Paradigmas de Programação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Paradigmas de Programação"

Transcrição

1 Paradigmas de Programação Sintaxe e semântica Aula 4 Prof.: Edilberto M. Silva Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br

2 Sintaxe A sintaxe de uma linguagem de programação é a forma de suas expressões, declarações e unidades de programa. Também pode ser definida como o conjunto de regras que determinam que construções estão corretas e quais não estão. Algumas aplicações são melhor acomodadas pela sintaxe de uma linguagem do que outras. Por exemplo, a sintaxe de FORTRAN foi projetada para expressar programas matemáticos, enquanto que a de BASIC é uma boa opção para tornar o programa compreensível para não-programadores. As linguagens mais modernas como C, C++ e Java possuem uma sintaxe que permite mais facilmente a expressão de estruturas de controle.

3 Duas Abordagens para Descrição de Linguagens de Programação Descrições Informais Utiliza linguagem natural É imprecisa: permite a ocorrência de erros de interpretação Descrições Formais Utiliza uma linguagem matemática Possui significado bem definido: Evita erros de interpretação Possibilita a utilização de metodologias de apoio a projetos

4 Vantagens da Utilização de Métodos Formais Interface entre projetistas, implementadores e usuários Projetista: Define precisamente a linguagem desejada Permite a identificação precoce de erros Implementador: Possibilita a utilização de geradores (semi-)automáticos Dificulta o aparecimento de erros Usuários: Produção de bons manuais da linguagem

5 Sintaxe Define a forma e estrutura de uma linguagem Símbolos, palavras, frases e sentenças (estruturas) Principal formalismo: Gramáticas Livres de Contexto e Expressões Regulares Notação mais utilizada: BNF (Backus-Naur Form)

6 Gramáticas Livres de Contexto Estrutura principal: Comando <-- [[ if Expressão then Comando else Comando ]] Significado: Um Comando da linguagem definida pode ser formado pela palavra chave if seguida de uma Expressão da linguagem, da palavra chave then, de um Comando da linguagem, da palavra chave else, e de um outro Comando da linguagem.

7 Sintaxe Concreta x Sintaxe Abstrata Sintaxe concreta: Descreve a estrutura da linguagem com todos os detalhes. Considera elementos estéticos como comentários, palavras reservadas, precedência de operadores, e outros açucares sintáticos. Utilizado para construir reconhecedores para programas. Sintaxe abstrata: Descreve apenas os elementos relevantes da linguagem de programação. Ignora comentários e outros elementos que não contribuem para a semântica do programa Utilizada para representar programas internamente no compilador

8 Mais Detalhes... Esse formalismo será estudado mais detalhadamente na disciplina de Teoria e Implementação de Linguagens de Computacionais

9 Semântica Objetivo: Descrever o significados das estruturas do programa expressos na sua sintaxe Tipos de semântica Semântica estática: Descreve as características de uma programa válido Semântica dinâmica: Descreve os resultados da execução do programa

10 Formalismos Utilizados Ao contrário da sintaxe, não existe ainda um formalismo aceito globalmente para descrever a semântica da linguagem Exemplos de formalismos: Semântica Operacional Estrutural, Máquinas de Estado Abstratas, Semântica Denotacional, Semântica de Ações, Montages, etc.

11 Semântica De Ações Formalismo para definição de linguagens de programação. Define um mapeamento da sintaxe do programa para o seu significado. Significado de programa é dado através da notação de ações.

12 Notação de Ações Biblioteca que descreve os principais conceitos encontrados em linguagens de programação que serão estudados nesse curso (valores, bindings, memória, etc.) Durante esse curso veremos para cada conceito estudado os operadores que descrevem as propriedades fundamentais de cada conceito

13 Definição de Ações Uma ação é uma entidade que pode ser executada. Quando uma ação é executada ela pode: Terminar com sucesso Terminar com um erro Gerar uma exceção (escape) Não-terminar (executar para sempre) Durante a execução de uma ação ela produz e consome vários tipos de informação: (transientes, bindings, memória, etc.)

