Pequenas Primeiro. Pense nas. Christoph David. Weinmann. Diálogo sobre. Empreendedorismo e Competitividade para PMEs entre o Brasil e a União

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pequenas Primeiro. Pense nas. Christoph David. Weinmann. Diálogo sobre. Empreendedorismo e Competitividade para PMEs entre o Brasil e a União"

Transcrição

1 Pense nas Pequenas Primeiro Christoph David Weinmann 2013 BRASÍLIA Diálogo sobre Empreendedorismo e Competitividade para PMEs entre o Brasil e a União Europeia (PMEE-004)

2

3 Pense nas Pequenas Primeiro Christoph David Weinmann 2013 BRASÍLIA Diálogo sobre Empreendedorismo e Competitividade para PMEs entre o Brasil e a União Europeia (PMEE-004)

4 Governo Federal Presidente da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Fernando Pimentel Secretário de Comércio e Serviços Humberto Luiz Ribeiro Diretor do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas Gustavo de Paula Gasbarro Coordenador Geral de Micro, Pequena e Média Empresa Industrial e Artesanal Maria Helena Atrasas Coordenador-Geral de Articulação Institucional, Crédito e Fomento às Micro, Pequenas e Médias Empresas Fábio Santos Pereira Silva Equipe Técnica Carlos Veloso de Melo Junior Fabio de Medeiros Souza Tiago de Almeida Pinto Projeto Apoio aos Diálogos Setoriais União Europeia - Brasil Diretor Nacional do Projeto Samuel Antunes Antero Diretora Nacional Substituta Luciana Dinah Ribeiro Helou Equipe Ana Tereza Correia Bezerra de Castro Giovana Rocha Veloso Ricardo Ferreira da Silva Cunha Josep Centelles i Portella Delegação da União Europeia no Brasil (DELBRA) Oficial do Projeto / Project Officer Maria Rosa Sabbatelli

5 Pense nas Pequenas Primeiro Christoph David Weinmann 2013 BRASÍLIA Diálogo sobre Empreendedorismo e Competitividade para PMEs entre o Brasil e a União Europeia (PMEE-004)

6 2013. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. B823d FICHA CATALOGRÁFICA Brasil. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Diálogo sobre empreendedorismo e competitividade para PMEs entre o Brasil e a União Europeia (PMEE-004): estudo sobre a implementação do princípio think small first (Pense nas Pequenas Primeiro) no Brasil. Brasília : CNI, p. : il. 1.Competitividade. 2. Empreendedorismo. 3. PMEE Think Small First. I. Título. CDU: 334

7 AGRADECIMENTOS Qualquer pessoa não familiarizada com um projeto específico e seu ambiente particular e com apenas três dias para trabalhar em campo para tentar compreender padrões fundamentais e desenvolver sugestões ou recomendações para atividades futuras ou sobre como reformular configurações organizacionais depende intensamente do apoio de pessoas familiarizadas com a situação. O fato de o consultor ter conseguido levantar algumas informações relevantes sobre a situação atual no Brasil deve-se, portanto, principalmente à Abertura e excelente colaboração dos membros da Secretaria de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Excelente documentação disponível naquele ministério sobre temas de interesse O consultor reitera seu elevado apreço por todos os colaboradores pelo importante apoio prestado à sua missão. Quaisquer erros de julgamento ou nas informações contidas neste relatório são da inteira responsabilidade do consultor.

8 sumário 1 RESUMO EXECUTIVO ANTECEDENTES AVALIAÇÃO DE PAÍSES EUROPEUS SELECIONADOS tentativa de classificar países de acordo com o princípio de Pense nas Pequenas Primeiro Áustria República Tcheca França Alemanha Países Baixos Reino Unido CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DE PENSE NAS PEQUENAS PRIMEIRO NO BRASIL...58

