Arquitetura Egípcia. Discentes: Bárbara Pellegrini Bruno Marques Bruno Luiz Mayla Miranda João Arthur

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura Egípcia. Discentes: Bárbara Pellegrini Bruno Marques Bruno Luiz Mayla Miranda João Arthur"

Transcrição

1 Arquitetura Egípcia Discentes: Bárbara Pellegrini Bruno Marques Bruno Luiz Mayla Miranda João Arthur Docente: Veronica Curso: Técnico em Edificações Turno: Vespertino

2 INTRODUÇÃO Os egípcios desenvolveram vários conhecimentos matemáticos. Com isso, conseguiram erguer obras que sobrevivem até os dias de hoje. Templos, palácios e pirâmides foram construídos em homenagem aos deuses e aos faraós. Eram grandiosos e imponentes, pois deviam mostrar todo poder do faraó. Eram construídos com blocos de pedra, utilizando-se mão de obra escrava para o trabalho pesado.

3 Arquitetura Egípcia Para esse monumento histórico ser erguido era preciso dividir o trabalho em partes como por exemplo antes dos homens começarem o ardo trabalho de por pedra sobre pedra era necessário que outras pessoas tivessem extraído essa pedra e depois disso ela ainda ia passar pela mão de um mestre que acertava os blocos com muita precisão.

4 Arquitetura Egípcia Mas para se construir tamanho monumento é preciso antes fazer algum planejamento, e já foram encontrados desenhos dessas pirâmides em pedra calcaria o que sugere que esses desenhos auxiliaram no projeto arquitetônico, mas não era só isso para construir as pirâmides precisava ter alguns conhecimentos de matemática, geometria e astronomia para poder calcular os ângulos desse monumento.

5 Arquitetura Egípcia A arquitetura mais comum no antigo Egito eram os templos. A entrada dos templos, geralmente era feita por caminhos que continham esfinges de ambos os lados. Os templos egípcios eram enormes e estavam sustentados por colunas. Templo de Ramsés II em Abu Simbel

6 A pirâmide em degraus ou escalonada foi uma obra-prima idealizada pelo mais famoso arquiteto do antigo Egito; Imhotep para o faraó Djoser na terceira dinastia. Antes de Imhotep o lugar de descanso dos faraós eram as mastabas. Pirâmide de Djoser

7 Mastabas O nome mastaba foi dado a estes sepulcros em tempos modernos. A palavra é de origem árabe e significa banco. Isso porque, quando rodeadas por dunas de areia quase até a sua altura total, fazem lembrar os bancos baixos construídos na parte externa das casas egípcias atuais e nos quais os moradores sentam-se e tomam café com os amigos.

8 Foi na quarta dinastia que o desenho das pirâmides foram modificados originando as tradicionais pirâmides que conhecemos hoje. As mais famosas dessa arquitetura são as pirâmides do complexo de Gizé. Pirâmide de Gizé

9 As esfinges egípcias também eram uma bela forma arquitetônica. Geralmente existiam inúmeras esfinges que ficavam de ambos os lados das estradas que davam acesso aos templos. As esfinges mais comuns eram estátuas com corpo de leão e cabeça humana Esfinge de Gizé

10 Os obeliscos eram também outras formas de arquitetura egípcia. Tinham o formato de colunas com lados lisos e em sua ponta seu formato era triangular (piramidal). Sua principal função era de uso religioso e servia para os egípcios homenagear os Deuses. Obeliscos de Thotmes III e da Rainha Hatshepsut em Karnak

11 Existiam ainda outras formas arquitetônicas no antigo Egito. Como entradas de templos que eram uma verdadeira obra de arte, ou salas que eram sustentadas por diversas colunas, conhecida popularmente como hipóstila. Que apesar de fazerem parte dos complexos dos templos eram de uma beleza ímpar Hipóstila Em Karnak

12 Colunas Egípcias Os tipos de colunas egípcias são divididos conforme seu capitel. A ordem protodórica marca sob o Antigo Império a transição entre o pilar e a coluna: Palmiforme inspirada na palmeira branca; Papiriforme - flores de papiro. O fuste da coluna papiriforme é igualmente fasciculado, desta vez em arestas vivas. Quando as umbrelas estão abertas, o capitel é chamado de campaniforme; Lotiforme capitel representa um ramo de

13 Religião Egípcia A religião no antigo Egito destacava-se por suas crenças, mitos e simbolismos a pratica da religião no Egito era muito valorizada na sociedade. Os egípcios eram politeístas, ou seja, não acreditavam apenas em um deus, mas sim em vários deuses e para esse antigo povo os seus superiores tinham poderes acima da capacidade humana eles também possuíam características de animas ou poderia ser uma junção entre características animais e humanos.

14 Religião Egípcia A mumificação era uma maneira de preservar os corpos para vida seguinte nesse processo os egípcios retiravam os principais órgãos, juntamente com o cérebro do morto fazendo assim com que a decomposição do cadáver seja muito lenta e demorada, nesse processo o corpo da pessoa dura milhares de anos para se decompor.

15 Religião Egípcia Nessa antiga sociedade não existia uma estrutura sacerdotal, o que ocorria é que cada divindade possuía um grupo de homens e mulheres dedicadas ao seu culto, e em cada lugar tinham o seu deus protetor. Tecnicamente o rei de todo Egito que tinha a obrigação de realizar os cultos em cada templo, mas isso era fisicamente impossível então a majestade nomeava representantes para realizar as cerimônias a deus.

16 Webgrafia Sites: -egipcia

Técnico Design Interior

Técnico Design Interior Técnico Design Interior A ARTE NO EGITO Professora Alba Baroni Arquiteta A ARTE NO EGITO O Egito foi uma das principais civilizações da antiguidade. Com uma civilização bastante desenvolvida em sua organização

Leia mais

ARTE NO EGITO ANTIGO

ARTE NO EGITO ANTIGO ARTE NO EGITO ANTIGO Ao longo do rio Nilo e principalmente na região norte - o Delta - ; e na região sul dos rios Eufrates e Tigre, desenvolveram-se as primeiras civilizações. No Egito desenvolveu-se um

Leia mais

Coleguium -3ºEM 1ª etapa

Coleguium -3ºEM 1ª etapa Coleguium -3ºEM 1ª etapa CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA: - Desenvolvida às margens do Nilo, na África; - Organização social complexa e rica em realizações culturais; - Escrita bem estruturada; Hieróglifos na parede

Leia mais

Arte Egípicia ARQUITETURA

Arte Egípicia ARQUITETURA Arte Egípicia Uma das principais civilizações da Antigüidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era uma civilização já bastante complexa em sua organização social e riquíssima em suas realizações culturais.

Leia mais

Priscila Morais Petrônio Gomes TEOR/HIST ARQ/URB-ARQ/URB II

Priscila Morais Petrônio Gomes TEOR/HIST ARQ/URB-ARQ/URB II Priscila Morais Petrônio Gomes TEOR/HIST ARQ/URB-ARQ/URB II Períodos / Dinastias. 3100-2950 a.c. Primeira e Segunda Dinastias 2950-2575 a.c. Período Dinástico Primitivo (1.ª 3.ª Dinastias) 2575-2150 a.c.

Leia mais

Arte Egípcia. 1º Ano 1º Bmestre 2015 Artes Professor Juventino

Arte Egípcia. 1º Ano 1º Bmestre 2015 Artes Professor Juventino Arte Egípcia 1º Ano 1º Bmestre 2015 Artes Professor Juventino Arte Egípcia Encontramos no Egito uma das principais civilizações da Antiguidade no que diz respeito ao seu desenvolvimento. A sociedade egípcia

Leia mais

A ARTE NO EGITO UMA ARTE DEDICADA À VIDA DEPOIS DA MORTE

A ARTE NO EGITO UMA ARTE DEDICADA À VIDA DEPOIS DA MORTE A ARTE NO EGITO UMA ARTE DEDICADA À VIDA DEPOIS DA MORTE A arte desenvolvida pela cultura egípcia refletiu a crença de que a vida humana poderia sofrer interferência dos deuses. A arte concretizou-se nos

Leia mais

Estudo dirigido. 02. Relacione, por escrito, algumas características que norteiam a produção artística.

Estudo dirigido. 02. Relacione, por escrito, algumas características que norteiam a produção artística. Estudo dirigido Capítulo 0 introdução 01. No livro de Graça Proença intitulado História da arte, a autora correlaciona o ato de criar ferramentas, realizado pelos humanos, com a interferência dos seres

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID PROPOSTA DIDÁTICA 1. Dados de Identificação 1.1 Nome do bolsista: Fabielli Vieira de July 1.2 Público alvo: alunos do 8º e 9º anos 1.3 Duração: 2 h 1.4 Conteúdos desenvolvido: As Pirâmides do Egito e a

Leia mais

2 -Observe as imagens de atividades e de objetos produzidos pelos antigos egípcios, entre 2000 e 1000 a.c.

2 -Observe as imagens de atividades e de objetos produzidos pelos antigos egípcios, entre 2000 e 1000 a.c. História 6 ano O Egito e o rio Nilo 1-Identifique os principais aspectos geográficos relacionados ao território do Egito Antigo. 2 -Observe as imagens de atividades e de objetos produzidos pelos antigos

Leia mais

Visita à Odebrecht 16 de Abril de 2015

Visita à Odebrecht 16 de Abril de 2015 Visita à Odebrecht 16 de Abril de 2015 Introdução Poucas empresas se consolidam no mercado por tanto tempo e com tamanha qualidade, tradição e compromisso na prestação de seus serviços. A 80 anos a Odebrecht

Leia mais

Filosofia dos Gregos

Filosofia dos Gregos ARQUITETURA GREGA Parte de nossa cultura e valores artísticos vem dos gregos. Vemos a arquitetura grega sob uma perspectiva especial e consequências que resultaram dos gregos. O projetista medita sobre

Leia mais

XXIII SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA

XXIII SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Muitos dos dispersos pitagóricos acorreram a Atenas e Zenão e Parmênides, da escola eleática, foram ao grande centro para ensinar. Zenão de Eléia, filósofo e matemático viveu por volta de (495-430 a.c.),

Leia mais

A arte no Egito. ~1ll!DI Visão frontal e visão. A arquitetura. o mais antigo documento egípcio é esse pedaço de estela

A arte no Egito. ~1ll!DI Visão frontal e visão. A arquitetura. o mais antigo documento egípcio é esse pedaço de estela 14 Ca ítulo 2 A arte no Egito civilizações da Antiguidade e nos deixou uma produção cultural riquíssima. OEgito Temosdesenvolveu informações uma detalhadas das principais sobre essa cultura graças à sua

Leia mais

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Matemática Volume: 1 Unidade 1: Série 17 Resoluções Conjuntos 1. A = {1, } O Conjunto A possui dois elementos: 1 e. O total de subconjuntos

Leia mais

Por todo o Estado, com todos os mineiros.

Por todo o Estado, com todos os mineiros. Por todo o Estado, com todos os mineiros. Fóruns Regionais: a voz de Minas Gerais São espaços que vão reunir a sociedade civil e representantes dos governos estadual e municipal para apontar e debater,

Leia mais

ARTE 1ª série Prof. Alysson

ARTE 1ª série Prof. Alysson ARTE 1ª série Prof. Alysson História contada a partir das Dinastias. Uma das formas mais estáveis de civilização A religiosidade integra toda a vida egípcia, interpretando o universo, justificando sua

Leia mais

ATIVIDADE 02 O CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PAMPULHA: UM CARTÃO-POSTAL DA CIDADE

ATIVIDADE 02 O CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PAMPULHA: UM CARTÃO-POSTAL DA CIDADE ATIVIDADE 02 O CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PAMPULHA: UM CARTÃO-POSTAL DA CIDADE Antigamente, quando as pessoas viajavam, era comum elas enviarem um cartão com uma foto do lugar onde estavam para dar notícias

Leia mais

Lealdade acima de tudo

Lealdade acima de tudo Lealdade acima de tudo SONHAR É MUITO BOM, MAS DEVEMOS TER OS PÉS NO CHÃO; JOSÉ ERA O FILHO PREDILETO DE JACÓ E ISSO DESPERTOU INVEJA EM SEUS IRMÃOS; JACÓ MANDOU FAZER PARA JOSÉ UMA TÚNICA DE MANGAS COMPRIDAS,

Leia mais

Tomar nota das medidas abaixo utilizando régua ou a fita métrica:

Tomar nota das medidas abaixo utilizando régua ou a fita métrica: O NÚMERO DE OURO Introdução Certas formas capturam nosso olhar e mexem com nossos sentidos bem mais do que outras e, mesmo que não saibamos a princípio o que as diferenciam, temos uma sensação de harmonia,

Leia mais

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL Felipe Gava SILVA 1 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade mostrar o que é a desigualdade social. A desigualdade social é resumida, em muitos com pouco e poucos com

Leia mais

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre ALUNO: Nº - ANO - TURMA - DATA \ \ 201 Profª Ana Lúcia Leal Ficha de Aula de Arte I Trimestre Arte no Antigo Egito Uma das principais civilizações da Antiguidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS

POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS 7º ANO POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS Ângulos e triângulos Nuno Marreiros Antes de começar O Alfabeto Grego O alfabeto utilizado para escrever a Língua grega teve o seu desenvolvimento por volta

Leia mais

República Árabe do Egipto. Egipto, da costa Mediterrânica aos desertos da Núbia Data sob consulta

República Árabe do Egipto. Egipto, da costa Mediterrânica aos desertos da Núbia Data sob consulta República Árabe do Egipto Cairo Egipto, da costa Mediterrânica aos desertos da Núbia Data sob consulta Uma viagem entre o mundo urbano das grandes metrópoles do Cairo e Alexandria, a paisagem rural do

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 4

Deixando de odiar Matemática Parte 4 Deixando de odiar Matemática Parte 4 Fatoração 2 Quantidade de divisores de um número natural 3 Mínimo Múltiplo Comum 5 Simplificação de Frações 7 Máximo Divisor Comum 8 Método da Fatoração Simultânea

Leia mais

Pesquisa com os grupos tradicionais de cultura popular do Vale do Jequitinhonha

Pesquisa com os grupos tradicionais de cultura popular do Vale do Jequitinhonha Apresentação A cultura não oficial, que constitui o folclore, tem sido fonte de inspiração para grandes obras de arte, em todos os países e em todos os tempos. Por isso, é comum que este folclore ultrapasse

Leia mais

Antiguidade Oriental. Egito e Mesopotâmia

Antiguidade Oriental. Egito e Mesopotâmia Antiguidade Oriental Egito e Mesopotâmia As principais civilizações As principais civilizações da Antigüidade oriental são a suméria, assíria, acadiana, egípcia, hebraica, fenícia, hitita e persa. Civilização

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

Cubo, prismas, cilindro

Cubo, prismas, cilindro A UUL AL A Cubo, prismas, cilindro Qual é a quantidade de espaço que um sólido ocupa? Esta é uma das principais questões quando estudamos as figuras espaciais. Para respondê-la, a geometria compara esse

Leia mais

Desenho Técnico e CAD CAD e Sistemas de Coordenadas. Computação Gráfica. Computação Gráfica

Desenho Técnico e CAD CAD e Sistemas de Coordenadas. Computação Gráfica. Computação Gráfica Desenho Técnico e CAD CAD e Prof. Luiz Antonio do Nascimento Engenharia Ambiental 3º Semestre Computação Gráfica Ramo da computação dedicado à geração, tratamento, apresentação e armazenamento de imagens

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA COMPOSIÇÃO QUÍMICA COMPLEXA Está representada por: Substâncias inorgânicas: água e sais minerais. Substâncias orgânicas (possuem o carbono como elemento

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Porque construir? Necessidade de se

Leia mais

Sejam Bem-Vindos! Mary Kay Ash

Sejam Bem-Vindos! Mary Kay Ash Sejam Bem-Vindos! Vislumbrei uma companhia na qual qualquer mulher poderia ter tanto sucesso quanto desejasse. As portas estariam abertas às oportunidades para as mulheres que estiverem dispostas a pagar

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

Discurso de Tomada de Posse do Exmo. Senhor Presidente da Federação Portuguesa de Lutas Amadoras Dr. Pedro Silva

Discurso de Tomada de Posse do Exmo. Senhor Presidente da Federação Portuguesa de Lutas Amadoras Dr. Pedro Silva Discurso de Tomada de Posse do Exmo. Senhor Presidente da Federação Portuguesa de Lutas Amadoras Dr. Pedro Silva Almada, 12 de Janeiro de 2013 Sua Excelência Senhor Secretário de Estado do Desporto e Juventude

Leia mais

De Olho nas Reações. Apresentação

De Olho nas Reações. Apresentação De Olho nas Reações Apresentação A atividade lúdica De Olho Nas Reações é um jogo de cartas que foi inspirado no jogo conhecido popularmente como Copo d água. Entretanto, várias adaptações nas regras foram

Leia mais

À caraterística de um indivíduo ou objeto à qual se pode atribuir um número ou uma categoria,

À caraterística de um indivíduo ou objeto à qual se pode atribuir um número ou uma categoria, MATEMÁTICA 3º CICLO FICHA Organização e Tratamento de Dados 11 População e amostra. Variável estatística. Organização e tratamento de dados Nome: N.ª: Ano: Turma: Data: / / 20 Para a realização desta ficha

Leia mais

21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da

21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da 21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que

Leia mais

Como Criar Seu Primeiro Negócio 100% Digital

Como Criar Seu Primeiro Negócio 100% Digital 1 2 Por Tiago Bastos Como Criar Seu Primeiro Negócio 100% Digital Por Tiago Bastos Declaração De Ganhos Com O Uso De Nossos Produtos A empresa Seu Primeiro Negócio Digital" não pode fazer garantias sobre

Leia mais

A NOVA CASA DE JOCA FICOU MAIS DO QUE A PRIMEIRA CASA.

A NOVA CASA DE JOCA FICOU MAIS DO QUE A PRIMEIRA CASA. 1ºano 1.1 HISTÓRIA & GEOGRAFIA 2º período 9 de junho de 2014 1. OUÇA A LEITURA DA HISTÓRIA ABAIXO, FEITA POR SUA PROFESSORA, E FAÇA O QUE É SOLICITADO. JOÃO-DE-BARRO JOCA É UM JOÃO-DE-BARRO MUITO ESPECIAL.

Leia mais

Tendência na Europa, piscinas biológicas ganham terreno por aqui

Tendência na Europa, piscinas biológicas ganham terreno por aqui Tendência na Europa, piscinas biológicas ganham terreno por aqui No lugar de cloro, plantas e peixes: o tratamento da água é feito sem agentes químicos POR JOANA DALE 10/01/2016 6:00 Em vez de cloro, plantas

Leia mais

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA Resumo Os grandes matemáticos surgiram antes e depois de Cristo, inventando novas fórmulas, soluções e cálculos. A inteligência do homem era algo tão magnífico, que a matemática

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE I Arte do Próximo e Médio Oriente Antigo

HISTÓRIA DA ARTE I Arte do Próximo e Médio Oriente Antigo HISTÓRIA DA ARTE I Arte do Próximo e Médio Oriente Antigo Carlos Rodarte Veloso 2008-09 Localização de Ugarit Res-Shamra 1 Cidades-Estados da Fenícia Origens da religião Fenícia A descoberta de tábuas

Leia mais

unidade 2 Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

unidade 2 Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Cappella Sistina, Vaticano Arte unidade 2 Capítulo 1 2 Egito e Mesopotâmia: arte, religião e poder Capítulo 2 12 O despertar da arte grega Capítulo 3 20 A Grécia

Leia mais

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados.

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. Três principais civilizações: Maias; Astecas; Incas. Civilização Maia:

Leia mais

II Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível II Fase I 2015

II Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível II Fase I 2015 1 2 Questão 1 Artur é muito bom em problemas matemáticos e sempre propõe desafios aos seus colegas. Desta vez, Artur criou uma sequência infinita de letras, juntando as palavras que formavam o nome de

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 1 Ordem de Grandeza

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 1 Ordem de Grandeza Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 1 Ordem de Grandeza 1. Telescópio revela detalhes de nebulosa em formato de 'olho' Uma nova imagem obtida pelo Observatório do Paranal, no Chile, mostra com

Leia mais

Ficha de Trabalho nº 11 Matemática 7º ano Maio / 2011 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA

Ficha de Trabalho nº 11 Matemática 7º ano Maio / 2011 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA Ficha de Trabalho nº 11 Matemática 7º ano Maio / 2011 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA Recorda: A Estatística é um ramo da Matemática que nos ajuda a recolher, organizar e interpretar dados para tirar

Leia mais

A velha história das multidões. Série Matemática na Escola

A velha história das multidões. Série Matemática na Escola A velha história das multidões Série Matemática na Escola Objetivos 1. Revelar como é feita a estimativa do número de pessoas em um evento 2. Mostrar como cálculos matemáticos simples nos auxiliam a confrontar

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa 1 Introdução Este capítulo irá descrever o objeto do estudo, o problema de pesquisa a ser estudado, o objetivo do estudo, sua delimitação e sua limitação. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

Leia mais

Meditação Caminhando com Jesus NOME: DATA: 24/02/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO. Versículos para decorar:

Meditação Caminhando com Jesus NOME: DATA: 24/02/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO. Versículos para decorar: Meditação Caminhando com Jesus NOME: DATA: 24/02/2013 PROFESSORA: 1- Deus criou os céus e a terra. Gênesis 1:1 A CRIAÇÃO DO MUNDO Versículos para decorar: 2 Pois, por meio dele, Deus criou tudo, no céu

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA 5ºAno 1.5 CIÊNCIAS 4º período 10 de dezembro de 2015 Cuide da organização da sua prova. Escreva de forma legível. Fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na correção.

Leia mais

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre ALUNO: Nº - ANO - TURMA - DATA \ \ 201 Profª Ana Lúcia Leal Ficha de Aula de Arte I Trimestre Arte no Antigo Egito Uma das principais civilizações da Antiguidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era

Leia mais

MELHOR DO EGITO ALEXANDRIA INCLUIDO. Datas de Chegada ao Cairo: Mai-17, 24, 31; Out-4,11 e Todos os Domingos de 01 Junho a 30 Setembro.

MELHOR DO EGITO ALEXANDRIA INCLUIDO. Datas de Chegada ao Cairo: Mai-17, 24, 31; Out-4,11 e Todos os Domingos de 01 Junho a 30 Setembro. MELHOR DO EGITO ALEXANDRIA INCLUIDO Datas de Chegada ao Cairo: Mai-17, 24, 31; Out-4,11 e Todos os Domingos de 01 Junho a 30 Setembro. Dia 01 Cairo Chegada ao aeroporto do Cairo. Formalidades de desembarque

Leia mais

Carnaval e Quaresma: uma reflexão - Carnaval e Quaresma: uma reflexão 01-Mar-2014

Carnaval e Quaresma: uma reflexão - Carnaval e Quaresma: uma reflexão 01-Mar-2014 - 01-Mar-2014 da carne, algo como um deboche da condição humana na sua contingência e fragilidade. Contudo, a festa já se verifica em outras civilizações e períodos anteriores ao cristianismo e antes de

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Novas Tecnologias no Ensino da Matemática 2º semestre 2004/2005 Patrícia Alexandra Simões Lopes n.º 27830 Índice: Introdução - Introdução Histórica; - Introdução ao Trabalho;

Leia mais

Antiguidade Oriental I. História A Prof. Thiago

Antiguidade Oriental I. História A Prof. Thiago Antiguidade Oriental I História A Prof. Thiago Modo de Produção Asiático Sociedades ditas Hidráulicas ou de Regadio; Estado proprietário da terra (posse comunitária); Base social aldeã; Intervenção estatal

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Volume Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Volume Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Volume Prof. Dudan Matemática VOLUME DEFINIÇÃO As medidas de volume possuem grande importância nas situações envolvendo capacidades de sólidos. Podemos definir volume como

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 2.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 2.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 2.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Prof. Dr. Josué Modesto dos Passos Subrinho Reitor

Prof. Dr. Josué Modesto dos Passos Subrinho Reitor Prof. Dr. Josué Modesto dos Passos Subrinho Reitor A Necessidade de Expansão da UFS O Estado de Sergipe possui uma população de 1,93 milhões de habitantes, enquadrada no padrão social típico do povo nordestino.

Leia mais

Existem dois tipos básicos de subrotinas: a) Procedimentos; b) Funções.

Existem dois tipos básicos de subrotinas: a) Procedimentos; b) Funções. ESTRUTURAÇÃO DOS MÓDULOS DE UM ALGORITMO Uma subrotina é um algoritmo hierarquicamente subordinado a um outro algoritmo geralmente chamado de módulo principal. Da mesma forma, uma subrotina pode conter

Leia mais

[25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution]

[25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution] [25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution] 1. Observa as seguintes imagens. O que te sugerem? 2. Completa a seguinte frase. Para mim, a liberdade é II. 1. Lê atentamente o seguinte texto.

Leia mais

Egito Antigo e o Magnífico Nilo

Egito Antigo e o Magnífico Nilo Egito Antigo e o Magnífico Nilo 10 Dias / 09 Noites Somente Terrestre Inicio: Cairo Visitando: Cairo, Mênfis, Saqqara, Luxor, Esna, Edfu, Kom Ombo, Aswan & Abu Simbel. Saidas: Sextas-feiras Minimo de 02

Leia mais

Medidas Gerais do Corpo Humano Arranjadas em Diálogo e Método Fácil para uso da Real Aula de Desenho, e Pintura da Ilha da Madeira, em 1810

Medidas Gerais do Corpo Humano Arranjadas em Diálogo e Método Fácil para uso da Real Aula de Desenho, e Pintura da Ilha da Madeira, em 1810 Joaquim Leonardo da Rocha Medidas Gerais do Corpo Humano Arranjadas em Diálogo e Método Fácil para uso da Real Aula de Desenho, e Pintura da Ilha da Madeira, em 1810 O Ilustríssimo e Excelentíssimo Senhor

Leia mais

RU Reunião de Unidade Tema: As 50 Melhores Dicas para uma Consultora de sucesso!!!!!!

RU Reunião de Unidade Tema: As 50 Melhores Dicas para uma Consultora de sucesso!!!!!! RU Reunião de Unidade Tema: As 50 Melhores Dicas para uma Consultora de sucesso!!!!!! Conhecimento gera Crescimento!! Porque você pode! 1 - Dizer SIM ao convite da Oportunidade Perfeita 2 - Ter sempre

Leia mais

Arquivos Indexados por Chaves Secundárias. Vanessa Braganholo

Arquivos Indexados por Chaves Secundárias. Vanessa Braganholo Arquivos Indexados por Chaves Secundárias Vanessa Braganholo Arquivos Indexados } Até agora, as alternativas que vimos funcionam apenas para indexar arquivos por chaves primárias } Isso otimiza a busca

Leia mais

Salmo 23:! Viva uma vida com tranquilidade

Salmo 23:! Viva uma vida com tranquilidade Anésio Rodrigues Salmo 23 Salmo 23:! Viva uma vida com tranquilidade Salmo 23 O SENHOR é o meu pastor; e nada me faltará. Salmo 23 Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas.

Leia mais

Os números têm um significado?

Os números têm um significado? Os números têm um significado? Em 600 a.c, aproximadamente, viveu Pitágoras de Samos, conhecido como pensador grego, Pai dos números, filósofo, místico, profeta, estudou e investigou astronomia, geometria,

Leia mais

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica Prof. Marco Pádua O período conhecido como pré-história, ou seja, sem registro dos acontecimentos, situa-se a partir de 8.000 a.c. Chamado de Neolítico

Leia mais

Arte na antiguidade: Egito e Grécia. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

Arte na antiguidade: Egito e Grécia. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. Arte na antiguidade: Egito e Grécia Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com Arte para a eternidade: Egito e Mesopotâmia periodização Antigo Império (3200-2000 a.c.) Médio Império (2000-1580

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

Estudo Biblico da Mocidade - Volume 1, Lição 2: Adão e Eva

Estudo Biblico da Mocidade - Volume 1, Lição 2: Adão e Eva Estudo Biblico da Mocidade - Volume 1, Lição 2: Adão e Eva blico da Mocidade Lição 2 Estudo Bíb 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional Adão e Eva Página 1 Deus sabia que Adão se sentiria

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL BUENO BRANDÃO PROJETO INTERDISCIPLINAR - 1 ANO- AGOSTO / 2010 PROFESSORA: NEUSA APARECIDA VIANA BERNARDES

ESCOLA ESTADUAL BUENO BRANDÃO PROJETO INTERDISCIPLINAR - 1 ANO- AGOSTO / 2010 PROFESSORA: NEUSA APARECIDA VIANA BERNARDES ESCOLA ESTADUAL BUENO BRANDÃO PROJETO INTERDISCIPLINAR - 1 ANO- AGOSTO / 2010 PROFESSORA: NEUSA APARECIDA VIANA BERNARDES 1-TEMA: FOLCLORE BRASILEIRO O FOLCLORE É O SABER TRADICIONAL DE UM POVO, OU SEJA,

Leia mais

Apontamentos de Matemática 6.º ano

Apontamentos de Matemática 6.º ano Revisão (divisores de um número) Os divisores de um número são os números naturais pelos quais podemos dividir esse número de forma exata (resto zero). Exemplos: Os divisores de 4 são 1, e 4, pois se dividirmos

Leia mais

UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Alexandre Kirilov

UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Alexandre Kirilov UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Tutor: Editoração: Site: Alexandre Kirilov Bruno de Lessa Victor Bruno Suzuki Carolina de Almeida Santos

Leia mais

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA 7 O ANO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA Unidade III Cidadania e Movimentos Sociais Aula 14.2 Conteúdos Os maias Os incas 2 Habilidades Conhecer as principais características

Leia mais

Passando do português para a linguagem matemática.

Passando do português para a linguagem matemática. 1 Passando do português para a linguagem matemática. Professor Maurício 2 Um grande problema para quem está estudando matemática pela primeira vez é passar o enunciado (na forma de palavras e escrito em

Leia mais

Habitação de Interesse Social. em Containers

Habitação de Interesse Social. em Containers Habitação de Interesse Social Orientador: Prof. Dr. Antonio Castelnou DAU-UFPR em Containers Projeto: Manual de reciclagem arquitetônica de containers BANPESQ/THALES: 2014015430 Diego Nogossek da Rocha

Leia mais

BARALHO São usados dois baralhos, JOGO DOS POLIEDROS, de 54 cartas cada, já inclusos os curingas.

BARALHO São usados dois baralhos, JOGO DOS POLIEDROS, de 54 cartas cada, já inclusos os curingas. OFICINA: JOGO DOS POLIEDROS INTRODUÇÃO Para proporcionar um ensino compatível com as exigências da sociedade contemporânea são necessárias mudanças nas formas de ensinar. Estas mudanças implicam no repensar

Leia mais

NÚMEROS E OPERAÇÕES. Sistema de Numeração Decimal. Exercícios Resolvidos

NÚMEROS E OPERAÇÕES. Sistema de Numeração Decimal. Exercícios Resolvidos 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES Sistema de Numeração Decimal O Sistema de Numeração Decimal possui duas características importantes: ele possui base 10 e é um sistema posicional Na base 10, dispomos de 10 algarismos

Leia mais

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Professor - Romeu Corradi Júnior Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Atividades: Resolução de exercícios com alguns comentários (Lista 01-FSM1) 1. Obter as tabelas de transição

Leia mais

VEJA O QUE A PODE FAZER POR VOCÊ! TECNOCOMPY. Temos certeza, um de nossos cursos foi feito pra você!

VEJA O QUE A PODE FAZER POR VOCÊ! TECNOCOMPY.  Temos certeza, um de nossos cursos foi feito pra você! VEJA O QUE A TECNOCOMPY PODE FAZER POR VOCÊ! Temos certeza, um de nossos cursos foi feito pra você! TENHAUMA CARREIRA DE SUCESSO, VENHA ESTUDAR CONOSCO! Nossos Cursos Os cursos da Tecnocompy Sistema de

Leia mais

Deus nos dá amigos. Um lugar especial. 5anos. Edição do aluno. Estudos bíblicos Pré-escolar. Ano CIV Nº 389

Deus nos dá amigos. Um lugar especial. 5anos. Edição do aluno. Estudos bíblicos Pré-escolar. Ano CIV Nº 389 Deus nos dá amigos Estudos bíblicos Pré-escolar 5anos e6 Ano CIV Nº 389 5107 Um lugar especial Edição do aluno Estamos de volta para mais um trimestre de alegria, aprendizado e muitas descobertas. Você

Leia mais

Apontamento de Despesas

Apontamento de Despesas Apontamento de Despesas O objetivo do Apontamento de Despesas é auxiliá-lo no controle de suas finanças. Com ele, você saberá para onde vai cada centavo do seu dinheiro. Essa ação faz parte do pilar Diagnosticar

Leia mais

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte

Leia mais

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS PRISMAS Os prismas são sólidos geométricos muito utilizados na construção civil e indústria. PRISMAS base Os poliedros representados a seguir são denominados prismas. face lateral base Nesses prismas,

Leia mais

RECEBA DEZENAS DE DEPÓSITOS DIRETOS EM SUA CONTA BANCÁRIA!!! Depósitos de: R$ 150,00 R$ 300,00 R$ 500,00 R$ 1000,00 R$ 2000,00

RECEBA DEZENAS DE DEPÓSITOS DIRETOS EM SUA CONTA BANCÁRIA!!! Depósitos de: R$ 150,00 R$ 300,00 R$ 500,00 R$ 1000,00 R$ 2000,00 SONHO DO DIA RECEBA DEZENAS DE DEPÓSITOS DIRETOS EM SUA CONTA BANCÁRIA!!! Depósitos de: R$ 150,00 R$ 300,00 R$ 500,00 R$ 1000,00 R$ 2000,00 O QUE É A DAY DREAMING? SOMOS UM GRUPO SECRETO DE AMIGOS QUE

Leia mais

SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014.

SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014. SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014. Adoração Acolhida Leitura Bíblica: Zacarias 9.9; 16-17. Sugestões de Cânticos: - HE 105 - Louvemos ao Senhor [Ademar de Campos]-

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

Centenário Teatro Amazonas pode virar Patrimônio Mundial, diz Unesco

Centenário Teatro Amazonas pode virar Patrimônio Mundial, diz Unesco Centenário Teatro Amazonas pode virar Patrimônio Mundial, diz Unesco Monumento foi indicado a título junto ao Teatro da Paz, de Belém (PA). Unesco aguarda dossiê do Governo Federal para analisar proposta.

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 AULA: 18.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III 2 REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Reino Animal 3 REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Apesar da grande diversidade, quase todos os animais

Leia mais

DISCIPLINA: GEOGRAFIA E CIÊNCIAS DATA DA REALIZAÇÃO: 04/04/ ) Explique o que é e como acontece o movimento de translação?

DISCIPLINA: GEOGRAFIA E CIÊNCIAS DATA DA REALIZAÇÃO: 04/04/ ) Explique o que é e como acontece o movimento de translação? FICHA DA SEMANA 3º ANO A/B Instruções: 1. Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue à professora no dia seguinte; 2. As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

Teresa Cristina Enns Curitiba/PR tinadellaennsr@yahoo.com.br

Teresa Cristina Enns Curitiba/PR tinadellaennsr@yahoo.com.br 1. INSPIRAÇÃO História da queda das Muralhas. Josué 6 PRÁTICA DO PLANO DE AULA 2. PESQUISAR 1 Planejamento a) Definição: Planejamento é o ato ou efeito de planejar, criar um plano para aperfeiçoar o alcance

Leia mais

Matemática e Cidadania

Matemática e Cidadania Matemática e Cidadania Eleições representam um dos momentos mais significativos da Democracia. E como qualquer atividade humana, eleições estão sujeitas a diversas interpretações: históricas, filosóficas,

Leia mais

Cinema na escola: O Tempo e o Vento. Trecho da série para TV (1985):

Cinema na escola: O Tempo e o Vento. Trecho da série para TV (1985): Cinema na escola: O Tempo e o Vento Desde 1895, filmes foram feitos para emocionar, alegrar e surpreender seu público. Muitos deles mostram personagens com características bem marcadas. Características

Leia mais

Ângelo Mário Emanuela Coutinho Geraldo Oliveira MANGABEIRA

Ângelo Mário Emanuela Coutinho Geraldo Oliveira MANGABEIRA MANGABEIRA Ângelo Mário Emanuela Coutinho Geraldo Oliveira MANGABEIRA Sumário Introdução 03 Localização geográfica 04 História 06 Depoimento de uma moradora 09 Curiosidades 11 Pontos de encontro da comunidade

Leia mais