUMO DOS PRINCIPAIS MICRORGANISMOS, O QUE SÃO MEIOS DE PROLIFERAÇÃO... Diferença entre as células Bactérias São seres muito simples, unicelulares e com célula procariótica

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE PLANTAS HORTÍCOLAS

PROPAGAÇÃO DE PLANTAS HORTÍCOLAS PROPAGAÇÃO DE PLANTAS HORTÍCOLAS João Vitor de Oliveira Camargo (PIBIC EM/CNPq), Duane Katharine Domingos (PIBIC EM/CNPq), Isabela Kariny Ferreira (PIBIC EM/CNPq), Elisete Aparecida Fernandes Osipi (Orientadora),

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

2. (Ufrgs 2016) No processo evolutivo das Angiospermas, ocorreram vários eventos relacionados à reprodução.

2. (Ufrgs 2016) No processo evolutivo das Angiospermas, ocorreram vários eventos relacionados à reprodução. 1. (Imed 2016) Observe o seguinte trecho do Hino Nacional: (...) Do que a terra mais garrida Teus risonhos, lindos campos têm mais flores; "Nossos bosques têm mais vida", "Nossa vida" no teu seio "mais

Leia mais

Melhoramento de plantas

Melhoramento de plantas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Melhoramento de plantas Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia e Zootecnia MELHORAMENTO

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 41 MONO-HIBRIDISMO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 41 MONO-HIBRIDISMO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 41 MONO-HIBRIDISMO GRUPO SANGUÍNEO Antígenos Genótipo M M L M L M N N L N L N MN M e N L M L N Relação de dominância Dominância completa 1ª LEI RG na descendência de um híbrido

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

QUESTÕES SOBRE MEIOSE/MITOSE

QUESTÕES SOBRE MEIOSE/MITOSE 1) Durante a meiose, o pareamento dos cromossomos homólogos é importante porque garante: (A) a separação dos cromossomos não homólogos. (B) a duplicação do DNA, indispensável a esse processo. (C) a formação

Leia mais

PATRIMÓNIO GENÉTICO. Hereditariedade - Consiste na transmissão das características de um indivíduo à sua descendência

PATRIMÓNIO GENÉTICO. Hereditariedade - Consiste na transmissão das características de um indivíduo à sua descendência PATRIMÓNIO GENÉTICO Hereditariedade - Consiste na transmissão das características de um indivíduo à sua descendência Para todas as características estudadas, Mendel verificou: -Existia uma uniformidade

Leia mais

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea 1 de 5 10/16/aaaa 11:56 Olericultura A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea Nome Cultura da Abobrinha Produto Informação Tecnológica Data Julho - 2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Leia mais

Aula 2A: Conceitos e estrutura de programas de melhoramento genético

Aula 2A: Conceitos e estrutura de programas de melhoramento genético UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO MELH. GEN. E OGMs (XBT353) TURMA 2014/2 Aula 2A: Conceitos e estrutura de programas de melhoramento genético

Leia mais

Cultivares copa de citros

Cultivares copa de citros Classificação botânica dos Citros Swingle, 1967 Cultivares copa de citros FAMÍLIA: SUB-FAMÍLIA: TRIBO: SUB-TRIBO: GÊNEROS: Rutaceae (7 sub-famílias) Aurantioideae (2 tribos) Citreae (3 sub-tribos) Citrinae

Leia mais

Gene tica. O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as futuras gerações. Genética Clássica -> Mendel(1856)

Gene tica. O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as futuras gerações. Genética Clássica -> Mendel(1856) Gene tica Conceitos básicos Na semente estão contidas todas as partes do corpo do homem que serão formadas. A criança que se desenvolve no útero da mãe tem as raízes da barba e do cabelo que nascerão um

Leia mais

CULTURA DO ABACATEIRO

CULTURA DO ABACATEIRO 1 CULTURA DO ABACATEIRO 1. INTRODUÇÃO Origem: América. Cultivo zonas tropicais e subtropicais. Países produtores: México; Chile, Estados Unidos, Indonesia, Republica Dominicana, Colombia, Peru, Brasil,china,

Leia mais

O que a flor tem a ver com o fruto?

O que a flor tem a ver com o fruto? O que a flor tem a ver com o fruto? A UU L AL A Família reunida em frente à TV. É hora do noticiário. Pais e filhos prestam atenção às imagens sobre os efeitos do clima na produção agrícola. - A seca prolongada

Leia mais

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS Reino Plantae Reino Plantae Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS A clorofila encontra-se dentro dos plastos (também chamados de cloroplastos). Cloroplastos

Leia mais

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Botânica Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I Órgãos vegetais Órgãos Vegetais: FLOR A flor é um ramo altamente modificado, apresentando apêndices especializados. Órgãos Vegetais:

Leia mais

O que é a vida, afinal?

O que é a vida, afinal? Nós e outros animais obtemos açúcares e diversas substâncias orgânicas ingerindo outros seres vivos. Se comemos um bife, estamos comendo parte de um boi que, por sua vez, comeu capim. O capim, o boi e

Leia mais

FICHA 2 Herança Ligada ao sexo

FICHA 2 Herança Ligada ao sexo UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULADADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Parte Teórica a) Na espécie humana o sexo masculino é denominado heterogamético e feminino Homogamético. Por quê?

Leia mais

Que caracteres são herdados de geração em geração?

Que caracteres são herdados de geração em geração? Músculos Cor dos olhos Membro amputado Cor do cabelo Que caracteres são herdados de geração em geração? Existem características que são transmitidas de geração em geração caracteres hereditários. Ex.:

Leia mais

Ciclo Celular: Mitose & Meiose Prof. Dr. Philip Wolff Prof. Dr. Renato M. Salgado

Ciclo Celular: Mitose & Meiose Prof. Dr. Philip Wolff Prof. Dr. Renato M. Salgado : Mitose & Meiose Prof. Dr. Philip Wolff Prof. Dr. Renato M. Salgado Onde surge uma célula, existia uma célula anteriormente, assim como os animais só podem surgir de animais, e as plantas, de plantas

Leia mais

Cultivares de Café Arábica Desenvolvidas pela Epamig/UFV/UFLA

Cultivares de Café Arábica Desenvolvidas pela Epamig/UFV/UFLA Cultivares de Café Arábica Desenvolvidas pela Epamig/UFV/UFLA 38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras Antonio Alves Pereira - Epamig/UREZM Antonio Carlos Baião de Oliveira - Embrapa Café Felipe

Leia mais