9 ANEXOS...69 ANEXO A - Lista de pessoas consultadas em reuniões...69 ANEXO B - Referências selecionadas ANEXO C - Declaração metodológica ANEXO D - Termos de referência...77 ANEXO E - Minuta de lista de verificação adotada na França ANEXO F - Formulário de avaliação de impactos regulatórios adotado na Alemanha (recurso de trabalho) ANEXO G - Avaliação de alternativas (recurso de trabalho) na Alemanha...95 ANEXO H - questionário de Avaliação de Impactos para Empresas (Business Impact Assessment - BIA) adotado nos Países Baixos ANEXO I - Gráficos de avanços na reforma regulatória nos Países Baixos ANEXO J - Recomendações do Comitê de Política Regulatória (Reino Unido) ANEXO K - teste de Impactos para Pequenas Empresas no Reino Unido ANEXO L - Fluxograma do Teste de Impactos para Pequenas Empresas do Reino Unido...118

10 1 RESUMO EXECUTIVO

11 Pense nas Pequenas Primeiro O objetivo deste estudo é rever o arcabouço jurídico geral do Brasil relativo à concessão de um tratamento favorável a micro e pequenas empresas, avaliar experiências europeias na aplicação do princípio Think Small First (Pense nas Pequenas Primeiro), relatar e consolidar essas experiências e propor recomendações para a implementação do princípio no Brasil. Observou-se que lograr esses resultados foi um pouco mais difícil do que previsto inicialmente, mas sem prejuízo para o desenvolvimento de recomendações para a implementação do conceito no Brasil. O arcabouço jurídico geral brasileiro atual para a oferta de um tratamento favorável diferenciado para micro e pequenas empresas baseia-se em uma abordagem tradicional de aliviar o ônus administrativo imposto por regulações, isentando empresas enquadradas nessa categoria de regulações existentes ou simplificando sua observância. Embora obviamente muito úteis, essas medidas não correspondem de maneira alguma à aplicação do princípio de «Pense nas Pequenas Primeiro, que submete regulações de qualquer natureza a um exame minucioso, com o objetivo de verificar se seus efeitos para pequenas empresas foram plenamente considerados. O objetivo do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro é evitar a necessidade de se mitigar efeitos de regulações para pequenas empresas tomando as medidas necessárias para que, no processo de formulação de regulações, seus efeitos para pequenas empresas sejam corretamente previstos e mecanismos identificados para manter o custo da sua observância no nível mínimo necessário. A tarefa de reunir experiências europeias na aplicação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro para avaliá-las é difícil neste momento. O termo foi cunhado no Reino Unido e, embora tenha sido incorporado à Lei das Pequenas Empresas (Small Business Act) proposta pela Comissão Europeia como um princípio fundamental, ele não se disseminou amplamente entre os Estados membros da União Europeia. Isso ocorreu a despeito do fato de alguns países membros terem desenvolvido, ao longo de décadas, políticas baseadas em princípios semelhantes ao do Pense nas Pequenas Primeiro como parte de seus esforços para melhorar o ambiente empresarial, promover pequenas empresas ou, o que é mais importante, impulsionar reformas administrativas e regulatórias. Até o presente momento, é quase impossível rastrear o termo 11

12 Pense nas Pequenas Primeiro Pense nas Pequenas Primeiro em outros países fora do Reino Unido ou no nível da União Europeia. Essa dificuldade se tornou ainda maior em decorrência das surpreendentes diferenças observadas nas classificações atribuídas por representantes do setor empresarial a Estados membros individuais da UE na aplicação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro e nas classificações que esses países receberam em outros exercícios dessa natureza. Isso pode ser atribuído ao fato de ser difícil mensurar a aplicação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro na ausência de indicadores acordados e de diferentes contextos nacionais implicarem perspectivas diversificadas de avanços na sua aplicação. Pesquisar a aplicação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro em diferentes países e, o que seria ideal, consolidar seus resultados em uma visão geral revelou-se uma tarefa impossível. No entanto, ampliando esse exercício para o campo mais complexo de uma melhor regulação e da reforma administrativa, abordando, particularmente, a aplicação de avaliações de impactos, tornase possível descrever algumas das arquiteturas institucionais e mecanismos regulatórios existentes relevantes para a implementação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro. A diversidade de abordagens adotadas para implementar o princípio de Pense nas Pequenas Primeiro ou uma melhor regulação revela que não há uma melhor arquitetura institucional única para se aplicar o conceito. As abordagens variam de arquiteturas centralizadas e controladas pelo governo, como no Reino Unido, a estruturas bastante leves, como as estabelecidas na França e nos Países Baixos. No entanto, em que pesem essas diferentes arquiteturas, há uma série de elementos comuns que podem orientar a implementação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro no Brasil, como os seguintes: Definições de micro e pequenas empresas baseadas no número de funcionários 12

