REINVESTIMENTO DO LUCRO OBTIDO NO BRASIL COM A ENTRADA DO CAPITAL ESTRANGEIRO RODRIGO ANTONIO AZAMBUJA DA CUNHA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REINVESTIMENTO DO LUCRO OBTIDO NO BRASIL COM A ENTRADA DO CAPITAL ESTRANGEIRO RODRIGO ANTONIO AZAMBUJA DA CUNHA 1"

Transcrição

1 REINVESTIMENTO DO LUCRO OBTIDO NO BRASIL COM A ENTRADA DO CAPITAL ESTRANGEIRO RODRIGO ANTONIO AZAMBUJA DA CUNHA 1 É bom saber algo dos costumes de diversos povos, a fim de julgar os nossos mais corretamente, e não pensar que tudo que se opõe aos nossos modos é ridículo e contrário à razão, como costumam fazer os que nada viram. Descartes. 1

2 RESUMO O presente trabalho analisa os investimentos internacionais sob a perspectiva de sua reaplicação no Brasil, após gerado o lucro, quando do seu primeiro ingresso no país. É possível identificar que a globalização influenciou a remodelação econômica dos países, principalmente, os em desenvolvimento, para demonstrar que, atualmente, um Estado é dependente do outro. Assim, os investimentos estrangeiros são formas de buscar benefícios tanto para o país receptor, quanto para o investidor externo. No caso específico do Brasil, o contexto econômico que se verifica é resultado, em grande parte, dos capitais oriundos de outros países. Dessa forma, estando o Brasil próximo de auferir o grau de investimento (nota conferida por agências de risco), o volume, cada vez mais intenso, de capitais estrangeiros advindos para fomentar novos negócios fornecem benesses incontáveis ao país. É, contudo, esparsa e obtusa a lei que regulamenta a entrada desse capital, onde sugerimos algumas modificações para garantir eficiente incentivo ao aporte de novos investimentos, assim como um estímulo ao reinvestimento do lucro obtido. Palavras-chave: Reinvestimento. Lucro. Investimento direto externo. Investidor estrangeiro. Transnacionais incentivo.

3 ABSTRACT This work analyses the international investments under the perspective of their reapplication in Brazil after generating profit as of their first ingress in the country. It is possible to identify that the globalization influenced the economic remodeling of the countries, principally the developing ones, to demonstrate that nowadays a State is dependent on the other. Therefore, the foreign investments are a way to search for benefits to the receptor country as well as to the foreign investor. In the specific case of Brazil, the present economic context is a result mostly of capital from other countries. In this way, as Brazil is close to receiving the investment grade ( rate given by risk agencies), the more and more intense volume of foreign investment coming to foment new business offer great gains to the country. It is, however, a sparse and obtuse law which regulates the entrance of this capital, at which point we suggest some modification to guarantee an efficient incentive to the entrance of new investments, as well as a stimulus to the reinvestment of the obtained profits. Key words: Reinvestment. Profit. Direct foreign investment. Foreign investor. Transnational companies incentive.

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO INVESTIMENTOS INTERNACIONAIS A NATUREZA DOS INVESTIMENTOS Globalização Empresas Transnacionais O Contexto da Economia Brasileira O Grau de Investimento INVESTIMENTO DIRETO EXTERNO (IDE) Conceito A REGULAMENTAÇÃO JURÍDICA NO BRASIL DOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PRESSUPOSTOS JURÍDICOS DOS INVESTIMENTOS INTERNACIONAIS O Princípio da Soberania O Princípio da Igualdade DA LEI 4.131/62 À LEI 4.390/ REGISTRO DO CAPITAL ESTRANGEIRO REMESSA DE LUCROS REPATRIAMENTO DE CAPITAL O REINVESTIMENTO DO LUCRO OBTIDO COM A ENTRADA DO CAPITAL ESTRANGEIRO O REINVESTIMENTO ANÁLISE DE INCENTIVO AO REINVESTIMENTO...24 CONCLUSÃO...29 REFERÊNCIAS...31

