Portuguese-English Edition. Edição Português-Inglês. Brasil. Fazendo negócios. Doing Business

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portuguese-English Edition. Edição Português-Inglês. Brasil. Fazendo negócios. Doing Business"

Transcrição

1 Doing Business Fazendo negócios Brasil Edição Português-Inglês Portuguese-English Edition

2 Tributação - Brasil Português - English índice Estrutura políticoeconômica Brasileira e do Mercosul Political & economic structure: Brazil and Mercosur Capital estrangeiro Foreign capital Modalidades societárias Corporate modalities Tributação Taxation Regimes e encargos trabalhistas Labor systems and incumbencies Vistos Visas Propriedade industrial Industrial property Lei antitruste Antitrust law Aquisição de bens imóveis no Brasil Acquisition of real estate in Brazil Direito do consumidor Consumer rights

3 Português expediente Elaborado sob a coordenação de/ Coordinated by: Léo Rosenbaum Rosenbaum Advocacia Com a colaboração de/collaborators: Renato Ochman Ochman, Real Amadeo Advogados Lionel Zaclis Barreto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados Beno Suchodolski Suchodolski Advogados Associados Realização Blumberg Editora Ltda. André Blumberg Edição e Revisão/Editing and Proofreading: Tania Plapler Tarandach Tradução/Translation: Lilia Wachsmann Projeto Gráfico e Produção/Design and Production: Smart Propaganda Diretor de Criação/Creative Director: Gilberto Sato Diretor de Arte/Art Director: Gilberto Gouveia Coordenação/Coordinator: Priscila Seabra Impressão/Printed by: Vox Editora Câmara Brasil-Israel de Comércio e Indústria Rua Caçapava, 150 3º andar sala 3 CEP São Paulo SP Brasil Fone e Fax: (55 11) Fazendo Negócios Este trabalho, cujos direitos autorais pertencem exclusivamente à Câmara Brasil- Israel de Comércio e Indústria, foi elaborado por escritórios associados à entidade e tem por objetivo consolidar os principais aspectos jurídicos brasileiros com as informações básicas necessárias para empresas israelenses que têm interesse em se instalar no mercado brasileiro. Doing Business The copyrights of this material belong exclusively to the Brazil-Israel Chamber of Commerce and Industry, and was drafted by Law Offices associated to the Chamber in order to provide Israeli companies with basic information on the Brazilian legal system, in order to foster Israeli investments in Brazil. editorial Neste início do século XXI, as relações comerciais entre o Brasil e o Estado de Israel têm desenvolvido uma curva ascendente. A assinatura do tratado Mercosul-Israel, em dezembro de 2007, refletirá nos próximos anos num avanço ainda maior nesse relacionamento. A Câmara Brasil-Israel de Comércio e Indústria tem como missão incentivar o intercâmbio entre os dois países, ampliando as sociedades comerciais e industriais, assim como a divulgação dos avanços tecnológicos, que propiciam o encontro de parcerias cada vez mais frutíferas, assim como o desenvolvimento de ações que levem ao aprofundamento dessas afinidades. No intuito de colaborar com esse caminho de mão dupla, apresentamos Doing Business/Fazendo Negócios, este guia editado pela Câmara Brasil-Israel de Comércio e Indústria, com informações detalhadas sobre os principais tópicos que envolvem os primeiros passos para a concretização de futuras parcerias. Escrito por profissionais de renomados escritórios de advocacia nacionais e internacionais --, com tradução para o inglês, este guia aborda os aspectos das leis brasileiras e israelenses que devem ser do conhecimento de empresários interessados em iniciar o contato comercial, seja no Brasil ou em Israel. Contribuímos, assim, para a facilitação do diálogo e o desenvolvimento de bons negócios. Esperamos que Doing Business/Fazendo Negócios seja proveitoso! Jayme Blay Presidente

4 Estrutura Político-Econômica Brasileira e do Mercosul - Brasil Português 1. ESTRUTURA POLÍTICO-ECONÔMICA BRASILEIRA E DO MERCOSUL Brasil PORQUE INVESTIR Localização e Mercado: O Brasil possui uma área territorial de ,599 Km 2 e uma população de cerca de 190 milhões de habitantes, com um PIB medido, em PPP, representando 35% do total da América Latina. Em 2007, alcançou mais de US$ 2 trilhões de PPP. Crescimento Sustentado: O mercado de consumo supera 900 milhões de potenciais consumidores, considerando Brasil, América Latina e América do Norte. A taxa de crescimento do PIB atingiu 5,3% em 2007, tendo as exportações brasileiras colaborado, desde 2003, com este crescimento e aumentado a participação nacional no comércio mundial. Inovação e Tecnologia: O Brasil apresenta um diferencial competitivo nos setores de construção de aeronaves, exploração de petróleo em águas profundas e desenvolvimento de software. A taxa de crescimento do número de computadores entre 2002 e 2007, foi superior a 120%, com mais de 29 (vinte e nove) milhões de computadores pessoais, o que representa 40% do total existente na América Latina, o mesmo acontecendo com o acesso à Internet. Neste segmento, nos últimos 5 (cinco) anos, o Brasil cresceu importantes 270%, atingindo 53 (cinqüenta e três) milhões de usuários. O País consolidou-se internacionalmente como produtor de combustível à base de etanol e biodiesel. Infra-estrutura: São 70 (setenta) aeroportos, que atendem mais de 75 (setenta e cinco) milhões de passageiros/ano, 54 (cinquenta e quatro) portos com capacidade para mais de 500 (quinhentos) milhões de toneladas/ano, km de ferrovias e a terceira maior malha rodoviária do mundo, com expressivos 1,6 milhões de km. A perspectiva é que, até 2010, através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal, serão feitos investimentos de US$ 16,5 (dezesseis e meio bilhões de dólares) em rodovias, US$ 3,9 (três bilhões e novecentos mil dólares) em ferrovias e US$ 1,3 (um bilhão e trezentos mil dólares) em portos. São mais de 135 (cento e trinta e cinco milhões) de assinantes no Serviço Móvel Pessoal (SMP), com aproximadamente 42 (quarenta e dois milhões) de linhas fixas e mais de um milhão de telefones públicos, em sua totalidade no padrão digital. Rentabilidade: Nos últimos anos, o retorno do investimento no Brasil tem superado a média de 26% anuais. A legislação permite liberdade para que empresas aqui instaladas remetam seus lucros para suas matrizes. Em 2007, o Brasil recebeu 30% do Investimento Estrangeiro Direto destinado à América Latina, resultando em uma taxa de crescimento de 99%. Capital Humano: A população brasileira economicamente ativa representa 36% do total da América Latina, somando 92 milhões de pessoas em O país conta, ainda, com aproximadamente 16 milhões de pessoas com formação superior inseridas em ocupações técnico-científicas, com um total de seis milhões de matrículas no ensino superior e técnico em Recursos: O Brasil é, hoje, um dos maiores produtores e exportadores de produtos agrícolas do mundo, sendo o maior produtor mundial de etanol, com 308 plantas de produção instaladas e responsáveis pela geração de 17,7 bilhões de litros/ano; maior produtor e exportador de café, cana-de-açúcar e suco de frutas, além de ser o maior exportador mundial de soja, carne, frango e couro. É o maior produtor mundial de minério de ferro, tendo se tornado recentemente auto-suficiente em petróleo. A matriz energética do Brasil tem 45% das suas fontes renováveis, enquanto no mundo esta razão é de 14%. ACORDO DE LIVRE COMÉRCIO MERCOSUL-ISRAEL O Mercosul e Israel assinaram, em 18 de dezembro de 2007, em Montevidéu, o Acordo de Livre Comércio (ALC), finalizando um processo de negociações iniciado em Foi o primeiro acordo de livre comércio com parceiro extra-regional. O Acordo cobre os seguintes temas: comércio de bens, regras de origem, salvaguardas, cooperação em normas técnicas, cooperação em normas sanitárias e fitossanitárias, cooperação tecnológica e técnica e cooperação aduaneira. O ALC tem cestas nas seguintes categorias: A (desgravação imediata), B (quatro anos), C (oito anos), D (dez anos) e E (quotas ou margens de referência). A oferta israelense para o Mercosul nas cestas A a D cobre 95% do total das exportações brasileiras (sendo que Israel ofertou, na cesta A, 75% de suas linhas tarifárias). A oferta do Mercosul para Israel, nas cestas A a D, cobre 92% do volume importado pelo Brasil daquele país (sendo que o Mercosul ofertou 35% de suas linhas tarifárias na cesta C, 27% na D e 24% na A). Para entrar em vigor, o ALC depende da aprovação dos Congressos Nacionais dos países envolvidos. No Brasil, a expectativa é que seja aprovado até o final de A Câmara Brasil-Israel de Comércio e Indústria está preparada para assessorar empresários interessados em diferentes oportunidades e será o foro adequado para a confluência dos interesses comerciais israelenses e brasileiros. A íntegra do acordo, além de outras considerações, está no site da Câmara:

5 Capital Estrangeiro - Brasil Português exterior, integralizadas ou adquiridas na forma da legislação em vigor, bem como o capital destacado de empresas estrangeiras autorizadas a operar no País. Cumpre destacar também as aplicações de capital estrangeiro nos mercados financeiros e de capitais (chamadas de investimentos em portfólio) regulamentadas pela Resolução n do Conselho Monetário Nacional (CMN) e pelas Circulares BACEN n s e 2.975, de Tanto investidores institucionais quanto investidores individuais podem investir no mercado financeiro e de capitais brasileiro. É necessário, entretanto, que o investidor estrangeiro nomeie um representante para ficar responsável pela prestação de informações e registros perante o Banco Central do Brasil e perante a Comissão de Valores Mobiliários. Se este representante for pessoa não financeira, o investidor deve nomear também uma instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil, a qual ficará co-responsável pelo cumprimento de suas obrigações. 2. CAPITAL ESTRANGEIRO Por Renato Ochman e Lisandra Caloghero Pereira Brasil - Ochman, Real Amadeo Advogados 2.1. Legislação O capital estrangeiro no Brasil é regido pelas leis 4.131, de 3 de setembro de 1962, e 4.390, de 29 de outubro de 1964, ambas regulamentadas pelo Decreto , de 17 de fevereiro de Conceito O artigo 1 da Lei n 4.131, de 3 de setembro de 1962, define como sendo capital estrangeiro, os bens, as máquinas e os equipamentos entrados no Brasil sem dispêndio inicial de divisas, destinados à produção de bens ou serviços, bem como os recursos financeiros ou monetários introduzidos no país para aplicação em atividades econômicas desde que, em ambas as hipóteses, pertençam a pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no exterior. A esse capital estrangeiro investido no País, a lei brasileira confere tratamento idêntico ao capital nacional, em igualdade de condições, sendo vedada qualquer forma de discriminação. Das várias modalidades de capital estrangeiro existentes, chamamos a atenção para aqueles que ingressarem no País sob a forma de investimento direto ou de empréstimo, seja ele em moeda, seja em bens, pois constituem a maior parte do ingresso de capital em países em desenvolvimento. A Circular BACEN n 2997/00 define o Investimento Estrangeiro Direto (IED) como sendo as participações no capital social de empresas no País, pertencentes a pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no 2.3. Registro Todo capital estrangeiro deve ser registrado. Somente com o registro se tornam possíveis quaisquer movimentações de recursos recebidos e remetidos ao exterior, destacando-se a remessa dos lucros, dividendos, juros sobre o capital próprio, reinvestimento desse lucro na empresa receptora em que foram gerados, o repatriamento de capital, dentre outros. Referido registro deve ser efetuado perante o Banco Central do Brasil, em seu Sistema de Informações (SISBACEN), através do Módulo RDE-IED (Registro Declaratório Eletrônico Investimento Externo Direto). O registro é de responsabilidade da empresa receptora do investimento externo direto e do investidor estrangeiro, através de seu representante no País. Se as informações a serem prestadas forem omitidas, se estiverem incorretas e/ou incompletas, ou ainda, forem prestadas fora do prazo, os responsáveis pelo registro estarão sujeitos às penalidades previstas em lei, podendo ocasionar a suspensão ou cancelamento do respectivo registro. O registro deve ser feito no prazo de 30 (trinta) dias contados da data de seu ingresso no País. Exceções: 1) registro de investimentos em bens tangíveis = 90 dias contados da data do desembaraço alfandegário; 2) adiantamento para futuro aumento de capital. O artigo 4 da Lei 4.131/1962 dispõe que o registro será efetuado na moeda do país de origem. No caso de reinvestimento de lucro, o registro será feito, simultaneamente, em moeda nacional e na moeda do país para o qual poderiam ter sido remetidos. Quando se tratar de capital representado por bens, na falta de comprovantes satisfatórios, o registro será feito segundo os valores apurados na contabilidade da empresa receptora do capital ou ainda pelo critério de avaliação que for determinado em regulamento. O registro do capital estrangeiro não se sujeita à prévia análise do Banco Central do Brasil. Recomendamos que seja feita sempre uma consulta prévia à legislação específica, face as constantes atualizações recebidas. Importante ressaltar que, em algumas atividades empresariais no Brasil, é vedada ou restrita a participação de investidores estrangeiros.

6 10 Modalidades Societárias - Brasil Português 11 titua elemento de empresa, será objeto da sociedade simples. Seus sócios poderão ser responsabilizados subsidiariamente pelas obrigações sociais, se os bens sociais não forem suficientes para cobrirem o montante da dívida. Admite-se, no entanto, que o contrato estipule regras de responsabilidade solidária. As sociedades simples, bem como as empresárias, podem ainda constituir-se de conformidade com os tipos societários abaixo relacionados, ressalvado que a sociedade simples não poderá estruturar-se na forma de sociedade anônima, tão pouco na forma de comandita por ações, por estas últimas possuirem natureza essencialmente empresária. 3. MODALIDADES SOCIETÁRIAS Por Renato Ochman e Lisandra Caloghero Pereira Brasil - Ochman, Real Amadeo Advogados 3.1. Introdução Nos termos do artigo 981 do Código Civil Brasileiro, celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados Sociedades Personificadas A lei brasileira confere personalidade jurídica às sociedades a partir da inscrição de seus atos constitutivos no registro competente - o empresário e a sociedade empresária sujeitam-se ao Registro Público de Empresas Mercantis a cargo das Juntas Comerciais (órgãos de jurisdição estadual) e a sociedade simples ao Registro Civil das Pessoas Jurídicas. O patrimônio da sociedade não se confunde com o patrimônio de seus sócios. No entanto, quando verificado o uso abusivo da sociedade, caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela confusão patrimonial, conforme previsto no artigo 50 do Código Civil Brasileiro, poderá o juiz levantar o véu da pessoa jurídica para atingir os bens particulares dos sócios, de forma a impedir a concretização de fraude à lei ou contra terceiros. Dependendo do objeto da sociedade, ela poderá ser empresária ou simples. Será empresária a sociedade que tiver por objeto o exercício de atividades próprias de empresário, ou seja, o exercício profissional de atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou serviços. Nas demais hipóteses, a sociedade será simples. A única exceção que se faz é quanto à sociedade anônima e à cooperativa em que, independentemente de sua finalidade, serão consideradas, respectivamente, empresária e simples Sociedade Simples (artigos 997 a do Código Civil Brasileiro) O legislador contemplou às sociedades que tenham por objetivo outras atividades, que não as de um empresário, o tipo societário simples. Sendo assim, o exercício de atividades intelectuais, de natureza científica, literária ou artística, desde que não cons Sociedade em Nome Coletivo (artigos a do Código Civil Brasileiro) Somente as pessoas físicas podem figurar como sócias desta modalidade societária, respondendo solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais. A administração da sociedade em nome coletivo deve, necessariamente, ser exercida por seus sócios Sociedade em Comandita Simples (artigos a do Código Civil Brasileiro) Na sociedade em comandita simples, temos 2 (duas) categorias de sócios que devem ser discriminados no contrato, quais sejam: os sócios comanditados e os sócios comanditários. Os sócios comanditados só podem ser pessoas físicas, são responsáveis solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais e a eles compete a administração da sociedade. Já os sócios comanditários podem ser pessoas físicas ou jurídicas e sua responsabilidade é limitada às suas contribuições ao capital social Sociedade Limitada (artigos a do Código Civil Brasileiro) É a modalidade societária predominante no Brasil. Na sociedade limitada, o capital social é dividido em quotas, iguais ou desiguais, cabendo uma ou diversas delas a cada sócio. São necessários, no mínimo, dois sócios, podendo estes ser pessoas físicas ou jurídicas. A responsabilidade de cada sócio, nos termos do artigo do Código Civil Brasileiro, é restrita ao valor de suas quotas, porém todos respondem solidariamente pela integralização do capital social. A única restrição é que na sociedade limitada é vedada a contribuição que consista em prestação de serviços. A administração deste tipo societário poderá ser exercida por pessoas físicas, sejam elas sócias ou não da sociedade. Por fim, é necessário mencionar que as sociedades limitadas poderão adotar supletivamente as normas das sociedades anônimas, que veremos a seguir Sociedade Anônima (artigos a do Código Civil Brasileiro; Lei n 6.404/1976 e suas posteriores alterações) Outro tipo societário de grande incidência no Brasil é a sociedade anônima. A sociedade anônima ou companhia tem o capital dividido em ações e a responsabilidade de

7 12 Modalidades Societárias - Brasil Português 13 seus sócios será limitada ao preço de emissão das ações subscritas ou adquiridas, devendo ter, no mínimo, dois acionistas, pessoas físicas ou jurídicas. A companhia será aberta ou fechada conforme os valores mobiliários de sua emissão estejam ou não admitidos à negociação no mercado de valores mobiliários. As ações, por sua vez, devem ser nominativas e podem ser de diferentes espécies: (a) ordinárias: são obrigatórias em todas as companhias e conferem aos seus titulares o direito de voto nas deliberações sociais; (b) preferenciais: seus titulares podem não ter o direito de voto ou tê-lo de modo restrito. Em compensação, poderão ser instituídas a estas, vantagens especiais como, por exemplo, a prioridade na distribuição de dividendos ou ainda no reembolso de capital. Não se admite a constituição de uma sociedade anônima composta apenas por ações preferenciais, sua quantidade é limitada pelo legislador. Atualmente o número de ações preferenciais de uma companhia não pode ultrapassar 50% do total das ações emitidas; e (c) de fruição: são aquelas resultantes da amortização das ações ordinárias e/ou preferenciais. Admite-se na sociedade anônima que os acionistas celebrem um acordo para regular a compra e venda de ações e a preferência para adquiri-las, o exercício do direito de voto ou do poder de controle. A este acordo de acionistas a lei confere a possibilidade de execução específica das obrigações ali assumidas. Os principais órgãos da sociedade por ações são: a assembléia geral, o conselho de administração, a diretoria e o conselho fiscal. A assembléia geral é órgão soberano à qual se reúnem os acionistas, na sede da sociedade, para deliberar acerca dos assuntos de sua competência, assim fixados em lei. A administração da companhia competirá ao Conselho de Administração e à Diretoria. O Conselho de Administração, órgão de deliberação colegiada, é obrigatório nas sociedades anônimas de capital aberto e nas de capital autorizado, sendo, portanto, facultativo nas companhias fechadas. A Diretoria, por sua vez, é indispensável em qualquer espécie de sociedade anônima, por constituir órgão de representação da companhia. Já o Conselho Fiscal, ainda que obrigatório no estatuto, poderá ter seu funcionamento permanente ou eventual e tem por finalidade fiscalizar os órgãos incumbidos da administração da sociedade, protegendo assim os interesses da companhia e, conseqüentemente, de seus acionistas Sociedade em Comandita por Ações (artigos a do Código Civil Brasileiro; artigos 280 a 284 da Lei n 6.404/1976) Aplica-se à sociedade em comandita por ações as mesmas disposições relativas às sociedades anônimas com algumas restrições, principalmente no tocante ao conselho de administração, autorização estatutária de aumento de capital e emissão de bônus de subscrição. O capital desta sociedade também é dividido em ações e tem como principal característica a responsabilidade subsidiária, ilimitada e solidária dos diretores ou gerentes. O cargo de diretor ou gerente só pode ser exercido por acionistas da sociedade e sua destituição se opera por deliberação de 2/3 (dois terços) do capital social. Por este motivo é que se proíbe, sem o consentimento dos diretores ou gerentes, a alteração do objetivo essencial da sociedade, bem como do seu prazo de duração, capital social, dentre outros Sociedade em Conta de Participação (artigos 991 a 996 do Código Civil Brasileiro) A lei não confere a esta sociedade personalidade jurídica. Na sociedade em conta de participação temos, também, 2 (dois) tipos de sócios: o sócio ostensivo e o sócio participante. O sócio ostensivo tem responsabilidade ilimitada e pessoal na medida em que assume as obrigações sociais em seu próprio nome. Os sócios participantes respondem somente perante os ostensivos, conforme pactuado entre eles e não perante terceiros. As contribuições ao patrimônio desta sociedade constituem um patrimônio especial. Caso o sócio ostensivo vir a falência, caracterizará a dissolução da sociedade em conta de participação. A prestação de contas ocorre na forma da lei processual Outras formas Finalmente, vale dizer que a legislação brasileira também confere personalidade jurídica às associações (união de pessoas para fins não lucrativos), fundações (destinadas a fins religiosos, morais, culturais ou de assistência) e cooperativas (constituídas para prestar serviços aos seus associados, não objetivam lucro e possuem particularidades próprias).

8 14 Tributação - Brasil Português 15 Os dividendos pagos e os lucros distribuídos, gerados a partir de janeiro de 1996, por empresas brasileiras a pessoas físicas ou jurídicas sediadas no Brasil ou no exterior não sofrem incidência do Imposto de Renda Retido na Fonte Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) A CSLL é outro tributo incidente sobre o lucro líquido ajustado, à alíquota de 9%. A ela se aplicam diversas regras do IRPJ, inclusive os métodos de apuração pelo Lucro Real, Presumido ou Arbitrado Contribuições para a Seguridade Social (PIS e COFINS) Essas contribuições incidem sobre o faturamento da empresa, entendido como o total da receita bruta auferida. As alíquotas de COFINS e PIS serão de 7,6% e 1,65%, respectivamente, quando a empresa apurar o IRPJ pelo lucro real e poderá abater créditos de PIS e COFINS calculados sobre despesas e custos relacionados à atividade da empresa. Caso a empresa adote a apuração pelo lucro presumido, a COFINS terá alíquota de 3% e o PIS de 0,65%, e não haverá possibilidade de utilização de créditos. Entretanto, as alíquotas de PIS/COFINS podem variar dependendo do tipo do produto comercializado e da prestação de serviços. 4. TRIBUTAÇÃO Por Lionel Zaclis Barreto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados A legislação brasileira prevê a incidência de diversos tributos, nas esferas Federal, Estadual e Municipal. Os mais relevantes são: 4.1. Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) O IRPJ incide à alíquota de 15% sobre o lucro líquido ajustado da empresa (lucro real). Caso esse lucro apurado no ano ultrapasse R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais) haverá incidência adicional de 10%. A legislação fiscal prevê três métodos de apuração do IRPJ: (i) A apuração pelo Lucro Real permite a dedução dos custos e despesas determinados na legislação tributária para fins de determinação da base de cálculo do imposto; (ii) A apuração pelo Lucro Presumido não permite a dedução das despesas incorridas pela empresa. A legislação brasileira presume a margem de lucro aplicável sobre a receita bruta da empresa. A margem de lucro presumido varia, dependendo da atividade da empresa, entre 1,6% a 32%. Para atividades industriais e comerciais, a margem de lucro presumido é de 8%. Há algumas restrições para se optar por esse método de apuração, por exemplo, a empresa deve ter receita bruta anual inferior a R$ ,00 (quarenta e oito milhões de reais); (iii) A apuração pelo Lucro Arbitrado aplica-se quando o contribuinte não mantém registro dos seus rendimentos, custos e despesas Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) A CIDE incide sobre remessas feitas ao exterior a título de: i) licença de uso ou aquisição de conhecimentos tecnológicos e transferência de tecnologia; ii) serviços técnicos e de assistência administrativa; e iii) royalties. A alíquota da contribuição é de 10%. O contribuinte é a empresa remetente Imposto de Importação (II) O II incide na importação de produtos e mercadorias ao Brasil. A alíquota varia conforme o tipo de produto importado. Sobre o valor CIF da importação, acrescido do II, há ainda a incidência do IPI, do ICMS e das Contribuições para a Seguridade Social (PIS e COFINS) Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) O IPI incide na saída de produtos industrializados, realizada por estabelecimento industrial ou equiparado a industrial e na entrada no Brasil de produtos importados. A alíquota do imposto depende do tipo do produto. O IPI também permite o abatimento dos créditos recolhidos nas operações anteriores, pois é um tributo não-cumulativo ICMS Incide sobre a circulação de mercadorias no mercado interno, na importação de produtos estrangeiros, sobre os serviços de comunicação e de transporte interestadual e intermunicipal. A alíquota do ICMS varia de acordo com o Estado e com o tipo da operação, sendo que, na maioria dos Estados, a alíquota interna gira em torno de 18% para

9 16 Tributação - Brasil Português 17 circulação e importação de mercadorias, e de 25% sobre os serviços de comunicação. É um tributo não-cumulativo, compensando-se créditos com débitos Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) O ISS incide sobre a prestação de determinados serviços. A alíquota varia entre 2% a 5%, dependendo do tipo do serviço e do município no qual o prestador de serviços está estabelecido Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) O IRPF incide sobre os rendimentos auferidos pela pessoa física, à alíquota progressiva de 15% a 27,5%. A legislação brasileira permite a dedução de algumas despesas determinadas em lei, para fins de apuração da base de cálculo do IRPF Acordos Internacionais para evitar a Dupla Tributação A incidência do Imposto de Renda e a fixação de suas alíquotas podem restar limitadas por Acordos Internacionais firmados pelo Brasil, a fim de evitar a Dupla Tributação. Segue a relação de países que firmaram Acordos Internacionais com o Brasil: África do Sul, Alemanha, Argentina, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, China, Coréia, Dinamarca, Equador, Espanha, Filipinas, Finlândia, França, Holanda, Hungria, Índia, Israel, Itália, Japão, Luxemburgo, México, Noruega, Portugal, República Checa e Eslováquia, Suécia e Ucrânia Acordo Internacional entre Brasil e Israel Brasil e Israel firmaram Acordo Internacional para evitar a Dupla Tributação para fins de Imposto de Renda em 2002, o qual foi promulgado no Brasil através do Decreto n 5.576, de 8 de novembro de REGIMES E ENCARGOS TRABALHISTAS Por Nina Bueno Lahoz Moya Rosenbaum Advocacia 5.1. Regras Gerais do Direito do Trabalho No Brasil, o Direito do Trabalho tem sua regulamentação estabelecida na Constituição Federal de 1988, e a base da legislação trabalhista encontra-se prevista na Consolidação das Leis do Trabalho (Decreto-lei no , de 1o de maio de 1943), conhecida internamente como CLT. Há ainda a previsão de leis específicas, bem como as Convenções Coletivas de cada categoria profissional, firmadas pelos sindicatos laborais, e as Convenções e Tratados Internacionais. A relação empregador e empregado se estabelece pelos denominados Contratos de Trabalho, que podem ser realizados de forma verbal ou escrita e que descrevem, de forma detalhada, os direitos e deveres de ambas as partes.

10 18 Regimes e Encargos Trabalhistas - Brasil Português 19 Para maior segurança das relações trabalhistas, aconselha-se que os Contratos de Trabalho se formalizem por escrito, garantindo às partes a possibilidade de registrarem os termos e condições do pacto laboral, definindo qual será a função do empregado, sua carga horária, seu salário e outros termos importantes que evitarão possíveis controvérsias durante a vigência deste contrato. Os Contratos de Trabalho podem ter diferentes períodos de duração, podendo ser por prazo indeterminado, sem um termo final definido, ou por prazo determinado, onde as partes ajustam uma data inicial e final ao contrato, podendo durar no máximo dois anos. A forma mais comum no Brasil é o contrato por prazo indeterminado. Diversos são os tipos de regimes trabalhistas que gerenciam a relação entre empregado e empregador, sendo que os principais são os contratos estabelecidos pela CLT e o contrato autônomo. A principal diferença entre o empregado e o trabalhador autônomo está na subordinação, pois o empregado é trabalhador subordinado, realizando suas tarefas para outrem que assume os riscos da atividade desenvolvida, enquanto o autônomo trabalha sem subordinação, por conta própria, suportando os riscos de sua atividade. Ademais, as relações trabalhistas contêm diferentes encargos que variam conforme o regime de trabalho escolhido, podendo haver Encargos Sociais e Encargos Trabalhistas. Os Encargos Sociais são taxas e contribuições pagas pelo empregador para financiamento das políticas públicas, que beneficiam de forma indireta o trabalhador, e incluem a Seguridade e Previdência Social INSS e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FGTS. Já os Encargos Trabalhistas são os valores pagos diretamente ao empregado, mensalmente ou no final de seu contrato de trabalho. Os empregados em regime celetista, estabelecidos na CLT, em regra recebem como encargos trabalhistas, além da carteira assinada a partir do primeiro dia de trabalho, um salário fixo ou variável, décimo terceiro salário, descanso semanal remunerado (DSR), intervalos, licenças, hora extra, adicional noturno, de insalubridade e de periculosidade, quando devidos, férias acrescidas do terço constitucional, salário família, aviso prévio, entre outros benefícios devidos em casos específicos. Ressalta-se, ainda, que ao iniciar o pacto laboral, o empregado assina um Contrato de Experiência, que não pode exceder o período de 90 (noventa) dias, podendo ser dividido em um período de 45 (quarenta e cinco) dias, prorrogável por mais 45 (quarenta e cinco) dias. Em outro plano, estão as relações trabalhistas autônomas, com regras, institutos e princípios jurídicos próprios. Os autônomos não estão sujeitos a um controle diário de sua jornada de trabalho e não há necessariamente uma exclusividade de prestação de serviços para determinado empregador, recebendo, em contrapartida dos serviços prestados, apenas seu salário e direitos previdenciários Encargos Sociais Seguridade e Previdência Social A Seguridade Social está destinada a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social. Já a Previdência Social, mediante contribuição, atenderá a: i) cobertura de eventos de doença, invalidez, morte, incluída os resultantes de acidente do trabalho, velhice e reclusão; ii) ajuda à manutenção dos dependentes dos segurados de baixa renda; proteção à maternidade, especialmente à gestante; iv) proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário; e v) pensão por morte de segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e dependentes Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FGTS É recolhido em um importe de 8% sobre o salário do trabalhador e, mensalmente, depositado em uma conta específica, que é bloqueada e só poderá ser movimentada quando o funcionário é demitido sem justa causa, ocasião em que recebe, ainda, uma multa de 40% sobre o FGTS já depositado ou 3 (três) anos após o pedido de demissão do empregado Encargos Trabalhistas Salário Montante definido ao início do contrato de trabalho, entre empregador e empregado Décimo Terceiro Salário Benefício correspondente a 1/12 do salário mensal do trabalhador. O benefício poderá ser pago em duas parcelas, sendo que a primeira até o dia 30 de novembro e a segunda parcela até o dia 20 de dezembro Descanso Semanal Remunerado (DSR) Todo trabalhador tem direito a repouso remunerado de no mínimo onze horas consecutivas para descanso - entre duas jornadas de trabalho, um descanso semanal de 24 horas consecutivas e nos feriados civis e religiosos de acordo com a tradição local. Existem diversos acordos coletivos de compensação de horas para que o sábado seja livre, totalizando uma carga horária mensal de 40 horas Intervalos O empregado tem direito a intervalos para descanso e refeição, variando conforme sua carga horária de trabalho Licenças As principais são licença paternidade, licença maternidade, licença para tratamento de saúde, entre outras Hora Extra A legislação trabalhista vigente estabelece que a duração normal do trabalho, salvo os casos especiais, é de 8 (oito) horas diárias ou 44 (quarenta e quatro) horas semanais, no máximo. Caso o empregado exceda este horário, receberá um adicional de, no mínimo, 50% sobre o valor da hora normal. Todavia, poderá a jornada diária de trabalho ser acrescida de horas suplementares, em número não excedente a duas, no máximo, para efeito

11 20 Regimes e Encargos Trabalhistas - Brasil Português 21 de serviço extraordinário, mediante acordo individual, acordo coletivo, convenção coletiva ou sentença normativa. Excepcionalmente, ocorrendo necessidade imperiosa, poderá ser prorrogada além do limite legalmente permitido Adicionais de Remuneração Os adicionais de remuneração incidem sobre as atividades penosas, insalubres e perigosas. Os percentuais variam entre 5% e 40%. O Adicional de Periculosidade é para os que trabalham com habitualidade em locais perigosos. São consideradas atividades perigosas, na forma da regularização aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem no contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado. O Adicional de Insalubridade incide para os que trabalham com habitualidade em locais insalubres ou em contato permanente com substâncias tóxicas, radioativas ou com risco de vida. Já o Adicional Noturno destina-se aos trabalhadores que efetuam serviços realizados entre as 22h00 de um dia às 5h00 do dia seguinte. A hora normal tem a duração de 60 (sessenta) minutos e a hora noturna, por disposição legal, nas atividades urbanas, é computada como sendo de 52 (cinqüenta e dois) minutos e 30 (trinta) segundos. Ou seja, cada hora noturna sofre a redução de 7 (sete) minutos e 30 (trinta) segundos ou ainda 12,5% sobre o valor da hora diurna Férias A cada 12 (doze) meses de trabalho, o trabalhador fará jus a 30 (trinta) dias de férias, recebendo o equivalente a um mês de salário. As férias podem ser acumuladas, até o máximo de 2 (dois) anos, no caso de necessidades do serviço, ressalvadas nas hipóteses em que haja legislação específica. Será concedido o Adicional de Férias (ou Abono Constitucional) que é a complementação correspondente a 1/3 (um terço) do período de férias, calculado sobre a remuneração Salário Família Benefício pago aos trabalhadores com salário mensal de até R$ 710,08 (setecentos e dez reais e oito centavos), para auxiliar no sustento dos filhos de até 14 (quatorze) anos incompletos ou inválidos. O valor do salário família será de R$ 24,23 (vinte e quatro reais e vinte e três reais), por filho, para quem ganhar até R$ 472,43 (quatrocentos e setenta e dois reais e quarenta e três centavos). Para o trabalhador que receber de R$ 472,44 (quatrocentos e setenta e dois reais e quarenta e quatro centavos) até R$ 710,08 (setecentos e dez reais e oito centavos), o valor do salário família por filho será de R$ R$ 17,07 (dezessete reais e sete centavos) Aviso Prévio A Constituição Federal garante ao trabalhador aviso prévio proporcional ao tempo de serviço. No caso dos trabalhadores que recebem salários mensalmente, o aviso deverá ser de, no mínimo, 30 (trinta) dias de antecedência. 6. VISTOS Por Edson Zular Zveibil Rosenbaum Advocacia O Brasil possui um acordo com Israel no sentido de não ser necessário visto prévio para turismo e/ou negócio. Por este motivo, o visto será classificado por ocasião da entrada do estrangeiro no País. Contudo, para exercer alguma atividade laboral no Brasil, assim como em qualquer país do mundo, o visto sempre será necessário Visto de Turista O Visto de Turista deverá ser utilizado única e exclusivamente para fins de lazer, sendo vedada qualquer atividade voltada a trabalho, remunerado ou não. Conforme mencionado acima, o visto será classificado por ocasião da entrada do estrangeiro no País Visto de Negócios Na hipótese em que o estrangeiro venha a negócios, para participar de reuniões, congressos e/ou contatos comerciais, por conta de sua empregadora no exterior, ou mesmo por conta própria, o visto correto é o de negócios. Conforme mencionado acima, o visto será classificado por ocasião da entrada do estrangeiro no país Visto Temporário de Trabalho Na hipótese em que o estrangeiro venha trabalhar no Brasil, deverá ser solicitado um Visto Temporário. Este tipo de visto está dividido nas seguintes categorias:

12 22 Vistos - Brasil Português Com Vínculo Empregatício CLT Nesta hipótese, o estrangeiro passa a integrar a folha de pagamento da empresa brasileira e o seu Contrato de Trabalho é regido pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT brasileira. Este visto pode ser autorizado por até 2 (dois) anos, possível de prorrogação por igual período, e transformado em permanente após 4 (quatro) anos, pelo Ministério da Justiça, sendo exigido que o estrangeiro tenha no mínimo 1 (um) ano de experiência profissional, caso tenha nível superior de ensino, e 2 (dois) anos para nível médio Sem Vínculo Empregatício Não havendo o vínculo empregatício, ou seja, permanecendo o estrangeiro empregado da empresa no exterior, o seu visto é autorizado com base em um Contrato de Transferência de Tecnologia, Assistência Técnica ou Cooperação Técnica, firmado entre a empresa brasileira e a empresa estrangeira. Será autorizado um visto de um ano, prorrogável por mais um ano. Para esta categoria é exigido o mínimo de 3 (três) anos de experiência na área de atuação, sendo vedada a prestação de serviços nas áreas administrativa, financeira e gerencial. Ainda, para prestação de serviços técnicos de curta duração, o visto é mais simplificado. O prazo será de 90 (noventa) dias e improrrogável Visto Permanente Este tipo de visto é destinado àqueles estrangeiros que venham ocupar cargo de Administrador ou Representante Legal em empresa brasileira, em que a empresa estrangeira tenha investido valor igual ou superior a U$ ,00 (duzentos mil dólares), a título de investimento de capital a longo prazo, devidamente registrado no Banco Central do Brasil. Também poderá ser concedido o Visto Permanente para administrador, com investimento igual ou superior a US$ ,00 (cinqüenta mil dólares), desde que a empresa brasileira apresente um plano de criação de, no mínimo, 10 (dez) novos empregos no prazo de 2 (dois) anos. O valor do investimento para a concessão de um Visto Permanente para Investidor Pessoa Física, foi reduzido para US$ ,00 (cinqüenta mil dólares), não sendo mais necessário apresentar um plano de absorção de mão de obra nacional. A critério do Conselho Nacional de Imigração, poderá ser concedido Visto Permanente a Investidor Pessoa Física, com investimento inferior a US$ ,00 (cinqüenta mil dólares), desde que seja apresentado um plano de absorção de mão de obra brasileira, de no mínimo 10 (dez) pessoas, para o período de 5 (cinco) anos. 7. PROPRIEDADE INDUSTRIAL Por Edson Zular Zveibil Rosenbaum Advocacia A proteção conferida no Brasil à propriedade industrial decorre da Constituição Federal, bem como de diversas leis federais e tratados internacionais assinados e ratificados pelo Brasil. A legislação brasileira está adequada aos padrões mínimos estipulados no TRIPS Trade Related Aspects of Intelectual Proprety Rights (Acordo Relativo aos Aspectos de Direitos de Propriedade Intelectual relacionados com o Comércio), elaborado pela OMC Organização Mundial do Comércio. O INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial é o órgão governamental responsável pela regulação e execução das normas de propriedade industrial, estabelecidas pela Lei no / Marcas O registro da marca no Brasil pode ser requerido como marca brasileira ou estrangeira, sendo que a marca estrangeira é registrada nos termos da Convenção de Paris, que estabelece um período de prioridade exclusiva de 6 (seis) meses, a contar do pedido de registro no país de origem, para que seu titular requeira o registro da mesma marca em outros países signatários. O uso da marca é essencial para sua proteção no Brasil, sendo que o registro caducará caso a marca não seja utilizada durante 5 (cinco) anos após a data de seu registro. Também caducará nos casos em que o uso seja interrompido por mais de 5 (cinco) anos consecutivos. O registro da marca será válido por 10 (dez) anos, sendo que tal proteção poderá ser renovada por períodos idênticos e sucessivos. Para requerer o registro de marca no Brasil é necessário apresentar alguns documentos ao INPI, dentre eles: (i) cópia certificada do pedido de registro ou do certificado da marca no país de origem, no caso do pedido ser depositado com reivindicação de prioridade; (ii) declaração comprovando que a empresa é constituída legalmente em seu país e especificando as atividades que desenvolve, que deverão ser diretamente relacionadas

13 24 Propriedade Industrial - Brasil Português 25 com os produtos/serviços para os quais pretende se obter registro no Brasil; (iii) amostras das marcas a serem registradas, se as mesmas forem constituídas por símbolos, desenhos, cores ou letras estilizadas; e (iv) procuração que deverá incluir poderes expressos para que o procurador receba citações judiciais referentes a ações que, eventualmente, digam respeito a questões envolvendo o titular da marca Patentes A legislação brasileira prevê 2 (dois) tipos de modalidade de patente: Patente de Invenção e Patente de Utilidade. Para ambos os tipos é necessário se realizar um exame técnico quanto aos seguintes requisitos: (i) novidade; (ii) atividade inventiva e ato inventivo; e (iii) aplicação industrial. A solicitação de uma patente deve ser apresentada, detalhando os requisitos acima, perante o INPI, que terá o prazo de até 18 (dezoito) meses para emitir um certificado de solicitação de patente. Passado este período, o pedido do inventor será publicado, iniciando-se um prazo de 36 (trinta e seis) meses para que qualquer interessado requeira uma análise formal do produto desenvolvido, período este que possibilitará o questionamento da invenção. Somente após este período de exame formal é que o INPI concederá, caso não haja objeções fundadas que prejudiquem o pedido, a carta-patente, mediante o pagamento de uma taxa. É possível ao inventor solicitar a publicação de seu invento antes do período de 18 (dezoito) meses, sem que isto prejudique o requisito da novidade. Uma patente de invenção tem vigência de 20 (vinte) anos e a patente de modelo de utilidade 15 (quinze) anos, ambas contadas a partir da data de depósito do pedido perante o INPI ou da reivindicação de prioridade. A patente poderá ser extinta nos seguintes casos: (i) término do prazo de vigência; (ii) caducidade; iii) falta de pagamento da taxa anual; (iv) renúncia de seu titular; (v) ausência de procurador no Brasil com poderes expressos para receber citações judiciais referentes a ações que, eventualmente, digam respeito a questões envolvendo a patente; ou (vi) mediante decisão transitada em julgado através de processo administrativo ou judicial. A patente deverá ser utilizada comercialmente no território brasileiro em até 3 (três) anos após o registro no INPI, ainda que através de outras pessoas autorizadas, para evitar uma licença forçada ou a perda da proteção e dos direitos oriundos da concessão da patente Transferência de Tecnologia Também regulada pelo INPI, a transferência de tecnologia envolve todo o conhecimento que não é tutelado por uma patente. Os contratos de transferência de tecnologia devem especificar qual o seu objeto e qual propriedade industrial está envolvida, bem como indicar os termos e as condições do uso e comercialização da tecnologia. Todos estes contratos devem ser averbados no INPI com a finalidade de: (i) tornar possível a remessa de pagamentos para o exterior, observadas as regras cambiais e tributárias; (ii) permitir a dedutibilidade fiscal destes pagamentos, observada a legislação tributária; e (iii) validade contra terceiros. O INPI admitirá a vigência máxima de 5 (cinco) anos, renováveis por igual período, desde que justificada a necessidade de se continuar a receber a tecnologia. Os contratos não podem contemplar o retorno/devolução dos conhecimentos tecnológicos recebidos pelo receptor e a cessação do uso da tecnologia, quando do término do contrato, pois não se admite o conceito licença de tecnologia, mas tão somente a transferência de tecnologia. Também não é possível contemplar pagamentos retroativos de royaltyies. A remuneração pela transferência da tecnologia pode ser estipulada em um preço fixo; preço determinado para cada item vendido; porcentagem dos lucros oriundos com a transferência; porcentagem sobre o preço líquido de venda. DIREITO SOCIETÁRIO, MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS, INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS, TRIBUTÁRIO, DIREITO INTERNACIONAL. PROCESSOS EM GERAL, DIREITO DE FAMÍLIA, TECNOLOGIA, TRABALHISTA, PROPRIEDADE INTELECTUAL, IMOBILIÁRIO, MEIO AMBIENTE. São Paulo - Tel Aviv - New York - Buenos Aires Fone: (55 11)

14 26 Lei Antitruste - Brasil Português LEI ANTITRUSTE Por Lionel Zaclis Barreto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados O governo brasileiro, por meio da Lei n.o de 11 de junho de 1994 (Lei Antitruste), instituiu o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (SBDC). Esse sistema consiste na atuação de 3 (três) órgãos governamentais na prevenção e combate às infrações contra a ordem econômica. São eles: a Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE), a Secretaria de Direito Econômico (SDE) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). O trabalho desses órgãos divide-se da seguinte forma: (i) a SEAE é responsável por emitir pareceres econômicos em atos de concentração, investigar condutas para oferecer representação à SDE, bem como elaborar pareceres em investigações sobre condutas anticoncorrenciais; (ii) a SDE é o órgão responsável por instruir a análise concorrencial dos atos de concentração econômica (fusões, aquisições, etc.), bem como investigar infrações à ordem econômica; (iii) o CADE é responsável por julgar, na esfera administrativa, tanto os processos administrativos que tratam de condutas anticoncorrenciais quanto as análises de atos de concentração econômica, após receber os pareceres da SDE e SEAE, que não lhe são vinculativos. A atuação desses órgãos, segundo disposto no artigo 1o da Lei Antitruste, deverá ser sempre orientada pelos ditames constitucionais da liberdade de iniciativa, livre concorrência, função social da propriedade, defesa dos consumidores e repressão ao abuso de poder econômico. O principal objetivo do SBDC é proteger a coletividade, através da criação e manutenção de um ambiente concorrencial saudável, propício ao desenvolvimento econômico, onde seja possível encontrar diversificação e inovação de produtos e serviços, além de maior qualidade a preços mais baixos. Nesse sentido, a Lei Antitruste determina serem lesivas à ordem econômica as práticas comerciais que tenham por objeto ou que possam produzir os seguintes efeitos, ainda que não venham a ser alcançados: (i) limitar, falsear ou de qualquer forma prejudicar a livre concorrência ou livre iniciativa; (ii) dominar mercado relevante de bens ou serviços; (iii) aumentar arbitrariamente os lucros; ou (iv) exercer de forma abusiva posição dominante. Em virtude de tal artigo, é necessário verificar a finalidade da conduta, não existindo assim infrações per se. Eficiências comprovadas que se contraponham a eventuais condutas anticoncorrenciais podem ser suficientes para não haver penalização pelo SBDC. Uma das condutas consideradas mais grave é a formação de cartel, que consiste em um acordo entre concorrentes visando, entre outras coisas, a fixação de preços ou quotas de produção, a divisão de clientes e de mercados de atuação. Com o intuito de combater tal prática, o governo brasileiro reformulou recentemente o Programa de Leniência, existente desde 2000, a fim de torná-lo mais eficaz. Por meio do Programa de Leniência, a SDE está autorizada a celebrar acordos com pessoas físicas ou jurídicas, concedendo benefícios em troca de efetiva colaboração nas investigações de casos de cartel. O benefício pode ser a imunidade administrativa total ou parcial e a imunidade criminal dos dirigentes e administradores da empresa beneficiária do acordo, desde que eles o assinem e observem os requisitos do Acordo de Leniência. Para ser beneficiário de um Acordo de Leniência, o proponente precisa se apresentar à SDE e confessar a sua participação na prática denunciada, cessar seu envolvimento na prática, cooperar plenamente na investigação, auxiliando na identificação dos envolvidos e na obtenção de provas que demonstrem a prática denunciada. Além disso, é necessário que o órgão não possua provas suficientes para condená-lo e que nenhum outro membro do cartel tenha se apresentado antes. Ao analisar as condutas anticoncorrências, caso verifique algum prejuízo para o mercado, o CADE poderá aplicar diversas penalidades às empresas, incluindo multa no valor de 1% a 30% do faturamento, e multa, de até 50% do valor aplicado à empresa, ao administrador ou responsável. No que diz respeito às decisões do CADE, não cabe recurso no âmbito administrativo, porém é facultado às partes questionar judicialmente a decisão do órgão. Na decisão mais recente do judiciário sobre uma sanção imposta pelo CADE, o Tribunal Regional da 1 a Região (Processo no TRF 1a Região) manteve a multa aplicada pelo órgão a uma empresa por fazer parte de um cartel investigado pela SDE e pelo CADE. Os atos de concentração devem ser objetivamente submetidos à apreciação do CADE sempre que um desses atos resultar em participação superior a 20% do mercado relevante, ou quando pelo menos um dos grupos de empresas envolvidos na operação tenha faturamento igual ou superior a R$ ,00 (quatrocentos milhões de reais) anuais no Brasil. O processo administrativo de análise de ato de concentração, que requer o pagamento da taxa processual no valor de R$ ,00 (quarenta e cinco mil reais), dura em média 120 dias, no rito ordinário, ou 90 dias quando requerido pela parte que a análise obedeça ao rito sumário, podendo variar para mais, dependendo da necessidade de novas informações para instruir o processo. Como se pode observar, o Brasil vem aprimorando a aplicação do direito antitruste, através de uma política concorrencial que busca alcançar o equilíbrio entre a livre iniciativa e o bem-estar social, a partir de sua atuação preventiva e repressiva.

15 28 Aquisição de Bens Imóveis - Brasil Português 29 um comportamento de dono do imóvel, como por exemplo, percebe frutos do mesmo. Já o direito à propriedade, absoluto e exclusivo, é o que possui maior relevância dentre os direitos relacionados aos bens. O Código Civil define o proprietário como sendo aquele que possui o direito de usar, gozar e dispor da coisa. 9. AQUISIÇÃO DE BENS IMÓVEIS NO BRASIL Por Ivan Luvisotto Suchodolski Advogados Associados 9.1. Introdução No Brasil, as questões relativas a bens imóveis encontram-se disciplinadas pelo Código Civil Brasileiro. Bens imóveis, por definição legal, constituem-se do solo ou tudo aquilo fixado ao solo que possua caráter de imobilidade e que não possa ser removido sem dano ou desvalorização. Em via de regra, o proprietário do solo é também o proprietário do subsolo e do seu respectivo espaço aéreo, podendo explorar sua profundidade e/ou sua altura para construções que lhe sejam úteis, como garagens subterrâneas ou edifícios, respectivamente. Todavia, o Estado reserva para si a exploração econômica dos recursos minerais encontrados no subsolo, cabendo às entidades privadas obterem licenças para sua exploração. A mesma regra é aplicada ao espaço aéreo, sendo permitido ao proprietário construir verticalmente, cabendo aos municípios impor limites de altura, os quais são estabelecidos pelas normas de zoneamento Direito à Posse e Direito à Propriedade A legislação nacional trata da questão dos bens imóveis com muita atenção, cobrindoos de formalidades que buscam proteger referidos bens e o direito à posse e à propriedade de seus agentes. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato algum dos poderes inerentes ao domínio, ou propriedade. A posse inicia-se a partir do momento em que o agente exterioriza 9.3. Aquisição de Bens Imóveis Empresas estrangeiras deparam-se com as mesmas previsões legais aplicadas às sociedades brasileiras. Algumas condições especiais podem aplicar-se à aquisição de propriedades localizadas próximas à costa ou fronteiras, em áreas rurais ou certas áreas específicas, consideradas como de segurança nacional. Todavia, não há restrições para aquisição de bens imóveis no perímetro urbano. A propriedade de bens imóveis pode ser adquirida no Brasil das seguintes formas: (i) transação entre partes; (ii) usucapião, que ocorre quando há a posse incontestada da propriedade por um determinado número de anos; (iii) através de sucessão; ou (iv) por deslocamentos naturais do solo. Em se tratando de transações contratuais, forma mais usual de aquisição de bens imóveis por empresas, o contrato de compra e venda deve ser feito por escrito, através de um instrumento público. Após a lavratura da escritura de compra e venda de bem imóvel, esta deve ser registrada no Cartório de Registro de Imóveis competente para que gere os efeitos jurídicos da aquisição da propriedade perante terceiros. Assim, é importante ressaltar que, conforme dispõe a lei brasileira, sem o referido registro, não haverá a aquisição da propriedade. O contrato de compra e venda surtirá efeitos entre as partes, contudo, não poderá ser oposto a terceiros. Considerando que existem exigências para o registro da escritura de compra e venda no cartório competente, incluindo a apresentação ao referido cartório de diversos documentos, que poderão estar indisponíveis no momento em que se pretende proceder à aquisição, é comum que as partes celebrem um pré-contrato, denominado promessa de compra e venda de bem imóvel. Referido instrumento contém os termos básicos da transação, tais como o valor e a forma de pagamento, como meio de resguardar seus direitos até que seja possível registrar a escritura e, finalmente, obter a propriedade do bem imóvel Tributação O Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), de competência dos municípios, incide sobre a transferência inter vivos, a título oneroso, de bens imóveis, bem como a cessão de direitos reais a eles relativos. Desta forma, ao adquirir um bem imóvel, referido tributo incidirá sobre o valor da transação, o qual é usualmente suportado pelo comprador. Sendo o ITBI de competência municipal, sua alíquota varia entre cidades, a qual poderá ser progressiva, tomando como base o valor do imóvel. Entretanto, nos casos onde a transmissão da propriedade surge de conferência do bem imóvel ao capital social de uma sociedade, ou ainda decorrente de fusão, cisão, incorporação ou extinção de pessoas jurídicas, referida transmissão estará isenta de ITBI, a

16 30 Aquisição de Bens Imóveis - Brasil Português 31 não ser que mais que 50% (cinqüenta por cento) do faturamento da sociedade adquirente provenha de locação ou comercialização de bens imóveis Locação de Bens Imóveis No Brasil, os contratos de locação possuem diferentes regimes jurídicos, os quais levam em consideração: (i) a localidade do imóvel, seja ele localizado em perímetro urbano ou rural; ou ainda (ii) sua finalidade, seja ela comercial ou residencial. Os contratos de locação podem ser livremente negociados, observados certos limites legais. As locações podem ser contratadas por tempo determinado ou indeterminado. No primeiro caso, o locador deverá respeitar o prazo de locação, enquanto que o locatário pode rescindir o contrato a qualquer tempo, com o pagamento de multa estipulada em contrato. Já na locação com prazo indeterminado, caso não haja disposição contratual diferente, qualquer das partes pode rescindir o contrato sem encargo algum, através de simples notificação com 30 (trinta) dias de antecedência. Nas locações de bens imóveis com fim comercial, a Lei 8.245/91, que rege as locações urbanas, estabelece que, caso a locação persista pelo prazo mínimo de 5 (cinco) anos e o locatário tenha explorado seu comércio, no mesmo ramo, pelo prazo mínimo de 3 (três) anos, este terá direito à renovação da locação, independente da vontade do locador. Por fim, importante mencionar que, caso o locador deseje alienar o imóvel objeto do contrato durante a vigência do mesmo, o locatário possuirá direito de preferência na compra do imóvel. 10. DIREITO DO CONSUMIDOR Por Ivan Luvisotto Suchodolski Advogados Associados Introdução e Visão Geral A proteção dos direitos dos consumidores tem sido considerada um princípio basilar do ordenamento brasileiro desde 1988, quando a nova Constituição Cidadã consagrou tais direitos como fundamentais. A matéria foi regulada em maior detalhe com a entrada em vigor do Código de Defesa do Consumidor (CDC), promulgado pela Lei Federal 8.078, de O CDC é a norma encarregada de regular e proteger os consumidores e suas relações com os fornecedores de produtos e serviços em geral Definições Para entender a quem se aplica o Direito do Consumidor é essencial a compreensão de duas definições: Consumidor É definido como sendo Toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. * Investimentos Estrangeiros * Fusões e Aquisições * Societário e Tributário * Contencioso * Família e Sucessão * Planejamento Patrimonial e Sucessório * Contratos * Arbitragens e Mediações * Imobiliário Rua Augusta, 1819, 24º andar / São Paulo - SP, Brasil. Telefone: (55 11)

17 32 Direito do Consumidor - Brasil Fornecedor Entendido como sendo Toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvam atividades de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços. As definições transcritas acima são do CDC e o Código optou por deixar as definições como facilmente aplicáveis à maioria dos casos. Apesar disso, a jurisprudência tende a interpretar restritivamente essas definições para coibir possíveis abusos por parte dos pseudo-consumidores Características Em termos gerais, é possível afirmar que o CDC favorece principalmente a figura do consumidor por reconhecer este como parte mais vulnerável e, portanto, carecedora de uma legislação mais benevolente. O melhor exemplo desse favoritismo é a inversão do ônus da prova que pode ser decretado pelo juiz. Outro traço marcante do CDC é que ele prevê a responsabilidade objetiva para os fornecedores. Isto é, o elemento culpa não precisa ser provado pelo consumidor: basta o dano e o liame causal ligando este ao produto/serviço. Essa regra geral, contudo, não se aplica aos profissionais liberais, que possuem responsabilidade subjetiva Práticas e Cláusulas Contratuais Abusivas O CDC condena o uso das práticas e cláusulas abusivas, ou determinando que tais atos/ cláusulas são nulas, ou estabelecendo uma sanção para elas. O que se enquadra como abusivo não fica restrito aos exemplos do Código e, por isso, recomenda-se que os fornecedores sempre busquem aconselhamento jurídico para descobrir como a jurisprudência anda interpretando esse critério Oferta e publicidade dos produtos Aos consumidores é garantido o direito à informação adequada sobre o produto que pretendem adquirir. Assim, a apresentação dos produtos/serviços deve ser clara, precisa, ostensiva e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e à segurança dos consumidores. É, igualmente, vedada a publicidade enganosa ou abusiva Defesa do Consumidor A defesa dos direitos do consumidor é, usualmente, feita através de meios judiciais. Tanto os consumidores como os fornecedores devem ser representados por advogados e são garantidos por um devido processo legal. Os consumidores são, freqüentemente, representados por ONGs ou entidades públicas como a PROCON e o IDEC, que tornam a defesa desses direitos acessíveis às classes menos privilegiadas. Os tribunais, geralmente, sancionam os fornecedores condenados com punições pecuniárias ou impondo-lhes obrigações de fazer ou não fazer. Brasil e Israel cada vez mais próximos A Câmara Brasil- Israel de Comércio e Indústria atua, desde 1959, no incentivo das relações comerciais e culturais entre os dois países. Buscando a abertura de oportunidades de negócios e o acesso a novas tecnologias. Com quase meio século de existência, a Câmara promove seminários, eventos e missões. Conheça a Cambici através de suas publicações: Brasil-Israel Parcerias & Perspectivas - Anuário Brasil-Israel (já em sua 15ª edição) Câmara em Notícias - Newsletter mensal enviada a mais de 18 mil endereços eletronicos Entre em contato e receba nossas publicações Rua Caçapava, 105 3º. andar sala 3 CEP São Paulo SP Brasil Fone e Fax: (55 11)

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci Expatriados Como lidar com os aspectos fiscais Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci 1 Residência Fiscal 2 Caracterização de Residência Fiscal Art. 2

Leia mais

Doing Business in Brazil

Doing Business in Brazil INVESTIR NO BRASIL Doing Business in Brazil Alfeu Pinto Sócio Boccuzzi e Associados 12 de Abril de 2012 Visão Geral sobre o Brasil Área territorial População PIB Regime cambial brasileiro/reservas Forma

Leia mais

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de bens e serviços 1. Investimento Direto Estrangeiro Constituição de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. 25 DE FEVEREIRO DE 2010 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA HFF

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Quadro comparativo da 1 Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 Art. 3º Terá direito à percepção do segurodesemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: I - ter recebido salários de pessoa

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições:

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições: SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre o registro do investimento estrangeiro direto no País, em moeda nacional ou estrangeira, efetuado de forma declaratória e por meio eletrônico

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL. w w w. m m s o. c o m. b r

ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL. w w w. m m s o. c o m. b r ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL w w w. m m s o. c o m. b r Tipos Societários Fundações - Pessoas jurídicas de direito privado Dotação de bens livres. Objeto: fins religiosos,

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 LEI N. 12.101/2009 DECRETO N. 7237/2010 O principal objetivo da presente Lei é dispor sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social. Tem

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

Elaboração e Modalidades de contratos

Elaboração e Modalidades de contratos Elaboração e Modalidades de contratos Dra. Sabrina Moreira Batista Advogada especialista em Direito Tributário, sócia do escritório Batista Silva Freire Advogados, Assessora Jurídica do CRN/5 e do Corecon/Ba.

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação: 1. Carteira

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES ("PLANO")

MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES (PLANO) MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES ("PLANO") DATADO DE 17 DE NOVEMBRO, 2010 2 MRV LOGÍSTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF nº 09.041.168/0001-10 NIRE 31.300.027.261

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA PELO ESTUDANTE Após concluir sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá procurar a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) em sua instituição de ensino e validar

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Entre as partes de um lado: e, de outro lado:

Entre as partes de um lado: e, de outro lado: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Entre as partes de um lado: SINDICATO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO ESTADO DE SÃO PAULO, CNPJ nº 60.266.996/0001-03 e, de outro lado: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011.

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Requisitos 3 - Comprovação 4 - Parcelas 4.1 - Parcelas Adicionais

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010 Fundos de Investimento Imobiliário 09 de abril de 2010 Introdução Histórico No Brasil, os fundos imobiliários foram inspirados nos Real Estate Investment Trusts americanos, tendo sido constituídos na forma

Leia mais

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil Empresas: Passos para abertura de empresa: 1. Definir qual o tipo de Pessoa Jurídica irá compor: 1.1 Sociedade Se constitui quando duas ou mais pessoas se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR - Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das Unidades da Federação;

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO DOCUMENTO EXECUTIVO (PARA DOWNLOAD) ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS DIRETOS: BASE LEGAL A atração de investimentos estrangeiros diretos IED é incentivada pelo governo brasileiro

Leia mais

Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais

Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais Navios e Plataformas Embarcação: Designação comum a toda construção destinada a navegar sobre água. (in Aurélio) Navio: Embarcação

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1 Entre as partes, de um lado o SINDICATO DOS EMPREGADOS VENDEDORES E VIAJANTES DO COMÉRCIO, PROPAGANDISTAS, PROPAGANDISTAS VENDEDORES E VENDEDORES DE PRODUTOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas Administração Profa.: Barbara Mourão dos Santos Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial Pessoa jurídica Agrupamento de pessoas físicas e/ou jurídicas que tem o seu ato constitutivo

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas,

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas, INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DO BANCO ABN AMRO REAL S.A. PELO BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. (NOVA DENOMINAÇÃO SOCIAL DO BANCO SANTANDER S.A., EM FASE DE HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3622 Dispõe sobre as operações de redesconto e de empréstimo de que trata a Medida Provisória n 442, de 6 de outubro de 2008, e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até UBS PACTUAL SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. DTVM comunica o início da distribuição, de até 240 (duzentas e quarenta) cotas, escriturais, com valor inicial de R$1.000.000,00 (um milhão de reais), de emissão do

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000055/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070984/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.112503/2010-92 DATA DO

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000572/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021807/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.005707/2015-00

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Tratamento fiscal dos royalties em operações nacionais e internacionais. Giancarlo Chamma Matarazzo

Tratamento fiscal dos royalties em operações nacionais e internacionais. Giancarlo Chamma Matarazzo Tratamento fiscal dos royalties em operações nacionais e internacionais Giancarlo Chamma Matarazzo Regras Gerais de Royalties para o Descrição Celebração de contrato entre uma no a qual concede a uma no

Leia mais