13 RESUMO EXECUTIVO Funções transversais de alto nível (em todos os ministérios governamentais) Consultas informais com micro e pequenas empresas potencialmente afetadas por regulações antes de projetos de regulação serem propostos para discussão Requisitos de se considerar maneiras alternativas de regular a matéria em apreço, inclusive a de não se regular ( alternativa de não se fazer nada ) Inseparabilidade do Pense nas Pequenas Primeiro de outras medidas concebidas para melhorar a regulação e reduzir o ônus administrativo e a necessidade de integrar o Pense nas Pequenas Primeiro a outras prioridades importantes para o Estado moderno Para implementar o princípio de Pense nas Pequenas Primeiro, o Brasil precisará começar do zero. Foram desenvolvidos procedimentos para avaliações de impactos regulatórios que podem ser complementados por procedimentos específicos para aspectos relacionados a micro e pequenas empresas. O Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte já tem uma rotina de trabalho razoavelmente bem estabelecida e poderia ser desenvolvido para ser usado como uma base geral para a discussão informal de novas regulações em processo de elaboração em diferentes ministérios. 13

14 2 ANTECEDENTES

15 Pense nas Pequenas Primeiro O objetivo deste relatório, nos termos aplicáveis aos estudos inter-relacionados que envolveu, foi o de 1 Avaliar o arcabouço jurídico geral do Brasil para oferecer um tratamento favorável diferenciado a micro e pequenas empresas Reunir experiências europeias na aplicação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro Elaborar um relatório sobre as experiências levantadas, consolidando as respectivas experiências europeias e destacando as arquiteturas institucionais e mecanismos regulatórios específicos (componentes do sistema e suas inter-relações) necessários para a adoção do princípio Propor recomendações para o processo de implementação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro no Brasil O consultor teve a oportunidade de avaliar e discutir parcialmente documentações existentes sobre o arcabouço jurídico geral do Brasil na sua primeira missão a Brasília, realizada em agosto. Essa documentação incluiu textos legislativos ou regulatórios relevantes, bem como documentos de políticas e outros, como atas de reuniões com partes interessadas do setor empresarial regularmente realizadas pelo MDIC ou com seu apoio. Para a tarefa de reunir experiências europeias com o princípio de Pense nas Pequenas Primeiro, foi necessário selecionar alguns países específicos por razões de tempo e da dimensão do trabalho. A razão é que a União Europeia ainda é uma união de Estados-nação que, a despeito da adoção crescente de leis e regulações europeias por parlamentos nacionais e da harmonização de definições de PMEs em toda a UE, ainda mantêm sistemas próprios de governo e não seguem nenhum modelo europeu padronizado em suas políticas empresariais. Por razões de praticidade e no intuito de assumir o ponto de vista dos empresários (ou pensando pequeno primeiro) na definição do foco do trabalho, as classificações de 2011 do painel de avaliação da implementação da Lei das Pequenas Empresas da União Europeia do Artesanato e das Pequenas e 1 Cf. Termos de referência do Anexo A4. 15

