EMPREENDEDORISMO E MICRO/PEQUENAS EMPRESAS: SINERGIAS E CONVERGÊNCIAS SOB A ÓTICA DO RELATÓRIO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREENDEDORISMO E MICRO/PEQUENAS EMPRESAS: SINERGIAS E CONVERGÊNCIAS SOB A ÓTICA DO RELATÓRIO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - 2009"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de EMPREENDEDORISMO E MICRO/PEQUENAS EMPRESAS: SINERGIAS E CONVERGÊNCIAS SOB A ÓTICA DO RELATÓRIO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL Sérgio Luiz do Amaral Moretti (UNINOVE) Luciana Helena Crnkovic (UNINOVE) Maria dos Remédios Antunes Magalhães (UNINOVE) Fabricia Durieux Zucco (uninove) O trabalho visa contribuir para o aprofundamento e sistematização do conhecimento sobre as Micro/Pequenas Empresas (MPEs) sob a perspectiva dos novos dados fornecidos por pesquisas recentes. Buscase uma relação com o crescimento do empreeendedorismo no Brasil, campo no qual se observam tanto progressos quanto a permanência de antigas dificuldades. São dois os objetivos: apresentar elementos que permitam ampliar o debate sobre o conceito de MPE, ou pequeno negócio e analisar como as políticas de incentivo a este tipo de empresa se adéquam à realidade do empreendedor. A metodologia consistiu em uma pesquisa bibliográfica nos relatórios do SEBRAE-SP, Empreendedorismo no Brasil , do Global Entrepreneurship Monitor - GEM (2010) e do Doing Business (2010). Os resultados mostraram que ocorreu uma mudança significativa na demografia das MPEs e no perfil do empreendedor brasileiro. Surge paralelamente ao típico empreendedor tradicional, uma nova configuração formada principalmente por jovens e mulheres. O crescimento da participação da Internet, do Micro computador e do celular, em menor proporção mostra que, apesar das dificuldades da formação especializada e do baixo nível de escolaridade, os empreendedores acompanham as tendências mais avançadas disponíveis para se manterem competitivos. Palavras-chaves: Empreendedorismo, Micro/Pequena Empresa - MPEs, Global Entrepreneurship Monitor- GEM. Doing Business

2 1. Introdução Micros e Pequenas Empresas (MPEs) ganharam destaque nacional e internacional nos estudos acadêmicos devido a seu alto impacto em questões econômicas e sociais. Muitos autores consideram as MPEs um instigante campo de estudos reforçado pelo fato de que sua permanência e seu crescimento, apesar das desvantagens estruturais, constituem um fenômeno que merece ser mais bem compreendido. Segundo dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), de 2009, sua importância pode ser medida pela evolução nos últimos anos. Em 2000 as MPEs representavam 4,1 milhões de empresas, ou 1para cada 42 habitantes; em 2004, 5,0 milhões e 36 por habitante; em 2010 espera-se que atinja 6,8 milhões e 29 habitantes por empresa. Não é necessário muito esforço para se perceber o impacto social destes números, que toma proporções ainda maiores quando comparadas com padrões internacionais segundo os quais o Brasil é um líder. O SEBRAE, ainda projetou, para 2015, uma relação de 8,8 milhões de empresas para cada 24 habitantes, ou seja, o dobro do verificado em 2000 no início da série. Importante para o argumento é que elas correspondem a 99% das empresas brasileiras. O relatório Empreendedorismo no Brasil do Global Entrepreneurship Monitor GEM (2010) converge para este cenário ao tratar da vocação empreendedora do povo brasileiro representada por uma Taxa de Empreendedorismo (TEA) que mostra, aproximadamente 15 em cada 100 brasileiros adultos envolvidos em atividades empreendedoras. Este dado coloca o Brasil entre os dez mais empreendedores do planeta, mas revela outro lado da questão já que destes 7,5 milhões de brasileiros, 41 ( 6%) se lançam em atividades independentes por pura necessidade, ou seja, pela falta de oportunidades no mercado formal de empregos. O problema é potencializado pelo enorme peso dos impostos e da burocracia nacional, empurrando muitos para o mercado informal. Ao encontro deste fato, uma projeção do Doing Business para 2010 mostra o Brasil em 129º lugar entre 183 países - Singapura detém o 1º lugar, em um ranking total de facilidade para os negócios. Em itens específicos como pagamentos de impostos o Brasil ocupa o posto 150º; quanto a funcionários empregados, o 138º; para abrir um negócio, o posto 126º e, para fechálo, o 131º. Evidente está que não são números abonadores e que não facilitam a vida dos empreendedores nacionais, apesar do marco legal que será exposto a seguir. Este custo Brasil, formado por altas taxas de impostos e de dificuldades burocráticas, precisa acompanhar o ritmo e o esforço que o sistema legal e de financiamento procurou imprimir a este setor nos últimos anos (DOING BUSINESS, 2010). O trabalho visa contribuir para o aprofundamento e sistematização do conhecimento sobre as Micro/Pequenas Empresas (MPEs) sob a perspectiva dos novos dados fornecidos por pesquisas recentes. Busca-se uma relação com o crescimento do empreendedorismo no Brasil, campo no qual se observam tanto progressos quanto a permanência de antigas dificuldades. São dois os objetivos: apresentar elementos que permitam ampliar o debate sobre o conceito de pequena empresa (ou pequeno negócio) e analisar como essas políticas de incentivo à micro e pequenas empresas se adéquam à realidade do empreendedor. O trabalho está estruturado da seguinte forma: será feita uma revisão da literatura sobre MPEs e Empreendedorismo apoiada por uma pesquisa exploratória sobre os relatórios Cenários das MPEs entre , do SEBRAE-SP, Empreendedorismo no Brasil , do Global Entrepreneurship Monitor GEM (2010) e no Doing Business (2010). Finalmente, na última 2