14 Semântica de Ações Faceta Básica A faceta básica define operadores que não manipulam nenhum tipo de informação apenas controlam o fluxo do programa Principais Operadores complete -- Executa com sucesso sem produzir nenhuma informação. fail -- Produz uma falha na execução da ação a and then b -- Executa as ações a e b sequêncialmente a or b -- Executa uma das ações e se esta falhar a outra ação será executada.

15 Exemplos de Ações: complete and then complete complete and then fail

16 Exemplo de Descrições Comandos vazio Sintaxe: Comando --> [[ ; ]] Semântica: execute _ :: Comando --> action. execute [[ ; ]] = complete.

17 Exemplo de Descrições Sequência de Comandos: Sintaxe: Comando --> [[ Comando Comando ]] Semântica: execute _ :: Comando --> action. execute [[ c 1 c 2 ]] = execute c 1 and then execute c 2.

18 Semântica de Ações -Faceta Funcional A faceta funcional define ações que manipulam valores temporários (transitórios) produzidos pela execução de um programa. Utilização principal: Descrição da manipulação de valores e como expressões são avaliadas em um programa. Principais Operadores give e -- produz o valor resultante da avaliação da expressão e. x then y -- Executa as ações x e y seqüencialmente, os valores transitórios produzidos por x serão repassados para a ação y. the given t # n -- Expressão (produtor) que recupera o n- ésimo valor passado para essa ação e verifica se este é do tipo t.

19 Exemplos de Ações give 10 give 20 then give sum(2,the given integer#1) give 1 and then give 2 then give product(the given integer#1, the given integer # 2)

20 EXP1 Linguagens de Expressões Aritméticas Demostra a utilização de valores em LP Estrutuas: Constantes numéricas: 1,2,3, etc. Operações fundamentais: * 2 Etc.

21 Descrição de EXP1 Constantes Numéricas. Sintaxe: Expressão <-- [[ Integer ]]. Semântica: avalie _ :: Expressão --> action. avalie [[ x : Integer ]] = give x.

22 Descrição de EXP1 Soma de Expressões. Sintaxe: Expressão <-- [[ Expressão + Expressão ]]. Semântica: avalie _ :: Expressão --> action. avalie [[ x + y ]] = avalie x and then avalie y then give sum(the given integer#1, the given integer#2).

SEMÂNTICA. Rogério Rocha. rode = program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end.

SEMÂNTICA. Rogério Rocha. rode = program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end. SEMÂNTICA program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end. rode =? Rogério Rocha Roteiro Introdução Sintaxe Semântica Dinâmica (Métodos formais) Operacional Axiomática Denotacional Estática Conclusão

Leia mais

Introdução à Programação Aula 03. Prof. Max Santana Rolemberg Farias Colegiado de Engenharia de Computação

Introdução à Programação Aula 03. Prof. Max Santana Rolemberg Farias Colegiado de Engenharia de Computação Aula 03 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação Linguagens de Programação A primeira linguagem de programação foi criada por Ada Lovelace. Amiga

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Linguagens de Programação: sintaxe e semântica de linguagens de programação e conceitos de linguagens interpretadas e compiladas Engenharia da Computação Professor: Críston Pereira

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/2 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 1 - Introdução Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como construir um

Leia mais

Sintaxe e Semântica. George Darmiton da Cunha Cavalcanti.

Sintaxe e Semântica. George Darmiton da Cunha Cavalcanti. Sintaxe e Semântica George Darmiton da Cunha Cavalcanti (gdcc@cin.ufpe.br) Tópicos Introdução O problema de descrever a sintaxe Métodos formais para descrever a sintaxe Gramáticas de atributos Descrevendo

Leia mais

Linguagens de Programação Aula 3

Linguagens de Programação Aula 3 Aula 3 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada... Classificação das LPs (nível, geração e paradigma) Paradigmas Imperativo, OO, funcional, lógico e concorrente 2/33 Na aula de hoje...