16 Pense nas Pequenas Primeiro Médias Empresas (UEAPME) em relação à melhor regulação e a compras e contratos públicos foram usadas para fazer uma aproximação dos avanços relativos observados recentemente na implementação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro (e não na implementação de toda a Lei das Pequenas Empresas) e pré-selecionar os países que seriam avaliados. 2 Em um segundo momento, algumas (des)semelhanças entre os países com classificação mais alta e o Brasil foram usadas para eliminar as experiências de países irrelevantes (por exemplo, países de tamanho muito reduzido, com poucos níveis administrativos), ainda que tivessem obtido pontuações altas na sua classificação. Esse procedimento levou à seleção dos países assinalados na tabela abaixo. Critério Países da UE UEAPME Repúblicas UEAPME (compras e Repúblicas semi- RNB e (melhor contratos federais presiden- cialistas habitantes regulação*) públicos*) UK UK AT FR DE IE AT DE PT FR NL CZ BE RO UK FR SE BA IT CZ CH ES *) Classificações por ordem decrescente da UEAPME (2011). Países por códigos ISO: AT... Áustria, BA... Bósnia e Herzegovina, BE... Bélgica, CH... Suíça, CZ... República Tcheca, DE... Alemanha, ES... Espanha, FR... França, IE... Irlanda, IT... Itália, NL... Países Baixos, PT... Portugal, RO... Romênia, SE... Suécia, UK... Reino Unido A pesquisa subsequente concentrou-se nesses países e não levou em consideração experiências potencialmente interessantes de países que não fossem os selecionados. Essa decisão foi tomada exclusivamente em função das limitações de tempo impostas ao estudo e não significa que as experiências de outros países europeus não sejam importantes ou úteis no contexto. 2 As classificações da UEAPME não são, na verdade, inteiramente comparáveis porque as partes interessadas nacionais avaliam seus próprios países e não é aplicado um fator de correção para a situação efetiva e/ou percepções relativas. (Observe que a UEAPME também não afirma que os valores são comparáveis.) 16

17 ANTECEDENTES Além disso, embora se soubesse desde o início que os materiais disponíveis para o Reino Unido seriam mais abundantes do que para outros países, pela simples razão de o termo Pense nas Pequenas Primeiro ter sido cunhado naquele país e usado nele por mais tempo que em outros países europeus, não se sabia ao certo que volume de materiais estaria disponível para os demais países selecionados no decorrer da pesquisa. 3 No processo de definir o roteiro deste estudo, acordou-se que as seguintes etapas seriam cumpridas Avaliação de documentos pertinentes e disponíveis sobre políticas adotadas no Brasil em apoio a micro, pequenas e médias empresas, principalmente no nível federal, mas também em nível estadual e municipal, se considerado útil Verificação dos métodos usados pela UEAPME para compreender melhor a classificação de países europeus no ranking da implementação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro Análise paralela (não consecutiva) de documentos publicados no nível dos governos dos países selecionados na União Europeia Análise de fontes secundárias relacionadas a experiências de países europeus na implementação da política de Pense nas Pequenas Primeiro Contatos por com informantes selecionados para esclarecer quaisquer dúvidas surgidas na análise e discussão da situação atual (considerando que algumas publicações frequentemente não são atualizadas em bases regulares) Resumo de resultados 3 Indiscutivelmente, poderiam ter sido pesquisadas inicialmente experiências já documentadas em vez de se determinar o que poderia ser comparável, ainda que não documentado. No entanto, essa abordagem teria envolvido dois estágios ou rodadas no ciclo da pesquisa, quando apenas um estágio está efetivamente disponível. 17