5 5 INTRODUÇÃO O desenvolvimento dos países, em razão da acentuada interligação de economias pela globalização, depende, essencialmente, dos investimentos internacionais. Com efeito, o capital estrangeiro assume importante papel no financiamento do progresso econômico de um país para promover seu crescimento sustentável por investimentos realizados diretamente no setor de produção de empresas transnacionais. O capital estrangeiro ingressado no Brasil como forma de investimento, terá o seu destino traçado pelo investidor internacional, de modo que a lei de nosso país assegura alternativas como o repatriamento desse capital, a remessa dos lucros ao exterior, além de possibilitar o reinvestimento dos proveitos auferidos, sendo essa última a razão do trabalho. Todavia, o problema referente ao incentivo do reinvestimento do lucro obtido no Brasil com a entrada do capital estrangeiro, mostra-se, nos dias de hoje, agravado, em razão de estar a nossa legislação obsoleta e inaplicável no tocante à realidade brasileira. A crítica parece ser dura, mas, na prática, as leis que deveriam reger e organizar a entrada de capitais estrangeiros está sendo, cada vez mais, relegada ao segundo plano, por não mais atenderem às mínimas expectativas da comunidade internacional. Este trabalho é, portanto, um convite à reflexão dos caminhos adotados pelo conjunto de leis que cercam o capital estrangeiro, com o objetivo colimado de demonstrar formas de estímulo aos investimentos estrangeiros no Brasil, bem como sugerir argumentos para alteração da regulamentação jurídica do reinvestimento. Uma pergunta básica permeia a discussão: Como poderemos, de forma eficiente, incentivar o reinvestimento do lucro obtido com a entrada do capital

6 6 estrangeiro para um melhor desenvolvimento do Brasil? A razão de ser do estudo deriva do atual contexto econômico vivido por nós, brasileiros, consagrados por um período de transição que vem tornando o país forte concorrente dos Estados em ascensão como, por exemplo, China, Índia e Rússia, o que traduz-se em uma fase salutar para os investimentos internacionais. O crescimento do Brasil, apesar de reles e acanhado, tem sido alavancado, na maioria das vezes, pelos investimentos externos, decorrentes da globalização e das recentes facilidades criadas, ainda que modestas, pelo Estado para o aporte do capital estrangeiro. Seguindo nessa linha, é possível verificar que o lucro obtido com o capital estrangeiro no Brasil não dispõe de uma legislação que incentive, de maneira relevante, o seu reinvestimento, restando aos investidores o repatriamento do seu capital ou a remessa de lucros ao exterior, o que imprime objetivo contrário ao ciclo de proveitos gerado pelos investimentos no Estado receptor. De forma a analisar a doutrina e os procedimentos legais, pertinentes aos investimentos internacionais, com sede no reinvestimento do lucro, será esse trabalho dividido em três partes: (i) a primeira parte com a atenção voltada à explanação dos investimentos internacionais; (ii) a segunda perfile verificar a regulamentação jurídica em relação ao capital estrangeiro ingressado no Brasil; sendo, por fim, analisado (iii) o reinvestimento do lucro para verificar as fontes aplicáveis, bem como desenvolver estudo acerca do seu incentivo.

7 7 1 INVESTIMENTOS INTERNACIONAIS 1.1 A NATUREZA DOS INVESTIMENTOS Globalização Entende-se globalização como sendo a transnacionalização dos mercados de insumos, produção, capitais, finanças e consumo 2, onde há um processo de transformação dos Estados referente, principalmente, aos fluxos financeiros e comerciais. O processo tecnológico e as facilidades de transportes diminuíram as distâncias, promovendo o encontro fácil, barato e seguro de culturas, povos e oportunidades distantes 3, o que possibilitou, por conseqüência, uma imensurável expansão capitalista. A essa grande interligação de economias, podemos atribuir uma inevitável interdependência entre os Estados, e a isso o economista francês Guy Sormon, em aforismo, bem descreve, pois: O deslocamento de ar provocado pelo batimento da asa de uma borboleta em Pequim pode provocar um furacão na Califórnia 4. No campo dos investimentos estrangeiros, a globalização, propulsora das relações internacionais, gerou o alastramento da malha econômica mundial, atribuindo ao comércio internacional grande importância. 2 FARIA, José Eduardo. O direito na economia globalizada. São Paulo: Malheiros, p GAMBARO, Carlos Maria. Globalização das economias: análise do pensamento de Guy Sormon. Revista de Direito Constitucional e Internacional, São Paulo, n. 33, p. 51, out./dez GAMBARO, Carlos Maria. Globalização das economias: análise do pensamento de Guy Sormon. Revista de Direito Constitucional e Internacional, São Paulo, n. 33, p. 46, out./dez

8 A atualidade demonstra que há dinheiro de sobra no planeta, e alguns investidores estão colocando suas moedas em lugares inesperados. A preferência são os emergentes de grande porte Brasil, Rússia, Índia e China. 5 8 A esse elevado nível de investimentos no Brasil, principalmente os de produção, a economia brasileira é uma das mais internacionalizadas de todas as economias dos países em desenvolvimento 6, garantindo lugar na competição mundial de crescimento Empresas Transnacionais As transnacionais são empresas originárias de países estrangeiros, as quais buscam estabelecer vantagens, como forma de competir no mercado mundial, pela internacionalização de sua produção. Conforme Eduardo Teixeira Silveira: A expressão empresa transnacional vem sendo mais utilizada do que a correntemente empregada, empresa multinacional, porque esta implicaria uma pessoa jurídica com sede em várias nações, quando na realidade a empresa tem apenas uma nacionalidade. 7 Essas empresas estrangeiras buscam facilidades através da instalação local de unidades vinculadas à sede e da fragmentação da produção em diversos países, para isso recorrem a países cujos benefícios são mais atraentes e as isenções fiscais e bonificações são mais amplas do que as oferecidas em outros. Na citação trazida por Eduardo Teixeira Silveira de Celso D. Albuquerque Mello pode-se analisar que as fases de transnacionalização de uma empresa 5 SCHELP, Diogo. Colômbia renasce para a modernidade. Veja, São Paulo, ano 40, n. 30, 1º ago DIGILO, Natan David de Brito. Investimento estrangeiro direto no Brasil. Monografia (Graduação em Direito) Faculdade de Direito, Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos. p SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 38.