Leia mais

Compiladores - Gramáticas

Compiladores - Gramáticas Compiladores - Gramáticas Fabio Mascarenhas - 2013.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Análise Sintática A análise sintática agrupa os tokens em uma árvore sintática de acordo com a estrutura do programa

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação - P. Blauth Menezes

Leia mais

Capítulo 7. Expressões e Sentenças de Atribuição

Capítulo 7. Expressões e Sentenças de Atribuição Capítulo 7 Expressões e Sentenças de Atribuição Introdução Expressões são os meios fundamentais de especificar computações em uma linguagem de programação Para entender a avaliação de expressões, é necessário

Leia mais

Fundamentos de Algoritmos (5175/31)

Fundamentos de Algoritmos (5175/31) UEM/CTC Departamento de Informática Curso: Ciência da Computação Professor: Flávio Rogério Uber Fundamentos de Algoritmos (5175/31) Material Original: Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa (UEM/DIN)

Leia mais

CAP. VI ANÁLISE SEMÂNTICA

CAP. VI ANÁLISE SEMÂNTICA CAP. VI ANÁLISE SEMÂNTICA VI.1 Introdução Semântica SIGNIFICADO, SENTIDO LÓGICO, COERÊNCIA,... Diferença entre SINTAXE e SEMÂNTICA Sintaxe : descreve as estruturas de uma linguagem; Semântica : descreve

Leia mais

Linguagens de Programação. Marco A L Barbosa

Linguagens de Programação. Marco A L Barbosa Expressões e sentença de atribuição Linguagens de Programação Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. http://github.com/malbarbo/na-lp-copl

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Site:

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos   Site: Algoritmos Prof. Jonatas Bastos Email: jonatasfbastos@gmail.com Site: http://jonatasfbastos.wordpress.com/ 1 Dúvidas! p p p Como os computadores entendem os algoritmo? Os computadores não entendem os passos

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa Desenvolvimento de programas 1 Análise do problema Desenvolvimento do algoritmo Codificação do programa Compilação e execução Teste e depuração Análise do problema 2 Conhecer exatamente o que o problema

Leia mais

Compiladores. Análise lexical. Plano da aula. Motivação para análise lexical. Vocabulário básico. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise lexical. Plano da aula. Motivação para análise lexical. Vocabulário básico. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador programa fonte Compiladores Análise lexical () Expressões Regulares analisador léxico analisador sintático analisador semântico análise gerador de código intermediário otimizador

Leia mais

Lógica de Programação I. Gilson de Souza Carvalho

Lógica de Programação I. Gilson de Souza Carvalho Gilson de Souza Carvalho gaucho.gilson@hotmail.com 1. Estruturas básicas Apresentaremos um resumo com os comandos estudados para criação de algoritmos. Para utilizar estes comandos, usaremos uma sintaxe

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 04 Sintaxe e Semântica Edirlei Soares de Lima Sintaxe e Semântica A descrição de uma linguagem de programação envolve dois aspectos principais:

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados Tipos Abstratos de Dados Tipo Abstrato de Dados ou TAD Idéia principal: desvincular o tipo de dado (valores e operações) de sua implementação: O que o tipo faz e não como ele faz! Vantagens da desvinculação:

Leia mais

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Amarrações

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Amarrações Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas Amarrações Conceituação Amarração (ou binding) é uma associação entre entidades de programação, tais como entre uma variável e seu valor ou entre um identificador

Leia mais

Tratamento dos Erros de Sintaxe. Adriano Maranhão

Tratamento dos Erros de Sintaxe. Adriano Maranhão Tratamento dos Erros de Sintaxe Adriano Maranhão Introdução Se um compilador tivesse que processar somente programas corretos, seu projeto e sua implementação seriam grandemente simplificados. Mas os programadores

Leia mais

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Introdução

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Introdução Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas Introdução Razões para Estudar LPs Maior capacidade de desenvolver soluções computacionais para problemas Maior habilidade ao usar uma LP Maior capacidade

Leia mais

Comandos de desvio de fluxo. Expressões lógicas.

Comandos de desvio de fluxo. Expressões lógicas. Programação de Computadores I Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Semana 03 Comandos de desvio de fluxo. Expressões lógicas. Material Didático Unificado. 1 Agenda Introdução;

Leia mais

Implementação de Linguagens

Implementação de Linguagens Implementação de Linguagens Pedro Vasconcelos DCC/FCUP 11 de Abril de 2016 Objectivos Introdução à implementação de linguagens de programação funcionais. Enfoce sobre técnicas de interpretação/compilação

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos 02/2016. LFA Aula 01 24/10/2016. Celso Olivete Júnior.

Linguagens Formais e Autômatos 02/2016. LFA Aula 01 24/10/2016. Celso Olivete Júnior. LFA Aula 01 Apresentação 24/10/2016 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br 1 Professor Celso Olivete Júnior Bacharelado em Ciência da Computação (Unoeste-2002) Mestrado e Doutorado em Engenharia Elétrica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO COMPILADOR PARA A LINGUAGEM SIMPLE

DESENVOLVIMENTO DO COMPILADOR PARA A LINGUAGEM SIMPLE DESENVOLVIMENTO DO COMPILADOR PARA A LINGUAGEM SIMPLE Jeferson MENEGAZZO 1, Fernando SCHULZ 2, Munyque MITTELMANN 3, Fábio ALEXANDRINI 4. 1 Aluno 5ª fase do Curso de Ciência da Computação do Instituto

Leia mais

O que é uma variável?

O que é uma variável? Escopo, Ligação e Ambiente de Execução mleal@inf.puc-rio.br 1 O que é uma variável? Uma variável pode ser definida como uma tupla r nome é um string usado para

Leia mais

Trabalho Linguagem e Programação de Compiladores

Trabalho Linguagem e Programação de Compiladores Trabalho Linguagem e Programação de Compiladores Responda as questões. Os exercícios deverão ser desenvolvidos utilizando as estruturas apresentadas em aula e adequadas para cada problema. Forma de entrega:

Leia mais

As fases de um compilador

As fases de um compilador As fases de um compilador Compilando um programa simples estrutura de um compilador formas de organização de um compilador processo de execução de uma linguagem de alto-nível Compilando um programa simples

Leia mais

Introdução ao Fortran 90. Aula 3

Introdução ao Fortran 90. Aula 3 Introdução ao Fortran 90 Aula 3 Usando vetores e matrizes Definição Uma matriz ou vetor consiste de um conjunto retangular de elementos, todos do mesmo tipo e espécie do tipo. Uma matriz ou vetor é um

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I. Introdução

PROGRAMAÇÃO I. Introdução PROGRAMAÇÃO I Introdução Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Introdução Problema: definir um conjunto de cadeias de símbolos; Prof. Yandre Maldonado - 2 Exemplo: conjunto

Leia mais

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 3 Análise Léxica: Introdução, Revisão LFA)

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 3 Análise Léxica: Introdução, Revisão LFA) Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 3 Análise Léxica: Introdução, Revisão LFA) Análise Léxica A primeira fase da compilação Recebe os caracteres de entrada do programa e os converte em um fluxo de

Leia mais

Compiladores. Introdução à Compiladores

Compiladores. Introdução à Compiladores Compiladores Introdução à Compiladores Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/2) O meio mais eficaz de comunicação entre pessoas é a linguagem (língua ou idioma). Na programação de computadores, uma linguagem

Leia mais

Algoritmos. Algoritmos. Linguagem de programação. Conceitos. Conceitos. Conceitos. Sintaxe do comando para incluir bibliotecas no programa:

Algoritmos. Algoritmos. Linguagem de programação. Conceitos. Conceitos. Conceitos. Sintaxe do comando para incluir bibliotecas no programa: Algoritmos Algoritmos Leandro Tonietto Unisinos ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto/inf/pg1/algoritmosi_java.pdf Mar-2008 Possuem sintaxe flexível e são mais úteis para descrição

Leia mais

Análise Sintática. Fabiano Baldo

Análise Sintática. Fabiano Baldo Compiladores Análise Sintática Fabiano Baldo Gramáticas Livre de Contexto (GLC) É utilizada na especificação formal lda sintaxe de uma linguagem de programação. É um conjunto de produções ou regras gramaticais

Leia mais

Aula 2 - Introdução Cleverton Hentz

Aula 2 - Introdução Cleverton Hentz Aula 2 - Introdução Cleverton Hentz Sumário de Aula } Programas } Linguagens de Programação } Formas de Estruturação de Algoritmos 2 Programas } Os algoritmos são utilizados na construção de programas

Leia mais

5. Expressões aritméticas

5. Expressões aritméticas 5. Expressões aritméticas 5.1. Conceito de Expressão O conceito de expressão em termos computacionais está intimamente ligado ao conceito de expressão (ou fórmula) matemática, onde um conjunto de variáveis

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Introdução a Algoritmos (Parte II) Luis Martí Instituto de Computação Universidade ederal luminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Aula 6 Nomes, Vinculações, Verificação de Tipos e Escopos Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Introdução As linguagens de

Leia mais

Apostila de Fortran. É uma pseudo-linguagem a qual oferece recursos para que o programador possa codificar e testar os seus algoritmos.

Apostila de Fortran. É uma pseudo-linguagem a qual oferece recursos para que o programador possa codificar e testar os seus algoritmos. Apostila de Fortran Fortran Uma das linguagens de programação mais velhas, o FORTRAN foi desenvolvido por uma equipe de programadores conduzida por John Backus na IBM, e foi primeiramente publicada em

Leia mais

Autômatos e Linguagens

Autômatos e Linguagens Autômatos e Linguagens Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Agosto, 2016 1 / 41 Sumário 1 Compiladores 2 Linguagens de programação 3 Ciência dos compiladores

Leia mais

Apêndice A. Pseudo-Linguagem

Apêndice A. Pseudo-Linguagem Apêndice A. Pseudo-Linguagem Apostila de Programação I A.1 Considerações Preliminares Os computadores convencionais se baseiam no conceito de uma memória principal que consiste de células elementares,

Leia mais

As fases de um compilador

As fases de um compilador As fases de um compilador Paradigmas de LP Métodos de Implementação de LP Compilando um programa simples estrutura de um compilador formas de organização de um compilador processo de execução de uma linguagem

Leia mais

Aspectos preliminares

Aspectos preliminares Aspectos preliminares Linguagens de Programação Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. http://github.com/malbarbo/na-lp-copl

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Expressões Precedência e associatividade de operador Sobrecarga de operador Expressões de modo misto Várias formas de

Leia mais

TIPOS DE DADOS E VARIÁVEIS

TIPOS DE DADOS E VARIÁVEIS AULA 3 TIPOS DE DADOS E VARIÁVEIS 3.1 Tipos de dados Os dados manipulados por um algoritmo podem possuir natureza distinta, isto é, podem ser números, letras, frases, etc. Dependendo da natureza de um

Leia mais

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Objetivos da aula: Introduzir os conceitos da Orientação à Objetos (O.O) Introduzir os conceitos da UML Relacionar os processos às ferramentas

Leia mais

Conceitos básicos de algoritmos

Conceitos básicos de algoritmos Conceitos básicos de algoritmos Operadores Aritméticos Unários: +, - Exemplos: +1-5.9... var a: inteiro... a

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos 02/2015. LFA Aula 02. introdução 28/09/2015. Celso Olivete Júnior.