18 3 AVALIAÇÃO DE PAÍSES EUROPEUS SELECIONADOS

19 Pense nas Pequenas Primeiro Qualquer estudo que envolva comparações de experiências da UE envolve o desafio de se identificar experiências ocorridas em 27 países com diferentes sistemas históricos, socioculturais e jurídicos. Embora a legislação da UE esteja cada vez mais moldando as estruturas jurídicas dos seus Estados membros e a maior parte das suas leis seja desencadeada por iniciativas da UE, a maioria esmagadora das leis em vigor e das estruturas organizacionais continua sendo própria de cada Estado membro. Devido aos limites de tempo impostos a uma tarefa dessa natureza, foi necessário limitar o escopo da pesquisa a um número razoável de experiências. Além disso, não se pode garantir desde o início que os países selecionados para a pesquisa oferecerão as experiências desejadas, porque não há um banco de dados facilmente acessível sobre experiências de Pense nas Pequenas Primeiro. O próprio banco de dados da UE sobre experiências de Pense nas Pequenas Primeiro tinha poucos dados no momento em que este estudo foi realizado e até a validade desses dados (para exemplificar princípios de Pense nas Pequenas Primeiro ) pode ser questionada Tentativa de classificar países de acordo com o princípio de Pense nas Pequenas Primeiro Como se vê, pesquisar o que está acontecendo em torno do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro não é tão fácil como parece. O próprio termo é de origem britânica, porque foi cunhado no Reino Unido. Esse fato dificulta a sua 1 O banco de dados contém apenas três entradas sob o título geral Pense nas Pequenas Primeiro, uma das quais se refere a uma fábrica de queijos (muito específica), outra a um programa concebido para reduzir a taxa de fechamento de empresas (criação de um prestador de serviços de desenvolvimento empresarial) e a outra a um conjunto de práticas amigáveis a pequenas empresas no nível municipal. (Cf. ec.europa.eu/ enterprise/policies/sme/ best-practices/database/sba/index.cfm?fuseaction=practice.list) Sob o subtítulo (único) mais específico de Pense nas Pequenas Primeiro / impostos, há cerca de 20 entradas de boas práticas. Embora possam aproximar-se mais da ideia, elas representam um aspecto bastante específico da vida empresarial e poderiam muito bem ter sido incluídas sob esse mesmo título ( impostos ) sem classificá-la como Pense nas Pequenas Primeiro. Tudo isso apenas para ilustrar que o sentido de Pense nas Pequenas Primeiro ainda não é plenamente uniforme e pode variar em diferentes contextos. 19

20 Pense nas Pequenas Primeiro transferência direta, já que o que pode ser associado a esse termo no Reino Unido pode não ser, necessariamente, vinculado a ele em outro lugar. Não é que o termo em si não seja inteligível - pelo contrário, trata-se de um conceito ou lema muito útil. É que processos políticos nacionais ocorrem em seus contextos socioculturais específicos e o que é pequeno primeiro em um lugar em termos empresariais pode ser tradicionalmente diferente do que é pequeno primeiro em outro. As políticas nacionais dizem respeito a temáticas que evoluíram ao longo de décadas de discussão política e muitos elementos de Pense nas Pequenas Primeiro podem estar presentes em outros contextos nacionais sem que o rótulo de Pense nas Pequenas Primeiro esteja associado a eles. Além disso, é provável que existam sobreposições significativas entre medidas tomadas para melhorar a regulação para cidadãos em geral, para a comunidade empresarial em geral e para micro e pequenas empresas diretamente. 2 2 Reduzir o ônus administrativo para cidadãos e empresas (simultaneamente) não é uma frase incomum em documentos austríacos sobre o tema, por exemplo. 20