9 9 ocorrem gradativamente: a) partida para o exterior à procura de mão-de-obra mais barata; b) procura em controlar mercados, fornecimento de matérias-primas; c) controle das fontes de fornecimento de matérias-primas; d) evitar a concorrência das empresas locais; e) eliminação das barreiras alfandegárias com a criação de mercados comuns; f) aumento do lucro ao superfaturar o que é importado da matriz, bem como subfaturar o que é vendido pela matriz. 8 As empresas estrangeiras acabam por adquirir vantagens superiores às empresas nacionais, podendo ocorrer, o que para muitos é tese de defesa contra o ingresso de capitais estrangeiros no Brasil, o tão chamado sucateamento da produção interna. Dentre as muitas vantagens, destacam-se: (i) a redução de custos; (ii) economia própria; (iii) tecnologia de ponta; (iv) fácil deslocamento de capitais; (v) estrutura de países desenvolvidos; assim como (vi) poder de barganha O Contexto da Economia Brasileira As fontes informativas como jornais, revistas e periódicos têm, repetidamente, noticiado a grande prosperidade econômica que, atualmente, vivemos no Brasil. Atribuem a tal momento, diversos fatores, como, por exemplo, o aumento significativo dos investimentos estrangeiros que, hoje, garantem índices positivos nunca antes registrados. A revista americana The Economist, em estudo realizado pelo setor Economist Intelligence Unit, relata que o investimento direto estrangeiro mundial terá um grande acréscimo de 2007 a Como se observa, o aumento do índice de investimentos direto externo, que se dará até 2011, demonstra que o Brasil, apesar de pífia colocação, representa o 8 SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 40.

10 10 único país da América Latina a ser analisado. Por outro lado, a estabilidade econômica do Brasil tem atraído investimentos estrangeiros em grande monta, tanto no setor produtivo (investimento direto externo - IDE) como no setor financeiro (investimento de portfólio), proporcionando uma ampla cadeia de benefícios. Ao investidor, a liquidez e segurança de um país economicamente promissor garantem-lhe tranqüilidade para abarcar investimentos variados no Brasil, que com políticas macroeconômicas favoráveis e bem delimitadas, asseguram ótimos níveis de crescimento. A realidade econômica traduz-se, atualmente, pelo controle da inflação, pela regulamentação da taxas de juros, que estão em níveis satisfatórios, assim como a dívida externa deixou de ser problema e as contas públicas foram ajustadas O Grau de Investimento O grau de investimento atesta aos países índices de seguridade aos estrangeiros, quando da escolha do país receptor dos investimentos internacionais. É, portanto, a nota conferida aos países ou empresas com baixíssimo risco de dar calote no pagamento de suas dívidas 10 Posto isso, ao Brasil, que figura com nota BB+, não dispondo ainda do grau de investimento, a sua premente prosperidade econômica traz a expectativa de que, em um futuro realmente próximo analistas afirmam entre 2008 e as agências de classificação de risco atribuirão uma melhor nota ao Brasil. Veja-se, contudo, que o Brasil, estando a um passo de auferir o grau de 9 GUANDALINI, Giuliano. Veja, São Paulo, ano 40, n. 15, p A DECOLAGEM dos negócios. Veja, São Paulo, edição n , ano 40, n. 20, p , 23 maio 2007.

11 investimento, já garante a atratividade de investimentos estrangeiros, isso porque vários investidores, querendo antecipar-se à decisão das agências, já tratam o Brasil como se ele tivesse grau de investimento Atualmente, na América Latina, apenas o México e o Chile dispõem do grau de investimento. Contudo, verifica-se que o Brasil está muito perto de alcançar o grau de investimento, considerando que sua vulnerabilidade econômica, aos olhos dos estrangeiros, tem sido constantemente reduzida. 1.2 INVESTIMENTO DIRETO EXTERNO (IDE) Conceito De acordo com a lei n /62, que disciplina a aplicação do capital estrangeiro e as remessas de valores para o exterior: Art. 1º Consideram-se capitais estrangeiros, para os efeitos desta lei, os bens, máquinas e equipamentos, entrados no Brasil sem dispêndio inicial de divisas, destinados à produção de bens ou serviços, bem como os recursos financeiros ou monetários, introduzidos no país, para aplicação em atividades econômicas desde que, em ambas as hipóteses, pertençam a pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no exterior. 12 Tem-se, assim, que o capital estrangeiro destinado ao investimento no setor de produção ocorre por meio de investimento direto externo em empresas chamadas, por essa razão, de transnacionais. De modo diverso, os capitais empregados a aplicações financeiras, ou para especulações no mercado de capitais, são designados como investimento de portfólio, ou seja, investimentos indiretos. A Circular 2.997, de 15 de agosto de 2000, do Banco Central do Brasil, a seu 11 A DECOLAGEM dos negócios. Veja, São Paulo, edição n , ano 40, n. 20, p , 23 maio BRASIL. Lei n , de 3 de setembro de 1962.

12 12 turno, trata de conceituar o investimento direto externo (IDE) para: Art. 2º Definir como investimento externo direto, para os fins e efeitos desta Circular, as participações, no capital social de empresas no País, pertencentes a pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no exterior, integralizadas ou adquiridas na forma da legislação em vigor, bem como o capital destacado de empresas estrangeiras autorizadas a operar no País, observado o disposto no art. 10 desta Circular.13 Pode-se, assim, neste contexto, trazer diversos modelos de empresas receptadoras de investimentos estrangeiros, como, por exemplo, a transnacional que adquire o controle, ou grande participação, de uma empresa nacional. Sob os últimos holofotes, cita-se, no ramo alimentício, a aquisição da transnacional Swift, de origem americana, por uma subsidiária brasileira, de Goiás, o frigorífico Friboi, como assim demonstra a reportagem: Na semana passada, uma companhia brasileira protagonizou uma aquisição de relevo. O frigorífico Friboi, empresa familiar nascida em Goiás, comprou a companhia americana Swift, com mais de 150 anos de história e um faturamento dez vezes maior. Com a transação, o frigorífico brasileiro passa a ser o maior abatedor de bois do planeta, e o Brasil consolida-se como o maior exportador de carne bovina do mundo. 14 Para a boa compreensão cumpre referir que o capital estrangeiro pode ser utilizado para investimento em portfólio (indiretos), ou seja, investimentos em bolsa de valores ou em instituições financeiras, sem participar diretamente do processo produtivo das empresas. Na expressão de Luiz Olavo Baptista, quanto à forma indireta de investimento: seria um ato de natureza predominantemente financeira, em que o destino final do dinheiro é de importância tão-só enquanto fator de segurança e remuneração do capital." BANCO CENTRAL DO BRASIL. Circular n , de 15 de agosto de VEJA. São Paulo, edição n , ano 40, n. 20, p. 66, 6 jun BAPTISTA, Luiz Olavo. Os investimentos internacionais no direito comparado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 32.

13 13 2 A REGULAMENTAÇÃO JURÍDICA NO BRASIL DOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS 2.1 PRESSUPOSTOS JURÍDICOS DOS INVESTIMENTOS INTERNACIONAIS Os pressupostos jurídicos dos investimentos internacionais partem de dois princípios básicos dos Estados. Em primeiro lugar, o princípio da soberania, dotado de autoridade e poder discricionário e, em segundo lugar, o princípio da igualdade, para que se efetive tratamento semelhante entre os capitais nacional e internacional. Como forma demonstrar os possíveis efeitos perniciosos que ele [investimento internacional] pode causar ao país receptor 16, se faz necessário analisar detidamente os pilares básicos dos investimentos estrangeiros O Princípio da Soberania Um Estado deverá ter sua personalidade bem delimitada (jurídica, política, social e econômica) para garantir seu desenvolvimento e respeito perante seus concorrentes. Isto é, o país receptor dos investimentos externos tem o direito reconhecido de criar regras para controle, atração e incentivo do reinvestimento, impondo-lhe para tanto os limites que entender necessários, bem como definindo as políticas a ele relativas de forma a atingir seus objetivos SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 61

14 Na Constituição Federal do Brasil, por exemplo, o artigo 172 refere que: A lei disciplinará, com base no interesse nacional, os investimentos de capital estrangeiro, incentivará os reinvestimentos e regulará a remessa de lucros Nessa linha, Celso Ribeiro Bastos analisa que: A afirmação do Texto Constitucional, da soberania nacional como princípio informativo da ordem econômica, não pode significar a procura de um nacionalismo xenófobo ou mesmo de qualquer sorte de autarquia econômica. O que o Texto procura pôr em destaque é que a colaboração internacional, com as concessões que ela implica, não pode chegar ao ponto de subtrair ao País as possibilidades de sua autodeterminação. 19. A soberania é, portanto, o poder discricionário 20 do Estado, capaz de estabelecer regramentos e modelos comportamentais para sua sociedade, tratandose de um poder absoluto e irrevogável para sua organização e autoridade individual em detrimento dos outros. O Estado regula, assim, a entrada de capitais estrangeiros, bem como tem prerrogativa para bloquear sua entrada em setores que considera estratégicos. A exemplo disso, o artigo 222 da Constituição Federal do Brasil que impõe-se norma restritiva para aquisição do comando de empresas jornalísticas e de radiodifusão brasileiras, de modo a organizar o exercício das referidas categorias. Assim, os Estados acabam por desenvolver políticas firmes para proteção e incentivos dos investimentos internacionais, analisando sempre as melhores formas de recepção para o seu crescimento. Em razão disso, pode surgir a dúvida quanto à segurança do investimento, derivado do amplo poder concedido ao país receptor. Todavia, é importante considerar que os investidores têm pleno conhecimento dessa prerrogativa, 18 BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Artigo SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p Conforme lecionou Amílcar de Araújo Falcão: O que caracteriza o poder discricionário é uma certa margem de ajuizamento, de opção ou de livre escolha entre várias condutas ou soluções, qualquer das quais será válida desde que não se atinja o limite extremo do desvio do poder. (FALCÃO, Amílcar de Araújo. Fato gerador da obrigação tributária. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 110.)

15 analisando, na verdade, se o país receptor paga justo preço (indenização) pela sua ingerência, assim como investigam as formas de atuação do Estado. 15 Com efeito, embora o país seja dotado de poder soberano para não permitir a entrada de investimentos internacionais, podendo expropriar-se do capital, assim como transferir a sua titularidade, o mundo, nos dias de hoje, faz refém desse capital os países que desejam sobreviver nessa competição global O Princípio da Igualdade Em relação ao princípio da igualdade, não pode haver entre o capital nacional e estrangeiro diferenciação ou distinção no seu tratamento. O artigo 2º da Lei n /62 refere que: Ao capital estrangeiro que se investir no País, será dispensado tratamento jurídico idêntico ao concedido ao capital nacional em igualdade de condições, sendo vedadas quaisquer discriminações não previstas na presente lei. 21 Dessa forma, não pode haver discriminação entre os capitais - apesar de o Estado dispor do princípio da soberania para vetar a entrada do investimento estrangeiro -, devendo ser concedido tratamento semelhante ao nacional ao capital já recepcionado. Faz-se necessário, assim, compreender que o princípio da igualdade tem por objetivo, unicamente, assegurar um tratamento semelhante aos capitais, impondolhes as mesmas circunstâncias, ou seja: tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais 22, segundo a máxima de Aristóteles. 21 BRASIL. Lei n , de 3 de setembro de Citação de Aristóteles trazida por SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 74

16 O princípio da igualdade deve, portanto, ser utilizado para que se efetive tratamento semelhante aos capitais estrangeiros e nacionais, não podendo se confundir com o princípio da isonomia, visto que, de fato, o capital estrangeiro dispõe de condições superiores ao nacional. A intenção é que não sejam criadas diferenças de tratamento em favor ou desfavor de entes específicos e determinados DA LEI 4.131/62 À LEI 4.390/64 A Lei 4.131/62 disciplina a aplicação do capital estrangeiro e as remessas de valores para o exterior, dentre outras providências. Vale referir que essa foi a primeira lei no tempo a regular os capitais estrangeiros no Brasil. Todavia, a aplicabilidade da lei a casos concretos restou prejudicada, por existirem muitas lacunas a serem preenchidas, sendo, por conseqüência, dois anos após, editada a Lei n /64, com intuito de organizar definitivamente a regulamentação do capital estrangeiro. Com efeito, a nova Lei n /64 revisitou vários artigos da lei anterior, modificando o inteiro teor de muitas disposições para garantir adequação à realidade do sistema brasileiro. 2.3 REGISTRO DO CAPITAL ESTRANGEIRO Após a publicação da Lei n em 1962, o registro do capital estrangeiro, sofreu modificações estruturais para recepção do investimento internacional, sendo a mais atual, dada pela Circular n pelo Banco Central do Brasil (Bacen), que alterou: (i) o rol de informações e documentos que devem ser registrados no Banco 23 SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 75

17 Central para declarar a entrada de capital estrangeiro no Brasil, assim como (ii) a forma de realização do registro. 17 Com efeito, dentre a primeira lei que organizou os investimentos estrangeiros e a última norma que aludiu o tema, além de mais formas de investimento estarem sujeitas a registro, as informações prestadas pelo estrangeiro para registro do investimento direto externo tiveram seu leque estendido para que o Banco Central assim fosse comunicado de todas as alterações e modificações na recepção do investimento. Dessa forma, o Banco Central tem conhecimento da circulação de capitais estrangeiros no país para regulamentação não apenas de sua entrada, mas também de posteriores alterações desse capital já registrado; se reinvestido, repatriado ou pulverizado. Outra importante alteração trazida pela Circular n está diretamente ligada à forma de realização do registro do investimento direto externo. Anteriormente à promulgação da Circular, o registro dispunha de efeito constitutivo-declaratório, em razão do pedido efetuado no Bacen, acompanhado de todos os documentos pertinentes ao capital estrangeiro, ser certificado de sua regularidade para operar no país. Havia, assim, uma prévia análise dos dados para a constituição do registro. Todavia, a Circular n instituiu que o registro do capital estrangeiro deva ser efetuado através do Módulo RDE IED (Registro Declaratório Eletrônico Investimento Externo Direto) 24, isto é, ser feito eletronicamente no sistema computadorizado do Banco Central (SISBACEN) CENTRO DE ESTUDOS DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS. Guia legal para o investidor estrangeiro no Brasil. 7. ed. São Paulo: Imprensa Oficial, p SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 118.

18 Assim, as informações prestadas são de estrita responsabilidade do investidor e da empresa receptora, segundo consta no artigo 3º, parágrafo segundo da Circular n Nesse sentido, cabe às partes cientificarem a veracidade dos dados prestados, com sua plena certificação no Banco Central, para que o investimento direto externo (IDE) ingressado no país atue de acordo com a sua finalidade. Portanto, todo o investimento estrangeiro deve ser registrado no Banco Central do Brasil, visto que tal registro é essencial para a remessa de lucros ao exterior, o repatriamento de capital e o registro de reinvestimento de lucros. 26 Importa-nos, contudo, questionar a seu tempo o registro do reinvestimento do lucro obtido no Brasil com a entrada do capital estrangeiro para analisar se as propostas legislativas favorecem o giro desse capital no país. Podemos adiantar: de certa forma, não. 2.4 REMESSA DE LUCROS A remessa de lucros para o exterior, atualmente, não sofre restrições quanto à sua distribuição de valores por período. Todavia, originalmente a Lei n /62 estipulava limitações quantitativas para as remessas de lucros auferidos por investidores estrangeiros em nosso país 27, sendo que as alterações que se sucederam na lei vieram como forma de incentivar o investimento direto externo no país. Dessa maneira, podem-se considerar quatro momentos distintos, com diferentes entendimentos, quanto à remessa de lucros para o exterior. 26 CENTRO DE ESTUDOS DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS. Guia legal para o investidor estrangeiro no Brasil. 7. ed. São Paulo: Imprensa Oficial, p SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 126.

19 19 Num primeiro momento, a par da Lei n de 1962, os valores remetidos ao exterior que caso no ano fossem superiores a 10% do capital registrado 28 deveriam ser considerados como repatriamento, estando sujeitos, assim, as regras de restituição desses valores ao exterior. Logo, se o investidor remetesse mais do que 10% do capital, estaria diminuindo o montante inicialmente ingressado, de forma que, no ano seguinte, os 10% deveriam incidir sobre um valor menor daquele capital subtraído, o que revela ser essa uma forma de repatriamento. Havia, assim, um controle dos valores remetidos, em razão do objetivo de retenção desses lucros auferidos no país. Num segundo momento, a Lei n de 1964 instituiu o imposto suplementar de renda para a remessa de lucros, mais uma vez, como forma de reter os lucros no Brasil, as remessas eram controladas, agora, contudo, pelo imposto suplementar de renda, caso excedessem 12% (doze por cento) do capital registrado, de acordo a tabela acima. As alíquotas, conforme se verifica, eram deveras excessivas, podendo chegar a 60% (sessenta por cento) de desconto aos valores remetidos ao exterior. Entretanto, por mais interessante que pareça essa forma de manter o capital estrangeiro no Brasil, tal regramento provocou sentido inverso ao pretendido, pois afetava a entrada de novos investimentos, dificultando a saída desses valores do país. Portanto, para intimidar a remessa de lucros ao exterior restou previsto, com a Lei n de 1964, a incidência tributária do imposto suplementar de renda caso o valor remetido excedesse 12% do capital ingressado no país. 28 SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 126.

20 Contudo, em um terceiro momento, mais precisamente com a edição da Lei n em 1991, previu-se duas importantes alterações: (i) o dispositivo do imposto suplementar de renda foi totalmente revogado, e, por sua vez, (ii) a alíquota do imposto de renda foi reduzida de 25% (vinte e cinco por cento) para 15% (quinze por cento) para remessa de lucros ao exterior. 20 A remessa de lucros continuava a ser barrada pelo imposto de renda retido na fonte, não havendo, todavia, a incidência do imposto suplementar sobre o lucro remetido ao exterior. Nesse período, ao remeter o lucro para o exterior o investidor não precisava mais ficar adstrito ao imposto suplementar de renda, de forma que podia, com o único encargo tributário do imposto de renda (pelas movimentações financeiras), enviar os proveitos aqui auferidos para o exterior. Num último momento, a Lei n de 1995 modificou radicalmente as disposições anteriores, revogando, para tanto, a incidência tributária do imposto suplementar e do imposto de renda para a remessa de lucros, conforme dispõe o artigo 10. Como forma de atrair os investimentos direto externo, a incidência de alíquotas às remessas de lucros foram revogadas, proporcionando liberdade plena aos investidores na utilização dos lucros auferidos no país receptor. Nesse mesmo sentido, Eduardo Teixeira Silveira observa que: A situação legislativa atual no que tange às remessas de lucros é de total liberdade tanto no aspecto quantitativo, quanto no tributário, não havendo mais quaisquer restrições desta ordem aos pagamentos efetuados a tal título SILVEIRA, Eduardo Teixeira. A disciplina jurídica do investimento estrangeiro no Brasil e no direito internacional. São Paulo: J. de Oliveira, p. 126.

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO DOCUMENTO EXECUTIVO (PARA DOWNLOAD) ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS DIRETOS: BASE LEGAL A atração de investimentos estrangeiros diretos IED é incentivada pelo governo brasileiro

Leia mais

Doing Business in Brazil

Doing Business in Brazil INVESTIR NO BRASIL Doing Business in Brazil Alfeu Pinto Sócio Boccuzzi e Associados 12 de Abril de 2012 Visão Geral sobre o Brasil Área territorial População PIB Regime cambial brasileiro/reservas Forma

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91.

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91. RESOLUÇÃO N 1.927 Dá nova redação ao regulamento anexo V à Resolução nº 1.289, de 20.03.87, que autoriza e disciplina os investimentos de capitais estrangeiros através do mecanismo de "DEPOSITARY RECEIPTS"

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015 IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais A Instrução Normativa nº. 1.585 de 2.9.2015 ( IN 1.585/15 ) regulamentou a tributação no Mercado Financeiro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições:

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições: SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre o registro do investimento estrangeiro direto no País, em moeda nacional ou estrangeira, efetuado de forma declaratória e por meio eletrônico

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 209, DE 2004

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 209, DE 2004 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 209, DE 2004 ADRIANO DA NOBREGA SILVA Consultor Legislativo da Área III Tributação, Direito Tributário SETEMBRO/2004 Adriano da Nóbrega Silva 2 SUMÁRIO Tributação diferenciada para

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

Segundo a UNCTAD, em 2014 os investimentos diretos mundiais alcançaram US$ 1,2 trilhão, devendo crescer nos próximos anos. Desse total, os fluxos

Segundo a UNCTAD, em 2014 os investimentos diretos mundiais alcançaram US$ 1,2 trilhão, devendo crescer nos próximos anos. Desse total, os fluxos Segundo a UNCTAD, em 2014 os investimentos diretos mundiais alcançaram US$ 1,2 trilhão, devendo crescer nos próximos anos. Desse total, os fluxos destinados aos países em desenvolvimento alcançaram US$

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci Expatriados Como lidar com os aspectos fiscais Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci 1 Residência Fiscal 2 Caracterização de Residência Fiscal Art. 2

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

A CUMULATIVIDADE E A NÃO CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS

A CUMULATIVIDADE E A NÃO CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS A CUMULATIVIDADE E A NÃO CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS Por:, Pós-Graduando em Planejamento Contábil e Tributário, PUC- Minas em Poços de Caldas. lesovia@yahoo.com.br Gestão e Conhecimento, v. 3, n.

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

Regime de admissão temporária gera dúvidas

Regime de admissão temporária gera dúvidas Page 1 of 5 Texto publicado segunda, dia 29 de abril de 2013 ARTIGOS Regime de admissão temporária gera dúvidas POR PAULO JOSÉ CARVALHO NUNES O Brasil, muito em breve, será palco de dois grandes eventos

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 CONTROLE DE CÂMBIO Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 Por Que o Brasil Controla o Câmbio? Moeda forte é um item escasso no Brasil. Tanto o Governo Brasileiro como as empresas

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (BV2010) Índice Item ALCANCE 1

Leia mais

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO Alunos: Gleidiane Lacerda de Souza Raichelle Piol Professor: Aldimar Rossi RESUMO: O presente trabalho tem a finalidade de falar de Juros sobre capital próprio (JSCP) é uma

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros REPÚBLICA DA NAMÍBIA Lei de Investimentos Estrangeiros Promulgada em 7 de julho de 1992 e com emenda pela Lei 24 de 1993, Emenda da Lei de Investimentos Estrangeiros de 1993 LEI Para a disposição ao fomento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos;

O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos; O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos; Profissionais ligados às atividades empresariais e contribuintes em geral. O que

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015 Altera a Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, para acabar com a tributação semestral sobre os rendimentos das aplicações em fundos de investimento. O CONGRESSO

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

Falta integrar as leis do Mercosul

Falta integrar as leis do Mercosul Publicado em: Gazeta Mercantil, no dia 04-06-1998, pág. 1 e A8 Autores: Marta Watanabe, Juiiano Basile e Adriana Aguilar Falta integrar as leis do Mercosul Apesar do crescimento de 300% em quatro anos

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO Eduardo Augusto Cordeiro Bolzan 1 As farmácias de manipulação, aqui entendidos aqueles estabelecimentos de aviamento, manipulação 2 de

Leia mais

LEI Nº 12.024, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 12.024, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 12.024, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Dá nova redação aos arts. 4º, 5º e 8º da Lei nº 10.931, de 2 de agosto de 2004, que tratam de patrimônio

Leia mais

Índia: a joia da Coroa

Índia: a joia da Coroa INVESTIMENTOS Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Índia: a joia da Coroa Reformas econômicas e políticas de incentivo colocam o país no topo da lista dos mais atraentes

Leia mais

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. RESOLUCAO 2.689 --------------- Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES REGULAMENTO DO FUNDO O BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES, regido pelas disposições do presente Regulamento, e regulado pelas Instruções CVM nº 302

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S

M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S DESMUTUALIZAÇÃO DAS BOLSAS Data 28/12/2007 Prezados Senhores, Servimo-nos do presente para apresentar breves comentários acerca do histórico e dos aspectos tributários

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fl. 35 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 26 - Data 14 de novembro de 2014 Origem DELEGACIA ESPECIAL DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM SÃO PAULO ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2011. O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2011. O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2011 Estabelece normas para a concessão de incentivos fiscais e fiscal-financeiros e de benefícios fiscais no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 4 - Data 6 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF PESSOA FÍSICA. RESIDENTE

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

AÇÃO DE EQUIPARAÇÃO DE AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO

AÇÃO DE EQUIPARAÇÃO DE AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM... brasileiro (a), casado (a), portador (a) da Carteira de Identidade RG nº..., expedida pela SSP/SP, inscrito (a) no

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

Art. 1 Fica instituído o Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), previsto no art. 153, VII, da Constituição Federal.

Art. 1 Fica instituído o Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), previsto no art. 153, VII, da Constituição Federal. 1 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N, DE 2012 (Dos Senhores Paulo Teixeira, Jilmar Tatto, Amauri Teixeira, Assis Carvalho, Cláudio Puty, José Guimarães, Pedro Eugênio, Pepe Vargas e Ricardo Berzoini) Institui

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos.

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2.1. Fusões e aquisições globais Com a globalização e a necessidade de escalas cada vez maiores de operação, as grandes empresas ultrapassaram fronteiras

Leia mais

Atividade Rural Demonstrativo da Atividade Rural Obrigatoriedade de preenchimento

Atividade Rural Demonstrativo da Atividade Rural Obrigatoriedade de preenchimento ATIVIDADE RURAL Demonstrativo da Atividade Rural Obrigatoriedade de preenchimento 1. Apurou resultado positivo da atividade rural, em qualquer montante e desde que esteja obrigado a apresentar a DAA; 2.

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

RESOLUCAO 2.689. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e capitais.

RESOLUCAO 2.689. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e capitais. RESOLUCAO 2.689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9. da Lei n. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

A riqueza criada pelas empresas: evidenciação por meio da Demonstração de Valor Adicionado (DVA)

A riqueza criada pelas empresas: evidenciação por meio da Demonstração de Valor Adicionado (DVA) A riqueza criada pelas empresas: evidenciação por meio da Demonstração de Valor Adicionado (DVA) Flavio Mangili Ferreira (UNESP) - flavio@tecs.com.br Vagner Cavenaghi (UNESP) - vcavenaghi@uol.com.br Resumo:

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS a) IPI NA AQUISIÇÃO DE AERONAVES Na aquisição de aeronaves pode incidir IPI, dependendo da natureza do adquirente, com alíquotas de 0% (empresas aéreas de transporte

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014 Altera a Lei nº 8.894, de 21 de junho de 1994, para isentar de IOF as operações de câmbio efetuadas por bolsistas brasileiros em estudo no exterior. O CONGRESSO

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL JANEO 2013 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL MEDIDA PROVISÓRIA 601/2012: BENEFÍCIOS FISCAIS DE FIDCS DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (INCLUSIVE INFRAESTRUTURA) A. Introdução 1. A fim de aprimorar os

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Em complemento às normas

Em complemento às normas A Nova Sistemática de Tributação dos Planos de Previdência Privada Luca Priolli Salvoni e Mário Shingaki Consultores Tributários do Levy & Salomão Advogados Em complemento às normas editadas no final do

Leia mais