Linguagens Formais e Autômatos 02/2015. LFA Aula 02. introdução 28/09/2015. Celso Olivete Júnior. LFA Aula 02 Linguagens regulares - introdução 28/09/2015 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br 1 Na aula passada... Visão geral Linguagens regulares expressões regulares autômatos finitos gramáticas

Leia mais

FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO

FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO VARIÁVEIS E O COMANDO DE ATRIBUIÇÃO O computador possui uma área específica de armazenamento denominada de memória. O computador possui uma área específica de armazenamento

Leia mais

Compiladores - Gramáticas

Compiladores - Gramáticas Compiladores - Gramáticas Fabio Mascarenhas 2015.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Ambiguidade Uma gramática é ambígua se existe alguma cadeia para qual ela tem mais de uma árvore sintática De maneira

Leia mais

Conceitos básicos de programação

Conceitos básicos de programação Para aprender uma linguagem de programação podemos começar por conhecer os vocábulos ou símbolos que formam o seu léxico e depois aprender como esses vocábulos integram as instruções (frases) que compõe

Leia mais

Material Didático Proposto

Material Didático Proposto Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Departamento de Computação - DECOM Comissão para Coordenação das Atividades Pedagógicas da Disciplina BCC701 CAP-BCC701 www.decom.ufop.br/bcc701 2014-1 Material

Leia mais

Programação Estruturada Comandos Condicionais (Decisão) Operadores Relacionais

Programação Estruturada Comandos Condicionais (Decisão) Operadores Relacionais Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Departamento de Computação - DECOM Comissão para Coordenação das Atividades Pedagógicas da Disciplina BCC701 CAP-BCC701 www.decom.ufop.br/bcc701 2014-1 Material

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Linguagens Formais e Autômatos Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Introdução Teoria das Linguagens Formais Originariamente desenvolvida na década de 1950. Objetivo inicial: desenvolver teorias relacionadas

Leia mais

Capítulo 2 Operadores. A função scanf()

Capítulo 2 Operadores. A função scanf() Capítulo 2 Operadores A função scanf() A função scanf() é outra das funções de E/S implementadas em todos os compiladores e nos permite ler dados formatados da entrada padrão (teclado). Sintaxe: scanf(

Leia mais

Introdução à Linguagem C++

Introdução à Linguagem C++ Introdução à Linguagem C++ C++: Definição C++ C A Linguagem de Programação C++ pode ser definida como uma extensão da Linguagem C; Todo código de programação em Linguagem C pode a priori ser compilado

Leia mais

Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES

Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES LINGUAGENS: INTERPRETADAS X COMPILADAS Resumo: Linguagem compilada: Se o método utilizado traduz todo o texto do programa, para só depois executar o programa, então

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 5: Autômatos Finitos

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 5: Autômatos Finitos INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 5: Autômatos Finitos Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br URL: www.inf.ufsc.br/~silveira As Linguagens e os formalismos representacionais

Leia mais

Nomes, Amarração, Verificação de Tipos, e Escopo

Nomes, Amarração, Verificação de Tipos, e Escopo 5 Nomes, Amarração, Verificação de Tipos, e Escopo Concepts of Programming Languages, 5/e Robert W. Sebesta Agenda Objetivo desta aula: Introduzir os principais aspectos semânticos de variáveis Palavras-chave

Leia mais

Resolução De Problemas Em Informática. Docente: Ana Paula Afonso Resolução de Problemas. 1. Analisar o problema

Resolução De Problemas Em Informática. Docente: Ana Paula Afonso Resolução de Problemas. 1. Analisar o problema ALGORITMIA Resolução De Problemas Em Informática Docente: Ana Paula Afonso 2000-2001 Resolução de Problemas 1. Analisar o problema Conhecer o bem o problema Descrever o problema: subdividir, detalhar 2.

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES Autor: Prof. Dr. Carlos

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação aula 4 Engenharia Elétrica e Engenharia de Automação Introdução à Computação 1.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) Programas Programas são seqüências de instruções

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Apresentação. !! Familiarização com os métodos de construção de compiladores de linguagens e com as técnicas de compilação mais habituais.

Apresentação. !! Familiarização com os métodos de construção de compiladores de linguagens e com as técnicas de compilação mais habituais. Apresentação Universidade dos Açores Departamento de Matemática www.uac.pt/~hguerra/!! Aquisição de conceitos sobre a definição de linguagens de programação.!! Familiarização com os métodos de construção

Leia mais

JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica)

JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica) Linguagem de Programação para Web JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica) Prof. Mauro Lopes 1 Objetivos Iniciaremos aqui o nosso estudo sobre a Linguagem de Programação JavaScript. Apresentaremos

Leia mais

Introdução a Programação

Introdução a Programação Introdução a Programação Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula 01 Informática e a Programação Roteiro Informática Pensar e Programar Atividades

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Hugo de Oliveira Barbalho hbarbalho@ic.uff.br Material produzido pelo professor: Leandro Augusto Frata Fernandes

Leia mais

Verificação de Tipo. Unions. Verificação de tipo estática. Verificação de tipo dinâmica

Verificação de Tipo. Unions. Verificação de tipo estática. Verificação de tipo dinâmica Verificação de Tipo Atividade que certifica que os operandos de um operador são de tipos compatíveis. São considerados operadores e operandos: operadores usuais (aritméticos, relacionais, etc) subprogramas

Leia mais

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 30. Instituto de C

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 30. Instituto de C ompiladores Análise Sintática Bruno Lopes Bruno Lopes ompiladores 1 / 30 Front-end Lida com a linguagem de entrada Teste de pertinência: código fonte linguagem fonte? Programa está bem formado? Sintaticamente?

Leia mais

Comandos em C (cont.)

Comandos em C (cont.) Comandos em C (cont.) Operador ternário:? O operador condicional possui uma opção um pouco estranha. É o único operador C que opera sobre três expressões. Sua sintaxe geral possui a seguinte construção:

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO 1 - CONCEITO DE ALGORITMO A automação é o processo em que uma tarefa deixa de ser desempenhada pelo homem e passa a ser realizada por máquinas, sejam estas dispositivos mecânicos,

Leia mais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1)

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores Linguagens de programação são notações que permitem descrever como programas devem executar em uma máquina Mas, antes do programa executar, deve

Leia mais

Aula 2: Linguagem Proposicional

Aula 2: Linguagem Proposicional Lógica para Computação Primeiro Semestre, 2015 Aula 2: Linguagem Proposicional DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Linguagens naturais, como o nosso Português, podem expressar ideias ambíguas ou imprecisas.

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Linguagens Formais e Autômatos - P. Blauth Menezes 1 Linguagens

Leia mais

Análise Sintática - Final

Análise Sintática - Final MAB 471 2011.2 Análise Sintática - Final http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp LR(k ) vs LL(k ) Encontrando o próximo passo em uma derivação LR(k) Cada redução na análise detectável com o contexto esquerdo

Leia mais

Abaixo iremos pormenorizar cada um de seus atributos:

Abaixo iremos pormenorizar cada um de seus atributos: 1 PYTHON Python é uma linguagem de programação de alto nível, interpretada, de script, imperativa, orientada a objetos, funcional, de tipagem dinâmica e forte. A linguagem foi projetada com a filosofia

Leia mais

Linguagens de Programação Aula 13

Linguagens de Programação Aula 13 Linguagens de Programação Aula 13 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Suporte para a programação orientada a objetos 2 Na aula de hoje Programação Funcional Linguagem Haskell 3 Roteiro

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Paradigmas de Linguagens de Programação. Manipulação de Exceções

Paradigmas de Linguagens de Programação. Manipulação de Exceções Manipulação de Exceções Cristiano Lehrer Introdução à Manipulação de Exceções (1/2) Em uma linguagem sem manipulação de exceção: Quando ocorre uma exceção, o controle passa para o sistema operacional,

Leia mais

Compiladores. J.L.Rangel - Compiladores - 1-1

Compiladores. J.L.Rangel - Compiladores - 1-1 Compiladores Capítulo 1: Introdução 1. A estrutura global do compilador Este capítulo pretende apresentar a estrutura geral de um compilador, sem entretanto entrar em detalhes que só podem ser apresentados

Leia mais

Projeto de Compiladores

Projeto de Compiladores Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira 26 e 27 de fevereiro de 2007 Agenda da Aula Revisão Linguagem de Programação Tradutores Compilador As Fases de Um Compilador Linguagem

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Ferramentas Programação UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Índice Seção 1 Linguagens de Programação Seção 2 Interpretador Seção 3 Compilador / Linkeditor Seção 4 Ambientes de Desenvolvimento UDESC - Prof. Juliano

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If...

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Else Switch Prof. Renato Pimentel 1 Operações relacionais Operações

Leia mais

Gustavo G. Parma. Objetivos: O aluno deverá ser capaz de compreender os conceitos básicos de VHDL.

Gustavo G. Parma. Objetivos: O aluno deverá ser capaz de compreender os conceitos básicos de VHDL. Introdução à VHDL Gustavo G. Parma Assunto: Introdução à VHDL. Objetivos: O aluno deverá ser capaz de compreender os conceitos básicos de VHDL. 1 Introdução Teórica VHDL, VHSIC (Very High Speed Integrated

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah,

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, ou a ciência das Equações que, em última análise suscitaram o desenvolvimento

Leia mais

Introdução a linguagem C. Introdução à Programação 06/07

Introdução a linguagem C. Introdução à Programação 06/07 Introdução a linguagem C Introdução à Programação 06/07 A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C A linguagem C foi criada, na década de setenta, por Dennis M. Ritchie; Apesar de se considerar uma linguagem de alto

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN Fundamentos de Programação Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Linguagem de Programação Constituída por símbolos e por regras para combinar esses símbolos

Leia mais

Lembrando análise semântica. Compiladores. Implementação de esquemas de tradução L-atribuídos. Exemplo de implementação top-down (1)

Lembrando análise semântica. Compiladores. Implementação de esquemas de tradução L-atribuídos. Exemplo de implementação top-down (1) Lembrando análise semântica Compiladores Geração de código intermediário (1) Parser Bottom-up: squema S-atribuído sem problema Apenas atributos sintetizados squema L-atribuído: ok, mas deve-se usar variáveis

Leia mais

Mecanismos de Interrupção e de Exceção, Barramento, Redes e Sistemas Distribuídos. Sistemas Operacionais, Sistemas

Mecanismos de Interrupção e de Exceção, Barramento, Redes e Sistemas Distribuídos. Sistemas Operacionais, Sistemas Arquitetura de Computadores, Arquitetura de Computadores Organização de Computadores, Conjunto de Instruções, Sistemas Operacionais, Sistemas Operacionais, Sistemas Mecanismos de Interrupção e de Exceção,

Leia mais

Análise Sintática. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 18

Análise Sintática. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 18 Análise Sintática Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Outubro, 2016 1 / 18 Sumário 1 Introdução 2 Derivações 2 / 18 1 Introdução 2 Derivações 3 /

Leia mais

INE5622 INTRODUÇÃO A COMPILADORES

INE5622 INTRODUÇÃO A COMPILADORES INE5622 INTRODUÇÃO A COMPILADORES PLANO DE ENSINO Objetivo geral Conhecer o processo de especificação e implementação de linguagens de programação, a partir do estudo dos conceitos, modelos, técnicas e

Leia mais

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Dados em Algoritmos Quando escrevemos nossos programas, trabalhamos com: Dados que nós fornecemos ao programa Dados

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro

Leia mais