21 AVALIAÇÃO DE PAÍSES EUROPEUS SELECIONADOS Pense nas Pequenas Primeiro como princípio fundamental da Lei das Pequenas Empresas da Europa A implementação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro continua sendo o elementochave da Lei das Pequenas Empresas da Europa. Isso implica uma simplificação do ambiente regulatório e administrativo no qual as PMEs desenvolvem suas atividades, principalmente por meio da definição de normas para esse fim, que incluem o princípio de uma só vez ou o uso ferramentas como o governo eletrônico e as soluções one-stop-shop (de ponto único). Embora a Comissão Europeia e os Estados membros venham envidando esforços cada vez mais intensos para implementar o princípio, ainda há espaço para tornar a sua aplicação mais sistemática com base na agenda da Regulação Inteligente da UE. A Comissão reforçará a aplicação do Teste das PMEs no seu procedimento de avaliação de impactos para garantir que os impactos para as PMEs sejam cuidadosamente analisados e levados em consideração em todas as propostas legislativas e políticas relevantes e que haja uma indicação clara de seus efeitos quantificados para PMEs sempre que possível e razoável. Na aplicação de testes de competitividade às suas propostas, a Comissão analisará a possibilidade de empresas europeias e PMEs em particular competirem nos mercados da UE e no exterior. Além disso, as diferenças entre micro, pequenas e médias empresas devem ser reconhecidas e levadas em consideração na aplicação do Teste das PMEs e, conforme o caso, medidas específicas, como taxas reduzidas ou obrigações simplificadas de elaboração de relatórios, devem ser consideradas. Sempre que a opção de implementar medidas desse tipo ficar a cargo dos Estados membros, eles devem fazê-lo. Da mesma maneira, os Estados membros devem evitar a sobreposição de regulações desnecessárias, que excedam os requisitos previstos na legislação da UE ao incorporarem Diretivas à sua legislação nacional. A Comissão confirma sua disposição de ajudar os Estados membros nessa tarefa. Para garantir que o marco regulatório seja adequado para esse propósito e identificar efeitos cumulativos da legislação, a Comissão aplicará testes de aptidão à legislação existente, nos quais avaliações de disposições individuais das legislações serão complementadas por uma abordagem mais abrangente. Isso ajudará na identificação de inconsistências e medidas obsoletas e ineficazes e reduzirá o ônus para as PMEs, inclusive para as que atuam em setores não industriais, como, por exemplo, no comércio ou no setor do artesanato. Essa abordagem está sendo desenvolvida atualmente na área de serviços, com vistas a testar o funcionamento geral do Mercado Único de serviços, principalmente do ponto de vista das PMEs. A Simplificação é um objetivo importante. Até outubro de 2011, a Comissão simplificará os requisitos de transparência e elaboração de relatórios para empresas de menor porte cotadas em bolsa. Além disso, a Comissão está considerando a possibilidade de simplificar requisitos de auditoria para pequenas empresas, em conformidade com o Livro Verde sobre Política de Auditoria. Envolver estreitamente partes interessadas no desenvolvimento da política da UE para PMEs é um elemento essencial da Lei das Pequenas Empresas. A decisão de ampliar o período de consultas públicas lançado pela Comissão de oito para doze semanas a partir de 2012 deve dar mais tempo para interessados consultarem seus membros e consolidar sua posição em relação a iniciativas relevantes para PMEs. Os painéis de PMEs da rede Enterprise Europe Network complementam os comentários de organismos representativos de PMEs estabelecidos nos níveis nacional e da UE. Fonte: Comissão Europeia (2011): 6-7. Grifo do consultor. 21

22 Pense nas Pequenas Primeiro Considere o antigo conceito alemão de promover as Mittelstand, por exemplo, que é semelhante e tem conotações do conceito de classe média, mas, na verdade, denota pequenas e médias empresas ou seus proprietários. Muitas das políticas voltadas para as Mittelstand são, na verdade, políticas focadas em pequenas empresas e muitas delas incluem abordagens muito semelhantes ao conceito de «Pense nas Pequenas Primeiro. No entanto, os alemães considerariam incomum categorizar suas atividades ou empreendimentos usando esse termo específico. 22

23 AVALIAÇÃO DE PAÍSES EUROPEUS SELECIONADOS O que a Comissão Europeia e seus Estados membros farão efetivamente? Para adequar futuras regulações ao princípio de Pense nas Pequenas Primeiro, a Comissão: Está reforçando a avaliação do respeito ao Protocolo no que se refere à aplicação dos princípios da subsidiariedade e proporcionalidade em futuras iniciativas legislativas e administrativas Sempre que possível, usará datas comuns de início de regulações e decisões que afetam empresas e publicará uma declaração anual sobre legislações que estiverem entrando em vigor A Comissão fará isso e solicita aos Estados membros que: Tomem medidas para garantir que os resultados de políticas sejam logrados ao mesmo tempo em que minimizam custos e encargos para empresas, inclusive usando uma combinação inteligente de ferramentas como o reconhecimento mútuo e autorregulação ou coregulação para alcançar resultados de políticas Avaliem rigorosamente o impacto de futuras iniciativas legislativas e administrativas para PMEs ( teste de PMEs ) e levem em consideração os resultados dessa avaliação ao elaborarem suas propostas Consultem partes interessadas, inclusive organizações representativas de PMEs, durante pelo menos oito semanas antes de elaborarem qualquer proposta legislativa ou administrativa que acarrete um impacto para empresas Adotem medidas específicas em prol de micro e pequenas empresas, como derrogações, períodos de transição e isenções, particularmente de prestar informações ou elaborar relatórios, e outras abordagens especificamente desenvolvidas para elas, onde adequado, e Os Estados-Membros são solicitados a: Considerar a utilidade de adotar datas comuns de início e de emitir declarações anuais sobre leis que estiverem entrando em vigor Usar disposições de flexibilidade para PMEs na aplicação da legislação da UE e evitar a sobreposição de regulações desnecessárias Para melhorar o ambiente regulatório à luz do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro, a Comissão: Proporá todas as medidas possíveis para reduzir o ônus administrativo imposto a empresas para alcançar a meta de redução da UE de 25% até 2012 Realizará, até o final de 2008, um exame completo do acervo comunitário e incluirá seus resultados no programa progressivo de simplificação atualizado que será apresentado no início de Será dada uma atenção especial à identificação de propostas de simplificação de leis em prol das PMEs, inclusive de propostas relacionadas ao direito das sociedades, e 23