3 seção serão feitas as considerações finais do estudo e apresentadas possibilidades para futuras pesquisas. 2. Empreendedorismo As definições sobre empreendedorismo são variadas e obedecem aos parâmetros dos paradigmas e epistemologias das quais se originam. O termo empreendedor tem origem no entrepreneur francês, que se refere aos que empreendem. Para Marshall (1920) é aquele que por meio de suas atividades, combina os fatores de produção - trabalho, capital (e informação) - de tal forma a produzir uma saída crescente de bens e serviços, aumentando, portanto a riqueza total ou o bem-estar material da sociedade. Schumpeter (1961) o associou a questão da inovação, aquele capaz de uma destruição criadora, de perceber novas oportunidades para os negócios. Para Drucker (1987) há que se buscar nas profundas mudanças de paradigmas atuais uma explicação para o que ele considerava um fenômeno cujas causas estariam em uma combinação de fatores culturais, sociais, econômicos e tecnológicos. No Brasil, o termo ganhou projeção a partir da abertura da economia, na década de O processo de abertura mostrou a falta de competitividade do país em muitas áreas e tanto o governos como os empresários tiveram que mudar a forma de atuar e reformar leis que travavam o desenvolvimento. Alguns números podem explicar melhor a situação do empreendedorismo no Brasil e para isso será utilizado o relatório Empreendedorismo no Brasil do Global Entrepreneurship Monitor GEM (2010). O valor médio do TEA dos últimos anos é de 12,83%, colocando o país em 9º lugar entre os participantes da pesquisa e mantendo-se acima da média mundial. Contudo, antes de se entrar em características do empreendedorismo brasileiro é necessário atualizar as condições que o relatório Empreendedorismo no Brasil do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), de 2010 considera ideais para que, este importante driver de desenvolvimento e de autonomia para os cidadãos possa verdadeiramente se consolidar. Desnecessário ressaltar a importância do relatório já que se encontra na sua 10ª edição e, se firmou devido a seu grande banco de dados sobre atitudes e ambiente empreendedor. Sua amostra é coletada em centenas de países permitindo comparações entre os resultados de suas pesquisas. Um esquema proposto por Bosma e Levie (2010, apud GEM, 2010, p ) como sendo a base de análise do modelo GEM mostra que as condições ambientais podem afetar três elementos constituintes do empreendedorismo: atitudes, atividades e aspirações. Dependendo da dinâmica do ambiente, país ou região, pode ser levado a acelerar ou a reduzir sua taxa de empreendedorismo. Atitudes empreendedoras são aquelas manifestadas na forma de opiniões e de percepções que a sociedade desenvolve face a este fenômeno; revela o status que o empreendedor ocupa na comunidade. Torna-se muito forte quando existe a percepção de oportunidade para se desenvolver uma nova atividade. Quanto à atividade empreendedora revela a quantidade de indivíduos envolvidos na criação de novos negócios, os tipos de setores envolvidos, a inovação aplicada nas novas ofertas. Trata-se mais de um processo do que um evento e é muito influenciada pelas políticas de incentivo. Já a aspiração empreendedora mostra a 3

4 natureza qualitativa dos empreendimentos refletindo o grau de envolvimento de cada um com a atividade e com o grau de ambição e de ousadia nela empregados. Por meio do modelo do GEM (2010, p. 32), pode-se ainda analisar as condições ambientais que afetam os três elementos abordados anteriormente procurando buscar índices de eficácia para a estrutura que se oferece aos empreendedores potenciais e estabelecidos. São elas: apoio financeiro, políticas e programas governamentais, educação e capacitação, pesquisa e desenvolvimento (transferência de tecnologia), infra-estrutura comercial e profissional, acesso ao mercado e a barreiras à entrada, acesso à infra-estrutura física e, finalmente a normas culturais e sociais. O Quadro1 mostra que a população reconhece as boas condições ambientais em que o país se encontra. Contudo, sendo um país ainda com forte desigualdade social, a atividade empreendedora apresenta a evidência de que a escolha se dá por necessidade. Quadro 1 Percepção das condições ambientais pelos empreendedores e a população no Brasil Fonte: Relatório Empreendedorismo no Brasil do GEM (2010). A estabilidade macro-econômica perseguida pelo país desde 1994 mostrou seus resultados permitindo que mais empreendimentos vencessem a barreira inicial e que se sustentassem por mais tempo. O Gráfico 1 mostra o peso do consumo nas novas atividades empreendedoras. 4

5 Gráfico 1 O peso do consumo nas novas atividades empreendedoras Fonte: Relatório Empreendedorismo no Brasil do GEM (2010). O mais importante, entretanto, é o crescimento dos empreendimentos por oportunidade em detrimento daqueles que a ele se lançam por necessidade. Este último revelaria não uma cultura empreendedora, mas uma falta de oportunidade. O Gráfico 2 mostra a situação hoje. Gráfico 2 Comparativo entre Empreendimentos por Oportunidade e por Necessidade. Fonte: Relatório Empreendedorismo no Brasil do GEM (2010). Estabelecidos os parâmetros sobre o empreendedorismo, passa-se a analisar o outro elemento do estudo que são as MPEs procurando estabelecer a relação entre o momento do empreendedorismo brasileiro e as condições para o seu desenvolvimento a partir do modelo proposto pelo GEM (2010). 3.MPEs 5

6 A busca de definições de Micro e Pequenas Empresas (MPE), com o objetivo de categorizar o campo, têm sido objeto de estudo de vários pesquisadores revelando importantes diferenças de abordagem que vão desde o porte, o número de funcionários e a forma de gestão, entre outras (FILION, 1990, 1997; JULIEN, 1997; LIMA, 2001; TORRÉS, 2005, TERENCE, ESCRIVÃO F o. 2009). Isto não ocorre com o conceito de Empreendedorismo para o qual convergem muitas das definições (BOAVA e MACEDO, 2009; MURPHY, LIAO WELSCH, 2006; BOAVA, 2006; EHRSTÉN E KJELLMAN, 2006) sempre voltadas para a questão da inovação e do rompimento com o usual. Convém, contudo, diferenciar o Empreendedor de Empreendedorismo; aquele entendido como representação do indivíduo capaz de proporcionar a ruptura (SCHUMPETER, 1961; TIMMONS, 1989; DRUKER, 1970, 1987); este, considerado como conjunto de ações que conduz o empreendimento ao sucesso desejado (BOAVA e MACEDO, 2009, p. 8). Com isso, pode-se diferenciar o indivíduo, dotado de certas características, do processo, que lhe permite alcançar seus objetivos Percebendo a relação entre o processo empreendedor e o seu desencadeamento a partir de uma vontade individual, a pesquisa sobre MPEs tem buscado esta aproximação (KRISTIANSEN e INDARTI, 2004; LENZI, VENTURA e DUTRA, 2005; GONÇALVES, OLIVEIRA e GONÇALVES, 2008; NASCIMENTO, DANTAS e MILITO, 2008; VEIT e GONÇALVES, 2007). Nesta investigação, o termo Orientação Empreendedora nas organizações surge com a proposta de identificar comportamentos organizacionais que possam melhorar a capacidade de empreender (LUMPKIN E DESS, 1996, 2001; HASHIMOTO, 2005, SANTOS e ALVES, 2009) sendo naturalmente, dependentes de modelos e de padrões identificados em empreendimentos de sucesso. Da mesma forma, o termo Perfil do Potencial Empreendedor, conforme empregado por Veit e Gonçalves (2007), que validaram, em pesquisa preliminar, um perfil composto de oito itens: competência, risco, inovação, planejamento, dedicação, relacionamento, pensamento analítico e desafio (p.9) que puderam confrontar com a teoria existente para este tipo de estudo (MCCLELLAND, 1961; CARLAND e CARLAND, 1996, FILION, 1999). Ele demonstra o quanto este campo pode contribuir para a compreensão do papel empreendedor na sociedade, principalmente em um país emergente com o Brasil. Diversos indicadores podem ser utilizados para a classificação das empresas nas categorias micro, pequena, média ou grande; entretanto não podem ser considerados completamente apropriados e definitivos para todos os tipos de contexto (D AMBOISE e MULDOWNEY, 1988; FILION, 1990; JULIEN, 1997; LIMA, 2001). As tentativas de definição, na maioria das vezes, têm razões fiscais ou buscam critérios de identificação com fins de benefícios oficiais e financiamento. Podem-se utilizar critérios qualitativos ou quantitativos ou uma combinação dos dois, embora estes sejam os mais utilizados, em algumas situações eles se mostram imprecisos ou insuficientes. Ainda que eles apresentem como vantagens a facilidade na coleta dos dados, agilidade na classificação de portes e possibilidade de comparação entre setores é recomendado que sejam utilizados com cuidado (JULIEN, 1997). Já os critérios qualitativos se referem a aspectos tangíveis e intangíveis estáveis que caracterizam as 6

7 empresas; por exemplo, grau de centralização das decisões, formalização de procedimentos e níveis hierárquicos (LIMA, 2001). Drucker (1987) escreveu que uma pequena empresa, pelo critério de número de funcionário, pode não ser pequena pelo critério de faturamento. Torrès e Julien (2005) reafirmaram essa proposição e ampliaram a idéia de especificidade da pequena empresa. Eles consideraram que uma proposta de classificação universal é limitada. Às vezes, em um exame empírico, a possibilidade de que uma pequena empresa não satisfaça os critérios de classificação e de que seja descartada do estudo é enorme. Os autores identificam, na literatura anglo-saxônica, uma espécie de paradigma orientador da pesquisa em pequenas empresas, ou a tese da especificidade gerencial que considera o pequeno negócio uma entidade específica, com problemas administrativos substancialmente distintos dos da grande empresa, com destaque para: estrutura administrativa centralizada; estratégias intuitivas e de curto prazo; baixa especialização; simplicidade e informalidade do sistema de informação e atuação em mercados locais. Isoladamente o tamanho não é uma variável suficiente para definir se uma empresa necessariamente forma parte de uma população de pequenos negócios. (TORRÈS; JULIEN, 2005, p. 359). Além deles, há também critérios qualitativos que devem ser considerados em uma definição de micro e pequena empresa, Filion (1990) apresenta três critérios mais mencionados: 1) independência da propriedade e da administração; 2) administração personalizada, e 3) pequena parcela de mercado. Lima (2001) postula que o primeiro critério reflete a relação estreita entre o capital e a administração, ou seja, quando a pessoa encarregada da administração da empresa é também seu proprietário, caracterizando a nomenclatura proprietário-dirigente. Esta pessoa toma decisões que põem em risco seu próprio dinheiro. Este aspecto constitui uma diferença fundamental entre a relação de um proprietário-dirigente com sua empresa quando comparada à relação de um administrador com a empresa na qual ele trabalha e da qual ele não detém a maioria das ações. O critério de independência de propriedade e de operação é, sem dúvida, um dos mais importantes que captam as características que fazem da MPE o que ela é (FILION, 1990, 1999). O segundo critério deve ser visto como complementar ao primeiro; é aquele que detém a propriedade faz a administração à sua própria maneira, imprimindo assim sua personalidade sobre a empresa. Este tipo de administração pode também ser chamado de administração idiossincrática. O terceiro critério é ambíguo e difícil de ser aplicado porque é necessário que se recorra a uma definição precisa do que é o mercado, quais suas fronteiras e o que significa uma pequena parcela de mercado. Este critério foi utilizado pela primeira vez nos Estados Unidos da América porque a legislação permite considerar até mesmo uma empresa de empregados como pequena (FILION, 1990). Além disso, de acordo com TERENCE (2008), para compreender o processo de criação de estratégias dos dirigentes dessas pequenas empresas, deve-se considerar sua característica marcante: a intuição. Brouthers, Andriessen e Nicolaes (1998) concluem que, nelas, as decisões, em várias instâncias do processo de criação de estratégias, não são racionais, isto é, não são tomadas a partir de informações coletadas e de resultados obtidos. Ao contrário, os empresários, confiando em sua intuição, tendem a elaborar estratégias com base nas próprias aspirações e experiências e não em análises racionais. Os autores apresentam uma proposta de melhoria relacionada com a análise do ambiente. Ressaltam a necessidade de compreender as mudanças ambientais registradas no contexto das pequenas empresas. Entende-se que os 7

8 dirigentes devem atualizar as informações sobre o seu ambiente, considerando as variáveis que têm impacto nos negócios. Desta forma, compreender as sinergias e as convergências do setor pode ajudá-las a sobreviver, a prosperar e a competir nas novas condições ambientais. É preciso fortalecer a coleta de informações, realizando-se atividades de análise de forma contínua. 4. O contexto legal brasileiro para as MPEs O marco legal brasileiro para as MPEs tem se consolidado nas últimas duas décadas, fato que se pode demonstrar pela sequência de leis promulgadas a partir de 1984: Lei de 27 de novembro de 1984: cria o estatuto da Micro Empresa dando-lhes tratamento diferenciado; Artigos 170 e 179 da Constituição Federal de 1988: o primeiro assegura prioridade de fornecimento a empresas brasileiras e de pequeno porte; o segundo determina tratamento jurídico diferenciado às MPEs com o intuito de promover seu desenvolvimento; Lei de 28 de março de 1994: atribui pisos de receita para classificar as MPEs e busca definir o que é empresa de pequeno porte, mas carece de complementação; Lei de 05 de dezembro de 1996: cria o Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e de Contribuição das Micro e Pequenas Empresas (SIMPLES) e também permite que estados e municípios possam criar benefícios fiscais para as MPEs. Define a micro empresa como aquela que possui faturamento anual de até R$ 120 mil; Lei de 05 de outubro de 1999 cria o Estatuto das Micro e Pequenas Empresas e revoga as leis e (a primeira e a terceira, já mencionadas); Lei Complementar nº 123 de 14 de dezembro de 2006: cria o Estatuto Nacional de Empresa de Pequeno Porte e revoga a lei (anterior da lista). Foi complementada pelas Leis 127 (2007) e 128 (2008). A evolução do marco legal, como exposta, levou à consolidação de uma abordagem quantitativa de classificação sobre o que se conhece como Lei Geral para Micro e Pequenas Empresas a partir da lei Complementar 128. As Micro Empresas são aquelas que possuem faturamento anual de, no máximo, R$ 240 mil por ano, enquanto as Pequenas devem faturar entre R$ ,01 e R$ 2,4 milhões anualmente. Esta evolução ocorreu em várias frentes permitindo definir o entorno e o escopo de atuação das MPEs em questões de padronização, diferenciação de tributação, redução da burocracia, acesso a novos mercados, crédito, tecnologia e justiça, e exportação. Entre as mudanças previstas na Lei Complementar 128, estão a simplificação do registro do Micro empreendedor Individual (MEI) e sua inclusão no Supersimples; a inserção de outras classes no programa do Simples Nacional, visando facilitar o acesso do micro empresárioindividual e das micro e pequenas empresas nesse cenário. Seu principal benefício será favorecer pessoas que trabalham no mercado informal e que não entram na formalidade devido à alta carga tributária. O governo estima que mais de 10 milhões de empreendedores se beneficiarão do MEI e da isenção de quase todos os tributos do Supersimples. Com as alterações, os trabalhadores brasileiros que se tornarem formais terão o direito de se aposentar por idade ou invalidez, de seguro por acidente de trabalho e reclusão, de licença-maternidade 8

9 para a mulher, entre outros benefícios. Os escritórios de contabilidade também serão favorecidos, pois a regulamentação da lei permite a desburocratização de processos. De acordo com Lima (2001), contrariamente ao caso de países que estudaram mais profundamente a questão (como Estados Unidos e Inglaterra), as bases de definição das MPE na legislação federal brasileira não apresentam critérios qualitativos. No nível internacional, a Resolução 59/1998 do MERCOSUL apresenta um desses critérios, mas ele não foi integrado à Lei Complementar n. 128 de 2008, nem ao Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte pelo Decreto de 2000 que o regulamenta. Para ser considerada micro ou pequena, uma empresa não pode ser controlada por outra, nem pertencer a um grupo econômico formando um todo que excede os limites da classificação. Entre os três critérios qualitativos apresentados por Fillion (1990), já citados anteriormente, o mais próximo daquele utilizado na Resolução 59/1998 do MERCOSUL é o de independência da propriedade e da administração, mas que não está presente em nenhuma das definições apresentadas nos órgãos regulamentadores e representantes das MPE no Brasil. Outra definição muito utilizada, tanto para estudos acadêmicos quanto para critérios de mercado, baseia-se no Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e também se vale de dados quantitativos, neste caso referente ao número de funcionários. Micro são as empresas que empregam até 9 pessoas, no caso de comércio e de serviços, ou até 19, nos setores industriais ou de construção. Já as pequenas são definidas como as que empregam de 10 a 49 pessoas, no caso de comércio e de serviços, e de 20 a 99 pessoas, em indústrias e em empresas de construção. Além dessas, há a definição dos órgãos federais como Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que têm outro parâmetro para a concessão de créditos. Nessa instituição de fomento, uma microempresa deve ter receita bruta anual de até R$ 1,2 milhão; as pequenas empresas, superior a R$ 1,2 milhão e inferior a R$ 10,5 milhões. Os parâmetros do BNDES foram estabelecidos em cima dos parâmetros de criação do Mercosul. Mesmo com tantas definições, o financiamento e o apoio às microempresas e às MPEs é uma questão complicada e difícil que, ainda hoje, interessa aos governos (LIMA, 2001). Um dos grandes problemas voltados aos financiamentos reside no fato de que essas empresas por possuírem estruturas mais simples e menos burocratizadas, dificilmente se enquadram nas exigências dos programas de financiamento do governo. Para o SEBRAE, o porte das empresas segue uma orientação semelhante como se pode ver no Quadro 2: Classificação Receita operacional bruta anual Microempresa Menor ou igual a R$ 1,2 milhão Pequena empresa Maior que R$ 1,2 milhão e menor ou igual a R$ 10,5 mm Média empresa Maior que R$ 10,5 milhões e menor ou igual a R$ 60 mm Grande empresa Maior que R$ 60 milhões Quadro 2 Porte das Empresas para fins de financiamento Fonte: SEBRAE (2009) Em 2008, o relatório do SEBRAE-SP Cenário das MPEs de forneceu uma projeção da situação das MPEs bastante interessante: 9

10 A Internet já é a 3ª fonte de informação mais utilizada para os negócios, como 62% das preferências, estando somente atrás da figura do contador com 87% (em 1º lugar) e de pessoas e empresários do mesmo ramo com 72%; O acesso à Internet teve uma evolução impressionante, seguindo a preferência o item anterior, indo de meros 12% de MPEs com acesso em 2000 para 71% em 2009, com uma projeção de 80% para Esta participação é equivalente a que o Canadá tinha em 2007; A participação de MPEs com microcomputador mais que triplicou de 2000 para 2009, indo de 23% para 75%. A projeção para 2015 é de 83% de empresas de posse deste equipamento. Trata-se de um crescimento vigoroso, mas em 2015 o Brasil atingirá a posição, por exemplo, que o Reino Unido tinha em 2006; A proporção de MPEs com celular cresceu de 53% em 2000 para 91% e projeta-se pouco crescimento para 2015, ou seja, 92%; O crescimento do número de estabelecimentos MPEs será de 35%, ou mm, em 2015, contra mm, em 2009; Os estabelecimentos no setor de serviço serão os que apresentarão maior crescimento, participando com 47% do total em 2015 contra 39% em 2000; Foi projetado um crescimento acentuado dos empreendimentos voltados aos serviços o que revela certo grau de amadurecimento da economia brasileira que agora tem de dar conta do crescimento do consumo principalmente das classes de menor renda. Acrescentando à lista do SEBRAE-SP mais um dado do GEM (2010), pode-se perceber uma mudança significativa no peso da participação das mulheres em novos empreendimentos revelando a sua transformação em grande força de trabalho e de desenvolvimento para o país. No Quadro 3, seguinte, evidencia-se de que se trata daqueles que se lançam a um empreendimento por nele verem uma real oportunidade e não por necessidade que seria uma alternativa à falta de emprego. Quadro 3: Empreendedores por oportunidade no Brasil Fonte Relatório Empreendedorismo no Brasil do GEM (2010) Para reforçar devidamente o argumento das novas oportunidades que as condições ambientais oferecem, observa-se no Quadro 4, a seguir, com base na Taxa de Empreendedorismo (TEA), a maior participação das faixas etárias mais jovens no esforço empreendedor, reforçando o argumento de que estes conseguem perceber chances de sucesso no futuro. 10

