YGOOR YVANEY BESSA NEVES CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES SISTEMAS DE USO DO SOLO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "YGOOR YVANEY BESSA NEVES CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES SISTEMAS DE USO DO SOLO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE"

Transcrição

1 YGOOR YVANEY BESSA NEVES CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES SISTEMAS DE USO DO SOLO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE LAVRAS MG 2013

2 YGOOR YVANEY BESSA NEVES CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES SISTEMAS DE USO DO SOLO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Florestal, área de concentração em Ciências Florestais, para a obtenção do título de Mestre. Orientador Dr. Nelson Venturin LAVRAS MG 2013

3 Ficha Catalográfica Elaborada pela Divisão de Processos Técnicos da Biblioteca da UFLA Neves, Ygoor Yvaney Bessa. Características de diferentes sistemas de uso do solo em Cruzeiro do Sul, Acre / Ygoor Yvaney Bessa Neves. Lavras : UFLA, p. : il. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Lavras, Orientador: Nelson Venturin. Bibliografia. 1. Agrossilvicultura. 2. Química do solo. 3. Vale do Juruá. 4. Vegetação. 5. Krigagem. I. Universidade Federal de Lavras. II. Título. CDD

4 YGOOR YVANEY BESSA NEVES CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES SISTEMAS DE USO DO SOLO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Florestal, área de concentração em Ciências Florestais, para a obtenção do título de Mestre. APROVADA em 18 de fevereiro de Dr. Renato Luiz Grisi Macedo UFLA Dr. Régis Pereira Venturin EPAMIG Dr. Nelson Venturin Orientador LAVRAS MG 2013

5 A Deus e a toda minha família que sempre me apoiaram nos momentos de dificuldade, com gestos e palavras mostraram-me o quanto é importante à realização de um sonho, com espírito de persistência me ensinaram a cultivar meus ideais; A minha mãe. Eliete, as minhas irmãs Sonja e Nayana, meus sobrinhos Davi e Camilly, minha esposa Pâmela e em especial a minha filha Sophia Heloyse DEDICO

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que ilumina-me para o caminho da perfeição, Ele que deu a vida por mim para que pudesse usufruir dos prazeres do mundo e possibilitando o alcance dos meus objetivos; Ao meu pai In Memoriam que com seus olhares do céu tem guiado me aqui na terra para o caminho do bem; Agradeço a minha mãe, Eliete, minhas irmãs (Nayana e Sonja), minha esposa, Pâmela, aos meus sobrinhos (Davi e Camilly) e minha filha e princesinha Sophia Heloyse, principal fonte de inspiração. Esses que sempre confiaram a acreditaram no meu potencial e fizera- me enxergar que por mais que houvesse dificuldade os objetivos seriam alcançados; Ao meu professor e amigo, Dr. Josimar, por ter me incentivado a fazer o mestrado e acreditar no meu potencial; Os meus agradecimentos ao Sr. Verdi, proprietário do Sítio Progresso, onde foi realizado todo o experimento e coleta de dados, Obrigado por permitir que pesquisas fossem realizadas na sua propriedade; À Fundação de Tecnologia do Estado do Acre FUNTAC e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Florestal da Indústria do Comércio e dos Serviços Sustentáveis, por financiar grande parte do meu projeto. Meus agradecimentos pelo incentivo à pesquisa; Aos colegas Alan, Ângelo, Gleisson, Luan, Raimundo (Lôro) e Marcos, pela ajuda nas atividades de campo e coleta de dados; Aos meus amigos André (pêludo) e Leandro (batata), por ajudarem na tabulação dos dados e confecção dos resultados, os meus agradecimentos a todos vocês;

7 Aos amigos, Iberê, Fábio (Zebra), Gleisson, Elliezer, Fernando, Mari, Eva, Thaís e Rachel, pela alegria do convívio diário proporcionando momentos de felicidades; Aos pesquisadores Grisi, Bruna, Régis e Tadário por contribuírem de forma significativa na ascendência do meu estudo; Em especial, agradeço ao meu orientador que nos momentos mais difíceis ajudou e mostrou-me o quanto é importante à realização de um sonho; Ao meu amigo Nelson, o meu reconhecimento por sua disponibilidade, presteza e auxílio na elaboração da minha dissertação; Ao Dr. Nelson, deixo minha admiração e satisfação em ter sido orientado por um grande pesquisador e educador; Meus agradecimentos à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, pela concessão da bolsa de mestrado; Ao Fundo de Desenvolvimento de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia FDCT que juntamente com a Fundação de Tecnologia do Estado do Acre FUNTAC, foram financiadores do meu projeto, minha gratidão.