24 Pense nas Pequenas Primeiro Os Estados-Membros são solicitados a: Adotar metas de ambição comparável ao compromisso de reduzir o ônus administrativo em 25% até 2012 no nível da UE, onde isso ainda não tenha sido feito, e implementá-las Garantir a adoção célere das propostas relativas à redução do ônus administrativo na legislação da Comunidade Aprovar a proposta da Comissão que permitiria aos Estados-Membros aumentar o limiar do registro para o Imposto sobre Valor Agregado para euros. Fonte: Comissão Europeia (2008): 7-8. Grifo do consultor. Ao longo da próxima década, as diferentes práticas de uso do termo tenderão a convergir no longo prazo, uma vez que estão ancoradas em um documento de política europeia (a Lei das Pequenas Empresas) e, portanto, serão replicadas em toda a Europa. Por enquanto, ainda há um dilema a ser decifrado no terreno das pesquisas, que é a necessidade de estudos mais abrangentes. Na ausência de relatórios unificados, usamos uma avaliação feita por representantes de empresas publicada nos relatórios da UEAPME (União Europeia do Artesanato e das Pequenas e Médias Empresas) para orientar a seleção dos países europeus que deveriam ser considerados para os fins do presente estudo. Os avanços relativos registrados nos países na promoção de uma melhor regulação e contratos públicos foram considerados como um indicador que poderia permitir uma estimativa aproximada de avanços na implementação do princípio de Pense nas Pequenas Primeiro. Afinal, se a regulação melhorou para empresas e o acesso a contratos públicos foi ampliado, isso pode indicar que o governo não está apenas pensando em reduzir o ônus regulatório imposto a pequenas empresas, mas efetivamente reduzindo-o para elas e que o governo não está apenas pensando em colocar cada vez mais as pequenas empresas em primeiro lugar na concessão de contratos. 24

25 AVALIAÇÃO DE PAÍSES EUROPEUS SELECIONADOS Percentual de implementação de compromissos relacionados as PMEs de melhor regulação - compras e contratos públicos UK compras e contratos públicos GR SI BG AT ES DE PL CZ SE IE FR NL 20 RO DK melhor regulação Fonte: Estimativa aproximada com base em um desenho da UEAPME (2011): relatórios de países. Os resultados da seleção, feita de acordo com esses critérios, correlacionam-se com os resultados dos testes de Pense nas Pequenas Primeiro realizados pela UEAPME como indicado no gráfico abaixo, com duas importantes exceções. O Reino Unido, que está claramente à frente de todos os outros países que adotaram critérios de melhor regulação e contratos públicos, é um dos diversos países que se classificaram acima da média europeia nos testes de Pense nas Pequenas Primeiro da UEAPME em E a Alemanha, que ficou no meio na primeira comparação, está agora entre os três primeiros classificados. 25

26 Pense nas Pequenas Primeiro Teste de Pense nas Pequenas Primeiro da UEAPME de 2011 Índice de Pense nas Pequenas Primeiro em % CZ SI DE UK FR NL SE AT EU EL EP PL CY DK EC ES IE BG RO Unidade de Estudos da UEAPME UEAPME Study Unit Fonte: UEAPME (2011): 3. Afastando-nos da perspectiva empresarial em torno da questão e assumindo o ponto de vista do governo, podemos recorrer a um estudo encomendado pelo Parlamento Europeu em Esse estudo procurou avaliar em que níveis os governos europeus estão trabalhando para implementar o princípio de Pense nas Pequenas Primeiro e estabelecer níveis de consistência e sofisticação na sua aplicação. Os resultados desse estudo estão representados no gráfico abaixo. Embora o Reino Unido tenha, mais uma vez, se classificado no topo da escala combinada, observam-se diferenças importantes em relação à avaliação realizada do ponto de vista das empresas. Além do Reino Unido e da Alemanha, os países com as melhores classificações incluíram Dinamarca, Finlândia e Eslováquia, que receberam pontuações muito mais baixas na avaliação realizada a partir da perspectiva empresarial. Ao mesmo tempo, os altos índices atribuídos 26