11 Quadro 4 Participação no TEA por faixa etária, no Brasil Fonte Relatório Empreendedorismo no Brasil do GEM (2010) Assim, o crescimento vigoroso das MPEs revela uma simetria, como será visto, com a expansão do empreendedorismo, ou, talvez, se pudesse chamar de uma cultura empreendedora, estimulada por uma vocação inerente ao brasileiro. Os dois movimentos devem ser entendidos conjuntamente. 5. Considerações Finais O trabalho visou contribuir para o aprofundamento e sistematização do conhecimento sobre as especificidades das MPEs, e sua relação com o empreendedorismo em um cenário em mutação, no qual se observam progressos em diversos campos e permanência de dificuldades em outros sob a perspectiva dos novos dados fornecidos por pesquisas recentes. Foram dois os objetivos: apresentar elementos que permitam ampliar o debate sobre o conceito de pequena empresa (ou pequeno negócio) e analisar como essas políticas de incentivo à micro e pequenas empresas se adéquam à realidade do empreendedor. O ponto de partida foi que há uma convergência entre a proliferação das Micro e Pequenas Empresas MPEs e a crescente taxa de empreendedorismo, ambas encontradas na última década no Brasil. Os resultados das pesquisas mostraram que ocorreu uma mudança significativa na demografia das MPEs e do perfil do empreendedor brasileiro. Surge, paralelamente ao típico empreendedor tradicional, uma nova configuração formada principalmente por jovens e mulheres. Convém lembrar que uma dimensão valorizada das mulheres é sua capacidade em desempenhar mais de um papel e pensar vários assuntos ao mesmo tempo. Por outro lado, em que pese o crescimento do jovem e da mulher, o perfil tradicional ainda é o do homem na faixa etária entre 25 e 44 anos. O crescimento da participação da Internet, do Micro computador e do celular (em menor proporção) mostra que, apesar das dificuldades da formação especializada e do baixo nível de escolaridade, os empreendedores acompanham as tendências mais avançadas possíveis para se manterem competitivos. É esperançoso que a internet tenha crescido tanto entre as MPEs alcançando um 3º lugar alcançando uma participação bastante alta de 62% entre as principais fontes de informação. O crescimento acentuado das MPEs voltadas para serviços revela o grau de amadurecimento da economia brasileira que agora tem de dar conta do crescimento do consumo principalmente das classes de menor renda. As limitações do estudo são relativas à sua metodologia exploratória, ou seja, pela utilização de dados secundários, mas se considerou que, pelo menos no caso do SEBRAE, os números têm um forte poder de mostrar as evidências do cenário em que as MPEs se encontram. Deve- 11

12 se lembrar que o SEBRAE é referência nacional como base de dados sobre o tema. O relatório do GEM é igualmente importante, pois tem uma sólida metodologia, abarca uma grande quantidade de países e é um estudo periódico desde Os dados mostram que a linha de estudo das MPEs deveria estar mais ligada à do Empreendedorismo e mais relações deveriam ser feitas neste sentido. Como sugestão para próximas pesquisas, mais estudos relacionando tipo de empreendimentos com tipos de tecnologias utilizadas e se são dirigidos por homens, mulheres e jovens poderiam ser desenvolvidos. Estilos de gestão podem ser analisados a partir destas segmentações para que se possa dimensionar melhor o portfólio de especialidades que deve ser desenvolvido como apoio aos empreendedores. Outra linha possível de análise incentivada pelos resultados pode ser verificar o grau de evolução tanto de gestão quanto tecnológico, alcançado pelos empreendimentos que venceram os difíceis estágios iniciais e novos (GEM, 2007). Com isso poderia ser desenhado um mapa evolutivo da gestão, dos processos e do perfil dos empreendedores visando passar esta experiência para as próximas gerações. Outras linhas que podem ser desenvolvidas são investigar a difusão da cultura empreendedora nas Instituições de Ensino, assunto sobre o qual não foi verificada nenhuma evidência na pesquisa, e, também, as relações entre ascensão das classes de renda mais baixa ao mercado de consumo e de crescimento do seu espírito empreendedor. 5. Referências Bibliográficas BOAVA, D.L.T. MACEDO, F.M.F. Esboço para uma teoria tridimensional do empreendedorismo. Anais do XXXIII ENANPAD, São Paulo, 2009 BROUTHERS K. D., ANDRIESSEN F., NICOLAES I.: Driving blind: strategic decision making in small companies, CARLAND, J.A.; CARLAND, J.W. The Theoritetical Bases and Dimensionality of the Carland Entrepreneurship Index. Proceedings of the RISE 96 Conference, University of Jyvaskylâ, Finlândia, p.1-24 D AMBOISE, G.; MULDOWNEY, M. Management Theory for Small Business: attempts and requirements. The Academy of Management Review, v. 13, n. 2, Apr., 1988 DOING BUSINESS 2010: Reformando em épocas difíceis comparações e regulamentações em 183 economias. Office of the Publisher, The World Bank, Washington, DC, 2009 DOLABELA, F. O Segredo de Luísa. São Paulo: Cultura e Editores Associados, DRUCKER, P. Entrepreneurship in Business Enterprise. Journal of Business Policy, vol 1, 1970 Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): prática e princípios. 2. ed. São Paulo: Pioneira, EMPREENDEDORISMO NO BRASIL , org. MACHADO, J.P. et al. do Global Entrepreneurship Monitor GEM. Curitiba: IBQP (2010) FILLION, L.J. Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração, vol.34, n.2 p.02-28, 1999 Free Trade: The need for a definition os Small Business. Journal of Small Business and Entrepreneurship, v. 7, n. 2, p ,

13 GERBER, M.E. Empreender fazendo a diferença. São Paulo; Fundamento Educacional, 2004 GONÇALVES, C.A., OLIVEIRA, T.J., GONÇALVES, C. Fº. Antecedentes do desempenho da firma: Os efeitos do perfil empreendedor e da orientação para o mercado na indústria de Software. Anais do XXXII ENANPAD, Rio de Janeiro, 2008 HASHIMOTO, M. Espírito Empreendedor nas organizações. São Paulo; Saraiva, 2005 EHRSTÉN, M.; KJELLMAN, A. Rethinking Education From Homo Industrialis to Homo Entreprenaurus. Memo stencil, no. 218, Working paper. Åbo Akademi University, JULIEN, P. A. Les PME: bilan et perspective. Quebec, Les Presses Inteer Universitaires, KRISTIANSEN, S.; INDARTI, N. Etrepreneurial intention among Indonesia and Norwegian students. Journal of Enterprising Culture. v. 12, n. 1, p , march, LENZI, F.C., VENTURI, J.L., DUTRA, I.S. Estudo Comparativo das Características e Tipos de Empreendedores em Pequenas Empresas. Anais do XXVIII ENANPAD, Curitiba, 2005 LIMA, E. As Definições de Micro, Pequena e Média Empresas Brasileiras como base para a formulação de políticas públicas. Anais do II EGEP, p. 42w1-436, Londrina, Paraná, novembro, 2001 LUMPKIN, G. T.; DESS, G.G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of Management Review, v.21, n.1, 1996, p Linking two dimensions of entrepreneurial orientation to firm performance: The moderating role of environment and industry life cycle. Journal of Business Venturing, v.16, n.5, sep 2001, p McCLELLAND, D. The Achieving Society, Princeton, New Jersey: Nostrand, MURPHY, P. J., LIAO, J.; WELSCH, H. P. A conceptual history of entrepreneurial thought. Journal of management history. vol. 12, no. 1, p , NASCIMENTO, T.C., DANTAS A, A.B. MILITO, C.M. Empreendedorismo e Gestão de Negócios: Análise de Uma Possível Convergência. Anais do XXXII ENANPAD, Rio de Janeiro, 2008 PINCHOT, G. Intrapreneuring. Harper and Row, New York, 1985 SANTOS, A.C.M.Z, ALVES, M.S.P.C. Dimensões da Orientação Empreendedora e seus Diferentes Impactos no Desempenho de Empresas Instaladas em Incubadoras Tecnológicas da Região Sul do Brasil. Anais do XXXIII ENANPAD, São Paulo, 2009 SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia; tradução: Rut Jungmann. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura, SEBRAE-SP. Cenários para as MPEs SEBRAE-SP, versão março de 2009 TIMMONS, Jeffry A. The Entrepreneurial Mind. Andover, Massachussetts: Brick House Publishing Company, p. TERENCE, A. C. F. ; ESCRIVAO FILHO, E.. O processo de criação de estratégias e as fases evolutivas das pequenas empresas. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2009, Salvador. ENEGEP 2009, 2009 Processo de criação de estratégias em pequenas empresas: elaboração de um mapa estratégico para empresas de base tecnológica do pólo de São Carlos/SP. Tese (Doutorado) Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo TORRÈS, O.; JULIEN, P.A. Specificity and denaturing of small business. International Small Business Journal, v. 23, n. 4, p ,

14 VEIT, M.R., GONÇALVES, C. Fº. Mensuração do Perfil do Potencial Empreendedor e seu Impacto no Desempenho das Pequenas Empresas. Anais do XXXI ENANPAD, Rio de Janeiro,

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA Paola Guariso Crepaldi¹, Renato Nogueira Perez Avila² Ernando Amorim Souza³, Francis Henrique Betteto 4 RESUMO

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s)

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal larissabbl@hotmail.com 3047-2800 9161-7394 Conteúdo Programático Constituição de uma pequena ou média empresa.

Leia mais

MICRO E PEQUENA EMPRESA

MICRO E PEQUENA EMPRESA Agenda para MICRO E PEQUENA EMPRESA BRASÍLIA 2010 Uma agenda para crescer mais e melhor 4. Micro e pequena empresa: um caso especial As MPE, fundamentais para a economia brasileira As Micro e Pequenas

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Jose Carlos Alves Roberto, Msc. Baseado no Livro do Dr. José Dornelas, sobre Empreendedorismo Origem do Termo O termo empreendedor

Leia mais

A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI

A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI Paulo Cezar Ribeiro da Silva Mestre em Administração FGV/RJ Coordenador da Empresa Júnior FABAVI Vitória RESUMO: Trata

Leia mais

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial O ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), Guilherme Afif Domingos, apresentou

Leia mais

Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios

Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios João Pessoa - PB Arnaldo Júnior Farias Doso OBJETIVO E DESAFIO DE TODOS EMPREGO EDUCAÇÃO RENDA INFRA ESTRUTURA TRABALHO

Leia mais

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto Gestão de Pequenas e Médias Empresas Brasileiras por Sistema de Consórcio Trabalho de Conclusão de Curso - TCC MBA Executivo Internacional - Turma 34 Fábio Mattos Fernando Alcântara Fernando Moulin Jorge

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Paola Ronconi Pulcine 1, Vilma da Silva Santos 2, Viviane Fushimi Velloso 3, Paulo César Ribeiro Quintairos 4,

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES ANAIS DO I EGEPE, p. 123-131, out./2000 (ISSN 1518-4382) PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES CARLOS AUGUSTO CANDÊO FONTANINI (Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUC/PR) Resumo O presente

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Política Nacional de Empreendedorismo

Política Nacional de Empreendedorismo Política Nacional de Empreendedorismo Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comercio Exterior Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Universidade de Brasília Ednalva F.C. de Morais Vice-Diretora

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

Brasil. Para Betiol, apoio de incubadora foi decisivo para o sucesso da Bematech, fundada no ano de 1991, em meio à instabilidade econômica

Brasil. Para Betiol, apoio de incubadora foi decisivo para o sucesso da Bematech, fundada no ano de 1991, em meio à instabilidade econômica CAPA Para Betiol, apoio de incubadora foi decisivo para o sucesso da Bematech, fundada no ano de 1991, em meio à instabilidade econômica Brasil 22 Um em cada seis brasileiros em idade produtiva é empreendedor,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE)

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE) ISSN 1984-9354 OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MEDIANTE USO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE A NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS NA CIDADE DE

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

AS DEFINIÇÕES DE MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS BRASILEIRAS COMO BASE PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS i

AS DEFINIÇÕES DE MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS BRASILEIRAS COMO BASE PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS i ANAIS DO II EGEPE, p. 421-436, Londrina/PR, Novembro/2001 (ISSN 1518-4382) AS DEFINIÇÕES DE MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS BRASILEIRAS COMO BASE PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS i Edmilson de Oliveira

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

O estímulo ao empreendedorismo na universidade: o caso da préincubação. da Rede de Incubadoras de Tecnologia da Universidade do Estado do Pará - RITU.

O estímulo ao empreendedorismo na universidade: o caso da préincubação. da Rede de Incubadoras de Tecnologia da Universidade do Estado do Pará - RITU. O estímulo ao empreendedorismo na universidade: o caso da préincubação da Rede de Incubadoras de Tecnologia da Universidade do Estado do Pará. Luciana Leal Sampaio (UEPA) luciana_engprod@yahoo.com.br Anderson

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Adriano Luiz Antunes Denis Antoniazzi INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal Manual do Microempreendedor Individual MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal Manual do Microempreendedor Individual MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal 1 MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL 2 Flávio Carvalho Costa IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal 3 FLÁVIO CARVALHO COSTA MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Potencial empreendedor: uma comparação sob três metodologias

Potencial empreendedor: uma comparação sob três metodologias XXVI ENEGEP Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Potencial empreendedor: uma comparação sob três metodologias Renata Reis Barreto (UFPE) rrbarreto@hotmail.com Emanuelle de Sáles Oliveira (UFPE)

Leia mais

O REFLEXO DA CARGA TRIBUTÁRIA NA MORTALIDADE DAS MICROEMPRESAS

O REFLEXO DA CARGA TRIBUTÁRIA NA MORTALIDADE DAS MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O REFLEXO DA CARGA TRIBUTÁRIA

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Versus Small Business Act: uma Comparação entre as Determinações para Inserção das MPEs nas Compras Governamentais Autoria: Marina Figueiredo Moreira, José Matias-Pereira

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

e coletânea dos assuntos relacionados ao gerenciamento da informação em micro e pequenas empresas.

e coletânea dos assuntos relacionados ao gerenciamento da informação em micro e pequenas empresas. O gerenciamento da informação nas micro e pequenas empresas Sérgio Thode Filho, M.Sc. (UNICARIOCA) thode@oi.com.br Marco Antônio Farah Caldas, P.hD. (UFF) macaldas@logis.uff.br RESUMO: O segmento de micro

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP/DEVRY COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇAO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP/DEVRY COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇAO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP/DEVRY COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇAO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RANIERY NIEVRY FREIRE DE VASCONCELOS A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EMPREENDEDORISMO:

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Empreendedorismo e crescimento econômico

Empreendedorismo e crescimento econômico Empreendedorismo e crescimento econômico Márcio Augusto Scherma 1 O Global Entrepreneurship Monitor (GEM) é responsável por uma pesquisa mundialmente famosa por mensurar o nível de atividade empreendedora

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Aquisições de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil: um Estudo de suas Características de Gestão Financeira

Aquisições de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil: um Estudo de suas Características de Gestão Financeira e Gestão de Pequenas Empresas - 2012 Aquisições de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil: um Estudo de suas Características de Gestão Financeira Eduardo Augusto do Rosário Contani UNIVERSIDADE DE

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO 43 PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA Vivian Silveira Ferreira Eliane Vargas de Campos RESUMO Vive-se uma nova realidade no mercado brasileiro onde as micro e pequenas

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios As MPEs As micro e pequenas empresas contribuem de forma significativa para o desenvolvimento econômico de um País. No Brasil, elas representam

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR Luis Antônio Tichs 1. RESUMO Neste trabalho aborda-se a importância do empreendedorismo e as características do empreendedor. Evidenciam-se ações estimuladoras do espírito

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Ex-achievers edição 2015

Relatório de Pesquisa. Ex-achievers edição 2015 Relatório de Pesquisa Ex-achievers edição 2015 Destaques O Ex-achiever é... Consciente quase metade já fez trabalho voluntário Diferenciado 35% têm renda superior a 3 salários mínimos 61% está trabalhando

Leia mais

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Heloise das Neves Balan Nathalie Aparecida dos Santos Rôas RESUMO - O presente trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia.

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia. CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Linha temática: Tema 3: Inclusão Produtiva. Critério de Avaliação escolhido: Avaliar o acesso, a implantação e os efeitos de ações do Programa

Leia mais

Consultor: Gilberto Sarfati

Consultor: Gilberto Sarfati Projeto Cenários de Empreendedorismo Internacional Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Secretaria de Assuntos Estratégicos do Governo Federal Consultor: Gilberto Sarfati Levantamento do

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 10Minutos Gestão de pessoas HR Analytics Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 Destaques Menos de 30% dos CEOs recebem relatórios completos e confiáveis sobre sua força de

Leia mais

Empreender na Aposentadoria

Empreender na Aposentadoria Empreender na Aposentadoria A Terceira Idade Produtiva Profª Carla Rufo Instituto Federal de São Paulo campus São Carlos profcarla_r@hotmail.com Parece filme de terror... O Brasil possui atualmente 17,9

Leia mais