8 RESUMO Com a tendência de desmatamento que ocorre no estado do Acre surge a necessidade de políticas que incentivem sistemas de manejo que possam reduzir essa prática. A utilização de sistemas agroflorestais é um meio para obter esse intento. Este trabalho foi realizado com o objetivo de caracterizar a composição florística de um sistema agroflorestal e uma floresta natural e comparar atributos químicos do solo entre o quintal agroflorestal, a floresta, um cultivo agrícola e uma pastagem. Este estudo foi desenvolvido em Cruzeiro do Sul, Acre. Para caracterização florística da área florestal utilizou-se o método de parcelas e no SAF o método de sondeio. Para análise do solo coletaram-se amostras nas profundidades de 0-10, e cm que foram enviadas ao laboratório da Universidade Federal de Lavras para caracterização química. Na comparação química do solo foram determinados os teores de M.O, P, K, Ca, Mg e Al, utilizou-se delineamento inteiramente casualizado e as médias foram testadas por meio do teste de Scott-Knotta 5% de significância.utilizou-se o método da Krigagem para elaborar mapas de distribuição espacial das variáveis nas áreas de estudo. As espécies identificadas da floresta apresentaram características madeireiras, enquanto o SAF possui características alimentares. Foi observado nos resultados da análise química do solo, que o teor de P foi maior no cultivo agrícola, diferindo-se dos demais sistemas de uso do solo. Para os nutrientes K e Mg não foi observada diferença estatística entre os ambientes. Para o Ca foi observado menor teor no solo do ambiente florestal, diferindo-se dos demais sistemas de uso do solo. Para o Al, foi observada diferença estatística na interação tratamento x profundidade. Foi identificado um grande número de espécie. Os mapas permitiram observar os nutrientes em todo o ambiente. Há semelhança edáfica entre o SAF e a floresta. Palavras-chave: Agrossilvicultura. Vale do Juruá. Vegetação. Krigagem.

9 ABSTRACT Accompanied by the tendency of deforestation in the state of Acre has arisen the need for policies that encourage the use of management systems to reduce it. Agroforestry systems represents a method to achieve this goal. This study aimed to characterize the floristic composition of an agroforestry system and a natural forest; to compare the chemical attributes among the agroforestry system, the natural forest, an agricultural cultivation and a pasture area. This work was conducted in Cruzeiro do Sul municipality Acre, Brazil. In order to characterize the natural forest floristic was adopted the plot method and, for the Agroforestry, the probing method. Soil samples were collected at depths of 0-10, and cm in the areas and sent to the Universidade Federal de Lavras laboratory, where they were analyzed to determine the OM, P, K, Ca, Mg and Al levels. The Completely Randomized Design was adopted and the Scott-Knott test was applied at 5% of significance. It was used the Kriging method to spatially distribute the variables in all studied areas. The results showed that the identified species of the natural forest presented logging traits, while the Agroforestry system species presented feeding qualities. The results of the soil analysis indicated that the P levels were higher in the agricultural cultivation area than in the other areas, statistically differing up from the other land use systems. For K and Mg there were no statistical differences among the areas. The lowest levels of Ca were founded in the natural forest area, statistically differing up from the other land use systems. Regarding Al, the interaction between the treatments and the depths was significant. It was identified a great number of plant species. The maps allowed to observe the nutrient distribution in places where no soil samples were collected. There are edaphic similarities between the agroforestry and the natural forest area. Keywords: Agroforestry. Jurua Valley. Vegetation. Krigagem.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Localização das áreas de estudo, em que: F (floresta), CA (cultivo agrícola), P (pastagem), QA (quintal agroflorestal) Figura 2 A- Parcela instalada. B- Mensuração do DAP. C- Plaqueteamento. D- Anotador Figura 3 Delimitação dos ambientes e disposição das parcelas nos referidos sistemas Figura 4 A- Utilização do trado para coleta de solos. B- Coleta às profundidades de 0-10, e cm. C- Obtenção da amostra composta. D- Amostra devidamente etiquetada e enviada ao laboratório Figura 5 Disposição das espécies no quintal agroflorestal Figura 6 Plantio de açaí no QA, em forma de renque limítrofe Figura 7 Cultivo de melancia Figura 8 Pastagem com Brachiaria decumbens Figura 9 Mapa de distribuição espacial dos teores de M.O (dag/kg) em função das classes de uso do solo Figura 10 Mapa de distribuição espacial dos teores de fósforo (mg/dm³) em função das classes de uso do solo Figura 11 Mapa de distribuição espacial dos teores de potássio (mg/dm³) em função das classes de uso do solo Figura 12 Mapa de distribuição espacial dos teores de cálcio (cmol/dm³) em função das classes de uso do solo Figura 13 Mapa de distribuição espacial da variável cálcio, profundidade de

11 Figura 14 Mapa de distribuição espacial dos teores de alumínio (cmol/dm³) em função das classes de uso do solo LISTA DE TABELAS Tabela 1 Tamanho de quintais agroflorestais, segundo a classificação de vários autores Tabela 2 Classe de uso do solo da área de estudo com suas respectivas dimensões Tabela 3 Resultados das análises de solos Tabela 4 Lista de espécies cultivadas no quintal agroflorestal e suas utilidades Tabela 5 Espécies identificadas na área de floresta Tabela 6 Análise de variância para a variável matéria orgânica (dag/kg) presente no solo, os tratamentos avaliados foram: Sistema Agroflorestal, Cultivo agrícola, Pastagem e Floresta e as profundidades 0-10,10-20 e cm Tabela 7 Conteúdo de M.O (dag/kg) nos diferentes ambientes Tabela 8 Conteúdo de M.O (dag/kg) nas diferentes profundidades do solo dos ambientes Tabela 9 Análise de variância para a variável fósforo (mg/dm³) presente no solo, os tratamentos avaliados foram: Sistema Agroflorestal, Cultivo agrícola, Pastagem e Floresta e as profundidades 0-10,10-20 e cm Tabela 10 Conteúdo de P (mg/dm³) nos diferentes ambientes Tabela 11 Conteúdo de P (mg/dm³) nas diferentes profundidades do solo dos ambientes Tabela 12 Análise de variância para a variável potássio (mg/dm³) presente no solo, os tratamentos avaliados foram: Sistema Agroflorestal,

12 Cultivo agrícola, Pastagem e Floresta e as profundidades 0-10,10-20 e cm Tabela 13 Conteúdo de K (mg/dm³) nos diferentes ambientes Tabela 14 Conteúdo de K (mg/dm³) nas diferentes profundidades do solo dos ambientes Tabela 15 Análise de variância para a variável cálcio (cmol/dm³) presente no solo, os tratamentos avaliados foram: Sistema Agroflorestal, Cultivo agrícola, Pastagem e Floresta e as profundidades 0-10,10-20 e cm Tabela 16 Conteúdo de Ca (cmol/dm³) nos diferentes ambientes Tabela 17 Conteúdo de Ca (cmol/dm³) nas diferentes profundidades dos ambientes Tabela 18 Análise de variância para a variável magnésio (cmol/dm³) presente no solo, os tratamentos avaliados foram: Sistema Agroflorestal, Cultivo agrícola, Pastagem e Floresta, e as profundidades 0-10,10-20 e cm Tabela 19 Conteúdo de Mg (cmol/dm³) nos diferentes ambientes Tabela 20 Conteúdo de Mg (cmol/dm³) nas diferentes profundidades dos ambientes Tabela 21 Análise de variância para a variável alumínio (cmol/dm³) presente no solo, os tratamentos avaliados foram: Sistema Agroflorestal, Cultivo agrícola, Pastagem e Floresta e as profundidades 0-10,10-20 e cm Tabela 22 Análise de variância com desdobramento dos graus de liberdade com relação à profundidade Tabela 23 Conteúdo de Al (cmol/dm³) para as interações significativas, Profundidade 0-10 cm: Tipo do tratamento... 84

13 Tabela 24 Conteúdo de Al (cmol/dm³) para as interações significativas, Profundidade cm: Tipo do tratamento Tabela 25 Conteúdo de Al (cmol/dm³) para as interações significativas, Profundidade cm: Tipo do tratamento... 85

14 LISTA DE SIGLAS ANAVA APP CV DAP IFAC INPA PSA QA REBRAF RPPN SAF SEAPROF UFAC UFLA ZEE Análise de Variância Área de Preservação Permanente Coeficiente de Variação Diâmetro à altura do peito Instituto Federal do Acre Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia Pagamento por Serviços Ambientais Quintal Agroflorestal Rede Brasileira Agroflorestal Reserva Particular do Patrimônio Cultural Sistema Agroflorestal Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar Universidade Federal do Acre Universidade Federal de Lavras Zoneamento Ecológico Econômico

15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivo geral Objetivos específicos REFERENCIAL TEÓRICO Conceitos e considerações de sistemas agroflorestais SAF na Amazônia SAF no Acre Cruzeiro do Sul Importância dos SAF no desenvolvimento sustentável Krigagem MATERIAL E MÉTODOS Descrição da área de estudo Caracterização vegetativa das áreas Quintal Agroflorestal Floresta Cultivo agrícola Pastagem Uso do solo Comparação edáfica entre as áreas Coleta de solo Distribuição espacial dos nutrientes nas áreas estudadas Análise Espacial RESULTADOS E DISCUSSÃO Caracterização vegetativa das áreas Quintal Agroflorestal (QA) Floresta Cultivo Agrícola Pastagem Comparação edáfica entre as áreas de estudo Teores de matéria orgânica no solo dos ambientes estudados Distribuição espacial da matéria orgânica nos ambientes estudados Teores de Fósforo no solo dos ambientes estudados Distribuição espacial do Fósforo nos ambientes estudados... 64

16 4.2.3 Teores de Potássio no solo dos ambientes estudados Distribuição espacial do Potássio nos ambientes estudados Teores de Cálcio no solo dos ambientes estudados Distribuição espacial do Cálcio nos Ambientes estudados Teores de Magnésio nos ambientes estudados Distribuição espacial de Magnésio nos Ambientes estudados Teores de Alumínio nos ambientes dos solos estudados Distribuição do Alumínio nos ambientes estudados CONCLUSÕES REFERÊNCIAS... 91

17 16 1 INTRODUÇÃO Com a tendência de desmatamento que ocorre no estado do Acre surge à necessidade de políticas que incentivem a implantação de espécies florestais para suprir a necessidade madeireira. Nesse sentido, os Sistemas Agroflorestais SAF s são vistos como opção para minimização do desmatamento por quebrarem a predominância do ciclo de agricultura migratória e pecuária extensiva praticadas na Amazônia, sendo opção para gerar lucros significativos em áreas relativamente pequenas (SERRÃO, 1995; SMITH et al., 1998). Outro aspecto é o da diversificação na produção, fator contribuinte para obtenção de renda contínua, o que pode ser um critério para a adoção desse sistema. No estado do Acre existem poucos incentivos à implantação de espécies madeireiras. Isso se dá por conta das características culturais do estado que se limitam à plantação de espécies agrícolas. Portanto, há a necessidade de estudos que validem a utilização de SAF s. Outro fator agravante é a forma de limpeza das áreas para cultivo feito por agricultores que utilizam uma técnica conhecida por coivara e consiste na queima, seguido da retirada do material para implantação da cultura. Nesta atividade não há utilização de insumos para fertilização do sistema o que agrava o processo de degradação e empobrecimento do solo. Na Amazônia o fogo é um dos instrumentos mais utilizados nas atividades produtivas pela cultura do corte-queima para a limpeza de roçados e transformação da floresta em pastagem. O impacto ambiental das queimadas envolve a fertilidade dos solos, a destruição da biodiversidade, a fragilização de agroecossistemas, a destruição de linhas de transmissão, a qualidade do ar e de visibilidade (ACRE, 2010b).