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 O relatório Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 consiste numa análise abarangente dos sistemas de ensino

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas no Leste Europeu e na Ásia Central

Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas no Leste Europeu e na Ásia Central Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas no Leste Europeu e na Ásia Central A Albânia tornou mais fácil e menos dispendioso o pagamento de impostos para as empresas mediante a emenda

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades.

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades. Código: DIR-PJPB-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 28/03/2010 Elaborado por: Secretaria de Gestão Estratégica Aprovado por: Presidente do TJPB 1 Objetivo Definir a organização, a apresentação e o ciclo

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições A. GERAL Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições Esta operação é um empréstimo de US$ 240 milhões, voltado a diversos setores. Ela contém um componente SWAP de US$ 237 milhões e um componente

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL CAPACITAÇÃO PARA AVALIAÇÕES DE IMPACTO REGULATÓRIO

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO GRANDE ABC

AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO GRANDE ABC AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2011 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 9001, a norma líder mundial em qualidade internacional, ajudou milhões de organizações a melhorar sua qualidade

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Sistemas de monitoramento

Sistemas de monitoramento Sistemas de monitoramento Prof. Marcos Pó Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas Definições Monitoramento: um processo sistemático e contínuo que, produzindo informações sintéticas e em tempo

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido?

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? PT Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? A Informações sobre o Regulamento de Dublim destinadas aos requerentes de proteção internacional, em conformidade com o artigo 4.º do Regulamento

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VI Seminário,

Leia mais

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário;

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário; RESOLUÇÃO Nº 25, DE 18 OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre parâmetros e padrões para desenvolvimento do modelo de integração da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios

Leia mais

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020)

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) Maria da Graça a Carvalho Universidade de Évora 5 Janeiro 2012 Índice Mundo Multipolar na investigação e inovação Europa

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A POLÍTICA DE COESÃO APÓS 2013: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS PROPOSTAS LEGISLATIVAS

A POLÍTICA DE COESÃO APÓS 2013: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS PROPOSTAS LEGISLATIVAS DIRECÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO DESENVOLVIMENTO REGIONAL A POLÍTICA DE COESÃO APÓS 2013: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS PROPOSTAS LEGISLATIVAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Padrão ABIA para o. Atendimento ao. Consumidor pelas. Indústrias de Alimentos

Padrão ABIA para o. Atendimento ao. Consumidor pelas. Indústrias de Alimentos Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos Recomendação da Comissão de Atendimento ao Consumidor ABIA (versão revisada em agosto de 2014) 1 1 SUMÁRIO Introdução 03 Definições

Leia mais

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é um banco estatal 3, fundado em 1952, que opera sob a supervisão do ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 11/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DE EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015-30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES Março de 2014 www.aqua-hqe.com.br SUMÁRIO 1. Objetivos da auditoria 2. Definições e abreviações 2.1 Mandatário da auditoria 2.2 Auditado 2.3 Equipe de auditoria

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 041/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: CARTEIRA DE LONGO PRAZO O Projeto BRA/06/032

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ARUSHA (REVISADA)

DECLARAÇÃO DE ARUSHA (REVISADA) DECLARAÇÃO DE ARUSHA (REVISADA) DECLARAÇÃO DO CONSELHO DE COOPERAÇÃO ADUANEIRA SOBRE A BOA ADMINISTRAÇÃO E A ÉTICA EM MATÉRIA ADUANEIRA CONSELHO DE COOPERAÇÃO ADUANEIRA *, CONSIDERANDO que as administrações

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais