UNIP Cursos Superiores de Tecnologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIP Cursos Superiores de Tecnologia"

Transcrição

1 UNIP Curss Superires de Tecnlgia MANUAL ESPECÍFICO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR II PIM II CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Sã Paul 2010

2 2 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PIM 1.1 Intrduçã Os Prjets Integrads Multidisciplinares têm cm sua principal característica estrutural desenvlviment d trabalh n frmat de um prjet, de acrd cm as nrmas da ABNT. 1.2 Objetivs Gerais O Prjet Integrad Multidisciplinar PIM faz parte d Prgrama Pedagógic ds Curss Superires de Tecnlgia da UNIP - Universidade Paulista. O PIM busca inserir alun nas práticas gerenciais fundamentadas ns cnheciments teórics adquirids em sala de aula, cm caráter prátic cmplementar d prcess de ensin-aprendizagem. 1.3 Objetivs Específics Sã bjetivs específics d PIM: Desenvlver n alun a prática da realizaçã de pesquisa científica, elabrand um trabalh cnclusiv e suas pnderações; Prprcinar cndições para que alun desenvlva praticamente s cnheciments teórics adquirids, clabrand n prcess de ensin-aprendizagem; Prprcinar cndições para que alun adquira cnheciments e aplique praticamente em seus trabalhs cnclusivs as técnicas e metdlgias de prduçã científica; Prprcinar cndições para que alun pssa argumentar e discutir as tecnlgias utilizadas Apresentaçã d Trabalh / Metdlgia É imprtante alun buscar fundamentaçã ns principais autres que escrevem sbre Metdlgia, dentre eles, Antni Jaquim Severin, Eva Ladats e Maria Marcni, Antni Carls Gil, Amad Cerv e pedr Bervian, Pedr Dem. Igualmente prcurar cnslidar seu trabalh a partir ds padrões acadêmics definids pela ABNT em diversas nrmas Site:

3 3 Deverá cnter embasament teóric (cnsulta bibligráfica) cnsistente e cmprvad, a fim de facilitar a interpretaçã e avaliaçã das infrmações btidas, cm também a análise. O bjetiv dessa disciplina PIM é desenvlver a habilidade d pesquisadr, n cas, alun, em explrar as partes d desenvlviment d trabalh em sua estrutura, a seguir um rteir para a digitaçã ds trabalhs. Neste dcument estã sugerids: tip e tamanh de fnte, psiçã e frmat de títuls e sequência das partes integrantes d trabalh. Cabe ressaltar que, cnfrme NBR 14724:2002, prjet gráfic é de respnsabilidade d autr d trabalh. Tdavia, s elements que sã nrmatizads deverã ser atendids Aspects Gerais Text: papel A4-210x297mm branc Margens Superir e Esquerda: 3,0 cm Inferir e Direita: 2,0 cm Espaçament entre linhas e parágrafs O espaçament entre linhas deve ser de 1,5, crrespndend a cerca de 1,2 cm entre as linhas. NOTA: Embra a padrnizaçã d espaçament pela NBR 14724:2002 seja pr espaçament entre linhas dupl, adtarems espaçament entre linhas em um e mei. É usual que espaçament entre parágrafs deve ser dbr d existente entre as linhas. N cas de utilizaçã de editr de texts Wrd, n menu Frmatar\Parágraf\Recus e Espaçaments, definir a medida 12 pnts DEPOIS. O iníci d text de cada parágraf deve ficar a 1,5 cm, a partir da margem esquerda. Pde-se ptar pr definir recu especial para a primeira linha, utilizand s recurss d editr de texts. As citações lngas, as ntas, as referências e s resums em vernácul e em língua estrangeira devem ser digitads em espaç simples. Escrita Recmenda-se utilizaçã de Fnte ARIAL u TIMES NEW ROMAN tamanh 12 para crp d text e tamanh 10 para citações lngas (mais de 3 linhas) e ntas de rdapé, bem cm alinhament Justificad. Paginaçã

4 4 Tdas as flhas d trabalh, a partir da flha de rst, devem ser cntadas sequencialmente, mas nã numeradas. A numeraçã é clcada, a partir da primeira flha da parte textual - INTRODUÇÃO, em algarisms arábics, n cant superir direit da flha. Havend apêndice e anex, as suas flhas devem ser numeradas de maneira cntínua e sua paginaçã deve dar seguiment à d text principal. Estrutura d trabalh A estrutura d trabalh acadêmic dissertaçã, tese, mngrafia, trabalh de cnclusã de curs e similares, definida na NBR-14724:2002 (cm vigência a partir de ), deve cntemplar s elements pré-textuais, elements textuais e elements pós-textuais, cnfrme indicad na tabela a seguir: Tabela 1 Estrutura d trabalh Estrutura Element Cndiçã Pré-textuais Textuais Pós-textuais Capa Lmbada Flha de rst Errata Flha de aprvaçã Dedicatória Agradeciments Epígrafe Resum Resum em língua estrangeira Sumári Lista de ilustrações Lista de tabelas Lista de abreviaturas e siglas Lista de símbls Intrduçã Desenvlviment Cnclusã Referências Glssári Apêndice Anex Índice(s) Obrigatóri Obrigatóri Obrigatóri Obrigatóri Obrigatóri Obrigatóri Obrigatóri Obrigatóri Obrigatóri

5 5 O significad ds elements pré-textuais Capa Externa Sã infrmações indispensáveis à sua identificaçã, na seguinte rdem: NOME DO AUTOR; TÍTULO E SUBTÍTULO; LOCAL (cidade) da instituiçã nde deve ser apresentad; ANO DE DEPÓSITO (da entrega). Flha de Rst (anvers) Element brigatóri. É a flha que apresenta s elements essenciais à identificaçã d trabalh. Deve cnstar de: NOME DO AUTOR: respnsável intelectual d trabalh; TÍTULO E SUBTÍTULO, send primeir em caixa alta, centralizads; NATUREZA (tese, dissertaçã e utrs) e bjetiv (aprvaçã em disciplina, grau pretendid e utrs); nme da instituiçã a que é submetid; área de cncentraçã - justificad à direita; NOME DO ORIENTADOR, justificad à direita; LOCAL e ANO. Flha de Rst (vers) Deve cnter a ficha catalgráfica, cnfrme Códig de Catalgaçã Angl-American CCAA2. NOTA: Este item deve ser adaptad, de acrd cm a característica e destinaçã d trabalh, pdend admitir-se sua supressã. Errata Element pcinal. Trata-se de uma lista cm a indicaçã das flhas e linhas em que crreram errs, cm as crreções necessárias. Geralmente se apresenta em papel avuls u encartad, acrescid a trabalh depis de impress. Flha de aprvaçã Element pcinal que cntém autr, títul pr extens e subtítul, se huver lcal e data de aprvaçã, nme, assinatura e instituiçã ds membrs cmpnentes da avaliaçã. NOTA: Este item é indispensável para dissertações e teses; mas, de acrd cm a característica e destinaçã d trabalh, pde-se admitir sua supressã.

6 6 Dedicatória Página pcinal, nde autr presta hmenagem u dedica seu trabalh. A dedicatória deve figurar à direita, na parte inferir da flha. Agradeciments Página pcinal, nde sã registrads agradeciments às pessas e/u instituições que clabraram cm autr. Epígrafe Página pcinal, nde autr inclui uma citaçã, seguida de indicaçã de autria, relacinada cm a matéria tratada n crp d trabalh. A citaçã deve figurar à direita, na parte inferir da flha. Resum Element brigatóri, que cnsiste na apresentaçã cncisa ds pnts relevantes d trabalh. O resum deve dar uma visã rápida e clara d cnteúd e das cnclusões d trabalh; cnstitui-se de uma sequência crrente de frases cncisas e bjetivas e nã de uma simples enumeraçã de tópics, nã ultrapassand 500 palavras, seguid, lg abaix, das palavras representativas d cnteúd d trabalh, ist é, palavras-chave e/u descritres, cnfrme Nrmas da ABNT. Abstract u Resumen u Résumé Element brigatóri que cnsiste em uma versã d resum em idima de divulgaçã internacinal (inglês u espanhl u francês, respectivamente). Deve ser seguid das palavras representativas d cnteúd d trabalh, ist é, palavras-chave e/u descritres, na língua. A pçã da traduçã deve ser apenas pr uma língua. NOTA: Este item deve ser adaptad, de acrd cm a característica e destinaçã d trabalh, pdend admitir-se sua supressã ns semestres iniciais d curs. Sumári Element brigatóri. É a relaçã das principais seções d trabalh, na rdem em que se sucedem n text e cm indicaçã da página inicial. As seções d trabalh devem ser numeradas, em algarisms arábics. Elements cm listas de figuras, tabelas, abreviaturas, símbls, resums e apêndices nã devem cnstar d Sumári, mas sim das Listas (próxim item). A apresentaçã tipgráfica das divisões e subdivisões n sumári deve ser idêntica à d text. Para maires infrmações, cnsultar Nrmas da ABNT. Listas

7 7 Sã itens pcinais, que relacinam elements selecinads d text, na rdem da crrência, cm a respectiva indicaçã de páginas. Pde haver uma lista única para tds s tips de ilustrações u uma lista para cada tip. As listas devem apresentar: númer da figura, sua legenda e a página nde se encntra. O significad ds elements textuais Cm regra geral, deve-se cnsiderar que text pderá ser lid pr um leitr nã especialista n assunt. Assim, text deve ser clar, bjetiv e de fácil leitura, cuidand para que nã seja sucint em demasia, pis leitr nã dmina, necessariamente, s mesms cnheciments e infrmações d autr. Deve-se ainda cuidar d referencial teóric que fereça a sustentaçã adequada a tema discutid. Intrduçã Element brigatóri. A intrduçã d trabalh deve cnter bjetiv da pesquisa a ser desenvlvida n Prjet Integrad Multidisciplinar, a metdlgia utilizada e uma breve apresentaçã da empresa selecinada para a investigaçã. Ela deve permitir a leitr um entendiment sucint da prpsta d trabalh em pauta. Desenvlviment ds Capítuls Element brigatóri. O desenvlviment é a parte mais extensa d trabalh; também pde ser denminad de crp d assunt. O seu principal bjetiv é cmunicar a leitr s resultads da pesquisa. É a apresentaçã d tema de frma lógica e prgressivamente rdenada (capítuls e subcapítuls) ds pnts principais d trabalh. Sugere-se cnsultar as Nrmas da ABNT. Cnsta de revisã da literatura, descriçã de métds e materiais utilizads, apresentaçã de resultads, bem cm da discussã ds resultads que cnduzam às principais cnclusões. Deve-se cuidar para que as citações (mençã, n text, de uma infrmaçã extraída de utra fnte), as citações diretas (transcriçã textual ds cnceits d autr cnsultad), as citações indiretas (transcriçã livre d text d autr cnsultad) e as citações de citações (transcriçã direta u indireta de um text a cuj riginal nã se teve acess) estejam de acrd cm as Nrmas da ABNT. Cnclusã Element brigatóri. Embra reúna um cnjunt de cnclusões, títul deve permanecer n singular CONCLUSÃO, já que remete à seçã, e nã a númer de cnclusões frmuladas. As cnclusões devem ser apresentadas de maneira lógica, clara e cncisa, fundamentadas ns resultads e na discussã abrdada a lng d desenvlviment d trabalh (capítuls). O autr deve,

8 8 ainda, retmar as prpstas iniciais (apresentadas na Intrduçã) e reafirmar, de maneira sintética, a ideia principal e s pnts imprtantes d crp d trabalh. O significad ds elements pós- textuais Referências Element brigatóri. É cnjunt padrnizad de elements descritivs retirads de um dcument, que permite sua identificaçã individual (relaçã de autres cnsultads u citads, em rdem alfabética da palavra de rdem) - vide Nrmas da ABNT. Glssári Element pcinal. Cnsiste em uma lista em rdem alfabética de palavras u expressões técnicas de us restrit u de sentid bscur, utilizadas n text, acmpanhadas das respectivas definições. Apêndice Element pcinal. Cnsiste em um text u dcument elabrad pel autr a fim de cmplementar sua argumentaçã, sem prejuíz da unidade nuclear d trabalh. Geralmente sã questináris, entrevistas, fts, que auxiliam na fundamentaçã da pesquisa. A citaçã d Apêndice, n decrrer ds capítuls, deve crrer entre parênteses, cm a identificaçã seqüencial em algarisms rmans u letras maiúsculas. Sã identificads pr algarisms rmans u letras maiúsculas cnsecutivas, travessões e respectivs títuls. Exempl: Apêndice A... u Apêndice I... Apêndice B... u Apêndice II... Anex Element pcinal. Cnsiste em um text u dcument nã elabrad pel autr, que serve de fundamentaçã, cmprvaçã e ilustraçã. Sã geralmente dcuments, prjets de leis, decrets, etc., cuja funçã é cmplementar trabalh. Quand apresentads na frma de ftcópias, recmenda-se cuidad cm sua nitidez e legibilidade. Lembrar que s Anexs sã tds s dcuments de autria de terceirs, só pdend ser utilizads se cnteúd e a referência estiverem cmpnd desenvlviment d trabalh. Sã identificads pr algarisms rmans u letras maiúsculas cnsecutivas, travessões e respectivs títuls. Exempl: Anex A -... u Anex I -... Anex B -... u Anex II -...

9 9 Índice (s) Element pcinal. Cnsiste na lista de palavras u frases, rdenadas de acrd cm determinad critéri, que lcaliza e remete para as infrmações cntidas n text. Para cmplementaçã, cnsultar NBR-6034.

10 Mdels para crp d prjet Capa UNIP Prjet Integrad Multidisciplinar Curss Superires de Tecnlgia TÍTULO DO TRABALHO Subtítul (se huver) Nme da Unidade 201_

11 Flha de rst UNIP Prjet Integrad Multidisciplinar Curss Superires de Tecnlgia TÍTULO DO TRABALHO Subtítul (se huver) Nme(s) cmplet(s) d(s) alun(s): RA(s): Curs: Semestre: Nme da Unidade 201_

12 Resum Resum (nã ultrapassar 500 palavras) Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Palavras-chave:

13 Abstract Abstract (nã ultrapassar 500 palavras) Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Palavras-chave:

14 Sumári Sumári 1. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 5 2. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 6 3. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXX 9

15 Intrduçã Intrduçã Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.

16 Desenvlviment d prjet * Neste item, cmeça desenvlviment ds capítuls e subcapítuls (se huver). (mínim de 15 e máxim de 30 páginas) 1. (nme d capítul) Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.

17 Cnclusã Cnclusã Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.

18 Referências Referências (utilizar nrmalizaçã da ABNT)

19 19 2. INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS SOBRE O PIM PIM II 2.1. Estrutura d trabalh Prpsta A empresa fictícia chamada Unip PIM II (frmada pels integrantes d PIM), lcalizada n bairr d Paraís, Sã Paul SP, é uma integradra cm especializaçã em serviçs de Redes de Cmputadres atuand n mercad de IT Insfrastructure Outsurcing (ITO) e Business Prcess Outsurcing (BPO). O principal prjet da UNIP PIM II será plan e definiçã da sluçã de TI para a empresa Cllectin, visand a reestruturaçã d ambiente de TI, testes e implementaçã. O alun e/u grup deve desenvlver trabalh de frma a atender as seguintes aspects: Capa; Flha de rst; Resum; Abstract; Sumári; Intrduçã; Desenvlviment ; Cnclusã; Referências Citar as fntes de pesquisa (bibligrafia, ns mldes da ABNT) O PIM abrange as disciplinas: Linguagem de Prgramaçã Aplicada Redes de Dads e Cmunicações Administraçã de Banc de Dads Cabeament Estruturad Arquitetura de Redes

20 20 Ética e Legislaçã Prfissinal Metdlgia Científica 2.3 Requisits d Prjet: Alinhaments, Direcinaments e Necessidades d Prjet: Cas necessári prfessr rientadr d PIM pderá adaptar este mdel de referência para melhr ajustar-se a demanda esperada ds seus rientads. O cliente Cllectin, que é uma empresa da área de cbrança, tem suas perações n-line de segunda a sexta das 8:00 às 18:00. Ns últims 4 ans teve cresciment de 40%, demandand a cntrataçã de 40 nvs funcináris para atuar diretamente n negóci da empresa, cada um já tem sua estaçã de trabalh e estã devidamente acmdads na áreas de trabalh. A empresa esta cm quadr de funcináris distribuíd da seguinte frma: funcináris atuand diretamente n negóci da empresa que é a parte de cbrança (dis turns, send 50 funcináris em cada turn) 20 - funcináris para departaments de Back Office, atuand em atividades internas cm RH, recepçã e utras (das 8:00 às 18:00). 10 Prfissinais atuand cm líderes (Presidente, Diretres e Gerentes) A empresa Cllectin fica lcalizada n km 12 da Via Anchieta - Sã Paul SP. A empresa Cllectin está dispsta a fazer BPO além d serviç de ITO. Os clientes da Cllectin reprtaram dificuldade em serem atendids n sistema atual mair causadr deste prblema é que a quantidade elevada de pções sem sentid n sistema de atendiment eletrônic na Unidade de Respsta Audível (URA), faz cm que eles fiquem perdids, vale destacar a reclamaçã de um cliente: cada vez que faç chamadas para atendiment da Cllectin demr muit temp para chegar a prdut que estu desejand, nt que há quantidade de pções excessiva. Na minha visã nã há qualidade e falta simulaçã de us real para saberem se este sistema atende a necessidade d cliente Na reuniã de planejament estratégic da empresa Cllectin que crreu recentemente, entre utrs pnts, fi apntad pels líderes que há pssibilidades claras da empresa ter

21 21 cresciment de 30% neste próxim an e tud indica que será a mesma taxa para s próxims 3 ans. IMPORTANTE: A relaçã direta (rati) é de 10 nvas psições de atendiment para cada 10% de cresciment. A parte de back ffice suprta cresciment de até mais 200% sem nvas cntratações. Fi apntad pel Sr. Jã Antni (Gerente de TI) que a capacidade da rede empresa está n seu limite, pdend suprtar 10 nvas psições. Há espaç ns racks, sala de telecmunicações e de equipaments, prém nã há prtas de switch, e s servidres estã cnfrme descrit na tabela abaix: Obeservaçã imprtante: Para atender Nível de Acrd de Serviç esperad, entre utrs pnts, é necessári criar um ambiente de STA e UAT (System Acceptance Test e User Acceptance Test); O servidr de (Micrsft Exchange), que é um ds principais canais de cbrança, nã tem prblemas de perfrmance u limitações d hardware, prém nã pssui nenhum mecanism de redundância. N geral tds s servidres sã nvs e estã cm us de n máxim 30%, send aceitável limiar (threshld) de até 80% de utilizaçã e mesm cm a demanda ds próxims 4 a 5 ans, puc prvável chegar a 70% de carga máxima. A tplgia da empresa é cnstituída pr 3 piss: Primeir cm quatr salas de reuniões, um auditóri, back-ffice e a recepçã; Segund fica BPO cm 50 psições de atendiment, 2 salas de gerentes, Data Center e pssui capacidade para mais 50 psições de atendiment; Terceir pis estã: 5 salas (Gerentes, Diretres e Presidente) e uma academia, sala de massagem e uma área chamada de descmpressã, nde tem acess a internet,

22 22 TV, revistas e utras cisas para s funcináris descansar quand estiverem estressads. Os equipaments de redes ficam tds n Data Center lcalizad n segund andar, cabeament nã é estruturad e devid a necessidade cnstante de mudança de layut vem se gastand muit a cada bra. A mudança de layut vem acntecend prque cada vez que a Cllectin presta serviç de cbrança para uma nva empresa, esse exige separaçã ds agentes em células e VLANs apartadas ds demais que estã prestand serviç muitas vezes até para um cncrrente. O link de internet é um ADSL, ds mesms que usams nas residências, tud indica que a Cllectin já deveria investir num link de internet para mntar ISP (internet service prvider) cm eficiência. Fi identificad que há prtunidade d desenvlviment de scripts para ajudar s administradres a executar tarefas cmuns de administraçã de sistema, cm gerenciament de registr, serviçs, prcesss, lgs de events entre utrs que atualmente sã executads de frma lenta e máquina a máquina. A rede da Cllectin está mntada cm hubs de 10Mbps e cnstantemente há travaments pr falha de cnexã cm s servidres. Num ds prblemas recentes, fi identificad um lp de rede causad pr um analista que ligu cabs de frma indevida. DBA vem tentand encntrar uma maneira para mntar um ambiente de teste que seja cmpatível cm ambiente de prduçã, prém cm nã há hardware igual u similar a de prduçã ele está tentand usar um PC cm Windws cm pré-prduçã. Numa reuniã técnica, DBA destacu e entregu um relatóri detalhad que apnta váris prblemas de mdelagem da base de dads, falta de index e dads que nã sã mais necessáris e que pderiam ser remvids da base principal através de purge. As infrmações relevantes citadas acima estã alinhadas cm as disciplina e devem cbrir as necessidades: Linguagem de Prgramaçã Aplicada: Abrdar de frma clara e abrangente as principais linguagens de script, tdas bastante utilizadas na administraçã de redes de cmputadres, enfatizand PwerShell e Bash Script. A pretensã nã é apenas apresentar cm utilizar essas linguagens, mas também analisar cm prblemas reais pdem ser sanads cm a utilizaçã de scripts cm exempls prátics e estuds

23 23 de cass. Para tant, alguns ds prblemas e necessidades cmuns de redes Linux e Windws sã cnsiderads. Redes de Dads e Telecmunicações: Aplicand s cnceits de arquitetura de redes WAN, LAN, MAN, PAN, RAN, mdels de redes estrela, barrament, anel, hierárquica, malha e estrela estendida, prtcls cnfrme s 7 níveis d mdel OSI e s cnceits físics de cnectividade identificar um cenári que melhr atanda a necessidade requerida. Administraçã de Banc de Dads: Cm base n cnceit de bancs de dads, mstrar sua imprtância e aplicaçã para s sistemas de infrmaçã, cmunicaçã e prcesss de autmaçã, avaliar as tecnlgias e arquiteturas dispníveis n mercad, entã definir a mais adequada cbrind s aspects de mdelagem de dads, identificand s aspects que impactam n desempenh e segurança ds dads da empresa. Cabeament Estruturad: O grup d PIM deverá desenvlver uma planta baixa d ambiente descrit neste manual e prpr uma sluçã cm base nas nrmas NBR Cabeament de Telecmunicações para Edifícis Cmerciais, TIA-942 Sistemas de Data Center, TIA/EIA 606A Administraçã, Dcumentaçã Sistemas de Gerenciament Inteligente para Cabeament Estruturad, TIA/EIA 568B Sistemas de Cabeament Estruturad e TIA/EIA 569B Requisits de Infra-estrutura para Cabeament Estruturad ATENÇÃO: Cbrir também sistema de aterrament bem cm utilizaçã de UPS para s equipaments d data-center. É determinante que alun a desenvlver sistema de dcumentaçã, pr exempl, que inicie capitul fazend mençã a nrma 606A e quand fr descrever as estruturas de crss-cnect faça mençã a nrma e a 568B.2 e assim pr diante. Ética e Legislaçã Prfissinal: Verificar e demnstrar que prjet está em linha cm da regras gerais de direit. Direit civil, d trabalh e cnstitucinal. Ética. Códigs de ética prfissinal e empresarial. Aspects jurídics da internet. Higiene e segurança d trabalh. Metdlgia Científica: O grup d PIM deverá aplicar e demnstrar neste trabalh s cnheciments adquirids cm: diferentes fntes de cnheciment e seus limites explicativs. A ciência cm explicaçã racinal da realidade. O espaç da ciência e da tecnlgia n cntext da sciedade infrmacinal. Cnceituaçã, caracterizaçã e classificaçã de ciência. A questã d métd científic. Elements cnstitutivs de

24 24 um prjet de pesquisa. Lcalizaçã, cleta, registr e tratament ds materiais. Cnceit e caracterizaçã de mngrafia. 2.4 Instruções para desenvlviment d PIM O Prjet PIM pde ser individual u em grup de até 5 aluns. Esse critéri é determinad pela Crdenaçã-Geral. N cas d 2º semestre fica estabelecid grup Os grups deverã marcar s encntrs cm crdenadr d prjet para que este avalie andament d mesm A frmataçã gráfica d trabalh deverá seguir as nrmas da ABNT. (N site da Unip em: Serviçs/ biblitecas/manual de nrmalizaçã) Cabe a crdenadr d PIM marcar s encntrs cm s aluns, escrever um breve relat de cada prjet e da situaçã de cada cmpnente d grup, e enviar para Crdenadr-Geral. As Fichas de Cntrle deverã ficar em uma pasta em pder d prfessr crdenadr d PIM. N final d módul as fichas deverã ser arquivadas n prntuári ds aluns. 3. Prazs e md de avaliaçã Nã serã aceits, em hipótese alguma, trabalhs após as datas publicadas, u pr utrs meis que nã sejam s definids pela UNIP. O PIM é um prjet que cnsta d Prgrama Pedagógic ds Curss Superires de Tecnlgia e crrespnde à cmputaçã de 100 hras n semestre, equivalend a cntrle de frequência e nta d alun, desde que apresente cnceit igual u mair que 5,0 (cinc). Smente prfessr rientadr d PIM fará a avaliaçã d prjet que será basead na apresentaçã escrita e na expsiçã (seminári) pel grup. O prfessr rientadr d PIM avaliará, também, trabalh de equipe d grup e trabalh de pesquisa para a fundamentaçã cnceitual d prjet, avaliand cnseqüentemente a participaçã d grup na efetivaçã d mesm. Este prfessr dará a nta final da Disciplina PIM, u seja, nta de 0 a 10 para s integrantes d grup. Esta nta irá cmpr a média final das utras disciplinas d curs na prcentagem de 20%.

25 25 Cas alun btenha cnceit final menr que 5,0 (cinc) u nã envie prjet dentr d semestre, ficará em situaçã de reprvad na disciplina PIM, e só pderá reenviar seu prjet cas esteja matriculad em regime de dependência. Bns estuds! Atencisamente, CST Redes de Cmputadres

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia UNIP Curss Superires de Tecnlgia MANUAL ESPECÍFICO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV PIM IV CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Sã Paul 2012 2 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia UNIP Cursos Superiores de Tecnologia MANUAL ESPECÍFICO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR III PIM III CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO São Paulo 2012 2 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia UNIP Cursos Superiores de Tecnologia MANUAL ESPECÍFICO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV PIM IV CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES São Paulo 2010 2 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O

Leia mais

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e análise de práticas de gestão em empresas hospitalares de médio porte. OBS: O Projeto deverá ser

Leia mais

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia

UNIP Cursos Superiores de Tecnologia UNIP Cursos Superiores de Tecnologia MANUAL ESPECÍFICO PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR III PIM III CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES São Paulo 2011 2 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL PARA O SEGUNDO PERÍODO LETIVO DE 2014. 1. PREÂMBULO 1.1. O Crdenadr d Prgrama de

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO Objetiv d Manual Este manual bjetiva apresentar a frma de cm se desenvlver um artig científic. Tende a demnstrar as partes que cmpõem um artig e uma

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO (PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU) DA UNIVAP

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO (PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU) DA UNIVAP UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO (PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU) DA UNIVAP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PIM IV Projeto Integrado Multidisciplinar

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PIM IV Projeto Integrado Multidisciplinar SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PIM IV Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre na estratégia

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O aluno deverá escolher uma empresa de qualquer porte ou segmento e, com base no cenário

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre no funcionamento dos sistemas de Saúde

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PIM V Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre

Leia mais