18 17 Normalmente, nessas áreas que utilizam esse tipo de técnica é feita a rotação de cultura nos três primeiros anos, após isso as áreas são abandonadas e os agricultores buscam novas localidades, o que acarreta em mais áreas desmatadas e com posterior degradação. A queimada é a principal causa da perda na qualidade das características edáficas, pois há melhoria nos primeiros meses, após isso há um desgaste na fertilidade do solo. No estado do Acre são poucos os estudos realizados em que comparam diferentes sistemas de uso do solo, surgindo então à necessidade de pesquisas que confirmem a adoção de práticas sustentáveis e de sistemas que favoreçam a utilização do solo por um período mais longo. Sendo assim, justifica-se a execução desse trabalho para que as análises provenientes desse estudo possam fornecer informações sobre a comparação química do solo e com isso observar a fertilidade do solo de diferentes sistemas de uso do solo. 1.1 Objetivo geral Fornecer subsídios técnicos-científicos da caracterização vegetativa e comparação das características químicas do solo de diferentes sistemas de uso em Cruzeiro do Sul, Acre.

19 Objetivos específicos a) Caracterizar a vegetação dos diferentes sistemas de uso do solo; b) Determinar e comparar os teores de M.O, P, K, Ca, Mg, Al de um quintal agroflorestal, de uma floresta natural, de um cultivo agrícola e de uma pastagem; c) Analisar a distribuição espacial dos teores de M.O, P, K, Ca, Mg, Al em um quintal agroflorestal, uma floresta natural, um cultivo agrícola e uma pastagem, em locais não amostrados.

20 19 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Conceitos e considerações de sistemas agroflorestais Os sistemas agroflorestais surgiram nas regiões tropicais da Ásia com o tradicional Sistema Taungya onde plantios florestais eram associados a culturas anuais. No Brasil as primeiras divulgações de sistemas agroflorestais com livros e artigos foram feitas por Jean Dubois na década de 60 e posteriormente, foram realizados trabalhos no Rio de Janeiro com a criação da Rede Brasileira Agroflorestal (REBRAF) (MACEDO; VALE; VENTURIN, 2010). Porém, em 1918 já existiam trabalhos que podem ser considerados sistemas agroflorestais e consistiam em associação de pastagem com floresta e criação de ovinos e uso apícola (MACEDO; VALE; VENTURIN, 2010). No entanto, foi em 1962 em trabalhos realizados por Gurgel Filho, com a cultura do Eucalyptus alba, consorciado com o milho que se iniciaram os primeiros trabalhos científicos. A partir da década de 70 os SAF s passaram, a fazer parte das propriedades privadas e das estações experimentais na Amazônia, no Nordeste, no Sudeste e no Sul do Brasil, principalmente incentivados por ações da EMBRAPA. Os sistemas agroflorestais (SAF s) podem ser definidos como técnicas alternativas de uso da terra, que implicam na combinação de espécies florestais com culturas agrícolas, atividades pecuárias ou ambas. Desse modo, Nair (1993) destaca que se trata de um sistema dinâmico baseado no manejo de recursos naturais, que por meio da integração nas propriedades rurais com árvores, cultivos agrícolas e animais, diversifica e contribui para a sustentabilidade da produção, promovendo o aumento significativo dos benefícios ambientais econômicos e sociais para as propriedades rurais.

21 20 São várias as classificações que têm sido propostas, algumas simples e outras complexas, com terminologias que provocam controvérsias (JONHSON; NAIR, 1985; NAIR; DAGAR, 1991). No entanto, são três os tipos de SAF s reconhecidos na literatura: silviagrícola, que combina árvores com culturas agrícolas, também chamados de agrosilvícolas ou agrossilviculturais; silvipastoril que combina árvores com pasto e consequentemente introdução de animais e agrossilvipastoril que é a combinação dos dois anteriores, espécies florestas/agrícolas/animais (COMBE; BUDOWSKI, 1979; NAIR; DAGAR, 1991). Não é necessário o sistema conter esses 3 componentes, mas é de obrigatoriedade conter uma espécie florestal associado a um desses cultivos para ser considerado SAF. Conforme citação de Combe e Budowski (1979), os sistemas agroflorestais (SAF s) apresentam um conjunto de técnicas alternativas de utilização dos recursos naturais, onde espécies florestais são associadas a cultivos agrícolas e/ou animais em uma mesma superfície. Essas consorciações podem ser instaladas e manejadas de maneira simultânea/sequencial no espaço e podem ter o caráter temporário ou permanente. Abdo, Valeri e Martins (2008) definiram que os SAF s sequenciais ocorrem de forma que haja um intervalo de tempo entre a colheita da primeira cultura e a semeadura da cultura subsequente. Já para os simultâneos existem várias situações: duas culturas com a mesma época de plantio e colheita (SAF coincidente), culturas de mesma época de semeadura e épocas diferentes de colheita (concomitantes). Os sistemas agroflorestais são vistos como alternativa promissora para propriedades rurais dos países em desenvolvimento. Pela integração da floresta com culturas agrícolas e com a pecuária, esse sistema oferece uma alternância de

22 21 produtos e produção ao longo do tempo, gerando a possibilidade de renda contínua (ALMEIDA et al., 1995; SANTOS, 2000). De acordo com definição descrita por Engel (1999) um sistema agroflorestal é definido como um sistema agropecuário diferenciado, na verdade o autor enfatizou que um sistema agroflorestal se caracteriza por ter um componente arbóreo ou lenhoso, o qual tem um papel fundamental, podendo desempenhar a função de produção e proteção. Essa afirmação está de acordo com o que foi citado por Abdo, Valeri e Martins (2008), que levando em consideração os aspectos ecológicos e econômicos, os SAF s podem ser classificados como protecionistas ou produtivos, estes, quando visam à comercialização dos produtos obtidos. Para Kageyama (1999), o conceito mais tradicional de SAF apontava que o simples fato de juntar uma espécie agrícola com uma florestal já caracterizava esse tipo de sistema, levantando-se a vantagem de maximizar a utilização do espaço aéreo e radicular. Isto representou de fato, o início de um movimento em favor do plantio consorciado que hoje tem culminado num sistema multi-espécies, imitando a alta diversidade natural, principalmente nos ecossistemas tropicais. Outra definição desse sistema descrito por Abdo, Valeri e Martins (2008) é que os sistemas agroflorestais constituem sistemas de uso e ocupação do solo em que plantas lenhosas perenes (árvores, arbustos, palmeiras) são manejadas em associação com plantas herbáceas, culturas agrícolas e/ou forrageiras e/ou em integração com animais, em uma mesma unidade de manejo, de acordo com a disposição, arranjo espacial e temporal, contendo uma alta diversidade de espécies e interações ecológicas entre estes componentes. Altieri (2002, p. 229) define um sistema agroflorestal como:

23 22 O Sistema Agroflorestal é um sistema sustentável de manejo de solo e de plantas que procura aumentar a produção de forma contínua, combinando produção de árvores (incluindo frutíferas e outras) com espécies agrícolas e animais, simultaneamente ou sequencialmente, na mesma área, utilizando práticas de manejo compatíveis com a cultura da população local. De acordo com Altieri (2002), qualquer que seja a definição é consenso que o Sistema Agroflorestal representa um conceito de uso integrado da terra, particularmente adequado às áreas marginais e a sistemas de baixo uso de insumos. Uma das vantagens dos sistemas agroflorestais citados por Viana, Dubois e Anderson (1996) deve-se principalmente ao fato de que muitas árvores e arbustos utilizados nestes sistemas têm também a função de adubar, proteger e conservar o solo. Esse tipo de sistema é quase sempre manejado sem aplicação de agrotóxicos ou requerem quantidades mínimas dessas substâncias químicas. Os efeitos negativos sobre o ambiente são mínimos. Dentre os sistemas agroflorestais citam-se os quintais agroflorestais (QA) que estão inseridos dentro das classificações de SAF. Segundo Wiersum (1982), os quintais agroflorestais são uma forma de uso da terra em propriedade particular, na qual várias espécies de árvores são cultivadas, juntamente com culturas perenes e anuais, e, ocasionalmente, criação de pequenos animais, ao redor da casa. Segundo a definição de Nair (1986), os quintais agroflorestais representam uma unidade agrícola de uso tradicional do solo, considerada como uma das formas mais antigas de uso da terra, promovendo a sustentabilidade. O autor afirmou que esse tipo de sistema era utilizado principalmente pelos índios. Sua principal finalidade é a produção de alimento para complementação da dieta familiar e as práticas de manejo são consideradas ecologicamente sustentáveis.

24 23 Fernandes e Nair (1996) afirmam que esse tipo de sistema pode ser compreendido como parte integrante de sistemas agroflorestais que envolvem o cultivo de plantas lenhosas, associado à prática de monocultura e à criação de animais domésticos em uma determinada área. Esse tipo de sistema, também chamado de horto caseiro ou pomar caseiro, consiste na associação de espécies florestais, agrícolas, medicinais, ornamentais e animais ao redor da residência, com o objetivo de fornecer várias formas de bens e serviços (LUNZ, 2007). Os QA consistem na área ao redor das casas, aonde são realizadas atividades sociais e são encontradas plantas frutíferas, medicinais, olerícolas e ornamentais, sendo uma fonte importante de complementação de recursos. São caracterizados pela produção intensiva em quantidade e variedade em uma área reduzida. Promovem, portanto, um importante complemento da nutrição, saúde e outras necessidades humanas (CABALLERO, 1992; GUIMARÃES, 1998).As pessoas responsáveis pelos quintais têm um alto grau de conhecimento sobre o seu manejo e zonificação (GAMERO; LOK; SOMARRIBA, 1996). Para Víquez et al. (1994), os QA requerem baixos insumos e representam uma fonte alternativa de renda, caracterizando-se como uma atividade potencial para a obtenção de alimentos e para suprir as necessidades de lenha e madeira da família. É evidente a importância dos quintais sob vários aspectos, mas pouca atenção ainda tem sido dada a essas práticas, especialmente no Brasil. Para ter uma ideia, só na Ásia até a década de 90, os quintais foram objeto de estudo em aproximadamente 40% das publicações, sendo a maioria de cunho qualitativo, descrevendo o ambiente, sua composição florística e função (NAIR, 2004). Macedo (2000) cita que os sistemas agroflorestais baseiam-se no princípio ecológico, denominado biodinâmica da sobrevivência, devido o maior aproveitamento da energia solar vital, por meio da multiestratificação

25 24 diferenciada de uma grande diversidade de espécies de usos múltiplos, as quais exploram os perfis verticais e horizontais da paisagem, visando à utilização e recirculação dos potenciais produtivos dos ecossistemas. Essa afirmação feita por Macedo vai ao encontro do que disse Costantin (2005), que afirma que os quintais agroflorestais possuem sustentabilidade ecológica e biológica, associado a um alto grau de aceitabilidade social, devido à diversificação em sua produção, redução dos riscos de perda da produção, aumento da eficiência de mão-de-obra, à boa ciclagem de nutrientes e à redução da erosão em função da boa cobertura, proporcionando proteção. De acordo com afirmação feita por Dubois, Viana e Anderson (1996, p. 54), Os quintais agroflorestais são o modelo de SAF mais antigo e comum encontra doem todo trópico úmido. O quintal agroflorestal caracteriza-se pelo trabalho feminino, pois a mulher é responsável pela alimentação e os produtos desse quintal influenciam diretamente na dieta alimentar da família (frutas, hortaliças, condimentos, plantas medicinais, pequenos animais). O excesso de produção deste quintal pode ser comercializado, sendo este, visto como uma ajuda da esposa ao marido no orçamento doméstico. Trabalho realizado por Rondon Neto et al. (2004) concluiu que em 60% das propriedades analisadas, a tarefa de cultivar e manejar os quintais, é atribuição das donas de casa e nos demais estabelecimentos há a participação do marido, dos filhos e das mulheres. Os quintais agroflorestais podem apresentar diferentes tamanhos, de acordo com a classificação de vários autores, mostrando tamanho variável em diversas localidades do mundo (Tabela 1).

26 25 Tabela 1 Tamanho de quintais agroflorestais, segundo a classificação de vários autores Autores País Estado/Local Tamanho (ha) Price (1983) Costa Rica 0,005 1 Geilfus (1989) Tanzânia Chagga 0,7 Geilfus (1989) Ilha de Granada Caribe 0,2 Prado e Callero Nicarágua 0,7 3,5 (1993) Dubois, Viana e Brasil Amazônia 1 Anderson (1996) Rosa et al. (1998b) Brasil Benevides (PA) 6,4 Rosa et al. (1998a) Brasil Rio Pedreira (AP) 3,2 Gama, Gama e Brasil Bragança (PA) 1,8 Tourinho (1999) Costa, Ximenes e Brasil Baixo Amazonas 0,075 Mcgrath(2002) Wazel e Bender Cuba Oeste 0,06 (2003) Kehlenbeck e Indonésia 0,024 2,4 Maass (2004) Rondon Neto et al. Brasil Paraná 0,025 (2004) Das e Das (2005) Índia Assam 0,02 1,2 Alam e Masum Bangladesh 0,43 4,25 (2005) Gazel Filho (2008) Brasil Manzagão (AP) 0,35 0,82 Gomes (2010) Brasil Irati (PR) 0,02 0,1 Neves et al. (2011) Brasil Cruzeiro do Sul (AC) 0,85 Dessa forma, observa-se que não há um tamanho padrão para caracterizar os quintais agroflorestais. Conforme Gunderson (2000) o que define um quintal agroflorestal é a sua funcionalidade ecológica, ou seja, sua biodiversidade funcional entendida como diversidade associada às funções ecológicas desempenhadas por espécies.

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Tecnologia, Manejo e SAFs para

Tecnologia, Manejo e SAFs para Tecnologia, Manejo e SAFs para Implantação de APPs e RL Avanços da pesquisa com espécies nativas Profa. Dra. Vera Lex Engel UNESP-FCA, Campus de Botucatu Departamento de Recursos Naturais veralex@fca.unesp.br

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais MINUTA DE RESOLUÇÃO Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Situações I - APPs localizadas em pequena propriedade ou posse rural familiar desprovidas de vegetação

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

SISTEMAS AGROFLORESTAIS

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS AGROFLORESTAIS O que é Sistema Agroflorestal? Sistema agroflorestal é uma forma de uso da terra na qual se combinam espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 Florestas Energéticas Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 O IAPAR Vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB), é o órgão de pesquisa que da embasamento tecnológico

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS Paulo Sérgio Rabello de Oliveira Docente no Centro de Ciências Agrárias Marechal Cândido Rondon/PR Tópicos Capacidade de uso das terras Conceitos básicos

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS.

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. EIXO TEMÁTICO: Tecnologias PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. Gabriella de Oliveira Daniel 1 Julia Lopes da Silva 2 Lorena Gamboa Abadia 3 Marina Ferracioli

Leia mais

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE)

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) MAIO 2014 + Agenda Horário Atividade Facilitador 10:00 Boas Vindas e

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia

Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia Seeds use by organic farmers of São Paulo State: comparison

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu.

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Município de Ituiutaba MG Laíza Castro Brumano Viçoso Bolsista de IC/ FAPEMIG - Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: laizabrumano@hotmail.com

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS COM ERNST GÖTSCH E MUTIRÃO AGROFLORESTAL OBJETIVO DO CURSO Contribuir para a construção de sociedades sustentáveis

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal PLANO DE CURSO Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou.

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das propriedades rurais Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. O projeto O Projeto de Adequação Socioeconômica e Ambiental

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Povos Tradicionais e Indígenas da Amazônia Brasileira

Povos Tradicionais e Indígenas da Amazônia Brasileira Povos Tradicionais e Indígenas da Amazônia Brasileira Beneficiários dos Pagamentos por Serviços Ambientais Mary Helena Allegretti Katoomba Group GVces Outubro 2006 Populações tradicionais e indígenas protegem

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO Gabriela Victória Corrêa da Silva 1, Jessica Maria Klemp Moura, Marcelo Sacardi Biudes, Nadja Gomes Machado 1 Laboratório de Biologia da Conservação,

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

151 - ONG Verdejar: agroecologia e preservação ambiental no subúrbio de uma métropole

151 - ONG Verdejar: agroecologia e preservação ambiental no subúrbio de uma métropole 151 - ONG Verdejar: agroecologia e preservação ambiental no subúrbio de uma métropole GUIA, Eric Vidal Ferreira da. UFRJ, voitakus@hotmail.com. Resumo O trabalho da ONG verdejar surgiu em 1997 por iniciativas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) ATENÇÃO O DOCUMENTO DEVE CONTER,

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais